PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 2013

2 SUMÁRIO P á g i n a 2 1. INSTITUIÇÃO Identificação Histórico da Instituição Missão Inserção Regional Dados do Curso Nome do Curso Modalidade Carga Horária Atos Legais Turnos de funcionamento e vagas Regime de Matrícula Forma de Ingresso Endereço de funcionamento do Curso ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Contexto Educacional Implementação das Políticas Institucionais constantes no PDI, no âmbito do curso Auto-avaliação do curso Projeto Pedagógico Objetivos do Curso Perfil do Egresso Campos de Atuação Competências e Habilidades Estrutura Curricular Conteúdos Curriculares º. Semestre:... 21

3 P á g i n a º. Semestre: º. Semestre: º. Semestre: º. Semestre: Optativas Metodologia Atividades Acadêmicas articuladas à formação Projetos integração Visitas Técnicas Atendimento ao discente CORPO DOCENTE Administração Acadêmica Atuação do Coordenador do Curso Núcleo Docente Estruturante NDE Colegiado de curso ou equivalente Perfil Docente Corpo Docente Produção Científica INSTALAÇÕES FÍSICAS Instalações Gerais Sala de Professores e Sala de Reuniões Gabinete de Trabalho para Professores Tempo Integral e Coordenação Salas de Aula Acesso dos alunos a equipamentos de informática Registro Acadêmico Biblioteca Política de aquisição de livros da Bibliografia Básica e Complementar... 54

4 P á g i n a Periódicos especializados Instalações e Laboratórios específicos Laboratórios especializados e sua infraestrutura e serviços dos laboratórios especializados Softwares de apoio ao curso... 67

5 1. INSTITUIÇÃO P á g i n a Identificação Mantenedora: INSTITUTO BANDEIRANTES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA LTDA CNPJ: / Endereço: Rua Luiz Otávio, nº Parque Santa Cândida Campinas/SP Mantida: Faculdade Politécnica de Campinas (POLICAMP) Endereço: Rua Luiz Otávio, nº Parque Santa Cândida Campinas/SP 1.2. Histórico da Instituição A FACULDADE POLITÉCNICA DE CAMPINAS - POLICAMP é uma Instituição de Ensino Superior, localizada à Luiz Otávio, nº Fazenda Santa Cândida Campinas/SP, mantida pelo Instituto Bandeirantes de Ciência e Tecnologia também denominado pela sigla IBCT (CNPJ nº / ), entidade jurídica de direito privado, de fins educacionais, constituída na forma do Código Civil Brasileiro, de seu estatuto e pela legislação vigente que lhe for aplicável, fundado em 16 de janeiro de 2003, conforme dispositivos legais pertinentes, e tem como sede e foro a cidade de Campinas, Estado de SP. Em 2004 as primeiras turmas dos cursos de Administração e Ciências Contábeis iniciaram suas atividades. Seguiram-se a eles os cursos de Direito, Sistemas de Informação, Cursos Superiores de Tecnologia em Redes de Computadores e Marketing em 2005 e Engenharia de Controle e Automação e Engenharia de Produção em Em 2007, tiveram início os Cursos Superiores de Tecnologia em Logística e Análise e Desenvolvimento de Sistemas; em 2008, o Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial; em 2009, os Cursos Superiores de Tecnologia em Comércio Exterior e Comunicação Institucional; Em 2011 tiveram início os cursos de Engenharia de Computação, Engenharia Ambiental, Engenharia Elétrica, Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia e Gestão de Recursos Humanos e em 2012, o Curso de Engenharia Civil. O ano de 2006 marcou o lançamento dos cursos de pós-graduação Lato Sensu nas áreas de Tecnologia, Marketing, Direito e Negócios. Desde a sua criação a POLICAMP tem se destacado na formação de profissionais, bem como nos altos conceitos obtidos nas avaliações realizadas pelos órgãos governamentais Missão A missão da POLICAMP é promover a educação socialmente responsável, com alto grau de qualidade, propiciando o desenvolvimento dos projetos de vida de seus alunos. Os objetivos da faculdade estão concentrados na oferta de um ensino de qualidade que busca desenvolver nos formandos uma sólida base de conhecimentos, conceitos, posturas e práticas profissionais, para que possam desenvolver habilidades e competências com vistas à implementação dos seus projetos de vida Inserção Regional Em 2009, a população da região chegou a habitantes ou 6,7% da estadual. A

6 P á g i n a 6 densidade demográfica de 722,1 habitantes por km2 apresenta-se mais elevada nos municípios de Hortolândia (3.243 hab./ km2), Campinas (1.328 hab./ km2) e Sumaré (1.494 hab./ km2). Dos 19 municípios da região, apenas dois possuíam, em 2009, população inferior a 20 mil habitantes (Engenheiro Coelho e Holambra). Campinas ( habitantes), Sumaré, Americana, Santa Bárbara, Hortolândia e Indaiatuba são os maiores municípios, todos com população superior a 100 mil habitantes, concentram 77% da população regional. A taxa de urbanização metropolitana atingiu, em 2009, 97,3%. Apenas cinco municípios possuíam taxas de urbanização inferiores a 90%: Holambra (53,7%), Engenheiro Coelho (77,1%), Itatiba (77,5%), Santo Antônio de Posse (84,9%) e Jaguariúna (89,7%). A região possui dinamismo superior ao de muitas metrópoles nacionais que são capitais estaduais e, nas últimas três décadas, apresentou taxas de crescimento demográfico maiores do que as da RMSP. Campinas, a sede da região, tornou-se um dos 20 maiores municípios brasileiros, abrigando 39,9% dos habitantes da RMC. A evolução socioeconômica e espacial da região transformou-a em um espaço metropolitano com uma estrutura produtiva moderna, com alto grau de complexidade e grande riqueza concentrada em seu território. A infraestrutura de transportes, a proximidade do maior mercado consumidor do país, que é a RMSP, o sofisticado sistema de ciência e tecnologia, a mão de obra altamente qualificada, entre outros, deram à RMC vantagens para instalação de novas empresas e para formação de arranjos produtivos nas áreas de petroquímica, têxtil, cerâmica e flores, entre outros. A localização geográfica e o sistema viário foram fatores primordiais no desenvolvimento da agroindústria, ao permitirem a ligação com regiões produtoras de matérias primas e os grandes mercados consumidores e terminais de exportação. O setor agropecuário tornou-se moderno e diversificado, possuindo forte integração com os complexos agroindustriais e elevada participação de produtos exportáveis ou destinados ao mercado urbano de maior poder aquisitivo. Seus principais produtos são cana-de-açúcar, laranja, suinocultura, avicultura, horticultura, fruticultura e floricultura. A produção regional tem aumentado sua participação no total estadual com a instalação de novas fábricas de setores intensivos em tecnologia, o que indica a posição privilegiada da região para a localização industrial, transformando-a no terceiro maior parque industrial do país, atrás apenas das Regiões Metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro. A indústria abriga setores modernos e plantas industriais articuladas em grandes e complexas cadeias produtivas, com relevantes participações na produção estadual. Uma das divisões mais representativas é a de alimentos e bebidas, que responde por cerca de um quarto da produção estadual. Sobressaem, ainda, os ramos mais complexos, como o de material de transporte, químico e petroquímico, de material elétrico e de comunicações, mecânico, de produtos farmacêuticos e perfumaria e de borracha. A indústria regional é bastante diversificada, podendo-se destacar: em Paulínia, o Pólo Petroquímico composto pela Refinaria do Planalto - Replan, da Petrobrás, e por outras empresas do setor químico e petroquímico; em Americana, Nova Odessa e Santa Bárbara d Oeste, o parque têxtil; em Campinas e Hortolândia, o pólo de alta tecnologia, formado por empresas ligadas à emergente área de tecnologia de informação. A existência das instituições de ensino e pesquisa e de inúmeras escolas técnicas e a

7 P á g i n a 7 consequente disponibilidade de pessoal qualificado foram fundamentais para a presença de grande número de empresas de alta tecnologia, que atuam principalmente nos setores de informática, microeletrônica, telecomunicações, eletrônica e química fina, automobilística, além de um grande número de empresas de pequeno e médio porte fornecedoras de insumos, componentes, partes, peças e serviços. O dinamismo regional assegura ao município de Campinas escala para desenvolver um conjunto de atividades tradicionalmente encontradas apenas nas grandes capitais do país: grande rede de serviços educacionais e bancários; hospitais e serviços médicos especializados; setor terciário moderno; comércio diversificado e de grande porte e estrutura hoteleira de ótima qualidade. O setor terciário é dinâmico e avançado, apresentando interação com os demais setores da economia; abrigam modernos equipamentos de comércio, empreendimentos de grande porte em alimentação, entretenimento e hotelaria, além de uma variada gama de serviços, como os profissionais e os voltados para empresas. Na área da saúde, a RMC dispõe de importantes equipamentos públicos e privados, com destaque para o Hospital das Clínicas da Unicamp. A economia local se beneficia do suporte técnico propiciado pela presença de importantes instituições de ensino e pesquisa. A região abriga um dos mais importantes sistemas científicos e tecnológicos do país, composto por várias Universidades, destacando-se a Universidade Estadual de Campinas-Unicamp e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCCAMP. Campinas possui a maior concentração de instituições de P&D do interior brasileiro, com a presença do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento - CPqD, com papel estratégico no setor de telecomunicações, do Centro Tecnológico da Informação Renato Archer-CTI, da Fundação Instituto Tecnológico de Logística-FITEL, da Companhia de Desenvolvimento Tecnológico - Codetec, do Instituto Agronômico de Campinas-IAC, do Instituto Tecnológico de Alimentos - ITAL e do Laboratório Nacional de Luz Sincroton-LNLS Dados do Curso Nome do Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas O Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas foi autorizado pela Portaria SETEC nº 38, de 6 de Julho de 2006, publicada no Diário Oficial da União de 10 de julho de 2006, com a seguinte denominação Curso Superior de Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas para Internet. Em 28 de Setembro de 2007 a IES solicitou no sistema e-mec o reconhecimento do Curso (Protocolo nº ). Em 03 de Dezembro de 2008 foi instaurada diligência no referido processo pela Coordenação Geral da SETEC (CGSET-SETEC-MEC), finalizada em 29 de dezembro de 2008, solicitando a alteração da denominação do Curso para Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atendendo à organização do Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, com classificação no eixo tecnológico Informação e Comunicação Modalidade Curso Superior de Tecnologia

8 P á g i n a Carga Horária 2300 horas Atos Legais Autorizado pelo MEC, conforme Portaria Ministerial nº 38, publicada no Diário Oficial da União em 06/07/ Turnos de funcionamento e vagas Noturno 100 vagas Regime de Matrícula Anual Forma de Ingresso Vestibular Unificado com aproveitamento do ENEM Endereço de funcionamento do Curso Rua Luiz Otávio, nº Parque Santa Cândida Campinas/SP 2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 2.1. Contexto Educacional Implementação das Políticas Institucionais constantes no PDI, no âmbito do curso O termo projeto vem do latim e, em seu sentido mais estrito, significa lançar para diante Estruturar um Projeto Pedagógico é, portanto planejar o trabalho de formação humana em seu sentido mais amplo. A Faculdade de Politécnica de Campinas (POLICAMP) entende que o Projeto Pedagógico dos seus Cursos representa muito mais do um documento estruturado e estático que norteia as ações de formação humana e profissional da instituição. É antes a representação da sua visão acerca de como o futuro se apresenta e a consequente tradução e incorporação desta visão nas ações que norteiam e circunscrevem os seus Projetos Pedagógicos. Em outras palavras a construção das diretrizes para formar as pessoas para o futuro acontece no presente. Daí a importância, ao propor Projetos Pedagógicos, de se levar em conta as condições atuais e de se confrontar as mesmas com o que a instituição julga ser necessário. É nesta perspectiva que se insere a concepção da POLICAMP acerca dos seus Projetos Pedagógicos - é do confronto entre as condições atuais e as desejáveis que surge a melhor forma de construir o que é possível na formação humana e profissional. O possível neste âmbito significa a exploração dos limites do real tendo como instrumento de transformação da realidade a identificação de alternativas de ação. A elaboração de um Projeto Pedagógico para a POLICAMP implica em analisar o contexto real e o escolar definindo ações, estabelecendo o que alcançar, criando percursos e fases para o trabalho, definindo tarefas para os atores envolvidos e acompanhando e avaliando a trajetória percorrida e os resultados parciais e finais. Esta função não pode ser assumida, na visão da POLICAMP, sem que haja uma efetiva articulação com outros instrumentos que sinalizam a direção institucional para o alcance de compromissos sociais. Assim torna-se imprescindível a implementação do Projeto Pedagógico Institucional PPI e o Plano Desenvolvimento Institucional PDI que juntos com o Projeto Pedagógico dos Cursos PPC formam o tripé que sustentam o cumprimento da missão institucional e social da Faculdade.

9 P á g i n a 9 O Projeto Pedagógico Institucional define princípios que orientam os agentes responsáveis pela sua operacionalização. É um instrumento que estabelece o pensamento institucional acerca das concepções da instituição sobre educação é a construção da identidade institucional. Implica numa análise coletiva tanto da sua história (a que lhe deu as características que apresenta no momento) quanto das direções intencionais que serão assumidas em função das definições tomadas pelo Projeto Pedagógico dos Cursos. O PPI contribui efetivamente para tornar os Projetos Pedagógicos dos Cursos da POLICAMP um instrumento de condução do presente e do futuro. O PPI na Faculdade de Politécnica de Campinas é um instrumento que serve de guia para a prática pedagógica dos cursos e promove a unidade pedagógica que expressa a sua filosofia educacional. A Diretoria é o principal agente articulador dos Projetos tanto Institucional quanto Pedagógico. É a partir da atuação destes atores que se está permanentemente ligando e articulando as ações de ambos os projetos visando a potencialização das suas relações e a composição da teia curricular que circunscreve cada um dos Projetos Pedagógicos dos Cursos. A implementação do Projeto Pedagógico Institucional da POLICAMP norteia a ação transformadora da realidade e viabiliza as ideias inseridas nos Projetos Pedagógicos dos Cursos. A articulação entre o Projeto Pedagógico Institucional e o Projeto Pedagógico se dá a partir de várias dimensões. De um lado os responsáveis principais da POLICAMP articulam ações para promover as relações entre ambos e de outro o compromisso e envolvimento dos Coordenadores dos Cursos e do corpo docente no sentido de tornar concretas as ações consignadas no Projeto Pedagógico dos Cursos. A reflexão permanente e o exercício das ações traçadas em ambos os documentos vão delineando a construção e a reconstrução das diretrizes curriculares. A POLICAMP entende que tanto o PPI quanto o PPC são frutos de uma reflexão consciente de todos os atores envolvidos na sua implementação. Acredita que esta concepção oferece unidade, singularidade e especificidade aos Cursos que possui. Assim assume o compromisso de promover a contínua construção, avaliação e re-elaboração de ambos visando torná-lo uma expressão atualizada da visão que adquire sobre educação superior, sobre universidade e sua função social, sobre o curso, sobre o ensino, sobre a pesquisa e sua relação com o ensino, sobre a extensão e sua relação com o currículo, sobre a relação teoria e prática. Compromete-se a abrir espaços institucionalizados para a discussão e troca de informações visando a promoção do acompanhamento da articulação entre PPI e PPC. Compromete-se também a gerar instrumentos que efetivamente sinalizem a necessidade de alteração das concepções e ações inseridas no PPI e PPC. Estes compromissos de acompanhamento das ações consignadas em ambos os documentos e sua articulação entre si e com os demais instrumentos é percebido como uma ação de grande relevância à medida que pode revelar as características da instituição, nos cursos e entre os cursos, do sistema educacional superior e do contexto social do qual faz parte. O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI é um instrumento que mapeia a organização e o planejamento institucional da POLICAMP, bem como indica um conjunto de objetivos, estratégias e ações básicas para viabilizar sua reestruturação. É um instrumento que oferece condições da Faculdade executar seus Projetos Pedagógicos Institucionais e Pedagógicos dos Cursos. O Projeto Pedagógico Institucional serviu de alicerce para a conformação da grade curricular e dos correspondentes conteúdos programáticos, na medida em que se contemplou a realidade das relações humanas no mercado de trabalho e as formas de distribuição física de bens

10 P á g i n a 10 tangíveis e intangíveis, através dos canais de distribuição e as suas multi-relações intrínsecas e extrínsecas, num contexto globalizado, visando atender as necessidades organizacionais no desenvolvimento local, regional, nacional e internacional. Os Projetos pedagógicos, em constante desenvolvimento e aperfeiçoamento, serão acompanhados pela Coordenação de Curso, Direção e Professores num compromisso conjunto pela qualidade. A Coordenação de Curso terá como uma das principais atribuições acadêmicas, o acompanhamento e a análise do andamento do projeto pedagógico. Contudo, a Direção e os Professores também serão responsáveis pela consolidação e pela qualidade do mesmo. A Direção, sobretudo, na logística institucional administrativa para o desenvolvimento de cada projeto de curso da faculdade e os professores especificamente, encaminhando a parte voltada para a dimensão didático-pedagógica do curso. Todos com a consciência coletiva de responsabilidade de avaliar constantemente os trabalhos desenvolvidos e a qualidade dos cursos oferecidos. Tal avaliação é formalizada através do Programa de Avaliação Institucional onde todos terão a oportunidade de registrar suas críticas e sugestões. As Atividades Acadêmicas permanentes de ensino, pesquisa e extensão estarão integradas de forma a se reforçarem mutuamente. O compromisso maior da Faculdade de Politécnica de Campinas é com o Ensino de qualidade. Assim, a pesquisa na Instituição terá característica empírica de aplicação prática. Contarão como pesquisa: os trabalhos discentes de conclusão de curso - TCC, as pesquisas de iniciação científica - PIC e as atividades desenvolvidas nas disciplinas de PAC - Pesquisa e Atividades Complementares. A extensão será incentivada pelas semanas de estudos e jornadas que serão organizadas anualmente sob a responsabilidade de cada coordenadoria de curso, as visitas técnicas desenvolvidas por professores fora e dentro do Campus. A natureza da pesquisa possível nesta realidade educacional será voltada quase que inteiramente para as questões do Ensino, estando aí a integração legítima entre Pesquisa e Ensino. O curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da POLICAMP foi autorizado pelo MEC, conforme Portaria Ministerial nº 38, publicada no Diário Oficial da União em 06/07/2006. Em 2007 foi instituída a primeira turma do curso, sendo realizado a partir de então vestibulares anuais para formação de novas turmas. Atualmente (2013) na IES existem três turmas com tamanho médio de 20 alunos para as aulas teóricas e práticas. A construção da estrutura curricular da proposta pedagógica do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da POLICAMP constitui-se de um conjunto encadeado de disciplinas teóricas e práticas cuja carga horária perfaz um total de horas, distribuídas em 5 semestres. No decorrer dos anos (2007 a 2013) foram construídos laboratórios específicos para atender a demanda das disciplinas, contando atualmente na IES com 09 laboratórios específicos para os cursos de Tecnologia da Informação. Todas estas ações e outras complementares visam atender as especificações contidas no Plano de Desenvolvimento Institucional PDI e são detalhadas na Tabela 1. Nesta Tabela são descritas as correlações entre o PDI e as ações tomadas para sua implementação no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, descritos em seu PPC.

11 Tabela 1. Articulação entre gestão institucional e a gestão do curso para implementação do PDI no Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas TÓPICO DO PDI* SEÇÃO NO PDI* TÓPICO DO PPC SEÇÃO DO PPC PÁGINA DO PPC Missão, objetivos e metas na sua área de atuação 1.2 Objetivos do Curso Perfil do Egresso Metas e Ações Institucionais Produção Científica Estrutura Organizacional da Instituição 7.1 Núcleo Docente Estruturante NDE Colegiado de curso ou equivalente Projeto Pedagógico da Instituição 2 Contexto Educacional Implementação das Políticas Institucionais constantes no PDI, no âmbito do curso Histórico e Desenvolvimento da Instituição de Ensino 1.1 Dados do curso Breve histórico da IES Procedimentos de Auto-Avaliação Institucional Perfil do Corpo Docente e Corpo Técnico- Administrativo 7.3 Auto-avaliação do curso Administração Acadêmica Estrutura Organizacional da Instituição 7.1 Atuação do coordenador de curso Infraestrutura e Instalações Acadêmicas 8 Registros Acadêmicos Procedimentos de Atendimento aos Alunos 7.2 Atendimento ao discente Implantação e Desenvolvimento da Instituição: programa de Abertura de Cursos de Pós-Graduação e Extensão Perfil do Corpo Docente e Corpo Técnico- Administrativo 3 Metodologia Programa de Visitas Técnicas Trabalhos multidisciplinares Corpo Docente 3 46 Infraestrutura e Instalações Acadêmicas 8 A. Instalações Gerais C. Biblioteca D. Instalações e Laboratórios específicos *Referente ao PDI: Período 2012 a

12 2.1.2 Auto-avaliação do curso Os cursos da Faculdade POLICAMP, tendo em vista a manutenção e melhoria da qualidade do ensino oferecido, promovem um processo sistemático e periódico de avaliação e acompanhamento da efetivação de seus projetos pedagógicos bem como das atividades acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão. Por meio de instrumentos informatizados, em cuja base está as dimensões do SINAES (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior), realiza-se o processo de auto-avaliação do curso organizado nas seguintes áreas: docentes, discentes, funcionários, infraestrutura e relacionamento intra e interinstitucional. E seus resultados das avaliações são publicados periodicamente de acordo com o calendário aprovado pela Diretoria da Faculdade. Todo o processo de auto-avaliação do curso é gerenciado e desenvolvido por uma Comissão Própria de Avaliação (CPA), constituída por membros designados pelo Diretor, constituindo parte integrante da Diretoria. Esse programa estrutura as condições para a efetivação do sistema de auto-avaliação, envolvendo toda a comunidade acadêmica, num esforço de diagnosticar as possíveis falhas ou os pontos de qualidade dos aspectos pedagógicos, administrativos e de infraestrutura. A partir desse diagnóstico elabora-se um Plano de Melhorias para cada período letivo, considerando-se as ações para atender os quesitos que não atingiram o nível mínimo de satisfação do aluno (nota 3). O plano de melhoria é assumido como meta executiva pelos segmentos institucionais, considerando suas especificidades. Ao final de cada período de vigência do Plano avalia-se o alcance e efetivação de seus objetivos, comparando-o com o resultado da avaliação institucional subsequente, num processo constante de busca pela melhoria da qualidade dos serviços educacionais oferecidos, bem como os de qualificação institucional. A CPA desenvolve suas atividades com apoio operacional da Diretoria e a participação dos membros da comunidade acadêmica (alunos, professores e pessoal técnico-administrativo), dirigentes e egressos e busca manter estreita articulação com as Coordenações de Cursos. Sendo assim, cabe à CPA: Implantar e alimentar o banco de dados institucional, de forma a estabelecer os indicadores que serão utilizados no processo de auto-avaliação; Analisar o Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI e sua adequação ao contexto da Instituição, no que se refere à: missão institucional, concepção dos cursos, currículos, além da factibilidade do que foi projetado em termos de crescimento quantitativo e qualitativo, considerando a evolução da unidade; Avaliar o processo de implantação proposto, o nível de cumprimento das metas estabelecidas, ano a ano, e as principais distorções; Analisar os resultados de processos avaliativos realizados pelo MEC, como os exames nacionais de curso, os dados dos questionários-pesquisa respondidos pelos alunos que se submeterem aos exames, os resultados das Avaliações das Condições de Ensino Projeto Pedagógico Objetivos do Curso

13 P á g i n a 13 Os cursos que trabalham os sistemas de informação, no campo acadêmico, abrangem duas grandes áreas: (1) aquisição, desenvolvimento e gerenciamento de serviços e recursos da tecnologia de informação e (2) o desenvolvimento e evolução de sistemas e infraestrutura para uso em processos organizacionais. A função de sistemas de informação tem a responsabilidade geral de desenvolver, implementar e gerenciar uma infraestrutura de tecnologia da informação (computadores e comunicação), dados (internos e externos) e sistemas que abrangem toda a organização. Tem a responsabilidade de fazer prospecção de novas tecnologias da informação e auxiliar na sua incorporação às estratégias, planejamento e práticas da organização. A função também apóia sistemas de tecnologia da informação departamentais e individuais. Assim sendo, o Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade Politécnica de Campinas POLICAMP tem por objetivos gerais: Formar um profissional dotado de sólidos conhecimentos fundamentais, capaz de se adaptar ao trabalho em equipes multidisciplinares, utilizar metodologias nas diversas áreas da computação, acompanhando as evoluções tecnológicas e podendo atuar com competência nas mais diferentes organizações e instituições públicas ou privadas; Formar profissionais adequados à realidade nacional e regional, capazes, contudo, de adequarse à dinâmica das mudanças de contexto social-político-econômico-cultural, possuindo sólidos conhecimentos técnicos associados a um conjunto de habilidades humanas, capazes de atuar junto aos diversos tipos de organizações; Formar profissionais que possuam flexibilidade e que possam atuar no âmbito do processo de globalização que, sendo ainda uma incógnita no sentido do encontro de culturas através da expansão mundial dos negócios, com queda de fronteiras nacionais com o advento de mercados comuns e a extraordinária velocidade de desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação exigirá indivíduos aptos a avaliar e decidir em ambientes de incertezas; Formar profissionais empreendedores, que atuem como multiplicadores dos esforços internos nas organizações as quais pertençam ao mesmo tempo em que tenham a capacidade de iniciar novos negócios, desbravando mercados, avaliando e assumindo os riscos necessários ao sucesso dos empreendimentos; Formar profissionais dotados de sólidos valores morais e éticos, cônscios de suas responsabilidades profissionais e sociais; Formar profissionais com mentalidade analítica-crítica dos fenômenos organizacionais, capazes de visualizar e propor soluções estruturadas e inovadoras aos complexos problemas inerentes as organizações modernas; Formar profissionais que tenham como objetivos permanentes o autodesenvolvimento e a autoaprendizagem Objetivos Específicos Formar um profissional capaz de: Analisar problemas reais e desenvolver algoritmos adequados para resolvê-los; Desenvolver softwares aplicativos e/ou de sistemas de informação para as várias arquiteturas existentes; Atuar como analista de software;

14 P á g i n a 14 Atuar no planejamento e gerenciamento da infraestrutura de informação e coordenação dos recursos de informação; Atuar no desenvolvimento científico da área de sistemas de informação das organizações; Utilizar linguagens de programação sob a ótica dos paradigmas: estruturado, funcional, lógico, orientado a objetos e orientado a eventos; Atuar como empreendedor na área de informática, sobretudo através do desenvolvimento de novas soluções e aplicativos computacionais. Atuar com competência no desenvolvimento de sistemas de informação empresariais e para Internet Perfil do Egresso Sistemas de Informação podem ser definidos como uma combinação de recursos humanos e computacionais que inter-relacionam a coleta, o armazenamento, a recuperação, a distribuição e o uso de dados com o objetivo de eficiência gerencial (planejamento, controle, comunicação e tomada de decisão), nas organizações. Adicionalmente, os sistemas de informação podem também ajudar os gerentes e os usuários a analisar problemas, criar novos produtos e serviços e visualizar questões complexas. Esta visão indica que Sistemas de Informação são sistemas sociais compostos de tecnologia de informação que exigem investimentos sociais, organizacionais e intelectuais para fazê-los funcionar adequadamente. Assim sendo, a formação deste profissional deve propiciar-lhe a aquisição ou o desenvolvimento das seguintes características: Possuir raciocínio lógico-dedutivo; Habilidade para o uso de linguagens de programação e ferramentas computacionais; Possuir conhecimentos e técnicas necessárias ao desenvolvimento de novos projetos, soluções, tecnologias e pesquisas; Capacidade para efetuar a modelagem de dados, sistemas e estruturas; Capacidade de desenvolver e implementar aplicativos e sistemas de informação para as várias arquiteturas existentes; Capacidade de acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade; Desenvolver visão e postura empreendedora; Capacidade de atuar como programador, projetista e consultor Campos de Atuação

15 P á g i n a 15 O Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas atuará nas áreas de desenvolvimento de software sobretudo os relacionados com sistemas de informação, na consultoria e prestação de serviços, em empresas de informática e em consultorias, exercendo funções de analista de sistemas ou de software para as áreas da educação, comércio, indústria, transporte, automação, financeira, etc Competências e Habilidades As capacidades de se adaptar ao trabalho em equipes multidisciplinares, de utilizar metodologias nas diversas áreas da Computação e de acompanhar as evoluções tecnológicas são adquiridas nas disciplinas distribuídas durante os 5 semestres do curso, com aulas expositivas, aulas laboratoriais, projetos, seminários e programa de projetos interdisciplinares, desenvolvidos individualmente ou em equipe. A formação humanista é obtida, sobretudo pelas disciplinas: Gestão Empreendedora, Direito e Legislação, Ética, Responsabilidade Social e Meio Ambiente e dos projetos de integração profissional que são desenvolvidos extraclasses e são convalidados através de Relatórios e Apresentações de Seminários. O Curso contempla ainda, n Para o completo entendimento e conscientização dos alunos os conteúdos de: Fundamentos antropológicos. A cultura como processo político social. Multiculturalismo. Fenômenos culturais, étnicos, indígenas, raciais e linguísticos. Preconceitos. As relações entre administração e cultura. Relações etnorraciais na sociedade e nas empresas. O papel sociocultural na construção da identidade dos administradores na organização. Tratamento da diversidade etnocultural na administração. Responsabilidade socioambiental na sociedade e nas empresas. Gestão e meio ambiente. A importância da ética permeando as relações sociais e políticas no mundo econômico contemporâneo. São abordados na disciplina regular de Gestão Empreendedora, além de ser a ementa básica em uma disciplina específica na modalidade optativa. A concepção do meio ambiente em sua totalidade, considerando a interdependência entre o meio natural, o sócio-econômico e o cultural, sob o enfoque da sustentabilidade são contemplados na disciplina Ética, Responsabilidade Social e Meio Ambiente, estando, ainda, contemplados de forma integrada nas disciplinas do curso que abordam a área humanística. A Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é oferecida como disciplina optativa e ainda entre os conteúdos de extensão e integração profissional do curso. A Faculdade, através do PROE (Programa de Orientação ao Estudante) oferece regularmente cursos de LIBRAS abertos a todos os estudantes interessados, em atendimento ao disposto no 2º do artigo 3º do Decreto nº 5.626/2005. A aquisição ou o desenvolvimento das características abaixo será realizado da seguinte maneira: Possuir raciocínio lógico-dedutivo através das disciplinas: Algoritmos e Lógica de Programação, Matemática, e Estatística; Habilidade para o uso de linguagens de programação e ferramentas computacionais através das disciplinas: Algoritmos e Lógica de Programação, Laboratório de Programação de Computadores, Programação Orientada a Objetos, Tecnologia e Programação Web, Sistemas Operacionais e Banco de Dados;

16 P á g i n a 16 Possuir conhecimentos e técnicas necessárias ao desenvolvimento de novos projetos, soluções, tecnologias e pesquisas através de disciplinas: Arquitetura e Organização de Computadores, Engenharia de Software, Análise e Projeto de Sistemas e dos Projetos interdisciplinares semestrais; Capacidade para efetuar modelagem de dados, sistemas e estruturas de dados e de implementar sistemas de informação e aplicativos através das disciplinas: Estrutura de Dados e Algoritmos, Programação Orientada a Objetos, Engenharia de Software, Interação Humano- Computador, Banco de Dados e dos Projetos interdisciplinares semestrais; Capacidade de desenvolver e implementar aplicativos e sistemas de informação para as várias arquiteturas existentes através das disciplinas: Arquitetura e Organização de Computadores, Laboratório de Programação de Computadores, Programação Orientada a Objetos, Tecnologia e Programação Web e Redes de Computadores; Capacidade de acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade através das disciplinas: Tecnologia e Programação Web, Redes de computadores e dos Projetos interdisciplinares semestrais; Desenvolver visão e postura empreendedora através da disciplina: Gestão Empreendedora; Capacidade de atuar como programador, projetista e consultor através de todas as disciplinas oferecidas ao longo do curso Estrutura Curricular A seguir será apresentada a Tabela 2 que representa a Matriz 2010 do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas que sofreu uma adequação de acordo com os apontamentos descritos a frente.

17 Tabela 2. Matriz 2010 do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas DISCIPLINAS MATRIZ 2010 CARGA HORÁRIA 1º Semestre Teoria Prática Total Algoritmos e Lógica de Programação I Arquitetura e Organização de Computadores Laboratório de Programação de Computadores I Matemática Redes de Computadores I TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Algoritmos e Lógica de Programação II Cálculo Diferencial e Integral Laboratório de Programação de Computadores II Redes de Computadores II Sistemas Operacionais TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Administração e Gerência de Redes Banco de Dados I Engenharia de Software I Estatística Estrutura de Dados e Algoritmos I Integração Profissional I TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Banco de Dados II Engenharia de Software II Estrutura de Dados e Algoritmos II Programação Orientada a Objeto I Laboratório de Programação de Computadores III Integração Profissional II TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Análise e Projeto de Sistemas Gestão Empreendedora Optativa(*) Interação Humano-Computador Programação Orientada a Objeto II Laboratório de Programação de Computadores IV Integração Profissional III TOTAL TOTAL GERAL (*) Optativas: Libras Direito e Legislação Ética, responsabilidade social e Meio Ambiente 40 40

18 Apontamentos de atualização da matriz curricular A área de Tecnologia de Informação é uma das áreas do conhecimento humano cuja evolução se mostra especialmente rápida. Neste sentido, torna-se imprescindível que o Corpo Docente, fundamentado pelo seu Núcleo Docente Estruturante NDE, realize constantes atualizações no Projeto Pedagógico do curso, particularmente em sua estrutura curricular. Leva-se em consideração a velocidade significativa com que novas tecnologias suplantam outras que até há pouco se mostravam absolutas. A estas características, agrega-se a avaliação dos docentes do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, cuja maioria está inserida no mercado profissional de trabalho. Esta avaliação aponta para necessidades específicas do mercado de trabalho atual na Região Metropolitana de Campinas. Essa realidade aponta para uma crescente demanda de profissionais com conhecimentos e prática na área de Auditoria de sistemas de informação, programação para sistemas web e com bons conhecimentos na área de gestão de projetos. Considerando-se estas premissas, foi realizada uma reestruturação no currículo do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, que busca, além de seus objetivos já existentes, as seguintes características: Acelerar a empregabilidade dos ingressantes, trazendo conteúdos de cunho profissionalizante e específicos da área de Auditoria de sistemas de informação para o semestre final; Ampliar os conteúdos sobre gerenciamento de projetos na área de Tecnologia de Informação; Alinhamento de um conjunto de conteúdos que permitem uma melhor formação na área de arquitetura de projetos de software. Dessa forma, o currículo em vigor para ingressantes a partir do início do ano de 2012 está configurado de acordo com a Tabela 3.

19 P á g i n a 19 Tabela 3. Matriz 2012 do curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas DISCIPLINAS MATRIZ 2012 CARGA HORÁRIA 1º Semestre Teoria Prática Total Algoritmos e Lógica de Programação I Introdução a Administração Laboratório de Programação de Computadores I Matemática Computacional Redes de Computadores I TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Algoritmos e Lógica de Programação II Redes de Computadores II Laboratório de Programação de Computadores II Probabilidade e Estatística Sistemas Operacionais Projeto de Desenvolvimento de Sistemas TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Banco de Dados I Engenharia de Software I Tecnologia e Programação Web I Estrutura de Dados e Algoritmos I Arquitetura e Organização de Computadores Projeto de Sistemas Web TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Gestão Empreendedora Banco de Dados II Engenharia de Software II Estrutura de Dados e Algoritmos II Programação Orientada a Objeto I Gerência de Projetos Projeto de Sistemas Orientados a Objeto TOTAL º Semestre Teoria Prática Total Análise e Projeto de Sistemas Tecnologia e Programação Web II Interação Humano-Computador Programação Orientada a Objeto II Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Projeto Integrado de Desenvolvimento de Sistemas Optativa(*) TOTAL TOTAL GERAL (*) Optativas: Libras Direito e Legislação Ética, responsabilidade social e Meio Ambiente 40 40

20 P á g i n a 20 Certificações intermediárias: O curso de ADS possibilita que os alunos obtenham certificados de qualificação profissional de acordo com os requisitos abaixo: Semestres: 1º. e 2º. - Programação de Computadores Semestres: 1º., 2º., 3º. e 4º. - Engenharia de Software Semestres: TODOS - Analista e Projetista de Sistemas Conteúdos Curriculares

21 º. Semestre: Disciplina Algoritmos e Lógica de Programação I Carga Horária 80 Ementa Algoritmos e programas. Tipos de dados escalares, variáveis, atribuições e expressões. Estruturas de controle: decisão, repetição e desvio. Modularização e funções. Tipos estruturados básicos: arranjos unidimensionais. Referências Básica FORBELLONE, A.L.V.. EBERSPACHER, H.F. Lógica de Programação A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. São Paulo: Makron, OLIVEIRA, J. F., MANZANO, J. A. N. G. Algoritmos - Lógica para Desenvolvimento de Programação de Computadores. SP: Érica, SCHILDT, H. C Completo e Total. São Paulo: Makron, Complementar WIRTH, N. Algoritmos e estruturas de dados. Rio de Janeiro : LTC, DEITEL, H. M. Como Programar em C. Rio de Janeiro : LTC, SALVETTI, D. D., / BARBOSA, L. M. Algoritmos. SP: Makron, PREISS, BRUNO R. Estrutura de Dados e Algoritmos. RJ: Campus, DROZDEK, A. Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. 1a Ed. SP: Pioneira, Disciplina Laboratório de Programação de Computadores I Carga Horária 60 Ementa Ambientes de desenvolvimento e programação. Compiladores: conceitos básicos e utilização. Implementação de programas utilizando uma linguagem de alto nível. Estratégias básicas de desenvolvimento de programas. Referências Básica FORBELLONE, A.L.V.. EBERSPACHER, H.F. Lógica de Programação A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. São Paulo: Makron, OLIVEIRA, J. F., MANZANO, J. A. N. G. Algoritmos - Lógica para Desenvolvimento de Programação de Computadores. SP: Érica, SCHILDT, H. C Completo e Total. São Paulo: Makron, Complementar WIRTH, N. Algoritmos e estruturas de dados. Rio de Janeiro : LTC, DEITEL, H. M. Como Programar em C. Rio de Janeiro : LTC, SALVETTI, D. D., / BARBOSA, L. M. Algoritmos. SP: Makron, PREISS, BRUNO R. Estrutura de Dados e Algoritmos. RJ: Campus, DROZDEK, A. Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. 1a Ed. SP: Pioneira, 2002.

22 Disciplina Introdução a Administração Carga Horária 60 Ementa O cenário econômico-social-tecnológico contemporâneo. As organizações. A Administração. O administrador. Habilidades gerenciais. Ambiente interno e externo de negócios. Cultura organizacional. Responsabilidade econômica, social e ambiental. Escola clássica. Fordismo. Escola comportamental. Escola estruturalista. Abordagem sistêmica. Abordagem contingencial. Tomada de decisões. Sistemas de informações gerenciais. Referências Básica BATEMAN, Thomas S. Administração: construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, MAXIMIANO, Antônio C. Amaru. Teoria Geral da Administração: da Revolução Urbana à Revolução Digital. São Paulo: Atlas, MAXIMIANO, Antônio C. Amaru. Introdução a Administração. São Paulo: Atlas, Complementar ANDRADE, Rui Otávio B. TGA Teoria Geral da Administração: das origens às perspectivas contemporâneas. São Paulo: Makron Books, COSTA, E. A. Gestão estratégica. São Paulo: Saraiva, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro: Elsevier, HUNTER, James C. Como se tornar um líder servidor. Rio de Janeiro: Sextante, CERTO, Samuel C. Administração Moderna. 9ª ed. SP: Pearson, Disciplina Matemática Computacional Carga Horária 60 Ementa Teoria dos conjuntos. Potenciação e Radiação. Relações. Funções. Sistema Cartesiano. Função Polinomial do 1º grau. Função Polinomial de 2º grau. Sistema de equações. Funções Trigonométricas. Função Exponencial. Função Logarítmica. Progressões: Aritmética ou Geométrica. Álgebra Matricial. Determinantes. Sistemas Lineares. Referências Básica GERSTING, J. L. Fundamentos Matemáticos para Ciência da Computação. 4ª ed. Editora LTC, PIOVESANA, Celso Ilidio. Matemática básica. Itatiba - SP: Padrao, SILVA, S. M. Matemática básica para cursos superiores. SP: Atlas, Complementar BOLDRINI, J.L. et. al. Álgebra Linear. São Paulo: Harper & Row do Brasil, LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica. Tradução de Cyro de Carvalho Patarra. V FEITOSA, M. O. Cálculo vetorial e geometria analítica. SP: Atlas, SIMMONS, G. F. Cálculo com geometria analítica. SP: Markron, v. 1. RUGGIERO, M. A. G. Cálculo numérico: aspectos teóricos e computacionais. 2. ed. SP: Pearson, BARBONI, A. Fundamentos de matemática: calculo e análise. RJ: LTC, 2009.

23 Disciplina Redes de computadores I Carga Horária 60 Ementa Introdução às Redes de Computadores e Internet. Arquiteturas e padrões. Topologias e meios físicos de transmissão. Camada de Aplicação: DNS e serviços Internet (mail, telnet, ftp e web). Camada de Transporte: TCP e UDP. Referências Básica KUROSE, J. F.. ROSS, K. W. Redes de computadores e a internet: uma nova abordagem. SP: Pearson Education/Addison-Wesley, TANENBAUM, A. S. Redes de computadores. 4. ed. Ed. RJ: Campus, HAYAMA, M. M. Montagem de redes locais. SP : Érica, Complementar KUROSE, J. F.. ROSS, K. W. Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down. 3. ed. SP: Pearson, SOARES, L.. COLCHER, A. Redes de computadores: das LANs, MANs e WANs às redes ATM. 2. ed. RJ: Campus, COMER, D. E. Internetworking with TCP/IP: principles, protocols and architecture. 4. ed. SP: Prentice Hall, PETERSON. DAVIE. Computer networks: a systems approach. 3. ed. Morgan Kaufmann, CHOWDHURY, DHIMAN. D. Projetos Avançados de Redes IP: Roteamento, Qualidade de serviço e voz sobre IP. Rio de Janeiro - RJ: Campus

24 º. Semestre: Disciplina Algoritmos e Lógica de Programação II Carga Horária 80 Ementa Referências Básica FORBELLONE, A.L.V. ; EBERSPACHER, H.F. Lógica de Programação A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. São Paulo: Makron, OLIVEIRA, J. F., MANZANO, J. A. N. G. Algoritmos - Lógica para Desenvolvimento de Programação de Computadores. SP: Érica, Arranjos multidimensionais. Apontadores. Alocação dinâmica de memória. Passagem de parâmetros por referência. Strings. Registros. Arquivos. Recursividade. SCHILDT, H. C Completo e Total. São Paulo: Makron, Complementar WIRTH, N. Algoritmos e estruturas de dados. Rio de Janeiro : LTC, DEITEL, H. M. Como Programar em C. Rio de Janeiro : LTC, SALVETTI, D. D., / BARBOSA, L. M. Algoritmos. SP: Makron, PREISS, BRUNO R. Estrutura de Dados e Algoritmos. RJ: Campus, DROZDEK, A. Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. 1a Ed. SP: Pioneira, Disciplina Laboratório de Programação de Computadores II Carga Horária 60 Ementa Ambientes de desenvolvimento e programação. Implementação de programas utilizando uma linguagem de alto nível. Desenvolvimento de aplicativos. Referências Básica FORBELLONE, A.L.V. ; EBERSPACHER, H.F. Lógica de Programação A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados. São Paulo: Makron, OLIVEIRA, J. F., MANZANO, J. A. N. G. Algoritmos - Lógica para Desenvolvimento de Programação de Computadores. SP: Érica, SCHILDT, H. C Completo e Total. São Paulo: Makron, Complementar WIRTH, N. Algoritmos e estruturas de dados. Rio de Janeiro : LTC, DEITEL, H. M. Como Programar em C. Rio de Janeiro : LTC, SALVETTI, D. D., / BARBOSA, L. M. Algoritmos. SP: Makron, PREISS, BRUNO R. Estrutura de Dados e Algoritmos. RJ: Campus, DROZDEK, A. Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. 1a Ed. SP: Pioneira, 2002.

25 Disciplina Sistemas Operacionais Carga Horária 60 Ementa Referências Básica Tanenbaum, Andrew S. Organização Estruturada de Computadores. Rio de Janeiro - RJ: Ltc, Histórico da evolução dos Sistemas Operacionais. Fundamentos de Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processos. Gerenciamento de Memória. Gerenciamento de disco. Gerenciamento de Entrada e Saída. Sistemas RAID. Instalação e configuração de Drivers de dispositivos. TANENBAUM, A.S Sistemas Operacionais Modernos. 2 ed. São Paulo: Pearson, Thompson, Marco Aurelio. Windows 2003 server: administração de redes.são Paulo - SP: Erica, Complementar GASPARINI, Anteu F.L.. Infraestrutura, protocolos e sistemas operacionais de lans: Redes Locais. 1ª Ed. Erica, CAMPBELL, Patrick T. Instalando Redes em Pequenas e Medias Empresas. 1. ed. São Paulo - SP: Makron Books, BURGESS, M. Princípios de Administração de Redes e Sistemas VIEIRA, F. M., Trabalhando com redes.são Paulo:Ed. Érica, COMER, Douglas E.; Stevens, David L. Interligação em redes com TCP/IP: VOL 2. Rio de Janeiro - RJ: Elsevier, COLCHER, S.,et al. Redes de Computadores.Rio de Janeiro:Campus, Disciplina Probabilidade e Estatística Carga Horária 60 Ementa Natureza da Estatística. População e Amostra. Séries Estatísticas. Gráficos Estatísticos. Distribuição de Frequência. Medidas de Posição. Medidas de Dispersão ou Variabilidade. Probabilidade. Distribuições: Binomial e Normal. Correlação e Regressão. Números e Índices. Referências Básica CRESPO, Antônio. Estatística Fácil. 18.ed. São Paulo: Saraiva, ANDERSON, David R. Estatística Aplicada à Administração e Economia. São Paulo: Pioneira, FONSECA, Jairo Simon da.estatística Aplicada. 2.ed.São Paulo:Editora Atlas,1985. Complementar LARSON, Ron; FARBER, Betsy. Estatística aplicada. São Paulo - SP: Pearson Prentice Hall, MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística Geral e Aplicada.São Paulo: Editora Atlas, MILONE, Giuseppe. Estatística geral e aplicada.são Paulo - SP: Thomson, TOLEDO, G. L.; OVALLE, I. I. Estatística básica. SP: Atlas, NEUFELD, J. L. Estatística aplicada à administração usando excel. SP: Prentice Hall, 2003.

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística 2011 P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO 03 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 07 A. Contexto Educacional 07 1. Implementação das Políticas Institucionais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Redes de Computadores 2011 Página 2 SUMÁRIO 1. DADOS DO CURSO... 4 2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA... 8 A. Contexto Educacional... 8 1. Implementação das Políticas Institucionais

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: P á g i n a 1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial 2011 P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO...4 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA...8 A. Contexto Educacional...8

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO:

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Superior de Tecnologia em Logística 2013 P á g i n a 2 SUMÁRIO 1.INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Identificação... 4 1.2. Histórico da Instituição... 4 1.3. Missão... 4 1.4. Inserção Regional...

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005

RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 RESOLUÇÃO CONSEPE 30/2005 APROVA O CURRÍCULO E O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil. Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil. Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci P á g i n a 1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: Curso Superior de Engenharia Civil Coordenador: Profª Msc Maria Denise Monacci 2015 Projeto Pedagógico Engenharia Civil P á g i n a 2 SUMÁRIO DADOS DO CURSO... 4

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. Título: Tecnólogo em Redes de Computadores Turno: Noturno Carga horária total: 2.000

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Números Reais; Expressões Algébricas; Equação do 1º grau; Equação do 2º grau; Logaritmos; Conjuntos; Funções;

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

SUBTOTALDOS SEMESTRES

SUBTOTALDOS SEMESTRES 1ª FASE Ord. Disciplina (Componente Curricular) Crédito(s) H/a Pré- Requisitos 01 Algoritmos e Programação 04 72-02 Sistemas de Informação 04 72-03 Fundamentos de Computação 04 72-04 Sistemas Operacionais

Leia mais

Plano de Ensino TURMA: 1 /2013 EMENTA

Plano de Ensino TURMA: 1 /2013 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Plano de Ensino. DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: Ana Rita Kraemmer da Fontoura DIRETOR (A) DE ENSINO: Alessandro Bazzan DOCENTE(A): Gustavo Griebler

Plano de Ensino. DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: Ana Rita Kraemmer da Fontoura DIRETOR (A) DE ENSINO: Alessandro Bazzan DOCENTE(A): Gustavo Griebler Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais