PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL"

Transcrição

1 PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012 BIÊNIO 2013/2014 PETROLINA

2 Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Reitor SEBASTIÃO RILDO FERNANDES DINIZ Comissão de Gestão Ambiental ELIELSON OLIVEIRA DAMASCENA DOUGLAS IURI MEDEIROS CABRAL FLÁVIA KALINE NOGUEIRA NOVAES HERMES SIQUEIRA CAVALCANTE JOSÉ ALCIERMES MARQUES VIANA MÁRCIA VALÉRIA PADILHA DE ARAÚJO SHYRLLEY DAYANNE SOARES POSSIDÔNIO 2

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 INVENTÁRIO DE BENS... 7 INVENTÁRIO DE MATERIAIS DE CONSUMO... 8 MATERIAIS DE CONSUMO... 9 ENERGIA ELÉTRICA ÁGUA E ESGOTO COLETA SELETIVA QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO COMPRAS E CONTRATAÇÕES SUSTENTÁVEIS DESLOCAMENTO DE PESSOAL REFERENCIAS

4 1. INTRODUÇÃO As questões relativas à sustentabilidade assumem neste novo século um papel central na reflexão sobre as dimensões do desenvolvimento. O quadro socioambiental que caracteriza as sociedades contemporâneas revela que o impacto dos humanos sobre o meio ambiente tem tido consequências cada vez mais complexas, tanto em termos quantitativos quanto qualitativos. Uma das finalidades do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, de acordo com o ato N. 1, de 7 de Dezembro de 2009 é: IX - promover a produção, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias sociais, notadamente as voltadas à preservação do meio ambiente. Neste ponto, é importante destacar também os aspectos estratégicos da instituição destacados na missão e visão, quais sejam: MISSÃO: Promover o desenvolvimento regional sustentável, com foco na ciência e na tecnologia, por meio do ensino, pesquisa e extensão, formando pessoas capazes de transformar a sociedade. VISÃO: Ser uma instituição de excelência em todos os níveis e modalidades de ensino, articulados com a pesquisa e extensão, comprometida com a transformação social, fundamentada na ética e na cidadania. Sabendo que os Institutos Federais são espaços de formação de cidadãos conscientes, este plano torna-se uma importante ferramenta para auxiliar no cumprimento da função social e dos aspectos estratégicos desta instituição de ensino. De acordo com o Conama Conselho Nacional do Meio Ambiente, considerando que a 1

5 reciclagem de resíduos deve ser incentivada, facilitada e expandida no país, para reduzir o consumo de matérias-primas, recursos naturais não-renováveis, energia e água. O Conama ainda considera a necessidade de reduzir o crescente impacto ambiental associado à extração, geração, beneficiamento, transporte, tratamento e destinação final de matérias-primas e matérias. Para o Conama, as campanhas de educação ambiental, providas de um sistema de identificação de fácil visualização, de validade nacional e inspirado em formas de codificação já adotadas internacionalmente, são essenciais para efetivarem a coleta seletiva de resíduos, viabilizando a reciclagem de materiais Este plano busca atender às regras estabelecidas na Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012, acerca da Gestão de Logística Sustentável. Tendo em vista o disposto no art. 3º da Lei nº 8.666/93: Art. 3 o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos. (Redação dada pela Lei nº , de 2010) Bem como o disposto no art. 15 do Decreto nº 7.746/12: Art. 15. Compete à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, como órgão central do Sistema de Serviços Gerais SISG, expedir normas complementares sobre critérios e práticas de sustentabilidade, a partir das proposições da CISAP. 2

6 Segundo o Art. 5º, da Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012, os PLS deverão conter, no mínimo: I atualização do inventário de bens e materiais do órgão ou entidade e identificação de similares de menor impacto ambiental para substituição; II práticas de sustentabilidade e de racionalização do uso de materiais e serviços; III responsabilidades, metodologia de implementação e avaliação do plano; e IV ações de divulgação, conscientização e capacitação. Ainda segundo a Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012, no Art. 8º, as práticas de sustentabilidade e racionalização do uso de materiais e serviços deverão abranger, no mínimo, os seguintes temas: I material de consumo compreendendo, pelo menos, papel para impressão, copos descartáveis e cartuchos para impressão; II energia elétrica; III água e esgoto; IV coleta seletiva; V qualidade de vida VI compras e contratações sustentáveis, compreendendo, pelo menos, obras, equipamentos, serviços de vigilância, de limpeza, de telefonia, de processamento de dados, de apoio administrativo e de manutenção predial; e VII deslocamento de pessoal, considerando todos os meios de transporte, com foco na redução de gastos e de emissões de substâncias poluentes. 3

7 O presente plano, além de considerar diversas sugestões da Portaria nº. 651, também apresenta propostas que se apresentam como mais adequadas à realidade do IF-Sertão de Pernambuco. Cabe ressaltar que, o plano não é rígido e nem se encontra em estado final, podendo sofrer alterações ao longo de sua implementação. Cabe nesse ponto ressaltar que, dado ao fato de que alguns campi do IF-Sertão ser bastante jovens - como o Campus Ouricuri e o Campus Salgueiro, se comparados com o Campus Petrolina, por exemplo os dados do diagnóstico acabam por apresentar lacunas, o que não diminui a intenção de inciar uma cultura organizacional voltada para ações sustentáveis, como propõe o presente plano. Em cada seção do plano, são apresentados, caso exista, o diagnóstico da situação atual dos campi do IF-Sertão, as estratégias para o desenvolvimento de ações sustentáveis e indicativos de como serão realizadas as avaliações dessas ações. 4

8 1.1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Este plano visa desenvolver e estabelecer práticas de logística sustentável e racionalização de gastos nos campi do IF-Sertão de Pernambuco, quais sejam: a) Reitoria; b) Campus Petrolina; c) Campus Petrolina Zona Rural; d) Campus Floresta e) Campus Salgueiro f) Campus Ouricuri. O plano visa estabelecer ações que sensibilizem o envolvam tanto o público interno quanto externo da instituição Objetivos Específicos: a) Desenvolver um diagnóstico cuidadoso e de longo prazo quanto às atividades relativas a gastos, utilização e descarte de materiais na instituição; b) Desenvolver um ferramentas de melhor utilização de material de consumo compreendendo, pelo menos, papel para impressão, copos descartáveis e cartuchos para impressão; c) Realizar diagnóstico quanto aos gastos com energia elétrica e estabelecer meta de redução de gastos e meios para alcançar tal intento; d) Realizar diagnóstico quanto aos gastos com água e esgoto e estabelecer meta de redução de gastos e meios para alcançar tal intento; e) Desenvolver e implementar plano básico de coleta seletiva; f) Desenvolver e implementar plano qualidade de vida para os servidores, de modo que sejam contempladas ações relacionadas à saúde ambiental; g) Desenvolver ações relacionadas a compras e contratações sustentáveis, compreendendo, pelo menos, obras, equipamentos, serviços de vigilância, de limpeza, de telefonia, de processamento de dados, de apoio administrativo e de manutenção predial; e h) Desenvolver ações relacionadas ao deslocamento de pessoal, considerando todos os meios de transporte, com foco na redução de gastos e de emissões de substâncias poluentes. 5

9 1.2 METODOLOGIA A metodologia holística e inicial do primeiro plano de logística sustentável consiste no desenvolvimento de uma Macrocampanha de Sensibilização e Concientização Ambiental com o intuito de atingir os diversos objetivos propostos pela Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012, bem como os dispostos nesse plano, explicita-se abaixo ações relativas à uma proposta de campanha de sensibilização e conscientização Público-alvo: Servidores e discentes da Reitoria e de todos os campi do IF-Sertão Meios: A macrocampanha deve ser divulgada na intranet, no web site e nas redes sociais do instituto. A ideia é realizar uma campanha virtual que não utilize papel e que atinja de maneira direta e pessoal o público de interesse. Tendo em vista que a PLS trata de aspectos distintos, a campanha deve ser dividida e trabalhada sob um método paulatino de divulgação para que possa ser internalizada pelo público. O objetivo é dividir a macrocampanha em campanhas menores com temas específicos, por exemplo: 1. Realizar campanhas de sensibilização para redução do consumo de papel. 2. Realizar campanhas de sensibilização para conscientizar os servidores a reduzirem o consumo de copos descartáveis. 3. Promover campanhas de conscientização do uso de energia; 4. Promover campanhas de conscientização para o não desperdício da água; 5. Realizar campanhas de sensibilização com público interno e externo acerca da coleta seletiva. 6

10 2. INVENTÁRIO DE BENS O inventário de bens, detalhado na IN SLTI nº 10, contempla materiais e bens permanentes. O seu objetivo é a identificação de possíveis substituições por bens sustentáveis. O inventário de bens do Plano de Gestão de Logística Sustentável, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Do Sertão Pernambucano, da Reitoria e de todos os Campi, encontra-se disponível em anexo. O inventário foi atualizado no presente ano de 2013 e poderá ser utilizado para análises de compras, principalmente dos bens que estejam diretamente relacionados a questões de sustentabilidade. Os inventários de bens de todos os campi e da reitoria encontram-se em CD anexo ao plano. 7

11 3. INVENTÁRIO DE MATERIAIS DE CONSUMO O inventário de materiais é composto pela lista dos materiais de consumo para uso nas atividades administrativas, adquiridos pela empresa no período de um ano, com identificação de similares de menor impacto ambiental para substituição. Estão anexos ao plano os inventários de materiais de consumo dos campi Ouricuri e Salgueiro. Os inventários dos outros campi ainda estão em fase de finalização ou atualização e serão anexados futuramente ao plano. 8

12 4. MATERIAIS DE CONSUMO Com relação ao material de consumo, foi realizado um diagnóstico relativo aos valores gastos por cada campus. 4.1 PAPEL Com relação aos gastos com papel A4 (valores em reais): CAMPUS (PREVISÃO) REITORIA 5.980, , ,00 PETROLINA , , , ,00 ZONA RURAL ,00 0,00 0, ,00 SALGUEIRO 3.234, , ,00 FLORESTA 8.970, , ,48 OURICURI 3.887, , Objetivo Reduzir o consumo de papel Estratégias para a Redução do Consumo de Papel 1. Dar preferência ao uso de mensagens eletrônicas ( ) na comunicação evitando o uso do papel; 2. Substituir o uso de documento impresso por documento digital; 3. Imprimir apenas se necessário; 4. Revisar os documentos antes de imprimir; 9

13 5. Controlar o consumo de papel para impressão e cópias; 6. Programar manutenção ou substituição das impressoras, em razão de eficiência; 7. Imprimir documentos no modo frente e verso; 8. Reaproveitar o papel impresso em apenas um lado, para a confecção de blocos de rascunho; 9. Utilizar papel reciclado ou papel branco produzido sem uso de substâncias cloradas nocivas ao meio ambiente; e 10. Realizar campanhas de sensibilização para redução do consumo de papel Avaliação da Redução do Consumo de Papel A avaliação quanto ao uso de papel será realizada de forma contínua, semestralmente, de modo que seja criado um banco de dados para identificar gastos, sazonalidades, setores que mais usam papéis e maneiras de reduzir o uso de papel. O gestor de cada setor, deverá informar, a cada seis meses, a quantidade de papel que foi utilizada. 10

14 4.2 COPOS DESCARTÁVEIS Com relação aos gastos com copos descartáveis 200 ml (valores em reais): CAMPUS (PREVISÃO) REITORIA 43, ,00 855,00 PETROLINA 2.855, , , ,00 ZONA RURAL 6.940, ,00 SALGUEIRO 260,00 FLORESTA 175,20 42, , ,00 OURICURI 143, Objetivo Reduzir o gasto com copos descartáveis Estratégias para a Redução de Consumo de Copos Descartáveis 1. Dar preferência para os copos produzidos com materiais que propiciem a reutilização ou a reciclagem com vistas a minimizar impactos ambientais adversos; 2. Realizar campanhas de sensibilização para conscientizar os servidores a reduzirem o consumo de copos descartáveis; 3. Criar uma campanha para que todos os servidores utilizem canecas pessoais para ingerir água e café Avaliação da Redução de Consumo de Copos Descartáveis As avaliações quanto ao uso de copos descartáveis serão realizadas de forma contínua, semestralmente, de modo que seja criado um banco de dados para identificar gastos, sazonalidades, setores que mais usam copos e maneiras de reduzir o consumo. O gestor de cada setor, deverá informar, a cada seis meses, a quantidade de copos que foi utilizada. 11

15 4.3 CARTUCHOS PARA IMPRESSÃO A recarga dos cartuchos vazios que estão sendo utilizados em todo o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano IF Sertão-PE, e que podem perfeitamente ser reaproveitados pelo processo de recarga e remanufatura. Como definição da remanufatura, toma-se: desmonte total e limpeza do cartucho; troca da wiper blade (vareta de limpeza) e de todos os componentes desgastados, incluindo-se o cilindro; substituição do chip, quando o equipamento utilizar-se deste componente; recarga de toner ou tinta, de alto rendimento, na cor equivalente ao cartucho e na quantidade máxima permitida para o mesmo, observando-se os aspectos de qualidade recomendados pela ABRECI (Associação Brasileira de Recondicionadores de Cartuchos para Impressoras) e aposição da marca identificadora da empresa recondicionadora. Algumas estratégias: 1. Dar preferência à utilização de impressão com estilo de fonte de texto capaz de economizar tinta ou toner. 2. Analisar e optar por contratar serviços de recarga que sejam de menor custo e mais sustentáveis; 3. Desenvolver a cultura de revisão de documentos antes de realizar as impressões; 12

16 5. ENERGIA ELÉTRICA Com relação ao energia elétrica, foi realizado um diagnóstico na reitoria e nos campi do IF- Sertão e foram disponibilizadas informações acerca dos gastos (em Kwh) no ano de Objetivo IF-Sertão. O intuito inicial é reduzir em, pelo menos, 10% o uso de energia elétrica de cada campi do CAMPUS 2012 (Kwh) 10% 2013 REITORIA ,5 589,5 PETROLINA , ZONA RURAL , ,9 SALGUEIRO FLORESTA OURICURI , ,4 5.2 Estratégias para Redução do Consumo de Energia Elétrica 1. Propostas de campanha de sensibilização dos servidores; 2. Aproveitar iluminação natural durante o dia; 3. Reestruturar os horários de uso do ar condicionado, ligando-os às 09:00 da manhã, desligando antes da saída do setor para o horário de almoço, e desligando-os com uma hora de antecedência antes da saída dos servidores; 4. Ver com o setor de compras a possibilidade de, ao longo dos tempos, substituir os atuais ar 13

17 condicionados que não sejam classificados como A, por esse tipo de classificação de produto; 5. Ver como funciona a manutenção dos aparelhos; 6. Desligar luzes e monitores ao se ausentar do ambiente; 7. Fechar as portas e janelas quando ligar o ar condicionado; 8. Aproveitar as condições naturais do ambiente de trabalho ventilação, iluminação natural; 9. Desligar alguns elevadores nos horários de menor movimento; 10. Revisar o contrato visando à racionalização em razão da real demanda de energia elétrica do órgão ou entidade; 11. Dar preferência, quando da substituição, a aparelhos de ar-condicionado mais modernos e eficientes, visando reduzir o consumo de energia; 12. Minimizar o consumo de energia reativa excedente e/ou demanda reativa excedente, visando reduzir a quantidade de reatores ou adquirindo um banco de capacitores; 13. Utilizar, quando possível, sensores de presença em locais de trânsito de pessoas; e 14. Reduzir a quantidade de lâmpadas, estabelecendo um padrão por m² e estudando a viabilidade de se trocar as calhas embutidas por calhas "invertidas". 5.3 Avaliação das Ações para Reduzir o Consumo de Energia Elétrica A avaliação será realizada mensalmente, observando os Kwh consumidos por cada campus e analisando se as ações adotadas estão adequadas ou necessitam de ajustem para que o objetivo seja alcançado. 5.4 TI Verde A TI Verde é uma prática sustentável de produção, gerenciamento e descarte dos equipamentos eletrônicos, bem como economia de energia elétrica. A autora Laura (2009) considera que a TI Verde como sendo um produto, solução de serviço ou prática que pode melhorar a eficiência energética, reduzir o impacto ambiental, e contribuir para o desenvolvimento sustentável. 14

18 Fica notário o consumo excessivo de equipamentos cada vez mais atraente e equipamentos com uma variação enorme de funções. A TI Verde procura racionalizar os recursos utilizados pelos sistemas computacionais, para se der um exemplo os datacenters consomem em torno de 1% da energia gerada pelo planeta, grande parte desse valor é de serviços e a outra de ar condicionado para controlar o ambiente onde eles estão. Grandes empresas de tecnologia estão adotando maneiras eficientes de economia de energia, trocando os equipamentos antes consumidores excessivos para aparelhos que consomem pouca energia. O site especializado em tecnologia Cnet" lembra que a indústria vem tentando melhorar a eficiência dos servidores desde 2001, pelo menos. Já é possível encontrar no mercado soluções, por exemplo, como processadores que gastam menos energia que uma lâmpada comum. O Instituto visando a redução dos custos de energia, com o aumento da eficiência computacional prevê a aquisição de equipamentos de Processamento de Dados que incluam certificações pró TI Verdes, como a Energy Star e a RoHS. O certificado Energy Star confere um padrão internacional para o consumo eficiente de energia originado nos Estados Unidos. Ele foi criado pelo governo norte americano no início da década de 90, mas outros países como Austrália, Canadá, Japão, Nova Zelândia, Taiwan e a União Europeia também adotaram o programa. RoHS (Restriction of Certain Hazardous Substances, Restrição de Certas Substâncias Perigosas) é uma diretiva europeia que entrou em vigor no dia 1º de Julho de 2006, que proíbe que certas substâncias perigosas sejam usadas em processos de fabricação de produtos: cádmio (Cd), mercúrio (Hg), cromo hexavalente (Cr(VI)), bifenilos polibromados (PBBs), éteres difenilpolibromados (PBDEs) e chumbo (Pb). Além de adotar padrões para de aquisição, também devem ser realizados planejamentos e revisões quanto a estrutura do CPD ou Datacenters do Instituto. Quanto a servidores, os que possuem o selo ENERGY STAR tem, em média, 30 por cento mais eficiência em termos energéticos do que os servidores padrão. Se todos os servidores vendidos nos Estados Unidos atender a essa nova especificação, redução de custos de energia se aproximaria 15

19 de 800 milhões dólares por ano e evitar a emissão de gases de efeito estufa equivalentes às de mais de um milhão de veículos. Os centros de dados apoiar todos os setores da economia, incluindo serviços financeiros, mídia, academia, indústria e governo, para citar alguns. Dados casa centros de TI equipamentos utilizados para processamento de dados, armazenamento de dados e redes de comunicação. Estas operações são essenciais para auxiliar os processos de negócios, gerenciamento de informações e funções de comunicação. De acordo com o relatório da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) (para o Congresso, os centros de dados serão responsáveis por cerca de 3% do consumo total de eletricidade dos EUA até Servidores estão no centro de operações de datacenter e, portanto, contribuir grandemente para esse consumo em geral. A implantação de mais servidores com eficiência energética pode ser uma estratégia importante para reduzir centro de dados de consumo total de energia. Apenas rack e servidores pedestal projetado para ser usado no ambiente corporativo e contendo quatro soquetes de processadores ou menos são elegíveis para qualificação ENERGY STAR. Servidores de computador padrão pode consumir entre kwh anualmente. Empresas que servidores qualificados ENERGY STAR compra poderia salvar tanto quanto mil kwh por servidor. Ao longo da vida de cinco anos, as empresas poderiam economizar até US $ 500 para cada servidor que instalar. Ao escolher ENERGY STAR e tomar medidas para otimizar a utilização de servidores de seu computador, você está ajudando a combater o aquecimento global e promover um ar mais limpo, melhorando a eficiência global do centro de dados Proposta de Virtualização de Servidores: A servidor virtual é uma implementação de um servidor que executa programas como um servidor real software. Virtualização é um método de execução de vários servidores independentes em um único servidor físico. Em vez de operar muitos servidores com baixa 16

20 utilização, a virtualização combina o poder de processamento em menos servidores que operam a maior utilização. A virtualização pode reduzir drasticamente o número de servidores de um centro de dados, reduzindo assim o consumo de eletricidade e de calor e, consequentemente, o tamanho do equipamento de arrefecimento necessário. Alguns investimentos em software e hardware podem ser necessárias para implementar a virtualização, mas geralmente é modesto em comparação com as economias obtidas. Com servidores de hoje, as taxas de consolidação no intervalo 10:01-15:01 pode ser conseguido sem pôr em tensão os recursos do servidor Possibilidade de Redução de Gastos: A virtualização pode reduzir os gastos de energia do data center em 10% -40%. 1 De um modo geral, a virtualização permite que você se aposentar servidores e / ou adiar a compra de novos servidores. Diminuir o número de servidores físicos faz mais do que reduzir o consumo geral de energia dos servidores, mas também tem um efeito cascata positivo por todo o centro de dados. A consolidação de servidores pode resultar em redução da carga de refrigeração (a energia usada para remover o calor do centro de dados) e mais tempo de atividade, quando o centro de dados está sendo executado na fonte de alimentação ininterrupta (UPS) ou gerador de energia. Além disso, ter menos servidores requer menos interconexões, o que reduz os custos de manutenção e configuração. O resultado é melhor os níveis de serviço e maior eficiência de energia em todo o centro de dados. 2 A virtualização também melhora a escalabilidade, reduz o tempo de inatividade, e permite implementações mais rápidas. Além disso, ele acelera os esforços de recuperação de desastres, porque servidores virtuais podem reiniciar aplicações muito mais rapidamente do que os servidores físicos. Com a virtualização, você pode mover sistemas inteiros em apenas alguns segundos. Você também pode mover-se de um sistema a partir de um servidor físico para outro para otimizar cargas de trabalho, ou você pode mover-se em torno de servidores para manutenção, sem causar tempo de inatividade. Algumas soluções de virtualização 17

21 também tem embutido recursos de resiliência, tais como alta disponibilidade, balanceamento de carga e failover. BC Hydro estima um retorno de cerca de dois anos puramente baseado em economia de energia de TI 3. Calculadora de retorno sobre o investimento da VM Ware lista um retorno padrão de 2 anos com a economia de energia de TI Possíveis Custos: Os custos do trabalho para: a realização de um inventário completo e consulta de todos os potenciais interessados, migração de aplicações e remoção de servidores antigos e implantação de novos servidores (se necessário). Novos servidores (se necessário). Embora a virtualização pode trabalhar com seu hardware existente, muitas vezes você alcançar os melhores resultados, implementando-o com os servidores novos, eficientes em termos energéticos. O software de virtualização. Nota: algumas empresas de serviços públicos oferecem descontos para consumo reduzido de energia, o que poderia ajudar a compensar os custos de projetos de virtualização. Fale com o seu representante utilitário durante a fase de planejamento para entender o que os incentivos financeiros estão disponíveis para você. Custos de disposição final de vida para os sistemas que não são reaproveitado. 18

22 6. ÁGUA E ESGOTO Com relação ao gasto com água e esgoto, foi realizado um diagnóstico na reitoria e nos campi do IF-Sertão e foram disponibilizadas informações acerca do consumo (em m³) no ano de Objetivo O intuito inicial é reduzir em, pelo menos, 5% o uso de água de cada campi do IF-Sertão. CAMPUS 2012 (m³) 5% 2013 REITORIA ,6 543,4 PETROLINA ZONA RURAL SALGUEIRO , ,75 FLORESTA OURICURI , , Estratégias para a Redução do Consumo de Água 1. Realizar levantamento e monitorar, periodicamente, a situação das instalações hidráulicas e propor alterações necessárias para redução do consumo; 2. Monitorar o uso da água; 3. Promover campanhas de conscientização para o não desperdício da água; 4. Dar preferência a sistema de medição individualizado de consumo de água; 5. Dar preferência a sistema de reuso de água e de tratamento dos efluentes gerados; 6. Analisar a viabilidade do aproveitamento da água de chuva, poços artesianos; 19

23 7. Criar rotinas acerca da periodicidade de irrigação de jardins, de forma a estipular períodos padronizados para esta atividade em cada época do ano; 8. Dar preferência ao uso de descargas e torneiras mais eficientes; e (setor de compras) 9. Dar preferência à lavagem ecológica. 6.3 Avaliação das Ações para Reduzir o Consumo de Energia Elétrica A avaliação será realizada mensalmente, observando os m³ consumidos por cada campus e analisando se as ações adotadas estão adequadas ou necessitam de ajustem para que o objetivo seja alcançado. 20

24 7. COLETA SELETIVA Nos campi do IF-Sertão não existe um programa bem desenvolvido de coleta seletiva, fazendo-se necessária uma adequação ao decreto 5940 de 25 de outubro de 2006, que versa sobre questões de sustentabilidade em Instituições de Ensino. Importante também para a geração de renda e desenvolvimento social da comunidade onde os campi estão instalados. A importância da implementação da coleta seletiva reside também no exemplo que uma instituição de educação deve dar à sociedade. 7.1 Objetivos Os objetivos destacados na Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012 são: 1. Promover a implantação da coleta seletiva observada a Resolução do CONAMA nº 275 de 25 de abril de 2001, ou outra legislação que a substituir; 2. Promover a destinação sustentável dos resíduos coletados; e 3. Implantar a coleta seletiva solidária nos termos do Decreto nº de 25 de outubro de 2006, ou outra legislação que a substituir. São destacados ainda, como objetivos deste plano: 1. Promover espaços de reflexão entre servidores, alunos e a sociedade, acerca da temática de sustentabilidade e meio ambiente. 2. Estabelecer parcerias com órgãos públicos e/ou ONGs para que, pelo menos, 50 % do material coletado, tenha destinação adequada. 3. Promover a geração de renda e o desenvolvimento social da comunidade do entorno ao IF em seus diferentes campi. 21

25 7.2 Metodologia O trabalho consistirá em um conjunto de atividades pedagógicas a serem desenvolvidas com os servidores e com alunos dos campi do IF-Sertão durante o ano de As ações serão iniciadas com reuniões de sensibilização para debates sobre a origem e os tipos de lixo, sua permanência no meio ambiente e as consequências do tratamento dado ao lixo na qualidade de vida. Inicialmente serão produzidos panfletos virtuais contendo informações sobre a importância da coleta seletiva de lixo. Os panfletos serão endereçados para os servidores e alunos via intranet, site do instituto e páginas do instituto nas redes sociais. Em seguida, serão articuladas conversas nas salas de aulas dos campi conscientizar o discentes acerca da importante da participação deles para a realização e sucesso do plano. Paralelamente à sensibilização, serão realizadas ações de coleta do lixo depositado no campi. Serão adquiridos coletores coloridos e elaborados banners que serão dispostos junto aos coletores alertando acerca do uso estabelecido pelo Conama. Também serão adquiridos Papa pilhas e baterias e Papa Lâmpadas Fluorescentes, para que os alunos possam trazer esses resíduos para que sejam devidamente descartados. 7.3 Estratégia 1. Aquisição de grupos de lixeiras, identificadas por cores, observando as orientações da RESOLUÇÃO CONAMA nº 275, de 25 de abril de 2001, que estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificarão de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva, quais sejam: AZUL: papel/papelão; VERMELHO: plástico; VERDE: vidro; AMARELO: metal; PRETO: madeira; LARANJA: resíduos perigosos; BRANCO: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde; ROXO: resíduos radioativos; MARROM: resíduos orgânicos; CINZA: resíduo geral não reciclável ou misturado, ou contaminado não passível de separação. 2. Aquisição de papa pilhas para os campi; 22

26 3. Aquisição de papa lâmpadas fluorescentes para os campi; 4. Articular parcerias com as prefeituras para providenciar a destinação adequada dos resíduos recolhidos; 5. Articular parcerias com associações de reciclagens, quando houver, em cada cidade; 6. Promover Campanhas socioeducativas com servidores, alunos e a sociedade, sistematizadas no calendário acadêmico; 7. Trabalhar Interdisciplinaridade em sala de aula; 8. Buscar formas de integração da comunidade nas atividades do IF-Sertão. 7.4 Riscos Falta de uma rede pública/privada, capaz de dar suporte nessa área. Não adesão da comunidade interna e externa ao projeto por parte dos atores envolvidos. 7.5 Proposta de Cronograma Atividades Meses Out Nov Dez Jan Fev Mar Aquisição de Coletores X Reuniões de Sensibilização com Funcionários X X Produção de Panfletos Virtuais X X X Realização de Palestras nos Campi X X Início de Controle de Coleta X X Avaliação do Plano de Coleta X X 23

27 8. QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO 8.1 PROGRAMAS DE SAÚDE E BEM-ESTAR Nos dias de hoje, o que mais as pessoas falam é como a vida está cada dia mais corrida. Para alguns, trata-se de um sinal de importância, como se, sem eles nada acontecesse. Dessa forma vão se deixando infectar por um mal silencioso o estresse. Mas o que é o estresse? Na medicina ainda não há uma definição para o mesmo, segundo o dicionário é um conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras capazes de perturbar a homeostase (equilíbrio). Nos últimos anos, muitos estudos investigaram a relação ente o estresse relacionado com o trabalho e uma serie de doenças. Variações de humor e alterações de sono, problemas gastrointestinais, dores de cabeça e mudança de comportamento em família e entre amigos são exemplos de problemas relacionados com o estresse que evoluem rapidamente. Há indícios cada vez mais numerosos de que o estresse tem papel importante em diversos problemas crônicos de saúde principalmente nas doenças cardiovasculares, nas afecções musculoesquelétricas e nas alterações psicológicas. Em cada 10 profissionais brasileiros estão passando por uma preocupante mudança de comportamento causada pelo estresse crônico no trabalho. Eles não faltam ao serviço, mas passam a encarar as tarefas e os colegas com frieza e distanciamento. O estresse é uma das causas diretas da doença psicológica e fisiológica mais comum e mais letal que atinge a humanidade. Os especialistas em saúde mental acreditam que 10% da força de trabalho sofrem de depressão ou altos níveis de estresse que acabarão afetando o desempenho. A Qualidade de vida no trabalho é um conceito e uma filosofia que visam a melhorar a vida dos trabalhadores dentro das instituições; é uma percepção de bem-estar quanto às expectativas de satisfação das necessidades e do estado de motivação e pode ser levada e mantida nas instituições desde que existam atividades específicas que gerem o bem-estar físico e mental e o desenvolvimento das pessoas durante o trabalho. A qualidade de vida no trabalho tem repercussões 24

28 importantes na qualidade de vida emocional e no equilíbrio sócio emocional e afetivo que podem afetar o estresse e levar a uma série de enfermidades. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sertão Pernambucano, atento a necessidade de promoção da saúde do servidor e melhoria da qualidade de vida no trabalho, vem, por meio do Departamento de Gestão de Pessoas e da Coordenação de Assistência a Saúde do Servidor CASS, implantar o projeto Qualidade de Vida e saúde Mental do Servidor, objetivando o bem-estar e integração dos servidores Justificativa No ambiente de trabalho, espera-se que os empregados produzam mais qualidade e mais trabalho em menos tempo e empregando menos recursos. A vida nas últimas décadas acelerou e vem impondo pressões cada vez maiores aos indivíduos. As consequências dessas pressões sobre a saúde estão tornando-se cada vez mais relevantes. Promover a saúde no local de trabalho possibilita a redução do estresse ocupacional e seu objetivo é exercer influência sobre os fatores que promovam a saúde do trabalhador. Em razão da globalização, os mercados de trabalho estão cada vez mais competitivos; as empresas estão percebendo que precisam inovar mais, serem criativos e os trabalhadores estão mais instruídos. Vivemos em uma época em que, está cada vez mais difícil separar a vida profissional da vida pessoal; um grande número de pessoas vivem sozinhas, portanto, o local de trabalho é um lugar também para interagir, fazer uso de suas habilidades, fazendo um trabalho que dê significado a sua vida. Em entrevista, durante o Fórum de Saúde Mental realizado em Brasília, em agosto do corrente ano, o Coordenador-geral de Seguridade Social do Ministério do Planejamento, Sérgio Carneiro, disse: Nós estamos falando do sofrimento na relação com o trabalho. O adoecimento tem causas que são do ponto de vista individual, mas tem algo no processo de adoecimento que é produzido coletivamente. E como a gente passa a maior parte do tempo no trabalho, ele pode ser ao mesmo tempo ser gerador de sofrimento e ele pode ser gerador de prazer. 25

29 Portanto é imprescindível o desenvolvimento de ações que promovam a saúde física e mental do servidor, buscando produzir mudanças de vida na direção da melhoria da qualidade de vida. As ações deverão serem estendidas para todos os campus que compõe o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sertão Pernambucano Objetivo Geral Estimular os servidores a construírem uma vida mais saudável, tanto no ambiente de trabalho, familiar e social, possibilitando tomarem consciência de suas práticas cotidianas e viabilizando uma busca pelo equilíbrio de todos os fatores que influenciam sua saúde física e mental Objetivos Específicos 1. Promover a saúde no local de trabalho; 2. Estabelecer uma maior integração entre os servidores; 3. Diminuir consideravelmente o nível de estresse dentro da Instituição; 4. Proporcionar bem-estar físico e mental a todos os servidores; 5. Viabilizar o equilíbrio dos fatores que influenciam a Saúde Mental Ações 1. Coração Saudável As doenças cardiovasculares coronarianas, dislipidemias, hipertensão, obesidade e diabetes mellitus formam um conjunto de morbidades, geralmente associados entre si, constituindo-se em graves problemas de Saúde Pública. As doenças cardiovasculares constituíram, sem dúvida, a maior de todas as endemias do século XX nos países ocidentais desenvolvidos, sendo até considerado epidemia progressiva o aumento da incidência do infarto agudo do miocárdio nesses países. Devido à importância deste tema, 26

30 dada à crescente participação deste indicador de mortalidade na estatística vital, foi proposto o Projeto Coração Saudável com o intuito de promover a prevenção e uma melhor qualidade de vida a todos os servidores desta instituição. 2. Esportes (voleibol, futsal, basquete, natação, atletismo, etc) a interação mente - corpo está sendo cada vez mais alvo de interesse por parte não apenas dos médicos e dos atletas profissionais, mas da população em geral e das empresas. Uma onda de práticas esportivas, envolvendo mais e mais pessoas está motivando profissionais da área de saúde a focarem sua atenção na estreita relação que existe entre o exercício físico e o bem estar emocional. As empresas estão também se mobilizando para proporcionar aos empregados momentos de lazer em que se incluam exercícios físicos, apostando em um retorno positivo em termos de produtividade e de integração com os funcionários; 3. Canto cantar não é apenas uma das formas mais antigas de expressão do ser humano, como também pode curar males, garantem os médicos, que recomendam sua prática com regularidade, Segundo Gertraud Berka-Schmid Cantar é a respiração estruturada e ainda segundo ela, essa respiração fornece ar adicional aos alvéolos pulmonares, impulsiona a circulação sanguínea e pode melhora a concentração e a memória. Cantar gera a harmonia psíquica e reforça o sistema imunológico, importantes frente a problemas tão frequentes hoje, como transtornos do sono, doenças circulatórias e a síndrome de burnout - a exaustão emocional; 4. Ginástica Laboral de acordo com Fontes (2001) a ginástica labora é uma atividade física diária, realizada no local de trabalho, incluindo exercícios de compensação para movimentos repetitivos, para ausência e para posturas incorretas no local de trabalho. Consiste em exercícios de alongamentos e relaxamento muscular; 5. Orientação para uma alimentação saudável Sabemos o que realmente estamos comendo hoje? O que vemos é uma importância exagerada dos aspectos quantitativos e de 27

31 conteúdos de calorias nas dietas. Uma boa alimentação é peça fundamental para um bom desenvolvimento físico, uma vez que nosso corpo precisa de nutrientes adequados para funcionar e produzir novos tecidos e reparo das células já existentes. 6. Semana da Saúde comemoração do Dia Internacional de Saúde com uma semana de atividades em todos os campi, com palestras e orientações sobre alimentação saudável, a prática de exercícios e avaliação física Metodologia 1. Coração Saudável Realizar exames de CT, glicemia e aferição da pressão arterial; Perfil antropométrico (peso, altura, relação cintura/quadril, % de gordura); Campanhas de prevenção; Orientação nutricional para servidores e terceirizados; Entrega de folhetos educativos; Apresentação de café da manhã saudável - Auxiliares de Enfermagem, Médicos e Nutricionista. 2. Esportes Professores de Educação Física, funcionários do IF Sertão Pernambucano. 3. Canto professor de Artes funcionário do IF Sertão Pernambucano 4. Ginástica Laboral professores de Educação Física do IF Sertão Pernambucano 5. Orientação para uma alimentação saudável nutricionista professora no curso de Tecnologia em Alimentos Verônica Nicário Plácido. 6. Semana da saúde - será realizada no mês de abril de 2012 com diversas ações: avaliação física com orientação para a prática de exercícios realizado pelos professores de Educação Física, orientação para uma alimentação saudável com a nutricionista Verônica que deverá ir nos campi, um dia em cada um e o projeto coração saudável com a aferição da pressão arterial, etc. (Pretender fazer uma parceria com curso de auxiliar de enfermagem para realização dos exames previsto no projeto). 28

32 8.1.6 Proposta de Cronograma 1. Coração Saudável a cada 6 meses. 2. Esportes duas vezes por semana. 3. Canto Uma vez por semana em dia marcado pelo professor posteriormente. 4. Ginástica Laboral duas vezes por semana em dia marcado pelo professor. 5. Alimentação Saudável Atendimento individual, marcar com antecedência e palestra em todos os campi sobre alimentação saudável. 6. Diária e transporte para a viagem até o campi da nutricionista e a coordenação de Assistência à Saúde do Servidor. 8.2 CURSO DE CAPACITAÇÃO Além dos programas relativos à QVT apresentados acima, o programa de capacitações do IF-Sertão, inclui o seguinte curso: CC- 006 A responsabilidade socioambiental no serviço público entendendo conceitos e práticas. Com carga horária de 24 h/a, que visa contribuir com o entendimento das teorias e práticas da sustentabilidade e responsabilidade socioambiental, potencializando a atuação individual e corporativa dos participantes. Investigar e provocar tal prática, contribuindo para a formação de novos agentes de transformação. 29

33 9. COMPRAS E CONTRATAÇÕES SUSTENTÁVEIS Em 2002, na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, quando se fez um balanço da Rio 92, foi aprovado o Plano de Johanesburgo, que propôs a elaboração de um conjunto de programas, com duração de dez anos, para apoiar e fortalecer iniciativas regionais e nacionais para promoção de mudanças nos padrões de consumo e produção. Desse modo, o Processo de Marrakesh, foi concebido para dar aplicabilidade e expressão concreta ao conceito de Produção e Consumo Sustentáveis (PCS). O setor de compras do IF-Sertão Pernambucano realiza as compras de forma centralizada, embora o planejamento das necessidades sejam feitos de maneira descentralizada por cada campi. Em face da implementação de contratações públicas sustentáveis, convém destacar que se faz necessário a observação das iniciativas publicadas na Instrução Normativa nº 01, de 19 de janeiro de 2010 que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços ou obras pela Administração Pública Federal, direta autárquica e fundacional e dá outras providências. As indicações, para o setor de compras e contratações, destacadas na Instrução Normativa N. 10, de 12 de Novembro de 2012 são: 1. Dar preferência, quando possível, à aquisição de bens reciclados ou recicláveis; 2. Dar preferência à utilização de impressoras que imprimam em frente e verso; 3. Incluir no contrato de reprografia a opção de impressão dos documentos em frente e verso; 4. Dar preferência, quando possível, à aquisição de papéis reciclados, isentos de cloro elementar ou branqueados a base de oxigênio, peróxido de hidrogênio e ozônio; 5. Incluir nos contratos de copeiragem e serviço de limpeza a adoção de procedimentos que promovam o uso racional dos recursos e utilizem produtos reciclados, reutilizados e biodegradáveis; 30

34 6. Exigir comprovação de origem das madeiras quando da aquisição de bens e na contratação de obras e serviços; 7. Priorizar, quando possível, o emprego de mão de obra, materiais, tecnologias e matériasprimas de origem local; 8. Revisar o contrato de limpeza visando à racionalização em razão do real dimensionamento da área objeto do serviço contratado; 9. Utilizar, quando possível, software de comunicação eletrônica para o envio de mensagens instantâneas (instant text messaging) ou para a transmissão de voz (Voice over Internet Protocol VoIP); 10. Adotar, quando possível, uma rede de comunicações telefônicas, entre unidades de um mesmo órgão ou entidade; 11. Revisar normas internas e os contratos de telefonia fixa e móvel visando a racionalização em relação ao limite de custeio, à distribuição de aparelhos e ao uso particular dos aparelhos; 12. Revisar o contrato de telefonia fixa e móvel visando à adequação do plano contratado com a real necessidade do órgão ou entidade; 13. Adotar segurança eletrônica, sempre que possível, nos pontos de acesso dos edifícios dos órgãos ou entidades, visando auxiliar a prestação do serviço de vigilância; 14. Revisar normas internas e os contratos de vigilância visando o real dimensionamento dos postos de trabalho; 15. Substituir, se possível, a segurança armada por desarmada, nos locais internos do órgão ou entidade; e 16. Fomentar compras compartilhadas. Além dessas indicações, o setor ainda propõe como ações para realizar compras e contratações sustentáveis as seguintes ações: 1. Exigir da empresa contratada que treine os servidores terceirizado da limpeza com relação à coleta sustentável; 2. Adquirir equipamentos de climatização mecânica, ou de novas tecnologias de resfriamento 31

35 do ar, que utilizem energia elétrica, apenas nos ambientes onde for indispensável; 3. Adquirir, exclusivamente, lâmpadas fluorescentes compactas ou tubulares de alto rendimento e de luminárias eficientes; 4. Adotar, preferencialmente e sempre que couber, as medidas sugeridas pelo PES Projeto Esplanada Sustentável, concernente a realização de compras no âmbito da Administração Pública, valendo-se do Manual de Boas Práticas do Serviço Público, como subsídio de orientação de práticas sustentáveis a serem adotadas nos procedimentos licitatórios; 5. Promover ações em conjunto com os CDL's locais/regionais que possibilitem um processo de conscientização visando a instrução das empresas para a viabilidade de participação nos processos licitatórios, principalmente no que tange a adesão ao Sistema Compras Net, como forma de busca da ampliação da competitividade de fornecedores também do âmbito local/regional, propiciando assim a possível obtenção de redução nas contratações de bens e serviços; 6. Adquirir, preferencialmente, e de acordo com a demanda sugerida, equipamentos que indiquem maior economicidade quanto ao consumo de energia, tomando como base a classificação Procel, através do Inmetro. 32

36 10. DESLOCAMENTO DE PESSOAL O deslocamento de pessoal abrange todos os mecanismos utilizados pela organização para proporcionar a movimentação física e externa do seu corpo funcional via meios de transportes, tendo como foco a redução de recursos orçamentários e de emissão de substâncias poluentes. Por conta da estrutura descentralizada dos campi do IF-Sertão, existe a necessidade de deslocamento constante entre os servidores. Com relação ao deslocamento de pessoal, propõe-se criar maneira de convergência de viagens, de forma que os carros possam ser melhor aproveitados durante os deslocamentos Objetivo Buscar a convergência de viagens intracampi por meio de um sistema de informações do setor de transportes Estratégia Propor a criação de um sistema de informações, alimentado pelo setor de transportes onde sejam divulgadas as viagens, no sentido de que todos os servidores tenham ciência dos dias e destinos dos carros do instituto para que haja melhor utilização do serviço de transporte intracampi Proposta de Cronograma Meses Atividades Out Nov Dez Jan Fev Mar Desenvolvimento de sistema pelo setor de TI X X Treinamento do setor de transportes X Divulgação do serviço entre os servidores X Avaliação do uso e da eficiência da ação X X 33

37 REFERENCIAS DOLAN, SIMON L. Estresse, Auto - estima, Saúde e Trabalho. Rio de Janeiro, Qualitymark, FONTES, M. Vida ativa para o milênio. XXII Simpósio Internacional de Ciências do Esporte, Out JACQUES, Maria das Graças; CODO, Wanderley. Saúde Mental & Trabalho. Petrópoles, Vozes PLACIDO, Verônica Nicácio. Texto: Alimentação Saudável. Mestre em Alimentos pela UFPE. Fonte: 34

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece regras para elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentável de que trata o art.

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Treinamento dos CIPES

Treinamento dos CIPES Treinamento dos CIPES Cronograma Maio Cronograma Junho Cronograma Julho Sugestão de boas práticas: Boas práticas > Água e Esgoto: Implantar sistemas de monitoramento do consumo para identificar de forma

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 RESULTADOS SEMESTRAIS Brasília Agosto de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MONITORAMENTO... 3 3

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Rodovia CE 292, KM 15, Gisélia Pinheiro - CEP 63.115-500 - Crato - Ceará Fone (88) 3586 8100 1. Introdução

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Sustentabilidade na Administração Pública

Sustentabilidade na Administração Pública Sustentabilidade na Administração Pública B823s Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP Bibliotecária Cristine C. Marcial Pinheiro CRB1-1159 Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013.

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL. Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável. Brasília/DF, setembro de 2013. PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Brasília/DF, setembro de 2013. SUMÁRIO 1. Introdução...01 2. Objetivos...02 3. Implantação e Avaliação...02

Leia mais

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade?

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? CAMPANHA DE QUEM É A RESPONSABILIDADE? Início da Campanha outubro de 2009 Objetivo: Implementar a A3P e incentivar os servidores para adoção

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.684/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.684/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.684/2014 Referência : Correio eletrônico, de 6/8/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1.437/2014.

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Diretoria de Gestão Assessoria Especial. Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013

Diretoria de Gestão Assessoria Especial. Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013 Diretoria de Gestão Assessoria Especial Plano de Gestão de Logística Sustentável 2013 Aprovado pela Comissão Gestora em 04 de abril de 2013 Aprovado pela DICOL em 17 de abril de 2013 Rio de Janeiro, 18

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão CNPJ/MF Endereço Cidade UF CEP DDD/Telefone Nome do Responsável CPF CI/Órgão Exp. Endereço CEP 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Diálogos do PES Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Cenário Histórico 2009 AGENDA SOCIOAMBIENTAL (REUNIÃO DAS AÇÕES EXISTENTES) 2010 CRIAÇÃO PROGRAMA VIVER DIREITO META 6 DO PODER

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental DCRS Agenda Ambiental na Administração Pública Um novo

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Pesquisa de Percepção do Viver Direito

Pesquisa de Percepção do Viver Direito Metas lcançadas - Pesquisa de Percepção do Programa de Divulgação Viver Direito A pesquisa é um INDICADOR de efetividade do cumprimento da meta 1 do PRODVD: Atingir 60% do público interno com a campanha

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (tarde)

Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Brasília, 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DO Estrutura PLANEJAMENTO de um PLS 1.1.Informações Básicas 1.2.Apresentação 1.4.1.1.1.Geral 1.Identificação 1.4.1.1.Objetivos

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PARQUE DE MATERIAL DE ELETRÔNICA DA AERONÁUTICA DO RIO DE JANEIRO DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE PLS PLANO DE

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL USO CONSCIENTE DO APARELHO DE AR CONDICIONADO COM OBJETIVO DE ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA Desligá-lo

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO OBJETIVO A campanha teve por objetivo implantar na Instituição a cultura da responsabilidade

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (manhã)

Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Brasília, 17 de junho de 2015 Conteúdo Programático: Planos de Logística Sustentável: conceitos Conteúdo Mínimo Temas e Planos de Ação para PLS Etapas de elaboração

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO IEN

PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO IEN PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO IEN A Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável, constituída pela Portaria IEN nº 123, de 17 de dezembro de 2012, apresenta o Plano de Logística Sustentável (PLS)

Leia mais

O QUE É O AMBIENTAÇÃO?

O QUE É O AMBIENTAÇÃO? PROJETO PILOTO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É o projeto que pretende inserir os valores sócio- ambientais na administração pública do Estado, por meio de iniciativas que possibilitem a mudança de comportamento

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento Marcos Legais Definiu que as obras, serviços, compras e alienações da Administração devem ser, em regra, precedidas de licitação.

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior Apresentação: Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Órgão integrante da Justiça Eleitoral O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior eleitorado do país (11.563.483 eleitores) 249 Cartórios Eleitorais

Leia mais

As compras compartilhadas no Governo Federal

As compras compartilhadas no Governo Federal As compras compartilhadas no Governo Federal Delfino Natal de Souza Secretário de Logística e Tecnologia da Informação MAIS RÁPIDO DESENV. SUSTENTÁVEL MELHOR SEGMENTOS ESTRATÉGICOS CUSTO USO DO PODER DE

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A Importância da reciclagem

A Importância da reciclagem Texto 1 A Importância da reciclagem Vanessa Minuzzi Bidinoto Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que jogamos fora. Para compreendermos a reciclagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Responsabilidade Socioambiental A Fecomércio-RS busca a sustentabilidade e o compromisso socioambiental das partes interessadas, por meio da melhoria contínua de serviços, processos e instalações, a partir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade 46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade Durante o 46º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial serão desenvolvidas ações com o objetivo de conscientizar os participantes

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70.

ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70. Panambi, 22 de agosto de 2012. ASSUNTO: RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO ENCAMINHADA PELA EMPRESA VIVO S/A, CNPJ 02.449.992/0121-70. Considerando como tempestiva a impugnação interposta pela empresa VIVO S/A o Instituto

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais