INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas. INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas. INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established"

Transcrição

1 Eixo Temático: Relações Internacionais INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established Iliane Colpo, Ana Paula de Azevedo Dal Pozzolo,Rafael Crivellaro Minuzzi, Jéssica Vargas da Silva, Luiza Jacques Moraes RESUMO O comércio internacional se expandiu de forma relevante em função da globalização, a troca de bens e serviços entre países é cada vez mais constante, e inclusive representa uma fatia generosa no PIB na maioria dos países. Os termos de negociação internacional - Internacional Commercial Terms conhecidos pela sigla INCOTERMS trazem as regras estabelecidas nas negociações do comércio exterior. Assim, ter conhecimento destes termos e de suas definições é de vital importância para os profissionais ou empresas que almejem ingressar no mercado internacional. Dessa maneira, o objetivo do trabalho consiste, por meio de uma revisão bibliográfica, em especial da legislação pertinente, em identificar e descrever os termos de negociação vigentes. Como resultado o trabalho apresenta os 11 INCOTERMS vigentes, suas definições e o inicio e o final da responsabilidade de cada empresa (importador x exportador) presente em cada termo de negociação. Palavras-chave: comércio exterior, INCOTERMS, negociação. ABSTRACT International trade has expanded in a relevant way due to globalization, the exchange of goods and services between countries is increasingly constant, and even is a generous share of the GDP in most countries. The terms of international trade - International Commercial Terms known by the acronym INCOTERMS presents the rules in trade negotiations. So, be aware of these terms and their definitions is vitally important for professionals or companies that aim to enter the international market. Thus, the goal of this work is, through a literature review, in particular the relevant legislation, to identify and describe the current terms of trading. As a result the paper presents the 11 INCOTERMS, their definitions and the beginning and end of the responsibility of each company (importer and exporter) found in each trading term. Keywords: foreign trade, Incoterms, negotiation. 1

2 1 INTRODUÇÃO Os INCOTERMS consistem em um conjunto de regras padronizadas que buscam regular os diretos e obrigações entre importador e exportador nas negociações realizadas no comércio exterior. Trata-se de regras internacionais, imparciais de caráter uniformizador, que constituem toda a base dos negócios no comércio exterior e objetivam promover sua harmonia. A primeira edição surgiu em 1936, quando a Câmara Internacional de Comércio CCI, em Paris, interpretou e consolidou as diversas formas contratuais que vinham sendo utilizadas no comércio internacional (GONÇALVES, 2014). O constante aperfeiçoamento dos processos negocial e logístico fez com que os INCOTERMS passassem por diversas modificações ao longo dos anos. Atualmente, a versão mais atualizada é denominada INCOTERMS 2010, publicada pela International Chamber of Commerce (ICC) em sua Publicação nº 715E, de Já no Brasil, a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX determina sua utilização na Resolução Nº. 21, DE 07 de abril de 2011 (Brasil, 2011), que dispõe sobre INCOTERMS, e estabelece que nas exportações e importações brasileiras sejam aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio internacional, desde que compatíveis com o ordenamento jurídico nacional. O presente trabalho tem por objetivo identificar os termos de negociação vigentes, descrever suas definições e quando se inicia e onde termina a responsabilidade dos envolvidos no processo de importação ou exportação. 2 REVISÃO LITERATURA O Comércio Internacional brasileiro vem crescendo desde os anos 2000 a taxas muito elevadas; porém, esses índices de crescimento não tem sido acompanhados pelo aumento do número de empresas que participam nas operações de importação e exportação, sendo uma constante as grandes da economia participarem deste mercado. Tanto as grandes como algumas médias empresas se queixam de que o principal obstáculo para ocracia, e no cerne dessa burocracia atuam as alfândegas, que são citadas como as grandes vilãs da burocracia no comércio internacional. Mas para obter desenvolvimento qualquer país é preciso incentivar o aumento dos índices do comércio exterior, estimulando tanto o crescimento das exportações como a qualidade das importações (SOUZA, 2010). Para realizar importações é preciso disponibilizar a mercadoria ao Desembaraço Aduaneiro. O art. 571 do Regulamento Aduaneiro (Brasil, 2009) estabelece que o desembaraço aduaneiro na importação é o ato pelo qual é registrada a conclusão da conferência aduaneira. Concluída a conferência, a mercadoria será imediatamente desembaraçada, conforme disposto no art. 48 da IN SRF nº 680/2006 (Brasil, 2006). Nesse momento, pode-se considerar a mercadoria como nacionalizada. Após a chegada da mercadoria, o agente transportador deve dar presença de carga no Siscomex. A autoridade aduaneira, então, deve dar vista a carga no sistema. A partir disso, o processo está liberado para registro da Declaração de Importação (DI). A DI é elaborada no Siscomex e consiste no preenchimento de informações via sistema que darão embasamento para conferência física do agente público. Nela, são informados dados do exportador, do importador, da logística de transporte, do licenciamento de importação, enquadramento para incidência dos impostos, entre outros. 2

3 No momento do registro da DI, o sistema irá remeter automaticamente para um dos canais de liberação. Isso se chama parametrização. Dependendo do canal que o sistema parametrizar, o procedimento para desembaraço será diferente. Em termos gerais, canal verde a mercadoria é desembaraçada automaticamente; canal amarelo a Receita Federal verifica os documentos de embarque apenas; canal vermelho a RF verifica os documentos e a carga; e canal cinza, adicionalmente ao anterior, faz-se uma verificação do valor aduaneiro para comprovação do valor declarado. Após cumpridas as exigências de cada canal de parametrização, a mercadoria é desembaraçada e fica disponível para retirada no terminal de cargas. 3 METODOLOGIA A partir da pesquisa bibliográfica, foram coletados os dados e informações para se proceder a identificação dos termos de negociação internacional - INCOTERMS que podem ser utilizados entre os atores da compra e venda no comércio exterior. Com estudo sobre o tema e leitura do ordenamento jurídico que normatiza o comércio internacional, com pesquisas em livros, artigos científicos, artigos publicados na internet, entre outras fontes, conceitos e entendimentos pertinentes ao assunto, é possível descrever as definições de cada INCOTERMS e quando se inicia e onde termina a responsabilidade dos envolvidos no processo de importação ou exportação. Este artigo utiliza a pesquisa bibliográfica como procedimento técnico. Trata-se de uma pesquisa qualitativa quanto à abordagem, pois, a partir de fontes bibliográficas relativas aos INCOTERMS, procura-se entender e descrever as hipóteses de utilização destes termos de negociação e a responsabilidade de cada agente frente a cada opção contratada, contribuindo para o processo de conhecimento, possibilitando um melhor entendimento sobre as particularidades desse assunto. Como base nos objetivos gerais, este trabalho classifica-se como descritivo, por possuir como objetivo principal a identificação dos termos de negociação vigentes, descrever suas definições e quando se inicia e onde termina a responsabilidade dos envolvidos no processo de importação ou exportação. 4 RESULTADOS E CONCLUSÕES Atualmente existem 11 termos de negociação internacional vigentes, divididos em dois grupos: termos para utilização em operações que serão transportadas pelos modais aquaviários (marítimo, fluvial ou lacustre) e termos para operações transportadas em qualquer modal de transporte, inclusive transporte multimodal. Segue as INCOTERMS e suas definições conforme estabelecido na Resolução 21 de 2011 (BRASIL, 2011): EX WORKS - EXW (named place of delivery): Na origem o objeto é entregue em local nomeado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. FREE CARRIER - FCA (named place of delivery): Livre no transportador na origem, ou seja, objeto entregue ao transportador em local nomeado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. 3

4 FREE ALONGSIDE SHIP FAS (named port of shipment): Na origem, livre ao lado do navio, o objeto é entregue no porto. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior). FREE ON BOARD - FOB (named port of shipment): Na origem, livre embarcado no navio, o objeto é entregue no porto, posto na embarcação. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior). COST AND FREIGHT CFR (named port of destination): Até o destino, objeto entregue no porto de destino combinado. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior). COST, INSURANCE AND FREIGHT CIF (named port of destination): Até o destino, objeto entregue no porto de destino combinado inclui o seguro do objeto. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior). CARRIAGE PAID TO CPT (named place of destination): No local de destino nomeado, objeto entregue no Porto ou aeroporto combinado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. CARRIAGE AND INSURANCE PAID TO CIP (named place of destination): No local de destino nomeado, objeto entregue no Porto ou Aeroporto combinado, incluindo o seguro do objeto. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. DELIVERED AT TERMINAL DAT (named terminal at port or place of destination): No local de destino nomeado, o objeto entregue no Terminal de carga ou armazém combinado, incluindo o seguro do objeto. O objeto é entregue descarregado, mas ainda não desembaraçado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. DELIVERED AT PLACE DAP (named place of destination): No local de destino nomeado, o objeto entregue fora do Terminal de carga ou armazém, em um local combinado, incluindo o seguro do objeto. O objeto é entregue descarregado, mas ainda não desembaraçado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. DELIVERED DUTY PAID DDP (named place of destination): Entregue com direitos pagos. O objeto é entregue ao comprador no destino, desembaraçado e descarregado, com todos os valores pagos. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. Uma consideração importante é que o termo DDP, no caso de importação brasileira, não pode ser realizado em virtude do vendedor estrangeiro não dispor de condições legais para a nacionalização da mercadoria em território nacional, assim o termo DDP deve ser substituído por outro termo. A Figura 1 apresenta uma ilustração para facilitar o entendimento, no que tange a posição da carga, conforme seu INCOTERM. Figura 1: Incoterms e a respectiva posição da carga 4

5 Fonte: SEBRAE/PR, 2016 No que tange as responsabilidades como pode ser verificado na Figura 1 cada termo apresenta a posição da carga e esse ponto demarca o final da responsabilidade do vendedor e o inicio da responsabilidade do comprador. O primeiro termo citado EXW o vendedor tem sua responsabilidade encerrado no momento que disponibiliza a carga pronta na sua fábrica, a partir de então o transporte, seguro, desembaraço aduaneiro é de responsabilidade do comprador. O termo FCA Free carrier o vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando entrega a mercadoria, desembaraçada para a exportação, ao transportador ou a outra pessoa indicada pelo comprador, no local nomeado do país de origem. Já na negociação FAS o vendedor encerra suas obrigações e responsabilidades quando a mercadoria, desembaraçada para a exportação, é entregue, arrumada, a bordo do navio no porto de embarque, ambos indicados pelo comprador, na data ou dentro do período acordado. A opção pelo CFR pode ser adotada pelo comprador que precise que o vendedor, além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FOB, o vendedor contrate e pague frete e custos necessários para levar a mercadoria até o porto de destino combinado. Caso o comprador deseje receber a carga coberta por seguro no transporte, deverá escolher o termo CIF, pois, o exportador além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FOB, o vendedor contrata e paga frete, custos e seguro relativos ao transporte da mercadoria até o porto de destino combinado. Quanto mais coberturas são contratadas pelo importador brasileiro (comprador), mais o exportador (vendedor estrangeiro) terá responsabilidades próximas do destino do objeto. No termo CPT, além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FCA, o vendedor contrata e paga frete e custos necessários para levar a mercadoria até o local de destino combinado. Na negociação CIP, o vendedor contrata e paga frete, custos e seguro relativos ao transporte da mercadoria até o local de destino combinado, além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FCA. No acordo em que o vendedor complete suas obrigações e encerre sua responsabilidade quando a mercadoria é colocada à disposição do comprador, na data ou dentro do período acordado, num terminal de destino nomeado (cais, terminal de contêineres ou armazém, dentre outros), descarregada do veículo transportador, mas não desembaraçada para importação, devem escolher a modalidade DAT. Na negociação DAP o vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando coloca a mercadoria à disposição do comprador, na data ou dentro do período acordado, num local de destino indicado que não seja um terminal, pronta para ser descarregada do veículo transportador e não desembaraçada para importação. 5

6 REFERÊNCIAS BRASIL. Decreto 6.759, de 05 de fevereiro de Regulamenta a administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e a tributação das operações de comércio exterior. Diário Oficial, Brasília, DF, 05 de fevereiro de BRASIL. Câmara de Comércio Exterior. Resolução nº. 21, de Dispõe sobre Incoterms e estabelece que nas exportações e importações brasileiras serão aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio internacional, desde que compatíveis com o ordenamento jurídico nacional. Diário Oficial, Brasília, DF, 08 de abril de BRASIL. Secretária da Receita Federal. Instrução Normativa 680 de 02 de outubro de Diário Oficial, Brasília, DF, 05 de outubro de GONÇALVES, F. A. A Relação dos Incentivos Fiscais e os Incotherms para o Comércio Internacional. In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia SEGET, Rio de Janeiro, SOUZA, José Meireles de. Gestão de comércio exterior: exportação/importação São Paulo: Saraiva, il Comércio exterior; v. 4 6

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio)

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) INCOTERMS INCOTERMS (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) Servem para definir, dentro da estrutura de um contrato de compra e venda internacional, os direitos e obrigações

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 23 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

Contratos e Convenções: INCOTERMS 2010

Contratos e Convenções: INCOTERMS 2010 COMÉRCIO INTERNACIONAL Contratos e Convenções: INCOTERMS 2010 Pontos 9 e 12 do programa Prof.Nelson Guerra INCOTERMS Terms Commerce International ou Termos de comércio Internacional PAÍSES ONDE OS INCOTERMS

Leia mais

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR Introdução Nas relações de Comércio Internacional, tanto o exportador quanto o importador devem agir de acordo com normas estabelecidas pelos órgãos competentes a fim de haver êxito na logística das mercadorias.

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira INCOTERMS CATARINA CAMPOS, Nº7 CATARINA PINTO, Nº8 12ºS INCOTERMS Os INCOTERMS (International Commercial Terms) podem ser considerados como um conjunto de regras internacionais de carácter facultativo

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL Prof. Glauco Carvalho INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL INCOTERMS Em qualquer transação de compra e venda internacional as responsabilidades se dividem. A globalização promoveu a criação de uma normatização

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática INCOTERMS 2010 INCOTERMS 2010 1. O que são? 2. Antecedentes históricos e evolução 3. Elementos chave 4. 2 classes & principais diferenças entre D e C 5. As obrigações ao abrigo de cada regra Incoterms

Leia mais

INCOTERMS. (International Commercial Terms)

INCOTERMS. (International Commercial Terms) Página 1 INCOTERMS (International Commercial Terms) André de Farias Albuquerque Recife PE 2016 Página 2 ANDRÉ DE FARIAS ALBUQUERQUE INCOTERMS (International Commercial Terms) Recife, janeiro de 2016. Página

Leia mais

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II RELAÇÕES INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO Profª [ Sidney Jaciana Reis] Amorim UNIDADE I PARTE II ZONAS FRANCAS PRINCIPAIS CONCEITOS UTILIZADOS PORTO SECO LIVRE denominação dada as Zonas Francas onde não há portos

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID

Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID Curso de Tecnologia em Disciplina: Volume 10: Gestão do Parte 3 2013 Este documento é para uso exclusivo da FATEC-ID. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada,

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Programa Comex Infoco. Tema: Introdução e Prática dos Incoterms

Programa Comex Infoco. Tema: Introdução e Prática dos Incoterms Programa Comex Infoco Tema: Introdução e Prática dos Incoterms Apresentação do Professor Cristiane Padilha Palomin Insira uma foto de perfil Profissional com mais de 20 anos de experiência na área de Comércio

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS

NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS MSc.RICARDO LOZANO Por que Logística Internacional? Tendências para Globalização 51 das 100 maiores economias do mundo são corporações, não países!! Wal-mart é maior do

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 7

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 7 Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 7 Grupo 1: Incotraders Incoterms Incoterms são um conjunto de regras e termos internacionais de caráter facultativo, baseado nas principais práticas dos comerciantes.

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

ELABORAR DU-E NOTA FISCAL ELETRÔNICA

ELABORAR DU-E NOTA FISCAL ELETRÔNICA ELABORAR DU-E NOTA FISCAL ELETRÔNICA A DU-E poderá ser elaborada por serviço ou por tela, sendo o documento preenchido campo a campo. O declarante ou o próprio exportador irá informar os dados da operação

Leia mais

Dicas na Liberação Aduaneira de Embarque de Importação

Dicas na Liberação Aduaneira de Embarque de Importação Dicas na Liberação Aduaneira de Embarque de Importação Como Evitar Problemas, Multas, Atrasos e Custos Extras em uma Importação? Apresentação do Professor Professora: Ariane Canestraro. Administradora

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

Unidade II SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade II SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade II SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Comércio internacional Brasil: temos Procon / SPC Comércio Internacional: Necessidade de criação de órgãos, como: Fundo Monetário

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS

NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS NEGOCIOS INTERNACIONAIS INCOTERMS MSc.RICARDO LOZANO Por que Logística Internacional? Tendências para Globalização 51 das 100 maiores economias do mundo são corporações, não países!! Wal-mart é maior do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR

ADMINISTRAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR ADMINISTRAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR MÓDULO ACE- Administração de Comércio Exterior Rev.: 00 Página.1 de 19 INDICE (Utilize os marcadores para navegar na barra do lado esquerdo) ADMINISTRAÇÃO DE COMÉRCIO

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Prof.Nelson Guerra Sobre o autor: Pós-graduado em Comércio Exterior e Mercosul, Pós-graduado em MBA-Finanças. Graduado em Letras Luso-Anglicanas, Funcionário da extinta CACEX - Carteira

Leia mais

SEGURO DE LUCROS CESSANTES

SEGURO DE LUCROS CESSANTES Data: 09/10/2017 Prova: PROVA REGULAR DEMAIS RAMOS MOD 2 - Tipo B Tipo: B SEGURO DE LUCROS CESSANTES 1) ANALISE AS PROPOSIÇÕES A SEGUIR E DEPOIS MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA O pequeno volume de arrecadação

Leia mais

SEGUROS DE TRANSPORTES E RCT

SEGUROS DE TRANSPORTES E RCT Data: 09/10/2017 Prova: PROVA REGULAR DEMAIS RAMOS MOD 2 - Tipo A Tipo: A SEGUROS DE TRANSPORTES E RCT 1) MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA Nos transportes internacionais, quando o transporte e a venda de mercadoria

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL EM EXERCÍCIOS P/ RFB Prof. RICARDO VALE AULA 08: CONTRATOS INTERNACIONAIS E INCOTERMS

COMÉRCIO INTERNACIONAL EM EXERCÍCIOS P/ RFB Prof. RICARDO VALE AULA 08: CONTRATOS INTERNACIONAIS E INCOTERMS AULA 08: CONTRATOS INTERNACIONAIS E INCOTERMS Olá, amigos concurseiros, tudo bem? Hoje falaremos de um assunto que, tradicionalmente, sempre é cobrado nos concursos da RFB. Eu diria, inclusive, que se

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

Encontro 1 Termos Internacionais de Comércio Incoterms

Encontro 1 Termos Internacionais de Comércio Incoterms Encontro 1 Termos Internacionais de Comércio Incoterms 2010 ENCONTRO 01 Termos Internacionais de Comércio Incoterms 2010 TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (Terrestre)

DESCRITIVO DO PROCESSO REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (Terrestre) DESCRITIVO DO PROCESSO 04.01.02-03.02. REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (Terrestre) BRASÍLIA, 09/03/16 1. Diagrama do processo 04.01.02-03.02. REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (Terrestre)

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPUS: BRASÍLIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPUS: BRASÍLIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPUS: BRASÍLIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA - ASL INCOTERMS TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO ALUNOS: CRISTINA LOPES DE MIRANDA GISELE OISIOVICI

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (DSE Marítimo e Aéreo)

DESCRITIVO DO PROCESSO REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (DSE Marítimo e Aéreo) DESCRITIVO DO PROCESSO 04.01.0203.03. REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO (DSE Marítimo e Aéreo) BRASÍLIA, 09/03/16 1. Diagrama do processo 04.01.0203.03. REALIZAR TRATAMENTO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO

Leia mais

Aprendendo na Prática Siscomex

Aprendendo na Prática Siscomex Aprendendo na Prática Siscomex Apresentação do Professor Professor: Douglas Cândido. Administrador com ênfase em Comércio Exterior pela Estácio de Sá, MBA em Gestão de Negócios Internacionais pela FGV,

Leia mais

VOL. I. Importação e Exportação

VOL. I. Importação e Exportação Coleção de Importação e Exportação VOL. I Tratamento Administrativo e Aduaneiro da Importação e Exportação José Marcelo Fernandes Araújo Analista de Exportação pela Olivetti do Brasil S/A - Analista de

Leia mais

Métodos de Importação para Pesquisa Científica

Métodos de Importação para Pesquisa Científica Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul Métodos de Importação para Pesquisa Científica Setor de Importação FUNDECT Marcelo Alves Teixeira importacao@fundect.ms.gov.br

Leia mais

1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados.

1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados. 1 IMPORTAR FÁCIL IMPORTAÇÃO FÁCIL: SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados.

Leia mais

Aprendendo a Exportar INCOTERMS INCOTRADES

Aprendendo a Exportar INCOTERMS INCOTRADES Aprendendo a Exportar INCOTERMS INCOTRADES Grupo Mainá Moratori, Ana Carolina Seccato, André Ramalho, Raphael Fassoni, Fábio Bugatti, Sâmia Perone, Thaís Machado Quem somos e o que fazemos? Empresa criada

Leia mais

Evidenciação das Receitas provenientes dos Incoterms: Estudo de Caso da exportadora Brasil Foods S.A.

Evidenciação das Receitas provenientes dos Incoterms: Estudo de Caso da exportadora Brasil Foods S.A. Evidenciação das Receitas provenientes dos Incoterms: Estudo de Caso da exportadora Brasil Foods S.A. Paula Miglioli da Cunha Alves 1 paulamiglioli@gmail.com Resumo: Diante das mudanças ocorridas no âmbito

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/10 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SIEX/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: ANALISAR PROCESSO PARA CONTRATAÇÃO CAMBIAL ELABORADO EM: 12/02/2014 REVISADO EM: 12/03/2014

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Um despachante aduaneiro é o profissional especializado no desembaraço de mercadorias que transitam por alfândegas (aduana)

Um despachante aduaneiro é o profissional especializado no desembaraço de mercadorias que transitam por alfândegas (aduana) DESPACHO ADUANEIRO Um despachante aduaneiro é o profissional especializado no desembaraço de mercadorias que transitam por alfândegas (aduana) Um despachante oficial em Portugal é um representante por

Leia mais

Alfândegas Delegações Aduaneiras Postos Aduaneiros Operadores Económicos

Alfândegas Delegações Aduaneiras Postos Aduaneiros Operadores Económicos Classificação: 040.10.06 Segurança: Pública Processo: Direção de Serviços de Tributação Aduaneira Ofício Circulado N.º: 15599 2017-07-13 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 0 Sua Ref.ª: Técnico:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

Programa Comex Infoco. Tema: Potenciais de Exportação para a América Latina

Programa Comex Infoco. Tema: Potenciais de Exportação para a América Latina Programa Comex Infoco Tema: Potenciais de Exportação para a América Latina Apresentação do Professor Professor Lellis Pós graduado em Gestão de empresas e docência pela FGV, ampla vivência comercial na

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DESPACHANTE ADUANEIRO

CURSO FORMAÇÃO DESPACHANTE ADUANEIRO CURSO FORMAÇÃO DESPACHANTE ADUANEIRO PROGRAMA DO CURSO 08007183810 / 40620660 Ramal: 0405 www.abracomex.org /abracomexadm /abracomex FORMAÇÃO DESPACHANTE ADUANEIRO Carga horária: 360h Modalidade: Online

Leia mais

ANÁLISE DAS INCOTERMS E REDUÇÃO DE CUSTOS NAS EXPORTAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL DO SETOR FUMAGEIRO

ANÁLISE DAS INCOTERMS E REDUÇÃO DE CUSTOS NAS EXPORTAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL DO SETOR FUMAGEIRO ANÁLISE DAS INCOTERMS E REDUÇÃO DE CUSTOS NAS EXPORTAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL DO SETOR FUMAGEIRO Márcio Eifert 1 Cesar Augusto Bay 2 Vinícius C. S. Zonatto 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO

DESCRITIVO DO PROCESSO CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DESCRITIVO DO PROCESSO 04.01.02. CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO BRASÍLIA, 09/03/16 1. Diagrama do processo 04.01.02. CONTROLAR PROCESSO DE EXPORTAÇÃO CoordenaçãoGeral de Planejamento, Organização e Avaliação

Leia mais

Glossário. Acordo de dupla tributação ou convenção de dupla tributação - convenção internacional que visa proteger os investidores da duplicação do

Glossário. Acordo de dupla tributação ou convenção de dupla tributação - convenção internacional que visa proteger os investidores da duplicação do Glossário Acordo de dupla tributação ou convenção de dupla tributação - convenção internacional que visa proteger os investidores da duplicação do pagamento de impostos sobre os rendimentos no país que

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. AQUI CONSIGO. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/13 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SIEX/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: EXPORTAR SEM COBERTURA CAMBIAL ELABORADO EM: 10/02/2014 REVISADO EM: 12/03/2014 APROVADO

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 Tratamento Administrativo das importações É o controle exercido pelos órgãos da Administração Federal, distinto daquele

Leia mais

ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação

ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação ABRACOMEX Guia Básico do Siscomex Exportação 0800.7183810 Apresentação do Professor Douglas Cândido Graduação em Administração c/ Hab. em Comércio Exterior pela Faculdade Estácio de Sá de Santa Catarina

Leia mais

RJ RIO DE JANEIRO SRRF07. Normativa RFB nº 1.396, de 2013, art. 22.

RJ RIO DE JANEIRO SRRF07. Normativa RFB nº 1.396, de 2013, art. 22. Fl. 5 Fls. 41 40 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 7ª RF Solução de Consulta nº 7.029 - Data 15 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF XXX XXX XXX ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Negócios Internacionais ou Comércio Internacional x Comércio Exterior

Negócios Internacionais ou Comércio Internacional x Comércio Exterior LOGÍSTICA E COMÉRCIO INTERNACIONAL Unidade 1: Comércio Internacional Profª. Tânia Mara Valerio 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL Negócios Internacionais ou Comércio Internacional x Comércio Exterior Profª. Tânia

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B.

$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. XXVIENANGRAD ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. Godinho! FOZDOIGUAÇU,2015 GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA2GOL ALTERNATIVAS

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

SISCOSERV e a Tributação Federal na Importação de Serviços

SISCOSERV e a Tributação Federal na Importação de Serviços SISCOSERV e a Tributação Federal na Importação de Serviços Apresentação do Professor Professor: José Ricardo Verrengia. Profissional com mais de 25 anos de experiência na área de Comércio Exterior, atuando

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO III: IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO

DIREITO TRIBUTÁRIO III: IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DIREITO TRIBUTÁRIO III: E EXPORTAÇÃO Prof. Thiago Gomes HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA Incidente sobre a inserção, no território nacional, de bens procedentes de outros países. (Fundamento Legal: Art. 153, I,

Leia mais

IMPORTAÇÃO: A BUROCRACIA NOS PORTOS BRASILEIROS

IMPORTAÇÃO: A BUROCRACIA NOS PORTOS BRASILEIROS 213 IMPORTAÇÃO: A BUROCRACIA NOS PORTOS BRASILEIROS Micheli Jovana Wagner Rechenmacher 1 Henrique Assis Dörr 2 RESUMO A globalização atinge todas as empresas, e com isso surge nelas a necessidade de inovar

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

ANO XXIV ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2013

ANO XXIV ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2013 ANO XXIV - 2013-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2013 TRIBUTOS FEDERAIS TERMOS INTERNACIONAIS ESCLARECIMENTOS... Pág. 57 ICMS PR MICRO EMPREENDEDOR - EMISSÃO DE NOTA FISCAL... Pág.

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa nº 1.456, de 10.03.14 DOU-1, de 11.03.14. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Altera a Instrução Normativa SRF nº 611, de 18 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a utilização de

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II Unidade II 4 O COMÉRCIO INTERNACIONAL O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas.

Leia mais

Passo a Passo para Iniciar uma Exportação

Passo a Passo para Iniciar uma Exportação Passo a Passo para Iniciar uma Exportação Apresentação do Professor Professor: Douglas Cândido. Administrador com ênfase em Comércio Exterior pela Estácio de Sá, MBA em Gestão de Negócios Internacionais

Leia mais

Despacho Aduaneiro de Importação. Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferido.

Despacho Aduaneiro de Importação. Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX. Tratamento Administrativo. Deferido. 1 Despacho Aduaneiro de Importação Declaração de Importação (DI) NCM Habilitação SISCOMEX Tratamento Administrativo Importação Dispensada de Licenciamento Deferido Licença de Importação (LI) Licenciamento

Leia mais

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016

DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 DOU 23/12/16, SEÇÃO 1, PÁG. 154. SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.678, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2016 Altera a Instrução Normativa SRF nº 228, de 21 de outubro de 2002, que dispõe

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

Formação de Despachante Aduaneiro

Formação de Despachante Aduaneiro Formação de Despachante Aduaneiro Apresentação do Professor Professor: Marco Antônio da Silva. Administrador de empresas, formado em Administração e carreira profissional desenvolvida na área de Comércio

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade

Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB. Prof. Thális Andrade Curso de Legislação Aduaneira para ATRFB Prof. Thális Andrade -Professor -Importância da matéria de Legislação Aduaneira -Bibliografia básica BRASIL. Ministério da Fazenda. Disponível em: .

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 102 - Data 30 de junho de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A IMPORTAÇÃO - II IMPORTAÇÃO POR ENCOMENDA. EMPRESA ENCOMENDADA.

Leia mais