Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga. Projeto JOVENS SOCORRISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga. Projeto JOVENS SOCORRISTAS"

Transcrição

1 Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Projeto JOVENS SOCORRISTAS 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMÁTICA 3. OBJECTIVOS 4. ATIVIDADES 5. ORÇAMENTO

2 1. IDENTIFICAÇÃO Proponente Luís Gonçalves Juventude Cruz Vermelha Delegação de Braga Rua Dr. Francisco Machado Owen, n Braga 2. Contextualização e Problemática Pelo trabalho diário de intervenção no terreno, através dos diversos projetos desenvolvidos junto de crianças e jovens (destinatários e voluntários) e fruto das parcerias desenvolvidas com escolas e associações juvenis, detetamos um enorme desconhecimento no que respeita às técnicas de primeiros Socorros. Atendendo a que os acidentes acontecem quando menos esperamos e a aplicação de técnicas de primeiros socorros nos minutos a seguir podem fazer a diferença entre a vida e a morte, de uma criança, de um jovem, de um adulto, de um familiar, amigo ou colega, entendemos ser fundamental sensibilizar e dotar as pessoas, nas diversas fases da sua vida, de ferramentas que podem facilmente integrar. A Cruz Vermelha Portuguesa é a instituição pioneira na área da divulgação e do ensino das técnicas de primeiros socorros em Portugal. Desde 1947, a sua Escola de Socorrismo tem formado e reciclado vários milhares de socorristas em todo o país, acompanhando as mais recentes evoluções na área. Enquanto entidade formadora, a CVP é reconhecida pela Direcção- Geral do Emprego e das Relações de Trabalho. Alguns dos seus cursos de socorrismo são certificados internacionalmente pelo European Reference Centre for First Aid Education e todos se baseiam nas guidelines do European Resuscitation Council. Sendo pioneira na formação em Socorrismo e a sua oferta é diversificada, com certificação nacional e internacional, adaptadas às necessidades da população em geral e das empresas. Curso de Suporte Básico de Vida - SBV (4 horas). Curso de Suporte Básico de Vida com Desfibrilhação Automática Externa - SBVDAE (6 horas). Curso Europeu de Primeiros Socorros - CEPS (12 horas). Curso Básico de Primeiros Socorros - CBPS (7 horas). Curso de Socorrismo Pediátrico - CSP (15 horas). Curso de Tripulantes de Ambulância de Transporte - TAT (50 horas). Curso de Técnico Socorristade Proximidade - TSP (30 horas). Curso de Recertificação de Tripulantes de Ambulância de Transporte (25 horas). A Juventude Cruz Vermelha (JCV) é o sector juvenil da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) constituído por crianças e jovens adultos com idades compreendidas entre os 6 e os 35 anos, sendo que a JCV de Braga, desenvolve atualmente, a par de projetos pontuais, um conjunto de ações para esta faixa etária, com quem tem um contacto diário, tais como:

3 1- +ATITUDE (Prevenção da toxicodependência que prevê a minimização de fatores de risco e o aumento de fatores protetores relativos ao consumo de drogas e intervém junto de crianças e jovens das Escolas Básicas 2º e 3º ciclos); 2- Copos quem decide és tu! (Prevenção do consumo de álcool que prevê sensibilizar os jovens para as problemáticas associadas ao consumo de bebidas alcoólicas e aumentar o conhecimento sobre a substância. Este projeto intervém junto de jovens do 3º ciclo e ensino secundário); 3 - Projetos de Verão (Prevenção dos perigos associados à exposição solar que prevê a sensibilização das crianças para a adoção de comportamentos saudáveis, através de jogos lúdico-pedagógicos. Intervém junto de crianças em idade pré-escolar); 4 - +SAÚDE - RISCOS (Prevê minimizar os riscos associados ao consumo de substâncias psicoativas através da passagem de informação e do apoio em situações de crise. Este projeto é composto por três ações: testes de alcoolemia, rondas de informação e espaço de intervenção em crise. Intervém junto de jovens que frequentam contextos noturnos recreativos); 5 A Brincar e a Jogar Descobre como te Alimentar (Sensibilização para a adoção de hábitos alimentares saudáveis, através da dinamização do Jogo da Alimentação Saudável. Este projeto, no qual são trabalhados os conhecimentos e as escolhas do dia-a-dia, intervém junto de crianças das Escolas do 1º e 2º ciclos); 6 Geração Tecla.E5G (Prevê trabalhar a inclusão escolar, social e digital das crianças e jovens mais vulneráveis do Bairro de Sta. Tecla. É financiado pelo Programa Escolhas e promove ainda a dinamização cultural e a formação profissional dos jovens e adultos da comunidade); 7 Colorir o Sábado (Ação integrada no Projeto Geração Tecla.E5G que prevê a realização de atividades lúdico-pedagógicas com as crianças do Bairro de Sta Tecla, com idades entre os 6 e os 12 anos de idade); 8 Envolvência anual de aproximadamente 120 voluntários entre os vários projetos, 90 dos quais com uma participação mais assídua e ativa. Por conseguinte, esta proposta passa por uma conjugação de esforços entre as JCV e a Escola de Socorrismo para chegar ao maior número de crianças e jovens, bem como seus cuidadores, para os sensibilizar e dotar das ferramentas básicas necessárias para salvar uma vida.

4 3. Objectivos Geral: Dotar crianças, jovens e respetivos cuidadores de competências básicas ao nível dos primeiros socorros. Específicos: 1. Certificar 90 jovens em 15 ações de Suporte Básico de Vida 2. Certificar 36 agentes educativos em Curso de Socorrismo Pediátrico 3. Envolver crianças em 68 ações de informação e sensibilização sobre os primeiros socorros e utilização dos serviços de emergência 4. Atividades A) CURSO SUPORTE BÁSICO DE VIDA PARTICIPANTES/ DESTINATÁRIOS Jovens de Associações juvenis nas áreas do desporto, arte, cultura, ambiente e património de Braga (maiores de 14 anos) N.º DE AÇÕES 15 FORMANDOS POR AÇÃO 6 Nº TOTAL DE FORMANDOS 90 N.º DE HORAS POR AÇÃO 4 INCLUI Certificação Manual Máscara de Treino DATAS Janeiro a Dezembro 2016 CONTEÚDOS SIEM Sistema Integrado de Emergência Médica Apresentação teórica do Suporte Básico de Vida Prática de SBV Obstrução da via aérea Técnicas de desobstrução da via aérea

5 B) CURSO DE SOCORRISMO PEDIÁTRICO PARTICIPANTES/ Agentes educativos e profissionais da educação (formal e não formal) DESTINATÁRIOS N.º DE AÇÕES 3 FORMANDOS POR AÇÃO 12 Nº TOTAL DE FORMANDOS 36 N.º DE HORAS 15 INCLUI Certificação e Cartão de Socorrista Manual Máscara de Treino Material associado (ligaduras, compressas, outros consumíveis) DATAS Janeiro a Dezembro 2016 CONTEÚDOS Princípios básicos Os 4 passos em Primeiros Socorros Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa Hemorragias, Feridas, Queimaduras e Intoxicações Lesões nos ossos, músculos ou articulações Lipotimia, Epilepsia e Diabetes Hipertermia Alterações gastrointestinais Efeitos do calor e frio C) CURSO DE SOCORRISMO INFANTO-JUVENIL (50 EUROS, 25 ALUNOS, 50 (25) PARTICIPANTES/ Crianças do 4.º ano de escolaridade das EB1 de Braga DESTINATÁRIOS N.º DE AÇÕES 68 FORMANDOS POR AÇÃO 25 Nº TOTAL DE FORMANDOS 1700 N.º DE HORAS POR AÇÃO 90 minutos INCLUI Certificação e Cartão de Socorrista Manual Máscara de Treino Material associado (ligaduras, compressas, outros consumíveis) DATAS Janeiro a Dezembro 2016 CONTEÚDOS Estrela da vida Como proceder em caso de acidente ou doença súbita Hemorragia Ferida Queimadura

6 5. Orçamento Descrição Valor (IVA Incluído) Formadores 4 060,00 Deslocações 610,00 Manuais 1 339,00 Material Consumo atividade 1 306,00 Certificação 3 310,00 Comunicações 610,00 Consumíveis escritório 940,00 Computador Portátil 420,00 Projector Portátil 400,00 TOTAL ,00

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Projecto M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMÁTICA 3. PROPOSTA 4. OBJECTIVOS E RESULTADOS

Leia mais

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares Rua dos Douradores, 106-118 1100-207 LISBOA tel. 218 459 440 fax 218 459 458 eso.recepcao@cruzvermelha.org.pt Cursos de Primeiros Socorros 27 Janeiro / 2011 Encontre a Delegação Local CVP mais próxima:

Leia mais

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares Rua dos Douradores, 106-118 1100-207 LISBOA tel. 218 459 440 fax 218 459 458 eso.geral@cruzvermelha.org.pt Cursos de Primeiros Socorros 01 Abril 2012 Encontre a Delegação Local CVP mais próxima: www.cruzvermelha.pt

Leia mais

Cruz Vermelha Portuguesa

Cruz Vermelha Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 14 de Março 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO Cruz Vermelha Portuguesa TÍTULO DO COMPROMISSO PREVENIR

Leia mais

Memória Descritiva. Curso: Tripulante de Ambulância de Transporte (TAT) Fundamentação: Objetivos: Tipo/Nível da Ação:

Memória Descritiva. Curso: Tripulante de Ambulância de Transporte (TAT) Fundamentação: Objetivos: Tipo/Nível da Ação: Curso: Tripulante de Ambulância de Transporte (TAT) Fundamentação: O socorro e o transporte de vítimas de doença súbita e/ou trauma é executado por vários elementos que têm de ter conhecimentos técnicos

Leia mais

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho 1 - Objetivos: Dotar os trabalhadores de conhecimentos e competências, adequados e específicos à realidade de trabalho da empresa, estabelecimento ou serviço, que permitam aplicar as medidas de primeiros

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 REFERÊNCIA: 090 DESIGNAÇÃO: Participar para Alimentar BIP/ZIP em que pretende intervir: 8. Ameixoeira (PER) ENTIDADES: Promotora: ANAFS - Associação Nacional dos Alistados das Formações Sanitárias Parceiras:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS Empresas, Instituições e População no Geral 20 horas Idade Mínima de 16 anos e máxima de 60/65; Dominar a língua Portuguesa Nº de Formandos

Leia mais

Relatório. Projeto ifone 112: Aprender a Salvar. Autores: Dinamizadores Projeto

Relatório. Projeto ifone 112: Aprender a Salvar. Autores: Dinamizadores Projeto Gabinete de Investigação & Desenvolvimento da Educação em Saúde Relatório Projeto ifone 112: Aprender a Salvar Autores: Dinamizadores Projeto OAZ, Setembro 2012 Gabinete de Investigação & Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO Orçamento Tu decides!

REGULAMENTO Orçamento Tu decides! 1 REGULAMENTO Orçamento Tu decides! PREÂMBULO O diálogo entre os cidadãos e o poder autárquico constitui um eixo fundamental para o desenvolvimento de uma cidade. A participação de todos na escolha e definição

Leia mais

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências INFORMAÇÃO PARA POPH PROGRAMA OPERACIONAL DO POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA 3.6 QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE PRIORIDADES FORMATIVAS 2013

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 Nome de Documento: Catálogo Empresas PT Codificação: CAT.001.CFE_rev_0 Revisão: 0 Data de Aprovação:26/09/2014 Pág. 2 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 3 de

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção

DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro. Associação Espaço Mundo CEDL - CASA DA EUROPA DO DISTRITO DE LISBOA. Inclusão e Prevenção REFERÊNCIA: 071 DESIGNAÇÃO: Inclusão na diversidade - Preparar o Futuro BIP/ZIP em que pretende intervir: 22. Alta de Lisboa Sul 67. Alta de Lisboa Centro ENTIDADES: Promotoras: Parceira: Associação Espaço

Leia mais

3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração e local 3.3 Inscrição e Custo da ação

3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração e local 3.3 Inscrição e Custo da ação Formação 2012 Praznik Índice: 1 Programa 1.1 Objetivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador 3.2 Duração

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 ÍNDICE 1. Finalidade Pág. 3 2. Objectivos Gerais Pág. 3 3. Objectivos Operacionais Pág. 3 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 5. Equipa Formativa Pág. 4 6. Perfil dos Formandos Pág. 4 7. Recursos Didácticos

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

VOLUNTARIADO JUVENIL NA CVP

VOLUNTARIADO JUVENIL NA CVP 06 2015/04-05 Página 2 Alguns dados relevantes... Página 3 Breves Página 6 Questionário de avaliação do voluntariado juvenil na CVP Áreas Locais da Juventude e respetivos Responsáveis Página 8 Voluntariado

Leia mais

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos...

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014

PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR. Anabela Martins. Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Anabela Martins Bragança, de 20 setembro de 2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE ESCOLAR Sumário Nota prévia Objetivos da Saúde Escolar Literacia em saúde Eixo estratégicos Exemplos de Boas

Leia mais

Associação de Apoio à Trissomia 21

Associação de Apoio à Trissomia 21 I- Instituição Promotora NOME: AMAR 21 Associação de Apoio à Trissomia 21 MORADA: Rua Tomé de Sousa, nº 19 Edifício Leal, Apt 403 4750-217Arcozelo Barcelos DISTRITO: Braga CONTATOS: 933852811 TIPO DE INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 298/IX ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO VOLUNTÁRIO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 298/IX ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO VOLUNTÁRIO. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 298/IX ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO VOLUNTÁRIO Exposição de motivos O movimento associativo popular, em Portugal, tem uma enorme importância na dinamização e promoção de actividades,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

Praznik Formação Monitores 2015

Praznik Formação Monitores 2015 Praznik Formação Monitores 2015 Índice: 1 Programa 1.1 Objectivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. no decorrer deste ano, uma Campanha de Informação. dirigida a jovens alunos desta escola profissional.

União Geral de Trabalhadores. no decorrer deste ano, uma Campanha de Informação. dirigida a jovens alunos desta escola profissional. Número 1 abril 2014 União Geral de Trabalhadores NEWSLETTER Educação e Formação para a Prevenção Editorial Neste Número: A UGT União Geral de Trabalhadores - em parceria com a ACT Autoridade para as Condições

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA (SBV - DAE)

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA (SBV - DAE) Instituto Nacional de Emergência Médica DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA () Julho 2014 Departamento de Formação em Emergência Médica Gabinete

Leia mais

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define o conjunto de normas a que deve obedecer o Programa Voluntariado Social e Jovem para a Freguesia de Macieira

Leia mais

Jovens residentes ou estudantes no Município de Cascais e com idade compreendida entre os 15 e os 25 anos (à data de início do projeto).

Jovens residentes ou estudantes no Município de Cascais e com idade compreendida entre os 15 e os 25 anos (à data de início do projeto). 1. OBJECTIVOS Promover a ocupação saudável do tempo livre dos jovens no período de Verão, fomentando o seu desenvolvimento pessoal, pela aproximação com as realidades locais, o contato com o mundo do trabalho

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores

Um Estudo Sair da Casca junho 2015. Mecenato Educativo. A perspetiva dos professores Um Estudo Sair da Casca junho 2015 Mecenato Educativo A perspetiva dos professores INTRO Objetivos Qual pode ser o papel das empresas na educação? Qual a importância dos programas educativos e o seu impacto?

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO)

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA (3ª ACTUALIZAÇÃO) (3ª Actualização JULHO/2008) 1 Mês: Abril/2008 ANULAR (Estava na 1ª versão sem data) ANULAR (estava na 2ª versão para o 3º

Leia mais

CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA COM DAE

CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA COM DAE CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA COM DAE e ADMINISTRAÇÃO DE VACINAS E MEDICAMENTOS INJECTÁVEIS EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA Formação Inicial Conducente à Certificação A Portaria 1429/2007, de 2 de Novembro,

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Somos sempre o jovem ou o velho de alguém (Pierre Bourdieu) JUVENTUDE: conceitos e sentidos Uma etapa

Leia mais

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 A EMPRESA A RIO EMERGÊNCIA treinamentos trata-se de uma empresa educacional, voltada ao ensino

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

2002/2003 Educação e Formação em Números 2002/2003

2002/2003 Educação e Formação em Números 2002/2003 2002/2003 Educação e Formação em Números 2002/2003 ÍNDICE ENSINO NÃO SUPERIOR...2 NÚMERO DE ALUNOS (POR FREQUÊNCIA)...2 NÚMERO DE PROFESSORES (POR PESSOA)...2 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO...3 FORMAÇÃO...4

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Curso de Suporte Básico de Vida para Farmacêuticos e Curso de Administração de Vacinas e Medicamentos Injetáveis em Farmácia Comunitária

Curso de Suporte Básico de Vida para Farmacêuticos e Curso de Administração de Vacinas e Medicamentos Injetáveis em Farmácia Comunitária Curso de Suporte Básico de Vida para Farmacêuticos e Curso de Administração de Vacinas e Medicamentos Injetáveis em Farmácia Comunitária A Portaria 1429/2007, de 2 de novembro, consagra que os serviços

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

profissional; promoção de competências de decisão e de reflexão na procura de emprego e promover hábitos alimentares equilibrados.

profissional; promoção de competências de decisão e de reflexão na procura de emprego e promover hábitos alimentares equilibrados. Nota inicial: Estas ações foram implementadas durante o ano civil de 2011. Apesar de em 2010 existirem 34 ações, estas foram reagrupadas em apenas 9 com o intuito de ser conseguida uma melhor operacionalização

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL MUNICÍPIO DE VOUZELA PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL 2014/2015 Designação da Formação Toxicodependências Programa de Respostas Integradas As Crianças Marcam a Diferença! Natação 1º Ciclo Prolongamento de Horário

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

TOTAL DE OUTRAS FONTES DE FINANCIAMENTO: 7253.00 EUR

TOTAL DE OUTRAS FONTES DE FINANCIAMENTO: 7253.00 EUR REFERÊNCIA: 024 DESIGNAÇÃO: Projecto MAIS -Mentes Animadas Idades Somadas BIP/ZIP em que pretende intervir: 57. Empreendimento Municipal Rua João Nascimento Costa 59. Empreendimento Municipal Rua Carlos

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens O novo domínio de atuação Luís Madureira Pires Aprovação e objetivos do Programa 2013-16 O Programa Cidadania Ativa é um dos 8 programas em vigor em Portugal

Leia mais

reason why FORMAR UM PROFISSIONAL DE CERTIFICAÇÃO COM O LÍDER DO MERCADO.

reason why FORMAR UM PROFISSIONAL DE CERTIFICAÇÃO COM O LÍDER DO MERCADO. PLANO DE FORMAÇÃO reason why FORMAR UM PROFISSIONAL DE CERTIFICAÇÃO COM O LÍDER DO MERCADO. PREFÁCIO A formação, inicial ou contínua, é assumida pela APCER como vital para o desenvolvimento dos profissionais

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

março 2014 FORGETUR Formação Técnica para a Gestão no Turismo Técnicas de Gestão Financeira e Empresarial

março 2014 FORGETUR Formação Técnica para a Gestão no Turismo Técnicas de Gestão Financeira e Empresarial março 2014 FORGETUR Formação Técnica para a no Turismo Técnicas de Financeira e Empresarial Direção de Qualificação Formativa e Certificação FORGETUR Técnicas de Financeira e Empresarial 1. Enquadramento

Leia mais

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação 1. Objectivo Estar em coordenação com o desenvolvimento dos trabalhos do Governo da RAEM para os jovens,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

REGULAMENTO PREÂMBULO

REGULAMENTO PREÂMBULO REGULAMENTO PREÂMBULO A Câmara Municipal do Porto, através do Pelouro da Educação, Organização e Planeamento, reconhece a importância das Associações de Jovens na mobilização e participação cívica em diferentes

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Objetivo. Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do Algarve. Metodologia. 1. Mobilização de parceiros

Objetivo. Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do Algarve. Metodologia. 1. Mobilização de parceiros Objetivo Horizonte Temporal PROGRAMA DE COMBATE À OBESIDADE INFANTIL NA REGIÃO DO ALGARVE Manter ou reduzir a prevalência de obesidade e pré-obesidade infantil na região do 2006 2007 2012 2015 Teresa Sofia

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO

PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO PROGRAMA ESCOLHAS 5ª GERAÇÃO O Programa Escolhas visa promover a inclusão social de crianças e jovens provenientes de contextos socioeconómicos mais vulneráveis, tendo em vista a igualdade de oportunidades

Leia mais

EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS. inteira responsabilidade da respectiva entidade.

EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS. inteira responsabilidade da respectiva entidade. EU AMO SAC E5G 1 OBJECTIVOS O projecto "Eu amo SAC E5G" é um projecto que visa promover a capacitação de crianças e jovens dos 6 aos 24 anos de contextos socioeconómicos vulneráveis e as suas famílias

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Designação da Ação Paralisia Cerebral (varias abordagens) Definição implementação de PI Qualidade do Serviço e Satisfação do Cliente Suporte Básico de Vida Comunicação e Relacionamento Interpessoal Trabalho

Leia mais

Treinadores: Os grandes desafios da atualidade Ericeira 2012.07.11. José Curado

Treinadores: Os grandes desafios da atualidade Ericeira 2012.07.11. José Curado Treinadores: Os grandes desafios da atualidade Ericeira 2012.07.11 José Curado Sumário Introdução Estado da profissão Treinadores e globalização Treinadores e Investigação Científica Treinadores, novas

Leia mais

Documento elaborado no âmbito da Campanha Local 2010-2015 Sempre em Movimento, Amadora é Resiliente

Documento elaborado no âmbito da Campanha Local 2010-2015 Sempre em Movimento, Amadora é Resiliente FICHA TÉCNICA Título Programa de Informação e Sensibilização para a Redução do Risco de Desastre no Município da Amadora 2013-2014 Documento elaborado por: Equipa da Campanha Local 2010-2015 Sempre em

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ideias

Regulamento do Concurso de Ideias Regulamento do Concurso de Ideias 1. Apresentação O Concurso de Ideias e a Conferência Internacional sobre Prevenção e Controlo do Tabagismo, que vai ter lugar em Lisboa, de 14 a 15 de novembro de 2013,

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010 Conselho Local de Ação Social de Monção Conselho Local de Ação Social de Monção CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Atualmente a Rede Social de Monção conta

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna. Enquadramento e Regulamento

Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna. Enquadramento e Regulamento Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna Enquadramento e Regulamento PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA PRÁTICA DESPORTIVA - DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE INTERNA Programa e

Leia mais

PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012

PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012 PROPOSTAS PARA O PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2011/2012 PROJETO EDUCAR PARA A SAÚDE Atividades a desenvolver Dia mundial da alimentação - Disponibilizar fruta grátis no bar da escola. - Disponibilizar

Leia mais

PARTILHAR em São Tomé

PARTILHAR em São Tomé PARTILHAR em São Tomé 1. Enquadramento De acordo com as notícias do país, as doenças crónicas não transmissíveis têm estado a ganhar terreno alarmante nos últimos anos em São Tomé e Príncipe. Não se sabe

Leia mais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais Na Direção Regional de Educação As equipas de educação especial da Direcção Regional de Educação (DRE) atendem uma população variada, com diferentes problemáticas que determinam a necessidade de diferenciar

Leia mais