PARECER. dos Advogados Brasileiros- IAB. Instituto. (Comissão Permanente de. Direito das Franquias Público-Privadas). Indicação n".

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER. dos Advogados Brasileiros- IAB. Instituto. (Comissão Permanente de. Direito das Franquias Público-Privadas). Indicação n"."

Transcrição

1 - LUIZ FELIZARDO BARROSO I. A. B. PARECER Indicação n". 019/2008e Instituto dos Advogados Brasileiros- IAB. (Comissão Permanente de Direito das Franquias Público-Privadas)

2 INTRODUÇÃO. Capítulo I A IMPORTÂNCIA DO FRANCHISING. Alguns aspectos de mudança no ambiente empresarial tem ressaltado o espírito empreendedor que está surgindo dentro das próprias empresas. As grandes corporações, revestindo-se no mundo jurídico geralmente da forma de S.A., estão procurando, dentro de si mesmas, pessoas físicas, seus colaboradores (empregados e diretores), que tenham espírito empreendedor. E, com a emulação deste mesmo espírito, estão se redescobrindo atividades produtivas e criando novas pequenas empresas, para produzirem bens e serviços, que não digam respeito diretamente ao objetivo social central da grande empresa mãe. A terceirização, com esse tipo de fenômeno. também hoje tão em moda, relaciona-se A explicação a encontrou John Naisbit, nosso Nostradamus em economia, do mundo moderno, quando afirmou que "quanto mais a economia se globaliza, mais poderosos serão os seus protagonistas menores, e dentre eles, estarão as nações, as empresas e os indivíduos. " Todos sabemos que um grande sistema é constituído por partes. E, "quanto maior for este sistema, para que ele seja realmente eficiente, suas partes terão que necessariamente ser autônomas", vaticina o autor citado. Assim ocorre, por exemplo, no sistema de franquia empresarial, onde, por sua própria concepção, as unidades franqueadas são necessariamente autônomas, razão de ser de seu indiscutível sucesso. Este é um fenômeno que vem se alastrando, sendo a economia mundial cada vez mais dominada por pequenas empresas, isto porque a questão básica da competitividade, hoje em dia, não é mais um padrão de qualidade que sempre se pode copiar, mas a capacidade de a empresa poder se ajustar, rapidamente, em meio à~.

3 dificuldades do dia a dia, às grandes mudanças ditadas, em ritmo acelerado, pela globalização. Não bastasse isto, dentre várias outras qualidades e implicações econômicas favoráveis, tem, ainda, a pequena empresa, o condão de proporcionar, em quantidade apreciável, mão-de-obra, não qualificada; que é justamente a que mais sofre com o problema do desemprego, hoje determinado, inclusive, pelo fenômeno da globalização, para não falarmos da atual crise financeira, que vem estremecendo o mundo empresarial, com reflexos em todas as demais áreas. No Brasil, as pequenas e médias empresas são responsáveis por 48% da produção nacional; 42% dos salários pagos, abrangendo um universo bastante diversificado de atividades econômicas. Se vivemos em um mundo em constante transformação, com os recursos tecnológicos condicionando, cada vez mais profundamente, a atuação dos empresários; podemos antever, facilmente, a importância da pequena e média empresa no desenvolvimento econômico de qualquer país. Além do mais, respondem, elas, também a estímulos novos em primeiro lugar e muito mais eficientemente do que as grandes empresas. Em nosso país, hoje, as micro empresas, (que no mundo econômico apresentam-se, principalmente, com a roupagem jurídica de firmas individuais), são da ordem de 57% de todo universo empresarial brasileiro, enquanto que as pequenas e médias empresas, que se fazem presente, existencialmente, através das sociedades empresarias por quotas de responsabilidade limitada, representam, elas, 39,72%. Já as grandes empresas, sociedades anônimas, todas, sejam elas: multinacionais, privadas nacionais e estatais representam, apenas, 1,52% daquele total. Além do que as demais, de todas as outras espécies que existiram ou ainda existentes, como sociedades em nome coletivo, em comandita simples, ou por ações, de capital e indústria, em conta de participação, somam, somente 0,83%. Deste universo, constituído por aproximadamente 10 milhões de empresas, somados aqueles percentuais maiores (57, ,72), teremos, portanto, 97,70%; isto é, a quase totalidade das empresas são micro, pequenas e médias. Com este perfil de representatividade do universo empresarial brasileiro, bem poderemos aquilatar a importância das micros, pequenas e médias empresas e, por extensão, a do \ franchising que tem nelas sua sede própria. c::.t-

4 o FRANCHISING EM SI MESMO. Setor de Franchising cresce 14,7% em Segundo dados apurados na pesquisa feita pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o faturamento do setor de franquias em 2009 foi de R$ 63 bilhões. Nada menos que 14,7% em relação ao ano anterior. Para o Diretor Executivo da ABF, Ricardo Camargo, o que mais chama a atenção nos dados é o aumento significativo no número de redes e unidades: hoje temos marcas de franquia atuantes no País. Em 2009, surgiram no mercado, 264 novas redes, um aumento de 19,1% totalizando Já o numero de unidades (pontos de vendas de serviços ou produtos), saltou de para , um aumento de 11%. Essa expansão resultou na abertura de 72 mil novos postos de trabalho. O setor é responsável hoje, por mais de 700 mil empregos diretos. É também, um dos setores que mais oferece oportunidade do primeiro emprego, além de investir no treinamento e capacitação de seus funcionários. Na avaliação da ABF, o aumento de redes e unidades somado ao aumento do poder de consumo das classes B e C foram grandes responsáveis pelo crescimento do setor. "O ritmo de inauguração de centros de compras e a exploração de regiões praticamente inexploradas, garantiram o ritmo de crescimento em quase todas as áreas de atuação das franquias. E as expectativas são as maiores possíveis: com tantos pontos inaugurados no ano passado é natural que o faturamento aumente ainda mais nesse ano ", explica Camargo. A previsão da ABF é de que, no ano de 20 I 0, o setor cresça o faturamento entre 15% e 16%. Em número de novas marcas a expectativa é de 10% a 12%, já em \. número de unidades essa variação pode ficar entre 8% e 10%. <t--

5 "A exportação de agregam valor à balança país e, por isso, é foco do Federal. Para as redes, as oportunidades geradas nos últimos anos estão se traduzindo em negócios". Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF. Crescimento por setor. Em faturamento, o segmento de franquia que mais cresceu em 2009 foi o Acessórios Pessoais e Calçados, pelo terceiro ano consecutivo, registrando 41,2% de aumento em relação ao ano passado. Em segundo lugar está o setor de Vestuário em 37,5% de aumento de faturamento, seguido pelo setor de Informática e Eletrônicos, com crescimento de 28,9%, em relação a O setor de Alimentação manteve seu ritmo de crescimento, registrando um acréscimo de 21,8%. O segmento de Acessórios Pessoais e Calçados também foi o que mais cresceu em número de unidades, 23,5%, seguido pelo de Alimentação de Móveis, Decoração e Presentes, com 21,8% de crescimento. com 22,3% e pelo A expansão internacional também cresceu em 2009: atualmente 65 redes nacionais já operam no exterior. A ABF planeja continuar apoiando; juntamente com a APEX-Brasil, as redes interessadas em expandir suas atividades para outros países.

6

7 '"'.'.:' v '~'. -. " '_ ~, ~:.' ~.~," ~_'. ~ ~::~~'';, c,_o' { Faruramêftto dosetordefrlocl1i$ing '(va1&r' embilooes dersl '. -, '.'. " " ':. '.' p..ces:sórlos,.'e~~~6~i'~_~,s_~,i~~~o;s.".', Alirrrei'ltacão 'Educação:e Tfé,Hlarnento Espmte;$aúdet8etez? e urze{ r.~... _,"~"."~ '~.'~_. _".~.~<.~... Ós... ~."M~_~_ r"', '._' ~._n > H~té~~i~'~Tl~;'i;!~l'~-"'" """,.,"-",... Fútos;Gráficas e Sinalização,"", ' ",", ", ' 1,438, ~ ~,_., -",, ~" '." " > -". ":"" 0"";"',. -, - "., ~ 'InforhláticaeEletfônícos "." v"."".'.,.,_ "" ~ _.,"',. ~, ~:. '.. :,,_._ tírnpe,zaecorlservação ' "...,"':,""'>':,"~Ã~~é.i~) [i~~'~t~.ç~?,~r~~~!~~~p:i t~1?~í~i~ej~~::_.,,..,,:g;2:5g "N.~Q.~Stq~,.s,~,tViç_(lEL~ºtltr{)~y<=!l~ej~,..," VeícUlos >>',}1q~:O 1~:9'%> 3,4% 24;0,% ':,',,'.-.. " 2'SE~Cf? ló;4%,1!7_4g~:1 4JJ% i

8

9 A franquia empresarial viverá, a partir dos primórdios do novo milênio, o ano de sua grande virada. Noventa e três por cento (93%) das redes de franchising em funcionamento, expandiram-se e a maioria delas tem planos de expansão acelerada nesta década que se inicia. o que se tem visto no cenário das franquias brasileiras, são só elementos altamente positivos. São investimentos em inovações tecnológicas, um estado de espírito altamente motivado e a consolidação do próprio sistema. Sem dúvida, a situação de higidez a que chegamos pode ser creditada ao diploma legal vigente, do tipo denominado pelo direito norte-americano disclosure statute. Ou seja, encerrando normas que não regulam propriamente o conteúdo de determinada relação jurídico-contratual, mas, tão somente, impõem o dever de transparência nesta relação. O que se deu foi a cristalização, agora em mais um diploma legal pátrio, do princípio do disclosure, (abertura, ampla, total e sincera dos dados empresariais) de uma empresa, presente sempre que esta objetive captar poupanças públicas, entendidas estas como o somatório das poupanças de cada um investidor em particular. Este mesmo princípio, trazido do direito norte-americano, está contemplado pela Lei que rege o mercado de Capitais Brasileiro (Lei n. 4728/65); pela Lei de Sociedades Anônimas, Lei n". 6404/76 e suas alterações posteriores e pela Lei que}.. criou a Comissão de Valores Mobiliários, Lei n /76. ~

10 o chamado "prospecto", Ele tem como instrumento de sua materialização ",.~\F)'..... /. no Mercado de capiifi:-';í"~;" obrigatório para aquelas empresas que queiram abrir seu ca~~-~\,_,..._./f( >I ',< ~, " ";."f/.::~>;./ 5 1, J. '..... _~V'1 j,,",vi * s\)'''- fazendo lançamentos de ações ao público investidor, ou mesmo de debêntures. Ja na..i:> franquia empresarial, este mesmo prospecto toma forma de uma "Circular de Oferta de Franquia", que, à imagem e semelhança do referido "prospecto", presta ao público interessado em ingressar em determinada rede, dados, elementos e documentos exigidos para sua elaboração, que podem ser distribuídos nas seguintes cinco categorias de informações, encerrando: perfil do franqueador; da própria franquia; do franqueado ideal; obrigações e direitos, tanto do franqueador como do franqueado; Cinco grandes categorias estas que, a seu turno, constituem-se em outros tantos capítulos necessários à sua perfeita concepção. Na sua elaboração, atenção especial deverá ser dada, por exemplo, à parte concemente ao seu eventual descumprimento, omissão de dados, ou inverdades em declarações e suas respectivas sanções. A Lei de Franquia em VIgor não confere tipicidade ao contrato de franquia, eis que não dispõe sobre o conteúdo da relação negocial; nem, tampouco, define os direitos e deveres dos contratantes. Não é sem razão que o eminente Professor Fabio Ulhôa Coelho, a classifica como sendo um contrato que permanece atipico, embora em seu artigo 2, a Lei vigente defina o que seja franquia empresarial, procurando o legislador, ao ver daquele ilustre professor paulista, apenas assegurar, ao franqueado em potencial, o mais amplo acesso às informações indispensáveis à sua ponderação, quanto às vantagens e desvantagens relacionadas com o seu ingresso em determinada rede de franquia (1). 1. Fabio Ulhôa Coelho, "Considerações sobre a Lei de Franquia", Ver. da ABPI, 16: rnaio/jun. 95.

11 9~Ji.5C:~~~~>., Seja como for, a entrada em vigor da Lei n" /94, exerceu c: '('. ~.... ~~~;\ preponderante na profissionalização do sistema brasileiro de franquia empresar~(q:"~ \ i) se via diante de vários problemas com negócios sendo oferecidos, quase diari~ t, P)~ Jf-l '(ú'~::::.4.~ consubstanciados, porém, em conceitos mal resolvidos e mesmo eivados de má~ sempre prontos para lesar o investidor incauto e inexperiente. Passados dezesseis anos de sua vigência, a orientação anteriormente estabelecida - de não se regular a relação jurídico-contratual entre Franqueador e Franqueado, senão, apenas, de se municiar o franqueado em potencial de elementos para possibilitar-lhe uma boa opção empresarial - mostrou-se sábia e, no geral, eficaz, conquanto pudesse ser encarada, por certos franqueados, como muito branda e mesmo benevolente e, ao revés, ao ver das franqueadoras, como excessivamente rígida, obrigando-as à revelação de dados empresariais sensíveis e, em muitos casos, até sigilosos (2). 2.1 Aperfeiçoamento e atualização da lei vigente. Não obstante sábia a orientação estabelecida na feitura e aprovação final pela Câmara dos Deputados do projeto da Lei de Franquia Empresarial do saudoso deputado Magalhães Teixeira, ele foi concebido a partir de um anteprojeto fruto de uma reflexão originalmente isolada, em que pese algo enriquecida pelas contribuições recebidas no Congresso, nas diversas comissões pelas quais passou, sem, contudo, terem sido ouvidos, então, à saciedade, os principais atores do sistema brasileiro de franquia empresarial, àquela época já operante a pleno vapor, quer na elaboração do anteprojeto respectivo, quer junto ao Senado, cujas emendas propostas, todas sugeri das pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), foram mais tarde, integralmente excluídas inexplicavelmente pela Câmara dos Deputados, quando para lá o projeto retomou. Pensando em suprir esta lacuna, sentida desde suas origens, e incorporar a um anteprojeto - que modificasse a lei vigente - a experiência vivida por franqueadores e franqueados, provedores ao sistema, como, franqueadores e franqueados, provedores ao sistema, como, notadamente, consultores, juristas e advogados; ao mesmo tempo em que a aperfeiçoasse - tendo em vista seus pontos fracos, fortalecendo-os, sem prejuízo da sistemática vigente - é que o ora Relator sugeriu ao então Sr.Ministro da Indústria e 2. Luiz Henrique Amaral "Revisão da Lei de Franquias; Novos Desafios". Ver. ABPI 39:40-4 mar.labr.96.

12 nobre Senador Francisco Dornelles, a criação de um grupo de trabalho dispusesse mencionada); o que foi prontamente aceito pelo Sr. Ministro, como se correspondência que, em resposta, o Sr. Ministro endereçou ao Relator Apêndice Ill da obra referida), tendo sido criado o Fórum da Franquia Empresarial âmbito de seu Ministério (obra:3). no 3. Luiz Felizardo Barroso "Franchising-Modiflcações à Lei Vigente- Estratégia e Gestão", Ed. Forense - Rio,,\ ~

13 CAPÍTULO 111."/' ~': ;\",,'qi)'". ~OJr. ~<~' ~)' ff ~~ r'" ; :, ",.- ~;~,; '\/1, -," ~, NOTAS EXPLICATIV AS AO ANTEPROJETO DE ALTERAÇÃO DA.' _' ' ATUAL LEI, APROVADO NO CITADO FÓRUM. 3.1 Autorização para o Uso da Marca. Preliminarmente, cabe destacar que nos contratos de franquia não há cessão de direitos, uma vez que, pela norma legal, ceder implica na transferência do direito a outrem, e até mesmo em sua perda. A legislação de propriedade intelectual prevê outros institutos, como a licença, a qual dispõe sobre autorização temporária de certos usos, mas não a transferência do direito. 3.2 Vínculo como candidato ou como franqueado. Isto é, possibilidade de estabelecimento de uma relação de consumo, formação de um mesmo grupo econômico, ou vínculo empregatício, mesmo durante o período de treinamento, mormente quando o candidato à franquia não se efetive na rede cogitada, Pelas inserções feitas no art. 2 da lei em vigor, ficou afastada, de vez, qualquer possibilidade de o franqueado invocar o Código de Proteção e Defesa do Consumidor para proteger-se de seu franqueador, sob a alegação de que dele adquirira um bem de consumo, chamado franquia. Embora se saiba que o franqueado, ao adquirir uma franquia não é o consumidor final de nenhum bem, senão, apenas, constituindo-se em um elo da cadeia

14 4r,-!'E: ;.. ;~". l~c:j.,~:~'l:"<: i.:,\ Q."...QtZJ '"::..' produtiva, ou de comercialização de bens e serviços, atgumas decisões na JUS'~!~?)./,!J ~,,::tj_,':'! respeito, vinham surgindo, felizmente rejeitadas todas em grau recursal. Mesmo ass ~'---:-~-;::i=~~; ~-'.,- houvemos por bem de deixar patente esta impossibilidade jurídica, pela simples leitura dos adminículos introduzidos no art. 2 da lei, Da mesma forma ocorreu quanto à possibilidade de formação de grupo econômico ou vínculo empregatício, tendo sido afastadas ambas as respectivas teses. E, quanto ao vínculo empregatício em particular, este não se estabelecerá mais, se aprovado o anteprojeto, mesmo na fase de capacitação do candidato à franquia, que não vier a ser oficializado na rede como franqueado. 3.3 Inexperiência do franqueador. A inexperiência do franqueador tem levado muitos deles ao insucesso, ao pretenderem franquear conceitos que, por definição até poderiam dar certo, só que os primeiros franqueados estavam sendo cogitados simplesmente como cobaias; o que é um absurdo; necessitando-se colocar um cobro a esta situação. Pensando assim, foi proposto que, a partir da chancela, em definitivo do anteprojeto, somente deverá iniciar a concessão de franquias aquele franqueado r que estiver explorando seu conceito, por mais de 2 (dois) anos, marca e tecnologia operacional, testado em qualquer mercado no Brasil, ou no exterior, pelo franqueador, titular do registro, ou empresa coligada ou pertencente ao mesmo grupo econômico (art. 10 e parágrafo único do anteprojeto).

15 3.4. Informações sobre ex-franqueados. Pelo anteprojeto, se aprovado, doravante deverá ser fomecida pelo franqueador ao candidato à sua franquia, relação completa de todos os seus franqueados, subfranqueados, ou subfranqueadores, bem como de todos os que se desligaram da rede nos últimos vinte e quatro (24) meses, ao invés de nos últimos doze (12) meses, como está na atual lei; prazo este que vinha se revelando muito curto e, portanto, insatisfatório. 3.5 Pendências judiciais. Pelo artigo terceiro da Lei de Franquia Empresarial vigente, deve o franqueador indicar, na sua Circular de Oferta, as pendências judiciais em que esteja envolvido, bem como suas empresas controladoras e titulares de marcas e patentes e direitos autorais, relativos à operação e a de seus subfranqueados. Embora as pendências judiciais, de que a lei cogita, refiram-se, apenas, às ações judiciais que possam questionar especificamente o sistema em exame, ou que venham a impossibilitar seu funcionamento; em se tratando de empresas multinacionais esta exigência poderá causar um acúmulo gigantesco de documentos colhidos em diversos países, onde operem suas sucursais, sem nenhuma implicação direta para o franqueado brasileiro, que se veria às voltas com um dossiê volumoso e de leitura despicienda e mesmo impraticável. Tendo isto em mente, resolvemos limitar e confinar a indicação em tela àqueles elementos que, efetivamente, possam impossibilitar a operação da franquia no nosso país. ~

16 3.6 Dedução fiscal dos pagamentos realizados pelos franqueados a despesas operacionais. Uma interpretação restritiva, oriunda por extensão das regras de dedução dos pagamentos feitos em razão do licenciamento de marcas e a utilização de patentes - que limitam em 1% a dedução fiscal - tem imposto aos franqueados dificuldades muito grandes, junto ao Fisco, quando se cuida de deduzir os pagamentos que tiverem sido feitos ao seu franqueador, como os royalties mensais e taxas de publicidade e propaganda, fundo de marketing e aluguéis. Inobstante as razões do veto presidencial ao artigo 5 da lei vigente, em sua justificativa, assegurarem que a dedutibilidade já estava amparada pela legislação tributária em vigor; na prática isto não tem se verificado, causando sérios transtornos aos franqueados, que ousam deduzir um percentual maior do que aquele 1%, sendo autuados pela fiscalização todas as vezes que o tentam. o objetivo, aliás, por sugestão deste Relator, também neste particular, foi o de se garantir a dedutibilidade fiscal ampla e integral de tudo quanto o franqueado houver pago ao franqueador, sob as rubricas referidas acima e que se constituem em despesas indispensáveis ao funcionamento de seu negócio, não mais se justificando interpretações analógicas, aplicadas pelo Fisco, com fulcro na Portaria n. 436/58, que trata da tributação em decorrência de licenciamento de marcas e exploração de patentes, por se constituírem em um excesso interpretativo, não claramente previsto em lei e mesmo repudiado pelo Direito. Sob o ponto de vista do Fisco, não haveria prejuízo algum, pois sua fonte primeira de arrecadação in casu é o lucro do franqueado, que paga o imposto de renda, como qualquer outra pessoa jurídica ou física. Trabalhando sem preocupação de ser autuado, aqui e ali, o franqueado passaria a exercer sua atividade com maior*'

17 transparência; procedimento este, aliás, que viria em benefício não só do Fisco, o sistema de franchising em nosso país e, portanto, para urna maior arrecadação de impostos. 3.7 Sufranquias. Também por sugestão deste Relator, a I omissão pronunciou-se sobre a questão das subfranquias, partindo-se para a inclusão d mais um item, no artigo 3. da Lei de Franquia Empresarial, para o caso da existência di subfranquias e, portanto, de um subfranqueador, ou master franqueado, exigindo-se que este informe aos seus subfranqueados - antes que estes assumam a concessto da subfranquia - o prazo de vigência do seu contrato de master franquia, com o seu franqueador, condições de renovação; seu território de abrangência e exclusividade metas de abertura de unidades e regras de transferência e sucessão, caso existentes. o ideal seria que o subfranqueado pudess ter acesso à íntegra do contrato que seu subfranqueador firmou, geralmente com o fran ueador estrangeiro. Ocorre que, como se trata de um documento particular, que en olve questões de concorrência empresarial, o subfranqueador pode se recusar a Il1ostrá-Io, corno, aliás, já vinha ocorrendo. Todavia, certas e determinadas obrigações, assumidas pelo subfranqueador com o seu franqueado r, são de absoluto interesse dos seus subfranqueados, corno as que o item XVII (sugerido ao art. 3 ) explícita e, seu desconhecimento, como, por exemplo, metas ambiciosas de se abrir um númer(>

18 /~V"~ :~ ; ~ ;::-..>t~,,. ~ ~ r'""' -~,.:"'í<) ~ excessivo de unidades franqucadas, em um curto espaço de tempo, POderitl.!i!ll;, comprometer todo o sistema que o subfranqueador estivesse querendo implantar,,,~ E.._//,:!3, S>JL~j,'JI território que lhe foi concedido por seu franqueador. E, como problemas da espécie já'?~~~:;;:':;." vinham surgindo, com certa freqüência, impôs-se a nova regra. 3.8 Renovação dos contratos. Embora a concessão de direitos de renovação dependa da livre vontade das partes, expressa no contrato de franquia, e mesmo da formatação da franquia, que pode variar, caso a caso, ninguém deve entrar em nenhum negócio sem saber, de antemão, quando e como sairá dele. Em nome, pois, da transparência - princípio que deve nortear a própria concessão de franquias - o art. 3 exige que, da Circular de Oferta, conste, ao menos, informações mínimas acerca do prazo contratual que será estabelecido, bem como das condições de renovação do contrato, se houver, como, por exemplo, a cobrança de nova taxa de franquia etc. 3.9 Sublocação do imóvel. Por sugestão do Relator, foi instituído no anteprojeto de modificação da lei vigente, um artigo, de n 5, estatuindo que aos contratos de locação e sublocação do imóvel destinado à operação de franquia, as condições relativas ao aluguel e renovação, inclusive o fundo de comércio, serão livremente pactuadas no contrato de franquia, locação e sublocação, não se lhes aplicando o disposto nos artigos 21 e 51 da Lei n 8245/91 - recém alterada pela Lei n" / salvo na ausência de disposiç1 contratual.

19 Na Exposição de Motivos, foi ressaltado, por este Relator, dentre o como inspiração filosófica para a criação do artigo 5, o princípio da vontade e da liberdade de contratar, nos quais, aliás, baseia-se todo franchising. Nossa apreciação ao anteprojeto procurou centralizar-se, como se VIU, sobre os temas mais polêmicos, porque quase todos de alteração substancial da legislação vigente. Aqueles dispositivos, ligeiramente modificados, sobre os quais não nos referimos especificamente, estão abrangidos pela exposição dos motivos que lhes deram origem, e que falam por si. artigo 5. Iimitar-nos-emos Como a referida Exposição de Motivos é auto-expiicativa, a transcrevê-ia: no que tange ao "A locação e sublocação de instalações comerciais vem sendo empregada como instrumento para a expansão do sistema de franchising em todo o mundo. Em muitos casos, como parte integrante do contrato defranquia, o aluguel do imóvel pelofranqueador e a sublocação do mesmo para o franqueado serve para estabelecer uma relação de mútua colaboração entre ambos objetivando as metas comerciais comuns. Quando adotada, essa estrutura negocial pode permitir menor desembolso pelo franqueado, sem necessidade de envolvimento com a locação, eis que esse investimento já é realizado pelo franqueador, que controla assim o imóvel. Com o aperfeiçoamento do sistema de franquia, a escolha do imóvel para instalação do empreendimento é realizada de modo a atender aos objetivos de ambas as partes, diferentemente de uma locação e sublocação comercial comum. Algumas vezes, o franqueador adquire o ponto e realiza investimentos enormes na construção, benfeitorias, colocação de equipamentos, luminosos; \ trabalhos comunitários na região, melhoria de segurança no local, que valorizam imóvel. Esse~

20 investimentos trazem beneficios aofranqueado, no sentido. de permitir a operação, ~?elhorar a Vizin:~.?~:v e trazer consumidores. Esses investimentos não podem ser Ignorados, ou sua!mportancla mmlmlzada<,. "-() J I.... "'" :.' I,/~_\..., "'~_'I""'~::')' Assim sendo, dada às características peculiares do sistema, não cabe o estabelecimento de medidas protecionistas especificas para as locações comerciais comuns no caso de locação de imóveis dentro do sistema defranquia. Em um amplo contrato, que envolve diversos outros aspectos, tais como licenciamento da marca, fornecimento de produtos, treinamento, promoções, marketing e propaganda, a locação e sublocação de imóveis entra como mais um componente no sistema defranquia. Por se tratar de uma relação comercial mais íntima e complexa do que uma simples locação comercial, as regras estabelecidas pela lei do inquilinato, nem sempre são adequadas ao sistema de franquia. Nesse caso, deve prevalecer o princípio da autonomia da vontade especificado, no caso, na liberdade de contratar. Todo o sistema de franquia baseia-se na liberdade de contratar. Quem deseja participar de um sistema de franquia, concorda, acorda e assina um contrato exercendo, integralmente, a autonomia da vontade e regulando nesses instrumentos as condições de seus direitos e obrigações. Portanto, é necessário proceder a inclusão de dispositivo no corpo da lei assegurando que as condições para locação e sublocação de imóveis, entrefranqueados efranqueadores, possam ser reguladas mediante acordo livremente firmado entre as partes, constante do texto do contrato defranquia contando, outrossim, com a anuência do proprietário do imóvel, locador do ponto comercial. " Outros dispositivos inseridos, como proposta da Secretaria de Tecnologia Industrial do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, constam do expediente do Sr. Secretário de Tecnologia Industrial, ao Sr. Secretário de Comércio e Serviços (Memo. n. 104/99, STI/MDIC, contendo proposta do GIPI, datado de ), que vai transcrito, com seus consectários, nos anexos rn, IV, e V; (apêndicesq _

21 V,VI e VII da obra de autoria do signatário, cabal e melhor compreensão do tema. Embora esteja necessitando de uma atualização, em face da experiência vivida, desde a sua promulgação (1994), pelos diversos atores do sistema de franquia empresarial brasileira, a atual lei tem desempenhado papel importante, inclusive na delimitação dos contornos do contrato de franquia, o qual, aliás, a lei impõe que seja formalmente escrito, sem, contudo, exigir-lhe qualquer espécie de registro. Quem observa este fenômeno, com acuidade e maestria, é o Jovem e talentoso Professor Pós-doutor, LUIZ ANTÔNIO GUERRA DA SILVA, em sua obra Contratos Mercantis Diferenciados, Editora Brasília Jurídica, 2007, página 25, n.6. O Franchising na Legislação Brasileira. "Já se teve a oportunidade de observar que o contrato de franquia tem seus elementos previstos na Lei n".8.995, de 15 de dezembro de Tal legislação dispõe, especificamente, sobre a franquia empresarial e chega a sistematizar a definição desse novo modelo, nos termos, de seu art. 2". transcrito supra. A subsunção legal dos elementos que devem integrar o contrato de franquia empresarial é resultado da larga utilização desse modelo contratual para reger as relações econômicas até então abandonadas pela teoria tradicional da autonomia privada. No apêndice, o texto completo e atualizado da Lei n" /94. "

22 Capítulo IV. CONCLUSÃO GERAL Novos Caminhos Em verdade é a capacidade de gerar inovações de processo que resulta na criação de vantagens competitivas para qualquer tipo de empreendimento. Em sua trajetória avassaladora as empresas, corno pnncipats agentes destas inovações, friccionam o relacionamento entre elas próprias, gerando a necessidade de uma reviravolta e, portanto, de serem revistos até mesmo os diplomas legais que regem as suas relações, como a lei do franchising, por exemplo. As medidas do governo federal na área fiscal, ora para conter os estragos que a crise financeira mundial tem causado na estabilidade do Real, ora para não deixar que os benefícios aos trabalhadores redundem em um aumento inflacionário, têm posto à prova as empresas, em sua capacidade de adaptação às mudanças internas que lhes são impostas pelo ambiente externo. Neste particular, as pequenas e médias (que optaram pelo franchising) têm sofrido menos, devido às suas características institucionais. Mas, nem por isso, franqueadores e franqueados, consultores, juristas e Associações de Classe, reunidos em Brasília, sob o manto salutar da Secretaria de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, em um Fórum, o da Franquia Empresarial - ao discutirem sobre as mudanças que se impunham na legislação em prol de um melhor relacionamento entre eles - deixaram de levar na devida consideração estes fatores exógenos, que diminuem a liquidez de todos os sistemas, não só o de franchising.

23 convivência no dia a dia, sem que o franqueado se ressinta da natural autoridade do franqueador; livre pactuação das cláusulas relativas à locação, mexendo com o fundo de comércio. E, por último, quando o franqueador for uma estatal - que queira se privatizar através do franchising, ao menos sua relação com o consumidor final - as regras não poderão ser as mesmas, por exemplo quanto ao oferecimento da franquia a possíveis franqueados. Tudo isto nos faz refletir sobre o fato de que o problema não é só o de se encontrar caminhos para se viver em harmonia, com o nosso parceiro comercial, mas viver ao seu lado, na construtiva competição do dia a dia por um mercado cada vez melhor, porém, sempre volátil. Seja como for, impõe-se, agora mais do que nunca, o estabelecimento de metas e de um curso de ação racionalmente calculado, a fim de que os objetivos atingidos pelo Fórum não sejam desperdiçados e possamos enviar ao Congresso Nacional, o quanto antes, o anteprojeto de alteração da atual Lei de Franquia, inicialmente fruto do trabalho dedicado, árduo e profícuo dos integrantes do referido Fórum, ora aperfeiçoada e atualizado por nossa Comissão - incumbindo-se este sodalício, através de sua Comissão, de seu acompanhamento nas diversas comissões congressuais pelas quais vier a tramitar, no Congresso Nacional, assegurando-se de que não se desvirtue de seus propósitos iniciais. Franchising, um Fenômeno de Rede. o que importa mais ressaltar, para concluir, é que: franchising não é um fenômeno isolado da micro, média e pequena empresa, embora considerados individualmente, sejam os franqueados miero, pequenos ou médios empresários. A \. C\y-

24 sistema, representados, dentre outros, por exemplo, pelas instituições financeiras. Quando estiver tramitando no Congresso o anteprojeto em questão, é preciso que se chame a atenção dos senhores parlamentares para que tenham bem presente em suas mentes este fenômeno, pelo que ele representa em seu verdadeiro aspecto de exteriorização e não percam, jamais, de vista a filosofia de trabalho que nos inspirou, no seu afã de contribuir, eficazmente, para consolidação e o crescimento sadio do sistema, fomentado-o, ainda mais, face aos grandes benefícios que esta atividade traz ao mercado, inclusive como eficaz instrumento de privatização das empresas estatais, sem alienação de seu controle. Não basta a concorrência do chamado e-commerce que já se faz sentir de grandes proporções e deverá fazer com que o consumidor não mais se desloque tanto, fisicamente, para as unidades franqueadas, a fim de fazer suas compras. Os tradicionais pontos-de-venda, neste particular, vão ter que agregar valor à sua operação para poderem competir com mais este elemento, que começou a operar um tanto desconhecido e tímido, mas já prenunciando que vai dispensar a figura do intermediário, que não lhe oferecer produtos e serviços personalizados, como, aliás, já sai acontecer, felizmente, com o sistema de franchising na sua essência. \ \

Lei nº 8.955, de 15 de Dezembro de 1994. Faço saber o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

Lei nº 8.955, de 15 de Dezembro de 1994. Faço saber o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei. Lei nº 8.955, de 15 de Dezembro de 1994 Dispõe sobre o contrato de franquia empresarial ( Franchising ) e dá outras providências. Faço saber o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei. Art.

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências

PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências PROJETO DE LEI N /2013, DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre a Regulamentação do Marketing Multinível ou de Rede E dá outras providências O Congresso Nacional Decreta: CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES DO QUE SE ENTENDE

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Prefácio. Sobre o Autor. O Conceito de Franquia. A Circular de Oferta de Franquia

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Prefácio. Sobre o Autor. O Conceito de Franquia. A Circular de Oferta de Franquia Índice Remissivo Sobre o livro Direitos Autorais Prefácio Sobre o Autor O Conceito de Franquia A Circular de Oferta de Franquia Dos investimentos, taxas e custos para instalação... Da exclusividade territorial

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO EDIFÍCIO IBIRAPUERA ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, EM Interministerial nº 113/2006 - MF/MEC Brasília, 11 de outubro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o presente Projeto de

Leia mais

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE TELEFONICA BRASIL S.A, com sede à Rua Martiniano de Carvalho, nº. 851, na cidade de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 02.558.157/0001-62, neste ato representada

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.731, DE 2009 Altera as Leis n.ºs 8.218, de 29 de agosto de 1991, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, para permitir a

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING O presente Código de Deontologia Europeu do Franchising corresponde à versão actualizada do Código inicialmente elaborado em 1972 pela Federação Europeia da

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes Bolsas de estudo A - Programa de Capacitação do PROFESSOR/AUXILIAR Todo PROFESSOR/AUXILIAR tem direito a bolsa de estudo integral, incluindo matrícula, em cursos de graduação, sequenciais e pós-graduação

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR RODOLPHO TOURINHO PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2006

SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR RODOLPHO TOURINHO PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2006 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2006 Dá nova redação ao inciso VII do 2º do art. 155 da Constituição Federal, para estender a aplicação da alíquota interestadual do ICMS às operações interestaduais

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes)

PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.236, DE 2013 (Do Sr. Jovair Arantes) Acrescenta artigos à Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para a implantação de medidas que assegurem ampla informação aos

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

COMO ADERIR A UMA FRANQUIA SEM ENTRAR EM UMA FRIA

COMO ADERIR A UMA FRANQUIA SEM ENTRAR EM UMA FRIA COMO ADERIR A UMA FRANQUIA SEM ENTRAR EM UMA FRIA Palestrante: Gustavo Posser de Moraes (Graduado em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul, possui MBA em Direito da Empresa e da Economia pela

Leia mais

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014 BEMATECH S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA PROJETO DE LEI 4.138/2012 ADVOGADO PROFISSIONAL INDIVIDUAL ALTERAÇÃO NECESSÁRIA. Alteração legislativa que diminuirá a informalidade e a sonegação fiscal. Criação de novos empregos e formalização

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO /RJ. CÂMARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal AUREO SD/RJ COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.447, DE 2012 Dispõe acrescenta novo 2º ao art. 17 da Lei nº 8.245,

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004 Altera a Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que Regula o Programa do Seguro- Desemprego, o Abono Salarial,

Leia mais

MENSAGEM N o 557, DE 2006

MENSAGEM N o 557, DE 2006 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 557, DE 2006 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação no Domínio do Turismo entre a República Federativa

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. APROVADA NA RCA DE 18/03/2009 SUMÁRIO I OBJETIVO... 3 II - ADMINISTRAÇÃO DA POLÍTICA... 3 II.1

Leia mais

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE

XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE XIV ENCONTRO DA REDE MINEIRA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA MELLINA MAMEDE O que são Contratos de Transferência de Tecnologia? CONTRATOS DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO PLANEJAMENTO E MODELOS DE E-COMMERCE Uma das principais características do CE é permitir a criação de novos modelos de negócio. Um modelo de negócio é um método que permite

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE CRÉDITOS SEM COOBRIGAÇÃO Por este instrumento, as partes a seguir designadas e qualificadas,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 11/2015-BNDES Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO O CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA, doravante designado CADE, neste ato representado por sua Presidente, Elizabeth Maria Mercier Querido Farina, conforme

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997

DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 DECRETO Nº 2.369, DE 10 DE NOVEMBRO DE 1997 Regulamenta a Lei nº 6.704, de 26.10.79, que dispõe sobre o Seguro de Crédito à Exportação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. (atual denominação da INPAR S.A.) 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados

Leia mais

MENSAGEM N 36, DE 2015

MENSAGEM N 36, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N 36, DE 2015 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do

Leia mais

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. RESOLUCAO 2.689 --------------- Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro

Leia mais

Incentivos Fiscais ao Esporte

Incentivos Fiscais ao Esporte Incentivos Fiscais ao Esporte Lei nº 11.438/06 (Lei Federal de Incentivo ao Esporte) José Ricardo Rezende Advogado e Profissional de Ed. Física Autor do: Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte

Leia mais

São convenentes neste instrumento:

São convenentes neste instrumento: CONVÊNIO PARA A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SANTANDER UNIVERSIDADES DE MOBILIDADE NACIONAL FIRMADO ENTRE A UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA E O BANCO SANTANDER S/A São convenentes neste instrumento: A UNIVERSIDADE

Leia mais

o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio.

o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio. 1 o que é franquia? Na essência, o Franchising consiste em replicar, em diversos locais ou mercados, um mesmo conceito de negócio. 2 Vários negócios se utilizam do franchising 3 evolução do franchising

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. I - OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Art. 1 o. A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer as regras e procedimentos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas FAQ (frequently asked questions) Perguntas e Respostas 1 Quando surgiu a UNS? A UNS Idiomas iniciou suas atividades na cidade de São Paulo, onde está localizada

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 44, de 2012 (Projeto de Lei nº 4.097, de 2004, na Casa de origem), do Deputado Zenaldo Coutinho,

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. (atual denominação da MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO Termo de Constituição de Consórcio 1 As Partes: A empresa (Nome da Empresa)..., com sede na cidade de..., (Endereço)..., com CNPJ n o..., Inscrição Estadual...,

Leia mais

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES?

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES? FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÃO AO APERFEIÇOAMENTO DO TEXTO DA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI QUE ALTERA, REVOGA E ACRESCE DISPOSITIVOS DÀ LEI Nº 8.159, DE 1991, QUE DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 3.728, DE 2012 Dispõe sobre o apoio tecnológico a micro e pequenas empresas e dá outras providências. Autor: Deputado ARIOSTO

Leia mais