INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE m 3 /s E 2.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE 1.400 m 3 /s E 2."

Transcrição

1 COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS - DHE DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DORH Piaçabuçu - AL INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE m 3 /s E m³/s 3º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL RT DORH 017/2013 OUTUBRO/2013

2 1 INTRODUÇÃO Prosseguindo como estabelecido nas condicionantes das autorizações especiais temporárias concedidas pelo IBAMA e ANA para redução da vazão mínima de restrição para m 3 /s, tendo em vista a necessidade de elaboração do terceiro relatório de acompanhamento mensal, foi realizada inspeção visual aérea no trecho Sobradinho - Foz, nos dias 28, 29 e 30 de agosto de 2013 com o objetivo de registrar a situação dos usos múltiplos ali instalados. Esta inspeção aérea ratifica o já explicitado no relatório anterior RT DORH 013/2013, visto que não houve registro de nenhuma ocorrência causada pela vazão liberada no decorrer do período de 01 a 30/08/2013. Observa-se que no período compreendido entre os dias 24/08 e 30/08/2013 a prática da vazão média da ordem de m³/s em Sobradinho e Xingó transcorreu conforme tabela abaixo: DIA Defluência média diária em Sobradinho (m³/s) Defluência média diária em Xingó (m³/s) 24/08/ /08/ /08/ /08/ /08/ /08/ /08/ Participaram desta inspeção: DORH Divisão de Gestão de Recursos Hídricos, DROB Divisão Regional de Operação de Sobradinho, SPMX Serviço de Manutenção de Xingó e SPAV Serviço de Aviação de Paulo Afonso. As fotos aqui apresentadas são sempre de vista aérea. Este trabalho contém em anexo dois mapas georreferenciados (Anexo 1 e 2): Inspeção Visual Aérea do Rio São Francisco entre a Usina de Sobradinho e Barra do Tarrachil com defluência média entre m 3 /s e m 3 /s e Inspeção Visual Aérea do Rio São Francisco entre a Usina de Xingó e a Foz com defluência média entre m 3 /s e m 3 /s. O aumento da defluência observado no período entre 28/08 e 30/08/2013 deveu-se à ocorrência no Sistema Integrado Nacional SIN, do dia 28/08/2013, que resultou n o desligamento da Região Nordeste do restante do SIN, interrompendo o fornecimento de energia para a citada região. 2

3 2 DESENVOLVIMENTO Da mesma forma como nas inspeções anteriores, os trabalhos de inspeção aérea transcorreram dentro da normalidade. Em ambas as margens foram fotografados os pontos considerados relevantes de acordo com seleção feita pela Agência Nacional de Águas ANA, durante o sobrevôo conjunto ANA, IBAMA e Chesf, realizado nos dias 29 e 30 de abril de 2013, além de pontos em que visualmente se verificou que poderiam vir a apresentar dificuldades com a manutenção da liberação da vazão média diária de m³/s e ainda outros pontos para efeito de acompanhamento e controle da Chesf. Para favorecer a compreensão deste relatório, o trecho de rio entre a Usina de Sobradinho e a Foz do Rio São Francisco foi dividido em quatro subtrechos: o primeiro inicia-se na Usina de Sobradinho, Sobradinho - BA e termina nas Cidades de Juazeiro-BA/Petrolina-PE; o segundo subtrecho inicia-se a jusante das cidades de Juazeiro-Ba/Petrolina-PE e vai até o porto das balsas Distrito de Barra do Tarrachil no Município de Chorrochó BA: o terceiro subtrecho inicia-se na Usina de Xingó em Canindé do São Francisco - SE e termina na Cidade de Propriá - SE; o quarto subtrecho inicia-se a jusante da cidade de Propriá - SE e vai até o Povoado de Potengy, no Município de Piaçabuçu AL, foz do Rio São Francisco. No relatório fotográfico as fotos são apresentadas de acordo com a posição geográfica dos pontos fotografados, exceto as séries de fotografias das captações de pequeno e médio porte do primeiro subtrecho: Usina de Sobradinho, Sobradinho BA às Cidades de Juazeiro-BA/Petrolina-PE que são apresentadas em blocos e os projetos de irrigação que também são apresentados em blocos, de acordo com a posição geográfica da primeira Estação de Bombeamento, conforme se apresentam nos mapas georreferenciados (Anexo 1 e 2). 3

4 2.1 SUBTRECHO: USINA DE SOBRADINHO, SOBRADINHO BA ÀS CIDADES DE JUAZEIRO BA/PETROLINA-PE Este trecho da inspeção aérea foi realizado no dia 28/08/2013. O Subtrecho entre a Barragem de Sobradinho e as cidades de Juazeiro BA / Petrolina PE, com aproximadamente 40 km de extensão, é o mais urbanizado, destacando-se as atividades agrícolas e industriais, fato que leva à existência de muitas captações, grandes áreas de moradia e lazer, além de navegação comercial. Na margem direita, o Projeto Salitre (Foto 11) não apresenta alteração na sua estrutura de captação. Com relação à captação da Mineração Caraíba (Foto 19), também não foi verificada nenhuma alteração. O SAAE de Juazeiro BA, aparentemente opera de forma normal (Foto 23). O canal do rio entre a ilha e o Country Club de Juazeiro, desta vez apresentava um pequeno escoamento superficial devido à vazão defluente de USB mais alta (Foto 24). O Porto da cidade de Juazeiro, continua sem operar (Foto 18). Na margem esquerda, no município de Petrolina, a captação da COMPESA para abastecimento humano da cidade continua operando normalmente e com obras de expansão ainda não concluídas (Fotos 20 e 21). O Porto de Petrolina aparentemente continua operando normalmente (Foto 22). Em algumas das captações de pequeno e médio porte continua a utilização de escavações/aprofundamento de pequenos canais no terreno, (Fotos 4 e 5) ou o prolongamento da tubulação de recalque (Foto 1) para permitir a chegada da água até os pontos de captações fixas de pequeno e médio porte. A navegação comercial de grande porte teve sua solicitação para liberação de vazões especial para o período atendida (Fotos 2 e 3). Quanto à navegação de médio e pequeno porte continua operando normalmente (Fotos 14 e 15). Os balneários (Fotos 12 e 13) e marinas, também não apresentaram problemas para operar suas áreas de lazer. Observou-se o crescimento de um balneário na cidade de Juazeiro próximo ao muro das instalações da Capitania dos Portos. Salienta-se que o mesmo encontra-se em área inundável para vazões iguais ou superiores a m³/s. (Foto 25), conforme estudos apresentados no MAPEAMENTO DAS ÁREAS INUNDÁVEIS NAS MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO NO TRECHO ENTRE OS RESERVATÓRIOS DE SOBRADINHO E ITAPARICA, de setembro Outros Pontos Relevantes: Elevado número de captações de pequeno e médio porte, considerando a pequena distância entre a Barragem de Sobradinho e Juazeiro / Petrolina (aproximadamente 40 km); Presença de embarcações de tamanhos variados, usadas na navegação comercial, lazer e travessia de pessoas; Presença de balneários estruturados e outras áreas de lazer; Áreas industriais nas cidades de Juazeiro BA e Petrolina PE; 4

5 Retiradas de areia por dragas; Presença de bancos de areia e afloramentos rochosos; Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. Piscicultura em tanque rede; 5

6 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.1 USINA DE SOBRADINHO, SOBRADINHO BA ÀS CIDADES DE JUAZEIRO BA/PETROLINA-PE 6

7 Fazenda Casa Nova BA Foto 1.Vista da Fazenda São Matheus Casa Nova - BA 7

8 Navegação da Icofort Sobradinho BA Foto 2.Imagem da navegação de grande porte da empresa Icofort, com Sobradinho defluindo 1635 m³/s de média diária Foto 3.Imagens da navegação de grande porte da empresa Icofort 8

9 Captações de pequeno e médio porte na margem esquerda entre a Barragem de Sobradinho e Petrolina PE Foto 4. Captação fixa retirando água de canal escavado Foto 5.Captação fixa retirando água de canal escavado 9

10 Foto 6.Captação fixa Foto 7.Captação flutuante 10

11 11

12 Captações de pequeno e médio porte na margem direita entre a Barragem de Sobradinho e Juazeiro BA Foto 8.Captação fixa Foto 9.Captação fixa 12

13 Foto 10.Captação fixa com adaptação para canal escavado 13

14 Projeto Salitre Juazeiro BA Foto 11.Vista da captação do projeto Salitre (Codevasf) 14

15 Balneário da Ilha do Rodeadouro PE Foto 12.Vista da Ilha do Rodeadouro Foto 13.Vista da ilha do Rodeadouro e ao fundo Ilha do Massangano 15

16 Travessia de barco para a Ilha do Rodeadouro Foto 14.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal esquerdo do rio, Distrito de Roçado Petrolina PE a Ilha do Rodeadouro Foto 15.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio, Distrito de Rodeadouro Juazeiro BA a Ilha do Rodeadouro 16

17 Distrito do Rodeadouro Juazeiro - BA Foto 16.Captação do SAEE para o Distrito Comunidade da Ilha do Massangano - Petrolina- PE Foto 17.Vista da captação e comunidade da Ilha do Massangano 17

18 Porto de Juazeiro Juazeiro BA Foto 18.Vista do Porto de Juazeiro Mineração Caraíba Juazeiro BA Foto 19.Vista da captação da Mineração Caraíba 18

19 COMPESA Petrolina PE Foto 20.Obras de ampliação da COMPESA, ao fundo a cidade de Petrolina Foto 21.Captação da COMPESA para Petrolina, operando normalmente 19

20 Porto de Petrolina PE Foto 22.Porto de Petrolina, aparentemente em operação normal Captação do SAEE para Juazeiro Juazeiro BA SAEE CICA Norte (Univasf) Foto 23.Vista das captações do SAAE 20

21 Canal do rio próximo ao Country Club Ilha Bela Petrolina - PE Foto 24.Vista do canal do rio (cortado) próximo ao Country Club Ilha Bela (aparentemente desativado) Cidade de Juazeiro BA Pista de cooper Foto 25.Vista do balneário a montante do centro da cidade de Juazeiro, em área inundável 21

22 Foto 26.Vista parcial da cidade de Juazeiro, bairro do Angary 22

23 Cidade de Petrolina PE Foto 27.Vista parcial da cidade de Petrolina - PE Foto 28.Vista parcial da cidade de Petrolina PE, no detalhe a construção de uma embarcação tipo Chata. 23

24 2.2 SUBTRECHO: CIDADES DE JUAZEIRO E PETROLINA AO DISTRITO DE BARRA DO TARRACHIL, MUNICÍPIO DE CHORROCHÓ - BA A inspeção aérea foi realizada no dia 28 de agosto. Este subtrecho tem aproximadamente 260 km, com grande número de captações de pequeno, médio e grande porte. Na margem direita, operam as captações da Codevasf, a saber: Projeto Tourão (Foto 29), Projeto Mandacaru (Foto 30), Projeto Maniçoba (Foto 37), Projeto Curaçá (Fotos 50 e 51) e Projeto Pedra Branca (Foto 70), e o Projeto Pedra Grande (Foto 38). Todos operando aparentemente sem problemas. Como no subtrecho anterior, observou-se que em alguns pontos das margens continuam as escavações ou aprofundamento de pequenos canais no terreno para permitir a chegada da água até os pontos de captações fixos de pequeno e médio porte (Fotos 32 e 74). Quanto à navegação, mesmo de pequeno porte, historicamente, o trecho do rio próximo à cidade de Santa Maria da Boa Vista PE, não é favorável a tal prática devido à existência de corredeiras, contudo, nos demais locais a navegação acontece de modo normal (Fotos 81 e 82). As captações da margem direita para abastecimento humano do SAAE nas cidades de Curaçá (Foto 60), Itamotinga, Juazeiro BA (Foto 49), Riacho Seco, Curaçá - BA (Foto 66) e Pedra Branca - BA (Foto 71), continuam funcionando normalmente. As captações da margem esquerda do Projeto Pontal (Foto 39), Projeto Bebedouro (Foto 40), Projeto Caraíbas (Foto 67) e Projeto Brígida (Fotos 69), aparentemente não têm problemas para fazer a retirada de água. Quanto às captações para abastecimento humano da COMPESA nas cidades de Lagoa Grande (Foto 41), Santa Maria da Boa Vista (Fotos 64 e 65), Orocó (Foto 68), Cabrobó (Foto 73) e Salgueiro (Foto 72), estas não apresentam dificuldades para operar. Com relação à captação de Belém do São Francisco (Fotos 83 e 84), continua a presença de macrófitas no canal de adução. Também não foi visualizado nenhum problema na operação dos balneários de Pedrinhas (Foto 36) e da Ilha da Coroa - Curaçá (Foto 59). Outros Pontos Relevantes: Elevado número de captações de água de pequeno, médio e grande porte, para povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte); Navegação de embarcações de tamanhos variados, usadas na travessia de carros e pessoas, além de transporte de mercadorias em pequenos percursos; Presença de balneários estruturados; Indústrias ao longo do rio (vinícolas, aviários, olarias e etc.); Pisciculturas em tanque rede; Bancos de areia; 24

25 Afloramento de rochas; Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 25

26 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.2 CIDADES DE JUAZEIRO E PETROLINA AO DISTRITO DE BARRA DO TARRACHIL, MUNICÍPIO DE CHORROCHÓ - BA 26

27 Projeto Tourão Juazeiro - BA Foto 29.Vista da captação do Projeto Tourão Projeto Mandacaru Juazeiro BA Foto 30.Vista da captação do Projeto Mandacaru 27

28 Projeto Codevasf Petrolina PE Foto 31.Vista de captação não identificada 28

29 Captação de médio porte Petrolina PE Foto 32.Vista captação de médio porte não identificada na margem esquerda Fazenda Especial Fruit Juazeiro BA Foto 33.Vista da captação da Especial Fruit 29

30 Captação de fazenda - Juazeiro BA Foto 34.Captação na margem direita. Não identificada Foto 35.Vista da captação instalada em fazenda de grande porte, com plantio de cana de açúcar 30

31 Balneário de Pedrinhas Distrito de Pedrinhas Petrolina PE Foto 36.Vista do balneário de Pedrinhas 31

32 Projeto Maniçoba Juazeiro BA Foto 37.Vista da captação do Projeto Maniçoba Projeto Pedra Grande - Petrolina - PE Foto 38.Vista da captação do Projeto Pedra Grande 32

33 Projeto Pontal - Petrolina PE Foto 39.Vista da captação EB-01 do Projeto Pontal Captação do Projeto Bebedouro Petrolina PE Foto 40.Vista da captação EB-01 do Projeto Bebedouro 33

34 Captação da cidade de Lagoa Grande PE Captação não identificada Foto 41.Vista no detalhe da EB da COMPESA para a cidade de Lagoa Grande PE Fazenda Rio Sol - Lagoa Grande PE Foto 42.Vista da captação da fazenda 34

35 Fazenda Labrunier - Lagoa Grande PE Foto 43.Vista da captação da fazenda Vila Pontal Juazeiro BA Foto 44.Vista da captação da Vila Pontal 35

36 Captação a montante de Guainhas Juazeiro BA Foto 45.Vista da captação a montante de Guainhas Distrito de Guainhas Juazeiro BA Foto 46.Vista da captação de Guainhas 36

37 Fazenda Sereníssima Lagoa Grande - PE Foto 47.Vista da captação da fazenda Distrito de Vermelhos - Lagoa Grande PE Foto 48.Vista do Distrito de Vermelhos 37

38 Distrito de Itamotinga Juazeiro - BA Foto 49.Vista da captação do Distrito de Itamotinga Projeto Curaçá - Juazeiro BA Foto 50.EB-02 do Projeto Curaçá 38

39 Foto 51.EB-01 do Projeto Curaçá Afloramento rochoso no leito do rio Foto 52.Afloramentos rochosos transversais nas proximidades da EB02 do Projeto Curaçá 39

40 Foto 53.Afloramentos rochosos transversais nas proximidades da EB02 do Projeto Curaçá Captações de diversas fazendas nas margens esquerda (PE) e direita (BA) Foto 54. Captação na margem esquerda 40

41 Foto 55.Captação na margem esquerda Foto 56.Captação Fazenda Milanos, margem esquerda 41

42 Foto 57.Captação na margem direita Foto 58.Captação na margem esquerda 42

43 Cidade de Curaçá BA Foto 59.Balneário da Ilha da Coroa Curaçá BA Foto 60.Captação do SAAE da cidade de Curaçá 43

44 Foto 61.Travessia de balsas em Curaçá BA Foto 62.Ponto das balsas em Pernambuco (Percurso: Curaçá BA/fazenda em PE) 44

45 Captação na margem esquerda a montante da Vila Brilhante Santa M. B. Vista - PE Foto 63.Vista de captação aparentemente desativada Cidade de Santa Maria da Boa Vista PE Foto 64.Vista parcial da cidade de Santa Maria da Boa Vista PE 45

46 Foto 65.Vista da captação COMPESA para a cidade de Santa Maria da Boa Vista PE em Santa Maria da Boa Vista Distrito de Riacho Seco Curaçá - BA Foto 66.Vista da captação de Riacho Seco 46

47 Projeto Caraíbas Santa M. da B. Vista - PE Foto 67.Vista da captação do Projeto Caraíbas (Codevasf) Cidade de Orocó PE Foto 68.Vista da captação da COMPESA para Orocó PE, em Orocó - PE 47

48 Projeto Brígida Orocó PE Foto 69.Vista da captação do Projeto Brígida (Codevasf) Projeto Pedra Branca Curaçá - BA Foto 70.Vista da captação do Projeto Pedra Branca. Vista da ensecadeira usada para aumentar o volume de água próximo à captação 48

49 Distrito de Pedra Branca - Curaçá BA Foto 71.Vista da captação SAAE para Pedra Branca e do ponto de balsa Cidade de Cabrobó PE Foto 72.Vista parcial da cidade de Cabrobó PE, canal da margem esquerda do Rio São Francisco e da captação para Salgueiro -PE 49

50 Foto 73.Vista captação da COMPESA para Cabrobó PE, em Cabrobó - PE Fazenda a montante do Distrito de Ibó Abaré - BA Foto 74.Vista da captação de uma fazenda usando canal escavado/ aprofundado a montante do Distrito de Ibó Abaré - Bahia 50

51 Foto 75.Vista da captação de uma fazenda usando canal escavado/ aprofundado a montante do Distrito de Ibó Abaré - Bahia Distrito de Ibó Belém do São Francisco PE Foto 76.Vista de piscicultura em tanque rede, Ibó Belém do São Francisco PE 51

52 Fazenda AGRODAN em Pernambuco Foto 77.Vista da captação e do ponto de balsa na margem esquerda na Fazenda AGRODAN em Pernambuco Foto 78.Vista da captação e do ponto de balsa na margem esquerda na Fazenda AGRODAN em Pernambuco 52

53 Cidade de Abaré - BA Foto 79.Vista da Fazenda RICON e da captação da mesma. Fazenda situada entre a Olaria e a cidade de Abaré - BA Foto 80.Vista da captação da EMBASA para a da cidade de Abaré e balsas para transporte de passageiros 53

54 Transporte fluvial em ilha Belém do São Francisco PE Foto 81.Vista da captação e de embarcações em uma fazenda, localizada em uma ilha entre as cidades de Abaré BA e Belém do São Francisco - PE Foto 82.Vista das embarcações usadas pela fazenda para transporte de passageiros e mercadorias 54

55 Cidade de Belém do São Francisco PE Foto 83.Vista parcial da cidade de Belém do São Francisco PE. No detalhe a entrada do canal de adução para captação da COMPESA para a cidade Foto 84.Vista da captação da COMPESA para a cidade de Belém do São Francisco PE, em Belém do São Francisco - PE 55

56 Foto 85.Vista do ponto porto das balsas a jusante da cidade de Belém do S. Francisco PE, ligação com o Distrito de Barra do Tarrachil Chorrochó BA Barra do Tarrachil - Chorrochó BA Foto 86.Vista do ponto de travessia de balsas no Distrito de Barra do Tarrachil - Chorrochó BA, ligação com Belém do São Francisco - PE 56

57 2.3 SUBTRECHO: USINA DE XINGÓ, EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO À CIDADE DE PROPRIÁ SE A inspeção aérea deste subtrecho foi realizada no dia 29/08/2013, o qual tem cerca de 140 km de extensão. O uso múltiplo d água continua ocorrendo, aparentemente sem problemas. As Captações de Pequeno Porte (Fotos 91, 92, 93, 94 e 95) e Médio Porte (Fotos 112, 118 e 122), os Balneários com infra-estrutura (Fotos 87, 120, 128 e 134) e a Navegação também operam aparentemente normal (Foto 89). Contudo, manteve-se o aumento do percurso da Travessia de Balsa entre Pão de Açúcar- AL /Niterói - SE (Foto 101). Novas edificações foram visualizadas, em ambas as margens, na cidade de Piranhas, AL, construídas em áreas inundáveis. Também não foram visualizados problemas na Captação Casal - Companhia de Saneamento de Alagoas em Pão de Açúcar (Foto 97) para a Cidade de Pão de Açúcar, na Captação Casal Pão de Açúcar/Olho D Água das Flores (Fotos 96), em Pão de Açúcar - AL e na Captação Casal ETA Morro do Gaia (Foto 118) em São Brás - AL. Em relação à Captação Casal - Pão de Açúcar/Olho d Água das Flores visualmente a mesma opera, desde a inspeção anterior, com mais uma bomba auxiliar, esta do tipo flutuante. Na margem direita (lado sergipano), a Captação de Porto da Folha (Foto 112), pertencente à DESO - Companhia de Saneamento de Sergipe, localizada no Distrito de Ilha do Ouro - SE, que abastece os municípios de Porto da Folha, Poço Redondo, Monte Alegre e Glória, como também na Captação da DESO Aracaju em Propriá SE (Fotos 129 e 130), visualmente continuam sem problemas. Também não houve registros de problemas na Captação DESO Propriá Propriá SE (Foto 131). Na Captação Codevasf - Projeto Propriá Propriá SE (Fotos 132 e 133), foi constatado durante sobrevôo, a volta de macrófitas ao canal escavado para a captação flutuante (Foto 132). Pontos Relevantes: Captações de pequeno, médio e grande porte; Navegação (travessia de barcos e balsas); Pisciculturas do tipo tanque rede e terra; Existência de pequenos estaleiros (artesanais) nas margens do rio; Existência de balneários estruturados; Grandes bancos de areia; Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 57

58 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.3 USINA DE XINGÓ, EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO À CIDADE DE PROPRIÁ SE 58

59 Balneário de Canindé do São Francisco - SE Foto 87.Vista geral do balneário de Canindé do São Francisco - SE Cidade de Piranhas AL Foto 88.Vista parcial de Piranhas AL. No detalhe o local do posto hidrométrico usado pela Chesf 59

60 Foto 89.Navegação a partir da cidade de Piranhas AL Distrito de Entremontes Piranhas AL Foto 90.Vista geral do Distrito de Entremontes e sua captação 60

61 Distrito de Cajueiro Poço Redondo SE Foto 91.Vista de captações, no detalhe a captação do Distrito Distrito de Jacaré Poço Redondo SE Foto 92.Vista captação flutuante 61

62 Distrito de Curralinho Poço Redondo SE Foto 93.Vista da captação do Distrito de Curralinho Distrito de Ilha do Ferro Pão de Açúcar AL Foto 94. Vista da captação flutuante de Ilha do Ferro 62

63 Distrito de Bonsucesso - Poço Redondo - SE Foto 95.Vista da captação flutuante de Bonsucesso 63

64 Captação Pão de Açúcar/Olho d Água das Flores Pão de Açúcar AL Foto 96.Vista geral da captação para a cidade de Pão de Açúcar, com mais uma bomba (flutuante) Captação Pão de Açúcar - AL Foto 97.Vista da Captação flutuante aparentemente sem problemas 64

65 Cidade de Pão de Açúcar AL Foto 98.Vista parcial da cidade de Pão de Açúcar Foto 99.Vista do Porto da cidade de Pão de Açúcar 65

66 Foto 100.Vista do Porto local de embarque e desembarque da balsa, percurso Pão de Açúcar AL a Niterói, Distrito Porto da Folha - SE 66

67 Distrito de Niterói Porto da Folha SE Foto 101.Travessia da balsa no percurso Distrito de Niterói/Porto da Folha Sergipe a Pão de Açúcar Alagoas 67

68 Distrito de Ilha de São Pedro Porto da Folha - SE Foto 102.Vista da captação flutuante do Distrito de Ilha de São Pedro Distrito de Santiago Pão de Açúcar AL Foto 103.Vista da captação flutuante do Distrito de Santiago 68

69 Distrito de Alecrim Pão de Açúcar AL Foto 104.Captação flutuante adaptada para captação móvel, a montante do Distrito de Alecrim Foto 105.Vista de captação fixa próxima a anterior, a montante do Distrito de Alecrim 69

70 Foto 106.Vista da captação flutuante do Distrito de Alecrim 70

71 Cidade de Belo Monte AL Foto 107.Vista de captação para piscicultura em tanque de terra a montante da cidade de Belo Monte Foto 108.Vista de captações para piscicultura em tanque de terra e agricultura a montante da cidade de Belo Monte 71

72 Foto 109.Vista da captação flutuante de Belo Monte, aparentemente operando sem problemas (a captação fixa não é usada) Foto 110.Vista da captação flutuante de Belo Monte, aparentemente operando sem problemas 72

73 Distrito de Barra do Ipanema Belo Monte AL Foto 111.Vista da captação flutuante em Barra de Ipanema, aparentemente operando sem problemas Captação DESO Porto da Folha - SE Foto 112.Vista dos flutuantes da captação da DESO em Ilha do Ouro. Ao fundo, o Distrito de Ilha do Ouro 73

74 Cidade de Gararu SE Foto 113.Vista da captação de Gararu, localizada no Distrito de Oiteiro a montante do centro de Gararu Foto 114.Vista da captação do sistema de irrigação por aspersão localizada a montante do centro de Gararu (Projeto não identificado) 74

75 Cidade de Traipu AL Foto 115.Vista da captação flutuante de Traipu Distrito de Oitis - Gararu SE Foto 116.Vista do rio, braço direito e canal escavado para captação de Otis 75

76 Distrito de Tijuco Gararu - SE Foto 117.Vista da captação do Distrito de Tijuco ETA Morro do Gaia - São Brás AL Foto 118.Vista da captação Casal em Morro do Gaia 76

77 Fazenda Santa Fé - São Brás - AL Foto 119.Fazenda Santa Fé, localizada no Morro do Gaia, ao lado da captação Casal Cidade de Amparo do São Francisco - SE Foto 120.Vista parcial do balneário 77

78 Foto 121.Vista da captação para Amparo do São Francisco Distrito de São José - Amparo do São Francisco SE (Adutora Sertaneja) Foto 122.Vista das captações em São José, operando normal 78

79 Distrito de Tibiri São Brás AL Foto 123.Vista da captação Cidade de Porto Real do Colégio AL Captação do SAAE Foto 124.Vista da captação flutuante do SAAE para Porto Real do Colégio, operando normalmente 79

80 Município de Telha SE Foto 125.Fazenda a montante do balneário da Telha Foto 126.Primeira captação da fazenda a montante do balneário da Telha 80

81 Foto 127.Vista de uma segunda captação provavelmente pertencente à fazenda da foto anterior Balneário da Telha - Telha SE Foto 128.Vista do balneário da Telha 81

82 Captação da DESO Aracaju - Propriá SE Canal Foto 129.Vista da captação da DESO para Aracaju em Propriá/SE Foto 130.Captação no canal natural secundário 82

83 Captação DESO Propriá - Propriá SE Foto 131.Vista da captação da DESO Propriá Projeto Propriá - Propriá SE Foto 132.Vista da captação auxiliar flutuante do Projeto Propriá, localizada no canal escavado (novamente com macrófitas) 83

84 EB-01 Restituição Foto 133.Restituição do Projeto Propriá e tomada d água da EB 01 Cidade de Propriá SE Foto 134.Vista do balneário da cidade de Propriá 84

85 Banco de Areia Foto 135.Vista da ponte sobre o Rio São Francisco, na BR 101 margem esquerda 85

86 2.4 - SUBTRECHO: JUSANTE DA CIDADE DE PROPRIÁ À FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO EM POTENGY DISTRITO DE PIAÇABUÇU - AL A inspeção aérea neste subtrecho foi realizada nos dias 29 e 30/08/2013, o qual possui aproximadamente 72 km de extensão. Manteve-se a ausência de problemas nas Captações de Pequeno Porte (Fotos 145, 146 e 153) e Médio Porte (Foto 155), nos Balneários com infra-estrutura (Fotos 152, 158 e 171) e na Navegação. Observou-se que a Travessia de Balsa Penedo AL / Neópolis SE (Fotos 159 e 160) ocorria normalmente. Com relação à travessia Piaçabuçu-AL / Brejo Grande-SE, esta continua com seu percurso aumentado devido a pouca profundidade de um pequeno canal entre as ilhas. Na margem esquerda (lado alagoano), da mesma forma que na inspeção anterior, foi verificada a ausência de problemas nos Projetos Agrícolas de Itiúba, onde observou-se a limpeza do canal para a captação do projeto (Fotos 141, 142 e 143), e Boacica (Fotos 150 e 151), os quais durante a inspeção encontravam-se com seus canais para a adução limpos e abastecidos. O canal de adução do Projeto Marituba (Fotos 162 e 163), apesar de abastecido, continua tomado por macrófitas. Não foram visualizados problemas nas Captações do SAAE para as cidades de Penedo (Fotos 155) e CASAL para Piaçabuçu (Foto 173) e Potengy (Foto 174). No canal de Captação do Projeto Platô de Neópolis - ASCONDIR Associação dos Concessionários do Distrito de Irrigação do Platô de Neópolis (Fotos 148 e 149) há sinais de assoreamento e presença de macrófitas. Também não foi constatado problema nas captações do Projeto Betume (Fotos 165 a 169), embora haja a presença de macrófitas na EB-07. Nas Captações da DESO para as cidades de Ilha das Flores (Foto 170) e Neópolis (Foto 161), estavam operando, aparentemente sem problemas, no dia da inspeção aérea. No Projeto Cotinguiba/Pindoba (Fotos 136 a 140), verificou-se que ainda se mantém a condição anterior, ou seja, não foi realizada nenhuma melhoria no canal do rio que abastece a captação EB-01 (Fotos 139 e 140), o qual encontra-se assoreado. Pontos Relevantes: Captações de pequeno, médio e grande porte; Navegação (travessia de barcos e balsas); Pisciculturas do tipo tanque rede; Existência de pequenos estaleiros artesanais nas margens do rio; Existência de balneários estruturados; Grandes bancos de areia; Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 86

87 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.4 JUSANTE DA CIDADE DE PROPRIÁ À FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO EM POTENGY DISTRITO DE PIAÇABUÇU - AL 87

88 Projeto Cotinguiba/Pindoba Propriá SE Foto 136.Vista do canal da EB-02 do Projeto Cotinguiba/Pindoba Foto 137.Vista do canal natural do rio que abastece a EB-01 do Projeto Cotinguiba/Pindoba (a Cor escura da água deve-se a ação da restituição) 88

89 Foto 138.Vista da EB-01 do Projeto Cotinguiba/Pindoba Ponto assoreado Foto 139.Vista do canal natural de abastecimento da EB-01 do Projeto Cotinguiba/Pindoba, praticamente cortado, ponto assoreado a jusante 89

90 Foto 140.Vista do canal natural de abastecimento da EB-01 do Projeto Cotinguiba/Pindoba, canal cortado a montante da captação Projeto Itiúba Povoado de Castro - Porto Real do Colégio AL Captação EBP Foto 141.Vista parcial do Projeto Itiúba e canal de abastecimento 90

91 Foto 142.Projeto Itiúba, EBP. No momento da inspeção, foi verificado ações de limpeza nos canais Maquina trabalhando Captação Foto 143.Projeto Itiúba, EBP. No momento da inspeção foi verificado ações de limpeza nos canais 91

92 Foto 144.Vista das captações auxiliares flutuantes Projeto Itiúba Povoado de Barra do Itiúba Porto Real do Colégio AL Foto 145.Vista da captação do povoado 92

93 Usina Caeté - 2 Unidade Marituba Igreja Nova - AL Foto 146.Vista da captação flutuante Ascondir Projeto Platô de Neópolis Neópolis - SE Restituição do Projeto Contiguiba/Pindoba Foto 147.Vista do canal do rio que abastece o Projeto Platô de Neópolis 93

94 Captação do Projeto Platô de Neópolis Foto 148.Sinal do assoreamento nas proximidades da captação do Projeto Platô de Neópolis Foto 149.Vista da captação do Projeto Platô de Neópolis. Observa-se a presença de macrófitas no local. 94

95 Projeto Boacica Igreja Nova AL Foto 150.Estação de Bombeamento Ceci Cunha - Projeto Boacica Foto 151.EB Ceci Cunha do Projeto Boacica 95

96 Distrito de Saúde Santana do São Francisco SE Foto 152.Vista parcial do Distrito de Saúde e do Balneário Foto 153.Vista da captação de Saúde 96

97 Cidade de Santana do São Francisco - SE Penedo - AL Neópolis - SE Foto 154.Vista parcial de Santana do São Francisco. A captação DESO é feita em poço profundo Captação do SAAE em Penedo AL Foto 155.Vista da captação do SAAE Penedo em Penedo AL 97

98 Ilha São Pedro Penedo - AL Captação do SAAE Foto 156.Vista de piscicultura em tanque rede ancorada na ilha em frente da cidade de Penedo - AL Cidade de Penedo - AL Balneário Foto 157.Vista parcial da cidade de Penedo, no detalhe o local do porto 98

99 Balneário de Penedo - Penedo - AL Foto 158.Vista do balneário de Penedo Travessia de barcos e balsas - Penedo AL a Neópolis -SE Foto 159.Vista da balsa no percurso Neópolis-SE / Penedo-AL 99

100 Foto 160.Vista da balsa no percurso Neópolis-SE / Penedo-AL Cidade de Neópolis SE Foto 161.Detalhe da captação de Neópolis. 100

101 Projeto Marituba Igreja Nova AL Foto 162.Vista das captações do Projeto Marituba. Canal tomado por macrófitas Foto 163.Vista das restituições do Projeto Marituba 101

102 Povoado de Ponta Morfina Penedo AL Foto 164.Vista da captação de Ponta Morfina, Penedo - AL Projeto Betume Ilha das Flores SE Foto 165.Vista da captação EB-2, canal continua com grande quantidade de macrófitas 102

103 Foto 166.Vista da captação EB-7, canal continua com grande quantidade de macrófitas Foto 167.Vista da captação da piscicultura 103

104 Foto 168.Vista da captação EB-09 Foto 169.Vista da captação EB

105 Cidade de Ilha das Flores SE Foto 170.Vista captação da DESO em Ilhas das Flores Foto 171.Vista do balneário a montante do centro da cidade de Ilhas das Flores 105

106 Distrito de Penedinho Piaçabuçu AL Foto 172.Vista da captação de Penedinho Cidade de Piaçabuçu AL Foto 173.Vista da captação flutuante de Piaçabuçu 106

107 Povoado de Potengy - Piaçabuçu AL Foto 174.Vista do povoado de Potengy Foto 175.Vista da captação flutuante do povoado de Potengy 107

108 3- CONCLUSÕES Conforme avaliado e ratificado anteriormente a liberação de vazão da ordem de m³/s causou os mesmos problemas apresentados em anos anteriores, quando este patamar de vazão foi praticado, uma vez que as adequações feitas à época foram de caráter emergencial e temporário. Nos dias em que ocorreu esta inspeção as vazões médias apresentavam valores superiores aos m³/s autorizados pela ANA e IBAMA. A calha do Rio São Francisco, no trecho entre a Usina de Sobradinho e a Foz, visualmente permanece sem alterações em relação à inspeção anterior. No dia do sobrevôo, 28/08/2013, a descarga média diária liberada pela Usina de Sobradinho era da ordem de m³/s. Ainda assim foi possível a visualização de bancos de areia e afloramentos rochosos no trecho entre a Usina e a cidade de Belém do São Francisco PE, onde se inicia o Reservatório da Usina de Itaparica. Nos dias da realização dos sobrevôos no trecho do rio entre a Usina de Xingó e a foz do Rio São Francisco, 29 e 30/08/2013, a descarga média diária defluente liberada pela Usina de Xingó foi da ordem de e 1619 m³/s respectivamente, sendo possível a visualização de bancos de areia abaixo de Xingó. As captações de pequeno e médio porte e Balneários estruturados, aparentemente continuam operando sem maiores dificuldades. Conforme verificado também na inspeção anterior, aparentemente não há problemas de navegação e travessia. Contudo, observou-se que o percurso na travessia de ambas as margens até a Ilha do Rodeadouro e das grandes balsas entre Pão de Açúcar - AL e Niterói SE continua aumentado, assim como a travessia Piaçabuçu AL/ Brejo Grande - SE. A travessia entre Penedo AL e Neópolis SE ocorre normalmente. Não foram observadas dificuldades no abastecimento da Mineração Caraíbas e das captações dos projetos Salitre, Tourão, Mandacaru, Maniçoba, Curaçá, Pedra Grande, Pedra Branca, Pontal, Caraíbas, Bebedouro, Brígida, Propriá, Itiúba, Cotinguiba/Pindoba, Marituba, Platô de Neópolis (ASCONDIR) e Betume. As dificuldades anteriormente registradas para a captação da Casal Pão de Açúcar/Olho d água das Flores, situada em Pão de Açúcar, responsável pelo abastecimento da Bacia Leiteira do Estado de Alagoas, aparentemente continua com solução de caráter provisório: a instalação de uma bomba flutuante auxiliar. A captação da DESO de Porto da Folha, em Ilha do Ouro, que abastece os municípios de Porto da Folha, Poço Redondo, Monte Alegre e Glória, visualmente não apresentava alterações em sua operação. 108

109 A captação da DESO Aracaju e DESO Propriá, em Propriá SE, aparentemente opera sem maiores dificuldades, assim como também não foram visualizados problemas nas demais captações do SAAE, CASAL e da COMPESA ao longo do Rio. 109

110 ANEXOS 110

!"# $ % &"' ( $ "' (

!# $ % &' ( $ ' ( !"# $ % &"'( $ "'( )*+,-./0,"123*45,!! " # $ % # & '( ) ) ))*#+ ## $,#-. /% 012 3 / 1/ # # # #/ 4 4 56 # $ -. /% 3 / 7 # /+ $ /+%# 3 8 1 6# $ "! # #9 : %;< # %3 1 6=%, -. /% 0 # : #/ " 66!96)6 # $, >=?@A?BC

Leia mais

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA. MÉDIA ENTRE 1.200 m 3 /s E 1.

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA. MÉDIA ENTRE 1.200 m 3 /s E 1. COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

reflexões sobre o rio São Francisco

reflexões sobre o rio São Francisco reflexões sobre o rio São Francisco Antenor de Oliveira de Aguiar Netto Professor UFS ARACAJU - SERGIPE DEZEMBRO 2015 Área de drenagem: 636.920 km 2 Municípios: 504 Estados: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco,

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

Monitoramento de Macrófitas Aquáticas no reservatório da UHE Santo Antônio

Monitoramento de Macrófitas Aquáticas no reservatório da UHE Santo Antônio RELATÓRIO DO ACOMPANHAMENTO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS NO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO Março/2014 Porto Velho - RO Esse relatório apresenta o acompanhamento de macrófitas aquáticas realizado pela SAE

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO PIL PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões Rodovias R$ 66,1 bi Ferrovias R$ 86,4 bi Portos R$

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco

Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco Cruzeiros Fluviais pelo Rio São Francisco Descrição Operacionalizar a exploração comercial da navegação turística ao longo dos 250 km do Baixo São Francisco, envolvendo 13 municípios alagoanos e promovendo

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014

Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Manejo de Macrófitas nos reservatórios da Light Energia janeiro 2014 Complexo hidroelétrico de Lajes sub-sistema Paraíba Piraí Câmara de Válvulas Usina Elevatória de Vigário ( altura 35 m) Reservatório

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU

ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU ppt_monumentos_catarat_7quedas_pafonso_vggrande COMPARANDO QUATRO DOS MAIORES MONUMENTOS FLUVIAIS NOS RIOS IGUAÇU, PARANÁ, SÃO FRANCISCO E XINGU 1. O médio rio Iguaçu abre as numerosas cataratas ao cair

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Hidroelétricas Reservatório Sobradinho Hidroelétricas Reservatório Sobradinho O Projeto: Divisão em dois eixos Capacidade máxima: 99 m³/s Altura bombeamento: 165 m Capacidade máxima: 28 m³/s Altura bombeamento:

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL AÉREOS PEMFAA/IDEMA

PROGRAMA ESTADUAL DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL AÉREOS PEMFAA/IDEMA PROGRAMA ESTADUAL DE MONITORAMENTO E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL AÉREOS - PEMFAA / IDEMA RELATÓRIO DE SOBREVOO: RIO PIRANHAS-AÇU (EXECUTADO EM 12-05-2009) Natal (RN), maio de 2009 0 APRESENTAÇÃO Este documento

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL

BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASIL Partes do rio 1 1 2 2 3 1 Vertente 2 Margem 3 Talvegue-Leito Bacias hidrográficas Corresponde à área drenada por um rio principal e uma rede de afluentes 1 1 1 3 9 6. Margem

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 001, de 30/07/2007 Atualizada em 01/04/2013 Objeto: Esta Instrução tem por objeto complementar o item 6 da Norma da Portaria DAEE nº 717/96. Trata dos requerimentos, documentação

Leia mais

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco Situação dos Projetos Embarcação Fluviográfica Velho Theo Rota de Navegação Carta Náutica Digital Construído pela Bahia encontra-se

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO GABARITO DA UNIDADE 3 (PDF) Página 8 Como diferenciar essas três formas de abastecimento de água para consumo humano? Vamos exercitar?

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

ZOU ZONA DE OPERAÇÃO DA USINA

ZOU ZONA DE OPERAÇÃO DA USINA ZOU ZONA DE OPERAÇÃO DA USINA A ZOU é a área equivalente ao antigo Canteiro de Obras cujo uso é vinculado prioritariamente à operação e manutenção da Usina. LEGISLAÇÃO BÁSICA A SER USOS POSSÍVEIS CONDICIONANTES/PARTICULARIDADES/RECOMENDAÇÕES

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Relatório. Encontro Regional

Relatório. Encontro Regional Relatório Encontro Regional Apresentação Optamos por uma dinâmica de realização do encontro estadual, que considerasse prioritariamente a necessidade de se informar à população sobre a problemática ambiental

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Escavações das valas, acompanhando

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE ITIRAPINA PRESTADOR: DAE DIVISÃO DE ÁGUA E ESGOTO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE ITIRAPINA PRESTADOR: DAE DIVISÃO DE ÁGUA E ESGOTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE ITIRAPINA PRESTADOR: DAE DIVISÃO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail

MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação do requerente Pessoa física. Caixa Postal Município UF CEP DDD Fone Fax E-mail 1 Definição: Retirada de minerais (como areia, argila e etc.) do fundo dos rios com a utilização de dragas, para fins industriais ou de comercialização. Nome CPF Endereço MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO Identificação

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

2º Balanço. Julho - Setembro 2011. Sergipe

2º Balanço. Julho - Setembro 2011. Sergipe 2º Balanço Julho - Setembro 2011 Sergipe Apresentação O programa que mudou o Brasil agora está de cara nova. Mais recursos para continuar construindo a infraestrutura logística e energética e sustentar

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Ministério da Integração Nacional. Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável do Semi- Árido Brasileiro. Fortaleza, 25/04/2008

Ministério da Integração Nacional. Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável do Semi- Árido Brasileiro. Fortaleza, 25/04/2008 Ministério da Integração Nacional Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável do Semi- Árido Brasileiro Fortaleza, 25/04/2008 Missão do Ministério da Integração: Promover o desenvolvimento sustentável

Leia mais

REDUÇÃO TEMPORÁRIA DA VAZÃO MÍNIMA DO RIO SÃO FRANCISCO. PARA 1.100 m³/s A PARTIR DA UHE SOBRADINHO 2º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO

REDUÇÃO TEMPORÁRIA DA VAZÃO MÍNIMA DO RIO SÃO FRANCISCO. PARA 1.100 m³/s A PARTIR DA UHE SOBRADINHO 2º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE CORDEIRÓPOLIS PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CORDEIRÓPOLIS Relatório R2 Não Conformidades Americana,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LEME PRESTADOR: SAECIL SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA CIDADE DE LEME Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não

Leia mais

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Prof. Gilberto Cugler 1 Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues 2 Resumo: O estudo da erosão marginal aqui proposto,

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04

IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 IV-048 - A GESTÃO PARTICIPATIVA DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DURANTE A ESTIAGEM 2003/04 André Pinhel Soares (1) M.Sc. Formado em Engenharia Sanitária pela UERJ, em 1998, concluiu, em 2003, o

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.006.000008/2009-09 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Inquérito Civil Público instaurado

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social O Rio Capibaribe já foi navegável e suas águas limpas serviam para banhos medicinais. Ele serviu de escoamento para

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 1 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Todos os cálculos e detalhamentos estão de acordo com o prescrito nas normas NBR 6118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto -

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO PARA FORMAÇÃO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO R E L A T Ó R I O E N C O N T R O R E G I O N A L Apresentação Objetivo: Informações sobre a legislação dos Recursos Hídricos, sobre

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D

JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D CURRICULUM VITAE JOSÉ ALMEIDA COSTA CREA 3364-D Rua Amazonas, 801, Apt. 901, Pituba Salvador - BA CEP: 41830-380 Tel.: (71) 248-6475 Cel.: (71) 9979-4005 E-mail: costa@jacengenharia.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO DA SILVA Universidade Federal de Sergipe de Sergipe Fundação de Apoio a Pesquisa e Extensão CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOLOGIA SEDIMENTAR E AMBIENTAL APLICADA A AMBIENTES ANTIGOS E RECENTES IVO LÚCIO SANTANA MARCELINO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -GGH GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDAÚLICA - GGH IMPACTOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA,

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS DNOCS 103 ANOS. A SUSTENTABILIDADE DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ONTEM, HOJE E O AMANHÃ 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio

Leia mais

DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS. ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2

DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS. ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2 DINÂMICA DA PAISAGEM NA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO A PARTIR DE IMAGENS LANDSAT E CBERS ALMEIDA, J. A. P. de 1 ; GOMES, L. J. 2 RESUMO: Nos últimos anos, uma série de impactos ambientais tem sido relatados

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Distribuição relativa das águas doces no planeta

Distribuição relativa das águas doces no planeta Água no mundo Distribuição relativa das águas doces no planeta Aquífero do Guarani Aqüífero Guarani é o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios Sustentável Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios intermitentes do semi-árido do Nordeste

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

ITIRAPINA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

ITIRAPINA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ITIRAPINA PRESTADOR: DAE DIVISÃO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R2 Não Conformidades Americana, agosto de 2014 SUMÁRIO 2 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

BACIA e SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO

BACIA e SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO 32 sub-bacias BACIA e SUB-BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO Rio Grande Riacho das Garçasl Riacho do Pontal Riacho Jardim Riacho Grande Riachão Pilão Arcado Rio Verde Rio Jacaré Riacho Riacho da Terra Rio Nova

Leia mais

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA CÓDIGO DO DOCUMENTO BEL-B-GR-DE-GER-000-0001 GERAL - LOCALIZAÇÃO E ACESSOS UHE BELO MONTE PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA GERAL TÍTULO BEL-B-GR-DE-GER-000-0002 BEL-B-GR-DE-GER-000-0003 BEL-B-GR-DE-GER-000-0004

Leia mais