REGULAMENTO INTERNO. Administração Regional de Saúde do Norte IP. ACES Baixo Tâmega MODELO B

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO. Administração Regional de Saúde do Norte IP. ACES Baixo Tâmega MODELO B"

Transcrição

1 Administração Regional de Saúde do Norte IP ACES Baixo Tâmega MODELO B REGULAMENTO INTERNO A vida é breve, a arte longa, a ocasião fugaz, a experiência perigosa, o juízo difícil Aforismos - Corpus Hippocraticum Data de revisão Próxima revisão Acta de aprovação do CG Março de 2012 Março de /03/2012

2 ÍNDICE página Índice 02 Lista de acrónimos 03 Nota Introdutória 04 Visão, Missão e Valores 06 Constituição da equipa 07 Organização e instrumentos da USF 10 Reuniões, competências e actas dos órgãos colegiais 11 Delegação de competências Regras de escolha, admissão e exclusão na equipa Funções do coordenador e dos elementos da equipa Cobertura assistencial, ausências e horários Carteira de serviços Acolhimento, atendimento e orientação dos utilizadores Acessibilidade, continuidade e integração de cuidados Gestão da comunicação com os utilizadores Gestão da comunicação com os profissionais Programa de desenvolvimento de competências Formação pré e pós graduada, investigação em CSP Inibições decorrentes da necessidade de cumprir os compromissos assistenciais da USF Prestação de contas Compromissos da Carta da Qualidade Actualização e produção de efeitos Anexos

3 LISTA DE ACRÓNIMOS AC/CA Atendimento Complementar/ Consulta Aberta ACES Agrupamento de Centros de Saúde A/E/M Assistentes técnicos/ Enfermeiros/ Médicos ALERT Software de referenciação aos cuidados hospitalares ARS Norte Administração Regional de Saúde do Norte AS Assistente social B.I. Bilhete de Identidade CD /VD Cuidados Domiciliários / Visitação Domiciliária CS Centro de Saúde CSP Cuidados de Saúde Primários EAD Exames Auxiliares de Diagnóstico IP, INP Intervenção Programada, Intervenção Não Programada (enfermagem) MGF/CG Medicina Geral e Familiar/Clínica Geral P, NP/CA Programada, Não Programada/ Consulta aberta PF Planeamento familiar RI Regulamento Interno SAM / SAPE / SINUS Software médico, de enfermagem e de secretariado SI e SM Saúde Infantil e Saúde Materna SU Serviço de Urgência SAP Serviço de Atendimento Permanente SASU Serviço de Atendimento de Situações Urgentes USF Unidade de Saúde Familiar 3

4 I - NOTA INTRODUTÓRIA A USF Alpendorada é uma organização de prestação de Cuidados de Saúde Primários (CSP) em equipa, constituída por: Um grupo de pessoas: a equipa multiprofissional da USF. Um coordenador: elemento médico, eleito em conselho geral. Um objectivo principal: prestação de CSP de qualidade, num processo de melhoria contínua. Práticas de actuação concertadas: participação e co-responsabilização, flexibilidade, integração e interdependência de procedimentos. Área geográfica: É a área correspondente às freguesias de Alpendorada e Matos, Torrão, Várzea e ao lugar de Aldeia Nova da freguesia de Magrelos (10,54km2 + 1,47km2 + 4,79km2 + 0,05 Km2 = 16,8km2), do concelho de Marco de Canaveses. Base populacional: Carteira Básica: São as pessoas inscritas em lista de médico de família na USF, com a limitação da área geográfica de influência para os cuidados domiciliários. Carteira Adicional: A definida e acordada para cada um dos programas e projectos, podendo exceder a definida para a carteira básica e o limite geográfico. O Regulamento Interno da USF Alpendorada (RI): É o compromisso das pessoas que compõem a equipa com um conjunto de regras e princípios que regulam os seus comportamentos, os seus papéis operatórios e funcionais na organização. A USF Alpendorada é um sistema humano aberto, em consequência o seu RI é um instrumento dinâmico sujeito a revisão e reconstrução periódicas, de acordo com as necessidades sentidas pelos seus profissionais. A extinção da USF Alpendorada verificar-se-á nas situações previstas na lei (DL nº298/2007, Art. 19º). 4

5 Logotipo: O Memorial marco, sítio de passagem e transição Monumento Nacional desde 1910, é um memorial medieval situado em Alpendorada e Matos e um dos seis existentes em território nacional. Usado como marco de separação do espaço físico e lugar de passagem Grupo de trabalho: Adriano Moreira, António Filipe, Manuel Reis Melo, Paula Marques, Rui Maggioli Elisabete Vieira, Eugénia Ferras, Heloísa Leitão, Vera Almeida, Vítor Santos José Barbosa, Liliana Pereira, Manuela Monteiro, Manuela Tavares 5

6 II - VISÃO, MISSÃO E VALORES A USF Alpendorada pretende: Ser uma organização de saúde qualificante na área da prestação de Cuidados de Saúde Primários do sector público. Obter níveis de qualidade e de satisfação elevados com os cuidados que prestamos, para utilizadores e profissionais, com eficiência, num ambiente seguro e amigável. Visão Criarmos um espaço de trabalho amigável e de excelência em CSP. Missão Prestação de cuidados de saúde personalizados à população inscrita, garantindo a acessibilidade, a globalidade, a qualidade e a continuidade dos mesmos. Prestação de Cuidados de Saúde Primários, num processo de melhoria contínua. Valores No nosso projecto de vida cabe uma função social de participação cívica a cumprir, que é prestarmos a melhor assistência possível aos que nos procuram, num ambiente solidário e co-responsabiliza-te de respeito pelas pessoas, com exigência e com tolerância. 6

7 III- CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA A equipa base da USF Alpendorada é constituída por 14 profissionais de saúde (5 Médicos especialistas em MGF/CG, 5 Enfermeiros e 4 Assistentes administrativos), subscritores do projecto e incluídos na lista do parecer técnico. Identificação dos profissionais Médicos António Manuel Marques Filipe, BI nº , C.P. nº 18064, Assistente Graduado, 35 horas, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Adriano Manuel da Silva Moreira, BI nº , C.P. nº 24105, Assistente Graduado, 35 horas, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Manuel José de Almeida Reis e Melo, BI nº , C.P. nº 22247, Assistente Graduado, 35 horas, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Paula Alexandra Rabaçal Marques, B.I. nº , C.P. nº 36283, Assistente, 35 horas, Centro de Saúde de Paredes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Rui António Estrela Maggioli Gouveia, B.I. nº , C.P. nº 29093, Assistente Graduado, 35 horas, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. 7

8 Enfermeiros Elisabete Gonçalo Carneiro Vieira, B.I. nº , C.P. nº 4-E-32443, Enfermeira Graduada., Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada. Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Eugénia Fernanda Pinto Ferras, B.I. nº , C.P. nº 4-E-34337, Enfermeira Graduada, Hospital Padre Américo em destacamento, USF Alpendorada. Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Heloisa Maria Pereira Leitão, B.I. nº , C.P. nº 4-E-34027, Enfermeira Graduada. Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada. Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Vera Lúcia Freitas dos Santos Almeida, B.I. nº , C.P. nº 4-E-47284, Enfermeira, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada. Contrato de Trabalho a Termo Resolutivo Certo. Vítor Pinto dos Santos, B.I. nº , C.P. nº 4-E-47292, Enfermeiro, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada. Contrato de Trabalho a Termo Resolutivo Certo. 8

9 Assistentes Técnicos José Guedes Barbosa, B.I. nº , Assistente Técnico Especialista, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Liliana Patrícia Pereira, B.I. nº , Assistente Técnico, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho a Termo Resolutivo Certo. Manuela Cristina Guedes Monteiro, B.I. nº , Assistente Técnico Principal, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. Manuela Maria Vieira Tavares, B.I. nº , Assistente Técnico Principal, Centro de Saúde de Marco de Canavezes, USF Alpendorada, Contrato de Trabalho por Tempo Indeterminado. 9

10 IV - ORGANIZAÇÃO E INSTRUMENTOS DA USF Conselho Geral da USF Composto por todos os elementos da equipa multiprofissional, com as competências definidas na lei (DL nº 298/2007, Art. 13º). Coordenador Profissional médico escolhido por todos os elementos da equipa multiprofissional por maioria (Conselho Geral da USF). Conselho Técnico da USF Composto por um médico e um enfermeiro, escolhidos por todos os elementos do grupo profissional correspondente, com as competências definidas na lei (DL nº 298/2007, Art. 14º). Grupos de trabalho Organizados para solução de problemas, tarefas ou objectivos específicos, predominantemente multiprofissionais e com limite temporal, nomeados pelo Conselho Geral da USF ou designados pelo Coordenador. Equipas de saúde familiar Um secretário clinico, um enfermeiro e um médico, uma lista nominal de utilizadores inscritos. Triénio do Plano de Ação 2011/13 Coordenador: António Manuel Marques Filipe Conselho Técnico: Enfermeiro - Elisabete Vieira; Médico - Rui Maggioli Instrumentos da USF O Regulamento Interno, a Carta da Qualidade, o Plano de Acção, o Manual de Procedimentos e o Manual de Articulação com o ACES Baixo Tâmega. 10

11 V - REUNIÕES, COMPETENCIAS E ACTAS DOS ORGÃOS COLEGIAIS Tipologia, conteúdo, competências, deliberações e duração das reuniões dos órgãos colegiais Reuniões de serviço da equipa: Periodicidade Semanal à quarta-feira de manhã. Duração habitual de 2h. Abertas a todos e de presença obrigatória para pelo menos 1 elemento de cada grupo profissional. Assuntos a debater prioritariamente transversais a toda a equipa. Reuniões de temática multiprofissional / seminários da equipa: Periodicidade de acordo com as necessidades sentidas e temas a abordar (semestral ou outra). Duração habitual de 2,5h a 08h. Prioridade às áreas: organizacional, da comunicação e técnico cientifica, transversais aos diferentes grupos profissionais. Reuniões de temática profissional: Periodicidade, duração e conteúdos a decidir por cada grupo profissional que compõe a USF, de acordo com as necessidades e prioridades sentidas pelo grupo profissional. Reuniões do Conselho Geral: Periodicidade pelo menos quadrimestral, por convocatória do Coordenador ou a pedido de 50% dos seus elementos. 11

12 Competências do conselho geral: a) Aprovar o regulamento interno, a carta da qualidade, o plano de acção, o relatório de actividades e o regulamento de distribuição dos incentivos institucionais; b) Aprovar a proposta da carta de compromisso; c) Zelar pelo cumprimento do regulamento interno, da carta de qualidade e do plano de acção; d) Propor a nomeação do novo coordenador; e) Aprovar a substituição de qualquer elemento da equipa multiprofissional; f) Pronunciar -se sobre os instrumentos de articulação, gestão e controlo dos recursos afectos e disponibilizados à USF. Pronuncia -se também nas seguintes situações: g) Sempre que é necessário substituir algum elemento da equipa devido a ausência superior a duas semanas; h) Quando está em causa o alargamento da cobertura assistencial; i) Quando está em causa outra questão relevante para o normal funcionamento da USF. As deliberações relativas às competências de a) a f) são tomadas por maioria de dois terços, as restantes por maioria qualificada. As deliberações que envolvam a apreciação de comportamentos ou das qualidades de qualquer pessoa são tomadas por escrutínio secreto; em caso de dúvida, o órgão colegial deliberará sobre a forma de votação. Para efeitos de votação cada profissional tem direito a um voto e só podem votar os profissionais que constem na lista do parecer técnico ou adenda homologada. (DL nº 298/2007, Art. 13º) Reuniões do Conselho Técnico: Periodicidade mensal ou a pedido de um dos seus elementos. (DL nº 298/2007, Art. 14º) 12

13 Competências do conselho técnico: a) Dar a orientação necessária à observância das normas técnicas emitidas pela DGS. b) Promoção de procedimentos que garantam a melhoria contínua da qualidade dos cuidados de saúde, tendo por referência a carta da qualidade. c) Organizar as actividades de formação, investigação e auditoria interna. d) Manter actualizado o manual de procedimentos e normas de orientação clínica. e) Avaliar o grau de satisfação dos utentes da USF e dos profissionais da equipa. Actas de reuniões e procedimentos gerais dos órgãos colegiais: Obedecem ao Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto- Lei N.º 442/91, de 15 de Novembro e alterado pelo Decreto-Lei N.º 6/96, de 31 de Janeiro: SECÇÃO II - Dos Órgãos colegiais Artigo 14.º Presidente e secretário: Sempre que a lei não disponha de forma diferente, cada órgão administrativo colegial tem um presidente e um secretário, a eleger pelos membros que o compõem. Cabe ao presidente do órgão colegial, além de outras funções que lhe sejam atribuídas, abrir e encerrar as reuniões, dirigir os trabalhos e assegurar o cumprimento das leis e a regularidade das deliberações. O presidente pode, ainda, suspender ou encerrar antecipadamente as reuniões, quando circunstâncias excepcionais o justifiquem, mediante decisão fundamentada, a incluir na acta da reunião. O presidente, ou quem o substituir, pode interpor recurso contencioso e pedir a suspensão jurisdicional da eficácia das deliberações tomadas pelo órgão colegial a que preside que considere ilegais. 13

14 Artigo 15.º Substituição do presidente e secretário: Salvo disposição legal em contrário, o presidente e o secretário de qualquer órgão colegial são substituídos, respectivamente, pelo vogal mais antigo e pelo vogal mais moderno. No caso de os vogais possuírem a mesma antiguidade, a substituição faz-se, respectivamente, pelo vogal de mais idade e pelo mais jovem. Artigo 16.º Reuniões ordinárias: Na falta de determinação legal ou de deliberação do órgão, cabe ao presidente a fixação dos dias e horas das reuniões ordinárias. Quaisquer alterações ao dia e hora fixados para as reuniões devem ser comunicadas a todos os membros do órgão colegial, de forma a garantir o seu conhecimento seguro e oportuno. Artigo 17.º Reuniões extraordinárias: As reuniões extraordinárias têm lugar mediante convocação do presidente, salvo disposição especial. O presidente é obrigado a proceder à convocação sempre que pelo menos um terço dos vogais lho solicitem por escrito, indicando o assunto que desejam ver tratado. A convocatória da reunião deve ser feita para um dos 15 dias seguintes à apresentação do pedido, mas sempre com uma antecedência mínima de quarenta e oito horas sobre a data da reunião extraordinária. Da convocatória devem constar, de forma expressa e especificada, os assuntos a tratar na reunião. Artigo 18.º Ordem do dia: A ordem do dia de cada reunião é estabelecida pelo presidente, que, salvo disposição especial em contrário, deve incluir os assuntos que para esse fim lhe 14

15 forem indicados por qualquer vogal, desde que sejam da competência do órgão e o pedido seja apresentado por escrito com uma antecedência mínima de cinco dias sobre a data da reunião. A ordem do dia deve ser entregue a todos os membros com a antecedência de, pelo menos, quarenta e oito horas sobre a data da reunião. Artigo 19.º Objecto das deliberações: Só podem ser objecto de deliberação os assuntos incluídos na ordem do dia da reunião, salvo se, tratando-se de reunião ordinária, pelo menos dois terços dos membros reconhecerem a urgência de deliberação imediata sobre outros assuntos. Artigo 20.º Reuniões públicas: As reuniões dos órgãos administrativos não são públicas, salvo disposição da lei em contrário. Quando as reuniões hajam de ser públicas, deve ser dada publicidade aos dias, horas e locais da sua realização, de forma a garantir o conhecimento dos interessados com uma antecedência de, pelo menos, quarenta e oito horas sobre a data da reunião. Artigo 21.º Inobservância das disposições sobre convocação de reuniões: A ilegalidade resultante da inobservância das disposições sobre a convocação de reuniões só se considera sanada quando todos os membros do órgão compareçam à reunião e não suscitem oposição à sua realização. Artigo 22.º Quorum: Os órgãos colegiais só podem, regra geral, deliberar quando esteja presente a maioria do número legal dos seus membros com direito a voto. Sempre que se não disponha de forma diferente, não se verificando na primeira convocação o quórum previsto no número anterior, será convocada nova 15

16 reunião, com o intervalo de, pelo menos, vinte e quatro horas, prevendo-se nessa convocação que o órgão delibere desde que esteja presente um terço dos seus membros com direito a voto, em número não inferior a três. Artigo 23.º Proibição da abstenção: No silêncio da lei, é proibida a abstenção aos membros dos órgãos colegiais consultivos que estejam presentes na reunião e não se encontrem impedidos de intervir. Artigo 24.º Formas de votação: Salvo disposição legal em contrário, as deliberações são tomadas por votação nominal, devendo votar primeiramente os vogais e, por fim, o presidente. As deliberações que envolvam a apreciação de comportamentos ou das qualidades de qualquer pessoa são tomadas por escrutínio secreto; em caso de dúvida, o órgão colegial deliberará sobre a forma de votação. Quando exigida, a fundamentação das deliberações tomadas por escrutínio secreto será feita pelo presidente do órgão colegial após a votação, tendo presente a discussão que a tiver precedido. Não podem estar presentes no momento da discussão nem da votação os membros dos órgãos colegiais que se encontrem ou se considerem impedidos. Artigo 25.º Maioria exigível nas deliberações: As deliberações são tomadas por maioria absoluta de votos dos membros presentes à reunião, salvo nos casos em que, por disposição legal, se exija maioria qualificada ou seja suficiente maioria relativa. Se for exigível maioria absoluta e esta se não formar, nem se verificar empate, proceder-se-á imediatamente a nova votação e, se aquela situação se mantiver, adiar-se-á a deliberação para a reunião seguinte, na qual será suficiente a maioria relativa. 16

17 Artigo 26.º Empate na votação: Em caso de empate na votação, o presidente tem voto de qualidade, salvo se a votação se tiver efectuado por escrutínio secreto. Havendo empate em votação por escrutínio secreto, proceder-se-á imediatamente a nova votação e, se o empate se mantiver, adiar-se-á a deliberação para a reunião seguinte; se na primeira votação dessa reunião se mantiver o empate, proceder-se-á a votação nominal. Artigo 27.º Acta da reunião: De cada reunião será lavrada acta, que conterá um resumo de tudo o que nela tiver ocorrido, indicando, designadamente, a data e o local da reunião, os membros presentes, os assuntos apreciados, as deliberações tomadas e a forma e o resultado das respectivas votações. As actas são lavradas pelo secretário e postas à aprovação de todos os membros no final da respectiva reunião ou no início da seguinte, sendo assinadas, após a aprovação, pelo presidente e pelo secretário. Nos casos em que o órgão assim o delibere, a acta será aprovada, em minuta, logo na reunião a que disser respeito. As deliberações dos órgãos colegiais só podem adquirir eficácia depois de aprovadas as respectivas actas ou depois de assinadas as minutas, nos termos do número anterior. Artigo 28.º Registo na acta do voto de vencido: Os membros do órgão colegial podem fazer constar da acta o seu voto de vencido e as razões que o justifiquem. Aqueles que ficarem vencidos na deliberação tomada e fizerem registo da respectiva declaração de voto na acta ficam isentos da responsabilidade que daquela eventualmente resulte. Quando se trate de pareceres a dar a outros órgãos administrativos, as deliberações serão sempre acompanhadas das declarações de voto apresentadas. 17

18 VI - DELEGAÇÃO DE COMPETENCIAS O Coordenador delegou na D. Manuela Tavares e Sr. José Guedes autorização para tratar dos processos necessários à gestão de reembolsos e processos relacionados com os BAS- Benefícios Adicionais de Saúde. (Acta Reunião Multidisciplinar 28/05/2008). O Coordenador delegou as Competências da Gestão Funcional dos Auxiliares de Apoio e Vigilância, na pessoa da D. Manuela Tavares do Secretariado Clínico. (Acta Reunião Multidisciplinar Nº21/2009 de 08/07/2009). O Coordenador delegou na D. Liliana Patrícia a responsabilidade de comunicar ao ACES as faltas por doença e férias, ficando também à sua responsabilidade a substituição quando se encontrar ausente. (Acta Reunião Multidisciplinar Nº17/2010 de 16/06/2010). O Coordenador delegou nos restantes Médicos da USF a competência para validar credenciais de transporte, guias de tratamento e pedido de exames para entidades convencionadas. (Acta Reunião Multidisciplinar Nº01/2010 de 05/01/2011). Delegação de competências do coordenador (DL 288/2007, artº 12, nº7) Com excepção das previstas nas alíneas a) Coordenar as actividades da equipa multiprofissional e c) Presidir ao conselho geral da USF do n.º 4 do presente artigo, o coordenador da equipa pode delegar, com faculdade de subdelegação, as suas competências noutro ou noutros elementos da equipa. 18

19 VII - REGRAS DE ESCOLHA, ADMISSÃO E EXCLUSÃO NA EQUIPA O coordenador: É escolhido pelo Conselho Geral, de entre os elementos do grupo médico. Em caso de demissão ou por maioria qualificada de2/3 em Conselho Geral, este procederá á escolha e nomeação de outro profissional médico. (DL nº 298/2007, Art.13º/nº2 alínea d) e nº3 ) Os elementos do Conselho Técnico: Enfermeiro e médico. São escolhidos interpares. Em caso de demissão de um ou dos dois elementos, o grupo profissional correspondente procederá á nomeação de outro profissional. (DL nº 298/2007, Art.14º) A admissão de um novo membro na equipa: Faz-se por proposta do Coordenador e deve ser subscrita por maioria qualificada de 2/3 do Conselho Geral da USF. (DL nº 298/2007, Art.20º e 13º nº2 alínea e) Qualquer elemento da equipa multiprofissional pode deixar de a integrar: a) Se apresentar um pedido de cessação de funções ao conselho geral, 60 dias antes da data prevista para a cessação, e comunicar tal intenção ao director do ACES e ao serviço de origem. (DL nº 298/2007, Art.20º) b) Por proposta fundamentada do coordenador da USF, aprovada por maioria qualificada de 2/3 do conselho geral e comunicada ao próprio, ao director do ACES e ao serviço de origem, 60 dias antes da data prevista para da saída. (DL nº 298/2007, Art.20º) 19

20 VIII - FUNÇÕES DO COORDENADOR E ELEMENTOS DA EQUIPA GERAIS Todos os elementos da equipa têm o dever: De promover um atendimento ao utente com empatia e cortesia, prestando-lhe toda a informação disponível solicitada. De responsabilidade funcional solidária no exercício das suas actividades profissionais, traduzido num modelo integrado de planeamento e prestação de Cuidados de Saúde Primários multiprofissional em equipa (SC/E/M/AS/ OUTROS PROFISSIONAIS), com atendimento personalizado centrado no paciente mas priorizando situações, grupos e áreas de intervenção tendo em conta os Planos de Saúde: Nacional, Regional e Local. De participar em acções de formação/actualização de conhecimentos/competências que se integrem nas prioridades do plano de acção e formação da USF Alpendorada, mantendo actualizado anualmente o seu curriculum individual de competências e respeitando o normativo legal, garantindo a sua substituição na prestação de cuidados. ESPECÍFICAS Ao Coordenador da equipa multidisciplinar ou seu substituto, compete: Coordenar a actividade da equipa, fazendo cumprir o plano de acção e os princípios orientadores estabelecidos para a actividade da USF. Presidir ao Conselho Geral, manter o diálogo com os elementos da equipa e programar as reuniões. 20

21 Estabelecer com a Direcção do ACES e ARS Norte cooperação, nomeadamente na prossecução dos objectivos definidos no plano de ação e actividades que venham a ser contratualizadas. Ser o interlocutor com as autoridades de saúde, podendo delegar competências em elementos da equipa para a participação em reuniões, actividades ou grupos de trabalho para que esses elementos estejam especificamente vocacionados. Aceitar responsabilidades que venham a ser legalmente estabelecidas ou se enquadrem numa descentralização de funções. Servir como interlocutor nas parcerias com outras entidades, nas acções de promoção da saúde na comunidade, intervenção em grupos vulneráveis, ou outras que venham a ser assumidas. Receber, ouvir e dar resposta às reclamações dos utentes. Coordenar o cumprimento dos compromissos e actividades assumidos pelo grupo, agindo como seu representante. Dar a conhecer á população ou seus representantes, o Plano de Acção e Relatório de Actividades da USF. (DL nº 298/2007, Art.12º, nº4 alínea e) Autorizar comissões gratuitas de serviço no País. Dar parecer e levar a conselho geral para ratificação, as declarações de interesse dos profissionais da USF no que respeita a actividades a exercer fora do âmbito desta e inerentes às suas habilitações. Delegar, com capacidade de subdelegação, as suas competências noutros profissionais. Com excepção da 1ª e 2ª alíneas. (DL nº 298/2007, Art.12º, nº7) Aos Médicos compete: Actividades assistenciais A realização das consultas médicas programadas, aberta, domiciliária, de inter substituição e aquelas que vierem a ser contratualizadas em carteira adicional, de acordo com os respectivos protocolos e diferenciação de competências profissionais. 21

22 Estabelecer colaboração permanente com enfermeiros e assistentes técnicos/secretários clínicos, dando resposta preferencialmente em equipa às situações detectadas e que careçam de intervenção. Actividades não assistenciais Integrar os programas de formação da USF e colaborar em acções de formação pré e pós graduada de profissionais de saúde, sempre que solicitado e possível. Integrar acções de promoção da saúde de iniciativa da USF ou da comunidade. Fazer parte dos grupos de trabalho da USF, como parte integrante de partilha de responsabilidades. Aceitar as regras e compromissos assumidos pelo grupo. Aos Enfermeiros compete: Actividades assistenciais Realizar os atendimentos de enfermagem, cumprindo o protocolo das consultas programadas nos diferentes grupos, de forma personalizada e de acordo com o conteúdo técnico-científico e autonomia da sua profissão, assegurando os mecanismos de inter substituição. Prestar cuidados de enfermagem de acordo com a sua agenda de actividades. Solicitar a colaboração da equipa (M/A) ou outros profissionais (ex: Assistente Social), para resolução de situações que se lhes deparem e que careçam da sua intervenção, nomeadamente no decurso da visitação domiciliária. 22

23 Actividades não assistenciais Integrar os programas de formação da USF e colaborar em acções de formação pré e pós graduada de profissionais de saúde, sempre que possível e solicitado. Integrar acções de promoção da saúde de iniciativa da equipa da USF ou da comunidade. Fazer parte dos grupos de trabalho da USF, como parte integrante de partilha de responsabilidades. Aceitar as regras e compromissos assumidos pelo grupo. Aos Assistentes Técnicos compete: Funções de secretariado clínico Acolhimento, recepção e orientação dos utentes na USF. Proceder à marcação das consultas e colaborar na sua gestão. Proceder á marcação das visitas e identificação dos Delegados de Informação Médica. Proceder á identificação de visitas/estranhos á USF. Organização do atendimento e orientação (pessoal, telefónico ou outro) dos pedidos de consulta e referenciação externa e interna da USF, mostrando sensibilidade para situações que pareçam mais urgentes, e fazendo nesses casos o encaminhamento para o enfermeiro ou médico. Prestar esclarecimento pessoal ou telefónico sobre o funcionamento da USF e dos procedimentos administrativos (comparticipações, isenções, transportes, relacionamento com Segurança Social e outros que já vêm sendo feitos). Gestão básica do apoio à actividade assistencial da equipa Apoiar as actividades da USF na organização e definição do seu plano de actividades, programação adequada das consultas e reuniões. 23

24 Colaborar na gestão da USF, nomeadamente na gestão do Sistema de Informação e na colheita e tratamento de dados estatísticos. De acordo com o conteúdo técnico-científico da sua profissão e diferenciação individual de competências. Gerir o processo de referenciação interna e externa da USF. Expediente e arquivo Assegurar o registo e encaminhamento da correspondência, formulários e processos. Gestão da caixa de sugestões, reclamações e registo de incidentes (recepção, encaminhamento e resposta). Manter actualizado o arquivo relativo ao expediente geral. Organizar e assegurar a manutenção do arquivo inactivo. Assegurar em geral todas as demais tarefas administrativas respeitantes ao expediente e arquivo da USF. Aprovisionamento e gestão de stocks Gerir as necessidades de material e de serviços para um bom funcionamento da USF, em colaboração com os outros grupos profissionais. Gerir os procedimentos administrativos de aquisição de bens e serviços. Recepcionar requisições com o respectivo parecer favorável do coordenador da USF ou seu substituto, assegurando a identificação correcta das especificações do material e serviços destinados à USF. Relação interna Integrar os programas de formação da USF. Colaborar e participar em acções de formação de profissionais, sempre que possível e solicitado. Participar nos grupos de trabalho da USF, sempre que necessário. Aceitar as regras e compromissos assumidos pelo grupo. 24

25 IX - COBERTURA ASSISTENCIAL, ASSIDUIDADE E HORÁRIOS Os serviços da USF: Destinam-se aos inscritos com mútuo consentimento em lista de Médico e Enfermeiro de família pertencente á USF. Os Cuidados Domiciliários estão reservados para os inscritos residentes nas freguesias de Alpendorada e Matos, Torrão, Várzea, e lugar de Aldeia Nova da freguesia de Magrelos. Uma população alvo diferente, quando especificada e contratualizada (ex: programas da carteira adicional de serviços, atendimento a esporádicos e na visita domiciliária à puérpera e RN, sempre que isso aconteça nas freguesias limítrofes da área de influência da USF). O horário de funcionamento da USF: Abertura às 08h e fecho às 20h. Nas situações normais de funcionamento, consideramos 30mn antes do fecho como o tempo limite aceitável para o contacto presencial, na orientação/atendimento das situações agudas não urgentes/emergentes. Carga horária semanal dos profissionais da USF: Respeita a legislação em vigor para os diferentes grupos profissionais, o regime do contrato de trabalho individual do profissional, e o modelo de funcionamento contratualizado para a USF. Nomeadamente o seu horário de funcionamento, a sua carteira de serviços e actividades do Plano de Acção, a garantia de continuidade e integração de cuidados (regime de inter substituição). 25

26 Regime de ausências, férias e faltas: Respeita os mesmos princípios. Os horários e actividades dos profissionais médicos e enfermeiros: São publicitados e actualizados no placar informativo geral da USF, nos guias informativos de horários e serviços. Verificação da assiduidade: Os horários, planos de férias e formação, são propostos pelos profissionais dos diferentes grupos e sujeitos á aprovação do Coordenador (ou substituto). 26

27 X - CARTEIRA DE SERVIÇOS Carteira básica de serviços: Consulta programada Saúde de Adultos. Saúde Materna e Planeamento Familiar, Saúde Infantil, Hipertensão e Diabetes Cuidados de Enfermagem e Vacinação. Cuidados Domiciliários médicos e de enfermagem. Sistema de renovação de medicação crónica sem necessidade de contacto directo com o médico. Sistema de orientação e aconselhamento telefónico. Sistema de atendimento não programado, consulta aberta. Sistema de inter substituição, consulta programada/aberta/domiciliária. Carteira adicional de serviços: Objecto de contratualização separada. Serviço de urgência/emergência ou atendimento permanente: A USF Alpendorada não possui este serviço mas orienta e atende situações de doença aguda não urgente/emergente aos seus utilizadores inscritos em: Consulta Aberta (CA). Visitação Domiciliária (VD). Intervenção de enfermagem Não Programada (INP). Compromisso assistencial da USF: Consta do seu Plano de Acção e da Carta de Compromisso, publicitados nos folhetos e placares informativos. 27

28 XII - ACOLHIMENTO, ATENDIMENTO, ORIENTAÇÃO DOS UTILIZADORES Fluxograma do circuito interno (1) (1) - ACOLHIMENTO/ATENDIMENTO/ ORIENTAÇÃO PARA CARTEIRA DE SERVIÇOS DA USF (CP, CA, VD, IP e INP) Correio electrónico Telefone Contacto presencial Contacto não presencial Entrada na USF Atendimento Secretariado - Inscrição para consulta médica: programada/ca/vd - Inscrição para intervenção de enfermagem - Informação/ Referenciação de SU, Hospital - Outros problemas burocráticos - Renovação de prescrição Sala de espera Enfermeiro - Consulta de enfermagem (P, CA e VD) - Orientação de referenciação SU, Hospital - Vacinação - Intervenções de enfermagem (IP,INP) - Aconselhamento telefónico Médico - Consulta médica (P, CA e VD) - Orientação de referenciação (SASU, Hospital) - Aconselhamento telefónico 28

29 (2) - ORIENTAÇÃO PARA CONSULTA HOSPITALAR Fluxograma do circuito externo (2) UTENTE SECRETARIADO USF HOSPITAL MÈDICO Doc. ALERT médico Verifica conformidade do documento Documento não conforme, reenvia ao médico Registo de referenciação saídas da USF: -ALERT Documento conforme: -envia para hospital -confirma recepção Hospital recebe documento da USF Expediente médico Expediente administrativo Registo de referenciação entradas da USF: -data, nome do utente -hospital, especialidade Verifica conformidade do documento Hospital não marca consulta e reenvia documento à USF doente é avisado da data e hora da consulta Hospitalar, pelo Hospital Hospital marca consulta e convoca o doente 29

30 XIII - ACESSIBILIDADE, CONTINUIDADE E INTEGRAÇÃO DE CUIDADOS/INTERSUBSTITUIÇÃO ACESSIBILIDADE Privilegiamos sempre que possível, o contacto e orientação telefónica prévios. Marcação de Consultas: Consulta programada é marcada por iniciativa do utente ou seu representante, do Médico de Família, do Enfermeiro de Família ou do Secretario Clinico, presencialmente, por telefone ou por e-agenda (para a qual existe período dedicado). Consulta Aberta nas situações que necessitarem de avaliação/orientação no dia (ex: doença aguda; referenciação do SU/Saude24, consulta de especialidade ou Assistente Social). Consultas domiciliárias pedidas em caso de doença aguda, será tida em consideração como prioritária a situação de dependência prévia e de descompensação de doença crónica com dependência, a necessitarem de atendimento em tempo útil (distinguindoas da situação susceptível de melhoria por orientação e aconselhamento telefónico, com posterior observação na USF ou em VD programada, se necessário). As VD programadas (médicas e de enfermagem), serão agendadas e realizadas após percepção da sua necessidade (protocolo de inclusão/exclusão) e sempre que a situação o justificar, preferencialmente em equipa (M/E), pela necessidade de racionalização e eficiência dos recursos disponíveis. Atendimento telefónico: Disponibilizada a possibilidade de contacto com a USF durante todo o período de funcionamento, e o encaminhamento é feito preferencialmente para o Médico ou Enfermeiro de família (ou seus substitutos em caso de ausência) para 30

31 aconselhamento ou orientação, sempre que julgado necessário pelo Assistente Técnico/Secretario Clinico. Situações de doença aguda não urgente/emergente: Garantimos a orientação com observação no próprio dia ou agendamento diferido, se esta for a atitude mais adequada. Faz-se a orientação/referenciação para outro nível de cuidados, quando tal se justificar. Alternativas assistenciais: Fora do horário de funcionamento da USF, as alternativas assistenciais são actualmente: o SASU CS do Marco, o Hospital de Marco de Canaveses e o Hospital Padre Américo - Penafiel. Os utentes são informados das alternativas de que dispõem pessoalmente, pelo telefone, através dos guias e do placar informativo geral da USF. Esta informação será publicitada nos guias de horários e serviços, e em placar informativo da USF. Renovação de prescrições: Para a medicação o SAM emite um Guia de Medicação Prolongada, a ser emitido durante a consulta ou em contacto indirecto. Os EAD emitidos pelo SAM não têm prazo de validade pelo que não se justifica o seu processo de renovação. Cuidados domiciliários / Visitação domiciliária (CD/VD): Através do contacto do doente (ou seu cuidador) com a USF, ou por iniciativa do Médico, do Enfermeiro ou da Assistente Social, serão programadas as visitas domiciliárias aos utentes que delas necessitem, segundo os critérios de inclusão definidos em protocolo (ex: patologia e dificuldade de deslocação, grupo familiar de risco) e as prioridades definidas (ex: situação não resolúvel por aconselhamento telefónico, doente dependente/crónico ou terminal, 31

32 agudização). Procurar-se-á atender o pedido em tempo considerado razoável, tendo em conta os critérios de inclusão/ priorização e os recursos disponíveis (horário específico do M/E de família de CD e escala de inter substituição na sua ausência). Mudança de médico de família: Por solicitação do utente ou seu representante, pode ser solicitada ao Coordenador a mudança de médico de família em documento próprio para o efeito, preenchido no secretariado. Direito a 2ª opinião: Por solicitação do utente ou seu representante, pode ser solicitada ao médico de família uma 2ª opinião por outro médico (providenciando o medico de família do utente o agendamento de consulta com outro medico da USF, ou fornecendo a informação clinica necessária ao utente para que este consulte outro profissional medico fora da USF, se for esse o seu desejo). CONTINUIDADE E INTEGRAÇÃO DE CUIDADOS A cada médico de família e enfermeiro de família é confiada uma população nominalmente designada em lista, privilegiando a estrutura familiar e o atendimento personalizado. A esta lista encontra-se também preferencialmente dedicado um secretario clínico, formando os três uma micro equipa de saúde familiar da USF. Considera-se área geográfica (DL 298 de 2007, artigo 9º/nº2) a área correspondente ás freguesias de Alpendorada e Matos, Torrão, Várzea e ao lugar de Aldeia Nova da freguesia de Magrelos (10,54km2 + 1,47km2 + 4,79km2 + 0,05 Km2 = 16,8km2), concelho de Marco de Canaveses/ ACES Baixo Tâmega-Tâmega I. 32

33 SISTEMA DE INTERSUBSTITUIÇÃO Apesar da organização funcional e operacional da prestação de CSP na USF em micro equipas de saúde familiar, todos os seus profissionais assumem solidariamente a responsabilidade pelo atendimento/orientação no próprio dia aos utentes inscritos em todas as listas nominais da USF. Quer procurem ajuda médica, de enfermagem ou de secretariado durante o seu período de funcionamento, durante os períodos de férias dos profissionais ou nas suas ausências justificadas até duas semanas. Ausências programadas <15 dias: Férias, formação, doença, etc. Neste caso evitar-se-á a marcação de consultas que possam ser diferidas, mas isto não quer dizer não fazer consultas programadas. Por exemplo, as consultas de SI e SM serão efectuadas dentro dos prazos previstos pelos outros elementos da equipa. As vias de acesso em caso de doença aguda não urgente/emergente e CD mantêm-se abertas, sendo combinado com o Secretario Clinico o encaminhamento das situações de acordo com o estabelecido pela equipa (escala de inter substituição M/E). Ausências não programadas <15 dias: Doença, convocações dos Serviços, Tribunais ou outros, feitas com pouca antecedência. Na impossibilidade de contactar os utentes ou se após contacto se verificar que o adiamento implica grande transtorno, far-se-á a sua distribuição equitativa pela consulta programada e aberta dos outros elementos da equipa (M/E). Ausências> 15 dias: Aplicar-se-á a legislação em vigor para as ausências prolongadas e substituição do elemento em falta, constituindo os tempos e conteúdos a definir caso a caso com a entidade contratualizadora (ACES), os serviços mínimos a prestar pela USF. (Decreto-Lei nº 298/2007, de 22 de Agosto - alínea a) do n.º 5 do Artigo 24º) 33

34 XIII - GESTÃO DA COMUNICAÇÃO COM OS UTILIZADORES Tipo e conteúdos Comunicação oral: Informação personalizada feita em contacto directo com os utentes, por todos os elementos da equipa da USF. Com o tipo de população que servimos (com baixa literacia), é a mais importante. Comunicação audiovisual: Telefone Método a privilegiar no contacto do utente com a USF, por ser uma tecnologia de domínio generalizado pela população que servimos. Guia de acolhimento Procura dar conta do modo de funcionamento geral da USF, carteira de serviços, condições de acesso, contactos (telefónicos, fax ou correio electrónico) e alternativas de atendimento. Guias de horários e serviços Contêm informação sobre as actividades e horários dos profissionais. Foram implementados dois em 2007 (guias de horários e serviços, médicos e de enfermagem). Guia da Carta da Qualidade Contém os compromissos que assumimos na Carta da Qualidade da USF Alpendorada. 34

35 Placar Informativo Geral da USF Colocado á entrada da USF, contém a informação considerada relevante e actualizada sobre o funcionamento e actividades da USF. Deve ser simples, direta, com parágrafos e frases curtas, privilegiando sequências de perguntas e respostas às dúvidas mais comuns postas pelos utilizadores, e apresentada em quadros síntese. Conterá também uma planta actualizada de orientação na USF com os seus dois módulos, respectivas áreas e nome dos profissionais. Horário e actividades dos profissionais. Os compromissos assistenciais da carteira de serviços da USF. Os compromissos da Carta da Qualidade. Outros placares informativos Terá o detalhe e conteúdo considerados prioritários, em relação ao módulo e utilizadores a que se destina. Obedecerá aos mesmos princípios gerais (simples e directa, parágrafos e frases curtas). A sua gestão será feita por um profissional administrativo, um médico e um enfermeiro, nomeados pelo Conselho Geral. Conterá prioritariamente informação de educação para a saúde. A serem implementados dois (um por módulo de atendimento). Jornal da USF: A implementar no futuro em formato eletrónico como um conteúdo do site da USF. Novas tecnologias de informação A USF dispõe de direcção de correio electrónico ( ), com a possibilidade no futuro de se implementar por esta via o acesso aos serviços da USF. Web page/site da USF, a implementar no futuro. 35

36 Regras A informação deverá ser simples, directa, com parágrafos e frases curtas. A informação conterá obrigatoriamente informação datada. A sua gestão é feita em comum por um secretário clinico, um médico e um enfermeiro, nomeados pelo Conselho Geral. 36

37 XIV - GESTÃO DA COMUNICAÇÃO COM OS PROFISSIONAIS A partilha da informação Faz-se por via oral e documental, no contacto interpessoal diário dos profissionais e nas reuniões da USF, através do telefone e correio eletrónico. A eficácia da comunicação Deve obedecer a três princípios Rapidez: Uma vez recebida, deve atingir os destinatários em tempo útil. Relevância: Avaliada por quem a recebe identificando os potenciais destinatários; pessoal, quando uma pessoa em particular; especifica de grupo (médicos, enfermeiros, secretários clínicos, coordenador, conselho técnico, grupo de trabalho, etc.) ou transversal (quando para todos os profissionais). Transparência: Não é admissível a sonegação de informação com interesse para a uma pessoa, um grupo ou toda a equipa. Deve ser avaliada Com periodicidade definida, objectivos mensuráveis e de acordo com o canal (oral, correio tradicional ou correio eletrónico). 37

38 XV-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS Contempla: O Currículo Individual de Competências dos profissionais da USF É o repositório das competências que a equipa multiprofissional da USF detém, a nível individual e de grupo. Devera ser atualizado pelos próprios. O Plano de Formação da USF É um plano trienal de formação elaborado de acordo com o currículo de competências, as necessidades da carteira de serviços, os grupos profissionais e as preferências individuais. É um instrumento de desenvolvimento pessoal, profissional e organizacional da equipa (de melhoria de competências) e integra o Plano de Acção (Plano de formação contínua). 38

39 XVI - FORMAÇÃO PRÉ E PÓS GRADUADA, INVESTIGAÇÃO EM CSP Objetivos da USF A formação pré graduado da licenciatura/mestrado integrado em medicina. A formação pós graduada de internos complementares de MGF. Os orientadores de formação em conjunto com os seus formandos participam nos trabalhos de investigação inerentes à formação. Os estudos propostos devem ter sempre a supervisão do Conselho Técnico. 39

40 XVII - INIBIÇÕES DECORRENTES DA NECESSIDADE DE CUMPRIR OS COMPROMISSOS ASSISTENCIAIS DA USF Aos profissionais da USF no decurso das suas funções na USF: Aplicam-se as regras e inibições das respectivas carreiras definidas na lei. Estão obrigados a apresentar ao coordenador uma declaração de interesses no que respeita a actividades a exercer fora do âmbito da USF e inerentes às suas habilitações O coordenador: Dará parecer sobre o assunto podendo solicitar pareceres externos (ACES, ARS- N, Ordem dos Médicos, Ordem dos Enfermeiros e Sindicatos) se tal julgar conveniente e no que se refere aos eventuais prejuízos dos compromissos da USF, informando o respectivo profissional e o Conselho Geral; O parecer do coordenador deve sofrer ratificação em sede de Conselho Geral por maioria qualificada; Nos casos em que o Conselho Geral considere existir incompatibilidade entre os interesses particulares legítimos e o interesse da USF, compete ao profissional corrigir o problema ou renunciar à sua posição de elemento da USF; Se o elemento nas circunstâncias definidas no número anterior não renunciar por sua livre vontade, o coordenador deve propor ao Conselho Geral a sua exclusão. (Lei nº 12-A/2008, artº 28º) 40

41 XVIII - PRESTAÇÃO DE CONTAS Inquéritos da satisfação aos utentes da USF: Os resultados são divulgados nos placares informativos da USF. Plano de Ação e o Relatório de Actividades do ano anterior da USF: Estão disponíveis para consulta no secretariado. Grupo Foco : Reunião anual com os representantes da comunidade, onde é apresentado o Relatório de Actividades do ano anterior e ouvidas as opiniões/sugestões sobre o funcionamento da USF. 41

42 XIX - COMPROMISSOS DA CARTA DA QUALIDADE - Compromisso com um atendimento cortês e responsável, a liberdade de escolha, a audição e informação dos utilizadores. Visa os comportamentos desejados e a promover, na equipa e nos utilizadores. - Compromisso com um processo de melhoria contínua dos padrões de qualidade dos cuidados. Visa a prestação dos melhores cuidados de saúde possíveis com os recursos disponíveis, num ambiente de segurança, co-responsabilização e satisfação, para utilizadores e profissionais. - Compromisso com um processo de participação e co-responsabilização, consubstanciado no regime de contratualização da carteira de serviços USF/ACES e nos mecanismos previstos de audição, participação e inscrição dos utentes. - Compromisso com um processo explícito de resolução de conflitos e reclamações. Assumimos a expressão e resolução de conflitos, como um processo natural e saudável, numa organização plural e aberta. A Carta da Qualidade, está disponível para os utilizadores e visitantes da USF em formato de folheto ( Guia da Carta da Qualidade ). Os compromissos da Carta da Qualidade e da Acessibilidade, Continuidade e Integração de Cuidados encontram também expressão funcional e operacional no Manual de Procedimentos. 42

43 XX - ACTUALIZAÇÃO E PRODUÇÃO DE EFEITOS O Regulamento Interno produz efeitos no dia seguinte à sua aprovação em Conselho Geral. As datas de aprovação em conselho geral e revisão do Regulamento Interno, constam da sua página de rosto. As actualizações ao Regulamento Interno podem ser apresentadas por qualquer profissional da USF em sede de conselho geral, sendo aprovadas por maioria de 2/3. 43

44 XXI ANEXOS Carta da qualidade Acta do conselho geral de aprovação do Regulamento Interno 44

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LAGOA - AÇORES Ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 2 do artigo 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Regimento do Conselho de Escola da Escola de Psicologia Março 2010 Índice Artigo 1º Objecto 3 Artigo 2º Competências 3 Artigo 3º Composição do Conselho de Escola 3 Artigo 4º Presidente do Conselho de Escola

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES PREÂMBULO De acordo com o estabelecido na alínea a) do n 1 do artigo 64 da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, compete

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP)

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO O Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de setembro, procedeu

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Objecto) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE MAFRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) O presente Regimento Interno tem por objectivo definir o funcionamento e organização do

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Barrancos

Conselho Municipal de Educação de Barrancos Conselho Municipal de Educação de Barrancos Regimento Interno (versão consolidada com a 1ª alteração aprovada em 09/10/2008) (Deliberação nº 23/AM/2008, de 15/12, sob proposta aprovada pela Deliberação

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

Regulamento do Conselho Local de Educação

Regulamento do Conselho Local de Educação Regulamento do Conselho Local de Educação Nos termos e para os efeitos previstos no artigo 2º., do Decreto-Lei nº. 115-A/98, de 04 de Maio, deliberação da Câmara Municipal de Águeda de 08 de Fevereiro

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA CAPÍTULO I Disposições Iniciais COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º -

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE EDITAL (Nº.31/09 Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: Torna público que, em reunião do executivo realizada no dia 11 de Novembro do ano corrente, foi aprovado

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19, nº2., alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação.

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Artigo 1.º Objecto O Regimento do Conselho Geral da UBI regulamenta a organização e o funcionamento do Conselho Geral da Universidade da Beira

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL ARTIGO 1.º Reuniões 1- As reuniões da Câmara realizam-se habitualmente nos Paços do Concelho, podendo realizar-se noutros locais, quando assim for deliberado. 2- As

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Conselho Geral REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Página 0 de 6 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL PREÂMBULO 1. As escolas são estabelecimentos aos quais está confinada uma missão de serviço público, que consiste em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO TRIÉNIO 2014/2017 Artigo 1º Princípios Gerais 1. O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e orientação educativa da unidade orgânica, nomeadamente nos domínios

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros Secção Regional do Sul Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Objeto e Âmbito 1- O

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE

160945 Agrupamento de Escolas de Esgueira ÍNDICE ÍNDICE Artigo 1.... 4 Finalidades... 4 Artigo 2.... 4 Composição... 4 Artigo 3.... 4 Competências do Conselho Geral... 4 Artigo 4º... 5 Duração do Mandato... 5 Artigo 5º... 5 Perda do Mandato... 5 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA

PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA USF FAMALICAO I Procedimento nº 3 Data: Janeiro 2011 PROCEDIMENTO PARA SITUAÇÕES ESPECIAIS DE AFLUÊNCIA Em situações especiais de afluência, horário de atendimento pode ultrapassar o limite superior de

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo O Regimento da Câmara Municipal De Vila Franca do Campo foi elaborado de acordo com a alínea a) do número 1 do Artº 64º da Lei n.º 169/99,

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA COMARCA DE LEIRIA (Aprovado na reunião de 12 de Dezembro de 2014) Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento interno do conselho

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita REGIMENTO do CONSELHO GERAL do Agrupamento de Escolas da Moita 2012 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza, responsabilidade,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE SALAS E SALÃO DA JUNTA DE FREGUESIA PREÂMBULO As instalações da Junta de Freguesia têm como fim a satisfação das necessidades da Autarquia e das suas populações. As salas não ocupadas permanentemente pelos Serviços da Junta, destinam-se

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Médicos.

Avaliação do Desempenho dos Médicos. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 24/13 De: 12.11.2013 ASSUNTO: Regulamento de Funcionamento do Conselho Coordenador de Avaliação do Desempenho dos Médicos. Vem o Conselho de Administração, por este meio, informar

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

Mandato Autárquico 2013-2017

Mandato Autárquico 2013-2017 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENICHE (Regimento) Mandato Autárquico 2013-2017 PREÂMBULO A democraticidade de um sistema ou de um modelo organizacional traduz-se pelo nível/grau de participação que

Leia mais

Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento. Artigo 1º Objecto

Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento. Artigo 1º Objecto Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento Artigo 1º Objecto O presente regimento define a composição, as competências e as regras de funcionamento do Conselho

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira Torres Vedras REGIMENTO DO CONSELHO GERAL 2015/2019 abril 2015 ÍNDICE PREÂMBULO 2 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS 2 Artigo 1º - Natureza 2 Artigo 2º - Composição

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA

MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA CÂMARA MUNICIPAL REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIDIGUEIRA A Lei nº.159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º. 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais