KIT DE TESTE DE ELISA PARA BORDETELLA PERTUSSIS IgG-TP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KIT DE TESTE DE ELISA PARA BORDETELLA PERTUSSIS IgG-TP"

Transcrição

1 SSI BORDETELLA PERTUSSIS IgG-PT ELISA KIT for in vitro diagnostic use KIT DE TESTE DE ELISA PARA BORDETELLA PERTUSSIS IgG-TP para uso de diagnóstico in vitro Indicação O Bordetella pertussis IgG-PT ELISA Kit ( kit de teste de ELISA para Bordetella pertussis IgG-PT) do SSI Diagnostica é para uso unicamente de diagnóstico in vitro e serve para testes quantitativos na detecção dos anticorpos IgG contra a toxina pertussis (TP) pelo método de Ensaio de ligação Imune Enzimática (ELISA) em amostras de soros humanos. Descrição O Bordetella pertussis IgG-PT ELISA kit contém: 1 Microplaca (placa de microtitulação) Maxisorp ELISA (1 Maxisorp ELISA plate NUNC )- guarde a microplaca em temperatura 15 C a 25 C. 5 Películas de filme aderente para tapar a placa durante a incubação (5 Plate Seals NUNC )- guarde as películas em temperatura 15 C a 25 C. 75 µl da altamente purificada toxina pertussis (TP) µg/ml (Pertussis toxin µg/ml) * - conserve a toxina na temperatura de 2 C a 8 C. 50 µl do antissoro padrão humano ( Standard Human Antisserum) ( NIBSC padrão internacional PT IgG 335 UI/mL) para a construção da curva padrão. Conserve na temperatura de 2 C a 8 C. 16 ml de tampão de cobertura/recobrimento (Coating Buffer) que deve ser conservado na temperatura de 2 C a 8 C. 100 ml de tampão de lavagem (Wash Buffer) com concentração 10x- conserve o tampão de lavagem na temperatura 15 C a 25 C 2,5 g de leite em pó desnatado (Skim Milk Powder)- deve serconservado em temperatura 15 C a 25 C 100 µl de anticorpos conjugados coelho anti- humano IgG a horseradish peroxidase (HRP) (HRP Rabbit-Anti- Human IgG ) deve ser conservado na temperatura de 2 a 8 C 16 ml de ácido sulfúrico (1M) (Sulphuric Acid 1M) com solução de paragem (stop)- o ácido sulfúrico deve ser conservado ema temperatura 15 C a 25 C. 16 ml de um substrato TMB (TMB One Substrate) que deve ser conservado na temperatura de 2 C a 8 C. *Rotulado com o símbolo de material perigoso. Veja a folha de dados de segurança no site Príncipio A pertussis (coqueluche ou tosse espasmódica/seca/convulsiva/com guincho) é uma doença respiratória altamente infecciosa causada pela bactéria Bordetella pertussis que é patogênica exclusivamente para humanos. A coqueluche é mais comum em crianças que em adultos e é caracterizada por paroxismos de tosse espasmódica severa seguida de convulsão e/ou vômitos. A severidade e os sintomas clínicos da pertussis variam muito, mas as complicações mais severas tais como: apneia, encefalopatia e pneumonia são mais comuns em indivíduos menores de 1 ano de idade. Por isso, há incentivos de combater a doença com programas de vacinação contra a coqueluche (pertussis) nos primeiros meses de vida, onde a vacinação já se inicia com < 6 meses de idade. A imunidade após a vacinação dura de 4 a 12

2 anos. Tem sido observado mundialmente que vem crescendo o número de casos com pertussis em grupos de indivíduos mais velhos, isso é em crianças mais velhas e em adultos. Todavia os sintomas da infecção para indivíduos mais velhos são normalmente brandos, tendo como sintoma típico clínico tosse prolongada, a qual pode durar até 3 meses. Apesar dos sintomas da pertussis serem normalmente brandos nesses grupos de indivíduos (crianças mais velhas e adultos), é muito importante diagnosticar os casos de pertussis justamente nesses grupos de indivíduos, já que são eles frequentemente as fontes de transmissão da pertussis infantil. Sorologia da toxina pertussis no diagnóstico da Bordetella pertussis O diagnóstico definitivo da pertussis tem sido tradicionalmente feito por cultura da B. pertussis cultivada no meio de ágar Bordet-Gengou, contudo, esse método é relativamente insensitivo e vagaroso (o resultado pode durar até 1 semana). O método de reação em cadeia polimerase (RCP, conhecido como PCR) demostrou uma significante avanço tecnológico para diagnosticar a pertussis se comparado com o método de cultura. O PCR em tempo real é indicado para um diagnóstico rápido e definitivo especialmente em crianças na fase inicial da pertussis, sendo por tanto o método atualmente mais conhecido no mundo inteiro para diagnose de casos recentes da doença. A sorologia tem a grande vantagem por ser útil especialmente para diagnose em casos de pacientes com tosse prolongada. A toxina pertussis (TP) é específica para Bordetella pertussis e somente os anticorpos IgG são úteis para a diagnose da infecção. Grupos de indivíduos como crianças mais velhas e adultos, os quais frequentemente apresentam sintomas brandos da pertussis, procuram o atendimento médico após a primeira fase da doença. Considerando que os métodos de cultura e PCR são úteis apenas na primeira fase da doença (fase catarral), a diagnose da doença nesses grupos de indivíduos (crianças mais velhas e adultos) com esses dois métodos (cultura e PCR) são frequentemente ineficientes, sendo dessa forma a sorologia o método mais correto para fazer o diagnóstico nesse caso. O método sorológico combinado com o método de PCR aumenta claramente a quantidade de casos com diagnose correta. Mas vários estudos sobre comparações entre o método combinado de sorologia e o de PCR e o método unicamente de sorologia (IgG para TP) mostraram que em inúmeros casos a sorologia baseada como a única forma de medição é o melhor método de diagnose, em parte devido ao tempo (prazo) da amostragem. O B. pertussis IgG-PT ELISA Kit oferece um método capaz de analisar soros tratados com calor sem o risco de resultado falso positivo. Dados da Dinamarca usando o ponto de corte (cut-off) a 75 UI/ml mostraram sensibilidade de 81% e especificidade de 96%. O ponto de corte dever ser determinado em cada país/região, já que o nível geral de anticorpos pode variar entre populações. Contudo o ponto de corte num âmbito de 62 UI/mL a 125 UI/mL são frequentemente usadas no mundo inteiro. Limitação Não é possível a diagnose de indivíduos recentemente vacinados (< 2 anos). Não é possível fazer a avaliação do status da vacinação e/ou seus níveis protetivos pelo teste de ELISA. Não é possível também fazer a detecção de respostas dos anticorpos para B. parapertussis. Material necessário, mas não fornecido: Leitor (espectrofotômetro) de microplaca de ELISA de densidade ótica de 450nm e 620nm. Procedimento 1-Ordem das reações na microplaca (placa de micro titulação) de ELISA: O kit de teste de ELISA para Bordetella pertussis IgG-PT segue a tradicional ordem para o teste de ELISA que é: as 4 amostras de antissoros humano padrão, as amostras de pacientes que devem ser feitos em serie de duplicatas.

3 Exemplo da ordem das amostras e o controle branco na microplaca: Além do exemplo acima recomendamos também fazer pelos menos 4 duplicadas de amostras de pacientes ao mesmo tempo para aproveitar ainda mais o teste. 2. Preparação das Soluções: Solução A: solução de antígeno para cobertura (recobrimento) da microplaca A toxina de pertussis (Pertussis Toxin ou PT) é misturada com a solução fria de tampão de cobertura (Coating Buffer) para obtenção de uma concentração final de 0,6 µg/ml. A concentração está indicada no rótulo do produto (por exemplo: para obter uma concentração de 20 µl é necessário misturar 309 µg/ml de PT com 10,3 ml da solução tampão de cobertura). Solução B: solução de tampão de lavagem 100 ml de tampão de lavagem de concentração 10x (Wash Buffer) é misturado com 900mL de água deionizada é suficiente para 1 litro de solução de tampão de lavagem. Lavagem manual unicamente.. Solução C: solução de tampão bloqueador Misture O,5g de leite em pó desnatado (Skim Milk Powder) com 50 ml do tampão de lavagem (Wash Buffer), a mistura deve ser agitada durante 30 minutos. A solução C deve ser preparada e usada no mesmo dia da análise. Solução D: solução de tampão de diluição 20 ml do tampão bloqueador (solução C) é misturado com 180mL do tampão de lavagem (Wash Buffer). Pode ser adicionado para uma concentração final de 0,1% para uma inspeção visual melhor ao vermelho fenol. A solução D deve ser preparada e usada no mesmo dia da análise. Solução E: solução de anticorpos secundária O HRP de coelho anti- humano IgG (HRP labelled Rabbit Anti-Human IgG ) é diluído no fator de 1:2500 num tampão de lavagem (Wash Buffer), por exemplo: 10µL de HRP de coelho anti-humano IgG é adicionado a 25mL de tampão de lavagem. A solução E deve ser preparada e usada no mesmo dia da análise. Solução F: Solução de amostras de paciente Cada amostra de paciente deve ser diluída na solução tampão de diluição (solução D) no fator de 1:1000, o mínimo por amostra de paciente é de 5 µl. Solução G: Solução de Soro Padrão (controle) Humano Cada amostra de antissoro padrão (controle) humano (Standard Human Antiserum) deve ser diluída no tampão de diluição no fator de 1:1000. Dessa diluição são feitos duas séries de diluições de fatores: 1:2000,1:4000, 1:8000 e 1:16000.

4 3- ETAPAS DO TESTE DE ELISA: 1ª ETAPA Adicione 100 µl da solução A em cada poço da microplaca. Cubra a microplaca com a película e a coloque num saco plástico, em seguida a incuba (sem agita-la) durante 1 hora a +37 C. Alternativamente incuba a microplaca na temperatura ambiente durante a noite. Não se deve incuba-la na temperatura ambiente em 1 hora. poços (1 min. por vez) com 250 µl da solução B. 2ª ETAPA Adicione 200 µl da solução C em cada poço da microplaca. Incuba a microplaca (sem cobri-la e nem agitá-la) na temperatura ambiente durante 30 minutos. poços da placa (1min. por vez) com 250 µl da solução B. 3ª ETAPA Adicione 100 µl da Solução F (sol. amostra padrão) em cada um dos seus exclusivos poços. Adicione 100 µl da Solução G em cada um dos seus respectivos poços (Veja o exemplo da ordem reações na microplaca ELISA). Incuba a microplaca (sem cobri-la e nem agitá-la) durante 1 hora na temperatura ambiente. poços da placa (1 min. por vez.) com 250 µl da solução B. 4ª ETAPA Adicione 100 µl da Solução E (anticorpos secundário com HRP) em cada poço da microplaca. Incuba a microplaca cuidadosamente (sem cobri-la e nem agitá-la) durante 30 minutos na temperatura ambiente. poços (1 min. por vez) com 250 µl da solução B. 5ª ETAPA Adicione 100 µl do TMB One Substrate em cada poço da microplaca. Incuba a microplaca (sem cobri-la e nem agitá-la) durante precisamente 15 minutos na temperatura ambiente. 6ª ETAPA Adicione 100 µl de ácido sulfúrico 1M (Sulphuric Acid) em cada poço da microplaca. Coloque a microplaca num leitor (espectrofotômetro) de ELISA e leia o resultado de absorbência da reação dentro de 10 minutos. Calcule o resultado final da 620 absorbância encontrando o valor delta da densidade ótica OD ( OD= DO OD 450 ), isso é subtraia o valor de DO do valor de DO 650.

5 Calculação dos Resultados A equação de regressão da curva é usada para calcular a concentração de anticorpos IgG contra a toxina pertussis em amostra de paciente, baseando-se para isso no valor delta de densidade ótica ( DO) onde DO = OD DO 450. O ponto de corte (cut-off) de 75 UI/ml pode ser usado se não houver nenhum critério de valor especifico determinado no país. Exemplo da construção de uma curva padrão Um exemplo dos valores padrão de DO e da concentração correspondente em unidade internacional por ml (UI/ ml) pode ser os seguintes: Soro Padrão Concentracão DO 1) 1: ,5 1,43 2) 1: ,75 0,87 3) 1: ,88 0,5 4) 1: ,94 0,3 A curva padrão com a concentração como uma função de DO é mostrada abaixo. A linha de regressão dos pontos deve ser linear, a qual é encontrada usando a linha de tendência (UI/mL = A*OD^B). Concentrações devem ser calculadas usando a equação de regressão em vez da curva padrão gráfica. Standard curve (example) IU/mL y = 103,17x 1,3225 R² = 0, , OD Interpretações dos Resultados Os resultados são válidos se os valores do coeficiente de variância (CV%) em amostras duplicadas forem menores que 20%. Todavia valores de CV% maiores que 20% são aceitos se a diferença entre as amostras duplicadas forem menores que 0,05 de DO. Resultados com valores de DO acima de 2,0 ou abaixo de 0,1 estão fora do âmbito da curva padrão linear logarítmica, esses valores devem consequentemente ser interpretados como maiores que ou menores que correspondentes aos valores de UI/ml da curva padrão a esses dois valores de DO mencionados. Os pontos de corte (cut-off) usados na Dinamarca são: 75 UI/mL: Positivo para a infecção com B. pertussis 50 e < 75 UI/mL: Indeterminado < 50 UI/mL: Negativo Referencias bibliográficas Guiso, N., G. Berbers, N. K. Fry, Q. He, M. Riffelmann, and C. H. Wirsing von König. What to do and what not to do in serological diagnosis of pertussis: recommendations from EU reference laboratories. Eur J Clin Microbiol Infect Dis Mar;30(3): Dalby T, Seier-Petersen M, Kristiansen MP, Harboe ZB, Krogfelt KA. Problem solved: a modified enzyme-linked immunosorbent assay for detection of human antibodies to pertussis toxin eliminates false-positive results occurring at analysis of heat-treated sera. Diagn Microbiol Infect Dis Apr;63(4):354-60

6 Armazenamento e Prazo de Validade Os seguintes produtos: HRP Rabbit Anti-Human IgG, TMB-One Substrate, Coating Buffer, Human Antiserum e o Pertussis Toxin (PT) devem ser guardados na temperatura de refrigeração 2 C a 8 C. Os outros produtos de reagentes podem ser guardados em temperatura ambiente. O prazo de validade está impresso na embalagem. Advertencia: O B.pertussis IgG-PT ELISA kit não deve ser congelado. O kit de teste de ELISA para Bordetella pertussis IgG-PT deve ser descartado, se congelado. Certificado de Qualidade Os nossos produtos têm alta qualidade, eles são certificados de acordo com DS/EN ISO e DS/EN 9001, têm o certificado dinamarquês de qualidade para dispositivos médicos (DGM) e o rótulo de qualidade da União Europeia (CE). Informação e Solicitação dos Produtos Para solicitar os produtos contate, por gentileza, um dos nossos distribuidores no seu país ou visite o nosso web site: Para informações adicionais, por favor, nos contate: Statens Serum Institut SSI Diagnostica Herredsvejen Hillerød Dinamarca T F shop.ssi.dk 1ª Edição Agosto Based on 2 nd Edition. August

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado

Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche. Andréa Calado Detecção de IL-1 por ELISA sanduíche Andréa Calado andreabelfort@hotmail.com ELISA O teste identifica e quantifica Ag ou Ac, utilizando um dos dois conjugados com enzimas; PRINCIPAIS TIPOS: INDIRETO:

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 5 Teste ELISA para o VIH PAULO SANTOS 2006 1 OBJECTIVOS Consolidar conhecimentos relativos

Leia mais

Imunoensaios no laboratório clínico

Imunoensaios no laboratório clínico Imunoensaios no laboratório clínico Onde pesquisamos Ag e Ac?? Imunoensaios detecção e quantificação de antígeno e anticorpo: Doenças infecciosas: diagnóstico da doença diferenciação da fase da doença

Leia mais

RIDASCREEN Taenia solium IgG

RIDASCREEN Taenia solium IgG RIDASCREEN Taenia solium IgG N.º do art.: K7721 R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 61 51 81 02-0 / Fax: +49 61 51 81 02-20 1. Finalidade Para diagnóstico in

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

Zika/Dengue TRIO ECO Teste

Zika/Dengue TRIO ECO Teste Zika/Dengue TRIO ECO Teste Porque precisamos utilizar o TRIO Zika/Dengue Ab/Ag ECO Teste? A homologia da proteína do vírus Zika e Dengue está entre 53-58%, de modo que o teste sorológico Zika pode apresentar

Leia mais

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links.

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links. Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Apresentação de conceitos e suas relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio

Leia mais

Waaler Rose FR. CÓD A: 100 determinações CÓD A: 2,5ml de hemácias* WAMA Diagnóstica

Waaler Rose FR. CÓD A: 100 determinações CÓD A: 2,5ml de hemácias* WAMA Diagnóstica MS 10310030070 MS 103100300097* Waaler Rose FR Kit para pesquisa de fator reumatóide em amostras de soro, usando hemácias de carneiro, sensibilizadas com IgG de soro de coelho, anti-hemácias de carneiro,

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia

2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia 1. Sinonímia: Fator reumatoide, FR, Látex 2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica Diagnósticos para determinação quantitativa in vitro dos fatores reumatóides

Leia mais

IMMUVIEW TESTE DE ANTIGÉNIO URINÁRIO PARA S. PNEUMONIAE E L. PNEUMOPHILA

IMMUVIEW TESTE DE ANTIGÉNIO URINÁRIO PARA S. PNEUMONIAE E L. PNEUMOPHILA IMMUVIEW TESTE DE ANTIGÉNIO URINÁRIO PARA S. PNEUMONIAE E L. PNEUMOPHILA português Para otras lenguas Para outras linguas Für andere Sprachen Pour d autres langues Per le altre lingue For andre språk Для

Leia mais

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA?

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA? Roteiro Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Apresentação de conceitos e suas inter relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio Gregori Laboratório de Biologia Molecular Aplicada

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Para que isolar microrganismos? - Conhecer os diferentes tipos microbianos

Leia mais

KIT DE TESTE DE ELISA PARA PSEUDOMONAS CF- IgG

KIT DE TESTE DE ELISA PARA PSEUDOMONAS CF- IgG SSI PSEUDOMONAS-CF-IGG ELISA KIT For the quantitative measurement of the antibody level to P. aeruginosa in human serum samples for in vitro diagnostic use KIT DE TESTE DE ELISA PARA PSEUDOMONAS CF- IgG

Leia mais

Distribuidor Exclusivo Beacon Analytical Systems Inc. MICROCISTINA PLACA. Cat # Procedimentos de Análise

Distribuidor Exclusivo Beacon Analytical Systems Inc. MICROCISTINA PLACA. Cat # Procedimentos de Análise MICROCISTINA PLACA Cat # 20-0068 Procedimentos de Análise Rev. 30/10/2014 PÁGINA EM BRANCO Rev. 30/10/2014 INSTRUÇÕES DE ANÁLISE Introdução KIT BEACON MICROCISTINA PLACA O Kit Beacon Microcistina - Placa

Leia mais

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Responsável Prof. Helio J. Montassier

Imunocromatografia e Dot-ELISA. Responsável Prof. Helio J. Montassier Imunocromatografia e Dot-ELISA Responsável Prof. Helio J. Montassier IMUNOCROMATOGRAFIA A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo

Leia mais

RIDASCREEN Chlamydia IgG/IgM

RIDASCREEN Chlamydia IgG/IgM RIDASCREEN Chlamydia IgG/IgM N.º do art.: KGM3101 R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 61 51 81 02-0 / Fax: +49 61 51 81 02-20 1. Finalidade Para diagnóstico

Leia mais

Protocolo para a determinação da atividade da ECA

Protocolo para a determinação da atividade da ECA Protocolo para a determinação da atividade da ECA O ensaio, para a medida da atividade proteolítica da enzima conversora de angiotensina I (ECA-I), empregando os substratos FRET Abz_FRK(Dnp)P-OH, Abz-

Leia mais

RIDASCREEN Leishmania Ab

RIDASCREEN Leishmania Ab RIDASCREEN Leishmania Ab N.º do art: K 7121 R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Germany Tel.: +49 (0) 6151 8102-0 / Telefax: +49 (0) 6151 8102-20 1. Finalidade Para diagnóstico

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

Art. Nº: K5121 (IgG) K5131 (IgM)

Art. Nº: K5121 (IgG) K5131 (IgM) RIDASCREEN HSV 1 IgG, IgM Art. Nº: K5121 (IgG) K5131 (IgM) R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 (0) 61 51 81 02-0 / Telefax: +49 (0) 61 51 81 02-20 1. Área de

Leia mais

Manual do flocktype Mycoplasma Mg Ab

Manual do flocktype Mycoplasma Mg Ab Agosto de 2013 Manual do flocktype Mycoplasma Mg Ab 2 (ref.ª 274502) 5 (ref.ª 274503)* 1 Para a detecção de anticorpos de Mycoplasma gallisepticum Registado em conformidade com 17c da Lei Alemã relativa

Leia mais

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Aula Prática Demonstrativa: Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Introdução Profa. Cristina MED- 2017 Detecção de anticorpos (diagnóstico sorológico) Exemplo: detecção de anticorpos em jovem

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

L 336/36 Jornal Oficial da União Europeia

L 336/36 Jornal Oficial da União Europeia L 336/36 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 15 de Dezembro de 2009 que altera o anexo D da Directiva 64/432/CEE do Conselho no que se refere aos testes para diagnóstico

Leia mais

Componentes 1. MCPL MICROPLACA: 5 microplacas de 12 x 8 pocinhos revestidos com antígeno de rubéola desativado. Pocinhos separáveis individualmente.

Componentes 1. MCPL MICROPLACA: 5 microplacas de 12 x 8 pocinhos revestidos com antígeno de rubéola desativado. Pocinhos separáveis individualmente. LER ALTERAÇÕES DESTACADAS bioelisa RUBELLA IgG colour 3000-1219 480 tests Teste de ELISA para a detecção qualitativa e quantitativa de anticorpos IgG anti-rubéola em soro humano. Sumário A rubéola, ou

Leia mais

Manual do pigtype Yersinia Ab

Manual do pigtype Yersinia Ab Julho de 2013 Manual do pigtype Yersinia Ab 1 (ref.ª 273801) 5 (ref.ª 273803)* 20 (ref.ª 273805)* 1 Para a detecção de anticorpos de Yersiniae patogénica Registado em conformidade com 17c da Lei Alemã

Leia mais

GLICOSE - JEJUM Material: Soro Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO:

GLICOSE - JEJUM Material: Soro Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO: Pag.: 1 de 9 GLICOSE - JEJUM Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO: 96 mg/dl 60 a 99 mg/dl Resultados Anteriores: 53[1/8/2013]; 71[9/12/2012]; 80[3/3/2012]; 74[17/5/2011]; 81[17/11/2006];

Leia mais

Reações de Aglutinação e Precipitação

Reações de Aglutinação e Precipitação Reações de Aglutinação e Precipitação Pesquisa e quantificação de antígeno (Ag) e anticorpo (Ac) Dosagem de hormônios (T3, T4, TSH, etc.) e drogas Diagnóstico e acompanhamento de doenças infecciosas (pesquisa

Leia mais

2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia

2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia 1. Sinonímia: HIV triagem, HIV teste rápido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos/biomédicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica Utilizado para investigar a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana.

Leia mais

Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Z O O N O S E S E A D M I N I S T R A Ç Ã O S A N I T Á R I A E M S A Ú D E P Ú B L I C A LEPTOSPIROSE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 1. PESQUISA DIRETA DE ESPIROQUETA Urina / Soro / LCR Visualização de espiroquetas

Leia mais

PRÁTICA: ANÁLISES CLÍNICAS - COLESTEROL TOTAL E COLESTEROL HDL PARTE A - DOSAGEM BIOQUÍMICA DE COLESTEROL TOTAL (CT)

PRÁTICA: ANÁLISES CLÍNICAS - COLESTEROL TOTAL E COLESTEROL HDL PARTE A - DOSAGEM BIOQUÍMICA DE COLESTEROL TOTAL (CT) CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA Profas. Roziana Jordão e Alexandra Salgueiro PRÁTICA: ANÁLISES CLÍNICAS - COLESTEROL TOTAL E COLESTEROL HDL I Objetivos Determinar colesterol total

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

APOSTILA DO CURSO PRÁTICO DE VIROLOGIA ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA) Cláudia Lamarca Vitral Prof. Adjunto de Virologia

APOSTILA DO CURSO PRÁTICO DE VIROLOGIA ENSAIO IMUNOENZIMÁTICO (ELISA) Cláudia Lamarca Vitral Prof. Adjunto de Virologia APOSTILA DO CURSO PRÁTICO D VIROLOGIA NSAIO IMUNONZIMÁTICO (LISA) Cláudia Lamarca Vitral Prof. Adjunto de Virologia DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS VIROSS O diagnóstico de certeza de um processo infeccioso

Leia mais

Toxotest IgG ELISA (+Avidity)

Toxotest IgG ELISA (+Avidity) Toxotest IgG ELISA (+Avidity) Ensaio imunoenzimático (ELISA) para a detecção de anticorpos IgG anti-toxoplasma gondii e avidez SIGNIFICADO CLÍNICO A toxoplasmose é uma doença infecciosa do homem e dos

Leia mais

Monitoria Sorológica em Matrizes de Corte e Postura Comercial

Monitoria Sorológica em Matrizes de Corte e Postura Comercial Monitoria Sorológica em Matrizes de Corte e Postura Comercial Obiratã Rodrigues Méd Vét. MSc MercoLab Garibaldi bira@mercolab.com.br Porto Alegre, 22 de novembro de 2016. Conhecer para Diagnosticar Etiologia

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Infecções Respiratórias Bacterianas Pesquisa de antígenos urinários Caio Mendes Consultor Médico em Microbiologia i Clínica Grupo de Consultoria em

Leia mais

Componentes 1. MCPL MICROPLACA: 12 x 8 pocinhos recobertos com anticorpos de coelho anti-igm humana. Pocinhos separáveis individualmente.

Componentes 1. MCPL MICROPLACA: 12 x 8 pocinhos recobertos com anticorpos de coelho anti-igm humana. Pocinhos separáveis individualmente. LER ALTERAÇÕES DESTACADAS bioelisa RUBELLA IgM (Immunocapture) 3000-1231 96 tests Teste de ELISA para a detecção de anticorpos IgM anti-rubéola em soro ou plasma humano. Sumário A rubéola, ou sarampo alemão,

Leia mais

ANEXOS ANEXO I. Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8

ANEXOS ANEXO I. Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8 ANEXOS ANEXO I Cálculos para a Preparação de Solução Tampão de Fosfato de Potássio 0,1 M, p.h. 6,8 M(K 2 HPO 4 ) = 174,18 g/mol M(KH 2 PO 4 )=136,09 g/mol Cálculo do número de mol n necessário para a realização

Leia mais

CentoCard. Simplifica a sua logística Cartão-filtro para a coleta de amostras de pacientes

CentoCard. Simplifica a sua logística Cartão-filtro para a coleta de amostras de pacientes CentoCard Simplifica a sua logística Cartão-filtro para a coleta de amostras de pacientes CentoCard Simpliica a sua logística Cartão-iltro para a coleta de amostras de pacientes Enviar amostras biológicas

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412/0413 ary@ibb.unesp.br

Leia mais

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS LER ALTERAÇÕES DESTACADAS bioelisa RUBELLA IgG 3000-1215 96 tests Teste de ELISA para a detecção qualitativa e quantitativa de anticorpos IgG anti-rubéola em soro ou plasma humano. Sumário A rubéola, ou

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM

HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM HIV 1 E 2 - ANTICORPOS - CLIA - TESTE DE TRIAGEM Material...: Método...: Soro Quimioluminescência - Imunoensaio de 4ª geração Leitura...: 0,13 Não reagente: Inferior a 1,00 Reagente...: Superior ou igual

Leia mais

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Conteúdo TIORIDAZINA - ALTERAÇÃO DO VALOR DE REFERÊNCIA... 2 TOXOPLASMOSE IgG, ANTICORPOS (ELFA) - ALTERAÇÃO DE... 3 RUBÉOLA IgG e IgM, ANTICORPOS ANTI (ELFA)

Leia mais

PAULO EDUARDO BRANDÃO, PhD DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA E SAÚDE ANIMAL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE

PAULO EDUARDO BRANDÃO, PhD DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA E SAÚDE ANIMAL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE PAULO EDUARDO BRANDÃO, PhD DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA E SAÚDE ANIMAL FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 1. DEFINIÇÃO 2. PRINCÍPIO 3. APLICAÇÕES

Leia mais

Manual do pigtype Trichinella Ab

Manual do pigtype Trichinella Ab Junho de 2013 Manual do pigtype Trichinella Ab 1 (ref.ª 273501) 5 (ref.ª 273503) 20 (ref.ª 273505)* Kit multi-espécie ELISA para detecção de anticorpos contra as spp. Trichinella. Registado em conformidade

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL

MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL MF-0419.R-1 - MÉTODO COLORIMÉTRICO DE DETERMINAÇÃO DE CIANETO TOTAL Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0042 de 04 de janeiro de 19. Publicado no DOERJ de 16 de março de 1979. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

VACINA ADSORVIDA DIFTERIA, TÉTANO, PERTUSSIS E HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA)

VACINA ADSORVIDA DIFTERIA, TÉTANO, PERTUSSIS E HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA) VACINA ADSORVIDA DIFTERIA, TÉTANO, PERTUSSIS E HAEMOPHILUS INFLUENZAE B (CONJUGADA) INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM IMUNOBIOLÓGICOS BIO- MANGUINHOS / FIOCRUZ PÓ LIOFILIZADO INJETÁVEL+ SUSPENSÃO INJETÁVEL 5

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

REAÇÃO SOROLÓGICA ANTÍGENOS, OS ANTICORPOS E ELEMENTOS DE UMA REAÇÃO SOROLÓGICA ANTICORPO: MOLÉCULA GLICOPROTEICA (SEMPRE SOLÚVEL) ANTÍGENO

REAÇÃO SOROLÓGICA ANTÍGENOS, OS ANTICORPOS E ELEMENTOS DE UMA REAÇÃO SOROLÓGICA ANTICORPO: MOLÉCULA GLICOPROTEICA (SEMPRE SOLÚVEL) ANTÍGENO CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O USO DE REAÇÕES SOROLÓGICAS NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SOROLOGIA Proteína x Proteína Especificidade Antígeno Anticorpo BIOLOGIA MOLECULAR A. Nucléico x A. Nucléico

Leia mais

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche.

Contagem eletrônica automatizada realizada em equipamento Sysmex XE-D 2100 Roche. HEMOGRAMA COMPLETO ERITROGRAMA Eritrócitos : 3,24 milhões/mm3 3,9-5,03 Hemoglobina : 11,2 g/dl 12,0-15,5 Hematócrito : 32,8 % 34,9-44,5 VCM : 101,2 fl 81,6-98,3 HCM : 34,6 pg 26,0-34,0 CHCM : 34,1 % 31,0-36,0

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta GLICOSE Resultado: 77 mg/dl 70 a 99 mg/dl Método: Enzimático Material: Soro Resultado(s) Anterior(es) Em 28/04/12: 90 HEMOGLOBINA GLICADA Resultado HbA1c: 5,0 % Não diabéticos: De 4 a 6% Bom controle :

Leia mais

Ficha de protocolo do QIAsymphony SP

Ficha de protocolo do QIAsymphony SP Fevereiro de 2017 Ficha de protocolo do QIAsymphony SP circdna_2000_dsp_v1 e circdna_4000_dsp_v1 Este documento é a ficha de protocolo do QIAsymphony circdna_2000_dsp_v1 e circdna_4000_dsp_v1, versão 1,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Padrões Moleculares Helix Elite USO PRETENDIDO RESUMO E EXPLICAÇÃO PRINCÍPIOS COMPOSIÇÃO

INSTRUÇÕES DE USO. Padrões Moleculares Helix Elite USO PRETENDIDO RESUMO E EXPLICAÇÃO PRINCÍPIOS COMPOSIÇÃO INSTRUÇÕES DE USO Padrões Moleculares Helix Elite USO PRETENDIDO Os Padrões Moleculares sintéticos Helix Elite devem ser utilizados como material de controle positivo em aplicações moleculares. RESUMO

Leia mais

REDE LABORATORIAL DE DENGUE

REDE LABORATORIAL DE DENGUE Capacitação em Eventos REDE LABORATORIAL Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde DE DENGUE 23 e 24 de junho de 2010 CGLAB/SVS/MS Vanessa.porto@saude.gov.br

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR Rh VDRL. ANTÍGENO p24 e ANTICORPOS ANTI HIV1 + HIV2. Grupo Sanguíneo: "O" Fator Rh: Positivo. Resultado: Não Reagente

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR Rh VDRL. ANTÍGENO p24 e ANTICORPOS ANTI HIV1 + HIV2. Grupo Sanguíneo: O Fator Rh: Positivo. Resultado: Não Reagente GRUPO SANGUÍNEO e FATOR Rh Grupo Sanguíneo: "O" Fator Rh: Positivo Método: Aglutinação Material: Sangue Edta Exame assinado por Dr. Mauricio Carvalho Campos CRBM 0600 em 27/06/2013 às 17:54h VDRL Não Reagente

Leia mais

Imunologia Aplicada. Sorologia

Imunologia Aplicada. Sorologia Imunologia Aplicada Sorologia Importância da pesquisa de Anticorpos no diagnóstico individual 1. Elucidar processos patológicos 2. Diferenciar a fase da doença 3. Diagnosticar doença congênita 4. Selecionar

Leia mais

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO

CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO CATÁLOGO DE KITS DE EXTRAÇÃO KITS DE EXTRAÇÃO BIOPUR A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GARANTIA DA QUALIDADE EM IMUNOHEMATOLOGIA Dra. Carla D. Chaves Gestora de Processos Hematologia DASA Auditora Na abordagem do sistema de qualidade

Leia mais

RIDASCREEN Entamoeba histolytica IgG

RIDASCREEN Entamoeba histolytica IgG RIDASCREEN Entamoeba histolytica IgG N.º do art.: K1721 R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 61 51 81 02-0 / Fax: +49 61 51 81 02-20 1. Finalidade Para diagnóstico

Leia mais

ZytoDot CEN 7 Probe. Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 7 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH)

ZytoDot CEN 7 Probe. Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 7 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH) ZytoDot CEN 7 Probe C-3008-400 40 (0,4 ml) Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 7 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH).... Para utilização em diagnóstico in vitro em conformidade

Leia mais

Catálogo de Kits de Extração

Catálogo de Kits de Extração Catálogo de Kits de Extração Kits de Extração Biopur A extração de DNA é o primeiro passo para diferentes procedimentos na Biologia Molecular. Este processo é parte fundamental para se obter alta eficiência

Leia mais

ZytoDot. Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 17 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH)

ZytoDot. Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 17 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH) ZytoDot CEN 17 Probe C-3006-400 40 (0,4 ml) Para a deteção dos satélites alfa humanos do cromossoma 17 por meio de hibridação in situ cromogénica (CISH).... Para utilização em diagnóstico in vitro em conformidade

Leia mais

N do art.: K6021 (IgG) K6031 (IgM)

N do art.: K6021 (IgG) K6031 (IgM) RIDASCREEN Parvovirus B19 IgG, IgM N do art.: K6021 (IgG) K6031 (IgM) R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 61 51 81 02-0 / Fax: +49 61 51 81 02-20 1. Finalidade

Leia mais

Antes de iniciar o procedimento, preparar o Tampão de Lise: adicionar 1 ml da solução MI2 ao tubo com Lisozima e agitar brevemente.

Antes de iniciar o procedimento, preparar o Tampão de Lise: adicionar 1 ml da solução MI2 ao tubo com Lisozima e agitar brevemente. 90043-50 Kit de Extração EliGene MTB Instruções de Uso USO PRETENDIDO O «Kit de Extração EliGene MTB» é destinado ao isolamento do DNA de espécies de Mycobacterium e eventualmente de outros organismos

Leia mais

Instrutivo de Uso. NCPanaftosa - Prova Triagem Bovino

Instrutivo de Uso. NCPanaftosa - Prova Triagem Bovino Saúde Pública Veterinária Centro Pan-Americano de Febre Aftosa Instrutivo de Uso NCPanaftosa - Prova Triagem Bovino Kit diagnóstico para detecção de anticorpos contra proteínas não capsidais do Vírus da

Leia mais

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Análise de dados (P1 e P2)

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Análise de dados (P1 e P2) QBQ 0316 Bioquímica Experimental Carlos Hotta Análise de dados (P1 e P2) 26/08/2016 Análise de resultados P2 Passo 1: calcular massa de glicose em cada pocinho 5 µmol glicose 1000 µl 5000 nmol glicose

Leia mais

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Conteúdo MYCOPLASMA PNEUMONIAE, PCR - ALTERAÇÃO NO EXAME... 2 SARAMPO IgG, MATERIAIS LÍQUOR E SANGUE - ALTERAÇÃO DE VALOR DE REFERÊNCIA... 3 SARAMPO IgM, MATERIAIS

Leia mais

Dako REAL Detection System, Peroxidase/DAB+, Rabbit/Mouse

Dako REAL Detection System, Peroxidase/DAB+, Rabbit/Mouse Dako REAL Detection System, Peroxidase/DAB+, Rabbit/Mouse Referência K5001 6ª edição Para utilização com os instrumentos de imuno-coloração automatizados Dako. O kit contém reagentes suficientes para 500

Leia mais

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas Detecção de proteínas Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas A detecção e quantificação de uma proteína através de espectrofotometria se baseia nas propriedades de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA

EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA 1. OBJETIVOS No final desta experiência espera-se que o aluno seja capaz de: Determinar pontos de fusões usando o método gráfico da curva de resfriamento.

Leia mais

PESQUISA DE ANTICORPOS IgM ANTI-TOXOPLASMA GONDII POR MEIO DE TÉCNICA IMUNOENZIMÁTICA REVERSA RESUMO

PESQUISA DE ANTICORPOS IgM ANTI-TOXOPLASMA GONDII POR MEIO DE TÉCNICA IMUNOENZIMÁTICA REVERSA RESUMO PESQUISA DE ANTICORPOS IgM ANTI-TOXOPLASMA GONDII POR MEIO DE TÉCNICA IMUNOENZIMÁTICA REVERSA José Roberto MINEO (*). Mário Endsfeldz CAMARGO, Antonio Walter FERREIRA e Gastão ALMEIDA. RESUMO Um teste

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

RIDASCREEN Borrelia IgG, IgM

RIDASCREEN Borrelia IgG, IgM RIDASCREEN Borrelia IgG, IgM N. do art.: K3221 (IgG) K3231 (IgM) R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Telefone: +49 (0) 61 51 81 02-0 / Fax: +49 (0) 61 51 81 02-20 1.

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS LER ALTERAÇÕES DESTACADAS bioelisa HBsAg 3.0 3000-1158 96 tests 3000-1159 480 tests Teste de ELISA para a detecção do antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg) em soro ou plasma humano para ser utilizado

Leia mais

FLUOROQUENCH AO/EB. Reagente Corante Fixador. Instruções de Uso. Fluoroquench AO-EB 500 ml

FLUOROQUENCH AO/EB. Reagente Corante Fixador. Instruções de Uso. Fluoroquench AO-EB 500 ml FLUOROQUENCH AO/EB Reagente Corante Fixador Instruções de Uso APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Código FQAE-100 FQAE-500 Descrição Fluoroquench AO-EB 100 ml Fluoroquench AO-EB 500 ml USO PRETENDIDO Esse reagente

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

N do art.: K2811 (IgA) K2821 (IgG) K2831 (IgM)

N do art.: K2811 (IgA) K2821 (IgG) K2831 (IgM) RIDASCREEN Chlamydophila pneumoniae N do art.: K2811 (IgA) K2821 (IgG) K2831 (IgM) R-Biopharm AG, An der neuen Bergstraße 17, D-64297 Darmstadt, Alemanha Tel.: +49 61 51 81 02-0 / Fax: +49 61 51 81 02-20

Leia mais

Manual do flocktype Salmonella Ab

Manual do flocktype Salmonella Ab Agosto de 2013 Manual do flocktype Salmonella Ab 2 (ref.ª 275702) 5 (ref.ª 275703)* 1 Para a detecção de anticorpos de Salmonella enteritidis e de Salmonella typhimurium Registado em conformidade com 17c

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PROTEÍNAS TRANSMEMBRANA DE Mycoplasma hyopneumoniae PARA SORODIAGNÓSTICO DA PNEUMONIA ENZOÓTICA SUÍNA

UTILIZAÇÃO DE PROTEÍNAS TRANSMEMBRANA DE Mycoplasma hyopneumoniae PARA SORODIAGNÓSTICO DA PNEUMONIA ENZOÓTICA SUÍNA UTILIZAÇÃO DE PROTEÍNAS TRANSMEMBRANA DE Mycoplasma hyopneumoniae PARA SORODIAGNÓSTICO DA PNEUMONIA ENZOÓTICA SUÍNA PAGLIARINI, R. L. 1* ; MARCHIORO, S.B. 1 ; SIMIONATTO, S. 1 ; BRUM, C.B. 1 ; GALLI, V.

Leia mais

TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA

TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA Titulação Procedimento analítico, no qual a quantidade desconhecida de um composto é determinada através da reação deste com um reagente padrão ou padronizado. Titulante

Leia mais

QUANTA Lite ACA IgM III Para Diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada

QUANTA Lite ACA IgM III Para Diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada QUANTA Lite ACA IgM III 708630 Para Diagnóstico In Vitro Complexidade CLIA: Elevada Aplicação diagnóstica QUANTA Lite ACA IgM (HRP) é um ensaio imunoenzimático (ELISA) para a detecção semi-quantitativa

Leia mais

RIDASCREEN Spec. IgG Foodscreen

RIDASCREEN Spec. IgG Foodscreen RIDASCREEN Spec. IgG Foodscreen Referência: A8020 RIDASCREEN Spec. IgG Foodscreen Reagents Pertence a: Referência: A0301 RIDASCREEN Spec. IgG Foodscreen Allergens Customized Plate Referência: A8021 RIDASCREEN

Leia mais

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551

ELISA PeliClass human IgG subclass kit REF M1551 Sanquin Reagents Plesmanlaan 5 0 CX Amsterdam The Netherlands Phone: +.0.5.599 Fax: +.0.5.570 Email: reagents@sanquin.nl Website: www.sanquinreagents.com M55/ November 007 ELISA PeliClass human IgG subclass

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

INSTRUINSTRUÇÕES DE USO

INSTRUINSTRUÇÕES DE USO INSTRUINSTRUÇÕES DE USO Micro-organismos Epower USO PRETENDIDO Os micro-organismos Epower são preparações de micro-organismos liofilizadas e quantitativas para serem utilizadas em laboratórios industriais

Leia mais

PRODUÇÃO DE ANTICORPOS POLICLONAIS ANTI-RICINA*

PRODUÇÃO DE ANTICORPOS POLICLONAIS ANTI-RICINA* PRODUÇÃO DE ANTICORPOS POLICLONAIS ANTI-RICINA* Roselayne Ferro Furtado 1 ; Rosa Amália Fireman Dutra 2 ; Carlucio Roberto Alves 3 ; Maria Izabel Florindo Guedes 3 ; Mayrla Rocha Lima 3 ; Vitor Paulo Andrade

Leia mais

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS

LER ALTERAÇÕES DESTACADAS LER ALTERAÇÕES DESTACADAS bioelisa CMV colour 2.0 3000-1249 96 tests 3000-1250 480 tests Teste de ELISA para a detecção de anticorpos contra Citomegalovírus em soro ou plasma humano. Sumário O Citomegalovírus

Leia mais

Leite desnatado (bovino - origem: EUA)

Leite desnatado (bovino - origem: EUA) INSTRUÇÕES DE USO microorganismos EZ-Accu Shot INDICAÇÃO DE USO Os microorganismos EZ-Accu Shot são preparados de microorganismos enumerados liofilizados a serem utilizados em laboratórios industriais

Leia mais