CURSO INTEGRADO DE NÍVEL MÉDIO EM REDES DE COMPUTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO INTEGRADO DE NÍVEL MÉDIO EM REDES DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DE SERGIPE CAMPUS LAGARTO GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE INFORMÁTICA CURSO INTEGRADO DE NÍVEL MÉDIO EM REDES DE COMPUTADORES LAGARTO/SE NOVEMBRO DE 2010

2 Ailton Ribeiro de Oliveira Reitor Marinaldo José de Medeiros Diretor Geral XXX Pró Reitor de Ensino José Wlamir Barreto Soares Gerente de Desenvolvimento de Ensino Renata Tânia Brito Morais Coordenadora de Informática Participação Adriane da Costa Neto Alex Paulo Alves de Oliveira Clênia Melo Araujo Cristiane Oliveira de Santana Elisângela Maria Alves de O. R. Andrade João Silvio Ribeiro dos Santos Renata Tânia Brito Morais Vanessa dos Santos Tavares Colaboração Olavo Nery Coimbra Benevello Filho

3 Sumário 1. JUSTIFICATIVA OBJETIVOS REQUISITOS E FORMAS DE ACESSO PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DO CURSO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR FLUXOGRAMA PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E CERTIFICAÇÃO DE CONHECIMENTOS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E BIBLIOTECA CORPO DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DIPLOMA ANEXO I EMENTAS E PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS Disciplina: Língua Portuguesa I Disciplina: Língua Portuguesa II Disciplina: Língua Portuguesa III Disciplina: Língua Portuguesa IV Disciplina: Artes Disciplina: Língua Estrangeira Inglês I Disciplina: Língua Estrangeira Inglês II Disciplina: Língua Estrangeira Inglês III Disciplina: Educação Física I Disciplina: Educação Física II Disciplina: Educação Física III Disciplina: Química I Disciplina: Química II Disciplina: Química III Disciplina: Física I Disciplina: Física II... 50

4 Disciplina: Física III Disciplina: Biologia I Disciplina: Biologia II Disciplina: Biologia III Disciplina: Geografia I Disciplina: Geografia II Disciplina: Geografia III Disciplina: História I Disciplina: História II Disciplina: História III Disciplina: Sociologia I Disciplina: Filosofia I Disciplina: Filosofia II Disciplina: Filosofia III Disciplina: Língua Estrangeira - Espanhol Disciplina: Microinformática Disciplina: Segurança do trabalho Disciplina: Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais Disciplina: Tecnologia e Arquitetura de Redes Disciplina: Redes Sociais, Marketing e Comunicação via Internet Disciplina: Lógica de Programação Disciplina: Programação para redes de computadores Disciplina: Segurança em Redes de Computadores Disciplina: Gerência em Redes de Computadores Disciplina: Sistemas Distribuídos Disciplina: Infra estrutura em Redes de Computadores Disciplina: Projeto de Redes e Instalações Físicas Disciplina: Inovação tecnológica Disciplina: Gestão de projeto e Projeto de conclusão de curso Disciplina: Práticas de Laboratório ANEXO II ACERVO BIBLIOGRÁFICO

5 1. JUSTIFICATIVA O processo da globalização suscitou grandes transformações na sociedade contemporânea as quais trouxeram impactos significativos no processo de desenvolvimento socioeconômico de nações, organizações e indivíduos. O célere desenvolvimento tecnológico e cultural marca uma nova era do capitalismo provocando um rápido e radical processo de reestruturação produtiva nos setores econômicos, o qual introduz novos desafios à sociedade atual. Nessa conjuntura, encontramos a autonomia como um dos elementos necessário ao mundo do trabalho exigindo reflexão do cidadão e atuando como indicativo para o processo industrial e tecnológico contemporâneo. Tais transformações inquietam os setores produtivos que exigem profissionais cada vez mais completos (dinâmicos, aptos para o trabalho em equipe, questionador, aprendiz contínuo, eloquente, com boa relação interpessoal, iniciativa, entre outras características) obrigando mudanças nas políticas educacionais e econômicas para atender ao novo perfil. Sabendo-se que a educação enquanto uma instituição social deve possibilitar o desenvolvimento integral do indivíduo para que não atenda somente aos requisitos do mercado, mas, principalmente, permita que o mesmo atue como cidadão no mundo globalizado. Para satisfazer a necessidade humana diante das transformações na estrutura da sociedade, culmina-se, então, na reestruturação da educação. É nesse cenário que o governo brasileiro vem reformulando o Estado e implementando suas políticas econômicas e educacionais de ajuste, ou seja, diretrizes e medidas pelas quais o país se moderniza, adquire as condições de inserção na globalização e, assim, ajusta-se às exigências da economia estabelecidas pelas instituições financeiras e corporações internacionais. De um modo geral, faz-se presente, em todas essas políticas, o discurso da modernização educativa, diversificação, flexibilidade, competitividade, produtividade, eficiência e qualidade dos sistemas educativos, da escola e do ensino, tendo sempre presentes as demandas e exigências do mercado. (SECTEC) Foi na década de 1980 que um novo cenário econômico e produtivo se estabeleceu, com o desenvolvimento de novas tecnologias, agregadas à produção e à prestação de serviços. Para atender a essa demanda, as instituições de educação profissional vêm buscando diversificar programas e cursos para elevar os níveis da qualidade da oferta. MEC 4

6 As Reformas mais intensas na educação profissional iniciaram em meados da década de 1990, com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e os instrumentos que a complementaram, tais como decretos, portarias, pareceres, normativas entre outros. Recentemente, o Governo Federal apostou numa verticalização de conhecimentos com a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, através da LEI Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008, podendo ofertar educação profissional e tecnológica em diversas modalidades. Nesta reforma da educação, evidencia-se os novos parâmetros sobre a Educação Profissional e Tecnológica que é o desenvolvimento da autonomia intelectual, visto a articular e mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes e valores, para colocá-los em prática e dar soluções originais e criativas aos novos desafios profissionais e tecnológicos. Com dados do INEP de 2007 e 2008, observam-se variações significativas na educação profissional, com acréscimo de 14,7 pontos percentuais em todo país, quanto à educação profissional concomitante ao ensino médio (integrado) teve um aumento de 19,6%. De acordo com o ministro da Educação Fernando Haddad, precisa-se ter uma meta mais ambiciosa de integração do ensino médio com a educação profissional. Hoje isto está na casa dos 10%. Precisamos pensar alguma coisa em torno de 30% de acesso da juventude de 15 a 17 anos a uma escola de ensino técnico. Segue comparativo de matrículas de 2007 a 2008, Tabela 1. 5

7 Tabela 1 Comparação de matrículas da Educação Básica por Etapa e Modalidade no Brasil Etapas/Modalidades da Educação Básica Matrículas/ano Diferença entre Variação Educação Básica ,4 Educação infantil ,2 Creche ,9 Pré-escolar ,8 Ensino Fundamental ,1 Ensino Médio ,0 Educação Profissional ,7 Educação Especial ,2 EJA ,8 Ensino Fundamental ,1 Ensino Médio ,0 Fonte: MEC/Inep/Deed Diante das transformações e necessidades nas diversas áreas da economia faz-se notar as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) como um dos pilares nesta sociedade pela grande disseminação de informações, na qual também faz-se mister a aguçada curiosidade e interesse dos jovens em atividades relacionadas com esta tecnologia, abrindo oportunidades à região Centro-Sul do Estado de Sergipe que ora não há cursos profissionalizante neste perfil. O Centro Sul Sergipano detém uma área de 3520,9 km 2, tendo uma participação de 16,1% na área estadual. A população, de acordo com a contagem populacional do IBGE, em 2007, era de habitantes, representando 11% da população estadual, o que lhe confere uma densidade demográfica de 60,6 hab/km 2. A economia baseia-se na agropecuária, com crescente industrialização, tendo um importante papel no setor de confecções, alimentos, entre outros. O território Centro Sul apresentou, entre 2002 e 2007, um crescimento constante do PIB, expressado principalmente pelo setor de serviços, que no período em questão cresceu 177,8%. No mesmo período, também obtiveram crescimento no PIB os setores industrial e agropecuário, com alta, respectivamente, de 167,6% e 161,2% (vide tabela 2 e tabela 3). 6

8 Tabela 2 - População e PIB do Estado de Sergipe e Território do Centro Sul Sergipano Território População (2007) PIB (2007) R$ Sergipe Centro Sul Fonte: IBGE. Tabela 3 Composição do PIB do Território Centro Sul Sergipano 2002 a 2007 Setor PIB Agropecuário PIB Industrial PIB Serviços PIB Total (com impostos) Fonte: IBGE. Composto por 5(cinco) municípios sendo eles: Lagarto; Poço Verde; Riachão do Dantas; Simão Dias; e Tobias Barreto. Assim como, mantém forte ligação econômica com outros municípios da região Sul devido à proximidade e facilidade de acesso, o município de Lagarto (maior cidade da região Centro Sul), torna-se uma localização estratégica para a Educação e Economia da região. O setor de Tecnologia da Informação vem ganhando destaque em todos os setores econômicos, dado sua aplicação nas diversas atividades produtivas, seja no setor de serviços, setor industrial ou agropecuário. Nesse sentido, a implantação de um Curso de Nível Médio Integrado a Redes de Computadores no IFS Campus Lagarto, supriria aos jovens da região e adjacências uma formação de nível médio integrada a uma TIC em expansão que atende a uma demanda ainda não observada no Território Centro Sul em nível administrativo federal. De acordo com o Censo Escolar de 2003 a 2005 (Tabela 4) a educação profissional apresenta uma grande concentração de jovens com até 19 anos, a exemplo das áreas profissionais de Comunicação (71,2%), Agropecuária (68%) e Informática (61,4%). Eles estão matriculados principalmente nas habilitações de técnico em agricultura, técnico em propaganda e técnico em informática. As variações percentuais registradas nos três anos, nas faixas etárias mais jovens (15 a 19 anos), têm sido relativamente constantes, variando de mais ou menos 2% das matrículas. 7

9 Tabela 4 Censo Escolar 2003 a 2005 Matrículas de Educação Profissional Area Profissional Nº % Nº % Nº % Artes , ,1 Comércio , ,7 Comunicação , , ,1 Construção Civil , , ,9 Desenvolvimento Social e Lazer , , ,5 Design , ,0 Geomática , , ,2 Gestão , , ,8 Imagem Pessoal 963 0, , ,1 Indústria , , ,8 Informática , , Meio Ambiente , , ,5 Mineração , , ,3 Química , , ,5 Recursos Pesqueiros 358 0, Saúde , , ,5 Telecomunicações , , ,3 Transporte , , ,3 Turismo e Hospitalidade , , ,6 Fonte: MEC/Inep/Deeb Censo Escolar 2003 a 2005 Dentro da região Centro Sul do Estado, Salgado e Boquim existem diversos estabelecimentos formais ligados à área de tecnologia da informação, estando Tobias Barreto com maior número, seguido de Lagarto e demais municípios. Em relação ao número de trabalhadores com empregos formais ligados 8

10 às atividades de Tecnologia da Informação, percebe-se que há um grande número destes atuando em Lagarto dentre as outras cidades, conforme Tabela 5 e 6. Tabela 5 Número de Estabelecimentos Formais ligados à Área de Tecnologia da Informação do Território Centro Sul Sergipano, Salgado e Boquim Comércio varejista d Municípios Atividad e de imp ressão Serviços de préimpressão e acaba mentos gráficos e equipamentos de i nformática e comuni cação; equipamento s e artigos Outras atividades d e prestação de serv iços de informação Total Boquim Lagarto Poço Verde Riachão do Dantas Salgado Simão Dias Tobias Barreto Total Fonte: RAIS, Tabela 6 Número de Empregos Formais ligados à Área de Tecnologia da Informação do Território Centro Sul Sergipano Municípios Atividade d e impressão Serviços de préimpressão e acabame ntos gráficos Comércio varejista de equip amentos de informática e c omunicação; equipamentos e artigos Outras atividades de p restação de serviços d e informação Total Boquim Lagarto Poco Verde Riachao do Dantas Salgado Simao Dias Tobias Barreto Total Fonte: RAIS,

11 Como potencial demanda do Curso de Nível Médio Integrado na área de TI, tem-se alunos advindos do Ensino Fundamental da região centro-sul e sul do Estado que busca comumente nossa instituição para outros cursos integrados e que em alguns momentos se deparam com número reduzido de oferta de cursos e vagas, além de ser um curso a nível Federal e está localizado numa zona central de fácil acesso. Podendo ampliar o número de alunos do ensino médio que atualmente estudam neste Campus. A tabela demonstra que a única Instituição Federal da região é o IFS Campus Lagarto e mostra o número de matriculados no Ensino Médio e demais cursos em

12 Tabela 7 Número de Alunos Matriculados nos Municípios do Centro Sul Sergipano, Salgado e Boquim Número de Matriculas Município Dependência Ensino Médio Educação Profissional (Nível Técnico) Educação de Jovens e Adultos - EJA (presencial) EJA (semi-presencial) Fundamental Médio Fundamental Médio BOQUIM LAGARTO POCO VERDE RIACHAO DO DANTAS SALGADO SIMAO DIAS TOBIAS BARRETO Estadual Municipal Privada Total Estadual Federal Municipal Privada Total Estadual Municipal Privada Total Estadual Municipal Total Estadual Municipal Privada Total Estadual Municipal Privada Total Estadual Municipal Privada Total Fonte: Censo Escolar - INEP, 2009 Percebe-se que a implantação de um Curso de Nível Médio em TI, beneficiará tanto a população do município de Lagarto, assim como os demais municípios que o cercam, na medida em que, observa-se grande número de trabalhadores e empresas ligados a este seguimento econômico, bem como estudantes do ensino fundamental que buscam associar ao Ensino Médio um curso profissionalizante, podendo tornar demanda para o curso vislumbrando o mundo do trabalho. 11

13 Diante do exposto, esta instituição de ensino almeja garantir à comunidade desta região uma formação cidadã que além dos conhecimentos inerentes ao ensino médio possa ser direcionada para aplicação, desenvolvimento e difusão de tecnologias, com formação em gestão de processos de produção de bens e serviços e capacidade empreendedora e autônoma no seu cotidiano. O Curso de Nível Médio Integrado em Redes de Computadores, implantado no IFS - Campus Lagarto, a partir do primeiro semestre de 2011, vem a preencher rapidamente e com qualidade as lacunas de mão-de-obra advindas da disseminação de novas tecnologias no mercado de trabalho e no processo de desenvolvimento regional. O Egresso deste curso poderá desenvolver as habilidades adquiridas nos diversos setores da economia, onde utilizar de serviços de tráfego de dados/redes. O IFS é uma instituição com responsabilidade social e tecnológica que deve atender ao tripé ensino-pesquisa-extensão colaborando dentro das fronteiras do nosso estado para o desenvolvimento produtivo e tecnológico e devido a sua tradição no setor e por reunir condições para tal, ressaltando-se as físicas, a exemplo dos laboratórios que são utilizados para transformar conhecimento em soluções que atendam a sociedade, como também a docência, sempre buscando as inovações tecnológicas para promoção da qualidade de ensino. Seu corpo docente, conta com doutores, mestres e especialistas. A organização curricular do Curso de Nível Médio Integrado em Redes de Computadores contempla o desenvolvimento de competências de nível médio e profissionais em consonância com a formação específica de um profissional voltado ao desenvolvimento, produção, gestão, aplicação e difusão de tecnologias, de forma a desenvolver competências profissionais sintonizadas com o respectivo setor produtivo seletivo e promissor. De acordo com o apresentado, os requisitos necessários para a implantação do curso são contemplados. O Plano do Curso de Nível Médio Integrado em Redes de Computadores do IFS - Campus Lagarto vem contribuir para consolidação da expansão e desenvolvimento econômico e social da região Centro Sul e municípios adjacentes e Estado de Sergipe. 2. OBJETIVOS O objetivo geral do curso Técnico de Nível Médio em Redes de Computadores é a formação de profissionais capazes de articular e mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes e valores, compreendendo o processo de 12

14 construção e reconstrução do conhecimento no domínio das Redes de computadores. O Técnico em Rede de Computadores possui habilidades de relacionamento interpessoal e capacidade de realizar atividades em equipe, sob aspectos organizacionais e humanos, sendo capaz de administrar problemas e colocar em prática soluções originais e criativas aos novos desafios profissionais e tecnológicos, através da aplicação de conhecimentos adquiridos. Objetivos do Curso: Oferecer um currículo que associe a teoria, prática e inovações no processo de formação dos estudantes; Capacitar um profissional ético, comprometido com a sua atividade e de espírito empreendedor, capaz de executar ações de treinamento e de suporte ao usuário; Propiciar conhecimento relativo ao funcionamento das organizações, com o objetivo de desenvolver habilidades para lidar com problemas organizacionais; Formar profissional capaz instalar e configurar redes de computadores, buscando minimizar custos e otimizar recursos disponíveis. Oferecer um currículo que habilite os tecnólogos à realização de forma eficiente, eficaz e ética de projetos de pesquisa voltados para a produção do conhecimento; Oferecer um currículo que permita aos egressos reconstruir e construir conhecimentos científicos e tecnológicos à atuação profissional. 3. REQUISITOS E FORMAS DE ACESSO A forma de acesso aos cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrados do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, dar-se-á através de Processo Seletivo ou por transferência de instituições federais e estaduais de Educação Profissional. (Art 19 do Regulamento da Organização Didática ROD/IFS). Para tanto, o candidato deverá ter concluído o Ensino Fundamental ou equivalente. 13

15 Todo o processo seletivo será divulgado por meio da publicação na Imprensa Oficial, devendo contar com requisitos para acesso, conteúdos programáticos, referências bibliográficas, sistemática do processo, turno e número de vagas oferecidas. Na existência de vagas remanescentes é prevista a possibilidade de transferência externa de aluno oriundo de cursos da educação profissional técnica de nível médio ministrados em estabelecimentos credenciados pelos sistemas federais e estaduais, desde que estes sejam correlatos em eixos, nível, perfil e estrutura pedagógica e que o mesmo tenha concluído pelo menos um período do curso técnico em que esteja matriculado (Art. 33 e 36 ROD/IFS). Segundo o Art. 36, parágrafo 1 e 2, da ROD/IFS, a transferência interna de curso só será permitida se houver a possibilidade de o aluno ingressar, no curso pleiteado, a partir do segundo período, desde quando a matriz curricular possibilite a equivalência integral do 1º período do curso sendo que, quando a procura for maior do que o quantitativo de vagas disponíveis, o atendimento será realizado com base no coeficiente de desempenho escolar obtido do período cursado. 4. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DO CURSO Ao integralizar a sua formação geral e profissional o Técnico de Nível Médio em Redes de Computadores deverá apresentar um perfil que lhe permita desempenhar as seguintes atividades: Identificar os componentes dos computadores e seus periféricos, analisando funcionamento e relacionamento entre eles; Atuar no desenvolvimento de atividades de instalação e configuração de infra-estrutura de redes de computadores e sistemas operacionais de redes, observando os critérios e normas de segurança, higiene e qualidade, buscando soluções alternativas dentro dos padrões estabelecidos e contribuindo para a melhoria da qualidade do serviço a ser executado; Instalar e configurar dispositivos de comunicação digital e softwares em equipamentos de rede; Executar diagnóstico e corrigir falhas em redes de computadores; Preparar e manter cabeamentos de redes; 14

16 Configurar acessos de usuários em redes de computadores, serviços de rede, tais como firewall, servidores web, correio eletrônico, servidores de notícias; Implementar recursos de segurança em redes de computadores. 5. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Os planos dos cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrados ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS) foram elaborados em observância ao disposto na Lei nº , de 20 de dezembro de 1996, na Resolução CNE/CEB nº. 04, de 22 de dezembro de 1999, no Parecer 16, de 05 de outubro de 1999, no Parecer CNE/CEB nº. 39, de 08 de dezembro de 2004, na Resolução CNE/CEB nº. 01, de 03 de fevereiro de 2005; na Resolução nº. 03, de 23 de junho de 1998, no Parecer CNE/CEB 15, de junho de 1998, na Resolução CNE/CEB nº. 02, de 04 de abril de 2005 e, ainda, fundamentados nos princípios contidos na Proposta Pedagógica deste Centro. A organização curricular do Curso Técnico de Nível Médio Integrado ao Ensino Médio em Redes de computadores constitui-se em uma oferta de um currículo, respaldada em política pública para a Educação Profissional, que tem como objetivos a elevação do grau de escolaridade do cidadão, tendo em vista superação da dicotomia trabalho manual versus trabalho intelectual através da construção de competências e habilidades técnico-científicas necessárias ao desempenho de uma atividade laboral que visa à qualificação social e profissional, bem como a consolidação e o aprimoramento dos conhecimentos adquiridos na Educação Básica, de maneira articulada e integrada à formação técnica. Essa perspectiva busca inserir uma dimensão intelectual ao trabalho produtivo, comprometendo-se, sobremaneira, com a atuação efetiva do trabalhador no tecido social, em uma perspectiva de sujeito com capacidade de gestar a sua formação continuada e os processos de trabalho de maneira crítica e autônoma. A distribuição das disciplinas presentes na matriz curricular, a qual visa desenvolver as competências profissionais que atendam as demandas dos cidadãos, do mercado de trabalho e da sociedade, estão presentes em três núcleos de disciplinas, os quais são: Formação Básica; Formação Diversificada; Formação Profissionalizante. 15

17 O núcleo de Formação Básica tem como objetivo desenvolver as competências e conhecimentos básicos necessários à formação do Ensino Médio e compreende as disciplinas de: Língua Portuguesa, Arte, Língua Estrangeira Inglês, Educação Física, Matemática, Química, Física, Biologia, Geografia, História, Sociologia, Filosofia O núcleo de Formação Diversificada busca desenvolver os conhecimentos instrumentais necessários para que o egresso esteja habilitado a lidar com os aspectos da interdisciplinaridade. Este Núcleo é constituído pelas seguintes disciplinas: 2ª Língua Estrangeira-Espanhol, Microinformática, Segurança do Trabalho. O núcleo para Formação Profissional busca desenvolver as competências e conhecimentos científicos, tecnológicos e instrumentais necessários para habilitar o egresso para o campo específico do Curso Técnico em Redes de Computadores. Este Núcleo é constituído pelas seguintes disciplinas: Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais, Tecnologia e Arquitetura de Redes, Redes Sociais, Marketing e Comunicação via Internet, Lógica de programação, Programação para Redes de Computadores, Segurança em Redes de Computadores, Gerência em Redes de Computadores, Sistemas Distribuídos, Inovação Tecnológica, Projeto de Redes e Instalações Físicas, Gestão de Projeto, Práticas de laboratório, Projeto de Conclusão do Curso e Infraestrutura de Redes de Computadores. O projeto do curso não prevê o Estágio Curricular, considerando que a prática profissional permeia todas as unidades curriculares e, considerando que, para integralização curricular, existe a obrigatoriedade do desenvolvimento de projetos. Logo, esta prática profissional poderá ser contemplada por meio da execução de projetos, estudos de casos, pesquisa ou atividades correlatas, devidamente orientadas por um dos componentes do corpo docente. A integralização do curso se dará após o cumprimento das 51 disciplinas obrigatórias, o que corresponde a uma carga horária de horas/aula, conforme matriz curricular, em um tempo mínimo de curso de 4 anos e um tempo máximo de 5 anos. Este plano de curso ora apresentado será uma referência para o trabalho pedagógico a ser implementado. A organização do curso se dará, em regime seriado, anual e terá a sua estrutura curricular, composta por disciplinas. 16

18 5.1. MATRIZ CURRICULAR Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 17

19 ÁREAS DO CONHECIMENTO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe Tabela-8: MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM REDES DE COMPUTADORES MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM REDES DE COMPUTADORES CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITO Carga Horária /Série C/H Total 1ª 2ª 3ª 4ª C. H /Aula C. H/ R IRC01 Língua Portuguesa I ,8 IRC02 Língua Portuguesa II ,8 IRC03 Língua Portuguesa III ,8 Linguagens, Códigos e suas Tecnologias IRC04 Língua Portuguesa IV ,8 IRC05 Arte ,4 IRC06 Língua Estrangeira:Inglês I ,4 IRC07 Língua Estrangeira:Inglês II ,8 IRC08 Língua Estrangeira:Inglês III ,8 IRC09 Educação Física I ,8 IRC10 Educação Física II ,8 IRC11 Educação Física III ,4 IRC12 Matemática I ,6 IRC13 Matemática II ,2 IRC14 Matemática III ,2 IRC15 Química I ,8 Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. IRC16 Química II ,8 IRC17 Química III ,8 IRC18 Física I ,2 IRC19 Física II ,2 IRC20 Física III ,2 IRC21 Biologia I ,8 IRC22 Biologia II ,8 IRC23 Biologia III ,8 Ciências Humanas e suas Tecnologias IRC24 Geografia I ,8 IRC25 Geografia II ,8 15

20 Parte Diversificada Formação Profissional IRC26 Geografia III ,8 IRC27 História I ,8 IRC28 História II ,8 IRC29 História III ,8 IRC30 Sociologia I ,4 IRC31 Sociologia II ,4 IRC32 Sociologia III ,4 IRC33 Filosofia I ,4 IRC34 Filosofia II ,4 IRC35 Filosofia III ,4 IRC36 Língua Estrangeira:Espanhol ,8 IRC37 Microinformática ,8 IRC38 Segurança do Trabalho ,8 Formação Geral ,4 IRC39 Arquitetura de Computadores e Sistemas Operacionais ,8 IRC40 Tecnologia e Arquitetura de Redes ,4 IRC41 Redes Sociais, Marketing e Comunicação via Internet ,4 IRC42 Lógica de Programação ,6 IRC43 Programação para Redes de Computadores IRC ,8 IRC44 Segurança em Redes de Computadores IRC ,4 IRC45 Gerência em Redes de Computadores ,8 IRC46 Sistemas Distribuídos ,6 IRC47 Infraestrutura de Redes de Computadores ,6 IRC48 Projeto de Redes e Instalações Físicas IRC ,6 IRC49 Inovação Tecnológica ,6 IRC50 Gestão de projeto e Projeto de Conclusão do Curso IRC ,6 IRC51 Práticas de Laboratório ,8 Formação Profissional ,4 CARGA HORÁRIA TOTAL ,8 16

21 5.2. FLUXOGRAMA 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano Conhecimentos Básicos Conhecimentos Profissionalizante Conhecimentos Diversificado 18

22 5.3. PROJETO DE CONCLUSÃO DE CURSO Integra a matriz curricular do curso técnico em nível médio em Redes de Computadores um projeto de conclusão de curso o qual será desenvolvido pelo aluno no quarto ano do curso. O projeto de conclusão delimitará o desenvolvimento conceitual de uma solução tecnológica abrangendo e validando conhecimentos na área de redes de computadores. O projeto será disposto em duas etapas para avaliação: Elaboração de uma solução tecnológica conceitual; Apresentação da documentação e Produção de uma monografia, ambas apresentadas a uma banca examinadora. Cada projeto será acompanhado por um Professor Orientador. O mecanismo de planejamento, acompanhamento e avaliação é composto pelos seguintes itens: a) Elaboração de um Plano de Atividades, aprovado pelo Professor Orientador; b) Reuniões periódicas do aluno com o Professor Orientador; c) Elaboração da documentação ou monografia; e, d) Avaliação e defesa pública do projeto perante uma banca examinadora, composta por, no mínimo, 3 (três) docentes da área correlata, dentre os quais, o Professor Orientador. 6. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E CERTIFICAÇÃO DE CONHECIMENTOS Os conhecimentos adquiridos ao longo de experiências vivenciadas fora do IFS, inclusive no âmbito não formal, podem ser aproveitados mediante a avaliação que poderá ser feita através da análise de certificados e/ou de exames escritos ou orais, com vistas à validação desses conhecimentos que coincidam com saberes curriculares integrantes do curso técnico de nível médio integrado ao Ensino Médio em Redes de Computadores. Poderão ser aproveitados conhecimentos adquiridos: 19

23 Em qualificações profissionais ou componentes curriculares de nível técnico concluídos em outros cursos; Em cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores (antigos cursos básicos); Em atividades desenvolvidas no trabalho e/ou alguma modalidade de atividades não-formais. 7. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Nesta proposta, as categorias trabalho e realidade se constituirão nos eixos estruturantes do currículo, conforme figura 1: NÚCLEO COMUM h PARTE DIVERSIFICADA 200,4 h FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1202,4 h REALIDADE Figura 1: Estrutura do currículo do curso Integrado em Redes de Computadores ,8 h A operacionalização deste currículo demandará ações educativas que fomentem a construção de aprendizagens significativas e viabilizem a articulação e a mobilização dos saberes, estabelecendo um relacionamento ativo, construtivo e criador com o conhecimento. Destarte, para concretizá-lo, serão desenvolvidas diversas estratégias metodológicas de integração que terão como princípios a interdisciplinaridade, a contextualização, a flexibilidade e a valorização das experiências extra-escolares dos alunos, vinculando-as aos saberes acadêmicos, ao trabalho e as práticas sociais. Julga-se também, imprescindível, a clareza na perspectiva do olhar docente e discente sobre as atividades pedagógicas, pois neste desenho curricular, o docente se posicionará como mediador do processo, o qual deverá estar preparado para enfrentar os desafios dessa ação educativa, que envolverá compromisso com o seu fazer diário, que também terá que ser coletivo e passível 20

24 de avaliação permanente. Quanto ao aluno, este terá que ser protagonista do processo educativo comprometendo-se com a construção dos valores que fundamentarão o seu desenvolvimento intelectual, humano e profissional. As atividades educativas estarão voltadas para assegurar a integração entre trabalho, ciência, cultura e tecnologia, através da seleção adequada dos conteúdos e da inter-relação entre estes, bem como do tratamento metodológico que será dado ao processo de construção do conhecimento, considerando a organicidade do currículo. Nesta proposta, o termo integrar deverá ser compreendido em uma perspectiva de completude, de compreensão das partes no seu todo ou da unidade no diverso, de tratar a educação como uma totalidade social, isto é, nas múltiplas mediações históricas que concretizam os processos educativos (CIAVATTA, 2005, p.84). Em face deste desenho curricular que ora delineamos, buscar-se-á proporcionar aos alunos situações educativas que consolidem aprendizagens significativas e estabeleçam conexões críticas com a realidade para que esses alunos possam desenvolver a autonomia e a criatividade, assegurando a percepção de que a sua relação com o conhecimento terá um papel essencial para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Entende-se por metodologia do processo ensino-aprendizagem a forma e a prática na consecução dos objetivos educacionais e dos princípios pedagógicos. A metodologia de ensino inserida na implementação deste projeto pedagógico é fundamentada: Na criação de materiais didáticos pelos docentes - produção de apostilas e uso de recursos audiovisuais, provendo maior interação aos discentes; Na aplicação da tecnologia no ensino com acesso facilitado de equipamentos e softwares vista a prática de ferramentas para desenvolvimento conceitual e de soluções tecnológicas; No uso intensivo de ferramentas através de laboratórios que permitam a introdução e fomento de novas tecnologias no ensino prático; No redirecionamento das aulas no sentido de aumentar a participação dos discentes, através da introdução sistemática da utilização da informática como ferramenta de apoio ao ensino através de softwares específicos que permitam uma 21

25 maior interação dos discentes com o conteúdo programático de cada disciplina; No uso de softwares especificados pelos docentes, que atendam aos conteúdos de cada disciplina, na solução de problemas da área. Dentre outras possibilidades didático-pedagógicas, serão priorizadas as seguintes situações de aprendizagens: atividades educativas, de estudos e pesquisas, que desafiem o inter-relacionamento entre os conhecimentos das disciplinas, evitando a justaposição dos saberes; desenvolvimento de projetos que integrem as unidades curriculares, partindo da problematização e do diálogo com a realidade, utilizando as disciplinas como instrumentos para explicá-la no processo de construção dos saberes; realização de abordagens de conteúdos e de complexos temáticos integradores que atendam às condições e às características biopsicossociais e pedagógicas dos alunos. A ampliação de espaços e aquisição e/ou atualização de equipamentos para os laboratórios didáticos do Curso é de suma importância para se aplicar adequadamente a metodologia proposta no projeto pedagógico. Em relação aos laboratórios didáticos relativos às disciplinas especificas do curso, devem produzir saberes no seu conjunto de práticas, desde as disciplinas mais básicas até as mais especializadas, no intuito de introduzir metodologias e novos conceitos exigidos pela atual realidade tecnológica. Espera-se que melhorias neste sentido sejam constantes para a plena implementação da nova estrutura curricular. Os docentes do Curso deverão ser levados a apresentarem e/ou adequarem seus planos didáticos de laboratório no sentido de propiciarem condições metodológicas e de conteúdo adequados ao projeto no que tange à formação conceitual e tecnológica prática de Redes de Computadores. Com a metodologia acima proposta espera-se que o professor deixe de ser um mero provedor de fatos, informações e regras para ser um facilitador da aprendizagem; o discente deixe de ser um receptor passivo de informações para ser um ativo pesquisador e investigador de problemas reais; as disciplinas deixem de ser vistas isoladamente e passem a ser instante de um conhecimento agregado e interdisciplinado. O currículo, ora proposto, permite ao discente construir saberes que atendam a uma formação consistente e atual, com subsídios suficientes para que o mesmo domine conhecimento necessário a área de Redes de Computadores. A 22

26 disciplina de Projeto de Conclusão de Curso orienta o discente para a coresponsabilidade na sua formação. A metodologia de ensino para o curso não se voltará apenas às atividades em sala de aula. Outras atividades complementares são de fundamental importância na formação pretendida para o egresso do curso: os discentes ao se engajarem em programas (PIBIC/CNPq, Monitoria, Seminários, Empreendedorismo e Estágios, intercâmbio acadêmico com universidades nacionais e internacionais e outros IF), os quais deverão ser firmados com a sedimentação do curso, terão a oportunidade de vivenciar mais intensamente as atividades de ensino, pesquisa e extensão, tão necessárias a sua formação. Em resumo, o Curso pretende exercitar novos paradigmas (Ensino centrado no discente, pensamento sistêmico, dinâmica de sistemas, autonomia intelectual entre outros.) que possam fornecer coesão, significado e motivação para a formação dos seus egressos do Curso. 8. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM O sistema de avaliação a ser empregado em cada disciplina ou atividade depende dos seus objetivos. O discente, ao cursar cada disciplina, construirá seus conhecimentos através de aulas teóricas e/ou práticas. Em disciplinas que exigem somente aulas teóricas os discentes poderão ser avaliados a partir da interação em atividades e/ou instrumentos e técnicas de avaliação (séries de exercícios, apresentação de seminários e/ou provas escritas), aplicadas durante e no final de cada disciplina, assim como, diálogo, a observação, a participação, as fichas de acompanhamento, os trabalhos individuais e em grupo, as atividades práticas e a auto-avaliação, A Avaliação do desempenho escolar será feita de forma processual e contínua, verificando o desenvolvimento dos saberes, dos conhecimentos, das competências profissionais adquiridas durante o processo ensino-aprendizagem. O aluno será avaliado individualmente pelo professor responsável por cada disciplina durante todo desenvolvimento do período. O resultado final da avaliação deverá ser expresso, numa escala de 0 (zero) a 10 (dez) com 1 (uma) casa decimal. Para as disciplinas que envolvem projetos, a avaliação dar-se-á mediante a elaboração de uma solução tecnológica conceitual e/ou prática, além da 23

27 apresentação de documentação e de uma monografia que deverá ser apresentada publicamente perante uma banca de professores examinadores, pelo discente e individualmente. Para o aluno lograr a aprovação nas disciplinas do curso em questão é necessário alcançar a média mínima considerada como 6,0 (seis), e com no mínimo 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência. A avaliação da aprendizagem possibilita a tomada de decisão e melhoria da qualidade de ensino, informando as ações de desenvolvimento e necessidades de regulações constantes. Os casos omissos a este plano de curso serão dirimidos observandose o Regulamento da Organização Didática do IFS. 9. INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E BIBLIOTECA Compreende na nossa estrutura física: Laboratório de Arquitetura e redes de computadores; Laboratórios de Informática I, II, III, IV, V e VI Núcleo de Pesquisa de Informática; Salas de Aula; e, Biblioteca. Atualmente, a coordenação de informática conta com sete laboratórios sendo que um deles é destinado às aulas de redes e arquitetura de computadores, conforme apresentado na tabela 9. Tabela-9: AMBIENTES E EQUIPAMENTOS Ambiente Descrição dos Equipamentos Quantidade Postos de trabalho Laboratório de arquitetura e redes de computadores CPU Compaq CPU IBM Monitores Retroprojetor Scanner de mão Estabilizadores No-break Bancos Painel Cabo de rede Teclados Modem Drive de CD (avulso) caixas

28 Laboratório I Laboratório II Laboratório III (Lab. destinado a disciplinas básicas) Laboratório IV Laboratório V Laboratório VI Computador Infoway, Pentium Dual Core, 1.6 Ghz, 1GB RAM, HD de 150 GB, leitor de DVD, gravador de CD. 1 Computador HP, AMD Athlon Dual Core, 3Ghz, 1G RAM, HD de 80 GB. 15 Pontos de rede físicos. 11 Antenas Wirelles. 8 TV LG 29 1 Computador Infoway, Pentium Dual Core, 1.6 Ghz, 1GB RAM, HD de 150 GB, leitor de DVD, gravador de CD. 13 Computador HP, AMD Athlon Dual Core, 3Ghz, 1G RAM, HD de 80 GB, leitor de DVD, gravador de CD. 3 Pontos de rede físicos. 11 Antenas Wirelles. 4 TV LG Computador Daten, Intel Celeron, 3GHz, 256 MB RAM, HD de 80 GB, leiotor de CD. 10 Computador Compac, Intel Pentium 4, 1.8 Ghz, 256 MB RAM, HD de 40 GB, leitor de CD. 9 Pontos de rede físicos 11 Computador Infoway, Intel Core 2 duo, 3Ghz, 4GB RAM, HD de 160 GB, Leitor DVD e gravador de CD. 16 Pontos de rede físicos 16 TV Philco 29 1 Computador Infoway, Intel Core 2 duo, 3Ghz, 4GB RAM, HD de 160 GB, Leitor DVD e gravador de CD. 3 Computador HP, AMD Athlon Dual Core, 3Ghz, 1G RAM, HD de 80 GB. 16 Pontos de rede físicos 11 TV CCE 29 1 Computador Infoway, Intel Core 2 duo, 3Ghz, 4GB RAM, HD de 160 GB, Leitor DVD e gravador de CD. 21 Pontos de rede físicos 21 TV Toshiba 52 1 Equipamentos Multimídia Lousa Digital 1 Datashow TOTAL DE POSTOS DE TRABALHO 231 Adicionalmente, estão sendo desenvolvidos projetos de implantação de, inicialmente, 2 laboratórios específicos da área de redes (tabela 10) para atender todos os quesitos curriculares do curso aqui descrito. 25

29 Tabela-10: AMBIENTES E EQUIPAMENTOS A SEREM ADQUIRIDOS Ambiente Descrição dos Equipamentos Quantidade Postos de trabalho Laboratório de redes de computadores I Laboratório de redes de computadores II Computadores Servidor Estabilizadores Rack Quadro branco Projetor Multímetro Teste de cabo Switche de 24 portas Access point 2 Kit de ferramentas 25 Caixa de cabos 400m cat 5E e/ou 6 Conectores RJ45 Tomadas RJ45 femeas Alicate de crimpar para RJ11 e RJ45 Alicates decapador de fios Putch down Estiletes Roteador Patch panel de 24 portas Placas de rede sem fio Computadores Servidor Estabilizadores Rack Quadro branco Projetor Multímetro Teste de cabo Switche de 24 portas Access point 2 Kit de ferramentas 25 Caixa de cabos 400m cat 5E e/ou 6 Conectores RJ45 Tomadas RJ45 femeas Alicate de crimpar para RJ11 e RJ45 Alicates decapador de fios Putch down Estiletes Roteador Patch panel de 24 portas Placas de rede sem fio caixas caixas TOTAL DE POSTOS DE TRABALHO 32 O IFS dispõe de uma biblioteca com 180,05 m 2 com capacidade para 40 usuários e um funcionário por turno para orientação ao usuário. O acervo está classificado de acordo ao método CDD(Classificação Decimal de Dewey), que torna possível a busca das obras por autor, título e assunto. Os livros podem ser 26

30 localizados ainda com a busca direta nas estantes, uma vez que as mesmas são identificadas por área de conhecimento. A biblioteca disponibiliza 10 computadores com acesso a Internet aos usuários. Quanto ao acervo da área de informática estão disponíveis vários títulos (anexo II) e está sendo aguardada a aquisição de outros títulos na área. O empréstimo é efetivado de forma manual. Entretanto, foi finalizado, neste semestre, um sistema para automação para nossa biblioteca pelos formandos do curso Integrado em Programação e Suporte a Sistemas de Computação. No atual sistema de empréstimo, cada aluno pode solicitar o empréstimo de até três títulos por um período de oito dias com renovação caso não exista reserva para o título. 10. CORPO DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO O Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia de Sergipe do Campus Lagarto possui na Coordenação de Informática um corpo docente com 11 professores do quadro efetivo para atuação no Curso Técnico de Nível Médio em Redes de Computadores. Tabela-12: CORPO DOCENTE Nome Titulação Regime de trabalho Adriane da Costa Neto Mestranda DE Alex Paulo Alves de Oliveira Mestrando 20h Clênia Melo Araujo Mestranda 40h Cristiane Oliveira de Santana Mestre DE Elisângela Maria A. O. Rocha Mestranda 40h Jean Louis Silva Santos Mestrando 40h Jonatas Lemos Rodrigues Especialista 40h Luiz Carlos Pereira Mestrando DE Mário André de Freitas Farias Mestrando DE Renata Tânia B rito de Morais Mestrando DE Ricardo Ariel Correia Rabelo Mestrando DIPLOMA O aluno só será considerado aprovado na série se possuir freqüência igual ou superior a 75% no cômputo da Carga Horária Total da série, bem como se obtiver média igual ou superior a 6,0(seis) em cada componente curricular. 27

31 Após integralizar todas as disciplinas e demais atividades previstas neste Plano do Curso, o estudante fará jus ao diploma de nível médio como Técnico em Redes de Computadores. 28

32 ANEXO I EMENTAS E PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Sergipe CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM REDES DE COMPUTADORES. Disciplina: Língua Portuguesa I Carga Horária: 80 Créditos: 2 Período Letivo: 1º Código: IRC01 Pré-requisitos: - 1. OBJETIVOS Compreender a língua portuguesa e literatura como fundamentação para o desenvolvimento de cidadania, através da aplicação de saberes lingüísticos e textos que desenvolvam a capacidade de interpretação e formação de juízo crítico. Conhecer a língua como meio para a representação simbólica de experiências. Reconhecer a linguagem em suas funções e utilizá-la em forma de expressão. Utilizar conhecimentos lingüísticos na compreensão de textos científicos. 2. EMENTA Signo lingüístico linguagem língua fala ;Variantes lingüísticas;funções da linguagem;conceito de literatura gêneros literários ;Referência à literatura medieval e clássica portuguesa; Quinhentismo no Brasil; Barroco; Arcadismo; Ortografia; Acentuação gráfica; Crase; Morfemas Processo de Formação das Palavras. 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Signo lingüístico linguagem língua fala 2. Variantes lingüísticas 3. Funções da linguagem 4. Conceito de literatura gêneros literários 5. Referência à literatura medieval e clássica portuguesa 6. Quinhentismo no Brasil 7. Barroco 8. Arcadismo 9. Ortografia 10. Acentuação gráfica 11. Crase 12. Morfemas Processo de Formação das Palavras 4. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Avaliação diagnóstica e auto-avaliação, aplicação de testes escritos e orais, construção de textos. 5. BIBLIOGRAFIA BÁSICA 29

33 VIANA, Antonio Carlos. Roteiro De Redação. NETO, Pasquale. Gramática Da Língua Portuguesa. NICOLA, Jose De. Literatura Brasileira. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ABREU, Antonio Suárez. Curso De Redação. INFANTE. Ulisses. Curso De Gramática Aplicada Aos Textos. 30

34 Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Sergipe CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM REDES DE COMPUTADORES. Disciplina: Língua Portuguesa II Carga Horária: 80 Créditos: 2 Período Letivo: 2º Código: IRC02 Pré-requisitos: IRC01 1. OBJETIVOS Compreender a língua portuguesa e literatura como fundamentação para o desenvolvimento de cidadania, através da aplicação de saberes lingüísticos e textos que desenvolvam a capacidade de interpretação e formação de juízo crítico. Entender os mecanismos de organização do parágrafo em um texto dissertativo. Dialogar através de textos literários com idéias e autores diferentes. Analisar a influência da norma padrão que rege a língua escrita e a oral. Analisar e realizar recursos lingüísticos e utilizá-los na construção do conhecimento. 2. EMENTA Classes gramaticais; Romantismo; Realismo e naturalismo;parnasianismo e simbolismo; estudo do discurso; paragrafação. 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. A língua portuguesa como meio de comunicação e informação: estudo das classes gramaticais; 2. O romantismo no Brasil, autores e obras; 3. Realismo e Naturalismo e seus representantes; 4. Parnasianismo e Simbolismo no Brasil; 5. Estudo do Discurso, uso de palavras chave e ajustamento da frase; 6. Particularidades lexicais e o texto narrativo; 7. Estudo da paragrafação; 6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Avaliação diagnóstica e auto-avaliação, aplicação de testes escritos e orais, construção de textos. 7. BIBLIOGRAFIA BÁSICA VIANA, Antonio Carlos. Roteiro De Redação. NETO, Pasquale. Gramática Da Língua Portuguesa. NICOLA, Jose De. Literatura Brasileira. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR 31

35 ABREU, Antonio Suárez. Curso De Redação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe INFANTE. Ulisses. Curso De Gramática Aplicada Aos Textos. 32

36 Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Sergipe CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM REDES DE COMPUTADORES. Disciplina: Língua Portuguesa III Carga Horária: 80 Créditos: 2 Período Letivo: 3º Código: IRC03 Pré-requisitos: IRC02 1. OBJETIVOS Compreender a língua portuguesa e literatura como fundamentação para o desenvolvimento de cidadania, através da aplicação de saberes lingüísticos e textos que desenvolvam a capacidade de interpretação e formação de juízo crítico. Dialogar através de textos literários com idéias e autores diferentes. Analisar a influência da norma padrão que rege a língua escrita e a oral. 2. EMENTA O estudo de SINTAXE (de regência, de concordância, de período simples e período composto), em termos gramaticais. Já no que tange á abordagem de texto, pretende-se uma análise de aspectos referentes à coesão, paragrafação e coerência no texto dissertativo-argumentativo, atendendo às necessidades de cada curso e visando desenvolver a habilidade de produção textual de maneira crítica nos discentes. No concernente aos estudos literários, demonstrar-se-á o panorama da Literatura Brasileira do Séc-XX, destacando-se autores, obras e características de cada tendência. 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. O estudo de SINTAXE: 1.1. Regência; 1.2. Concordância; 1.3. período simples; 1.4. período composto; 2. coesão; 3. paragrafação; 4. coerência no texto dissertativo-argumentativo; 5. Panorama da Literatura Brasileira do Séc-XX. 4. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Avaliação diagnóstica e auto-avaliação, aplicação de testes escritos e orais, construção de textos. 5. BIBLIOGRAFIA BÁSICA VIANA, Antonio Carlos. Roteiro De Redação. 33

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03/2011/CS

RESOLUÇÃO nº 03/2011/CS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE SERGIPE Av. Engenheiro Gentil Tavares da Mota, 1166 - Bairro Getúlio Vargas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Serviço

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09

PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. Gerência de Educação. Versão Julho_09 PROGRAMA SESI EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR Gerência de Educação Versão Julho_09 O SESI (Serviço Social da Indústria) ao longo de seus sessenta anos de história sempre foi fiel à sua missão de promover a qualidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais