Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: ABC da VIDA METODIZAÇÃO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: ABC da VIDA METODIZAÇÃO:"

Transcrição

1

2 METODIZAÇÃO: Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Objetivos: Iniciar o Atendimento Adequado o Mais Precoce Possível: No Resgate do Paciente. Avaliar o Risco da Vida do Paciente no Local do Acidente Reconhecer, Reanimar e Reparar as Lesões o Mais Precoce Possível. Avaliar o Paciente com os Princípios Básicos do Atendimento: o Vias Aéreas Pérvias e Proteção da Coluna Cervical o Boa Ventilação o Circulação: Controle das Hemorragias Manter e Monitorizar as Funções Vitais do Paciente. Evitar Lesões Secundárias. Iniciar Imediatamente o Tratamento Adequado. Transportar o Paciente de Forma Rápida e Segura. Orientar o Hospital Receptor quanto ao Estado do Paciente. Possibilitar o Hospital Receptor a se Preparar para Receber o Paciente.

3 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) D.O.U nº 144 de 29 de Julho de 2003 RESOLUÇÃO Nº 1.672, de 9 de JULHO de 2003 Pacientes graves ou de risco devem ser removidos acompanhados de equipe composta por tripulação mínima de um médico, um profissional de enfermagem e motorista, em ambulância de suporte avançado. Nas situações em que seja tecnicamente impossível o cumprimento desta norma, deve ser avaliado o risco potencial do transporte em relação à permanência do paciente no local de origem. Antes de decidir a remoção do paciente, faz-se necessário realizar contato com o médico receptor ou diretor técnico no hospital de destino, e ter a concordância do(s) mesmo(s). O transporte de pacientes através de ambulâncias, com os equipamentos necessários e competente classificação, está devidamente estabelecido pelas Resoluções CFM nº 1.671/2003 e nº 1.596/2000 (transporte aeromédico), além de normatização específica do Ministério da Saúde. O hospital previamente estabelecido como referência não pode negar atendimento aos casos que se enquadrem em sua capacidade de resolução. Todas as ocorrências inerentes à transferência devem ser registradas no prontuário de origem. Todo paciente removido deve ser acompanhado por relatório completo, legível e assinado (com número do CRM), que passará a integrar o prontuário no destino. Quando do recebimento, o relatório deve ser também assinado pelo médico receptor.

4 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMATIZAÇÃO DA ATIVIDADE NA ÁREA DA URGÊNCIA -EMERGÊNCIA NA SUA FASE PRÉ- HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE: Consideramos como nível pré-hospitalar na área de urgência-emergência aquele atendimento que procura chegar à vítima nos primeiros minutos após ter ocorrido o agravo à sua saúde, agravo esse que possa levar à deficiência física ou mesmo à morte, sendo necessário, portanto, prestar-lhe atendimento adequado e transporte a um hospital devidamente hierarquizado e integrado ao Sistema Único de Saúde (SUS). É importante frisar e definir que o sistema de atendimento pré-hospitalar é um serviço médico. Assim, sua coordenação, regulação e supervisão direta e a distância deve ser efetuada unicamente por médico. Na urgência-emergência deverá haver uma ação integrada com outros profissionais, não-médicos, habilitados para prestar atendimento de urgência-emergência em nível pré-hospitalar, sob supervisão e coordenação médica. O treinamento do pessoal envolvido no atendimento pré-hospitalar, em especial ao trauma, deverá ser efetuado em cursos ministrados por instituições ligadas ao SUS, envolvendo as escolas médicas e de enfermagem locais, sob coordenação das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Deverá haver um programa mínimo que contemple todo o conhecimento teórico e prático necessário à realização eficaz dos atos praticados. A aprovação dos treinandos deverá obedecer ao critério da competência, ou seja, o aluno deverá demonstrar, na prática, em exercícios simulados, plena capacidade e competência para realizar os atos.

5 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Define-se ambulância como um veículo (terrestre, aéreo ou hidroviário) exclusivamente destinado ao transporte de enfermos. As dimensões e outras especificações do veículo deverão obedecer às normas da ABNT. Classificação das Ambulâncias: Tipo A - Ambulância de transporte: veículo destinado ao transporte em decúbito horizontal de pacientes que não apresentam risco de vida, para remoções simples e de caráter eletivo. Tipo B - Ambulância de suporte básico: veículo destinado ao transporte pré-hospitalar de pacientes com risco de vida desconhecido e transporte inter-hospitalar, contendo apenas os equipamentos mínimos à manutenção da vida. Tipo C - Ambulância de resgate: veículo de atendimento de emergências pré-hospitalares de pacientes com risco de vida desconhecido, contendo os equipamentos necessários à manutenção da vida. Tipo D - Ambulância de suporte avançado (ASA) ou ambulância UTI móvel: veículo destinado ao transporte de pacientes de alto risco de emergências pré-hospitalares e transporte inter-hospitalar. Deve contar com os equipamentos médicos necessários para esta função. Tipo E - Aeronave de transporte médico: aeronave de asa fixa ou rotativa utilizada para transporte de pacientes por via aérea, dotada de equipamentos médicos homologados pelos órgãos competentes. Tipo F - Nave de transporte médico: veículo motorizado hidroviário destinado ao transporte de pacientes por via marítima ou fluvial. Deve possuir os equipamentos médicos necessários ao atendimento dos mesmos conforme sua gravidade.

6 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Materiais e Equipamentos das Ambulâncias: Ambulância de transporte (tipo A): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo (obrigatório apenas para ambulâncias que façam parte do sistema de atendimento pré-hospitalar); maca com rodas; suporte para soro e oxigênio medicinal, maleta de emergência contendo: estetoscópio adulto; luvas descartáveis; esparadrapo; esfigmomanômetro adulto/infantil; pacotes de gaze estéril. Ambulância de suporte básico (tipo B): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo (e móvel opcional); maca com rodas e articulada; suporte para soro; instalação de rede de oxigênio com cilindro, válvula, manômetro em local de fácil visualização e régua com tripla saída, para permitir a alimentação do respirador; fluxômetro e umidificador de oxigênio; aspirador tipo Venturi: pranchas curtas e longas para imobilização de coluna, maleta de emergência contendo: estetoscópio adulto e infantil; ressuscitador manual adulto/infantil, cânulas orofaríngeas de tamanhos variados; luvas descartáveis; tesoura reta com ponta romba; esparadrapo; esfigmomanômetro adulto/infantil; ataduras de 15 cm; compressas cirúrgicas estéreis; pacotes de gaze estéril; cateteres para oxigenação e aspiração de vários tamanhos; talas para imobilização e conjunto de colares cervicais; maleta de parto contendo: luvas cirúrgicas; clamps umbilicais; estilete estéril para corte do cordão; saco plástico para placenta; absorvente higiênico grande; cobertor ou similar para envolver o recém-nascido; compressas cirúrgicas estéreis; pacotes de gazes estéreis e braceletes de identificação.

7 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Materiais e Equipamentos das Ambulâncias: Ambulância de Resgate (tipo C): Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo e móvel; maca com rodas e articulada; suporte para soro, desfibrilador semi-automático, oxímetro de pulso portátil, instalação de rede de oxigênio como descrita no item anterior; prancha longa para imobilização de coluna; prancha curta ou colete imobilizador; conjunto de colares cervicais; cilindro de oxigênio portátil com válvula; manômetro e fluxômetro com máscara e chicote para oxigenação; maleta de emergência como descrita no item anterior, acrescida de protetores para queimados ou eviscerados; maleta de parto como descrito no item anterior; frascos de soro fisiológico; bandagens triangulares; talas para imobilização de membros; cobertores; coletes refletivos para a tripulação; lanterna de mão; óculos, máscaras e aventais de proteção; fitas e cones sinalizadores para isolamento de áreas.

8 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Materiais e Equipamentos das Ambulâncias: Ambulância de Suporte Avançado (tipo D), também denominada ambulância UTI móvel: Sinalizador óptico e acústico; equipamento de rádio-comunicação fixo e móvel; maca com rodas e articulada; dois suportes de soro; cadeira de rodas dobrável; instalação de rede portátil de oxigênio como descrito no item anterior (é obrigatório que a quantidade de oxigênio permita ventilação mecânica por no mínimo duas horas); respirador mecânico de transporte, com alarmes de desconexão de circuito, pressão alta em vias aéreas, falha de ciclo, baixa pressão de gás, PEEP até 15 cm de H2O; monitor multiparâmetro ou aparelhos separados contendo, no mínimo, oximetria de pulso, pressão arterial não - invasiva; unidade geradora de marca-passo transvenoso portátil; eletrocardiógrafo capaz de registrar ECG de 12 derivações; monitor cardíaco e cardioversor com marca-passo externo com bateria e instalação elétrica disponível; duas ou mais bombas de infusão com bateria e equipo; maleta de vias aéreas contendo: máscaras laríngeas e cânulas endotraqueais de vários tamanhos; cateteres de aspiração; adaptadores para cânulas; cateteres nasais; seringa de 20 ml para insuflar o "cuf"; ressuscitador manual adulto/infantil; sondas para aspiração traqueal de vários tamanhos; luvas de procedimentos; máscara para ressuscitador adulto/infantil; lidocaína geléia e "spray"; cadarços para fixação de cânula; laringoscópio infantil/adulto com conjunto de lâminas; estetoscópio; esfigmomanômetro adulto/infantil; cânulas orofaríngeas adulto/infantil; fios-guia para intubação; pinça de Magyl; bisturi descartável; cânulas para traqueostomia; material para cricotiroidostomia; drenos para tórax; maleta de acesso venoso contendo: tala para fixação de braço; luvas estéreis; recipiente de algodão com antiséptico; pacotes de gaze estéril; esparadrapo; material para punção de vários tamanhos, incluindo agulhas metálicas, plásticas e agulhas especiais para punção óssea; garrote; equipos de macro e microgotas; cateteres específicos para dissecção de veias, tamanho adulto/infantil; tesoura, pinça de Kocher; cortadores de soro; lâminas de bisturi; seringas de vários tamanhos; torneiras de 3 vias; equipo de infusão de 4 vias; frascos de solução salina; caixa completa de pequena cirurgia; maleta de parto como descrito nos itens anteriores; frascos de drenagem de tórax; extensões para drenos torácicos; sondas vesicais; coletores de urina; protetores para eviscerados ou queimados; espátulas de madeira; sondas nasogástricas; eletrodos descartáveis; equipos para drogas fotossensíveis; equipo para bombas de infusão; circuito de respirador estéril de reserva; equipamentos de proteção à equipe de atendimento: óculos, máscaras e aventais; cobertor ou filme metálico para conservação do calor do corpo; campo cirúrgico fenestrado; almotolias com anti-séptico; conjunto de colares cervicais; prancha longa para imobilização da coluna.

9 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Materiais e Equipamentos das Ambulâncias: Aeronave de Transporte Médico (tipo E): Deverá conter os mesmos equipamentos descritos para as ambulâncias de suporte avançado, tanto adulto como infantil, com as adaptações necessárias para o uso em ambientes hipobáricos, homologados pelos órgãos competentes. Nave de Transporte (tipo F): Poderá ser equipada como descrito nas ambulâncias de tipos A, B ou D, dependendo da finalidade de emprego.

10 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Medicamentos: Medicamentos obrigatórios que deverão constar em toda ambulância de suporte avançado, aeronaves e naves de transporte médico (tipos D, E,F): Lidocaína sem vasoconstritor; adrenalina, atropina; dopamina; aminofilina; dobutamina; hidrocortisona; glicose 50%; Soros: glicosado 5%; fisiológico 0,9%; Psicotrópicos: hidantoína; meperidina; diazepan; midazolan; Outros: água destilada; metoclopramida; dipirona; hioscina; nifedipina; dinitrato de isossorbitol; furosemide; amiodarona; lanatosideo C. Identificação: As ambulâncias do tipo B, C, D, E e F serão identificadas com símbolo próprio indicativo dos serviços de resgate e emergências.

11 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) NORMAS PARA VEÍCULOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR: 1- Ambulâncias: Tripulação Mínima: Ambulância do tipo A: motorista Ambulância do tipo B: motorista com treinamento em APH e um auxiliar de enfermagem habilitado em APH. Ambulância do tipo C: dois profissionais com treinamento em APH e resgate e motorista capacitado em APH. Ambulância do tipo D: motorista, enfermeira e médico com treinamento em APH. Aeronaves e naves devem ter tripulação equivalente, conforme a gravidade do paciente a ser resgatado ou transportado.

12 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Seqüência de Atuação no Resgate do Politraumatizado: 1º Passo: Avaliar o Risco de Vida da Vítima no Local do Acidente 2º Passo: Realizar a Primeira Avaliação: ABC da Vida: Reconhecer e Reanimar as Lesão da Vítima 3º Passo: Evitar Lesões Secundárias no Resgate: Manter Sempre Oxigênio Suplementar Imobilizar a Coluna Vertebral Controlar as Hemorragias Imobilizar as Extremidades com Suspeita de Lesões Osteo-articulares 4º Passo: Avaliar a Melhor Forma para Resgatar a Vítima: Remoção / Extricação de Ferragens e Colocar a Vítima na Prancha Longa. Colocar a Vítima Devidamente Estabilizada na Prancha Longa 5º Passo: Transportar a Vítima até a Ambulância (Tipos: D,E ou F) 6º Passo: Contatar o Hospital Receptor e Informar o Estado Clínico da Vítima. 7º Passo: Manter e Monitorizar os Sinais Vitais, Mantendo a Vida da Vítima. 8º Passo: Documentar os Dados e o Estado Clínico da Vítima e Todas as Situações que Cercam o Acidente (Prontuário Médico). 9º Passo: Transportar a Vítima de Forma Rápida e Segura. 10º Passo: Conduzir a Vítima até o Médico Responsável da Unidade Hospitalar Receptora que Deverá Assinar o Prontuário de Transferência que Deverá compor o Prontuário Médico do Paciente, ficando uma Cópia nos Registros de Transferências da Ambulância.

13 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Ambulância: ASA

14 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Ambulância: ASA

15 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

16 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

17 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

18 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

19 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

20 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

21 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

22 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

23 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

24 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

25 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

26 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH)

27 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Extricação:

28 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Extricação:

29 Resgate do Paciente Politraumatizado. Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Extricação:

30 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Definição: É a cessação abrupta da Ventilação e Perfusão Sistêmica Efetiva e Espontânea. Atenção: Não há Parada somente Cardíaca, pois essa situação é impossível de ocorrer. Parando o coração, imediatamente ocorrerá a parada da função pulmonar, ou seja: Parada Cárdio-Respiratória

31 Breve Histórico sobre RCP A primeira RCP descrita com sucesso encontra-se na bíblia (Fig.1) Fig. 1- Pintura retratando o profeta Elias, a viúva de Sarepta e seu filho Incluía-se o uso da flagelação como açoite (Fig. 2), o trote com cavalo com a vítima debruçada sobre esse, rolar a vítima sobre um barril Ainda no século passado, vários métodos de ventilação foram sugeridos podendo-se citar: método Schafer (Fig. 3), método do rolamento de Marshall Hall, método de compressão torácica de Howard, método da elevação dos membros superiores de Silvester etc Figura 2 - A flagelação da vítima foi um método de RCP empregado durante um longo período Figura 3 - Método Schafer

32 Breve Histórico sobre RCP A reversão do estado terminal só se tornou possível a partir de 1900 em ambiente hospitalar e por volta de 1960 em ambiente extra-hospitalar Vários relatos de sucesso na RCP apareceram na literatura, no início do século XX Em 1956, Zoll reverteu a fibrilação ventricular através da desfibrilação elétrica sem toracotomia Em 1958, Safar, Elam, Gordon e Redding publicaram estudos sobre o controle das vias aéreas e ventilação boca-a-boca, os quais possibilitaram, juntamente com o trabalho de Kouwenhoven, Jude e Knickerbocker (massagem cardíaca externa), a popularização das manobras de RCP (Fig. 4) Figura 4 - Guy Kinickerbock (como paciente), WB Kouvenhoven (ventilação) e JR Jude (massagem) em 1964

33 Breve Histórico sobre RCP Em 1966, a National Academy of Sciences e a National Research Council dos Estados Unidos da América do Norte realizaram a primeira reunião de consenso sobre RCP e estabeleceram os métodos utilizados na época pela American Heart Association. Várias reuniões de consenso se sucederam: 1973, 1979, 1985, 1992, 2000 e Todas objetivando revisar os avanços propostos e recomendá-los na presença de forte evidência científica. A atual, mas não a última, barreira a ser transposta é a RCP cerebral. Há cerca de PCRs nos EUA anualmente. A RCP consegue restaurar os batimentos cardíacos em cerca de 40% até 60% dos casos. Contudo, a sobrevida para RCP hospitalar é de aproximadamente de 10 a 15%, sendo que destes, 15% apresentam lesão cerebral grave. A lesão cerebral secundária à síndrome pós-rcp tem limitado a recuperação plena destes pacientes, além de impor elevados custos ao sistema hospitalar.

34 RCP - REANIMAÇÃO CARDIO-PULMONAR RCPC - REANIMAÇÃO CARDIO-PULMONAR CEREBRAL

35 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Definição: É a cessação abrupta da Ventilação e Perfusão Sistêmica Efetiva e Espontânea. Atenção: Não há Parada somente Cardíaca, pois essa situação é impossível de ocorrer. Parando o coração, imediatamente ocorrerá a parada da função pulmonar, ou seja: Diagnóstico: Inconsciência Parada Cárdio-Respiratória Apnéia: Ausência de Movimentos Respiratórios Ausência de Pulsos Periféricos: Carotídeos e Femorais Palidez, Pele Fria e Úmida Cianose de Extremidades: Acidose Respiratória Dilatação das Pupilas: Falta de Oxigênio Cerebral Atenção: Na Dúvida entre Morte e Parada Cárdio Respiratória: Fazem-se as Manobras de Reanimação Cárdio Pulmonar.

36 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Etiologias: Parada Cardíca Primária: o Isquemia Coronariana: Infarto Agudo do Miocárdio: Determinando Arritmias Cardíacas como a Fibrilação Ventricular. Parada Cardíaca Secundária: o Secundária Lenta: Insuficiência Respiratória Choque TCE o Secundária Rápida: Obstrução das Vias Aéreas Hemorragia Maciça Anóxia Alveolar: Embolia Pulmonar Atenção: Qualquer que seja a Etiologia da Parada Cardíaca, a Reanimação deve ser iniciada imediatamente para evitar Lesões Cerebrais Irreversíveis: Parada do Fluxo Sangüíneo Cerebral por 10 minutos.

37 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Reanimação Cárdio Respiratória / Reanimação Cárdio Pulmonar: É a Realização de Procedimentos em vítimas com Parada Cardíaca com a finalidade de Restabelecer a Circulação e a Oxigenação Cerebral e dos demais Órgãos, através da Massagem Cardíaca e da Respiração. Objetivos: Evitar a Morte: Salvar a Vida e Não Prolongar a Morte. Restabelecer a Circulação e a Oxigenação Atendimento Imediato da Vítima Reduzindo as Chances de Lesões Cerebrais por Falta de Circulação e Oxigenação Cerebral

38 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Cuidados: Mantenha a vítima aquecida e afrouxe suas roupas. Aja Imediatamente, Sem Desanimar. Mantenha a Vítima Deitada. Mantenha a Vítima em Jejum Completo: Líquido e Sólidos O Transporte da Vítima É Desaconselhável, a menos que seja Possível Manter o Ritmo da Respiração. A Posição de Transporte é Decúbito Dorsal. Utilização de Drogas: Via Venosa: Veias Periféricas e de Bom Calibre. Administração Endotraqueal: Utiliza-se o Dobro das Doses Utilizadas por Via Venosa. Atenção: A Administração das Drogas Não É Prioridade em Relação as Manobras de Reanimação Cárdio Respiratória e à Desfibrilação (Nos Casos de Fibrilação Ventricular)

39 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: 1º Passo: Estabelecer o Diagnóstico da Parada Cárdio Respiratória, onde o Sinal Clínico de Certeza Mais Importante é a Ausência de Pulso Carotídeo. 2º Passo: Posicionamento Adequado do Paciente: Decúbito Dorsal em uma superfície rígida e Procedendo a Extensão da Cabeça para Trás (Atenção com a Coluna Cervical no Politraumatizado) e Deslocando a Mandíbula para Frente (Corrige a Obstrução da Faringe Posterior pela Base de Língua): Mantendo uma Via Aérea Potente. 3º Passo: Massagem Cardíaca: Apoiar uma das Mãos Sobre a Metade Inferior do Esterno com os Dedos Fletidos e a Outra Mão sobre a Primeira. Utilizar o Próprio Peso do Corpo e Manter os Braços em Extensão, Aplicando uma Pressão que Deprima o Esterno Cerca de 4 a 5 cm e Retira-se Subitamente a Compressão. 4º Passo:Ventilar o Paciente com os Métodos de Respiração Boca-a-Boca, Boca-Nariz e Respiração Ambú-Máscara ou Intubação EndoTraqueal: Estimular a Ventilação: Movimentos Respiratórios e Oxigenação.(Administrar Oxigênio pela Hiperventilação antes de qualquer tentativa de Intubar: 30 segundos) Proteja seus lábios e os da vítima. Puxe Bastante o Ar e Insufle o Pulmão do Paciente até que haja a Elevação do Tórax. Fechar as Narinas da Vítima para Evitar o Escape de Ar Insuflante.

40 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Seqüência das Manobras de Reanimação Cárdio Respiratória: o 1 Socorrista: 15 Massagens Cardíacas 2 Ventilações: Respiração Boca-a-boca o 2 Socorristas: 5 Massagens Cardíacas 1 Ventilação: Respiração Boca-a-boca

41 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca

42 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca

43 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca 5 cm

44 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca

45 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Respiração Boca-a-boca

46 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Respiração Boca-boca

47 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca e Respiração Boca-a-boca 30:2

48 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca e Respiração Boca-a-boca 5:1

49 METODIZAÇÃO: FASES DA PARADA CARDÍACA Fase Elétrica - de 0 a 5 minutos do evento, melhor hora para chocar o paciente em parada cardíaca; Fase Hemodinâmica ou Circulatória de 5 a 10, onde se recomenda pelo menos 2 minutos de RCP antes de ligar o desfibrilador; Fase Metabólica acima dos 10 minutos, onde caso a RCP tenha sucesso, a indução de hipotermia nos pacientes de parada cardíaca (manutenção da temperatura central em 32 a 34 o C por 12 a 24horas com bolsas de gelo e soluções de cristaloide: SF 0,9% ou RL a 4 o C por 30 minutos).

50 METODIZAÇÃO: FASES DA PARADA CARDÍACA Fase Hemodinâmica ou Circulatória de 5 a 10 Se o paciente encontrar-se nesta situação há mais de cinco minutos, ou o profissional acabou de hegar e não testemunhou o início do ocorrido, ou não foi feita a compressão torácica (RCP), solicita-se que faça as compressões no paciente primeiro, antes de ligar o Desfibrilador, realizando pelo menos dois minutos de RCP ou cinco ciclos de 30 compressões alternando-se com duas ventilações. Após essa manobra, liga-se o Desfibrilador. Leigos: Efetua-se compressões torácicas contínuas sem ventilações. Vários estudos já demonstraram a eficiência desse procedimento com aumento da sobrevida neurológica após o sucesso da ressuscitação.

51 METODIZAÇÃO: FASES DA PARADA CARDÍACA Fase Metabólica acima de 10 minutos Nesta Fase, recomenda-se que vítimas que estiverem em parada cardíaca sejam resfriadas, ou seja, deve-se induzir uma hipotermia entre 32ºC a 34ºC em ambiente controlado. Estudos demonstram uma melhora na extração dos metabólitos lacto e O2 nas vítimas induzidas a uma hipotermia controlada com melhora neurológica após as 24 e 48 horas. Hipotermia terapêutica: É uma redução controlada da temperatura central dos pacientes com objetivos terapêuticos prédefinidos. Durante a PCR, a circulação espontânea cessa e os órgãos vitais deixam de ser perfundidos. As compressões torácicas, se bem realizadas, conseguem fornecer um fluxo sanguíneo de até 30%. Somente ocorre melhor perfusão dos órgãos vitais após o retorno da circulação espontânea nos pacientes submetidos às manobras de reanimação cardiorrespiratória com sucesso.

52 METODIZAÇÃO: Benefícios: Hipotermia Terapêutica 1. Redução do consumo cerebral de oxigênio 2. Supressão de reações químicas associadas com lesões de reperfusão 3. Redução das reações de radicais livres que aumentam o dano cerebral 4. Redução da liberação de cálcio intracelular 5. Modulação da apoptose 6. Modulação da resposta anti-inflamatória 7. Proteção de membranas lipoprotéicas

53 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca e Respiração Boca-a-boca

54 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Massagem Cardíaca e Respiração Boca-a-boca

55 METODIZAÇÃO: Atendimento Primário Desfibrilação até os primeiros 5 minutos Compressões torácicas Abertura de vias aéreas Ventilação Nova desfibrilação

56 METODIZAÇÃO: Atendimento Secundário Intubação traqueal Suporte ventilatório Acesso venoso e medicações Diagnóstico da causa Proteção cerebral

57 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Reanimação Cárdio Respiratória: Eletrocardiograma: ECG. Assistolia: Ausência de Batimentos Cardíacos Representada pela Linha Isoelétrica no ECG: Morte Súbita de Origem Não Cardíaca. Dissociação Eletromecânica: É a Parada Súbita da Função do Coração como Bomba (Função Mecânica), sem a Parada do Rítimo Elétrico do Coração: Cardiopatia Estruturada Grave: ECG Normal e Ausência de Pulso Carotídeo. Fibrilação Ventricular: É a Contração Incoordenada do Miocárdio em Conseqüência da Atividade Caótica de Diferentes Grupos de Fibras Miocárdicas determinando a Falência Total do Coração: O ECG Caracteriza-se por um Rítimo Caótico e Irregular Contínuo com perda do Aspecto do QRS no Traçado. Nesta Situação Utiliza-se o Desfibrilador, que é um Choque Elétrico Externo quantificado em Jaules: 3 a 5 Jaules/ Kg do Paciente: 200 a 360 Jaules. Atenção: A Fibrilação Ventricular representa 90% das Causas da Parada Cárdio Respiratória

58 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Desfibrilador: Parada Cardíaca em Fibrilação

59 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Desfibrilador: Parada Cardíaca em Fibrilação

60 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Desfibrilador: Parada Cardíaca em Fibrilação Desfibrilador Externo Automático: DEA

61 METODIZAÇÃO: Parada Cárdio Respiratória (PCR): Atendimento: Desfibrilador: Parada Cardíaca em Fibrilação Desfibrilador Externo Automático: DEA

62 LOCAIS ONDE O USO DO DEA É RECOMENDADO Nos serviços de emergência (APH e/ou resgate) Nos serviços que realizam o primeiro contato com a população (bombeiros, policiais, etc.) Nas grandes empresas e grupamentos populacionais (aeroportos, escolas, clubes, shoppings, estádios, etc.) Em locais onde grande número de pessoas realizam atividade física (clubes, academias, etc.) Em locais isolados- hotéis, fazendas, aviões Em aeronaves de voos internacionais

63 IMPORTÂNCIA DO ACESSO PÚBLICO À DESFIBRILAÇÃO

5. Programa contendo requisitos mínimos para os veículos utilizados no transporte de viajantes enfermos ou suspeitos:

5. Programa contendo requisitos mínimos para os veículos utilizados no transporte de viajantes enfermos ou suspeitos: PROTOCOLO DE REFERÊNCIA Nº: 07 ASSUNTO: ADEQUAÇÃO DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE DE VIAJANTES ENFERMOS OU SUSPEITOS. Data: 15 de junho de 2011 Desenvolvimento: GCOVI Alterado: 03 de novembro de

Leia mais

Portaria nº 1863/GM Em 29 de setembro de 2003

Portaria nº 1863/GM Em 29 de setembro de 2003 Portaria nº 1863/GM Em 29 de setembro de 2003 Portaria nº 1863/GM Em 29 de setembro de 2003 CAPÍTULO IV O ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL Considera-se como nível pré-hospitalar móvel na área de urgência,

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE REMOÇÃO EM AMBULÂNCIAS II 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO AO QUAL PERTENCE O VEÍCULO Razão social do estabelecimento. Nome fantasia do estabelecimento. CGC. Nome

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS 1 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA NVES/INFEC ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS CRS Data de Inspeção: / / Tipo de Inspeção: ( ) Primeira Inspeção ( ) Denúncia e/ou

Leia mais

SAMU Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Minas Gerais Cargo: Condutor/Socorrista - Concurso Público 2015. Índice

SAMU Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Minas Gerais Cargo: Condutor/Socorrista - Concurso Público 2015. Índice Índice Portaria nº 2048, de 05 de novembro de 2002 - Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência... 02 Portaria nº 1863, de 29 de setembro de 2003 - Institui a Política

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.671/03 (Publicada no D.O.U., de 29 Julho 2003, Seção I, pg. 75-78)

RESOLUÇÃO CFM nº 1.671/03 (Publicada no D.O.U., de 29 Julho 2003, Seção I, pg. 75-78) RESOLUÇÃO CFM nº 1.671/03 (Publicada no D.O.U., de 29 Julho 2003, Seção I, pg. 75-78) Dispõe sobre a regulamentação do atendimento pré-hospitalar e dá outras providências. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 *****

Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 ***** Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 ***** Ementa: Dispõe sobre o transporte inter-hospitalar de pacientes e dá outras providências. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997. Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico.

RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997. Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico. RESOLUÇÃO CREMERJ N. 116/1997 Dispõe sobre as condições de transporte de pacientes em ambulâncias e aeronaves de transporte médico. O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das

Leia mais

A necessidade da implantação de medidas, que visam criar o Sistema Integrado de Atendimento às Emergências

A necessidade da implantação de medidas, que visam criar o Sistema Integrado de Atendimento às Emergências SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO 16/03/94 CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Portaria CVS-9, de 16-3-94 Dispõe sobre as condições ideais de transporte e atendimentos

Leia mais

Portaria n.º 814/GM Em 01 de junho de 2001.

Portaria n.º 814/GM Em 01 de junho de 2001. Portaria n.º 814/GM Em 01 de junho de 2001. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade de implantação de uma Política Nacional de Atenção Integral às Urgências,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO. Portaria nº 824/GM Em, 24 de Junho de 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO. Portaria nº 824/GM Em, 24 de Junho de 1999. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO Portaria nº 824/GM Em, 24 de Junho de 1999. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a inexistência de normas relativas ao atendimento

Leia mais

PROJETO SAMU NITERÓI 192

PROJETO SAMU NITERÓI 192 1 PROJETO SAMU NITERÓI 192 Realização : COORDENAÇÃO DE AÇÕES DE EMERGÊNCIA EQUIPE DE PLANEJAMENTO : DR. CARLOS ANTONIO DA SILVA JUNIOR Coordenações Ações de Emergência RONALDO BAPTISTA DA SILVA - Assessor

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde ROTEIRO DE INSPEÇÃO UNIDADES MÓVEIS Ana Carolina Kraemer Enfermeira

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS

TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS TRANSPORTE INTRA E INTER- HOSPITALAR DE GESTANTES E PUÉRPERAS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ENFERMAGEM Para que o transporte hospitalar da gestante

Leia mais

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM

TRANSPORTE NEONATAL INTER E INTRA-HOSPITALAR ENFERMAGEM TRANSPORTE NEONATAL INTER E ENFERMAGEM INTRA-HOSPITALAR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Qualquer tipo de transporte deve ser realizado com segurança,

Leia mais

Aspectos Legais em APH

Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Aspectos Legais em APH Resolução COFEN 375/2011 Dispõe sobre a presença do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar e Inter- Hospitalar, em situações de risco conhecido ou desconhecido.

Leia mais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais Fig 5.2 Rádio portátil Equipamentos Utilizados no Atendimento Pré-Hospitalar CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR 1. Introdução No atendimento a uma situação de emergência é

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

NORMA. TRANSPORTE PARA ACIDENTADOS, ENFERMOS OU SUSPEITOS PALAVRAS-CHAVE Ambulância, Transporte de Enfermos, Transporte de Acidentados. SUMÀRIO Pág.

NORMA. TRANSPORTE PARA ACIDENTADOS, ENFERMOS OU SUSPEITOS PALAVRAS-CHAVE Ambulância, Transporte de Enfermos, Transporte de Acidentados. SUMÀRIO Pág. TÍTULO NORMA CÓDIGO A.03.02 APROVAÇÃO DEX- 490ª REVISÃO 01 PALAVRAS-CHAVE Ambulância, Transporte de Enfermos, Transporte de Acidentados PÁG 1 / 11 DATA 30/04/2013 DATA.04/02/2014 SUMÀRIO Pág. 1. OBJETIVO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH Protocolo: Nº 01 Elaborado por: Arlen Ramos Wilhma Alves Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21354/2013

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - Nº 21354/2013 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Nº 21354/2013 Prezados Senhores, Brasília, 27 de março de 2013. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD solicita a apresentação de Proposta para o fornecimento dos

Leia mais

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Conceito Básico do Pré-Hospitalar O tratamento definitivo é hospitalar Redução do tempo na cena < 10 m. Estabilização do quadro clínico Redução da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE E DEFESA CIVIL ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SESDEC Nº 80 DE 18 DE JULHO DE 2007.

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE E DEFESA CIVIL ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SESDEC Nº 80 DE 18 DE JULHO DE 2007. SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE E DEFESA CIVIL ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SESDEC Nº 80 DE 18 DE JULHO DE 2007. DISPÕE SOBRE AS NORMAS GERAIS DE AÇÃO PARA A ANÁLISE DO PROJETO DE ATENDIMENTO MÉDICO E DEMAIS

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO Autora: Aline D Eliz Schroeder Orientador: Profº Ms. André Luiz Hoffmann RESUMO Este artigo tem por objetivo realizar através da revisão

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 012/2012 CT PRCI n 98.863/2012

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 012/2012 CT PRCI n 98.863/2012 PARECER COREN-SP 012/2012 CT PRCI n 98.863/2012 Assunto: Responsabilidade do profissional de Enfermagem da ambulância e da unidade hospitalar na retirada/saída do paciente de alta de uma instituição hospitalar.

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista

Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual. Marcelo De Carli Cardiologista Ressuscitação cardiopulmonar: conduta atual Marcelo De Carli Cardiologista 26/11/2011 14:00 às 14:40 Parada cardiorrespiratória Aula baseada nos manuais de Suporte Básico de Vida e de Suporte Avançado

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR

TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIVISÃO DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM TRANSPORTE INTRA-HOSPITALAR Instrutora: Enf. Thaís S Guerra Stacciarini Finalidades Regulamentar as responsabilidade

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO

GABINETE DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SESA nº 251/2014 (Publicada no Diário Oficial nº 9176, de 31/03/14) Dispõe sobre boas práticas para o funcionamento de serviços de atendimento móvel pré-hospitalar públicos ou privados, civis

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

ENDEREÇO INTERNET: licitacao@fhgv.com.br

ENDEREÇO INTERNET: licitacao@fhgv.com.br Comissão de Licitação PROCESSO N 1501/2015 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 109/2015 ENDEREÇO INTERNET: licitacao@fhgv.com.br 1 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO O HOSPITAL MUNICIPAL DE CHARQUEADAS, inscrito

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC)

RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO- PULMONA R-CEREBRAL (RCPC) RCPC EM MEDICINA VETERINÁRIA - Dois tipos de paciente Processos reversíveis (sobredose anestésica, estimulação vagal, obstrução respiratória, hemorragia, distúrbios eletrolíticos) RESSUSCITA ÇÃO CÁ RDIO-

Leia mais

Manejo de situações de urgência/emergência

Manejo de situações de urgência/emergência Cauterização química de pequenas lesões 19042027 I Ceratolítico (para verruga ou calo) Vaselina Micropore Espátula Manejo de situações de urgência/emergência Situações de urgência Todas as unidades primárias

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR. É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração.

AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR. É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração. AULA 10: EMERGÊNCIAS CARDIOLOGICAS- PCR 1- ELETROCARDIOGRAMA (ECG) É o registro das forças elétricas produzidas pelo coração. O traçado obtido forma uma série de ondas e complexos que são rotulados em

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR

LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR LISTA CORRELATOS GERENCIA HOSPITALAR DESCRIÇÃO Abaixador de lingua em madeira Absorvente Granulado p/ CO2 ( cal sodada) Ácido Peracético 0,2% Agua Oxigenada 10V Agulha Descartável 13 x 4,5 Agulha Descartável

Leia mais

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador Qual a importância do Desfibrilador Externo Automático (DEA) em praias e balneários e especialmente em casos de afogamento? (versão datada de 24/03/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-011 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/12 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DE EMERGÊNCIAS MEDICAS E PRIMEIROS SOCORROS

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR CAPÍTULO 9 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR 1. Histórico A reanimação tem sido uma aspiração humana há séculos. No século passado a reanimação foi uma prática comum na Europa, pela técnica de rolar vítimas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Emergência e Primeiros Socorros em Saúde Ocupacional DATA: 12.07.2010 Contacto: Coordenador do Programa Nacional de Saúde Ocupacional O serviço de Saúde

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 026/CT/2015/PT Assunto: Atendimento pré-hospitalar de provável óbito pelo técnico de enfermagem orientador pelo médico regulador. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado ao Coren/SC,

Leia mais

PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA

PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA PLANO DE ATENDIMENTO MÉDICO A EMERGÊNCIA Rio Polímeros S.A 1 1 OBJETIVO O presente plano tem por objetivo estabelecer os recursos e instruções necessárias para uma ação coordenada visando o atendimento,

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Descrever as principais causas de obstrução das vias aéreas; 2. Demonstrar os passos da assistência

Leia mais

Comissão Regional do Doente Critico. Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA

Comissão Regional do Doente Critico. Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA Comissão Regional do Doente Critico Administração Regional de Saúde do Norte, IP RECOMENDAÇÃO: CARRO DE EMERGÊNCIA CONTEÚDO INTRODUÇÃO COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO CARRO DE EMERGÊNCIA NORMAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DA ASFIXIA DURANTE O NASCIMENTO Certas condições durante a gravidez estão associadas com o aumento do risco de asfixia ao nascer

Leia mais

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 A EMPRESA A RIO EMERGÊNCIA treinamentos trata-se de uma empresa educacional, voltada ao ensino

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

Instrução de Trabalho. Circulação de sala

Instrução de Trabalho. Circulação de sala 1 de 5 526 5 RESULTADO ESPERADO: Promover ato cirúrgico em tempo hábil, com segurança para o paciente e para toda a equipe cirurgica. 526 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico (Assistência Cirúrgica)

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

Curso de Emergências Cardiorespiratórias

Curso de Emergências Cardiorespiratórias SBC Salvando Vidas Curso de Emergências Cardiorespiratórias A SBC é uma instituição que está habilitada pela American Heart Association (AHA) - importante entidade americana na área de doenças cardiológicas

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00023/2013-000 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00023/2013-000 SRP 111 - COMANDO DA AERONAUTICA 1007 - MAER-BASE AEREA DE CAMPO GRANDE/MS RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 0003/013-000 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - SILICONE Ambu c/ reservatório de oxigênio (ressuscitador

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais