Acordam no Supremo Tribunal de Justiça:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acordam no Supremo Tribunal de Justiça:"

Transcrição

1 Acórdãos STJ Processo: 06A4416 º Convencional: JSTJ000 Relator: SEBASTIÃO PÓVOAS Descritores: FRA CHISI G CO TRATO DE FRA QUIA RESOLUÇÃO DO EGÓCIO DA O DE CLIE TELA º do Documento: SJ Data do Acordão: Votação: U A IMIDADE Texto Integral: S Privacidade: 1 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Meio Processual: Decisão: REVISTA. EGADA A REVISTA. Sumário : 1) No contrato de franquia, o franquiador concede a outrem - franquiado - a utilização, (mediante contrapartidas, normalmente a "initiation fee" e as "royalties") em certa zona, conjunta ou isoladamente, de marcas, nomes, insígnias, processos de fabrico ou técnicas comerciais, sob o controlo e fiscalização do primeiro. 2) O "franchising" e um "species" do "genus" contrato de distribuição indirecta integrada e, sendo atípico, são-lhe aplicáveis, por analogia, as regras que disciplinam o contrato matriz de distribuição - o contrato de agência - sem prejuízo da inaplicação de normas exclusivas deste. 3) O artigo 28º do DL nº 178/86, de 3 de Julho não é aplicável ao contrato de franquia mas os prazos de pré-aviso aí estabelecidos podem ser usados como indicadores e referência. 4) Não se tratando de vínculo contratual constituído por tempo indeterminado, mas de contratos de prestação duradouros ou periódicos a denúncia deve fazer-se para o termo do prazo de renovação. 5) O regime de resolução do artigo 808º do CC não se ajusta às relações contratuais duradouras, onde, em regra, não está em causa a perda de interesse numa prestação concreta mas sim a perda de interesse na continuação do contrato, pelo que o regime é o da resolução por justa causa. 6) A justa causa para a resolução do contrato de franchising não se basta com o simples incumprimento mas com uma conduta grave e reiterada que torne inexigível a manutenção do vínculo contratual. 7) No contrato de franquia o dano de clientela só é indemnizável se alegada e provada a contribuição determinante e notória do franquiado para aumento e fidelização de clientela do franquiador. Decisão Texto Integral: Acordam no Supremo Tribunal de Justiça:

2 "Empresa-A", com sede na Rua da..., nº..., em Leiria intentou, na 9ª Vara Cível da Comarca de Lisboa, acção com processo ordinário contra "Empresa-B", com sede em Lisboa, no nº...a Av.... Pediu a condenação da ré a pagar-lhe as quantias de ,00 euros - referente ao ingresso pago ,58 - a título de indemnização ,60 - por obras interiores ,93 - de equipamento informático - 703,91 - de material diverso - e ,00 de indemnização por falta de aviso prévio de rescisão do contrato, perda de clientela e perda da capacidade de trespasse - tudo por incumprimento de um contrato de "franchising". A ré contestou, impugnando os factos alegados e deduzindo pedido reconvencional para obter o pagamento de 1649,38 euros, referentes ao pagamento das vendas de Julho de Na 1ª instância a acção foi julgada parcialmente procedente e a ré condenada a pagar à autora as quantias de ,27 euros (a titulo de incumprimento contratual) e de ,00 euros (pela perda de clientela). No mais absolveu a ré do pedido. Condenou a autora a pagar à ré as quantias de 537,02, 942,49 e 169,87 euros, acrescidos de juros. Finalmente, condenou a autora em multa e indemnização por litigar de má fé. Apelaram a autora e a ré, tendo a Relação de Lisboa confirmado o julgado, excepto quanto aos 15000,00 euros da perda da clientela e quanto à má fé. As partes pedem revista. A autora conclui assim a sua alegação: - A ré, resolveu ilicitamente o contrato de franquia ou "franchising", celebrado com a autora, pelo que se constituiu na obrigação de indemnizar, ou seja de eliminar o dano ou prejuízo reparável nos termos dos artigos 483º nº1, 562º e 563º do CC. - Com culpa se considerarmos os acontecimentos de 13 de Julho de 2004 à luz do critério do nº2 do artigo 487º do CC. - "... A actuação da ré de pôr fim ao contrato surge de algum modo brusca e inopinada...", de acordo com o Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa a fls. 23, constituiu nos termos do artigo 334º do CC um verdadeiro abuso de direito, porquanto o titular desse direito excedeu manifestamente os limites impostos pela boa fé, pelos bons costumes ou pelo fim social ou económico desse direito.

3 - O contrato de franquia não é legalmente típico, rege-se pelo convencionado pelas partes e, na sua falta, pelas normas gerais dos contratos e se necessário, pelas normas relativas aos contratos que com ele apresentem maior analogia, designadamente o contrato de agencia (DL nº 178/86 de 3/7 e DL nº 118/93 de 13/4). - O contrato de franquia celebrado entre a A. e a R. trata-se de um contrato de duração indeterminada em razão da sua eventual renovação sob condição resolutiva de alguma das partes lhe não pôr termo mediante denúncia nos termos acima referidos na clausula 20ª (artigo 270º do CC). - A R. mediante uma denúncia tácita, sem declaração escrita, nos termos do artigo 28º do DL 178/86 pôs termo ao contrato de franquia de duração indeterminada. - A denúncia em geral consubstancia-se essencialmente na declaração dirigida por uma das partes à outra de não pretender a continuação da relação contratual em causa, de eficácia ex nunc (artigo 224º nº1). - Apesar de não haver forma escrita da denúncia (nunca por culpa da Autora) deve o tribunal, se do comportamento de uma das partes (da Ré) resultar inquestionável não só o incumprimento definitivo da sua obrigação contratual, e também a vontade de lhe pôr termo, poderá e deverá o tribunal interpretar esse comportamento negocial e dele extrair as necessárias consequências. - A Ré que denunciou o contrato sem respeitar o prazo de pré-aviso, deve indemnizar a A. relativamente aos danos causados pela falta desse pré-aviso (artigo 29º do DL 178/86 de 3 de Julho). - Nos termos do nº2 do artigo 29º do DL 178/86 de 3 de Julho, deverá ser a Ré condenada a uma quantia calculada com base na remuneração média auferida no decurso do ano precedente, multiplicada pelo tempo em falta. ( 2.193,13x6 (clausula 20) = ,78. - A Ré resolveu ilicitamente o contrato de franquia celebrado pelo que se constituiu na obrigação de indemnizar a Autora nos termos do artigo 566º nº1 do CC. - Nos termos dos artigos 562º e 564º nº1 do CC, a Autora deverá ser indemnizada reconstituindo-se a situação que existiria, se não fosse a denúncia tácita culposa da Ré antes do período de 5 anos convencionado, ou seja pelo valor total de 100%, ,72, e não por 54,36%, ,27 (que nem sequer contempla as despesas de funcionamento da Autora) valor esse da condenação em sede de sentença e Acórdão. - A autora tem direito à indemnização de clientela, sem prejuízo de

4 qualquer outra indemnização a que haja lugar, após a cessação do contrato, nos termos do artigo 33º do DL nº 178/86, com as alterações introduzidas no DL 118/93. - Preenche cumulativamente, os requisitos previstos na alínea a) e b) do nº1 do artigo 33º do DL nº 178/86. - A autora angariou novos clientes para a outra parte e aumentou substancialmente o volume de negócios com a clientela que angariou, nos termos da alínea a) do nº1 do artigo 33º do DL 178/86. - Transcrevendo a sentença proferida: "...o número de clientes aumentou desde logo porque anteriormente não existia na sua área qualquer loja da marca." - Quanto ao outro requisito cumulativo, o constante da alínea b) do nº 1 do artigo 33º do referido DL, relativamente ao qual o Acórdão da Relação não se pronuncia, encontra-se igualmente preenchido, aderindo a Autora na totalidade aos fundamentos apresentados na sentença. - Deve ser revogada a decisão da não condenação da Ré, proferida pelo Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa a titulo de indemnização da clientela. - A quantia de a título de indemnização de clientela à qual foi condenada a Ré em 1ª Instância, deverá ser ampliada para o montante máximo. - Montante máximo esse calculado na sentença, com base no artigo 34º do DL nº 118/93, no valor de , ao qual a ré deverá ser condenada para que nunca mais repita o que fez. A Ré assim conclui o alegado: - Como bem entendeu o Acórdão do STJ de 29/4/03, "ao contrário do que ocorre no regime geral do CC (...) no contrato de franchising, quer pela natureza em si deste contrato, quer pela aplicabilidade analógica das normas do contrato de agencia, a sua resolução pode assentar em factos não culposos. - Neste tipo de contratos, tanto o seu incumprimento como a impossibilidade de cumprir o fim contratual justificam a resolução." - No caso sub judice o que se comprovou foi que o franquiado, que não prestara também as garantias contratualmente acordadas, não cumpria o nível de qualidade e atendimento dos clientes - isto é, degradava a marca - e passou a vender, SEM PAGAR, a mercadoria pertencente ao franqueador; - No contrato de franchising como em qualquer contrato de que

5 decorre uma relação de confiança e colaboração, qualquer comportamento, como o provado, afecta gravemente essa relação e, pondo em perigo, o próprio fim do contracto, abala o fundamento deste, justificando a resolução; - Assim não entendendo, a decisão recorrida viola a lei por errada interpretação do artigo 30º, alínea a) do DL 178/86, aplicável por analogia; - Sendo o disposto no artigo 31º do DL 178/86 uma norma excepcional, não comporta aplicação analógica operando-se a resolução do contrato de franquia em harmonia com o disposto no artigo 436º do CC, sendo licita e possível a resolução tácita do contrato - artigo 217º CC; - O caso dos autos é o de uma acção de condenação - CPC artigo 4º nº2 b) - e não o de uma acção de simples apreciação cuja sentença tem mero carácter declarativo pelo que o tribunal não pode atribuir relevo a motivos de resolução não considerados como tal pela parte (Ac STJ de 19 de Setembro de 2002); - Não faz assim sequer sentido lógico que as instâncias tenham enumerado factos configurando incumprimento para se entenderem impossibilitadas de o declarar ou de tornarem equivalente a falta de fundamentação à inexistência de razoes para o acto. A decisão recorrida violou assim o direito à igualdade e ao contraditório - CPC artigo 3º A - da ora recorrente; - Constitui abuso de direito - CC, artigo 334º - poder a parte que, comprovada e reiteradamente violou deveres contratuais, exigir o cumprimento integral pela outra parte; Assim não entendendo, a decisão recorrida violou a lei; - Sempre o comportamento do franchisado deveria dar lugar à aplicação do disposto no artigo 570º do CC, excluindo-se qualquer indemnização; - A entender-se esta devida, o que só por hipótese se admite, o montante desta deve ser muito inferior ao fixado - CC, artigo 494º - considerando os resultados económicos que vinha obtendo. As instâncias deram por definitivamente assente a seguinte matéria de facto: - A sociedade comercial autora tem por objecto o comércio de calçado, artigos de marroquinaria e acessórios de moda, estando registada desde 20/05/2002, tendo como sócios AA e BB (A); - Com data de 1 de Abril de 2002, a ré, por um lado AA e BB "ou de sociedade comercial por quotas entre ambos constituída e de aqueles seja sócios únicos, como parte no contrato comercial, adiante

6 designados com franchisada, por outro, outorgaram um contrato denominado "Contrato de Franchising" com o teor constante de fls. 331 a 342 cujas cláusulas essenciais são mencionadas depois em sede de apreciação de direito e cujo teor aqui na integra se reproduz (B); - A autora pagou à ré a quantia de $00 ( ,84) a título de débito do direito de ingresso na cadeia Foreva, da loja sita em Leiria conforme cláusula décima nona, alínea 1) do acordo acima referido (C); - Tal montante de ingresso corresponde à quantia de ,00, acrescido de valor do IVA, de acordo com a alínea d) da cláusula 19ª (D); - A sociedade comercial autora instalou uma loja na cidade de Leiria para a comercialização dos produtos da franchisadora, produtos esses de sapataria e de calçado comercializados sob o nome comercial e marca Foreva, no local correspondente à sede da sociedade comercial, Rua da..., nº... (E); - A loja entrou em funcionamento em Maio de 2002, após obras de vulto no sentido de adequar e adaptar o espaço às imposições da marca Foreva (F); - Tal implicou a implementação de uma imagem exterior e interior moderna e original, com base numa arquitectura e configuração estética moderna (G); - A ré forneceu à autora o projecto de decoração e equipamento de modo a ser estruturado o espaço do estabelecimento da autora, com os materiais a utilizar na decoração, mobiliário, iluminação, acrílicos e logotipos adequados à identificação visual da cadeia comercial Foreva (H); - Pelo que a imposição da marca, foram realizadas as obras de adequação do espaço à imagem da marca, de acordo com o projecto de arquitectura (I); - Ascenderam ao montante de ,58 as referentes ao fornecimento de decoração que englobava paredes forradas a MDF, balcão lacado, logotipos em madeira (J); - Pretendia-se com a adequação da imagem à marca, a potencialização do valor acrescentado pela marca, bem como conseguir-se a capacidade estratégica para penetrar no mercado (1º); - Com vista a criar gradualmente laços de fidelização, que garantissem o crescimento das vendas e a suas sustentação futura (2º); - A Autora pagou à Ré o referido montante nos termos e condições

7 previstas na cláusula 19ª do acordo referido acima (K); - Foi ainda necessário de acordo com o projecto de arquitectura substituir montras, o tecto em pladur e o soalho, o que ascendeu ao montante de 4.742,60 (L); - Por imposição da marca e pelo fornecimento do material informático específico para a loja de Leiria foram gastos 1.214,93 de acordo com a nota de débito nº14 bem como material diverso de acordo com a nota de débito nº7 (M); - O Empresa-C, em 24/10/2002, aprovou a prestação da garantia bancária a favor da autora; - A ré pediu a entrega da garantia bancária em 23/5/02 e 1/7/02; - Por fax de 25 de Julho, a ré insistiu junto da autora pelo pagamento do equipamento informático até ao dia 31 de Julho; - Em 18/12/2002, a autora devia à ré a quantia de 703,91; - Cujo pagamento lhe foi solicitado pela ré; - Desde a abertura, em Maio de 2002 até ao final desse mesmo ano, as vendas atingiram o valor bruto de ,59; - Sendo de ,36; - No exercício correspondente ao ano de 2003, as vendas atingiram o montante bruto de ,75, sendo de ,58 o valor do IVA; - No ano de 2004, as vendas atingiram até ao dia 13 de Julho, o valor bruto de ,70 a que acresce o IVA no valor de 9.527,49; - De Maio de 2002 a 13 de Julho de 2004 foram realizadas vendas em termos brutos que alcançaram o montante de ,1 sem IVA; - Durante este período de tempo as relações comerciais decorreram normalmente quanto à entrega de produtos da ré; - Em 2003, o valor médio mensal da venda (sem IVA) caiu para ,76, quando em 2002 foi de ,52, sendo a queda de 29,57%; - Que se acentuou em 2004 em que o valor médio mensal de venda (sem IVA) foi de 8.008,44, ocorrendo uma queda de 19,95% em relação a 2003 e de 43,62% em relação a 2002; - E isto apesar da marca ter sido bem aceite no mercado de Leiria; - No fim de Junho de 2003, saiu da loja a empregada CC, a qual tinha formação adequada e experiência no sector;

8 - Sendo substituída por outra empregada sem experiência nem formação adequadas; - A Ré chamou a atenção da Autora para o acima referido; - Em 23/6/04 o Dr. AA deslocou-se aos escritórios da ré em Forte da Casa e, alegando insatisfação com a rentabilidade da loja, propôs à Ré um aumento da margem concedida à Autora, - No dia 13 de Julho de 2004, encontrando-se a loja de Leiria aberta, uma viatura da ré, estacionou em frente das montras da loja, tapandoa por completo; - Os funcionários da ré ou contratados pela ré para esse efeito, começaram a despejar a loja da autora, todos os pares de sapatos que aí se encontravam; - Terminado o despejo da loja da autora, pela hora do almoço, não ficou nesta um único par de sapatos; - Aquando do referido acima, a ré bem sabia que a autora ficou sem mercadoria para vender; - E que a loja, em consequência, ficava encerrada; - Desde essa data, a ré nunca mais contactou a autora para o que quer que fosse; - A ré bem sabia que os investimentos efectuados eram específicos da marca, não sendo utilizáveis para qualquer outra marca; - Inexistindo mercadoria na loja, a exploração da mesma e o seu trespasse, deixaram de ser viáveis; - A ré não enviou à autora os elementos para a declaração trimestral do IVA vencida em 16 de Agosto de 2004, referentes aos pagamentos realizados em Abril, Maio, Junho; - A loja ficou conhecida pelos consumidores, sabendo estes que se encontrava instalada em Leiria uma loja como aquelas que se encontravam na capital do país, - A funcionária da autora continuou a vir ao estabelecimento comercial; - Sendo-lhe pagos os ordenados na esperança que a ré, por iniciativa própria, recolocasse a mercadoria na loja nos termos referidos no acordo; - Em vão, tendo a autora que despedir a funcionária por cessação de actividade, pois só laborava naquele local, tendo tido de lhe pagar 414,63 referente ao mês de Agosto e 1.365,01 referentes ao mês de

9 Setembro e aos direitos indemnizatórios da trabalhadora; - Até ao dia 13 de Julho de 2004, a ré nunca informou a autora que iria proceder da forma descrita acima; - Nem nunca avisou a autora que pretendia pôr termo ao acordo referido; - A autora não pagou os produtos vendidos em Julho que deveria ter pago em 5 e 12 de Julho; - A autora não pagou as vendas efectuadas no período de 1 a 4 de Julho de 2004 no valor de 537,02 euros; b) no período de 5 a 11 de Julho de 2004 no valor de 942,49 euros; c) de 12 a 13 de Julho no valor de 169,87 euros; - E foi interpelada para o efeito. Foram colhidos os vistos. Tratando-se de duas revistas - da autora e da ré - proceder-se-á ao conhecimento conjunto por tratarem questões conexas. Conhecendo, 1- Contrato de franquia. 2- Cessação do contrato. 3- Dano de clientela. 4- Conclusões. 1- Contrato de franquia (franchising) Não é controversa a qualificação do contrato "sub judicio" estando as partes de acordo tratar-se de contrato de franquia, aliás assim nominado. Cumpre, porem, verificar do acerto dessa conclusão, ponderando todo o clausulado, sabido como é a grande proximidade entre os vários tipos de contratos de distribuição indirecta integrada: agência, concessão, franchising e livre organização de cadeias. Na definição do Prof. Menezes Cordeiro, no contrato de franquia "uma pessoa - o franquiador - concede a outra - o franquiado - a utilização dentro de certa área, cumulativamente ou não, de marcas, nomes, insígnias comerciais, processos de fabrico e técnicas empresariais e comerciais, mediante contrapartidas." (in "Do contrato de franquia - "franchising": autonomia privada versus tipicidade negocial", ROA e "Do contrato de concessão comercial", ROA, 2000, 600). Ou, na noção do Prof. Pinto Monteiro (apud "Contratos de distribuição comercial", 2002, 121) "o contrato pelo qual alguém (franquiador) autoriza e possibilita que outrem (franquiado) mediante contrapartida actue comercialmente (produzindo e/ou vendendo

10 produtos ou serviços) de modo estável, com a formula de sucesso do primeiro (sinais distintivos, conhecimentos, assistência...) e surja aos olhos do público com a sua imagem empresarial, obrigando-se o segundo a actuar nestes termos, a respeitar as indicações que lhe forem sendo dadas e a aceitar o controlo e a fiscalização a que for sujeito." Então, o franquiador garante ao franquiado o uso da marca, insígnias, designações na comercialização de serviços ou produtos que este adquire e fabrica, propicia-lhe os conhecimentos técnicos para essa actividade tal como os seus processos produtivos. O franquiado paga-lhe direitos de entrada, "royalties" (ou prestações periódicas), adquire os produtos que lhe são indicados, devendo manter a qualidade, o bom nome e o sigilo comercial dos produtos franquiados. Aquele tem direito a receber uma entrada inicial, "royalties", fiscalização, controlo e aprovação. O franquiado pode usar marcas, insígnias, nomes comerciais, conhecimentos técnicos do franquiador e a sua assistência. (cf., a propósito, a Dr.ª Elsa Vaz de Sequeira, in "Contrato de Franquia e Indemnização de Clientela", in "Estudos Dedicados ao Prof. Doutor Mário Júlio de Almeida e Costa, 2002, 446). O franquiador tem como objectivo tirar proveito da notoriedade da sua marca e da sua imagem de marca, (e por vezes adjuvantemente escoar os seus produtos) recebendo por isso não só a "initial fee" como as "royalties". E para preservar essa imagem presta toda a assistência técnica e comercial ao franquiado que é um meio de expandir o bom nome daquele sinal distintivo. O franquiado beneficia da assistência do franquiador, coloca no mercado um produto já testado e geralmente aceite pelo consumidor correndo, em consequência, um menor risco comercial e garantindo um melhor acolhimento empresarial. O "franchising" situa-se, como atrás se acenou, no âmbito dos contratos de distribuição, embora também possa prever a venda de produtos concebidos pelo franquiador ao franquiado para que este os coloque no mercado, na forma indicada por aquele. Aqui chegados, fica-se sem dúvidas sobre tratar-se de contrato de franquia o negócio celebrado entre a ré e a autora, o que resulta claramente do regime exposto e do clausulado entre as partes. 2- Cessação do contrato De acordo com a cláusula 20ª o "contrato é válido por um período de 5 anos, sendo renovável por idênticos períodos sempre que nenhuma das partes o denuncie por carta registada com aviso de recepção e antecedência mínima de seis meses em relação ao termo do prazo do contrato ou do período de renovação". Sendo um contrato atípico, é-lhe aplicável o regime modelo do contrato de agência (DL nº 178/86 de 3 de Julho) aplicável por

11 analogia aos contratos de distribuição. (cf. os Profs. Menezes Cordeiro, in "Manual de Direito Comercial", 2001, nºs 206-V e 207 IV e A. Pinto Monteiro, apud "Contratos de Distribuição Comercial" 2002, 70-71). Claro que esta aplicação não pode colidir com o regime daquele, clausulado nos termos do artigo 405º do CC existindo, outrossim, normas que só ao contrato de agência se aplicam. O artigo 28º do citado DL nº 178/86 (que não é, segundo a melhor jurisprudência - cf. v.g, o Acórdão do STJ de 13 de Maio de A381 - aplicável aos contratos de concessão comercial e de franchising por importarem em regra investimentos de muito maior vulto por parte do concessionário e do franquiado do que os que em regra o agente tem) estabelece prazos de comunicação da denúncia, para os contratos celebrados por tempo indeterminado. E embora as partes possam convencionar um tempo de pré aviso diferente, o mesmo não pode ser inferior ao ali fixado (cf. Prof. Pinto Monteiro, in "Contrato de Agência", 1987, 53). Ora, o prazo acordado de seis meses, sempre satisfaria o nº1 da alínea c) do artigo 28º citado, que, contudo, e como se disse, nem teria aqui aplicação directa por o contrato não ter sido celebrado sem termo fixo, mas seria, tão somente, um elemento indicador da razoabilidade do período de pré-aviso. Mas não existiu denúncia, em sentido estrito, pois, como se disse a relação contratual não se constituiu por tempo indeterminado nem declaração obstativa de renovação automática, por não ter ainda decorrido o período integral de vigência (cf., a propósito, o Prof. Romano Martinez - "Da cessação do contrato", 2005,225). Segundo o Prof. Pessoa Jorge a denúncia é uma "forma autónoma de extinção dos contratos estabelecidos por tempo indeterminado e opera-se através da declaração de uma das partes à outra comunicando-lhe que não quer a continuação do contrato" (apud "Lições de Direito das Obrigações", 1975, 212; cf. ainda Doutor Ribeiro de Faria "Direito das Obrigações", II, 337). Claro que é também um meio de impedir a prorrogação ou renovação (por vontade das partes ou "ex vi legis") de um contrato celebrado por tempo determinado. (cf. Prof. A. Varela, "Das obrigações em geral", 7ª ed., II, 280 e Prof. Almeida Costa, "Direito das Obrigações", 271). A denúncia é, nos contratos de prestações duradouras, a manifestação de vontade de uma das partes dirigida à não renovação ou continuação e, salvo nos contratos por tempo indeterminado, deve fazer-se para o termo do prazo de renovação. (cf. ainda, o Prof. Baptista Machado, RLJ, 118º, 274, 317 e 328 em anotação ao Acórdão do STJ de 8 de Novembro de 1983). Existiu, pois, resolução Esta forma de cessação do contrato está prevista nos artigos 24, alínea d) e 30º do citado DL.

12 Também se faz por declaração escrita, fundamentada, no prazo de um mês contado do conhecimento dos factos causais (artigo 31º). Este regime não se afasta muito do regime geral. A resolução negocial deve ser motivada sendo imposto a quem pretende exercer esse direito a alegação e prova da causa que justifica a extinção do contrato. Se o exercício do direito de resolução na lei geral - cf. os artigos 793º nº2, 799º nº1, 801º nº2, 802º e 808º do Código Civil - depende do incumprimento culposo, também aqui tal acontece, embora, pela aplicação analógica das normas do contrato de agencia possam relevar factos não culposos. Tratando-se de um contrato de cooperação há que ter sempre presente o seu escopo final que, se impossível, justifica também a resolução. (cf. Dr.ª Maria Helena Brito, in "O Contrato de Concessão Comercial", 227) A simples perda de confiança no cumprimento futuro do contrato pode, em tese justificar a resolução. Se aqui há justa causa de resolução não há que lançar mão da interpelação admonitória do artigo 808º do CC. Como refere o Prof. Baptista Machado (ob. cit. RLJ ) este preceito ajusta-se, apenas, a "negócios sobre transacções de bens", não se ajustando directamente às relações contratuais duradouras, para as quais o regime típico é o da resolução por justa causa. "Nas relações obrigacionais duradouras, o que está em causa não é a perda do interesse numa concreta prestação (pelo menos em regra) mas a justificada perda de interesse na continuação da relação contratual." Verifica-se, então, que a alínea a) do artigo 30º do DL nº 178/86 (irreleva aqui a alínea b) que se reporta a contrato com regular cumprimento mas vitima de qualquer circunstância que impossibilite ou faça perigar gravemente o seu fim) dispõe a faculdade de resolução se a parte faltar "ao cumprimento das suas obrigações, quando, pela sua gravidade ou reiteração, não seja exigível a subsistência do vínculo contratual." Não basta um incumprimento "tout court". Diz o Prof. Pinto Monteiro que certas causas ainda que pouco graves podem justificar, em determinadas situações, a resolução, sempre que ocorra "perda de confiança justificada" ("Contrato de Agência", III). Exige-se um incumprimento de especial relevo, quer pela natureza da infracção em si e das suas circunstâncias, ou da perda de confiança que cria na contraparte, quer pela sua repetição, ou reiteração, em termos de não ser de exigir à outra parte a manutenção do vinculo contratual Da matéria de facto apurada, resulta que a autora não entregou à ré a garantia bancária a que se refere a cláusula 21º do contrato, apesar da insistência da franquiadora; substituiu a empregada por outra sem experiência e formação, apesar dos reparos da ré; não enviou os elementos para a declaração trimestral do IVA; não pagou os produtos vendidos em Julho de 2004, apesar de interpelada para o

13 efeito; atrasou-se no pagamento do equipamento informático. Este acervo de factos não traduz uma conduta tão grave e reiterada que, só por si, torne inexigível a subsistência do vínculo contratual, tanto mais que não resulta ter originado quebras de vendas ou qualquer outra situação de menor eficácia comercial, justificativa de quebra de laços de confiança. Afinal, a garantia bancária fora aprovada, os pagamentos em atraso não foram de grande montante nem acumulados ao longo de meses, o que não permite concluir pela insustentabilidade da situação. Não se vislumbra, em consequência, justa causa de resolução, como, aliás, concluíram as instâncias, devendo a autora ser indemnizada, nos termos do nº1 do artigo 566º do CC (cf. v.g. o Acórdão do STJ de 18 de Novembro de BMJ ). O "quantum" encontrado pelas instâncias para ressarcir o interesse contratual positivo, no seguimento de cálculos feitos, afigura-se correcto, por equilibrado, e de manter, valendo, aqui, e no eventualmente omisso, a argumentação do Acórdão recorrido. E tenha-se em atenção o modo inopinado e inesperado como a ré fez cessar a relação contratual não permitindo à autora qualquer preparação para a nova situação. 3- Dano de clientela. É pedida a indemnização de clientela, ao abrigo do artigo 33º do DL nº 178/86. "Trata-se, no fundo, de uma compensação devida ao agente, após a cessação do contrato. (...) e que acresce a qualquer outra indemnização a que haja lugar - pelos benefícios de que o principal continuo a auferir com a clientela angariada ou desenvolvida pelo agente. É como que uma compensação pela "mais valia" que este lhe proporciona, graças à actividade por si desenvolvida, na medida em que o principal continue a aproveitar-se dos frutos dessa actividade, após o termo do contrato de agência." (Prof. Pinto Monteiro, cit. "Contrato de Agência", 59). Mas no franchising existe uma coligação - franquiador e franquiado - com distribuição de tarefas precisas, formando uma nova realidade que capta a clientela, sendo que aqui há dois angariadores distintos que actuam em conjunto. Será de apreciação casuística verificar se a actividade do franquiado foi determinante para atrair a clientela, actuando em termos idênticos aos do agente, não podendo, sem mais, fazer-se a aplicação analógica do artigo 33º do citado Decreto Lei ao contrato de franquia. No sentido da avaliação caso a caso e ponderação quer da actividade do franquiador (marca, nome, etc.), quer do franquiado (qualidades pessoais e profissionais do comerciante) veja-se o Prof. Coutinho de Abreu in "Da empresarialidade. As empresas no direito", 1996, 65). O Dr. Pestana de Vasconcelos (in "O contrato de franquia - Franchising", 2000,96) considera, e bem, que se o franquiador

14 beneficia da "clientela que o ex franquiado tenha gerado, adquire, então, algo extra e corresponde a exigências de justiça comutativa que tenha de compensar este último por esse facto." (cf. remivelmente no mesmo sentido o Prof. Carlos Olavo, in "O contrato de Franchising" - Novas perspectivas do Direito Comercial , 171. Já para o Prof. Menezes Cordeiro "a clientela é angariada através da marca para o franquiado; as vantagens e desvantagens que tudo isso acarreta fazem parte dos riscos próprios do negócio que as partes livremente assumiram e que a boa-fé manda honrar." (apud "Do Contrato de Franquia (Franchising). Autonomia privada versus tipicidade negocial", 83). Será, assim, se exigir ao franquiado a alegação e prova da sua contribuição determinante para notório aumento de negócio e clientela do franquiador e que este venha a beneficiar dessa melhor qualidade comercial para além do termo do franchising. O aumento e a fidelização da clientela obtidos à custa da actividade pessoal do franquiado são factos a apurar caso a caso, cujo ónus da alegação e prova a este incumbe. (cf., a propósito de indemnização de clientela, o Prof. Pinto Monteiro, "Contratos de Distribuição Comercial", a fls. 163 em defesa da tese ora adoptada -; Dr.ª Elsa Vaz de Sequeira, ob. cit. 480; Dr.ª Carolina Cunha - "A indemnização de clientela do agente comercial", 2003; Dr.ª Maria de Fátima Ribeiro, "O contrato de franquia (franchising)", "Direito e Justiça", XIX, I, 94 ss - "o equilíbrio económico e jurídico entre franquiador e franquiado na celebração e na execução do contrato de franquia"). Como a Autora não logrou provar os elementos fácticos acima referidos, não se verificam os pressupostos de indemnização de clientela, improcedendo nesta parte a conclusão da sua alegação. Não estão presentes os pressupostos do exercício abusivo do direito por parte da autora, como insinua a ré, por não se mostrarem excedidos os limites da boa fé ou do fim social ou económico do direito peticionado, nos termos do artigo 334º do CC. 4- Conclusões. Pode concluir-se que: a)no contrato de franquia, o franquiador concede a outrem - franquiado - a utilização, (mediante contrapartidas, normalmente a "initiation fee" e as "royalties") em certa zona, conjunta ou isoladamente, de marcas, nomes, insígnias, processos de fabrico ou técnicas comerciais, sob o controlo e fiscalização do primeiro. b) O "franchising" e um "species" do "genus" contrato de distribuição indirecta integrada e, sendo atípico, são-lhe aplicáveis, por analogia, as regras que disciplinam o contrato matriz de distribuição - o contrato de agência - sem prejuízo da inaplicação de normas

15 exclusivas deste. c) O artigo 28º do DL nº 178/86, de 3 de Julho não é aplicável ao contrato de franquia mas os prazos de pré-aviso aí estabelecidos podem ser usados como indicadores e referência. d) Não se tratando de vínculo contratual constituído por tempo indeterminado, mas de contratos de prestação duradouros ou periódicos a denúncia deve fazer-se para o termo do prazo de renovação. e) O regime de resolução do artigo 808º do CC não se ajusta às relações contratuais duradouras, onde, em regra, não está em causa a perda de interesse numa prestação concreta mas sim a perda de interesse na continuação do contrato, pelo que o regime é o da resolução por justa causa. f) A justa causa para a resolução do contrato de franchising não se basta com o simples incumprimento mas com uma conduta grave e reiterada que torne inexigível a manutenção do vínculo contratual. g) No contrato de franquia o dano de clientela só é indemnizável se alegada e provada a contribuição determinante e notória do franquiado para aumento e fidelização de clientela do franquiador. Nos termos expostos, acordam negar as revistas. Custas pelos recorrentes. Lisboa, 9 de Janeiro de 2007 Sebastião Póvoas Moreira Alves Alves Velho

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Juízos Cíveis de Coimbra

Juízos Cíveis de Coimbra Juízos Cíveis de Coimbra AA.:António Francisco Domingues, portador do Cartão do Cidadão nº004897786 válido até 13/10/2013, contribuinte fiscal nº 100097898 e mulher Florbela Francica Santos Domingues portadora

Leia mais

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO

CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO CONDIÇÕES DO CONTRATO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO ESTABELECIMENTO SITO NO PORTO DE RECREIO DE OLHÃO 1.- OBJECTO DO CONTRATO 1.1. - O contrato terá por objecto a concessão de exploração do Snack-Bar-Restaurante

Leia mais

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Transitou em julgado em 09/01/06 Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 179/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros (DGITA) remeteu para fiscalização prévia

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS CADERNO DE ENCARGOS RELATIVO A CONTRATOS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Procedimento por Ajuste Directo n.º DSTD/01/2009 Cláusula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING O presente Código de Deontologia Europeu do Franchising corresponde à versão actualizada do Código inicialmente elaborado em 1972 pela Federação Europeia da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 01241/09 Data do Acordão: 24-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO IRS MAIS VALIAS REINVESTIMENTO EMPRÉSTIMO

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA UNIDADES DE MICROPRODUÇÃO Entre F.., residente em.com o número de contribuinte, [ou 1 ] F..., com sede em,, com o capital social de. euros, matriculada na Conservatória

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário.

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Processo nº 11/03 Acção de despejo Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Sumário: 1. A acção de despejo, como meio para fazer cessar imediatamente o contrato

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Acórdãos STJ Processo: 08A194 Nº Convencional: JSTJ000 Relator: SEBASTIÃO PÓVOAS Descritores: ARRENDAMENTO LICENÇA DE UTILIZAÇÃO RECURSOS Nº do Documento: SJ2008021901941 Data do Acordão: 19-02-2008 Votação:

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010 RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010 Assunto: Resposta à Reclamação do Parecer n.º 129/CITE/2010: Parecer Prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho

Leia mais

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento Hugo Tavares e Patrícia Ferreira Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento VERBO jurídico VERBO jurídico Parecer: Direito do trabalho e transmissão de estabelecimento : 2 Parecer: Direito

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL, instituição de utilidade pública, com o número de identificação de pessoa colectiva 503 323 055, com sede na Avenida da Siderurgia Nacional, S. Mamede do Coronado,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

PARECER N.º 38/CITE/2005

PARECER N.º 38/CITE/2005 PARECER N.º 38/CITE/2005 Assunto: Parecer nos termos do n.º 3 do artigo 133.º do Código do Trabalho e da alínea j) do n.º 1 do artigo 496.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Não renovação de contrato

Leia mais

Apoio Jurídico FRANCHISING

Apoio Jurídico FRANCHISING Apoio Jurídico FRANCHISING Agência dos Empresários Casa do Farol Rua Paulo Gama - 4169-006 Porto Telefone: 22 0108000 Fax: 22 0108020 monicapiressilva@anje.pt -Franchising- Nos últimos anos as actividades

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS Excelentíssimo Senhor Provedor de Justiça A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas, com sede Rua 3A à Urbanização da Ameixoeira, Área 3, Lote 1, Loja A, Lisboa, vem, nos termos do artigo 23º, n.º

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º. Intermediação - em crédito à habitação; leasing imobiliário; conta empréstimo; crédito automóvel; produtos estruturados; leasing equipamentos e

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Processo n.º 656/2014

Processo n.º 656/2014 Processo n.º 656/2014 (Recurso Laboral) Relator: Data : João Gil de Oliveira 26/Março/2015 ASSUNTOS: - Comodato e mútuo - Prejuízos; liquidação em execução de sentença SUMÁ RIO : 1. Se A empresta a B certas

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO, UTILIZAÇÃO, GESTÃO E DESTINO DO FUNDO Artigo 1. Constituição

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Programa da disciplina de Direito Comercial II

Programa da disciplina de Direito Comercial II Universidade de Macau Faculdade de Direito Ano lectivo 2010/2011 Programa da disciplina de Direito Comercial II Regente: Mestre Augusto Teixeira Garcia Plano de Curso da Disciplina Direito Comercial II

Leia mais

Código do Trabalho Anotado

Código do Trabalho Anotado Código do Trabalho Anotado Revisto pelas LEI Nº 7/2009, DE 12 DE FEVEREIRO LEI Nº 105/2009, DE 14 DE SETEMBRO LEI Nº 53/2011, DE 14 DE OUTUBRO LEI Nº 23/2012, DE 25 DE JUNHO LEI Nº 47/2012, DE 29 DE AGOSTO

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística Caderno de Encargos Caderno de Encargos Cláusula 1.ª Objeto 1. O presente caderno de encargos compreende as cláusulas

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Identificação dos Serviços Objecto de Concurso

CADERNO DE ENCARGOS. Identificação dos Serviços Objecto de Concurso CADERNO DE ENCARGOS Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato a celebrar na sequência do procedimento pré-contratual que tem por objecto principal a selecção

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre: CONTRATO DE ARRENDAMENTO, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, titular do B.I. nº, emitido em _, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada Processo nº 305/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 06 de Março de 2014 ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada SUMÁ RIO: - Para que uma marca possa ser qualificada como notória e prestigiada,

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

PARECER N.º 39/CITE/2008

PARECER N.º 39/CITE/2008 PARECER N.º 39/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Processo: 9951381 Nº Convencional: JTRP00027995 Relator: AZEVEDO RAMOS Descritores: INTERVENÇÃO PROVOCADA INTERVENÇÃO ACESSÓRIA CONDUÇÃO SOB O EFEITO DE ÁLCOOL ACIDENTE

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre Primeira Contraente: Fundação de Serralves, pessoa colectiva de direito privado nº 502266643, instituída pelo Decreto-Lei nº 240-A/89, de 27 de Julho, com sede na

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000774196 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002068-54.2012.8.26.0663, da Comarca de Votorantim, em que é apelante UNIVERSO ON LINE S/A, é apelado ANTONIO

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE)

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ÁREAS OPCIONAIS (3 valores)

Leia mais

PARECER N.º 11/CITE/2005

PARECER N.º 11/CITE/2005 PARECER N.º 11/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

Página Acórdão do Supremo Tribunal de Justiçae. Decisão Texto Integral: Acordam, no Supremo Tribunal de Justiça:

Página Acórdão do Supremo Tribunal de Justiçae. Decisão Texto Integral: Acordam, no Supremo Tribunal de Justiça: 1 de 12 Acórdãos STJ Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Processo: 08B3604 Nº Convencional: JSTJ000 Relator: MARIA DOS PRAZERES PIZARRO BELEZA Descritores: EMPREITADA DEFEITOS PRÉDIO URBANO CADUCIDADE

Leia mais

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito Responsabilidade Civil Profissional Responsabilidade Civl Profissional dos Advogados Código de Deontologia

Leia mais

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO 17 de outubro de 2013 FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO A Lei n.º 70/2013, de 30 de

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS Página 1 de 9 ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA

Leia mais

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc.

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06 Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS Proc. nº 2 970/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros

Leia mais

Concurso público para a aquisição de redes remotas por links wireless para o Município do Funchal

Concurso público para a aquisição de redes remotas por links wireless para o Município do Funchal Concurso público para a aquisição de redes remotas por links wireless para o Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS - 1 - Índice Cláusula 1ª - Objecto... Cláusula 2ª - Contrato... Cláusula 3ª - Prazo...

Leia mais

Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009

Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009 Relatório AA e BB Intentaram contra I... B... C... de S..., S. A Acção declarativa de condenação sob a forma ordinária Pedindo A condenação

Leia mais

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional.

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional. Processo n.º 257/2004 (Recurso cível) Data: 14/Dezembro/2004 ASSUNTOS: - Qualificação jurídica do contrato - Contrato em regime de draubaque - Insuficiência de factos alegados - Insuficiência de motivação

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

PARECER N.º 46/CITE/2007

PARECER N.º 46/CITE/2007 PARECER N.º 46/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DA RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 196/CITE/2012

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DA RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 196/CITE/2012 RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DA RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 196/CITE/2012 Assunto: Resposta a resposta à Reclamação do Parecer n.º 196/CITE/2012 Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante,

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

UNIDADE ORGÂNICA DE GESTÃO FINANCEIRA E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO SUBUNIDADE ORGÂNICA DE APROVISIONAMENTO - APV CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO

UNIDADE ORGÂNICA DE GESTÃO FINANCEIRA E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO SUBUNIDADE ORGÂNICA DE APROVISIONAMENTO - APV CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO SUBUNIDADE ORGÂNICA DE APROVISIONAMENTO - APV CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Aquisição de materiais de desgaste rápido, ferramentas e utensílios para diversos serviços na área da Produção e Manutenção

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

Revista Jurídica Digital. ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015

Revista Jurídica Digital. ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015 Data enia Revista Jurídica Digital ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015 Revista Jurídica Digital Publicação gratuita em formato digital Periodicidade semestral ISSN 2182-8242 Ano 2 N.º 03 Publicado

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

PARECER N.º 18/CITE/2011

PARECER N.º 18/CITE/2011 PARECER N.º 18/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE CONSÓRCIO

MINUTA DE CONTRATO DE CONSÓRCIO ADVERTE-SE QUE ESTA MINUTA CONSTITUI APENAS UM EXEMPLO, PELO QUE DEVERÁ SER ADAPTADA CASO A CASO. A AICCOPN NÃO SE RESPONSABILIZA PELA INSUFICIENTE OU INDEVIDA ADAPTAÇÃO DA PRESENTE MINUTA. MINUTA DE CONTRATO

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto)

Prestação de Serviços Capítulo I. Disposições Gerais. Cláusula 1ª (Objecto) Prestação de Serviços Capítulo I Disposições Gerais Cláusula 1ª (Objecto) O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas que têm por objecto principal a Prestação de Serviços de Fiscal Único. Cláusula

Leia mais

Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval

Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval ÍNDICE OBJETO 1 CONTRATO 1 PRAZO E VIGÊNCIA

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

FATURAÇÃO E COBRANÇA DE PENALIDADES ÀS BENEFICIÁRIAS DA OFERTA DE

FATURAÇÃO E COBRANÇA DE PENALIDADES ÀS BENEFICIÁRIAS DA OFERTA DE RESPOSTA DA ZON AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO DO ICP-ANACOM SOBRE FATURAÇÃO E COBRANÇA DE PENALIDADES ÀS BENEFICIÁRIAS DA OFERTA DE REFERÊNCIA DE ACESSO A POSTES (ORAP), POR PARTE DA PT COMUNICAÇÕES 1.

Leia mais