A EUFORIA NA ANGÚSTIA DO IMPÉRIO EM TRANSIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EUFORIA NA ANGÚSTIA DO IMPÉRIO EM TRANSIÇÃO"

Transcrição

1 2008/12/03 A EUFORIA NA ANGÚSTIA DO IMPÉRIO EM TRANSIÇÃO Tiago Fernandes Maurício Após as históricas eleições do passado dia 4 de Novembro, o mundo voltou a suspirar. Fê-lo depois de oito anos de angústia e de sufoco, sempre desafiado por forças que o arrancavam daquele mundo idílico pensado na década de 90, um mundo globalizado e institucionalizado, onde a democracia próspera e a economia floresce. Depois de nebuloso período de conflitos, incertezas e desvios, Obama representa a estabilidade, a certeza, o progresso. O longo mandato de George W. Bush Jr. é reconhecidamente o mais desastroso de toda a história bissecular dos Estados Unidos da América. Face a tamanha oportunidade histórica de capitalizar um sucesso inédito de um pólo de poder sobre outro, a uma escala verdadeiramente mundial, Washington enveredou por caminhos dúbios que misturaram neoconservadorismo com messianismo, pautados por um maniqueísmo míope que insistiu em reformular a ordem mundial. Após o derrube do Muro de Berlim em 1989 e a fragmentação da União Soviética em 1991, o século XX prospectava a paz durável e vindoura. Ao contrário de todo o século, comummente designado o mais conflituoso da História, e certamente o foi no poder destrutivo utilizado e no número de vítimas totais, a última década antevia a formação de um novo estágio no sistema internacional o da hegemonia global. Nesta, o tradicional pêndulo de Watson entre a unipolaridade e a pulverização de centros de poder era substituído por um novo conceito vertical, a governança. Qual pensamento fin-de-siècle, esta corrente advogava frequentemente o Fim da História e o mundo não-polar, segundo os legados de Fukuyama e Haass respectivamente. Os interesses e valores norte-americanos sobrepunham-se àqueles da sociedade internacional como um todo, e vice-versa. A solução estava encontrada, os EUA seriam os legítimos representantes de toda a Humanidade, e usariam todos os seus recursos para a policiarem. Com a infame eleição de Bush, o modelo desvirtuava-se na sua sede. O motor do sistema continuava a trabalhar, apenas numa engrenagem diferente. Tanto o hard power como o soft power norte-americano demonstraram a sua prevalência sobre qualquer potência da época, justificando o acumulado de poder adquirido com o desaparecimento da ameaça vermelha. Não obstante, os caminhos percorridos suscitaram numerosas críticas, e seus opositores começaram a formar um grupo informe de vozes que questionavam a anterior benevolência do hegemon. O consentimento e respeitabilidade internacionais, fundamentos principais da aceitação generalizada do modelo económico e político estado-unidense, começavam a ruir. Arrastados por duas guerras infindáveis e imperialistas, alegando combater contra um substantivo, não enxergando que o terrorismo é um meio e não um fim, escolheram o caminho de cruzados, quando antes eram benfeitores. Assumindo a hegemonia, a administração Bush quis o império, caindo numa armadilha histórica que derrubou outros tantos impérios como o Egípcio, o Persa, o Romano, o Romano-Germânico, o Otomano, entre tantos outros. Não admira, portanto, que hoje observemos a ressurgência de forças que outrora foram encobertas perante a supremacia de Washington. Enquanto o crasso erro estratégico era iniciado e desenrolado, o mundo continuava a girar. Nele apareceram poderes que, com diversas legitimidades, reclamavam para si um lugar nos assuntos globais, porque sentiam-se evidentemente de fora dos novos planos da única super-potência ainda existente. A ordem existente era demasiado diferente daquela proclamada por Clinton. A Novus Ordum Seclorum mostrava-se agressiva e fundamentalista, qual seu inimigo existencial. Para muitos, iniciava-se o declínio do império, e com ele surgia uma ordem demasiado familiar aos historiadores, que desde Tucídides se debatem com o mesmo problema: haverá algum fim de hegemonia não violento? Os primeiros sinais não nos permitem delinear qualquer cenário, mas os factores potenciais encontram-se presentes e fazem-se sentir, nas várias regiões do globo. A globalização começa a realçar a interdependência dos mecanismos de violência, mormente baseados na busca por recursos naturais, necessários à permanência de muitos numa economia altamente competitiva. O egoísmo, mais do que o livro comércio, parece caracterizar o novo tipo de relacionamentos económicos, cada qual procurando e barganhando seu quinhão, construindo áreas de influência

2 que não mais respeitam a geopolítica da proximidade. A União Europeia tem nos países ACP uma importante estratégia de fuga para a frente, especialmente face ao gradual estrangulamento energético da Rússia. Esta lança-se em todo o seu near abroad, contrapondo a anterior expansão europeia para Leste com esforços significativos para minar o projecto comunitário. A China estendese por toda a África, enquanto esta vira-se ora para Norte, ora para Leste, ambicionando ancorar-se a fortes motores de desenvolvimento. O Japão e algumas economias asiáticas retraem-se, enquanto a Índia calcorreia seus passos em direcção ao progresso para o mundo desenvolvido. Por todo o lado, o mundo americano é subtraído aos tradicionais cálculos económicos, ainda presente, mas gradativamente questionado. Esse mundo americano apresenta-se, contudo, mais robusto e entrosado com o sistema internacional do que seria primeiramente expectável. Aqui expressa-se o primeiro paradoxo do poder americano, como afirma Nye. Interessados na promoção do multilateralismo e da globalização, os Estados Unidos procediam a uma gradual delegação de autoridade e legitimidade em parceiros regionais que mantivessem e representassem os seus próprios interesses e valores, pois a sua mundivisão era tida como mutuamente desejável, tanto para eles como para a sociedade internacional. Em suma, e não obstante todo o poder e hegemonia norte-americana, esta não podia governar isolada. Em segundo lugar, é com a crise da globalização e do multilateralismo, com a ressurgência dos nacionalismos e dos egoísmos, num período em que os centros de poder dividem-se em número e dispersão, que o poder norte-americano evidencia algum enfraquecimento, como se atrelado à estabilidade e prosperidade internacionais. Contrariando a famosa máxima de dividir para governar, os EUA demonstram outro paradoxo a respeito de seu poder, quando num mundo crescentemente polarizado se demonstram incapazes de navegar em direcção à renovação hegemónica pelo meio dos vastos problemas que hoje colocam em cheque os avanços obtidos nas últimas décadas. Até as chamadas potências emergentes, que se afirmam defensoras de uma nova ordem mais justa e representativa dos novos poderes e novas influências do século XXI leia-se, uma ordem pósamericana, falham em acolher junto de seus vizinhos, de geografia ou de afinidade, o apoio necessário a uma verdadeira reforma estrutural per se. Os entraves à capacidade da diplomacia norte-americana exercer sua influência num cenário de fragmentação e múltiplas disputas localizadas, parecem menores do que aqueles aparentemente existentes numa sociedade internacional crescentemente institucionalizada e multilateralizada. Nesta, os regionalismos tendiam a evidenciar preocupações efectivamente regionais, assim catapultando países de menor peso político e económico para a globalização através de uma plataforma mínima de sustentação conjunta, que compensasse as fragilidades estruturais potencialmente prejudiciais. Ao invés, observa-se o contra-senso, e um segundo paradoxo do poder norte-americano. O fim da Guerra Fria trouxe, assim, a evidência de algumas das vulnerabilidades fundacionais do modelo norte-americano. Kennan estava correcto ao afirmar que a Guerra Fria não diz respeito a um confronto directo entre dois sistemas ideológicos mutuamente excludentes, senão a luta de cada um deles de se auto-realizar. É claro que na busca dessa auto-realização, segundo os preceitos ideológicos que defendiam, acabavam por conflituar em diversas áreas, mas abstrai-se a noção de guerra ideológica que antecederia o fim da História. Findo o império soviético, conseguir o bloco norte-americano o espaço necessário à sua realização. Mas como afirmámos anteriormente, essa auto-realização passou rapidamente para a forma de império, e como tal, historicizou-se. Esta historicização representa o terceiro paradoxo do poder norte-americano que Obama terá que enfrentar, caso queira liderar e fazer prevalecer a hegemonia norte-americana. Esse paradoxo apresenta-se na forma de uma hegemonia, que na sua concepção gramsciana, consiste na dominação pelo consentimento. Se durante a Guerra Fria os EUA exerceram a sua hegemonia em todo o bloco ocidental, tal deveu-se à existência de uma ameaça directa e existencial aos seus fundamentos a URSS. Com a sua fragmentação, essa ameaça desaparece e há a necessidade apercebida de encontrar outra. Foi essa ilação que levou ao enorme erro estratégico que Washington cometeu ao declarar guerra incondicional a um substantivo Terrorismo, e em polarizar toda a sociedade internacional em torno da sua agenda missionária. Mesmo com os consideráveis sucessos internos e externos de Clinton, insistiu-se em repetir a História, pois ela tinha demonstrado a superioridade do modelo norteamericano quando em competição com outro modelo que colocava a sua existência em perigo. O terrorismo, de certa forma, acabou por representar esse papel, não tanto por suas reais capacidades mas pelos comportamentos suscitados ao seu combate e erradicação. Este paradoxo manifestou-se insuficiente em garantir a sustentabilidade do poder estado-unidense

3 através da sua perpetuação na forma de uma sociedade internacional, que à maneira da 2ª geração da Escola Inglesa, derivada dos primeiros trabalhos de Bull, ascende à globalidade do todo humano, atribuindo à Humanidade um peso político autónomo e eticamente humanista. Assim, os valores democráticos, liberais, de respeito pelas liberdades individuais e deveres colectivos, acabaram não se emancipando do vector EUA, para se incrustarem no vector Humanidade. Essa concepção de Humanidade política é agora interpretada por outros actores, nomeadamente o Sul, que reclama maior justiça, oportunidades e igualdades, pois entendem que só assim adquirirá a Humanidade seu verdadeiro significado universal. Como podemos observar, os desafios do próximo presidente serão de grande monta. Mais do que a correcção dos rumos errados, herdados da administração anterior, cabe-lhe inverter o rumo da própria História, e liderar os EUA para um novo século que é cada vez mais pós-americano. Como tentámos ilustrar, os paradoxos do poder da super-potência são, eles próprios, labirínticos e suficientemente épicos para considerarmos o desafio uma epopeia. Será muita a pressão para um período tão curto na História como o é um mandato de quatro anos. Mas também em consonância com a história norte-americana, grandes homens revelaram-se em períodos de grande necessidade, e estes tempos, agravados com a crise financeira e vários outros factores de ruptura, inserem-se definitivamente nessa categoria de tempos decisórios. Senão para o próximo mandato, a relação dialéctica entre o passado imediato e os factores novos é o que permite que a nova ordem guarde uma certa continuidade ao lado de seu próprio aggiornamento, e com ele a potencial inferência sobre as relações internacionais do restante século XXI. 60 TEXTOS RELACIONADOS: 2011/12/07 AFRICOM, UM OLHAR MAIS ABRANGENTE SOBRE ÁFRICA Pedro Barge Cunha[1] 2011/07/07 A RETIRADA AMERICANA DO AFEGANISTÃO 2011/05/29 O DISCURSO DE OBAMA E O M ÉDIO ORIENTE 2010/07/09 A INTERVENÇÃO MILITAR DA OTAN NA JUGOSLÁVIA[1] Carlos Ruiz Ferreira[2] (Brasil) 2009/08/16 OS EUA E AS RELAÇÕES RUSSO-IRANIANAS 2009/08/01 IRÃO, UMA CRISE NÃO RESOLVIDA 2009/07/15 A CIMEIRA EUA/RÚSSIA 2009/06/09 AS HIPÓTESES DE NEGOCIAR COM A COREIA DO NORTE 2009/03/08 O QUE PODE MUDAR NA POLÍTICA DE DEFESA AMERICANA 2009/02/17 GAZA E AS ELEIÇÕES EM ISRAEL

4 2009/02/01 QUO VADIS NATO? OS GRANDES REPTOS PARA A ALIANÇA Luís Falcão [1] 2009/01/22 A POLÍTICA EXTERNA DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS Marcelo Rech[1] (Brasil) 2008/12/19 A HEGEMONIA NORTE-AMERICANA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Marcelo Rech[1] (Brasil) 2008/12/01 O PRESIDENTE OBAMA 2008/11/25 IRAQUE, DEPOIS DAS ELEIÇÕES AMERICANAS 2008/11/14 EUA. O QUE SE PODE ESPERAR DE OBAMA 2008/10/24 RÚSSIA - A DOUTRINA MEDVEDEV 2008/07/20 O IMPASSE IRANIANO 2008/07/08 A COREIA DO NORTE UMA BAIXA NO EIXO DO M AL? 2008/06/16 A CHINA E A GLOBALIZAÇÃO DO M UNDO 2008/05/19 OS VIZINHOS DO IRAQUE E A RETIRADA AMERICANA 2008/05/14 A NOVA RÚSSIA 2008/05/04 ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? 2008/04/15 O IRAQUE UM BECO SEM SAÍDA? 2008/04/14 A IMAGEM DUALISTA SOBRE OS ESTADOS UNIDOS Gilberto Barros Lima[1] (Brasil) 2008/03/25 O QUE SERÁ A RÚSSIA DE M EDVEDEV? 2008/02/26 PAQUISTÃO: NOVO MOTIVO DE INQUIETAÇÃO

5 2008/02/23 A IMPORTÂNCIA GEOESTRATÉGICA DO AFRICOM PARA OS EUA EM ÁFRICA Luís Brás Bernardino[1] 2008/01/14 OS INTERESSES DOS ESTADOS UNIDOS NA ÁSIA CENTRAL Daniela Siqueira Gomes [1] 2008/01/11 A BOMBA PAQUISTANESA 2007/12/06 UMA NOVA OPORTUNIDADE PARA O IRAQUE E PARA O IRÃO 2007/11/27 A CONFERÊNCIA DE ANNAPOLIS 2007/10/04 A RÚSSIA PÓS PUTIN 2007/10/02 OS PORTUGUESES NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA O DIAMANTE ESQUECIDO DA POLÍTICA EXTERNA PORTUGUESA[1] Nuno Manalvo[2] 2007/09/17 AFEGANISTÃO FORA DE CONTROLE Marcelo Rech[1] 2007/09/07 A «RETIRADA» AMERICANA DO IRAQUE 2007/08/29 O VAZIO DE PODER NO IRAQUE 2007/08/09 IRAQUE. O MAL MENOR 2007/07/26 DE UMA FORMA OU DE OUTRA 2007/07/11 A CIMEIRA DA LAGOSTA E O ESCUDO DE PROTECÇÃO ANTIMÍSSIL 2007/05/01 AS RELAÇÕES RUSSO-AMERICANAS 2007/02/20 UMA PARCERIA COM A RÚSSIA. É POSSÍVEL PARA O CURTO PRAZO? 2007/02/14 A VELHA NOVA ESTRATÉGIA DOS ESTADOS UNIDOS NO IRAQUE Marcelo Rech[1] 2007/02/08 O GIGANTE INDIANO

6 2007/01/22 A ÚLTIMA CARTADA 2006/10/19 O 2º TESTE NUCLEAR DA COREIA DO NORTE 2006/08/22 A GUERRA CIVIL NO IRAQUE 2006/08/01 ALGUMAS VERDADES[1] António Borges de Carvalho 2006/07/29 ORIENTE MÉDIO: A IMPOTÊNCIA DA ONU E A INDIFERENÇA NORTE-AMERICANA Marcelo Rech (Editor do site brasileiro InfoRel) 2006/07/08 HÁ SOLUÇÃO PARA O IRAQUE? 2006/06/12 UM PONTO DE VIRAGEM NO IRAQUE? 2006/05/04 OS VOOS SECRETOS E A TORTURA NAS PRISÕES DA CIA Marcelo Rech[1] 2006/04/01 GUERRAS JUSTAS OU GUERRAS DE NECESSIDADE. O CASO DO IRAQUE 2006/03/28 EUA VERSUS IRÃO: TECNOLOGIA NUCLEAR OU PETRODÓLARES? Eduardo Silvestre dos Santos 2006/03/11 ÍNDIA. OS CUSTOS E VANTAGENS DA PARCERIA COM OS EUA 2005/11/25 ALIANZAS Y COALICIONES Miguel Fernández y Fernández 2005/02/04 O EIXO DA TIRANIA [1] 2004/03/16 A NOVA ORDEM INTERNACIONAL DE NOVA IORQUE João Vieira Borges 2004/02/18 A POLÍTICA EXTERNA DE BUSH (II) 2004/02/15 A POLÍTICA EXTERNA DE BUSH

AFRICOM, UM OLHAR MAIS ABRANGENTE SOBRE ÁFRICA

AFRICOM, UM OLHAR MAIS ABRANGENTE SOBRE ÁFRICA 2011/12/07 AFRICOM, UM OLHAR MAIS ABRANGENTE SOBRE ÁFRICA Pedro Barge Cunha[1] O AFRICOM (US Africa Command) é o mais recente comando de combate unificado norte-americano com responsabilidade geográfica.

Leia mais

A HEGEMONIA NORTE-AMERICANA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

A HEGEMONIA NORTE-AMERICANA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO 2008/12/19 A HEGEMONIA NORTE-AMERICANA NO MUNDO CONTEMPORÂNEO (Brasil) Após o colapso da então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) nos anos 90 do século passado, os Estados Unidos transformaram-se

Leia mais

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008?

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? 2008/05/04 ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? Quando a 6 de Setembro de 2007, os israelitas bombardearam uma infraestrutura no norte da Síria, perto da fronteira com a

Leia mais

ORIENTE MÉDIO: A IMPOTÊNCIA DA ONU E A INDIFERENÇA NORTE-AMERICANA

ORIENTE MÉDIO: A IMPOTÊNCIA DA ONU E A INDIFERENÇA NORTE-AMERICANA 2006/07/29 ORIENTE MÉDIO: A IMPOTÊNCIA DA ONU E A INDIFERENÇA NORTE-AMERICANA Marcelo Rech (Editor do site b rasileiro InfoRel) Há mais de duas semanas, teve início a nova guerra do Oriente Médio, com

Leia mais

A POLÍTICA EXTERNA DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS

A POLÍTICA EXTERNA DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS 2009/01/22 A POLÍTICA EXTERNA DE DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS (Brasil) O resultado da eleição presidencial nos Estados Unidos reacendeu a esperança de todo o mundo em torno de "um aquecimento global" nas

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

O CRESCIMENTO PACÍFICO DA CHINA

O CRESCIMENTO PACÍFICO DA CHINA 2007/01/30 O CRESCIMENTO PACÍFICO DA CHINA A polémica sobre o crescimento pacífico da China não só está para durar como até se pode agudizar; principalmente, agora, que recebeu o contributo importante

Leia mais

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS 2008/02/07 IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS Atualmente a força de ocupação dos Estados Unidos no Iraque registra a presença de 162 mil homens. Até Julho de 2008, está prevista a retirada de três brigadas

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

A IMAGEM DUALISTA SOBRE OS ESTADOS UNIDOS

A IMAGEM DUALISTA SOBRE OS ESTADOS UNIDOS 2008/04/14 A IMAGEM DUALISTA SOBRE OS ESTADOS UNIDOS Gilb erto Barros Lima[1] (Brasil) Diante de tantos interesses contrastantes que norteiam o âmbito da política internacional, principalmente pela multiplicidade

Leia mais

A CHINA E A GLOBALIZAÇÃO DO M UNDO

A CHINA E A GLOBALIZAÇÃO DO M UNDO 2008/06/16 A CHINA E A GLOBALIZAÇÃO DO M UNDO Uma grande potência emergente é sempre um factor de perturbação da ordem mundial, quanto mais não seja pelas alterações que provocará na forma como se passará

Leia mais

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países.

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. 21/10/2014 Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. O NASCIMENTO DA DISCIPLINA: Ratzel, no contexto

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna

Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Cenários brasileiros de recursos hídricos para 2025 Antonio Eduardo Lanna Uma brevíssima história do século passado, a cada 20 anos Fonte: George Friedman, Os próximos 100 anos. 2 Brevíssima história do

Leia mais

O NOVO MAPA DO PENTÁGONO

O NOVO MAPA DO PENTÁGONO 2005/06/14 O NOVO MAPA DO PENTÁGONO O novo mapa do Pentágono Guerra e Paz no século XXI poderia ser o título em português, se traduzido à letra do original,[1] de uma interessante obra de Thomas Barnett,

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA 2012/08/26 EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA O processo de transição egípcio para uma democracia, tal como preparado pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA), nunca seguiu o trajeto

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

A UTÓPICA LIÇÃO DE M IKAIL GORBATCHEV E A PRESENTE RESOLUÇÃO DE BARAK OBAMA CONTRA A

A UTÓPICA LIÇÃO DE M IKAIL GORBATCHEV E A PRESENTE RESOLUÇÃO DE BARAK OBAMA CONTRA A 2009/09/27 A UTÓPICA LIÇÃO DE M IKAIL GORBATCHEV E A PRESENTE RESOLUÇÃO DE BARAK OBAMA CONTRA A PROLIFERAÇÃO NUCLEAR Gilb erto Barros Lima[1] (Brasil) Muitas atitudes políticas nasceram espontaneamente

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS

COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS 2012/03/10 COREIA DO NORTE, DE NOVO NO NEGÓCIO DE OBTENÇÃO DE AJUDAS A história repete-se. A Coreia do Norte vai receber 265000 toneladas de ajuda alimentar (sob a forma de suplementos nutritivos) contra

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

ANGOLA: A NOVA RIQUEZA DA ÁFRICA E PARA O BRASIL

ANGOLA: A NOVA RIQUEZA DA ÁFRICA E PARA O BRASIL 2008/04/29 ANGOLA: A NOVA RIQUEZA DA ÁFRICA E PARA O BRASIL Fáb io Pereira Rib eiro (Brasil)[1] Em recente visita a Angola, para o desenvolvimento de projetos acadêmicos percebi, que o Brasil ainda está

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

O MUNDO MENOS SOMBRIO

O MUNDO MENOS SOMBRIO O MUNDO MENOS SOMBRIO Luiz Carlos Bresser-Pereira Jornal de Resenhas n.1, março 2009: 6-7. Resenha de José Luís Fiori, Carlos Medeiros e Franklin Serrano (2008) O Mito do Colapso do Poder Americano, Rio

Leia mais

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Higor Ferreira BRIGOLA e Edu Silvestre de ALBUQUERQUE Universidade Estadual de Ponta Grossa O presente trabalho

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

DIMENSÕES E CONTRADIÇÕES DA ACTUAL CRISE DO CAPITALISMO 10 dimensões da crise 3 profundas contradições

DIMENSÕES E CONTRADIÇÕES DA ACTUAL CRISE DO CAPITALISMO 10 dimensões da crise 3 profundas contradições DIMENSÕES E CONTRADIÇÕES DA ACTUAL CRISE DO CAPITALISMO 10 dimensões da crise 3 profundas contradições Financeira Económica Social Política (dimensão total do conceito) Desajustamento estrutural e político

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

A NOVA ORDEM INTERNACIONAL DE NOVA IORQUE

A NOVA ORDEM INTERNACIONAL DE NOVA IORQUE 2004/03/16 A NOVA ORDEM INTERNACIONAL DE NOVA IORQUE João Vieira Borges O terrorismo vivido pelos europeus durante décadas, em especial por italianos, espanhóis, alemães e ingleses, foi rapidamente apagado

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO MUDANDO DE MUNDO GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO José Manuel Félix Ribeiro 10 de Janeiro de 2012 Programa das Conferências 1O

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

A COREIA DO NORTE UMA BAIXA NO EIXO DO M AL?

A COREIA DO NORTE UMA BAIXA NO EIXO DO M AL? 2008/07/08 A COREIA DO NORTE UMA BAIXA NO EIXO DO M AL? A Coreia do Norte, ao entregar um relatório sobre as suas actividades nucleares, deu mais um passo para cumprir os compromissos assumidos no acordo

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Bonfim

Agrupamento de Escolas do Bonfim Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento - 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso LINGUAS E HUMANIDADES Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989)

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) RECAPITULANDO -GUERRA FRIA: Disputa pela hegemonia mundial entre duas potências: EUA e URSS. -ACORDOS ECONOMICOS: -Plano Marshall (1947) -Plano Comecon (1949) ACORDOS

Leia mais

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Limites da Esperança: Kerry e a Política Externa dos Estados Unidos João Marques de Almeida

Leia mais

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Série: 1ª Professor : Carlos Alexandre Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

UMA NOVA GUERRA FRIA?

UMA NOVA GUERRA FRIA? 2007/03/09 UMA NOVA GUERRA FRIA? Nunca houve um verdadeiro equilíbrio entre os arsenais nucleares das duas superpotências durante a Guerra Fria; os EUA sempre mantiveram alguma vantagem e não só no campo

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 28 DE MAIO GRANDE PALÁCIO DO POVO

Leia mais

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba

Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade Estadual da Paraíba A INFLUÊNCIA DA CHINA NA ÁFRICA SETENTRIONAL E MERIDIONAL Senado Federal Comissão de Relações Exteriores Maio/2011 Henrique Altemani de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Universidade

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga

SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 24.11.2006 SEMINÁRIO 'AS NOVAS FRONTEIRAS E A EUROPA DO FUTURO' (24.11.2006) Braga 'A EUROPA DO FUTURO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS' A Europa cada vez é mais requisitada no mundo em todos os domínios: cooperação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

A DEMOCRACIA E A GUERRA AO TERROR NO M ÉDIO ORIENTE[1]

A DEMOCRACIA E A GUERRA AO TERROR NO M ÉDIO ORIENTE[1] 2011/03/17 A DEMOCRACIA E A GUERRA AO TERROR NO M ÉDIO ORIENTE[1] Bush tentou ser o grande activista da promoção da democracia por todo o mundo. Em 2005, enviou Condoleezza Rice ao Cairo para reafirmar

Leia mais

O Gigante fora do tempo

O Gigante fora do tempo O Gigante fora do tempo Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo - Mais!, 25.5.03 Ignoring that the times of balance of powers and imperialism are over and that now we live in a 'global system', the

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR OBJECTIVOS: Descrever a situação da Europa após a II Guerra Mundial Justificar a afirmação dos EUA e da URSS Explicar os objectivos do Plano Marshall Explicar o papel do Kominform Justificar o estado de

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE Curso Superior de Administração Gestão do Comércio Internacional

Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE Curso Superior de Administração Gestão do Comércio Internacional Escola Superior de Administração, Direito e Economia ESADE Curso Superior de Administração Gestão do Comércio Internacional AS IDEIAS E OS IDEAIS NA ECONOMIA: OS REFLEXOS DOS CONFLITOS IDEOLÓGICOS NA ECONOMIA

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Reorganização Política Internacional

Reorganização Política Internacional Reorganização Política Internacional 1. (ENEM) A bandeira da Europa não é apenas o símbolo da União Europeia, mas também da unidade e da identidade da Europa em sentido mais lato. O círculo de estrelas

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

DIPLOMACIA ECONÓMICA: O QUE É? [1]

DIPLOMACIA ECONÓMICA: O QUE É? [1] 2008/06/12 DIPLOMACIA ECONÓMICA: O QUE É? [1] Daniela Siqueira Gomes[2] Definir Diplomacia suscita algumas dificuldades pelo facto de não haver nenhuma definição consensual daquele conceito. De um modo

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: História - 9º MANUAL ADOTADO: Missão História! - 9.º Ano, Porto Editora, Cláudia Amaral, Bárbara Alves, Tiago Tadeu GESTÃO DO TEMPO 1º

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

2011: A tipping point for Data Security

2011: A tipping point for Data Security 2011: A tipping point for Data Security Seminário AFCEA Portugal / McAfee Embaixada dos Estados Unidos da América, 12 Out 2011 Discurso de Abertura proferido pelo Dr. António Figueiredo Lopes 1. Os desafios

Leia mais

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio Análise Segurança Prof. Danny Zahreddine 25 de fevereiro de

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados CONFLITOS INTERNACIONAIS E A ESCASSEZ DE RECURSOS NATURAIS por Rossana Gemeli Roncato Membro de Almeida Guilherme Advogados Durante vários séculos, a humanidade passou por diversos conflitos internacionais,

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais