RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO"

Transcrição

1 RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO REPORT ON THE PRESENCE OF Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) AT PATROCINIO S FOREST PARK CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO Gabriel da Costa Inacio 1 Matheus Francisco Osório 2 Maria de Fátima Pereira 3 Lindomar Pereira Rodrigues 4 1 Aluno de graduação em Ciências Biológicas do UNICERP. 2 Aluno de graduação em Ciências Biológicas do UNICERP. 3 Docente Mestre do UNICERP. 4 Gerente do Parque Florestal de Patrocínio Caxuana S/A Reflorestamento. RESUMO Dilocarcinus pagei, Stimpson, 1861, crustáceo decápode, pertencente à família Trichodactylidae, popularmente conhecido como caranguejo-vermelho. Há registro desta espécie nos estados do Amapá, Amazonas, Pará, Mato Grosso, Rondônia, Acre, Mato Grosso do Sul, São Paulo, e em Minas Gerais foi relatada como ocorrente pela primeira vez em Furnas, No Parque Florestal de Patrocínio Caxuana S/A Reflorestamento (Patrocínio-MG) foi o primeiro registro da espécie após sete anos de monitoramento da área. A fauna do Parque vem sendo levantada desde Os exemplares foram registrados na margem direita da represa de Nova Ponte dentro da Fazenda Caxuana, na proximidade da foz do Córrego do Ouro, no período de agosto de 2012 a Janeiro de 2013, Foram registrados, 14 exemplares fragmentados dentro de galeria e um exemplar vivo. Foram registras duas fêmeas, dentro das galerias, sendo que uma destas estava morta. Como este foi o primeiro registro da espécie na região, mais estudos serão necessários para análise da ocorrência desta espécie. Contudo este relato torna-se relevante, devido ao fato de reportar o primeiro registro da espécie no parque e na região de Patrocínio, MG, mais especificadamente, no Parque Florestal Caxuana S/A Reflorestamento, MG. Palavras-chave: Caranguejo-vermelho, crustáceo, Dilocarcinus pagei, represa, Patrocínio. ABSTRACT Dilocarcinus pagei, Stimpson, 1861, Decapoda crustacean belonging to the Trichodactylidae family, commonly known as red crab. There are records of this species in the state of Amapá, Amazonas, Pará, Mato Grosso, Rondônia, Acre, Mate Grosso do Sul, São Paulo and in Minas Gerais it was reported as occurring for the first time in Furnas, At Patrocinio s Forest Park Caxuana S/A Reflorestamento (Patrocíno MG) was the first report of the species after 07 years monitoring the area. The fauna of the Park has been analysed since The

2 specimens were registered on the left bank of the Nova Ponte dam inside da Caxuana Farm near the mouth of the Corrégo do Ouro, in the period between August 2012 and Januray 2013, 14 fragmented specimens inside the gallery and one specimen alive were registered. Two females were registered inside the galleries, being one of them dead. As this was the first report of the species in the area, more studies will be necessary for the analysis of the occurrence of this species. However, this report becomes relevant due to the fact it reports the first time this species was registered in the park and in the area of Patrocínio, MG, more specifically, in the Forest Park Caxuana S/A Reflorestamento, MG. Keywords: Red crab, crustacean, Dilocarcinus pagei, dam, Patrocionio.

3 INTRODUÇÃO Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (caranguejo-vermelho) pertencente ao filo Arthopoda, classe crustácea, subclasse brachyura e ordem decapoda. Aproximadamente, espécies, são encontradas em diversos ambientes aquáticos, desde os ambientes marinhos aos de água doce, e também ocorrem no terrestre (STORER et al.,1984). Segundo Fransozo e Fransozo (1998) os crustáceos decápodes, apresentam grande número de espécies viventes, abrangendo diversos habitats, o que reflete em uma diversidade de padrões de vida e estratégias reprodutivas. Variam desde espécies de pequeno porte até espécies com dimensões maiores. Em relação ao tipo de reprodução, bem como ao sucesso reprodutivo, adaptações ocorrem entre as espécies, dependendo do ambiente onde se encontram. De acordo com Magalhães (2003) dentre as espécies da família Trichodactylidae encontra-se a espécie Dilocarcinus pagei, Stimpson, 1861, com distribuição geográfica ampla na região central da América do Sul. Esta espécie possui hábitos anfíbios, resistindo algum tempo fora d água, principalmente se houver umidade. Os indivíduos adultos são escavadores com hábitos noturnos, permanecendo nas galerias até o anoitecer, enquanto os jovens são mais ativos durante o dia. Vivem cerca três anos na natureza, entretanto a taxa de sobrevivência das fêmeas é mais curta, com alta mortalidade após se reproduzirem. Alimentam-se principalmente de matéria orgânica e animais mortos, possuem também hábitos carnívoros, predando pequenos peixes ou até mesmo outros indivíduos da mesma espécie (ISHIKAWA, 2012). OBJETIVO Este trabalho teve como objetivo relatar a presença de uma nova espécie de crustáceo no Parque Florestal de Patrocínio - Caxuana S/A Reflorestamento.

4 METODOLOGIA Área de Estudo O trabalho foi desenvolvido no período de seis meses entre os meses de Agosto de 2012 a Janeiro de 2013, na margem direita da represa de Nova Ponte a qual pertence a uma área de Preservação Ambiental com aproximadamente hectares da empresa Caxuana S/A Reflorestamento, no Município de Patrocínio - MG, com as seguintes coordenadas: Latitude: 19 11'15.03"S, longitude: 47 2'41.27 O e temperatura média anual de 21ºC. O município de Patrocínio está localizado na porção sudoeste de Minas Gerais, região fisiográfica do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Figura 1: Localização do município de Patrocínio, no Estado de Minas Gerais. Registro: SANARELLI, Patrocínioonline, Espécie Estudada Dilocarcinus pagei, Stimpson, 1861, pertencente ao filo: Arthropoda, classe: crustácea, subclasse: brachyura, ordem: decapoda e família: trichodactylidae, invertebrado límnico, popularmente conhecido como caranguejo-vermelho. Trabalho de Campo O processo para coleta dos dados foi realizado em quatro etapas. A coleta de dados foi realizada em oito visitas realizadas no parque, através de transectos na margem direita da represa. Na primeira visita, foram realizadas a observações da área de estudo, onde se verificou a existência de vegetações aquáticas e terrestres, para busca do caranguejo. Na segunda etapa, foram delimitadas as áreas de estudo que consiste na margem direita da represa de Nova Ponte, seguindo as coordenadas S, W, com um percurso de três

5 quilômetros, onde foi considerada como transecto de linha (Brower & Zar 1984, Cullen Jr. et al. 2004), com inicio no encontro do Córrego do Ouro com a represa até a Ilha 3 (banco de areia e/ou terra que se tornou exposto pela baixa da represa) (Figura 2). Figura 2: Transecto da margem direita da Represa de Nova Ponte no Parque Florestal de Patrocínio, MG. Registo: Maria de Fatima Pereira. Na terceira etapa, as buscas e coletas manuais dos indivíduos foram pontualizadas ao longo do transecto, sempre observando as condições em que os crustáceos se encontravam, os exemplares fragmentados e/ou mortos foram coletados, e os exemplares vivos fotografados, no mesmo ponto de registro. Todos os exemplares mortos foram coletados e depositados no acervo do Laboratório de Zoologia e Anatomia Animal do Centro Universitário do Cerrado de Patrocínio UNICERP, para eventuais consultas e como material didático aos cursos da área de meio-ambiente. Na quarta etapa, os registros dos indivíduos foram realizados através do método de censo por observação direta, com registro visual e/ou fotográfico, utilizando máquinas fotográficas digital GE X500 e Nikon D90 com objetiva ADO SIGMA mm. Exemplares vivos foram identificados segundo análises comparativas com chaves pictóricas de identificação de Magalhães (2003).

6 Trabalho de Laboratório No laboratório de Zoologia e Anatomia Animal do UNICERP, os fragmentos dos animais foram separados, limpos, identificados, etiquetados, fotografados e montados para serem incorporados ao acervo (Figura 3a e 3b). RESULTADOS E DISCUSSÃO No período de estudo, foram registrados 16 indivíduos, 14 fragmentados e 02 completos, uma fêmea morta (Figura 4) e uma fêmea viva (Figura 5). Destes indivíduos 87,5% foram encontrados fragmentados dentro ou fora das galerias. Destes, 40 % foram identificadas como fêmeas, enquanto que os outros 60% não foram possíveis de identificação quanto ao sexo.

7 a) b) Figura 3a: Fragmentos de Dilocarcinus pagei, b: Fragmentos de representantes fêmeas de Dilocarcinus pagei, coletados na margem direita da Represa de Nova Ponte no Parque Florestal de Patrocínio - Caxuana S/A Reflorestamento. Registro: Gabriel da Costa Inácio.

8 Figura 4: Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861, exemplar não fragmentado encontrado próximo à margem da represa de Nova Ponte, Caxuana. Registro: Gabriel da Costa Inácio. Figura 5: Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861, fêmea registrada em galeria próxima à margem da represa de Nova Ponte. Registro: Matheus Francisco Osorio. Ressalta-se que, a fauna do parque vem sendo estudada desde 2005 e nenhum registro de crustáceos desta espécie foi registrado anteriormente nos transectos da margem da represa (PEREIRA, 2012). Sendo este, portanto, o primeiro registro da espécie na área de estudos. Assim, este registro sugere a necessidade de mais levantamentos, não somente deste espécime da fauna local, bem como de outros representantes aquáticos nas diversas áreas da represa, ou mesmo córregos da região, pois, está espécie de caranguejo, ainda não havia sido

9 registrado na região, sugerindo assim, a possibilidade de ser o primeiro registro de D. pagei, para o município de Patrocínio - MG. A ocorrência desta espécie em Minas Gerais foi relatada pela primeira vez, por Azevedo-Santos (2010) na cidade de Furnas, como o primeiro registro da espécie no estado, assim, o registro da mesma no Parque Florestal de Patrocínio, sugere o segundo registro para o estado de Minas Gerais. Segundo Magalhães (2003) esta espécie de caranguejo-vermelho habita regiões como represas e lagoas onde se associam a galerias em barrancos, leitos rochosos e plantas aquáticas flutuantes. Dentro das cadeias tróficas, sabe-se que a espécie tem um importante papel no processamento de matéria orgânica, por se tratar de um animal detritívoro, como fonte alimentar de diversas espécies de aves e peixes que se encontram na região, e também como bio-indicadores. Os estudos relacionados à biologia aquática de rios e lagos vêm crescendo de maneira grandiosa nos últimos anos, devido à intensa busca por conhecimentos para desvendar este campo tão vasto. Em geral a busca por bio-indicadores de qualidade de água estão hoje entre as mais importantes áreas de pesquisa da biologia. Saber conhecer esses animais, seus hábitos, seu comportamento, sua biologia, faz com que estudos sobre sua dinâmica e sua presença em determinadas áreas sejam cada vez eficientes. O levantamento desta espécie para o parque demonstra a complexidade da biodiversidade na área de estudo, contudo ainda são muitos os questionamentos sobre a presença desta espécie na área em questão, bem como seu modo de vida e incidência na área do parque bem como em outras possíveis áreas de registro. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo teve como iniciativa o levantamento de informações relativas da espécie Dilocarcinus pagei, nas margens da represa do Parque Florestal de Patrocínio-Caxuana S/A Reflorestamento Ltda.

10 Pouco se sabe da ocorrência de D. pagei em MG, contudo, este registro se torna relevante, por ser o primeiro relato da existência da espécie nas áreas do parque, bem como possivelmente no Município de Patrocínio MG. AGRADECIMENTOS A Empresa Caxuana S/A Reflorestamento, por apoiar a iniciativa do trabalho. E a colaboração da professora Marisa Diniz Machado (UNICERP), coordenadora do projeto Caxuana Patrocínio. REFERÊNCIAS AZEVEDO-SANTOS, V. M. & LIMA-STRIPARI, N. Primeiro registro de Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) no estado de Minas Gerais. Passos, Minas Gerais. Brasil FRANSOZO, A. & FRANSOZO, M. L. N. Biodiversidade do Estado de São Paulo. Filo crustaceae Ordem Decapoda32. Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências. UNESP. Botucatu, São Paulo, Brasil, MAGALHÃES, C. Brachyura: Pseudothelphusidaee Trichodactylidae. In: MELO, G. A. S. (Ed.). Manual de identificação dos crustáceos decápodos de água doce do Brasil. Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 2003, p STORER, T. I.; USINGER, R. L.; STEBBINS, R. C.; NYBAKKEN, J. W. Zoologia Geral, Classe crustacea: crustáceos. 6ª ed. Editora Nacional. cap. 24, p Autor: WALTHER ISHIKAWA. Disponível em: < em: 01/07/2013.

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA BONFADA, Y.¹, CIMIRRO, L.¹, RAMOS, T.¹ ¹ Universidade da Região da Campanha URCAMP/Campus Bagé Bagé RS Brasil RESUMO Devido

Leia mais

ANEXO I. Plano de Trabalho

ANEXO I. Plano de Trabalho Diário Oficial Nº. 31159 de 30/04/2008 FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DE ESTADO DO PARÁ EDITAL Nº 006/2008 - PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBICJR 10 ANEO I MODELO DE PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY

Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT-001-01-14 Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014 At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Fevereiro de 2014 1 APRESENTAÇÃO... 1 2 METODOLOGIA... 2 3 RESULTADOS

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BAN100 Zoologia Geral

Programa Analítico de Disciplina BAN100 Zoologia Geral Catálogo de Graduação 06 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina BAN00 Zoologia Geral Departamento de Biologia Animal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas

Leia mais

BIOMAS. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade).

BIOMAS. Os biomas brasileiros caracterizam-se, no geral, por uma grande diversidade de animais e vegetais (biodiversidade). BIOMAS Um conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Caracterizado por um tipo principal de vegetação (Num mesmo bioma podem existir diversos tipos de vegetação). Os seres vivos de um bioma

Leia mais

Ecologia e funcionamento de ecossistemas de água doce: ênfase em macroinvertebrados bioindicadores e decomposição de matéria orgânica

Ecologia e funcionamento de ecossistemas de água doce: ênfase em macroinvertebrados bioindicadores e decomposição de matéria orgânica Semana de Estudos da Biologia UNIVAS 4,5 e 6 de setembro de 2006 Mini Curso Ecologia e funcionamento de ecossistemas de água doce: ênfase em macroinvertebrados bioindicadores e decomposição de matéria

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Diversidade de seres vivos e suas interações com o meio, o aluno deve ser capaz de: Interpretar as características dos

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 39 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia Questões Gerais de Ecologia a. Leia atentamente as questões e responda apenas 3 (três) delas. identidade (RG) e o número da questão. 1. Como a teoria de nicho pode ser aplicada à Biologia da Conservação?

Leia mais

ESPÉCIES ARBÓREAS DA BACIA DO RIO MAUÉS-MIRI, MAUÉS AMAZONAS

ESPÉCIES ARBÓREAS DA BACIA DO RIO MAUÉS-MIRI, MAUÉS AMAZONAS INTRODUÇÃO REVISTA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFAM ESPÉCIES ARBÓREAS DA BACIA DO RIO MAUÉS-MIRI, MAUÉS AMAZONAS Rodrigo Teixeira Caldas 1 Peter Wimmer 2 A Amazônia possui 300 mil quilômetros2

Leia mais

ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT

ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT 1 ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT DANILO G. Q. RIBEIRO DA SILVA 1, DAVI COUTO VALLE 1, EMANUEL LIMA TORRILHAS 1, MARIA EMILIANA

Leia mais

BIOMAS. Professora Débora Lia Ciências/Biologia

BIOMAS. Professora Débora Lia Ciências/Biologia BIOMAS Professora Débora Lia Ciências/Biologia BIOMAS - Aquáticos Mares e oceanos Talássicos São as regiões com a maior variedade de vida do planeta, nem as florestas tropicais igualam-se às regiões litorâneas;

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Como você acha

Leia mais

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil NOTA CIENTÍFICA Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil SPIER, Edson Fernando * ; FAVRETTO, Mario Arthur ** ; ONGHERO JUNIOR, Osvaldo *** ; PIOVEZAN, Jean Carlos

Leia mais

UNIDADE: DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 6.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 6.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 02 / 05 / 206 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE CIÊNCIAS 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos*

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos* O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1 Danielle Mayumi Tamazato Santos* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Assis. Departamento de Ciências Biológicas.

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO 1 OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO Dra. Helena França Centro de Engenharia e Ciências Sociais Aplicadas Universidade Federal do ABC email: helena.franca@ufabc.edu.br Este relatório

Leia mais

Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental

Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental Curso Engenharia Ambiental e de Produção Disciplina: Ciências do Ambiente Profa Salete R. Vicentini Bióloga Educadora e Gestora Ambiental São Luis de Paraitinga Poço da Borboleta Azul Foto Salete Vicentini

Leia mais

Capivara. Fonte:

Capivara. Fonte: Capivara Fonte: http://tvbrasil.ebc.com.br/expedicoes/episodio/biodiversidade-do-cerrado O Cerrado é o segundo maior BIOMA da América do Sul. Abrange os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso

Leia mais

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 01 - TIPO DE ESTUDO ( ) Levantamento de Fauna Silvestre ( ) Monitoramento de Fauna ( ) RENOVAÇÃO ( ) Resgate de Fauna

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2017

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2017 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4.º ANO/EF 2017 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

ANAIS do XXX Congresso Brasileiro de Espeleologia Montes Claros MG, de julho de Sociedade Brasileira de Espeleologia

ANAIS do XXX Congresso Brasileiro de Espeleologia Montes Claros MG, de julho de Sociedade Brasileira de Espeleologia LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA FAUNA CAVERNÍCOLA DE GRUTAS ARENÍTICAS NA SERRA DO LAJEADO, PALMAS, TOCANTINS, BRASIL Priscilla Sousa da Silva CUNHA* - priscillaevan@gmail.com Fernando MORAIS** - morais@uft.edu.br

Leia mais

MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação

MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação Rogério Cunha de Paula Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros/ Instituto Chico Mendes de Conservação da

Leia mais

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente)

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente) Conceitos Básicos de Ecologia Professora: Patrícia Hamada Colégio HY Três Lagoas, MS População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo

Leia mais

CIÊNCIAS DESCRITORES BIM4/2017

CIÊNCIAS DESCRITORES BIM4/2017 4º ANO Agrupar organismos invertebrados e vertebrados, de acordo com características específicas, apresentadas por meio de descrições e representações figurativas. Descrever, a partir de representações

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Florestal - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 Períodos

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Título: Autores: Filiação: ( INTRODUÇÃO

Título: Autores: Filiação: ( INTRODUÇÃO Título: Avaliação da qualidade das águas do Arroio Tega, Rio Grande do Sul, BR Autores: Maffessoni Daiana (1), Sutil Thaise (1), Benvenuti Tatiane (2) & Rodrigues Marco Antonio S (3) Filiação: (1) Universidade

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos 11/8/2011 ECOLOGIA Disciplina Ecossistemas E Saúde Ambiental Ecologia é uma área da Biologia que estuda os organismos e suas relações com o meio ambiente em que vivem. Aula 1A: Revendo Conceitos Básicos

Leia mais

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DISCIPLINA DE CIÊNCIAS OBJETIVOS: 1º ano Propiciar o contato e a interação dos estudantes com determinado fenômeno para que ele participe da natureza vivenciando e ensinando a preservar o meio em que vive.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender o conceito de bioma. Reconhecer fatores bióticos

Leia mais

A B C D E. ONTOGENIA INICIAL DA PIABANHA (Brycon insignis), Souza, G (2003).

A B C D E. ONTOGENIA INICIAL DA PIABANHA (Brycon insignis), Souza, G (2003). O Potencial Reprodutivo O Potencial Reprodutivo de uma população de peixes depende principalmente dos seguintes itens: Do sucesso da desova; Do equilíbrio estrutural do estoque reprodutor; Da taxa de fertilização

Leia mais

Fonte:

Fonte: com condições de geologia e clima semelhantes e que, historicamente; Fonte: http://7a12.ibge.gov.br/vamos-conhecer-o-brasil/nosso-territorio/biomas.html O Brasil é formado por seis (6) BIOMAS de características

Leia mais

Biomas terrestres. Gabriela Ferreira 6º ano

Biomas terrestres. Gabriela Ferreira 6º ano Biomas terrestres Gabriela Ferreira 6º ano Tundra Tundra é um tipo de vegetação rasteira típica de regiões polares que ficam cobertas por gelo durante grande parte do ano. Na época do verão, este gelo

Leia mais

ANÁLISE CROMOSSÔMICA EM HOPLIAS MALABARICUS (CHARACIFORMES, ERYTHRINIDAE) NO RIO SARANDI, EM REALEZA PARANÁ. BOROWSKI PIETRICOSKI 2

ANÁLISE CROMOSSÔMICA EM HOPLIAS MALABARICUS (CHARACIFORMES, ERYTHRINIDAE) NO RIO SARANDI, EM REALEZA PARANÁ. BOROWSKI PIETRICOSKI 2 ANÁLISE CROMOSSÔMICA EM HOPLIAS MALABARICUS (CHARACIFORMES, ERYTHRINIDAE) NO RIO SARANDI, EM REALEZA PARANÁ. DIANA PAULA PERIN 1*, ALIFER PALHANO¹, SANDIELI BIANCHIN¹, LUCIANA BOROWSKI PIETRICOSKI 2 1

Leia mais

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Joab Pires Santana 1 ; Emerson Machado de Carvalho 2 1 Graduando do curso de Ciências Biológicas e

Leia mais

PIRÂMIDES ECOLÓGICAS E POPULAÇÕES FRENTE 1B AULA 03 PROFESSOR: MARCIEL C. MORAES

PIRÂMIDES ECOLÓGICAS E POPULAÇÕES FRENTE 1B AULA 03 PROFESSOR: MARCIEL C. MORAES PIRÂMIDES ECOLÓGICAS E DINÂMICA DAS POPULAÇÕES FRENTE 1B AULA 03 PROFESSOR: MARCIEL C. MORAES PIRÂMIDES ECOLÓGICAS SÃO GRÁFICOS QUE REPRESENTAM VALORES REFERENTES ÀS CADEIAS ALIMENTARES DE UM ECOSSISTEMA.

Leia mais

Invertebrados aquáticos bioindicadores da Lagoa Rondinha, Balneário Pinhal/RS

Invertebrados aquáticos bioindicadores da Lagoa Rondinha, Balneário Pinhal/RS 17 Invertebrados aquáticos bioindicadores da Lagoa Rondinha, Balneário Pinhal/RS Adriano Becco Nunes¹, Anyelle da Silva Von Mühlen¹, Marielza Rosa Lima¹ e Thais Castro de Souza¹ 1 Curso de Ciências Biológicas,

Leia mais

Geografia. Aspectos Físicos e Geográficos - CE. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Aspectos Físicos e Geográficos - CE. Professor Luciano Teixeira. Geografia Aspectos Físicos e Geográficos - CE Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia ASPECTOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS - CE Clima: O clima do Ceará é predominantemente semiárido,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010

SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS. O turismo formal em Minas Gerais a 2010 SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO DE MINAS GERAIS O turismo formal em Minas Gerais - 2006 a 2010 Ficha técnica Realização: Governo do Estado de Minas Gerais Governador Antônio Augusto Junho Anastasia Secretaria

Leia mais

Campanha da Fraternidade Tema Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida. Lema Cultivar e guardar a Criação

Campanha da Fraternidade Tema Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida. Lema Cultivar e guardar a Criação Tema Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida Lema Cultivar e guardar a Criação Objetivo Geral: Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LETIVO 2014 / 2015 PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano DOMÍNIO: A TERRA UM PLANETA ESPECIAL Onde existe vida? O que é a Biosfera? 1 Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Núcleo Temático: Diversidade Biológica Disciplina: Zoologia II Código da Disciplina: 020.1275.8 Professor(es):

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES NO MUSEU DE BIOLOGIA PROFESSOR MELLO LEITÃO (MBML) SETOR EDUCATIVO - ABRIL/2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES NO MUSEU DE BIOLOGIA PROFESSOR MELLO LEITÃO (MBML) SETOR EDUCATIVO - ABRIL/2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES NO MUSEU DE BIOLOGIA PROFESSOR MELLO LEITÃO (MBML) SETOR EDUCATIVO - ABRIL/2014 Convênio SAMBIO x PMST 009/2014. JULIANA PAULO DA SILVA LORENA TONINI RENAN LUXINGER BETZEL Abaixo

Leia mais

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Criação de Rios de Preservação: A Experiência em Minas Gerais Palestrante: Erick Almeida Silva Coordenador de Áreas Protegidas IEF- Regional

Leia mais

Introdução à Ecologia. Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia. Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Ecologia em destaque! Conhecer para preservar! Ciência

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU

Leia mais

Módulo: Biodiversidade

Módulo: Biodiversidade Módulo: Biodiversidade Paulo Cesar de Paiva 2016!1 Aula 1 O que é Biodiversidade? Diversidade, Riqueza e Biodiversidade Biodiversidade é uma palavra que tem sido incorporada ao vocabulário regular, não

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 10/09/2017 a 16/09/2017 Os

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho 1 Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho A preservação da mata ciliar é importante para a manutenção do equilíbrio natural

Leia mais

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Engenharia Civil, 5º ano / 10º semestre Engenharia Territorio, 4º ano/ 8º semestre Impactes sectoriais Sistemas ecológicos e biodiversidade Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Planificação anual - Ciências Naturais 5º Ano

Planificação anual - Ciências Naturais 5º Ano Planificação anual - Ciências Naturais 5º Ano Ano letivo:2014/2015 Domínios e Subdomínios Objetivo Geral Descritores Tempos Letivos (45 ) Domínio 1 A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

Exercitando Ciências Tema Ecossistemas Brasileiros. (Terrestres, Litorâneos e de Transição)

Exercitando Ciências Tema Ecossistemas Brasileiros. (Terrestres, Litorâneos e de Transição) Exercitando Ciências Tema Ecossistemas Brasileiros (Terrestres, Litorâneos e de Transição) Esta lista de exercícios aborda os seguintes ecossistemas: Pantanal, Mata de Araucárias Mata Atlântica, Cerrado,

Leia mais

CERRADO CLIMA INTRODUÇÃO LOCALIZAÇÃO CLIMA. Mínimas absolutas atingem valores próximos ou abaixo de zero, podendo ocorrer geadas;

CERRADO CLIMA INTRODUÇÃO LOCALIZAÇÃO CLIMA. Mínimas absolutas atingem valores próximos ou abaixo de zero, podendo ocorrer geadas; CERRADO INTRODUÇÃO Cerrado. Cerrados. Diversos. Mosaico. Flora, fauna, água, minérios, gentes indígenas, quilombolas, caboclas, ribeirinhas, geraizeiras, agricultores familiares, fazendeiros, gentes das

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 39 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO (X) PARCIAL ( ) FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO (X) PARCIAL ( ) FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC CNPq RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO Período:

Leia mais

Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Acampamento Terra Firme, Uberlândia (MG)

Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Acampamento Terra Firme, Uberlândia (MG) Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Acampamento Terra Firme, Uberlândia (MG) Multiple uses of native species of the Cerrado biome on Camp Terra Firme, Uberlandia (MG) Kita, Ana Marcela

Leia mais

Características gerais

Características gerais Artrópodes Quem são? Muitas vezes, não percebemos a presença daqueles animais com corpos de formas estranhas e cores variadas, que vivem ao nosso redor, voam sobre nossas cabeças ou aqueles que se locomovem

Leia mais

Nome: Data: 1. Observa a molécula de água e tenta descobrir qual a fórmula escrita que melhor a representa (marca com um X a resposta correta):

Nome: Data: 1. Observa a molécula de água e tenta descobrir qual a fórmula escrita que melhor a representa (marca com um X a resposta correta): Nome: Data: 1. Observa a molécula de água e tenta descobrir qual a fórmula escrita que melhor a representa (marca com um X a resposta correta): - O 3 NH - H 2 O - H 2 SO 4 - CH 4 2. Sempre que se adicionam

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Novembro-Dezembro-Janeiro 2003. Este período é caracterizado por chuvas em grande parte do Brasíl, com temporais, trovoadas, vendavais e queda de granizo nas Regiões Sul, Sudeste

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Exposições

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Zoologia

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Zoologia Zoologia Zoologia 1. Os esquemas a seguir mostram os ciclos de vida de dois organismos que apresentam alternância de gerações, um celenterado e uma planta, com a indicação do ponto onde ocorre a fecundação.

Leia mais

Componentes e pesquisadores envolvidos

Componentes e pesquisadores envolvidos Componentes e pesquisadores envolvidos Impactos sobre aves (avifauna) Dr. Luciano Naka Impactos nas comunidades indígenas e tradicionais - Dr. Philip Fearnside Qualidade da água: monitoramento de níveis

Leia mais

Professor(es): Gustavo Schmidt de Melo Filho 2ª

Professor(es): Gustavo Schmidt de Melo Filho 2ª Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: Zoologia II Código da Disciplina: 020.1275.8 DRT: 1093839 Etapa: Professor(es): Gustavo Schmidt de

Leia mais

BIOLOGIA SEGUNDA ETAPA

BIOLOGIA SEGUNDA ETAPA BIOLOGIA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Conforme reportagem publicada no jornal "Folha de São Paulo" (março de 1996), a Ilha de Lençóis, situada no Maranhão e com uma população de 400 habitantes, apresenta

Leia mais

CORREÇÃO ROTEIRO CAPÍTULO 21: ECOLOGIA CONCEITOS E FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA

CORREÇÃO ROTEIRO CAPÍTULO 21: ECOLOGIA CONCEITOS E FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA CORREÇÃO ROTEIRO CAPÍTULO 21: ECOLOGIA CONCEITOS E FLUXO DE MATÉRIA E ENERGIA 1 Resumidamente explique com suas palavras a importância do conhecimento da Biologia para mudanças efetivas em sua percepção

Leia mais

Localização sítios de Coletas. A Chapada dos Guimarães

Localização sítios de Coletas. A Chapada dos Guimarães Localização sítios de Coletas A Chapada dos Guimarães A região de Chapada dos Guimarães representa um importante patrimônio no Estado de Mato Grosso, tanto do ponto de vista ecológico, cultural e histórico,

Leia mais

Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 1 ; Magna Soelma Beserra de Moura 1. Abstract

Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 1 ; Magna Soelma Beserra de Moura 1. Abstract Influência do Clima no Balanço Hídrico de Dois Açudes de Petrolina, Pernambuco Climate Influence on Water Balance of Two Dams in Petrolina, Brazil Lucio Alberto Pereira 1 ; Roseli Freire de Melo 1 ; Luiza

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE O relevo Brasileiro O relevo brasileiro é constituído, principalmente, por planaltos, planícies e depressões. Os planaltos são terrenos mais antigos relativamente

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS. 1.1 Indicar três fatores que permitam considerar

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS. 1.1 Indicar três fatores que permitam considerar DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO DE ESCOLARIDADE: 5º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS 1º PERÌODO A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Formação Biodiversidade e arte para docentes Centro Cultural, Angra do Heroísmo, 11 de Setembro de 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Vertebrados 2 CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de Biologia PERÍODO: 5º OBRIGATÓRIA:

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais 5ºano

Planificação de Ciências Naturais 5ºano Planificação de Ciências Naturais 5ºano Ano letivo:2016-2017 Conteúdos/Domínios Objetivos Gerais/Descritores Atividades /Estratégias Recursos Didáticos Calendarização Modalidades e critérios de avaliação

Leia mais

COMPARAÇÃO DA DIVERSIDADE DE ANUROS ENTRE AMBIENTES DE AGRICULTURA TECNIFICADA E PRESERVADO NA PLANÍCIE DO RIO ARAGUAIA, TOCANTINS.

COMPARAÇÃO DA DIVERSIDADE DE ANUROS ENTRE AMBIENTES DE AGRICULTURA TECNIFICADA E PRESERVADO NA PLANÍCIE DO RIO ARAGUAIA, TOCANTINS. COMPARAÇÃO DA DIVERSIDADE DE ANUROS ENTRE AMBIENTES DE AGRICULTURA TECNIFICADA E PRESERVADO NA PLANÍCIE DO RIO ARAGUAIA, TOCANTINS. Nanini Castilhos de Rabelo e Sant Anna 1 ; Adriana Malvásio 2 1 Aluno

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 03/12/2017 a 09/12/2017 Os

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (MODALIDADE BACHARELADO - CURRÍCULO 2706 B INTEGRAL)

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (MODALIDADE BACHARELADO - CURRÍCULO 2706 B INTEGRAL) ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (MODALIDADE BACHARELADO - CURRÍCULO 2706 B INTEGRAL) BACHARELADO - 1º ANO 1º SEMESTRE CRÉDITOS CH ANATOMIA GERAL E HUMANA 4 60 BIOLOGIA CELULAR 4 60

Leia mais

Tema: Animais Vertebrados e Invertebrados

Tema: Animais Vertebrados e Invertebrados Tema: Animais Vertebrados e Invertebrados Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a diversidade de vida dos seres vivos, a diversidade e características físicas dos animais

Leia mais

Definindo Corredores de Biodiversidade no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu. Iniciativa: Apoio:

Definindo Corredores de Biodiversidade no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu. Iniciativa: Apoio: Definindo Corredores de Biodiversidade no Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu Iniciativa: Apoio: CORREDORES ECOLÓGICOS Uma das estratégias mais eficientes para proteger as espécies e os ecossistemas que existem

Leia mais

DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A.

DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A. DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A. 2 1 Graduanda em Ciências Biológicas, FAP- Faculdade de Apucarana

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2 - Fone (45) 3252-336 - Fax (45) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: Ciências

Leia mais

HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15

HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15 HIDROSFERA E AS ÁGUAS CONTINETAIS E BACIAS HIDROGRÁFICAS MÓDULOS 14 E 15 IMPORTÂNCIA DA ÁGUA A água é um recurso natural fundamental ao ser humano, uma das principais fontes de vida. Necessárias são posturas

Leia mais

Módulo Bentos. Curso de Atualização em Ecologia e Restauração de Rios: Biodiversidade e Meio Ambiente

Módulo Bentos. Curso de Atualização em Ecologia e Restauração de Rios: Biodiversidade e Meio Ambiente Curso de Atualização em Ecologia e Restauração de Rios: Biodiversidade e Meio Ambiente Módulo Bentos Equipe envolvida: Prof. Marcos Callisto Joseline Molozzi doutoranda ECMVS-UFMG Bacia do rio das velhas

Leia mais

A BIOLOGIA DE TITYUS SERRULATUS: ACIDENTES E TOXINAS- UMA VISÃO GERAL.

A BIOLOGIA DE TITYUS SERRULATUS: ACIDENTES E TOXINAS- UMA VISÃO GERAL. A BIOLOGIA DE TITYUS SERRULATUS: ACIDENTES E TOXINAS- UMA VISÃO GERAL. Heitor Oliveira Silva. João Pedro Malaquias de Moura Ribeiro. Gustavo Ayres Dos Santos Garcia Orientador: Michael Filardi Coorientadora:

Leia mais

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria BI63B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria pclfaria@uol.com.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/patricialobo Fonte: http://www.portalescolar.net http://exame.abril.com.br/mundo/noticias /fotografa-retrata-urso-polar-no-articoem-pele-e-osso

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁRIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE

Leia mais

Mural Informativo Mina Bauxita Barro Alto Março de 2017

Mural Informativo Mina Bauxita Barro Alto Março de 2017 Mural Informativo... Mina Bauxita Barro Alto Março de 2017 MONITORAMENTO DA FAUNA Entre os dias 07 a 13 de março de 2017 foi realizada a 16º campanha de monitoramento da fauna pela empresa Sensu Ambiental,

Leia mais

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA ICTIOFAUNA EM SANTA CATARINA

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA ICTIOFAUNA EM SANTA CATARINA ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA ICTIOFAUNA EM SANTA CATARINA Modalidade: ( ) Ensino ( x ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( x ) Médio ( ) Superior ( ) Pós-graduação Área: ( ) Química ( ) Informática ( ) Ciências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia.

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

O USO DE COLEÇÕES ZOOLÓGICAS A PARTIR DA ABORDAGEM DO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO POSSIBILIDADES DE INTEGRAÇÃO DE CONTEÚDOS

O USO DE COLEÇÕES ZOOLÓGICAS A PARTIR DA ABORDAGEM DO ENSINO POR INVESTIGAÇÃO POSSIBILIDADES DE INTEGRAÇÃO DE CONTEÚDOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) SUBPROJETO - BIOLOGIA SID- Seminário de Iniciação a Docência O USO DE

Leia mais

Solos do Município de Alenquer, Estado do Pará

Solos do Município de Alenquer, Estado do Pará Solos do Município de Alenquer, Estado do Pará A região Amazônica tem se tornado mundialmente conhecida como palco de uma intensa ofensiva do homem contra biodiversidade, tendo como causa primeira, o processo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS ECOSSISTEMAS BIOMAS AQUÁTICOS E TERRESTRES

DISTRIBUIÇÃO DOS ECOSSISTEMAS BIOMAS AQUÁTICOS E TERRESTRES DISTRIBUIÇÃO DOS ECOSSISTEMAS BIOMAS AQUÁTICOS E TERRESTRES BIOMAS Ecossistemas contendo combinações distintas de plantas e animais que formam comunidades clímax. Biomas Terrestres - ~30% da ecosfera,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Prof. Esp. Claudimar Fontinele. Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fuso Horário

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Prof. Esp. Claudimar Fontinele. Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fuso Horário Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Prof. Esp. Claudimar Fontinele Geografia Ensino Médio, 1º Ano Fuso Horário FUSO HORÁRIO Os fusos horários, também denominados zonas horárias, foram estabelecidos através

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente e Saúde Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015.

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015. 2015 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015. DSA Desenvolvimento e Sust. Ambiental UHE Monjolinho

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO ECOLÓGICA

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO ECOLÓGICA UNIDADE 7 Ecologia NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO ECOLÓGICA O estudo da Ecologia é muito abrangente, ele envolve fatores bióticos e abióticos. Fatores bióticos: interação entre os seres vivos, sejam eles da mesma

Leia mais