Primórdios do jornalismo diversional no Brasil: uma introdução à luz de desacordos 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Primórdios do jornalismo diversional no Brasil: uma introdução à luz de desacordos 1"

Transcrição

1 Primórdios do jornalismo diversional no Brasil: uma introdução à luz de desacordos 1 ASSIS, Francisco de (Mestre) 2 Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP Resumo: O jornalismo, em âmbito universal, compreende diferentes formas de organização, tanto que no que diz respeito a seu conteúdo, quanto no que tange à sua forma. Historicamente, a atividade sempre foi se reinventando ou se aperfeiçoando para tender às demandas da sociedade, também em constante transformação, e para acompanhar as próprias mudanças do cenário comunicacional. É por isso que pensar a questão dos gêneros jornalísticos exige considerar que suas características também evoluíram, ao longo do tempo, incorporando elementos que ultrapassam a fronteira que separa informação e opinião, hegemônica desde o século 18. Na intenção de reconstituir fragmentos da história do jornalismo brasileiro exercício ainda bastante considerável, uma vez que o passado da imprensa nacional ficou, durante muito tempo, entregue ao esquecimento, este texto tenciona diferentes ideias a respeito da origem do jornalismo diversional no país. Recorrendo à pesquisa bibliográfica como técnica de pesquisa, o trabalho busca estabelecer um diálogo entre os principais autores que destacam a introdução, em jornais do país, de uma classe de textos que prima pelo aspecto estilístico, em detrimento da informação dita objetiva. Palavras-chave: história do jornalismo; gêneros jornalísticos; jornalismo diversional; jornalismo brasileiro. A título de introdução Estamos preparando uma tese de doutorado sobre a prática do jornalismo diversional em diários brasileiros. O tema é instigante e desafiador. Instiga porque pressupõe, logo de início, reconhecer que os gêneros jornalísticos ultrapassam os limites pretensiosamente rígidos impostos ao trabalho dos jornalistas, no curso da história, especialmente pelos Estados Unidos e por sua imprensa rigorosamente objetiva (LINS DA SILVA, 1991, p. 89). Por outro lado, desafia porque a terminologia diversional adotada em conformidade com a nova classificação de José Marques de Melo (2010a) 3 a respeito dos gêneros não é comungada por todos os autores que tratam do 1 Trabalho apresentado no GT de História do Jornalismo, integrante do 8º Encontro Nacional de História da Mídia, realizado na Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro), em Doutorando e Mestre em Comunicação Social e Especialista em Jornalismo Cultural pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Jornalista formado pela Universidade de Taubaté (Unitau) e pesquisador do Núcleo de Pesquisa e Estudos em Comunicação (Nupec), na mesma instituição. Membro do grupo Pensamento Comunicacional Latino- Americano, vinculado à Cátedra Unesco/Metodista de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. Vicecoordenador do GP Gêneros Jornalísticos, da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom). 3 José Marques de Melo tem se dedicado ao estudo sistemático dos gêneros jornalísticos desde o início de sua vida acadêmica, ainda enquanto aluno de graduação, na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), na década de 1960, quando analisou a crônica policial em jornais de Recife (PE), orientado por Luiz Beltrão. Mas sua incursão mais significativa nesse terreno se deu no início da década de 1980, com sua tese de livre-docência, transformada em livro (MARQUES DE MELO, 1985; 1994; 2003), na qual ele propõe uma classificação para os gêneros, separando-os em informativo e opinativo. No final da década de 1990, o professor retomou as discussões, inserindo 1

2 mesmo fenômeno, como veremos no decorrer desta comunicação, e também porque é bem difícil estabelecer parâmetros para observar tal prática. Nosso maior interesse, na pesquisa doutoral, é desvendar os fatores motivacionais que levam jornalistas e jornais à produção do gênero em questão. Devemos confessar, portanto, que não tratamos, em nosso projeto, especificamente de discussões históricas; porém, não desconsideramos que retroceder no tempo, para observar momentos singulares da trajetória da imprensa brasileira nosso território de observações, oferece-nos a possibilidade de delinear melhor nossas hipóteses e, até mesmo, ajuda-nos a interpretar os dados que iremos colher junto às redações que compõem o corpus da investigação. Por isso mesmo, aproveitamos a deixa desse estágio da pesquisa para elaborar este texto, na intenção de compartilhá-lo com os colegas pesquisadores da área de jornalismo, durante o 8º encontro da Alcar (Associação Nacional de Pesquisadores em História da Mídia), que já acostumamos chamar de Rede Alcar. É nossa intenção, com isso, tentar organizar as principais discussões sobre os primórdios do jornalismo diversional no Brasil, identificando critérios que sejam suficientes para apontar de que maneira e por que sujeitos tal gênero foi instituído no país. O procedimento coerente a essa proposta é, evidentemente, a pesquisa bibliográfica, à qual recorremos, fazendo uso de diferentes fontes, tais como livros, artigos publicados em periódicos científicos, papers divulgados em anais de eventos e outros textos localizados na internet. Mesmo com essa variedade de materiais, cabe advertir que os indícios aqui registrados não devem ser considerados como totalizadores. É possível que existam outras visões a respeito desse cenário, as quais não foram contempladas na leitura que aqui nos propusemos a expor. Como já dissemos e como iremos reforçar em vários momentos, a concepção do gênero diversional e, consequentemente, o uso de tal nomenclatura não suscitam acordos entre aqueles que se inclinam sobre a questão. Portanto, levamos em consideração até mesmo aqueles autores que não adotam o termo diversional em seus textos. Organizamos, assim, um debate a partir de múltiplas perspectivas acerca do mesmo fenômeno, ainda que nem todas concebam ou adotem a mesma conceituação por nós defendida. Mas o que é o jornalismo diversional? Dentre os muitos aspectos característicos aos processos jornalísticos, os quais podem servir como norteadores para entender o trabalho da imprensa, um ponto nos parece fundamental: a novos itens em sua classificação, mas ainda mantendo a divisão entre gêneros informativos e opinativos, os quais foram evidenciados em ampla pesquisa comparativa aplicada em jornais de São Paulo e do Rio de Janeiro (MARQUES DE MELO & QUEIROZ, 1998). A partir dessas observações e de extensas revisões bibliográficas que consideraram autores nacionais e internacionais, ele chegou a uma nova classificação, que compreende a ideia de gêneros e formatos, atribuindo, a esse primeiro foco, cinco classes: informativo, opinativo, interpretativo, diversional e utilitário (MARQUES DE MELO & ASSIS, 2010). 2

3 percepção de que o jornalismo não é feito apenas de conteúdos exclusivamente informativos (TEMER, 2007, p. 50), considerados objetivos (LAGE, 2001, p. 34), que não expõem interpretações, percepções ou julgamentos dos repórteres. Sem dúvida, a base do jornalismo, como já alertava Luiz Beltrão (1980, p. 13), em seus primeiros ensaios acadêmicos, está na informação. Mas isso não quer dizer que ela esgota as demais possibilidades dessa atividade. Ao contrário, subsidia outras formas de expressão construídas jornalisticamente. A própria disposição dos gêneros revela várias finalidades. Na classificação que adotamos, formulada por José Marques de Melo (2010a), estão sinalizadas cinco funções (informar, opinar, interpretar, divertir, ser útil), formalizadas nos gêneros informativo, opinativo, interpretativo, diversional e utilitário. Aqui, como explicamos, vamos nos deter ao jornalismo diversional. Beltrão (1980, p ) já reconhecia que a diversão se constitui como um caractere do jornalismo. Não se trata, todavia, da mesma diversão jocosa que produtos de entretenimento ficcionais e lúdicos tais como filmes, telenovelas, jogos, programas de auditório, entre outros oferecem à sociedade. O termo mais adequado, talvez, fosse passatempo. Afinal, segundo definição do próprio autor, esse tipo de jornalismo pode ser um meio de fuga às preocupações do quotidiano ou costumeiro, uma pausa no ramerrão, um preenchimento dos lazeres com algo reparador do dispêndio de energias reclamado pela própria atividade vital de informar-se. A obra de Luiz Beltrão não explora o assunto em sua plenitude. Considerações adicionais foram feitas, ocasionalmente, por alguns poucos que levantaram a questão, como Mário Erbolato (2006, p. 44) para quem o jornalismo diversional, em resumo, oferece textos de muito agrado, abordando temas que, em geral, eram sempre apresentados com aridez ou através de construções estereotipadas e formais, despidas de interesse e os responsáveis por uma pequena coletânea intitulada Jornalismo Diversional (MUGGIATI et al., 1971), publicada pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com capítulos escritos por jornalistas estrangeiros, traduzidos para o português, e por um brasileiro. Além desses, outros pesquisadores mencionaram ou discutiram o gênero, mas também não chegaram a avançar na discussão. Marques de Melo (2003, p. 34) foi quem caminhou um pouco além, explicando que a natureza diversional desse novo tipo de jornalismo está justamente no resgate das formas literárias de expressão que, em nome da objetividade, do distanciamento pessoal do jornalista, enfim, da padronização da informação de atualidade dentro da indústria cultural, foram relegadas a segundo plano, quando não completamente abandonadas. [...] O interesse do leitor por essas produções jornalísticas está menos na informação em si, ou seja, na essência do fato narrado, do que nos ingredientes de estilo a que recorrem seus redatores, despertando o prazer estético, em suma, divertindo, entretendo, agradando. Portanto, este trabalho parte do pressuposto de que há, entre as classes dos textos praticados pela imprensa, um gênero que prima muito mais pelo estilo (pela estrutura da narrativa) do que, propriamente, pela informação. Isso não quer dizer que desconsideremos que ali haja dados 3

4 precisos, apurados, enfim, informativos. O que se quer reforçar é que a tônica dessas matérias não está no fato novo trazido à tona (muitas vezes, o fato nem é tão novo assim), mas, sim, nos aspectos próprios do texto. Sua característica básica, por isso, é a escrita jornalística construída com recursos comuns à escrita literária. É a esse gênero, pautando-nos pela classificação proposta por Marques de Melo (2006b; 2010a), que atribuímos o nome de diversional, muito embora saibamos que há outros sinônimos às vezes, utilizados de modo equivocado para a mesma prática, como novo jornalismo, literatura da realidade, escrita criativa de não-ficção, literatura do fato, jornalismo narrativo, jornalismo de livros, jornalismo degustativo, narrativa jornalística, jornalismo informativo de criação, parajornalismo e jornalismo literário (CARVALHO & PASSOS, 2008, p. 68), sendo esse último, muito provavelmente, o mais conhecido ou mais bem aceito. Há de se levar em conta, também, que outros autores se reportam a essa esfera com nomenclaturas que não pretendem definir um possível gênero, mas que reforçam sua singularidade, como é o caso da expressão jornalismo além da fórmula, adotada por Jorge Ijuim (2010) como veremos na sequência, na intenção de apontar os conteúdos que não se apegam aos padrões de objetividade apregoados principalmente pelos EUA e que se configuram como prática de mais agrado (tanto para o jornalista quanto para o leitor). Todos esses conceitos ou essas maneiras de enxergar um dado produto jornalístico referemse, de certo modo, à natureza do gênero diversional. É claro que sempre há divergências de posicionamentos, as quais justificam a vigência de diferentes conceituações; mas, se analisarmos os elementos identificados por cada um deles, veremos que todos tratam de um jornalismo que ultrapassa a frieza da notícia, publicada com a nítida finalidade de trazer determinado fato novo à tona. Todos falam, portanto, do jornalismo que carrega a essência do que denominamos gênero diversional. Ainda é bom esclarecer que, na classificação original que adotamos como base em nossa pesquisa, há registro da subdivisão do gênero em dois formatos: história de interesse humano e história colorida 4. Recentemente, pautado por pesquisa realizada por Lailton Costa (2008), Marques de Melo (2010a, p. 34) acrescentou às suas observações mais um formato história de viagem, que, segundo ele, tem todas as características do gênero diversional. 4 As características dos formatos são as seguintes: 1) História de interesse humano: Narrativa que privilegia facetas particulares dos agentes noticiosos. Recorrendo a artifícios literários, emergem dimensões inusitadas de protagonistas anônimos ou traços que humanizam os olimpianos. Apesar da apropriação de recursos ficcionais, os relatos devem primar pela verossimilhança sob o risco de perder a credibilidade. Destina-se a preencher os espaços ociosos dos aficionados por relatos jornalísticos ; 2) História colorida: Relatos de natureza pictórica, privilegiando tons e matizes na reconstituição dos cenários noticiosos. Trata-se de uma leitura impressionista, que penetra no âmago dos acontecimentos, identificando detalhes enriquecedores, capazes de iluminar a ação de agentes principais e secundários. Não obstante a presença do repórter no cenário noticioso, ele se comporta como um observador distante, enxergando detalhes não perceptíveis a olho nu (MARQUES DE MELO, 2006a). 4

5 Aceitamos tal classificação como proposta taxonômica. É de nosso entendimento que, na prática profissional, no dia a dia das redações, é muito pouco provável que um jornalista lance mão de tais conceitos e/o nomenclaturas. Costa (2008, p. 51), aliás, reforça tal fato em seu trabalho, ao dizer que o editor, ao tratar a pauta da matéria com o repórter, pode indicar uma reportagem sobre um fato poderá sugerir, para humanizar o relato, um perfil de um personagem, por exemplo, mas não pedirá quiçá raramente peça para escrever uma história colorida. Por outro lado, reconhecemos que a categorização científica dos gêneros jornalísticos ajuda a traçar alguns panoramas sobre a realidade da imprensa, como exposto anteriormente. Ideias divergentes O primeiro impasse para localizar a implantação do jornalismo diversional no Brasil é, justamente, o aspecto temporal. Há, pelo menos, três versões: uma que a localiza no início do século 19, com o próprio nascimento da imprensa brasileira (MARQUES DE MELO, 2010b); outra que a situa no final daquele século, principalmente por conta da atuação de repórteres na elaboração de extensas reportagens ou de crônicas 5, algumas transformadas em livros (BULHÕES, 2007; IJUIM, 2010; LIMA, 2010), ou em razão de literatos ocuparem boa parte das redações de jornais impressos (PENA, 2006; MARTINEZ, 2009); e, por fim, uma terceira, que identifica seu advento, no cenário nacional, durante a segunda metade do século 20 (FARO, 1999; JORGE, 2008). Em texto recente, José Marques de Melo (2010b, p. 1-2), um dos poucos a utilizar a denominação jornalismo diversional, defende que no primeiro jornal brasileiro 6, o Correio Braziliense ( ), Hipólito da Costa 7 seu proprietário, redator e editor 8 já praticava o gênero. Tal constatação se deu a partir da interpretação que o autor fez das considerações de Carlos 5 Parece tendência, entre alguns pesquisadores brasileiros, tratar da crônica como junção do jornalismo com a literatura, associando-a ao jornalismo literário, o qual, neste trabalho, compreendemos como sinônimo de jornalismo diversional. Porém, devemos esclarecer que, de acordo com a classificação de Marques de Melo (2003, p. 149), a crônica é formato do gênero opinativo, embora tenha como característica a feição de relato poético do real. 6 A imprensa brasileira foi implantada, oficialmente, em 13 de maio 1808, cinco meses após a chegada da família real portuguesa ao país (à época, colônia portuguesa). O primeiro jornal a ser produzido no território nacional foi a Gazeta do Rio de Janeiro, editada a partir de 10 de setembro daquele ano, semelhante à Gazeta de Lisboa, órgão oficial da coroa de Portugal, fundado em 1715 (MEIRELLES, 2008, p. 30). Meses antes, no entanto, um jornal editado em Londres, intitulado Correio Braziliense, cuja primeira edição data de junho de 1808, começou a circular clandestinamente pelo país isso, conforme a versão oficial dos fatos, uma vez que há autores que consideram praticamente impossível uma publicação ter sido editada e importada, de modo clandestino, por 14 anos. De qualquer maneira, aquele periódico é considerado, atualmente, como primeiro jornal brasileiro. 7 Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça ( ) nasceu na colônia do Sacramento (hoje, Uruguai), que se constituía, à ocasião, em território luso-brasileiro. Em 1792, foi cursar o ensino superior na Universidade de Coimbra. Pelo que se sabe, nunca mais retornou ao Brasil. Chegou a Londres em 1805, fugido de Portugal, onde havia sido preso pelo Santo Ofício; ali, então, produziu o Correio Braziliense (MARQUES DE MELO, 2005, p ). Desde o ano 2000, ostenta o título de patrono da imprensa brasileira, honra que lhe foi atribuída pelo Congresso Nacional. 8 É bom lembrar que o jornal de Hipólito da Costa era bastante diferente das publicações periódicas que conhecemos, nos dias de hoje. Primeiro porque tinha forma de livro. E, depois, porque se tratava do jornal de uma só voz, ou seja, era todo elaborado por uma só pessoa, contando com raras colaborações. 5

6 Rizzini 9, considerado um dos principais articuladores da história da imprensa no Brasil. Atento à descrição feita pelo historiógrafo, a respeito daquela folha, ele chegou a essa conclusão: Se fizermos um breve exercício de análise factual, aí identificaremos os protótipos dos gêneros legitimados contemporaneamente: informativo (relato dos grandes acontecimentos), opinativo (denúncias, críticas e libelos), interpretativo (mapas, cartas, relatórios), utilitário (tabelas e estatísticas de moedas, preços de mercadorias, movimento portuário) e diversional (informações literárias). Ao apontar que a configuração espacial dos gêneros está embutida na estrutura dos jornais pioneiros, Marques de Melo mostra que, muito embora a análise sistemática desse objeto tenha sido motivada a partir da década de , o fenômeno é bem antigo. Todavia, apesar de identificar traços que considera como vestígios das primeiras experiências do gênero diversional no país, o mesmo autor também parte na defesa de que é somente no século 20 que esse gênero assim como o interpretativo e o utilitário se consolida, apresentando-se como um segmento de natureza emotiva e hedonística, nutrido pela civilização do ócio e tendo identidade vacila entre o mundo real e a narrativa imaginária (MARQUES DE MELO, 2010b, p. 3). Percepção menos solitária do que essa é a de que o jornalismo diversional aparece na imprensa brasileira no final do século 19. Mônica Martinez (2009, p. 210), por exemplo, afirma que aquele é o período em que a profissão jornalística estava em formatação e parte do material jornalístico era feita por escritores. A época também é mencionada por Felipe Pena (2006, p. 21): ao perceber que há várias definições para jornalismo literário aqui, compreendido como sinônimo do gênero que classificamos como diversional e ao vislumbrar vários períodos que podem melhor caracterizá-lo, ele reconhece que o fim do século 19 é um trecho da história do jornalismo observado com especial atenção por alguns autores, por ser a era em que escritores assumiram as funções de editores, articulistas, cronistas e autores de folhetins, em muitos veículos impressos. De fato, esses pesquisadores estão corretos ao afirmar que os últimos anos do século retrasado foram, no cenário da imprensa, caracterizados pelo elo entre jornalismo e literatura, mesmo que isso pudesse não representar a prática de um jornalismo diversional. Em outras palavras, a relação entre jornal e produção literária realmente configurou um período da história da imprensa, mas muito mais porque era nos jornais que os escritores publicavam seus textos de ficção nos folhetins, por exemplo do que, propriamente, porque pudesse haver um jornalismo com traços de literatura. É sempre bom reforçar e/ou relembrar que a condição sine qua non da prática jornalística é sua relação com a verossimilhança dos fatos narrados, não sendo admissível, em 9 Jornalista e pioneiro dos estudos de mídia no Brasil, Carlos de Andrade Rizzini nasceu em Taubaté (SP), aos 25 de novembro O livro de sua autoria, citado por Marques de Melo, é Hipólito da Costa e o Correio Braziliense, publicado em 1957, uma biografia do primeiro jornalista e do primeiro jornal do Brasil. 10 Os pesquisadores que se dedicam ao estudo dos gêneros jornalísticos atribuem a paternidade desse foco de investigação ao parisiense Jacques Kayser ( ), cofundador do Instituto Francês de Imprensa. No início década de 1950, ele foi responsável pela sistematização dos primeiros estudos de jornalismo comparado, nos quais privilegiava a observação dos jornais em duas dimensões: forma e conteúdo. 6

7 qualquer hipótese, o rompimento da fronteira que separa o relato dos acontecimentos reais do relato ficcional. Mas se a questão levantada por Martinez e por Pena gera dúvidas, Jorge Kanehide Ijuim (2010), Marcelo Bulhões (2007) e Edvaldo Pereira Lima (2010) esclarecem a polêmica, identificando personagens singulares dessa história e as ações por eles protagonizadas. Incomodado com o desprezo às experiências brasileiras, em relação àquilo que intitula jornalismo além da fórmula, Ijuim (2010, p. 8) advoga pelo reconhecimento da atuação de dois jornalistas-escritores que, no trânsito do século 19 para o século 20, produziam textos, para os jornais do Sudeste do país, que já apresentavam as características que anteriormente anotamos como próprias do jornalismo diversional: Raul Pompéia 11 e João do Rio 12, os quais, cada um em seu tempo e à sua maneira, souberam contar histórias do cotidiano, com leveza, poesia, crítica e ousadia, ao mesmo tempo. Nas considerações de Jorge Ijuim (2010, p. 7-8), Pompéia é reverenciado por ter contribuído com o estabelecimento do que conhecemos como um gênero jornalístico genuinamente brasileiro a crônica ; João do Rio, por sua vez, é visto como alguém que rompeu com a imprensa constituída no século XIX para inaugurar uma nova fase: a reportagem e que soube transformar suas crônicas em reportagens, porque foi às ruas para buscá-las. Aliás, essa é a mesma percepção de Marcelo Bulhões (2007, p. 84), que discute a influência que esse segundo jornalista exerceu numa nova organização dos gêneros jornalísticos praticados pela imprensa nacional, na época já mencionada; diz ele que João do Rio produziu uma obra jornalística afeita às demandas comerciais que se anunciavam, fornecendo ao público apelos de curiosidade em reportagens de feição narrativa e com ingredientes típicos de ficção. Ainda a respeito da belle époque tropical 13, Edvaldo Pereira Lima (2010, p. 66) acha justo enaltecer o trabalho daquele que, possivelmente, foi o autor do primeiro livro-reportagem Raul d Ávila Pompeia nasceu em 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis (RJ). Residente na cidade do Rio de Janeiro desde menino, destacava-se, no Colégio Abílio, como bom desenhista e caricaturista. Em 1880, publicou seu primeiro romance: Uma tragédia no Amazonas. Oito anos depois foi a vez de O Ateneu, que lhe consagrou como escritor. O livro é considerado o único romance impressionista da literatura brasileira. Pompéia morreu na capital fluminense, em 25 de dezembro de João do Rio era o pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, nascido no Rio de Janeiro, em 5 de agosto de 1881, e morto em 23 de junho de 1921, na mesma cidade. É considerado um dos primeiros brasileiros a se profissionalizar no campo do jornalismo, representando um novo tipo de jornalista que começou a aparecer na imprensa brasileira no início do século 20. Isso porque, até então, o exercício do jornalismo feito, em geral, por intelectuais era uma atividade exercida nas horas vagas, um ofício encarado como bico. 13 A belle époque (bela época, em francês) foi um período de cultura cosmopolita, da história da Europa, que começou no final do século 19 e durou até o início da Primeira Guerra Mundial, em Tratou-se de um momento de efervescência intelectual e artística. A belle époque brasileira, também conhecida como belle époque tropical, teve início na mesma época, intensificando-se durante o mandato do primeiro presidente da República do Brasil, Deodoro da Fonseca, no final de O novo regime (republicano) desejava inaugurar uma nova cultura, minimizando as marcas do império e da colonização portuguesa. 14 Edvaldo Pereira Lima (2004, p. 26) define livro-reportagem como veículo de comunicação impressa não-periódica que apresenta reportagens em grau de amplitude superior ao tratamento costumeiro nos meios de comunicação 7

8 publicado no Brasil: trata-se de Euclides da Cunha 15, engenheiro militar que, em 1897, foi enviado pelo O Estado de S.Paulo para o interior da Bahia, com a missão de cobrir o episódio da história do país que ficou conhecido como Guerra de Canudos 16. Euclides não foi sozinho para sertão nordestino. Acompanhou uma comitiva formada por jornalistas de oito grandes jornais nacionais, que viajaram em companhia do Exército. Portanto, o trabalho de apuração e relato dos fatos ocorridos na comunidade de Canudos não foi exclusividade dele; o que fez seu trabalho ser notado até hoje foi, de certo, a forma que conseguiu dar a seus textos, como explica Lima (2010, p ): Seus textos tinham dramaticidade e autoria. Em lugar de limitar-se aos fatos, procurava compreender as linhas subterrâneas de forças que tinham moldado o episódio de Canudos. Queria compreender a psicologia dos sertanejos, os seguidores de Conselheiro, procurando estabelecer uma ligação determinante entre seu temperamento e as condições do local. [...] Enquanto os demais correspondentes limitavam-se a acompanhar a tropa, ouvindo apenas seus comandantes e os líderes republicanos que apoiavam a expedição militar, Euclides foi aos poucos abandonando a visão oficial do episódio, passando a pesquisar por conta própria, a observar muito, a interagir com os sertanejos, produzindo uma narrativa realista, que colocava em perspectiva um contexto ambiental, histórico, político e social, tudo apoiado por personagens tragicamente reais. Os leitores do jornal não sabiam então, mas estavam testemunhando a primeira manifestação de jornalismo literário no Brasil, nessa versão primitiva, mas importante historicamente pelo seu pioneirismo. Continuando a percorrer a linha do tempo, percebemos, em meados do século 20, mais um foco de discussões sobre a implantação do gênero diversional no Brasil. O próprio Marques de Melo (2006b), em material anterior àquele já citado, afirma que o jornalismo diversional surge no pós-guerra como contingência do jornalismo, no sentido de sobreviver num ambiente midiático dominado pelo entretenimento. Sua defesa é a de que a ascensão do show business contamina a produção jornalística, introduzindo ao resgate de certas formas de expressão que mimetizam os gêneros ficcionais, embora os relatos permaneçam ancorados na realidade. Embora, nesse texto original, o autor não se refira exclusivamente ao Brasil, o momento descrito por ele coincide com o que J. S. Faro (1999) e Taïs de Mendonça Jorge (2008) identificam como ocasião de apogeu da revista Realidade 17. jornalística. O mesmo autor reconhece, em obra recente, que Euclides da Cunha aproveitou sua experiência de Canudos para escrever um livro monumental, lançado em 1902, que iria definitivamente sacudir a literatura brasileira [...]. Trata-se de Os Sertões, um trabalho de não-ficção, no qual aproveitou muitas das suas anotações de correspondente de guerra, inclusive cenas de batalha [...]. Então, sim, com a fama de Os Sertões causando polêmicas na intelectualidade brasileira, descobre-se que lá atrás, nos despachos de um obscuro correspondente de guerra, estavam as sementes de um estilo de jornalismo até então desconhecido no país (LIMA, 2010, p ). 15 Euclides Rodrigues da Cunha nasceu em Cantagalo (RJ), em 20 de janeiro de Faleceu na cidade do Rio de Janeiro, em 15 de agosto de 1909, assassinado pelo amante de sua esposa. 16 A Guerra de Canudos (ou Campanha de Canudos) foi um confronto entre o Exército do Brasil e integrantes de um movimento popular, de fundo sociorreligioso, liderado por Antônio Conselheiro ( ), no arraial de Canudos, interior da Bahia. Durou de 1896 a Retratado como louco, fanático religioso e contrarrevolucionário, Conselheiro era o líder espiritual daquele vilarejo, atraindo, para lá, milhares de sertanejos, camponeses, índios e escravos recém-libertos. Estima-se que os conflitos tenham culminado na morte de 20 mil sertanejos e de 5 mil militares. 17 Realidade foi lançada em 1966, pela Editora Abril. Apesar de ter circulado até 1976, seu projeto inicial só durou até 8

9 Após ter estudado as características daquela revista em sua tese de doutoramento, Faro (1999, p. 511) assegura que sua criação em 1966 se deu num momento político-cultural determinado, que representou um desafio para a linguagem jornalística. A diversidade de movimentos que caracterizaram a época parece ter colocado em xeque todo o arcabouço mítico formado pelos padrões de objetividade em torno dos quais opera o gênero informativo. Desse modo, reconhece o autor que as características dos textos de Realidade são fruto de uma conjuntura específica, que permitiu o rompimento com a narrativa convencional e a introdução de elementos que vinham marcados pela verossimilhança e por seu sentido ficcional, instrumentos que asseguravam a apropriação do caráter diverso e multifacético do real (FARO, 1999, p. 513). Faro (1999, p. 513) também procura deixar claro que o método de trabalho de Realidade que culminava em textos de característica estética próxima à da literatura não era novo na imprensa brasileira. Mas também reconhece que se tratava de codificação semelhante à do fenômeno denominado new journalism 18, que teve nos Estados Unidos o ponto inicial para sua elaboração: um estilo de reportar que associava elementos informativos à narrativa ficcional da novela norte-americana. Quando à questão do gênero, é bom dizer que, embora anote as características essenciais do jornalismo diversional como intrínsecos à produção da revista, Faro diz que as matérias de Realidade se configuravam como reportagens 19, mesmo que com feições bem mais amplas do que o relato ampliado de um acontecimento que já repercutiu no organismo social e produziu alterações que já são percebidas pela instituição jornalística, defendido por Marques de Melo (2003, p. 66). Entende ele, portanto, que, em razão da conjuntura político-cultural do país, no período indicado, a publicação reinventou o gênero reportagem, o qual, por sua própria natureza, permite ao jornalista superar os limites impostos pelos padrões de conteúdo e de linguagem da objetividade informativa (FARO, 1999, p. 512). Argumentos semelhantes são os de Jorge (2008, p. 69), que também se refere ao aperfeiçoamento da reportagem, na metade do século 20, em resposta às demandas suscitadas pelos próprios avanços nos meios de comunicação: 1968, sendo inibido pela censura importa pela ditadura militar. Isso porque ele consistia na publicação de extensas matérias, sobre assuntos polêmicos, as quais eram apuradas, muitas vezes, durante mais de um mês. Sua fase mais reconhecida, portanto, de 1966 a 1968, foi caracterizada por abordagens criativas e ousadas, textos escritos em primeira pessoa, fotos que permitiam perceber a existência do fotógrafo e projeto gráfico pouco tradicional. 18 O new journalism é considerado uma revolução da imprensa dos Estados Unidos, e teve seu início entre as décadas de 1950 e 1960 (embora haja algumas controvérsias quanto ao seu provável começo. Não chegou a ser um movimento formal, pois os repórteres não o promoveram de maneira organizada; pode-se dizer que agiam mais de maneira intuitiva. Classificado como literatura de não-ficção, caracterizou-se por misturar a narrativa jornalística com a literária. Como exemplos de repórteres daquele país que apostaram suas fichas em uma narrativa que, embora verídica, se apóia em recursos literários, podem ser citados os nomes de John Hersey ( ), Truman Capote ( ), Tom Wolfe (1931-), Joseph Mitchell ( ) e Gay Talease (1932-). 19 A questão da reportagem está longe de ser encerrada ou de estabelecer um consenso, por uma série de fatores, alguns dos quais trataremos em nossa tese. Todavia, é preciso reforçar, aqui, que de acordo com a classificação de Marques de Melo (2010a), a qual adotamos como modelo, a reportagem é um dos formatos do gênero informativo. 9

10 Com a televisão, na década de 1950, e o aperfeiçoamento dos processos de transmissão de notícias e da fotografia, os jornais melhoraram o padrão, sugiram novos estilos de fazer jornalismo. Os veículos impressos inauguraram departamentos de pesquisa segundo exemplo do The New York Times e as informações de arquivo vieram agregar valor ao texto. Nos anos 1960 surgiu o novo jornalismo (new journalism), que pretendeu abandonar as amarras do estilo pirâmide invertida, aproximando os textos da literatura. A revista Realidade inaugurou um novo estilo na reportagem brasileira, a partir de Influenciada pelo new journalism, a publicação da Editora Abril revolucionou o panorama dos magazines. Se até aqui vimos ideias divergentes a respeito dos primórdios do jornalismo diversional, conseguimos localizar, em contrapartida, num texto de Alessandro Carvalho Sales (2006, p. 78), um balanço que equilibra a belle-époque, quando era grande o sotaque europeu, o suposto afrancesamento de nossos textos e o novo jornalismo, que nos chegou, desta feita, por uma influência norte-americana. Seu argumento é o de que são dois instantes muito particulares nos quais, efetivamente, esteve mais ligada a literatura ao jornalismo. Sales (2006, p. 83) faz um interessante passeio pela história do jornalismo brasileiro, apontando suas tendências, conforme o desenrolar de sua evolução. Ele reconhece que João do Rio simbolizou o quadro em mutação, bem como as questões inerentes a quem buscava desenvolver tanto uma carreira jornalística quanto literária, ao mesmo tempo em que afirma ter a imprensa brasileira, na década de 1960, se apropriado das características instituídas pelo new journalism. E ainda percebe: Se tardiamente o lide veio se instalar nos periódicos brasileiros, não demorou muito para que o novo jornalismo deixasse seus sinais no Brasil, num primeiro instante, através da revista Realidade (SALES, 2006, p. 94). A partir das observações recuperadas neste trabalho, arriscamo-nos a organizar uma discussão mais clara sobre como o jornalismo diversional conquistou espaço em jornais e em revistas do Brasil. Longe de nossa intenção julgar as considerações descritas até aqui ou invalidar qualquer uma delas; o que pretendemos é sistematizar, de forma ordenada e cronológica, as diferentes ideias que nos foram apresentadas. É o que faremos a seguir. Reorganizando as ideias Podemos afirmar, logo de início, que consideramos pertinentes todas as articulações aqui expostas, uma vez que os autores as situam no tempo e no espaço. Acreditamos que o jornalismo é atividade complexa e que reflete a realidade social, em constante transformação. Por isso mesmo, não vislumbramos a possibilidade de compreendê-lo a partir de uma única matriz. A divergência, assim sendo, é elemento essencial para a reflexão sobre a imprensa. Observando o que foi posto anteriormente, e respeitando o curso cronológico da história, devemos colocar, primeiramente, que concordamos com Marques de Melo no que diz respeito ao 20 Nota do autor: acreditamos que o ano mencionado pela autora esteja errado, tendo ela se referido, muito provavelmente, a 1966, ano de criação da revista. 10

11 entretenimento propiciado por Hipólito da Costa, a seus leitores, com as informações literárias contidas em seu Correio Braziliense. Porém, essas informações, a nosso ver, não são o que se pode chamar de jornalismo diversional. Eram, muito provavelmente, textos ficcionais e, portanto, não constituíam material jornalístico e/ou informações sobre a produção literária o que poderíamos definir como resenhas ou notas sobre livros e que, do mesmo modo, não seriam elementos constitutivos do gênero que nos interessa discutir. Por outro lado, é possível que, como precursor em vários aspectos, o primeiro periódico do Brasil oferecesse textos jornalísticos que mimetizassem os gêneros ficcionais; só que tal constatação apenas pode ser feita a partir da análise dos exemplares do Correio Braziliense, tarefa que não fizemos por não ser o interesse desta exposição, mas que pode ser facilmente executada, uma vez que a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo editou toda a coleção do jornal, em versão fac-símile, em Além disso, também há a possibilidade de encontrar vestígios de jornalismo diversional em outras publicações contemporâneas do Correio. Assim sendo, a passagem do século 19 para o século 20, tratada por Bulhões, Ijuim, Lima, Pena e Martinez, vai se constituir como resultado de um percurso iniciado, pelo menos, nove décadas antes. Como fizemos questão de reforçar em vários trechos deste texto, o jornalismo, enquanto fenômeno social, passa por constantes alterações, mas nunca bruscas. Essas modificações são, na verdade, suaves, tais como uma metamorfose, que implica em transformações contínuas e interdependentes (ou seja, a mudança de hoje interfere na mudança de amanhã, que, por sua vez, interferirá na mudança de depois). Identificando os protagonistas que, nesse último período, provocaram inquietações na imprensa brasileira mais especificamente no Rio de Janeiro, então capital federal, os autores outrora destacados conseguiram delinear os instantes em que o jornalismo verde-amarelo deu saltos mais altos. E podemos dizer que essas ações conferiram feições mais jornalísticas à imprensa do país. Afinal, não se pode esquecer que, durante muito tempo, os jornais foram feitos por escritores ou burocratas servidores públicos, por exemplo, que quase nunca conseguiam dar, às páginas periódicas, um aspecto próximo àquilo que hoje reconhecemos como produtos jornalísticos. Ao dar início à fase de profissionalização do jornalismo, como Martinez e Bulhões compreendem, jornalistas da belle époque promoveram mudanças significativas nas publicações nacionais, assim como os representantes do new journalism também modificaram a face do jornalismo norteamericano, meio século depois. Seguindo essa linha de raciocínio, não desprezamos que as convicções de Faro e de Jorge assim como as de Sales, que prima pela ponderação também apontam para um cenário de renovação. Se, no começo do século 20 a exemplo do que Raul Pompéia e Euclides da Cunha começaram a fazer, João do Rio revolucionou o fazer jornalístico, os repórteres de Realidade e 11

12 de outras publicações de mesma inclinação editorial, de meados do século 20, também incentivaram e promoveram novas ações que ajudaram a consolidar do gênero diversional o qual, pelo que nos parece, continua a figurar na imprensa, mesmo que, por vezes, seja desconsiderado ou abnegado pelos ambientes acadêmicos e profissionais. Assumindo tal postura, conseguimos elaborar um quadro que revela três estágios que caracterizam os primórdios do jornalismo diversional no país, os quais denominamos introdução, ascensão e consolidação. Em termos mais específicos, assim os consideramos: introdução na cena nacional, no início do século 19, junto com a própria implantação da imprensa: o Correio Brasiliense e outras publicações talvez não registradas e/ou analisadas já consideravam o entretenimento como aspecto a ser considerado em suas páginas; ascensão, no período que compreende o final do século 19 e o início do século 20: os jornais brasileiros, mesmo que de modo intuitivo, começam a reorganizar os gêneros, com uma série de ações, mas, principalmente com a fusão da reportagem e da crônica, em textos que, à luz das definições dadas por Marques de Melo, podemos classificar como formatos do gênero diversional; consolidação, em meados do século 20, no período pós-guerra: o momento políticocultural vivenciado pelo Brasil impulsiona jornalistas a produzirem, mais e mais, materiais jornalísticos que fogem das amarras do jornalismo objetivo, cujo foco é somente noticiar os últimos acontecimentos; experiências como as da revista Realidade deixam a prova de que as próprias empresas jornalísticas compraram a ideia, bastante próxima à das experiências norte-americanas. Defendemos, por tudo isso, que foi com esse percurso que a imprensa brasileira chegou ao que faz hoje em dia. Nessas etapas é que foram plantadas as sementes dos trabalhos que, em nosso tempo, conseguimos reconhecer, ou seja, as produções de repórteres que têm sensibilidade para escrever e que encontram espaço, nos jornais e nas revistas, para publicar textos que entretêm, emocionam, comovem, divertem. Textos que, muito embora recebam tratamento literário, constituem-se em material jornalístico da melhor qualidade (com informações bem apuradas, fontes devidamente identificadas, fatos precisamente descritos, histórias interessantes de pessoas interessantes). No passado ou no presente, o jornalismo diversional é assim. À guisa de conclusão Chegamos a este tópico final convencidos de que conseguimos cumprir nosso objetivo, fazendo uso destas linhas para reconstituir a trajetória histórica do jornalismo diversional. Procuramos reforçar, em vários momentos, nossa convicção de não há transformações radicais no 12

13 processo jornalístico; os momentos cruciais, que evidenciam redirecionamentos de condutas e de procedimentos, são reflexos da somatória de uma série de acontecimentos, alguns dos quais imperceptíveis, no cotidiano. Por isso, seria muito arriscado não concordar que o gênero diversional já apresentava indícios no início da imprensa, e que, com o tempo, foi se moldando, incorporando novos métodos, abrindo-se para novas possibilidades. Esses aspectos subjetivos, que envolvem o gênero, são, na verdade, o principal elemento que justifica nossa tese. Importa-nos mais bem conhecê-los, identificá-los, sistematizá-los, a fim de visualizar como e por que a imprensa abre espaço para um jornalismo que vai além da informação e da opinião, mas que, ao mesmo tempo, não tem pretensões de ser prestador de serviços ou de ajudar a interpretar os fatos cotidianos. O jornalismo que prende nossa atenção, enquanto leitores e pesquisadores que somos, ultrapassa essas demandas, justamente porque consegue incorporar e muito bem elementos particulares daqueles que o produzem. Pelo visto, não é de hoje que é assim... Referências BELTRÃO, Luiz. Jornalismo opinativo. Porto Alegre: Sulina, BULHÕES, Marcelo. João do Rio e os gêneros jornalísticos no início do século XX. Famecos, Porto Alegre, n. 32, p , abr CARVALHO, Juliano Maurício de; PASSOS, Mateus Yuri Ribeiro da Silva. A contribuição da revista piauí para uma cultura científica. Alceu: Revista do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, v. 9, n.17, p , jul./dez COSTA, Lailton Alves da. Teoria e prática dos gêneros jornalísticos: estudo empírico dos principais diários das cinco macro-regiões brasileiras f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, ERBOLATO, Mário L. Técnicas de codificação em jornalismo: redação, captação e edição no jornal diário. 7. ed. São Paulo: Ática, FARO, J. S. Realidade e o Novo Jornalismo. In: MARQUES DE MELO, José; CASTELO BRANCO, Samantha (Orgs.). Pensamento comunicacional brasileiro: o grupo de São Bernardo ( ). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, p IJUIM, Jorge Kanehide. Jornalismo além da fórmula: a supervalorização do referencial estrangeiro e o desprezo às experiências brasileiras. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom, JORGE, Thaïs de Mendonça. Manual do foca: guia de sobrevivência para jornalistas. São Paulo: Contexto,

14 LAGE, Nilson. Ideologia e técnica da notícia. Florianópolis: Insular, LIMA, Edvaldo Pereira. Jornalismo literário para iniciantes. São Paulo: Clube de Autores, Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. ed. rev. e atual. Barueri: Manole, LINS DA SILVA, Carlos Eduardo. O adiantado da hora: a influência americana sobre o jornalismo brasileiro. São Paulo: Summus, MARQUES DE MELO, José. Gêneros jornalísticos: conhecimento brasileiro. In: MARQUES DE MELO, José; ASSIS, Francisco de (Orgs.). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010a. p Panorama diacrônico dos gêneros jornalísticos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom, 2010b.. Formatos jornalísticos: evidências brasileiras. Pesquisa realizada no jornal Folha de S. Paulo, 28/03/ a. (Original do autor).. Gêneros da comunicação de massa: análise dos gêneros e formatos jornalísticos. 2006b. (Original do autor).. Hipólito da Costa: o patrono oficial da imprensa brasileira. In:. (Org.). Imprensa brasileira: personagens que fizeram história. São Paulo: Imprensa Oficial, p Jornalismo opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. 3. ed. Campos do Jordão: Mantiqueira, A opinião no jornalismo brasileiro. 2. ed. Petrópolis: Vozes, A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, ; ASSIS, Francisco de (Orgs.). Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, ; QUEIROZ, Adolpho (Coords.). Identidade da imprensa brasileira no final do século: das estratégias comunicacionais aos enraizamentos e às ancoragens culturais. São Bernardo do Campo: Cátedra Unesco/Umesp de Comunicação para o Desenvolvimento Regional, MARTINEZ, Monica. Jornalismo literário: um gênero em expansão. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 32, n. 2, p , jul./dez MEIRELLES, Juliana Gesuelli. A Gazeta do Rio de Janeiro: o jornal oficial da corte de D. João VI no Brasil ( ). Comunicação & Sociedade: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP, ano 29, n. 49, p , 1º sem MUGGIATI, Roberto et al. Jornalismo diversional. São Paulo: ECA-USP,

15 PENA, Felipe. Jornalismo literário. São Paulo: Contexto, SALES, Alessandro Carvalho. Entre o jornalismo e a literatura: a belle époque e o new journalism no Brasil. Comunicare, São Paulo, v. 6, n. 1, p , 1º sem TEMER, Ana Carolina Rocha Pessôa. Reflexões sobre a tipologia do material jornalístico: o jornalismo e as notícias. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 30, n. 1, p , jan./jun

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Por que foca?

APRESENTAÇÃO. Por que foca? APRESENTAÇÃO Por que foca? O foca, jornalista iniciante, tem grande dificuldade de encontrar um guia entre os textos técnicos publicados no Brasil. Com a pauta lhe queimando as mãos, ele se inquieta: por

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 7º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2,0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais