Co-funded by the Intelligent Energy Europe Programme of the European Union

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Co-funded by the Intelligent Energy Europe Programme of the European Union"

Transcrição

1 1

2 Visão Global Introdução Manual Requisitos do Sistema Analise Resultados Benchmarking 2

3 3

4 Propósito do ESS-EMBT A ferramenta ajuda as empresas a encontrar as respostas para as seguintes perguntas: Qual é o conteúdo energético do meu produto? Qual é a pegada de carbono do meu produto? Qual é o custo específico de energia do meu produto? Como posso regularmente avaliar o meu consumo de energia? Como está a empresa, em termos de energia, quando comparada com a concorrência? 4

5 Ferramentas e recursos disponíveis O esquema de poupança de energia ESS desenvolvido no projeto Europeu SESEC fornece as seguintes ferramentas: Abordagem Global do SESEC EBMT (Ferramenta de Gestão de Energia e Benchmarking), em suporte Excel e descrito nesta apresentação EDST (Ferramenta de Suporte à Distribuição de Energia) SAT (Ferramenta de auto avaliação) Nove apresentações para melhores práticas de racionalização energética: Supply Contracts and shifting Grid Utilization - Production machines Compressed Air Steam and Heat Production Renewable Energy and Co-generation Lighting HVAC I (Heating) HVAC II (Ventilation, Air Conditioning) Vacuum, Cleaning Para mais informações veja [1] e [2] 5

6 Resultados esperados Contabilidade Energética; Indicadores energéticos globais e / ou por segmento numa base mensal e anual. Os indicadores incluem: Consumo Específico de Energia; Custo Específico (energia); e Intensidade Carbónica. Análise gráfica da "Energia vs. Produção" ; Análise gráfica de "Custo de energia vs. Produção"; Cálculo analítico global e/ou por segmento do consumo de energia quando a produção é 0, cálculo de energia necessária para produzir uma unidade adicional e cálculo da percentagem de energia que não contribui para a produção; Benchmark global e por processo com base nos indicadores calculados em cada segmento. 6

7 7

8 8

9 1. Definir o Âmbito 2. Preparar o Excel 3. Realizar a análise (Inserção) 4. Interpretar os resultados (Saída) 5. Benchmark Passos 9

10 1. Set the scope O que espera obter a partir da ferramenta ESS-EMBT? Ex.: Analisar a evolução do consumo de energia Obter indicadores energéticos Obter dados da análise de regressão Efetuar o benchmark do consumo Quem na sua empresa irá trabalhar com a ferramenta ESS- EMBT? Irá necessitar dos dados de produção por segmento, faturas de todas as fontes de energia, dados obtidos da ferramenta EDST Que próximos passos? Ex. Acompanhar a evolução do consumo de energia vs produção numa abordagem de monitorização 10

11 2. Preparar o Excel MS-Excel 2010 ou posterior A versão mais recente da ferramenta está disponível em As macros devem ser ativadas A ESS-EMBT foi desenvolvida utilizando macros. Para utilizar todas as funcionalidades do ESS-EMBT as macros têm de ser ativadas 11

12 2. Ativar Macros 12

13 3. Folha: Introdução (1) Neste módulo vamos utilizar o exemplo de uma empresa teórica denominada XPTO. Esta empresa produz Meias que estão incluídas no segmento Roupa interior & Sutiãs" e T-shirts sem costura que estão incluídas no segmento de T-shirts e afins - malha". O principal produto da empresa são as meias que representam quase 100% da produção, as t-shirts representam uma % muito pequena da produção podendo ser considerada como produção de amostras. A ferramenta EMBT contendo o exemplo está disponível no site do SESEC. Leia totalmente a introdução, irá ajudar a entender o funcionamento da ferramenta Todas as folhas são navegáveis mas a utilização deverá seguir da esquerda para a direita 13

14 Folha: Inserir Produção (1) A primeira folha é a folha "Inserir Produção". É solicitada a identificação da empresa, o utilizador, o ano a analisar, os segmentos produzidos e os dados de produção. A produção deve ser inserida em unidades (peças) e é subdividida: - Produção total (inclui todos os segmentos); - Produção por segmento; e - Produção por processo (por segmento). Preencha dados da empresa. Todos os dados a inserir são relacionados com o ano indicado Selecione os segmentos produzidos, cada seleção permite a entrada de dados para o segmento escolhido. Preencha os dados totais de produção em unidades (peças) 14

15 Folha: Inserir Produção (2) Depois de selecionar os segmentos e introdução da produção global é solicitada a introdução da produção específica por segmento, o exemplo só pede os dados de produção para "Roupa interior & sutiãs" e "T-shirts e afins - malha", já que foram os estes os segmentos selecionados. De notar que, se a empresa apenas produzir um segmento há duplicação na introdução de dados, isto é, produção do segmento = produção global. Esta dupla introdução é importante para fins de benchmarking por isso mesmo que sinta que é trabalho redundante não deixe de inserir todos os dados. Se apenas quer ter uma abordagem global da gestão de energia e não têm interesse no benchmarking não necessita de inserir dados na próxima tabela. 15

16 Folha: Inserir Produção (3) Depois de selecionar os segmentos, introduzir a produção global e a produção específica por segmento, será solicitada a entrada de dados de produção de processos específicos para cada segmento selecionado. Nota sobre a célula Agosto de ambos os segmentos: - Em T-shirts, a produção da tricotagem é "0", apesar de unidades terem sido acabadas. Neste caso foram acabadas, em agosto,1.000 unidades tricotadas em julho. - Em Roupa interior, a produção da tricotagem é "0", apesar de unidades terem sido acabadas. Neste caso a tricotagem foi subcontratada e depois acabada internamente Os resultados energéticos serão afetados por estes eventos e influenciam o benchmarking. 16

17 Folha: Inserir Energia (1) A próxima folha é a folha de "Inserir energia", aqui será solicitada a introdução de dados energéticos retirados das faturas, será também solicitada a distribuição de energia por segmento. A distribuição de energia por segmento é um dos resultados da Ferramenta de Suporte á Distribuição de Energia (EDST) que também está disponível na caixa de ferramentas do ESS. Esta folha também fornece um resumo de energia que lhe permite comparar as diferentes fontes de energia utilizadas na empresa. 17

18 Folha: Inserir Energia (2) Introduzir o consumo de energia e o seu custo (sem IVA). A ferramenta permite a inserção de 11 fontes de energia diferentes, incluindo electricidade, gás natural, fuelóleo pesado (HFO), fuelóleo (TFO), gasolina, diesel, carvão (betuminoso), biomassa (madeira), gás de petróleo liquefeito (LPG), vapor e água quente. As tabelas vapor e água quente serão preenchidas apenas se a empresa os adquirir a uma fonte externa, ou seja, uma cogeração ou distribuição urbana. Se forem produzidos internamente, ou seja, por caldeira e / ou aquecedor de água as tabelas não deverão ser preenchidas. As tabelas relativas ao gasóleo e gasolina servem a penas para introduzir consumos NÃO rodoviários, ou seja, em geradores de emergência, caldeiras, empilhadores, etc. 18

19 Folha: Inserir Energia (3) Esta tabela apresenta o resumo da energia adquirida, incluí: - Consumo total de energia por fonte tanto em kwh como em tep; - Percentagem do consumo e custo de cada fonte; - Consumo total mensal de energia e emissões de CO 2 ; - Análise gráfica de comparação entre a razão consumo de energia e custo. Como as fontes de energia são convertidas para as mesmas unidades, a análise do consumo é simplificada e comparável. 19

20 Folha: Inserir Energia (4) Nesta tabela a distribuição de energia deverá ser inserida por segmento. A distribuição é baseada em cálculos que incluem os dados técnicos das máquinas de produção e auxiliares, horário de trabalho, carga/regime médio de trabalho, etc Estes valores fazem parte dos resultados da Ferramenta de Suporte à Distribuição de Energia (EDST) também disponível na caixa de ferramentas do ESS - SESEC. Na EDST há uma folha chamada "Dados para EMBT", basta copiar os dados da tabela 1 e colá-los nesta tabela. Tal como na folha "Inserir produção", se só quer ter uma abordagem global da gestão de energia e não interesse no benchmarking não precisa preencher este quadro, isto é, nem precisa usar a EDST. 20

21 4. Folha: Resultados GLOBAL (1) Esta folha está dividida em três tipos diferentes de resultados, o primeiro é a análise gráfica mensal de "Energia vs. Produção" e "Produção vs. Custo de Energia", onde é possível verificar a evolução do consumo juntamente com a produção e analisar desvios. De notar os meses de maio e agosto que possuem desvios consideráveis. Sem uma análise gráfica seria difícil encontrar, justificar e corrigir esses desvios. 21

22 Folha: Resultados GLOBAL (2) O segundo resultado é a análise estatística da energia com base na análise de um gráfico de regressão que inclui informações variadas: - Cálculo analítico do consumo global de base (consumo de energia, quando a produção é 0); - Cálculo analítico global da energia necessária para produzir uma unidade adicional; - Cálculo analítico global da proporção da energia que não contribui para a produção; 22

23 Folha: Resultados GLOBAL (3) O terceiro resultado diz respeito aos indicadores de energia: - Consumo específico de energia - CEE (SEC) CEE = Energia / Produção - Custo específico de energia - CE (SC) CE = Custo Energia / Produção - Intensidade carbónica IC (CI) IC = Gases de efeito estufa (CO 2 ) / Energia Estes indicadores são úteis não só para o benchmarking, mas também para avaliar o progresso após implementação de medidas de poupança de energia. Os indicadores vão baixando à medida que mais medidas são implementadas, desde que a produção se mantenha constante. Se a produção diminui muito os indicadores tendem a subir rapidamente independentemente da quantidade de medidas de poupança implementadas. 23

24 Folha: Resultados SEGMENTO (1) A folha "Resultados - SEGMENTO" devolve o mesmo tipo de resultados da folha "Resultados - GLOBAL", mas especificamente a cada segmento. Assim, se uma empresa tem apenas um segmento, os resultados por SEGMENTO são exatamente os mesmos que no GLOBAL. No exemplo, existem dois segmentos pelo que a análise será específica para cada um, isto é, em cada segmento é dada a infromação relativa ás análises gráficas mensais, á análise de regressão e indicadores. 24

25 Folha: Resultados SEGMENTO (2) 25

26 Folha: Resultados SEGMENTO (3) Nota importante: Os fatores de conversão que foram utilizados para obter os valores em tep e em kwh são universais no SESEC, ou seja, a fim de desenvolver uma referência internacional os diferentes fatores de conversão utilizados nos vários países da UE foram normalizados. Os valores utilizados na EMBT podem ser encontrados nos documentos "Guidance document for the ESS Self Assessment Tool" e "ESS guide for companies" disponíveis no site do SESEC. 26

27 Folha: Benchmark (1) O benchmarking original do SESEC é baseado nos dados obtidos a partir de 27 empresas da UE, que representam 42 grupos de produtos. Estes 42 grupos são a base de dados de comparação dos 7 segmentos produtivos que compõem o ESS-SESEC, T-shirts e afins malha, Camisas e Blusas - tecido, Calças e Saias (casuais e jeans) tecido, Fatos & Sobretudos - Casacos, Pulloveres de malha (tear reto), Roupa interior & Sutiãs e Produtos Técnicos. O indicador comparável dentro SESEC é o consumo específico de energia (CEE), este indicador representa a quantidade de energia necessária, a nível global e/ou processo/secção específica, para produzir uma unidade de produção, por isso, os dados comparáveis incluem, em cada segmento, o consumo específico de energia, kwh /un, em: Tecelagem; Tricotagem; Estender & Cortar & Costurar; Bordar; Estampagem; Acabamento; Iluminação; Ar comprimido; Vapor/água quente; Energia Total. Embora o benchmarking dos processos seja importante os resultados podem ser extremamente variáveis devido a fatores como o uso de climatização, especificidades tecnológicas, etc., por isso os resultados podem ser desanimadores. No benchmarking da energia total, os fatores que produzem um desvio negativo em alguns processos são contrariadas por positivos em outros o que significa que o benchmarking da energia total (CEE por segmento) torna-se o mais importante na comparação de indicadores. 27

28 Folha: Benchmark (2) Os dados de benchmarking deverão ser inseridos nestas tabelas, note que só pode fazer o benchmarking um segmento de cada vez (os dados à direita referem-se ao segmento Roupa interior & sutiãs). A distribuição é baseada em cálculos que incluem os dados técnicos das máquinas de produção e auxiliares, horário de trabalho, carga/regime médio de trabalho, etc. Estes valores fazem parte dos resultados da Ferramenta de Suporte à Distribuição de Energia (EDST) também disponível no ESS - SESEC. Na EDST há uma folha chamada "Dados para EMBT", basta copiar os dados das tabelas 2 & 3 e colá-los nestas tabelas. Tal como na folha "Inserir produção e Inserir Energia, se só quer ter uma abordagem global da gestão de energia e não interesse no benchmarking não precisa preencher estes quadros, isto é, nem precisa usar a EDST. 28

29 Folha: Benchmark (3) Simplesmente selecione o segmento a comparar e verifique os resultados, estes aparecem tanto numérica como graficamente Ao analisar os resultados de deverá ter uma abordagem crítica e não aceitar literalmente os valores resultantes. No exemplo, podemos ver que o ar comprimido tem um desvio enorme, no entanto, tal não significa que a empresa exemplo é muito ineficiente, significa que devido à tricotagem, a empresa é muito mais dependente de ar comprimido que o melhor valor de referência na base de dados do SESEC, no entanto, é uma área onde vale a pena uma análise mais aprofundada. Obviamente, o resultado global é afetado por essa dependência e retorna um indicador mais elevado do que o melhor valor de referência. 29

30 Folha: Benchmark (4) No slide anterior certamente notou que muitos valores não estão disponíveis para comparar e são representados por uma mensagem "No Data" na tabela de benchmarking, significa que a base de dados tem ainda de crescer. Apesar de 42 grupos de produtos representarem uma boa base, é importante reforçar a base de dados de benchmarking. Com esse objetivo em mente o consórcio do SESEC solicita ao utilizador o envio dos resultados da empresa para o contacto do seu país. Para ajudar a aumentar a base de dados envie impressão da tabela final (veja a imagem abaixo) o seu contacto nacional, os contactos estão disponíveis no sitio Todos os dados serão tratados de forma confidencial, a empresa será codificada e só poderá ser identificada pelo contacto nacional 30

31 Leituras [1] CITEVE (2013): Critical Energy Saving Points for the Clothing Manufacturing Process/Factory Environment, Deliverable D3.1 [2] CITEVE (2013): O3.2 Energy Saving Scheme (ESS) Guide for Companies and O3.5 Guidance Document [3] GHERZI (2013): Energy Data, Deliverable D2.2 [4] DITF (2014): Euratex Overall SESEC Approach, disponível em [5] CITEVE (2014): EDST (Energy Distribution Support Tool), disponível em [6] ENEA (2014): SAT (Self Assessment Tool), disponível em 31

32 Figuras Slide 8 Dennis Skley: *grübel* URI: License: CC BY-ND 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/legalcode) Slide 9 Carissa Rogers: kid to do list, list, Be happy and go home URI: 6tQG1N-8cuPQg-6oCMfR-5R2t5b-9uCMNF-7WWKna-82Z8Cz-87uSWj-839wC-8QW9Yq-7pHc1U-6qsYHC-gu1Ra- 7Jq5QH-7Mfehz-7VWPxJ-6J37Hp-4QCVn9-8QzzeL-8w3ARY-5JaQRk-5wvNsm-fMnd2-ffgRgs-4yar1X-dr9xUw-dJLTso- 3bLKoc-5sane8-eT8xC-5QjTMr-55xTxK-iYZum-i8xKL-61m8xK-6YzqVs-7JKQkd-5SyRgw-4VSKqq-avZUVo-4ZwxHC-3svSV- 4qU25r-4sCr3S-PVLFS-5rMwqS/ License: CC BY 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/legalcode) Todas as outras figuras (exeto os logos) são capturas de imagem da ferramenta EMBT by SESEC CC BY-SA 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/legalcode), 32

Co-funded by the Intelligent Energy Europe Programme of the European Union

Co-funded by the Intelligent Energy Europe Programme of the European Union 1 Visão Global Introdução Manual Requisitos do Sistema Analise Resultados Dados para EMBT 2 3 Propósito do ESS-EDST Distribuir o consumo por segmento e ao longo dos vários processos de produção, tanto

Leia mais

SESEC. Energia à medida UMA NOVA ESTAÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EUROPEIA DO VESTUÁRIO

SESEC. Energia à medida UMA NOVA ESTAÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EUROPEIA DO VESTUÁRIO SESEC Energia à medida UMA NOVA ESTAÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA EUROPEIA DO VESTUÁRIO Saber o destino da energia para a poupar ARTISAN e SESEC são dois projetos de cooperação que partilham

Leia mais

ESET Guia para as empresas

ESET Guia para as empresas ESET Guia para as empresas Elaborado por: CITEVE Data: Julho 2015 Versão: Final 1.2 Índice 1. Introdução... 3 2. O projeto SET... 4 3. ESET Tool... 5 3.1. Abordagem, Inputs e Outputs... 5 3.2. Atalho para

Leia mais

Consolidação do Balanço de Carbono. Programa BAL_EEC - Manual do Usuário Versão preliminar. Autores: Carlos Feu Alvim e Rafael Macêdo

Consolidação do Balanço de Carbono. Programa BAL_EEC - Manual do Usuário Versão preliminar. Autores: Carlos Feu Alvim e Rafael Macêdo 1 Consolidação do Balanço de Carbono Programa BAL_EEC - Manual do Usuário Versão preliminar Relativo à Meta 5 (*) Autores: Carlos Feu Alvim e Rafael Macêdo Rio de Janeiro, 28 de Maio de 2007 2 NT 3: Software

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Buderus Diretiva ErP. Na zona verde

Buderus Diretiva ErP. Na zona verde Buderus Diretiva ErP Na zona verde A União Europeia, no âmbito da Diretiva de ErP para os lotes 1 e 2, exige que a partir de 26 de setembro de 2015 todos os equipamentos produtores de calor e depósitos,

Leia mais

FAQ s. Submissão dos Relatórios de Autocontrolo de Emissões Atmosféricas e Planos de Gestão de Solventes

FAQ s. Submissão dos Relatórios de Autocontrolo de Emissões Atmosféricas e Planos de Gestão de Solventes FAQ s Submissão dos Relatórios de Autocontrolo de Emissões Atmosféricas e Planos de Gestão de Solventes FAQ s Não consegue introduzir a sua palavra-chave? Para introduzir os dados da sua conta e palavra-chave,

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos.

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos. A eletricidade, gás, água e outros tipos de consumos são elementos fundamentais para o funcionamento da generalidade das empresas e que poderão ter um peso bastante relevante nos seus custos. É assim,

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos)

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos) Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Seja bem-vindo(a) ao Simulador de Ações FinanceDesktop. Seu propósito é oferecer um ambiente completo e fácil de usar que permita o registro

Leia mais

Passo a passo SISCORT R 2015

Passo a passo SISCORT R 2015 Passo a passo SISCORT 2015 SUMÁRIO (PASSO A PASSO SISCORT) Passo 1 Acessando o Sistema ------------------------- slide 1 Passo 2 -Identificação do Usuário ---------------------slide 16 Passo 3 Atualizar

Leia mais

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Sistemas de aquecimento Sistemas industriais Sistemas de refrigeração Directiva ErP A directiva ErP introduz a etiquetagem

Leia mais

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive)

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) 1 Índice: 1. Introdução: 20:20:20 2. Directiva ErP-EuP 2.1 Diretiva ErP: 2.1.1 Explicação da ErP 2.1.2 Produtos incluídos: LOTs 2.1.3 Calendário

Leia mais

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto Como efetuo a mudança de ano do Ponto de Venda? No Programa Express aceda a Tabelas Pontos de Venda Postos de Venda abrir o separador Movimentos Caixa e: -

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Resumo das funcionalidades

Resumo das funcionalidades Resumo das funcionalidades Menu MENU Dados Cadastrais Atualizar Cadastro Troca Senha Grupo Usuários Incluir Atualizar Funcionários Incluir Atualizar Atualizar Uso Diário Importar Instruções Processar Status

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 1 Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 (1 Passo) Vamos digitar os dados na planilha. Para isso temos três banco de dados (Dados 1, Dados 2 e Dados 3), no qual irão gerar três Boxplot. Figura 1

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de faturação, encomendas, compras,

Leia mais

Mas para iniciar o uso do CRM é necessário efetuar algumas configurações em primeiro lugar.

Mas para iniciar o uso do CRM é necessário efetuar algumas configurações em primeiro lugar. Menu CRM O KeyInvoice tem um CRM que lhe permite efetuar, no seu programa de faturação, uma gestão de contatos, podendo converter os mesmos em Oportunidades ou Orçamentos. Este menu inclui ainda uma agenda

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS MANUAL DO USUÁRIO Apoio SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ROTINAS... 3 2.1 GUIA

Leia mais

Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO

Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO 1 Manual de acesso à área de cliente MEU SITE EXPRESSO Para a comodidade dos nossos clientes, criamos uma área exclusiva onde cada cliente com seu usuário e senha, pode efetuar o pagamento de sua mensalidade,

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica Faturação Eletrónica DHL O que é a Faturação Eletrónica? O serviço de faturação eletrónica da DHL é um método alternativo ao correio e ao fax de receber as suas

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009 Como fazer um trabalho Etapas na elaboração de um trabalho 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª

Leia mais

Universidade de Itaúna Passo a Passo para o Pedido de Bolsa Institucional

Universidade de Itaúna Passo a Passo para o Pedido de Bolsa Institucional Na página principal da Universidade, no pop-up como mostrado abaixo, clique no link para leitura atenta do Edital do Processo Seletivo de Bolsas de Estudo Institucionais. 1 Após a leitura do edital, clique

Leia mais

Manual do Usuário Anônimo

Manual do Usuário Anônimo Manual do Usuário Anônimo esupplierconnect Versão 8.1 10 de Março, 2014 Página 1/34 10 Mar., 2014 v8.1 Sumário: 1 Introdução 3 2 Sobre o esupplierconnect 5 2.1 Acesso ao Portal 6 2.2 Estrutura do Portal

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS LINUX EDUCACIONAL UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROFESSOR GERSON VALENCIO Caro professor: As novas Tecnologias de Informação e Comunicação(TICs) estão mudando nossa forma de pensar, agir, relacionar-se,

Leia mais

Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico.

Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico. Serviço de Informação ao Cidadão. Eletrônico. 2015 Acesse o site da Prefeitura de Japeri www.japeri.rj.gov.br e nele identifique o ícone de acesso ao e-sic. Clicando sobre o ícone, vai ser aberto o Portal

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Sistema on-line Sistema on-line O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Inspirado pela inovação, na continuidade

Inspirado pela inovação, na continuidade CAPA Para inovar, uma Instituição forte e inabalável como a nossa precisa continuar criando projetos coerentes para inspirar as pessoas, afim de facilitar seus mecanismos de trabalho através da inovação.

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Professor On-line. Em construção versão: 16/01/2015. Elaboração SED/DITI/GETIG

Professor On-line. Em construção versão: 16/01/2015. Elaboração SED/DITI/GETIG Professor On-line Em construção versão: 16/01/2015 Tela inicial de acesso Nº do IP do equipamento que está acessando o sistema 2 Login Matrícula no formato NNNNNN-D-VV (número, dígito, vínculo) Obs: independente

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Manual de Cotizações (esse manual se aplica a partir da versão 2011/0003 do Expert Turismo e Lazer)

Manual de Cotizações (esse manual se aplica a partir da versão 2011/0003 do Expert Turismo e Lazer) Manual de Cotizações (esse manual se aplica a partir da versão 2011/0003 do Expert Turismo e Lazer) Você deve acessar o item Lançamentos na tela de entrada e depois clicar no botão Cotizações. Este programa

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED PHC Letras CS A gestão de todas as tarefas relacionadas com Títulos de Dívida A execução de todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e o controle total da situação por cliente ou

Leia mais

Tutorial microsoft Excel

Tutorial microsoft Excel Tutorial microsoft Excel GET da Engenharia Computacional Curso de Mídias Digitais mai 17, 2011 Vamos construir a seguinte tabela Salte uma linha e uma coluna logo apos na coluna B insira os dados da figura

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Versão 2.4 agosto de 2015 Perfil SILiAmb O perfil de utilizador 3. Pessoa que trata da transferência em Movimentos Transfronteiriços

Leia mais

Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz.

Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz. Caro paroquiano, Bem vindo ao Programa de Controle de Dízimo da Paróquia Nossa Senhora da Luz. Aqui você encontrará uma ajuda PASSO A PASSO para se cadastrar como dizimista ou alterar o seu cadastro quando

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt 1 Índice Menu e-mail marketing...03 Conteúdo da mensagem...04 Listas de contatos...15 Ações de e-mail marketing...19 Perguntas frequentes...26 2

Leia mais

PRO FOR WINDOWS (FPW)

PRO FOR WINDOWS (FPW) INTRODUÇÃO OAO FORECAST PRO FOR WINDOWS (FPW) Considerações Básicas Introdução ao Forecast Pro Software para análise e previsão de séries temporais. Características importantes Roda sob as diversas versões

Leia mais

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não Manual Instalação Positivo Network Manager Versão 4R2 para Integradores O produto Positivo Network Manager Versão 4R2 (PNM4R2) consiste de uma plataforma do tipo cliente servidor, sendo o cliente, os microcomputadores

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003 Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via de Índice 1 Introdução... 4 1.1 Objetivo...4 1.2 Funcionalidades...5 1.3 Autenticação...5

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA As liberações financeiras somente são verificadas no faturamento do pedido, como conseqüência há situações em que o cliente tem limite de crédito excedido, vencido

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA FINANX

MANUAL DO SISTEMA FINANX MANUAL DO SISTEMA FINANX www.meusoft.com.br Indice Item Descrição Pg 1. Objetivo e Principais Funcionalidades 3 2. Para acessar e instalar a aplicação 4 3. Conhecendo o FinanX 6 3.0 Tela inicial de LOGIN

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

Módulo Domínio Atendimento - Versão 8.0A-06

Módulo Domínio Atendimento - Versão 8.0A-06 Módulo Domínio Atendimento - Versão 8.0A-06 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Comercial Cadastros o (202) Cadastro de Vendedores Flag Enviar Previsão: Flag Enviar Previsão: Foi inserido um novo flag no cadastro de vendedores.

Leia mais

HP Mobile Printing para Pocket PC

HP Mobile Printing para Pocket PC HP Mobile Printing para Pocket PC Guia de Iniciação Rápida O HP Mobile Printing para Pocket PC permite imprimir mensagens de e-mail, anexos e arquivos em uma impressora Bluetooth, de infravermelho ou de

Leia mais

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas FM-0 1/21 ÍNDICE 1. MÓDULO DESKTOP(SISTEMA INSTALADO NO CIEE)... 2 Cadastro de Ofertas de Empregos:... 2 Cadastro de Eventos:... 3 Cadastro de Instituições do Curriculum:... 5 Cadastro de Cursos do Curriculum:...

Leia mais

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE Caro Aluno, Este Manual tem por finalidade orientá-lo na utilização do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). 1. O que é ambiente virtual de aprendizagem

Leia mais

www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1

www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1 www.marketingdigitalexpress.com.br - Versão 1.0 Página 1 Remarketing é um recurso utilizado para direcionar anúncios personalizados para as pessoas que visitaram uma determinada página do seu site ou clicaram

Leia mais

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente?

O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? PPEC 2008 100% Iluminação Eficiente na Região Autónoma dos AçoresA EDA Electricidade dos Açores Maio de 2008 O que é o programa 100% Iluminação Eficiente? É uma iniciativa da EDA apoiada pelo Plano de

Leia mais

www.gerenciadoreficaz.com.br

www.gerenciadoreficaz.com.br Fone: (62) 4141-8464 E-mail: regraconsultoria@hotmail.com www.gerenciadoreficaz.com.br Guia Prático do Usuário Manual de Instalação Gerenciador Eficaz 7 2 Manual do Usuário Gerenciador Eficaz 7 Instalando

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

WORLD CHEESE AWARDS 2015 INSTRUÇÕES ONLINE PARA AS SUAS INSCRIÇÕES

WORLD CHEESE AWARDS 2015 INSTRUÇÕES ONLINE PARA AS SUAS INSCRIÇÕES WORLD CHEESE AWARDS 2015 INSTRUÇÕES ONLINE PARA AS SUAS INSCRIÇÕES Vá para www.gff.co.uk/wca Clique em Enter Here (na casa vermelha) ou Access MyGuild (no canto superior direito da página Web) 1) Registo

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

GESTÃO DE STOCKS. Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais:

GESTÃO DE STOCKS. Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais: GESTÃO DE STOCKS Para gerir o seu stock deve realizar 4 passos essenciais: 1. Garantir que têm os artigos todos criados no Sublime 2. Fazer a contagem de todos os artigos que estão a uso, em expositores

Leia mais

Com FLOWww esse processo dura poucos segundos. Basta dirigir-se à Gestão de Clientes no seu menu de FLOWww e clicar sobre Cadastro rápido.

Com FLOWww esse processo dura poucos segundos. Basta dirigir-se à Gestão de Clientes no seu menu de FLOWww e clicar sobre Cadastro rápido. Gestão de Clientes A Gestão de Clientes de FLOWww permite registrar rapidamente novos clientes, realizar buscas simples e avançadas, obter bancos de dados completos, além de administrar informações, histórico,

Leia mais

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1 Manual do Usuário Central de Agendamento Versão 1.1 Maio, 2014 Central de Agendamento Manual de utilização Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Setor: Coordenação de Sistemas - COSIS Histórico de Revisões

Leia mais

Disponibilização da v4.20 do ETPOS - Procedimentos

Disponibilização da v4.20 do ETPOS - Procedimentos 1. Introdução... 3 2. Licenciamento via sms... 3 3. Configuração do ETPOS... 5 3.1. Ativação do Regime de IVA de caixa no cliente... 5 3.2. Criação de novos tipos de recibos... 5 3.2.1. Criar um recibo

Leia mais

METODOLOGIA INTRODUÇÃO

METODOLOGIA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento pretende apresentar a metodologia de preparação dos temas que constituem o Modelo de Dados de Informação Geográfica de suporte à Plataforma online do Projeto Oeiras E-City.

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Manual Portal Ambipar

Manual Portal Ambipar Manual Portal Ambipar Acesso Para acessar o Portal Ambipar, visite http://ambipar.educaquiz.com.br. Login Para efetuar o login no Portal será necessário o e-mail do Colaborador e a senha padrão, caso a

Leia mais

Caro (a) Servidor, 1. Para quem já tem senha de acesso ao Siapenet:

Caro (a) Servidor, 1. Para quem já tem senha de acesso ao Siapenet: Caro (a) Servidor, O Governo Federal, por meio de seu Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão vem desenvolvendo o sistema SIGEPE, em substituição ao antigo Siapenet. Através dele, é possível a retirada

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce Novo Módulo disponível no TOTVS S1 Varejo: permissão de utilização através de licença específica. Mesmo não adquirindo a licença de uso do módulo ele continuará presente na tela do usuário. 1 Na opção

Leia mais

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 No primeiro trimestre de 2011, a carga máxima da rede foi de 491,74 MW - diminuiu 5,14% comparativamente ao

Leia mais

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim.

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim. Nacacomunik e pré-seleção de operador 1. Porque é que a ACN se chama Nacacomunik Serviços de Telecomunicações, Lda. em Portugal? Como em Portugal já existiam duas empresas com o nome ACN, registámos a

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 06.01.02. Abaixo constam as alterações referentes aversão 06.01.02 do dia 12/06/2013:

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 06.01.02. Abaixo constam as alterações referentes aversão 06.01.02 do dia 12/06/2013: ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 06.01.02 Abaixo constam as alterações referentes aversão 06.01.02 do dia 12/06/2013: ATENÇÃO: Versões intermediarias não são de atualização obrigatório para todos os clientes, apenas

Leia mais