ESTRUTURA DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE (NBC S) DO CFC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE (NBC S) DO CFC"

Transcrição

1 PERÍCIA CONTÁBIL SUMÁRIO Perícia (Conceito; Fundamentos éticos e teóricos; Espécies; Objetivo; Formalização; Procedimentos; Prazo de conclusão); Perito (Requisitos para atuar como perito; Classificação; Competências, deveres, limites e vedações; Impedimentos e suspeição;responsabilidade administrativa, civil e criminal) Laudo ou parecer pericial (Requisitos: preâmbulo, histórico, método e técnica, discussão, fundamentação, conclusão, data, assinatura;proibições) Estudo de casos. ESTRUTURA DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE (NBC S) DO CFC As normas brasileiras de contabilidade compreendem: Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 1

2 NORMAS TÉCNICAS E PROFISSIONAIS CÓDIGO DE ÉTICA NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE Contabilidade Auditoria e Asseguração Auditoria Interna Perícia Profissionais NBC PG Normas Profissionais do Auditor Independente Normas Profissionais do Auditor Interno Normas Profissionais do perito NBC PA NBC PI NBC PP Técnicas NBC NBC NBC NBC NBC NBC NBC TS TSP TE TA TR TO TSC NBC TI NBC TP NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICA As Normas Brasileiras de Contabilidade Profissionais se estruturam conforme segue: Geral - NBC PG - são as normas gerais aplicadas aos profissionais da área contábil; do Auditor Independente - NBC PA - são aplicadas especificamente aos contadores que atuem como auditor independente; do Auditor Interno - NBC PI - são aplicadas especificamente aos contadores que atuem como auditor interno; do Perito - NBC PP - são aplicadas especificamente aos contadores que atuem como perito contábil. As Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas se estruturam conforme segue: Societária - NBC TS - são as Normas Brasileiras de Contabilidade convergentes com as Normas Internacionais; do Setor Público - NBC TSP - são as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas ao Setor Público, convergentes com as Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público; Específica - NBC TE - são as Normas Brasileiras de Contabilidade que não possuem Norma Internacional correspondente, observando as NBC TS; de Auditoria Independente de Informação Contábil Histórica - NBC TA - são as Normas Brasileiras de Auditoria convergentes com as Normas Internacionais de Auditoria Independente (ISAs) emitidas pela Federação Internacional de Contadores (IFAC); de Asseguração de Informação Não Histórica - NBC TO - são as Normas Brasileiras de Asseguração convergentes com as Normas Internacionais de Asseguração (ISAEs), emitidas pela IFAC; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 2

3 de Serviço Correlato - NBC TSC - são as Normas Brasileiras para Serviços Correlatos convergentes com as Normas Internacionais para Serviços Correlatos (ISRSs) emitidas pela IFAC; de Auditoria Interna - NBC TI - são as Normas Brasileiras aplicadas aos trabalhos de auditoria interna; de Perícia - NBC TP - são as Normas Brasileiras aplicadas aos trabalhos de perícia. INTRODUÇÃO Funções Contábeis: A função primeira da contabilidade é a INFORMAÇÃO. A geração de informações Úteis. A informação gerada pela contabilidade engloba vários aspectos, que podem ser assim divididos: Administrativos; Técnico; Psicológico; Social; e, Profissional FUNÇÕES CONTÁBEIS As funções contábeis podem ser divididas basicamente em: A) Funções Fundamentais: A informação, sendo o objetivo e o resultado maior do estudo da contabilidade, pressupõe registro e acompanhamento escritural e descritivo. Isso entendido, temos que compreender que as funções fundamentais da contabilidade estão assim sub-divididas: Escritural, Expositiva e Interpretativa. B) Funções Complementares: São destinadas a elucidar ainda mais o registro básico, a apresentação sintetizada e análise efetuada. As funções complementares, para efeito de entendimento geral, podem ser subdivididas em: Administrativa, Revisora e Pericial. FUNÇÕES FUNDAMENTAIS Escritural Registro : A informação parte do registro inicial e é básica. Obedece a uma ordem de dados e datas, tudo relacionado ao patrimônio. Expositiva Demonstrativa: É a reprodução sintetizada destas informações tornase mais importante porque atesta um estado patrimonial Interpretativa Análise: A análise serve como testemunho real das informações sintetizadas, apresentando dados a respeito do presente, e dando base a conclusões futuras. FUNÇÕES COMPLEMENTARES Administrativa: Está ligada intrinsecamente a consecução dos atos e fatos objetivos fins da entidade, seja pela organização funcional ou mesmo gerencial. Traduz-se como o Controle Interno a ser mantido, e a colaboração entre os responsáveis pelas diversas atividades tidas dentro da empresa. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 3

4 Revisora: A contabilidade e a informação que se obtém dela tem de expressar a verdade. A função revisora serve para atestar a regularidade destas informações. É contínua e tem origem interna, podendo assumir diversos níveis, sob vários aspectos, dentre os quais citamos: administrativo, técnico psicológico, social, outros. Pericial: É esporádica. Solicitada para resolver litígios. Tem origem externa. Pressupõe-se já realizada a revisão. Meios de aplicação/observação e investigação da Função Revisora: Administrativo: Meio leal de se resguardar um direito e confirmar o que foi escrito e idealizado; Técnico: A valorização profissional através da expressa apresentação da verdade. A fidedignidade das informações é a base. Psicológico: A segurança e a capacidade profissional são espelhados neste aspecto, posto que é a valorização do seu trabalho. Social: Agrega todos os entes envolvidos, empresa, proprietários, idealizadores e entidades governamentais, fechando o círculo exigido pela sociedade. Profissional: A capacidade profissional é o espelho pra a revisão. Sem ela não se pode efetuar revisão séria, pois exige-se domínio do conteúdo e conhecimento profundo da matéria a ser revisada. PARALELO ENTRE AS FUNÇÕES REVISORA E PERICIAL Notem que há um paralelo entre a função revisora e a pericial, tanto nos aspectos técnico, legal, social psicológico e profissional. Aqui exige-se, igualmente a função revisora, total conhecimento do assunto, e outros conhecimentos: Administração,; Direito; Economia; Estatística; Computação. Comportamental. Outros. Existe hierarquia entre as funções? Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 4

5 HIERARQUIA E PRINCIPAIS PROCESSOS DISPOSITIVIOS LEGAIS SURGIMENTO E INSTITUCIONALIZAÇÃO DA PERÍCIA CPC Regras(Muito vagas); Lei Falimentar 7.661/45 Esclarece o papel do contador nas perícias contábeis; Dec /46 Regulamenta a Profissão Contábil; CPC - As perícias judiciais estão bem definidas, dentre elas a perícia contábil (5.869/73; 7270/84;8455/92;8952/94; 10358/01 E 10406/02). NBC TP 01; NBC PP A perícia é um meio de prova, admitida no Código de Processo Civil CPC, principal legado que serve de base para resolver questões e interesses conflitantes entre pessoas físicas e/ou jurídicas, portanto é uma Garantia constitucional! CONCEITOS Geral:...é o trabalho de notória especialização feito com o objetivo de obter prova ou opinião para orientar uma autoridade formal no julgamento de um fato. A perícia, num contexto geral, não é exclusividade de contadores, já que existem outras áreas especificas. Específicos: É o trabalho de notória especialização feito com o objetivo de obter prova ou opinião para orientar uma autoridade formal no julgamento de um fato área contábil. NBC TP 1: A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio, mediante laudo pericial contábil e/ou parecer pericial contábil, em Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 5

6 conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação específica no que for pertinente. NECESSIDADE DE FAZER PERÍCIA Sendo um meio de prova legalmente aceita, a perícia surge em decorrência da necessidade de se estabelecer certeza a respeito de temas, situações e estados alheios ao conhecimento de um ou mais indivíduos, decorrentes, principalmente, de imperfeições e inadequações: Erros Negligências Adulterações - Simulações -Fraudes Estas imperfeições e irregularidades são decorrentes de falhas humanas, mecânicas (etc.) que precisam ser perfeitamente esclarecidas e solucionadas através da melhor técnica e conhecimento. A necessidade pode surgir em pelo menos duas esferas: Extrajudicial; e, Judicial. Extrajudicial: Na esfera extrajudicial (administrativamente ou por arbitragem) pode ocorrer por solicitação individual, como por exemplo, um empresário que deseja saber se o seu Caixa reflete a situação verdadeira; Ou mesmo coletivamente, quando decorre de processos que visam sanar e aplicar o direito, convenções ou regras doutrinárias com o auxilio de um julgador/mediador não estatal. Judicial: Processa-se na esfera estatal, e decorre da necessidade de se obter CERTEZA JURIDICA a respeito de um fato(s): a) Que não é de domínio do julgador; e, b) Que geram interpretações diferentes; AUDITORIA x PERÍCIA (Vetor Certeza) Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 6

7 NORMA PROFISSIONAL APLICADA AO PERITO Perito é o Contador regularmente registrado em Conselho Regional de Contabilidade, que exerce a atividade pericial de forma pessoal, devendo ser profundo conhecedor, por suas qualidades e experiências, da matéria periciada. Perito-contador nomeado é o designado pelo juiz em perícia contábil judicial; contratado é o que atua em perícia contábil extrajudicial; e escolhido é o que exerce sua função em perícia contábil arbitral. Perito-contador assistente é o contratado e indicado pela parte em perícias contábeis, em processos judiciais e extrajudiciais, inclusive arbitral. COMPETÊNCIA TÉCNICO-PROFISSIONAL: Pressupõe ao perito manter adequado nível de conhecimento da ciência contábil, das Normas Brasileiras e Internacionais de Contabilidade, das técnicas contábeis, da legislação relativa à profissão contábil e aquelas aplicáveis à atividade pericial, atualizando-se, permanentemente, mediante programas de capacitação, treinamento, educação continuada e especialização. Para tanto, deve demonstrar capacidade para: Pesquisar, examinar, analisar, sintetizar e fundamentar a prova no laudo pericial contábil e no parecer pericial contábil. Realizar seus trabalhos com a observância da eqüidade significa que o peritocontador e o perito-contador assistente devem atuar com igualdade de direitos, adotando os preceitos legais e técnicos inerentes à profissão contábil. Habilitação profissional: O Perito deve comprovar sua habilitação profissional por intermédio da Declaração de Habilitação Profissional DHP, de que trata a Resolução CFC 871/2000. Educação continuada: O perito, no exercício de suas atividades, deve comprovar a sua participação em programa de educação continuada, na forma a ser regulamentada pelo Conselho Federal de Contabilidade. Independência: O perito deve evitar e denunciar qualquer interferência que possa constrangê-lo em seu trabalho, não admitindo, em nenhuma hipótese, subordinar sua apreciação a qualquer fato, pessoa, situação ou efeito que possam comprometer sua independência. Impedimento e Suspeição: São situações fáticas ou circunstanciais que impossibilitam o perito de exercer, regularmente, suas funções ou realizar atividade pericial em processo judicial ou extrajudicial, inclusive arbitral. Os itens explicita os conflitos de interesses motivadores dos impedimentos e das suspeições a que está sujeito o perito nos termos da legislação vigente e do Código de Ética Profissional do Contabilista. Impedimento Legal: O perito-contador nomeado ou escolhido deve se declarar impedido quando não puder exercer suas atividades com imparcialidade e sem qualquer interferência de terceiros, ou ocorrendo pelo menos uma das seguintes situações exemplificativas: (a) for parte do processo; (b) tiver atuado como perito contador contratado ou prestado depoimento como testemunha no processo; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 7

8 (c) tiver cônjuge ou parente, consangüíneo ou afim, em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau, postulando no processo ou entidades da qual esses façam parte de seu quadro societário ou de direção; (d) tiver interesse, direto ou indireto, mediato ou imediato, por si, por seu cônjuge ou parente, consangüíneo ou afim, em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau, no resultado do trabalho pericial; (e) exercer cargo ou função incompatível com a atividade de perito-contador, em função de impedimentos legais ou estatutários; (f) receber dádivas de interessados no processo; (g) subministrar meios para atender às despesas do litígio; e (h) receber quaisquer valores e benefícios, bens ou coisas sem autorização ou conhecimento do juiz ou árbitro. Impedimento Técnico: O impedimento por motivos técnicos a ser declarado pelo perito decorre da autonomia, estrutura profissional e da independência que devem possuir para ter condições de desenvolver de forma isenta o seu trabalho. São motivos de impedimento técnico: (a) a matéria em litígio não ser de sua especialidade; (b) constatar que os recursos humanos e materiais de sua estrutura profissional não permitem assumir o encargo; cumprir os prazos nos trabalhos em que o perito-contador for nomeado, contratado ou escolhido; ou em que o peritocontador assistente for indicado; (c) ter o perito-contador assistente atuado para a outra parte litigante na condição de consultor técnico ou contador responsável, direto ou indireto em atividade contábil ou em processo no qual o objeto de perícia seja semelhante àquele da discussão, sem previamente comunicar ao contratante. Suspeição: O perito-contador nomeado ou escolhido deve declarar-se suspeito quando, após, nomeado, contratado ou escolhido verificar a ocorrência de situações que venha suscitar suspeição em função da sua imparcialidade ou independência e, desta maneira, comprometer o resultado do seu trabalho em relação à decisão. Os casos de suspeição aos quais estão sujeitos o perito-contador são os seguintes: (a) ser amigo íntimo de qualquer das partes; (b) ser inimigo capital de qualquer das partes; (c) ser devedor ou credor em mora de qualquer das partes, dos seus cônjuges, de parentes destes em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau ou entidades das quais esses façam parte de seu quadro societário ou de direção; (d) ser herdeiro presuntivo ou donatário de alguma das partes ou dos seus cônjuges; (e) ser parceiro, empregador ou empregado de alguma das partes; (f) aconselhar, de alguma forma, parte envolvida no litígio acerca do objeto da discussão; e (g) houver qualquer interesse no julgamento da causa em favor de alguma das partes. Poderá ainda o perito declarar-se suspeito por motivo íntimo. NORMA PROFISSIONAL APLICADA AO PERITO Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 8

9 Sigilo: O perito, em obediência ao Código de Ética Profissional do Contabilista, deve respeitar e assegurar o sigilo do que apurar durante a execução de seu trabalho, proibida a sua divulgação, salvo quando houver obrigação legal de fazê-lo. O dever de sigilo subsiste mesmo na hipótese de o profissional se desligar do trabalho antes de tê-lo concluído. Em defesa de sua conduta técnica profissional, o perito-contador e o peritocontador-assistente deverão prestar esclarecimentos sobre o conteúdo do laudo pericial contábil ou do parecer pericial contábil, em atendimento a determinação do juiz ou árbitro que preside o feito ou a pedido das partes. Responsabilidade: O perito deve conhecer as responsabilidades sociais, éticas, profissionais e legais, às quais está sujeito no momento em que aceita o encargo para a execução de perícias contábeis judiciais e extrajudiciais, inclusive arbitral. O termo responsabilidade refere-se à obrigação do perito em respeitar os princípios da moral, da ética e do direito, atuando com lealdade, idoneidade e honestidade no desempenho de suas atividades, sob pena de responder civil, criminal, ética e profissionalmente por seus atos. Responsabilidade Ética, Civil e Penal. Responsabilidade e Ética: Necessidade do cumprimento dos princípios éticos, em especial, os estabelecidos no Código de Ética Profissional do Contabilista e nesta Norma. Responsabilidade Civil e Penal: A legislação civil determina responsabilidades e penalidades para o profissional que exerce a função de perito-contador, as quais consistem em multa, indenização e inabilitação. A legislação penal estabelece penas de multa, detenção e reclusão para os profissionais que exercem a atividade pericial que vierem a descumprir as normas legais. Zelo profissional: O termo zelo para o perito refere-se ao cuidado que o mesmo deve dispensar na execução de suas tarefas, em relação à sua conduta, documentos, prazos, tratamento dispensado às autoridades, aos integrantes da lide e aos demais profissionais, de forma que sua pessoa seja respeitada, seu trabalho levado a bom termo e, conseqüentemente, o laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil dignos de fé pública. O zelo profissional do perito-contador e do perito-contador assistente na realização dos trabalhos periciais compreende: (a) cumprir os prazos fixados pelo juiz em perícia judicial e nos termos contratados em perícia extrajudicial, inclusive arbitral; (b) assumir a responsabilidade pessoal por todas as informações prestadas, quesitos respondidos, procedimentos adotados, diligências realizadas, valores apurados e conclusões apresentadas no Laudo Pericial Contábil e no Parecer Pericial Contábil; (c) O perito-contador prestará os esclarecimentos determinados pelo juiz ou pelo árbitro, respeitados os prazos legais ou contratuais; (d) o perito-contador assistente respeitará o prazo determinado pelo juiz, ou contrato quando se tratar de perícia extrajudicial, bem como as normas do juízo arbitral; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 9

10 (e) propugnar pela celeridade processual, valendo-se dos meios que garantam eficiência, segurança, publicidade dos atos periciais, economicidade, o contraditório e a ampla defesa; (f) ser prudente na formação de suas conclusões, atuando de forma cautelosa, no limite dos aspectos técnicos, e, atento às conseqüências advindas dos seus atos; (g) ser receptivo aos argumentos e criticas, podendo ratificar ou retificar o posicionamento anterior. Utilização de trabalho de especialista: O perito pode valer-se de especialistas de outras áreas para a realização do trabalho, desde que parte da matéria objeto da perícia assim o requeira. Neste caso o parecer do especialista será anexado ao laudo pericial contábil, ou ao parecer técnico contábil, justificando as conclusões técnicas que o perito-contador ou perito-contador-assistente chegaram sobre a matéria abordada pelo especialista. O perito-contador pode requerer ao juiz a nomeação de especialistas de outras áreas que se fizerem necessários para a execução de trabalhos específicos. Neste caso, o especialista nomeado pelo juiz protocolizará o seu Laudo em juízo e o perito-contador, ou perito-contador-assistente, poderá valer-se das apurações e conclusões ali constantes. OBJETIVO E OBJETO DA PERÍCIA Objetivo: Apresentar uma prova ou constatação de forma final e verdadeira a respeito de questões contábeis. Objeto: São as questões contábeis envolvidas no processo. Atividades afins: São as questões relacionadas ao contexto geral das profissões consideradas afins pela norma contábil (Res. 560/83 Prerrogativas profissionais contábeis). Matemática Financeira: Cálculos e atualizações financeiras; Economia: Perspectivas e retornos de mercado, avaliação de indicadores sociais e econômicos; Estatística: Análise de tendências e inferência sobre contextos contábeis e econômicos. Direito: Aspectos formais de determinados fundos (FUNDEB, Rituais licitatórios CARECTRES ESSENCIAIS DA PERÍCIA CONTÁBIL Caracteres essenciais: Debruçando-se sobre os fatos jurídicos inerentes a lide, o perito contador deve obedecer aos seguintes caracteres: Limitação da Matéria; Pronunciamento adstrito as questões propostas; Meticuloso e eficiente exame do campo pré-fixado; Escrupulosa referência à matéria periciada; Imparcialidade absoluta de pronunciamento. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 10

11 PRERROGATIVAS PROFISSIONAIS Função ou Profissão? : O exercício da função de Perito contábil é prerrogativa exclusiva de Contador - Dec. Lei 9295/46 e Resoluções do CFC. Note-se que contador é o Bacharel em Ciências contábeis devidamente registrado no órgão fiscalizador, ou seja, CRC respectivo. Assim como nos conceitos econômicos, onde a necessidade é a causa mãe da produção e dos mercados, nos processos periciais, as necessidades, aqui entendidas sob a ótica da conceituação de Francisco D auria, como sendo administrativas e contábeis surgem de...imperfeições e inadequações. POR QUE FAZER PERÍCIA? Culpas: É ato negligente cometido por alguém. Responsabilidades: É o ato de guarda e conservação das coisas, bem como a autoridade gestora de alguém. Culpas profissionais: É ato negligente cometido por alguém, na aplicação de normas e procedimentos; Generalidades: Quaisquer imperfeições detectadas em processos administrativos e contábeis que afetem o direito de outrem. Imperfeições: O conjunto é afetado por procedimentos que denunciam vícios, tais como o acúmulo de cargos, ou mesmo a contratação de parentes, denunciando falhas nos CI. Negligências: É irresponsabilidade e falta de vigilância dos administradores ou responsáveis pela massa patrimonial. POR QUE FAZER PERÍCIA? ERROS x FRAUDES Erros: Ato involuntário sem a idéia primeira de prejudicar alguém. Têm variáveis, podendo ser por atos negligentes ou por pura inexperiência Fraudes:...fraudar é enganar ou burlar... Praticar ato que subtraia, a favor próprio, um bem ou direito de alguém. Simulações: Altera-se a aparência real para se apresentar o que se deseja, usando-se, as vezes, de justificativas legais. Adulterações: Alterar coisas e fatos para benefício próprio. Infrações: Diz respeito a desobediência aos preceitos legais e normas estabelecidas. ERROS x FRAUDES Erros: Erros aritméticos; Aplicação incorreta de Normas; Interpretação errada de variações patrimoniais; Fraudes: Manipulação, falsificação e alteração de registros; Apropriação indébita de ativos; Supressão ou omissão de transações; Registros sem comprovação; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 11

12 Práticas contábeis indevidas; Diferença Básica: INTENÇÃO! DETECÇÃO DE ERROS E FRAUDES E RESPONSABILIDADE O RISCO de não detectar FRAUDES é maior que o de detectar ERROS (Limitações Inerentes). Por Que? : Atos planejados! Até que onde vai a responsabilidade do perito em não detectar erros e fraudes durante os trabalhos? Resposta: Definição metodológica do trabalho: Proposição de Sentença: A abordagem metodológica adotada na elaboração do Laudo tem como vetor principal a responsabilidade assumida pela parte (autorréu-gestor público, etc) em prestar as informações reais e fidedignas (a respeito da aplicação dos recursos que gerencia e administra), presumindo-se, pois, que todas as informações, documentos, quadros, e esclarecimentos presentes no processo, têm caráter definitivo de legalidade. Áreas de Risco: Deve dar atenção especial! CONDIÇÕES E EVENTOS QUE AUMENTAM OS RISCOS DE ERROS E FRAUDES Em trabalhos que exijam o acompanhamento direto de processos contábeis no seio das organizações, deve-se ter cuidado com: Estrutura ou atuação inadequada da administração; Pressões internas e externas; Transações que pareçam anormais; Problemas internos no cumprimento de trabalhos de auditoria; Fatores específicos no ambiente de sistemas de informação computadorizado. Práticas Inadequadas de Controle: Princípios de controle interno e limitações inerentes. A PROVA PERICIAL TEORIA DA PROVA (MAUTZ, 1980) A prova pericial representa um dos grandes desafios do trabalho do perito. Muitos acreditam que o Laudo pericial, resultado final mais conhecido do seu trabalho, é a peça mais importante de sua atuação. De fato, o laudo represente a imagem, a percepção tida pelo profissional do objeto de investigação. Sua completeza não está na quantidade de páginas, parágrafos, afirmações, ou mesmo no conceito comum que ele traz, mas nos pontos de sustentabilidade aos quais esteja ligado. A prova representa essa raiz, ou conjunto de raízes que desmistificam o emaranhado de informações verificáveis, observadas a partir do planejamento inicial do trabalho, minimizando o conjunto de dúvidas do profissional sobre as afirmações e declarações expostas nas questões contábeis envolvidas. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 12

13 TEORIA DA PROVA (Mautz) É a partir do conjunto de provas colhidas que o Perito fundamenta seu Laudo, aceita, com uso de técnicas ou por sua experiência, os documentos, dados, informações e outros meios como verdades ou razoabilidades a respeito do objeto examinado. Mautz (1980) apresenta sua teoria da prova, considerando quatros etapas, distintas, aqui adaptadas à perícia: 1) Processo de formação do entendimento (Laudo e Parecer); 2) Natureza das afirmações nas demonstrações contábeis; 3) Natureza da prova; e, 4) Tipos de prova. PROCESSO DE FORMAÇÃO DO ENTENDIMENTO O processo de formação deve ser fundamentado em pelo menos cinco pontos mínimos: Identificação das informações a serem examinadas; Avaliação da relativa importância das informações; Recolhimento das informações ou provas necessárias sobre as afirmações, a fim de possibilitá-lo a emitir um laudo/parecer bem fundamentado; Avaliação das provas, quanto a validade ou não, se adequada ou não, se suficiente ou não; e, Formulação da opinião quanto a exatidão das informações examinadas; IDENTIFICAÇÃO DAS AFIRMAÇÕES A expressão identificação retrata os elementos quantitativos e qualitativos das demonstrações contábeis. O profissional deve estar preocupado com os dados explícitos e implícitos constantes das demonstrações e demais informações contábeis, sob pena de emitir laudo/parecer tecnicamente inadequada dada a sua incapacidade de não diferenciar dados qualitativos de quantitativos, expressos de implícitos. Os aspectos qualitativo e quantitativo dizem respeito a identificação do tipo e do quantum Os aspectos explícitos dizem respeito ao que de imediato pode ser identificado ou não. AVALIAÇÃO DA RELATIVA IMPORTÂNCIA E RECOLHIMENTO DAS INFORMAÇÕES O profissional julga a pertinência e o nível de importância das informações a serem examinadas e interpretadas, visando dar maior celeridade ao trabalho, minimizar tempo de investigação, diminuir custos. Tornar seu trabalho eficiente e eficaz, com menor probabilidade de incorrer em riscos. Recolher informações ou provas, a fim de possibilitá-lo a emitir um Laudo bem fundamentado; Uma vez analisadas as informações, o profissional deve recolher os elementos que deram base a sua existência; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 13

14 AVALIAÇÃO DAS PROVAS QUANTO A VALIDADE E SUFICIÊNCIA Esta etapa consiste em julgar como válidos ou não os documentos e/ou outros meios comprobatórios que dão sustentação a informação. As provas são validas ou não? As provas são adequadas ou não? As provas são suficientes ou não? Paradoxo : Adequacidade x Suficiência x Propriedade FORMULAÇÃO DO ENTENDIMENTO Nesse ponto, convencido, a partir das informações examinadas e julgadas importantes, com provas e elementos de provas colhidos e julgados pertinentes, emite seu julgamento, tendo em vista o objetivo do trabalho. Um dos principais problemas encontrados pelo profissional no seu trabalho diz respeito ao que considerar como verdadeiro nas demonstrações e dados examinados. O processo de formação da opinião apresenta uma metodologia de julgamento e escolha, mas é a natureza do que se examina que qualifica a informação. A NATUREZA DAS AFIRMAÇÕES NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Neste ponto deve projetar seu trabalho com vistas a examinar a qualidade das informações, levando em consideração alguns aspectos, entre os quais se destacam as afirmações: Da existência ou inexistências; De fatos passados; De condições quantitativas; De condições qualitativas; Matemáticas. EXISTÊNCIA E INEXISTÊNCIA É nesse ponto que o profissional deve ter cuidado com as situações de existência e propriedade dos bens, direitos e obrigações. Diferenciar existência e propriedade protege o profissional de aceitar aspectos de representação qualitativa como suficientes ao entendimento do binômio qualiquantitativo. De coisas materiais: Presentes Existem? Pertencem a empresa? Ausentes Existem? Se sim, pertencem a empresa? De coisas imateriais : A natureza requer procedimentos extras, como circularizações a entidades para verificar patentes, outros. Exemplo: Verificar registros na CVM, etc. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 14

15 AFIRMAÇÕES DE FATOS PASSADOS Por efetuar trabalhos (geralmente) com dados passados, já registrados, o profissional deve observar, com base nas inter-relações de saldos e afirmações, a pertinência do que é exposto nas demonstrações, notas explicativas e relatórios da entidade. Dependendo do objetivo final, estas informações podem tornar o trabalho mais ou menos complexo. Lapso Temporal; Legislação Aplicável; Memórias de cálculo e justificativas das operações pressuposto da uniformidade; Outros. CONDIÇÕES QUANTITATIVAS Neste aspecto deve levar em consideração o impacto da informação sobre o patrimônio, pois havendo diferenciação causada por quaisquer elementos quantitativos, julgados relevantes, o mesmo deverá emitir uma parecer/opinião que reflita este impacto. Um contas a receber no valor de R$ ,00 indica a existência de um montante que não necessariamente será realizado no seu total. Nesse caso, o quantitativo representa apenas uma informação, devendo ser analisada sua razoabilidade. Pressuposto da continuidade: Elementos quantitativos são os que mais influenciam a estrutura patrimonial. CONDIÇÕES QUALITATIVAS As informações qualitativas, quando apresentadas no corpo das demonstrações, facilitam a análise do perito e o seu trabalho na busca dos elementos que consubstanciem sua existência. Mas, deve ser dada maior atenção aos aspectos qualitativos se comparados a outras características, principalmente na manutenção de uma uniformidade de procedimentos. Muitas empresas não destacam passivos contingentes ou dados que possam influenciar o julgamento do perito. Informações Expressas e Implícitas: Nesse sentido deve o profissional ficar atento as diversas formas de apresentação dessas informações, mesmos as explícitas, que podem trazer elementos contratuais que, se não cumpridos, podem, em alguns casos, descontinuar a empresa. AFIRMAÇÕES MATEMÁTICAS A preocupação neste aspecto envolve a certeza ( não a razoável certeza) substantiva dos cálculos e saldos apresentados. Este juízo será alcançado pela repetição da operação, hoje ainda mais facilitada pelas ferramentas tecnológicas disponíveis. Resultantes de cálculos simples; Resultantes de Cálculos múltiplos. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 15

16 NATUREZA DA PROVA A natureza da prova difere, naturalmente, da natureza das afirmações constantes nas demonstrações contábeis. Esta analisa o aspecto da prova em si, considerando sua individualidade. Nesse ponto, os profissionais devem lançar mão da Lógica, uma vez que esta delimita o conhecimento a respeito da origem, da razoabilidade total e parcial de um elemento de prova. Teoria do Conhecimento: Dividida em seis pontos Testemunho de terceiros; Intuição; Raciocínio Abstrato; Experiência Sensorial; Resultados Bem sucedidos; Ceticismo. TESTEMUNHO DE TERCEIROS Muitas das informações coletadas têm origem externa. Dependendo do objetivo do trabalho, esta informação será sempre mais confiável do que as de caráter interno, ou seja, emitidas pelos gestores e funcionários da empresa. Procedimento indispensável será o de nunca aceitar as informações de terceiros como verdades absolutas, e em aceitando alguma como verdade, certificar-se de sua autenticidade. Estes procedimentos são necessários visando não enviesar o laudo/parecer. INTUIÇÃO A intuição diz respeito à experiência e a capacidade de projetar cenários a partir de um referencial. Situações atípicas são mais facilmente percebidas por indivíduos que conhecem a normalidade sobre determinado evento ou situação. A menor mudança de procedimento provoca uma reação de desconforto, mesmo que inconsciente, levando o indivíduo a perceber o que está diferente. Não se trata pois, de sorte, palpite. RACIOCÍNIO ABSTRATO O raciocínio abstrato leva em consideração princípios individuais aceitos como pressuposto da ocorrência de determinadas situações. Nesse sentido é possível examinar saldos e estados patrimoniais identificando-os como regulares, a partir de um conjunto de normas ou elementos aceitos em determinado universo; Chama-se a atenção para o fato de que cada realidade exige um escopo próprio para associação a um raciocínio abstrato. Não se pode querer pensar de forma idêntica quando a referência não é a mesma. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 16

17 EXPERIÊNCIA SENSORIAL A experiências sensoriais são natas do ser humano e inerentes a sua forma de perceber as coisas. É certo que estes tipos de experiências parecem as mais convincentes ou mesmo as mais completas, mas tecnicamente não devem ser confundidas como verdades absolutas. Da mesma forma que os sentidos são natos do homem, também é inerente a ele não perceber, não detectar, não ouvir, não ver determinadas coisas ou pessoas confundir-se. Tecnicamente, estas experiências devem ser lastreadas por uma preparação e treinamento(arbitrar em perícia é aplicar conhecimento), a fim de resguardar certas situações ditas inerentes (no aspecto negativo). RESULTADOS BEM SUCEDIDOS O profissional, a partir de experiências bem sucedidas, pode projetar cenários antes julgados complexos. Prudência: Deve fazer parte das interpretações propostas pelo perito Condição de proteção. Decisões Tempestivas: Deve ser lembrado que decisões tempestivas podem dificultar análises que poderiam ser facilmente resolvidas após um pequeno espaço de tempo (analisar friamente antes de decidir). CETICISMO Todos os pontos apresentados a despeito da natureza da prova até agora têm caráter positivista, a não ser pelo aspecto cético inerente ao trabalho. O risco inerente a cada trabalho será maior ou menor conforme a amplitude e a qualidade das provas colhidas. Neste ponto o profissional deve ser cauteloso e racional. Sem trabalhar ou tomar decisões com posições extremas. Analisar o conjunto de provas e dividi-las em fracas e fortes, necessárias e desnecessárias, sem levar ao extremo a classificação para não correr o risco de não detectar aquilo que é evidente ou descartar aquilo que não colabora com o trabalho. TIPOS DE PROVA Cada prova tem suas características próprias - O perito deve ter o cuidado de diferenciá-las, levando em consideração alguns aspectos conclusivos; Um prova verdadeira é uma prova aceita - característica fundamental da informação contábil; As provas variam de fidelidade; Relação Custo x Benefício: Umas provas são mais difíceis de obtenção do que outras. Uma prova disponível não significa ser uma prova conclusiva O ceticismo aplicado minimiza esse problema Exames Físicos; Declarações de terceiros; Documentos Hábeis; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 17

18 Declarações de administradores e empregados da empresa; Cálculos feitos pelo profissional; Procedimentos satisfatórios de controle interno; Atos subseqüentes da empresa e de outros; Registros subsidiários ou detalhados, sem indícios significativos de irregularidades; Inter-relação de dados examinados. Exames Físicos: Os exames físicos representam um dos melhores tipos de prova coletados pelo profissional. Sua preocupação reportar-se-á a existência e a propriedade dos bens, bem como seu estado geral de uso e qualidade. Declarações de terceiros (Orais- Escritas): As declarações de terceiros revestem-se em provas que variam na sua fidelidade. O profissional deve estar atento ao elemento emissor e quais são os seus interesses no processo ou ligações com a empresa e seus sócios, sob pena de ter seu entendimento influenciado por uma informação tendenciosa. Documentos hábeis (preparados fora ou dentro da organização): Esse tipo de prova geralmente é a que mais merece fé por representar a validação jurídica de um bem, uma obrigação ou um ato que tenha interferência direta sobre o patrimônio. Cálculos feitos pelo Profissional: Os cálculos feitos pelo profissional lhe dão maior garantia da fidedignidade dos dados constantes das demonstrações.também servem de elemento comparativo na consecução do seu trabalho. Além de ser um procedimento inerente e necessário em quase todas as suas atividades. Procedimentos de Controle Interno: Representam proteção ao patrimônio da entidade e dos sócios. Sua existência, aplicabilidade e suficiência permitem ao profissional concluir com maior confiança seus exames, seja do ponto de vista técnico, econômico ou em oportunidade. Atos Subsequentes: Estes eventos permitem ao profissional verificar a fidedignidade dos saldos anteriores, bem como coletar provas que os procedimentos são uniformes e permitem comparações posteriores. Registros Subsidiários: O profissional deve ter cautela com os exames procedidos em empresa que tenham sua contabilidade em parte fundamentada em livros e registros auxiliares. Muitas vezes estes registros não existem, e quando existem, são feitos as pressas a fim de fazer prova num determinado momento. Interrelações de dados: Exame das relações entre contas, saldos, operações, atos, etc. Observando a relação entre elementos, o profissional adquire adequada certeza sobre o que examina, estende o objetivo dos exames a medida em que correlaciona informações, e dá um maior grau de completeza ao seu julgamento final. PROVA PERICIAL (Instituto e Natureza Jurídica) É a soma de todos os fatos produtores da convicção apurados no processo ( Santos apud Ornelas, 2003). O Código de Processo Civil: O CPC trata da matéria no artigo 212. TÍTULO V Da Prova Art Salvo o negócio a que se impõe forma especial, o fato jurídico pode ser provado mediante: I - confissão; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 18

19 II - documento; III - testemunha; IV - presunção; V - PERÍCIA. Função da prova pericial: Transformar os fatos relativos ao processo em verdade formal (certeza jurídica). Ônus da prova: Quem afirma ou nega tem que provar! Portanto, o ônus é de quem afirma ou nega alguma coisa. O sucesso na lide depende da produção de provas convincentes! Fatos jurídicos sobre os quais o perito deve se debruçar: Fatos Constitutivos, Impeditivos, modificativos e/ou extintivos. Obrigação das partes: AUTOR: Fatos Constitutivos; RÉU : Fatos Impeditivos, modificativos ou extintivos. Fatos que precisam ser provados: Controversos e os controvertidos (que causam controvérsia) Exemplo: Mensuração do Fair Value Fatos que não precisam ser provados: Fatos Notórios. Afirmados por uma parte e aceitos como verdadeiros pela outra; Admitidos como incontroversos; Aqueles que gozam de presunção legal; Exemplo: Certidões de regularidade fiscal e de dívida ativa Fatos Impertinentes: Fatos Estranhos à Lide nada têm a ver com o que se debate. Fatos Irrelevantes: Não ajudam em nada, mesmo tendo a ver com a causa MODALIDADES DA PROVA PERICIAL CPC: EXAME, VISTORIA, ARBITRAMENTO E AVALIAÇÃO. EXAME: Consiste na inspeção exame de livros e outros documentos. VISTORIA: Serve para constatar uma situação in loco sobre o estado ou situação de determina coisa( ou pessoa) ARBITRAMENTO: Resolução por critério técnico. Fixação de valor ou estimação. AVALIAÇÃO: Valorizar ou estimar em moeda. NC TP 1 : EXAME, VISTORIA, INDAGAÇÃO, INVESTIGAÇÃO, ARBITRAMENTO, MENSURAÇÃO, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EXAME: É a análise de livros, registros das transações e documentos. VISTORIA: É a diligência que objetiva a verificação e a constatação de situação, coisa ou fato, de forma circunstancial. INDAGAÇÃO: É a busca de informações mediante entrevista com conhecedores do objeto ou fato relacionado à perícia. INVESTIGAÇÃO: É a pesquisa que busca trazer ao laudo pericial contábil ou parecer pericial contábil o que está oculto por quaisquer circunstâncias. ARBITRAMENTO: É a determinação de valores ou a solução de controvérsia por critério técnico. MENSURAÇÃO: É o ato de qualificação e quantificação física de coisas, bens, direitos e obrigações. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 19

20 AVALIAÇÃO: É o ato de estabelecer o valor de coisas, bens, direitos, obrigações, despesas e receitas. CERTIFICAÇÃO: É o ato de atestar a informação trazida ao laudo pericial contábil pelo perito-contador, conferindo-lhe caráter de autenticidade pela fé pública atribuída a este profissional. HONORÁRIOS PERICIAIS O perito deve considerar: a relevância, o vulto, o risco, a complexidade, a quantidade de horas, o pessoal técnico, o prazo estabelecido, a forma de recebimento e os laudos interprofissionais, entre outros fatores. Relevância: É entendida como a importância da perícia no contexto social e sua essencialidade para dirimir as dúvidas de caráter técnico contábil, suscitadas em demanda judicial ou extrajudicial. Vulto: Está relacionado ao valor da causa no que se refere ao objeto da perícia; à dimensão determinada pelo volume de trabalho; e à abrangência pelas áreas de conhecimento técnico envolvidas. Risco: Compreende a possibilidade de os honorários periciais não serem integralmente recebidos, o tempo necessário ao recebimento, bem como a antecipação das despesas necessárias à execução do trabalho. Igualmente, devem ser levadas em consideração as implicações cíveis, penais, profissionais e outras de caráter específico a que poderá estar sujeito o peritocontador. Complexidade: Está relacionada à dificuldade técnica para a realização do trabalho pericial em decorrência do grau de especialização exigido; à dificuldade em obter os elementos necessários para a fundamentação do laudo pericial contábil; e ao tempo transcorrido entre o fato a ser periciado e a realização da perícia. Deve ser considerado também o ineditismo da matéria periciada. Horas Estimadas: O tempo despendido para a realização da perícia, mensurado em horas trabalhadas pelo perito-contador, quando aplicável. Pessoal Técnico: Formado pelos auxiliares que integram a equipe de trabalho do perito-contador, estando os mesmos sob sua orientação direta e inteira responsabilidade. Prazo contratado: O prazo determinado nas perícias judiciais ou contratado nas extrajudiciais deve ser levado em conta nos orçamentos de honorários, considerandose eventual exigüidade do tempo que requeira dedicação exclusiva do perito-contador e da sua equipe para a consecução do trabalho. Prazo de recebimento e forma de reajuste: O prazo médio habitual de liquidação compreende o tempo necessário para recebimento dos honorários. A forma de reajuste e de parcelamento dos honorários, se houver. Laudos Interprofissionais: E outros inerentes ao trabalho são peças técnicas executadas por perito qualificado e habilitado na forma definida no Código de Processo Civil e de acordo com o Conselho Profissional ao qual estiver vinculado. Elaboração de orçamento: O perito-contador deve elaborar o orçamento de honorários, estimando, quando possível, o número de horas para a realização do trabalho, por etapa e por qualificação dos profissionais (auxiliares, assistentes, seniores, etc.) da seguinte forma: Retirada e entrega dos autos; Leitura e interpretação do processo; Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 20

21 Abertura de papéis de trabalho; Elaboração de petições e/ou correspondências para solicitar informações e documentos; Realização de diligências e exame de documentos; Pesquisa e exame de livros e documentos técnicos; Realização de cálculos, simulações e análises de resultados; Laudos inter-profissionais; Preparação de anexos e montagem do laudo; Reuniões com perito-contadores assistentes, quando for o caso; Reuniões com as partes e/ou com terceiros, quando for o caso; Redação do laudo; Revisão final. Quesitos Suplementares: O perito-contador deve, em seu orçamento, ressaltar que este não contempla os honorários relativos a quesitos suplementares e, se estes forem formulados pelo juiz e/ou pelas partes, poderá haver incidência de honorários complementares a serem requeridos, observando os mesmos critérios adotados para elaboração do orçamento anterior. Quesitos de Esclarecimentos: O oferecimento de respostas aos quesitos de esclarecimentos formulados pelo juiz e/ou pelas partes não ensejará novos honorários periciais, uma vez que se referem à obtenção de detalhes do trabalho realizado e não de novo trabalho. O perito-contador deve analisar com zelo os quesitos de esclarecimentos, uma vez que as partes podem formulá-los com essa denominação, mas serem quesitos suplementares, situação em que o trabalho deve ser remunerado. Requerimento dos Honorários: O perito-contador apresentará seu orçamento ao juízo da vara onde tramita o feito, mediante petição fundamentada, podendo conter o orçamento ou este constituir-se em um documento anexo da petição. O perito-contador assistente explicitará o seu orçamento no contrato que, obrigatoriamente, celebrará com o seu cliente, observando as normas estabelecidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, no que couber. O perito-contador assistente deverá estabelecer, mediante Contrato Particular de Prestação de Serviços Profissionais de Perícia Contábil, o objeto, as obrigações das partes e os honorários profissionais, podendo, para tanto, utilizar-se dos parâmetros estabelecidos nesta Norma com relação aos honorários do peritocontador. Modelo de Requerimento dos Honorários: O perito-contador assistente deverá adotar (no mínimo) o modelo constante na NBC TP 1 referente ao seu contrato de prestação de serviços. O perito-contador escolhido para perícia em arbitragem explicitará o seu orçamento no contrato que, obrigatoriamente, celebrará com a Câmara de Mediação e Arbitragem ou com o Tribunal Arbitral que o contratou, na forma desta Norma. Levantamento dos Honorários: O perito-contador requererá o levantamento dos honorários periciais, previamente depositados, na mesma petição em que requer a juntada do laudo pericial aos autos. Execução de honorários periciais: Quando os honorários periciais forem aprovados por decisão judicial, estes podem ser executados, judicialmente, pelo perito-contador, em conformidade com os dispositivos do Código de Processo Civil em vigor. Despesas supervenientes na execução da perícia: Nos casos em que houver necessidade de desembolso para despesas supervenientes, tais como viagens e Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 21

22 estadas, para a realização de outras diligências, o perito requererá ao juízo o pagamento das despesas, apresentando o respectivo orçamento, desde que não estejam contempladas na proposta inicial de honorários. PLANEJAMENTO DA PERÍCIA Conceito: O planejamento da perícia é a etapa do trabalho pericial na qual o Perito- Contador ou o Perito-Contador Assistente estabelecem os procedimentos gerais dos exames a serem executados no Processo Judicial, Extrajudicial ou Arbitral para o qual foi nomeado, indicado ou contratado pelas partes, elaborando-o a partir do exame do objeto da Perícia. É um procedimento abrangente que se propõe a consolidar todas as etapas da perícia; O programa de trabalho é uma especificação de cada etapa a ser realizada, o qual deve ser elaborado com base nos quesitos e/ou no objeto da perícia. Objetivos: Conhecer o objeto da perícia, a fim de permitir a adoção de procedimentos que conduzam à revelação da verdade, a qual subsidiará o Juízo, o Árbitro ou o Contratante a tomar a correta decisão a respeito da lide; Estabelecer condições para que o trabalho seja cumprido no prazo estabelecido; Identificar potenciais problemas e riscos que possam vir a ocorrer no andamento da perícia; Identificar fatos que possam vir a ser importantes para a solução do problema de forma que não passem despercebidos ou não recebam a atenção necessária ao seu devido exame; Identificar a legislação aplicável ao objeto da perícia; Definir a natureza, a oportunidade e a extensão dos exames a serem realizados, em consonância com os termos constantes na proposta de honorários; Estabelecer como se dará a divisão das tarefas entre os membros da equipe de trabalho, sempre que o Perito-Contador ou o Perito-Contador Assistente necessitar de auxiliares; Facilitar a execução e a revisão dos trabalhos. Desenvolvimento: Os documentos dos autos servem como base para obtenção das informações necessárias à elaboração do planejamento da perícia. Em caso de ser identificada a necessidade de realização de diligências, na etapa de elaboração do planejamento, devem ser considerados: A legislação aplicável; Documentos, registros, livros contábeis, fiscais e societários; Laudos e pareceres já realizados; Outras informações que forem identificadas para poder determinar a natureza do trabalho a ser executado. Deve ser mantido por qualquer meio de registro que facilite o entendimento dos procedimentos a serem adotados e sirva de orientação adequada à execução do trabalho. Deve ser revisado e atualizado sempre que fatos novos surjam no decorrer da perícia. Deve ser realizado pelo Perito-Contador, ainda que o trabalho venha a ser realizado de forma conjunta com o Perito-Contador Assistente, podendo este orientar-se no referido planejamento. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 22

23 Riscos: O Perito-Contador e o Perito-Contador Assistente, na fase de elaboração do planejamento, devem avaliar a confiabilidade das informações e dos documentos para que não ocorra a emissão de um laudo pericial ou parecer pericial contábil, com base em informações ou documentos inidôneos,devem avaliar o grau de confiabilidade dos mesmos. Pessoal: Quando a perícia exigir a necessidade de utilização de trabalho de terceiros (equipe técnica ou trabalho de especialistas), o planejamento deve prever a orientação e a supervisão do Perito, que assumirá total responsabilidade pelos trabalhos a serem executados. Quando a perícia exigir a utilização de perícias inter-profissionais, o planejamento deve contemplar tal necessidade. Cronograma: O planejamento da perícia deve evidenciar as etapas e as épocas em que serão executados os trabalhos, em conformidade com o conteúdo da proposta de honorários apresentada, incluindo-se: A supervisão e revisão do próprio planejamento Os programas de trabalho quando aplicáveis A entrega do laudo ou parecer pericial contábil. Conhecimento prévio de todas as etapas: O Perito deve saber que o planejamento da perícia inicia-se antes da elaboração da proposta de honorários Sua apresentação juízo (ou equivalente), exige a especificação das etapas do trabalho a serem realizadas. Isto implica conhecimento prévio de todas as etapas, salvo aquelas que somente serão identificadas quando da execução da perícia, inclusive a possibilidade da apresentação de quesitos suplementares, o que será objeto do ajuste no planejamento. No cronograma de trabalho, devem ficar evidenciadas, quando aplicável, todos os itens necessários à execução da perícia, tais como: Diligências a serem realizadas; Deslocamentos necessários; Necessidade de trabalho de terceiros; Pesquisas que serão feitas; Elaboração de cálculos e planilhas; Respostas aos quesitos Prazo para entrega do laudo ou do parecer pericial, para assegurar que todas as etapas necessárias à realização da perícia sejam cumpridas. Para cumprir o prazo determinado ou contratado para realização dos trabalhos de perícia, deve considerar em seu planejamento: O conteúdo da proposta de honorários apresentada e aceita pelo juízo, pelo árbitro ou pelas partes no caso de perícia extrajudicial ou pelo Perito-Contador Assistente; O prazo suficiente para solicitar e receber os documentos, bem como para a execução e a entrega do trabalho A programação de viagens, quando necessárias. Conclusão: A conclusão do planejamento da perícia ocorrerá quando o Perito completar as análises preliminares. Dando origem, quando for o caso, à proposta de honorários (nos casos em que o juízo ou o árbitro não tenha fixado, previamente, honorários definitivos) Aos Termos de Diligências que serão efetuadas E aos programas de trabalho. Professora : Gilmara Mendes da Costa Borges, M.Sc. Página 23

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta Norma estabelece procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO 2. Perito é o contador regularmente

Leia mais

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 858/99 Reformula a NBC T 13 Da Perícia Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de reformulação

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC 1.021, DE 18 DE MARÇO DE 2005 - DOU 22.04.2005 (Íntegra) Aprova

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo 1. Esta Norma estabelece regras e procedimentos técnico-científicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC n.º 750/93 (Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº 1111/07). Dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC). Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Questão 29 De acordo com a NBC TP 01 Perícia Contábil, os procedimentos

Leia mais

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA COMPOR O PROGRAMA DE EFICIÊNCIA

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01 Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Princípios de contabilidade: Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo valor original

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL 1 Prof. Fábio Ibanhez Bertuchi PROF. FÁBIO IBANHEZ BERTUCHI E-MAIL: FABIOBERTUCHI@UNITOLEDO.BR FORMAÇÃO ACADÊMICA: - Pós Graduado em Perícia Contábil e Auditoria (UEL-PR) -

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente.

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente. Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2 Perícia

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido.

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido. CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL 4 - A profissão de economista o conteúdo técnico do desempenho profissional 4.2 Normas técnicas específicas 4.2.1 Regulamentação de Perícia Judicial

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 Aprova a NBC T 11 - IT - 09 - Estimativas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 XII ENCONTRO ESTADUAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA Claudio Longo Ernst & Young Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 Objetivos da Apresentação

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito,

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito, Boletim Manual de Procedimentos Perícia Contábil Objetivos, execução, procedimentos e planejamento SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos, defi nições e competências 3. Postura desejável do perito-contador

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Prof.: Humberto Lucena 2.8 Princípios e convenções contábeis Com o fim de obter a uniformização dentro do campo de atuação profissional em que se

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

A Perícia contábil e sua importância.

A Perícia contábil e sua importância. A Perícia contábil e sua importância. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a importância da perícia contábil, abordando, resumidamente, os aspectos de elaboração

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 2013.02 AUDITORIA INTERNA Prof. Esp. Ailton Nóbrega www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 01. APRESENTAÇÃO Buscando complementar as informações trabalhadas em sala de aula

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Sumário. Apresentação

Sumário. Apresentação Sumário Apresentação XVII Capítulo 1 Aspectos introdutórios 1 1 Origens da auditoria moderna 1 2 Teoria da agência 2 3 Auditoria no Brasil: evolução e convergência 3 3.1 Evolução da auditoria no Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL BASEADO NAS RESOLUÇÕES DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil TEMA Instrução e Mercado de Perícia Contábil Preservação da Graduação A perícia contábil é grandemente utilizada no âmbito do Poder Judiciário, mas não é um subproduto dos serviços jurídicos. A perícia

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS 1. Introdução A presente Política, aplicável à WEG S/A e todas as suas controladas, representa uma síntese das diretrizes existentes na

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração

TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração TCM-SP Agente de Fiscalização - Administração Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 40 Considerando as diretrizes das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa 1 Perícia Contábil Prof.ª Bruna Socreppa 2 O estudo da prova pericial contábil pressupõe desenvolver uma abordagem interdisciplinar, inter-relacionando diversos aspectos do Direito Processual Civil com

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito Associação Catarinense de Ensino FACULDADE GUILHERME GUIMBALA - FGG Curso de Direito Autorização da Unificação de Mantidas - FGG: Portaria SESu Nº 56, de 18/01/2008 (DOU de 21/01/2008) Curso de Direito

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

Outubro 2012. Elaborado por: Paulo Cesar Raimundo Peppe. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Outubro 2012. Elaborado por: Paulo Cesar Raimundo Peppe. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul AULA 02 Prof. Ailton Azevedo M. da Nóbrega Disciplina: AUDITORIA Turma: 6 CCN 2011.02 AUDITORIA INTERNA CONCEITO: É um controle gerencial que funciona por meio de medição e avaliação da eficiência e eficácia

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Perícia Contábil. 3. Perito Contábil. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Perícia Contábil. 3. Perito Contábil. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A Conforme item (1) da ordem do dia da Assembleia Geral Extraordinária da ALL América Latina

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer regras e procedimentos técnicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais