Políticas Públicas de EE experiencias internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas Públicas de EE experiencias internacionais"

Transcrição

1 Políticas Públicas de EE experiencias internacionais Dr. Dirk Assmann Sao Paulo,

2 A GTZ Agência de Cooperação Técnica Alemã empresa pública de direito privado, sem fins lucrativos braço técnico do Governo alemão execução de políticas públicas Objetivo: desenvolvimento sustentável Papel: desenvolvimento de capacidades individuais e organizacionais Contexto: acordos bi- ou multilaterais 2

3 Empresa com atuação internacional Federação Russa Guatemala El Salvador Honduras Nicaragua Costa Rica Equador Colômbia Peru Chile Haiti Bolívia República Dominicana Paraguai Argentina Brasil Mauritânia Senegal Marrocos Guiné Mali Argélia Burkina Faso Níger Nigéria Gana Costa do Marfim Togo Benin > 130 países Bélgica Alemanha Camarões Chade Angola Namíbia > funcionários Kaliningrado Congo Zâmbia África do Sul Moscou Ucrânia Bósnia e Herzegovina Romênia Croácia Sérvia e Montenegro Kosovo Bulgária Geórgia Macedônia Armênia Albânia Territórios Palestinos Egito Uganda Quênia Ruanda Burundi Tanzânia Malawi Jordânia Etiópia Arábia Saudita Azerbaijão Iêmen Moçambique Zimbábue Madagascar > 1,3 bilhao EUR (faturamento) Saratov Emirados Árabes Unidos Casaquistão Uzbequistão Afeganistão Paquistão Omsk Kirguistão Tajiquistão Novosibirsk Altai Índia Nepal Sri Lanka Bangladesh Situação em 2006 Mongólia Rep. Popular da China Vietnã Tailândia Cambodja Indonésia Filipinas Países com agências de cooperação para o desenvolvimento Países com agências da GTZ Países com agências da GTZ com funções específicas Central da GTZ, Eschborn e agências em Berlím, Bonn e Bruxelas

4 Programa Energia Brasil-Alemanha Fase 1: 3/09-2/12 4

5 Programa Energia Brasil-Alemanha Eficiência Energética Energias Renováveis Eletrificação Rural Métodos de Plan. Energ. CDM Macro Meso Micro Apoio técnico GT Aquecimento solar Estratégias estaduais (p.e. agência de energia) Gestão de programas nacionais (LpT, PROCEL etc.) Mercados ESCO Programas de Capacitação (técnicos etc.) Projetos demonstrativos Introdução de tecnologias inovadores Matchmaking entre industrias brasileiras e alemãs MME/MMA Gov. Est. Eletrobrás / EPE BNDES / CAIXA ANEEL / ONS Sistema S Setor Privado

6 Energy efficiency improvement is a crucial key for climate protection and securing energy supply IEA 450 ppm CO 2eq scenario to achieve 2 target Main strategy elements energy efficiency and renewables

7 Global potentials for CO 2 emission mitigation in buildings

8 Why increasing energy efficiency? Expected benefits Most important strategy to achieve greenhouse gas emission reductions Cost-effective opportunity

9 Cost-effective energy end-use efficiency potentials even in high indutrialized countries (case study Germany) Around 2%/year can be cost-effectively saved vs. trend

10 Energy efficiency service markets and policies Different situation in different EU Member States ChangeBest project analysis Well developed: Germany, Denmark, Flanders Moderately developed: France, Italy, Sweden, The Netherlands, Czech Republic, Austria Emerging: Portugal, Spain, Latvia, Slovakia, Slovenia Preliminary stage: Estonia, Poland, Bulgaria, Greece

11 Barriers and obstacles What hinders the realisation of cost-effective saving potentials? Lack of information and motivation Financial restrictions Split incentives Risk aversion No access to efficient technologies Juridical restrictions (e.g. lei 8666) Etc. There is a need for policy intervention to make energy efficiency as simple and attractive as possible for all actors

12 Effective policy packages should be build on five pillars The ideal policy package

13 Policy institutions and market actors in the EU Energy efficiency has received growing attention on all levels and needs efforts an all levels o European Parliament, European Commission, Council of the European Union o National parliaments and governments o Sub-national parliaments and governments (federal states, e.g., the German Laender, local authorities) Intermediaries like energy agencies or climate protection agencies on different levels (national, regional, local) NGOs like environmental organisations or associations of municipalities (e.g., ICLEI, Climate Alliance, Energie cités) Manufacturers, importers and traders of energy-efficient technology ESCOs and energy companies offering energy efficiency services Energy consultant offices, architects and planners Installers Banks and insurances Investors and users of energy-efficient solutions

14 Existing framework on European level to overcome still existing barriers and obstacles Central policy instruments fostering energy efficiency EU Energy and Climate Package (20% energy efficiency increase goal compared to BAU) EU green paper and action plan on energy efficiency Directive on Energy End-Use Efficiency and Energy Services (2006/32/EC) Ecodesign Directive (2009/125/EC) Energy Labelling Directive (97/75/EC) -> recast Buildings Directive (2002/91/EC) -> recast Research&Development and dissemination programmes Flexible mechanisms of the Kyoto protocol (ETS, JI, CDM) Various additional policies in place on level of Member States, and on regional and local level

15 Directive on Energy End-Use Efficiency and Energy Services General framework and objectives The so-called Energy Services Directive (ESD) seeks to make energy enduse more efficient and cost-effective Covers most types of energy sold to end-users (incl. transport fuels) Member States are to adopt and achieve indicative targets of 9% annual energy saving by 2016 (i.e., 1%/year between ) To be realised by way of new energy services and energy efficiency improvement (EEI) measures Member States must report their planned/ implemented EEI measures in three National Energy Efficiency Action Plans (NEEAPs) ESD addresses actors, institutions and market structures rather than specific technologies Aims to establish supportive framework conditions and remove existing barriers to energy efficiency improvement measures and to the development of the energy service market

16 Directive on Energy End-Use Efficiency and Energy Services Selected provisions ESD sets framework for Member State activities in the areas of information provision, financing, metering, billing, and promotion of energy services Member States must appoint or newly establish a monitoring agency Special role of public sector: must provide good practice example, e.g., by adopting an energy-efficient public purchasing and investment policy Special role of energy industry: distributors and retailers of final energy are viewed as important contributors to reaching the energy saving targets Several options for participation of energy companies: White certificate schemes Voluntary agreements Contribution to financing mechanisms, such as energy saving trusts

17 Targets of Eco Design Directive Main Target Product Requirements: Determination of environmental and consumer related requirements for products addressing operation phase (CE-Label) Additional Focus on Energy Efficiency : Targeting Energy efficiency of products in operation phase: Mandatory minimal energy efficiency standards or maximal consumption standards Further Environment and Consumer Safety Rules: Further environmental standards (e.g. Mercury rules for bulbs; NO x related emission standards for heating systems), specific functionality rules, product information and labelling commitment Extension of product list Inclusion of not direct energy consuming products in operation phase (e.g. insulation materials, windows)

18 Eco Design Directive sets mandatory minimal energy efficiency standards or maximal consumption standards RL 2005/32/EG RL 2009/125/EG Test phase until 2012 Energy consuming products Products determining energy cosumption Non direct energy relevant products Heating systems PCs and Laptops Air conditioning Motors RL 2005/32/EG + Insulation Tires Windows Textiles Furniture Building materials

19 Process and relevant stakeholders Time axis Scientific study Impact assessment Agreement on proposal Adoption of proposal European Commission Working document Consultation forum Draft Directive Regulation bodies European Council and Parliament Interest bodies (Industry, Environment - und Consumer protection organisations) EU-Member states

20 Policy instruments on national level Further policies and measures in place in EU Member States Energy taxation (e.g. German EcoTax), removal of energy subsidies Voluntary agreements Energy performance standards for products, processes, building Promotion of energy labelling Financial incentives Support of energy advice, energy audits Information and communication Public procurement Participation, cooperation, networking Education, training, qualification, certificates Research and development Intermediary bodies (e.g. energy agencies)

21 Energy agencies as supporting bodies Important intermediaries Possible tasks: Support the introduction of good energy management practices Advocate the concept of sustainability and support the implementation of local/regional energy plans Provide information and guidance Develop / organise energy audits of public and private buildings Offer a number of other local services based on specific local energy needs Can establish the crucial link between advice on measures and actual measure implementation Can tender and coordinate financial support programs

22 The landscape of energy agencies in Europe current statistics count between 333 LREAs (International Energy Agency 2009) and 800 information centres and agencies dealing with energy efficiency (World Energy Council 2008) in the EU the big number of energy agencies is in a way an empirical justification for their usefulness LREAs in selected European countries: France Finland United Kingdom Spain Germany 7 regional, 7 regional, 13 regional, 19 regional, 34 regional, 21 local agencies 1 local agency 12 local agencies 21 local agencies 25 local agencies (51 energy efficiency information centres) Source:

23 Energy efficiency obligations and white certificate schemes Key benefits of a white certificate system Utilities are obligated to achieve certain volume of energy saving (have to show up with specific amount of certificates) Certification guarantees meeting the agreed target Introduction of tradability aims at least-cost achievement of targets The system could unlock energy saving potentials and actors that are currently not unlocked by other instruments Can reduce pressures on public budgets Can stimulate the market for ESCOs However focuses on rather less complex, standardised energy efficiency improvement activities; transaction costs of monitoring and verification

24 Effective policy packages Experience has shown that a mix of several or even all types of instruments is likely to be the most successful Therefore the instruments should be ideally bundled into comprehensive, well-balanced, effective and efficient policy packages Targeted and coordinated policy packages should be developed that influence all levels of the market chain The barriers to energy-efficient behaviour must be overcome for all relevant market actors, and incentives to encourage them to adopt energy-efficient behaviour reinforced

25 Monitoring and evaluation of policies and measures Key questions Have targets been met? Do instruments need improvement? How should they be adjusted? Two types of evaluation Impact evaluation: assesses the effectiveness, efficiency, distribution aspects and public acceptance, side effects as well as interactions of policies and measures Process evaluation: analyses the processes of target setting, instrument selection, implementation and adaptation to changing situations during implementation Further distinction between bottom up and top down evaluation

26 Target setting and policy planning Learning cycle

27 Conclusions Make energy efficiency easy, possible and rewarding SMART design of policies and measures: Specific: Be as concrete as possible: what should be achieved with the instrument? -> Target group-specific, differentiated policy packages overcoming existing barriers to realise saving potentials Measurable: Define quantified targets Ambitious: Does the target go beyond business as usual? Realistic and Acceptable: Is the target achievable in the given timeframe, with the budget available? Is the target accepted by the target group? Time framed: Are targets set for a specific year? Are intermediate targets set in order to be able to monitor target progress?

28 Emprego verde tendências globais Faturamento mundial de tecnologias verdes: bilhoes de R$ Investimentos em empresas de tecnologia ambiental: 19% do total investido na China 3º maior mercado nos EUA Alemanha: faturamento 550 bilhoes de R$ Previsão 2020: 15 a 30% da produção industrial da planeta Fonte: ILO - Towards decent work in a sustainable, low-carbon world 28

29 Obrigado! Dr. Dirk Aßmann Diretor Programa Energia Brasil-Alemanha Rio de Janeiro 29

Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH

Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Energia solar fotovoltaica Seite 1 Sobre a GIZ Atuação internacional Territórios Marrocos

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado No âmbito de apólices individuais África do Sul 1 Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Barein Benim Brasil 1 Cabo Verde Camarões Chile China 2 Garantia bancária (decisão casuística). Caso a caso. Garantia

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms em vigor a partir de 1/2/2013 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,185 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,082 SMS Todas as redes nacionais 0,093 SMS (tarifa reduzida)

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos

Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos Consulta Pós-2015 O Mundo que Queremos ODMs: 2001-2015 Declaracão do Milênio (Set. 2000) Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (2001) Prazo final para o cumprimento dos ODMs (2015) E depois? Processo

Leia mais

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional).

Leia mais

25 parceiros em rede

25 parceiros em rede CAAST-NET PLUS: EU-Africa knowledge and network support to HLPD Cooperaçãoeminvestigaçãoe inovaçãoentre África sub-sariana e Europa Maria Maia, FCT, Portugal caast-net-plus.org CAAST-Net Plusé um projeto

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies JUNNIUS MARQUES ARIFA Head of Department of Agriculture and Environmental Audit TCU s mandate and jurisdiction 1. Role of Supreme

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 Disciplina a concessão de Recursos do PROEX/CAPES para a participação

Leia mais

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart.

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Impressoras série 100 2 Impressora HP Photosmart 130 HP 57 HP Photosmart 100 HP 57 Impressoras

Leia mais

Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets

Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets Projecto: SETatWork Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets IDMEC-Porto Porto,, 12 de Novembro 2009 Enquadramento

Leia mais

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015 Uzo Sempre 8 Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,085 SMS Todas as redes nacionais 0,085 MMS Todas as redes nacionais 0,590 Todas as redes nacionais - Video 0,790 Dados Internet

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS/Internet Voz Todas as redes nacionais 0,186 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,140 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down. (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1

Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down. (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1 Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1 ESD Annex IV A top-down calculation method means that the amount

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2003

SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2003 SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2003 PARTICIPAÇÃO INFANTIL SITUAÇÃO MUNDIAL DA INFÂNCIA 2003 Para todas as crianças Saúde, Educação, Igualdade, Proteção AVANÇAR HUMANIDADE UNICEF/02-0075/Susan Markisz SITUAÇÃO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA Organograma da ABC 1 O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

GIZ: trabalhamos para um futuro sustentável juntos com o Brasil

GIZ: trabalhamos para um futuro sustentável juntos com o Brasil Por meio da Por meio da Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável GIZ: trabalhamos para um futuro sustentável juntos com o Brasil Dr. Jens Giersdorf Megacities Conference, Rio de Janeiro PROMOB-e 3/10/2017

Leia mais

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2 Índice 1. Registro DCE... 3 Participante 2 Registro de de Derivativo Contratado no Exterior Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro DCE Caracteres: 1500 Header Seq Campo Formato Posição Conteúdo

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

Energy Efficiency in Agriculture and Agro-Industry. Fátima Baptista fb@uevora.pt

Energy Efficiency in Agriculture and Agro-Industry. Fátima Baptista fb@uevora.pt Energy Efficiency in Agriculture and Agro-Industry Fátima Baptista fb@uevora.pt Summary 1. Introduction 2. AGREE and TESLA projects 3. Energy consumption and measures for EE improvements 1. Wheat 2. Tomato

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais Tarifário 2012 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,18 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,08 SMS Todas as redes nacionais 0,09 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Overview of the GHG Protocol. - Rachel Biderman

Overview of the GHG Protocol. - Rachel Biderman Overview of the GHG Protocol - Rachel Biderman O Greenhouse Gas Protocol O GHG Protocol foi lançado em 1998 por Parceria multi-stakeholder entre empresários, ONGs, governos e outros Objetivos Simplificar

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016

Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 Programa de Incentivo para Bancos em Países Emergentes Perguntas & Respostas Janeiro de 2016 1. O que é o Programa de Incentivo para bancos em Países Emergentes? O Programa de Incentivo para Bancos em

Leia mais

Perspetivas da Qualidade - A experiência de Bial. Paula Teixeira

Perspetivas da Qualidade - A experiência de Bial. Paula Teixeira Perspetivas da Qualidade - A experiência de Bial Paula Teixeira 2 Perspetivas da Qualidade - A experiência de Bial 1. Breve apresentação da Empresa 2. Investigação como fator de diferenciação 3. Certificações

Leia mais

"# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -..

# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -.. ! "# $%%& ' ( $) $%%& * +!, -.. Emissões de CO 2-1994 Queima de Combustíveis Indústria 7% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA

PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA PAÍSES AIEA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA 1. Canadá 2. Comunidade da Austrália 3. Estado da Líbia 4. Estados Unidos da América 5. Federação Russa 6. Japão 7. Reino da Arábia Saudita 8. Reino

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

Regulamentação Que futuro decorrente da revisão em curso? João Fong ISR Universidade de Coimbra

Regulamentação Que futuro decorrente da revisão em curso? João Fong ISR Universidade de Coimbra Regulamentação Que futuro decorrente da revisão em curso? João Fong ISR Universidade de Coimbra Etiquetagem & Ecodesign As directivas de Etiquetagem e de Ecodesign são os dois principais instrumentos legislativos

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre os critérios e valores de concessão e pagamento de auxílio financeiro a alunos para participação em eventos, cursos e trabalhos de campo. O Pró-Reitor de Extensão, da

Leia mais

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Marcelo Theoto Rocha matrocha@esalq.usp.br 1 2 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

ELENA e Portugal 2020

ELENA e Portugal 2020 ELENA e Portugal 2020 Convenção Low Carbon de um Oeste Sustentável Dinis Rodrigues Caldas da Rainha, 9 de julho de 2013 AGENDA Tema 1 Portugal 2020 Tema 2 - ELENA 1 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração

Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Consulta pública - Melhoria dos procedimentos para obtenção de um visto Schengen de curta duração Nos últimos três anos obteve algum visto Schengen de curta duração? A Comissão está a rever os procedimentos

Leia mais

Mainstreaming Sustainable Tourism

Mainstreaming Sustainable Tourism 8. Se sim, quais os meios mais apropriados para tanto? Não aplicável Em estudo Em implementação Implementado Divulgação de informações sobre as práticas de sustentabilidade realizadas ou apoiadas pelo

Leia mais

Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles

Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric cars and end-of-life vehicles Adcley Souza (adcley.souza@hotmail.com) Sustainability issues in the Brazilian automotive industry: electric

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15 Horários 13h30 às 15h30 11.11.15 13h30 às 15h30 SESSÃO 1: APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Sala 1 Painel Estratégias e Horários Sala 2 - Painel Políticas Públicas e Práticas Sustentáveis P1 Consumo e Produção

Leia mais

Local & Regional Development. Expanding the positive impacts of mining projects

Local & Regional Development. Expanding the positive impacts of mining projects Local & Regional Development Expanding the positive impacts of mining projects Defining local and regional development Factors: Economic Social Specific to communities Need for ongoing consultations Link

Leia mais

Uma visão global das tendências de doação

Uma visão global das tendências de doação Uma visão global das tendências de doação Novembro de 2014 Número de organização social registrado: 268369 Assim como no ano passado, o crescimento mais substancial está no número de pessoas ajudando

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 SISTEMA MONETARIO MUNDIAL MOEDAS A SEREM EMITIDAS EM CADA PAÍS ARTIGO 42º Capítulo -1º QUANTIDADE DE NOVAS MOEDAS VALOR POR PAÍS 42-1- 1º - A partir da data da promulgação da Constituição Mundial pela

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800 REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DO PLANO ALTERNATIVO LDI CSP81 Por este instrumento, em que fazem parte de um lado, DATORA TELECOMUNICAÇÕES LTDA, Prestadora do Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC, inscrita no

Leia mais

BCG E SEU BEBÊ Imunização - a forma mais segura para proteger os seus filhos

BCG E SEU BEBÊ Imunização - a forma mais segura para proteger os seus filhos Protegendo os bebês contra a tuberculose (TB) BCG E SEU BEBÊ Imunização - a forma mais segura para proteger os seus filhos 2 Este folheto é sobre a vacina BCG (Bacilo Calmette-Guérin) que está sendo oferecida

Leia mais

http://www.amoportugal.org/

http://www.amoportugal.org/ OBJETIVOS A promoção de eventos de âmbito nacional com recurso à mobilização de Voluntários e ao envolvimento de parcerias públicas e privadas gratuitas. O desenvolvimento da cooperação e da solidariedade

Leia mais

Índice. 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7. Participante 2

Índice. 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7. Participante 2 Índice 1. Registro de Cliente Não Residente...3 2. Registro Contrato DVE...7 Participante 2 Títulos do Agronegócio Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro de Cliente Não Residente Caracteres: 453

Leia mais

RELATÓRIO PÓS EVENTO

RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS EVENTO RELATÓRIO PÓS-EVENTO SUMÁRIO EXECUTIVO LAAD Defence & Security 2013 Expansão da feira Números da 9ª edição da feira Cerimônia Oficial de Abertura Apoio institucional Ministério da

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11

Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11 Versão: 21/11/2011 Conteúdo Registro de Contrato de Derivativo Contratado no Exterior... 3 1. Registro Contrato DCE... 3 2. Alteração de Contrato DCE...11 Participante 2 Registro de Contrato de Derivativo

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

Panel 3: Improving the Delivery Services

Panel 3: Improving the Delivery Services UNITED NATIONS PUBLIC SERVICE DAY AND AWARDS CEREMONY Technical Seminar on Innovation in the Delivery of Public Services Panel 3: Improving the Delivery Services IMPLEMENTATION OF THE SELF-SUSTAINABLE

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 EDITAL N 01/2015/Unifei/Proex, de 14 de janeiro de 2015. CHAMADA PÚBLICA PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIO-EXTENSÃO PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES QUE ENVOLVEM COMPETIÇÕES TECNOLÓGICAS, EVENTOS ESPORTIVOS E CULTURAIS.

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Resultados Brasil 2013 1 Copyright 2013 Johnson Controls, Inc. Indicador de Eficiência Energética 2013 DETALHAMENTO REGIONAL A pesquisa do Indicador de Eficiência Energética

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil

Foreign Trade Promotion for German Small and Medium-Sized Enterprises (SMEs) in Brazil Foreign Trade Promotion for German (SMEs) in Brazil Vice-President of Marketing and Sales, German-Brazilian Chamber of Industry and Commerce Blumenau, November 20, 2007 Worldwide German Chambers Network

Leia mais

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Future Trends: Global Perspective Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Brazil Wind Power 2010 Rio de Janeiro 1 September 2010 Members include the following leading players:

Leia mais

Em direcção aos Edifícios de Balanço Energetico Zero

Em direcção aos Edifícios de Balanço Energetico Zero Em direcção aos Edifícios de Balanço Energetico Zero Jornadas de Climatização Ordem dos Engenheiros 13 de Outubro de 2011 Helder Gonçalves Tópicos a abordar... Contexto actual NZEB - definição, conceito

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 A divulgação dos dados de evolução da renda do Brasil pelo IBGE e a base de dados do FMI permitem algumas

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Economist Criação with a MBA in Business Strategy Missão from the Getulio Vargas. Has titles Fatos of Master & Números of Financial Economics, University of London and International

Leia mais

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra

WP Board No. 934/03. 7 maio 2003 Original: inglês. Junta Executiva 21-23 maio 2003 Londres, Inglaterra WP Board No. 934/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 7 maio 2003 Original: inglês Junta Executiva

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Brasil e o MDL. MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos. Brasília, 13 de agosto de 2008

Brasil e o MDL. MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos. Brasília, 13 de agosto de 2008 Brasil e o MDL MDL no Brasil e no Mundo Aspectos Jurídicos Brasília, 13 de agosto de 2008 Bruno Kerlakian Sabbag, Advogado Ministério da Ciência e Tecnologia Compromissos dos Países na Convenção-Quadro

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais