ECOLOGIA HUMANA Jornalismo e Inclusão Social: A visibilidade do Idoso através da mídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECOLOGIA HUMANA Jornalismo e Inclusão Social: A visibilidade do Idoso através da mídia"

Transcrição

1 ECOLOGIA HUMANA Jornalismo e Inclusão Social: A visibilidade do Idoso através da mídia 1

2 2 ECOLOGIA HUMANA Jornalismo e Inclusão Social:A visibilidade do Idoso através da Mídia Na época moderna, a história não é o feito dos homens, é o processo do fazer humano. Não é estática. É dinâmica. (Hanna Arendt) Prof. Dr. Pedro Celso Campos Resumo É fato notório que o mundo está envelhecendo rapidamente. Os meios de comunicação já percebem a necessidade de se envolverem cada vez mais com esta nova pauta do jornalismo, pois a presença do idoso se torna visível em todos os setores da sociedade: na própria mídia, no voluntariado, na política, na área acadêmica, no lazer, no turismo, nas atividades criativas e até mesmo na organização coletiva em defesa dos direitos de cidadania e inclusão (ou reinclusão) social. Cabe investigar, aqui, se os meios de comunicação estão, e como estão, agindo no sentido de incluir socialmente o idoso e qual a visibilidade que o idoso tem na mídia ou através dela, especificamente no jornalismo. O olhar sobre o idoso é positivo ou negativo? Envolve respeito ou preconceito? A pessoa idosa é respeita por sua posição social, financeira, intelectual ou por ela mesma, isto é, por seu direito antropologicamente intrínseco como ser humano deste planeta? Que fazem os jornalistas a este respeito? O que pensam os estudantes de jornalismo? Palavras-chave: Cidadania Inclusão Jornalismo Ambiental - Sistema Resumen Es un hecho notable que el mundo está envejeciendo rápidamente. Los medios de comunicación ya comprenden la necesidad de envolver cada vez más esa nueva pauta del periodismo, pues la presencia del viejo se torna visible en todos los sectores de la sociedad: en los propios medios de comunicación, en el voluntariado, en la política, en el área académica, en el ocio, en el turismo, en las actividades creativas, hasta en la organización colectiva por la defensa de los derechos de ciudadanía y inclusión (o reinclusión).es importante investigar, aquí, si los medios de comunicación están - y cómo están - actuando para que se incluya socialmente el viejo y cual la visibilidad que el viejo tiene, específicamente en ele periodismo,o través de ella, específico en el periodismo.el modo de mirar el viejo es positivo o negativo? La persona vieja es respetada por su posición social, financiera, intelectual, o por si misma, es decir, por su derecho antropológicamente intrínseco como ser humano de este planeta? Qué hacen los periodistas a cerca de eso? Qué piensan los estudiantes de periodismo? Palabras-llaves: Ciudadanía - Inclusión - Periodismo Ambiental - Sistema

3 3 Abstract Is a remarkable fact that the world is ageing fast. Means of communication already notice the need to get more and more involved in this new branch of Journalism, for the presence of the elderly is becoming more visible in all sectors of society: in the media itself, in volunteering, in politics, in the academy, leisure, tourism, recreational activities and even in the colective organization for the defense of inclusion and citizenship rights. It is important to investigate, here, if the means of communication are - and the way they are - acting towards the social inclusion of the elderlies and what is the visibility that they have in the media, more specifically in Journalism. Is the elder portrayed positively or negatively? Older people are respected because of his or her social, financial or intelectual position or because it is anthropologically his or her instrinsic right as a human being in this planet? What do the journalists do about it? What do the students of Journalism think? Key-words: Citizenship - Inclusion - Environmental Journalism - System 1. NATUREZA GERAL DA PESQUISA Filiada à linha de pesquisa "Cultura Midiática e Sociedade", do Departamento de Comunicação Social da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação-FAAC, da Universidade Estadual Paulista-UNESP, campus de Bauru, Estado de São Paulo (Brasil) esta investigação acadêmica quer indagar a respeito da visibilidade das pessoas idosas nos Meios de Comunicação de Massa ou através deles. Qual o papel da mídia no processo de inclusão social das pessoas acima de 65/70 anos? O que tem sido noticiado a respeito da chamada Quarta Idade? O que significa ser idoso no Século XXI, no mundo globalizado e imerso na sociedade da informação, quando não há mais fronteiras para o livre trânsito da cultura, da pesquisa e da manifestação do pensamento, pelo menos em uma visão ocidental do conceito? Com a mundialização cultural é o mesmo ser idoso no interior do Brasil ou no interior da Espanha, por exemplo? Os futuros jornalistas estão sendo educados para aceitar o diferente, para respeitar o idoso com o qual vão se deparar cada vez mais em sua atividade profissional?

4 4 2. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA Dados atualizados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE, revelam que nos próximos 20 anos a população idosa do Brasil poderá ultrapassar 30 milhões de pessoas e deverá representar quase 13% da população até o final deste período. Até 2025 o Brasil deverá ser o sexto país com população mais idosa do mundo. Nestes primeiros anos do Séc. XXI, a população de idosos (com 60 anos ou mais) está formada por um contingente de aproximadamente 15 milhões de pessoas, representando 8,6% dos brasileiros. As mulheres são maioria. Elas vivem cerca de oito anos a mais que os homens. Os dados também revelam que 8,9 milhões de pessoas com 69 anos de idade, em média (correspondentes a 62,4% dos idosos do país), são responsáveis pelos domicílios, têm renda média de R$ 657,00 e 3,4 anos de estudo. Outra informação: O grau de urbanização da população idosa tem acompanhado a tendência geral da população, ficando em torno de 81% em A proporção de idosos residentes nas áreas rurais caiu de 23,3% em 1991 para 18,6% em A pesquisa do IBGE, realizada em 2000, conta com informações dos municípios do país e revela um papel de destaque crescente do idoso na sociedade. Tratando-se de um fenômeno mundial - pois observa-se uma redução na população de 0 a 14 anos e um expressivo aumento da longevidade - é natural imaginar que as questões relacionadas com a terceira (e na Europa já se fala na quarta) idade - serão uma pauta constante e cada vez mais presente nos meios de comunicação. Será que a imprensa está consciente do seu papel social em relação a esse destacado segmento da população? Será que o idoso não é discriminado, não é tratado como ser inferior pela mídia ocidental? O que a Universidade está fazendo para conscientizar os futuros jornalistas a respeito dessa pauta que inclui, certamente, o modo como os profissionais da área da saúde - e não apenas os comunicadores - tratam a pessoa idosa? Com certeza esta é uma abordagem impossível se o tema não for tratado a partir de pressupostos éticos e estéticos que devem ser estudados à luz da sociedade de consumo que caracteriza a própria sociedade da informação. O mundo midiático, que a todos mergulha no mar global de notícias, é também o mundo que exclui, discrimina, rejeita, violenta e mata. E começa matando pela impiedade, pela frieza, pelo desinteresse, pela falta de humanidade. É, portanto, um chamamento à ética que deve presidir o estudo da questão, especialmente na fase da formação universitária dos futuros profissionais da Comunicação.

5 5 A mídia deve se abrir para este segmento da população, mas isto só vai acontecer se os jovens profissionais forem conscientizados, ainda na Faculdade, visto que eles é que irão gerir a mídia nos próximos anos, ao se graduarem em Jornalismo. Também é preciso lembrar que os idosos não serão apenas em maior número, eles também terão mais poder político e econômico, pois de um lado constituirão uma enorme força de consumo, por outro, poderão eleger representantes que os defendam junto ao poder público. Isto já é observado nos EUA, como lembra o pesquisador do Massachusetts Institute of Tecnology - MIT, Lester Thurow. Esta abordagem sobre o segmento social do idoso está relacionada, em certa medida, com a ecologia humana que é o estudo sobre a convivência dos homens na sua casa, isto é, no ecossistema formado pelo Planeta Terra. O ambientalismo também contempla a questão da última idade quando defende a participação de toda a sociedade no debate e no encaminhamento de solução para os seus próprios problemas, democraticamente. Este preceito da "participação de todos", que é um direito e um dever, está consagrado na Agenda-21, um regulamento internacional aprovado na Rio-Eco-92, que foi uma das mais importantes reuniões da Organização das Nações Unidas-ONU, para tratar do meio ambiente, realizada no Rio de Janeiro, em 1992, com a participação de 180 chefes de Estado de todo o mundo. Em todos os países a Agenda 21 vem sendo implementada desde então. O idoso deve procurar conhecê-la - inclusive através da Internet, dos cursos especializados, da Universidade da Terceira Idade, do contato com os amigos, da observação da mídia - pois a Agenda-21 é um documento voltado para o século XXI, o nosso século, portanto está em pleno vigor, é atualíssimo e deve ser estudado, discutido, conhecido. Ao invés de se entregar ao abandono e à auto-comiseração, o idoso deve manter acesa a chama da luta por um mundo melhor. Se a Agenda 21 nos ensina a ser participativos, então devemos usar, ativamente, todos os espaços públicos disponíveis, como a mídia, as associações de classe, os encontros de estudo ou de lazer, os partidos políticos, a Tribuna Livre das Câmaras Municipais, as igrejas etc para dar a nossa participação, tanto a favor dos próprios idosos como de todos os excluídos. Ser um idoso solidário, generoso, aberto a novas idéias é destruir o antigo clichê do idoso egoísta, sovina, avarento, rabugento, ranzinza etc. O idoso deve levantar-se da cama, todos os dias, com a disposição de quem vai fazer mais alguma coisa útil para a sociedade. Se é um bancário aposentado, poderá

6 6 cumprir uma pequena jornada em uma entidade filantrópica ajudando-a a organizar as finanças; se é um jornalista, pode ajudar a Associação do Bairro a produzir um veículo comunitário; se é médico, pode orientar pessoas carentes; se é cozinheiro, artista... o que for, poderá colocar, de alguma forma, os seus conhecimentos a serviço da comunidade por um mundo melhor. Ser participativo, através do voluntariado, é manter acesa a chama da Vida. Se, ao invés, achar que não pode fazer nada, por alguma compreensível limitação, então poderá se dedicar à leitura de bons livros porque o bom livro é um grande amigo e os netos gostam do avô que tem boas histórias para contar. Pode-se começar lendo as 700 páginas (afinal, não temos pressa) de "A Velhice", de Simone de Beauvoir. Ela escreveu o livro durante a revolta dos jovens em Paris, em Pesquisou a situação do idoso no mundo inteiro. Diz que naquela época o Brasil tinha apenas 2,45% de idosos, portanto era um país jovem. Também conta como funciona o sistema de aposentadoria no Ocidente e no Oriente, explicando, ainda, o funcionamento da "beneficência", palavra inventada pelo abade de Saint-Pierre para substituir a idéia religiosa de "caridade". Muita coisa mudou, porque as leis mudam sempre. Mas permanece a idéia de que é preciso ser um idoso atuante, como era, por exemplo, o escritor Vitor Hugo, que foi avô exemplar, um trabalhador contumaz, um homem bem-humorado, apesar dos revezes da vida - como a morte do filho François Victor, por apoplexia, e da mulher, Juliette (que mesmo na idade avançada, de ambos, reclamava de suas aventuras sexuais com as jovens admiradoras de sua obra). Foi no momento de dor maior, entretanto, que Vitor Hugo escreveu o grande sucesso de público "Os Trabalhadores do Mar", em 1866, aos 64 anos de idade. Em outra obra monumental, "Os Miseráveis", de 1862, ele já havia homenageado os idosos através do personagem Jean Valjean, condenando a impiedade das leis e da justiça contra um homem cujo crime foi roubar um pão. Isto nos faz lembrar a impiedosa burocracia oficial que se empenha tanto em sonegar os legítimos direitos dos aposentados, até mesmo o salário digno. Essa impiedade, essa frieza deve ser condenada todos os dias através da mídia. Outro livro memorável de Vitor Hugo é a "A Arte de ser Avô", de Inúmeros outros bons livros podem ajudar o idoso a se ocupar em refletir acerca das situações do mundo, para ser uma pessoa construtivamente crítica e não um idoso sem voz e sem participação. O conhecimento nos traz dignidade em qualquer época da vida e, para o tédio, não há remédio melhor que a leitura. Assim nossa última idade será produtiva e

7 7 nos sentiremos gratificados por ser úteis - nem que seja com uma palavra amiga - aos nossos semelhantes. Para viver bem na velhice é preciso apenas continuar vivendo. E viver é ser útil, é movimentar-se, é interessar-se, é fazer alguma coisa, é fazer parte. É isto, e não apenas os medicamentos, que darão sustentabilidade à vida saudável quando somos idosos, quando nos aposentamos da nossa ocupação principal, mas não da vida participativa. Se nós, professores universitários, conseguirmos passar aos jovens este outro modo de ver o velho, talvez tenhamos uma geração de jornalistas mais comprometida com a sustentabilidade social do nosso mundo. 3. OBJETIVOS 3.1. OBJETIVO GERAL Traçar um panorama do tratamento do idoso nos meios de comunicação OBJETIVOS ESPECÍFICOS Discutir o papel da Universidade (especificamente do ensino de Jornalismo) na sensibilização dos futuros profissionais de Comunicação para a questão do idoso Estudar o potencial da mídia - específicamente do jornalismo - na transformação do olhar sobre a pessoa idosa Propor uma abordagem sistêmica, compreensiva e inclusiva, que poderíamos chamar, numa visão de cultura da paz, "uma proposta de carinho".

8 8 4. DELIMITAÇÃO DO CAMPO DE PESQUISA Esta é uma pesquisa que se preocupa com a atualização dos meios de comunicação no que se refere às profundas transformações da sociedade humana nas últimas décadas, especialmente em função da própria exposição das pessoas aos meios de comunicação em geral a partir do fenômeno da acelerada urbanização verificada na segunda metade do século XX. Sendo assim, não se trata de discutir genéricamente a questão da velhice - do ponto de vista antropológico/geriátrico - mas de estudar o papel dos formadores de opinião na direção de uma sociedade mais humana, mais justa, mais harmônica, mais equilibrada em que o idoso possa ser uma pessoa respeitada e acatada, que possa sentir-se bem na convivência social ao invés de se isolar e se auto-punir ao negar a própria idade. Portanto queremos delimitar a questão ao tratamento mídia/idoso. 5. EXEQUIBILIDADE Tendo trabalhado com a Teoria Geral dos Sistemas (Bertalanfy-1920) e com o Método de Análise de Conteúdo (Bardin ) no Doutorado, em 2006, para discutir o Jornalismo Ambiental - que inclui, naturalmente, o próprio estudo do movimento ambientalista internacional - pareceu-nos oportuno aproveitar estes e outros estudos afins para dar continuidade a esta investigação que, na verdade, circunscreve-se aos aspectos da "ecologia humana" na qual o idoso está sistemicamente inserido. Desse modo o projeto é exeqüível a partir desses estudos paralelos e também pela disponibilidade e apoio técnico que a FAAC/UNESP (minha Instituição de origem) proporciona a seus pesquisadores ao dar cumprimento à sua política permanente de melhoria da qualidade do ensino. 6. HIPÓTESES Se a mídia consagra o "ideal da juventude" e com isto arregimenta toda a sociedade em torno de padrões referenciais de consumo, e sendo a mídia um negócio prestador de serviços como outro qualquer - que visa lucro, portanto - porque não se poderia sensibilizar

9 9 a mídia para a questão do idoso cujo papel vem crescendo na sociedade, inclusive em relação ao consumo de bens e, sobretudo, de serviços? Estaria a mídia consciente a respeito do "old power"? Afinal, o conceito de estética que a mídia enfatiza no que se refere às top models, por exemplo, não seria excludente? Não poderia ser visto como uma espécie de eugenia moderna em que o estereótipo da magreza é imposto como sinônimo de belo, tal qual, um dia, um louco tentou selecionar as raças a partir de conceitos igualmente excludentes? Nossa hipótese principal é que os meios de comunicação ainda não se deram conta do fenômeno jornalístico que é a elevação das taxas de longevidade em todo o mundo, por isto ainda trabalham com os indicadores dos anos sessenta unicamente apoiados no "young power" (que também é importante na abordagem sociológica, mas não pode ser único). 7. METODOLOGIA Será aplicada a Analise de Conteúdo para comparar o procedimento da mídia - especialmente do jornalismo - no tratamento da questão. Também será feito um levantamento sitiográfico para inventariar as entidades que se interessam pelo assunto dentro e fora do país, com visitas de estudos a outros países - principalmente Espanha - onde a presença do idoso é mais destacada socialmente. Também serão feitas entrevistas em Bauru (onde fica a Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP), bem como em várias cidades do Estado onde residem os alunos de jornalismo co-participantes desta pesquisa, para discutir, especialmente, a abordagem ética do problema e para verificar como a região trata a pessoa idosa. Tais levantamentos estarão amparados em uma ampla revisão bibliográfica. Em fase posterior, a pesquisa poderá ser associada aos estudos de uma Universidade espanhola com o objetivo de se estabelecer parâmetros de comparação entre o modo como o idoso é tratado no interior de São Paulo e no interior da Espanha, sempre observando a participação da mídia e do jornalismo nesse processo de inclusão social.

10 EXPLICAÇÃO DO MÉTODO Para cada notícia ambiental constatada na mostra final, a ser levantada através do corpus, será utilizado o modelo de codificação proposto por Bauer (2002 p ) na aplicação prática da análise de conteúdo. Este modelo consiste em uma folha de papel no formato A-4, contendo células reservadas para cada código. A partir do exame minucioso de cada notícia, o codificador registra seu julgamento para cada código na célula designada. Completada a codificação, todas as folhas de codificação são juntadas e seus dados transferidos para o computador visando a análise dos dados. É natural que este processo, por implicar julgamento humano, não atinja a fidedignidade perfeita que seria ideal, mas é possível esperar um nível aceitável de fidedignidade, desde que o pesquisador tenha tomado as precauções iniciais relacionadas com a pré-análise da mostra a ser colhida, a identificação clara do tema a ser pesquisado, a adoção de um referencial teórico, a formulação de hipóteses e objetivos, a definição correta do corpus. O modelo de Bauer segue a orientação de Bardin (1988) para a Análise de Conteúdo, operando três fases no processo de codificação: a) o recorte escolha das unidades de registro e de contexto; b) a enumeração escolha das regras de enumeração; c) a classificação e agregação escolha das categorias. Enquanto as Unidades de Amostragem referem-se ao produto (ou edição de um jornal/telejornal) as Unidades de Registro reportam-se a cada notícia selecionada, dela podendo-se extrair registros como palavras-chave, personagens, acontecimentos específicos etc. Foi com este processo que Violette Morin avaliou a cobertura que a imprensa francesa deu à visita do presidente soviético Nikita Khrouchtvchev à França, de 23 de março a 3 de abril de 1960 (cf. MORIN-1970), analisando o conteúdo de sete jornais diários e quatro grandes revistas, durante 13 dias, de 21 de março a 4 de abril de 1960, num trabalho de pesquisa citado como exemplar na área acadêmica. As Unidades de Registro também são obtidas através das unidades de enumeração (como na centimetragem por coluna dos veículos impressos) ou unidades espaço-temporais (utilizadas na minutagem da mídia eletrônica). Muitas vezes, para as unidades de registro serem compreendidas corretamente, torna-se necessário fazer referência ao contexto no qual estão inseridas. Na análise de informações ambientais, por exemplo, a contextualização de palavras como consumo, sustentabilidade, cidadania, sociedade, natureza etc podem auxiliar na compreensão de seu verdadeiro sentido. Tratando-se, especificamente, da relação mídia-

11 11 idoso, certamente deveremos identificar palavras, imagens e conceitos que revelem uma valoração positiva, indefinível ou negativa do discurso midiático. Bardin também se refere às regras de enumeração, que são o modo de quantificação das unidades de registro, o que levará ao estabelecimento de índices percentuais e gráficos explicativos, revelando idéias ou temas que podem ser interpretados como medida de intensidade ou força de uma motivação, convicção ou crença, bem como a importância, atenção ou ênfase dispensadas ao tema. A terceira fase da codificação consiste no trabalho de classificação e reagrupamento das unidades de registro em número reduzido de categorias, com o objetivo de tornar inteligível a massa de dados e sua diversidade. Segundo Bardin (1988), os critérios de categorização podem ser semântico (categorias temáticas), sintático (verbos, adjetivos), léxico (classificação das palavras segundo seu sentido) e expressivo (categorias que classificam as diversas perturbações da linguagem, por exemplo). A categorização envolve duas etapas: o inventário (que consiste em isolar os elementos) e a classificação (que consiste em repartir os elementos, reunindo-os em grupos similares de forma a impor certa organização às mensagens). Com base nos parâmetros citados, será possível constatar, no que se refere à informação sobre a pessoa idosa: O espaço e o destaque da notícia (a centimetragem por coluna e a página do jornal par ou ímpar, internas ou capa e, na TV, a minutagem, a posição nos blocos, com ou sem chamada na escalada, com ou sem imagens etc), A forma como a matéria é recolhida (através do repórter, de correspondentes, de colaboradores, de colunistas, de cartas dos leitores, agências etc), O gênero da informação (notícia, opinião, entrevista, reportagem, crônica), A fonte (personalidades oficiais, instituições como o Executivo, o Legislativo, o Judiciário, entidades como empresas, ONGs, partidos políticos, sindicatos, universidades, igrejas etc), A seção onde é publicada (editoria de país, internacional, cidade, política, economia, meio ambiente, ciências, saúde etc), Os temas mais tratados (consumo, etnias, direitos humanos, projetos, lazer, saúde, aposentadoria, descobertas científicas, entidades assistenciais/asilos, tragédias, preconceitos, situações exemplares, voluntariado, medicamentos, legislação trabalhista, manifestações etc.),

12 12 O âmbito que a informação abrange (local, regional, nacional, mundo, espaço urbano, espaço rural), Os critérios de tratamento da informação (elementos de edição como destaques, títulos, legendas, infográficos, fotos etc), O enfoque crítico-estrutural (compreensão do binômio idoso-mídia-sociedade), O enfoque da ecologia humana (que vê o ambiente do idoso como um todo interrelacionado, com intensa participação dos fatores físicos, biológicos e sociais, integrando o desenvolvimento sustentável que Ignacy Sachs chama de ecodesenvolvimento ), A ênfase na participação cidadã (aquele jornalismo que vai além do declaratório, superficial e escandaloso, procurando a contextualização, a explicação, a persuasão em busca de um comportamento mais consciente e mais coerente com as necessidades ambientais de nosso mundo, como defendido na Agenda 21 emanada da Rio-Eco-92). 8. FORMA DE ANÁLISE DOS RESULTADOS Os resultados da pesquisa comparativa serão elencados em Unidades de Amostragem (levantamento do corpus observado e das entrevistas de campo) e Unidades de Registro (matérias e respostas mais especificamente relacionadas com o objeto da investigação), sabendo-se que tal procedimento de estudo, pelo Método de Análise Comparativa, não pode excluir certo grau de inferência na seleção e julgamento do material coletado, conforme BAUER Este detalhe eleva a responsabilidade do pesquisador, exigindo maior sensibilidade e atenção na análise do fenômeno em observação.

13 13 9. CRONOGRAMA 2007 Janeiro a Junho Levantamento bibliográfico e implantação do site Idosomídia, ancorado no Portal FAAC. Julho a Dezembro Seleção do corpus e estudos preparativos com matrícula regular em disciplinas da área de Ciências da Informação voltadas para Sociologia, Direitos, Ensino de Jornalismo, Comunicação e Globalização, através de convênio com universidade espanhola Janeiro a Junho Entrevistas de campo, fichamento, produção de textos, alimentação do site. Julho a Dezembro Análise comparativa de produtos, produção textual, atualização do site Janeiro a Junho Revisão geral e atualização de dados, com alimentação mensal do site. Julho a Dezembro Conclusão da Monografia com recomendações finais sobre a questão, consolidação do site como fonte de pesquisa para estudantes interessados em Jornalismo e Inclusão Social, no Brasil e na Espanha.

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo"

Campanha Está Provado por A+B arma não é brinquedo Campanha "Está Provado por A+B arma não é brinquedo" Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "Participo do

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO.

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO. Revista Ceciliana Dez 2(2): 41-45, 21 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 CRUSIOL, P.H.T. 1 ; DINIZ, L.B.S. 1 ; NASCIMENTO, L.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, pedroc@ cnpso.embrapa.br, lilian@cnpso.embrapa.br;

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Apoio: Fórum Nacional de Professores de Jornalismo FNPJ Associação Brasileira

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Análise do Conteúdo e a Análise Documental

Análise do Conteúdo e a Análise Documental Análise do Conteúdo e a Análise Documental P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conceito

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC O Almoço 1 Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO "O Almoço" é crônica que aborda a realidade de um aposentado em uma cidade litorânea. Insipirada na música

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Desenvolvimento do Projeto Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Tópicos da Aula 8ºe9ºPeríodos Introdução; Normas gerais

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Programa de Educação Tutorial - PET Edital de seleção de bolsistas de graduação Edital n 013 PROGRAD/2015

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL Maria Ângela Cabanilha de Souza Maltempi Assistente social e gerontóloga Professora e coordenadora da Toledo Aberta a Melhor Idade Segundo as projeções estatísticas da Organização

Leia mais

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de

Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de Recomendação CM/Rec (2013)1 do Comité de Ministros aos Estados-Membros sobre a Igualdade de Género e Media (adotada pelo Comité de Ministros a 10 de julho de 2013, na 1176.ª reunião dos Delegados dos Ministros)

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Programa de Educação Ambiental e de Comunicação Social Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: Condicionante para obtenção de Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa

Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Guia básico para a elaboração do projeto de pesquisa Alcenir Soares dos Reis Maria Guiomar da Cunha Frota A elaboração de um projeto de pesquisa indica para o pesquisador (ou para as instituições às quais

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO

A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A ESTRUTURAÇÃO DA COMUNICAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO A transparência, tônico infalível da cidadania, outorga confiabilidade e, por conseguinte, maior respeito. Por sua vez, a população, melhor informada,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX 073/2010 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos

Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos portais mais populares e picantes do Brasil, como: dados estatísticos, pesquisas de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO

O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO O PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA E SUA APLICAÇÃO Objetivos: Apresentar a estrutura básica de um projeto de pesquisa com vistas a sua elaboração FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO DA COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS)

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) 1 A seguir apresentamos o fluxo para a Implantação de um Observatório Social(OS), dentro do Sistema de Franquia Social da Rede

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012 Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO Fevereiro/2012 UM POUCO SOBRE O ALUNO Etnia segundo classificação do ENADE Amarelo (de Origem Oriental)

Leia mais