Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016"

Transcrição

1

2 Desafios e Estratégias adotadas pela ANVISA para promover a convergência regulatória internacional e facilitar a inserção de produtos brasileiros em mercados de interesse. Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016

3 Convergência X Harmonização O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização - Requisitos Técnicos são - Exatamente os mesmos baseados - Requisitos nas mesmas Técnicos são Requisitos - Exatamente Técnicos são os mesmos Requisitos referências Técnicos baseados científicas; são nas mesmas adotados; Exatamente Requisitos os mesmos Técnicos são baseados nas referências mesmas científicas; Requisitos adotados; Técnicos são referências - Linguagem científicas; pode ser - Linguagem adotados; precisa ser diferente; - Linguagem pode ser idêntica; - Linguagem precisa ser Linguagem pode diferente; ser diferente; Linguagem idêntica; precisa ser idêntica; - Diferentes medidas podem - Não há flexibilidade nas Diferentes ser adotadas - medidas Diferentes para podem alcançar medidas ser o podem regulamentações Não - há Não flexibilidade há flexibilidade para nas nas adotadas mesmo para objetivo; ser alcançar adotadas o para alcançar o adequações; regulamentações regulamentações para para mesmo objetivo; mesmo objetivo; adequações; adequações; Especificidades necessidades nacionais necessidades são / necessidades Especificidades - Especificidades nacionais / necessidades são / nacionais respeitadas são necessidades respeitadas e incluídas; nacionais e são respeitadas nacionais necessidades e não incluídas; são incluídas; nacionais são incluídas. respeitadas e incluídas; respeitadas e incluídas;

4 Benefícios da Convergência Regulatória Diminuição de custos; Produção em escala; Acesso a diferentes mercados; Maior eficácia e segurança na regulação e monitoramento dos produtos; Maior celeridade de avaliações e troca de informações entre diferentes atores. Promotor do desenvolvimento industrial Barreira à inovação

5 Atuação Internacional da Anvisa

6 Atuação Internacional da Anvisa Aperfeiçoar a capacidade regulatória da instituição Inserção no mundo global Melhor uso de recursos Reduzir as barreiras de inovação Promover o acesso dos produtos nacionais novos mercados Construção de um ambiente regulatório de confiança mútua Troca de conhecimento e informações Expectadores Membros

7 Acordos firmados entre a ANVISA e suas contrapartes 35 Acordos Bilaterais com diferentes países/instituições Países do Mercosul ARN de referência (Argentina, Canadá, Colômbia, Cuba e México) Austrália Estados Unidos Canadá Dinamarca Suécia Reino Unido Portugal Rússia OMS (vacinas dispositivos médicos) Agência Europeia de Controle de Qualidade de Medicamentos (EDQM) França Alemanha Japão Irlanda Itália Ucrânia China Israel

8 Projetos de Cooperação 1. Argentina 2. Paraguai 3. Uruguai 4. Peru 5. República Dominicana 6. Equador 7. El Salvador 8. Venezuela 9. Burkina Faso 10. Cabo Verde 11. Colômbia 12. Moçambique 13. FARMED Ações de Capacitação: Farmacopeia Farmacovigilância Farmacoeconomia Propriedade Intelectual Laboratórios Alimentos Portos, Aeroportos e Fronteiras Equivalência Farmacêutica Inspeção Toxicologia Combate à Falsificação Medicamento

9 Convergência Regulatória Medicamentos PANDRH Rede Pan-Americana para a Harmonização da Regulamentação Farmacêutica /OPAS ICH International Council for Harmonisation of Technical Requirements for Pharmaceuticals for Human Use IPRF International Pharmaceutical Regulators Forum IGDRP International Generic Drugs Regulation Programme PIC/s Pharmaceutical Inspection Convention and Pharmaceutical Inspection Cooperation Scheme WHO World Health Organization - ICMRA International Coalition of Medicines Regulatory Authorities ICMRA International Coalition of Medicines Regulatory Authorities

10 Convergência Regulatória Produtos para Saúde IMDRF - International Medical Device Regulators Forum MDSAP Medical Devices Single Audit Program WHO World Health Organization Alimentos Codex Alimentarius WHO World Health Organization Cosméticos ICCR - International Cooperation on Cosmetics Regulation WHO World Health Organization

11 Pré-qualificação OPAS Autoridade Reguladora de Referência Regional ANVISA foi pré-qualificada pela OPAS, como Autoridade Reguladora de Referência Regional, no nível máximo, Categoria IV. Esse é o reconhecimento de que a regulação e os procedimentos adotados pela ANVISA asseguram objetivo a garantia da qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos e produtos biológicos. Autoridades Reguladoras Pré Qualificadas pela OPAS Em processo Estímulo para que países com menor capacidade regulatória disponível se utilizem das decisões tomadas pelos reguladores pré-qualificados. Ex: Países do Caribe

12 Novas iniciativas O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização Em , a Agência lançou novas ações para apoiar a internacionalização das empresas brasileiras reguladas pela Anvisa: - Requisitos Técnicos são - Exatamente os mesmos baseados - Requisitos nas mesmas Técnicos são Requisitos - Exatamente Técnicos são os mesmos referências baseados científicas; nas mesmas adotados; Requisitos Técnicos são referências científicas; adotados; - Linguagem pode ser - Linguagem precisa ser diferente; - Linguagem pode ser idêntica; - Linguagem precisa ser Acordo diferente; com a APEX idêntica; - Diferentes Programa medidas de Intercâmbio podem Regulatório - Não e há Capacitação flexibilidade Internacional nas ser adotadas - Diferentes para alcançar medidas o podem regulamentações - Não há flexibilidade para nas mesmo Diálogos objetivo; ser Regulatórios adotadas para Internacionais alcançar o adequações; regulamentações para mesmo objetivo; adequações; necessidades - Especificidades nacionais são / necessidades - Especificidades nacionais são / respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas e incluídas; respeitadas e incluídas;

13 Novas iniciativas O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização Acordo com a APEX - Requisitos Técnicos são - Exatamente os mesmos Identificação baseados - Requisitos de Mercados nas mesmas Técnicos são de Interesse; Requisitos - Exatamente Técnicos são os mesmos referências baseados científicas; nas mesmas adotados; Requisitos Técnicos são Aproximação referências e estabelecimento científicas; de canal adotados; de diálogo com as - autoridades Linguagem pode reguladoras ser dos países - de Linguagem interesse; precisa ser diferente; - Linguagem pode ser idêntica; - Linguagem precisa ser Intercâmbio diferente; de informação em ambiente de idêntica; confiança mútua entre - Diferentes as autoridades medidas reguladoras; podem - Não há flexibilidade nas ser adotadas - Diferentes para alcançar medidas o podem regulamentações - Não há flexibilidade para nas mesmo objetivo; ser adotadas para alcançar o adequações; regulamentações para Apresentação do marco regulatório da Agência mesmo objetivo; adequações; e intercâmbio de melhores práticas. necessidades - Especificidades nacionais são / necessidades - Especificidades nacionais são / respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas e incluídas; respeitadas e incluídas;

14 Novas iniciativas O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização Programa de Intercâmbio Regulatório e Capacitação Internacional - Requisitos Técnicos são - Exatamente os mesmos baseados - Requisitos nas mesmas Técnicos são Requisitos - Exatamente Técnicos são os mesmos referências baseados científicas; nas mesmas adotados; Requisitos Técnicos são 2015 Projeto Piloto: referências científicas; adotados; - Linguagem pode ser - Linguagem precisa ser Biológicos diferente; - Linguagem pode ser Produtos idêntica; - Médicos Linguagem precisa ser diferente; idêntica; - Diferentes medidas podem - Não há flexibilidade nas ser adotadas - Diferentes para alcançar medidas o podem regulamentações - Não há flexibilidade para nas mesmo objetivo; ser adotadas para alcançar o adequações; regulamentações para mesmo objetivo; adequações; Equador e Colômbia Paraguai, Uruguai, Venezuela, necessidades - Especificidades nacionais são / necessidades - Especificidades Peru nacionais são / respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são 2016 Consolidação respeitadas do Programa: e incluídas; Genéricos respeitadas e incluídas;

15 Novas iniciativas O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Harmonização Diálogos Regulatórios Internacionais - Requisitos Técnicos são - Exatamente os mesmos baseados - Requisitos nas mesmas Técnicos são Requisitos - Exatamente Técnicos são os mesmos Agenda de Convergência Regulatória Internacional referências baseados científicas; nas mesmas adotados; Requisitos Técnicos são referências científicas; adotados; - Linguagem pode Seleção ser das agendas -mais Linguagem estratégicas precisa ser diferente; - Linguagem pode ser idêntica; - Linguagem precisa ser Discussão diferente; com o Setor Produtivo para receber subsídios idêntica; quanto a posições, interesses e capacidades antes das discussões internacionais - Diferentes medidas podem - Não há flexibilidade nas ser adotadas - Diferentes para alcançar medidas o podem regulamentações - Não há flexibilidade para nas Elaboração mesmo objetivo; ser adotadas de para Guias alcançar e Referências o Internacionais adequações; regulamentações para mesmo objetivo; adequações; (...) Regulamentação - pela Especificidades ANVISA / necessidades - Especificidades nacionais são / necessidades - Especificidades nacionais são / respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas necessidades e incluídas; nacionais são respeitadas e incluídas; respeitadas e incluídas;

16 Perspectivas e Desafios O conceito de Convergência é uma evolução do conceito de Participação Harmonização cada vez mais ativa em Fóruns de Convergência Busca de um ambiente regulatório de confiança mútua - Requisitos Consolidação Técnicos da Anvisa são como Agência - de Exatamente referência os internacional. mesmos baseados nas mesmas Requisitos Técnicos são referências científicas; adotados; Aprimoramento normativo. Modernização do arcabouço legal; - Linguagem pode ser - Linguagem precisa ser Alinhamento com as principais referências internacionais. diferente; idêntica; Guias Regulatórios - Diferentes medidas podem - Não há flexibilidade nas Podem contemplar temas inovadores fronteira ser adotadas para alcançar o regulamentações do conhecimento; para Permitem a adoção de documentos produzidos mesmo objetivo; adequações; em Fóruns de convergência nos modelos desenvolvidos texto com orientações detalhadas. Diálogo necessidades qualificado nacionais com são o Setor Produtivo necessidades para nacionais identificação são de dificuldades respeitadas e adoção e incluídas; de medidas corretivas. respeitadas e incluídas;

17 Obrigado! REGULAÇÃO É BEM ESTAR SOCIAL! Renato Alencar Porto Contato Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa SIA Trecho 5 - Área especial 57 - Lote 200 CEP: Brasília - DF Telefone: Anvisa Atende:

Regulatory Innovations: FDA and ANVISA Compliance Trends

Regulatory Innovations: FDA and ANVISA Compliance Trends Regulatory Innovations: FDA and ANVISA Compliance Trends Single Audit Program for Medical Devices and Expectations for Drugs and APIs Setembro de 2016 São Paulo-SP Dr. José Carlos Magalhães da Silva Moutinho

Leia mais

Atuação Internacional da ANVISA

Atuação Internacional da ANVISA I Fórum de Relações Internacionais das Agências Reguladoras Atuação Internacional da ANVISA Yane Carvalho Brasília/DF 28 de novembro de 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Anvisa Criada pela

Leia mais

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Patrícia Ferrari Andreotti Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos GGMED/DIARE/ANVISA Brasília,

Leia mais

A atuação da ANVISA em fóruns estratégicos de medicamentos: ICH, IPRF, PIC/s e OMS

A atuação da ANVISA em fóruns estratégicos de medicamentos: ICH, IPRF, PIC/s e OMS A atuação da ANVISA em fóruns estratégicos de medicamentos: ICH, IPRF, PIC/s e OMS Patrícia O. Pereira Tagliari Assessora - Chefe Assessoria Internacional Principais Fóruns Internacionais - Regulação de

Leia mais

Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos

Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos Varley Dias Sousa, Ph.D Gerente Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos/ GGMED Estrutura organizacional- DIARE/GGMED GGMED COOPI COREC COFAR

Leia mais

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Página 6 B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL 17. Neste relatório de progresso se destina a oferecer uma visão integral da maneira

Leia mais

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014)

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) No ranking dos principais importadores de produtos farmacêuticos do mundo, o Brasil se manteve na 16ª posição em 2013

Leia mais

Cenário Regulatório Atual e Experiências de Convergência nas Américas BRASIL, MERCOSUL E IMDRF

Cenário Regulatório Atual e Experiências de Convergência nas Américas BRASIL, MERCOSUL E IMDRF Cenário Regulatório Atual e Experiências de Convergência nas Américas BRASIL, MERCOSUL E IMDRF Brasília, 19 e 20 de Novembro 2012 Leticia Seixas Prata da Fonseca Gerência de Produtos para Diagnósticos

Leia mais

REGULATORY INNOVATIONS FDA AND ANVISA COMPLIANCE TRENDS

REGULATORY INNOVATIONS FDA AND ANVISA COMPLIANCE TRENDS REGULATORY INNOVATIONS FDA AND ANVISA COMPLIANCE TRENDS BENEFÍCIOS DA AUDITORIA ÚNICA. NOVOS DESAFIOS DE REALIZAÇÃO DHALIA GUTEMBERG CÂMARA BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 09.09.2016 HISTÓRICO Com

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

Perspectiva dos ensaios clínicos

Perspectiva dos ensaios clínicos Regulação de Produtos Biológicos no Brasil Perspectiva dos ensaios clínicos Fanny Nascimento Moura Viana Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária COPEC/GGMED 27 de outubro de 2016 1. Regulamento

Leia mais

Reestruturação do ICH e Anvisa. Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015

Reestruturação do ICH e Anvisa. Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015 Reestruturação do ICH e Anvisa Brasil se tornará Membro? Renato Alencar Porto Diretor São Paulo, 13 de abril de 2015 EUA, Japão, EU + Suíça e Canadá + PhRMA, JPMA, EFPIA OMS (observadora) Austrália Rússia

Leia mais

Cinema, Soft Power e os BRICS

Cinema, Soft Power e os BRICS Seminário Cinema, Soft Power e os BRICS Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Debora Ivanov 27/10/2016 Diretrizes Diretrizes das ações internacionais realizadas pela ANCINE 1. Estímulo à realização

Leia mais

Curso de Boas Práticas de Fabricação Fase III - MERCOSUL Validação de Sistemas Computadorizados e Avaliação de Risco. Termo de Referência

Curso de Boas Práticas de Fabricação Fase III - MERCOSUL Validação de Sistemas Computadorizados e Avaliação de Risco. Termo de Referência Curso de Boas Práticas de Fabricação Fase III - MERCOSUL Validação de Sistemas Computadorizados e Avaliação de Risco Termo de Referência 1 1. INTRODUÇÃO A atualização sistemática do Marco Regulatório na

Leia mais

VII Encontro de Autoridades Competentes em Medicamentos dos Países Ibero-Americanos. Desafios em Saúde. - Globalização e Gestão do Risco -

VII Encontro de Autoridades Competentes em Medicamentos dos Países Ibero-Americanos. Desafios em Saúde. - Globalização e Gestão do Risco - Portugal VII Encontro de Autoridades Competentes em Medicamentos dos Países Ibero-Americanos Desafios em Saúde - Globalização e Gestão do Risco - Thebar Miranda Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica

Leia mais

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER)

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER) 1 OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) UMA ANÁLISE DE INDICADORES PARA OS PAÍSES DA REDE IBERO-AMERICANA DE PROSPECTIVA (RIBER) 2 Introdução 3 Objetivos : Introdução Buscar a adequação dos 15

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE - 13 - Anexo C C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE Introdução 39. A finalidade deste documento é informar aos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º

III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º III Fórum Nacional de Produtos para a Saúde no Brasil 1º.9.2016 Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais e

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

INTERCAMBISTAS NO RIO GRANDE DO SUL

INTERCAMBISTAS NO RIO GRANDE DO SUL C R E M E R S INTERCAMBISTAS NO RIO GRANDE DO SUL Total de Intercambistas atualmente no RS: 1010 (mil e dez) Informações sobre a localização dos intercambistas, por Delegacias Seccionais: Delegacia Seccional

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso de potencial problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso de potencial problema com o produto Grupo de segurança de produtos 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso de potencial problema com o produto Inversores CA PowerFlex 700 e PowerFlex

Leia mais

OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS

OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS OBJETIVOS DEL DESAROLLO SUSTENTABLE ODS Tomando como Base los 5 Ejes : Personas, Planeta, Prosperidad, Paz y Parcerias Os 5 P sda Agenda 2030 Fonte: www.pnud.org.br/ods.aspx Objetivos : Buscar a adequação

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Grupo de segurança de produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Cód. cat. 20A, inversor CA PowerFlex

Leia mais

CABO VERDE ARFA e sua Intervenção. BIO Latin America

CABO VERDE ARFA e sua Intervenção. BIO Latin America CABO VERDE ARFA e sua Intervenção BIO Latin America 26 de outubro de 2016 Índice Cabo Verde e o setor farmacêutico ARFA: intervenção e perspetivas Registo (AIM) 25-10-2016 www.arfa.cv 2 Cabo Verde População:

Leia mais

INOVAÇÃO E P&D: QUAL O MELHOR CAMINHO?

INOVAÇÃO E P&D: QUAL O MELHOR CAMINHO? INOVAÇÃO E P&D: QUAL O MELHOR CAMINHO? XXXII CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA 23 e 24 novembro 2006 João Sanches Diretor de Comunicação A inovação é pilar da competitividade Prosperidade

Leia mais

Saldo da conta de serviços do Balanço de Pagamentos (US$): Exportações Importações Saldo 73,0 77,8 83,3 36,4 38,1 37,5 40,7

Saldo da conta de serviços do Balanço de Pagamentos (US$): Exportações Importações Saldo 73,0 77,8 83,3 36,4 38,1 37,5 40,7 o o o Relevância do Comércio Exterior de Serviços O comércio exterior de serviços do Brasil representa 5,59% do PIB, bem abaixo da realidade mundial, que alcança o patamar de 12,1% do PIB mundial (Banco

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUANDOS II SEMINÁRIO: INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA BRASILEIRA INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS Prof. Dr. Joviles Vitorio Trevisol Presidente

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

V SEMINÁRIO DE INTERNACIONALIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA E VI WORKSHOP DE TRABALHO PAEC OEA-GCUB Brasília 17 a 19 de maio de 2017

V SEMINÁRIO DE INTERNACIONALIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA E VI WORKSHOP DE TRABALHO PAEC OEA-GCUB Brasília 17 a 19 de maio de 2017 V SEMINÁRIO DE INTERNACIONALIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA E VI WORKSHOP DE TRABALHO PAEC OEA-GCUB 2017 FORMAÇÃO DE MESTRES E DOUTORES COMO VETOR PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DAS AMÉRICAS Brasília 17 a 19 de

Leia mais

UNIDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SESI, SENAI E IEL.TEC.ORG.COM RELATÓRIO GERENCIAL DA ATUAÇÃO INTERNACIONAL DEZEMBRO/2015 CENTROS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO SENAI NO EXTERIOR GUATEMALA JAMAICA CABO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA Simpósio Novas Fronteiras Farmacêuticas nas Ciências da Regulamentação, Tecnologia e Sistema da Qualidade Dirceu Barbano Diretor-Presidente Brasília, 25

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL BRASÍLIA, 2007 Copyright Ministério das Relações Exteriores Brasil. Ministério

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI Fixa a composição, distribuição e elenco dos Grupos Parlamentares de Amizade na XI Legislatura e procede à primeira alteração à Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003,

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS

PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS www.incqs.fiocruz.br 1 PAPEL DO INCQS NO CONTROLE DE MEDICAMENTOS BIOLÓGICOS E BIOTECNOLÓGICOS Eduardo C. Leal INOVAÇÕES REGULATÓRIAS: FDA E TENDÊNCIAS DE CONFORMIDADE 09 DE SETEMBRO DE 2016 - SÃO PAULO,

Leia mais

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq

COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq INSTRUMENTOS DE COOPERAÇÃO OPORTUNIDADES INTERNACIONAL DE NO AMBITO DO CNPq COOPERAÇÃO INTERNACIONAL NO ÂMBITO DO CNPq Reunião das Sociedades e Associações de Física da América Latina 2 de fevereiro de

Leia mais

Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional

Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional Perspectivas e desafios da redução do sódio em nível nacional e internacional Padrão alimentar da população brasileira Mudanças no consumo alimentar e os desafios para a agenda de redução do consumo de

Leia mais

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos SEGIB Criação: 1994 Definição e objetivo: A SEGIB é o órgão permanente de apoio institucional, técnico e administrativo à Conferência Ibero-Americana e tem

Leia mais

- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO -

- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso de problema em potencial no produto Inversores CA PowerFlex 700 NEMA 12: 55-110

Leia mais

Outubro de 2009: Aviso de segurança do produto revisado para esclarecer códigos de catálogo afetados e informações de reparo/devolução.

Outubro de 2009: Aviso de segurança do produto revisado para esclarecer códigos de catálogo afetados e informações de reparo/devolução. Grupo de Segurança de Produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso de condição potencialmente insegura Chaves de acionamento

Leia mais

Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual.

Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual. Conheça o trabalho do Optometrista, profissional da saúde responsável pelos cuidados com a sua saúde visual. O Optometrista é o profissional da área da saúde, não médica, responsável pela avaliação primária

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE MERCADO

INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO ABF BANCO DE DADOS ABF / SISTEMA DE BI (BUSINESS INTELLIGENCE) Possibilita a extração em tempo real de dados específicos da marca, do segmento e do setor

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE MERCADO

INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO ABF BANCO DE DADOS ABF / SISTEMA DE BI (BUSINESS INTELLIGENCE) Possibilita a extração em tempo real de dados específicos da marca, do segmento e do setor

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE MERCADO

INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO INTELIGÊNCIA DE MERCADO ABF BANCO DE DADOS ABF / SISTEMA DE BI (BUSINESS INTELLIGENCE) Possibilita a extração em tempo real de dados específicos da marca, do segmento e do setor

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

Unidade II SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade II SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade II SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Comércio internacional Brasil: temos Procon / SPC Comércio Internacional: Necessidade de criação de órgãos, como: Fundo Monetário

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Metodologia SciELO Odila Duru BIREME/OPAS/OMS I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Novas Perspectivas da Comunicação Científica Peer Review

Leia mais

Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP)

Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP) Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP) GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS BIOLÓGICOS GERÊNCIA DE MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS, FITOTERÁPICOS,

Leia mais

Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil

Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil Desafios Atuais do Ministério da Saúde para o Tratamento da Hepatite C no Brasil Elisa Cattapan Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais Coordenação

Leia mais

BRAZILIAN HEALTH REGULATORY AGENCY

BRAZILIAN HEALTH REGULATORY AGENCY ANVISA Brazilian Pharmacopoeia JP 130th Anniversary Symposium 7th International Meeting of World Pharmacopoeias Varley Dias Sousa Chair of Brazilian Farmacopoeia Commission Head of Brazilian Farmacopoeia

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, de 27 de setembro à 1º de outubro de 2010 Tema 5.1 da agenda

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

O que esperar do ambiente regulatório e do mercado público?

O que esperar do ambiente regulatório e do mercado público? O que esperar do ambiente regulatório e do mercado público? 28.06.2016 Um pouco da nossa história Foi fundada e esse ano completou 83 anos de existência Laboratórios farmacêuticos nacionais e internacionais

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis SEMINARIO - TALLER COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTABLES Oportunidades en Argentina y en el MERCOSUR Valéria D Amico vdamico@sp.gov.br Governo do Estado de São Paulo Secretaria da

Leia mais

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 Pós-Segunda Guerra Mundial A regionalização do mundo em países capitalistas e socialistas Critério: organização econômica, social e política

Leia mais

Reunião dos Ministros da Saúde

Reunião dos Ministros da Saúde MERCOSUL/LXVI GMC/DI Nº 34/06 Reunião dos Ministros da Saúde do MERCOSUL (RMS) e Subgrupo de Trabalho (SGT) Nº 11 Saúde PROJETO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORIENTAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA

Leia mais

ALIANZA LATINOAMERICANA PARA EL DESARROLLO DEL DIAGNÓSTICO IN VITRO ALADDiV

ALIANZA LATINOAMERICANA PARA EL DESARROLLO DEL DIAGNÓSTICO IN VITRO ALADDiV ALIANZA LATINOAMERICANA PARA EL DESARROLLO DEL DIAGNÓSTICO IN VITRO ALADDiV 1 Diagnóstico in vitro: Cómo Assegurar la Calidad de lo que Ofrece el Mercado? HERRAMIENTAS REGULATORIAS: Dónde estamos y para

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX 2 fonte: MDIC / SECEX elaboração: UAGRO / SEBRAE NA 42,23 51,00 2,86 8.243.232,00 23.588.292,00 2,53 25.987.193,00 65.791.416,00 2,38

Leia mais

Audiência Pública sobre Pesquisa Clínica Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal

Audiência Pública sobre Pesquisa Clínica Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Audiência Pública sobre Pesquisa Clínica Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Brasília, 18 de março de 2014 Antônio Britto Presidente-executivo - BRASIL X MUNDO - Por que a pesquisa clínica éimportante?

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO

BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO BASES TEÓRICAS DE PLANEJAMENTO SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO 2 - DECISÃO 3 - SISTEMAS 4 - PROSPECTIVA / CENÁRIOS 5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 6 - INDICADORES 7 - CONCLUSÃO A QUALIDADE DA DECISÃO O PROCESSO DECISÓRIO

Leia mais

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM 2015 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Fevereiro/2016 Objetivo: Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial 60 países em 2015 (83% do PIB mundial) No ano anterior participaram 70 países Criação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA)

Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA) Instituto Nacional de Saúde Pública (INASA) Augusto Paulo Silva Helsinki (KTL), June 2007 Definição República da Guiné-Bissau Instituição técnico-científica subordinada ao Ministério da Saúde Pública (MINSAP),

Leia mais

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura. Chaves de acionamento por cabo GuardMaster Lifeline 4

AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura. Chaves de acionamento por cabo GuardMaster Lifeline 4 Product Safety Group 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DE SEGURANÇA DO PRODUTO Aviso sobre possível condição insegura Referência: 2010-05-001 Revisão:

Leia mais

8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março º WAC 2018 Caldas da Rainha

8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março º WAC 2018 Caldas da Rainha 8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março 2018 www.wac.world-allstyleschampionship.com www.wac.world-allstyleschampionship.com APRESENTAÇÃO Feira Internacional de Cultura e Desporto

Leia mais

PROJETO 9: Capacitação Floresta Amazônica. Responsável: Dra. Alessandra Rodrigues. Apresentação: Dra. Lúbia Vinhas Chefe DPI/INPE

PROJETO 9: Capacitação Floresta Amazônica. Responsável: Dra. Alessandra Rodrigues. Apresentação: Dra. Lúbia Vinhas Chefe DPI/INPE PROJETO 9: Capacitação Floresta Amazônica Responsável: Dra. Alessandra Rodrigues Apresentação: Dra. Lúbia Vinhas Chefe DPI/INPE Projetos de Monitoramento da Amazônia Satélites e Resolução Espacial PRODES

Leia mais

SEMINÁRIO DE PARLAMENTARES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA GARANTIR O DIREITO À SAÚDE REPRODUTIVA, MATERNA, NEONATAL E INFANTIL

SEMINÁRIO DE PARLAMENTARES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA GARANTIR O DIREITO À SAÚDE REPRODUTIVA, MATERNA, NEONATAL E INFANTIL SEMINÁRIO DE PARLAMENTARES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA GARANTIR O DIREITO À SAÚDE REPRODUTIVA, MATERNA, NEONATAL E INFANTIL Dr. Bremen De Mucio Assessor Regional em Saúde Sexual e Reprodutiva CLAP/SMR

Leia mais

A Necessidade da Regulação Económica de Medicamentos em Cabo Verde. A Intervenção da ARFA O MERCADO DE MEDICAMENTOS EM CABO VERDE

A Necessidade da Regulação Económica de Medicamentos em Cabo Verde. A Intervenção da ARFA O MERCADO DE MEDICAMENTOS EM CABO VERDE A Necessidade da Regulação Económica de Medicamentos em Cabo Verde A REGULAÇÃO ECONÓMICA DE MEDICAMENTOS EM CABO VERDE A INTERVENÇÃO DA ARFA SEMINÁRIO ADECO RESPONSABILIDADES DOS FORNECEDORES A Intervenção

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Divulgamos hoje o Ranking Mundial de Juros Reais, o qual após 12 anos renova tanto parte dos países participantes, como a metodologia de cálculo e referenciais nas

Leia mais

LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE (redação dada pela Lei nº 9.876, de )

LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE (redação dada pela Lei nº 9.876, de ) BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 1 LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE 1991 (redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.1999) Art. 85-A. Os tratados, convenções e outros acordos internacionais de que Estado estrangeiro

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA X

DIFERENCIAÇÃO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA X DIFERENCIAÇÃO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA X CENTRO DE BIOEQUIVALÊNCIA (Desde Regulamentação a Operacionalização) Valery Aleksandravicius de Carvalho Coordenadora de Pesquisa Clínica Newco Trials Seminário

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Países (ordem alfabética) Diploma legal Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Redução de taxas Dividendos Juros Royalties Art. º Taxa Art. º Taxa Art. º Taxa ÁFRICA DO SUL n.º 53/08

Leia mais

Convergência Regulatória Brasil Estados Unidos. Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB

Convergência Regulatória Brasil Estados Unidos. Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB Mauro Laviola Vice-Presidente da AEB Definições É uma forma de fazer com que requisitos regulatórios ou padrões privados de diferentes países convirjam e sejam considerados harmonizados, equivalentes ou

Leia mais

Conferência FAUBAI 2017 reúne mais de 560 participantes para discutir internacionalização da educação superior

Conferência FAUBAI 2017 reúne mais de 560 participantes para discutir internacionalização da educação superior Conferência FAUBAI 2017 reúne mais de 560 participantes para discutir internacionalização da educação superior Encontro internacional realizado no Centro de Eventos FIERGS, em Porto Alegre, no Rio Grande

Leia mais

Apoio à Participação em Eventos para Discentes

Apoio à Participação em Eventos para Discentes Apoio à Participação em Eventos para Discentes O PPGEdu/UFRGS oferece aos estudantes regularmente matriculados nos Cursos de Mestrado e Doutorado do Programa e vinculados a projeto de pesquisa em desenvolvimento,

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu

Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu Protocolos regionais de politica públicas de telessaúde para América Latina e Caribe Instituições coordenadoras: UFMG e RUTE Financiamento:

Leia mais

ATA DE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

ATA DE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Linha Temática A A CONSOLIDAÇÃO DA PAZ, DA CONFIANÇA, DA SEGURANÇA E DA COOPERAÇÃO NAS AMÉRICAS Subtema I Desenvolver Mecanismos para Fortalecer a Paz, a Segurança e a Cooperação no Hemisfério Equador

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais