05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M)"

Transcrição

1 Doença infectocontagiosa crônica provocada por bactérias do Gênero Brucellasp. Impacto econômico Queda na produção e aborto Repetição de cio / retenção de placenta Zoonose Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M) Yersinia enterocolitica E. Coli Salmonella sp. Vibrio cholerae Colônias Rugosas B. canis B. ovis 1

2 Fonte de Infecção Animais infectados. Vias de Eliminação/Transmissão Feto e anexos fetais, secreções vaginais, leite, sêmen, fezes, urina - horizontal Transplacentária Vertical Via genital suínos, cães, bovinos e ovinos. Porta de Entrada Oro-faríngea Mucosas (conjuntiva, respiratória e genital) Pele com solução de continuidade Suscetíveis Mamíferos domésticos e silvestres Homem 2

3 Porta de Entrada Linfonodo regional Disseminação Hemática Linfática Oral Respiratória Conjuntiva ocular Genital Pele lesada Órgãos linfóides Fígado Sistema reprodutivo Útero Úbere Articulações Título de anticorpos em bovinos infectados com Brucella abortus ao longo do tempo. Inflamação aguda sistema reprodutivo Testículo Epidídimo Vesículas seminais Ampolas seminais Orquite uni ou bilateral (pus, fibrose ou necrose), Epididimite,Vesiculite Infertilidade Cronificação (assintomática) 3

4 Fetos Hiperplasia linfóide, Broncopneumonia Sinovite e edema do timo Suínos Granulomas e lesões difusas: útero, osso, glândulas mamárias, testículos, epididimo, linfonodo, baço e rim. Mumificação e repetição de cios Laminite e artrite Ovinos Placentites; abortos raros; Nascimento de cordeiros fracos Lesões no epididimo Cães Degeneração e necrose testicular Hiperplasia reticuloendotelial, Hiperglobulinemia, Discoespondilite Uveite, glomerulonefrite, Infertilidade, aborto 3/3 final Ninhadas com filhotes vivos e mortos Equinos Abortos ocasionais Fistula de cernelha 4

5 DIRETOS Presença do agente etiológico: Isolamento do agente em meio de cultura e identificação bioquímica Detecção de DNA (PCR) INDIRETOS Pesquisa de anticorpos específicos Diagnóstico Bacteriológico Meio de Farrell: agar triptose + soro (5%) + antibióticos (PolimixinaB, Bacitracina, Cicloheximide, Nistatina, Ácido Nalidíxico, Vancomicina). Diagnóstico sorológico Reação antígeno-anticorpo em resposta à infecção Infecção por brucelas lisas induzem anticorpos antibrucelas lisas: reação cruzada entre: B. abortus, B. melitensis e B. suis. Infecção por brucelas rugosas induzem anticorpos anti-brucelas rugosas: reação cruzada entre: B. canis e B. ovis. 5

6 Diagnóstico sorológico Fácil execução e interpretação Rapidez na obtenção dos resultados Baixo custo (triagem e algumas confirmatórias) Maioria das provas padronizadas internacionalmente Diagnóstico sorológico Resposta Imune - Vacinação B19 Diagnóstico sorológico Resposta Imune na Vacinação B19 6

7 Teste de triagem diagnóstica: Teste do Antígeno Acidificado Tamponado (AAT) (Rosa de Bengala) Teste confirmatório de diagnóstico: Teste do 2-Mercaptoetanol (2-ME) (2-Mercaptoetanol + Soroaglutinação Lenta) Teste de referência e para trânsito internacional: Teste de Fixação de Complemento Teste para vigilância epidemiológica: Teste do Anel em Leite ( Ring Test ) Antígeno para Prova Lenta 1 / ml Soro 0,08 ml 0,04 ml 0,02 ml 0,01 ml Antígeno para Prova Lenta 1 / 50 1 ml + 2-ME 1M 1 ml Soro 0,08 ml 0,04 ml 0,02 ml 0,01 ml 7

8 1 ml + 1 ml Antígeno para Prova Lenta 1 / 50 2-ME 1M Soro 0,08 ml 0,04 ml 0,02 ml 0,01 ml Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses, que foram vacinadas entre três e oito meses de idade. 2-ME SAL NR - NR 25I 25 50I I I I I I Inc Inc I Inc Inc Inc Inc ME 2-mercaptoetanol SAL soro-aglutinação lenta NR não reagiu I reação incompleta Inc reação inconclusiva Interpretação do teste do 2-ME para fêmeas não vacinadas e machos com mais de 8 meses. 2-ME SAL NR - NR 25I 25 50I I I I I Inc Inc I Inc Inc Inc Inc I Inc Inc Inc Inc ME 2-mercaptoetanol SAL soro-aglutinação lenta NR não reagiu I reação incompleta Inc reação inconclusiva 8

9 Teste de Fixação de complemento negativo positivo AAT teste do antígeno acidificado tamponado 2-ME teste do 2-mercaptoetanol FC teste de fixação do complemento 9

10 Medidas Específicas Destino adequado Fetos abortados Resto de aborto Desinfecção adequada Compra sorologia (-) Medidas Específicas Vacinar bezerras 3 a 8 vacinado sorologia após 2 ñ vacinados sorologia após 8 meses Ac maternos Amostra B-19 B.abortus, lisa, viva e atenuada Aplicação em bezerras entre 3 e 8 meses de idade (preferencialmente até aos seis meses); Cuidados na aplicação Não pode ser usada fora das especificações Patogênica para o homem Amostra B-19 B. abortus, lisa, viva e atenuada. É de reduzida virulência É estável e causa reações mínimas Protege cerca de 70% dos animais Imunidade por aproximadamente 7 anos Dose única Não tem ação curativa Persistência de anticorpos em animais de idade vacinados acima de 8 meses 10

11 Controle e Profilaxia Lado DIREITO FACE Art. 34 MAPA Saúde Publica Zoonose Risco ocupacional Açougueiros, magarefes, veterinários e trabalhadores rurais Contato infectados Carcaças Abortos Secreções uterinas e vaginais Sêmen Ingestão de leite 11

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose Zoonoses Salmonelose Leptospirose Tuberculose SALMONELOSE EDINAIDY SUIANNY ROCHA DE MOURA MENEZES É uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família

Leia mais

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Enfermidades Infecciosas em Bubalinos Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Doenças Infecciosas Grupo I Problemas Reprodutivos Brucelose, Leptospirose, Rinotraqueíte Infecciosa (IBR) e Metrites

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO ANEL DO LEITE (TAL)

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO ANEL DO LEITE (TAL) Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO ANEL DO LEITE (TAL) Diagnóstico a campo de Brucelose Med. Veterinário (privado) HABILITADO Curso

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA, REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

BRUCELOSE BOVINA, REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. BRUCELOSE BOVINA, REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. SCHMITT, Cléderson Idênio 1, JORGENS, Elbio Nallen 2. Introdução A Brucelose é uma enfermidade infecto-contagiosa de caráter crônico, causada por bactéria do gênero

Leia mais

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose

Tuberculose. Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose 1 2 3 Tuberculose Definição Enfermidade infecto-contagiosa evolução crônica lesões de aspecto nodular - linfonodos e pulmão Diversos animais Zoonose ETIOLOGIA Família: Mycobacteriaceae Ordem: Actinomycetalis

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral. Brucelose Bovina

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral. Brucelose Bovina Brucelose Bovina BATAIER NETO, Miguel SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas TOZZETTI, Danilo Soares will_the_doctor@hotmail.com Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT)

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Manual Técnico Brasil - 2005 3 AUTORES Andrey Pereira Lage

Leia mais

TÍTULO: PRODUÇÃO DE ANTÍGENO PARA DIAGNÓSTICO DE BRUCELOSE A PARTIR DE SOBRAS DE VACINA B19

TÍTULO: PRODUÇÃO DE ANTÍGENO PARA DIAGNÓSTICO DE BRUCELOSE A PARTIR DE SOBRAS DE VACINA B19 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PRODUÇÃO DE ANTÍGENO PARA DIAGNÓSTICO DE BRUCELOSE A PARTIR DE SOBRAS DE VACINA B19 CATEGORIA:

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA PNCEBT

BRUCELOSE BOVINA PNCEBT BRUCELOSE BOVINA PNCEBT INTRODUÇÃO As primeiras tentativas de controle da brucelose no Brasil datam das décadas de 1940-1950. As medidas propostas se restringiam ao exame sorológico de vacas que abortaram,

Leia mais

REVISÃO SOBRE BRUCELOSE SUÍNA

REVISÃO SOBRE BRUCELOSE SUÍNA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE Mário Ricardo Mattar REVISÃO SOBRE BRUCELOSE SUÍNA Castro 2008 Mário Ricardo Mattar REVISÃO SOBRE BRUCELOSE SUÍNA Monografia apresentada

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA BRUCELOSE BOVINA

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA BRUCELOSE BOVINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE POSSE CURSO DE TECNOLOGIA EM AGROPECUÁRIA KAMILA DIAS SAMPAIO ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA BRUCELOSE BOVINA Posse Novembro de 2012 KAMILA DIAS SAMPAIO

Leia mais

BRUCELOSE EM EQUINOS PARTE I (1)

BRUCELOSE EM EQUINOS PARTE I (1) BRUCELOSE EM EQUINOS PARTE I (1) INTRODUÇÃO Os equinos representam uma importante espécie entre os animais domésticos em virtude da utilização destes como meio de transporte, tração, entretenimento, esporte,

Leia mais

INCIDÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA EM MACHOS DESTINADOS À REPRODUÇÃO, NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS

INCIDÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA EM MACHOS DESTINADOS À REPRODUÇÃO, NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS INCIDÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA EM MACHOS DESTINADOS À REPRODUÇÃO, NO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, MINAS GERAIS (Incidence of bovine brucellosis in bulls, in Uberlândia, Minas Gerais) Danilo Guedes JUNQUEIRA

Leia mais

Doenças causadas por bactérias

Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias Brucelose A brucelose é uma zoonose de distribuição mundial responsável por consideráveis perdas econômicas na população bovina, além de um problema sanitário de altíssima

Leia mais

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL PARA A IMPORTAÇÃO DE EMBRIÕES OVINOS COLETADOS IN VIVO

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL PARA A IMPORTAÇÃO DE EMBRIÕES OVINOS COLETADOS IN VIVO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DA MINISTRA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 19 DE MARÇO DE 2015 A MINISTRA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

02/11/2010. Família:Neisseriaceae Gênero :Neisseria. Neisseria. Formas, arranjos e localização. Diplococo Gram - Diplococo Gram - Cultura de LCR

02/11/2010. Família:Neisseriaceae Gênero :Neisseria. Neisseria. Formas, arranjos e localização. Diplococo Gram - Diplococo Gram - Cultura de LCR Forma e Arranjo Família:ceae Gênero : Gram + 15-50% Gram 5% Formas, arranjos e localização Diplococo Gram - Formas, arranjos e localização Diplococo Gram - Cultura de LCR Secreção uretral Leucócitos e

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

Profilaxia da Raiva Humana

Profilaxia da Raiva Humana GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 1. PESQUISA DIRETA DE ESPIROQUETA Urina / Soro / LCR Visualização de espiroquetas

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EXAME ANDROLÓGICO, SOROLOGIA, CULTIVO MICROBIOLÓGICO E PCR DO SEMEN NA BRUCELOSE BOVINA E SUA IMPORTANCIA AO AGRONEGÓCIO

RELAÇÃO ENTRE EXAME ANDROLÓGICO, SOROLOGIA, CULTIVO MICROBIOLÓGICO E PCR DO SEMEN NA BRUCELOSE BOVINA E SUA IMPORTANCIA AO AGRONEGÓCIO RELAÇÃO ENTRE EXAME ANDROLÓGICO, SOROLOGIA, CULTIVO MICROBIOLÓGICO E PCR DO SEMEN NA BRUCELOSE BOVINA E SUA IMPORTANCIA AO AGRONEGÓCIO Geraldo de Nardi Junior 1, Marcio Garcia Ribeiro 2, Jane Megid 2,

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA BOVINE BRUCELLOSIS

BRUCELOSE BOVINA BOVINE BRUCELLOSIS BRUCELOSE BOVINA BOVINE BRUCELLOSIS Bianca Barbosa Lopes Acadêmica da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça Vanessa Zappa Docente da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça RESUMO A brucelose bovina

Leia mais

NAPIER JOÃO RESENDE FILHO

NAPIER JOÃO RESENDE FILHO NAPIER JOÃO RESENDE FILHO LEVANTAMENTO DE BRUCELOSE BOVINA UTILIZANDO TESTE DE ANEL DO LEITE (TAL) EM PROPRIEDADES DOS MUNICÍPIOS MINEIROS DE UNAÍ E BURITIS Dissertação apresentada à Universidade Federal

Leia mais

JACQUELINE DE ALMEIDA BRUCELOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA

JACQUELINE DE ALMEIDA BRUCELOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA JACQUELINE DE ALMEIDA BRUCELOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA RECIFE-PE 2008 1 JACQUELINE DE ALMEIDA BRUCELOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonoses e Administração em Saúde Pública. Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Toxoplasmose. Zoonoses e Administração em Saúde Pública. Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Prof. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Soroprevalência

Leia mais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais O Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete os Equinos e Asininos e tem como agente causador a bactéria Burkholderia mallei; Mormo é uma Zoonose porque

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ / UNIDADE JATOBÁ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ / UNIDADE JATOBÁ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ / UNIDADE JATOBÁ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO MEDICINA VETERINÁRIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR REALIZADO NA COOPERATIVA AGROPECUÁRIA MISTA

Leia mais

Interação vírus célula Aspectos Gerais. Tatiana Castro Departamento de Microbiologia e Parasitologia (UFF)

Interação vírus célula Aspectos Gerais. Tatiana Castro Departamento de Microbiologia e Parasitologia (UFF) Interação vírus célula Aspectos Gerais Tatiana Castro Departamento de Microbiologia e Parasitologia (UFF) Interação Vírus - Célula Relacionada ao ciclo de replicação do vírus Efeitos primários da infecção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROPOSTA DE UTILIZAÇÃO DA VACINA RB-51 COMO ALTERNATIVA VIÁVEL NA IMUNIZAÇÃO CONTRA BRUCELOSE BOVINA EM MUNICÍPIO (RIO AZUL) QUE APRESENTA BAIXO INDICE DE VACINAÇÃO COM B-19

Leia mais

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus

Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus Exercício de Fixação: Características Gerais dos Vírus 02-2017 1- Quais foram as observações feitas por Adolf Mayer que permitiram concluir que o agente etiológico da Doença do Mosaico do tabaco era um

Leia mais

Caracterização espacial da brucelose bovina no Estado do Tocantins

Caracterização espacial da brucelose bovina no Estado do Tocantins Renato Akio Ogata Caracterização espacial da brucelose bovina no Estado do Tocantins Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses da Faculdade

Leia mais

Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 25 de Agosto de 2016 Pag. 11 Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE Brucella canis EM PATOS, PARAÍBA, BRASIL RESUMO

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE Brucella canis EM PATOS, PARAÍBA, BRASIL RESUMO Ciência Animal, 13(1):45-49, 2003 ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DE Brucella canis EM PATOS, PARAÍBA, BRASIL (Epidemiological aspects of Brucella canis in Patos, Paraíba, Brazil) Clebert José ALVES 1 *, Francisco

Leia mais

Profa. Carolina G. P. Beyrodt

Profa. Carolina G. P. Beyrodt Profa. Carolina G. P. Beyrodt Agente etiológico: Toxoplasma gondii (Protozoário coccídeo do Filo Apicomplexa) Histórico Isolado em 1908 de um roedor do deserto: Ctenodactylus gondii 1923 descrição do primeiro

Leia mais

ANÁLISE DO CENÁRIO REPRODUTIVO E PROPORÇÕES DE ANIMAIS SORO REATIVOS PARA A BRUCELOSE BOVINA NO REBANHO LEITEIRO DA REGIÃO NORTE E NOROESTE FLUMINENSE

ANÁLISE DO CENÁRIO REPRODUTIVO E PROPORÇÕES DE ANIMAIS SORO REATIVOS PARA A BRUCELOSE BOVINA NO REBANHO LEITEIRO DA REGIÃO NORTE E NOROESTE FLUMINENSE ANÁLISE DO CENÁRIO REPRODUTIVO E PROPORÇÕES DE ANIMAIS SORO REATIVOS PARA A BRUCELOSE BOVINA NO REBANHO LEITEIRO DA REGIÃO NORTE E NOROESTE FLUMINENSE THOMAZ GARCIA DUQUE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE

Leia mais

VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM

VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM VÍRUS PROF.º MÁRIO CASTRO PROMARIOCASTRO.WORDPRESS.COM Os vírus são seres muito simples e pequenos (medem menos de 0,2 µm), formados basicamente por uma cápsula proteica envolvendo o material genético,

Leia mais

SABRINA CARUSO CHATE. Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. São Paulo

SABRINA CARUSO CHATE. Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. São Paulo 1 SABRINA CARUSO CHATE Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil São Paulo 2010 1 2 SABRINA CARUSO CHATE Situação epidemiológica da brucelose bovina no Estado

Leia mais

USO DA VACINA CEPA RUGOSA CONTRA BRUCELOSE EM FÊMEAS BOVINAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE GESTAÇÃO

USO DA VACINA CEPA RUGOSA CONTRA BRUCELOSE EM FÊMEAS BOVINAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE GESTAÇÃO 1 UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO UNIFENAS ADRIANA AGOSTINI BARBOSA USO DA VACINA CEPA RUGOSA CONTRA BRUCELOSE EM FÊMEAS BOVINAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE GESTAÇÃO Alfenas MG 2014 1 2 ADRIANA AGOSTINI

Leia mais

Anemia Infecciosa das Galinhas

Anemia Infecciosa das Galinhas Anemia Infecciosa das Galinhas Leonardo Bozzi Miglino Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2010 Histórico: Isolado e descrito no Japão (1979), chamado de agente da anemia das

Leia mais

BRUCELOSE EM PEQUENOS RUMINANTES

BRUCELOSE EM PEQUENOS RUMINANTES BRUCELOSE EM PEQUENOS RUMINANTES Juan García Díez 1*, DVM, MSc * CECAV, Centro de Ciência Animal e Veterinária, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Quinta de Prados, 5000-801, Vila Real. Portugal.

Leia mais

CLOSTRIDIOSES EM AVES

CLOSTRIDIOSES EM AVES CLOSTRIDIOSES EM AVES Instituto Biológico Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Avícola Greice Filomena Zanatta Stoppa CLOSTRIDIOSE Infecções provocadas por toxinas ou bactérias do gênero

Leia mais

PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE EM BOVINOS NA REGIÃO DO POTENGI, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE EM BOVINOS NA REGIÃO DO POTENGI, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE EM BOVINOS NA REGIÃO DO POTENGI, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE [Prevalence of brucellosis in cattle at Potengi region, Rio Grande do Norte state, Brazil] Fábio Alex Dias de Freitas

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA: PREVALÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-Brucella abortus EM REPRODUTORES BOVINOS NA MICRORREGIÃO DE GOIÂNIA

BRUCELOSE BOVINA: PREVALÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-Brucella abortus EM REPRODUTORES BOVINOS NA MICRORREGIÃO DE GOIÂNIA Ciência Animal Brasileira, v. 4, n. 2, p. 125-129, jul./dez. 2003 125 BRUCELOSE BOVINA: PREVALÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-Brucella abortus EM REPRODUTORES BOVINOS NA MICRORREGIÃO DE GOIÂNIA ANTÔNIO CÍCERO

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

LINFADENITE CASEOSA. Etiologia. Corynebacterium pseudotuberculosis. Linfadenite caseosa. Corynebacterium pseudotuberculosis. Keila da Silva Coelho

LINFADENITE CASEOSA. Etiologia. Corynebacterium pseudotuberculosis. Linfadenite caseosa. Corynebacterium pseudotuberculosis. Keila da Silva Coelho Laboratório rio de Bacteriologia Aplicada LINFADENITE CASEOSA Keila da Silva Coelho Linfadenite caseosa Definição: doença infecto-contagiosa crônica de caprinos e ovinos, que se caracteriza pelo presença

Leia mais

ELISA INDIRETO PARA BRUCELOSE BOVINA UTILIZANDO VACINA B19 E EPS COMO ANTÍGENOS

ELISA INDIRETO PARA BRUCELOSE BOVINA UTILIZANDO VACINA B19 E EPS COMO ANTÍGENOS ELISA INDIRETO PARA BRUCELOSE BOVINA UTILIZANDO VACINA B19 E EPS COMO ANTÍGENOS INDIRECT ELISA FOR BOVINE BRUCELLOSIS VACCINE USING B19 and EPS AS ANTIGENS Resumo Pollyanna Mafra Soares (1) João Helder

Leia mais

a) baixar a prevalência e a incidência de novos focos de brucelose e tuberculose;

a) baixar a prevalência e a incidência de novos focos de brucelose e tuberculose; Controle de Brucelose e Tuberculose no Estado do Ceará Ana Paula F.A.R. Morano Marques Secretária Federal da Agricultura - CE Introdução Controle de Brucelose e Tuberculose no Estado do Ceará Instituído

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA IVAN AUGUSTO NOROSCHNY

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA IVAN AUGUSTO NOROSCHNY UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA IVAN AUGUSTO NOROSCHNY PRINCIPAIS DOENÇAS INFECCIOSAS EM REBANHOS LEITEIROS NO SUL DO PARANÁ CURITIBA

Leia mais

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links.

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links. Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Apresentação de conceitos e suas relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio

Leia mais

MARIZA KOLODA. CINÉTICA DE PRODUÇÃO DE ANTICORPOS EM BEZERRAS IMUNIZADAS COM A CEPA B 19 DE Brucella abortus (Frederick Bang, 1897)

MARIZA KOLODA. CINÉTICA DE PRODUÇÃO DE ANTICORPOS EM BEZERRAS IMUNIZADAS COM A CEPA B 19 DE Brucella abortus (Frederick Bang, 1897) MARIZA KOLODA CINÉTICA DE PRODUÇÃO DE ANTICORPOS EM BEZERRAS IMUNIZADAS COM A CEPA B 19 DE Brucella abortus (Frederick Bang, 1897) CURITIBA 2005 MARIZA KOLODA CINÉTICA DE PRODUÇÃO DE ANTICORPOS EM BEZERRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA GUILHERME DE OLIVEIRA GUIMARÃES PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DE BRUCELOSE E TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT): EVOLUÇÃO NO

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA NA MICRORREGIÃO DE GUARABIRA - PB

BRUCELOSE BOVINA NA MICRORREGIÃO DE GUARABIRA - PB CENTRO INTEGRADO DE TECNOLOGIA E PESQUISA CINTEP FACULDAE NOSSA SENHORA DE LOURDES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO (LATO SENSU) CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIENCIAS AMBIENTAIS MAGADYEL MATIAS MOURA DE MELO LINHA

Leia mais

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção.

Vacinas e Vacinação. cüéya ]xtç UxÜz 18/5/2010. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção. cüéya ]xtç UxÜz Imunologia Resposta imune Mecanismo pelo qual o organismo é capaz de reconhecer e eliminar as substâncias heterólogas. Resposta imune Substâncias heterólogas Endógena células mortas Exógena

Leia mais

Antígenos e Imunoglobulinas

Antígenos e Imunoglobulinas Curso: farmácia Componente curricular: Imunologia Antígenos e Imunoglobulinas DEYSIANE OLIVEIRA BRANDÃO Antígenos (Ag) São estruturas solúveis ou particuladas reconhecidas pelo organismo como estranha

Leia mais

Toxoplasmose Roteiro da Aula

Toxoplasmose Roteiro da Aula Doenças de veiculação hídrica e ingestão de alimento contaminado Toxoplasmose oocisto/cisto Ascaridíase - ovos Amebíase - cistos Giardíase - cistos Oxiuríase - ovos Teníase / cisticercose cisto/ovos Ancilostomíase

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL CEDISA - CENTRO DE DIAGNÓSTICO DE SANIDADE ANIMAL Nome Empresarial: CENTRO DE DIAGNÓSTICO DE SANIDADE ANIMAL - CEDISA CNPJ: 07.677.948/0001-25 Endereço: Rodovia BR 153 Km 110 Bairro: Vila Tamanduá CEP:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Perfil sorológico anti-brucella abortus em bezerras bubalinas vacinadas com a B19, pelas provas do antígeno acidificado tamponado

Leia mais

Avaliação de métodos diretos e indiretos de diagnóstico da brucelose em. cães naturalmente infectados

Avaliação de métodos diretos e indiretos de diagnóstico da brucelose em. cães naturalmente infectados LARA BORGES KEID Avaliação de métodos diretos e indiretos de diagnóstico da brucelose em cães naturalmente infectados Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Epidemiologia Experimental e Aplicada

Leia mais

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA?

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA? Roteiro Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Apresentação de conceitos e suas inter relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio Gregori Laboratório de Biologia Molecular Aplicada

Leia mais

CONTROLE DA TUBERCULOSE BOVINA

CONTROLE DA TUBERCULOSE BOVINA CONTROLE DA TUBERCULOSE BOVINA RODRIGUES, Carolina Azzolini MEDEIROS, Elizandra MELLO,Gustavo Carvalho de FAVARO, Mariana de Rizzo Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça-FAMED ZAPPA,

Leia mais

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM Material...: Método...: Soro Quimioluminescência - Imunoensaio de 4ª geração Leitura...: 0,13 Não reagente: Inferior a 1,00 Reagente...: Superior ou igual

Leia mais

23/09/2016. Família Neisseriaceae. 1. Gênero Neisseria. Neisseria gonorrhoeae. - Neisseria gonorrhoea - Neisseria meningitidis. 2.

23/09/2016. Família Neisseriaceae. 1. Gênero Neisseria. Neisseria gonorrhoeae. - Neisseria gonorrhoea - Neisseria meningitidis. 2. Família Neisseriaceae LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS Família Neisseriaceae 1. Gênero Neisseria - Neisseria gonorrhoea - 2. Gênero Moraxella Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac

Leia mais

Associação entre brucelose e ocorrência de abortamentos em bovinos do Estado do Espírito Santo Nota Prévia

Associação entre brucelose e ocorrência de abortamentos em bovinos do Estado do Espírito Santo Nota Prévia 215 Associação entre brucelose e ocorrência de abortamentos em bovinos do Estado do Espírito Santo Nota Prévia Association between brucellosis and occurrence of abortions in bovine from the Espírito Santo

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET340 Doenças Bacterianas

Programa Analítico de Disciplina VET340 Doenças Bacterianas 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 5

Leia mais

Iuri Coelho Greve Graduando de Medicina Veterinária da UNIME, Lauro de Freitas - BA.

Iuri Coelho Greve Graduando de Medicina Veterinária da UNIME, Lauro de Freitas - BA. ESTUDO COMPARATIVO DA SENSIBILIDADE E ESPECIFIDADE DOS TESTES ANTÍGENO ACIDIFICADO TAMPONADO (AAT) E 2-MERCAPTOETANOL NO DIAGNÓSTICO DA BRUCELOSE BOVINA Comparative Study on the Sensitivity and Specificity

Leia mais

PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA NO MUNICÍPIO DE PATU, RIO GRANDE DO NORTE

PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA NO MUNICÍPIO DE PATU, RIO GRANDE DO NORTE Ciência Animal, 17(2):107-112,2007 PREVALÊNCIA DE BRUCELOSE BOVINA NO MUNICÍPIO DE PATU, RIO GRANDE DO NORTE (Prevalence of Bovine Brucellosis in the municipal district of Patu, Rio Grande do Norte) Ricardo

Leia mais

Vacinas e Vacinação 24/02/2014. Prof. Jean Berg. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção.

Vacinas e Vacinação 24/02/2014. Prof. Jean Berg. Defesas orgânicas. Imunoprofilaxia. Imunoprofilaxia. Resistência à infecção. Prof. Jean Berg Imunologia Resposta imune Mecanismo pelo qual o organismo é capaz de reconhecer e eliminar as substâncias heterólogas. Resposta imune Substâncias heterólogas Endógena células mortas Exógena

Leia mais

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek:

19/11/2009. Doenças Neoplásicas. Doença de Marek. Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose. 1907, Marek: DOENÇAS NEOPLÁSICAS Tatiana Brognolli d Aquino de Sousa Programa de Pós-graduação - UFPR Mestrado Ciências Veterinárias 2009 Doenças Neoplásicas Doença de Marek Leucose Reticuloendoteliose Causam alta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA Estudo Retrospectivo da Brucelose Bovina na Microrregião de Pau dos

Leia mais

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Virologia Doenças Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Existem vírus que infectam animais, plantas, protozoários, fungos e bactérias. Exigência viral - ligação específica à célula

Leia mais

PESQUISA DE Brucella spp. EM LINFONODOS DE SUÍNOS E JAVALIS COM LINFADENITE

PESQUISA DE Brucella spp. EM LINFONODOS DE SUÍNOS E JAVALIS COM LINFADENITE UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PESQUISA DE Brucella spp. EM LINFONODOS DE SUÍNOS E JAVALIS COM LINFADENITE ACÁCIA FERREIRA VICENTE BOTUCATU SP Junho/2013 UNIVERSIDADE

Leia mais

ZAFRA, 20 E 22 DE SETEMBRO DE 2007 D.S.VETERINÁRIA

ZAFRA, 20 E 22 DE SETEMBRO DE 2007 D.S.VETERINÁRIA ZAFRA, 20 E 22 DE SETEMBRO DE 2007 D.S.VETERINÁRIA Governo dos Açores A POPULAÇÃO (milhares de habitantes) GRUPO ORIENTAL S.Miguel - 125.915 St.ª Maria - 5.922 GRUPO OCIDENTAL GRUPO CENTRAL Terceira -

Leia mais

CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CARCAÇAS, CABEÇAS E ÓRGÃOS/VÍSCERAS DE BOVINOS

CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CARCAÇAS, CABEÇAS E ÓRGÃOS/VÍSCERAS DE BOVINOS CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CARCAÇAS, CABEÇAS E ÓRGÃOS/VÍSCERAS DE BOVINOS Actinobacilose (língua, lábios, pele, pulmões, fígado estômago, intestino e linfonodos).grumos nos linfonodos. Zoonose. Actinomicose

Leia mais

MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II

MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II MICROBIOLOGIA: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência) A Microbiologia é definida, como a área da ciência que dedica - se ao estudo de microrganismos. Os

Leia mais

Zika/Dengue TRIO ECO Teste

Zika/Dengue TRIO ECO Teste Zika/Dengue TRIO ECO Teste Porque precisamos utilizar o TRIO Zika/Dengue Ab/Ag ECO Teste? A homologia da proteína do vírus Zika e Dengue está entre 53-58%, de modo que o teste sorológico Zika pode apresentar

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados

Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Marciel Assis de Oliveira Diagnóstico sorológico da brucelose bovina no município de Paraíba do Sul-RJ

Leia mais

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital

Sistema urinário. Aparelho Urinário. Órgãos urinários. Órgãos urinários. Rins. Ureteres. Bexiga urinária. Uretra. Sistema urogenital Sistema urinário Aparelho Urinário Sistema urogenital - Órgãos urinários - Órgãos genitais -- Origem embriológica comum (mesoderma intermediário) -- Anatomicamente ligados Profa. Rosane Silva cadela ovário

Leia mais

Biologia 12 Sistema imunitário

Biologia 12 Sistema imunitário Biologia 12 Sistema imunitário Resposta imunitária conjunto de processos que permite ao organismo reconhecer substâncias estranhas ou anormais de forma a que sejam neutralizadas e eliminadas. O reconhecimento

Leia mais

SOROPREVALÊNCIA DA BRUCELOSE BOVINA EM FRIGORÍFICOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE SERVIÇO DE INSPEÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO.

SOROPREVALÊNCIA DA BRUCELOSE BOVINA EM FRIGORÍFICOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE SERVIÇO DE INSPEÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA SOROPREVALÊNCIA DA BRUCELOSE BOVINA EM FRIGORÍFICOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE SERVIÇO DE INSPEÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO. MATEUS

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS: IMUNOLOGIA

EXAMES LABORATORIAIS: IMUNOLOGIA EXAMES LABORATORIAIS: IMUNOLOGIA Aula 2 CONCEITOS GERAIS Imunidade: conjunto de processos fisiológicos que permite ao organismo reconhecer corpos estranhos e responder contra os mesmos. Sistema imune:

Leia mais