DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. OUTORGA e INTEGRAÇÃO INTERINSTITUCIONAL. Base Legal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA. OUTORGA e INTEGRAÇÃO INTERINSTITUCIONAL. Base Legal"

Transcrição

1 SECRETARIA SANEAMENTO E HÍDRICOS Secretaria de DE Saneamento e RECURSOS Recursos Hídricos DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA Departamento de e Energia Elétrica DIRETORIA DA BACIA DOÁguas ALTO TIETÊ E BAIXADA SANTISTA Av. Dr. Francisco Mesquita, n.º V. Prudente - Tel.: CEP: São Paulo-SP OUTORGA e INTEGRAÇÃO INTERINSTITUCIONAL Seica Ono Ruy Waldemar Sellmer Diretoria de Bacia do Alto Tietê e Baixada Santista - BAT 25 de agosto de 2011 Base Legal 1951 Lei nº criação do DAEE - planos de aproveitamento integrado der.h. - aplicação do Código de Águas 1983/1985 reorganização do DAEE (descentralização - Diretorias de Bacias) 1987 Decreto Conselho Estadual de Recursos Hídricos Lei Preservação de águas subterrâneas 1989 Constituição Estadual 1991 Lei Política Estadual de Recursos Hídricos Lei Plano Estadual de Recursos Hídricos Lei Federal Política Nacional de Recursos Hídricos

2 Base Legal Lei Estadual nº 6.134, de 02/06/1988, que dispõe sobre a preservação dos depósitos naturais de águas subterrâneas do Estado de São Paulo. Lei Estadual nº 7.663, de 30/12/1991, Estabelece normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos bem como ao Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Base Legal Decreto Estadual nº , de 07/02/1991, regulamenta a Lei nº 6.134, de 02/06/1988. Decreto Estadual nº , de 31/10/1996, aprova o regulamento dos Artigos 9º ao 13º de Lei 7.663, de 30/12/1991.

3 Base Legal Portaria DAEE nº 717 de 12/12/1996, aprova a Norma e os Anexos de I a XVII, que disciplina os usos dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos no Estado de São Paulo. Portaria DAEE nº 01, de 03/01/1988, aprova a Norma e os Anexos de I a IV, que disciplina a fiscalização, as infrações e as penalidades. Base Legal Resolução Conjunta SMA/SERHS nº 1, de 23/02/2005, que dispõe sobre os procedimentos para Licenciamento Ambiental integrado às Outorgas de Recursos Hídricos. Resolução Conjunta SES/SERHS/SMA nº 3, de 21 06/2006, que dispõe sobre os procedimentos integrados para controle e vigilância de soluções alternativas e coletivas de abastecimento de água para consumo humano (tipo I e II), provenientes de mananciais subterrâneos.

4 Resolução Conjunta SMA/SERHS nº 1, de 23/02/05 I - Regula o procedimento para o Licenciamento Ambiental integrado às Outorgas de Recursos Hídricos: Código Florestal DAEE SMA DAEE Interferências nos Recursos Hídricos (Obras e Serviços) (Art. 5º - caput) Derivação de águas CETESB Protocolo Lançamento de efluentes em corpos de água CETESB Parecer Técnico Poço em APP ou Área Especialmente Protegida (Art. 5º - 1º) Canalização fechada (Art.5º - 1º) Obras hidráulicas executadas em Unidade de Conservação (Art.5º - 1º) DAEE Outorga de Direito de Uso A CETESB encaminhará ao DAEE o Parecer Técnico nos casos onde hajam impedimentos que exijam alterações no projeto Resolução Conjunta SMA/SERHS nº 1, de 23/02/05 II - Regula o procedimento para o Licenciamento Ambiental integrado às Outorgas de Recursos Hídricos: específica p/ licenciamento de efluentes (LP, LI e LO) Lançamento de efluentes: Indústria Abastecimento Público Mineração Loteamento (L.I. ou GRAPOHAB) DAEE Implantação de Empreendimento CETESB Licença Prévia DAEE Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos CETESB Licença de Instalação (Art. 7º) CETESB Licença de Operação (Art. 8º)

5 Resolução SES/SERHS/SMA n.º 3 Outorga de Autorização de Implantação de Empreendimento: soluções alternativas coletivas de abastecimento de água dos Tipo I e II: Exigências da Portaria DAEE nº 717, de 12/12/1996; localização do poço em mapa na escala 1: ou 1:50.000; uso e a ocupação do solo e indicando as fontes pontuais com potencial de contaminação; identificação de áreas declaradas contaminadas pela CETESB, em um raio de 500m do ponto de perfuração. Área declarada contaminada, em um raio de 500m do ponto da perfuração, apresentar ao DAEE Parecer Técnico da CETESB, referente a qualidade ambiental. Resolução SES/SERHS/SMA n.º 3 Outorga de Direito de Uso das Águas Subterrâneas: exigências da Portaria DAEE nº 717, de 12 /12/1996; Cadastro na Vigilância Sanitária, de acordo com a Resolução SS-4 de 10/01/03 ou outra que venha substituí- la; Laudos analíticos da água bruta coletada diretamente no poço, para ph e para os parâmetros listados nas tabelas 1, 3 e 5 da Portaria nº 518, do Ministério da Saúde, de 26 de março de 2004, exceto o parâmetro microcistinas, desinfetantes e produtos secundários da desinfecção; Licença de Instalação emitida pelo órgão ambiental competente, no caso de poços localizados em empreendimentos sujeitos ao licenciamento ambiental.

6 Resolução SES/SERHS/SMA n.º 3 OBSERVAÇÕES: I As amostras deverão ser coletadas pelos laboratórios que executarão as análises, garantido a rastreabilidade da amostra. II Os laudos de análises físico-químicas da água devem ser apresentados segundo o modelo constante no anexo 2 desta resolução que tem por referência a Portaria nº 518, do Ministério da Saúde, de 26 de março de III- Recomenda-se que as análises sejam realizadas em laboratórios que atendam aos quesitos estabelecidos pela Norma NBR ISO/IEC 17025, de janeiro de 2001 ou outra que venha substituí-la, demonstrando que têm implementado um sistema de qualidade, são tecnicamente competentes e que são capazes de produzir resultados tecnicamente válidos. IV Os Órgãos Gestores das águas subterrâneas, nos casos em que constatarem desconformidades em relação ao uso, quantidade e a qualidade, deverão notificar-se mutuamente. PONTOS DECLARADOS CONTAMINADOS raio de 500 m São Bernardo do Campo

7 USOS E INTERFERÊNCIAS OUTOGÁVEIS USOS: Captação Superficial, Captação Subterrânea e Lançamento de Efluentes INTERFERÊNCIAS - Obras Hidráulicas: Perfuração de Poços; Canalizações de Corpos Hídricos; Barramentos; e Travessias SERVIÇOS: Desassoreamento, Proteção de Margem e Leito FLUXO DE OUTORGA DE EMPREENDIMENTOS NOVOS Novos DAEE - Implantação de empreendimento CETESB - Licenciamento ambiental DAEE - Direito de uso

8 FLUXO DE REGULARIZAÇÃO DE OUTORGA DE USOS EXISTENTES Implantados Implantados (DAEE) Direito de Uso SIM Licenciamento Licenciamento Ambiental Ambiental (LI) NÃO Licença de Operação Direito de Uso FLUXO DE DOCUMENTAÇÃO DE OUTORGA PROTOCOLO DIRETORIA de BACIA USOS OBRAS HIDRÁULICAS SERVIÇOS PARECER TÉCNICO ANÁLISE ESCRITÓRIOS REGIONAIS COMPLEMENTAÇÃO INDEFERE DEFERE DPO São Paulo consistência alimentação banco de dados preparação dos atos publicação DOE

9 OUTORGAS DE POÇOS POÇOS NOVOS: Requerimento de Implantação de Empreendimento, com atendimento a Resolução Conjunta SMA/SERHS/SES, n 3 (Anexo I), Requerimento de Outorga de Perfuração de Poço (Anexo III), Requerimento de Outorga de Direito de Uso (Anexo VI). RENOVAÇÃO DE OUTORGA: (Deverá ser solicitada 6 meses antes do vencimento da outorga) Requerimento de Outorga de Direito de Uso (Anexo VI) e atendimento a Resolução Conjunta SMA/SERHS/SES, Nº 3 TIPOS DE OUTORGAS PARA POÇOS REGULARIZAÇÃO DE OUTORGA: (Deverá ser solicitada para: Troca de Titularidade do uso, Alteração de Vazão ou uso da água, Regularização de poços com outorgas vencidas e Regularização de poços perfurados sem a respectiva Licença de Perfuração) Requerimento de Outorga de Direito de Uso (Anexo VI) com atendimento a Resolução Conjunta SMA/SERHS/SES, n 3. CADASTRO HÍDRICO: DE USO DE RECURSO (Deverá ser usado para cadastrar usos considerados insignificantes (vazão menor que 5 m³/dia por aqüífero) Requerimento de Dispensa de Outorga e o Cadastramento (Anexo I da Portaria DAEE nº 2.292, de 14/12/2006)

10 IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO ANEXO I Implantação de Empreendimento DOCUMENTOS: Além dos documentos constantes no verso do Requerimento de Implantação de Empreendimento o usuário deverá atender a Resolução Conjunta SES/SERHS/SMA nº 3, de 21 06/2006. Principalmente indicar a localização do poço em mapa na escala 1:10.000, quando disponível, ou 1:50.000, descrevendo o uso e a ocupação do solo e indicando as fontes pontuais com potencial de contaminação do solo e das águas subterrâneas (relação do anexo I da Resolução) ou áreas já declaradas contaminadas pela CETESB, abrangendo um raio de 500m do ponto de perfuração.

11 Implantação de Empreendimento Nos casos em que houver ponto declarado contaminado, no raio de 500m do ponto da perfuração, o usuário deverá apresentar ao DAEE Parecer Técnico da CETESB, referente a qualidade ambiental. Portaria de Implantação de Empreendimento Não Permite Perfurar o Poço Usar o Poço Aprova o projeto de perfuração do poço e disponibiliza água subterrânea

12 Requerimento de Licença de Perfuração ANEXO III Procedimentos necessários para obtenção de Licença de Perfuração de Poço Protocolo de Requerimento de Licença de Perfuração de Poço Para requerer a Outorga de Licença de Execução de Poço, para as soluções alternativas coletivas de abastecimento de água, o interessado deverá atender as exigências estabelecidas na Portaria DAEE nº 717, de 12 de dezembro de 1996, apresentando os documentos constantes no verso do Anexo III, e a Resolução SES/SERHS/SMA n.º 3, de 21 de junho de 2006.

13 Portaria de Licença de Perfuração Permite Perfurar o poço Não Permite Captar água subterrânea Obrigação Apresentar no prazo de 30 dias após a Perfuração o Requerimento de Outorga de Direito de Uso Direito Outorga de Direito de Uso - ANEXO VI

14 Procedimentos necessários para obtenção de Outorga de Direito de Uso Protocolo de Requerimento de Outorga de Direito de Uso Captação de água subterrânea Para requerer a Outorga de Direito de Uso de Recurso Hídrico (água subterrânea), para as soluções alternativas coletivas de abastecimento de água, o interessado deverá atender as exigências estabelecidas na Portaria DAEE nº 717, de 12 de dezembro de 1996, apresentando os documentos constantes no verso do Anexo III, atender a Resolução SES/SERHS/SMA n.º 3, de 21 de junho de 2006, e as condicionantes estabelecidas na Licença de Execução de Poço e apresentar: Documentação necessária para obtenção de Outorga de Direito de Uso I Relatório fotográfico comprovando que o poço: atende a legislação quanto a laje sanitária de concreto armado com 10 cm de espessura e no mínimo 3 m², possui tubo de revestimento com altura mínima 0,50 m acima da laje sanitária, possui hidrômetro antes de qualquer derivação da tubulação de recalque, possui de tubo de medição de nível, possui dispositivo de coleta de amostra de água na boca do poço com diâmetro máximo de ½ polegada II Croquis de localização do poço dentro do empreendimento com as respectivas medidas de amarração.

15 Documentação necessária para obtenção de Outorga de Direito de Uso III na existência de rede de abastecimento público, conta de água comprovando a ligação, IV na não existência de rede de abastecimento, declaração da concessionária local, V declaração de inexistência de derivação entre a rede de abastecimento público e o reservatório do empreendimento, VI No caso de captação de água subterrânea para abastecimento de terceiros (caminhão pipa) o usuário deverá apresentar a manifestação do poder público municipal quanto à compatibilidade da implantação da atividade em relação ao uso e ocupação do solo. Portaria de Direito de Uso Sem Automonitoramento Permite Usar o Poço Obrigação Apresentar Laudo de Análise de Água Anualmente ou sempre que for solicitado pelo DAEE

16 Portaria de Direito de Uso Com Automonitoramento Permite Usar o Poço durante o prazo de validade da Portaria Obrigação Apresentar Laudo de Análise de Água dos parâmetros determinados e período especificado pela Portaria DAEE, para o Automonitoramento. Apresentar Laudo de Análise de Água Anualmente ou sempre que for solicitado pelo DAEE. Portaria de Direito de Uso Com Automonitoramento Permite Usar o Poço durante o prazo de validade da Portaria Obrigação Apresentar Laudo de Análise de Água dos parâmetros determinados e período especificado pela Portaria DAEE, para o Automonitoramento. Apresentar Laudo de Análise de Água Anualmente ou sempre que for solicitado pelo DAEE.

17 Poço Tubular Profundo Tipos de Saídas de Poços (Acima do nível do solo) Poço Outorgável laje sanitária tubo de revestimento medidor de nível hidrômetro dispositivo de coleta de água

18 Tipos de Saídas de Poços (Abaixo do nível do solo) Poço Outorgável em Caso Excepcional laje sanitária tubo de revestimento medidor de nível hidrômetro dispositivo de coleta de água Poço não outorgável

19 Poço não outorgável Poço não outorgável

20 Poço não outorgável Poço não outorgável

21 Poço Outorgável Poço Outorgável com caixa rebaixada Situaç Situação Original Situaç Situação Apó Após Adequaç Adequação

22 SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DA BACIA DO ALTO TIETÊ E BAIXADA SANTISTA MUITO OBRIGADA! Engª Seica Ono Eng. Ruy Waldemar Sellmer v.br Av. Dr. Francisco Mesquita, nº 600 Vila Prudente SP Tel. (11) Site:

MODULO III CIESP DE INDAIATUBA

MODULO III CIESP DE INDAIATUBA MODULO III CIESP DE INDAIATUBA OUTUBRO/2010 Sebastião Vainer Bosquilia Div. Téc. De Recursos Hídricos Módulo III 08 de outubro - CIESP de Indaiatuba e 15 de outubro - CIESP de Piracicaba Ementa: Abordagem

Leia mais

NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE. Ricardo Borsari Superintendente

NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE. Ricardo Borsari Superintendente NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE Ricardo Borsari Superintendente www.daee.sp.gov.br Histórico da experiência paulista de aproveitamento e controle de recursos hídricos Novo Sistema de Outorgas Histórico

Leia mais

NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE. Ricardo Borsari Superintendente

NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE. Ricardo Borsari Superintendente NOVO SISTEMA DE OUTORGAS DO DAEE Ricardo Borsari Superintendente www.daee.sp.gov.br Histórico da experiência paulista de aproveitamento e controle de recursos hídricos Novo Sistema de Outorgas Histórico

Leia mais

Novas Portarias e Instruções Técnicas DAEE. Plenária CAIP 21/09/17

Novas Portarias e Instruções Técnicas DAEE. Plenária CAIP 21/09/17 Novas Portarias e Instruções Técnicas DAEE Plenária CAIP 21/09/17 Antes Em Vigor Assunto 717/1996 1.630/2017 Dispõe sobre procedimentos de natureza técnica e administrativa para obtenção de manifestação

Leia mais

OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO

OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO OUTORGA PARA USO DE ÁGUAS IRRIGAÇÃO CANA PEDE ÁGUA RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO ENGº MAURO JOSÉ MURARA INSTITUTO DAS ÁGUAS DO PARANÁ OUTUBRO/2012 O que é outorga? Segundo o dicionário Aurélio Buarque de

Leia mais

Portaria DAEE nº 2292, de Ref.: Autos DAEE , prov. 1. ( Reti-ratificada no D.O.E. em )

Portaria DAEE nº 2292, de Ref.: Autos DAEE , prov. 1. ( Reti-ratificada no D.O.E. em ) Portaria DAEE nº 2292, de 14.12.2006 Ref.: Autos DAEE 49.559, prov. 1 ( Reti-ratificada no D.O.E. em 19.04.2016 ) Disciplina os usos que independem de outorga de direito de uso de recursos hídricos superficiais

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Novas Portarias e Instruções Técnicas DAEE /SP Americana, 30/11/2017 Introdução CONCEITOS IMPORTANTES -Domínio (ou Dominialidade)

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 1.631, de 30 de maio de 2017

PORTARIA DAEE nº 1.631, de 30 de maio de 2017 PORTARIA DAEE nº 1.631, de 30 de maio de 2017 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no Decreto Estadual nº 41.258, de

Leia mais

Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE. Ricardo Borsari Superintendente

Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE. Ricardo Borsari Superintendente Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE Ricardo Borsari Superintendente www.daee.sp.gov.br 1 Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE Histórico Histórico da experiência paulista de aproveitamento e controle

Leia mais

Aprovação de Loteamentos e Condomínios Dificuldades do Setor e dos Órgãos Públicos. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CETESB

Aprovação de Loteamentos e Condomínios Dificuldades do Setor e dos Órgãos Públicos. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CETESB Aprovação de Loteamentos e Condomínios Dificuldades do Setor e dos Órgãos Públicos Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CETESB CETESB Lei Estadual nº 13542, 08.05.2009 (vigor em 07.08.09) alterou

Leia mais

Portaria FEPAM N 029/2017

Portaria FEPAM N 029/2017 Portaria FEPAM N 029/2017 Estabelece a exigência de Acreditação ou Reconhecimento para os laboratórios de análises ambientais no âmbito do território do Estado do Rio Grande do Sul. Publicada no DOE de

Leia mais

Política Estadual de Recursos Hídricos e Outorga de Recursos Hídricos

Política Estadual de Recursos Hídricos e Outorga de Recursos Hídricos Política Estadual de Recursos Hídricos e Outorga de Recursos Hídricos Eng. Agríc. Elisabeth Arndt Gerência de Recursos Hídricos - IMASUL NOSSAS ÁGUAS No Código das Águas (1934): águas particulares Constituição

Leia mais

Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE/SP Histórico e Perspectivas. CBH Araguari dezembro-2016

Sistema de Outorga Eletrônica do DAEE/SP Histórico e Perspectivas. CBH Araguari dezembro-2016 do DAEE/SP Histórico e Perspectivas CBH Araguari dezembro-2016 Agenda Agenda Histórico do Sistema de Outorga Eletrônica no DAEE Conceitos e premissas adotadas Integração com outros instrumentos de gestão

Leia mais

CETESB SEMINÁRIO DE APROVAÇÃO DE PROJETOS NO GRAPROHAB LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

CETESB SEMINÁRIO DE APROVAÇÃO DE PROJETOS NO GRAPROHAB LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB SEMINÁRIO DE APROVAÇÃO DE PROJETOS NO GRAPROHAB LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS 2012 ENGº CÉLIA REGINA BUONO PALIS POETA DEPARTAMENTO DE APOIO TÉCNICO - CT CETESB

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD/IAM Nº 2302, DE 05 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD/IAM Nº 2302, DE 05 DE OUTUBRO DE 2015 ANO 123 Nº 187 28 PÁGINAS BELO HORIZONTE, TERÇA-FEIRA, 06 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD/IAM Nº 2302, DE 05 DE OUTUBRO DE 2015 Estabelece critérios para implantação de sistema de medição para

Leia mais

OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS

OUTORGA DE DIREITO DE USO DE RECURSOS HÍDRICOS O (Inea), no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 5.101, de 04 de outubro de 2007 e pelo Decreto nº 41.628, de 12 de janeiro de 2009 e suas modificações posteriores e, em especial, o

Leia mais

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê.

Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. DECISÃO CETESB Nº 53, de 24/03/2009 Dispõe sobre Procedimentos para o Controle de Efluentes Líquidos Provenientes de Fontes de Poluição Licenciáveis pela CETESB, na UGRHI 6 Alto Tietê. A Diretoria Plena

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 04/12/2002)

Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 04/12/2002) Deliberação Normativa COPAM n.º 58, de 28 de Novembro de 2002 Estabelece normas para o licenciamento ambiental de loteamentos do solo urbano para fins exclusiva ou predominantemente residenciais, e dá

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro.

Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. RESOLUÇÃO No- 92, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Estabelece critérios e procedimentos gerais para proteção e conservação das águas subterrâneas no território brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96

OUTORGA. Obtenção da Outorga De Direito de Uso de Recursos, Órgão Responsável pela emissão D.A.E.E. Decreto Nº de 31/10/96 LEGISLAÇÃO Legislação Federal: Lei Nº 9.433 08/01/1997 Legislação Estadual: Constituição do Estado de São Paulo Lei nº 6.134 02/06/1988 Decreto nº 32.955 07/02/1991 Lei nº 7.663 30/12/1991 Decreto nº 36.787

Leia mais

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA?

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SOROCABA, 10 DE SETEMBRO DE 2010 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS LEI 7.663/91 INSTRUMENTOS

Leia mais

GESTÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM ÁREAS URBANAS

GESTÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM ÁREAS URBANAS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537: Água em Ambientes Urbanos 2º semestre 2008 TRABALHO GESTÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM ÁREAS URBANAS

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 1.630, de 30 de maio de 2017

PORTARIA DAEE nº 1.630, de 30 de maio de 2017 PORTARIA DAEE nº 1.630, de 30 de maio de 2017 Dispõe sobre procedimentos de natureza técnica e administrativa para obtenção de manifestação e outorga de direito de uso e de interferência em recursos hídricos

Leia mais

Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG

Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG Esta iniciativa reafirma o compromisso do Sistema FAEMG com a proteção da natureza. Carlos Alberto Assessoria de Meio Ambiente do SISTEMA FAEMG PROGRAMA NOSSO AMBIENTE SISTEMA FAEMG OBJETIVO Água, solo

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 13, de 30/05/2017

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 13, de 30/05/2017 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 13, de 30/05/2017 1. OBJETO Esta Instrução Técnica DPO (IT-DPO) tem por objetivo regulamentar a Deliberação nº 156, de 11/12/2013 do Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CRH

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 55, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada do DOU em 08/02/06) Estabelece diretrizes para elaboração do Plano de Utilização

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 001/2011 PROCESSO Nº 04733 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha V, para contenção de rejeitos da

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Legislação Ambiental para Engenharia Ambiental e Sanitária - UFJF SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Rolfe Pinho Dias - SUPRAM - NRRA - Juiz de Fora 1 Regularização Ambiental Rolfe Pinho Dias Técnico Ambiental SUPRAM -Zona da Mata NRRA Juiz

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO - CISAB REGIÃO CENTRAL DE MINAS GERAIS CISAB - REGIÃO CENTRAL

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO - CISAB REGIÃO CENTRAL DE MINAS GERAIS CISAB - REGIÃO CENTRAL RESOLUÇÃO DE FISCALIZAÇÃO E REGULAÇÃO - CISAB-RC Nº 00X, DE XX DE XXXXXX DE 2016 Dispõe sobre a definição de Não Conformidades a serem verificadas na fiscalização da prestação dos serviços de água e esgoto,

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014 Publicado no Diário Oficial Estado de São Paulo - Caderno Executivo I (Poder Executivo, Seção I), edição n 124 (243) do dia 24/12/2014 Página: 64. DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro

Leia mais

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria Ambiental do SICEPOT-MG elaborou uma compilação de Informações sobre a Outorga de

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental - Lilian Ferreira dos Santos - Superintendente de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços Junho de 2010 O Estado de Mato Grosso Aproximadamente 20000 Empreendimentos cadastrados

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul

Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul Água Subterrânea e o Abastecimento Urbano no Rio Grande do Sul Carlos Alvin Heine Superintendente de Recursos Hídricos e Meio Ambiente COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN Água no Planeta Terra

Leia mais

Unidade de Conservação: APA DA FERNÃO DIAS Anuência apresentada na LI

Unidade de Conservação: APA DA FERNÃO DIAS Anuência apresentada na LI PARECER ÚNICO PROTOCOLO Nº. 753848/2008 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00351/1999/005/2008 LO -AMPLIAÇÃO DEFERIMENTO Outorga n 1324/2004 POÇO TUBULAR DEFERIDA APEF Nº: Não houve

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 002/2011 PROCESSO Nº 04734 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha IV, para contenção de rejeitos

Leia mais

Sistema Comercial. Sistemas de Reuso de Água e de Aproveitamento de Água Pluvial

Sistema Comercial. Sistemas de Reuso de Água e de Aproveitamento de Água Pluvial Sistema Comercial Sistemas de Reuso de Água e de Aproveitamento de Água Pluvial ND.SCO-013 Revisão: Fl.: 1/5 OBJETIVO Estabelecer procedimentos de avaliação de projetos e vistorias em sistemas que prevêem

Leia mais

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO

IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO IT 1819 R.4 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 872 de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 17 de junho de 1986. 1. OBJETIVO

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAP - Parques Temáticos

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAP - Parques Temáticos 1 Informações iniciais 2 Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS Caracterização do Empreendimento Localização do empreendimento Quadro de áreas (m²) ROTEIRO

Leia mais

*Nome/Denominação social *Identificação fiscal nº, *residência/sede em, *Província ; *Município, *Comuna ; *Telefone ; *Telemóvel ; *Fax ; * ;

*Nome/Denominação social *Identificação fiscal nº, *residência/sede em, *Província ; *Município, *Comuna ; *Telefone ; *Telemóvel ; *Fax ; * ; Rejeição de Efluentes (artigo 84.º do RUGRH) Os dados assinalados com * devem ser obrigatoriamente apresentados com o pedido de título de utilização dos recursos hídricos. Os restantes dados poderão ser

Leia mais

PARECER ÚNICO SUPRAM-ASF PROTOCOLO Nº /2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00068/1993/009/2005 Alteração de

PARECER ÚNICO SUPRAM-ASF PROTOCOLO Nº /2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00068/1993/009/2005 Alteração de PARECER ÚNICO SUPRAM-ASF PROTOCOLO Nº 048918/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00068/1993/009/2005 Alteração de DEFERIMENTO Condicionante Portarias de Outorga Nº 1944/07 e 1945/07

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS As empresas devem estar atentas quanto as informações que devem ser encaminhadas periodicamente aos órgãos ambientais e aos prazos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 126, DE 29 DE JUNHO DE 2011. Estabelecer diretrizes para o cadastro de usuários de recursos hídricos e para a integração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais

2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água

2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água 2 Concepção de Sistemas de Abastecimento de Água Diagnóstico técnico e ambiental da área ou Plano diretor da bacia hidrográfica CONCEPÇÃO PROJETO Objetivos: Estabelecer todas as diretrizes, parâmetros

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO AGB PEIXE VIVO - 003/2011 PROCESSO Nº 04735 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Desvio parcial ou total de curso de água por meio de transposição de vazões do reservatório da Barragem Forquilha

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 3-04 Nome Roteiro: Licença Prévia para Loteamento Urbano Objetivo: Requerer a Licença Prévia para Loteamento Urbano Nota: O realiza o licenciamento ambiental de

Leia mais

Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos no Estado do Espírito Santo

Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos no Estado do Espírito Santo Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos no Estado do Espírito Santo 1 Introdução A outorga de uso de recursos hídricos é um dos instrumentos das Políticas Nacional (Lei Federal nº 9.433, de 08 de

Leia mais

ATO ADMINISTRATIVO Nº 542, DE 01 DE OUTUBRO DE 2015

ATO ADMINISTRATIVO Nº 542, DE 01 DE OUTUBRO DE 2015 Prot. nº 4.459/2015 ATO ADMINISTRATIVO Nº 542, DE 01 DE OUTUBRO DE 2015 Aprova Norma Técnica para cadastramento e instalação de hidrômetros em poços tubulares. Leandro Zanini Santos, Diretor Geral do Departamento

Leia mais

Procedimentos Operacionais de Outorga no ERJ SERVIÇO DE OUTORGA DE RECURSOS HÍDRICOS SEORH 01/06/2017

Procedimentos Operacionais de Outorga no ERJ SERVIÇO DE OUTORGA DE RECURSOS HÍDRICOS SEORH 01/06/2017 Procedimentos Operacionais de Outorga no ERJ SERVIÇO DE OUTORGA DE RECURSOS HÍDRICOS SEORH 01/06/2017 GELIRH Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos SEORH Serviço de Outorga de Recursos Hídricos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

Decisão de Diretoria CETESB nº 153 DE 28/05/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 29 mai 2014

Decisão de Diretoria CETESB nº 153 DE 28/05/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 29 mai 2014 Decisão de Diretoria CETESB nº 153 DE 28/05/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 29 mai 2014 Dispõe sobre os Procedimentos para o Licenciamento Ambiental com Avaliação de Impacto Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE IPEÚNA

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE IPEÚNA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE IPEÚNA PRESTADOR: SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS, SERVIÇOS PÚBLICOS E SANEAMENTO BÁSICO. Relatório R4 Não Conformidades

Leia mais

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017

Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Aspectos jurídicos DD CETESB 38/2017 Lina Pimentel Garcia 25/05/2017 Aspectos Gerais Resumo do histórico da legislação de áreas contaminadas 2007: Primeiro manual de gerenciamento da CETESB (DD 103/2007);

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE

ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE ASPECTOS INSTITUCIONAIS E LEGAIS DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO PARDO GRANDE Eng Agr João Carlos de Freitas Silva Engº Civil Marden Strini Machado (Setembro / 2008) DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Esta Norma aplica-se aos empreendimentos e atividades para os quais sejam requeridos documentos do Sistema de Licenciamento Ambiental SLAM.

Esta Norma aplica-se aos empreendimentos e atividades para os quais sejam requeridos documentos do Sistema de Licenciamento Ambiental SLAM. INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS DE ANÁLISE E PROCESSAMENTO DOS REQUERIMENTOS DE LICENÇAS, CERTIFICADOS, AUTORIZAÇÕES E CERTIDÕES AMBIENTAIS 1 OBJETIVO Estabelecer os valores e os critérios de indenização ao Instituto

Leia mais

NBR ISO. Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira 9001:2008 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÕES 3. APLICAÇÃO 4. PROCEDIMENTOS

NBR ISO. Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira 9001:2008 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÕES 3. APLICAÇÃO 4. PROCEDIMENTOS NT.T.ENG SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÕES 3. APLICAÇÃO 4. PROCEDIMENTOS 4.1 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 4.2 SISTEMA DE TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DOS ESGOTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 01//2017

Leia mais

3.6 LEOPOLDINA Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.6 LEOPOLDINA Sistema Existente de Abastecimento de Água 3.6 LEOPOLDINA O sistema de abastecimento público de água em Leopoldina é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, empresa de âmbito estadual, através do sistema operacional

Leia mais

Licenciamento Ambiental Suinocultura

Licenciamento Ambiental Suinocultura A atividade de Suinocultura é considerada pelos órgãos ambientais com sendo uma atividade potencialmente causadora de degradação ambiental, sendo enquadrada como de grande potencial poluidor. Licenciamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Arroio do Meio - Departamento do Meio Ambiente/DMA Formulário para Licenciamento Ambiental

Prefeitura Municipal de Arroio do Meio - Departamento do Meio Ambiente/DMA Formulário para Licenciamento Ambiental FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DE BOVINOCULTURA Regularização 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 REQUERENTE: 1.2 ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA: 1.3 MUNICÍPIO: CEP: 1.4 ENDEREÇO DO EMPREENDIMENTO: 1.5

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 019 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 061

Norma Técnica SABESP NTS 061 Norma Técnica SABESP NTS 061 ESTUDO DE CONCEPÇÃO DE SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Procedimento São Paulo Revisão 1 Junho - 2002 NTS 061 : 2002 rev 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA;

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; FORMULÁRIO CARACTERIZAÇÃO EMPREENDIMENTO; DE DO FORMULÁRIO DE

Leia mais

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS

IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS IT-1302.R-1 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA REQUERIMENTO DE LICENÇAS PARA ATERROS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3.326, de 29 de novembro de 1994 Publicada no DOERJ de 09 de dezembro de 1994

Leia mais

ANO 123 Nº PÁG. - BELO HORIZONTE, QUINTA-FEIRA, 22 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD-IGAM Nº 2257 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014

ANO 123 Nº PÁG. - BELO HORIZONTE, QUINTA-FEIRA, 22 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD-IGAM Nº 2257 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014 ANO 123 Nº 15 28 PÁG. - BELO HORIZONTE, QUINTA-FEIRA, 22 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEMAD-IGAM Nº 2257 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece os procedimentos para o cadastro de barragem, barramento

Leia mais

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental.

Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. OBRAS E CONSTRUÇÕES Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema de Coleta e Tratamento de Esgoto Procedimentos para apresentação de documentação para licenciamento municipal ambiental. 1 - Procedimentos de

Leia mais

Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul

Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul Carlos Alvin Heine Diretoria de Expansão Superintendência de Recursos Hídricos e Meio Ambiente COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

Leia mais

A OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS COMO OBJETO DE GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO. Elcio Linhares Silveira 1

A OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS COMO OBJETO DE GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO. Elcio Linhares Silveira 1 A OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS COMO OBJETO DE GERENCIAMENTO E PLANEJAMENTO Elcio Linhares Silveira 1 Resumo - A utilização ds águas subterrâneas sempre foi feita, de forma aleatória, até

Leia mais

Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015

Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015 Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto

Leia mais

Recursos Hídricos Minas Gerais

Recursos Hídricos Minas Gerais Recursos Hídricos Minas Gerais Principais normas Minas Gerais Lei nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999 - Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. Lei nº 13.771, de

Leia mais

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Prof. Msc. Pedro Luís Prado Franco Legislação Ambiental e de Recursos Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) Instrumentos: Padrões

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTAÇÃO SOLICITADA PARA O PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

ANEXO I DOCUMENTAÇÃO SOLICITADA PARA O PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL ANEXO I DOCUMENTAÇÃO SOLICITADA PARA O PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. Requerimento de licenciamento ambiental do empreendimento (Modelo IMA); 2. Certificado de Regularidade no

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE RESOLUÇÃO SS-45 DE 31 DE JANEIRO DE 1992 Institui o Programa de Vigilância

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 222/2014 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 222/2014 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 DELIBERAÇÃO CEIVAP Nº 222/2014 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre recomendações à emissão de outorga de implantação de empreendimento para interligação/transposição de parte das águas da represa do

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) REGULARIZAÇÃO Regularização de Licença de Instalação (Empreendimento ou Atividade sem qualquer Licenciamento Ambiental) LICENÇA DE INSTALAÇÃO (Regularização) - Exigida nos

Leia mais

Licenciamento ambiental de infra estrutura logística: percalços e perspectivas

Licenciamento ambiental de infra estrutura logística: percalços e perspectivas Licenciamento ambiental de infra estrutura logística: percalços e perspectivas Maria Silvia Romitelli Assistente Executivo Diretoria de Engenharia, Tecnologia e Qualidade ambiental CETESB Apresentação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA OBTENÇAÕ DE LICENCIAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO LICENÇA PRÉVIA 1 - Requerimento 2 - Cadastro 3 - Guia de Recolhimento 4 - Cópia da Publicação do Requerimento e da concessão

Leia mais

Calendário Ambiental da Construção Pesada ASSESSORIA AMBIENTAL DO SICEPOT-MG

Calendário Ambiental da Construção Pesada ASSESSORIA AMBIENTAL DO SICEPOT-MG Calendário Ambiental da Construção Pesada - 2012 Para estar em dia com as obrigações legais ambientais, o empreendedor deve realizar suas atividades nos termos em que sua Lic ença Ambiental ou Autorização

Leia mais

SUMÁRIO Portaria DAEE 1.630, de DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 08, de 30/05/

SUMÁRIO Portaria DAEE 1.630, de DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 08, de 30/05/ 1 SUMÁRIO Portaria DAEE 1.630, de 30-05-2017 - DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA... 3 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO nº 08, de 30/05/2017... 21 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 08 ANEXO 8-A... 30 INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

CORUMBATAÍ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades

CORUMBATAÍ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ PRESTADOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBATAÍ Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO

XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE OUTORGA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS EM PERNAMBUCO Thiago Alberto da Silva Pereira Maria Crystianne Fonseca Rosal OUTORGA Instrumento jurídico pelo qual

Leia mais

SISEMA. Uso de Recursos Hídricos em Obras Rodoviárias Gestão Compartilhada. Cleide Izabel Pedrosa de Melo

SISEMA. Uso de Recursos Hídricos em Obras Rodoviárias Gestão Compartilhada. Cleide Izabel Pedrosa de Melo SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Uso de Recursos Hídricos em Obras Rodoviárias Gestão Compartilhada INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS Cleide Izabel Pedrosa de Melo POLÍCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de

RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de RESOLUÇÃO SRJ Nº08, de 22-09-2017 DOM 20-10-2017 Dispõe sobre a definição das Não Conformidades a serem verificadas na fiscalização da prestação dos serviços públicos de água e esgoto, no âmbito do município

Leia mais

Tema 4 Uso da Água Subterrânea na RMSP

Tema 4 Uso da Água Subterrânea na RMSP ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537: Águas em Sistemas Urbanos Tema 4 Uso da Água Subterrânea na RMSP Introdução Definição: Água subterrânea

Leia mais

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006).

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006). 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 757 Posto de Combustível 800 700 600 500 400 300 200 127 100 38 32 3 2 0 Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida Figura822.10.18. Distribuição das áreas

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário,

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS As empresas devem estar atentas quanto as informações que devem ser encaminhadas periodicamente aos órgãos ambientais e aos prazos para o envio destas informações, evitando

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

SÃO PEDRO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

SÃO PEDRO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SÃO PEDRO - SAAESP Relatório R2 Não Conformidades Americana, junho

Leia mais

Resolução SMA Nº 4, de 22 DE JANEIRO DE 1999 Disciplina o procedimento para o licenciamento ambiental integrado das atividades minerárias A

Resolução SMA Nº 4, de 22 DE JANEIRO DE 1999 Disciplina o procedimento para o licenciamento ambiental integrado das atividades minerárias A Resolução SMA Nº 4, de 22 DE JANEIRO DE 1999 Disciplina o procedimento para o licenciamento ambiental integrado das atividades minerárias A Secretária do Meio Ambiente, Considerando que o art. 4º da Resolução

Leia mais

P ORTARIA Nº. 10/2010

P ORTARIA Nº. 10/2010 P ORTARIA Nº. 10/2010 Dispõe sobre os procedimentos e requisitos para o licenciamento ambiental dos empreendimentos minerários de que tratam as Resoluções CONAMA 009/90 e 010/90. O SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA Nome da barragem /estrutura: Endereço: Bairro/Distrito: CEP: Telefone /Fax: ( ) I. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Complemento: Município/UF: E-mail:

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH

CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH TALK SHOW SISTEMA CANTAREIRA UM MAR DE DESAFIOS CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH Campinas, 18 de maio 2012 Eng. Astor Dias de Andrade Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE CÂMARA

Leia mais

EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO

EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO O Grupo Atlantis, vem atuando há 10 anos no mercado de saneamento básico, trabalha efetivamente no processo de gestão comercial e operacional das autarquias

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR

CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR BASE LEGAL

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo

Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SMA CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - 18 DE MAIO DE 2006 Gestão de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo Rui Brasil Assis Coordenador

Leia mais

PLANO DA BACIA DO RIO MOGI GUAÇU

PLANO DA BACIA DO RIO MOGI GUAÇU PLANO DA BACIA DO RIO MOGI GUAÇU Professores: Kamel Zahed Filho José Rodolfo Scarati Martins Monica Ferreira do Amaral Porto Rubem La Laina Porto André de Queiroz Galvão 5606658 Janaina Carli de Freitas...5639342

Leia mais

Portaria IAP nº 260 DE 26/11/2014

Portaria IAP nº 260 DE 26/11/2014 Norma Estadual - Paraná Portaria IAP nº 260 DE 26/11/2014 Publicado no DOE em 28 nov 2014 Define os documentos, projetos e estudos ambientais, exigidos nas etapas de licenciamento ambiental de aterros

Leia mais