aiminhojornalwww.aiminho.pt

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "aiminhojornalwww.aiminho.pt"

Transcrição

1 No interior o boletim aiminhoinformação agora com novo formato Empregadores e trabalhadores devem estar a par das alterações Código do Trabalho tem impacto importante nas empresas aiminhojornalwww.aiminho.pt 93 associação empresarial. o portal dos negócios distribuição gratuita Janeiro 1º Plano PÁG. 2 Comissão Executiva da aiminho lança o alerta As PME não podem continuar a financiar o Estado PÁG. 8 iniciativas PÁG. 4 actualidade PÁG. 3 Certificados da norma iso 9000:2000 perdem validade após Novembro de 2010 Empresas não deverão ter dificuldade na adaptação à norma ISO 9001:2008 governo lança linhas de apoio ao crédito comercial Seguros de crédito à exportação das empresas vão atingir 4 mil milhões associados em foco antónio cunha leite, lda. empresa investe um milhão de euros em tecnologia de corte a laser Grupo lk comunicaçao lk cria marca para comunicação web PÁG. 10 sétima empresa vocacionada para o desenvolvimento de sistemas de informação e alojamento web

2 1º plano Comissão ExECutiva da aiminho lança o alerta As PME não podem continuar a financiar o Estado Comissão Executiva da AIMinho reúne com a comunicação social para falar sobre a situação do tecido empresarial A Comissão Executiva da AIMinho reuniu com a comunicação social, como vem já sendo hábito no início de cada novo ano. O alerta ficou no ar: a regularização das dívidas às empresas deverá ser uma prioridade do Estado. as pequenas e médias empresas não podem continuar a financiar o Estado, afirmou antónio marques, presidente da aiminho - associação Empresarial, no decorrer de uma reunião de trabalho com a comunicação social recentemente realizada. Em causa estão os atrasos do Governo no pagamento de serviços às empresas. ao saldar as dívidas existentes, explicou o dirigente da associação, o Estado está a injectar capital de investimento nas empresas e, consequentemente, na economia nacional. Esta medida terá, na sua opinião, um impacto muito mais directo e imediato na sustentabilidade das empresas que a criação de linhas de apoio e crédito. há cerca de um mês e meio, a aiminho escreveu ao Primeiroministro propondo um conjunto de medidas de combate ao que classificou como um momento de pré-colapso económico. segundo antónio marques, apesar de várias medidas terem sido anunciadas, estas não entraram na sua maioria em execução, sendo que as que foram executadas não tiveram impacto real na vida das empresas. também ao nível do QrEn se verifica um problema semelhante, dado que, apesar de ter sido já aprovado um vasto conjunto de candidaturas, as verbas não chegaram ainda às tesourarias das empresas, à economia real. Empresas enfrentam graves problemas de liquidez o apoio da banca às empresas é pontual ou inexistente, alertou antónio marques. num momento em que as empresas enfrentam graves e crescentes problemas de liquidez, deixaram de poder contar com a banca para investir e manter a sua actividade corrente, afirmou. Estas dificuldades são, na sua opinião, agravadas pelas novas datas estabelecidas para o pagamento especial por conta, que coincidem com as alturas de maior pressão financeira: o pagamento dos subsídios de férias e de natal. Esta alteração revela um grave desconhecimento da realidade empresarial, realçou o presidente da aiminho, e mostra que o Governo não ouve as associações. também ao nível da energia e do combustível a aiminho tem registado dificuldades acrescidas nas empresas, devido ao aumento dos preços. segundo antónio marques, continua a verificar-se uma grande prontidão em actualizar preços quando o petróleo sobe, e uma grande lentidão quando este desce. o Governo tem de intervir, concluiu. 2

3 actualidade GovErno lança linhas de apoio ao Crédito ComErCial Seguros de crédito à exportação das empresas vão atingir 4 mil milhões Governo defende que protocolos vão de encontro às novas necessidades das empresas portuguesas Dinamizar a actividade económica e as exportações das empresas nacionais é o principal objectivo dos apoios que o Governo apresentou recentemente e que vão atingir os 4 mil milhões de euros. o Governo lançou, recentemente, as linhas de apoio aos mecanismos de seguro de crédito com o objectivo de dinamizar a actividade económica e as exportações das empresas nacionais. Estes apoios permitem ainda que o tecido empresarial beneficie de uma cobertura adicional de risco de crédito nas vendas em países da ocde e fora da ocde. o Governo tem estado em contacto com as várias seguradoras que actuam nesta área, de forma a definir deste pacote um apoio ao crédito comercial das empresas no valor global de dois mil milhões de euros. o novo regime de seguro de Crédito tem como objectivo reforçar os plafonds de seguros de créditos actualmente existentes, face à situação financeira internacional, bem como alargar a capacidade das empresas portuguesas para fora dos mercados tradicionais (Europa e Estados unidos da américa), que apresentam as mais altas taxas de crescimento e de absorção das exportações portuguesas. Por outro lado, com o novo regime prevê-se uma alavancagem dos plafonds do seguro de crédito pelas cinco seguradoras a operar no mercado nacional, através do sistema nacional de Garantia mútua para os países dentro da ocde e pela garantia directa do Estado para mercados fora da ocde, que para além do risco comercial apresentam risco político. o montante de dois mil milhões de euros será dividido em partes iguais para os países da ocde e para os restantes mercados, sendo este montante duplicado para os quatro mil milhões de euros, logo que a primeira tranche esteja colocada. os protocolos assinados vão ao encontro das novas necessidades das empresas portuguesas face à contracção de plafonds que se tem vindo a registar desde o segundo trimestre de 2008, defendem em comunicado de imprensa. o seguro de crédito assume, assim, uma importância vital paras as empresas como instrumento essencial para as exportações, ao permitir cobrir o risco de não recebimento dos pagamentos de fornecimentos efectuados a clientes no estrangeiro por empresas portuguesas. Pelo lado público intervêm o sistema nacional de Garantia mútua, a direcção-geral do tesouro e Finanças e a PmE investimentos, enquanto entidade gestora do Finova, Fundo de apoio à inovação e as seguradoras Cosec, Credit y Caution, Cesce, mapfre e Coface. 3

4 iniciativas CErtiFiCados da norma iso 9000:2000 PErdEm validade após novembro de 2010 Empresas não deverão ter dificuldade na adaptação à norma ISO 9001:2008 Sandra Torres, da Soluciona, Nuno Martins, da AIMinho e Joana Freitas, da APCER A nova norma de certificação do Sistema de Gestão da Qualidade, a ISO 9001:2008, esteve em destaque na AIMinho, no passado dia 15 de Janeiro, num seminário com a parceria da Soluciona. 4 as empresas cujo sistema de Gestão da Qualidade esteja certificado segundo a norma np En iso 9001:2000 não deverão encontrar grandes dificuldades na adaptação do seu sistema ao novo normativo publicado no dia 14 de novembro de 2008, a np En iso 9001:2008. Esta foi uma das principais conclusões do workshop realizado na passada semana na aiminho, com a parceria da soluciona e o apoio da apcer. segundo Joana Freitas, representante da apcer, as empresas devem, contudo, ter em atenção que a transição não é feita de um modo automático, mas sim através da realização de uma auditoria de acompanhamento ou renovação, consoante o ciclo normal de auditorias, já de acordo com o novo normativo. as auditorias a desenvolver pela apcer já estão, assim, a ser realizadas segundo a iso 9001:2008, com a excepção dos casos em que as empresas previamente formalizem o pedido de uma auditoria segundo a anterior norma. após novembro de 2009, às empresas que optem por esta segunda hipótese será emitido um certificado acreditado com validade de novembro de a partir de novembro de 2010, os certificados acreditados emitidos de acordo com a iso 9001:2000 deixarão de ser válidos, alertou a oradora. Alteração à norma assume carácter de emenda a revisão da norma de certificação do sistema de Gestão da Qualidade assume um carácter de emenda, ou seja, visa o esclarecimento de alguns pontos que suscitavam dúvidas junto das partes envolvidas. o âmbito, finalidade, título e campo de aplicação da norma permanecem inalterados e não são incluídos novos requisitos. segundo Joana Freitas, as principais dificuldades na aplicação da nova norma têm-se prendido com dois pontos. a nível da Competência, Formação e Consciencialização (6.2.2.), surge a dificuldade da evidência da determinação da competência necessária para o pessoal que desempenha trabalho que afecta a conformidade do produto e sobretudo o atingir da mesma. Já no que se refere ao Planeamento da Concepção e desenvolvimento (7.3.1), os problemas sentidos prendem-se com clarificar as etapas de revisão, verificação e validação, que têm finalidades distintas no processo de concepção e desenvolvimento, que poderão ser conduzidas e registadas de modo separado ou numa combinação adequada para o produto e para a organização. a norma clarifica ainda, entre outras, questões que tinham vindo a suscitar várias dúvidas como a não necessidade de medir todos os processos e a responsabilidade da empresa nos processos de sub-contratação, a necessidade do representante da gestão ser parte integrante da gestão de topo da empresa, a totalidade de serviços incluídos no pós-venda e a propriedade do cliente relativamente aos seus dados pessoais detidos pela empresa. Para ficarem a conhecer a totalidade das alterações inseridas, Joana Freitas aconselha a consulta do anexo b da nova norma, que inclui um quadro de registo das alterações ponto a ponto. Em está também disponível o implementation Guidance, um guia de apoio às empresas.

5 INICIATIVAS Workshop sobre nova norma da qualidade ISO 9001:2008 foi realizado na AIMinho em parceria com a Soluciona Certificação é potente ferramenta de gestão A certificação era vista de uma forma muito diferente há cerca de dez, quinze anos atrás, afirmou Nuno Martins, director-geral da AIMinho. No início, era uma questão de diferenciação da concorrência, relembrou, agora já é estranho uma empresa não ser certificada. Na opinião do director-geral da associação, é importante que as empresas sejam agora capazes de ver a certificação do Sistema de Gestão da Qualidade como aquilo que este é na realidade: uma potente ferramenta de gestão. Também presente na sessão, Sandra Torres apresentou a consultora Soluciona Sistemas Integrados de Gestão, uma empresa integrada no universo AI- Minho que apoia as empresas que pretendam implementar os Sistemas de Gestão da Qualidade e Ambiente, de acordo com as respectivas normas de referência. Além destas áreas, a Soluciona presta ainda apoio a nível económico-financeiro, de marketing, de estratégia, de engenharia, licenciamento industrial, formação e gestão de recursos humanos. GABINETE DE APOIO A ACTIVIDADE EMPRESARIAL medida está integrada no programa simplex Novo regime de licenciamento industrial em vigor desde 27 de Janeiro Entrou em vigor, no passado dia 27 de Janeiro, o novo regime de exercício da actividade industrial. As alterações, introduzidas pelo decreto-lei nº 209/2008 de 29 de Outubro, integram-se no âmbito do programa Simplex e têm como objectivo simplificar os processos de licenciamento industrial. Subjacente a esta alteração esteve o princípio de que a complexidade dos procedimentos necessários ao exercício de uma actividade industrial deve ser proporcional ao respectivo risco. O novo decreto-lei aplica este princípio à generalidade das actividades industriais, fazendo corresponder uma diferente classificação em função do risco potencial e dos graus de intensidade distintos de controlo prévio. Simultaneamente, elimina fases do procedimento, encurta os prazos de decisão e institui mecanismos conducentes ao seu efectivo cumprimento. Em jeito de síntese das principais alterações, é importante apontar que a tipologia de estabelecimentos industriais é reduzida de quatro para três tipos. Os estabelecimentos do tipo 1 ficam sujeitos a diferentes regimes jurídicos, em função do risco ambiental e dimensão. Já os estabelecimentos do tipo 2, de menor grau de risco ambiental e média dimensão, ficam sujeitos apenas a um regime de declaração prévia. Por fim, nos estabelecimentos de tipo 3, no qual se incluem as empresas com 15 ou menos trabalhadores e limitadas potência térmica e eléctrica, aplica-se um regime de registo. A Soluciona, empresa de consultoria do universo empresarial da AIMinho Associação Empresarial, apoia as empresas que pretendam regularizar a sua situação, de acordo com a legislação em referência. Para tal basta contactar a empresa através do telefone ou através do mail 5

6 INICIATIVAS AIMinho, Escola de Gestão do Porto e Sonaecom promovem esta iniciativa Academia de Negócios do Minho desenvolve formação avançada para a região Arrancam em Fevereiro e Março as primeiras edições dos dois programas de formação avançada da Academia de Negócios do Minho. Estas formações foram formatados à medida das necessidades das empresas da região. A AIMinho e a Escola de Gestão do Porto University of Porto Business School (EGP UPBS), com o apoio da Sonaecom, criaram a Academia de Negócios do Minho. Neste âmbito, arrancam em Fevereiro e Março as primeiras edições do Programa de Liderança Empresarial e do Programa Geral de Gestão. Estas formações avançadas em gestão têm como destinatários em geral, as empresas da região do Minhoe, em particular, os seus colsboradores, com vista à aquisição e/ou ao aprofundar de conhecimentos dentro desta área. Os programas têm como coordenador o técnico-pedagógico Alcibíades Guedes, membro da direcção da EGP-UPBS. A formação decorrerá nas instalações da EGP-UPBS (Porto). Formatados à medida das necessidades das empresas da região, estas formações contam com a parceria da EGP-UPBS desde a fase de concepção dos programas até à sua execução e avaliação. Ambas são leccionadas por um painel de docentes de elevada qualidade. No âmbito da sua missão, a AIMinho intervém activamente nos fóruns regionais, nacionais e internacionais, por forma a criar as condições mais favoráveis à iniciativa empresarial, contribuindo desta forma para o desenvolvimento económico, social e cultural da Região. A Academia de Negócios do Minho corporiza essa missão e vem confirmar esta parceria institucional de grande valor para as empresas da região Minho. O principal objectivo é que a sua oferta contribua para dotar as empresas de conhecimentos e competências globais de gestão, capacitando-as assim para melhorar a sua presença nos mercados em que se inserem ou em mercados potenciais, com naturais efeitos na rentabilidade e longevidade dos negócios. Para mais informações, visite o portal da academia, em Programa Geral de Gestão O Programa Geral de Gestão tem como objectivo dotar os participantes de uma visão ampla, integrada e actual da gestão e dos conhecimentos relevantes em diferentes áreas funcionais da empresa. Com um cariz muito aplicado, este programa aborda duas grandes áreas: Gestão Geral/ Estratégia e Competências funcionais. O público-alvo são quadros que ocupem funções de direcção de pequenas e médias empresas ou chefias intermédias de empresas de maior dimensão. O curso envolve um total de 184 horas de formação e decorrerá de Março a Julho de Será realizado às sextas-feiras (das 09h às 13h e das 14h às 18h) e sábados (das 09h às 13h). No final do curso, os participantes interessados na obtenção de um certificado de frequência com aproveitamento poderão submeter-se a um exame global compreensivo. Aos participantes que não se submetam a este exame ou que, submetendo-se-lhe, não obtenham aprovação, será emitido um certificado de frequência, desde que tenham uma frequência mínima de 80%. Programa de Liderança Empresarial O Programa de Liderança Empresarial pretende sensibilizar os detentores do capital das empresas, assim como directores gerais de médias e grandes empresas, para o contexto actual de negócios, o seu papel na liderança das suas organizações, o papel do planeamento estratégico, o desenvolvimento de estratégias que criem valor para os accionistas e as boas práticas de gestão. 6 O programa englobará, além da formação em sala, um conjunto de experiências muito significativas no meio empresarial, potenciando assim o interesse pelas matérias do programa por parte dos participantes e fazendo da sala de aulas um fórum de discussão. O curso tem 90 horas, distribuídas entre os meses de Fevereiro a Março de 2009, tendo a formação lugar às sextas-feiras (das 14h00 às 19h) e sábados (das 08h30 às 13h30). No final do curso, será emitido um certificado de frequência aos participantes que tenham uma frequência mínima de 80%.

7 INICIATIVAS Programa de Liderança Empresarial - 1ª Edição / 2009 Estrutura Curricular Conjuntura e Previsão Económica Formador: Daniel Bessa (10h) Estratégia e Planeamento Estratégico Formador: José Luís Alvim (10h) Competitividade Internacional Formador: Carlos Arruda (10h) Balanced Scorecard e Controlo de Gestão Formador: Joaquim Barreiros (10h) Financiamento da Empresa Formador: Rui Padrão (10h) Construção e Comunicação de Marcas Formador: João Dionísio (10h) Gestão da Cadeia de Abastecimento Formador: Alcibíades Guedes (10h) Gestão Estratégica de Recursos Humanos Formador: José Bancaleiro (10h) Mudança e Inovação Organizacional Formador: Luís Sítima (10h) Programa Geral de Gestão - 1ª Edição / 2009 Estrutura Curricular Gestão Geral: Economia para Gestores Formador: Daniel Bessa (12h) Organização e Estratégia da Empresa Formador: José Luís Alvim (16h) Competitividade Internacional Formador: Carlos Arruda (8h) Gestão da Inovação Formador: Francisco T. Melo (12h) Jogo de Gestão ( Links Enterprise Management ) Formador: Paulo Sobral (12h) Marketing & Vendas: Marketing Formador: Luís Cardia (16h) Gestão Comercial Formador: Pedro Aguiar (12h) Operações: Gestão Logística e Operações Formador: Alcibíades Guedes (16h) Gestão de Projectos Formador: Jorge Oliveira (16h) Finanças: Financiamento e Análise Financeira Formador: Luís Miguel Rocha (12h) Contabilidade e Controlo de Gestão Formador: Renata Blanc (20h) RH e Comportamental: Gestão de Recursos Humanos Formador: Teresa Roseta (12h) Gestão de Equipas de Trabalho Formador: José Miguez (12h) Comunicação Formador: Teresa Roseta (8h) 7

8 SERVIÇOS AIMINHO Apoio à Gestão: - Consultoria Económica e Financeira - Investimento - Higiene e Segurança Industrial - Qualidade - Ambiente e Energia - Contabilidade Apoio à Internacionalização I: - CNI - Enterprise Europe Network Apoio às Empresas na Organização de Eventos Área Jurídica Formação: - Intra-Empresas - Inter-Empresas - Centro Novas Oportunidades (CNO) VANTAGENS ASSOCIADOS AIMINHO Serviços AIMinho Apoio à Gestão I: Consultoria Económica e Financeira, Investimento, Higiene e Segurança Industrial A AIMinho desenvolve uma vasta actividade na área do apoio à gestão empresarial e da consultoria económica e financeira, sendo que os seus associados Os associados têm acesso facilitado e beneficiam de descontos desde 20 % na aquisição de produtos e serviços. Ao nível da consultoria económica e financeira, a equipa técnica da AIMinho desenvolve trabalho nas áreas de projectos de investimento, plano de negócios, co-gestão global, dossiers financeiros, diagnósticos especializados e assessoria diversa. Na área do investimento, a associação realiza a elaboração e acompanhamento de projectos de candidatura aos sistemas de incentivos em vigor, bem como estudos de mercado. Já relativamente à higiene e segurança industrial, os associados podem contar com o apoio da AIMinho em licenciamentos industriais, medições de ruído industrial, diagnósticos de higiene e segurança, sinalização e sistemas de prevenção e segurança. Informação, Sensibilização e Comunicação Suportes de Comunicação CONDIÇÕES PREFERENCIAIS 8 Automóveis Centros de desporto e lazer Comunicação e Imagem Consultoria Ferro Ginásios/Health Clubs Hotelaria e restauração Investigação & Desenvolvimento Jóias Jornais Línguas Estrangeiras Livrarias Papelarias Saúde Segurança Seguros Telecomunicações Transportes Tratamento de Resíduos Viagens e Turismo Condições preferenciais: Automóveis Porque as deslocações são muitas vezes uma necessidade incontornável no dia-adia das empresas, a AIMinho reserva aos seus associados condições especiais na aquisição e aluguer de viaturas. Os descontos abrangem compra de automóvel, peças, manutenção e mão-deobra, em percentagens que vão dos 5% aos 10%. Estão ainda previstas vantagens ao nível do aluguer, financiamento, seguro, contrato de manutenção e despesas de contrato. Centros de desporto e lazer O desporto e o lazer são também uma parte importante da vida de uma empresa e dos seus colaboradores. A pensar nisto, a AIMinho preparou para os seus associados um conjunto de benefícios junto de agradáveis centros de desporto e lazer, que deverão ser o contraponto ideal à, por vezes, cansativa vida profissional. Os descontos vão dos 5% aos 15%, e incluem actividades tão diversas como desportos motorizados, desportos não motorizados e passeios turísticos/pedestres.

9 9

10 António Cunha Leite, Lda. Empresa investe um milhão de euros em tecnologia de corte a laser A tecnologia de corte a laser é a grande aposta da empresa ACL - António Cunha Leite, Lda. na qual investiu cerca de um milhão de euros. A nova área de negócios deu origem à ACLaser que passa a ser a única empresa da região a disponibilizar esta tecnologia. A ACLaser está apta a executar, com a máxima rapidez e qualidade, todo o tipo de trabalhos de corte a laser em chapas de aço, inox, alumínio, titânio, tubo entre outros, dispondo também de um serviço complementar de quinagem CNC. Esta nova área vem reforçar a capacidade de intervenção da ACL no mercado. Sediada em Braga, onde existe há cerca de 28 anos, a ACL dedica-se à indústria de metalomecânica de precisão. Com cerca de 65 colaboradores, a empresa atingiu, em 2008, um volume de negócios de mais de 2 milhões de euros e prevê o aumento desse número para o ano corrente. A grande parte da produção da ACL vai para o mercado interno, maioritariamente para a indústria automóvel, mobiliário, pesagem e indústria de plásticos, no entanto, tem já clientes em Espanha, França e Alemanha. A curto/médio prazo a empresa pretende mesmo expandir-se para toda a Europa, de forma a internacionalizar a nova área de negócio. Para além do laser e quinagem, a ACL dedica-se ainda à área dos moldes e automação. A máxima satisfação dos seus clientes é o objectivo, para isso e tendo em mente a requalificação tecnológica dos equipamentos, a empresa aposta na tecnologia com vista à adaptação das necessidades dos clientes. Publicidade 10

11 Grupo lk comunicação Grupo LK cria nova marca para comunicação web O Grupo LK Comunicação criou uma nova marca comercial, a LK Evolution, vocacionada para a comunicação web. Após oito anos de presença consolidada no mercado, o Grupo LK Comunicação quis dar mais visibilidade ao trabalho que tem vindo a desenvolver neste âmbito, no qual possui já uma forte experiência. O serviço oferecido pela LK Evolution vai além do desenvolvimento de portais, websites e software web e engloba também consultoria e monitorização da presença empresarial na web. A LK Evolution desenvolve serviços em quatro vertentes. Comunicação Web, que passa pela planificação da comunicação online contando com monotorização da imagem presente na web e Soluções Web, nomeadamente a construção de portais e websites. A empresa desenvolve também Ferramentas Web, nomeadamente a criação de salas de imprensa interactivas, presença em redes sociais, plataformas de comunicação. Com uma experiência consolidada em comunicação integrada, o Grupo LK Comunicação detém ainda três outras marcas: LKMedia Assessoria Mediática Especializada, a SistemaLK Comunicação Integrada de Marketing e a XLK Publicidade. sétima Empresa vocacionada para o desenvolvimento de sistemas de informação e alojamento web Criada no final de 2008, a Sétima Tecnologias da Informação e Comunicação, Lda. é uma empresa jovem e inovadora, vocacionada para a produção de software web. Especializada no desenvolvimento de soluções tecnologicamente avançadas, o principal objectivo desta empresa, que estabeleceu recentemente uma aliança estratégica com a LK Comunicação, será a criação de soluções específicas para empresas ou para sectores de mercado. Na base da criação desta empresa estão vários anos de experiência dos seus fundadores como fornecedores de alojamento web, sob a marca EUESTOUAQUI.PT. O serviço de alojamento tem já mais de mil clientes e é considerado, por revistas da especialidade, como líder de mercado. Com o objectivo de dar uma ainda melhor resposta nesta área, a empresa adquiriu recentemente espaço num dos mais modernos datacenters de Lisboa, contando assim com uma infra-estrutura própria. Além das condições do espaço, existe também uma ligação de 1 GB, que permite taxas de transferência de informação elevadas, tornando assim todos os serviços mais rápidos e fiáveis. A Sétima integra ainda uma outra área de actuação, a Critical Web, dedicada ao desenvolvimento de portais, websites, webdesign e design gráfico. Nesta área, contam já com uma boa carteira de clientes, destacando-se o Município de Ribeira de Pena e a J. Tavares da Costa e Filhos, S.A.. 11

12 associados EmPrEsa vai desenvolver ParQuEs Para aproveitamento das ondas do mar FDO investe 12 milhões em projecto na área das energias renováveis Ferreira Dias e João Oliveira, administradores do Grupo FDO Com um investimento de 12 milhões de euros, o Grupo Fdo, através da sua participada urbancraft, assinou um acordo com a empresa espanhola hidroflot, no sentido de desenvolver, em Portugal, parques de produção de energia através do aproveitamento do potencial das ondas do mar. o primeiro projecto um módulo de 4 megawatts (mw) deverá ser instalado na zona piloto criada pelo governo português, situada ao largo de são Pedro de moel, entre os portos de Peniche e da Figueira da Foz. Este módulo será englobado numa área de 320 quilómetros quadrados, a partir dos 30 metros de profundidade até aos 90 metros, sendo que toda a zona piloto terá um total de 80 mw de potência. Posteriormente, visa-se atingir uma potência de 250 mw. as infra-estruturas estarão a cargo da ren. a urbancraft explica que pretende acrescentar valor à empresa e participar activamente no desenvolvimento de um cluster nesta área através da parceria com a hidroflot, empresa de engenharia ligada às energias renováveis, com sede em barcelona. após a criação do primeiro parque de ondas do mundo, situado na Póvoa do varzim, espera-se que a criação da zona piloto traga para Portugal projectos com potencial para desenvolver novas tecnologias relacionadas com a produção de energia a partir das ondas. Considerada uma fonte de energia limpa e inesgotável, a produção de energia a partir do aproveitamento das ondas do mar é já apontada como uma das energias do futuro. neste sentido, o objectivo do governo é que Portugal possa vir, a prazo, a exportar esta tecnologia, tal como acontece, actualmente, com as torres eólicas associadas à energia do vento. de destacar ainda que Portugal apresenta condições muito favoráveis para se tornar uma referência ao nível do desenvolvimento de projectos ligados a centrais electroprodutoras de aproveitamento da energia das ondas. Fundado em 1980, o Grupo Fdo tem como principais áreas de negócio os sectores da Construção Civil e obras Públicas, Promoção imobiliária, Centros Comerciais, hotelaria, serviços e Parques de Estacionamento, ambiente e Energia. o crescimento bem visível reflecte-se na presença além fronteiras, com sucursais em França, Espanha, angola, marrocos e Polónia. Em 2007, o Grupo apostou numa marca própria vivaci Centros Comerciais, para a construção de vários centros comerciais em Portugal. Em 2008, 70 Por CEnto do volume de negócios resultou da actividade da EmPrEsa no EstranGEiro ALERT com novo contrato no Reino Unido e certificação no Chile 12 Jorge Guimarães, CEO da Alert a britânica Circle, a maior parceria de profissionais de saúde da Europa, adquiriu o alert Paper Free hospital para implementar no hospital que está a construir em bath, na inglaterra. a empresa portuguesa inicia 2009 com um novo projecto internacional, consolidando a presença no reino unido onde tem uma subsidiária e integra a Central de Compras do serviço nacional de saúde. ainda ao nível internacional, a alert foi certificada pelo ministério da saúde do Chile, integrando a lista de fornecedores das instituições de saúde. o hospital que a Circle vai construir em bath foi desenhado por arquitectos de renome e pretende-se que seja um moderno equipamento de saúde com uma forte aposta em tecnologia e excelentes condições de atendimento. o serviço de saúde terá quatro áreas de cirurgia, além de internamento, espaços de consulta e diversos serviços de diagnóstico complementar. nos próximos anos, a empresa britânica tem um plano de crescimento que inclui a construção de novos hospitais em diversas localidades britânicas, entre as quais Edimburgo, Plymouth, reading e southampton prevendo-se que o alert seja o software seleccionado para os novos projectos. segundo richard atkinson, Chief technology officer da Circle, com a informação clínica disponível electronicamente seremos capazes de analisar a nossa performance e os nossos resultados clínicos, o que promoverá a excelência no nosso novo hospital permitindo-nos ultrapassar as expectativas dos nossos pacientes. as soluções alert passaram também a estar homologadas pelo ministério da saúde chileno. desta forma, as instituições de saúde do Chile passam a poder adquirir o software desenvolvido em Portugal, com financiamento do governo central. a alert foi uma das quatro empresas que foram aceites pelo governo chileno após uma análise técnica em que participaram 19 concorrentes. a empresa portuguesa consolida, assim, a sua presença fora de Portugal.

13 ASSOCIADOS Inauguração esgota colecção exclusiva de Pedro Moreira Lameirinho abre loja Home Attitude no Porto Colecção esgotou no dia da abertura A Lameirinho abriu recentemente uma loja Home Attitude, no Porto. A inauguração decorreu, no passado mês de Dezembro, e revelou-se um sucesso, referiu a empresa em comunicado. A edição limitada de lençóis pintados à mão de Pedro Moreira, um dos designers da marca, esgotou ao fim de uma hora. Apesar de se tratar de uma edição não acessível a todas as bolsas, o norte mostrou que aprecia as peças únicas e o design exclusivo, disse Pedro Moreira. O designer anunciou ainda que está já a preparar uma nova colecção de exclusivos que estarão, em breve, disponiveis na loja. A Lameirinho encerrou o ano 2008 com mais uma grande aposta, a criação de um espaço, onde se apresentam as diferentes marcas, que se destacam pelo elevado requinte dos materiais e pormenores utilizados. Depois do sucesso que o espaço Attitude na Casa Decor do Porto alcançou, a continuidade e o desejo de cada vez mais satisfazer os clientes aumenta, refere a Marketing Manager da Lameirinho, Isabel Aragão. Com um espaço novo e cheio de Attitude criou-se uma nova colecção personalizada, única, arrojada e cheia de glamour, difícil de encontrar até hoje no mercado português, acrescentou. As lojas Home Attitude apresentam-se como um espaço ideal para Decoradores, Arquitectos e clientes que procuram a diferença e originalidade para os seus espaços mais requintados e que queiram conquistar um espaço de luxo. Design, elegância, toque e brilho são os atributos que caracterizam os produtos da Lameirinho, uma indústria têxtil portuguesa que procura estar sempre na vanguarda de novos produtos, novas ideias e novos desafios. Cada vez mais atenta ao mercado, a Lameirinho criou a marca Home Attitude que se traduz num conceito moderno e urbano de linhas sóbrias onde se atinge o equilíbrio entre a simplicidade e a originalidade. Os produtos Home Attitude são direccionados para a mulher actual, cosmopolita e prática com exigências de qualidade e design. Publicidade Academia de negócios do minho Formação Avançada para gestores e empresários desenvolva competências. aposte na liderança. A Academia de Negócios do Minho é uma parceria da AIMinho Associação Empresarial e da EGP-UPBS (Escola de Gestão do Porto University of Porto Business School), com o apoio da Optimus e da Sonaecom. A Academia de Negócios tem como objectivo criar uma oferta de formação avançada em gestão para as empresas, sendo que o propósito é contribuir para dotar as empresas de conhecimentos e competências globais de gestão. programa geral de gestão > Gestão Geral > Marketing & Vendas > Operações > Finanças > RH e Comportamental PROGRAMA DE LIDERANÇA EMPRESARIAL A EGP-UPBS tem a responsabilidade científico-pedagógica dos Programas ministrados na Academia de Negócios do Minho. com o apoio > Conjuntura e Previsão Económica > Estratégia e Planeamento Estratégico > Competitividade Internacional > Balanced Scorecard e Controlo de Gestão > Financiamento da Empresa > Construção e Comunicação de Marcas > Gestão da Cadeia de Abastecimento > Gestão Estratégica de Recursos Humanos > Mudança e Inovação Organizacional 13

14 14

15 Enterprise europe network organiza: Encontro de negócios em Estugarda e Feira de Energia e Meio Ambiente O próximo Encontro B2Fair realiza-se, entre os dias 11 e 13 de Fevereiro, em Estugarda (Alemanha), durante a Feira Internacional R+T 2009 de roller shutters, portas/portões e protecção solar. O Encontro de Negócios é organizado pelos parceiros da rede europeia de apoio aos negócios e à inovação Enterprise Europe Network (EEN) e por Câmaras de Comércio e Indústria. As empresas expositores ou visitantes da Feira inscritas nos Encontros de Negócio irão dispor de uma plataforma para iniciar contactos comerciais internacionais, encontrar parceiros para cooperação futura, trocar experiências a nível internacional, optimizando, desta forma, a participação na Feira Internacional. A Feira Internacional é dedicada aos sub-sectores de actividade roller shutters, janela e persianas, toldos, venezianas, têxteis técnico, portas e portões, grelhas e vedações, sistemas de controlo, equipamentos de segurança, negócios de ferragens e mobiliário Para mais informação sobre o encontro de negócios visite o Gás Natural é um dos temas da Feira Internacional de Energia e Meio Ambiente Mostrar o desenvolvimento que as energias renováveis, na Galiza, experimentaram nos últimos anos é o principal objectivo da I Feira Internacional de Energia e Meio Ambiente que se realiza de 17 a 19 de Fevereiro, no Recinto Ferial de Ferrol. Um dos grandes temas desta Feira será o Gás Natural, combustível fóssil, limpo, de elevado rendimento económico e com amplas perspectivas de crescimento. A par deste tema, o meio ambiente será outro dos protagonistas do evento. Haverá, ainda, uma área de exposição com as diferentes iniciativas de eficiência energética promovidas na comunidade galega. Durante a realização da FIEMA, a FAEPAC - Fundación Axencia Enerxética Provincial da Coruña, levará a cabo a realização do II Congresso Internacional da Energia e Meio Ambiente. Os empresários interessados em participar no encontro de negócios e em visitar esta Feira e estabelecer reuniões individuais de trabalho com empresários galegos, deverão manifestar esse interesse através do CE adopta medidas contra a fraude fiscal O Conselho adoptou uma alteração da directiva IVA que permite aos Estados Membros detectarem rapidamente as fraudes em carrossel no âmbito do IVA, acelerando a troca de informações entre administrações fiscais dos Estados-Membros. O Conselho adoptou igualmente uma directiva no domínio dos direitos especiais de consumo que reforça a luta contra a fraude e que substitui a Directiva 92/12/CEE a partir de 1 de Abril de O Comissário responsável pela Fiscalidade, László Kovács, disse que as medidas adoptadas fazem parte de um pacote destinado a melhorar a cooperação e a troca eficaz de informações entre administrações nacionais na luta contra a fraude fiscal. Esta priva os Estados dos recursos necessários para levarem a cabo as suas políticas, sendo esse problema mais grave numa altura em que os governos fazem face aos efeitos da crise financeira global. Parte do Orçamento da UE vai para o emprego e investigação Em 2009, a parte de leão do orçamento da UE (45%, isto é, milhões de euros) será consagrada a programas a favor da investigação, inovação, emprego e desenvolvimento regional que associam medidas de curto e de longo prazo destinadas a ajudar a Europa a reagir o mais rápida e eficazmente possível para sair da crise económica actual. O aumento de 11% das dotações para a investigação e de 22% para o programa comunitário a favor da inovação contribuirá para apoiar a competitividade da UE num período difícil, bem como os seus esforços para se orientar para uma economia de baixo teor de carbono. A verba destinada à agricultura manter-se-á estável, com um pouco mais de 40% das dotações da UE, ao passo que as despesas consagradas ao ambiente e ao desenvolvimento rural aumentarão 2,9%. Quanto à rubrica Europa, protagonista mundial, a respectiva dotação aumentará igualmente com uma verba de 600 milhões de euros para o mecanismo alimentar destinado a ajudar os países em desenvolvimento a enfrentar a alta dos preços dos produtos alimentares. 15

16 16

17

18

19 opinião A Crise FinAnCeirA e A revisão/ AuditoriA às ContAs Joaquim Fernando da Cunha Guimarães Revisor oficial de contas e docente do ensino superior Revista Electrónica INFOCONTAB n.º 39, de Janeiro de 2009 na última edição do Jornal aiminho (n.º 92, de dezembro de 2008) foi publicado um nosso artigo, sob o título a Crise Financeira e a Contabilidade, no qual incluímos um P.s. referindo que o mesmo constituía uma parte significativa de um outro artigo mais desenvolvido, sob o título a Crise Financeira e o «Justo valor» na Contabilidade e na auditoria, ambos disponíveis para download no nosso Portal infocontab, em no menu actividade Pessoais/artigos (download)/por título/n.º 246. Citando o grande cientista francês da Contabilidade do século passado, Jean dumarchey (teoria Positiva da Contabilidade, Ed. revista de Contabilidade e Comércio, Porto, 1943, p. 56), sublinhámos a sua frase o valor é a pedra angular da Contabilidade. naquele artigo abordámos alguns dos principais aspectos teóricos/conceptuais e práticos associados à importância do valor na contabilidade e, de forma mais incisiva, o conceito de justo valor (traduzido da expressão anglosaxónica fair value) no normativo contabilístico nacional actual, com especial destaque para a directriz Contabilística n.º 13 Conceito de justo valor e outras directrizes específicas sobre determinados factos patrimoniais susceptíveis da sua aplicação. relevámos, igualmente, as referências ao justo valor (Jv) nas normas internacionais de Contabilidade (nic/ias), nas normas internacionais de relato Financeiro (nirf/ifrs) e nas respectivas interpretações (sic/ifric), do international accounting standards board (iasb), bem como no futuro modelo de normalização contabilística nacional que será aplicado à generalidade das empresas, designado de sistema de normalização Contabilística (snc), o qual se encontra em apreciação pelo Governo. o snc substituirá o actual normativo contabilístico, constituído, essencialmente, pelo Plano oficial de Contabilidade (PoC), 29 directrizes Contabilísticas e 5 interpretações técnicas. o snc prevê, nomeadamente, uma Estrutura Conceptual, um conjunto de 28 normas Contabilísticas e de relato Financeiro (ncrf), bem como uma única norma, intitulada norma Contabilística e de relato Financeiro Pequenas Entidades (ncrf-pe), aplicável às empresas de muito reduzida dimensão, de acordo com parâmetros a definir pelo Governo. depois de efectuado este breve enquadramento contabilístico, impõe-se, agora, a análise das normas de auditoria/revisão às contas associadas ao conceito de Jv, as quais são descritas naquele nosso segundo artigo, bem como das respectivas intervenções técnicas do revisor oficial de Contas (roc). Com efeito, para as empresas sujeitas a revisão legal das contas ou a auditoria às contas (1), o roc deverá ter em consideração os aspectos relacionados com a auditoria/ revisão das mensurações (balanço e demonstrações dos resultados) e divulgações (anexo ao balanço e à demonstração dos resultados) do Jv. deste modo, a ordem dos roc, atenta a essa realidade, emitiu a directriz de revisão/auditoria 545 (dra 545), de maio de 2007, sob o título auditoria das mensurações e divulgações ao Justo valor, que entrou em vigor nos períodos findos em ou após 31 de dezembro de 2007, e na qual se desenvolvem os principais aspectos de revisão/ auditoria que devem ser considerados pelo roc na certificação do Jv, dos quais destacamos os seguintes: a) a afirmação de que a gerência (órgão de gestão) é a responsável pelas mensurações e divulgações incluídas nas demonstrações financeiras (parágrafo 5). ao roc incumbelhe compreender os seus procedimentos e, de forma mais específica, obter prova de auditoria acerca dos objectivos, intenções e planos da gerência (parágrafo 24); b) a eventual necessidade do roc ter de recorrer a outras normas complementares de auditoria/revisão para cumprimento da dra 545, nomeadamente algumas nia e dra (2). assim, para além das normas contabilísticas associadas ao Jv, o roc deverá ter em consideração um conjunto de normas de revisão/auditoria significativas e complementares à dra 545 (de notar que esta norma contém 31 páginas!); c) a assunção clara e objectiva de que a mensuração e a divulgação do Jv apresentam dificuldades, incertezas e expectativas, que comportam riscos de auditoria, os quais devem ser tidos em consideração pelo roc (parágrafos 11 a 18); d) a necessidade de o roc compreender bem o negócio e o sistema de controlo interno da entidade. e) as determinações do Jv envolvem muitas vezes julgamentos subjectivos pela gerência (órgão de gestão) que podem afectar a natureza das actividades de controlo a serem implementadas (parágrafo 18); f) a avaliação da consistência dos métodos adoptados pela entidade para mensuração do Jv (parágrafos 29 e 30). Em suma, a dra 545 contempla, efectivamente, um conjunto significativo de procedimentos de auditoria/revisão que o roc deve ter em consideração aquando da emissão dos seus relatórios no âmbito da dra 700 relatório de revisão/ auditoria, com especial destaque para a certificação legal das contas e para o relatório de auditoria. não podemos, pois, ignorar que a crise financeira tem diversos culpados, sendo os principais os membros do órgão de gestão, não esquecendo os accionistas (participam nas deliberações em assembleia geral) e, complementarmente, os próprios contabilistas (toc) e roc (relembramos o caso da falência, na década passada, da maior empresa internacional de auditoria arthur andersen, devido, precisamente, a um escândalo contabilístico e financeiro). (1) Face ao respectivo Estatuto dos revisores oficiais de Contas, aprovado pelo decreto-lei n.º 487/99, de 16 de novembro, e recentemente alterado pelo decreto-lei n.º 224/2008, de 20 de novembro, bem como à legislação societária aplicável (v.g. Código das sociedades Comerciais, Código dos valores mobiliários) e demais legislação, estimase que estas empresas não atinjam 10% do tecido empresarial português. (2) no nosso artigo em causa, sublinhámos que a dra545 contém referências a nove nia (normas internacionais de auditoria), ou na terminologia anglo-saxónica isa (international standards on auditing) e quatro dra. ficha técnica Director: nuno martins Coordenação Editorial: Filipe Fadigas do vale Redacção e Produção: lk Comunicação, avª dr. Francisco Pires Gonçalves, 45, braga Propriedade: aiminho - associação Empresarial, av. dr. Francisco Pires Gonçalves, 45, braga Impressão: lk Comunicação Tiragem: 2500 exemplares NIF: Registo ICS: Periodicidade: mensal. 19

20 aiminhojornal associação empresarial última aiminho reuniu-se com a comunicação social custódio Braga e avelino mota, do Bloco de esquerda na aiminho equipa da soluciona que levou a cabo o workshop sobre a iso 9001:2008

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO E INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Angra do Heroísmo 2010/2011 1 Objectivos Este curso de pós-graduação

Leia mais

Curso de Gestão Para Empresários e Directores

Curso de Gestão Para Empresários e Directores Curso de Gestão Para Empresários e Directores Sob a direcção do Doutor José Nunes Maia, Professor Aposentado do ISCTE Lisboa, a MoreData pretende dar início à 1ª edição do Curso de Gestão para Empresários

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão Março de 2009 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO:

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Apresentação A Comissão de Normalização Contabilística aprovou em Julho de 2007 o projecto do novo Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Contabilidade Introdução ao SNC

Contabilidade Introdução ao SNC Contabilidade Introdução ao SNC DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates

Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates Debate Quinzenal Economia Intervenção do Primeiro-Ministro José Sócrates 11.02.2009 1. A execução da Iniciativa para o Investimento e o Emprego A resposta do Governo à crise económica segue uma linha de

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Região Centro como

Leia mais

Mário & Dominguez, Lda continua a apostar na formação

Mário & Dominguez, Lda continua a apostar na formação Boletim Informativo da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica Nº 3 / Fevereiro 2011 / Suplemento do Jornal Vida Económica Internacionalização Destaque Mário & Dominguez, Lda continua a apostar na formação

Leia mais

Programa de Universidades

Programa de Universidades University Program International Univer- sities Certified Universities Programa de Universidades 2013 Infosistema. All rights reserved. www.iflowbpm.com O que é o iflow BPM? Tabela de Conteudos O que é

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho 14 de Maio de 2009 Perguntas e respostas 1. Quais os objectivos

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE

PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PROPOSTA Empresa/Sector: A constituir / Construção Civil Contacto: Lurdes Coelho Projeto: Prestação de serviços de contabilidade; Gestão do Projeto: Vitória

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial Missão empresarial a Santiago do Chile Multisetorial 25 a 29 de Novembro de 2013 Enquadramento: Missão empresarial Chile multisetorial O Chile constitui uma das economias mais desenvolvidas, estáveis e

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

Estudo Empresas Darwin em Portugal

Estudo Empresas Darwin em Portugal Estudo Empresas Darwin em Portugal Introdução Num mercado muito competitivo em que os mais pequenos pormenores fazem a diferença, as empresas procuram diariamente ferramentas que lhes permitam manter-se

Leia mais