HELOANE ANDRADE DE MELO ESTADO NUTRICIONAL E INSATISFAÇÃO CORPORAL ENTRE ESCOLARES DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR GUARAPUAVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HELOANE ANDRADE DE MELO ESTADO NUTRICIONAL E INSATISFAÇÃO CORPORAL ENTRE ESCOLARES DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR GUARAPUAVA"

Transcrição

1 HELOANE ANDRADE DE MELO ESTADO NUTRICIONAL E INSATISFAÇÃO CORPORAL ENTRE ESCOLARES DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR GUARAPUAVA 2010

2 HELOANE ANDRADE DE MELO ESTADO NUTRICIONAL E INSATISFAÇÃO CORPORAL ENTRE ESCOLARES DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Trabalho de conclusão de curso a ser apresentado ao Departamento de Nutrição, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição. Orientadora: Prof. Adriana Masiero Kühl GUARAPUAVA 2010

3 2 ESTADO NUTRICIONAL E INSATISFAÇÃO CORPORAL ENTRE ESCOLARES DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR NUTRITIONAL STATUS AND BODY DISSATISFACTION AMONG SCHOOL CHILDREN IN THE CITY OF GUARAPUAVA - PR MELO, Heloane Andrade 1 KÜHL, Adriana Masiero 2 Resumo Avaliar o estado nutricional e a percepção da imagem corporal de escolares de uma escola municipal da cidade de Guarapuava-PR. Estudo descritivo transversal, realizado em uma escola municipal de Guarapuava, Paraná com 61 alunos de 7 a 9 anos de idade. Foram coletados dados sobre insatisfação corporal por meio de escala de imagem corporal (Children s Figure Rating Scale) e antropometria. O Índice de Massa Corporal para Idade foi utilizado para classificar o estado nutricional. A análise foi realizada no programa SPSS- versão 16.0, através do teste qui-quadrado. Quanto ao estado nutricional, verificou-se maior prevalência de excesso de peso (risco de sobrepeso, sobrepeso e obesidade) nesta amostra (37,71%). Foi observado que 49,18% do total de crianças avaliadas estavam insatisfeitas com sua imagem corporal, destas 86,66% queriam emagrecer e 13,33% gostariam de engordar. Comparando a insatisfação com o sexo, foi ressaltado que 90,47% das meninas que estavam descontentes com sua silhueta gostariam de ser menores, e 88,88% dos meninos encontravam-se na mesma situação. Mesmo com uma amostra restrita, foi verificado que a insatisfação corporal se mostra bastante evidente nestas crianças, independente do estado nutricional em que as mesmas se encontravam. Porém os dados apresentados por este estudo já são importantes para que a população esteja alerta para tal problema, visto que a insatisfação com o corpo é uma pré condição para transtornos alimentares. Palavras-chave: Insatisfação corporal; escolares; excesso de peso. 1 Graduanda em Nutrição pela Universidade Estadual do Centro Oeste 2 Professora Departamento de Nutrição-UNICENTRO

4 3 Abstract Assess the nutritional status and perception of body image in students of a municipal school of Guarapuava-PR. Cross-sectional study conducted in a municipal school of Guarapuava, Paraná, with 61 students from 7 to 9 years old. We collected data on body dissatisfaction through Children's Figure Rating Scale and anthropometry. The Body Mass Index was used to classify nutritional status. Analyses were performed using SPSS software, version 16.0, through the chi-square test. Regarding nutritional status, there was a higher prevalence of overweight (risk of overweight and obesity) in this population (37.71%). It was observed that 49.18% of the children assessed were dissatisfied with their body image, 86.66% wanted to loose weight and 13.33% would like to gain weight. Relating to dissatisfaction with sex, it was noted that 90.47% of girls who were unhappy with their profiles would like to be smaller, and 88.88% of the boys were in the same situation. Even with a limited sample, it was found that body dissatisfaction is quite evident in children, regardless of nutritional status in which they find themselves. But the data presented in this study are already important for the population to be alert to this problem, since the body dissatisfaction is a precondition for eating disorders. Key-words: Body dissatisfaction; school; overweight. Introdução O conceito de corpo belo vem sofrendo algumas modificações com o passar dos tempos, onde a busca pela magreza é muito intensa. Evidências científicas mostram que a insatisfação com o corpo está cada vez mais em evidência, principalmente entre o gênero feminino e que não ocorre somente em adultos¹. A imagem corporal é composta, segundo a literatura atual, por dois componentes: a estima corporal e a insatisfação com o corpo. A primeira se refere ao grau de contentamento das pessoas com seu corpo de forma global, a qual pode incluir outros aspectos além do peso e da forma do corpo, como, por exemplo, cabelos ou rosto. Já a insatisfação corporal focaliza claramente preocupações com o peso, forma do corpo e gordura corporal. Tem-se evidenciado que o comportamento alimentar e a imagem corporal são construídos ainda na pré-adolescência². Essa faixa etária (7 a 9 anos) é caracterizada por maior ritmo de crescimento constante com maior ganho de peso devido ao estirão da adolescência. Ao final dessa fase o crescimento muscular ocorre com maior velocidade nos meninos, na mesma época que a menarca, nas meninas. Na fase pré-púbere, há um acúmulo de

5 4 gordura para que essas mudanças aconteçam, podendo haver uma variação no estado nutricional 3. Quanto ao comportamento, há um aumento da independência da criança que estará iniciando as atividades escolares e formação de novos laços sociais com pessoas diferentes das que convivia em casa. Estas transformações, aliadas ao processo educacional, são determinantes para o aprendizado em todas as áreas e para o estabelecimento de novos hábitos. 4 Ao atingir sete anos, as crianças já possuem o seu caráter esboçado, a personalidade um pouco definida e a inteligência desperta. Daí, a procura e o incremento, nesta idade, por grupos e clubes secretos, podendo ser entendida a atenção voltada para a auto-imagem, que começa a surgir, para que possa sentir-se aceita em um novo círculo de convivência. A menina nessa idade apresenta leve acréscimo de gordura no corpo e menos tecido muscular, se comparada aos meninos, estando elas ainda adiantadas em relação ao padrão geral de amadurecimento. 5 A preocupação com o peso nas meninas inicia-se a partir dos seis anos, já os meninos, por volta dos sete, o que pode acarretar em futuros transtornos alimentares, dificultando seu desenvolvimento por causa de maus hábitos alimentares. 6 Devido à distorção da imagem corporal, os indivíduos eutróficos ou com baixo peso que apresentam transtornos alimentares não se enxergam magros, pelo contrário, se vêem sempre muito gordos, diminuindo ou cessando sua ingestão de alimentos com a finalidade de perder peso, podendo levar um déficit geral de nutrientes, diminuindo sua imunidade a qual pode resultar em outros problemas de saúde. Quando estão na pré-puberdade podem ter atraso na maturação sexual, no desenvolvimento físico e no crescimento, e não atingem a estatura esperada. 7 Considerações sobre este problema, principalmente durante a infância, entendem que o ambiente familiar, o nível sócio econômico e cultural, assim como o tempo em que permanecem no ambiente escolar, são determinantes para que a criança tenha o desenvolvimento saudável. 8 Estudos com escolares brasileiros têm descrito alta prevalência de insatisfação com o corpo e comportamentos, às vezes inadequados, que visam à redução do peso. As crianças aprendem cedo, em seus locais de convívio, a valorizar o corpo delineado, e muitas, mesmo com peso adequado, relatam insatisfação. O medo de

6 5 estar acima do peso pode estar criando distorções na imagem corporal de crianças e adolescentes, pois se observa um grande número de crianças com excesso de peso nessa faixa etária. 9 Estudos mostram que a prevalência de sobrepeso e obesidade corresponde a 19,5% e 22,3% para meninos e meninas, respectivamente. Não foram observadas diferenças estatísticas entre as categorias de excesso de peso em relação ao sexo. Porém, as meninas apresentaram prevalências numericamente superiores aos meninos para o sobrepeso e obesidade. Muitas investigações apontam para um aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade nos últimos anos. 10,11 Estas crianças sofrem forte influência da mídia, que tem um papel importante nas suas vidas e também na dos adolescentes, estabelecendo uma idéia de perfeição corporal, onde os indivíduos magros são vistos como competentes e com muito sucesso, ao contrário dos obesos, que são vistos como preguiçosos e dignos de piedade. 12 Dessa forma a identificação precoce de alterações na percepção corporal favorece o acompanhamento de crianças e jovens, permitindo um estabelecimento saudável da sua relação com seu corpo. Sendo assim, o presente estudo buscou avaliar o estado nutricional e a percepção quanto á imagem corporal de escolares de uma escola municipal da cidade de Guarapuava-PR. Metodologia Trata-se de um estudo descritivo transversal, realizado em uma escola municipal de Guarapuava, Paraná com 61 alunos de 7 a 9 anos de idade. O total de crianças matriculadas na instituição nessa faixa etária era de 120 (cento e vinte) alunos. Entretanto, desse total, 59 crianças foram excluídas (49,16%) por não apresentarem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Apêndice 1) assinado pelos pais ou responsáveis até o dia da coleta de dados. Avaliação do estado nutricional foi realizada por meio da aferição dos dados antropométricos de peso e estatura, os quais foram coletados segundo a metodologia proposta pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN, 2004) 13. Para obtenção do peso, utilizou-se uma balança digital da marca Britânia com capacidade para 150 kg, onde o avaliado foi posicionado no centro do

7 6 equipamento, com o mínimo de roupa possível e descalço. Já para a aferição da estatura, foi afixada uma fita métrica de material resistente, inelástica e flexível, com precisão de 0,1 cm, em uma parede sem rodapé. A criança estando descalça foi posicionada com a cabeça livre de adereços no centro da fita, de pé, ereta e com os pés bem juntos. A coleta dos dados antropométricos foi realizada na própria escola durante o período de aula, em uma sala devidamente equipada e organizada para a coleta. A partir desses dados, foi calculado o Índice de Massa Corporal (IMC), classificado de acordo com os pontos de corte preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS,2006/2007) 14 de acordo com a faixa etária, através do programa AnthroPlus versão O presente estudo optou por utilizar IMC/Idade para avaliar a situação nutricional em que os escolares se encontravam, por se tratar de um método confiável e seguro, utilizado para avaliar o estado nutricional das crianças por causa da sua alta legitimidade para a estimativa de obesidade infantil em nível populacional. Além disso, ele é um método prático, rápido e de fácil obtenção 15,16. A imagem corporal foi avaliada por uso de uma escala de imagem corporal (Children s Figure Rating Scale) 1 (Anexo 1), na qual as crianças assinalaram a imagem que achavam que mais se parecia com seu corpo e também qual a imagem corporal que gostariam de ter. As silhuetas continham numerações de 1 a 9, sendo que o grau de insatisfação corporal foi verificado pela subtração do valor da imagem assinalada como real, da imagem considerada ideal pelas crianças, resultando em números que variam entre -8 e +8. Resultados iguais a zero, a criança era classificada como satisfeita, entretanto se este valor fosse diferente de zero, a criança era considerada insatisfeita. Porém os níveis de insatisfação eram diferentes dependendo do resultado obtido. Se este valor fosse positivo significava que a criança desejava ter uma silhueta menor, se fosse negativo o desejo era de ter uma silhueta maior. Essa pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual do Centro Oeste, aprovado conforme o ofício número 222/2009 (ANEXO 2). Os alunos e seus responsáveis foram esclarecidos através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os dados foram descritos através de média, desvio padrão e frequência. As análises foram realizadas no programa SPSS versão 16.0, através do teste qui-

8 7 quadrado. As variáveis relacionadas foram: sexo, idade, classificação nutricional e insatisfação corporal. Resultados e discussão A amostra foi constituída por 61 escolares de ambos os gêneros, predominantemente do sexo feminino com prevalência de 60,7% (37), com idade média de 9,59±1,17 anos. Quanto ao estado nutricional, verificou-se maior prevalência de excesso de peso (risco de sobrepeso, sobrepeso e obesidade) nesta amostra (37,71%), como demonstrado no gráfico 1. Gráfico 1- Distribuição da amostra estudada em relação ao estado nutricional geral e por gênero, segundo o índice IMC/Idade (OMS, 2006) Os dados descritos acima mostram um fato preocupante, de forma que existem muitos estudos recentes que apontam para essa situação. O excesso de peso aqui registrado também foi verificado em Maringá-PR (20,2%), em uma pesquisa cujo intuito foi verificar esta condição em crianças de seis a dez anos de idade em escolas municipais. Grillo et al verificaram uma prevalência de excesso de peso de 56,3% em escolares do Nordeste 17,18,19,20. Outra prevalência a considerar foi a encontrada em Pelotas, em um estudo que avaliou alunos de escolas particulares, estaduais e municipais, com idades entre 7 e 10 anos. Os autores verificaram que 38,9% dessa população

9 8 apresentavam excesso de peso, semelhante ao resultado encontrado no presente estudo 21, 22. Em relação ao gênero, foi observado que há menor prevalência de excesso de peso entre as meninas (32,43%), do que entre meninos (45,83%), semelhante aos resultados encontrados em estudos realizados em Santos-SP e no Rio de Janeiro-RJ, nos quais foram verificadas prevalência de excesso de peso em 35,1% e 37,8% dos meninos e 32,1% e 36,4% das meninas, nas respectivas cidades 22. Nessa idade há um maior acúmulo de gordura corporal, visto que as crianças irão passar pela fase do estirão pubertário, sendo assim, o organismo de cada indivíduo irá se preparar para tal acontecimento. Entre as meninas esse acúmulo é maior que entre o sexo masculino durante essa fase. Porém, para o os meninos, a aceleração do crescimento acontece de forma mais tardia, sendo assim, pode-se relacionar a maior prevalência de excesso de peso verificada, para os meninos, no presente estudo 22,23. Em relação à insatisfação corporal, foi observado que 49,2% do total de crianças avaliadas estavam insatisfeitas com sua imagem corporal, ou seja, praticamente metade das crianças entrevistadas não estava satisfeitas com sua imagem corporal, e essa insatisfação se torna evidente quando analisamos outros estudos, como o realizado por Pinheiro e Giugliani 8 onde as autoras verificaram 82% de insatisfação. Do total de crianças insatisfeitas (49,2%) 86,66% (26) queriam emagrecer e 13,33% gostariam de engordar. Quanto ao sexo, 90,47% das meninas gostariam de reduzir seu peso, e 88,88% dos meninos encontravam-se na mesma situação. Em relação à idade, em todas as faixas etárias estudas a maior prevalência encontrada foi em relação ao desejo de emagrecer, totalizando 100% aos 8 anos de idade (tabela 1).

10 9 Tabela1- Distribuição das frequências de insatisfação corporal quanto ao desejo de emagrecer e engordar VARIÁVEIS Quer emagrecer Quer engordar Total GÊNERO n % n % % Feminino 18 90,5 3 9,5 100 Masculino 8 88, , IDADE n % n % % 7 anos 13 86, , anos anos 10 83, , Estudo realizado na região sul do Brasil 2, demonstra a mesma tendência. Os autores verificaram que em média 55% das meninas ansiavam ser mais magras, em contra ponto 18% desejavam engordar. No mesmo estudo verificou-se entre os meninos, um percentual médio de 30% para aqueles que queriam emagrecer e 48% desejavam um corpo maior, resultado diferente ao do presente estudo, o qual pode estar relacionado à maior prevalência de excesso de peso (45,8%) nos mesmos. Em outra pesquisa, foi verificado que entre as meninas eutróficas, 41,2% tinham o desejo de ter silhueta menor, praticamente o dobro dos meninos (21,0%), sendo que para estes prevaleceu o desejo de ter um corpo maior (32,2%) 2. Fato a se relacionar com a classificação nutricional aqui encontrada, pois entre as meninas eutróficas, 61,9% desejavam ter silhuetas menores, quase o dobro dos meninos com as mesmas características (33,3%). Estudos, evidenciando o comportamento de crianças, mostram que as meninas são expostas desde cedo à ideia de que o estereótipo ideal é aquele cujo o corpo é magro e definido. Durante brincadeiras inocentes começam a idealizar corpos delineados ao comparar-se com o de bonecas. Já os meninos entendem que de que o belo é assemelhar-se a super-heróis, que são musculosos e fortes 24,25. Foi observado nesse estudo que a imagem corporal considerada ideal apontada pelas meninas foi a de número 01 (um), (36,8%) representada por um corpo extremamente magro, enquanto que as mais assinaladas pelos meninos foram a de número 03 (três) e a 05 (cinco) com 37,5% cada.

11 10 Esses resultados revelam que, para essas crianças, quanto mais magro um indivíduo for, será também mais admirado. A mídia tem grande influência no que diz respeito ao conceito de corpo ideal, formando uma legião de crianças que buscam, ao longo de suas vidas, uma perfeição ilusória, dando maior atenção sobre o sexo feminino (idealizando a perfeição física, onde a magreza correlaciona-se à sucesso, inteligência, feminilidade e sensualidade), apontando um conflito entre os padrões de normalidade estabelecidos pela comunidade científica e os padrões de beleza da atualidade 26. Dessa forma, é real a afirmação de que as meninas encontram-se mais descontentes com sua silhueta que os meninos 1, porém é preocupante para ambos os gêneros, devendo ser analisados individualmente. Em decorrência dessa maior insatisfação as meninas estão mais susceptíveis ao desenvolvimento de transtornos alimentares. 27 Fato este preocupante, já que esses escolares revelaram sentirem-se bastantes descontentes com sua imagem corporal. Esses transtornos são constituídos por várias doenças psicológicas como a anorexia nervosa, que afetam principalmente adolescentes e jovens adultos, podendo assim, ser iniciado na infância 28. Distúrbios alimentares em crianças não são muito comuns, mas em adolescentes e do sexo feminino, está cada vez mais em evidência. Laus, Moreira e Costa 29 levantam a hipótese de que esses transtornos podem iniciar-se na infância, onde já se possibilita a visualização de insatisfação corporal que poderá, mais tarde, transformar-se em obsessão pelo peso, dietas, distorção da imagem corporal, resultando em doenças alimentares graves 28. Em relação, aos percentuais de insatisfação corporal encontrados em cada faixa etária, os resultados diferem dos dados encontrados por Triches e Giugliani 2 os quais mostraram em seu estudo que quanto maior a idade das crianças, maior era a vontade de perder peso. Já no presente estudo não foi observado diferença entre o desejo de emagrecer ou engordar entre as idades dos participantes. As prevalências encontradas foram altas em todas as idades, revelando a grande preocupação que os mesmos têm em perder peso, sendo que aos oito anos de idade, 100% das crianças apresentavam essa característica (Tabela 1). Na tabela 2 estão apresentados os resultados quanto à insatisfação corporal por gênero em relação ao estado nutricional.

12 11 Tabela 2- Insatisfação corporal em relação ao sexo e ao estado nutricional Variáveis Insatisfeitos p* GENERO % Feminino 70 Masculino 30 p=0,142 ESTADO NUTRICIONAL % Eutrofia 53,3 Excesso de peso 46,7 p=0,155 *Teste qui-quadrado Os resultados apresentados acima mostram que as meninas se apresentam mais insatisfeitas que os meninos, 70% e 30%, respectivamente, porém essa diferença não é significativa (Tabela 2). Prevalências semelhantes foram encontradas também em outro estudo, onde os autores observaram que 67,7% da insatisfação pertenciam ao sexo feminino, enquanto que 59,6% diziam respeito ao sexo masculino. 2 Porém, o resultado do estudo citado acima, assim como um estudo realizado com 901 escolares de 8 a 11 anos de idade na cidade de Porto Alegre (RS), releva que a insatisfação corporal é semelhante entre os gêneros, onde 49,4% das meninas e 50,6% dos meninos, mostraram-se insatisfeitos com a sua imagem corporal 8. Ao comparar esses resultados com a insatisfação apresentada em uma pesquisa com adolescentes do sexo feminino, na qual foi observado que 25,3% dessas estavam descontentes com seu corpo, foi verificado que aparentemente a preocupação com a imagem corporal vem atingindo em maior grau as crianças 30. Como se pode visualizar na tabela 2, os valores apresentados mostram que não há diferença entre a satisfação corporal com o gênero e o estado nutricional, pois os valores encontrados não foram significativos (p=0,142 e p=0,155, respectivamente). Entretanto os percentuais de insatisfação encontrados foram elevados, principalmente entres as meninas, e quanto ao estado nutricional, destaca-se o fato de que a maioria das crianças com estado nutricional adequado (53,3%) mostraram-se mais insatisfeitas 8.

13 12 Confirmando os dados discutidos, os resultados apontados por outros estudos revelam a mesma tendência, de que as meninas encontram-se mais insatisfeitas com suas silhuetas e a relação com o estado nutricional é bastante relevante. Observa-se que crianças com risco de obesidade, obesidade e aquelas que 1; 2, apresentam estado nutricional de magreza, estão mais insatisfeitas com o peso 29,30. Os resultados apresentados demonstram então uma situação preocupante, levando em consideração que mesmo em idades menores, a vontade de emagrecer é grande independente do estado nutricional. As limitações encontradas no presente estudo estão relacionadas à dificuldade para obter permissão para o desenvolvimento da pesquisa, além do pouco retorno dos Termos de Consentimento Livre Esclarecido assinados pelos pais. Conclusão Mesmo com uma amostra restrita, foi verificado que a insatisfação com o corpo se mostra bastante evidente em todas as idades. Outro ponto muito importante é o fato de que a insatisfação corporal se mostrou mais prevalente nas meninas do que nos meninos, havendo uma tendência para o desejo de que seus corpos sejam mais magros e delineados. Em relação à idade, foi encontrada uma alta frequência de insatisfação em todas as faixas etárias, sendo maior aos 8 anos de idade. No que diz respeito ao estado nutricional verificou-se maior prevalência de excesso de peso nesta população, atingindo em maior frequência os meninos, sendo que as crianças que apresentaram estado nutricional adequado mostraram-se mais insatisfeitas com sua imagem corporal. Novos estudos são de grande importância para que a origem e as consequências desse desagrado sejam analisadas mais detalhadamente, levando em consideração o histórico familiar e sociocultural que afetam esse grupo. Porém os dados apresentados neste estudo são importantes para que a população esteja em alerta para tal problema, visto que a insatisfação com o corpo é uma précondição para transtornos alimentares. Dessa forma, a promoção de ações que visem melhorar a satisfação das crianças com seus corpos, deve fazer parte do

14 13 trabalho dos profissionais de saúde e de educadores envolvidos no desenvolvimento das crianças, possibilitando dessa forma uma melhor saúde aos mesmos. Referências Bibliográficas 1- Pereira EF, Graup S, Lopes AS, Borgatto AF, Daronco LSE. Percepção da imagem de crianças e adolescentes com diferentes níveis socioeconômicos na cidade de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife; 2009:9(3):253/ Triches RM, Giugliani ERJ. Insatisfação corporal em escolares de dois municípios da região Sul do Brasil. Revista de Nutrição, Campinas; 2007:20(2): Urbano MRD, Vitalle MSS, Juliano Y, Amancio OMS. Ferro, cobre e zinco em adolescentes no estirão pubertário. Jornal de Pediatria 2002; 78(4). 4- SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar, do adolescente e na escola. Departamento de Nutrologia.-São Paulo: SBP; 2008: 120 (2). 5- Bee H. O Ciclo Vital. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, Feldman W, Feldman MA, Goodman JT. Culture versus biology: children's attitudes toward thinness and fatness. Pediatrics. 1988; 81(2): Vilela JEM, Lamounier JA, Dellaretti Filho MA, Barros Neto JR, Horta GM. Transtornos alimentares em escolares. Jornal de Pediatria; 2004; Duarte PP, Haas AN. Os Índices de Massa Corporal de crianças de 7 a 9 anos, de escolas estaduais do bairro Sarandi de Porto Alegre/ RS Pinheiro AP. Insatisfação com o corpo, auto-estima e preocupações com o peso em escolares de 8 a 11 anos de Porto Alegre [dissertação]. Porto Alegre; 2003; Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 10- Dutra CL, Araújo CL, Bertoldi AD. Prevalência de sobrepeso em adolescentes: um estudo de base populacional em uma cidade no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro; 2006; 22(1): Fagundes ALN, Ribeiro DC, Naspitz L, Garbelini LEB, Vieira JKP, Silva AP et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares da região de Parelheiros do município de São Paulo. Revista Paulista Pediatria 2008;26(3):212-7.

15 Brasil LMP, Fisberg M, Maranhão HS. Excesso de peso de escolares em região do Nordeste brasileiro: contraste entre as redes de ensino pública e privada. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife; 2007;7 (4): SISVAN. Vigilância Alimentar e Nutricional. Brasília, Ministério da Saúde, WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Child Growth Standard. Geneva: WHO, WHO Anthro for personal computers, version 3, 2009: Software for assessing growth and development of the world`s children. Geneva: WHO, Gatti RR. Prevalência de excesso de peso em adolescente de escolas publicas e privadas da cidade de Guarapuava- PR. Ribeirão Preto Mestrado- Universidade de São Paulo. 17- Conti MA, Scagliusi F, Queiroz GKO, Hearst N, Cordás TA. Adaptação transcultural: tradução e validação de conteúdo para o idioma português do modelo da Tripartite Infl uence Scale de insatisfação corporal Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2010; 26(3): Mello ADM, Marcon SS, Hulsmeyer APCR, Cattai GBP, Ayres CSLS, Santana RG. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças de seis a dez anos de escolas municipais de área urbana.rev Paul Pediatr 2010;28(1): Ferreira HS, Luciano SCM. Prevalência de extremos antropométricos em crianças do estado de Alagoas. Rev Saúde Pública 2010;44(2): Grillo. Et al, Klitzke CA, Campos IC, Mezadri T. Riscos Nutricionais de escolares pertencentes a famílias de baixa renda do litoral catarinense. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2005; 14(Esp.): Soar. C, Vasconcelos FAG, Assis MAA, Grosseman S, Luna MEP. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de uma escola pública de Florianópolis, Santa Catarina. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife 2004; 4 (4): Vieira MFA, Araújo CLP, Hallal PC, Madruga SW, Neutzling MB, Matijasevich A, et al. Estado nutricional de escolares de 1ª a 4ª séries do Ensino Fundamental das escolas urbanas da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Publica 2008; 24(7): Costa R.F, Cintra IP, Fisberg M. Prevalência de Sobrepeso e Obesidade em Escolares da Cidade de Santos, SP. Arq Bras Endocrinol Metab 2006; 50(1).

16 Leit R.A. Cultural Expectations of Muscularity in Men: The Evolution of Playgirl Centerfolds. Portions of this paper were presented at the annual meeting of the Eastern Psychological Association, Providence Norton R, Olds T, Olive S, Dank S. Ken and Barbie at life size. Sex Roles. 1996; 34: Pinheiro AP, Giugliani ERJ. Quem são as crianças que se sentem gordas apesar de terem peso adequado?. Jornal de Pediatria 2006; 82(3). 27- Laus MF, Moreira RCM, Costa TMB. Diferenças na percepção da imagem corporal, no comportamento alimentar e no estado nutricional de universitárias das áreas de saúde e humanas. Rev Psiquiatr RS. 2009; 31(3): Giugliano R, Melo ALP. Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização do índice de massa corporal segundo padrão internacional. Jornal de Pediatria 2004; 80(2) 29- Nunes AL, Vasconcelos FAG. Transtornos alimentares na visão de meninas adolescentes de Florianópolis: uma abordagem fenomenológica. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(2): Martins CR, Pelegrini A, Matheus SC, Petroski EL. Insatisfação com a imagem corporal e relação com estado nutricional, adiposidade corporal e sintomas d e a norexia e bulimia em adolescentes. Rev Psiquiatr RS. 2010; 32(1):19-23.

17 APÊNDICES E ANEXOS

18 Apêndice 1 Termo de consentimento Você é responsável pelo escolar que está sendo convidado(a) como voluntário(a) a participar da pesquisa: Discrepância entre a auto-imagem e o real estado nutricional de escolares de 6 a 9 anos da cidade de Guarapuava PR. A JUSTIFICATIVA, OS OBJETIVOS E OS PROCEDIMENTOS: O motivo que nos leva a estudar o assunto, é verificar a diferença entre o estado nutricional da criança e sua percepção da autoimagem e verificar se transtornos alimentares em adolescentes, se iniciam na infância. O objetivo desse projeto é avaliar a percepção da imagem corporal de escolares de 6 a 9 anos da cidade de Guarapuava - PR. Os procedimentos de coleta de dados será da seguinte forma: utilização da escala hedônica para a percepção corporal de cada criança, verificar medidas como peso e altura. Os participantes serão requisitados apenas uma vez durante o processo da pesquisa. DESCONFORTOS E RISCOS E BENEFÍCIOS: Existe um desconforto e risco mínimo para os participantes que poderão se sentir envergonhados, ao serem pesados ou ao responderem a escala hedônica, sendo que isso se justifica pelo benefício que esta pesquisa trará para a sociedade. GARANTIA DE ESCLARECIMENTO, LIBERDADE DE RECUSA E GARANTIA DE SIGILO: Você será esclarecido (a) sobre a pesquisa em qualquer aspecto que desejar. Você é livre para recusar-se a participação de seu filho (a), retirar seu consentimento ou interromper a participação a qualquer momento. A participação é voluntária e a recusa em participar não irá acarretar qualquer penalidade ou perda de benefícios. O pesquisador irá tratar a identidade das crianças com padrões profissionais de sigilo. O nome ou o material que indique a participação de seu (sua) filho (a) não será liberado sem a sua permissão. Ele (a) não será identificado (a) em nenhuma publicação que possa resultar deste estudo. Uma cópia deste consentimento informado será arquivada com o pesquisador e outra será fornecida a você. CUSTOS DA PARTICIPAÇÃO, RESSARCIMENTO E INDENIZAÇÃO POR EVENTUAIS DANOS: A participação no estudo não acarretará custos para você ou a seu (sua) filho(a) e não será disponível nenhuma compensação financeira adicional. DECLARAÇÃO DA PARTICIPANTE OU DO RESPONSÁVEL PELA PARTICIPANTE: Eu, fui informada (o) dos objetivos da pesquisa acima de maneira clara e detalhada e esclareci minhas dúvidas. Sei que em qualquer momento poderei solicitar novas informações e motivar minha decisão se assim o desejar. O(a) pesquisador (a) certificou-me de que todos os dados desta pesquisa serão confidenciais. Também sei que não receberei nada por permitir que meu (minha) filho(a) participe dessa pesquisa. Em caso de dúvidas poderei chamar a estudante Heloane Andrade de Melo ou o(a) professor(a) orientador(a) Priscilla Franceschini no telefone (42) ou o Comitê de Ética. Declaro que permito que meu (minha) filho (a) participe desse estudo. Recebi uma cópia deste termo de consentimento livre e esclarecido e me foi dada a oportunidade de ler e esclarecer as minhas dúvidas. Nome Assinatura do Participante Data Nome Assinatura do Pesquisador Data

19 2 Anexo Escala de Imagem Corporal (Tiggemann & Wilson-Barret).

20 ANEXO 2

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Tassiana Aparecida Hudson 1, Ana Carolina Soares Amaral 2 ¹Acadêmica do Curso Superior de Licenciatura em Educação Física, Instituto

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE Jarlson Carneiro Amorim da Silva¹, Luciano Meireles de Pontes² ¹Programa Associado de Pós-graduação

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda

Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda Satisfação com o Corpo e uso de recursos para a modificação da aparência em uma amostra adolescente de baixa renda TAVARES, AF;CAMPANA, ANNB; MORAES, MS Faculdade de medicina de São José do Rio Preto Tanto

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB.

Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, located in the city of João Pessoa/PB. Avaliação do estado nutricional em crianças frequentadoras do CREI Dra. Rita Gadelha de Sá, localizada no município de João Pessoa/PB. Assessment of nutritional status in children attending of CREI Dra.

Leia mais

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Cristina de MORAI 1 ; Danielly Souza PIRES¹; Raquel Machado SCHINCAGLIA¹; Maria Irene de Castro BARBOSA¹; Polianna

Leia mais

APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC

APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO PARA VERIFICAÇÃO DE PREVALÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE ANOREXIA NERVOSA EM ESCOLARES DE UMA ESCOLA PRIVADA DE CRICIÚMA SC Ângela Mariana Panato Ghislandi 1 Juliana Bortolatto 1

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL

PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL PERFIL DA IMAGEM CORPORAL DO ADOLESCENTE EXPRESSO POR MEIO DE UMA REVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO NACIONAL INTRODUÇÃO CAROLINA MONTES DURÕES DE SOUZA 2 MARIA FERNADA LARCHER DE ALMEIDA 2 JANE DE CARLOS SANTANA

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes

A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes A influência da prática de atividade física no estado nutricional de adolescentes Quelita Araújo Alves Freitas¹*(IC), Paulo Fabrício dos Santos Lima ²(IC), Emanuel Bruno da Silva Cruz³ (IC), Camila Pinheiro

Leia mais

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN

NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN NÍVEL DE SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL ENTRE ESTUDANTES E PROFESSORES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA FACULDADE ALFREDO NASSER- FAN FERREIRA, Laura Raniere Borges dos Anjos (lauraraniere@hotmail.com)¹;

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM

Tamara Carla Erbert anorexia.indd 5 anorexia.indd 5 9/16/05 3:58:14 PM 9/16/05 3:58:14 PM anorexia.indd 3 9/16/05 3:58:14 PM A Marco Zero tem como objetivo publicar obras com qualidade editorial e gráfica, consistência de informações, confiabilidade de tradução, clareza de texto, e impressão,

Leia mais

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil 844 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil Kalinca Oliveira 1, Giovana Skonieski 2, Bernardete Weber 2,

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) Curso: Fisioterapia Equipe: Professor coordenador/orientador: Kétsia Medeiros Alunos: Arélli Pâmella Brasileiro Chaves Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz Mariana

Leia mais

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade.

Avaliação antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade. 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Avaliação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS

PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DA SÍNDROME DO COMER NOTURNO EM UNIVERSITÁRIAS Debora Fernanda Ziroldo 1 ; Talma Reis Leal Fernandes 2 ; Gersislei Antonia Salado 3 ; Angela

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica 177 SATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E COMPORTAMENTOS DE RISCO PARA TRANSTORNOS ALIMENTARES EM MENINAS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE DANÇA Daniele Borba de Assunção Santiago 1 Daniela Lopes dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR

FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Overweight, obesity and the importance of physical activity in a group of children Soraia Dias Alves Aluna do curso

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO Patrícia Santiago Vieira UFG/GO Ivna Custódio de Moraes UFG/GO Jeannie Carolina Pizarro UFG/GO Marcela Araújo Parreira UFG/GO RESUMO Neste

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE

O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O CIRCO: UM ENFOQUE NA PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIA DO ARTISTA CIRCENSE Eduardo Rafael Llanos Parra 1 ; Marcela Garcia de Santana 1 ; Vânia de Fátima Matias

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 7 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE ERECHIM-RS Assement

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SINTOMAS DE TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE METILFENIDATO NA

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

Palavras - Chave: Estado Nutricional; Programa Bolsa Família; Crianças; Antropometria. 1. INTRODUÇÃO

Palavras - Chave: Estado Nutricional; Programa Bolsa Família; Crianças; Antropometria. 1. INTRODUÇÃO 344 ANÁLISE DO IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM RELAÇÃO AO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE ZERO A SETE ANOS PERTENCENTES ÀS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA NO MUNICÍPIO DE PARÁ DE MINAS, MINAS

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

SATISFAÇÃO CORPORAL EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA CIDADE DE MUZAMBINHO/MG

SATISFAÇÃO CORPORAL EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA CIDADE DE MUZAMBINHO/MG ENICEZIO FERNANDO POSCIDONIO BUENO WESLEY TEOFILO SATISFAÇÃO CORPORAL EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA CIDADE DE MUZAMBINHO/MG Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Educação

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso Prevalência do Índice de Massa Corporal em escolares do Recanto das Emas Distrito Federal Autor: Danilo Freitas Moreira

Leia mais

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar.

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar. Geração Saúde II Episódio 6 Anorexia, uma doença silenciosa Resumo A personagem central deste episódio é Leila, uma adolescente em vias de desenvolver um transtorno alimentar. Ao se olhar no espelho, Leila

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EQUIPE DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista) [ ]

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA

IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA INTRODUÇÃO Taciane Ávila Lazari Flavia Germinari Rodrigues Santos Solange da Silva Iurak Oliveira Laudicéia Soares Urbano A formação dos hábitos alimentares

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS DE UM GRUPO DE PRÉ-ESCOLARES DA CIDADE DE MUZAMBINHO-MG

CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS DE UM GRUPO DE PRÉ-ESCOLARES DA CIDADE DE MUZAMBINHO-MG INSTITUTO FEDERAL DO SUL DE MINAS CeCAES CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Bacharelado em Educação Física PAULA FERNANDA SILVA RIBOLI CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS DE UM GRUPO DE PRÉ-ESCOLARES DA CIDADE

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais