Plano Estratégico APS 2014/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico APS 2014/2016"

Transcrição

1 Plano Estratégico APS 2014/2016 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Planejamento Estratégico Coordenador: Guilherme Romano Figueiredo Membros: Deusdedit Assis Rezende José Borges de Carvalho Mauricio Anauade Arida Mônica Sodré ires Raíssa Fontellas R. Gambi Suzana Lotti Carvalho Dias Terezinha Couto Yula Merola Período: 24/07/2013 a 30/11/2013 1

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MISSÃO VISÃO VALORES PÚBLICO PREFERENCIAL ÁREA DE ATUAÇÃO GEOGRÁFICA FÓRUNS, REDES GOVERNANÇA PROGRAMAS E PROJETOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ORÇAMENTO ANEXOS 15 2

3 1. Apresentação O planejamento estratégico pode ser definido como um processo gerencial de análise de uma organização sob diversos ângulos, a fim de estabelecer seus rumos por meio de um direcionamento que possa ser monitorado ao longo do tempo, utilizando-se para isso a ferramenta Plano Estratégico. Ele diz respeito à formulação de objetivos e estratégias claras, levando em consideração as condições internas e externas da organização. O Plano Estratégico da Associação Poços Sustentável (APS) tem como finalidade colaborar com o processo de profissionalização da organização em busca de sua sustentabilidade. Apresenta as principais diretrizes conceituais e estratégicas, e deve ser utilizado como norteador das atividades da organização ao longo dos próximos três anos. O Plano será atualizado anualmente e, a fim de dar legitimidade ao processo e aos resultados alcançados, deverá ser apresentado e aprovado pela Assembléia Geral. 2. Histórico A Associação Poços Sustentável (APS), foi inicialmente pensada como um Conselho de Sustentabilidade, tendo como modelo a experiência positiva e inovadora da Alcoa em Juruti, no Estado do Pará. No intuito de reproduzir este mesmo modelo em Poços de Caldas, em 2008,a Alcoa promoveu um evento para refletir, conceituar e formar um Conselho de Sustentabilidade para a cidade.o evento foi realizado nos dias 11 e 25 de novembro,contou com a participação de mais de 300 pessoas, e com o apoio da Prefeitura Municipal, da Associação Comercial e Industrial, da Associação das Mineradoras, e outras empresas. Durante o evento foi formado um Conselho Provisório, ao qual coube promover o diálogo entre o poder público, o setor empresarial e a sociedade civil, além de declarar a visão e a missão da APS, sua personalidade jurídica, objetivos, metas e sistema de gestão. Assim, o delineamento do escopo de ações e do campo de atuação da organização foi construído democraticamente dentro do próprio conselho. Em novembro de 2009 o Conselho aprovou o Estatuto da instituição, registrado em fevereiro de 2010.O primeiro Conselho de Administração, responsável pela gestão no período de 2010 a 2012, foi empossado em setembro de 2010, e sua composição formada de maneira paritária, com representantes do Poder Público municipal, da sociedade civil organizada, da academia e do setor empresarial. Em novembro de 2011 foi confirmada a composição de sua Diretoria Executiva, e foram formados o Conselho Fiscal e o Conselho Técnico-Científico. 3

4 A partir de 2012 a APS buscou estruturar seus trabalhos e consolidar seus principais objetivos, que foram apresentados no I Fórum Aberto de Sustentabilidade, realizado em outubro de 2011: a) Consolidar a imagem da APS como uma entidade presente em Poços de Caldas e voltada para o fortalecimento de ações que visem a sustentabilidade; b) Criar oportunidades para que os associados se envolvam com APS; c) Aumentar o número de associados e envolvidos; d) Criar indicadores de sustentabilidade de Poços de Caldas que possam ser monitorados e divulgados pela APS em seu site. Dentre as principais atividades desenvolvidas no período, é possível destacar o lançamento do Programa Cidades Sustentáveis (PCS) para Poços de Caldas, em Nessa ocasião, os candidatos a prefeito assinaram a Carta Compromisso, comprometendo-se a realizar um diagnóstico da situação da cidade baseado nos indicadores do programa, para a elaboração de um Plano de Metas a ser divulgado para toda a população. O Programa Cidades Sustentáveis tem o objetivo de sensibilizar, mobilizar e oferecer ferramentas para que as cidades brasileiras se desenvolvam de forma econômica, social e ambientalmente sustentável. Ele oferece como ferramenta a Plataforma Cidades Sustentáveis, composta de 100 indicadores básicos divididos em 12 eixos temáticos. Em julho de 2012, foi realizada a eleição dos membros do Conselho de Administração gestão Atualmente, a APS conta com aproximadamente 120 associados cadastrados, com cerca de 30 atuantes em GTs, Conselhos Administrativo e Técnico-Científico e Diretoria Executiva. 3. Missão Sensibilizar e mobilizar os vários segmentos da sociedade para contribuir com a construção de um município mais sustentável e justo. 4. Visão Tornar-se autossustentável e reconhecida no município. 5. Valores Transparência, respeito, solidariedade, ética,sustentabilidade,apartidarismo. 4

5 6. Público Preferencial Beneficiar todos os cidadãos brasileiros e, prioritariamente, os cidadãos de Poços de Caldas/ MG. 7. Área de atuação geográfica A APS atua em todo o Brasil e, prioritariamente, no município de Poços de Caldas/MG. 8. Redes e Fóruns A APS, representada por seus conselheiros e associados, participa de sete redes e fóruns de discussão sobre meio ambiente e sustentabilidade, a saber: a) Rede de Ação Política para a Sustentabilidade (RAPS) Constituída em maio de 2012, a RAPS objetiva contribuir para o fortalecimento e o aperfeiçoamento da democracia e das instituições republicanas mediante o apoio à formação de lideranças políticas que colaborem com a transformação do Brasil em um país mais justo, próspero, solidário, democrático e sustentável.representantes:mônica Sodré Pires (Líder RAPS), Yula Merola de Lima (Empreendedora Cívica), e Terezinha Couto (Empreendedora Cívica) b) Fórum Municipal Lixo e Cidadania Instância que agrega interessados pela gestão dos resíduos sólidos no município de Poços de Caldas. Tem caráter permanente de discussão, proposição, articulação, apoio técnico, capacitação e sensibilização para a gestão adequada dos resíduos sólidos, atuando de acordo com as diretrizes dos Fóruns Nacional e Estadual do Lixo e Cidadania. Representantes: Raissa Fontelas R. Gambi (Membro Titular), Terezinha Couto (Membro Suplente). c) Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis 5

6 Seu objetivo é a troca de informações e conhecimentos entre seus integrantes para promover o aprendizado mútuo, o apoio e o fortalecimento de cada experiência local, e sua missão é comprometer a sociedade e sucessivos governos com comportamentos éticos e com o desenvolvimento justo e sustentável de suas cidades. Representantes: Terezinha Couto. d) Programa Cidades Sustentáveis O Programa Cidades Sustentáveis (PCS) é uma realização da Rede Nossa São Paulo, da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis e do Instituto Ethos, e oferece uma plataforma que funciona como uma agenda para a sustentabilidade, incorporando de maneira integrada as dimensões social, ambiental, econômica, política e cultural e abordando as diferentes áreas da gestão pública em 12 eixos temáticos. Representantes da APS: Terezinha Couto. e) Comitê de Bacias Hidrográficas (CBH) Rio Pardo e Mogi Os comitês de bacia hidrográfica são organismos de Estado, previstos nas Leis que estabelecem a Política Nacional (Lei 9.433/97) e a Política Estadual (Lei /99) de Recursos Hídricos. Os Comitês de bacia hidrográfica, sendo órgãos deliberativos e normativos, possuem como principais competências, entre outras previstas em lei: a) Promover o debate das questões relacionadas aos recursos hídricos e articular a atuação das entidades intervenientes; b) Decidir, em primeira instância administrativa, os conflitos relacionados aos recursos hídricos; c) Aprovar o Plano Diretor da bacia e seus respectivos orçamentos, bem como os planos de aplicação dos recursos arrecadados em sua área de atuação; d) Estabelecer os critérios e as normas e aprovar os valores para cobrança pelo uso de recursos hídricos; e) Deliberar sobre proposta para o enquadramento dos corpos d água em classes de usos preponderantes; f) Acompanhar a execução da Política Estadual de Recursos Hídricos em sua área de atuação. Representantes: João Neves Toledo (Membro Titular), e Suzana Lotti Carvalho Dias (Membro Suplente). f) Comitê Gestor do Programa Poços Comércio Justo O Sistema de comércio justo garante a pequenos produtores, principalmente do setor agrícola, tratamento justo pelos parceiros comerciais, permitindo-lhes uma vida digna no campo. Poços de Caldas é a primeira cidade de Comércio Justo do hemisfério sul, pela produção e comercialização de café com o selo FairTrade. Representantes: Terezinha Couto. 6

7 g) Conselho de Curadores da Fundação Jardim Botânico de Poços de Caldas/MG Seu objetivo principal zelar pela instituição, pelo seu desenvolvimento e objetivos. Representantes: Terezinha Couto (Membro Titular) e Raissa Fontelas R. Gambi (Membro Suplente). 9. Governança Durante o processo de elaboração do Plano Estratégico da APS e discussão sobre a atual estrutura de governança, foi possível verificar que houve uma redução na participação dos associados nos processos de decisão e na execução das ações da organização. Por isso, visando sua sustentabilidade no longo prazo, o Plano prevê a reestruturação da governança da APS (a), bem como de seu quadro social (b), incluindo algumas regras para associação e criando novas formas de participação dos associados (alterações que serão incorporadas ao estatuto). a) Reestruturação da estrutura de governança A revisão da estrutura de governança propôs: A manutenção da Assembléia Geral, composta por todos os associados (voluntários e colaboradores), como o órgão máximo de tomada de decisão da APS; A manutenção do Conselho Fiscal conforme foi concebido; A união do Conselho de Administração, do Conselho Técnico-Científico e da Diretoria em um único órgão, o Conselho Deliberativo. O Conselho Deliberativo deve ser eleito pelos associados em Assembléia, onde aplicável, ou ser indicado pelos segmentos da sociedade, conforme estatuto em vigência, e terá o papel de garantir a viabilização das decisões tomadas em Assembléia, instruindo e supervisionando as ações da Secretaria Executiva. A composição do Conselho Deliberativo deve manter os doze membros (conforme o atual estatuto) e a representatividade dos diversos setores da sociedade. Dentro do Conselho Deliberativo são criados os cargos de presidente, vice-presidente, e as seguintes diretorias (cada uma com seu titular e suplente): administração, comunicação, captação de recursos e projetos. A criação da Secretaria Executiva, composta por uma equipe remunerada, responsável pela operacionalização das ações da organização no dia-dia. Essa Secretaria Executiva abriga as seguintes gerências: administração, comunicação, captação de recursos e execução de projetos. 7

8 Com essa nova estrutura, o novo organograma da organização passa a ser: b) Reestruturação do quadro social Além da atual participação voluntária nos órgãos de decisão, pretende-se que os associados passem a contribuir de outras formas a fim de viabilizar a operação da APS, conforme as categorias a seguir: Associado fundador: participou da criação / aprovação do Estatuto original. Associado voluntário: presta apoio voluntário à APS por meio da doação de uma quantidade combinada de horas/ano em sua área de especialidade. Áreas prioritárias para a APS: a) jurídica: revisão e apoio à elaboração de estatuto, convênios, contratos, etc.; b) comunicação: apoio para elaboração de materiais de comunicação, elaboração de conteúdo, manutenção ou hospedagem de site e redes sociais; c) captação de recursos: apresentar e indicar contatos, acompanhar reuniões iniciais; d) projetos e eventos: apoio à execução. Associado colaborador: presta apoio voluntário à APS por meio da doação de recursos financeiros, anualmente, via boleto bancário. 8

9 Adicionalmente, é criada uma categoria informal de associados observadores : pessoas da rede de relações que recebem informações, acompanham as atividades da APS, e podem participar das assembléias, mas sem direito a voto. O associado (voluntário ou colaborador) que não prestar o apoio voluntário combinado ao final de 01 ano torna-se, automaticamente, associado observador. Além disso, passam a existir duas novas regras para associação: i) Os novos associados passam a ter direito a voto nas assembléias e a se candidatar para cargos nos órgãos decisórios da APS a partir de um ano atuante após sua associação; ii) A associação mínima de um ano O processo de reestruturação do quadro social consiste na consulta aos atuais associados sobre o novo formato de contribuição, sobre as novas regras de associação e na definição de sua permanência como associado e enquadramento em uma das categorias criadas. 10. Programas e Projetos A APS adotou como seus Programas os mesmos eixos de ação adotados pela Plataforma Cidades Sustentáveis. Os projetos foram distribuídos dentro de cada eixo de ação, de acordo com seus objetivos e especificidades, a saber: a) Eixo: Governança Objetivo: fortalecer os processos de decisão com a promoção dos instrumentos da democracia participativa. Projetos: Projeto Livro sobre a Situação dos indicadores de sustentabilidade do município de Poços de caldas do período de 2009 a 2012 (Anexo 01); Política é coisa nossa!(anexo 02); Observatório Social em Poços de Caldas (a ser desenvolvido em 2014). b) Eixo: Gestão Local para a Sustentabilidade 9

10 Objetivo: Implementar uma gestão eficiente que envolva as etapas de planejamento, execução e avaliação. Projetos: Material reciclável não é lixo: diagnóstico (quantidade, dificuldades), discussão sobre reciclagem, e operação de um modelo piloto (Anexo 03). c) Eixo: Educação para a Sustentabilidade e Qualidade de Vida Objetivo: integrar na educação formal e não formal valores e habilidades para um modo de vida sustentável e saudável. Projetos: Educação em Sustentabilidade através da arte e da cultura, que inclui a cartilha de sustentabilidade e cartilha para construção sustentável (a ser desenvolvido em 2014); Enduro da sustentabilidade (a ser desenvolvido em 2014); Gincana verde / jogos sustentáveis (a ser desenvolvido em 2014). d) Consumo Responsável e Opções de Estilo de Vida Objetivo: adotar e proporcionar o uso responsável e eficiente dos recursos e incentivar um padrão de produção e consumo sustentáveis. Projetos: Campanha Eu sou cidadão poços caldense (Anexo 04); II Fórum Aberto de Sustentabilidade de Poços de Caldas - Tema "Indicadores e Cidades Sustentáveis" (Anexo 05). e) Melhor Mobilidade, Menos Tráfego Objetivo: promover a mobilidade sustentável, reconhecendo a interdependência entre os transportes, a saúde, o ambiente e o direito à cidade. Projetos: Construção do centro ciclístico, museu e ciclovia urbana, que inclui educação para o trânsito (a ser desenvolvido em 2014). 10

11 f) Economia Local, Dinâmica, Criativa e Sustentável Objetivo: apoiar e criar as condições para uma economia local dinâmica e criativa, que garanta o acesso ao emprego sem prejudicar o ambiente. Projetos: Sinalização de rotas rurais de ciclismo ciclo turismo (a ser desenvolvido em 2014); Cartilha para construção ecológica (a ser desenvolvido em 2014). g) Cultura para a Sustentabilidade Objetivo: desenvolver políticas culturais que respeitem e valorizem a diversidade cultural, o pluralismo e a defesa do patrimônio natural, construído e imaterial, ao mesmo tempo em que promovam a preservação da memória e a transmissão de heranças culturais e artísticas, assim como incentivem uma visão aberta de cultura, em que valores solidários, simbólicos e transculturais sejam ancorados em práticas dialógicas, participativas e sustentáveis. Projetos: Aprender fazendo: programas televisivos como ferramenta socioambiental(anexo 06). h) Do Local para o Global Objetivo: assumir as responsabilidades globais pela paz, justiça, equidade, desenvolvimento sustentável, proteção ao clima e à biodiversidade. Projetos: Economize o Planeta (Anexo 07) i) Ação Local para a Saúde Objetivo: proteger e promover a saúde e o bem-estar dos nossos cidadãos. Projetos: j) Bens Naturais Comuns 11

12 Objetivo:assumir plenamente as responsabilidades para proteger, preservar e assegurar o acesso equilibrado aos bens naturais comuns. k) Planejamento e Desenho Urbano Objetivo: reconhecer o papel estratégico do planejamento e do desenho urbano na abordagem das questões ambientais, sociais, econômicas, culturais e da saúde, para benefício de todos. l) Equidade, Justiça Social e Cultura de Paz Objetivo: promover comunidades inclusivas e solidárias. m) Planejando Cidades do Futuro Objetivo: observa-se em muitas cidades do mundo que a sustentabilidade vem sendo internalizada em sua atividade de planejamento em longo prazo. 11. Objetivos Estratégicos Gerais - Aproximar os associados do dia-dia da APS - Tornar-se sustentável economicamente - Ter uma sede Administrativo - Realização de 1 Assembléia Geral Ordinária por ano - Obtenção de título para isenção de impostos sobre doação (OSICP?) - Formalização da relação com todos os colaboradores e parceiros estratégicos - Organização do banco de dados (institucional e de projetos) e sistema de backup - Revisão estatutária Comunicação - Estabelecimento de parceria com designer gráfico para produtos de comunicação 12

13 - Elaboração de 1 Relatório Anual de atividades - Manutenção de 1 site e 1 rede social atualizados - Elaboração do Perfil Institucional (portfólio) - Padronização da comunicação visual (cartão de visita, assinatura de , papel de carta, etc.); - Criar e manter um boletim informativo/coluna para divulgar a APS e os conceitos de sustentabilidade; - Tornar a APS conhecida e reconhecida no município. Captação de Recursos - Estabelecimento de parceria com designer gráfico para ferramentas de captação - Elaboração, atualização e avaliação do Plano de Captação de Recursos - Elaboração de pelo menos 03 projetos por ano - Envio de pelo menos 03 propostas por ano - Captação de pelo menos 01 novo projeto por ano - Diversificação das fontes de recursos - Fidelização das fontes de recursos - Buscar preferencialmente fontes de recursos locais e privadas (aproximar a APS das empresas) 12. Orçamento Anual INVESTIMENTO Descrição Valor unitário Qtde Valor total Telefone Secretária eletrônica Computador desktop No break Impressora multifuncional Data show ou TV Armário/arquivo Mesa de trabalho (c/ cadeiras) Mesa de reunião (c/ cadeiras) Geladeira pqna Outros (cortina, enfeites, etc.) TOTAL INVESTIMENTO

14 CUSTO ANUAL Descrição Valor unitário Qtde Valor total Contador Cartório Tarifas bancárias Hospedagem site Atualização site Atualização redes sociais Aluguel sede Luz Água Telefone Internet Material de limpeza Material de escritório Alarme Estagiário Viagens de representação TOTAL CUSTO ,00 14

15 13. ANEXOS: PROJETOS ANEXO 01 Livro sobre a Situação dos indicadores de sustentabilidade do município de Poços de caldas do período de 2009 a 2012 (Yula) Objetivo geral: Possibilitar a comunidade de Poços de Caldas a partir de informação de dos indicadores sustentabilidade que possam propiciar e avaliar o impacto da gestão participativa na estrutura e no funcionamento da administrativa municipal, em termos de transparência, transversalidade, métodos de gestão, descentralização e eficácia das políticas públicas Objetivos específicos: a) Ampliar o nível de conhecimento dos diferentes agentes sociais - poder público, sociedade civil organizada e não organizada, ONGs, empresas, instituições de pesquisa e universidade; b) Aprofundar o conhecimento sobre os fatores condicionantes das desigualdades socioeconômicas e das demais formas de desigualdade socioculturais; c) Colaborar para a elaboração de políticas públicas adequadas às realidades do município e efetivas na obtenção de resultados sociais; d) Capacitar agentes públicos e lideranças comunitárias quanto às informações da cidade, ampliando o nível de conhecimento acerca da realidade local. 15

16 ANEXO 02 - INCLUIR Projeto Política é Coisa Nossa, que agrega outros projetos: Política é coisa sua, rede dos conselhos municipais, e cartilha de acompanhamento do orçamento participativo Política é coisa sua Objetivo: O objetivo deste projeto é levar a um público amplo e heterogêneo o contato com conceitos políticos e, principalmente, com o desenho institucional brasileiro. A política faz parte do dia-a-dia de todos e é preciso que estejamos familiarizados com as regras que regulamentam sua existência e reprodução nos espaços institucionalizados. Na impossibilidade de praticarmos a democracia direta e numa sociedade que demanda cada vez mais a possibilidade de participação em diversas esferas, é fundamental que nos aprimoremos no processo de democracia participativa. A primeira etapa desse processo, cujo objetivo é uma sociedade mais justa e igualitária, começa com o conhecimento sobre o Estado brasileiro, nosso desenho institucional, características dos nossos sistemas eleitoral e partidários, conhecimento sobre locais de participação popular e domínio de ferramentas voltadas ao controle social. Assim, objetiva-se levar cursos de iniciação/formação política para associados da APS, parceiros, servidores públicos, universitários, cidadãos, empresas, partidos políticos e interessados em geral. Principais atividades: Aulas expositivas, debates e dinâmicas de grupo. Resultados esperados: Espera-se que o público familiarize-se com conceitos que permeiam a vida em sociedade e que se conscientizem sobre seu papel de cidadãos. O conhecimento das regras que perpassam a atividade política no Brasil é etapa fundamental para que tenhamos cidadãos mais conscientes e, sobretudo, politicamente engajados no processo de construção de uma cidade e um país melhor. Educação Política nas Escolas Objetivo: O objetivo deste projeto é levar aos alunos dos ensinos fundamental e médio das escolas de Poços de Caldas, públicas e privadas, o contato com valores políticos e de cidadania. A política faz parte do nosso cotidiano e é preciso que, além das regras que regulamentam sua atividade nos espaços institucionais, como o parlamento, os cidadãos tenham desde cedo contato com valores e práticas que permitam o seu desenvolvimento para além desses espaços. Assim, a partir do reconhecimento da heterogeneidade da nossa sociedade, das 16

17 diferenças de interesses que permeiam a formação de alunos e reconhecendo a escola como um espaço de formação, o objetivo é familiarizá-los com termos, conceitos e práticas que impactam na vida de todos e cujo conhecimento tem como principal objetivo a promoção de uma sociedade mais justa e de melhor qualidade para todos. Principais atividades: Aulas expositivas, debates e dinâmicas de grupo. Nas séries iniciais do ensino fundamental a principal metodologia será a adaptação e "replicação" do nosso sistema representativo ao âmbito escolar, com linguagem didática e adaptada a alunos de 6 a 12 anos. Assim, espera-se reproduzir um "mini parlamento", por meio do qual os alunos elegerão seus representantes e ficarão responsáveis por, ao longo do ano, debater entre si e diagnosticar problemas da realidade escolar, propor melhorias e fiscalizar sua resolução.nas séries finais do ensino fundamental e nas séries do ensino médio a metodologia focará na apresentação dos principais conceitos de política e cidadania por meio de palestras expositivas e debates e também por meio da simulação de eleições majoritárias e proporcionais à luz do que acontece no Brasil. Essa última tem como objetivo de preparar alunos de 13 a 17 anos para o exercício da cidadania e para a responsabilidade do voto. Resultados esperados: ao final espera-se que os alunos familiarizem-se com conceitos que permeiam a vida em sociedade e que conscientizem-se sobre seu papel de cidadãos. Mais do que a prática institucional da política, espera-se que sejam formados e despertados sobre sua responsabilidade enquanto agentes transformadores de uma sociedade composta por sujeitos históricos, e cujo engajamento é imprescindível para seu melhor funcionamento. Rede de conselhos municipais: fortalecendo a sociedade civil e o poder público Objetivo Geral: Articular uma rede em torno dos conselhos municipais de modo a fortalecer a participação da sociedade civil e conferir maior visibilidade e transparência a estes espaços. Objetivos específicos: a) Conferir maior visibilidade aos conselhos por meio da construção de uma plataforma online na qual estejam as informações centralizadas de todos os conselhos municipais (representantes, contatos, data e horário das reuniões, atas e pautas das reuniões); b) Contribuir para a formação política e para o fortalecimento da cidadania por meio da realização de oficinas mensais; c) Contribuir para o aprimoramento e articulação das políticas públicas municipais. Ações/ atividades: a) Mapeamentoos conselhos existentes e reuniãoda documentação existente; b) Realização de atividades e oficinas com os conselheiros, ex conselheiros e demais interessados sobre os conselhos; c) Construir o site com as informações sobre os conselhos. 17

18 ANEXO 03 Material reciclável não é lixo: diagnóstico, discussão sobre reciclagem, e operação de um modelo piloto Objetivo Geral: Contribuir para o aumento do percentual e da qualidade do material reciclável destinado às cooperativas de catadores de materiais recicláveis no município por meio da sensibilização dos moradores do bairro X de Poços de Caldas. Objetivos específicos: a) Produzir dados que auxiliem na identificação das principais dificuldades que as pessoas encontram para fazer a separação dos resíduos e que possam subsidiar decisões sobre o modelo da coleta no município; b) Contribuir para o fortalecimento do Fórum Municipal Lixo e Cidadania; c) Construir um piloto que possa ser expandido para outras regiões da cidade; d) Realizar atividades lúdicas e oficinas de modo a discutir com a comunidade a questão dos resíduos e sua articulação com o meio ambiente e com a geração de renda; e) Contribuir para a formação da comunidade, dos catadores e funcionários envolvidos como agentes multiplicadores. Ações/ atividades: a) Realização de pesquisa sobre as principais dificuldades e possíveis incentivos para a correta separação dos materiais recicláveis do lixo; b) Entrevistas qualitativas, semiestruturadas, com funcionários da prefeitura envolvidos na coleta e destinação; c) Entrevistas qualitativas, semiestruturadas, com moradores do bairro; d) Entrevistas com catadores de materiais recicláveis; e) Observação de campo sobre o funcionamento da coleta (horários, modo de acondicionamento, etc); f) Elaboração de relatório. Produtos: Produto 1: relatório elaborado. Produto 2: material informativo elaborado. Produto 3: mobilizadores formados e atividades realizadas. Produto 4: materiais elaborados. 18

19 ANEXO 04 Eu sou cidadão poços caldense Justificativa: Dentre os objetivos da APS, destacam-se a sensibilização e mobilização das pessoas para a conscientização quanto a um modo de vida mais saudável, sustentável e justo. Três pensamentos devem permear a proposta: a) uma cidade ideal pode estar distante. Mas uma cidade melhor é possível; b) É certo que há necessidade de grandes medidas que dependem de grandes poderes.mas 150 mil pequenas ações farão uma grande transformação. c) A recompensa não é só a cidade melhorada. A ação individual nos insere em um novo lugar de atuação cidadã, que é prazerosa por si só. Objetivo Geral: Despertar no cidadão poços caldense ou moradores de Poços de Caldas o sentimento de pertencimento à cidade e de sua responsabilidade por torná-la um lugar melhor para se viver, mais justa e sustentável. Objetivos específicos: a) Disseminar conceitos, ações ou atitudes voltadas para sustentabilidade, consumo consciente ou vida mais saudável; b) Divulgar conceitos, ações ou atitudes que possam impactar nos indicadores do Programa Cidades Sustentáveis; c) Produzir vinhetas a serem apresentadas na mídia (TV, rádio e jornais); d) Produzir adesivos com slogans da campanha para serem distribuídos em Blitz educativa; e) Realizar atividades lúdicas e oficinas de modo a discutir com a comunidade, com ênfase em escolas, as questões apresentadas pela campanha. Ações/ atividades: a) Realização de workshop com associados da APS e profissionais de mídia para elaboração da campanha; b) Criação das frases da campanha (Fazer concurso de frases?); c) Escolha do material adequado a cada tipo de mídia: jornal, TV, rádio, site, face, etc.; d) Elaboração de projeto para a concretização da campanha; e) Buscar patrocínio para a implantação do projeto; f) Elaborar pesquisa para medir resultados da campanha. Produtos: Produto 1: Projeto elaborado. Produto 2: Material informativo da campanha a ser divulgado na mídia. Produto 3: Material informativo para Blitz educativa em eventos, escolas, parceiros, etc. Produto 4: Relatório do resultado obtido. 19

20 ANEXO 05 IIº Fórum Aberto de Sustentabilidade Justificativa: Não há desenvolvimento local sem protagonismo local. (...) O desenvolvimento será includente e sustentável quando for produto de cooperação, confiança, redes e democracia (Juarez Paula). Dentre os objetivos da APS, destacam-se a sensibilização e mobilização das pessoas para a conscientização quanto a um modo de vida mais saudável, sustentável e justo. Considerando que 85% das pessoas no Brasil vivem nas cidades e que este percentual em Poços de Caldas está acima de 90%, é na sua cidade que as pessoas têm como atuar de modo a promover uma vida com mais qualidade, buscar a melhoria dos serviços que necessita para seu desenvolvimento. É conhecendo como está sua cidade, através dos indicadores, que os cidadãos poderão trabalhar de modo a transformar sua comunidade. O Fórum será o local para mobilizar e sensibilizar as pessoas que tomem consciência de seu papel de agente transformador, através da criação de um espaço de divulgação e debate dos indicadores sociais, ambientais e econômicos que possam nortear a elaboração de um diagnóstico que sirva de base para a criação de um Plano de Metas pelo poder municipal. Objetivo Geral: Despertar no poços caldense ou moradores de Poços de Caldas, incluindo poder público, sociedade organizada, empresas e cidadãos comuns, a conscientização de sua responsabilidade cidadã, através do conhecimento de seus indicadores locais, e chamar à ação para as mudanças transformadoras. Objetivos específicos: a) Divulgar os indicadores locais levantados pelas universidades conveniadas; b) Discutir os eixos temáticos do Programa Cidades Sustentáveis com ênfase nos que apresentarem resultados mais críticos e merecedores de ações que visem melhoria dos resultados; c) Disseminar conceitos, ações ou atitudes voltadas para sustentabilidade, consumo consciente ou vida mais saudável; d) Divulgar conceitos, ações ou atitudes que possam impactar nos indicadores do Programa Cidades Sustentáveis; e) Divulgar ações e atividades que sejam modelo de boas práticas voltadas para sustentabilidade; f) Mobilizar a mídia local (TV, rádio e jornais) para divulgação do Fórum e alertar quanto a importância do PCS; g) Mobilizar sociedade local, englobando todos seus segmentos como sociedade civil organizada, poder público, meio acadêmico, empresas, cidadãos comuns, para a discussão dos indicadores locais; h) Abertura de fóruns de discussão dos eixos temáticos críticos para a construção de uma cidade mais justa e sustentável. 20

21 Ações/ atividades: a) Criar Grupo de Trabalho para coordenação do evento (Elaborar cronograma / identificar local / parceiros, etc.); b) Realização de workshop com associados da APS e profissionais de mídia para divulgação do Fórum; c) Fechar o levantamento dos indicadores pela universidades locais (PUC/IAB, Pitágoras, Unifal); d) Análise dos eixos que apresentaram resultados críticos para a cidade; e) Buscar palestrantes de valor reconhecido nos assuntos a serem abordados; f) Identificar as boas práticas em desenvolvimento sustentável local; g) Buscar patrocínio para a realização do Fórum; h) Elaborar pesquisa para medir resultados do evento. Produtos: Produto 1: Projeto para realização do Fórum. Produto 2: Material informativo do Fórum a ser divulgado na mídia. Produto 3: Livro ou revista com resultado dos indicadores locais levantados pelas universidades. Produto 4: Evento do Fórum Aberto de Sustentabilidade. Produto 5: Relatório do resultado obtido. ANEXO 06 Aprender Fazendo: a produção de programas televisivos como ferramenta Objetivo Geral: Formação de agentes multiplicadores e sensibilização pública da população, por meio de produção e veiculação de Programa Televisivo, para o desenvolvimento de ações sustentáveis, nos âmbitos individual e coletivo. Objetivos específicos: a) Capacitar estudantes do ensino médio em temas inerentes à sustentabilidade, tais como produção e destinação do lixo produzido na cidade, coleta seletiva, e alternativas de reaproveitamento dos resíduos; b) Capacitar estudantes do ensino médio nas técnicas e ferramentas utilizadas na produção de programa de TV; c) Produzir em conjunto com os estudantes os programas sobre sustentabilidade; d) Veicular o programa produzido sobre sustentabilidade na TV; e) Ofertar à população de Poços de Caldas um programa sobre sustentabilidade com informação de qualidade e bem produzido. Ações/ atividades: a) Realizar oficinas de sensibilização sobre o tema sustentabilidade voltadas aos estudantes do ensino médio; b) Realizar oficinas sobre técnicas de produção de TV voltadas aos estudantes do ensino médio; c) Produzir episódios de um programa de TV voltado à sensibilização pública sobre ações sustentáveis, em conjunto com os estudantes do ensino médio; d) Firmar parcerias com as TVs locais para a veiculação do programa. 21

22 ANEXO 07 Economize o Planeta Objetivo Geral: Divulgar a plataforma Economize o Planeta para toda a população de Poços de Caldas e mobilizar a adesão de um número significativo de acessos e compromissos para a redução da emissão de CO2. Objetivos específicos: a) Divulgar conceitos de consumo sustentável em casa, no trabalho, nas compras, no trânsito, no quintal e no descarte de resíduos; b) Mobilizar as pessoas para que acessem o site e utilizem a calculadora para saber o tamanho da sua pegada de carbono; c) Buscar a adesão de um número significativo de pessoas para que o resultado sirva de base para o cálculo do indicador: Total de emissões de CO2 equivalente per capita para nossa cidade. Ações/ atividades: a) Realização de workshops, palestras e participações em eventos nas faculdades, escolas, organizações do terceiro setor, fórum, congressos, blitz, etc. para divulgação da plataforma Economize o Planeta; b) Oficina ou Mesa Redonda a ser realizada no II Fórum Aberto de Sustentabilidade Produtos: Produto 1: Projeto elaborado (Já está completo site em uso). Produto 2: Material informativo da campanha para divulgação na mídia. Produto 3: Material informativo para Blitz educativa em eventos, escolas, parceiros, etc. Produto 4: Relatório do resultado obtido. 22

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Campinas Cidade Sustentável

Campinas Cidade Sustentável Campinas Cidade Sustentável A Prefeitura de Campinas adere hoje, com o Decreto que será assinado pelo Prefeito Jonas Donizette, ao Programa Cidades Sustentáveis da Rede Nossa São Paulo, do Instituto Ethos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Relatório Anual. Instituto Nossa Ilhéus. Instituto Nossa Ilhéus

Relatório Anual. Instituto Nossa Ilhéus. Instituto Nossa Ilhéus Resumo da ONG O é uma iniciativa da sociedade civil organizada que tem por objetivo fortalecer a cidadania e a democracia participativa, tendo por base a sustentabilidade e o monitoramento social. O age

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Democracia participativa p e cultura cidadã Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Da Reivindicação à Wikicidadania INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E DA GESTÃO

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Plataforma dos Consumidores para as Eleições Municipais 2012

Plataforma dos Consumidores para as Eleições Municipais 2012 Plataforma dos Consumidores para as Eleições Municipais 2012 Plataforma dos Consumidores para as Eleições 2012 1 O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) é uma associação de consumidores sem

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PRORAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEA PLANO DE AÇÃO Montanha ES 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 02 2. JUSTIFICATIVA... 03 3. OBJETIVO GERAL...

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Lançamento. 25/agosto/2009

Lançamento. 25/agosto/2009 Lançamento Programa de Voluntariado Empresarial Sabesp 25/agosto/2009 Cenário externo Modelo de desenvolvimento insustentável; Desequilíbrio ambiental e escassez de recursos naturais; Aumento da pobreza,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014

MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014 MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO PLANEJAMENTO PARA 2014 Objetivo principal Disseminar, nas escolas do ensino médio, conhecimento e fomentar a prática de ações para o exercício da cidadania; Objetivos específicos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA Salvador, Bahia Brasil, 19 e 20 de novembro de 2009 Mobilização Mundial Conferências

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO

AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Colocar foto de autor AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Autoras: Queiroz, Helena Maria Gomes Coelho, Michelle Queiroz Introdução Objetivo Geral:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

FÓRUM MUNICIPAL LIXO & CIDADANIA DE BELO HORIZONTE REGIMENTO INTERNO

FÓRUM MUNICIPAL LIXO & CIDADANIA DE BELO HORIZONTE REGIMENTO INTERNO FÓRUM MUNICIPAL LIXO & CIDADANIA DE BELO HORIZONTE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art.1º O Fórum Municipal Lixo e Cidadania de Belo Horizonte é uma instância que agrega interessados,

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais