Fernando Félix Tivane. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernando Félix Tivane. Resumo"

Transcrição

1 Eu sou daqui, eu sou daqui, o meu banco também : a reinvenção da moçambicanidade a partir da publicidade do Banco Comercial e de Investimentos (BCI-Fomento), Moçambique Fernando Félix Tivane Resumo Moçambique alcançou a sua independência da colonização portuguesa em E em 1977 o país adotou o sistema socialista como um modelo econômico de desenvolvimento. Este sistema caracterizava-se pela centralização das decisões político-econômico-financeiras do país. O Estado era o único ator que decidia sobre as rédeas da economia nacional. Mas a incapacidade de ocupar toda a economia, aliado a guerra civil, criou condições para que o país entrasse em uma crise interna e como solução Moçambique viu-se obrigado a encontrar alternativas, uma delas (talvez a única), foi entrar nas instituições de Bretton Woods - Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, em 1984, com objetivo de obter recursos e financiamentos para a recuperação econômica do país. Assim, Moçambique entrava no bloco capitalista. Se o capitalismo neoliberal moçambicano é uma realidade muito recente, a publicidade moçambicana com a sua função primordial de criar consumidores, também é uma realidade atual. Essa palestra apresenta os resultados preliminares de uma pesquisa em andamento de mestrado em Antropologia Social sobre a etnografia da recepção de anúncios do Banco Comercial e de Investimentos (BCI-Fomento) em Moçambique. O BCI-Fomento é um banco privado fundado em 1996 por investidoes maioritariamente moçambicanos, atualmente controlado maioritariamente por dois grupos de acionistas portugueses, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e Banco Português de Investimentos (BPI). O projeto é uma etnografia feita com residentes do Bairro de Polana Caniço A, um bairro da Cidade de Maputo habitado maioritariamente por pessoas de renda baixa deslocadas de Guerra Civil havida em Moçambique ( ). Os resultados preliminares desta pesquisa mostram como o BCI-Fomento, através da sua propaganda, criou segmentos (nichos) de consumidores a partir da ideia de reinvenção da nação (cultura) moçambicana. Palavras-chave: etnografia, recepção, publicidade e identidade moçambicana e moçambicanização. 1

2 1.1. A partida: construindo objeto Há coisas que não se explicam. Só entende quem é daqui. É que é mais bonito quando é daqui. É mais verdadeiro quando é daqui. Tudo que é daqui toca-nos mais. As emoções são mais fortes quando são daqui. A Marrabenta é daqui. Galinha à zambeziana é daqui. Mukapata com feijão nhemba é daqui. Tudo soa melhor quando é daqui. Tudo é mais natural quando é daqui. O maior palmar do mundo é daqui. Os nossos heróis são daqui. Gostar maningue (demais) é só daqui. As melhores coisas são daqui. O meu banco é daqui. ( BCI, é daqui. Comercial do BCI lançado em 2010). Despontava o ano de 2010 quando inicialmente travei contato com as palavras acima. Elas integram as novas campanhas publicitárias que acompanham o (re) posicionamento do Banco Comercial e de Investimentos (BCI), instituição bancária de capitais privados em Moçambique. Tratava-se duma estratégia comunicacional que privilegia a difusão de informação pela publicitação dos seus produtos e serviços a partir de massiva inserção de spots e jingles, em programas e horários estratégicos (notícias e telenovelas) em televisão e rádio, além de montagem de outdoors de grande envergadura nas principais estradas e áreas de maior concentração de pessoas nas cidades moçambicanas. Jingle é uma peca publicitária musicada e cantada, elaborada com um refrão simples e de curta duração (entre 15, 30, 45 ou 60 segundos), com o intuito de ser lembrado com facilidade. É uma música feita exclusivamente para um produto ou empresa, transmitido em rádio ou televisão. Enquanto o spot é também uma peca publicitária produzida com uma locução simples e mista (duas ou mais vezes), mixada com ou sem efeitos sonoros e uma música ao fundo. Normalmente o spot é utilizado na publicidade quando há muita informação a ser transmitida em uma só mensagem, e também tem uma duração entre 15, 30, 45 ou 60 segundos 1. Os jingles e spots do BCI, produzidos com uma melodia cativante, usando remix de músicas moçambicanas muito populares, são facilmente apreendidas e lembradas pela memória das pessoas, mesmo não sendo mais transmitidos nas rádios e televisões locais. O BCI usa também springle que é uma fusão entre o jingle e spot, com partes cantadas e faladas. Pela sua eficácia, as peças publicitárias do BCI, rapidamente foram apropriadas, tanto pelos clientes quanto pela população no geral, passando a reproduzi-las no seu léxico cotidiano. 1 acessado no dia

3 Estes anúncios apelam a um sentimento de orgulho nacional e de auto-estima pela valorização de tudo o que é moçambicano. A estratégia comunicacional fala de um banco privado de Moçambique e para moçambicanos, como se vê no slogan do banco: BCI, é daqui, um banco daqui. Uma ideia ancorada em um pressuposto da identidade moçambicana, ou melhor, da moçambicanidade; apelando para valores como orgulho pela terra, pelo nacional, pelo local, num contexto histórico onde se assiste um rápido processo de inserção no global nas diversas esferas sociais. Através duma etnografia documental, percorri os relatórios de contas anuais do banco (2009, 2010, 2011 e 2012), fazendo igualmente entrevistas exploratórias junto à direção de marketing da instituição; o BCI foi fundado em 1996 por um grupo de investidores na sua maioria moçambicanos. O surgimento do BCI e de outros bancos comerciais como Standard Bank, Banco Internacional de Moçambique (Millennium BIM), Barcleys, First National Bank (FNB), entre outros bancos privados, se enquadra numa macro política de reestruturação da economia de Moçambique. Decisão tomada quando da entrada de Moçambique nas instituições de Bretton Woods - Banco Mundial (BM) e Fundo Monetário Internacional (FMI), em 1984, com objetivo de obter recursos e financiamentos para a recuperação econômica do país. O BM e o FMI chamam-se instituições de Bretton Woods porque as duas instituições surgiram na Conferência Internacional Monetária realizada em 1944 na cidade de Bretton Woods, no estado de New Hampshire, EUA, e visavam assegurar a estabilidade monetária internacional, impedindo que o dinheiro escapasse dos países e restringindo a especulação com as moedas mundiais após a Segunda Guerra Mundial (Hanlon 1996). Após essa adesão Moçambique começou a receber os recursos que precisava. Mas junto com os recursos chegaram, também, as imposições do BM e FMI e a dívida dos empréstimos contraídos juntos aos seus parceiros - Estados Unidos e Europa Ocidental (ABRAHAMSSON E NILSSON, 1994). Assim, Moçambique, seguindo as imposições e recomendações da BM e FMI, começou a implementar o Programa de Reabilitação Econômica (PRE); o país começou a cortar as despesas públicas, sobretudo nas áreas de saúde e educação; reduziu salários dos funcionários públicos; privatizou as empresas estatais e/ou controlados pelo Estado; limitou o envolvimento do Estado na economia e, o acesso ao crédito passou a ser determinado pelas forças de mercado; acabou com os subsídios e controle dos preços; desvalorizou drasticamente a moeda; liberalizou a economia (abriu-se a economia do mercado) e minimizou as taxas importação e exportação; 3

4 aceitou a entrada de agências de ajuda humanitária no país; e adotou o regime político multipartidário que culminou com a realização das primeiras eleições gerais em 1992 (ABRAHAMSSON E NILSSON, 1994; HANLON 1996). O BCI inicia as suas atividades como um pequeno banco de investimentos designado AJM-Banco de Investimentos com um capital de 30 milhões de meticais. A sua designação inicial foi alterada em junho do mesmo ano para Banco Comercial e de Investimentos, mantendo-se as suas atividades circunscritas na área de investimentos. Em 18 de abril de 1997, o capital financeiro do BCI aumentou de 30 para 75 milhões de meticais com a entrada a Caixa Geral de Depósitos (CGD), um grupo da banca portuguesa. Com a entrada de CDG, a estrutura acionista do BCI sofreu alterações profundas. O grupo CGD assumiu uma participação de 60% das ações. A SCI - Sociedade de Controlo e Gestão de Participações, SARL (Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada, uma forma de sociedade comercial por acções), uma sociedade que agrupava a maior parte dos investimentos iniciais, assumiu 38,63% e os restantes 1,37% foram distribuídos por pequenos acionistas. E a 24 de abril do mesmo ano o BCI começa a operar como um Banco Comercial. Em dezembro de 2003, o banco fundiu-se com o Banco de Fomento (BF) através da integração de todos os ativos daquele banco no BCI. De seguida o banco adotou a designação comercial de BCI Fomento. Esta situação tornou possível a entrada de novo grande acionista português, o grupo Banco Português de Investimentos (BPI). O BPI ficou com 30% das ações do banco. Em novembro de 2007, com a saída do Grupo SCI e a entrada do grupo INSITEC, houve uma nova restruturação acionária do BCI. As ações do grupo CGD caíram de 60 para 51%; o grupo BPI manteve-se com 30% das ações e o INSITEC ficou com 18,12% das ações do BCI. Porém, apesar da mudança na estrutura acionista do BCI, com maioria de capitais estrangeiros, a sua estratégia comunicacional continua vendendo aos seus clientes (e a todos os moçambicanos), uma ideia de um banco local, um banco de Moçambique, um banco que trabalha para desenvolver a economia de Moçambique e os moçambicanos. Usando-se da cultura e identidades tidas como locais (culinária, música, dança, vestes, artistas e expressões linguísticas), para se (re) posicionar e vender os seus produtos e serviços no mercado bancário moçambicano. Esta nova estratégia comunicacional do BCI focado no ser daqui, de Moçambique, na valorização de tudo que é nacional, motivou-me a fazer uma análise da recepção da publicidade do BCI em Moçambique. Isto é, fazer uma análise de como alguns 4

5 clientes do BCI recebem e representam os anúncios do banco. Uma análise feita a partir dos arranjos dos próprios clientes. Nesse sentido, tracei como objetivo geral analisar a recepção dos anúncios publicitários de BCI, veiculados nas televisões moçambicanas e outdoors, a partir do ponto de vista dos clientes do banco. Especificamente, a pesquisa propunha, primeiro, identificar e descrever as publicidades daquela empresa; segundo, descrever as representações dos clientes acerca daqueles anúncios A invenção de Moçambique No território que hoje se chama Moçambique localiza-se na faixa da costa oriental da África Austral. Este país é limitado a norte pela Tanzânia, a noroeste pelo Malawi e Zâmbia, a oeste pelo Zimbabwé, a leste pelo Canal de Moçambique e Oceano Indico, fazendo fronteiras marítimas com as Comores e Madagascar, e a sul e sudoeste pela África e Suazilândia. Na costa oriental de África, incluindo Moçambique, entre os séculos IX e XIII, começaram a fixarem-se populações vinda da região do Golfo Pérsico. Estes povos fundaram entrepostos comerciais na costa moçambicana, como o de Sofala. Os barcos asiáticos aportavam nessas cidades da costa trocando tecidos indianos por ouro e metais (HEDGES 1999). Segundo Hedges estes comerciantes, vindo da Índia, desposaram-se com as filhas dos grupos sociais locais e dos recémchegados árabes, assim dando origem há uma cultura costeira, a cultura swahili (mistura de árabe e línguas locais). Mesmo com a penetração mercantil portuguesa a partir do século XV, fundamentalmente motivada pela demanda do ouro, os comerciantes asiáticos continuaram a praticar o seu comércio, embora em pequena escala, pois, nessa altura, os portugueses haviam se fixado no litoral moçambicano com o objetivo de controlar o escoamento do ouro vindo do hinterland. Moçambique ao alcançar a sua independência da colonização portuguesa em 1975, como uma das primeiras medidas realizadas pelas elites políticas locais foi a adoção de uma economia centralmente planificada baseada num modelo socialista de desenvolvimento em Uma decisão tomada no III Congresso da FRELIMO, realizado em Tofo, província de Inhambene, Moçambique. Quando a FRELIMO deixa formalmente de ser um movimento de luta de libertação de Moçambique e passa a ser um partido de orientação marxista-lenenista (ABRAHAMSSON E NILSSON, 1994). 5

6 Este sistema caracterizava-se pela centralização das decisões político-econômicofinanceiras do país. O Estado era o único ator que decidia sobre as rédeas da economia nacional: o Estado ditava o que produzir e quando produzir; financiava o investimento público através da promoção do setor cooperativo baseado na propriedade coletiva (cooperativas agrícolas e construção de aldeias comunais); nacionalizou as empresas e os imobiliários pertencentes aos colonos portugueses; promovia o baixo consumo; exercia o controle administrativo dos preços de bens e serviços e da política fiscal e monetária através do Banco de Moçambique (BdM), este com funções de Banco Central e de operações externas, e Banco Popular de Desenvolvimento (BPD), banco comercial com atribuições de financiamento da economia nacional (Mosca 2005). Mas a ineficácia e a ineficiência do Estado e, sobretudo, a incapacidade de ocupar toda a economia, aliado a guerra civil, criou condições para que o país entrasse em uma crise interna e como solução para a crise Moçambique candidatou-se a membro de ao Council for Mutual Economic Assistance (COMECON), para buscar auxílio financeiro que necessitava, mas sem sucesso. O COMECON (foi fundado em 1949, e visava a integração econômica das nações do Leste Europeu, com objetivo de fornecer ajuda mútua para o desenvolvimento dos países membros (União Soviética, Alemanha Oriental, Tchecoslováquia, Polónia, Bulgária, Hungria e Romênia, e mais tarde: Mongólia, Cuba, e Vietnã). Esta organização surgiu no contexto europeu após o final da Segunda Guerra Mundial, da qual resultou na destruição de parte do continente europeu e surge como a resposta soviética ao plano edificado pelos Estados Unidos, o Plano Marshall, que visava apoiar a reconstrução econômica da Europa Ocidental. Moçambique não foi aceite como membro do COMECON por que não foi reconhecido como um país socialista, mas um país de orientação socialista por que o país pautou pelo socialismo cientifico: criação de homem destruição e substituição das instituições sociais tradicionais locais (tribos, etnias, curandeirismo, lobolo - casamento tradicional, etc.) por adoção de práticas consideradas modernas e civilizadas do ocidente (Mosca 2005). Negada a sua adesão a esta organização e aliado ao fato de que o próprio bloco socialista estava em decadência, Moçambique viu-se obrigado a encontrar alternativas, uma delas (talvez a única), foi entrar nas instituições de Bretton Woods - Banco Mundial (BM) e Fundo Monetário Internacional (FMI), em 1984, com objetivo de obter recursos e financiamentos para a recuperação econômica do país. O BM e o FMI chamam-se instituições de Bretton Woods porque as duas instituições surgiram na Conferência Internacional Monetária realizada em

7 na cidade de Bretton Woods, no estado de New Hampshire, EUA, e visavam assegurar a estabilidade monetária internacional, impedindo que o dinheiro escapasse dos países e restringindo a especulação com as moedas mundiais após a Segunda Guerra Mundial (HANLON 1996). Após essa adesão Moçambique começou a receber os recursos que precisava. Mas junto com os recursos chegaram, também, as imposições do BM e FMI e a dívida dos empréstimos contraídos juntos aos seus parceiros - Estados Unidos e Europa Ocidental (ABRAHAMSSON E NILSSON, 1994). Assim, Moçambique, seguindo as imposições e recomendações da BM e FMI, começou a implementar o Programa de Reabilitação Econômica (ajuste econômico estrutural); o país começou a cortar as despesas públicas, sobretudo nas áreas de Saúde e educação e reduziu salários dos funcionários públicos; privatizou as empresas estatais e/ou controlados pelo Estado; limitou o envolvimento do Estado na economia e, o acesso ao crédito passou a ser determinado pelas forças de mercado; acabou com os subsídios e controle dos preços; desvalorizou drasticamente a moeda; liberalizou a economia (abriu-se a economia do mercado) e minimizou as taxas importação e exportação; aceitou a entrada de agências de ajuda humanitária no país; e adotou o regime político multipartidário que culminou com a realização das primeiras eleições gerais em 1992 (ABRAHAMSSON E NILSSON, 1994; HANLON 1996). Com a liberalização da economia nacional, Moçambique entrava em uma fase de abertura ao livre comércio, ao modelo neoliberal de capitalismo. Assim, com esta abertura do país ao livre comércio, várias empresas privadas e multinacionais com investimento estrangeiro e nacional, surgiram, tais como bancos comerciais, Banco Comercial de Moçambique (BCM), Banco Internacional de Moçambique (BIM), Banco Comercial e de Investimentos (BCI), empresas de telefonia móvel, Moçambique Celular (mcel) e Vodafone/Moçambique, e os megaprojetos (Mozal, uma empresa de fundição de alumínio, Vale e Rio Tinto, duas empresas de extração de carvão mineral). A partir daí Moçambique encontrava-se mergulhado no circuito econômico capitalista neoliberal cada vez mais globalizado. Globalizado por que se trata de processos, atuantes numa escala global, que atravessam fronteiras nacionais, integrando e conectando comunidades e organizações em novas combinações de espaço-tempo, tornando o mundo, em realidade e em experiência, mais interconectado (MCGREW apud HALL 2011). Em Moçambique começa, a 7

8 partir deste momento, a existir um grande fluxo de moeda e finanças vindo de outras nações/estados-nação em forma de investimentos diretos e/ou de empréstimos ao país O contexto etnográfico Como em qualquer pesquisa acadêmica é sempre conveniente fazer uma descrição dos métodos e técnicas que foram usados na recolha do material etnográfico. Esta pesquisa não será uma exceção a esta simples e honesta regra da busca da cientificidade. Assim, neste presente estudo exploratório de carácter qualitativo foi usado o método etnográfico para a coleta do material empírico. Foi em Malinowski (1997) que o trabalho de campo se constitui como uma ferramenta fundamental para o fazer antropológico. De acordo com Magnani (2009, p. 135), a etnografia é uma forma especial de operar em que o pesquisador entra em contato com o universo dos pesquisados e compartilha seu horizonte, não para permanecer lá ou mesmo para atestar a lógica de sua visão de mundo, mas para, seguindo-os até onde seja possível, numa verdadeira relação de troca, comparar suas próprias teorias com as deles e assim tentar sair com um modelo novo de entendimento ou, ao menos, com uma pista nova, não prevista anteriormente. Os clientes do BCI abrangidos por este estudo são denominados por grupo doméstico (termo usado pelo banco para designar as pessoas de baixa renda ), pessoas que abriram as suas contas bancárias com valores mínimos (de 100 a 500 meticais). Além do grupo doméstico o BCI divide os seus clientes em BCI Exclusivo (segmento virado para pessoas com rendimentos altos, os empresários), BCI Private (segmento virado para atendimento de pessoas com mais de 45 mil dólares) e BCI Corporate (segmento virado para as instituições de cooperação e/ou empresas). A escolha do grupo doméstico dos bairros de Polana A e B deveu-se à facilidade de acesso aos seus membros. Desde 2010 que tenho vindo a trabalhar nestes bairros. Fato que tornou a minha presença no local um pouco familiar, pois construí certo vínculo de amizade com os residentes daqueles bairros, permitindo ter acesso, não só às pessoas para entrevistá-las, mas também acompanhar as suas atividades no banco. Os bairros de Polana Caniço A e B, que compõem o campo de pesquisa deste estudo, ficam situados no Distrito Urbano de KaMaxakeni na Cidade de Maputo, na zona Sul de Moçambique. Estes bairros estão localizados, concretamente, no sudoeste do Município de Maputo, próximo ao litoral da Baia do mesmo nome. O nome Polana Caniço vem tipo de casas 8

9 que existiam quando da sua invenção. As casas eram feitas de estacas, caniço e chapas de zinco. Para diferenciá-lo do outro bairro colonial de casas de alvenaria, prédios, casas feitas de blocos e cimento, estes dois bairros foram baptizados pelo nome de Polana Caniço. Por sua vez, o bairro foi dividido em Polana Caniço A e Polana Caniço B devido à sua extensão. Estes dois bairros fazem parte da extensa periferia da Cidade de Maputo que concentra a maior parte da população urbana de baixa renda que na sua maioria tem o comércio (in) formal como a principal fonte de obtenção de renda para a sua sobrevivência. Em quase todos os domicílios ou famílias existe um estabelecimento comercial, mercearia, barraca ou banca onde as pessoas vendem diferentes tipos de produtos alimentares e não alimentares. As populações residentes nestes bairros foram trazidas, num primeiro momento, ainda no período colonial, pelo êxodo rural. São pessoas que saíram de outras províncias do país, sobretudo das províncias de Gaza e Inhambane, à procura de trabalho assalariado e de escolas na Cidade de Maputo, então Lourenço Marques. Num segundo momento, já depois da independência de Moçambique em 1975, e durante o período da agudização da Guerra Civil, nas décadas de 1980 e princípios da década de 90, os bairros de Polana Caniço A e B receberam pessoas que saíam de vários lugares do país fugindo dos efeitos da guerra que havia assolado sobremaneira as suas residências. Estas pessoas fixaram suas residências no bairro e, algumas dessas pessoas nunca mais regressaram as suas zonas de origem mesmo depois do fim da Guerra Civil em Num terceiro momento, vieram pessoas assoladas pelas cheias de 2000 que também fixaram as suas casas nos dois bairros. Desde 2010 quando entrei em campo pela primeira vez e até hoje 2014, os bairros de Polana Caniço A e B, sobretudo a Polana Caniço A devido a sua proximidade com o bairro da Sommershield II (bairro onde moram alguns magnatas com casas luxuosas do tipo duplex), são bairros muito disputados pela posse de terra para construção. Magnatas é um termo émico usado pelos residentes do bairro da Polana Caniço A para designar empresários, políticos e/ou pessoas socialmente bem sucedidas e com elevadas somas de dinheiro residentes no bairro da Sommershield II. Nessa disputa três agentes se enfrentam, o Estado, os residentes e os magnatas. O Estado, representado pelo Município de Maputo, pretende retirar as pessoas em nome da requalificação do bairro, construindo prédios de 5 a 10 andares, escolas e supermercados. Os magnatas se antecipam ao projeto do município contatando os residentes do bairro para comprar os seus espaços. Os residentes desconfiando das pretensões do município 9

10 vendem os seus espaços. Assim, uma boa parte dos telhões próximos a Av. Julius Nyerere e do bairro da Sommershield II, já foram vendidos e os magnatas estão a erguer duplex Observação, entrevistas e uso de imagens (filmes, fotos e panfletos) Segundo Strathern (2013, p. 67), a produção etnográfica pós-moderna é resultante de um dialogo entre o antropólogo e o chamado informante: o relacionamento observador/observado não mais pode ser assimilado àquele entre sujeito e objeto. O objeti(iv)o é uma produção conjunta. Muitas vozes, múltiplos textos, autoria plural. Como se pode depreender, na perspectiva desta autora, a produção etnográfica pós-moderna é uma ficção, uma meta-narrativa dialógica, polifônica ou multivocal, com reciprocidades similares entre o etnógrafo e os seus interlocutores. Esta nova postura do fazer etnográfico coloca em cheque um tipo de produção da antropologia moderna autoritária, marcada pela superioridade absoluta do etnógrafo sobre o seu pesquisado. Nesta nova produção etnográfica nenhum conjunto de vozes deve ser negado ou privilegiado - o antropólogo deve objetificar a sua própria posição na etnografia, tanto quanto luta para interpretar a subjetividade dos outros (STRATHERN, 2013, GOLDMAN, 2003). Seguindo a trilha das etnografias pós-modernas, o meu fazer etnográfico aconteceu nas agências bancárias do BCI, em acompanhar os clientes para o saque ou depósito do seu dinheiro. Usando do diário de campo fui fazendo notas das suas conversas sobre o banco, fotos e anúncios do banco. Foi possível acompanhar a rotina dos clientes do banco, tanto dentro das agências quanto nos ATM s (caixa automática), graças à minha identificação enquanto cliente do BCI. Isso permitiu que os meus interlocutores não estranhasse a minha presença no banco e desenvolvesse conversas sobre a publicidade do BCI com alguma naturalidade. Realizei, também, entrevistas (CALDEIRA, 1981; DUARTE, 2004) gravadas em um gravador de voz áudio com recurso aos vídeos, fotos e folhetos publicitários do banco. Para a realização das entrevistas, primeiro projetava em meu computador (notebook) os filmes publicitários do banco que foram (ou eram) transmitidos nas televisões moçambicanas e os meus interlocutores e eu assistíamos junto. Enquanto assistíamos aos filmes os meus interlocutores iam produzindo alguns discursos, percepções e imaginações sobre os mesmos. Depois de assistidos e desenvolvidos as conversas sobre os filmes, de seguida eu lhes mostrava as fotos e folhetos publicitários do banco também para comentar em cima. Dai começava a desenvolver a conversa com eles sobre o que 10

11 significavam as pessoas que estavam nas fotos e folhetos, se as pessoas retratadas ali nas fotos e folhetos eram ou não pessoas daqui como o banco. Se a resposta era sim são pessoas daqui ai perguntava por quê? E a conversa se desenrolava até onde fosse possível chegar. O uso da técnica de foto-elicitação (HARPER; HEISLEY e LEVY apud HURWORTH s/d), permitiu estimular os comentários e opiniões produzidos pelos meus interlocutores sobre as fotos publicitárias e daquela empresa. A mesma técnica foi usada para provocar comentários, percepções e imaginações dos clientes sobre os vídeos publicitários. Além das entrevistas tidas com os clientes do BCI, igualmente, foram realizadas entrevistas com os responsáveis da direção de marketing do banco e com os publicitários da GOLO para captar as estratégias publicitárias adotadas para o (re) posicionamento do banco no mercado moçambicano como uma empresa local. O método etnográfico e os instrumentos usados permitiram-me captar as representações, percepções, discursos e imaginações produzidos pelos meus interlocutores sobre a publicidade do BCI. Aspetos que serão vistos nas secções seguintes a este ponto. 11

12 3. Era preciso moçambicanizar o BCI... O título deste capítulo resulta das conversas tidas com dois responsáveis da Direção de Marketing do BCI e com a gerente da conta do BCI junto à Agência GOLO, uma agência moçambicana de publicidade e mídia responsável pela produção da publicidade do BCI. Esta frase foi recorrente nos discursos destes interlocutores quando eu lhes perguntava por que da mudança da estratégia comunicacional do banco para a atual, ostentando o slogan BCI, é daqui? A resposta sempre era: era preciso moçambicanizar o BCI, isto é, tornar o BCI um banco moçambicano e concebido para os moçambicanos. A própria ideia da moçambicanização vem da literatura moçambicana, sobretudo da poesia de José Craverinha e Noémia de Sousa. Toda a sua poesia é marcada pela afirmação de ser moçambicano, demarcando-se claramente o Outro. Pela representação da experiência atual moçambicana através da busca da identidade nacional. A literatura potencia esta busca, ou ainda, que está nesta busca uma das razões que presidem ao fazer literário moçambicano (SAÚTE, 1998). Nesta perspectiva de moçambicanizar o banco, entre 2008 e 2009, o BCI solicitou uma pesquisa de mercado que abrangeu acerca de 500 pessoas com objetivo de saber como os moçambicanos viam e percebiam o banco, os seus produtos e serviços. Depois de 10 anos de atividade, a pesquisa visava (re) posicionar o banco dentro da esfera bancária local. Os resultados da pesquisa sugeriram a simplificação da nomenclatura do BCI Fomento para BCI, pois os clientes no seu léxico cotidiano falavam do BCI não do BCI Fomento: eu vou ao BCI ou eu estava no BCI. Igualmente, a pesquisa sugeriu a simplificação da logomarca do banco de sete cores (preto, branco, amarelo, vermelho, azul, laranja e verde) para duas cores (azul e laranja). Recentemente a logomarca banco é constituída de duas cores branca e laranja. Estudo revelou que as pessoas abrangidas pela pesquisa consideraram a cor branca e a cor laranja como sendo neutras e abrangentes (são cores que não discriminam a cor da pele das pessoas). Na logomarca antiga, além das cores, foi retirado o nome do grupo português CGD. Assim, a logomarca do banco passou a ser de fundo branco e laranja. Ainda o mesmo estudo em alusão sugeriu que o BCI é um banco privado pertencente a um grupo de moçambicanos, por isso, é um banco daqui. Expressão usada atualmente como slogan do banco, mudando do slogan meu banco para BCI, é daqui. A outra inovação na nova estratégia comunicacional do BCI foi de incluir, nos seus anúncios, alguns músicos moçambicanos, nomeadamente 12

13 Wazimbo, Valdimiro José, Neyma, Moreira Chonguiça e o grupo musical Ghowrane. Artistas de gerações diferentes que apelam para clientes de diferentes faixas etárias. Quando perguntei a gestora da conta de BCI junto à Agência de Publicidade e Marketing GOLO (agência responsável pela produção da publicidade do BCI), por que escolheram aqueles artistas e não outros? Ela afirmou: o uso das imagens dos artistas foi uma recomendação do próprio banco. Estes artistas procuraram o banco para pedir patrocínio. O banco deu-lhes patrocínio e como forma de retribuir os artistas deviam fazer campanhas para o banco. Foi assim que os músicos e a suas músicas aparecem nas campanhas do BCI. Escolheram-se artistas moçambicanos daqui. Foi possível perceber através da etnografia feita nas agências do BCI e das entrevistas realizadas com alguns clientes do banco que as careiras destes artistas ganharam, a partir da propaganda do BCI, outro patamar. Eles ficaram mais conhecidos a nível local; alguns moçambicanos passaram a conhecê-los e gostar das suas músicas a partir da publicidade do banco. Segundo os responsáveis da direção de marketing do BCI, a escolha destes artistas revelou-se como uma opção acertada. Para eles o primeiro jingle (peça descrita a seguir) onde estes artistas participam marcou uma viragem na comunicação do banco, porque, primeiro, os nossos clientes rapidamente se identificaram com o banco, como banco da sua terra, um banco de Moçambique. Segundo, exploramos a questão da música e da dança, porque os moçambicanos estão toda hora contando e dançando todo tempo não importa o lugar 2. Com base nestes trechos das entrevistas realizadas na Agência GOLO e na direção de Marketing do BCI se percebe que uma produção publicitária bem sucedida precisa conhecer certos sistemas de ideias, símbolos, valores, representações e pensamentos que norteiam um grupo social e/ou uma sociedade. Porque só assim, e valendo-se da ferramenta fundamental da pesquisa de mercado, se pode captar as representações e imagens produzidas pelos clientes para cada produto, bem e serviço. Nesse contexto, é pode-se perceber, ainda, que todo significado social do mundo dos anúncios não é apenas uma fantasia de um publicitário isolado, mas resultados de um movimento combinado entre os consumidores e a criação publicitária. A passagem do BCI de um banco exclusivamente de investimentos para um banco de retalho, a sua estratégia do comunicacional (reposicionamento da marca) foi adaptada para uma 2 Entrevista havida no dia na Cidade de Maputo. 13

14 comunicação de massas (virada para todo tipo de clientes). Direcionando as mensagens do banco no eu, eu cliente de Moçambique, que olha para o BCI como banco da sua terra, o um banco daqui. Nesse sentido, o banco procurou explorar uma ideia de uma moçambicanidade primordial e original como ilustram os filmes e fotos publicitários descritos a seguir. Assim, o marketing e a publicidade se apropriaram da cultura e das identidades moçambicanas enquanto uma vantagem competitiva na promoção do banco, seus produtos e serviços. Segundo Rocha (2010) e Muller (1989), a função da publicidade, como é obvio, é a de promover a venda de mercadorias produzidas sob o sistema capitalista. A sua função primordial é a de criar uma imagem, um significado a cada produto ou serviço, a partir do qual os consumidores se sintam estimulados a comprá-lo, distinguindo-o de outros produtos e serviços concorrentes. A distinção entre os produtos e serviços pode ser estabelecida a partir de diversas categorias, tais como a sua utilidade, a sua inovação tecnológica, o preço, entre outras categorias. Segundo Muller (1989) para a publicidade criar essas imagens e significados atribuídos aos produtos e serviços ela suporta-se da pesquisa de mercado realizada para com o propósito de captar a percepção dos consumidores sobre aquele determinado produto e/ou serviço Evolução das logomarcas do BCI Primeira Segunda Terceira Quarta e atual 14

15 3.2. Corpo visual: fotos e folhetos publicitários Fonte: GOLO Think local, comercial que consta da estratégia de comunicação

16 Campanha institucional 2011 Campanha: apoio aos mambas CAN 2010 Campanha Tako Móvel (2012) 16

17 BCI: o melhor vem daqui 2014 Foto: Agência 17

18 4. A reinvenção da moçambicanidade a partir da publicidade do BCI Neste capítulo tratarei de análise do material empírico coletado a partir da observação, entrevistas, peças e imagens publicitárias do BCI. Começarei a minha análise descrevendo dois anúncios do BCI que me parecem interessantes para adentrar a questão das imagens, representações, ressignificações, identidades (moçambicana) produzidas pelos clientes do banco. Estes anúncios são interessantes para análise da recepção na medida em que foram enunciados e descritos de forma recorrente pelos meus interlocutores durantes as entrevistas e conversas tidas na Cidade de Maputo. Além destes dois anúncios, as fotos descritas na secção anterior foram usadas nas entrevistas. Durante o trabalho de campo realizado em na Cidade de Maputo, uma das perguntas que norteou a conversa com os meus pares foi a seguinte: Você se lembra de alguma publicidade do BCI? Se sim, qual? O primeiro anúncio que foi mencionado de forma recorrente pelos meus pares é intitulado BCI, é daqui, exibido pela primeira vez nas televisões e rádios locais em 2010 e o segundo anúncio intitula-se Eu sou daqui exibido pela vez no ano de O primeiro anúncio é um spot que começa o seu filme com a câmara percorrendo as águas da costa literal de Moçambique, mostrando dunas formadas por areia branca. E ao fundo ouve-se uma música e a locutora diz: - há coisas que não se explicam só entende quem é daqui. É mais bonito quando é daqui. (mostrando uma moça que pintou a cara de mossiro, com lenço na cabeça, uma blusinha cor vermelha, com um fio que parece de ouro no pescoço, ela andando, depois sentada na área da praia). É mais verdadeiro quando é daqui (mostra dois senhores se cumprimentando). Tudo que é daqui toca-nos mais (mostrando crianças jogando futebol na rua). As emoções são mais fortes quando são daqui (mostrando uma multidão no estádio de futebol levantando bandeira de Moçambique com logomarca do BCI). A Marrabenta é daqui (mostra 5 jovens, 2 de sexo masculino e 3 de sexo feminino, um dos jovens tocando guitarra e uma das moças dançando à Marrabenta). Galinha à zambeziana é daqui (mostra uma senhora com blusa verde e branca assando o frango à zambeziana e outras pessoas sentadas em volta da mesa comendo). Mukapata com feijão nhemba é daqui (a mesma senhora cozinhando feijão nhemba). Tudo soa melhor quando é daqui (mostra um homem tocando guitarra). Tudo é mais natural quando é daqui (mostra uma floresta e a fauna bravia, elefantes e gazelas). O maior palmar do mundo é daqui (mostra o palmar da Zambézia, uma das províncias de Moçambique). Os nossos heróis são daqui (mostrando 3 jovens andando e alegres. Um dos jovens com uma camiseta com bandeira e 18

19 escritas com a palavra Moçambique no peito). Gostar maningue (muito) é só daqui (mostrando dois jovens rindo). As melhores coisas são daqui. De seguida mostra-se o logotipo do banco. E ouve-se em off o narrador dizendo: o meu banco é daqui. O segundo anúncio é um jingle intitulado Eu sou daqui (com o tempo de duração de 60 segundos), que começa o seu filme com uma música de Wazimbo com o título nwahulwana. O vídeo mostra o saxofonista Moreira Chonguiça, depois Wazimbo, Neyma, Valdimiro José, Roberto Chitsondzo (este tocando guitarra). Neyma (vestida com uma blusa laranja e com cabelos humanos, sorrindo) diz: eu sou daqui. Moreira (ajeitando seu casaco e sorrindo). Valdimiro José (com uma camiseta verde-claro) aparece e diz: eu sou daqui. E aparece Wazimbo cantando. Moreira diz: eu sou daqui. Dai Moreira e Valdimiro José aprecem abraçados e sorrindo. De novo aparece a cantora Neyma dizendo: eu sou daqui. De seguida aparece Moreira tocando saxofone e Wazimbo cantando. Depois Neyma e Valdimiro aparecem José cantando: eu sou daqui, eu sou daqui, eu sou daqui. E vem Moreira Chonguiça e Roberto Chitsondzo cantar: eu sou daqui, eu sou daqui. Aparece a banda musical ghorwane cantando: eu sou daqui. De seguida aparecem todos os músicos comercial cantando: eu sou daqui, eu sou daqui, eu sou daqui. Depois Neyma, Valdimiro José e Moreira Chonguiça dizem: o meu banco? O meu banco? O meu banco também? E aparece o logo do banco ao mesmo tempo em que em off o locutor diz: BCI? O meu banco? É daqui. Estes dois anúncios, sobretudo o primeiro, marcaram uma viragem na estratégia comunicacional do BCI. Estas peças foram concebidas e rodas em Moçambique. Nelas são ilustradas as paisagens naturais de Moçambique (águas do oceano Indico, dunas, praias), os signos e elementos culturais (vestes, mussiro, culinária, linguagem, música, dança e músicos) reconhecidos localmente. O Mussiro é um creme tradicional para a pele, feito a partir do caule de uma planta conhecida pelo mesmo nome. Este creme é geralmente usado pelas mulheres da região norte de Moçambique. Segundo elas o creme quando aplicado na face rejuvenesce a pele e também combate às espinhas (borbulhas, acne). As pessoas comuns e os artistas que aparecem no spot e no jingle e nas fotos e folhetos publicitários do BCI quase sempre aparecem vestidos de roupas feitas a capulana. Um nome de origem tsonga que se dá em Moçambique a um pano com cores fortes que, normalmente, é usado pelas mulheres para cingir o corpo, fazendo às vezes de saia, podendo ainda cobrir o tronco, a cabeça e até ninhar os bebês. Atualmente o tecido da capulana é usado para fazer roupas para homens e mulheres, desde camisas até vestidos. 19

20 Também é usado misturado com outros tecidos para fazer uma variedade de roupas para ambos os sexos. Utilizada largamente em todo o país, é vendida por ambulantes e/ou em lojas especializadas na venda destes panos. O que a publicidade do banco fez foi recapitalizar determinados signos e referências culturais localmente reconhecidos. A localidade, o orgulho pelas coisas locais, é traduzido em termos imagéticos, imediatamente inteligíveis, a despeito de uma pretensa moçambicanidade. Em uma das entrevistas havidas, coloquei o filme publicitário da peça BCI, é daqui a rodar em meu notebook, enquanto o filme rodava o meu par comentava em cima do filme: este filme fala da nossa cultura, fala das nossas coisas. A galinha a zambeziana, a mukapata é da minha terra, é da Zambezia, é daqui. Tudo isso que se fala aqui é da nossa cultura geral. Comida da minha província. É mukapata, essa galinha a zambaziana. O banco está a respeitar a nossa cultura geral. Não podemos viver na base da cópia. (...) é o que vivemos no nosso dia a dia 3. O mesmo interlocutor quando o perguntei o que significava a expressão BCI, é daqui? Respondeu-me o seguinte: Quer dizer é nosso banco. É um banco que pertence ao nosso país. Não é um banco estrangeiro. É diferente de Barcleys, BIM, Banco Único, Mozabanco, que são bancos que mudam de nomes são bancos estrangeiros. E ainda relacionando com o segundo vídeo publicitário, Eu sou daqui, o meu interlocutor disse: Este é um músico, conheço, conheço. São nossos irmãos. O banco é nosso e os artistas são nossos também. Não há nenhum estrangeiro ai. São nossos artistas nacionais, são daqui. Outro interlocutor falando dos dois filmes e das fotos publicitários afirmou que: Por exemplo, naquela publicidade que me mostrou no inicio tem aquela moça que pôs mussiro na cara. Aquilo se faz em Nampula. É nossa cultura. São coisas que acontecem no nosso país. (...), é só imaginar a marrabenta. A marrabenta é nossa (rindo). Nosso ritmo. (...) até que é essa senhora (Neyma) que eu disse que dançava a marrabenta. É esta aqui. Ela é cantora. Nossa cantora nós conhecemos e também dançando cultura nossa que é a marrabenta e todo moçambicano conhece o que é marrabenta. Portanto isso de forma traduz que isso e Moçambique mesmo. Que o banco é moçambicano 4. A alusão a Moçambique, às coisas da terra, marrabenta, música, danças, artistas locais, culinária, embelezamento do corpo com os cremes da terra, tem algo de real, consumir a 3 Trecho da entrevista havida no dia no bairro de Polana Caniço A, Cidade de Maputo. 4 Trecho extraido da entrevista tida no dia na Polana Caniço B, Cidade de Maputo. 20

21 moçambicanidade aludida na mensagem da publicidade do banco. Importa, porém, pontuar que o ser daqui invocado pelo banco e pelos meus interlocutores refere-se a uma identidade moçambicana, uma moçambicanidade, referenciada em oposição a algo que vem de fora. Nestas mensagens e entrevistas há uma série de referências simbólicas que funcionam como sinais diacríticos no mercado bancário nacional. Isso se percebe no discurso do primeiro interlocutor quando este refere que o BCI é nosso banco. É um banco que pertence ao nosso país. Não é um banco estrangeiro. É diferente de Barcleys, BIM, Banco Único, Mozabanco, que são bancos que mudam de nomes, mas são bancos estrangeiros. No fundo há uma alusão a moçambicanidade enquanto símbolo nacional por oposição a algo estrangeiro. Como refere Ngoenha (1998), a moçambicanidade, aparece como um projeto historicamente político. Primeiro, nasceu do projeto colonial português, segundo, nasce da negação dos moçambicanos em continuarem a ser uma província ultramarina de Portugal. É nessa negação ao estrangeiro que se constrói a publicidade do BCI. A veracidade do BCI, um banco daqui, é dada pela sua geografia. A sua ação vincula-se umbilicalmente ao solo. Paisagens naturais (praias, fauna e flora), vestes, culinária, pessoas, música, seus artistas, não são simplesmente cenários, mas sim referências culturais e símbolos que ontologicamente constituem a história que está sendo relatado na publicidade do banco, como diria Ortiz (2007) ao falar do westen nos filmes americanos. Segundo Ortiz, falando da mundialização da Marlboro, a eficácia da sua propaganda em alguns países reside em algo que lhe é anterior, uma educação, temática e visual, propiciada pelo cinema, televisão, histórias em quadrinhos, literatura, que divulgou entre os povos uma imagem verossímil do que seria o faroeste. Entretanto, evidentemente, a estratégia de Marlboro procura se adaptar as suas mensagens à exigência dos mercados locais, na África o cavaleiro é negro, evita os pontos conflituosos da história sangrenta dos homens. A luta entre o branco e o índio, os massacres, os sinais de violência e de trabalho são apagados (idem, p.116). O BCI, num movimento mais ou menos semelhante, conforme o descrito no ponto (2) anterior, na sua estratégia comunicacional, retirada de toda a informação que vinha nas logomarcas do banco referente aos dois bancos acionistas maioritários de origem portuguesa (CGD e BPI) para se adaptar à exigência do mercado moçambicano. Assim, na publicidade do BCI, o consumo e a nação são faces da mesma moeda. Os publicitários da GOLO, nas peças e fotos publicitárias do banco, procuram ensinar aos 21

22 moçambicanos (e não só) as maneiras, e o imperativo de usar o BCI, eles trabalham para a eficácia e o reforço da unidade nacional e da memória nacional. Nesse contexto, a memória nacional e o banco se interlaçam a tal ponto que aparentemente a própria tese de moçambicanização se justifica. Na publicidade de BCI, como os meus interlocutores fizeram referência nos trechos anteriores dos seus discursos, explora-se a questão da intertextualidade. A ideia segundo a qual um texto é sempre construído a partir de outros discursos anteriores [...], a versão de qualquer livro, que porventura viesse a ser escrito, seria apenas a combinação dos elementos existentes nesta biblioteca universal (ORTIZ 2017, p.126). Nesse mesmo diapasão, seguindo o raciocínio deste sociólogo, a publicidade do BCI em seus diferentes formatos figurase como uma paródia típica dessa intertextualidade, no sentido de que são citados lugares e aspetos reconhecidos e familiares para os moçambicanos. A publicidade do BCI cita lugares (dunas, praias e palmar da Zambézia), elementos culturais (música, vestes, culinária, etc.) e os artistas locais reconhecidos entre os moçambicanos e com os quais se identificam enquanto elementos da sua terra. Assim, a representação e a (re) invenção das identidades sociais são elementos patentes nos discursos dos anúncios e nos discursos produzido pelos meus interlocutores acerca daquelas peças. Conforme Judilet (1993, p. 01), a representação social refere-se a uma forma comum de conhecimento, senso comum, com seguintes caraterísticas: a) ela é socialmente elaborada e partilhada e se constitui a partir das nossas experiências, mas também informação, conhecimento e modelos de pensamento transmitidos por meio da tradição, educação e comunicação social; b) ela tem o objetivo de organizar o nosso ambiente (físico, social, ideal) e orientar as nossas condutas e interações e; c) ela contribui para estabelecer uma visão comum da realidade de um grupo social (grupo, classe, etc.) ou cultural. Posto isso podemos voltar à análise dos discursos produzidos pelos nossos interlocutores. BCI é nosso banco. É um banco que pertence ao nosso país. Não é um banco estrangeiro.[...]. Este trecho valida o argumento desenvolvido por Stuart Hall (2011) de que as identidades nacionais não são coisas com as quais nós nascemos, mas são formadas e transformadas no interior da representação. Ao dizer o BCI é um banco que pertence ao nosso país [...] faz se referência nação enquanto esta comunidade política imaginada, - e imaginada como sendo intrinsecamente limitada, e ao mesmo tempo, soberana (ANDERSON, 2008, p. 32). 22

23 Bibliografia ABRAHAMSSON, Hans & NILSSON, Anders. Moçambique em transição: um estudo da história de desenvolvimento durante o período Maputo: addrigu/ceei-isri, ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexães sobre a origem e a difusão do nacionalismo. [Tradução Denise Bottman], São Paulo: Companhia das Letras, HANLON, Joseph. Paz sem benefício: como o FMI bloqueia a reconstrução de Moçambique. Maputo: CEA, HEDGES, David (dir.), História de Moçambique vol. I. Maputo: UEM-DH, GOLDMAN, Márcio. Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos. Etnografia, antropologia e política e, Ilhéus, Bahia. Revista de Antropologia, v.46, N.2, São Paulo CALDEIRA, Teresa. Uma incursão pelo lado não respeitável da pesquisa de campo. Ciências Sociais Hoje. Recife/Brasília, CNPq ANPOCS, DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educ. Rev. [online]. n. 24, HALL, Stuart, A identidade cultural na pós-modernidade. [tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro], 11ª edição, Rio de Janeiro: DP&A, HURWORTH, Rosiland Social Reseerch Update, disponível em Acessado no dia 02 de Outubro de MAGNANI, José Guilherme C. A etnografia como prática e experiência. In Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 15, n. 32, p , jul./dez MALINOWISKI, Bronislaw. Introdução: tema, método e alcance desta pesquisa. In: Ethnologia, n.s., n 6-8, 1997, pp NGOENHA, Severino Elias. Identidade moçambicana: já e ainda não. in SERRA, Carlos. (dir.) Identidade, Moçambicanidade, Moçambicanização. Impressa universitária/uem, Maputo: ROCHA, Everardo P. Guimarães. Publicidade e Razão Prática. In: Magia e Capitalismo. Um Estudo Antropológico da Publicidade. São Paulo, Brasiliense, 1985, p Totem e consumo: um estudo antropológico de anúncios publicitários. Aleceu. Vol. 1, n 1, julh/dez 2000, p

24 & BARROS, Carla. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. RAE. Vol. 46. nº 4, out/dez 2006, p SAÚTE, Nelson. Identidades em literatura (Espaço público, literatura e identidade). In in SERRA, Carlos. (dir.) Identidade, Moçambicanidade, Moçambicanização. Impressa universitária/uem, STRATHERN, Marilyn. Fora do contexto: as ficções persuasivas da antropologia (seguido de comentários e resposta). São Paulo: Terceiro Nome, 2013, p

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL-PDE PROJETO DE INTERVENÇÃO NA ESCOLA-PDE

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Email Marketing: Dicas De Como Fazer De Uma Forma Que Funciona

Email Marketing: Dicas De Como Fazer De Uma Forma Que Funciona Email Marketing: Dicas De Como Fazer De Uma Forma Que Funciona O email marketing é uma das formas de marketing mais lucrativas que existem para pequenas, médias e grandes empresas e também para profissionais

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSORA: Ana Carolina Maciel NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: 1. Este trabalho

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Presidência da República

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Presidência da República REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República por ocasião do Almoço dos 20 Anos da Cervejas de Moçambique Maputo, 18 de Setembro

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina:

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA

FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA FÃS DE ESPORTES E A SEGUNDA TELA ESCRITO POR Zachary Yorke Jess Greenwood PUBLICADO Junho 2014 RESUMO Os fãs de esportes sempre gritaram para a tela e pularam do sofá com o barulho da multidão. Hoje em

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação

Jairo Martins da Silva. FOTOs: divulgação Jairo Martins da Silva FOTOs: divulgação E N T R E V I S T A Disseminando qualidade e cultura Superintendente-geral da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins da Silva fala sobre o desafio da qualidade

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL 7º EIN Simpósio Internacional Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede Lisboa, Academia Militar,

Leia mais

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO SETOR FINANCEIRO 2014 SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO Tendo reestruturado recentemente o seu portefólio no setor financeiro, o Grupo Américo Amorim concentra

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 2014-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no Mundo

Sistema de Ensino CNEC. 2014-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no Mundo TRABALHO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Aluno: n o Data para entrega: _11/07/ Créditos distribuídos: 6 pontos / Créditos obtidos: 4º ano do Ensino Fundamental Turma: 1-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Sumário Objetivos do Blog... 2 Log-in... 3 Esqueci minha senha... 4 Utilizando o Blog... 5 Encontrando seu Blog... 5 Conhecendo o

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um.

Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet. Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. Concurso Logotipo do Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Prezados, Segue, o Logotipo colorido, preto e branco e uma breve explicação de cada um. LOGOTIPO - 01 DESCRIÇÃO: Com apelo visual forte,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

55.585.817 DE PERFIS B2C EXCLUSIVOS

55.585.817 DE PERFIS B2C EXCLUSIVOS CONTEÚDO 55.585.817 de perfis b2c exclusivos... 3 Uma segmentação relevante é a chave para o sucesso... 4 Exemplos de campanhas... 5 Um exemplo de campanha... 6 Rastreabilidade e relatórios... 6 Gestão

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais,

Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, Bazar das Nações é uma exposição itinerante que tem como objetivo pesquisar, documentar, exibir e divulgar os tradicionais Mercados Centrais, oriundos do Brasil Colônia próximos aos portos e alfândegas,

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Veículo: Site Catho Data: 18/09/2009

Veículo: Site Catho Data: 18/09/2009 Veículo: Site Catho Data: 18/09/2009 Seção: Estilo&Gestão RH Pág.: www.catho.com.br Assunto: Entrevista Marly Vidal Marly Macedo ajuda a Sabin a ser uma das melhores empresas para trabalhar Tatiana Aude

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais