FACULDADE SEDAC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TEOLOGIA CURSO DE TEOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SEDAC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TEOLOGIA CURSO DE TEOLOGIA"

Transcrição

1 FACULDADE SEDAC PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TEOLOGIA 1 CURSO DE TEOLOGIA

2 SUMÁRIO 1. CONCEPÇÃO DO CURSO DE TEOLOGIA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS PERFIL DO PROFISSIONAL Perfil do Educador Perfil do Educando METODOLOGIA DO CURSO ITINERÁRIO DA APRENDIZAGEM Estrutura Curricular Avaliação da aprendizagem Avaliação do Curso Currículo Pleno (Área de conhecimento) Carga Horária Integração de ensino teológico-pastoral Espaços institucionais de integração a) Colegiado de Curso b) Centro Acadêmico c) Semana Teológica d) Porosidade e Flexibilidade curricular e) Relação de docentes por disciplina EMENTAS, OBJETIVOS, CONTEÚDOS E BIBLIOGRAFIAS BÁSICAS E COMPLEMENTARES DAS DISCIPLINAS

3 1. CONCEPÇÃO DO CURSO DE TEOLOGIA Em sintonia com as tradições educacionais da Igreja, suas documentações normativas e diretivas, que orientam o ensino da Teologia, atendendo às orientações da legislação educacional brasileira, às necessidades humano-religiosas-sociais e culturais da sociedade, tendo como meta a criação de um novo espaço acadêmico de rigor científico associado a um clima de diálogo inter, trans e multidisciplinar; o curso de Teologia da faculdade SEDAC se propõe a ler os conteúdos teológicos de forma íntegra, relacionando teoria e prática, promovendo a solidariedade, proporcionando formação acadêmica capaz de diálogo humano e científico. Toda formação acadêmica está voltada para a promoção da cultura, integração da pessoa nos contextos plurais da sociedade. Nessa perspectiva, o curso assume a pastoral como eixo integrador e norteador do pensar teológico. Tendo como ponto de partida a missão institucional: formar cidadãos por meio do ensino, prioritariamente, e da pesquisa e extensão, na perspectiva cristã-católica; capacitando-as cientifica, humana, cristã e tecnicamente para uma ação transformadora na sociedade, promovendo a inclusão social, a justiça e a solidariedade. Essa orientação, alicerçada e desenvolvida a partir de um processo metodológico de participação e responsabilidade colegiada, pressupõe um olhar de fé sobre a realidade. Para tanto, faz-se necessário dialogar com as ciências sociais que versam sobre a mesma. Como parte desse mesmo processo e à luz da Sagrada Escritura, da Tradição e do Magistério da Igreja, elaborar juízos que iluminam a compreensão do dado de realidade e, 3

4 ainda, voltar o olhar sobre a mesma em forma de compromisso concreto com sua transformação. A partir desse processo deduz-se que a concepção do curso de Teologia da faculdade SEDAC fará a integração de teoria e prática, compromisso de fé e compromisso social, diálogo científico que rompa com os limites estanques de leitura do real feitos à luz de uma única ciência e a missionariedade que rompe com as visões e ações limitadoras da ação do futuro teólogo. O projeto pedagógico procura seguir um modelo administrativo e pedagógico colegiado favorecendo a corresponsabilidade e a participação coletiva. Para isso, é proposto espaço colegiado em vários níveis: colegiado de curso, centro acadêmico, reuniões pedagógicas, assembléia avaliativa, ação entre amigos. Trata-se de um processo dialético e dialógico. A estrutura do currículo pleno, além da flexibilidade possui bom índice de porosidade e introdução niveladora. Através dos seminários oferece aos alunos temas que atendam suas necessidades e lacunas formativas e também como recurso pedagógico que desenvolva temas emergentes pertinentes. O Estágio Supervisionado de 180 horas, sob orientação e acompanhamento do professor de Pastoral com a participação de lideranças do local de estágio, valoriza a prática do aluno nas comunidades. O estágio também tem seus objetivos bem definidos e regulamentados. 4

5 A organização pedagógica do curso de Teologia da faculdade SEDAC promove ambiente favorável para o desenvolvimento das habilidades dos alunos, atenta às dificuldades e lacunas, ouvindo todos os envolvidos no processo educativo, propõe atividades e mecanismos de superação, colabora para que aconteça mudança efetiva no campo pastoral e eclesial, ajuda o aluno a integrar a vida acadêmica com a vida da e de comunidade. Além da integração humano-existencial, o acadêmico fará um exercício científico - Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) no final do curso, para demonstrar sua capacidade de síntese, capacidade de pesquisa teórico-prático e aprofundamento de seu processo de aprendizagem. O trabalho de Conclusão de Curso não poderá ser apresentado antes que o aluno tenha sido aprovado em todas as disciplinas e práticas educativas do currículo. O trabalho será apresentado diante de uma banca de três professores, que examinarão colegialmente. A nota mínima de aprovação é 6,0 (seis). A avaliação no curso de Teologia da Faculdade SEDAC segue o modelo de avaliação progressiva, prescrito no regimento. A média mínima exigida para aprovação será de 6,0 (seis), resultante da média aritmética entre a três avaliações bimestrais. A nota de avaliação parcial será atribuída pelo professor, com base no acompanhamento contínuo do aluno e nos resultados por ele obtidos nos exercícios escolares realizados ao longo do período. 5

6 A avaliação leva em conta a presença e participação do aluno nas aulas e demais atividades educacionais. O índice de freqüência determinado pelo Regimento deve ser no mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) do total de aulas em cada disciplina. Com base nesses referenciais, o curso de Teologia aqui proposto, além de formar pessoas com habilidades e conteúdos teológicos, visa, sobretudo, formar pastores e leigos comprometidos com o povo, que saibam utilizar seus conhecimentos como força criadora de um espaço de relações interpessoais e cósmicas alicerçadas na ética do cuidado e da solidariedade. 2. OBJETIVO GERAL Formar pessoas capacitando-as científica e praticamente para o exercício da Teologia, a fim de participar de modo crítico-reflexivo e propositivo da sociedade e da comunidade eclesial. 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3.1. Capacitar pessoas para intervir nos espaços sócio-eclesiais e culturais orientados pela fé e sob a luz da revelação cristã; 3.2. Oferecer um curso de graduação com formação ampla mediante o estudo sistemático dos diversos tratados da teologia católica, a partir do eixo integrador da pastoral; 3.3. Favorecer o acesso ao conhecimento adequado da teologia possibilitando a integração entre reflexão e ação, competência teológica e compromisso pastoral voltado para a dimensão social; 6

7 3.4. Motivar e impulsionar a vocação teológico-pastoral, incentivando a continuação dos estudos teológicos em cursos de pós-graduação lato e stricto sensu; 3.5. Fomentar o interesse para o espírito e a técnica de pesquisa científica nas várias áreas do conhecimento teológico; 3.6. Educar para o diálogo cultural, ecumênico, inter-religioso, a comunicação, a sensibilidade para com as questões ecológicas e da ética da vida; 3.7. Explicitar as implicações ético-sociais da fé cristã para a construção de uma sociedade justa, solidária, cultivadora da paz, democrática e ética; 3.8. Colaborar com a formação dos futuros presbíteros e agentes de Pastoral da Igreja Católica Apostólica Romana. 4. PERFIL DO PROFISSIONAL 4.1. Perfil do Educador Uma das premissas norteadora do ensino na Faculdade SEDAC é que o corpo docente é um recurso importantíssimo no desenvolvimento e efetivação de sua missão. Daí o foco na implantação de uma política de qualificação profissional, a fim de dispor de um quadro de docentes competente e capacitado para exercer o magistério. Um educador corresponsável com a missão da IES, que exerça sua função em clima de diálogo e numa perspectiva inter, trans e multidisciplinar, respeitador e cumpridor das decisões colegiadas, conhecedor da realidade local e a dos alunos. A Faculdade SEDAC possui um corpo docente com estabilidade, comprometidos com a instituição desde o seu início. 7

8 4.2. Perfil do Educando O egresso a ser formado pelo curso de Teologia da Faculdade SEDAC, além de uma sólida formação geral, deverá possuir domínio prático em termos de competências e habilidades para lidar com as demandas científicas, teológicas e sócio-pastorais. Ainda, ter um senso ético, social e pastoral capaz de situar, espacial e temporalmente, o exercício de sua atuação num quadro de valores que contemple o sentido e a causalidade da aplicação da Teologia em busca de uma sociedade justa, solidária e democrática. As diretrizes que norteiam a concepção do curso são: a) formação científica; b) teológico-pastoral e, c) prática, tendo em vista as novas demandas produzidas na atualidade que sinalizam uma mudança epocal nas estruturas sociais, políticas, econômicas e religiosas. Nesse contexto o acadêmico deverá possuir, além de uma visão atualizada do mundo, a capacidade de solucionar e equacionar os problemas que advirão. Diante disso, o projeto pedagógico pretende desenvolver a capacidade de apreensão, de produção e atualização criativa do dado teológico e da ação pastoral. As competências e habilidades que compõem o perfil do acadêmico formado pelo curso de Teologia da Faculdade SEDAC podem ser definidos como: - Analisar criticamente a realidade sempre que por ela for confrontado; - buscar de forma rigorosa e metódica a verdade e sua prática; responsáveis; - analisar situações e problemas concretos, realizar opções livres e tomar decisões 8

9 - expressar-se em público e comunicar-se com clareza e objetividade; - organizar racionalmente tempo e atividade e elaborar calendário de atividades pessoais e institucionais; - escutar, administrar conflitos e apontar caminhos; - estabelecer relações ecumênicas e dialogar com as diferentes culturas e expressões religiosas; - relacionar-se adequadamente com as pessoas e comunidades onde atuará; - fundamentar e nutrir a própria fé a partir dos conhecimentos adquiridos; - coordenar a comunidade a serviço da qual se encontra criando as condições para a sua formação e dinamização. - compreender a realidade humana em que vive, a cultura popular brasileira e seus valores humanos e cristãos; - articular todos os seus conhecimentos e habilidades de forma fundamentada, propositiva e construtiva a serviço dos objetivos propostos. Uma formação que contemple essas habilidades e competências, além de atender de forma qualificada a demanda de oferta de pessoas capacitadas na área teológico-pastoral, viabiliza uma ampliação da Teologia associada a uma adequação à realidade atual, 9

10 fundamentada numa compreensão profunda das complexas mudanças no mundo e na Igreja; propor pistas para a superação e solução das dificuldades. 5. METODOLOGIA DO CURSO O método teológico, enquanto fundamento operativo, usado na Faculdade SEDAC é interelacional, conjuga indução com dedução. Um esquema normativo de operação interligado que produz resultados acumulativos e progressivos. O discurso teológico põe em ação uma pluralidade de instâncias que funcionam como pivôs sobre os quais a Teologia se apóia Sagrada Escritura, Fé, Igreja, senso dos fiéis, Tradição, dogma, Magistério, prática eclesial, pluralidade teológica, Filosofia, linguagens, racionalidade e outras ciências onde a metodologia aparece efetivamente como caminho, meio, forma de articulação desses elementos. Sendo assim, a metodologia do curso de Teologia procura atender a quatro níveis de profundidade crescente no processo de formação teológica: 1) Nível das técnicas trata-se de apresentar e fazer com que o aluno compreenda e intere-se dos recursos que usa a ciência teológica, ou seja, os meios e modos para o exercício do pensar teológico. É o nível da pesquisa de material, leitura e interpretação dos textos e da realidade, análise das questões teológicas, organização do material, elaboração de idéias; 10

11 2) Nível do método trata-se da etapa da prática teológica. É o momento da escuta da Palavra (Sagrada Escritura), sua interpretação, a recuperação da Tradição da fé, o direcionamento para a prática; 3) Nível epistemológico é o momento da busca de sua fundamentação crítica e de sua justificação racional, seu alcance e seus limites, enquanto ciência; 4) Nível do espírito teológico é o momento da busca de entender o Mistério. Essa postura atravessa e sustente toda a prática teológica. Busca compreender qual é a largura, comprimento, altura e profundidade do Mistério Divino (Cf. Ef 3,18). Essa é a alma secreta de todo labor teológico. Portanto, a trilha metodológica é de, a partir de uma consciência crítica da realidade, especialmente nos seus contextos mais regionais fazer: a) a escuta da fé (auditus fidei) entrando em contato com a riqueza de conteúdo relacionado à fé ao longo da história. Para tal empreendimento faz-se uso do instrumental técnico e metodológico da Hermenêutica; b) a explicação da fé (intellectus fidei) momento especulativo que busca explicar o conteúdo interno da fé; c) a atualização da fé (applicatio fidei), momento prático de aplicação da fé à vida concreta, projeção luz e atitudes práticas para a realidade. Além disso, na elaboração do currículo levou-se em conta os eixos propostos pelo parecer CNE/CES Nº 118/2009 e parecer CNE/CES Nº 51/2010 quais sejam: 11

12 o eixo teológico, contemplado nas disciplinas da chamada área Sistemática ou Dogmática da reflexão teológica; o eixo filosófico, contemplado nas disciplinas da área da Fundamental, onde se apresentam as bases epistemológicas da ciência teológica e as linhas de pensamento subjacentes às diferentes teologias; o eixo metodológico, também presente nas disciplinas da área da Fundamental e nas disciplinas introdutórias a cada área, nas quais se explicitam os diferentes métodos e estratégias de produção do conhecimento científico-teológico; o eixo histórico, evidenciado nas disciplinas das áreas da Patrologia e da História da Igreja, sempre estudadas em conexão com a história civil e em vista da compreensão dos diversos contextos culturais e históricos; o eixo sócio-político, visibilizado nas disciplinas das áreas da Moral e da Pastoral, que contemplam análises sociológicas, culturais, econômicas e políticas como ponto de partida para a reflexão teológica e para as propostas de ação nos campos da cidadania, da ética, do respeito à vida e nas relações institucionais; o eixo lingüístico, considerado nas disciplinas das áreas da Bíblia e da Liturgia e Sacramentos, estudadas segundo os métodos histórico-crítico e textual, entre outros, com vistas à leitura e à interpretação dos textos sagrados e eclesiásticos e à compreensão do círculo hermenêutico que gira entre a vida e a escritura; o eixo interdisciplinar, que percorre praticamente todas as disciplinas, em seu diálogo com áreas de interface, como a psicologia, a antropologia, o direito, a 12

13 biologia etc.; a título de exemplo, ressaltam-se, entre outros, os seguintes pares de diálogo: a) das disciplinas da área da Bíblia com a lingüística; b) da antropologia teológica com a antropologia social, a antropologia cultural e a psicologia; c) da bioética com o direito e as ciências da saúde; d) da eclesiologia com a sociologia das instituições; e) das disciplinas da área da Liturgia com a antropologia dos ritos e símbolos e com as artes; f) das disciplinas da área da Moral com a ética; g) das disciplinas da História da Igreja com a história em suas diversas eras; h) do direito canônico com a pastoral e o direito civil; i) das disciplinas da área da Pastoral com a comunicação, ação social, gestão de pessoas, administração e contabilidade; por fim, cabe salientar que as disciplinas optativas visam especificamente a interdisciplinaridade e a transdisciplinaridade, enquanto oferecem perspectivas diversas de abordagem do fato religioso em geral e cristão em particular. 6. ITINERÁRIO DA APRENDIZAGEM 6.1. Estrutura Curricular A estrutura curricular proposta, somado a outras atividades complementares visa à formação de um acadêmico com visão integral, com condições de inserção nos lugares teológicos já consagrados de atuação da Teologia e, também, capaz de contribuir em novos contextos diagnosticando-os e construindo coletivamente alternativas de intervenção, tornando o aluno um agente transformador na comunidade. 13

14 Tendo o eixo pastoral como concepção teológica norteadora configura, no itinerário da aprendizagem, primeiro as disciplinas introdutórias, seguidas das disciplinas teológicas sistemáticas e pastorais, depois as optativas e auxiliares. A proposta curricular apresenta elevado comprometimento metodológico, associado a um repensar permanente do cotidiano, aprofundando e complementando conhecimentos que apareçam como indispensáveis ao teólogo. Apresentamos um currículo cujo conteúdo atende às necessidades da sociedade brasileira, nas suas características regionais, permitindo que sejam formadas pessoas qualificadas para atuar junto às comunidades. A elaboração do currículo procurou retratar todas essas considerações. Dessa maneira, as matérias teológico-sistemáticas estão distribuídas também ao longo de todo o currículo, com maior concentração nos primeiros anos. As matérias pastorais estão distribuídas também ao longo de todo o currículo, porém com maior concentração nos últimos anos, capacitando e motivando para o engajamento sócio-pastoral. Ao mesmo tempo, a relação entre a teoria e prática é garantida pela presença dos Estágios Supervisionados de Pastoral no decorrer do curso, o que garante que o princípio orientador que chamamos de eixo da pastoral estará presente em todos os momentos do curso. A cada semestre, o estágio terá um pólo de autocrítica como, por exemplo, didática, metodologia, pedagogia, avaliação que ajudará o aluno a rever seu próprio fazer pastoral. Com as introdutórias, o currículo garante a iniciação filosófica, línguas bíblicas. Os 14

15 seminários e as optativas procuram atender a demanda de temas atuais e pertinentes para a formação do teólogo. No interior das disciplinas teológicas obrigatórias, são contempladas as diversas áreas do saber teológico: Bíblia, Teologia Sistemática, Moral, Teologia da Espiritualidade, Pastoral, História da Igreja, Patrologia, Liturgia, Direito Canônico e Teologia Comparada. Adicionalmente, as atividades práticas e extra-classe são estimuladas de modo a promover o estreitamento da relação sociedade / faculdade. As metodologias de ensino implicam uma constante interação com o campo sócio-pastoral, aproximando o estudante de teologia da realidade da comunidade. A realização desse objetivo prevê trabalhos realizados no âmbito da sociedade e das comunidades religiosas organizadas, previstos na maioria das disciplinas de enfoque pastoral do curso de teologia. A concepção de que o aprendizado em teologia se dá em grande parte pela experiência direta, real e pessoal, é uma das bases mais importantes da orientação didática nas disciplinas aplicativas do curso. Conforme já mencionado anteriormente, a flexibilidade curricular é operacionalizada pela existência das chamadas atividades extracurriculares a serem desenvolvidas, tais como: seminários de apoio, palestras, estágios, viagens, visitas, casos pastorais, etc. A interdisciplinaridade será desencadeada mediante ações curriculares incluídas nas disciplinas específicas, refletindo a filosofia do curso. Adicionalmente, a estratégia de 15

16 incentivo à interdisciplinaridade efetiva prevê práticas de complementação curricular, mediante atividades extra-classe a serem desenvolvidas por meio de Estágio (curricular ou não), participações em simulações como os laboratórios de liturgia, ensaios práticos de pastoral, treinamento em comunicação, além da Pesquisa e da Extensão. Como atividade prática e integradora dos conhecimentos assimilados ao longo do Curso e como reforço à iniciação ao método científico, está previsto o Seminário de Metodologia para elaboração do TCC, cujo término inclui a entrega e apresentação de trabalho escrito. A orientação didática do curso prevê uma visão ampliada do conceito de sala de aula, que deve superar a conformação de professor versus aprendiz, com a efetiva participação do aluno no processo de aprender e a transformação do professor em um facilitador do processo de aprendizagem Avaliação da aprendizagem A avaliação de aprendizagem deve estar alinhada com a tendência de avaliação continuada valorizando critérios qualitativos, com o seu papel de feedback claramente definido, conduzindo para a melhoria do desempenho, ao longo do tempo, bem como para a orientação e visualização dos pontos fortes e fracos dos acadêmicos e sistema de ensino. Haverá, no Plano de Ensino, a previsão do processo de avaliação. 16

17 6.3. Avaliação do Curso O curso deve estar comprometido com a avaliação sistemática, interna, a fim de proporcionar à comunidade acadêmica e aos órgãos envolvidos na gestão do curso condições para as transformações e os ajustes da organização curricular, segundo as necessidades identificadas pelo acadêmico e as mudanças do perfil pastoral, em conseqüência das alterações ocorridas nos cenários da Igreja e da sociedade, bem como de atender às diretrizes fixadas pelo MEC. A avaliação periódica contará com a participação de professores e alunos, sob a coordenação do Coordenador do curso, integrando o Programa de Avaliação da Faculdade em sintonia com a Comissão Própria de Avaliação (CPA). Adicionalmente, poderá contar com o acompanhamento dos egressos, auditorias administrativas e educacionais, centros de pesquisa e órgãos governamentais Currículo Pleno (Área de conhecimento) PROPOSTA CURRICULO PLENO CURSO DE TEOLOGIA - SEMESTRES PRIMEIRO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Introdutório DISCIPLINAS CRÉDITOS CH Fundamentos filosóficos 2 34 História do antigo Israel 2 34 História da Igreja Antiga 4 68 Introdução à Bíblia 4 68 TF I Introdução à Teologia/ Metodol. Teológica

18 TF II Revelação e Fé 2 34 TL I Intr. à Liturgia e aos Sacramentos 2 34 M I Moral Fundamental e Pessoal 4 68 Língua Portuguesa 2 34 Tecnologia da comunicação (Seminário) 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A SEGUNDO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Histórico Exg. I Pentateuco e Livros Históricos 5 85 Hebraico 2 34 TF III A Transmissão da Revelação 4 68 M II Moral Social e Doutrina Social da Igreja 3 51 HI 2 - História da Igreja Medieval 4 68 TL III - Iniciação Cristã Teologia e Liturgia 2 34 Teologia da Vida Religiosa 2 34 Atividades complementares I 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A TERCEIRO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Trinitário Exg. II Literatura Profética 5 85 Grego Bíblico 3 51 TS I Trindade 4 68 M III Bioética 2 34 HI 3 - História da Igreja Moderna 4 68 DC I Direito Cân.: Teologia e Normas Gerais 4 68 Atividades complementares II 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A

19 QUARTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Cristológico Exg. III Literatura Sapiencial e Salmos 5 85 TS II Cristologia 4 68 TL IV Ano Litúrgico e Liturgia das Horas 2 34 HI 4 - História da Igreja Contemporânea 3 51 Past. I - Ação Metodol. E Planejamento 2 34 TS VI - Antropologia Teológica 3 51 M III Moral da Vida Sexual, Matrim. E Familiar 3 51 Atividades complementares III 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A QUINTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Pneumatológico Exegese IV Literatura Sinótica 5 85 HI 5 - História da Igreja na América Latina 2 34 TS III Pneumatologia 2 34 Past. VIII Ecumenismo 2 34 Past. IV Pastoral Urbana 2 34 Fenomenologia Religiosa 2 34 Past. II Catequética 2 34 TS X Patrística 2 34 DC II O Povo de Deus 3 51 Atividades complementares IV 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A SEXTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Elesiológico Exg. V Literatura Paulina e Atos

20 TS IV Eclesiologia 4 68 TS V Mariologia 2 34 TL IV Eucaristia 2 34 Past. V Comunicação e Homilética 2 34 HI 6 - História da Igreja no Brasil e no MT 2 34 DC III Sacramentos 3 51 TS IX Espiritual. do Seguimento de J. Cristo 2 34 Atividades complementares V 2 34 TOTAL CRÉDITOS E CH SETIMO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Escatológico Exg. VI Literatura Joanina e Apocalipse 5 85 TS VII Tratado da Graça 2 34 TL V Penitência e Unção 2 34 TS VIII - Escatologia 2 34 TL VII Sacramentais e Piedade Popular 2 34 Past. IX Estágio Prática Metodologia TCC 2 34 Seminário I Realidade S.P.E.C. Matogrossense 2 34 Atividades complementares VI 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A OITAVO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Missionário Exg. VII Cartas Católicas e Hebreus 5 85 Past III - Direção Espir. e Aconselhamento Pastoral 2 34 Past. VI Administração Paroquial 2 34 Past. VII Missiologia

21 LIBRAS 2 34 TL VI Ordem, Ministérios e Matrimônio 2 34 TCC Seminário II Realidade Eclesial Matogrossense 2 34 Sem. II Arte Sacra 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A TOTAL GERAL CRÉDITOS H/A 60" Carga Horária Total h/a, assim distribuídas: Disciplinas em classe com aulas e atividades pedagógicas h/a Estágio Supervisionado de Pastoral 102 h/a Atividades Acadêmicas-científicas-culturais (Atividades Complementares) 204 h/a Trabalho de Síntese 102 h/a LIBRAS 34 h/a 6.6. Integração de ensino teológico-pastoral As matérias teológica-sistemáticas estão distribuídas a partir do critério propedêutico, assim os dois primeiros semestres, tratam das principais introduções, enquanto nos semestres seguintes (do 3º ao 7º semestres) distribuem-se as matérias mais sistemáticas. 21

22 As outras matérias como Liturgia, Formação Filosófica, História da Igreja, Teologia Moral, Optativas e Pastorais são distribuídas ao longo do Curso. As Atividades Complementares são distribuídas entre o primeiro e o sétimo semestre, enquanto o Estágio Supervisionado de Pastoral está programado para serem realizados entre o terceiro e sexto semestre. A relação entre o ensino teórico e atividade prática é garantido tanto pelos Estágios Supervisionados de Pastoral, que somam 180 horas e as Atividades Complementares que somam 210 horas. As dimensões filosóficas, ecumênicas, missionárias e pastorais catequéticas são integralizadas não apenas nas respectivas matérias específicas, mas também, nos planos de ensino de outras matérias. Os Estágios possuem sua regulamentação no Regimento da Faculdade SEDAC, capítulo II, seção II e com as Normas para Estágio Supervisionado de Pastoral do curso de Teologia aprovadas em Reunião de Colegiado de Curso Espaços institucionais de integração Regulamentada pelos Artigos de sete à vinte e quatro do regimento da Faculdade SEDAC, o Curso adota uma série de critérios didático-pedagógicos para efetuar a distribuição das disciplinas e os espaços institucionais de integração e participação da comunidade acadêmica. Um critério básico é o eixo integrador da pastoral. O fazer Teologia a partir da integração entre conhecimento teológico sistemático e promoção da solidariedade, da justiça e da paz na sociedade, bem como, da promoção das relações interpessoais. 22

23 As atividades e iniciativas neste sentido, sobretudo quando social e eclesialmente organizadas são completadas pela pastoral. Vale lembrar que as fontes bíblicas são excelentes referenciais para integração entre: doutrina e prática, teologia e pastoral, ou revelação e história. A presença marcante da Sagrada Escritura ao longo do currículo promove o diálogo com as disciplinas sistemáticas e pastorais. Um segundo critério é o que convencionamos chamar de eixo de conteúdo transversal. Esse eixo serve à articulação de disciplinas com interface. Os semestres possuem pólos de aglutinação de conteúdo, isso ajuda o aluno a elaborar sua síntese e possa praticar a interdisciplinaridade teológica necessária para não se tornar refém de uma visão fragmentada da teologia e da realidade. a) Colegiado de Curso O colegiado do Curso de Teologia da Faculdade SEDAC obedece às orientações do Regimento da Faculdade: Art. 13. O Colegiado de Curso, vinculado à respectiva Coordenadoria, é o órgão deliberativo em assuntos de administração, ensino, pesquisa e extensão do respectivo curso, ressalvada a competência do Conselho Superior. Parágrafo único. Haverá um Colegiado para cada curso. Art. 14. Integram cada Colegiado de Curso: I - o coordenador de Curso, seu presidente; 23

24 II - dois representantes docentes que participem do ensino no respectivo curso, eleitos por seus pares, para mandato de dois anos, admitindo-se uma recondução; III - um representante discente regularmente matriculado no respectivo curso, eleito por seus pares, para mandato de um ano, admitindo-se uma recondução. compete: Art. 15. Ao Colegiado de Curso, observada a orientação geral do CONSUP, I - aprovar novos projetos pedagógicos de curso incluindo currículos e ementários e programas de educação superior, assim como eventuais modificações, observadas as respectivas diretrizes curriculares, ad referendum do CONSUP; II - coordenar e supervisionar as atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do curso que representa; III - aprovar normas para elaboração, aprovação e acompanhamento de planos de ensino, programas e projetos de pesquisa e iniciação científica, produção artística e cultural, e atividades de extensão; curso; IV - coordenar e supervisionar os planos e atividades didático-pedagógicas do V - aprovar os planos de ensino das disciplinas do curso; VI - coordenar o planejamento, elaboração, execução e acompanhamento do projeto pedagógico do curso, propondo, se necessário, alterações; 24

25 VII - emitir parecer sobre projetos de ensino, pesquisa e extensão vinculados à coordenadoria do curso; VIII - participar da administração acadêmica e administrativa do curso, assessorando o Diretor Geral, o Vice-Diretor Acadêmico e o Vice-Diretor Administrativo e demais dirigentes, no desempenho de suas funções; IX - propor ao Conselho Superior normas de funcionamento e verificação do rendimento acadêmico para estágio, trabalho de conclusão e de disciplinas com características especiais do curso; X - propor aos conselhos superiores e demais órgãos da FACULDADE SEDAC, medidas e normas referentes às atividades acadêmicas, disciplinares, administrativas e didático-pedagógicas, necessárias ao bom desempenho e qualidade do curso; XI - sugerir medidas que visem ao aperfeiçoamento e desenvolvimento das atividades da Instituição, bem como opinar sobre assuntos pertinentes que lhe sejam submetidos pelo Diretor Geral; XII - julgar os recursos oriundos de questões sobre frequência, provas, exames e trabalhos acadêmicos; XIII - zelar pela fiel execução dos dispositivos regimentais e demais regulamentos e normas da FACULDADE SEDAC; 25

26 XIV - exercer outras atribuições, decorrentes de lei e deste Regimento, em matéria de sua competência. Art. 16. O Colegiado de Curso reunir-se-á, ordinariamente, a cada dois meses, e, extraordinariamente, quando convocado pelo Coordenador, pelo Diretor Geral ou mediante requerimento assinado por 1/3 de seus membros. b) Centro Acadêmico O Centro Acadêmico promove encontros culturais e atividades, bem como, procura ver a questão dos direitos estudantis entre outras atividades. Com isso, é facilitador da participação e integração da IES. c) Semana Teológica No primeiro semestre do ano acadêmico acontece a Semana Teológica. Espaço no qual os alunos e professores, com apoio da coordenação, promovem estudos, seminários e atividades culturais abertos para a comunidade. São temas atuais de interesse e aprofundamento teológico que promovem a integração e participação. d) Porosidade e Flexibilidade curricular A flexibilidade curricular é operacionalizada pela existência das atividades complementares, tais como: semanas teológicas, palestras, estágios, viagens, visitas, casos pastorais, etc. Destaca-se, nesse caso a Semana Teológica realizada anualmente. Também os seminários atendem aos princípios da atualização, flexibilidade e integração. A 26

27 determinação do conteúdo dessas disciplinas correspondem ao interesse e necessidades dos estudantes que manifestam seu interesse, bem como os professores e mesmo a comunidade, com o intuito de complementar a formação teológica-pastoral e humana. As reuniões pedagógicas dos professores é um espaço de progressivo trabalho de interdisciplinaridade e de capacitação didático-pedagógica. O intercâmbio de Planos de Ensino é um instrumento válido para o melhor entrosamento e partilha dos professores. e) Relação de docentes por disciplina PRIMEIRO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Introdutório DISCIPLINAS CRÉDITOS CH Fundamentos filosóficos 2 34 Marivelto Xavier Leite História do antigo Israel 2 34 Marciano José Cé História da Igreja Antiga 4 68 Luis Izidoro Molento Introdução à Bíblia 4 68 Juarez Dornelles de Oliveira TF I Introdução à Teologia/ Metodol. Teológica 2 34 Edson Sestari TF II Revelação e Fé 2 34 Wagner Stephan de Azevedo TL I Intr. à Liturgia e aos Sacramentos 2 34 Jair Fante M I Moral Fundamental e Pessoal 4 68 Antenor Petini Língua Portuguesa 2 34 Marivelto Xavier Leite Tecnologia da comunicação (Seminário) 2 34 Jair Fante TOTAL CRÉDITOS E H/A SEGUNDO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Histórico Exg. I Pentateuco e Livros Históricos 5 85 Rosimar de Lima Dias 27

28 Hebraico Bíblico 2 34 Rosimar de Lima Dias TF III A Transmissão da Revelação 4 68 Overland de Morais Costa M II Moral Social e Doutrina Social da Igreja 3 51 Marciano José Cé HI 2 - História da Igreja Medieval 4 68 Overland de Morais Costa TL III - Iniciação Cristã Teologia e Liturgia 2 34 Jair Fante Teologia da Vida Religiosa 2 34 Nedio Pertile Atividades complementares I 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A TERCEIRO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Trinitário Exg. II Literatura Profética 5 85 Juarez Dornelles de Oliveira Grego Bíblico 3 51 Rosimar de Lima Dias TS I Trindade 4 68 Nedio Pertile M III Bioética 2 34 Marciano José Cé HI 3 - História da Igreja Moderna 4 68 Luis Izidoro Molento DC I Direito Cân.: Teologia e Normas Gerais 4 68 Paulo Ricardo de Azevedo Junior Atividades complementares II 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A QUARTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Cristológico Exg. III Literatura Sapiencial e Salmos 5 85 Juarez Dornelles de Oliveira TS II Cristologia 4 68 Nédio Pertile TL IV Ano Litúrgico e Liturgia das Horas 2 34 Jair Fante HI 4 - História da Igreja Contemporânea 3 51 Luis Izidoro Molento Past. I - Ação Metodol. E Planejamento 2 34 Antenor Petini TS VI - Antropologia Teológica 3 51 Edson Sestari M III Moral da Vida Sexual, Mat. e Familiar 3 51 Marciano José Cé 28

29 Atividades complementares III 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A QUINTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Pneumatológico Exegese IV Evangelhos Sinoticos 5 85 Juarez Dornelles de Oliveira HI 5 - História da Igreja na América Latina 2 34 Wagner Stephan de Azevedo TS III Pneumatologia 2 34 Nedio Pertile Past. VIII Ecumenismo 2 34 Raimundo Nonato da Silveira Barbosa Past. IV Pastoral Urbana 2 34 Raimundo Nonato da Silveira Barbosa Fenomenologia Religiosa 2 34 Nedio Pertile Raimundo Nonato da Silveira Past. II Catequética 2 34 Barbosa TS X Patrística 2 34 Overland de Morais Costa DC II O Povo de Deus 3 51 Paulo Ricardo de Azevedo Junior Atividades complementares IV 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A SEXTO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Elesiológico Exg. V Literatura Paulina e Atos 5 85 Juarez Dornelles de Oliveira TS IV Eclesiologia 4 68 Wagner Stephan de Azevedo TS V Mariologia 2 34 Overland de Morais Costa TL IV Eucaristia 2 34 Jair Fante Past. V Comunicação e Homilética 2 34 Wagner Stephan de Azevedo HI 6 - História da Igreja no Brasil e no MT 2 34 Wagner Stephan de Azevedo DC III Sacramentos 3 51 Paulo Ricardo de Azevedo Junior TS IX Espiritual. do Seguimento de J. Cristo 2 34 Antenor Petini Atividades complementares V 2 34 TOTAL CRÉDITOS E CH

30 SETIMO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Escatológico Exg. VI Literatura Joanina e Apocalipse 5 85 Juarez Dornelles de Oliveira TS VII Tratado da Graça 2 34 Edson Sestari TL V Penitência e Unção 2 34 Jair Fante TS VIII - Escatologia 2 34 Overland de Morais Costa TL VII Sacramentais e Piedade Popular 2 34 Jair Fante Past. IX Estágio Prática Antenor Petini Metodologia TCC 2 34 Edson Sestari Seminário I Realidade S.P.E.C. Matogrossense 2 34 Wagner Stephan de Azevedo Atividades complementares VI 2 34 TOTAL CRÉDITOS E H/A OITAVO SEMESTRE Eixo de conteudo transversal: Missionário Exg. VII Cartas Católicas e Hebreus 5 85 Rosimar de Lima Dias Past III - Direção Espir. e Aconselhamento Pastoral 2 34 Edson Sestari Past. VI Administração Paroquial LIBRAS Past. VII Missiologia 2 34 Antenor Petini TL VI Ordem, Ministérios e Matrimônio 2 34 Jair Fante TCC Antenor Petini, Edson Setari, Jair Fante, Juarez D. de Oliveira, Luiz Izidoro Molento, Marciano José Cé, Nedio Pertile, Overland de M. Costa, Rosimar de Lima Dias, Wagner Stephan de Azevedo Seminário II Realidade Eclesial Matogrossense 2 34 Wagner Stephan de Azevedo Sem. II Arte Sacra 2 34 Overland de Morais Costa 30

31 TOTAL CRÉDITOS E H/A TOTAL GERAL CRÉDITOS H/A 60"

32 7. EMENTAS, OBJETIVOS, CONTEÚDOS E BIBLIOGRAFIAS BÁSICAS E COMPLEMENTARES DAS DISCIPLINAS SE 01 - INTRODUÇÃO À BÍBLIA (4c) A - SAGRADA ESCRITURA EMENTA A disciplina oferecerá uma incursão no mundo da Bíblia em dois tempos. Inicialmente, a Bíblia será compreendida desde seu conjunto, como biblioteca de diversos livros e gêneros literários, a qual descreve a formação e a missão do povo de Israel e das comunidades cristãs em meio a outros povos. Tratar-se-á, neste primeiro momento, de compreender a Bíblia desde a tradição judaico-cristã. O curso centrar-se-á na metodologia de leitura da Bíblia, quanto à inspiração, aos métodos tradicionais e modernos de exegese, com ênfase no método histórico-crítico, nos critérios de interpretação e na atualidade da Palavra revelada. Em um segundo momento, a Bíblia será estudada a partir dos eventos referenciais de cada testamento, tendo a figura de Jesus de Nazaré como evento referencial do segundo testamento, e o evento do Êxodo como referencial do primeiro testamento. À luz destes dois eventos, serão estudadas as etapas mais importantes da história do povo de Israel e da história de Jesus e de seus seguidores, narrada nos livros do segundo testamento. OBJETIVO GERAL Abrir a porta do mundo da Bíblia para que os acadêmicos tenham uma compreensão básica sobre a história da composição dos livros, a definição do cânon, a história do povo de Deus, a metodologia e critérios de leitura, possibilitando uma visão geral do Antigo e do Novo Testamento. OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Orientar para uma leitura crítica e histórico-literária que ajude superar interpretações fundamentalistas e ideológicas da Bíblia; b) Mostrar que a palavra escrita na Bíblia é uma Palavra viva de Deus que continua falando hoje. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. A Bíblia como conjunto de Livro(s) 1.1 Palavra de Deus palavra humana. Bíblia como literatura. Gêneros e formas literárias. 1.2 História da formação dos vários livros. Texto original e versões. 1.3 História da formação do Cânon AT e NT. Bíblia Hebraica, Católica, Evangélica!? 32

33 1.4 Como ler a Bíblia. Exegese, hermenêutica, inspiração. Princípios/métodos tradicionais e modernos da interpretação. 1.5 A vida e fé do povo como origem da sagrada escritura. 1.6 Como ler, entender, rezar e atualizar a Palavra Divina hoje? Interpretações insidiosas em vigor no mundo religioso de hoje, abuso da Palavra. Tradição e Escritura na Igreja Católica - a função do magistério. 2. O Novo Testamento 2.1 Evangelhos, Epístolas de Paulo, Epístolas Católicas, Apocalipse - gêneros literários diferentes. 2.2 A história e o processo de formação dos vários livros. 2.3 O Evento referencial: Jesus de Nazaré. Cada obra, atualizando a mensagem e a pessoa d Ele, respondendo ás dificuldades dos primeiros seguidores d Ele. 2.4 Análise simples de alguns livros. 2.5 O contexto geográfico, histórico, social, político e religioso do mundo do novo testamento. 3. O Antigo Testamento 3.1 As etapas mais importantes da história do povo de Israel patriarcas/matriarcas, êxodo, tribos/juízes, monarquia reino unido, reino dividido Israel/Judá, exílio, retorno. 3.2 Os povos vizinhos e impérios dominantes nesta caminhada do povo. Significado da terra/geografia uso dos mapas bíblicos. 3.3 O nascimento/surgimento, transmissão oral, redação inicial aleatória e redação final da história sagrada do povo de Israel neste contexto. 3.4 Os blocos chaves do Antigo Testamento e suas características: Pentateuco. Livros históricos. Livros proféticos. Livros sapienciais e poéticos. Novelas e apocalíptica. BIBLIOGRAFIA BÁSICA GRASS, Ildo Bohn. Porta de Entrada. Col.: Uma introdução à Bíblia, v. 1. São Paulo: Paulus, São Leopoldo-RS: CEBI, KONINGS, Johan. A Bíblia nas suas origens e hoje, 5ª ed. Petrópolis: Vozes, PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA, A Interpretação da Bíblia na Igreja, em Documentos da Igreja, v. 10. São Paulo: Paulus, 2005, p BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Crescer na leitura da Bíblia, 3ª ed. Col.: Estudos da CNBB, n. 86. São Paulo: Paulus,

34 CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI VERBUM SOBRE A REVELAÇÃO DIVINA, em Compêndio do Vaticano II: constituições, decretos, declarações. Petrópolis: Vozes, 1968; em Documentos da Igreja, v. 7. São Paulo: Paulus, 1997, p HARRINGTON, Wilfrid J. Chave para a Bíblia: a revelação, a promessa, a realização. São Paulo: Paulinas, MESTERS, Carlos. Por trás das palavras: um estudo sobre a porta de entrada do mundo da Bíblia. Petrópolis: Vozes, 1974/1975 (2ª ed.) MESTERS, Carlos. Deus onde estás?: uma introdução prática à Bíblia. Petrópolis: Vozes, 1987, 8ª ed./ 1997, 10ª ed.; Belo Horizonte: Vega, SCHLAEPFER, C. F.; OROFINO, F. R.; MAZZAROLO, I. A Bíblia: introdução historiográfica e literária. Col.: Iniciação à Teologia, v. 5. Petrópolis: Vozes, WOLFF Hans Walter. Bíblia Antigo Testamento: introdução aos escritos e métodos de estudo, 3ª ed. São Paulo: Paulinas, 2003 / Paulus; Teológica, 2003 SE 02 - HISTÓRIA DO ANTIGO ISRAEL (2c) EMENTA O curso proporcionará uma visão conjunta da história do Antigo de Israel no contexto das civilizações do Oriente Médio, com vistas a conhecer tal história, a dos povos vizinhos e os impérios que dominaram sobre a Palestina no primeiro século a.c., como subsídio fundamental para o estudo da Bíblia e a devida compreensão da ação de Deus na história do povo de Israel. OBJETIVO GERAL Conhecer a história de Israel como subsídio essencial para o estudo da Bíblia e a devida compreensão de sua mensagem. OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Favorecer aos acadêmicos o conhecimento do contexto humano, sócio cultural, político e econômico dos povos, que influenciaram na origem, na organização e no processo de formação do povo de Israel. b) Oferecer aos acadêmicos subsídios para a compreensão do sentido dos fatos e dos acontecimentos históricos do povo de Israel. c) Confrontar o que dizem os historiadores e os arqueólogos com a história dita, contada e escrita pelo povo de Deus na Bíblia. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: Bíblia e história 2. O Oriente Antigo antes de 2000 a.c Fundamentos da civilização do Antigo Oriente: Período Paleolítico e Período Neolítico 2.2. Desenvolvimento cultural na Era Calcolítica na Mesopotâmia 2.3. O Egito e a Palestina no quarto milênio a.c. 34

35 3. O Oriente Antigo no terceiro milênio a.c Mesopotâmia e a Idade Clássica Sumeriana, os Acádios 3.2. O Egito e a Ásia Ocidental no Terceiro Milênio a.c. 3.3.O Antigo Oriente pouco antes da Idade Patriarcal: Queda do Império de Akkad e a Renascença Sumeriana 3.4. O Egito no primeiro Intermédio e a invasão dos semi-nômades asiáticos 3.5. Canaã (Palestina) e os invasores nômades 4. A Idade Patriarcal e o mundo das origens de Israel 4.1. Mesopotâmia: a queda da terceira dinastia de Ur 4.2. Os povos ocidentais: os amoritas 4.3. As Cidades-Estado da Baixa e Alta Mesopotâmia: Isin, Larsa, Mari e Assíria (Assur) 4.4. O Egito no Império Médio 4.5. Palestina: os amonitas e os canaanitas 4.6. Última parte do período patriarcal: os hicsos no Egito; os hurrianos na Mesopotâmia; os povos do norte na Palestina (Canaã) 4.7. Os Patriarcas: as narrativas; o ambiente das narrativas; as migrações dos patriarcas; os patriarcas como figuras históricas e sua religião 5. A formação do povo de Israel: êxodo, libertação e conquista de Canaã 5.1.O império egípcio na última Idade do Bronze e o Período de Amarna 5.2. Canaã no século XIII a.c.: a cultura, a religião e a política 5.3. Êxodo: as tradições bíblicas e as evidências históricas 5.4. A conquista da Palestina: as tradições e os grupos 5.5. Israel como Nação de Tribos : constituição e religião do Israel primitivo 6. A monarquia de Israel 6.1.Da Confederação Tribal ao Estado Dinástico Saul: a defesa das tribos Davi: Monarquia unida ( a 961 ac.) Salomão: unidade monárquica de Israel (+ 961 a 922) 6.2. Os reinos independentes O reino de Judá e a dinastia davídica O reino de Israel e as dinastias de Amri (Omri) e Jeú 7. Israel e Judá sob o domínio estrangeiro: crise e decadência da monarquia 7.1. A conquista do império assírio (824 a 612 ac.) 7.2. A guerra siro-efraimita 7.3. O rei Ezequias: a luta pela independência de Judá 7.4. A queda de Israel e a subjugação de Judá 7.5. A decadência do império assírio e a reforma do rei Josias em Judá 8. O império babilônico e o fim do Estado de Judá 8.1. O período da dominação dos babilônios 35

36 8.2. O exílio e o profeta Jeremias 8.3. Os deportados e os profetas Ezequiel e o Segundo Isaías 8.4. Os remanescentes e sua resistência 9. O império persa e o retorno dos exilados (538 a 333 a.c.) 9.1. O início da restauração de Jerusalém e as cidades de Judá 9.2. A reforma de Esdras e Neemias e a resistência popular 9.3. A reorganização da comunidade judaica: a formação do judaísmo 9.4. A comunidade judaica no séc. V a.c. 10. O Império Grego e o período da dominação helenística O domínio de Alexandre Magno e a divisão do império A Palestina e a Judéia sob os Lágidas ( a.c.) A Palestina e a Judéia sob os Selêucidas ( a.c.) A guerra dos Macabeus e o governo Hasmoneu ( a.c.) 11. A dominação romana sobre Israel de 63 a.c. a 135 d.c O império romano e seu domínio político, militar e econômico A religião do império: Roma e os cultos O governo dos Herodes na Palestina O poder do Sinédrio em Jerusalém A divisão política da Palestina A sociedade judaica: os grupos sociais políticos, religiosos e populares BIBLIOGRAFIA BÁSICA BALANCIM, Euclides Martins. História do Povo de Deus. São Paulo: Paulinas, BRIGTH, John. História de Israel. São Paulo: Paulus, GIBERT, Pierre. A Bíblia na origem da história. São Paulo: Paulinas, PIXLEY, Jorge. A história de Israel a partir dos pobres. Petrópolis: Vozes, SCHLAEPFER, Carlos Frederico; OROFINO, Francisco Rodrigues; MAZZAROLO, Isidoro. A Bíblia: introdução historiográfica e literária. Col.: Iniciação à Teologia, v. 5. Petrópolis: Vozes, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BO REICKE, Ivar. História do Tempo do Novo Testamento: o mundo bíblico de 500 a.c. até 100 d.c. São Paulo: Paulus, COMBY, Jean e LéMONON, Jean Pierre. Vida e Religiões do Império Romano no tempo das Primeiras Comunidades Cristãs. Col.: Documento do Mundo da Bíblia, nº 4. São Paulo: Paulinas, GASS, Ildo Bohn (Org.). Período Grego e Vida de Jesus. Col.: Uma introdução à Bíblia, v. 6. São Leopoldo, RS: CEBI; São Paulo: Paulus, GASS, Ildo Bohn (Org.). Exílio Babilônico e Dominação Persa. Col.: Uma introdução à Bíblia, v. 5. São Leopoldo, RS: CEBI; São Paulo: Paulus,

37 GASS, Ildo Bohn (Org.). Formação do Império de Davi e Salomão, 2ªed. Col.: Uma introdução à Bíblia, v. 3. São Leopoldo, RS: CEBI; São Paulo: Paulus, GASS, Ildo Bohn (Org.). Formação do Povo de Israel, 5ª ed. Col.: Uma Introdução à Bíblia, v. 2. São Leopoldo, RS: CEBI; São Paulo: Paulus, GASS, Ildo Bohn (Org.). Reino Dividido. Col.: Uma introdução à Bíblia, v. 4. São Leopoldo, RS: CEBI; São Paulo: Paulus, PEREGO, Giacomo. Atlas bíblico interdisciplinar: escritura, história, geografia, arqueologia, teologia. São Paulo: Paulus; Aparecida, SP: Santuário, SE 03 - EXEGESE I: PENTATEUCO E LIVROS HISTÓRICOS (6c = 108 h-a) EMENTA A experiência do Êxodo ocupa um lugar central na literatura bíblica, sobretudo no Pentateuco e na obra historiográfica deuteronomista. A disciplina oferecerá aos acadêmicos o processo da formação do povo israelita, composto de diversos grupos étnicos, que realizaram a aliança entre si e com YHWW, estendendo-se até o séc. V a.c. Tal experiência histórica condicionante da formação povo bíblico será apresentada por meio do estudo das tradições do Pentateuco e da obra historiográfica deuteronomista, a saber, os livros, sua estrutura, suas tradições, seus personagens, os lugares e as teologias subjacentes. Ao colocar em relevo a centralidade do evento do Êxodo, como experiência fundante do Pentateuco, o curso oferece ainda uma ampla visão das fontes da fé vetero-testamentária em sua unidade e diversidade, bem como a sua projeção sobre o Novo Testamento e a vida da Igreja. OBJETIVO GERAL Fornecer aos acadêmicos as chaves de leitura sócio-históricas e sócio-literárias, para a compreensão do Pentateuco e dos Livros Históricos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Levar os acadêmicos à compreensão da história e do processo de composição e de investigação do Pentateuco, de modo a considerá-lo como produto literário redigido e relido no decurso de vários séculos; b) Oportunizar aos acadêmicos exercícios de exegese que permitam visualizar o conjunto chamado Pentateuco e os dezesseis livros históricos a partir de textos-chave. c) Despertar nos acadêmicos o gosto pela literatura bíblica como luz da caminhada do Povo de Deus de ontem e de hoje. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Visão de conjunto da matéria: cinco livros do Pentateuco e dezesseis Livros Históricos. 2. Chaves de Leitura para o estudo do Pentateuco e da Obra Historiográfica Deuteronomista: eixos temáticos e história da redação. 37

PER CÓDIGO DISCIPLINA TIP CR

PER CÓDIGO DISCIPLINA TIP CR PERIODIZAÇÃO PER CÓDIGO DISCIPLINA TIP CR 1 TEO 1240 Introdução ao Pensar Teológico OC 4 1 LET 1910 Análise e Produção de Texto Acadêmico OC 4 1 TEO 1321 Introdução Geral à Sagrada Escritura OC 4 1 TEO

Leia mais

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência.

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Este estudo foi feito para lhe dar uma prévia de como funcionará seu ingresso no SALT- IAENE caso seja aprovado

Leia mais

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE TEOLOGIA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina I II III IV Pré Req. Carga Horária

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

escola de Ieologia em casa

escola de Ieologia em casa "#$%&'()*+)",-./.0123.456378 CURSO LIVRE DE TEOLOGIA Modalidade Bacharelato em Curso Livre 10 módulos básicos [12 unidades] Disciplinas do Curso Livre de Teologia da ETC e aulas planejadas: # Tema da disciplina

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno.

Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno. Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno. 1 SUMÁRIO 1) Servo de Cristo e a legislação vigente 03 2) Cursos e suas nomenclaturas (Mestre em Divindade- M.Div. e

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA Estudo de fundamentos, princípios, métodos e técnicas de pesquisa científica. Trabalhos acadêmicos: organização, normas, formas de redação e comunicação.

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Pós-graduação em Missões

Pós-graduação em Missões Pós-graduação em Missões Diretor Executivo Pr. Ricardo Chen (Reitor) Diretor Acadêmico Prof. Ziel Machado Cooperador e parceiro Prof. Marcos Amado 1) Servo de Cristo e a legislação vigente O Servo de Cristo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Diurno - Vocacionados

Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Diurno - Vocacionados Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Diurno - Vocacionados Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 18/2006 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, Bacharelado,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento das Atividades Práticas da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES PRÁTICAS DA FACULDADE

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

FACERB Faculdade Cenecista de Rio Bonito Credenciada pela Portaria Ministerial nº 57/09 de 13/01/2009.Publicada no D.O.U.

FACERB Faculdade Cenecista de Rio Bonito Credenciada pela Portaria Ministerial nº 57/09 de 13/01/2009.Publicada no D.O.U. REGULAMENTO DO NÚCLEO PROFISSIONAL PRÁTICO E ACADÊMICO NUPPAC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo Profissional Prático e Acadêmico - NUPPAC é um órgão executivo subordinado a Direção

Leia mais

Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Noturno.

Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Noturno. Programa: Master of Divinity in Biblical Studies/Pastoral Studies (M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais). Noturno. 1 SUMÁRIO 1) Servo de Cristo e a legislação vigente 03 2) Cursos e suas nomenclaturas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Serviço

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais