CONSULTORIA JÚNIOR: UM ENSAIO DE GUIA DE ORIENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSULTORIA JÚNIOR: UM ENSAIO DE GUIA DE ORIENTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO RS DACEC - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DE COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO MODALIDADE PRESENCIAL CONSULTORIA JÚNIOR: UM ENSAIO DE GUIA DE ORIENTAÇÃO ALINE RAFAELA SISTI Orientador: Marcos Paulo Dhein Griebeler Co- Orientador: Gustavo Arno Drews Ijuí, 2º Semestre de 2013

2 2 ALINE RAFAELA SISTI CONSULTORIA JÚNIOR: UM ENSAIO DE GUIA DE ORIENTAÇÃO Trabalho de conclusão de curso apresentado ao DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ, como requisito parcial para a conclusão do curso de Administração. Orientador: Marcos Paulo Dhein Griebeler Co- Orientador: Gustavo Arno Drews Ijuí, 2º Semestre de 2013

3 3 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus por ter me dado o dom da vida, e por ter me acompanhado durante todos os meus dias, me proporcionando saúde, vontade de conquistar meus sonhos e por me iluminar dando força para não desistir nos momentos mais complicados. Agradeço a minha família, meu pai Nelson Sisti, minha mãe Hilda e minha irmã Vivian Sisti por me apoiarem não somente financeiramente para concluir essa graduação, mas também por estarem junto comigo nos momentos que mais precisei sempre me incentivando e dando forças para seguir meus objetivos e me compreendendo, principalmente, nessa fase final da faculdade, quanto meus finais de semana eram praticamente de estudos, tendo que muitas vezes deixar alguns programas de família de lado para poder me dedicar a estudar. Agradeço a todos meus amigos que fazem parte da minha vida tanto acadêmica quando socialmente nesses quase seis anos, os quais me entenderam nos momentos que tive que negar uma festa, uma janta, mas que estes vinham com palavras motivadoras para continuar estudando, foram muitas as lágrimas deixadas nos ombros desses dias que o cansaço tomava conta e a vontade era desistir, mas com verdadeiros amigos incentivando ao meu lado tudo ficava mais fácil. Também agradeço ao meu orientador professor Marcos Paulo Dhein Griebeler por sua vontade e sabedoria para tirar as dúvidas existentes e transferir seus conhecimentos, sua disponibilidade de responder os s, sempre muito eficaz. Também agradeço ao professor Gustavo Arno Drews que foi o co-orientador desse projeto, o qual ajudou muito no aprofundamento do tema com seus conhecimentos acadêmicos e profissionais sempre muito prestativo para esclarecer as dúvidas que iam surgindo durante o desenvolvimento deste estudo. Também agradeço aos professores Pedro Rasia, Sikberto, Lurdes e aos consultores Claudinei Malheiros, Janaina Antonello Kromberg, Marcelo Blume e Santagelo, que dispuseram de seus tempos a fim de participar das entrevistas transferindo seus conhecimentos a favorecer este estudo.

4 4 E por fim, agradeço a mim Aline Sisti por ter tido forças e não desistir do sonho da graduação de administração. Foram vários os dias que o desânimo tomava conta, desde os 18 anos quando fui morar sozinha em Ijuí tive o desafio de trabalhar o dia todo e estudar a noite isso se tornava muito cansativo e muitas vezes desanimador. Mas agora todo esforço obtido será gratificado e no dia 08/03/14 será a festa recompensada, a tão sonhada formatura.

5 Ninguém conhece as suas próprias capacidades enquanto não as colocar à prova. Públio Siro 5

6 6 CONSULTORIA JÚNIOR: UM ENSAIO DE GUIA DE ORIENTAÇÃO Aline Rafaela Sisti 2 ; Marcos Paulo Dhein Griebler 3 ; Gustavo Arno Drews 4 1 Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Administração 2 Aluna do Curso de Graduação em Administração da UNIJUÍ, 3 Orientador, Doutor, 4 Co- Orientador Mestre, Resumo: O presente estudo tem como objetivos conhecer o conjunto de habilidades conhecimentos, habilidades e atitudes para se tornar um consultor organizacional, e identificar os processos necessários para um programa de consultoria elaborando um ensaio de guia prático sobre este ramo. Contendo um quadro de competências e os processos que um consultor júnior deve possuir, a fim de servir de apoio a estudantes da Administração da Unijuí consultores júniors, Empresa Júnior e também para consultores atuantes no ramo. Primeiramente é apresentada uma abordagem teórica com a finalidade de uma melhor compreensão sobre consultoria organizacional. Após, foi realizada uma investigação de modo qualitativo, através de entrevistas com três professores e quatro consultores sobre o entendimento de consultoria organizacional e práticas vivenciadas no dia-a-dia. Em seguida se deu uma análise teórica e prática, obtendo assim um grande entendimento sobre o assunto em estudo, e finalizando com um ensaio de guia sobre consultoria organizacional com as principais etapas que uma consultoria deve possuir. Conforme proposições que a autora acredita serem essenciais a se conter no guia final sobre consultoria organizacional. Os resultados alcançados foram muito satisfatórios além de oportunizar à acadêmica ampliação de seu conhecimento sobre consultoria e, dessa forma, poderá ser um estudo a ser aprofundado pela acadêmica ou também por futuros alunos de administração que desejam atuar como consultores júniors. Palavras-chave: consultoria organizacional; consultor; competências; guia prático. Introdução: A realização deste trabalho surgiu da necessidade da abordagem do tema consultoria organizacional dentro do curso de Administração. Tendo em vista que este é um assunto de grande destaque no mercado organizacional, uma vez que muitas empresas buscam os serviços de consultoria para auxiliá-los nas tomadas de decisões estratégicas. Assim, a consultoria é uma boa carreira que o administrador poderá atuar. Para Lins (1999, p. 29), consultoria empresarial: é vista como um dos meios que os empresários podem utilizar para obterem a melhoria dos processos, a diminuição dos custos e as alternativas de otimização dos recursos materiais e humanos.. Um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes tornam um consultor um bom profissional. Deste modo, os principais objetivos do estudo foram conhecer o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes para se tornar um consultor, identificação dos processos necessários para um programa de consultoria e a estruturação de um guia prático, contendo as competências e processos que um consultor júnior deve possuir a fim de servir de apoio aos estudantes de administração da Unijuí. Metodologia: A pesquisa se deu de forma exploratória de modo a obter uma melhor compreensão sobre o tema em estudo, para tanto foi realizada pesquisa em livros, artigos e sites e também nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Administração (DCN) sobre as oito competências exigidas aos administradores. E também de forma a obter os dados necessários, para resposta aos objetivos realizou-se uma pesquisa de campo de modo qualitativo no qual foi elaborado um roteiro de entrevistas com treze questões descritivas sobre o assunto consultoria organizacional para professores que possuem entendimento sobre

7 7 consultoria organizacional e para consultores, aos quais trabalham no ramo todos com graduação. As entrevistas foram aplicadas para sete pessoas cuja identidade foram preservadas, identificando-as como professor 1, professor 2, professor 3, consultor 1. Consultor 2, consultor 3 e consultor 4. Resultados e discussão: Atualmente os ambientes organizacionais mudam constantemente e com isso as organizações devem estar atentas a essas mudanças. O serviço de consultoria organizacional busca auxiliar os gestores, sendo como uma agente de mudanças que busca trazer soluções aos gargalos existentes dentro da empresa, trazendo uma visão empreendedora aos negócios a fim de solucionar os problemas existente ou simplesmente melhorar suas formas de trabalho. De acordo com Oliveira (2004), o consultor assume a responsabilidade de auxiliar os executivos e profissionais de determinada empresa nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto, o controle direto da situação. Ou seja, o consultor auxilia o cliente, mas a incrementação do plano de consultoria depende exclusivamente da empresa. Para exercer a atividade de consultor organizacional é necessário possuir um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA). Leme (2005) descreve um dos conceitos de competência, como sendo, conhecimentos, habilidades e atitudes, o CHA, que são os diferenciais de cada pessoa e têm impacto em seu desempenho e consequentemente nos resultados de seu trabalho. Conhecimento é o que se aprende nas escolas, nas universidades, nos livros, no trabalho e na escola da vida. A Habilidade é o saber fazer, é tudo que se utiliza nos conhecimentos no dia-a-dia. E a Atitude é o querer fazer, é que o leva a trabalhar os comportamentos. Outra competência essencial a ser desenvolvida pelo consultor é saber transformar o impossível no possível, além também de buscar conquistar a confiança nos serviços prestados ao cliente, a fim que não ocorra o truncamento de informações para o parecer final da consultoria. Cabe ao consultor a capacidade de levantar dados fundamentais com o intuito de encontrar os gargalos existentes, tendo como objetivo melhorar os processos de tomada de decisões, melhorando assim o desempenho da empresa. O autor Buchele (1980) apresenta que: o administrador que analisar sistematicamente a força e a fraqueza de sua empresa e que procure antecipar os problemas futuros nas empresas sabe que necessita usar vários métodos de avaliação. Ou seja, possuir uma visão ampla do negócio do cliente a fim de determinar uma mudança nas formas de gestão. Ainda o artigo 4 0 das Diretrizes Nacionais do Curso de Administração indicam oito competências importantes aos administradores sendo que estas são essenciais para os alunos que pretendem atuar como consultores júniors, sendo como principais competências que devem ser exercidas pelos consultores organizacionais, a saber: a capacidade de saber ouvir, saber transferir conhecimentos, saber aprender, possuir uma visão inovadora, assumir responsabilidades, mostrar confiança, saber identificar problemas, saber solucionar problemas. O propósito principal do estudo foi a elaboração de um ensaio de guia de orientação para a consultoria júnior com proposições que a autora apresenta como principais características da consultoria organizacional contendo conceitos, competências exigidas e principais etapas dos serviços da consultoria. Que tem como objetivos ajudar estudantes de administração que desejam começar sua carreira como consultores júniors, de maneira que estes e comecem a trabalhar neste ramo da maneira mais correta possível aproveitando as oportunidades que a Universidade disponibiliza. Conclusões: Por fim, o estudo encerra-se com grande satisfação pessoal, pois foram feitos vários estudos e entrevistas a fim de enriquecer os conhecimentos sobre o assunto consultoria organizacional. E por fim foi elaborada a proposta de um ensaio de guia prático sobre consultoria organizacional para consultores júniors, o qual visa auxiliar estudantes de

8 8 Administração que desejam atuar como consultores júniors, Empresa Júnior e também melhorar as formas de trabalho dos consultores atuantes no ramo. Apresenta aos estudantes sugestões de como iniciar seus trabalhos como consultores júniors, segundo proposições da autora. E como um planejamento futuro, pretende-se dar continuidade a este estudo, elaborando, assim, o guia final, que contém todas as informações e bases teóricas e práticas sobre consultoria júnior. Referências Bibliográficas: BUCHELE. Robert B. Diagnóstico de empresa em crescimento. São Paulo, Atlas, LEME, Rogério. Aplicação prática de gestão de pessoas por competências: mapeamento, treinamento, seleção, avaliação e mensuração de resultados de treinamento. Rio de Janeiro: Qualitymark, LINS, Nadja Vanessa Miranda. Consultoria: um novo enfoque em aplicação de jogos de empresas Florianópolis: p. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) Universidade Federal de Santa Catarina. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de consultoria empresarial: conceitos, metodologia, práticas- 5.ed.- São Paulo, 2004.

9 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Apresentação do Tema e Questão de estudo Objetivos de Estudo Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO As organizações e a Administração Surgimento e definições da introdução de consultoria Tipos de Consultoria Definições sobre Consultor Empresa -Júnior: Iniciação para futuros consultores METODOLOGIA Classificação da pesquisa Sujeitos da Pesquisa e Universo Amostral Coleta de dados Análise e interpretação dos dados Sistematização do estudo CONSULTORIA JÚNIOR: APRESENTAÇÃO DE DADOS E PROPOSIÇÕES Análise conceitual e competências exigidas pela consultoria organizacional Processos necessários para um programa de consultoria Guia de consultoria júnior: uma proposta de estrutura CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES... 73

10 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Habilidades necessárias para um administrador Quadro 2 Principais partes da consultoria empresarial Quadro 3 Vantagens e Desvantagens de uma consultoria de pacote Quadro 4 Vantagens e pontos que devem ser considerados em uma consultoria artesanal Quadro 5 Vantagens e pontos que devem ser considerados em uma consultoria especializada Quadro 6 Vantagens e pontos que devem ser considerados em uma consultoria total Quadro 7 Vantagens e Desvantagens de um consultor externo Quadro 8 Vantagens e Desvantagens de um consultor interno Quadro 9 Relação objetivos específicos X metodologia utilizada Quadro 10 Período, forma e duração da aplicação da entrevista Quadro 11 Definição sobre consultoria organizacional Quadro 12 Principais oportunidades em que se apresenta ao profissional que atuará em consultoria empresarial Quadro 13 Competências necessárias aos consultores organizacionais Quadro 14 Competências necessárias importantes para exercer a atividade de consultor Quadro 15 As áreas funcionais da administração mais demandadas nos serviços de consultoria, e diferenças em executar consultorias numa ou nas outras áreas Quadro 16 Planejamento da realização de uma consultoria na empresa Quadro 17 Planejamento estratégico da consultoria dentro da empresa Quadro 18 Recursos necessários para por em prática um plano de consultoria Quadro 19 Contratações necessárias entre o contratante e o consultor Quadro 20 Informação essencial a se coletar na organização para emissão de um parecer de consultoria Quadro 21 Maneira de um líder de equipes de consultores conduzirem sua equipe Quadro 22 Conflitos que podem surgir durante a execução do plano de consultoria Quadro 23 Retornos mais usuais que o consultor fornece ao contratante Quadro 24 Controles necessários na relação entre contratante e consultor Quadro 25 Orientações dadas a um estudante de administração que quer iniciar como consultor Júnior Quadro 13 Competências necessárias aos consultores organizacionais... 63

11 11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Etapas da Intervenção do consultor Figura 2 Etapas do programa de consultoria organizacional Figura 3 A empresa e seu ambiente geral e ambiente de tarefa Figura 4 Etapas do plano de consultoria Figura 5 Principais etapas para realização do contrato de consultoria organizacional dentro da empresa Figura 6 Características necessárias para atuar como consultor organizacional Figura 7 Fases do Ciclo PDCA... 65

12 12 INTRODUÇÃO As maiores empresas em sua maioria surgiram da criatividade e de muito trabalho de pessoas que não tinham capital algum. Surgiram de jovens corajosos que foram em busca de seus destinos e de inventores geniais que descobriram novas formas de criar coisas úteis para a humanidade. Ou seja, desde os primórdios da humanidade, o homem associou-se a outros para conseguir, por meio de esforço conjunto, atingir determinados objetivos. Destacar-se no mercado nunca foi tarefa das mais fáceis, ainda mais quando se está começando a dar os primeiros passos, ou quando a empresa, mesmo depois de um tempo de atuação, ainda não encontrou o seu caminho, sofrendo com a falta de planejamento. Diante desse cenário, infelizmente, muitas das pequenas empresas não conseguem se posicionar ou se adequar, julgando necessitarem de grandes ações ou investimentos para se firmarem. Na busca por uma solução perfeita, ideal, acabam desistindo e entrando para o índice de mortalidade empresarial. Neste sentido, ter um olhar empreendedor é fundamental. Identificar certas carências no mercado e trabalhar para atendê-las a partir de ideias e ações criativas pode ser o primeiro passo para firmar no futuro um diferencial lucrativo. Atualmente, os serviços de consultoria são muito procurados pelas empresas, pois eles servem como um apoio aos gestores ou proprietários de empresas, para auxiliá-los nas tomadas de decisões estratégicas, o que pode gerar grande impacto sobre os resultados atuais e futuros da organização. É uma vantagem competitiva, muitas vezes constituindo um grande fator de sucesso. O foco da consultoria é definir a melhor alternativa de ação num ambiente de negócios repleto de incertezas, riscos, competição e possibilidades desconhecidas, que representam para os gestores da empresa um problema complexo e de grande importância. Segundo Oliveira (2004, p. 21), a consultoria empresarial é um processo interativo de um agente de mudanças externo à empresa, o qual assume a responsabilidade de auxiliar os executivos e profissionais de referida empresa nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto, o controle direto da situação.

13 13 Para Lins (1999, p. 29), consultoria empresarial: é vista como um dos meios que os empresários podem utilizar para obterem a melhoria dos processos, a diminuição dos custos e as alternativas de otimização dos recursos materiais e humanos.. Um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes tornam um consultor um bom profissional. Possuir a habilidade de negociar, a capacidade de ouvir mais do que falar, capacidade de identificar onde se alojam os problemas da empresa, conduta ética, percepção para identificar problemas, verificar causas e propor alternativas de solução, são elementos importantes para a atividade profissional. Atualmente na UNIJUÍ está constituída a empresa Júnior que basicamente conta com alunos do curso de Administração. Nela estudantes podem aplicar conhecimentos teóricos com as práticas nas empresas. Porém esta ainda não é bem conhecida por todos os estudantes e pela sociedade local. O aluno precisa se capacitar enquanto estudante e para isso pode buscar sua formação complementar na área de consultoria Júnior, sendo assim necessário ter um adequado material de apoio a sua capacitação. Com isso, o objetivo principal do trabalho de conclusão do curso é de compor um ensaio de guia prático de consultoria Júnior, ou seja, foi definido um conjunto de atributos que os consultores devem possuir, segundo proposições da autora, elaborando assim uma maneira em que os estudantes de Administração possam alinhar a teoria com a prática, os conhecimentos vistos em sala de aula aplicados nas organizações através da empresa Júnior. Sua composição se deu em cinco partes distintas, sendo que a primeira contextualiza o estudo, com a formulação do tema, bem como a questão de estudo, apresenta também os objetivos alcançados bem como a justificativa da realização deste. Segue o referencial teórico utilizado, onde a base conceitual foi buscada para sustentar a análise, tratando assuntos sobre administração, organização, consultoria organizacional, e definição sobre a Empresa- Júnior. Após é apresentada a metodologia a utilizada, com a abordagem da classificação do estudo, dos sujeitos e do universo amostral, e também trazendo a forma pela qual foi realizada a coleta de dados e da análise e como foi realizada a sistematização dos mesmos. Em seguida, é apresentada a análise dos dados e proposições coletados trazendo a análise conceitual e competências exigidas pela consultoria organizacional, os processos para um programa de consultoria. E por fim um ensaio de guia prático de consultoria júnior a fim de servir de apoio para futuros consultores júniors e para estudos posteriores, segundo as proposições da autora.

14 14 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Neste item do referido trabalho apresenta-se uma breve caracterização do estudo, apresentando o tema e a questão de estudo, os objetivos e a justificativa de como foi realizado o mesmo. 1.1 Apresentação do Tema e Questão de estudo A escolha do tema foi uma das condições indispensáveis para começar a pesquisa deste estudo. A ideia desse estudo se deu da necessidade de inserir novos consultores no mercado, para tanto a universidade disponibiliza os ensinamentos teóricos, porém aplicados na prática facilitam em uma melhor formação do administrador. As mudanças contínuas exigem que cada vez mais as organizações aprimorem suas estratégias, se readequando ao mercado com o intuito de atender as necessidades dos clientes, bem como ajustarem-se as novas oportunidades de negócios. E para a administração isso não é diferente, os novos administradores precisam estar atentos às novas exigências do mercado e possuir o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que são necessárias desenvolver para seu desempenho profissional. Drucker (1981) coloca que o administrador é o elemento dinâmico e vital e toda e qualquer empresa. Estabelecimento de objetivos, organização, motivação e comunicação, avaliação, desenvolvimento de pessoas, essas conjuntos formais que somente a experiência de um administrador torná-las-ão vivas, concretas e significativas. Com isso, o administrador é a chave principal de qualquer empresa. Porém muitas vezes esses administradores precisam de um apoio para melhor desenvolver suas atividades, os quais optam pelos serviços de consultoria. Um consultor visa aconselhar e ouvir os problemas da empresa, bem como ajudar os dirigentes a melhorar suas estratégias de trabalho. Percebe-se que o serviço de consultoria serve de apoio aos gestores ou proprietários de empresas, para auxiliar nas tomadas de decisões estratégicas, com grande impacto sobre os resultados atuais e futuros da organização. É uma vantagem competitiva, muitas vezes constituindo um grande fator de sucesso. Consultoria é um dos segmentos de prestação de serviços que têm crescido no mundo. A consultoria organizacional, como negócio tem apresentado forte desenvolvimento, o qual é

15 15 sustentado pelo crescimento do parque empresarial do país e pelo novo estilo de administração das empresas. As principais causas do aumento de demanda da consultoria empresarial são a busca de novos conhecimentos e de inovações para enfrentar a globalização da economia, a necessidade de consolidar vantagens competitivas, o incremento dos processos de terceirização, bem como a necessidade de questionamento progressivo da realidade da empresa cliente, visando a um processo de melhoria contínua e sustentada. Um consultor, segundo Oliveira (2004) é o agente de mudanças externo à empresa- cliente que assume a responsabilidade de auxiliar seus executivos e profissionais no processo decisório, não tendo, entretanto, o controle direto da situação. As principais características básicas de um consultor são as comportamentais que consideram sua forma de se posicionar perante as situações que o mesmo provoca ou que são colocadas a sua frente. A característica de habilidade é o que o consultor apresenta para aperfeiçoar os resultados inerentes às situações apresentadas e as do conhecimento que considera o nível de preparo que o consultor tem para aperfeiçoar o resultado inerente à situação apresentada. A partir dessas características, esse estudo visou compor um ensaio de guia prático de consultoria júnior com vista a servir de apoio a estudantes e também para consultores júniors, Empresa Júnior e para consultores. Define os conhecimentos, habilidades e atitudes que um administrador deve possuir para se tornar um consultor segundo proposições da autora. São atributos desafiadores a serem desenvolvidos pelo administrador. Na UNIJUÍ existe uma Empresa Júnior que é uma empresa que presta serviços de consultoria, sem fins lucrativos, gerida atualmente por alunos do Curso de Administração. Ela por sua parte pode facilitar o ingresso de futuros profissionais no mercado proporcionando ao acadêmico a aplicação prática de seus conhecimentos teóricos relativos à sua área de formação específica. A proximidade com a universidade permite que o aluno exercite o conhecimento prático, que não é plenamente suprido somente através de teorias vistas em aula. Isso acontece através do grande contato com experiências em gestão que a empresa propicia além da capacitação em projetos de consultoria para as diversas áreas e para os mais diferentes ramos em que atuam as empresas e os empreendedores atendidos pela empresa.

16 16 Atualmente, pequenas empresas podem resolver problemas de gestão e melhorar sua forma de trabalho sem gastar muito. Para tanto, basta procurar os serviços de consultoria oferecidos pelas empresas júniores ligadas às universidades. Para o pequeno empresário, entende-se que uma das grandes vantagens é o preço. Com isso, o tema proposto e desenvolvido neste estudo é elaborado de um ensaio de guia com as características necessárias que um administrador deve possuir para se tornar um consultor e uma maneira de ocorrer uma interação com a empresa Júnior para formação de consultores júniors a serem lançados no mercado. Segundo as sugestões da autora este ensaio futuramente deverá se tornar um manual, a fim de ajudar ainda mais na formação de consultores júniors. Esse tema que se problematiza a partir da necessidade que se tem hoje em abordar o tema consultoria júnior. Não se encontra muitos livro e autoress que abordam o assunto, bem como o curso de administração não possui disciplina com este tema. Contudo a área de consultoria tem gerando grande crescimento no mercado. Percebe-se que atualmente existem dificuldades em formar, aprimorar e desenvolver novos consultores, com isso se torna necessário conhecer alguns atributos que o administrador deve possuir, ou seja: Quais são os elementos que devem compor um guia prático de consultoria Júnior com vista a este servir de apoio aos estudantes de Administração da Unijuí, a fim de, com ele constituírem competências de consultores nas organizações? 1.2 Objetivos de Estudo O objetivo geral proposto neste estudo é constituir um ensaio de guia prático de consultoria Júnior com vistas a este servir de apoio aos estudantes de administração da UNIJUI a fim de com ele seja estruturado um conjunto de competências necessárias para que eles possam se tornar um consultor júnior. Para este objetivo foram considerados os seguintes objetivos específicos: a) Conhecer o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes para se tornar um consultor; b) Identificar os processos necessários para um programa de consultoria; c) Estruturar um ensaio de guia prático, contendo o quadro de competência e os processos que um consultor deve possuir, apresentando um ensaio de guia prático de

17 17 consultoria júnior o, para servir de apoio aos estudantes de administração da Unijuí e a novos estudos; 1.3 Justificativa Atualmente os serviços de consultoria são muito procurados pelas empresas, pois se necessita de um auxílio para entender determinado assunto que não se domina. Com isso surgiu a ideia de elaborar um estudo sobre essa área. Se possui uma Empresa Júnior na universidade que trabalha com serviços de consultoria, porém esta ainda não é bem conhecida por todos os estudantes e perante a sociedade local. Com base nisso, surgiu o desafio da elaboração de um conjunto de atributos que os estudantes devem possuir para atuar como consultores júniors nas organizações da Região Noroeste do RS. Além de ser um estudo de grande importância, ele privilegiou a acadêmica em vários atributos, podendo relacionar a teoria com a prática. Tratou-se de um grande desafio, pois não existem grandes estudos na área de consultoria organizacional, existem pouquíssimos livros e autores que tratam sobre consultoria, sendo que esse assunto é muito relevante para futuros administradores. E também um estudo que pode ajudar novos administradores que pretendem atuar no ramo de consultoria organizacional. Este estudo traz uma visão mais empreendedora com criação de novas ideias, visão de negócio ampla, capacidade de antecipação frente a novas demandas, entusiasmo, dedicação, dentre outras características necessárias para atuar como um consultor. Atualmente, a Administração é o curso superior mais procurado do Brasil, conforme revelam dados do MEC de Com isso, surgiu o desafio de a autora não ser mais uma administradora no mercado, mas sim procurar fazer a diferença, acredita-se que este estudo proporciona e ajuda muito a esclarecer algumas dúvidas sobre consultoria, bem como pode ainda beneficiar no futuro profissionalmente a acadêmica, sendo que esta sentiu grande interesse de atuar como consultora após sua formação acadêmica.

18 18 2 REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo traz a sustentação teórica do estudo, através do resgate de conceitos e teorias pesquisadas que conduziram a proposta do presente trabalho. Ultimamente a consultoria empresarial tem se mostrado um dos segmentos de prestação de serviços muito procurado por novos empreendedores sem experiência ou por empresários que pretendem melhorar suas formas de trabalho. A procura por consultoria empresarial ocorre devido à busca de novos conhecimentos e inovação para manter-se atualizado frente à globalização. Com isso foi buscado trazer conceitos das vantagens da contratação de serviços de consultoria e as características necessárias para um administrador se tornar um consultor. 2.1 As organizações e a Administração A sociedade humana é formada por organizações de todos os tipos e tamanhos. A vida em sociedade é facilitada pelas atividades desenvolvidas por essas organizações nos mais diversos setores de atuação. A prestação de Serviços como: saúde, água, energia, segurança pública, alimentação, lazer, educação, atendem as necessidades humanas através das organizações. Os conceitos relativos à organização fazem alusão ao termo sistema. Sistema este formado por pessoas, recursos financeiros, recursos materiais atuando de forma conjunta para o alcance de objetivos. De acordo com Chiavenato (1999, p. 8), uma organização é uma entidade social composta de pessoas que trabalham juntas e deliberadamente estruturada em uma divisão de trabalho para atingir um objetivo comum. As organizações buscam atender as necessidades da sociedade dadas a complexidade que circunda a vida das pessoas. As organizações alcançam seus objetivos, com a participação de seus colaboradores. Em diversos setores da atividade humana, permitem a realização de objetivos dificilmente alcançáveis, caso fossem desempenhados por indivíduos de forma isolada. Ainda busca manter o conhecimento através das universidades, dos museus e corporações. Todo o conhecimento adquirido pela humanidade é preservado e transmitido para as presentes e futuras gerações. Ainda as organizações oferecem carreiras, além de

19 19 atingirem objetivos organizacionais, promovem o alcance de objetivos individuais e, de acordo com o desempenho, de seus administradores, facilitam seu crescimento profissional. Para uma organização ser bem sucedida no alcance de seus objetivos é necessária a atuação de administradores capazes de satisfazerem as demandas internas e externas no que diz respeito ao tipo e porte da instituição por eles administrada. Nesse sentido, para Maximiano (2012), os gestores das organizações desempenham papéis, funções e tarefas planejadas e estruturadas para obter resultados operacionais que garantam a sobrevivência das organizações em harmonia com o ambiente externo e com as condições internas. Com isso, o administrador precisa ser um agente de mudanças dentro das organizações. É ele que faz acontecer a mudança de mentalidade, de cultura, de processos, de atividade, de produtos/serviços etc.. Seus principais produtos devem ser a inovação. É ele que torna as organizações mais eficazes e competitivas e as orienta rumo ao sucesso em um complicado mundo de negócios cheios de mudanças e competição. Mas, para que seja paladino da mudança e da inovação capazes de garantir e manter a competitividade organizacional, o administrador precisa desenvolver certas características pessoais que tornem um verdadeiro líder na organização. De acordo com Chiavenato (2000): a administração tem a tarefa de interpretar os objetivos propostos pela empresa e transformá-los em ação empresarial por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim d atingir tais objetivos. Assim a administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de maneira eficiente e eficaz (CHIAVENATO, 2000, p. 3). Na opinião de Maximiano (2012), administração é o processo de tomar decisões que faz as organizações serem capazes de utilizar corretamente seus recursos. Já Fayol (1994) destaca que: administrar é prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. Prever é perscrutar o futuro e traçar programa de ação. Organizar é constituir o duplo organismo, material e social, da empresa. Comandar é dirigir o pessoal. Coordenar é ligar, unir e harmonizar todos os atos e todos os esforços. Controlar é velar para que tudo corra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens dadas (FAYOL, 1994).

20 20 Através disso, percebe-se que a administração é a área de tomadas de decisões sobre os recursos disponíveis de forma com que as pessoas trabalhem de forma a atingirem os objetivos e as metas da organização. O sucesso de um administrador na vida profissional não está inteiramente relacionado àquilo que lhe foi ensinado, ao seu meio acadêmico ou ao seu interesse pessoal em praticar o que aprendeu nas escolas. Esses aspectos são importantes, porém estão condicionados a características de personalidade, ao modo pessoal de agir de cada um. O conhecimento tecnológico da Administração é importantíssimo, básico e indispensável, mas depende, sobretudo, da personalidade e do modo de agir do administrador, ou seja, de suas habilidades. Há pelo menos três tipos de habilidades necessárias para que o administrador possa executar eficazmente o processo administrativo: a habilidade técnica, a humana e a conceitual, conforme são mostradas no quadro 1. Quadro 1 Habilidades necessárias para um administrador. HABILIDADES Habilidade técnica Habilidade humana Habilidade conceitual CARACTERÍSTICAS Consistem em utilizar conhecimentos, métodos, técnicas e equipamentos necessários para a realização de suas tarefas específicas, através de sua instrução, experiência e educação. Consiste na capacidade e no discernimento para trabalhar com pessoas, compreender suas atitudes e motivações e aplicar uma liderança eficaz. Consiste na habilidade para compreender as complexidades da organização global e o ajustamento do comportamento da pessoa dentro da organização. Esta habilidade permite que a pessoa se comporte de acordo com os objetivos da organização total e não apenas de acordo com os objetivos e as necessidades de seu grupo imediato. A adequada combinação dessas habilidades varia à medida que um indivíduo sobe na escala hierárquica, de posições de supervisão a posições de alta direção. FONTE: Chiavenato (2000, p. 02). Constantemente surgem pesquisas buscando identificar quais são as exigências no mercado quanto às competências do administrador. Constata-se que atualmente não basta um diploma, isto não é mais garantia de emprego, atualmente as empresas buscam colaboradores proativos, que visem o sucesso da empresa. O artigo 4º das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Administração (DCN) sugere que sejam incentivadas as seguintes competências:

21 21 Art. 4º O Curso de Graduação em Administração deve possibilitar a formação profissional que revele, pelo menos, as seguintes competências e habilidades: I - reconhecer e definir problemas, equacionar soluções, pensar estrategicamente, introduzir modificações no processo produtivo, atuar preventivamente, transferir e generalizar conhecimentos e exercer, em diferentes graus de complexidade, o processo da tomada de decisão; II - desenvolver expressão e comunicação compatíveis com o exercício profissional, inclusive nos processos de negociação e nas comunicações interpessoais ou intergrupais; III refletir e atuar criticamente sobre a esfera da produção, compreendendo sua posição e função na estrutura produtiva sob seu controle e gerenciamento; IV - desenvolver raciocínio lógico, crítico e analítico para operar com valores e formulações matemáticas presentes nas relações formais e causais entre fenômenos produtivos, administrativos e de controle, bem assim expressando-se de modo crítico e criativo diante dos diferentes contextos organizacionais e sociais; V - ter iniciativa, criatividade, determinação, vontade política e administrativa, vontade de aprender, abertura às mudanças e consciência da qualidade e das implicações éticas do seu exercício profissional; VI - desenvolver capacidade de transferir conhecimentos da vida e da experiência cotidianas para o ambiente de trabalho e do seu campo de atuação profissional, em diferentes modelos organizacionais, revelando-se profissional adaptável; VII - desenvolver capacidade para elaborar, implementar e consolidar projetos em organizações; e VIII - desenvolver capacidade para realizar consultoria em gestão e administração, pareceres e perícias administrativas, gerenciais, organizacionais, estratégicos e operacionais. (MEC- Diretrizes Curriculares do Curso de Administração, 2005). Atualmente, existem no mercado muitos administradores que escolheram seguir na área de consultoria que é um ramo muito procurado pelas empresas. Todavia surgiu um cenário turbulento na realidade das organizações na qual estas devem lidar com novas formas de trabalhos. Ou seja, a relação entre mercado, estruturas, processos, formas de organização do trabalho e pessoas, demandarão, em nível de tarefa, uma função de suporte também mais ágil e qualificada, o que leva a concluir que exigirá maior e melhor qualificação profissional não somente das atividades fins como também um bom suporte nas atividades de apoio aos resultados. Com isso a consultoria nas organizações visa fornecer informações de maneira a auxiliar os gestores na tomada de decisões oferecendo e recomendando soluções para os problemas na empresa. Nas próximas seções é abordado o estudo sobre consultoria.

22 Surgimento e definições da introdução de consultoria Conforme Oliveira (2004), a consultoria empresarial é um dos segmentos de prestação de serviços que mais tem crescido no mundo. Inclusive esta situação reflete em recente pesquisa efetuada junto a graduados em universidades europeias e americanas, em que jovens formandos expressaram significativas preferências em trabalhar no mercado de consultoria empresarial, por duas razões principais: a possibilidade de um crescimento do negócio consultoria em relação a outros negócios, principalmente quando comparados aos segmentos da indústria e do comércio (OLIVEIRA, 2004, p. 24). A utilização da atividade de Consultoria em empresas privadas foi, posteriormente, ampliada às empresas públicas e também aos países que eram geridos por economias socialistas com planejamento central. No Brasil, seu surgimento se deu em meados dos anos 60, sendo a principal causa o crescimento do parque empresarial e em segundo lugar a necessidade de conhecimento atualizado das técnicas e metodologias de gestão empresarial, para fazer frente ao novo contexto de concorrência entre as empresas, resultantes da globalização da economia. Pode-se afirmar que o crescimento da consultoria empresarial é um caminho sem volta. Entretanto muitos consultores e empresas de consultoria simplesmente não dão certos no mercado promissor (OLIVEIRA, 2004, p. 24). O termo consultoria tem sido definido sob diferentes óticas para explicar em essência, uma relação de interação que envolve uma atividade de ajuda para a solução de um ou mais problemas. Num enfoque mais direcionado para o processo, a consultoria tem sido descrita por Schein (1972, p. 8) como: um conjunto de atividades desenvolvidas pelo consultor, que ajudam o cliente a perceber, entender e agir sobre fatos inter-relacionados que ocorrem no seu ambiente. Percebe-se que a consultoria é basicamente uma relação de ajuda, que assume caráter diferenciado em função da natureza do problema que se pretende resolver, e que independente disto, deve haver uma relação ética, calcada na relação Consultor - Cliente, que visa um resultado positivo de realização para ambas as partes.

23 23 Oliveira fornece uma definição completa sobre o conceito de consultoria empresarial, segundo o autor: a consultoria empresarial é um processo interativo de um agente de mudanças externo à empresa, o qual assume a responsabilidade de auxiliar os executivos e profissionais da referida empresa nas tomadas de decisões, não tendo, entretanto o controle direto da situação (OLIVEIRA, 2004, p. 21). O autor optou por uma conceituação de consultoria empresarial ampla, com base nisso, é abordado o esclarecimento de cada uma de suas partes, que são os seguintes, conforme quadro número 2. Quadro 2 Principais partes da consultoria empresarial. Principais Partes Processo interativo Agente de mudanças externo Responsabilidade de auxiliar as pessoas Tomada de decisões Não tem controle direto da situação Características Conjunto estruturado de atividade sequencial que desenvolvem ações recíprocas, lógicas e evolutivas, visando atender e, preferencialmente, suplantar as expectativas e necessidades dos clientes. O profissional capaz de desenvolver comportamentos, atitudes e processos que possibilitem à empresa transacionar de maneira pró- ativa e interativa com os diversos fatores do ambiente empresarial. Por ser externo, ele não só está fora do sistema considerado, mas também da empresa como um todo, sendo contratado por um período pré- determinado, para consolidar um projeto ou auxiliar a empresa na resolução de um problema ou na mudança de uma situação. O consultor deve atuar como parceiro dos executivos e profissionais da empresa, proporcionando metodologias, técnicas e processos que determinem a sustentação para os executivos das empresas tomarem suas decisões com qualidade. Nesse sentido, não é esperado que o consultor conheça o negócio da empresa em sua plenitude, pois isto, é um prerrogativa dos executivos contratantes. Os consultores devem, trabalhando ao longo de todo o processo decisório, auxiliar os executivos a fazerem as escolhas corretas entre os vários caminhos alternativos que levam a determinado resultado. Porém, são os executivos que possuem a palavra final, sendo que não cabe aos consultores tomar decisões, mas apenas fazer a análise que suportem tais escolhas. No momento em que o consultor passa a ter o controle direto da situação correlacionada ao problema que gerou a necessidade da contratação da consultoria, ele deixa de ser um consultor e passa a ser um executivo da empresacliente. No desenvolvimento de um projeto de consultoria, o consultor é responsável por sua totalidade, pois o mesmo está baseado em metodologias e técnicas, para as quais o consultor foi contratado. No entanto, na implementação de um projeto de consultoria, o executivo da empresa- cliente é responsável por sua totalidade, sendo que, neste caso, esta totalidade corresponde aos resultados efetivos apresentados pelo projeto de consultoria realizado pelo consultor externo. Nesse sentido, embora o consultor não tenho o controle direto da situação, ele não deve colocar-se como profissional que não tem responsabilidade pelos resultados da implementação do projeto idealizado, estruturado e desenvolvido sob sua responsabilidade. Fonte: Oliveira (2004, p. 21)

24 Tipos de Consultoria Conforme Oliveira (2004), as empresas de consultoria podem ser divididas quanto à estrutura e quanto à amplitude dos serviços que oferece. No que se refere à estrutura, o autor divide as empresas em pacote e artesanal. Quanto à amplitude dos serviços, a consultoria pode ser especializada ou total. Quanto à estrutura Pacotes de sistemas Padronizados: consultoria de pacote de sistemas padronizados é realizada às empresas- cliente por meio de transferência de fortes estruturas de metodologias e de técnicas administrativas, sem a preocupação da otimizada adequação à realidade atual ou esperada para a empresa- cliente. A consultoria de pacote pode apresentar as seguintes características: (1) o contrato é geralmente realizado com a média administração; sua negociação é demorada, pois pode envolver fortes mudanças em curto período e a resistência é relativamente alta; (2) o desenvolvimento do projeto de consultoria também é realizado com a média/baixa administração e as negociações são difíceis e complexas; a resistência é elevada; (3) a implementação do projeto de consultoria envolve contatos com todos os níveis hierárquicos da empresa- cliente, a negociação é complexa e a resistência é elevada. Esse tipo de consultoria oferece algumas vantagens e desvantagens em sua utilização, tais como mostra o quadro 3. Quadro 3 Vantagens e Desvantagens de uma consultoria de pacote. Vantagens Maior rapidez na realização dos serviços de consultoria (técnicas e metodologias já foram anteriormente determinadas e testadas, sendo que só precisam ser customizadas para a realidade e às necessidades do atual cliente); Menor custo nos serviços de consultoria e possibilidade de mudanças de maior impacto; Fonte: Oliveira (2004, p. 63). Desvantagens A consultoria de pacote não se preocupa com o processo de mudança planejada de uma situação atual para uma situação futura planejada (muitas vezes as consultorias buscas, vender projetos de gerenciamento de mudanças, atestando que o processo não estava dentro do escopo planejado no projeto principal); A consultoria de pacote pode não apresentar o nível de treinamento conceitual, metodológico e na tarefa que se espera de um serviço mais adequado de consultoria (clientes acabam se tornando dependentes das consultorias por não conseguirem absorver o aprendizado necessário ao longo do projeto);

25 25 Conforme à estrutura Artesanal Oliveira (2004) apresenta que consultoria artesanal é aquela que procura atender às necessidades da empresa-cliente por meio de um projeto baseado em metodologia e técnicas administrativas especificamente estruturadas para a referida empresa-cliente, tendo, entretanto, sustentação de outras abordagens e modelos aplicados em outras empresas. Portanto, a metodologia escolhida e as técnicas aplicadas surgem do conhecimento anterior do consultor, o qual efetua todas as adaptações necessárias para melhor atender às necessidades e expectativas específicas da referida empresa-cliente. Verifica-se que, neste contexto, é aplicada a metodologia, bem como técnicas adaptadas à realidade da empresa-cliente, as quais são delineadas com os executivos e profissionais da referida empresa. A consultoria artesanal pode apresentar as seguintes características genéricas: (1) o contrato é geralmente realizado com a alta administração da empresa-cliente e a negociação é relativamente demorada, pois é necessária a aprovação de várias pessoas e a resistência é baixa; (2) o desenvolvimento do projeto de consultoria é realizado com a média administração e a negociação é focada nas decisões operacionais que o projeto de consultoria requer. A resistência é baixa, pois o consultor e a empresa-cliente praticamente desenvolvem os trabalhos em conjunto; (3) a implementação pode envolver todos os níveis hierárquicos da empresa-cliente e a negociação é focada em possíveis problemas pontuais que venham a ocorrer, sendo que o nível de resistência é baixo. O estreito relacionamento entre consultores e executivos da empresa-cliente oferece algumas vantagens na utilização da consultoria artesanal, e alguns pontos devem ser considerados no momento da contratação deste tipo de serviços, tais como são mostradas no quadro 4.

26 26 Quadro 4 Vantagens e pontos que devem ser considerados em uma consultoria artesanal. Vantagens Velocidade adequada ao desenvolvimento dos trabalhos de consultoria (se gasta mais tempo no delineamento da abordagem e do modelo a ser aplicado, homogeneizando o conhecimento entre as pessoas envolvidas de forma a garantir que as ações possam ser rapidamente implementadas); - melhor treinamento dos envolvidos (metodologias e técnicas são desenvolvidas em conjunto com os executivos da empresacliente); - menor resistência aos trabalhos de consultoria; - melhor qualidade dos trabalhos - maior independência da empresa-cliente em relação à empresa de consultoria; Pontos que devem ser considerados Procurar aplicações da consultoria artesanal para assuntos de média ou elevada abrangência na empresa-cliente (quanto mais específica for a necessidade da empresacliente, mais adequada é a utilização de consultorias de pacote); Procurar consultores com elevada experiência no assunto considerado; Fonte: Oliveira (2004, p. 65). Quanto à amplitude Especializada: consultoria especializada é a que atua em um ou poucos assuntos dentro de uma área de conhecimento. Este tipo de consultoria é a que mais tem crescido nos últimos anos, principalmente com o grande número de empresas de consultoria de pequeno porte (ou consultores autônomos) que surgiram recentemente. A contratação de consultorias especializadas pode trazer algumas vantagens para a empresa-cliente, e alguns pontos devem ser considerados no momento da contratação deste tipo de serviços, tais como são mostradas no quadro 5.

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª série Empreendedorismo Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso CURSO DE ADMINISRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO Perfil do curso O curso superior de Administração ora proposto foi estruturado em função das orientações e normas da Lei das Diretrizes e Bases da Educação (Lei

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1

PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIJUÍ NO MERCADO DE TRABALHO 1 Ana Cláudia Bueno Grando 2, Eliana Ribas Maciel 3. 1 Trabalho de Conclusão de curso apresentado a banca

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO

GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO O Curso de Administração da Faculdade de Campina Grande FAC- CG, criado por meio da Portaria MEC 2.001 de 22/07/2003, publicada no DOU de 23/07/2003, foi implementado

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JÂNIFFER APARECIDA DE SOUSA CONSULTORIA EMPRESARIAL: Uma oportunidade

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 6ª Série Planejamento, Programação e Controle de Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais