POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE"

Transcrição

1 POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA Introdução A presente Política de Remuneração dos membros do órgão de administração e fiscalização (abreviadamente referida como Política de Remuneração ) do BANCO POPULAR PORTUGAL, SA (adiante também referido como BANCO POPULAR) destina-se a dar cumprimento ao disposto nos artigos 115.º-C a 115.º-G do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras ( RGICSF ), e a assegurar que o BANCO POPULAR adota os mais elevados padrões nacionais e internacionais de governo das instituições de crédito. Fundamentação As instituições de crédito devem dispor de políticas e práticas de remuneração que promovam e sejam coerentes com uma gestão sã e prudente dos riscos (artigo 14.º/1 i) RGICSF). De acordo com a Directiva 2013/36/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de Junho de 2013 ( CRD IV ), a política de remunerações não deve incentivar a assunção de riscos em níveis superiores ao risco tolerado por cada instituição de crédito. Deve a mesma, além disso, ser compatível com a estratégia empresarial e os objetivos, valores e interesses a longo prazo da instituição, e incluir medidas destinadas a evitar conflito de interesses. Outros atributos necessários da política remuneratória são reconhecidos em outros textos internacionais. A política remuneratória deve ser clara e deve estar alinhada com os interesses de longo prazo da instituição de crédito (NAPF, Remuneration principles for building and reinforcing long-term business success, 2013). Deve a política envolver, por se turno, uma identificação de pessoas com estatuto remuneratório relevante e cujas respetivas atividades profissionais tenham um impacto material no perfil de risco do banco (EBA, Guidelines on Sound Remuneration Policies, 2010). A política de remuneração deve, por último, ser adaptada às características concretas de cada instituição de crédito. Deve ter-se presente, a propósito, que o Banco Popular Portugal, S.A. é detido integralmente pelo Banco Popular Español, S.A., fazendo por isso parte do Grupo Banco Popular, o qual tem definidas políticas de gestão, incluindo as políticas de remuneração, uniformes e transversais a todas as sociedades que o compõem.

2 O relevo central da política de remuneração pressupõe, por seu turno, um sistema de governo que assegure o efetivo acolhimento das melhores práticas nesta matéria. Neste contexto, a Assembleia Geral tem a competência para a fixação das remunerações dos membros dos órgãos sociais (artigo 399.º CSC), ao passo que ao Conselho de Administração compete estabelecer as remunerações dos colaboradores do Banco. Soma-se que é aos órgãos de administração e de fiscalização das instituições de crédito que cabe em primeira linha definir e fiscalizar a aplicação dos sistemas de governo que garantam uma gestão efetiva e prudente (artigo 88.º/1 CRD IV e artigo 115.º-A RGICSF). Além disso, cabe à Comissão de remunerações da empresa-mãe acompanhar o processo de preparação, de fixação e de divulgação de remunerações.

3 Índice 1. Âmbito e competência para aplicação 2. Política de remunerações dos membros do Conselho de Administração 3. Política de remunerações dos membros do Conselho Fiscal 4. Revisão da Política de remuneração 5. Aprovação, entrada em vigor e alterações 6. Interpretação 7. Publicação

4 1. Âmbito e competência para aplicação 1.1. A presente Política aplica-se aos seguintes dirigentes do Banco Popular: Membros do Conselho de Administração; Membros do Conselho Fiscal; 1.2. Para efeitos da presente Política, por dirigentes entende-se todas as pessoas referidas nos números anteriores A Comisión de Remuneraciones do Banco Popular Español, S.A. (CRBPE) acompanha a aplicação da presente Política e assegura a sua plena eficácia. 2. Política de remunerações dos membros do Conselho de Administração Estrutura da remuneração 2.1. A remuneração dos membros do Conselho de Administração compreende uma componente fixa (com uma parte fixa ordinária e outra como complemento por desempenho individual) e uma componente variável. Componente variável da remuneração 2.2. A atribuição de remuneração variável depende do cumprimento dos principais objetivos fixados, em cada ano, para o Grupo Banco Popular e para o Banco Popular Portugal Os indicadores de desempenho têm em consideração: a) o desempenho dos pelouros ou das áreas por este acompanhados; b) os resultados globais do banco e do grupo em que se insere. 2.4 A remuneração variável será paga do seguinte modo: a) 50% é pago em numerário; b) 50% é pago em instrumentos financeiros elegíveis de acordo com a legislação em vigor. 2.5 A remuneração variável é parcialmente diferida, sendo 50% paga no ano de atribuição e 50% paga em três prestações iguais condicionais anuais sucessivas.

5 2.6 Os instrumentos financeiros atribuídos ao abrigo da alínea b) do número 2.4 são intransmissíveis durante um período de três anos contados desde a data da sua atribuição. 2.7 As prestações referidas no número 2.5 apenas podem ser pagas se for confirmada, através de parecer fundamentado da CRBPE, a sua sustentabilidade à luz da situação financeira do Banco na data do pagamento e a sua adequação ao desempenho do Banco, da unidade ou pelouro acompanhado e do dirigente em questão. 2.8 As prestações referidas no número 2.5 podem ser objeto de redução ou reversão, se o dirigente: a) Participou ou foi responsável por uma atuação que resultou em perdas significativas para o Banco; b) Participou ou foi responsável por falsificação da informação financeira do Banco ou pela adoção de outro comportamento ilícito que tenha resultado na manipulação ou adulteração dos critérios de desempenho; c) Deixar de cumprir critérios de adequação e idoneidade. 2.9 A componente variável da remuneração não pode exceder o valor da componente fixa da remuneração para cada dirigente, salvo se a Assembleia Geral o autorizar através de deliberação adotada por maioria qualificada de dois terços dos votos expressos A componente variável da remuneração não pode limitar a capacidade do BANCO POPULAR para reforçar a sua base de fundos próprios. Assim, a aferição do desempenho utilizada para calcular a componente variável da remuneração deve prever ajustamentos considerando os vários tipos de riscos, atuais e futuros, bem como o custo dos fundos próprios e da liquidez necessários à instituição de crédito. Plano de Pensões 2.11 Aos membros do Conselho de Administração que exercem funções executivas no BANCO POPULAR em regime de exclusividade, é reconhecido o direito à atribuição de pensões de reforma e de sobrevivência, de acordo com as seguintes normas: a) Os benefícios discricionários de pensão devem revestir a forma de em instrumentos financeiros elegíveis de acordo com a legislação em vigor; b) Caso a cessação da atividade do dirigente ocorra antes da reforma, os benefícios discricionários de pensão de que seja titular são mantidos pelo Banco por um período de cinco anos, findo o qual constitui um direito adquirido do colaborador à receção do respetivo pagamento pelo Banco;

6 c) Quando o dirigente atinja a situação de reforma, os benefícios discricionários de pensão de que seja titular e cujo direito à respetivo pagamento já tenha sido adquirido são retidos pelo Banco por um período de cinco anos, findo o qual são entregues ao dirigente. Para efeitos do presente Política, por benefícios discricionários de pensão entende-se os benefícios de pensão mais vantajosos do que os previstos no regime geral de pensão de reforma do Banco concedidos aos membros dos órgãos de administração ou fiscalização ou a colaboradores, numa base discricionária, como parte da remuneração, e que não incluem benefícios obtidos por um colaborador e concedidos ao abrigo do regime de pensão de reforma do Banco. Compensações a pagar por destituição sem justa causa de administradores 2.12 Não são celebrados quaisquer acordos que determinem valores a pagar aos membros do Conselho de Administração em caso de destituição sem justa causa, além do previsto na lei geral. Compensações a pagar a novos dirigentes por cessação de funções anteriores 2.13 As compensações a pagar a novos dirigentes por cessação de funções anteriores têm em consideração os interesses de longo prazo do banco e não envolvem remunerações variáveis garantidas, exceto no primeiro ano de atividade se tal for aprovado pela CRBPE. 3. Política de remunerações dos membros do Conselho Fiscal Estrutura da remuneração 3.1 A remuneração dos membros do Conselho Fiscal compreende apenas uma componente fixa paga em numerário. 4. Revisão da Política de remuneração 4.1. A CRBPE procederá com periodicidade anual à revisão da presente Política de Remuneração, submetendo ao órgão de administração recomendações para o respetivo aperfeiçoamento Após receber o Relatório elaborado e apresentado pela CRBPE onde conste a revisão da presente Política de Remunerações referida no número anterior, o órgão de administração aprovará as recomendações feitas pela CRBPE, ou apresentará

7 fundamentação para a sua recusa, identificando soluções alternativas, caso tenham sido detetadas fragilidades, ou desatualização da Política, em relação à lei aplicável, ou às recomendações da EBA, do Banco de Portugal ou da CMVM O órgão de administração deve submeter à Assembleia Geral do Banco, para aprovação final, com periodicidade anual, as recomendações fundamentadas para o aperfeiçoamento da presente Política de Remuneração. 5. Aprovação, entrada em vigor e alterações 5.1. A presente Política foi aprovada pela Assembleia Geral, entrando em vigor a partir de 30 de Março de 2017, podendo ser alterada por deliberação deste órgão. 6. Interpretação 6.1. Qualquer referência a uma disposição legal, a uma orientação ou a qualquer outro texto recomendatório ou de natureza análoga deve ser interpretada como uma referência a essa disposição, orientação ou texto de natureza análoga segundo a redação que estiver em vigor na data da respetiva aplicação, assim como às demais normas ou recomendações que venham entretanto a substitui-las, alterá-las ou complementá-las. 7. Publicação 7.1. A presente Política é publicada no site do BANCO POPULAR.

Introdução. Fundamentação

Introdução. Fundamentação Política de Remuneração dos membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, e dos Responsáveis por Funções-chave da Popular Seguros Companhia de Seguros, S.A. Introdução A presente Política de Remuneração

Leia mais

Politica de Remunerações

Politica de Remunerações Politica de Remunerações Versão 1/2016 Data de actualização: 19.05.2016 Owner Compliance & Controlo Bankinter Gestão de Activos Autor: Ana Guimarães 50/93 Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA Introdução A presente Política de Remuneração dos titulares de funções essenciais (abreviadamente referida como

Leia mais

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC 30 de maio de 2017 Título: Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e do ROC

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 1. OBJETO... 3 2. VIGÊNCIA... 3 3. ÂMBITO SUBJETIVO E OBJETIVO... 3 4. EXTENSÃO AO GRUPO CGD... 3 5. COMPETÊNCIA... 3 6. OBJETIVOS E REQUISITOS

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES Reconhecida a necessidade

Leia mais

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A.

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 5 DECLARAÇÃO SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO I. Introdução

Leia mais

PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO PROJECTO DE AVISO SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELATIVA À POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Reconhecida a necessidade de uma proposta de actuação no âmbito das políticas de remuneração, em linha com as recomendações

Leia mais

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos Sociais e dos Titulares de Funções Relevantes do Caixa Banco de Investimento S.A.

Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos Sociais e dos Titulares de Funções Relevantes do Caixa Banco de Investimento S.A. Política de Remuneração dos Membros dos Órgãos Sociais e dos Titulares de Funções Relevantes do Caixa Banco de Investimento S.A. 1. Introdução A Política de Remuneração do Caixa Banco de Investimento,

Leia mais

DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA.

DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA. POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA AEGON SANTANDER PORTUGAL VIDA - COMPANHIA DE SEGUROS DE VIDA, SA. Nos termos estatutários, inexistindo Comissão de

Leia mais

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6

Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6 Comissão de Remunerações da INAPA - Investimentos, Participações e Gestão, S.A. PONTO 6 PROPOSTA DE REVISÃO PARCIAL DA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS EXECUTIVOS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA INAPA

Leia mais

GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual 16 de abril de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 13

GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual 16 de abril de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 13 GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral Anual 16 de abril de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 13 Declaração da Comissão de Remunerações sobre a Política de Remuneração dos membros dos Órgãos Sociais da

Leia mais

Política de Remunerações dos membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização do Banco BPI

Política de Remunerações dos membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização do Banco BPI Política de Remunerações dos membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização do Banco BPI Ponto 8a) da Ordem de Trabalhos Assembleia Geral de Accionistas 27 de Abril de 2011 Contexto da Proposta Contexto

Leia mais

Política de Remuneração dos Colaboradores da Real Vida Pensões, S.A.

Política de Remuneração dos Colaboradores da Real Vida Pensões, S.A. Política de Remuneração dos Colaboradores da Real Vida Pensões, S.A. Aprovada pelo Conselho de Administração da Sociedade para o exercício de 2017. O presente documento tem como objectivo explicitar a

Leia mais

CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO. (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016)

CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO. (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016) CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 17 de outubro de 2016) 1 REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Artigo 1º

Leia mais

Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da PHAROL, SGPS, S.A.

Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da PHAROL, SGPS, S.A. Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da PHAROL, SGPS, S.A. Considerando que: 1. Nos termos da Lei n.º 28/2009,

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria PREÂMBULO A Comissão de Auditoria da CIMPOR Cimentos

Leia mais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais

Fundamento da não adopção. Recomendação Adoptada Total / Parcial Não adoptada. 1. Princípios Gerais Recomendação Adoptada / Parcial Não adoptada As instituições devem adoptar uma politica de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco,

Leia mais

PROPOSTA Ponto 8 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014

PROPOSTA Ponto 8 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014 PROPOSTA Ponto 8 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2014 Considerando: a) O disposto na Lei 28/2009 de 19 de Junho, e a previsão da mesma de que

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. ÍNDICE SECCÇÃO I. DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS... 3 1. OBJECTO... 3 2. VIGÊNCIA... 3 SECÇÃO II. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. 3 3. ÂMBITO SUBJECTIVO E OBJECTIVO.

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÕES BANCO INTERATLÂNTICO, S.A. ÍNDICE SECCÇÃO I. DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS... 3 1. OBJECTO... 3 2. VIGÊNCIA... 3 SECÇÃO II. ÂMBITO DE APLICAÇÃO. 3 3. ÂMBITO SUBJECTIVO E OBJECTIVO.

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO

REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO REGULAMENTO SOBRE RELATÓRIO ANUAL DE GOVERNO DOS EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMITIDOS À NEGOCIAÇÃO EM MERCADO A AGMVM aprovou um Código de Governo dos Emitentes de Valores Mobiliários admitidos à

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

Orientações relativas à taxa de desconto nocional aplicável à remuneração variável

Orientações relativas à taxa de desconto nocional aplicável à remuneração variável Orientações relativas à taxa de desconto nocional aplicável à remuneração variável Índice Orientações relativas à taxa de desconto nocional aplicável à remuneração variável 1 Natureza das presentes orientações

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU 1.6.2017 L 141/21 DECISÃO (UE) 2017/935 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de novembro de 2016 sobre a delegação de poderes para a adoção de decisões relativas à adequação e idoneidade e a avaliação dos requisitos

Leia mais

Instrução n. o 4/2015 BO n. o

Instrução n. o 4/2015 BO n. o Instrução n. o 4/2015 BO n. o 6 15-06-2015 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Mapas anexos à Instrução 4/2015 Notas auxiliares de preenchimento anexas à Instrução 4/2015

Leia mais

Política de Transações com Partes Relacionadas

Política de Transações com Partes Relacionadas 2017 Política de Transações com Partes Relacionadas Grupo NOVO BANCO Julho / 2017 Índice 1. Objetivos... 3 2. Aplicação da Política às Entidades do Grupo NOVO BANCO... 3 3. Enquadramento Legal e Regulamentar...

Leia mais

Para efeitos da presente Política, consideram-se as seguintes definições:

Para efeitos da presente Política, consideram-se as seguintes definições: POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXAGEST TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. Considerando,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, S.A. 24 DE MARÇO DE 2017

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, S.A. 24 DE MARÇO DE 2017 ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA VAA VISTA ALEGRE ATLANTIS, SGPS, S.A. 24 DE MARÇO DE 2017 PONTO QUARTO DECLARAÇÃO SOBRE A POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DA SOCIEDADE

Leia mais

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas:

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas: ESTATUTO REMUNERATÓRIO Ao abrigo do artigo 8.º dos Estatutos da CP, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 137- A/2009, de 12 de junho, conjugado com o n.º 2 do artigo 28.º do EGP, com a aplicação das regras constantes

Leia mais

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave

Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave Política de Remuneração aplicada aos Colaboradores com Funções Chave V05, de 2016.03.09 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1 - A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO 1/8 POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Tabela de Revisões Versão Data Motivo de Revisão 1 2011 2 Primeira versão aprovada pelo Conselho de Administração a 02/02/2011 e pela Assembleia Geral a 31/03/2011. Revisão

Leia mais

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010

Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Ponto 4 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 22 de Abril de 2010 Declaração do Conselho de Administração sobre Política de Remunerações dos Dirigentes 1. Considerando:

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE, SGPS, SA

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE, SGPS, SA Ex.mo Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae - SGPS, S.A. Lugar do Espido, Via Norte 4471-909 Maia Ponto n.º 8 A Comissão de Vencimentos propõe à Assembleia Geral que delibere aprovar,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 11/2013 Pagamento de compensações por centros eletroprodutores eólicos abrangidos pela aplicação do Decreto-Lei n.º 35/2012, de 28 de fevereiro

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO Com a publicação da Lei nº 28/2009, de 19 de Junho, as Instituições Financeiras ficaram sujeitas ao dever de aprovar, anualmente, em Assembleia Geral, uma proposta de remuneração

Leia mais

1. Âmbito e competência para aplicação A presente Política aplica-se aos seguintes dirigentes da RVP:

1. Âmbito e competência para aplicação A presente Política aplica-se aos seguintes dirigentes da RVP: Política de Selecção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização, e dos Titulares de Funções essenciais da Real Vida Pensões, S.A Sociedade Gestora de Fundos de Pensões

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016

Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016 Aviso do Banco de Portugal n. o 1/2016 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Mod. 99999910/T 01/14 O nível de exposição das instituições de crédito ao risco imobiliário tem vindo a sofrer um aumento significativo

Leia mais

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções

Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções Política Interna de Seleção e Avaliação da Adequação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização, do ROC e dos Titulares de Funções Essenciais 30 de maio de 2017 Título: Política Interna de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE ANADIA, CRL

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE ANADIA, CRL DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DE ANADIA, CRL Enquadramento: Com a publicação do Decreto-Lei n.º 142/2009 de 16 de Junho, e consequente entrada em vigor das alterações

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017 DE DE

CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017 DE DE CONSELHO DE MINISTROS PROPOSTA DE LEI Nº /IX /2017 DE DE ASSUNTO: Procede à primeira alteração à Lei n.º 89/VII/2011, de 14 de fevereiro, que aprova a Orgânica do Ministério Público. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO ALTO DOURO, CRL

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO ALTO DOURO, CRL POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO ALTO DOURO, CRL Nos termos do número 4 do Art. 115º-C do Regime Geral das Instituições

Leia mais

- 1 - Considerando que:

- 1 - Considerando que: Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da Portugal Telecom, SGPS, S.A. Considerando que: 1. Nos termos da Lei n.º

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS COLABORADORES DO GRUPO BCP (EXCLUI OS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO)

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS COLABORADORES DO GRUPO BCP (EXCLUI OS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO) POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS COLABORADORES DO GRUPO BCP (EXCLUI OS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO) O presente documento, contendo os princípios e regras da Política de Remuneração dos

Leia mais

PROPOSTA. Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2008

PROPOSTA. Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2008 PROPOSTA Ponto 5 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral de Accionistas do Banco BPI, S.A. de 23 de Abril de 2008 Considerando: a) Que em 20 de Abril de 2006, na sequência das alterações introduzidas

Leia mais

Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos

Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos Declaração da Comissão de Vencimentos sobre a Política de Remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da Portugal Telecom, SGPS, S.A. Considerando que: 1. Na sequência da entrada

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução

POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução POLÍTICA DE PREVENÇÃO, COMUNICAÇÃO E SANAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) 1. Introdução A Popular Gestão de Activos, S.A., adiante designada por PGA, é uma sociedade

Leia mais

Novo estatuto do gestor público

Novo estatuto do gestor público Decreto Lei n.º 71/2007, de 27 de março Novo estatuto do gestor público CAPÍTULO I Âmbito Artigo 1.º Gestor público 1 Para os efeitos do presente decreto lei, considera se gestor público quem seja designado

Leia mais

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social.

b. Na análise e definição das linhas de orientação das políticas de sustentabilidade e de responsabilidade social. Banif Banco Internacional do Funchal, SA Regulamento da Comissão Interna Especializada de Governo Societário do Conselho de Administração Artigo 1.º Missão: 1. A Comissão Interna Especializada de Governo

Leia mais

THALES OFERTA DE AÇÕES 2017 RESERVADA A COLABORADORES

THALES OFERTA DE AÇÕES 2017 RESERVADA A COLABORADORES THALES OFERTA DE AÇÕES 2017 RESERVADA A COLABORADORES Este documento é uma descrição de oferta de ações reservada a colaboradores do grupo. Este documento foi elaborado de acordo com o disposto na alínea

Leia mais

PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO

PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO 1. Identificação do Código de Governo das Sociedades Adoptado A Sociedade adoptou o Código de Governo das Sociedades da CMVM (que se encontra publicado no sítio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1. A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada pelo Conselho de Administração

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE - SGPS, S.A.

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE - SGPS, S.A. Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae - SGPS, SA Lugar do Espido, Via Norte 4471-909 Maia Ponto n.º 4 PROPOSTA A Comissão de Vencimentos propõe à Assembleia Geral que delibere aprovar,

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES CIRCULAR N.º 6/2010, DE 1 DE ABRIL POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS EMPRESAS DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre

Leia mais

Ministério d DL 472/

Ministério d DL 472/ DL 472/2013 2013.11.22 A necessidade de contenção da despesa pública no longo prazo com carater de definitividade obriga à redução da despesa no setor da segurança social, o que impõe a introdução de algumas

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta. 29 de Maio de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DA SAG GEST SOLUÇÕES AUTOMÓVEL GLOBAIS, SGPS, SA Sociedade Aberta. 29 de Maio de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 1 DA ORDEM DE TRABALHOS O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Deliberar sobre o relatório de gestão e as demonstrações financeiras separadas do exercício

Leia mais

Instrução n. o 1/2017 BO n. o

Instrução n. o 1/2017 BO n. o Instrução n. o 1/2017 BO n. o 2 15-02-2017 Temas Supervisão Divulgação de informação Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Processos e critérios relativos à aplicação das noções de relevância,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

SANTOS BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SANTOS BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES Este Plano de Incentivo Atrelado a Ações ( Plano ) da ( Santos Brasil ou Companhia ) tem como objetivo regular a possibilidade de concessão de incentivos atrelados a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho

Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho Decreto-Lei n.º 160/2004, de 2 de Julho A Lei n.º 9/2002, de 11 de Fevereiro, introduziu significativas alterações no regime aplicável à contagem do tempo de serviço militar dos antigos combatentes, prestado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO 1. O Comitê de Pessoas e Remuneração (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA. Artigo 1.º. Âmbito Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade aberta com o Capital Social: 12.000.000,00 (doze milhões de euros) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, 1070-313 Lisboa Registada

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 22 de Junho de 2016 Artigo 1º Âmbito 1. O presente regulamento estabelece as regras aplicáveis ao funcionamento do Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria Despacho n.º /2015 Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação e

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE PASSAGEM À RESERVA E DE REFORMA DO PESSOAL DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA (DECRETO-LEI N.º 159/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

REGIME ESPECIAL DE PASSAGEM À RESERVA E DE REFORMA DO PESSOAL DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA (DECRETO-LEI N.º 159/2005, DE 20 DE SETEMBRO) REGIME ESPECIAL DE PASSAGEM À RESERVA E DE REFORMA DO PESSOAL DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA (DECRETO-LEI N.º 159/2005, DE 20 DE SETEMBRO) Atualizado pela última vez em 31 de dezembro de 2012 Decreto-Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE FINANÇAS 1. O Comitê de Finanças (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A.

16 de Junho de 2017 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE REMUNERAÇÕES DA ASSEMBLEIA GERAL OBJECTO O presente Regulamento da Comissão

Leia mais

Instrução n. o 14/2015 BO n. o

Instrução n. o 14/2015 BO n. o Instrução n. o 14/2015 BO n. o 9 15-09-2015... Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Anexo I Mapa Modelo 1 Anexo II Mapa Modelo 2 Anexo III Mapa Modelo 3 Anexo IV Instruções de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 17 de novembro de 2016 ÍNDICE OBJETO... 3 APROVAÇÃO E VIGÊNCIA... 3 CARÁCTER VINCULATIVO... 3 COMPETÊNCIA DO... 3 COMPOSIÇÃO... 5 FUNCIONAMENTO... 5 PRESENÇAS E AUSÊNCIAS...

Leia mais

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing)

Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) Regulamento de Comunicação de Irregularidades (Whistleblowing) REGULAMENTO DE COMUNICAÇÃO DE IRREGULARIDADES 1 Princípios Gerais A Caixa Económica Montepio Geral, nos termos do Regime Geral das Instituições

Leia mais

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro DECRETO N.º 24/XIII Regime aplicável ao património da Casa do Douro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Secção I Disposições gerais Artigo

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 1.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia C 291/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) PARECERES BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 12 de Novembro de 2009 sobre uma proposta

Leia mais

Indicadores de desempenho anual face ao orçamento anual

Indicadores de desempenho anual face ao orçamento anual DECLARAÇÃO SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A., A SER PRESENTE À ASSEMBLEIA-GERAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 1. Na reunião da

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE

REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE REGULAMENTO DA COMISSÃO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE NORDESTE A Câmara Municipal ao abrigo do artigo 241º da Constituição da República Portuguesa e no âmbito das competências previstas na Lei n.º

Leia mais

1. Introdução. Este ano, mantém-se a opção de propor a aprovação de uma declaração com um conteúdo semelhante ao da declaração actualmente em vigor.

1. Introdução. Este ano, mantém-se a opção de propor a aprovação de uma declaração com um conteúdo semelhante ao da declaração actualmente em vigor. DECLARAÇÃO SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DO ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DA SEMAPA 1. Introdução No início do ano de 2007 a Comissão de Remunerações da Semapa elaborou pela primeira

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES E DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF / NIRE

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES E DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF / NIRE PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES E DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ/MF 16.614.075/0001-00 NIRE 31.300.025.837 28 de Abril de 2015 O presente Plano de Opção de Compra de Ações

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas,

NOTA JUSTIFICATIVA. A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, Coimbra, janeiro 2017 NOTA JUSTIFICATIVA A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, que aprovou a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, abreviadamente designada por LTFP veio regular o vínculo de trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS

REGULAMENTO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS REGULAMENTO DAS DISTINÇÕES HONORÍFICAS Capítulo I Distinções Honoríficas Secção I Artigo 1.º Objeto O presente regulamento tem por objetivo definir e instituir as distinções honoríficas a atribuir pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Direito Regulamento dos regimes de reingresso e de mudança par instituição/curso da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Nos termos do disposto no

Leia mais

1. Objectivo, âmbito e competência

1. Objectivo, âmbito e competência Regulamento sobre Prevenção, Comunicação e Sanação de Conflitos de Interesses, incluindo transacções com partes relacionadas da Real Vida Pensões, S.A. Sociedade Gestora de Fundos de Pensões SA ( RVP ou

Leia mais

Sumário: Institui e regula o sistema de requalificação dos trabalhadores em funções públicas. Exposição de motivos

Sumário: Institui e regula o sistema de requalificação dos trabalhadores em funções públicas. Exposição de motivos Anteprojeto de proposta de lei n.º /2013 Sumário: Institui e regula o sistema de requalificação dos trabalhadores em funções públicas Exposição de motivos A Lei n.º 53/2006, de 7 de dezembro, estabeleceu

Leia mais

2.2. REMUNERAÇÃO VARIÁVEL MOMENTO PARA A SUA DETERMINAÇÃO E CRITÉRIOS

2.2. REMUNERAÇÃO VARIÁVEL MOMENTO PARA A SUA DETERMINAÇÃO E CRITÉRIOS POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DE COLABORADORES QUADROS DIRECTIVOS: SENIOR MANAGING DIRECTORS (SMD s), MANAGING DIRECTORS E EXECUTIVE DIRECTORS DO HAITONG BANK, SA I. APROVAÇÃO DA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO A do

Leia mais

Deliberação CETP n.º 3/2017. Delegação de competências da autoridade de gestão do Programa Operacional

Deliberação CETP n.º 3/2017. Delegação de competências da autoridade de gestão do Programa Operacional Deliberação CETP n.º 3/2017 Delegação de competências da autoridade de gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo no Organismo Intermédio - Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP Pela Deliberação

Leia mais

F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. Declaração relativa à Política de Remuneração 2011

F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. Declaração relativa à Política de Remuneração 2011 F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. Declaração relativa à Política de Remuneração 2011 Março de 2012 Informação prestada nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 28/2009 Política de remuneração dos membros

Leia mais

É também definido no presente Aviso o procedimento de submissão dos planos de recuperação ao Banco de Portugal. Artigo 1.º.

É também definido no presente Aviso o procedimento de submissão dos planos de recuperação ao Banco de Portugal. Artigo 1.º. Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 12/2012 Com o objetivo de identificar as medidas suscetíveis de serem adotadas para corrigir oportunamente uma situação em que uma instituição

Leia mais

POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES

POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES POLÍTICA PARA TRANSAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS E DEMAIS SITUAÇÕES ENVOLVENDO CONFLITO DE INTERESSES 1. OBJETIVO A presente política para a transação com Partes Relacionadas[1] e demais situações envolvendo

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores PREÂMBULO As políticas públicas dirigidas à juventude assumem nos dias de hoje uma transversalidade indiscutível. O estabelecimento

Leia mais

Assembleia Geral Anual de 24 de Abril de 2013 ( ZON Multimédia ou Sociedade ) PROPOSTA DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Assembleia Geral Anual de 24 de Abril de 2013 ( ZON Multimédia ou Sociedade ) PROPOSTA DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. (Sociedade Aberta) Sede: Rua Actor António Silva, número 9 Campo Grande, freguesia do Lumiar, 1600-404 Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DO XXII CONGRESSO

REGULAMENTO DO XXII CONGRESSO REGULAMENTO DO XXII CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES ARTIGO 1.º (LOCAL, DATA E HORA) O XXII Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses reúne em Grândola, no Centro

Leia mais