Reinvenção da lâmpada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reinvenção da lâmpada"

Transcrição

1 Publicado em Ambiente Legal Destaque Justiça e Política* - See more at: Profª Drª Adriana P. B. Tufaile: Física e professora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP), doutora na área de Materiais Magneto-Ópticos, com pósdoutorado em Caos Quântico e Matrizes Aleatórias. Atualmente pesquisando na área de Caos e Sistemas Dinâmicos em Matéria Mole e na área de Ensino de Física. Prof. Dr. Alberto Tufaile: Físico e professor da EACH - USP, doutorado e pós-doutorado na área de Caos e Sistemas Dinâmicos atualmente trabalhando com Matéria Mole (ferrofluidos e espumas) e Ensino de Física. Reinvenção da lâmpada Adriana P. B. Tufaile e Alberto Tufaile Hoje, a iluminação elétrica é responsável por aproximadamente um quarto do consumo de energia elétrica no mundo, então o aumento da eficiência das lâmpadas é de grande importância para reduzir o consumo de energia, reduzindo a demanda pelos recursos do planeta [1]. O prêmio Nobel de Física deste ano foi concedido aos três inventores do LED azul, dispositivo que possibilitou a fabricação de LEDs de luz branca. LED é a sigla em inglês que significa diodo emissor de luz e é um dispositivo energeticamente muito eficiente de produção de luz (lâmpada). Eficiência energética significa menor consumo de energia elétrica para a mesma intensidade luminosa, ou seja, reduz o gasto de energia para iluminação. Já vínhamos usando LEDs vermelho, laranja e verde há quase meio século, nos vários equipamentos eletrônicos ao nosso redor. Eles são aquelas luzinhas que mostram que os equipamentos estão na tomada e às vezes, mudam de cor quando ligamos o aparelho. Também são as fontes luminosas nos relógios a quartzo. Nos anos 1990, Nakamura, Akasaki e Amano inventaram o LED azul, desde então o uso de LEDs foi muito diversificado, pois a invenção do LED azul era o que faltava para se poder fazer lâmpadas de LED com luz branca, que são a base da iluminação de ambientes e de aparelhos como celulares e televisores de LED. Com um trio de LEDs vermelho, verde e azul podemos emitir luz que nosso cérebro entende como branca e podemos também ter infinitas cores fazendo infinitas combinações de intensidade destes três LEDs. Isto possibilita painéis luminosos de LEDs reproduzindo todo tipo de imagem digital, pois os LEDs podem ser controlados eficientemente por computador, já que respondem muito rapidamente aos sinais elétricos. Por falar em computadores, a tecnologia usada na fabricação dos LEDs é do mesmo tipo daquela usada na fabricação dos chips de computadores. Chips e LEDs são feitos de camadas de materiais semicondutores dopados, portanto sua fabricação não é barata, mas as técnicas estão sendo barateadas rapidamente e os benefícios na economia de energia e materiais começam a compensar o preço de fabricação. Temos células sensores de luz na retina (fundo do olho). As células sensíveis à cor são de três tipos, as sensíveis ao vermelho, as sensíveis ao verde e as sensíveis ao azul. Todas as cores e tons 1

2 intermediários são sentidos pela combinação da sensibilização destes três tipos de células. Qualquer fonte de luz que emita simultaneamente com intensidade similar as cores básicas vermelho, verde e azul vai sensibilizar igualmente os três tipos de cones e dizemos que esta luz é branca. A luz do Sol possui todos os tons de vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e violeta como podemos observar no arco-íris que é resultado da decomposição das cores da luz do Sol. Então a luz branca do Sol, tem muitas cores e tons, mas só precisamos das três cores básicas para perceber a luz como branca. Como os LEDs são dispositivos sólidos, as lâmpadas deste tipo não precisam de bulbos de vidro, não são mecanicamente frágeis e não contêm vapor de mercúrio como as lâmpadas fluorescentes. O vapor de mercúrio é muito perigoso para nós e para o ambiente, pois ele é uma neurotoxina, ou seja, ele afeta o sistema nervoso. Infelizmente é muito comum, o descarte impróprio das lâmpadas fluorescentes, que se quebram e liberam este vapor tóxico na atmosfera. A substituição das lâmpadas fluorescentes por lâmpadas de LED trará um benefício ambiental que não está restrito apenas à economia de energia elétrica. Uma curiosidade sobre LEDs: o controle remoto do seu televisor tem um LED que emite no infravermelho, que é uma luz invisível. Não conseguimos ver, mas nossas câmaras fotográficas digitais conseguem. Faça o teste, pode ser com a câmara do seu telefone celular, aponte o controle na direção da câmara, aperte qualquer botão do controle remoto e veja simultaneamente a imagem captada pela câmara. Experimente! Os monitores e televisores que estão no mercado hoje, como o nome de LCD (Liquid Crystal Display = mostrador de cristal líquido) têm uma lâmpada fluorescente iluminando a tela de cristal líquido por trás. Os conhecidos como monitores ou televisores de LED são telas de LCD com iluminação traseira feita por LEDs brancos. Como os LEDs são bem menores que as lâmpadas fluorescentes, estes aparelhos são mais finos que os anteriores, além de gastarem menos energia. Os mostradores nos atuais aparelhos de telefone celular são de cristal líquido com iluminação traseira de LEDs brancos. Os LEDs são muito pequenos e emitem luz de forma muito direcionada, seu uso em lâmpadas e luminárias requer difusores para espalhar a luz. Recentemente publicamos um artigo [2] sobre o espalhamento de luz em espuma de detergente. Apesar de usarmos detergente, as propriedades ópticas destas espumas são similares as de outros tipos de espumas. Nós apresentamos nossos resultados numa feira de inovação da USP, onde um empresário que fabrica luminárias de LEDs nos mostrou a importância dos difusores nestas luminárias. Eles usam difusores caros e importados feitos com tecnologia sofisticada, nós mostramos para ele que a estrutura de espuma pode fornecer um ótimo difusor. Já há vários anos, nós fazemos questão de discutir a emissão de luz por LEDs nas nossas disciplinas nos cursos de Ciências da Natureza e Gestão Ambiental na EACH-USP (USP-Leste), esta discussão é importante, pois possibilita aos estudantes aprenderem aspectos da Mecânica Quântica usando objetos do cotidiano. No nosso livro Da Física do Faraó ao Fóton [3], nós colocamos a discussão de comparação da eficiência energética entre os tipos mais comuns de lâmpadas baseada nos fenômenos físicos envolvidos na 2

3 geração de luz. Nesta discussão, incluímos um experimento simples e barato usando LEDs que possibilita a estimativa da Constante de Planck que é a constante fundamental da Mecânica Quântica. As lâmpadas incandescentes emitem grande parte da energia que consomem na forma de luz infravermelha, que é invisível e se traduz em parte em calor. Como o objetivo da lâmpada é emitir luz visível, grande parte da energia gasta com este tipo de lâmpada é desperdiçada. As lâmpadas fluorescentes não emitem infravermelho, emitem luz visível e um pouquinho de luz ultravioleta. Esta lâmpada é energeticamente mais econômica do que as incandescentes, mas na hora do acendimento das lâmpadas fluorescentes, há um gasto considerável de energia para ionizar o gás, que é vapor de mercúrio. O gás dentro da lâmpada fluorescente é um isolante elétrico, para fazer uma corrente elétrica atravessá-lo é necessária uma grande energia para ionizar o gás. Depois de estabelecida a corrente elétrica, pouca energia é necessária para mantê-la. Além de grande eficiência energética o tempo de vida dos LEDs é bem maior que das outras lâmpadas, ou seja, lâmpadas de LED devem durar muito mais. Na tabela a seguir, podemos comparar a eficiência energética e tempo médio de vida de lâmpadas comuns no mercado [1]. Lâmpadas Incandescente Fluorescente LED pode chegar a Tempo médio de vida h h h Eficiência 16 lm/w 70 lm/w 300 lm/w Os LEDs são a base para a fabricação dos diodos laser, que estão, por exemplo, nos apontadores a laser das armas de fogo e aqueles que já foram irresponsavelmente usados para atrapalhar a visão de goleiros. Antes dos LEDs, os dispositivos lasers eram grandes, frágeis e custosos. Com o advento dos diodos lasers infravermelhos e vermelhos, foram possíveis os leitores laser de CD e DVD. Agora com diodos laser azuis, temos os leitores de blue-ray. Como o comprimento de onda azul é bem menor que o do infravermelho e do vermelho o tamanho de um bit de informação nos discos de blue-ray é bem menor que um bit de um CD ou DVD. Assim na mesma área de disco cabe muito mais informação num disco de blueray do que num DVD. Então é possível armazenar um filme de cinema em alta definição em apenas um disco, ou seja, com uma definição de imagem melhor que a dos DVDs. Os diodos laser azuis também melhoraram a qualidade das impressoras a laser, pois a definição da imagem foi aumentada com a diminuição do comprimento de onda. A palavra diodo é de origem grega e significa dois caminhos, ou seja, a corrente elétrica vai passar num sentido e não vai passar no sentido oposto. A cor da luz emitida por um diodo (LED) é definida pelo material semicondutor. Um diodo é feito em camadas, como um sanduíche, sendo que as camadas de pão têm características elétricas opostas geradas pela dopagem, ou seja, estas duas camadas são do mesmo material básico, mas em cada uma delas foi acrescentada uma pequena quantidade de um elemento que tem falta ou excesso de elétron quando comparado com o material de base. A camada dopada com excesso de elétron é chama de tipo N (negativa). A camada dopada com falta de elétrons é dita do tipo P (positiva). As regiões com falta de elétrons são chamadas de buracos e se comportam como partículas positivas. Entre 3

4 estas camadas, temos o recheio, ou camada ativa. Nesta camada não há excesso de elétrons nem buracos porque alguns elétrons do material tipo N se difundem pela junção e entram em combinação com alguns buracos do material tipo P. Quando aplicamos uma tensão elétrica no sentido certo, os elétrons se movem e os elétrons da camada tipo N caminham na direção da camada ativa, onde encontram com os buracos. Quando os elétrons caem nos buracos, há a emissão de luz, pois os buracos tem energia potencial menor do que os elétrons da camada tipo P. A diferença entre estes dois níveis de energia (gap) define a energia da luz emitida. Este é um fenômeno da Mecânica Quântica, a diferença de energia entre os níveis eletrônicos é emitida na forma de fótons (partículas de luz). Da mesma forma que os elétrons da camada P se movimentam, os buracos conduzem corrente elétrica pelo fato de que um buraco é ocupado por um elétron proveniente de uma corrente elétrica que passa sobre o material e que força a criação de outro buraco atrás de si. Um buraco se move numa direção pelo movimento de muitos elétrons no sentido oposto. Trio Básico: Três LEDs acesos fotografados de topo. Podemos ver os terminais chegando ao elemento semicondutor no centro. O anel ao redor é o encapsulamento funcionando como uma lente que espalha a luz. Grão Luminoso: O chip semicondutor de um LED, do tamanho de um grão de areia, com suas camadas positiva, negativa e ativa. Na camada ativa, os elétrons caem nos buracos e emitem fótons. Aqui cair significa uma diminuição na energia potencial elétrica, a perda de energia do elétron é a energia carregada pelo fóton (luz). Os grandes benefícios do uso de LEDs não podem ser desculpa para abusarmos e inundarmos nosso cotidiano de LEDs acesos por longos períodos, pois quando somamos o pequeno consumo de muitos LEDs teremos uma quantidade considerável de energia. O físico Colin Pykett já discutiu sobre o consumo dos LEDs de stand-by, aqueles que ficam acessos mesmo com o aparelho eletrônico desligado [4]. Cada ledzinho acesso 24h/dia pode não ser importante na conta de luz de uma família de classe média, mas se somarmos todos estes LEDs acessos numa grande cidade como São Paulo... Além disto, o mercado está sendo inundado com vários tipos de objetos com muitos LEDs, por exemplo, enfeites de Natal. Claro que os 4

5 enfeites feitos com LEDs gastam menos energia que os de lâmpadas tradicionais, mais se isto significar uma quantidade imensa de enfeites ligados por muito mais tempo, a economia de energia pode não ser importante. [1] Blue LEDs Filling the world with new light The Royal Swedish Academy of Sciences, [2] Some aspects of image processing using foams A. Tufaile, M. V. Freire, A. P. B. Tufaile, Physics Letters A, v. 378, [3] Da Física do Faraó ao Fóton A. Tufaile, A. P. B. Tufaile, Ed. Livraria da Física, [4] Can a LED really be green? Colin Pykett, Physics World, Jul

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Diodo emissor de luz 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Diodo emissor de luz 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros característicos do LED 8 Corrente direta nominal 8 Corrente direta máxima 9 Tensão direta nominal 9 Tensão inversa máxima

Leia mais

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Cursos de Engenharia Laboratório de Física e Eletricidade: Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Autor: Prof. Sandro Martini

Leia mais

Evolução dos monitores. Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos.

Evolução dos monitores. Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos. Monitores Evolução dos monitores Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos. Conexões Uma parte muito importante dos monitores é a sua ligação entre o computador e o monitor.

Leia mais

A NATUREZA DA LUZ. c=3x10 Fig. 1.1 Sir Isaac Newton PROF. TONHO

A NATUREZA DA LUZ. c=3x10 Fig. 1.1 Sir Isaac Newton PROF. TONHO AULA 19 NATUREZA DA LUZ APOSTILA 7 FSC-D ÓPTICA GEOM MÉTRICA TEORIA CORPUSCULAR A NATUREZA DA LUZ Em 1672, o físico inglês Isaac Newton apresentou uma teoria conhecida com modelo corpuscular da luz. Nessa

Leia mais

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Semicondutores; Semicondutores Dopados; O Diodo Retificador; Níveis de Energia em um Sólido Cristalino relembrando...

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR (Unidade 2)

DIODO SEMICONDUTOR (Unidade 2) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA GERAL DIODO

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente.

Luz amiga do ambiente A ausência de metais pesados, chumbo e mercúrio tornam a tecnologia LED especialmente amiga do ambiente. Tecnologia LED Valores da tecnologia LED Luz que não aquece, mas emociona. O LED é uma fonte de luz que não emite calor (não produz radiação infravermelha) e oferece a capacidade de personalizar o fluxo

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

LEDs versus lâmpadas convencionais

LEDs versus lâmpadas convencionais a r t i g o s versus lâmpadas convencionais Por Francis Bergmann Bley Viabilizando a troca Na última década, com o aprimoramento dos s na área de iluminação, os brasileiros, inclusive profissionais da

Leia mais

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Semicondutores; Semicondutores Dopados; O Diodo Retificador; Níveis de Energia em um Sólido Cristalino relembrando...

Leia mais

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Fundamentos sobre Processamento de Imagens Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/1033 Sumário do Curso Introdução Ambientação com o MatLab Aquisição

Leia mais

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro

Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Projectos de Iluminação com LED s A ponte para o Futuro Um pouco de História: A importância da iluminação na história do Homem vem desde os tempos mais remotos, através da utilização da luz natural. A

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Espectroscopia Rogemar A. Riffel Radiação de Corpo Negro Corpo negro: corpo que absorve toda a radiação que incide sobre ele, sem refletir nada; - Toda a radiação emitida pelo

Leia mais

Como funciona a lâmpada fluorescente

Como funciona a lâmpada fluorescente A TELA DE PLASMA A grande inovação desse tipo de aparelho está na forma como são ativados os pixels, os pequenos pontos luminosos que formam a imagem na tela. Na televisão tradicional, isso é feito por

Leia mais

A Dualidade Onda-Partícula

A Dualidade Onda-Partícula A Dualidade Onda-Partícula O fato de que as ondas têm propriedades de partículas e viceversa se chama Dualidade Onda-Partícula. Todos os objetos (macroscópicos também!) são onda e partícula ao mesmo tempo.

Leia mais

Diodos Especiais. Prof. Jonathan Pereira

Diodos Especiais. Prof. Jonathan Pereira Diodos Especiais Prof. Jonathan Pereira LED FOTODIODO OPTOACOPLADOR DIODO ZENER 2 LED Num diodo, quando polarizado diretamente, uma grande quantidade de portadores atravessa

Leia mais

A FÍSICA ONTEM E HOJE

A FÍSICA ONTEM E HOJE PIBID FÍSICA EDIÇÃO A FÍSICA ONTEM E HOJE NOVEMBRO DE 2015 LUZ A ESPECTROSCOPIA [PAG 2] O EFEITO FOTOELÉTRICO [PAG 3] POLARIZAÇÃO DA LUZ [PAG 4] O ANO INTERNACIONAL E AS TECNOLOGIAS A BASE DE LUZ [PAG

Leia mais

O Laser e. suas Aplicações

O Laser e. suas Aplicações O Laser e suas Aplicações Laser: o que é? Sigla em inglês: Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Dispositivo que produz luz com as seguintes características: Monocromática Coerência espacial

Leia mais

Símbolo do diodo emissor de luz LED

Símbolo do diodo emissor de luz LED Diodos Especiais Introdução Com a diversificação dos tipos de materiais e da forma de construção utilizados para o desenvolvimento de componentes semicondutores, foi possível observar a ocorrência de diferentes

Leia mais

ZAB Física Geral e Experimental IV

ZAB Física Geral e Experimental IV ZAB0474 - Física Geral e Experimental IV Experimentos 1 Polarização 2 Difração 3 Espectro Atômico 4 Luminescência Experimento 1 - Polarização Objetivo: Medir a intensidade da luz que atravessa um conjunto

Leia mais

5 META: Medir a constante de Planck.

5 META: Medir a constante de Planck. AULA META: Medir a constante de Planck. OBJETIVOS: Ao m da aula os alunos deverão: Entender o principio de funcionamento do LED. Saber associar a luz emitida pelo LED com a energia do gap destes materiais.

Leia mais

Conceitos Básicos. Introdução:

Conceitos Básicos. Introdução: LUMINOTÉCNICA Conceitos Básicos Introdução: Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da iluminação no século;

Leia mais

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense PLASMA X LCD Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense ROTEIRO Introdução Funcionamento do LCD Funcionamento do Plasma Comparação entre as tecnologias Conclusão

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n 1,

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n, E

Leia mais

CORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

CORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA CORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA MESTRANDO PATRESE VIEIRA PORTO ALEGRE, MAIO DE 2013 Ondas Eletromagnéticas As ondas são

Leia mais

As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem.

As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem. Radiação As ondas ou radiações eletromagnéticas não precisam de um meio material para se propagarem. O espetro eletromagnético é o conjunto de todas as radiações eletromagnéticas. Radiação A transferência

Leia mais

ELÉTRONS EM ÁTOMOS. Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o

ELÉTRONS EM ÁTOMOS. Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o ELÉTRONS EM ÁTOMOS Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o núcleo correspondendo ao sol no nosso sistema solar e os elétrons

Leia mais

Monitores. Tipos de conexões:

Monitores. Tipos de conexões: Monitores 1-Conexões O primeiro passo para que as informações de um computador irem para uma tela. O processo todo começa quando um sinal de vídeo é enviado para o aparelho. Ele chega até ele por meio

Leia mais

MR16 - GU10 Lâmpada de LED

MR16 - GU10 Lâmpada de LED MR16 - GU1 Lâmpada de LED 93 Baixo consumo de energia. Driver interno isolado. automático. UMA MARCA www.intral.com.br BAG MR16 - GU1 Lâmpada de LED 93 Uso em ambientes internos, iluminação decorativa

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA A LISTA 8 CAPÍTULO 22 ÓPTICA ONDULATÓRIA

EXERCÍCIOS PARA A LISTA 8 CAPÍTULO 22 ÓPTICA ONDULATÓRIA Exercícios Conceituais QUESTÃO 1. A figura ao lado mostra a imagem projetada em uma tela num experimento com fenda dupla. Para cada item a seguir, o espaçamento entre as franjas irá aumentar, diminuir

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Radiação solar. Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira

CLIMATOLOGIA. Radiação solar. Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira CLIMATOLOGIA Radiação solar Professor: D. Sc. João Paulo Bestete de Oliveira Sistema Solar Componente Massa (%) Sol 99,85 Júpiter 0,10 Demais planetas 0,04 Sol x Terra massa 332.900 vezes maior volume

Leia mais

Quem descumprir e lei poderá pagar uma multa entre R$ 1 mil e R$ 10 mil. Torcedores de futebol usam equipamento para atrapalhar goleiro e juiz.

Quem descumprir e lei poderá pagar uma multa entre R$ 1 mil e R$ 10 mil. Torcedores de futebol usam equipamento para atrapalhar goleiro e juiz. Tema: Luz, Calor e Variação de temperatura através de radiação. 1ª aula O primeiro momento será de questionamento partindo do elemento Sol, como fonte de luz e calor para nossa sobrevivência. Sabemos que

Leia mais

xleddobrasil.com.br - BR-376, São José dos Pinhais - Paraná

xleddobrasil.com.br - BR-376, São José dos Pinhais - Paraná 0800 602 1166 - xleddobrasil.com.br - BR-376, 1965 - São José dos Pinhais - Paraná Compacta LED Vantagens: Reduz gastos com manutenção Não gera calor na superfície luminosa Não emite raio ultravioleta

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan

Leia mais

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho

ELETRÔNICA GERAL. Prof. Jhonatan Machado Godinho MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA ELETRÔNICA GERAL Prof. Jhonatan Machado

Leia mais

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05

CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 DIODOS ESPECIAIS Aluno turma ANALÓGICA AULA 05 CAPÍTULO 5 - DIODOS ESPECIAIS Desde o descobrimento da junção semicondutora PN, muitos estudos têm sido realizados com os materiais semicondutores,

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Curso Profissional de Programação e Gestão de Sistemas Informáticos Física e Química Teste de Avaliação - Módulo F3 11ºAno Turma M Número: Nome: Classificação:

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo!

Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Orientar sobre práticas de Economia de energia? Conta comigo! Tudo o que você precisa saber sobre economia de energia! Quando se fala em energia elétrica em condomínios a missão é sempre a mesma: economizar.

Leia mais

VISÃO anatomia do olho. Retina: região no fundo do olho onde os estímulos visuais são captados e transmitidos ao

VISÃO anatomia do olho. Retina: região no fundo do olho onde os estímulos visuais são captados e transmitidos ao VISÃO anatomia do olho. Retina: região no fundo do olho onde os estímulos visuais são captados e transmitidos ao cérebro. A Retina é constituída por 2 tipos principais de células: cones, que necessitam

Leia mais

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Propriedades Óticas Tópicos Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Metais Não-metais Propriedades: cor, opacidade, translucidez,

Leia mais

Roteiro do Experimento Medidas da constante de Planck usando LEDs (Diodos Emissores de Luz) Fotoluminescência de uma junção pn.

Roteiro do Experimento Medidas da constante de Planck usando LEDs (Diodos Emissores de Luz) Fotoluminescência de uma junção pn. Fotoluminescência de junção pn Página 1 de 7 Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Roteiro do Experimento Medidas da constante de Planck

Leia mais

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2 QUÍMICA I Teoria atômica Capítulo 6 Aula 2 Natureza ondulatória da luz A teoria atômica moderna surgiu a partir de estudos sobre a interação da radiação com a matéria. A radiação eletromagnética se movimenta

Leia mais

Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados

Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados 1. Sintoma: Computador não liga Teste: Verificar se os cabos da fonte de alimentaçaõ estao corretamente ligados Problema: Cabos mal ligados Soluçao: Colocar cabos corretamente Sintoma: Computador não liga

Leia mais

Apresenta todos os cálculos que efectuares. No final do enunciado, encontrarás um anexo com alguma informação relevante à sua realização.

Apresenta todos os cálculos que efectuares. No final do enunciado, encontrarás um anexo com alguma informação relevante à sua realização. 11ºAno Turma I Escola Secundária Filipa de Vilhena 2010/2011 Curso: Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Física e Química TESTE DE AVALIAÇÃO Módulo F3 Luz e Fontes de Luz Número: Nome: Classificação:

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais

Lâmpadas Incandescentes

Lâmpadas Incandescentes Tipos de Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Gás Argônio / nitrogênio Filamento - Tungstênio Bulbo - vidro transparente ou leitoso Base latão, aluminio ou níquel - E-27 Lâmpadas Incandescentes Características:

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

ESTRUTURA ATÔMICA. As partículas do átomo

ESTRUTURA ATÔMICA. As partículas do átomo QUÍMICA M.2 ESTRUTURA ATÔMICA As partículas do átomo Multimídia 1803 - Dalton (Inglês) A partir de experimentos com gases. Dalton propõe uma hipótese atômica. Segundo ele, os átomos são: Indivisíveis Maciços

Leia mais

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO Mais do que você imagina SOLUÇÕES QUE ILUMINAM SEUS AMBIENTES ACREDITAMOS QUE A INOVAÇÃO DAS GRANDES IDEIAS PODE CONTRIBUIR PARA UM MUNDO SUSTENTÁVEL. PARA NÓS UMA MUDANÇA SIMPLES

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Missão Proporcionar soluções eficientes e de alta qualidade em iluminação, buscando a excelência no atendimento, inovação constante de nossos produtos, superando assim as expectativas

Leia mais

Certificação de edificações

Certificação de edificações Certificação de edificações O consumo de energia elétrica nas edificações corresponde a cerca de 45% do consumo faturado no país. Potencial estimado de redução em 50% para novas edificações e de 30% para

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO

VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO ISSN 1984-9354 VIABILIDADE DA TRANSIÇÃO FLUORESCENTE PARA LED PARA O IFCE-CAMPUS CEDRO Área temática: Gestão Ambiental & Sustentabilidade Alessandra Lima Silva allelyss@hotmail.com Cryslania Guedes Silva

Leia mais

MONTAGEM DE CIRCUITOS

MONTAGEM DE CIRCUITOS EXPERIÊNCIA MONTAGEM DE CIRCUITOS OBJETIVOS: - Conhecer as definições de circuito elétrico; - Manusear os componentes fisicamente; - Aprender os processos de montagem de circuitos; - Aprender montar circuitos

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS PEA - Eletrotécnica Geral 1 LUMINOTÉCNICA E LÂMPADAS ELÉTRICAS PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) LUMINOTÉCNICA CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO PRINCIPAIS GRANDEZAS

Leia mais

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012

Catálogo de Lâmpadas de LED Ano: 2012 Catálogo de Lâmpadas de LED V.2012.C06 Iluminação LED O mercado de iluminação está passando por mais uma revolução no que se refere à forma de emissão da luz elétrica, possibilitando novas aplicações e

Leia mais

catálogo de lâmpadas

catálogo de lâmpadas catálogo de lâmpadas uma ideia ligada em você LÂMPADAS LORENZETTI Acreditamos que a inovação das grandes ideias pode contribuir para um mundo sustentável. Para nós uma mudança simples de atitude aumenta

Leia mais

A radiação do corpo negro

A radiação do corpo negro A radiação do corpo negro Um corpo em qualquer temperatura emite radiações eletromagnéticas. Por estarem relacionadas com a temperatura em que o corpo se encontra, freqüentemente são chamadas radiações

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE

LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica LÂMPADAS PARA ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Lâmpadas Lâmpadas Incandescentes Lâmpadas para Iluminação Pública e para Grandes

Leia mais

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO O que é a cor? ? O que é a cor? O que é a cor? A cor é uma perceção visual provocada pela ação de um feixe de ondas eletromagnéticas sobre células especializadas da retina,

Leia mais

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada

Atualmente, existe no mercado uma grande variedade de modelos de televisores. Cada O que é tecnologia Plasma, LCD, LED e OLED? Entenda definitivamente qual é a diferença entre televisores produzidos de Plasma, LCD, LED e outras tecnologias. Matéria publicada em 21 de Abril de 2015 Atualmente,

Leia mais

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP A importância da luz na Química

Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP A importância da luz na Química Redação selecionada e publicada pela Olimpíada de Química SP-2016 Autor: Pedro Del Mônaco Santos Série: primeira (2015) do Ensino Médio Prof.: Bruno Momi Colégio: Emílio Ribas Cidade: Pindamonhangaba A

Leia mais

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia)

Semáforos de LED s. (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) Sun Hsien Ming * Semáforos de LED s (adaptado de artigo publicado na revista Engenharia 544 do Instituto de Engenharia) A geração de luz utilizando a propriedade de emissão de diodos formados por cristais

Leia mais

Princípios da Óptica Geométrica

Princípios da Óptica Geométrica Princípios da Óptica Geométrica Caderno 2 Frente 2 Módulo 2 Introdução Óptica é a parte da Física que estuda a luz e os fenômenos luminosos. Seu desenvolvimento se deu com a publicação da Teoria Corpuscular

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

Iluminando com criatividade. Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM

Iluminando com criatividade. Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM Iluminando com criatividade Módulos de LEDs para comunicação visual OSRAM Luminosos usando módulos de LEDs. Moderno. Profissional. Criativo. A solução ideal em comunicação visual : módulos de LEDs (BACKlight,

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 15. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 15. Professora: Mazé Bechara Instituto de Física USP Física V - Aula 15 Professora: Mazé Bechara Aula 15 Espectros de absorção e emissão atômica e modelo atômico de Thomson. 1. Evidências experimentais da existência de estrutura nos

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados

Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor. Revisão: Semicondutores dopados Unidade 2 Aula 3 Estado Sólido Semicondutores: Junção p-n Diodo retificador Diodo Emissor de Luz (LED s e OLED s) Transistor Revisão: Semicondutores dopados A aplicação da teoria de bandas aos semicondutores

Leia mais

Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas

Monitores Vídeos. Hardware de saída padrão em computadores. Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas Monitores Vídeos Hardware de saída padrão em computadores Vídeo - Definido a partir de uma matriz de linhas e colunas Pode ser encontrado na forma: - CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos) -

Leia mais

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica Conceitos Básicos de Óptica Geométrica FRENTE 2 MÓDULOS 1, 2 E 3 Introdução Óptica é a parte da Física que estuda a luz e os fenômenos luminosos. Seu desenvolvimento se deu com a publicação da Teoria Corpuscular

Leia mais

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas:

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas: 1. Instalações Elétricas de Baixa Tensão: 1.1. Introdução A energia elétrica está presente em inúmeras atividades do ser humano. Ela é sinônimo de desenvolvimento de um país e de padrão de vida de sua

Leia mais

SEMICONDUTORES. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Jul/2011

SEMICONDUTORES. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Jul/2011 SEMICONDUTORES Prof. Marcelo Wendling Jul/2011 Conceitos Básicos Alguns materiais apresentam propriedades de condução elétrica intermediárias entre aquelas inerentes aos isolantes e aos condutores. Tais

Leia mais

4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19

4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19 Página 1 de 7 4º bimestre - Volume 3, Capítulo 19 Testes propostos 4º bimestre 1 (Uneb-BA) De acordo com o físico Max Planck, que introduziu o conceito de energia quantizada, a luz, elemento imprescindível

Leia mais

Prêmio abilux Um é pouco, dois é bom, três é demais! Iluminação Industrial Kuai Zi. Iluminação de Vias Pública Bat Light

Prêmio abilux Um é pouco, dois é bom, três é demais! Iluminação Industrial Kuai Zi. Iluminação de Vias Pública Bat Light Prêmio abilux 2012 Um é pouco, dois é bom, três é demais! A O2 LED ganhou 3 prêmios em 3 categorias do Prêmio Abilux 2012 Iluminação Industrial Kuai Zi Iluminação de Vias Pública Bat Light Residencial

Leia mais

Estrutura eletrônica da matéria - resumo

Estrutura eletrônica da matéria - resumo Estrutura eletrônica da matéria - resumo A NATUREZA ONDULATÓRIA DA LUZ COMO A RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA SE MOVE À VELOCIDADE DA LUZ, O COMPRIMENTO DE ONDA E A FREQUÊNCIA ESTÃO RELACIONADOS: νλ=c ONDE ν(ni)

Leia mais

Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação

Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação Orientador: Sérgio Vidal Garcia Oliveira Disciplina: TCC Acadêmico: Andresa C. Bernardes Modelo de caracterização de LEDs de potência para aplicações em iluminação Objetivo Geral Para atender aos requerimentos

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

Geração Fotovoltaica. Pedro A. B. G. Mol

Geração Fotovoltaica. Pedro A. B. G. Mol Geração Fotovoltaica Pedro A. B. G. Mol Índice Introdução Efeito Fotovoltaico Tecnologias existentes Conexão com a Rede Elétrica Impactos Ambientais Conclusões Introdução Tem como objetivo gerar energia

Leia mais

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza /

Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica. https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza / Atividade: Combate ao desperdício de energia elétrica https://pixabay.com/pt/prote%c3%a7%c3%a3o-ambiental-ambiente-natureza-544198/ I. Introdução A energia elétrica é um bem precioso, indispensável para

Leia mais

Transistor. O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência.

Transistor. O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência. Transistor Transistor O transistor é um componente de circuito elétrico. Seu nome vem do termo transfer resistor, ou seja, resistor de transferência. Tornou-se popular nos anos de 1950. Foi o grande responsável

Leia mais

Definição e Histórico

Definição e Histórico Definição e Histórico LED (Light Emiting Diode) - Diodo Emissor de Luz. O LED é um componente eletrônico semicondutor, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores, que tem a propriedade de transformar

Leia mais

SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SAIBA O QUE É EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De maneira geral a eficiência energética mede a qualidade no uso da energia para os fins a que ela serve à sociedade. Qualquer atividade atualmente exercida pela sociedade

Leia mais

8º ANO Ensino Fundamental

8º ANO Ensino Fundamental E n s in o F o r t e e d e R e s u l t a do s Centro Educacio nal Juscelino K ub itschek APOSTILA G uar á e Valp ar aíso 3º Bimestre F Í S I C A 8º ANO Ensino Fundamental Data: / / Turno: Estudante: Turma:

Leia mais

AULA 21 INTRODUÇÃO À RADIAÇÃO TÉRMICA

AULA 21 INTRODUÇÃO À RADIAÇÃO TÉRMICA Notas de aula de PME 3361 Processos de Transferência de Calor 180 AULA 1 INTRODUÇÃO À RADIAÇÃO TÉRMICA A radiação térmica é a terceira e última forma de transferência de calor existente. Das três formas,

Leia mais

Dispositivos Semicondutores. Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n

Dispositivos Semicondutores. Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n Dispositivos Semicondutores Diodos junções p-n Transistores: p-n-p ou n-p-n Junção p-n Junções p-n tipo-p tipo-n tensão reversa tensão direta zona isolante zona de recombinação buracos elétrons buracos

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 0: AS LINHAS DE BALMER Introdução A teoria quântica prevê uma estrutura de níveis de energia quantizados para os

Leia mais

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento remoto 1 Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Súmula princípios e leis da radiação eletromagnética radiação solar conceito de corpo negro REM e sensoriamento

Leia mais

Semicondutores de Silício. Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan

Semicondutores de Silício. Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan Semicondutores de Silício Equipe: Adriano Ruseler Diego Bolsan Semicondutores SEMICONDUTORES - Materiais que apresentam uma resistividade Intermediária, isto é, uma resistividade maior que a dos condutores

Leia mais

Fundamentos de Sensoriamento Remoto

Fundamentos de Sensoriamento Remoto UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: Geoprocessamento para aplicações ambientais e cadastrais Fundamentos de Sensoriamento Remoto Profª. Adriana

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA Roque Filipe Mesquita Brandão Instituto Superior de Engenharia do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 1. Introdução A iluminação pública é responsável por 3% do consumo de energia elétrica,

Leia mais

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula

Experimento 1 Associação de Capacitores. Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Eletricidade e Magnetismo II 2 o Semestre/ 2014 Experimento 1 Associação de Capacitores Nome: N o USP Este relatório deve ser entregue no dia 18/08 no horário da aula Informações Importantes! Antes de

Leia mais

ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS

ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS OBJETIVO Compreender a Lei de Ohms Compreender funcionamento dos atuadores e sensores Compreender o circuito que utiliza o arduíno. Compreender o código FAZER O LED INTERNO

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais