HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:"

Transcrição

1 HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: Reciclagem e Compostagem de resíduos sólidos em unidade de saúde - como fazemos PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Ieda Azevedo Nogueira TEL: INTRODUÇÃO No Estado do Rio de Janeiro são gerados aproximadamente 275 toneladas diárias de resíduos de serviços de saúde e destes 70% são passíveis de reciclagem. Em nossa Instituição são gerados em média toneladas de resíduos comuns diariamente, e destes 6384 toneladas são passíveis de reciclagem. No primeiro trimestre de 2013 observamos um elevado aumento no descarte de resíduos químicos e algumas ações foram disparadas para conter o problema. Identificamos também a necessidade de dar destino correto a grande quantidade de papelão gerado no hospital, além da grande quantidade de bombonas plásticas acumuladas em área inadequada. Temos uma extensa área de jardim no qual diariamente são retirados 80,7 Kg os quais eram retirados como resíduo comum. Em nossa cozinha o preparo das refeições gera diariamente 34,60Kg de resíduos orgânicos que podem ser destinados a compostagem. OBJETIVOS 1. Segregar adequadamente os resíduos gerados na Instituição. 2. Implantar a reciclagem de material. 3. Implantar a compostagem de resíduos orgânicos 4. Instituir o reaproveitamento total dos alimentos no preparo de refeições 5. Construir uma trilha ecológica. DESENVOLVIMENO Objetivo 1 - Segregar adequadamente os resíduos gerados na Instituição Identificado falhas na segregação de resíduos. Monitorado mensalmente os indicadores dos resíduos gerados conforme estabelecido no Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Promovido reunião com chefias dos setores quando identificado aumento e/ou diminuição de um dos indicadores monitorados, afim de se ter melhor entendimento da situação Realizado reuniões com a chefia do setor de farmácia e almoxarifado e elaborado fluxo para encaminhamento de relatório mensal a Gerência de resíduos do quantitativo de medicamentos e/ou artigos vencidos. Realizado visita semanal aos setores por farmacêutico e/ou pessoal habilitado para identificar medicamentos com data de validade vencida e/ou próximo a vencer.

2 Objetivo 2 -. Implantar a reciclagem de material Organizar processo para seleção de cooperativas Divulgar o processo seletivo de cooperativa em jornais de grande circulação conforme determinado na portaria /10. Eleger cooperativas para coleta de material reciclável Selecionado o papelão e bombonas plásticas como resíduos a serem destinados a reciclagem Mantida a segregação de papelão e bombonas plásticas, incluído o papelão procedente da cozinha. Destinado papelão e bombonas plásticas para reciclagem. Feito contato com cooperativas para coleta de papelão e bombonas plásticas. Realizada parceria com a COMLURB para retirada de papelão e bombonas plásticas Realizado no evento organizado na semana do meio ambiente feira de artesanato com material reciclável onde participaram as artesãs do projeto grupo da mastectomia, já existente na Instituição e artesã do CEOE (Centro de Educação e Orientação Espírita Jésus Gonçalves). Programado iniciar a coleta seletiva no Centro Cirúrgico da Instituição em outubro de Objetivo 3 Instituir a compostagem de resíduos orgânicos Definir quais resíduos orgânicos seria destinado a compostagem Criar áreas de compostagem. Definido a compostagem fechada, boca da terra, e compostagem aberta para receber os resíduos orgânicos. Identificada área para colocação da compostagem fechada boca da terra Solicitado a Companhia de coleta TRUSHER que nos cedessem os contêineres danificados Instalado 08 composteiras apartir do reaproveitamento de contêineres danificados Definido os resíduos orgânicos proveniente da varrição dos jardins para serem encaminhados a compostagem fechada (boca da terra área dos contêineres). Realizada reunião com o Setor de Nutrição para início da compostagem de resíduos orgânicos proveniente da cozinha. Definido que os resíduos orgânicos procedente da área de preparo de legumes seriam encaminhados para compostagem Criada área de compostagem aberta para os resíduos provenientes da varrição dos jardins. Redefinido o fluxo dos resíduos orgânicos destinados a compostagem (varrição de jardim e orgânicos da cozinha). Colocada balança de precisão para pesagem dos resíduos. Definido que os resíduos orgânicos da cozinha seriam destinados a compostagem fechada. Definido que o composto gerado nas leiras seria usados como adubo nas área de jardins. Programado e recebida visita de profissional da área de zootecnia para melhor adequação das áreas de compostagem.

3 Objetivo 4 Implantar o reaproveitamento total dos alimentos no preparo de refeições Realizado evento denominado 1ª SEMANA DO MEIO AMBIENTE DO HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES cujo tema central foi o REAPROVEITAMENTO TOTAL DE ALIMENTOS. Apresentado no evento palestra mostrando os resultados alcançados Servido no evento cofee break produzido a partir de cascas de alimentos. Elaborado e distribuído folder com receitas para utilização do reaproveitamento total dos alimentos Realizado reunião com o setor de nutrição para definição do início da elaboração de cardápios para acompanhantes e funcionários se utilizando do reaproveitamento total dos alimentos. Programada palestra de sensibilização sobre o uso de agrotóxicos e o reaproveitamento total dos alimentos para o dia 04/09/2015. Objetivo 5 - Construir uma trilha ecológica Recebida visita de profissional da área de zootecnia para nos auxiliar na escolha da área destinada a criação da trilha ecológica Realizado contato com a ICMBIO para orientação e liberação da área destinada a trilha ecológica RESULTADOS Com as ações propostas para atender ao objetivo 1 conseguimos os seguintes resultados: Houve aumento de 38% entre 2011 e 2013 e Redução de 73% na quantidade de resíduos químicos gerados na Unidade. Fonte: manifesto de resíduos

4 Aumentamos em aproximadamente 700% a quantidade de resíduos destinados a reciclagem no período de 2013 a junho de Q U I L O G R A M A QUANTIDADE ANUAL DE RESÍDUOS DESTINADOS A RECICLAGEM NO PERÍODO DE 2010 A JUNHO ,2 Fonte: 2013 manifesto cooperativa e 2015 informado pela COMLURB. Aumentamos em aproximadamente 350% a quantidade de resíduos destinados a compostagem no período de 2014 a junho de 2015 Q U I L O G R A M A 9000, , , , , , , , ,00 0,00 QUANTIDADE ANUAL DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DESTINADOS A COMPOSTAGEM NO PERÍODO DE 2010 A JUNHO ,00 0,00 0,00 0, , Fonte: Empresas FERLIM E DENJUD

5 Reduzimos em 45% a quantidade de resíduo comum destinado ao aterro sanitário de 2013 a junho de 2015, quando iniciamos as ações para reciclagem e compostagem de resíduos sólidos no Hospital Federal Cardoso Fontes. QUANTIDADE ANUAL DE RESÍDUOS GERADOS NO PERÍODO DE 2010 A 2015 POR CLASSIFICAÇÃO D A e E Fonte: manifestos de resíduos

6

7 1ª SEMANA DO MEIO AMBIENTE DO HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES Equipe do projeto: Eliete Lannes (Gerente de resíduos e presidente da CCIH); Eduardo Francisco da Silva (gerente de Hotelaria); Doracy Barata Aparicio Rabelo; Rita de Cassia Machado de Paulo Agradecimentos: Equipe da FERLIM Empresa de Higiene e Conservação Equipe da DENJUD Empresa de Refeições Serviço de Nutrição do HFCF Compahia Trusher Felipe Fonseca Mendes (Zootecnista) CEOE Centro Espirita Orientação Educacional Antonia Soares Silva Artesã Grupo de mama do Hospital Federal Cardoso Fontes

8 Referências: 1. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano. Orientações para elaboração de Plano Simplificado de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PSGIRS para municípios com população inferior a 20 mil habitantes Brasília, DF Dezembro / PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO SÍNTESE

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

Práticas Ambientais na Universidade Feevale

Práticas Ambientais na Universidade Feevale Práticas Ambientais na Universidade Feevale Engenheira de Gerenciamento Ambiental Sheila Maria Leuck Novembro/2014 Universidade Feevale Missão: Promover a produção do conhecimento, a formação dos indivíduos

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004

PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ. São Paulo, 04 de novembro de 2004 PROCEDIMENTOS CO-PROCESSAMENTO DE RESÍDUOS NO ESTADO DO PARANÁ São Paulo, 04 de novembro de 2004 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Resolução CONAMA Nº 264/99, dispõe sobre o co-processamento de resíduos sólidos; Resolução

Leia mais

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA

Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Balanço da Gestão de Resíduos Certificação AQUA Obra ADEMI Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal. 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório tem como objetivo apresentar a as principais

Leia mais

Ciclo Orgânico Sustentável

Ciclo Orgânico Sustentável SPDM - Associação Paulista Para Desenvolvimento da Medicina HRA Ciclo Orgânico Sustentável Autores: Danielle Machado Gomes Juliana Damiani Thiago Augusto Bratti Souza (48) 3521-1500 gestaoambientalhra@spdm-pais.org.br

Leia mais

Guia básico: Coleta seletiva em condomínio

Guia básico: Coleta seletiva em condomínio Guia básico: Coleta seletiva em condomínio *Optamos por produzir um material com pouca elaboração gráfica para facilitar a vida de quem deseja imprimir o guia. Escolhemos a fonte tipográfica Ecofont como

Leia mais

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011 1. Objetivo e campo de aplicação Este padrão tem como finalidade estabelecer a metodologia de descarte de resíduos e efluentes gerados no Laboratório de Macromoléculas e Colóides na Indústria de Petróleo

Leia mais

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação

Associação das Pioneiras Sociais. Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação REDE SARAH DE HOSPITAIS UNIDADE BELO HORIZONTE 13 ANOS DE PRGSS REDE SARAH DE HOSPITAIS DE REABILITAÇÃO SARAH BELO HORIZONTE Dados

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO

Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Gestão Socioambiental na Administração Pública de Minas Gerais Programa AmbientAÇÃO Mirian Cristina Dias Baggio 2016 Programa AmbientAÇÃO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É um programa de comunicação e educação

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE

COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS RELATÓRIO DE PRODUTIVIDADE - 2012 Capacitação / Aulas / Cursos / Palestras oferecidas: Realizada capacitação de 2336 pessoas, com intenção de sensibilizar os servidores

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS GERADOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO Juliana Biluca (*), Karen Meridiana Rodrigues de Conto, Douglas Alcindo da Roza,

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO AÇÕES COMPROBATÓRIAS DAS ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PERÍODO DE 2011/ 2014 2011 13/06/2011 13/06/2011 SEMANA DE MEIO AMBIENTE, EXPOSIÇÃO DE BRINQUEDOS COM MATERIAIS

Leia mais

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental Um modelo inovador de gestão integrada O Semasa Autarquia Municipal criada em 1.969 a partir da estrutura do antigo DAE Departamento de Água e Esgoto de Santo André ÁGUA E ESGOTO DRENAGEM GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Caminhando para um Porto Verde

Caminhando para um Porto Verde Caminhando para um Porto Verde Práticas sustentáveis no setor portuário Maria Klien 9 de novembro de 2012 1 Sobre o Grupo 2 Histórico - Multiterminais 1986-1997 Início das operações terrestres Companhia

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ

TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ ESTADO DO PARANÁ TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ OBRIGATORIEDADE DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ Data: 16-05-2014 Local: Sindicato de hotéis, restaurantes, bares e similares de Chapecó

Leia mais

Projeto. Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame. Realização:

Projeto. Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame. Realização: Projeto Reciclagem de resíduos orgânicos urbanos utilizando composteiros de tela de arame Realização: Projeto Iniciativa de compostagem urbana desenvolvida em Visconde de Mauá, Resende RJ, a partir de

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento.

Leia mais

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PROGRAMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Setembro - 2010 OBJETIVOS GERAIS: Criar condições viáveis para a população exercer práticas ambientais corretas.

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL REDUÇAO DE GASTOS COM DESLOCAMENTO DE PESSOAL Número de viagens de veículos oficiais para reuniões na Número de viagens/número de servidores Reitoria TELEFONIA FIXA Gasto por

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA Resumo das ações realizadas em Maraú - BA Março, Abril e Maio e julho de 2016 Coordenação: Priscilla Valentim Educadora Ambiental: Manu Stucchi Atividades

Leia mais

Instruções para Armazenamento e Rotulagem de Resíduos Químicos Gerados na FCAV

Instruções para Armazenamento e Rotulagem de Resíduos Químicos Gerados na FCAV 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (Unesp) FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS FCAV COMISSÃO LOCAL DE GESTÃO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS Instruções para Armazenamento e Rotulagem de Resíduos

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Associação Aquerê - APEMA Resumo das ações realizadas em Maraú - BA Maio a Junho de 2015 Coordenação: Priscilla Valentim Educadora Ambiental: Manuelita Stucchi Atividades

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO Contribuições da Sociedade Civil para a construção de metas de resíduos para o período de 2017-2020 Introdução Eixos 1. 2. Aterros Sanitários

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA Marcela Gomes Seixas Graduanda em Engenharia Civil pela

Leia mais

2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. São Paulo, 23 de Setembro de 2010

2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. São Paulo, 23 de Setembro de 2010 2ª Oficina de Esclarecimento sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS São Paulo, 23 de Setembro de 2010 Art... Acordos setoriais voluntários: parceria entre Poder Público e fabricantes, importadores,

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Coordenadora: Marina Petzen Vieira dos Santos Componentes: Vilmar Pereira, Rosiléa França, Flávia Badalotti, Luciana da Costa, Paulo Pasin

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano Secretaria de Recursos Hídricos e Meio Urbano POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional S.Paulo GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NOS MUNICIPIOS Novas Tecnologias para o Saneamento Básico Associação Nacional dos Serviços Municipais

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ROTA TECNOLÓGICA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NOS MUNICÍPIOS DA

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

Cuiabá-MT. Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios

Cuiabá-MT. Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios Luanna Duarte Cuiabá-MT Referência Nacional em Sustentabilidade para pequenos negócios DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ambiental Social Econômico A Sustentabilidade sustentabilidade é uma não forma precisa

Leia mais

CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL. Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512. Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado

CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL. Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512. Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL Escola SENAI Celso Charuri Unidade Sumaré CFP 512 Programa de Coleta de Óleo Comestível Usado Programa Nº 01/2017 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA Vendrametto, Lilian P. Agustini, Carlos A. Di Projeto de Lei 1.991/2007-5.564564 municípios - Milhões de empresas - Milhões de pessoas Gerador Projeto de Lei 1.991/2007 Das 27 cidades-capital no Brasil,

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-003-01-13 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Dezembro/2013. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Dezembro de 2013 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: RESÍDUOS Setembro/2014 Você conhece a Política Ambiental Sirtec? Disponível nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS DA POLÍTICA AMBIENTAL - SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA Titulo do Trabalho RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA Autor principal Tiago Borges Ferreira Nomes dos Co autores Grégori Henrique Soares; Diego Lula Nomes dos Orientadores Tiago

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : PNRS - A Visão da Indústria no Estado de São Paulo 15.10.2013 Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Base Legal: Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010

Leia mais

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15.

Os métodos e procedimentos de análise dos contaminantes gasosos estão fixados na Norma Regulamentadora - NR 15. Capítulo 5 Resíduos Industriais NR 25 25.1. Resíduos gasosos. 25.1.1. Os resíduos gasosos deverão ser eliminados dos locais de trabalho através de métodos, equipamentos ou medidas adequadas, sendo proibido

Leia mais

Plano de recolhimento recall / /

Plano de recolhimento recall / / Objetivo Responsável elaboração Campo de aplicação Nome da empresa Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/7 Identificação Descrever o plano de recolhimento que deverá assegurar que sejam adotados

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Bruno Milanez Universidade Federal de Juiz de Fora Novembro 2010 Estrutura da apresentação Parte 1: Estimativa dos benefícios econômicos

Leia mais

Sabão Ecológico - Espuma & Brilho

Sabão Ecológico - Espuma & Brilho Sabão Ecológico - Espuma & Brilho EE Profª Ernesta Xavier Rabelo Orsi Professor(es) Apresentador(es): Ronaldo Vieira Pinto Realização: Foco do Projeto Nessa eletiva os alunos serão protagonista em suas

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC

GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC Roger Francisco Ferreira de Campos 1 Tiago Borga 2 RESUMO Um dos principais problemas ambientais atualmente são os resíduos sólidos urbanos e

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS EDUARDO ROCHA DIAS SANTOS Gerente de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente 25 de maio de 2015 Poços de Caldas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA Júlio César Stiirmer Professor titular na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. possui graduação em Licenciatura

Leia mais

O PROCESSO DE DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS SOB ENFOQUE DO APROVEITAMENTO PARA COMPOSTAGEM

O PROCESSO DE DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS SOB ENFOQUE DO APROVEITAMENTO PARA COMPOSTAGEM O PROCESSO DE DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS SOB ENFOQUE DO APROVEITAMENTO PARA COMPOSTAGEM Fábio Alves de Moraes Resumo Este trabalho mostra a importância do processo de decomposição dos resíduos

Leia mais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais

Seminário de Gestão de Resíduos Industriais Seminário de Gestão de Resíduos Industriais "Sistema de Gestão de Resíduos do Instituto de Química da Universidade de São Paulo. Dra. PATRICIA BUSKO DI VITTA pabusko@iq.usp.br (11) 3091-3081 SERVIÇO DE

Leia mais

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Proporções descomunais: Panorama histórico RMSP São Paulo 2000 18 milhões hab. 10,5 milhões hab. 2010 20 milhões hab. 11,5 milhões hab. 2017 22 milhões

Leia mais

Daisy Borges Luiz Moraes

Daisy Borges Luiz Moraes I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ÁREAS PERIURBANAS Daisy Borges Luiz Moraes INTRODUÇÃO A forma de manejar os resíduos sólidos urbanos

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL

QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007

IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007 IX EXPOSIÇÃO EM EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO 37º Assembléia Nacional da ASSEMAE 15 a 28 de julho de 2007 TEMA III Projeto Coleta Seletiva Compartilhada no Município de São Leopoldo-RS NASCIMENTO,

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições.

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. (Fonte: Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, 2011/Abrelpe-

Leia mais

conversas informais com o motorista do veículo coletor, responsável pelo recolhimento diário dos resíduos domiciliares no município, bem como, várias observações in loco, algumas realizadas, inclusive,

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: ANÁLISE DA GERAÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE AUTORES: CASTRO, P. A. M.; CRUZ, T. M.; MATIAS, P. C.; PESSOA, V. T.; PURIFICAÇÃO, R. C. e-mail: scarecrow_br@hotmail.com

Leia mais

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Patrícia da Cruz Oliveira 1 1 INTRODUÇÃO O acelerado crescimento urbano das últimas décadas do século passado e início deste, traz algumas questões

Leia mais

COMPOSTAGEM E HORTA ORGÂNICA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA REGIÃO OESTE DO PARÁ - BRASIL

COMPOSTAGEM E HORTA ORGÂNICA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA REGIÃO OESTE DO PARÁ - BRASIL COMPOSTAGEM E HORTA ORGÂNICA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DA REGIÃO OESTE DO PARÁ - BRASIL Ádrea Maria Ferreira Moreira Gerente de Hotelaria Hospitalar e Vice-presidente do Programa de Gerenciamento de Resíduos

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA

SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA Aline Linhares Loureiro Clarisse Correia Lima Cardoso de Andrade Luiz Roberto Santos Moraes UFBA

Leia mais

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções?

Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Recolha Selectiva Multimaterial -Que Soluções? Concelho de Valongo Câmara Municipal de Valongo Departamento de Ambiente e Qualidade de Vida Divisão de Qualidade Ambiental Sector de Higiene Urbana Caracterização

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 6-1. OBJETIVOS: fixar norma para realização dos procedimentos de coleta interna de resíduos radioativos sólidos do grupo C (segundo classificação da NBR 12808/1993) no Sistema FMUSP-HC, observando-se as

Leia mais

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS. Serviços de Limpeza Urbana. de Porto Alegre

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS. Serviços de Limpeza Urbana. de Porto Alegre AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Serviços de Limpeza Urbana de Porto Alegre 4ª AUDIÊNCIA PÚBLICA 1. Transporte, para o destino final, dos resíduos sólidos urbanos gerados em Porto Alegre 2. Proposta de Instalação de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM GRANDES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO - DO PENSAR AO FAZER Régia Lúcia Lopes (1) Engenheira Civil pela UFRN. Mestre em Engenharia Química pela UFRN. Professora da Área

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

Manual Coleta Seletiva DGA. Diretoria de Gestão Ambiental

Manual Coleta Seletiva DGA. Diretoria de Gestão Ambiental Manual Coleta Seletiva DGA Diretoria de Gestão Ambiental Universidade Federal de Pernambuco Superintendência de Infraestrutura Diretoria de Gestão Ambiental Diretora Maria de Fátima Morais Xavier Gerência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 50 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE SANTA RITA - FASAR CENTRO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA - CEPIC PROJETOS DE PESQUISA RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA Ano: 2014 Semestre: 1º P R O J E T O D

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O

FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O FACULDADES INTEGRADAS RUI BARBOSA P R O J E T O 2007 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO:...3 2. OBJETIVOS:...4 3. JUSTIFICATIVA:...5 4. ATIVIDADES:...7 5. CRONOGRAMA DE AÇÃO:...8 6. AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS...9

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 2008 ANTECEDENTES LEGAIS RES. CONAMA 05/1993 RES. CONAMA 283/2001 RDC ANVISA 306/2004

Leia mais

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE O PROBLEMA - O descarte de resíduos é uma das práticas mais impactantes do ponto de vista socioambiental. Além de sobrecarregar os aterros, ele ocasiona

Leia mais

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas

Não Conformidades, Ações Corretivas e Preventivas 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para o tratamento de não conformidades detectadas na unidade de gestão, e estabelecer um método para realizar ações corretivas e ações preventivas que possam ser executadas

Leia mais

Mostra de Projetos Lixo que vale

Mostra de Projetos Lixo que vale Mostra de Projetos 2011 Lixo que vale Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Umuarama

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

Ano 16 - Número de Setembro de

Ano 16 - Número de Setembro de Ano 16 - Número 28-23 de Setembro de 2016 - www.firjan.org.br Nesta Edição: INTERESSE GERAL DA INDÚSTRIA Descarte de baterias de telefones celulares, de veículos e de pilhas. PL 02101/2016 - Deputado Milton

Leia mais

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014

PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2.014 PLATAFORMA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Considerando que a Bacia do Rio Paraguai abrange a maior planície inundável do planeta, o Pantanal; Considerando que a bacia abriga mais de 8 milhões de habitantes com

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015

AGENDA AMBIENTAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 AGENDA AMBIENTAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 Hidrolândia, Março de 2016 2 Conteúdo Sumário APRESENTAÇÃO... 2 A3P CAMPUS AVANÇADO HIDROLÂNDIA... 2 ATIVIDADES RELEVANTES DURANTE

Leia mais

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB

Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB Ecocentro Recolha e Centro de Triagem Resiaçores Recolha SMAH Compostagem - TERAMB Incineração - TERAMB Aterro Sanitário - TERAMB SMAH Recolha, transporte de resíduos urbanos e limpeza pública Resiaçores

Leia mais