MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA"

Transcrição

1 MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS INSTALAÇÕES DE ALARME DE INCÊNDIO Escopo dos Serviços: Infraestrutura da rede: Especificações de Montagem: Descrição dos Serviços: Especificação dos Materiais de Detecção e Alarme de Incêndio: INSTALAÇÕES DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA Escopo dos Serviços: Especificação de Materiais de Iluminação de Emergência e Rota de Fuga:... 3 NORMAS TÉCNICAS ABNT APLICÁVEIS RELAÇÃO DE DESENHOS...

3 1 INTRODUÇÃO. O presente memorial descritivo de procedimentos estabelece as condições técnicas mínimas a serem obedecidas na execução dos serviços; fixando, portanto os parâmetros básicos a serem atendidos para materiais, serviços e equipamentos, que constitui parte integrante dos contratos de serviços. Todas as obras e serviços deverão ser executados rigorosamente em consonância com os projetos executivos fornecidos pela Fundação Padre Anchieta, parte integrante das documentações fornecidas em que compõe o projeto do Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio, como também das instalações da iluminação de emergência e rota de fuga, que serão realizadas na Sede da Fundação Padre Anchieta. Os projetos foram elaborados em conformidade com as prescrições contidas nas normas brasileiras vigentes da ABNT, citadas neste memorial, e pelas normas e regulamentos estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo. Quando não houver descrição do tipo de serviço a ser executado, material ou equipamento a ser utilizado, seguir orientação da fiscalização e dos respectivos projetistas de cada área em questão. No caso de discrepâncias ou falta de especificações de marcas e modelos de materiais, equipamentos, serviços, acabamentos, etc., deverá sempre ser observado que estes itens deverão ser de qualidade extra, e que as escolhas deverão sempre ser aprovadas antecipadamente pela fiscalização e/ou pelos projetistas. A Proponente dos referidos serviços, deverá antes de qualquer formulação da proposta, vistoriar e checar as informações contidas no projeto, tais como; cotas e dimensões que deverão ser conferidas no local, negando-se a qualquer intento as medidas tiradas de escala, trajetos, viabilidade de execução em período de horário comercial, interferências com outras instalações, necessidade de serviços complementares (ex.: quebra e recomposição de pisos e paredes, confecção de suportes, etc.). As especificações, os desenhos dos projetos e os memoriais descritivos destinam-se a descrição e a execução das obras e serviços completamente acabados nos termos deste memorial, e com todos os elementos em perfeito funcionamento, de primeira qualidade e bom acabamento. Portanto, estes elementos devem ser considerados complementares entre si, e o que constar em um dos documentos é tão obrigatório como se constasse em todos os demais. Igualmente, com relação a quaisquer outras partes das obras e dos serviços apenas uma parte estiver desenhada, todo o serviço deverá estar de acordo com a parte assim detalhada e deverá ser considerado para continuar através de todas as áreas ou locais semelhantes, a menos que indicado ou anotado diferentemente.

4 2- DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS O objeto do escopo dos serviços mencionados neste memorial, se refere às instalações do sistema de Detecção e Alarme de Incêndio e da Iluminação de Emergência e Rota de Fuga, na Sede da Fundação Padre Anchieta TV Cultura, localizada na Rua Cenno Sbrighi, nº 378 Água Branca São Paulo SP. O presente documento trata da especificação do Sistema Central de Detecção e Alarme de Incêndio e sistemas integrados, abrangendo: definições de perfil tecnológico, requisitos funcionais, normas e recursos de integração com as restantes instalações de segurança existentes no edifício. 2.1 Instalações de Detecção e Alarme de Incêndio Escopo dos Serviços Os seguintes itens de fornecimento estarão incluídos no Escopo das instalações de detecção e alarme de incêndio: Equipamentos e componentes do sistema de detecção e alarme de incêndio do presente projeto; Central de Alarme, Estações Repetidoras e Terminal de Controle com periféricos; Configuração geral da central; Software de interface gráfica entre Central de Alarme e Terminal de Controle; Telas gráficas por pavimento, incluindo todos os componentes de supervisão, animação gráfica e recursos de memorização de funções e alarmes, incluindo: o Acionadores de Alarme o Alarmes sonorovisuais o Monitoramento de chaves de fluxo de água dos controles setoriais o Monitoramento de alarmes por aspiração do Data Center (*) o Monitoramento do sistema de combate a incêndio do Data Center (*) o Monitoramento das bombas de incêndio (*) o Controle de dampers de ar condicionado / ventilação (*) Serviços de execução das instalações de fiação para laços, tensão auxiliar, alimentação, etc; Serviços e instalações de infra-estrutura, quando requeridos ajustes e complementações, para laços, tensão auxiliar, alimentação, sensores, módulos de endereçamento e controle, etc; Serviços de supervisão permanente de engenheiro de obra, até a entrega das instalações; Serviços de configuração e testes de aceitação final da instalação; Documentação do Projeto Executivo e, posteriormente, do projeto Conforme Construído ; A documentação técnica da instalação (dossiê de equipamentos de fábrica e catálogos de componentes); Documentação do Curso de Treinamento; Curso de Treinamento de 40 horas, após entrega das instalações.

5 2.1.2 Infraestrutura da rede A Proponente deverá analisar o projeto de infraestrutura fornecido e, se necessário, atualizar, alterar ou complementar a instalação da rede. É da responsabilidade da Proponente a execução da rede de infraestrutura, e considerar no escopo tais providências. A rede de infraestrutura deverá ser fornecida com arame guia, visando facilitar a instalação da fiação de laços e de circuitos de alimentação auxiliar Especificações de Montagem O método de instalação e montagem da central de incêndio e componentes seguirá a sistemática e procedimentos dos respectivos manuais de instalação dos fabricantes, atendendo as normas técnicas do Item 3 da presente especificação. Especial atenção será dada ao arranjo (tipo e estilo de conexão) dos laços e dispositivos auxiliares. A FPA fornecerá a Proponente, todos os projetos básicos e com diretrizes para a execução das instalações, referentes ao Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio, objeto do escopo deste memorial, cabendo a Proponente apresentar o projeto executivo e detalhado o para aprovação pela FPA, antes do início das instalações. O projeto será composto por: Plantas em escala 1:100 ou 1:50 por pavimento; Memorial descritivo com especificações técnicas; Tabela de dispositivos de detecção e alarme de incêndio; Relação de equipamentos e componentes; Diagramas de conexão dos laços de detecção; Detalhes de execução Descrição dos Serviços Para todas as edificações do Complexo da Sede da FPA, foram projetados sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio,na qual consiste de 1 Central de Detecção e Alarme de Incêndio, projetada para ser instalada no pavimento superior da Portaria / Recepção, na sala de segurança, e com uma Central Repetidora desta Central, prevista para ser instalada na Sala dos Bombeiros. A Central Repetidora terá as mesmas funções da Central de Alarme. Para todo o Complexo, forma previstos 8 laços de detecção que sairão da Central de Alarme e caminharão pelo mesmo caminho da rede externa existente de CFTV, devendo a Proponente considerar no escopo, a instalação de toda a infraestrutura para a passagem dos cabos de detecção, prevendo algumas intervenções de obras civis, tais como quebras e recomposição de pisos, confecção de caixas de passagem em alvenaria, etc. Foi adotado sistema de detecção por Classe A, isto é o caminho de retorno do laço é diferente do caminho do laço de alimentação.

6 Os laços se dividiram da seguinte maneira nos prédios do Complexo da FPA: Laços 1 e 2 : Segurança e Recepção + Prédio Administrativo Laço 3 : Restaurante + CAG + Estúdio H + Sala dos Bombeiros + Teleposto + Assertec + Cabine Primária 01 (Entrada e Medição Eletropaulo) + Operações e Marketing + Rádios Laços 4 e 5 : Estúdios C, D, E, F e G + Cabine Primária 02 (Subestação) Laço 6 : Estúdios A e B E Técnica TV Laço 7 : Transporte e Manutenção + Marcenaria + Univesp e Eng / Ilhas Laço 8 : Tecas A infraestrutura da rede externa e interna deverá ser através de eletroduto de aço galvanizado à fogo de 1. Nas redes externas seguir o caminhamento existente da rede de CFTV e utilizar as caixas de passagens existentes. Os cabos dos laços deverão se do tipo com blindagem eletrostática 2x2,5 mm², tanto na redes externas como nas redes internas. Nos locais onde tiverem forros removíveis, as instalações da infraestrutura deverão ser embutidas no entreforro, já nos locais que não contiverem forros removíveis, as instalações deverão ser aparentes, em eletroduto de aço galvanizado de 1 e conduletes de passagem. Os indicadores audio-visuais (sirenes) deverão ser alimentadas por fonte auxiliar endereçável de corrente continua através de baterias de 24 Vcc. Para as sirenes e acionadores manuais foram previstos as instalações de módulos endereçáveis a fim de se poder identificar os alarmes acionados. Não foram previstas as instalações de detectores nos entreforros em virtude de que algumas áreas não seria possível esta instalação, pois são forros de gesso acartonado. Também não foram previstas as instalações de sistema de detecção por aspiração e nem combate à incêndio por gás FM 200 ou HFC220ea. A Proponente deverá considerar no seu escopo todos os equipamentos e materiais novos, pois não serão reaproveitados nenhum material existente. Na entrega final das instalações a Proponente deverá elaborar o As Built (conforme construído) e efetuar testes dos sistemas instalados e treinamento para os usuários e bombeiros da FPA.

7 Os testes de comissionamento serão realizados em etapas: 1 ª Etapa: Através da verificação dos laços de detecção via display da central, na qual serão identificados e comissionados todos os componentes endereçáveis instalados; tais como: Sensores de fumaça Sensores de temperatura Módulos de monitoramento Módulos de controle Módulos de sinal Módulos de isolação Módulos de relés programáveis Acionadores manuais Sirenes de alarme Sinalizadores luminosos Nestes componentes serão verificados os seguintes itens, via central de incêndio: Endereço Número de série Histórico de eventos Status 2ª Etapa Testes funcionais dos laços: Acionamento de sensores e módulos de controle Acionamento de sirenes e indicadores luminosos Acionamento de dampers corta-fogo e comuns Acionamento de módulos de controle Acionamento de módulos de isolação e de sinal Acionamento dos módulos de relés (Alarmes do Data Center) Alarmes sonoros Alarmes Visuais Acionamentos de intertravamentos através de módulos de controle (se aplicáveis) 3 ª Etapa Testes funcionais da central: Sinalização e anunciadores de alarmes através do display LCD Carga e recarga de baterias 4 ª Etapa Testes funcionais dos detectores de temperatura e fumaça: Testes de fumaça e de temperatura conforme norma NBR 9441 para 10 % dos sensores da instalação.

8 PROGRAMA DE SEGURANÇA LÓGICA DE ALARMES (Sugestão- A FPA deverá programar uma rotina) Verificar (*) Comando de elevadores e monta carga (descida) Fechamento de Damper Corta-fogo Desligamento de Ar Cond. e ar externo + 1 minuto + 3 minutos Evento de Alarme Sirenes Sirenes Abandono Alarme na acionadas acionadas do Edifício Central no andar no prédio Alarme Disparo Real alarme geral Brigada Inspeção acionada da brigada Alarme falso Resetar alarme Desligamento dos alarmes (*) Verificações na central de incêndio, após o alarme confirmado: Bomba Jockey funcionado Bomba Principal funcionado Fluxo de Água no Controle Setorial Notas: Os comandos de desligamentos de ar condicionado, tomada de ar externo, exaustão e comando de elevadores em operação de descida, serão implementados através de módulos de controle nos laços e locais respectivos.

9 2.1.5 Especificações de Materiais do Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Central de Incêndio NFS Central Digital com CPU Modular: Integrada para funções de alarme de fogo e de segurança predial. Anunciador: Visor LCD (8 x 20 caracteres - 160) para funções de sinalização de alarmes, falhas operacionais, monitoramento de operação, etc. o Indicações da 1 a linha de escrita: data, hora e número do alarme. Sinalizações básicas: o Ligado o Teste o Falha CPU o Falha a terra o Desligado o Reset o Silenciador de alarme o Defeito Facilidades de comunicação em rede: Rede Peer-to-Peer (Token Ring) via RS- 485, com tempo de resposta de 3 segundos. Acesso remoto: Software de comunicação externa e conexão por Modem (previsão). Sensores: Inteligentes endereçáveis e convencionais com módulos de endereçamento analógicos. Número de laços endereçáveis: 10; número de endereços por laço: 318 sensores/módulos. Sistema de programa de manutenção, ajuste de sensibilidade variável. Bloco de terminais removíveis para isolação de fiação de campo. Laços para módulos de isolação de linha aberta e curto-circuito. Configuração: Classe A (supervisão do laço). Senhas de acesso de operador. Funções programáveis para segurança e de controle de acesso a configurações. Funções e ferramentas de diagnóstico. Baterias e carregador de baterias com unidade de reserva. Autonomia de 4 horas. Alimentação elétrica: 24 VCC e 120 VCA A Central atenderá 8 laços endereçáveis em configuração Classe A.

10 Central Repetidora LDU-80 Será fornecida 01 Central Repetidora, com display alfa-numérico e autonomia de 4 horas, e será instalada na Sala dos Bombeiros Terminal de Controle e Periféricos: Terminal de Controle com CPU Placa (Som+Vídeo+Rede) 2,8 GHz, 533 MHz Gateway para rede 512 MG RAM HD 80 GB Drive 1 ¼ Drive CD/DVD Monitor LCD 19 Teclado Mouse ótico Impressora matricial 80 colunas Software e licenças para sistema de interface gráfica Outros componentes do Sistema Configuração e componentes da instalação por pavimento: Acionadores manuais (endereçáveis) para todos os pavimentos e subsolos Sensores de Fumaça Fotoelétricos (exceto áreas abertas dos subsolos) Sensores de Temperatura Termovelocimétricos (nas áreas abertas dos subsolos) Sirenes de alarme endereçáveis Alarme sonorovisual Outros recursos necessários aplicáveis aos laços: o Módulos de Controle, para: Fechamento de Dampers de Ar Condicionado e Ventilação o Módulos Monitores, para: Chaves de fluxo (controles setoriais) Status de bombas de incêndio: Sprinklers e Hidrantes Contatos secos de alarme o Módulos Isoladores, para: Divisão de laços o Módulos de Sinal, para: Acionamento de sirenes e sinalização luminosa Sensores de Fumaça Fotoelétricos: FSP-851 o Micro-processados (Inteligentes) o Tipo sensoriamento diferencial

11 o Faixa de obscurecimento: o Modelo aprovado pela UL e FM o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Ajuste automático de sensibilidade e/ou programado (dia e noite) o Pré-alarme (75 % do ajuste de alarme) o Funções de Auto-diagnóstico o Base de instalação com contato seco de supervisão o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Tipo de Detector Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação Sinal do evento de alarme Tempo passado do último alarme Identificação do tipo de falha Última manutenção o Aplicação geral: Locais de escritórios e áreas de trabalho, abertas ou salas fechadas Sensores de Temperatura Termovelocimêtricos (combinado) FST-851R o Termovelocimêtrico e de regulagem fixa o Atuação: 9 o C x minuto (mínimo) e 57 o C (fixo) o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Ajuste de sensibilidade e/ou programado o Funções de Auto-diagnóstico o Base de instalação com contato seco de supervisão o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Tipo de Detector Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação Sinal do evento de alarme

12 Tempo passado do último alarme Identificação do tipo de falha Última manutenção o Aplicação geral: Locais de estacionamentos Acionadores Manuais de Alarme NBG-12LX o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Funções de Auto-diagnóstico o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Tipo de Estação Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação Sinal do evento de alarme Tempo passado do último alarme Identificação do tipo de falha Última manutenção o Aplicação geral: Locais de circulação com distanciamento definido Módulos de Monitoramento FMM-1 o Para monitoramento de contatos secos de supervisão o Dupla entrada para circuitos NA, Classe A ou B o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Funções de Auto-diagnóstico o Informação de histórico (log): Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação

13 Número de alarmes e falhas Tempo passado do último alarme o Aplicação geral: Monitoramento de status de contatos secos de dispositivos críticos Módulos de Controle FRM-1 o Para acionamentos de dispositivos o Saída de contatos NA ou NF o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Funções de Auto-diagnóstico o Comunicação regular do status do relé o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação Número de alarmes e falhas Tempo passado do último alarme o Aplicação geral: Acionamentos remotos desde a central de alarme em sistemas críticos Módulos de Sinal FCM-1 o Para acionamentos de alimentação de dispositivos de áudio ou visuais; tais como alto-falantes, telefones de brigada de incêndio, sinalizadores sonorovisuais, via laço. o Saída de contatos de controle o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Funções de Auto-diagnóstico o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação

14 Número de acionamentos Tempo passado do último acionamento o Aplicação geral: Acionamentos de dispositivos de áudio ou visuais para sistemas de comunicação críticos Módulos de Isolação ISO-X o Para isolação e configurações de laços de detecção. o Saída de contatos de controle o Micro-processados (Inteligentes) o Autônomos o Memória não volátil o Endereçáveis o Funções de Auto-diagnóstico o Leds de sinalização: Comunicação com o laço: verde (polled) Alarme: vermelho (acionado) o Informação de histórico (log): Número de Série Endereço Horas de operação Data de Fabricação Número de acionamentos Tempo passado do último acionamento o Aplicação geral: Operação de isolação de laços (lances) nas ocasiões de ruptura ou curtocircuito na linha de comunicação do laço Laços de Detecção LCM-320 ou LEM320 A Central será modulada e terá capacidade para a instalação de, no máximo, 10 Laços Endereçáveis; Cada Laço Endereçável deverá ter a capacidade de 159 endereços de detectores e mais 159 endereços de módulos, perfazendo um total de 318 endereços por laço. Entretanto, o número de pontos de reserva para detectores será de no mínimo 20 % e de 25 % para módulos endereçáveis. 2.2 Instalações de Iluminação de Emergência e Rota de Fuga Escopo dos Serviços Instalar iluminação de emergência com seta adesiva indicativa de saída de emergência nos locais indicados em projeto. Todas as saídas de emergência, circulação e saída dos ambientes terão iluminação de emergência tipo bloco autônomo, instaladas de acordo com o projeto.

15 Todos os alarmes, saídas de emergências e rotas de fuga deverão possuir sinalização indicativa tipo adesiva nas dimensões e cores conforme projeto e normas pertinentes. Em todas as instalações, as marcas que não foram contempladas neste memorial ou nos projetos deverão ser aprovadas pela FISCALIZAÇÃO. Todas as tubulações, conexões, cabos, fios, etc. deverão ser montadas, de modo que a marca fique visível para inspeção da FISCALIZAÇÃO. Deverão ser feitos enchimentos previstos ou não nos projetos, em alvenarias, pisos, estruturas, tetos, etc., para embutir instalações e quadros diversos, quando não indicados como aparentes nos respectivos projetos Especificações de Materiais de Iluminação de Emergência Luminária de emergência tipo bloco autônomo Alimentação: 100 a 240Vca 50/60Hz, com proteção através de fusíveis e varistores. Consumo do Sistema de Carga: Aproximadamente 0,06 A em 127V e 0,12 A em 220V. Recarga da Bateria: Recarregador/Flutuador automático de 7,2V, automático com proteção contra sobrecarga. Corrente 60mA em 127V e 140mA em 220V. Tempo de recarga: No máximo 48hrs em rede 127V e 24hrs em 220V. Bateria: Recarregável de chumbo-ácido selada livre de manutenção de 6V 4 A/h. Corrente de consumo do sistema em emergência: 1A Desligamento Automático: Circuito interno de proteção contra descarga excessiva da bateria (tensão de corte aprox. 4,3V). Sinalização: Led verde indica a presença de rede elétrica. Chave Liga/Desliga: Pulsadora (não há a possibilidade de esquecer o aparelho desligado) e com função de botão-teste. Material da Caixa: Base em chapa de aço com pintura eletrostática branca, ponteira em plástico branco e difusor em acrílico monocril. Grau de proteção: IP30 (uso interno) Uso: Fixo na parede ou no teto sobreposto ou embutido com uso de acessórios. Peso: IPF96 = 1,4 Kg, IPF186 = 1,5 Kg, IPF186-NE = 1,6 Kg. Dimensões: 198x110x110 mm (C x L x A). Normas técnicas: Atende a norma técnica nacional da ABNT NBR , decreto estadual de SP no , Instrução Técnica nº18 do Corpo de Bombeiro. Observações: O modelo Normal e Emergência (NE) utilizam reatores bivolt automático convencionais, para o acendimento da lâmpada que trabalham em condição normal. A edificação constará de sistema de iluminação e sinalização de emergência, conforme indicado no projeto básico fornecido e a ser executado pela CONTRATADA.

16 Sinalização de Saída. Deve ser fotoluminescente e conter a palavra saída e uma seta indicando o sentido, ter um nível de iluminação que garanta eficiente visibilidade, as letras e a seta de sinalização deve ter cor verde sobre fundo branco, a iluminação da sinalização de saída deve ter fonte alimentadora própria que assegure um funcionamento mínimo de 01 hora, para quando ocorrer falta de energia elétrica na rede pública. 3 - NORMAS TÉCNICAS DA ABNT APLICÁVEIS. As normas abaixo e ou suas sucessoras, bem como as demais citadas ou não citadas neste e nos demais itens a seguir e que se referem aos serviços, materiais e ou equipamentos objeto da obra deverão ser os parâmetros mínimos a serem obedecidos para sua perfeita execução. Os casos não abordados serão definidos pela FISCALIZAÇÃO e ou projetistas, de maneira a manter o padrão de qualidade previsto para a obra em questão e de acordo com as normas vigentes nacionais ou internacionais, e as melhores técnicas preconizadas para o assunto. NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 1: Princípios de projeto NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores NBR Sinalização de segurança contra incêndio e pânico - Parte 3: Requisitos e métodos de ensaio NBR-9441 Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio NBR Detectores Automáticos de Fumaça para Proteção Contra Incêndio - Especificação 4 RELAÇÃO DE DESENHOS RTVC-EL-ALA-PLA-001-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-002-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-003-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-004-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-005-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-006-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-007-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-008-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-009-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-010-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-011-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-012-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-013-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-014-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-015-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-016-R0 RTVC-EL-ALA-PLA-017-R0 Detalhes e Informação do Sistema Implantação Segurança e Recepção Prédio B, C, D,E, F e Transporte Estúdios A e B, Técnica TV Distribuição e Caixa d Água Marcenaria e Tecas Pavimento Térreo Marcenaria e Tecas Pavimento Intermediário Marcenaria e Tecas Pavimento Superior Univesp e Eng / Ilhas Estudios C, D, E, F, G Rádios Operações e Marketing Estúdio H Restaurante Administração Prédios Q, R, S, U, V1

17

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SDAI Modelo: 3.000 m2 SETEMBRO 2011 SUMARIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICAVEIS... 05 3.

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.... 2- DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS... 2.1 INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais.

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE Aplicações: Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE AUDIOVISUAL modelo: SRL-01 SIRENE AUDIOVISUAL modelo:srp-01 / SRV-01 Acionadores: Acionado automáticamente

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S.

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S. Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança S e e V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S w h a t ' s p o s s i b l e n o w... Simplicidade e Elegância Configuração

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança CHANDER FIRE DO BRASIL Equipamentos de Segurança SISTEMA ENDEREÇÁVEL: Central Endereçável Especificações Técnicas: - CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS - Alimentação primária: 110V ou 220V AC - 60Hz

Leia mais

FC721 Central de detecção de incêndio

FC721 Central de detecção de incêndio FC72 Central de detecção de incêndio Série FS720 (MP3.0) Cerberus PRO Central compacta de detecção de incêndio, prefabricada, controlada por microprocessador para a conexão de até 26 endereços A central

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS

ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM CRUZ ALTA/RS Página 1 de 7 I. OBJETIVO O presente documento visa estabelecer os requisitos, condições e diretrizes técnicas e administrativas necessárias

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Automação Predial e Patrimonial - Memorial Descritivo para Lojas CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Pasta: cyrella_metropolitano-pro-ec-lojas-1-0-2012.doc DATA: 14/05/2012 0 Emissão de Memorial Descritivo

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO 1. Identificação: ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER 1.1. Elevador nº 1 Uso privativo dos juízes 1.2. Elevador nº 2 Uso de Serviço (Cargas)

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4 CAE 80 Manual de Instruções Revisão 4 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, modelo CAE80, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A. SOENG Construção Hidroelétrica Ltda.

APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A. SOENG Construção Hidroelétrica Ltda. APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A SOENG Construção Hidroelétrica Ltda. Oscar MORIO Tsuchiya Engenheiro Civil EPUSP (1975) diretor tecnico - SOENG SOENG Construção

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional.

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. ICS 24 INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central convencional digital da ILUMAC, modelo ICS 24, este equipamento será uma excelente

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável

Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável Certificação EN54-2/4 Até 4 laços 250 endereços por laço 40 símbolos para identificar dispositivos 96 zonas- cada zona com 40 símbolos para identificar dispositivos

Leia mais

CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ

CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ CENTRAIS DE ALARME DE INCÊNDIO / DETECÇÃ CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇÁVEL O desenvolvimento da central de alarme de incêndio endereçável RM 250 foi focado na simplicidade de operação, tendo em

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Área do sítio GERAL TPS. Especialidade / Subespecialidade SDAI - PROJETOS / OBRAS

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Área do sítio GERAL TPS. Especialidade / Subespecialidade SDAI - PROJETOS / OBRAS Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala Sem escala Data JULHO/ 2008 Desenhista JOÃO PAULO Autor do Projeto CREA UF REGINA M. C. EVANGELISTA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO DX Connexion Página 1 1 DEFINIÇÕES Esse documento tem por objetivo estabelecer as especificações técnicas, condições, padrões e critérios

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

- ohmega@ohmeganet.com.br 18 SETORES MOD. CID 1806. Centrais convencionais para alarme de incêndio, com 18 ou 30 setores supervisionados.

- ohmega@ohmeganet.com.br 18 SETORES MOD. CID 1806. Centrais convencionais para alarme de incêndio, com 18 ou 30 setores supervisionados. 18 SETORES MOD. CID 1806 30 SETORES MOD. CID 3006 Centrais convencionais para alarme de incêndio, com 18 ou 30 setores supervisionados. Instruções de Funcionamento: A central OHMEGA possui dois modos principais

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201 CENTRAL DE ALARME COM FIO AW201 CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de 1 setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado; Tempo de

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D 12 Manual do Usuário Intrusos podem entrar em zonas sem proteção, ou ter sofisticação para isolar um sensor ou desconectar dispositivos de aviso de alarme; Central, detectores, sensores só funcionam quando

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Boletim Técnico Agosto / 2011

Boletim Técnico Agosto / 2011 Página 01/08 TÍTULO: INFORMATIVO DO NOVO CONTROLE REMOTO COM FIO PARA UNIDADES SPLITÃO 2 ESTÁGIOS SUMÁRIO Esta publicação visa informar o novo controle remoto com fio para as Unidades da Linha Splitão

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

KBR - A Solução Definitiva. KBR Eletrônica Ltda.

KBR - A Solução Definitiva. KBR Eletrônica Ltda. KBR Eletrônica Ltda. KBR - A Solução Definitiva Iluminação de emergência Alarme de incêndio Luminária fluorescente para acendimento em tensão contínua (VCC) Inversor para lâmpada fluorescente Reator eletrônico

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 135, de 18 de agosto de 2005.

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS CMALCD 16/24 B 1 ÍNDICE FICHA TÉCNICA 3 FUNÇÕES DA PLACA 4 INSTALAÇÃO DA CENTRAL 5 ESQUEMA

Leia mais

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

ANUNCIADOR DE ALARME AL-2003

ANUNCIADOR DE ALARME AL-2003 AL-2003 Manual do usuário Anunciador de Alarme MAN-PT-DE-AL2003 Rev.: 1.00-12 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso AL-2003. Para garantir o uso correto e eficiente do AL-2003, leia este manual

Leia mais

Memorial Descritivo. Montreal Plaza

Memorial Descritivo. Montreal Plaza Memorial Descritivo Montreal Plaza MEMORIAL DESCRITIVO MONTREAL PLAZA A - INSTALAÇÕES PREDIAIS 1. SISTEMA AUXILIAR DE ENERGIA (GERADOR) Instalação de um grupo de geradores para atender: Área comum: Recepção,

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Divisão Administrativa e Financeira Seção de Suprimento e Material

Divisão Administrativa e Financeira Seção de Suprimento e Material 1. OBJETIVO O presente memorial descritivo tem por finalidade indicar os serviços a serem executados estabelecendo Normas, Especificação de Serviços e Materiais nos aspectos pertinentes às particularidades

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO SUB Central de Alarme de Incêndio Convencional de 08 Laços (Setores) Com Visor de LCD - Código AFVR8LS A Central de Alarme de Incêndio Convencional é o Cérebro do sistema de alarme de incêndio e cabe a

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Página 1 de 27 1 INTRODUÇÃO Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Esta Especificação Técnica abrange todos os equipamentos e materiais

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 Catálogo do Transmissor Gravimétrico de Densidade DG-420 Pág. 1 TRANSMISSOR UNIPRO IV ESPECIFICAÇÕES Alimentação: Alimentação universal

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento 02 REVISÃO MAR/13 01 REVISÃO JAN/13 00 EMISSÃO INICIAL SET/12 Rev. Modificação Data Autor Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica 1 - Arquitetura 2 - Estruturas 3 - Hidrossanitárias 4 - Elétrica 5 - Eletrônica

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 1 setor; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Freqüência de transmissão: 433MHz;

Leia mais