PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS. Caderno_CMIRA.indd 1 07/12/12 19:01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS. Caderno_CMIRA.indd 1 07/12/12 19:01"

Transcrição

1 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 1 07/12/12 19:01

2 Ficha Catalográfica Biblioteca Dr Fadlo Haidar Instituto de Ensino e Pesquisa Hospital Sírio Libanês C579 CMIRA: um novo olhar para a Avaliação de Competência Médica: Programa de apoio às Escolas Médicas / Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, 2ª ed. São Paulo p 1. Educação à distância. 2. Educação médica. 3. Internato e residência. 4. Avaliação. NLM: W 83 2 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 2 07/12/12 19:01

3 Sumário 1. Apresentação Boas vindas Contexto Objetivos gerais Objetivos específicos Competência profissional Conteúdos educacionais Estrutura do programa Processo ensino-aprendizagem Papel das metodologias ativas Carga Horária Período e periodicidade Avaliação Avaliação de facilitadores Avaliação do Programa Instrumentos de Avaliação do Programa Mobilização estudantil Oportunidades Apoio ao desenvolvimento discente Apoio ao desenvolvimento doscente Critérios para certificação Referências consultadas PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 3 Caderno_CMIRA.indd 3 07/12/12 19:01

4 1. Apresentação O Hospital Sírio Libanês, por intermédio do seu Instituto de Ensino e Pesquisa IEP/ HSL, desenvolveu o CMIRA - um Programa de apoio às Escolas que visa, em ultima instância, contribuir para a melhoria da qualidade do cuidado em saúde e da segurança do paciente. Trata-se de um programa construído a partir de um novo olhar para a avaliação da competência médica, baseado em metodologias ativas, na avaliação formativa e somativa, na mobilização estudantil e na internacionalização da escola médica. C M I R A Competência médica com um novo olhar para a: Mobilização estudantil Internacionalização da escola médica Residência médica Avaliação de competência O Hospital Sírio-Libanês coloca, neste programa, sua experiência e excelência acumuladas nas áreas de assistência à saúde, ensino e pesquisa e, juntamente com parceiros nacionais e internacionais, aposta nesta iniciativa como uma estratégia para articular o fortalecimento e a inovação no desenvolvimento e avaliação de competência médica com a melhoria da qualidade da atenção à saúde e segurança do paciente na sociedade brasileira! 4 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 4 07/12/12 19:01

5 Sejam bem vindos(as) ao CMIRA! Esse programa é oferecido em formato adaptável a escolha de cada Escola, que pode ser desenvolvido seja no formato de um curso de extensão universitária ou como atividade complementar ao curso de medicina ou em outros formatos possíveis, com atividades orientadas para o desenvolvimento e avaliação de capacidades cognitivas, habilidades e atitudes que, combinadas, traduzem uma prática médica competente. O CMIRA tem uma abordagem pedagógica inovadora baseada em metodologias ativas de ensino-aprendizagem e referenciada nos princípios da aprendizagem de adultos e na avaliação formativa e somativa de competência. Utiliza a Aprendizagem Baseada em Equipes ou Team Based Learning TBL, simulação clínica e casos clínicos integradores. As atividades educacionais estão organizadas de modo a promover e potencializar a construção articulada de capacidades para uma prática médica competente, com foco nas situações de maior relevância social e incidência epidemiológica. Com o objetivo de apoiar escolas médicas, visa apontar e consolidar conquistas na construção de capacidades e identificar áreas de melhoria e/ou maior atenção. O programa possibilita a mobilidade estudantil e a internacionalização da escola, assim como, oferece um referencial externo -nacional e internacional- para inferência de competência profissional, reconhecendo seus diferentes momentos de desenvolvimento. Desejamos a cada participante uma experiência educacional que contribua concretamente para o crescimento pessoal e profissional e para a melhoria da atenção à saúde no nosso país! Roberto de Queiroz Padilha Coordenador do Programa CMIRA Diretor de Ensino IEP/Hospital Sírio-Libanês José Lúcio Martins Machado Coordenador do Programa CMIRA PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 5 Caderno_CMIRA.indd 5 07/12/12 19:01

6 3. Contexto O atual perfil epidemiológico da população de países em situação semelhante a do Brasil é marcado pela superposição de riscos epidemiológicos com a concomitância de situações agudas e condições crônicas, condicionadas pela transição demográfica e epidemiológica sofridas por essas sociedades. As situações agudas e as condições crônicas devem ser enfrentadas segundo sua natureza e características, de modo a garantir um cuidado integral às necessidades de saúde (Frenk, 1991; WHO, 2005; Banco Mundial, 2005; PAHO 2005; Brasil, 2004, 2006 e 2007; Mattos, 2004). Considerando esse cenário, os modelos hegemônicos de atenção à saúde tem sido questionados por seus custos crescentes e baixo impacto. Os sistemas estruturados segundo uma lógica que hierarquiza as atenções primária, secundária e terciária, como numa pirâmide, estão orientados por procedimentos, pelo trabalho médico e pelos centros hospitalares. Esses modelos estão fundamentalmente organizados para o atendimento de situações de natureza aguda, voltadas para indivíduos, com ênfase nas ações curativas e na gestão da oferta. Invariavelmente, cursam com acesso limitado, erros freqüentes e qualidade inconstante (PAHO, 2005; Porter, 2007; Christensen, 2009). O enfrentamento desses desafios requer do profissional médico muito mais do que o domínio específico dos conteúdos relativos à dimensão biológica da saúde-doença. Requer o desenvolvimento das capacidades crítica e criativa voltadas à transformação e à inovação das práticas de cuidado, visando à produção de soluções qualificadas e seguras e à melhoria da saúde das populações. A produção de soluções qualificadas no cuidado em saúde focaliza (i) a excelência na assistência; (ii) o alcance dos propósitos da atenção à saúde; (iii) o máximo benefício dentro dos recursos disponíveis; e (iv) a transformação, no sentido da inovação e das melhores práticas (Harvey e Green, 1993; Biggs, 2001). Assim, a ampliação do conhecimento biológico sobre situações agudas e condições crônicas, visando o alcance da qualidade na atenção à saúde, passou a incorporar o conceito de gestão da clínica ou governança clínica. Como gestão da clínica, considera-se a responsabilização de todo o sistema pela oferta de cuidado; o desenvolvimento de padrões de qualidade a 6 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 6 07/12/12 19:01

7 serem garantidos a todos os pacientes; o trabalho colaborativo entre hospitais, serviços ambulatoriais e autoridades locais, tendo o paciente como foco; e a melhoria da efetividade, eficiência e eficácia de ações e serviços de saúde (Mendes 2007). Paralelamente ao desenvolvimento dos conceitos de qualidade do cuidado e de gestão da clínica, a 55a Assembléia Mundial de Saúde aprovou uma resolução que convocava para a maior atenção possível ao problema da segurança do paciente e a melhoria da qualidade e da segurança do cuidado em saúde. A assembléia demandou da Organização Mundial de Saúde - OMS ações imediatas para o desenvolvimento de normas e padrões que dessem suporte aos esforços dos países membros no desenvolvimento de políticas e práticas voltadas à promoção e melhoria da segurança de pacientes em todo o mundo (WHO, 2002). Em outubro de 2004 a OMS lançou a World Alliance for Patient Safety e incluiu nesse projeto a criação de uma classificação internacional para o tema (Taxonomy for Patient Safety). Essa classificação (International Classification for Patient Safety ICPS) define como segurança a redução do risco de causar dano desnecessário ao mínimo aceitável. O que seria minimamente aceitável será sempre referenciado por noções coletivas que incluem o conhecimento existente, recursos disponíveis e o contexto no qual o cuidado à saúde é realizado, pesando sempre os riscos associados ao não tratamento, ou outros tratamentos quando disponíveis (WHO, 2009). Em 2005 a Joint Commission International, o braço internacional da mais importante organização de certificação de qualidade em assistência médico-hospitalar, The Joint Commission, foi designada como o Centro Colaborador da OMS para segurança do paciente. As seis metas internacionais de segurança do paciente são soluções que tem como propósito promover melhorias específicas em áreas problemáticas na assistência: (i) identificar os pacientes corretamente: falhas no processo de identificação dos pacientes podem causar erros graves como a administração de medicamentos e cirurgias em pacientes errados ; (ii) melhorar a efetividade da comunicação entre profissionais da assistência: erros de comunicação entre os profissionais da assistência podem causar danos aos pacientes; (iii) melhorar a segurança de medicações de alta vigilância (high-alert medications): soluções de eletrólitos em altas concentrações para uso endovenoso são potencialmente perigosas; PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 7 Caderno_CMIRA.indd 7 07/12/12 19:01

8 (iv) assegurar cirurgias com local de intervenção correto, procedimento correto e paciente correto: cirurgias ou procedimentos invasivos em locais ou membros errados são erros totalmente preveníeis decorrentes de falhas na comunicação e na informação; (v) reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde: a OMS estima que, entre 5% e 10% dos pacientes admitidos em hospitais, adquirem uma ou mais infecções. A higiene das mãos, de acordo com as diretrizes atuais da OMS é uma medida primária preventiva fundamental; (vi) reduzir o risco de lesões ao pacientes, decorrentes de quedas. Interessante observar que todas as metas elencadas são absolutamente elementares e, frequentemente, negligenciadas. Numa visão complementar à idéia trazida pelas metas internacionais de segurança, o relatório Health Care in Canada, 2010, cita que é necessário alinhar os cuidados de saúde oferecidos com evidências científicas e segundo o conceito de cuidado apropriado. Cuidado apropriado diz respeito ao cuidado necessário, para a pessoa certa, no local adequado e no momento oportuno. Algumas vezes, oferecer o melhor cuidado será fazer menos, enquanto em outras situações será fazer mais ou fazer a mesma coisa de modo ajustado aos distintos cenários de cuidado à saúde. O Canadian Patient Institute trata desta questão na atenção primária a saúde - APS. Os dois tópicos principais que comprometem a segurança do paciente na APS são: (i) diagnósticos não realizados ou retardados e (ii) manejo inapropriado de medicações. Esses tópicos estão diretamente afetados por questões críticas tais como: a comunicação interpessoal, na equipe e com o paciente, processos administrativos e capacidades do médico. Assim, focalizando a preparação do futuro profissional médico para o enfrentamento desse cenário, o CMIRA dispõe de um conjunto de atividades educacionais voltadas ao desenvolvimento de capacidades cognitivas, habilidades e atitudes, articuladas e contextualizadas, segundo referenciais de qualidade do cuidado e segurança do paciente. 8 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 8 07/12/12 19:01

9 O CMIRA pretende contribuir para o enfrentamento dos atuais desafios da formação de profissionais médicos para o XXI, em parceria com as escolas médicas e com cada participante do programa, dando especial atenção às mudanças nos conceitos de competência, saúde, cuidado e educação no sentido de concepções mais abrangentes e integradoras (ver Figura 1). Figura 1 Representação dos deslocamentos conceituais de competência, saúde, cuidado e educação, Programa CMIRA, IEP/HSL. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 9 Caderno_CMIRA.indd 9 07/12/12 19:01

10 4. Objetivos gerais O CMIRA oferece oportunidades educacionais para o desenvolvimento de capacidades e avaliação de competência médica que visam promover uma prática de excelência voltada à qualidade do cuidado e à segurança do paciente. O objetivo desta proposta é disponibilizar um sistema de apoio à aprendizagem e à avaliação de competência para estudantes de medicina e escolas médicas, sendo um referencial externo (nacional e internacional) para a inferência de competência profissional. O programa considera um processo permanente de autoria/atualização e de metaavaliação (ver Figura 2). Figura 2 10 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 10 07/12/12 19:01

11 4.1 Objetivos específicos Apoio às escolas médicas e aos estudantes no desenvolvimento de capacidades para o cuidado às necessidades de saúde individuais da criança e adolescente, da mulher, do adulto e idoso, segundo uma abordagem de necessidades de saúde e integralidade do cuidado; Apoio à escola médica e ao estudante no desenvolvimento de capacidades para o cuidado das necessidades coletivas de saúde visando à priorização de problemas e gestão da clínica, segundo princípios de eficiência, efetividade, eficácia, qualidade do cuidado e segurança do paciente. A estrutura de apoio do CMIRA consiste na oferta de atividades educacionais de aprendizagem e de avaliação formativa e somativa de competência, com destaque para: (i) avaliação diagnóstica denominada front-end analysis que é uma análise ex-ante realizada previamente ao início do programa e a cada sessão interativa, que define a linha de base a partir da qual as intervenções educacionais serão posteriormente avaliadas (Evaluation Research Society - Standards Committee, 1983, p. 9-11); (ii) atividades interativas para a exploração de temas geradores e discussões problematizadoras, propostos a partir da relevância epidemiológica do país, do continente e do mundo, nas áreas de saúde da criança e adolescente, da mulher, do adulto e idoso; (iii) atividades interativas para a exploração de conteúdos inovadores e integradores, no formato de situações-problema, focalizando a qualidade do cuidado e segurança do paciente, integralidade do cuidado em saúde, gestão da clínica e saúde baseada em evidências; (iv) avaliação de meio de curso, no formato de teste de progresso - TPI, quando é possível obter uma curva de crescimento da capacidade cognitiva do estudante, nas grandes áreas clínicas, na medida em que ele avança na formação; (v) avaliação para certificação internacional, ao final do ano letivo. Nesse exame são avaliados conhecimentos médicos, habilidades para tomada de decisão, raciocínio clínico, e conceitos de ciências básicas aplicados à clínica. A prova, com questões de múltipla escolha, irá utilizar casos clínicos das grandes áreas da Medicina: Clínica Médica, Pediatria, Cirurgia, Ginecologia e Obstetrícia. (vi) avaliações formativas para as escolas médicas envolvidas, baseadas na reflexão e problematização dos resultados obtidos. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 11 Caderno_CMIRA.indd 11 07/12/12 19:01

12 5. Competência profissional Existe uma grande confusão relacionada à definição de competência, com várias definições e compreensões sobre o tema. A natureza de uma competência é complexa, pois se trata de uma combinação de pré-requisitos interligados como conhecimento -tácito e explícito-, habilidades psicomotoras, motivação, orientação de valores, atitudes e emoções (ver Figura 3). Figura 3 O termo competência tem caráter amplo e implica na combinação de conhecimento, atitudes, habilidades e atitudes que são colocadas em ação frente a uma situação da prática profissional, sendo inferida pelos desempenhos observáveis e as capacidades que os fundamentam. EPSTEIN & HUNDERT (2002) definem competência profissional a partir de uma ampla revisão da literatura, resultando na análise de 195 artigos relevantes em inglês sobre validade e confiabilidade das medidas de competência de médicos, estudantes de medicina e residentes. A competência foi definida nesse estudo como: 12 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 12 07/12/12 19:01

13 O uso habitual e criterioso da comunicação, conhecimento, do raciocínio, da capacidade de integração de dados, habilidade técnica, emoções, capacidade reflexiva, e capacidade de se manter atualizado, que o médico lança mão para servir as pessoas e comunidades que dele necessitarem. Vale lembrar que competência profissional deve ser desenvolvida continuadamente, não é permanente ou estática e é contexto-dependente, ou seja, depende daquilo que a sociedade valoriza - o que indivíduos, grupos e instituições que compõem a sociedade consideram importante. 6. Conteúdos educacionais A seleção de conteúdos cognitivos, a serem explorados nas sessões interativas, foi orientada pelo perfil de competência que emana das diretrizes curriculares do Ministério da Educação para os cursos médicos. Para tanto, foram consideradas as prioridades de atenção à saúde baseadas na epidemiologia dos agravos e riscos à saúde no país e no mundo, por meio da utilização do Score Epidemiológico (Machado, 2011). O score epidemiológico é um instrumento que possibilita o uso dos dados e informações epidemiológicas para o estabelecimento de diretrizes para a seleção de conteúdos dos currículos em escolas médicas. É um diálogo entre a realidade e o mundo do ensino. Dessa forma, utiliza-se um banco de dados epidemiológicos com morbidade e mortalidade registrados como resumo de causas de morte e o Disability-Adjusted Life Year - DALY da Organização Mundial de Saúde. A pontuação que dará origem ao score foi desenvolvida a partir de probabilidades de mortalidade e morbidade, considerando-se seus quartis superior e inferior, que designam, respectivamente, maior e menor impacto na morbidade e mortalidade. As pontuações indicaram os temas relevantes a serem selecionados. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 13 Caderno_CMIRA.indd 13 07/12/12 19:01

14 7. Estrutura do programa 7.1 Processo ensino-aprendizagem A abordagem pedagógica proposta busca substituir os processos de memorização e de transferência unidirecional e fragmentada de informações e de habilidades pela construção e significação de saberes, a partir do confronto com situações simuladas e baseadas na realidade da prática profissional, estimulando as capacidades críticoreflexiva e de aprender a aprender. O trabalho em plenárias e pequenos grupos, em equipes de aprendizagem, é realizada de modo subseqüente, em momentos de concentração e dispersão, apoiados pela presença de um facilitador e de especialistas que poderão trabalhar presencialmente e à distância. 7.2 Papel das metodologias ativas As metodologias ativas e baseadas na aprendizagem de adulto estão fundamentadas na abordagem construtivista do processo ensino-aprendizagem que ocorre tanto no enfrentamento de situações reais como nas simulações. Nesse sentido, os papéis tradicionais de estudantes e docentes são reescritos numa perspectiva bilateralmente participativa, porém centrada no estudante. Essa centralidade é traduzida pela orientação e pelo foco do processo ensino-aprendizagem que se transfere do domínio dos conteúdos pelo docente para as necessidades de aprendizagem dos estudantes. Cabe aos docentes do programa, no papel de facilitadores do processo ensinoaprendizagem, o estímulo e a orientação dos estudantes na construção e articulação de capacidades para o desenvolvimento de competência. Aos especialistas/consultores, cabe a apresentação de questões-problemas motivadoras de discussão e de reflexão e a análise das necessidades de aprendizagem, oferecendo retornos aos grupos, em cada sessão, e feed-back para as escolas médicas. 14 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 14 07/12/12 19:01

15 O facilitador e as equipes de estudantes Ao trabalhar com os estudantes em sala, o facilitador procura tornar as reuniões mais objetivas, fomentar a participação, gerar maior transparência, a fim de aumentar o entendimento sobre os temas e a interação entre estudantes/facilitador/especialistas, bem como construir uma base mais sólida para o trabalho coletivo. A atuação dos facilitadores do programa visa: (i) favorecer o entendimento dos estudantes acerca do trabalho, em grande grupo e em equipes, a ser realizado; (ii) mediar o processo ensino-aprendizagem nos encontros presenciais; (iii) mediar o processo ensino-aprendizagem à distância interagindo com estudantes em sala e com o especialista, à distância; (iv) avaliar o desenvolvimento de competência dos participantes. 7.3 Carga Horária O programa tem 128 horas/atividade: uma sessão de videoconferência por semana, de 4 horas, transmitidas a partir do IEP/HSL, com facilitadores presenciais junto as escolas médicas, Por meio de atividades educacionais interativas e dialogadas e de simulação serão desenvolvidos, junto aos estudantes, um conjunto de conteúdos, com foco no desenvolvimento de capacidades para o enfrentamento de situações de maior relevância social e incidência epidemiológica na prática médica. Os conteúdos selecionados para o desenvolvimento dessas capacidades foram agrupados segundo o cuidado às necessidades de saúde da criança e adolescente, da mulher e do adulto e idoso. As atividades educacionais de interação e simulação são coordenadas pelos membros do corpo clínico e do corpo docente do IEP/HSL, composto por especialistas no âmbito da assistência à saúde, ensino e pesquisa, com foco para a formação médica. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 15 Caderno_CMIRA.indd 15 07/12/12 19:01

16 7.4 Período e periodicidade O programa de 2013 será desenvolvido no período de março a novembro, semanalmente, durante 32 semanas. As atividades acontecem às quartas- feiras e as sessões são estruturadas das 19h:00 às 20h:30 TBL 20h:30 às 20h:45 - Intervalo 20h:45 às 22h:15 Casos Clínicos Integrados Programação das atividades educacionais Nas atividades educacionais, o estudante recebe orientações do facilitador, de modo a favorecer e apoiar sua participação no programa, inclusive em relação ao funcionamento da metodologia Aprendizagem Baseada em Equipes ou Team Based Learning TBL. TBL: duração de 90 minutos (1 hora e 30 minutos) Uma sessão de TBL admite diferentes modelos de abordagem. Abaixo um exemplo de abordagem: No início de cada sessão, os estudantes participam de uma (a) avaliação diagnóstica, no formato de teste, para verificação de seu conhecimento/capacidades prévias sobre o assunto a ser abordado na sessão. Na sequencia à divulgação do resultado dessa 1ª avaliação, (b) os estudantes trabalham em equipes de 5 a 10 participantes, nas quais produzem discussões que problematizam as respostas dos testes e buscam um novo alinhamento conceitual para melhor explicar ou intervir na situação. Em continuidade a sessão, (c) os estudantes respondem, novamente, os mesmos testes apresentados inicialmente, recebendo um retorno do especialista sobre o resultado, com comentários às repostas dadas. Casos Clínicos Integrados: duração de 90 minutos (1 hora e 30 minutos) Na segunda parte da sessão, cada equipe de aprendizagem recebe e processa um caso clinico semi-estruturado ou situação-problema integradora que recebe do facilitador já com três a cinco questões de aprendizagem. Cada grupo trabalha nas questões de aprendizagem apresentadas e formula uma a ser encaminha para 16 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 16 07/12/12 19:01

17 discussão com especialista. O facilitador presencial e o especialista - à distância dão feedback comentando as respostas e complementando conceitos, esclarecendo incompreensões, compartilhando experiências ou adicionando outros aspectos não destacados e que se revelam importantes para a melhor compreensão ou intervenção no caso/situação. 8. Avaliação A avaliação é considerada uma atividade permanente e crítico-reflexiva do processo de ensino-aprendizagem. Permite o acompanhamento deste processo, visualizando avanços, detectando dificuldades e, por fim, realizando as ações necessárias no sentido da melhoria do desempenho de professores, participantes e da organização do curso. A avaliação do programa CMIRA está baseada nos princípios: (i) critério-referenciada; (ii) contínua, dialógica, ética, democrática e co-responsável; e (iii) formativa e somativa. A avaliação é critério-referenciada quando o perfil desejado é utilizado como critério ou referência para a avaliação de desempenho dos participantes. Os desempenhos observados são comparados com os critérios de excelência estabelecidos, contemplando as áreas de competência profissional. Cada participante recebe retornos - feed back de avaliação, de modo contínuo e sistematizado, que permitem analisar seu desenvolvimento e suas necessidades de melhoria. As informações são provenientes de vários instrumentos e fontes e requerem um diálogo entre observadores e avaliado, primando pela postura ética, democrática e co-responsável. A avaliação tem caráter formativo quando realizada durante o desenvolvimento das atividades, objetivando a melhoria do processo e do aproveitamento dos participantes. A avaliação tem caráter somativo quando utilizada para definir a aprovação ou reprovação no programa, sendo atribuídos, respectivamente, os conceitos satisfatório e insatisfatório e critérios internacionais para certificação de desempenho/competência. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 17 Caderno_CMIRA.indd 17 07/12/12 19:01

18 8.1 Avaliação de facilitadores A avaliação dos facilitadores é realizada a partir de um diálogo entre a perspectiva dos estudantes, registrada em formato específico e do cumprimento das atividades de capacitação e programadas com os estudantes. O objetivo é a identificação de fortalezas e dificuldades e o intercâmbio de capacidades entre facilitadores, visando à melhoria no processo para beneficiar os participantes por meio da construção de uma prática educativa ética e construtivista. A avaliação de desempenho dos facilitadores, na perspectiva do estudante, consiste no julgamento sobre o desempenho desses professores na mediação e favorecimento do processo ensino-aprendizagem. A avaliação de desempenho dos especialistas, na perspectiva do estudante, diz respeito ao julgamento da contribuição desses professores na problematização e esclarecimento de questões de aprendizagem e respostas dos estudantes frente aos temas geradores. 8.2 Avaliação do Programa A avaliação do programa será processual, permitindo intervenções de melhoria contínuas e imediatas. A liberdade de expressão e as análises críticas são estimuladas para todos os envolvidos no Programa: professores, autores, facilitadores, coordenadores, especialistas/consultores, apoiadores e outros. Esse exercício faz parte do processo de aprendizagem e de democratização das relações. A avaliação quantitativa do Programa é realizada ao final de cada módulo e consiste na emissão de conceitos sobre a organização do programa e o desempenho dos professores. O formato específico deverá ser preenchido e enviado eletronicamente à Secretaria Acadêmica, até cinco dias úteis após o término do módulo. Uma avaliação qualitativa será aplicada na metade e ao final do curso no sentido de caracterizar e interpretar a natureza dos critérios utilizados na emissão dos juízos de valor. 18 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 18 07/12/12 19:01

19 8.3 Instrumentos de Avaliação do Programa Teste de Progresso Individual (TPI) O teste de progresso é uma avaliação de conhecimento médico constituída por testes de múltipla escolha que são elaborados para fornecer uma avaliação longitudinal do progresso do estudante durante o programa, em todas as áreas da ciência médica pertinentes à formação profissional. Tecnologias como: testagem adaptativa computadorizada, teoria de resposta ao item e aplicação da psicometria permitem a construção de um teste de segurança na avaliação de aprendizagem. O teste será aplicado anualmente em todas as escolas parceiras. IFOM/NBME O IFOM e o NBME são siglas do International Foundations of Medicine e do National Board of Medical Examiners. O programa NBME pertence ao IFOM e oferece, às faculdades de medicina dos Estados Unidos e de outros países, uma avaliação em relação ao grau de entendimento dos examinados em relação às ciências médicas. O exame de ciências clínicas do IFOM avalia os conhecimentos médicos e o entendimento das ciências clínicas consideradas essenciais para a prestação de cuidados seguros e eficientes ao paciente. O teor do exame de ciências clínicas da IFOM tem origem no Step 2 Clinical Knowledge CK, exame de conhecimentos clínicos do passo 2, do United States Clinical Licensing Examination - USMLE. Os resultados da prova são enviados individualmente a cada estudante, e servem para ajudá-los a reconhecer seus pontos fortes e aquilo que precisam melhorar em termos de conhecimentos clínicos. A gestão do Curso de Medicina também recebe um relatório com o desempenho global dos estudantes que pode ser utilizado para a melhoria contínua do seu currículo. Além disso, esta experiência serve como uma oportunidade para as escolas médicas terem contato com um modelo de exame de referência de qualidade em avaliação, em todo o mundo, além de propiciar aos estudantes considerados proficientes no exame, a oportunidade de estagiar, durante o internato, em Hospitais e Universidades de outros países em um programa de intercâmbio apoiado pela AAMC (American Association of Medical Colleges); A prova será aplicada em todas as escolas parceiras. PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS 19 Caderno_CMIRA.indd 19 07/12/12 19:01

20 Pontuações do exame clínico da IFOM As pontuações do exame clínico da IFOM de 2010 foram escalonadas para uma média de 500 e um desvio padrão de 100, com base no grupo de referência. O grupo de referência foi definido como uma amostra mista internacional de examinados provenientes da Ásia, Europa, América do Norte e América do Sul, no último ano do curso de medicina. A grande maioria das pontuações varia entre 200 e 800. Feedback sobre o exame A cada examinado é fornecido um relatório de pontuação contendo o total das suas pontuações no exame, juntamente com um Perfil de Desempenho do Examinado, identificando os seus pontos fortes e pontos fracos. A Pauta das Classificações reporta a pontuação total obtida no exame de ciências clínicas da IFOM para cada examinado. Se 20 ou mais examinados de uma dada faculdade fizerem o exame, será disponibilizado um Perfil resumido do desempenho da Faculdade. 9. Mobilização estudantil O programa CMIRA aposta na vivência do aluno em diferentes cenários da prática e do ensino médico e no intercâmbio de experiências nacionais e internacionais como parte integrante do desenvolvimento da competência médica. Nessa direção, o CMIRA articula diferentes oportunidades ao aluno, com possibilidades amplas de estudo, no âmbito nacional e internacional e em diferentes cenários da pratica e do ensino médico, possibilitando ao estudante enriquecer seu processo de aprendizagem e à Escola integrar uma rede colaborativa e internacional de ensino médico. No âmbito internacional, a prova IFOM/NBME possibilita ao aluno que atingir score determinado, pleitear estágios e realizar parte de seu internato em Escolas Médicas do mundo que participam da prova IFOM. A Escola, ao participar da prova, passa a integrar essa rede e se relacionar com outras Escolas Médicas e alunos estrangeiros. 20 PROGRAMA DE APOIO ÀS ESCOLAS MÉDICAS Caderno_CMIRA.indd 20 07/12/12 19:01

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO Autores Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão Prof. Dr.

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

Objetivos da Oficina

Objetivos da Oficina Oficina de Capacitação Docente Planejamento da Ação Docente com Base em Competências Prof. George D. Azevedo Prof. Assoc. Dep. Morfologia CB UFRN Coord. Curso de Medicina - UFRN Desenvolvimento Curricular

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Produto da pesquisa O Ensino da Atenção Primária á Saúde no Internato Médico das Universidades Públicas

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Prof.ª Danyelle Cristine Marini Coordenadora da Comissão Assessora de Educação Farmacêutica do CRF-SP Estágio Supervisionado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr. FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA Prof. Dr. Valmor Slomski A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Ref.: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO TRANSPORTE ITL CNT

Ref.: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO TRANSPORTE ITL CNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE TERRESTRE DE PASSAGEIROS SAUS Quadra 1 Bloco J Edifício CNT 8º andar Entrada 10/20 Torre A / CEP 70070-944 Brasília DF T.: + 55 (61) 3322-2004 F.: + 55

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO BSC E MÓDULO 2 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORGANIZACIONAL (PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ.

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ. TÍTULO: MESTRADO PROFISSIONAL E A ESTRUTURAÇÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM UMA UNIDADE DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE DA FAMÍLIA DE GOIÂNIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA;

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais