FEBRASGO. Indústria do diploma forma mão-de-obra desqualificada. Profissional médico: Jornal da. Gestão A importância do controle financeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEBRASGO. Indústria do diploma forma mão-de-obra desqualificada. Profissional médico: Jornal da. Gestão A importância do controle financeiro"

Transcrição

1 Jornal da FEBRASGO Jornal da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Profissional médico: Indústria do diploma forma mão-de-obra desqualificada Ano 14 edição nº 84 março 2007 Personagem Como conciliar vida pessoal e carreira? Gestão A importância do controle financeiro Atualização Telemedicina a serviço da população

2 6 a 9 de maio 15th World Congress on Pediatric and Adolescent Gynecology 10º Congreso Latinoamericano de Ginecologia Pediátrica y Adolescente Zeppelini II Jornal da FEBRASGO março 2007 Local: Transamérica Expo Center - São Paulo Realização: SOGIA - BR

3 A dura realidade das escolas médicas Esta edição do Jornal da Febrasgo aborda o problema do grande número de escolas médicas em nosso país. Em um único dia, foram criadas três faculdades de medicina, que, em geral, estão despreparadas para o ensino teórico e, principalmente, prático, não tendo nem mesmo um hospital-escola. E será esse profissional, despreparado por ter se formado em estrutura deficitária, que terá a saúde da população nas mãos. E d i t o r i a l Lamentavelmente, a criação dessas escolas médicas muitas vezes tem finalidade política e mercantilista, visto que, segundo levantamento realizado pelo Cremesp, o valor médio da mensalidade das escolas privadas passa de R$ em São Paulo. Nilson Roberto de Melo Presidente Além da má formação, a grande quantidade de cursos de medicina tem gerado um número exorbitante de médicos, que se concentram em grandes centros. Assim, no Estado de São Paulo, por exemplo, há 1 médico para cada 474 habitantes. Essa proporção desigual é também gritante no município de São Paulo, tendo 1 profissional para cada 264 habitantes. O fato ocorre em vários estados e município de nosso país, sendo bem diferente do que seria aconselhado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Deve-se ressaltar que, após a formação desse estudante, a realidade torna-se ainda pior, já que apenas 40% dos médicos formados conseguem uma vaga para residência médica. Os que conseguem, podem enfrentar jornadas de 80 a 100 horas semanais, algumas vezes de 36 a 48 horas consecutivas, em que o discernimento e o bom-senso, que são fundamentais, deixam de existir, pois os residentes deveriam ter tempo adequado para descanso e estudo da especialidade escolhida. Aliado a isso, quando as condições de trabalho são inadequadas, o médico é pressionado e até agredido no seu local de trabalho. Como se isso não bastasse, os salários são aviltantes a imensa maioria não pratica os valores de honorários pela CBHPM e o setor público não respeita honorários mínimos; haja vista as denúncias que recebemos de nossos associados. Todos esses fatores também dificultam que o médico possa conciliar carreira, vida pessoal e familiar. Outro problema é que não nos ensinaram no curso médico e na residência, e continuam não ensinando, a administrar e gerenciar consultórios e clínicas, que não deixam de ser uma empresa. Muitas vezes não temos noção de quanto nos custa uma consulta, sendo que, algumas vezes, de acordo com os honorários praticados pelo convênio ou seguradora por procedimentos e consultas, podemos ter até prejuízo no atendimento. Como diz Carlos Alberto Suslik, na reportagem Controle suas finanças desta edição: Medicina é sacerdócio, mas também é um negócio. E um negócio competitivo, o que obriga o médico a proporcionar cada vez mais serviço de qualidade. Por todos estes motivos, penso que a Febrasgo, assim como todas as associações de especialidades, devem lutar conjuntamente com a AMB e o CFM pela não proliferação de escolas médicas, pela melhor formação do médico e do residente, por melhores condições de trabalho e de remuneração, proporcionando, dessa maneira, qualidade de vida e conhecimentos nas áreas de organização, gerenciamento e administração de clínicas ou consultórios. Febrasgo (11) Presidente: Nilson Roberto de Melo; Secretário-executivo: Francisco Eduardo Prota; Secretário-executivo adjunto: Vera Lúcia Mota da Fonseca; Tesoureiro: Ricardo José de Oliveira e Silva; Tesoureiro adjunto: Mariângela Badalotti; Vice-presidente da Região Norte: Pedro Celeste Noleto e Silva; Vice-presidente da Região Nordeste: Francisco Edson de Lucena Feitosa; Vice-presidente da Região Centro-Oeste: João Bosco Machado da Silveira; Vice-presidente da Região Sudeste: Cláudia Navarro Duarte Lemos; Vice-presidente da Região Sul: Almir Antonio Urbanetz; Assessor da presidência: Etelvino de Souza Trindade. Jornal da Febrasgo Editor: Nicolau D Amico Filho Redação: Produção Editorial Zeppelini Editorial: (11) Jornalista responsável: Elaine Iorio MTB: /SP Jornal da FEBRASGO março 2007

4 P í l u l a s Divulgação Balanço final: 39 Congresso de Ginecologia e Obstetrícia e 1ª Jornada de Gestação de Alto Risco do Distrito Federal Foram três dias de evento, mais de 800 inscritos, 43 palestras divididas entre cursos, mesas redondas, conferências, debates informais e simpósios. Os números finais mostram a amplitude do 39 Congresso de Ginecologia e 1ª Jornada de Gestação de Alto Risco do Distrito Federal, realizado entre 27 e 29 de setembro de 2006, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Além das atividades científicas, o evento organizado pela Associação de Ginecologia e Obstetrícia do estado (Sgob) promoveu um happy poster de queijos e vinhos, com exposição de 49 trabalhos científicos e casos clínicos, visita à feira com estandes de 22 expositores e um curso de degustação de vinho. E, no último dia do congresso, o dr. Nilson Roberto de Melo, presidente da Febrasgo, prestigiou o evento com uma conferência sobre osteopenia. O evento foi credenciado como um dos mais importantes do centro-oeste pela qualidade científica dos palestrantes. Foi um evento completo e que agradou a todos, comemorou Evaldo Trajano, presidente da Sgob. Entre as atividades realizadas nos três dias de congresso, alguns destaques foram: O curso de Aspiração Manual Intra-Uterina (Amiu), em que o dr. Avelar de Holanda Barbosa conduziu alguns procedimentos demonstrativos para os profissionais de saúde que participaram do evento; A palestra do professor Maurício Simões Abraão, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, considerado um dos mais conceituados especialistas em endometriose, que falou dos novos aspectos da etiologia da doença, do seu diagnóstico e tratamento; A mesa HPV: Fim dos mitos, liderada pelo dr. Edison Natal Fedrizzi, que fez quatro revelações a respeito da doença: não é possível dizer há quanto tempo o paciente tem o vírus, pois o período de incubação é variável; a transmissão não é unicamente por relação sexual; HPV não é sinônimo de câncer: de cem mulheres com o vírus, apenas uma vai desenvolvê-lo; e HPV tem cura, graças à evolução nos métodos de diagnóstico. AMB, APM e Cremesp criticam abertura de novos cursos de medicina em São Paulo No Brasil existe atualmente mais de 315 mil médicos em atividade, o equivalente a um para cada 560 cidadãos, número muito acima da relação de um para mil recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No estado de São Paulo já são mais de 90 mil médicos, totalizando um para cada 470 habitantes, e, na capital, a proporção é de um para 263. Mesmo diante da elevada quantidade de profissionais no mercado, o governo autorizou, no início de fevereiro, a criação de outros três cursos de medicina no estado. Para a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Associação Paulista de Medicina (APM), essa ação transforma a saúde em um objeto de mercantilização, configurando, portanto, um crime contra a população. Segundo as entidades, os brasileiros são vítimas da assistência de má qualidade e os estudantes pagam mensalidades caríssimas por cursos precários. Para o Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), mais do que a manobra irresponsável do Ministério da Educação e Cultura, foi lamentável a omissão do Conselho Nacional de Saúde, que abdicou da sua responsabilidade legal de exercer o controle social e emitir pareceres sobre a necessidade destes cursos. SUS ganha comissão de incorporação tecnológica A análise sobre a inclusão de novas tecnologias no Sistema Único de Saúde (SUS) agora está a cargo da Comissão de Incorporação de Tecnologias (Citec), instituída pela Portaria nº no final do ano passado. O objetivo é racionalizar e agilizar o fluxo de pedidos ou possibilidade de incorporação de novas tecnologias ao SUS e à Saúde Suplementar. As tecnologias referem-se a novos medicamentos e equipamentos na rede pública de saúde. A Citec será responsável pela análise das tecnologias em uso, revisão e mudanças de protocolos em consonância com as necessidades sociais em saúde e de gestão do SUS e ainda na Saúde Suplementar. Empresas, associações médicas e associações de portadores de patologias específicas podem solicitar incorporação de novas tecnologias, desde que atendam aos pré-requisitos expressos pela portaria. Evento reuniu mais de 800 participantes 2 Jornal da FEBRASGO março 2007

5 Endometriose é tema de campanha pública no Ibirapuera O Parque do Ibirapuera, em São Paulo, foi o cenário escolhido para o lançamento da 1ª Campanha Nacional de Esclarecimento sobre Endometriose, doença que acomete aproximadamente 6 milhões de mulheres no Brasil e 30 milhões no mundo. A campanha, lançada em 11 de março, foi organizada pelo Núcleo Interdisciplinar de Ensino e Pesquisa em Endometriose (Nepe) em parceria com a Associação Brasileira de Mulheres com Endometriose (Abend) e o laboratório AstraZeneca. A ação teve participação de 45 médicos e uma equipe de 20 pessoas na organização, que ficaram à disposição da população para esclarecer dúvidas e encaminhar as mulheres que apresentaram sintomas da doença aos serviços públicos de saúde correspondentes. A estrutura do evento, montada entre o Museu Afro-Brasileiro e o Planetário, contou com uma grande tenda, onde mais de folhetos explicativos foram entregues aos visitantes, que naquele domingo registrou um público de aproximadamente 120 mil pessoas. Cerca de mulheres foram atendidas, tendo a chance de descreverem seus sintomas, esclarecerem dúvidas e receberem orientações sobre os locais e formas de tratamento. Ao lado da tenda, uma área destinada às crianças disponibilizava brinquedos como pula-pula e piscina de bolinhas, e uma equipe de animadores chamava a atenção das pessoas que passeavam pelo parque. Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, foram distribuídas rosas vermelhas. Os profissionais que prestaram atendimento puderam comprovar o alto nível de desinformação que existe sobre a doença. Muitas mulheres que sofrem dores intensas há anos lidam com este fato resignadamente como se fosse algo natural, nem desconfiam que pode se tratar de endometriose, comenta o dr. Maurício Abrão, um dos fundadores do Nepe. Para a presidente da Abend, Eleuze Mendonça, a informação é a principal ferramenta da mulher para enfrentar a doença sem perder a qualidade de vida. Divulgação Evento distribui mais de folhetos explicativos XXXXXXXX Parte da equipe de médicos e organizadores Um dado interessante foi o elevado número de homens interessados na campanha. Apesar de as atividades serem dirigidas às mulheres, muitos homens se aproximavam do local para pedir informações sobre a doença e solicitar o material informativo, na intenção de levarem às suas esposas, mães, irmãs ou amigas. Isso demonstra não apenas o grande interesse do público masculino por tudo o que se relaciona à saúde, mas também sua disposição em participar e se inteirar dos assuntos relativos à mulher. Entidades médicas acompanham projetos de lei no Congresso Nacional O Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira lançaram no início de março, em Brasília, a Agenda Parlamentar da Saúde Responsável, elaborada pela Comissão de Assuntos Parlamentares (CAP), formada pelas duas entidades médicas. O objetivo é que conselheiros, médicos, jornalistas e a sociedade como um todo acompanhe e opine sobre os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que afetam diretamente a saúde da população brasileira. Entre os projetos em tramitação e apoiados pelo CAP está o PDC 1.832/2005, do deputado Osmânio Pereira (PTB/MG), que prevê uma convocação de plebiscito relativo à interrupção da gravidez até a 12ª semana de gestação. Já o PL 5.230/05, da deputada Ângela Gadagnin (PT/SP), proíbe a distribuição e a recomendação (pelo SUS) e a comercialização (pelas farmácias) de métodos anticoncepcionais emergenciais, como a pílula do dia seguinte. Medida condenada pela comissão. Jornal da FEBRASGO março 2007

6 G e s t ã o Controle suas finanças Ter eficiência e gerar lucro no setor de saúde causa conflito, mas é possível equilibrar interesses financeiros com qualidade por Juliana de Souza Chamar a atenção para a seriedade e o funcionamento do lado financeiro na área da saúde é muito importante, já que hospitais e consultórios médicos são pequenas empresas e devem ser geridos como tais. Assim como qualquer outro prestador de serviço, são vistos como entidades transformadoras de recursos, que utilizam bens físicos, humanos e tecnológicos para produzir. De acordo com o coordenador do MBA Executivo em Gestão de Saúde HIAE/IBMEC São Paulo, Carlos Alberto Suslik, no Brasil ainda há muita confusão quando o assunto são as finanças de pequenas clínicas médicas. Quando o gestor é o dono da instituição, pode acontecer uma mistura entre o dinheiro da pessoa física e da pessoa jurídica, resultando em um descontrole financeiro, explica. Imagine a seguinte situação: um médico sai de casa para colocar gasolina no carro. Chegando ao posto, percebe que está somente com o talão de cheques do consultório. Como não vai querer perder tempo para buscar o cheque da sua conta pessoal em casa, acaba pagando uma despesa cotidiana com o dinheiro da empresa. Aí você se pergunta: se o dinheiro do consultório também é dele, qual o problema? Realmente, o dinheiro também é dele, mas só deve ser utilizado para fins particulares após todos os gastos do negócio serem quitados. Assim, quando a receita for superior aos custos, o proprietário pode utilizar seu lucro do jeito que achar mais conveniente. Suslik explica que para clínicas e consultórios deve-se levar em consideração custos fixos e variáveis. Os custos fixos englobam aluguel, luz, água, condomínio, salário de funcionários, entre outros. Já os variáveis são basicamente os materiais utilizados no dia-a-dia e adquiridos de acordo com o número de pacientes. O médico precisa ter claro quanto custa cada consulta, dividindo todas as despesas fixas e variáveis por cada paciente, equilibrando assim as contas no final do mês. Afinal, o consultório tem de ser auto-sustentável, diz o especialista. Importância da gestão financeira A gestão financeira em clínicas e consultórios desempenha um papel muito importante no processo de tomada de decisões. Elemento crítico e imprescindível, proporciona grande impacto na qualidade e continuidade dos serviços, contribuindo significativamente para a viabilidade econômico-financeira dos programas de saúde. As decisões sobre custos fixos, variáveis, diretos e indiretos devem ser avaliadas versus os ganhos que vão trazer direta ou indiretamente. Precisam ser pensados de maneira a gerar ganhos que cubram seu próprio custo de contratação e novos serviços também, elucida o coordenador dos cursos de Gestão Atuarial da Fundação Universia, Antônio Lucena. Nos últimos anos, a administração financeira tem sido considerada uma das cinco grandes áreas funcionais da administração, ao lado da administração de pessoal, de compras ou materiais, de vendas ou de marketing e da produção. Além disso, partilha sua importância com outros setores funcionais básicos, como o planejamento, a organização, a coordenação, a direção e o controle. Uma gestão financeira ruim pode destruir todo o ganho obtido com os produtos e serviços vendidos, determinando a falência da organização, acrescenta Lucena. Mais controle e mais medicina Controle, tomadas de decisão diárias e obrigações burocráticas podem tirar o foco da principal função do médico? Alguns especialistas dizem que a resposta é sim, caso o profissional não tenha a devida atenção sobre seu papel. Esse é um problema muito comum quando médicos decidem, ou precisam, gerir seu próprio negócio sem uma assessoria adequada. Eles acabam aprisionados na teia da gestão empresarial e se vêem obrigados a implantar rotinas de controle para as quais não tiveram preparo formal. Medicina é sacerdócio, mas também é negócio. E um negócio competitivo. Como em muitos outros campos de trabalho, a oferta de serviços é superior à demanda, fato que por si só obriga os médicos a oferecerem cada vez mais qualidade de serviços, seja qual for a especialidade. Para Suslik, gerenciar a própria empresa não atrapalha na qualidade do serviço médico. Esse conflito ideológico já saiu de moda. Não é porque o médico cuida também das finanças que vai deixar de ser um bom profissional, diz. Já Lucena acredita que em parte o médico deve se envolver, mas na medida que o negócio se amplia, ele precisa ter suporte profissional de um contador, um gestor financeiro e um advogado. Estes profissionais nem sempre precisam ser empregados, podem ser consultores, assim como os médicos são para nós na gestão da nossa saúde, diz. Jornal da FEBRASGO março 2007

7 Felipe H Para a professora e coordenadora do Curso de Especialização em Economia Financeira da Unicamp, Maria Alejandra Madi, o conflito existe e é inevitável quando o lucro depende principalmente do volume de pacientes atendidos, finaliza. Dando a volta por cima Problemas de controle financeiro não são raros. Muito pelo contrário. A maioria das pequenas clínicas e consultórios passam por isso no começo. Isso porque a falta de conhecimentos em administração e contabilidade pode fazer com que o gestor acabe se atrapalhando com os números e perdendo o domínio sobre o seu negócio. Jorge Michalski, sócio da Banca Consultoria, empresa especializada em economia e estrutura organizacional, conta que ao longo de sua carreira se deparou com vários casos de falta de experiência administrativa e descontrole financeiro. Um dos que mais chama a atenção é o de uma entidade filantrópica regional. Como filantropos absolutos que eram, sem qualquer visão gestora, quebraram, ficaram desacreditados e eram vistos como entidade indigente, pejorativamente, conta o consultor. De acordo com ele, para sair do sufoco, contrataram profissionais com visão gestora, absolutamente focados em resultado. Assim, utilizaram dos melhores princípios profissionais e de criatividade. O caminho foi longo, porém, hoje com muita humildade desfrutam do respeito, absolutamente necessário nesta atividade, explica. Um outro caso contado por Michalski é de uma clínica oncológica particular. Os proprietários queriam atuar exclusivamente com pacientes particulares, aceitando poucos planos de saúde. Passado algum tempo, as instalações se depreciaram por falta de manutenção e atualização. Novamente a ação de postura gestora atuou, diz. Planejaram no sentido de encontrar o ponto de equilíbrio entre receitas e despesas. Hoje, atua no mesmo mercado mantendo o mix médio de receitas em 45% privado e 55% público. Porém, agregaram qualidade no atendimento, sendo um dos serviços o de atendimento psicológico, tão necessário para estes momentos. E o mais importante, não é cobrado. No caso da Vital Saúde Centro de Especialidades Médicas, localizada em Alphavile/SP, em 2000 o diretor clínico e financeiro, dr. Júlio Caporale, percebeu que as mudanças no mercado de saúde brasileiro afetariam suas finanças. A partir daí, decidiu arregaçar as mangas e tomar atitudes para salvar sua empresa. Houve um longo processo de reestruturação da clínica por meio de contratação de administração profissional, treinamento de funcionários, redução de custos na compra de material e uso de celulares. Além disso, o provisionamento de tributos e de despesas trabalhistas passaram a ser feitos no orçamento anual, complementado pelo acompanhamento diário do fluxo de caixa. Como obter um controle financeiro eficaz? Uma das grandes incertezas do proprietário de uma empresa é saber se o dinheiro que entra não tem desvios e se o que sai está sendo adequadamente utilizado. Para assegurar o uso correto dos proventos, especialistas listaram algumas medidas necessárias: - Implantar sistema financeiro informatizado, tendo como finalidade gerar informações consistentes, confiáveis, completas e legais no aspecto contábil; - Criar mecanismos automatizados de controle sobre planos de saúde, supervisionando o faturamento e o adequado recebimento; - Controlar glosas; - Analisar investimentos, evitando compras por impulso ou estimuladas por vendedores de equipamentos médicos; - Separar gastos jurídicos e físicos; - Ter um assessor/consultor financeiro permanente ou pontual para ajudar analisar e decidir questões relevantes; - Fazer cursos de finanças que melhorem a capacidade de gestão; - Fazer balanço periódico da gestão financeira da empresa, com apoio de um consultor. Agosto/2007 MBA Executivo em Gestão de Saúde HIAE/Ibmec São Paulo Carga horária: 600 horas Local: Rua Quatá, 300 São Paulo/SP Informações: (11) MBA Gestão Atuarial e Financeira Fundação Universia Carga horária: 360 horas Local: SGAS Quadra 609. Conjunto E L2 Sul. Campus Asa Sul Brasília/DF Informações: (61) Jornal da FEBRASGO março 2007

8 APM Profissional médico: Uma dura realidade 2 a Parte C a p a Assim como em São Paulo, estudantes de medicina e residentes de todo o país fizeram manifestações pelo aumento da bolsa-residência Em busca do rumo certo Categoria e governo precisam encontrar meios para resolver problemas referentes à formação médica e à escassez de vagas em programas de residência em todo o Brasil por Luciano Guimarães A profissão médica talvez esteja passando hoje por uma de suas mais complexas crises. Tão intricada que, olhando para todos os lados da encruzilhada em que se encontra, precisa escolher rapidamente o caminho que a recoloque no rumo certo, em direção ao futuro. De um lado, a categoria enfrenta a baixa remuneração, as péssimas condições de trabalho no serviço público e as duplas, e até triplas, longas jornadas, temas já abordados na primeira parte desta reportagem, publicada na edição passada do Jornal da Febrasgo. De outro, os médicos vêem-se às voltas com problemas que se tornaram mais difíceis de serem resolvidos com o passar do tempo: deficiência na formação de mão-de-obra qualificada, falta de vagas em residências para os recém-formados e dificuldades para a administração da carreira e da vida pessoal. O primeiro passo para a resolução dessas barreiras, no longo prazo, foi dado no dia 5 de fevereiro deste ano, quando o Ministério da Educação baixou portaria que vincula a criação de novos cursos de graduação em Medicina à obtenção de pareceres favoráveis do Conselho Nacional de Saúde. Se o CNS desaprovar algum curso, o processo será analisado pela Comissão Técnica de Acompanhamento e Avaliação (CTAA) do MEC. Atualmente, segundo o MEC, existem 300 pedidos de autorização para a abertura de novos cursos. Especialistas no tema e dirigentes de entidades defendem que quanto mais cursos funcionando, pior a será a qualidade da mão-de-obra formada. Só no Estado de São Paulo, de acordo com o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), funcionam 31 cursos de medicina, sendo apenas oito em faculdades públicas. Juntos, serão responsáveis por despejar no mercado mais de médicos por ano. Para o Cremesp, há excesso de médicos em São Paulo, que já conta com 91 mil profissionais em atividade 1 médico para cada 474 habitantes. A equação é simples: excesso de mão-de-obra + concorrência acirrada = salários menores. Se a abertura indiscriminada de novos cursos continuar, a situação só tende a piorar. Em 2005, segundo o último censo do MEC, havia 149 cursos em funcionamento, que receberam matrículas. Ainda em 2005, o mercado recebeu 10 mil novos médicos. Infra-estrutura inadequada Os médicos que saem de instituições de ensino deficitárias, técnica e fisicamente, são os mesmos que terão em suas mãos milhares de vidas. Profissionais que passaram por faculdades sem a Jornal da FEBRASGO março 2007

9 infra-estrutura adequada, com laboratórios precários e bibliotecas defasadas. Em alguns locais, até mesmo o corpo docente tem problemas de formação, atuando sem o preparo apropriado para quem espera ser chamado de professor, de mestre. Essa má qualidade na formação de mão-de-obra vem se refletindo nos resultados de exames de habilitação profissional. Por exemplo: provas aplicadas pelo Cremesp em 2006, aos alunos do sexto e último ano da faculdade, mostraram que 37,9% dos inscritos não conseguiram acertar 72 das 120 questões da primeira fase, revelando não terem conhecimentos mínimos para exercer a medicina. Em 2005, esse percentual foi de 31%. As áreas de conteúdo referentes à ginecologia e obstetrícia acompanharam a tendência e obtiveram menor percentual de acertos, com 64,82% e 59,09%, respectivamente, contra 65,19% e 59,33% do exame aplicado em A prova não foi tão complicada, sendo mais fácil até que os exames para residência médica, em que se selecionam os melhores. O objetivo foi simplesmente saber se nossos médicos saíram da faculdade sabendo o que deveriam, afirma o médico Bráulio Luna Filho, coordenador do exame do Cremesp e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp). O ensino das escolas médicas deixa muito a desejar. Para o médico Marcos Boulos, diretor da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), algumas faculdades conseguem formar mãode-obra de qualidade, porém, mesmo estas não estão sintonizadas com o desenvolvimento dos conhecimentos e continuam a ensinar uma porção de conteúdos biomédicos desconectados do compromisso de bem atender. Residência: falta de vagas coloca qualidade profissional em cheque Formados, os médicos têm de enfrentar outro problema, que parece longe de ser resolvido: o déficit de vagas para residência. De acordo com a Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR), existem 17 mil residentes no país, sendo que a maioria não consegue entrar em um programa de residência. Apenas 40% dos formados alcançam uma vaga no primeiro ano após saírem da faculdade. O restante precisa esperar entre dois e cinco anos por uma vaga. Outra boa parcela não faz a residência e exerce a profissão normalmente, explica o médico Paulo Amaral, secretário de finanças da ANMR. Amaral questiona o fato de as faculdades optarem pela abertura de cursos de especialização para os médicos em detrimento de um verdadeiro programa de residência. Não existe fiscalização sobre a qualidade desses cursos, o que é perigoso tanto para o profissional que se forma quanto para o paciente que ele atenderá no futuro, avalia. Divulgação/Cremesp Marcos Boulos, diretor da FMUSP, acredita que as faculdades não estejam sintonizadas com o desenvolvimento dos conhecimentos Para Bráulio Luna Filho, presidente da Socesp, ensino brasileiro deixa muito a desejar É aí que mora o perigo. Instituída pelo decreto nº , de 5 de setembro de 1977, a residência médica não é obrigatória para o médico recém-formado. São esses profissionais, assim como a boa parte daqueles que são reprovados nos exames de habilitação, que atuam como plantonistas em prontos-socorros, local crítico, onde é necessário saber o que fazer em circunstâncias adversas, sob pressão. Acredita-se que esta situação seja uma das razões para a elevação do número de denúncias de erros médicos, que cresceu 142% entre 1995 e No site da Secretária de Ensino Superior (Sesu), por exemplo, há 80 vagas para residência em ginecologia e obstetrícia para 2007, em 17 instituições médicas e de ensino em todo o país. Na mesma área, mas com foco em ultra-sonografia, existem mais 40 vagas, oferecidas em 22 locais. É pouco. Este número precisa ser ampliado, para que os futuros médicos possam dar um atendimento de qualidade aos seus pacientes. Segundo Marcos Boulos, é importante não permitir a criação de faculdades sem campo de treinamento de qualidade. É necessário buscar nos principais hospitais universitários o aumento da oferta de vagas, criar novos programas de residência não-hospitalocêntrica, a fim de se manter os recém-formados em contato com a comunidade, salienta. Quando o profissional não consegue se especializar fica, com freqüência, marginalizado, exercendo sua atividade em subempregos, que têm como objetivo principal auferir lucro da atividade do médico. Arquivo/Depto. MI/FMUSP Ainda há muito trabalho pela frente para colocar a profissão novamente nos eixos. A estrada é longa, tortuosa e cheia de obstáculos, mas o mais importante não falta: vontade de mudar para melhor. Jornal da FEBRASGO março

10 Pe r s o n a g e m Carreira e vida pessoal: cada vez mais difícil de conciliar por Luciano Guimarães colaboração de Paula Craveiro Os residentes brasileiros vêm passando por momentos difíceis. Após uma greve que chamou a atenção da sociedade brasileira, em 2006, com passeatas nas ruas e a mobilização de centenas de pessoas, a manifestação terminou após a obtenção de um reajuste de 30% no valor da bolsa-auxílio. Parcela considerável dos residentes trabalha mais de cem horas semanais, muitos atuando em plantões exaustivos, de 48 horas seguidas, sem intervalos para descanso. Este ainda é um fato negativo que precisa ser resolvido, pois são grandes as chances de erros médicos. Além disso, as longas jornadas também prejudicam a atualização profissional, chamada no meio de educação médica continuada. Atualmente, segundo levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM), o médico tem quatro atividades simultâneas e, cada vez mais, precisa trabalhar para compensar o achatamento gradual de seus ganhos, afirma o neurologista Cid Célio Jayme Carvalhaes, presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) e expresidente da Sociedade Brasileira de Neurologia. Em cinco anos, o profissional precisa obter cem pontos em atividades de educação continuada. Caso contrário, com o avanço da tecnologia e dos procedimentos, ficará desatualizado em menos de 8 anos. A seguir, confira como três profissionais lidam com este problema cotidiano, conciliando, da maneira que podem, a vida pessoal com a carreira. DENISE CRISTINA MÓS VAZ OLIANI Ginecologista formada há 20 anos e especialista em ultra-sonografia há 17 anos. É docente do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, chefe do Serviço de Imagem em GO da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp) e diretora do Instituto de Medicina Reprodutiva e Fetal. JF: Por que você decidiu se especializar em ultra-sonografia e o que mudou da época em que fez US para os dias atuais? Denise: Era algo que faltava para complementar a profissão. Quando me especializei, acabei assumindo funções na US e gostei bastante. A carreira teve mudanças consideráveis. Somente neste ano, a US passou a ser obrigatória nos programas de residência. Antes; o médico precisava pagar para fazer um curso a respeito. JF: Como você concilia a vida profissional e a pessoal? Denise: Minha carga de trabalho é de aproximadamente 55 horas por semana, divididas em 40 horas na faculdade e o restante no consultório. A grande vantagem é que trabalho o tempo todo com o meu marido, que também é médico, tanto na faculdade quanto no consultório. Optei por não ter filhos, para poder cuidar da carreira. Um filho tomaria muito tempo, dificultando o desenvolvimento na profissão. JF: Como você atualiza seus conhecimentos? Denise: Tenho reuniões todas as manhãs com meus residentes da ultra-sonografia, para repassar conceitos; a cada 15 dias, nos reunimos para discutir medicina fetal; às sextas-feiras, à tarde, novamente no juntamos para discussão de casos publicados em revistas internacionais; e, uma vez por mês, voltamos a discutir mais casos. Também uso bastante a internet e participo de congressos e seminários, inclusive no exterior, para onde vamos duas vezes ao ano. JF: Essas funções de chefia a deixam mais estressada do que antes? Denise: Sim, com certeza, mas há vantagens, pois em cargo de chefia, passei a ver a profissão de modo diferente. Hoje, aprendo muito com meus 18 residentes. Estou me adaptando à carga de trabalho. Ser chefe me ensina a controlar esse problema. JF: E como são suas horas de lazer? Denise: Como trabalho também aos sábados, o domingo para mim é sagrado. Gosto muito de ler, fazer caminhadas e viajar. Sempre que podemos, vamos a Ribeirão Preto (SP), onde moram meus pais. Creio que o importante é fazer o que se gosta. Jornal da FEBRASGO março 2007

11 MARCELO MARSILLAC MATIAS Ginecologista com consultório próprio, contratado do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas e plantonista de sobreaviso do Hospital Mãe de Deus, todos em Porto Alegre (RS). Jornal da Febrasgo: Qual a sua carga de trabalho atual? Matias: Ultrapassa com certeza 70 horas semanais, sendo 60 horas dedicadas ao Hospital Presidente Vargas, que é federal e municipalizado. Lá, atendo no Centro Obstétrico, no ambulatório e no bloco cirúrgico. As demais horas são gastas no consultório, geralmente no final das tardes. JF: Como você atualiza seus conhecimentos? Matias: A maioria da atualização é feita por meio da internet. Hoje, a educação continuada requer tempo e investimento, coisas que os médicos não têm. Mas sempre que possível, até porque faço parte da Comissão de Ética e de Ensino do Hospital Presidente Vargas, busco conhecimento na literatura médica e em periódicos. disso, não só eu, mas a maioria dos profissionais tem apenas os finais de semana para isso. Sou sócio da Sociedade Brasileira de Ginecologia, participo de cursos e seminários, mas mesmo freqüentar esses eventos está ficando complicado. JF: Como são as suas atividades de lazer? Matias: São praticamente dedicadas à família, principalmente à minha filha de dois anos de idade. Dificilmente conseguimos ir ao cinema ou a um parque, porque a profissão toma muito o nosso tempo. Minhas horas de lazer são praticamente passadas em casa. JF: Trabalhar tanto não prejudica esse processo de educação continuada? Matias: Sim, é claro, pois a falta de tempo dificulta cada vez mais a atualização de conhecimentos médicos. Em função NEIVANA MAR DOS SANTOS FONTES Especializada em GO pela Universidade de Manaus há 10 anos. É docente da cadeira de GO na Universidade do Amazonas e coordenadora do programa de Planejamento Familiar e Contracepção do Hospital Universitário Francisca Mendes, administrado pela Universidade Federal do Amazonas. Também é médica plantonista cooperada da Cooperativa Médica de Ginecologia e Obstetrícia (Copago). JF: Que atividades médicas você desempenha e quanto tempo, em média, elas consomem? Neivana: Atuo nas áreas de cirurgia e contracepção. Também sou residente plantonista e, como faço parte de uma cooperativa, não tenho tempo suficiente para fazer consultório. Sem contar que o trabalho acadêmico e as tarefas do hospital ocupam uma grande parte do meu dia, aproximadamente 70%. JF: Como você se atualiza? Neivana: Como estou diretamente ligada à universidade, acabo me atualizando enquanto realizo pesquisas acadêmicas ou ao preparar minhas aulas. Para poder sanar as dúvidas e questionamentos em geral de meus alunos, sou constantemente obrigada a ir atrás de informações, seja em livros, cursos ou internet. A própria dinâmica de aprendizado, a interação entre os alunos e eu, torna-se uma fonte de novos conhecimentos. JF: Como você concilia a vida profissional e a pessoal? Neivana: Quando se é sozinho, a vida é mais simples. A partir do momento que tem mais alguém envolvido no meu caso, duas crianças ainda pequenas, é preciso ter muito jogo de cintura. Felizmente sempre pude contar com o apoio de meus familiares. Porém, em alguns momentos é preciso abrir mão de certas coisas, fazer uma opção. Não dá para abandonar minha profissão, pois é algo a que me dedico há anos. Mas também não posso esquecer dos meus filhos, que são prioridade em minha vida. JF: E como são suas horas de lazer? Neivana: Por passar muito tempo ausente, busco dedicar esses momentos inteiramente a eles. Tento fazer quase todos os programas que eles gostam, como levá-los para andar de skate e patins, ir ao cinema, jogar boliche. Mas, sempre que possível, procuro também sair para dançar, que é uma coisa que eu gosto muito, mas quase não tenho tempo de fazer. Jornal da FEBRASGO março 2007

12 A t u a l i z a ç ã o Médic a Uma abordagem inicial sobre telemedicina por Elaine Iorio A telemedicina surgiu na década de 1960, em meio à corrida espacial da Guerra Fria, tendo os EUA e a ex-urss como os países pioneiros da área. A National Aeronautics and Space Administration (Nasa) é considerada a responsável por sua primeira aplicação, em virtude do programa de vôos espaciais e o desenvolvimento de sofisticadas técnicas de telemetria biomédica, sensores remotos e comunicações espaciais. Naquela época, tecnologias comuns, que hoje estão presentes no dia-a-dia das sociedades urbanas, eram ainda de altíssimo custo. Por conta disso, a utilização da telemedicina era pouco explorada, sendo reservada para situações muito específicas, distantes da população. A partir de década de 1990, entretanto, com a melhoria da telecomunicação, a expansão da Internet (surgimento da web) e a redução de custos dos sistemas computacionais com os recursos gráficos, a telemedicina ganhou força e pôde ser popularizada. Esse desenvolvimento tecnológico a menor custo incentivou os estudos focados nas aplicações mais amplas da telemedicina, tendo o surgimento da telessaúde como um dos principais resultados dessa etapa. Conceitos e diferenciações Segundo definição do dr. Chao Lung Wen, professor associado e coordenador-geral da disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), telemedicina é o uso de modernas tecnologias, que englobam informática e telecomunicação, com o objetivo de se desenvolver a cadeia produtiva de saúde: um conjunto de ações voltadas para a qualidade de vida e a promoção da saúde da população que envolve, entre outros aspectos: educação, prevenção, saúde da família, segunda opinião especializada, capacitação de profissionais e telehomecare. A telemedicina atua em três grandes áreas: teleassistência / televigilância epidemiológica; teleducação interativa; e pesquisa multicêntrica versus comunidades virtuais. Quanto ao aspecto tecnológico, pode ser igualmente dividida em três categorias: Alta tecnologia: Videoconferências dedicadas e de alta performance, cirurgia robótica, biometria etc.; Media tecnologia: Uso de Internet de banda larga, tele-ecg, telehomecare, sistema de alerta geriátrica etc.; Larga abrangência: Uso de tecnologias simples, incluindo Internet de linha discada. Em meio a tantos nomes e conceitos, uma das dúvidas mais comuns, principalmente entre aqueles que estão iniciando na área, é a diferenciação entre telemedicina e telessaúde. Dr. Chao esclarece que, em princípio, a telessaúde seria um termo mais amplo, pois englobaria todas as 14 profissões de saúde reconhecidas pelo MEC e Ministério da Saúde. Porém, como a telemedicina é a área mais estruturada mundialmente, e surgiu ainda na década de 1960, uso o termo telemedicina para conferir as características que a telessaúde poderá adotar. Estamos em uma fase de transição; a palavra telessaúde começará a ser mais conhecida nos próximos cinco anos, explica ele. Telemedicina no Brasil Apesar de ainda engatinhar no campo da alta tecnologia na segunda metade da década de 1990, o Brasil também acompanhou o desenvolvimento da telemedicina, realizando diversos ensaios naquela época. Mas foi somente a partir de 2002 que ela ganhou força no país. Do ponto de vista institucional, há a seguinte cronologia: Dez/2002 Criação do Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde; Divulgação Divulgação Videoconferência entre a FMUSP e a Universidade do Estado do Amazonas em 2006 Para dr. Chao, o Brasil possui um dos maiores programas latino-americanos de telemedicina 10 Jornal da FEBRASGO março 2007

13 Mar/2006 Criação da Comissão Permanente de Telessaúde do Ministério da Saúde; Ago/2006 Criação do Comitê Executivo de Telessaúde do Ministério da Saúde; Jan/2007 Criação do Programa Nacional de Telessaúde do Ministério de Saúde e aprovação da Câmara Técnica de Telemedicina no Conselho Federal de Medicina. Para o professor da FMUSP, isso demonstra a evolução do Brasil na área, que, segundo ele provavelmente tem um dos maiores programas latino-americanos de telemedicina. A disciplina de Telemedicina da Faculdade de Medicina da USP, da qual ele faz parte, é a única da América Latina. A instituição ficou entre as cinco finalistas do Prêmio do Presidente, durante a edição 2005 do Congresso de Telemedicina da Associação Americana de Telemedicina a maior entidade de telemedicina do mundo. Ampliação Com o objetivo de expandir a telemedicina na área acadêmica, a FMUSP está apoiando a criação de mais três disciplinas em universidades brasileiras e dez núcleos em diversos serviços. Por ser membro da Comissão Permanente de Telessaúde e Comitê Executivo de Telessaúde do Ministério da Saúde, tenho ajudado a criar grupos de trabalhos nas áreas de remuneração e ética por serviços prestados por meio da telemedicina, normatização técnica, levantamento das infraestruturas tecnológicas nos países e cooperações, conta dr. Chao. Telemedicina e tocoginecologia O uso da telemedicina em ginecologia e obstetrícia ainda está em fase inicial. Porém, ela é muito promissora para as áreas de educação médica continuada, campanhas de prevenção como do câncer de mama e do câncer de colo uterino, e acompanhamento de gestação de risco por meio de monitoramento cardio-fetal domiciliar e on-line. É fundamental iniciar uma política de formação desde agora, para que a teleginecologia e teleobstetrícia estejam adequadamente consolidados nos próximos 3 anos. Além disso, o projeto da Mulher Virtual, aos moldes do já consagrado Homem Virtual, deve representar um grande avanço para os profissionais de G/O. Ela foi criada para explicar os principais pontos da saúde da mulher, tais como anatomia do aparelho genito-urinário, musculatura do períneo feminino, ciclo menstrual, métodos contraceptivos, climatério entre outros. O Projeto Homem Virtual usa os recursos da computação gráfica para ultrapassa a fronteira da anatomia, abordando fisiologia, fisiopatologia, biomecânica, mecanismos de ação e outros aspectos relevantes do conhecimento sobre saúde. Segundo ele, também é necessária a criação de uma rede de telemedicina de hospitais privados, ampliar cursos de treinamentos para profissionais da área de saúde, consolidar o telehomecare e a prevenção de doenças com o uso do homem virtual como ferramenta educacional. Outro ponto é a utilização da telemedicina de forma ampla na educação médica continuada e a implantação de grandes projetos sociais pela telemedicina, como o Projeto Jovem Doutor, que permitirá estruturar um grande programa para a utilização dos recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicação (Fust), que conta com cerca de R$ 4,5 bilhões. Revistas Atualidades Brasileiras em Telemedicina e Telessaúde Disciplina de Telemedicina da FMUSP. Journal of Telemedicine and Telecare Royal Society of Medicine (London) Telemedicine and e-health American Telemedicine Association Links Projeto Homem Virtual teve grande receptividade em todas as especialidades médicas Jornal da FEBRASGO março

14 S e r v i ç o s Agenda ABRIL 12 a 15 13º Congresso de G/O da Região Sudeste da Febrasgo / 31º Congresso Estadual de G/O da Sgorj Realização: Sgorj Local: Rio de Janeiro (RJ) (21) Seminário Responsabilidades de médicos e instituições de saúde Realização: Central Prática Consultoria Local: São Paulo/SP (11) e 14 1ª Jornada de Sexualidade Humana de São José do Rio Preto Realização: Cenacon Local: São José do Rio Preto (SP) (17) ª Jornada de Atualização em Mastologia e 2ª Jornada de Atualização em Ginecologia e Obstetrícia de Itumbiara Realização: SGGO Local: Goiânia (GO) (62) e 21 3ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia de Bonito Realização: Sogomat-Sul Local: Bonito (MS) (67) e 28 2ª Jornada Paranaense de Atualização em Ginecologia Endocrina e Anticoncepção Realização: Sogipa Local: Maringá (PR) (41) º Encontro de Ginecologia e Obstetrícia Baseado em Evidências Realização: SGGO Local: Caldas Novas (GO) (62) MAIO 4 e 5 Simpósio de Medicina Fetal Realização: Sgob Local: Brasília (DF) (61) a 9 15th World Congress on Pediatric and Adolescent Gynecology e 10º Congreso Latinoamericano de Ginecologia Pediátrica y Adolescente Realização: Sogia BR Local: São Paulo (SP) 12 6ª Jornada de Reprodução Humana da SBRH-Regional Realização: SGGO Local: Goiânia (GO) (62) a 19 32º Congresso Mineiro de G/O Emgo 2007 Realização: Sogimig Local: Belo Horizonte (MG) (31) a 26 4º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia da Região Norte Realização: Assago Local: Manaus (AM) (92) a 26 33ª Jornada Pernambucana de Ginecologia e Obstetrícia Realização: Sogope Local: Recife (PE) (81) /5 a 2/6 21ª Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Realização: Centro de Estudos Ayres Netto Local: São Paulo (SP) AMB e CFM lançam mais 80 diretrizes A Associação Médica Brasileira (AMB) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) disponibilizaram na internet e na versão impressa os volumes 4 e 5 do Projeto Diretrizes AMB/CFM, que contêm 40 diretrizes cada. Colaboraram com o quinto volume 12 sociedades de especialidade. As metas do projeto para 2007 são publicar os volumes 6 e 7, com 240 diretrizes divididas pelas áreas clínica e cirúrgica, e atualizar aquelas elaboradas em 2000 e Curso de capacitação jurídica para médicos na TV Em abril, o canal Conexão Médica prossegue com as atividades voltadas para a atualização profissional. O destaque é o 1º Curso de Capacitação Jurídica para Médicos, com estréia prevista para 17 de abril. Sua exibição será às terças-feiras, sempre na terceira semana do mês, com início às 8h. A primeira aula será ministrada por Emerson Eugenio de Lima, advogado-sócio da Eugenio de Lima e Pitella Advogados. Livros A questão da anestesia em Obstetrícia Com o objetivo de contribuir para a formação de especialistas e sanar algumas dúvidas recorrentes à prática cotidiana, a editora Atheneu lança a segunda edição de Anestesia em Obstetrícia (461 págs., R$ 187), obra inovadora ao abordar pela primeira vez o intenso volume de anestesias obstétricas aplicadas diariamente no Brasil. Em dez anos de estudos e atualizações, muitos conceitos mudaram e novas técnicas foram introduzidas, informações complementadas nesta segunda edição pelos autores, Américo Massafuni Yamashita, professor assistente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp-EPM), e Judymara Lauzi Gozzani, doutora em medicina pela Unifesp-Epm e editora-chefe da Revista Brasileira de Anestesiologia, em conjunto com 30 médicos atuantes em entidades de excelência de todo Brasil Sites The North America Menopause Society O site da Sociedade Norte-Americana de Menopausa traz informações sobre menopausa, menopausa precoce, sintomas da doença e efeitos em longo prazo sobre a saúde, além de uma grande variedade de terapias. University of Chicago: Department of Obstetrics and Gynecology O Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade de Chicago promove pesquisas ligadas à saúde das mulheres, como câncer, complicações da gravidez, genética e endocrinologia reprodutiva. 12 Jornal da FEBRASGO março 2007

15

16

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Exame do Cremesp 2007

Exame do Cremesp 2007 Exame do Cremesp 2007 Reprovados 56% dos estudantes de sexto ano de Medicina que compareceram às provas em 2007 Índice de reprovação cresceu 18 pontos percentuais em um ano e 25 pontos percentuais em dois

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Clipping de Notícias Educacionais

Clipping de Notícias Educacionais Os resultados do Enade são utilizados pelo MEC na elaboração do Índice Geral de Cursos (IGC) e do Conceito Preliminar de Curso (CPC), indicadores de qualidade de instituições de ensino e de seus cursos

Leia mais

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio

Patrocínio Institucional Parcerias Apoio Patrocínio Institucional Parcerias Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos

No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos RADIOGRAFIA DO ENSINO MÉDICO No Brasil, número de escolas privadas de Medicina cresce duas vezes mais rápido que o de cursos públicos Do início de 2003 a 2015, a quantidade de cursos particulares de Medicina

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

O impacto do Programa Mais Médicos para o Brasil na formação médica

O impacto do Programa Mais Médicos para o Brasil na formação médica O impacto do Programa Mais Médicos para o Brasil na formação médica Julho - 2014 Graduação e Residência Médica Hermila Guedes Consa. Hermila Guedes Agosto - 2015 O Programa Mais Médicos para o Brasil (Lei

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

A Importância da Causa

A Importância da Causa A Importância da Causa Panorama do Cenário Brasileiro Leucemia é o câncer mais comum entre crianças, e o linfoma é o 3º câncer mais comum entre este público Se detectados logo e tratados adequadamente,

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS OBJETIVO DA SOLUÇÃO GERCLIM WEB A solução GERCLIM WEB tem por objetivo tornar as rotinas administrativas e profissionais de sua clínica,

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Quanto Ganha um Engenheiro?

Quanto Ganha um Engenheiro? Quanto Ganha um Engenheiro? Na média, R$ 5.096,50 por mês. A pesquisa online foi realizada no período de 19 de Março a 8 de Abril e colheu informação de duzentos profissionais espalhados por todo o país,

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA 1. Nome do curso e Área(s) do Conhecimento - Pós-Graduação/Especialização em Sexologia Clínica - Área do conhecimento: Medicina - Forma de oferta: presencial

Leia mais

COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO

COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO GUIA DEFINITIVO DE COMO OTIMIZAR AS ATIVIDADES EM SEU CONSULTÓRIO 10 DICAS DE COMO ORGANIZAR O DIA A DIA DE SEU CONSULTÓRIO INTRODUÇÃO O dia a dia de clínicas e consultórios, se não for organizado, pode

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR Carta a população, A radioterapia é o tratamento que se utiliza de radiação ionizante para destruir ou controlar o crescimento de células neoplásicas. Esse tratamento é uma das três armas mais utilizadas

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012

Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering. Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Women and Cancer: Saving Lives and Avoiding Suffering Ministério da Saúde Brasília, Brazil May/2012 Fortalecimento da Rede de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Conjunto de ações estratégicas

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

PERFIL, NECESSIDADES E ANSEIOS DOS ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE MACEIÓ 1

PERFIL, NECESSIDADES E ANSEIOS DOS ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE MACEIÓ 1 PERFIL, NECESSIDADES E ANSEIOS DOS ALUNOS DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE MACEIÓ 1 Paulo da Cruz Freire dos Santos 2 Muito tem se falado em crise do ensino e das instituições educacionais. Entretanto parece

Leia mais

Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade

Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade Qualquer um dos milhares de brasileiros que passaram

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

Briefing O que é? Para que serve?

Briefing O que é? Para que serve? Faculdade de Tecnologia da Paraíba CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA A INTERNET DISCIPLINA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ESTÁTICAS PERÍODO: P2 Semestre: 20082 PROFESSOR Geraldo Rodrigues

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE

EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE MÉDICO CRM 27962 Graduação em Medicina no ano de 1976 Faculdade de Medicina de Itajubá Itajubá MG Cargos Administrativos: Diretor Presidente da Unimed Leste Paulista

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 04/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.151, publicada no Diário Oficial da União de 04/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Propostas aprovadas no XII Enem

Propostas aprovadas no XII Enem Propostas aprovadas no XII Enem Tema I Formação Médica Ensino Médico 1. Exigir como requisitos mínimos para reconhecimento e revalidação dos cursos de Medicina: hospital próprio com quantidade suficiente

Leia mais

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS

Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Relatório de Curso ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES JORNALISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

FEBRASGO. Dados inéditos sobre a mortalidade materna. Exclusivo. Especial Associativismo fortalece a luta dos médicos brasileiros

FEBRASGO. Dados inéditos sobre a mortalidade materna. Exclusivo. Especial Associativismo fortalece a luta dos médicos brasileiros Jornal da Ano 15 edição 91 janeiro/fevereiro 2008 FEBRASGO Jornal da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Exclusivo Dados inéditos sobre a mortalidade materna Políticas Públicas

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

www.feirahospitalmed.com.br

www.feirahospitalmed.com.br www.feirahospitalmed.com.br O maior encontro médico-hospitalar do norte-nordeste do Brasil A HOSPITALMED - Feira de Produtos, Equipamentos, Serviços e Tecnologia para Hospitais, Laboratórios, Clínicas

Leia mais

Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar

Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar Ofício nº 0110-08/DIR-CFP Brasília, 9 de junho de 2008. Aos Senhores PRESIDENTES Conselho Regional de Psicologia Assunto: Encaminhamentos da APAF acerca do tema Saúde Suplementar Senhor Presidente, 1.

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Dr Milton Glezer Quem vou ser daqui a 20 anos Público Assistencial Acadêmica Gestão Privado Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Mudanças nos planos de saúde- melhorar cada vez mais o funcionamento dos

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil. Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil.

Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil. Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil. Por João Paulo Gonzaga de Faria* - 24 Ago 2013 Mais Fatos e Menos Propaganda A verdade sobre os Médicos no Brasil Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil. No dia 06

Leia mais

www.montehorebe.com.br curso@ensinovirtual.com.br

www.montehorebe.com.br curso@ensinovirtual.com.br www.montehorebe.com.br curso@ensinovirtual.com.br MANUAL DO ALUNO DO INSTITUTO MONTE HOREBE 2 ÍNDICE Quem somos... 4 Qual o objetivo deste Manual... 5 O que é aprender... 6 Educação a Distância... 7 Nossos

Leia mais

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO 1 Tânia Regina Fávero Enfermeira Licenciatura em Enfermagem pela UNICAMP/SP MBA em Gestão de Planos de Saúde Docente em cursos na ABRAMGE/SP Docente em cursos na

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Uma vida dedicada. do ensino médico?

Uma vida dedicada. do ensino médico? E ntrevista Gilson Soares Feitosa O entrevistado desta edição é o cardiologista e professr Gilson Feitosa, que é coordenador da Residência em Cardiologia e diretor de Ensino e Pesquisa do Hospital do Hospital

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará

Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará Milton Alves Diretoria de Apoio Hospital Infantil Sabará SINDHOSP Desafios e rumos da Saúde Suplementar Hospital Infantil Sabará Saúde Sem Papel (evolução) RESOLUÇÃO CFM 1821/2007 20/02 22:45 RESOLUÇÃO

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem

Leia mais

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer

ÍNDICE - 31/01/2005 O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 câncer ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Metrópole...2 Intoxicação pode ter causado morte de casal...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Teste ajuda detecção precoce de câncer de mama...3 Gazeta Mercantil...4

Leia mais

Clipping Nacional. Educação

Clipping Nacional. Educação Clipping Nacional de Educação Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014 Capitare Assessoria de Imprensa SHN, Quadra 2 Bloco F Edifício Executive Tower - Brasília Telefones: (61) 3547-3060 (61) 3522-6090 www.capitare.com.br

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE 1 EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE Maringá Pr. 05/2015 Ednar Rafaela Mieko Shimohigashi Centro Universitário Cesumar ednar.shimohigashi@unicesumar.edu.br Eliane

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS

AÇÕES INSTITUCIONAIS A ACOBAR é uma entidade de classe, sem fins lucrativos, representante da náutica de lazer em todo o país. Foi fundada em 19 de dezembro de 1975. Em seu quadro associativo possui empresas das mais variadas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL A IMPO RTÂNC IA DE TE R UM CONT ROLE FINAN CEIRO PESSO AL F U N D O Introdução É normal encontrar pessoas que imaginam não precisarem ter um controle financeiro pessoal, pois não ganham o suficiente para

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Plano de Negócios. Fast Break

Plano de Negócios. Fast Break Plano de Negócios Fast Break Aislan Amadio 1 José Marcio Alves Thomé 2 Valéria Figueiredo 3 Vagner Roberto da Costa 4 Maria Eliza Zandarim 5 Resumo O presente estudo tem como objetivo demonstrar e de estruturar

Leia mais

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1 nº 16 janeiro / 2006 Mais um passo Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking Estudos mostram que as organizações que se mantêm na liderança em seus setores durante períodos prolongados medem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GINECOLOGIA INFANTO-JUVENIL - ANO 2015

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GINECOLOGIA INFANTO-JUVENIL - ANO 2015 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GINECOLOGIA INFANTO-JUVENIL - ANO 2015 Ato de Oficialização: RESOLUÇÃO nº. 01/2007-Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento:

Leia mais

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO Autores Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão Prof. Dr.

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

Experiência: Projeto Bombeiros da Vida

Experiência: Projeto Bombeiros da Vida Experiência: Projeto Bombeiros da Vida Ministério da Saúde- Ministro Barjas Negri Secretária de Políticas de Saúde: Cláudio Duarte da Fonseca Área da Saúde da Criança : Ana Goretti Kalume Maranhão Equipe:

Leia mais