A interdisciplinaridade no curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba: um estudo inicial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A interdisciplinaridade no curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba: um estudo inicial"

Transcrição

1 A interdisciplinaridade no curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba: um estudo inicial Líliam Maria Born Martinelli (Faculdades Integradas Santa Cruz. FARESC Ivana Suski Vicentin (Faculdades Integradas Santa Cruz. FARESC Eixo temático: Institucionalização da Interdisciplinaridade RESUMO O presente artigo é resultado de uma pesquisa junto a alunos e professores do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, de modo especial alunos do quarto período e observações informais com alunos do segundo período, a respeito das concepções de ambos sobre interdisciplinaridade. O trabalho desenvolveu-se com a busca das concepções de autores renomados em termos de Brasil, bem como na coleta de ideias por meio de questões aos alunos e professores. Percebeu-se a aproximação das concepções e, a partir disso, a possibilidade de sugestão de continuidade da pesquisa. Palavras-chave: concepção de interdisciplinaridade, pedagogia, prática interdisciplinar. 1. INTRODUÇÃO Partindo-se do pressuposto que a palavra interdisciplinaridade tem estado muito presente nas colocações orais ou escritas dos alunos e de professores dos diferentes níveis de atuação, lançaram-se questões a respeito das possíveis concepções de interdisciplinaridade bem como o desenvolvimento de práticas interdisciplinares no curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba. Emerge aí uma questão mais profunda: como a interdisciplinaridade aparece no desenvolvimento das disciplinas do curso de Pedagogia, bem como seus impedimentos e possibilidades de avanços? Na formação continuada dos professores percebe-se interesse, preocupação e empenho dos mesmos em buscar estratégias capazes de incentivar os alunos a adotar uma visão sistêmica, tanto da realidade quanto do conhecimento possibilitando um bem pensar (MORIN, 2013). No entanto, observa-se ainda a dificuldade no desenvolvimento da disciplina de forma interdisciplinar. 1

2 Por outro lado, nas turmas encontram-se alunos que já desenvolvem práticas interdisciplinares no estágio ou que as vivenciaram em seus espaços escolares anteriores ao Ensino Superior. Mas também há aqueles que demonstram dificuldade em abrir-se para algo diferente do ensino tradicional. Considerando o contexto atual pode-se afirmar que é urgente a instauração de práticas que superem o ensino tradicional. É preciso preparar o formador para que ele se forme continuamente. Como afirma Morin (2000), é necessária a reforma da educação e ela não acontece sem a reforma do pensamento. Ambas devem ser simultâneas. Dessa forma, o momento é propício, pois o curso encontra-se em fase de reestruturação curricular o que facilita a abertura ao questionamento, debate e estudos a respeito. Para o desenvolvimento da presente pesquisa foram consultadas obras de Fazenda (2012), Morin (2000) para definir e ajustar o discurso teórico a respeito do que se pode entender sobre interdisciplinaridade. Por meio da proposição de uma questão foram coletadas ideias, a respeito do que entendem por interdisciplinaridade, junto aos alunos de uma turma de quarto período do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz. Nesse mesmo propósito também coletadas ideias sobre as concepções dos professores do referido curso. Sendo este um estudo inicial não se tem a pretensão de desenvolver uma análise profunda, mas sim explorar o meio e assim iniciar um processo de reflexão sobre como tal processo pode ter avanços tanto para os alunos quanto para os professores. O artigo se desenvolverá apresentando as concepções de interdisciplinaridade para Fazenda, Morin e outros autores; a interdisciplinaridade no Projeto Politico Pedagógico no curso de Pedagogia das Faresc e, por fim, os resultados da coleta de dados a respeito das concepções dos alunos e professores. 2. AS CONCEPÇÕES DE INTERDISCIPLINARIDADE EM AUTORES CONTEMPORÂNEOS A interdisciplinaridade tem sido cogitada, falada, exaltada /execrada e por fim, aceita nos processos educacionais brasileiros desde o final da década de É importante destacar que se diz aceita, mas nem sempre desenvolvida e presente no cotidiano das salas de aula das escolas brasileiras. Fazenda, desde a década de 1970, em plena ditadura militar, interessa-se pelo estudo da interdisciplinaridade e a partir disso desenvolve estudos que se convertem em sua dissertação e depois tese de doutoramento. Fazenda (2012) deixa evidente a dificuldade de obter uma educação adequada às mudanças de contexto advindas com o desenrolar do século XX. De modo especial, destaca o desenvolvimento da ciência no que se refere à percepção de que o que se esperava demasiadamente ordeiro e certo, mostrou-se em desordem e incerto. Ou seja, fala-se aqui da percepção de que tudo funcionava de 2

3 forma sistêmica e que não seria mais possível admitir a ausência de relações de interdependência entre os diversos elementos formadores do ambiente e também da sociedade. Diz Fazenda (2012, p. 15): Parece-me que o grande dilema que vem se propondo desde o final da Segunda Grande Guerra teria, por assim dizer, o seguinte perfil simplificado: a ciência questionada em suas objetividades não encontra pátria nas atuais subjetividades. A verdade paradigmática da objetividade tem sido substituída pelo erro e pela transitoriedade da ciência. Essa provisoriedade da verdade e da ciência, por conseguinte, vai nos permitir anunciar a possibilidade de um real encontro entre ciência e existência. A autora faz questão de desenvolver seu pensamento sobre a dicotomia ciência/existência, entre outras, gerada pela forma fragmentada de ver o mundo oriunda do pensamento clássico da Modernidade. Mostra que o avanço da própria ciência fez aparecer espaços para tal questionamento. Para tanto, a mesma faz uma viagem aos primórdios da humanidade com destaque aos gregos, de modo especial Sócrates e sua sempre lembrada frase: Conhece-te a ti mesmo. A sua intenção é recordar que a totalidade já foi um dia o modo de ver a realidade e que a mesma foi perdida na medida em que o homem assumiu sua razão como detentora das verdades excluindo a alma, o corpo, a subjetividade natural do ser humano. Na continuidade, Fazenda aponta aspectos históricos da interdisciplinaridade no mundo e mostra que, no Brasil tal processo seguiu, basicamente, o seguinte trajeto: 1970 procurávamos uma definição de interdisciplinaridade; 1980 tentávamos explicitar um método para a interdisciplinaridade; 1990 estamos partindo para a construção de uma teoria da interdisciplinaridade. (FAZENDA, 2012, p. 18) Ou seja, há um processo de construção da compreensão da interdisciplinaridade que passa também pelas ações pedagógicas condizentes. No entanto, Fazenda chama a atenção para os insucessos ocorridos nesse processo, os quais se relacionam à inclusão da interdisciplinaridade na reforma educacional de 1970 sem a necessária reflexão sobre a mesma gerando problemas que dificultaram e estagnaram o processo: A alienação e o descompasso no trato das questões mais iniciais e primordiais da interdisciplinaridade provocaram não apenas o desinteresse, por parte dos educadores na época, em compreender a grandiosidade de uma proposta interdisciplinar, como contribuiu para o empobrecimento do conhecimento escolar. O barateamento das questões do conhecimento no projeto educacional brasileiro da década de 1970 conduziu a um esfacelamento da escola e das disciplinas. À pobreza teórica e conceitual agregaram-se outras tantas que somadas condenaram a educação a 20 anos de estagnação. (FAZENDA, 2012, p. 26) Ainda nesse sentido Fazenda mostra o que ocorreu na década de 1990 em relação à interdisciplinaridade na educação brasileira. Tal preocupação a autora manifesta quando diz: A contradição maior encontrei na proliferação indiscriminada das práticas intuitivas, pois os educadores perceberam que não é mais possível dissimular o fato de a interdisciplinaridade constituirse na exigência primordial da proposta atual de conhecimento e de educação. (...) O número de projetos educacionais que se intitulam interdisciplinares vem aumentando no Brasil, numa progressão geométrica, seja em instituições públicas ou privadas, em nível de escolas ou de sistema de ensino. Surgem da intuição ou da moda, sem lei, sem regras, sem intenções explicitas, apoiando-se numa literatura provisoriamente difundida. 3

4 Em nome da interdisciplinaridade abandonam-se e condenam-se as rotinas consagradas, criam-se slogans, apelidos, hipóteses de trabalho muitas vezes improvisados e impensados. (FAZENDA, 2012, pp ) E assim Fazenda relata a história da interdisciplinaridade no Brasil e vai discutir, nessa mesma obra, os aspectos relativos à concepção e à prática pedagógica nascente nesse processo. No entanto, o objetivo maior da presente pesquisa não está apenas na dimensão histórica, pois ela é de extrema necessidade quando se quer estudar tal processo no contexto atual: segunda década do século XXI, elevada tecnologia, mundo globalizado, sociedade da informação e a necessidade de uma educação que torne as pessoas capazes de pensar, compreender e agir na sociedade e em prol do coletivo e também do individual. Como se pode perceber, a interdisciplinaridade emerge em função das grandes mudanças tanto na ciência quanto na sociedade no decorrer do século XX. Tais mudanças exigiram um olhar além das certezas tanto sobre a ciência quanto à realidade como um todo. Considera-se então a possibilidade de trazer para a reflexão o Pensamento Complexo de Edgar Morin. A visão complexa de mundo (LE MOIGNE; MORIN, 2000) indica que é preciso identificar e compreender as relações existentes entre os diferentes elementos que compõem a realidade e assim trabalhar com a constante mudança do todo, pois as diferentes possibilidades de relações existentes entre seus elementos permitem que o todo esteja em constante mudança sendo por vezes mais e, por vezes, menos que a simples soma de suas partes. É o principio sistêmico ou organizacional. Associado a esse principio encontram-se outros seis que consistem no modo de pensar que se nega a reduzir a realidade a fragmentos, ou seja, o Pensamento Complexo (Morin, 1990). No momento não se julga desenvolver cada um dos princípios de inteligibilidade do pensamento Complexo, mas deixa-se para que ao surgir a necessidade, tais princípios possam vir a tona. Morin (2000) discute o Pensamento Complexo aprofundando as questões relativas à educação e então deixa evidente a necessidade de uma forma de organizar o pensamento e o conhecimento capaz de dar conta da realidade atual. E entre as sugestões de Morin para esse fim está a interdisciplinaridade. É verdade que o referido autor não a considera a única via para isso, mas deixa claro que a mesma é um dos meios necessários para um pensar muito mais amplo ainda, ou seja, a transdisciplinaridade. Diante da multiplicidade de formas de compreensão e da abertura para acolher essa diversidade, colocam-se a partir daqui algumas considerações sobre o modo de compreender a interdisciplinaridade a partir de autores diversos, sendo que os destaques para Morin e Fazenda se farão evidentes. Fazenda (2012) insiste em dizer que não há uma definição única de interdisciplinaridade ou então um conceito único. Ela opta por considerações resultantes de suas pesquisas a partir de Em primeiro 4

5 lugar entende a interdisciplinaridade como forma de enfrentar a dicotomia ciência/existência responsável pela fragmentação do conhecimento, a qual se percebe pela existência das disciplinas. Ou seja, a autora propõe e defende a ligação entre as disciplinas sem excluí-las. Percebe-se, então, um ponto comum com Morin (2000, p. 105) quando ele afirma que A disciplina é uma categoria organizadora dentro do conhecimento cientifico; ela institui a divisão e especialização do trabalho e responde à diversidade das áreas que as ciências abrangem (...) tende naturalmente à autonomia pela delimitação das fronteiras, da linguagem em que ela se constitui, das técnicas que é levada a elaborar e a utilizar e, eventualmente, pelas teorias que lhes são próprias. Sendo assim, é ponto pacífico que as disciplinas têm seu papel fundamental na construção do pensamento e do conhecimento acumulado pela humanidade no decorrer de sua história e, por isso, não devem ser banidas em nome de um novo modo de pensar. Ao contrário, elas fazem parte desse novo pensar e tem seu valor preservado, pois são organizativas e provedoras de conhecimentos importantes. No entanto, às disciplinas está associada a ideia de superação das dicotomias causadas pelo pensamento clássico. Nesse sentido, Morin ajuda a perceber que tal necessidade se manifesta dentro das próprias convulsões ocorridas no interior da Ciência. Morin (2000, p.107) reflete: (...) a história das ciências não se restringe à da constituição e proliferação das disciplinas, mas abrange, ao mesmo tempo, a das rupturas entre as fronteiras disciplinares, da invasão de um problema de uma disciplina por outra, de circulação de conceitos, de formação de disciplinas hibridas que acabam tornando-se autônomas; enfim, é também a história da formação de complexos, onde diferentes disciplinas vão ser agregadas e aglutinadas. Ou seja, se a história oficial da ciência é a da disciplinaridade, uma outra história, ligada e inseparável é a das inter-poli-transdisciplinaridade. Tanto Fazenda como Morin desenvolvem suas reflexões mostrando que aos poucos se percebeu a extrema necessidade de estabelecer conexões entre o que estava ordeiramente separado tanto na organização do conhecimento como na forma de pensar. E isso, diante do contexto que se desenhou nos últimos 60 anos, exige uma reflexão, opções e ações efetivas, de modo especial ao que se refere aos processos educativos. Fazenda destaca Hilton Japiassu como nome de grande importância no Brasil quando se fala de interdisciplinaridade. Assim, vale a pena recordar de que forma o referido autor expressa seu pensamento: a interdisciplinaridade se caracteriza pela intensidade das trocas entre especialistas e pelo grau de integração real das disciplinas no interior de um projeto específico de pesquisa (JAPIASSU, 1976, p. 74). Buscando outros olhares sobre a interdisciplinaridade encontrou-se Nogueira (2007, p.127) afirmando que (...) a tônica é o trabalho de integração das diferentes áreas do conhecimento, um real trabalho der cooperação e troca, aberto ao diálogo e ao planejamento. As diferentes disciplinas não aparecem de forma fragmentada e compartimentada, pois a problemática em questão conduzirá à unificação. Ainda nessa busca encontra-se Etges (1993) apud Jantsch e Bianchetti (1995, p. 14) o qual diz que: 5

6 A interdisciplinaridade, enquanto principio mediador entre as diferentes disciplinas, não poderá jamais ser elemento de redução a um denominador comum, mas elemento teórico-metodológico da diferença e da criatividade. A interdisciplinaridade é o princípio da máxima exploração das potencialidades de cada ciência, da compreensão dos seus limites, mas acima de tudo, é o princípio da diversidade e da criatividade. Neste momento pode-se então reunir as ideias predominantes sobre a interdisciplinaridade no estudo até aqui desenvolvido. Interdisciplinaridade é uma necessidade para a compreensão da realidade atual e para o desenvolvimento do processo educativo coerente ao mundo que nos rodeia; não tem a finalidade de encontrar um denominador comum, mas sim de abrir possibilidades de desenvolver um pensamento capaz de ligar conhecimentos, de promover espaços de trocas cada vez mais intensos gerando integrações. A interdisciplinaridade propicia o trabalho conjunto e com isso promove a valorização da diversidade e provoca a emergência da criatividade, tantas vezes impedida pelas fronteiras inflexíveis das disciplinas rigidamente defendidas. As ideias acima proporcionaram escolher as palavras-chave com as quais se dirigiu a análise das respostas dadas pelos alunos e professores. No entanto, antes disso, se faz necessário deixar evidente a presença da interdisciplinaridade no conjunto de ideias que sustentam o Projeto Político Pedagógico do curso de Pedagogia na referida instituição. 3. O PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DAS FARESC 1 O Curso de Pedagogia das FARESC foi alvo de discussão e reformulação durante todo ano de Foi quando a matriz curricular foi reformulada e a disciplina de Projetos Interdisciplinares permaneceu como uma disciplina de conhecimentos específicos, ofertada no 4º período. Somente sua bibliografia é que foi atualizada mais recentemente. No 4º. Período do curso das FARESC é que se prevê a iniciação das disciplinas em que se alia mais intensamente o trato com os fundamentos do ensino teórico e metodológico das áreas de conhecimento, tais como Língua Portuguesa, Matemática, Educação Física e Literatura na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. No 5º período há a continuidade com o enfoque em Ciências, História, Geografia e Artes. Ou seja, o trabalho com a disciplina de Projetos Interdisciplinares se constitui de fundamental importância para a consolidação da intencionalidade de se abordar, de se estudar, de se pesquisar a Interdisciplinaridade e de, ao mesmo tempo, de se elaborar Projetos Interdisciplinares exequíveis num Curso 1 Sigla das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba. 6

7 de Licenciatura voltado para a formação de futuros profissionais da educação. Até porque é orientação do MEC, em seu artigo 3º. da Resolução que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação de Pedagogia 2 que, O estudante de Pedagogia trabalhará com um repertório de informações e habilidades composto por pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos, cuja consolidação será proporcionada no exercício da profissão, fundamentando-se em princípios de interdisciplinaridade, contextualização, democratização, pertinência e relevância social, ética e sensibilidade afetiva e estética. Entende-se que esse trabalho com os alunos não ocorre por assimilação de discursos, e sim, por iniciativas intencionais de proporcionar vivências, experiências que possam ser colocadas em prática durante o curso e/ou que possam ser colocadas em prática quando os alunos estiverem efetivamente trabalhando em espaços escolares ou não escolares, mas em ações pedagógicas que, na realidade começam no período seguinte através das disciplinas de práticas pedagógicas e estágio supervisionado. Do 5º ao 7º período do curso os alunos obrigatoriamente desenvolvem práticas pedagógicas e as apresentam no fechamento desses períodos. Cada semestre o professor responsável por essa disciplina faz uma parceria com um professor de uma das disciplinas de metodologia do semestre para que haja intencionalmente um projeto que culmine com o planejamento e apresentação de uma prática pedagógica exequível e real. Daí que a disciplina de Projetos Interdisciplinares oportuniza a discussão saudável com os alunos para além da teoria sobre as possibilidades do rompimento com as fronteiras da disciplinarização. Os alunos são levados a relacionar estreitamente teoria e prática elaborando projetos nessa direção. Esse trabalho já os predispõe para que nos semestres subsequentes os alunos não vislumbrem as disciplinas de metodologia circunscritamente. É com essa intenção que no projeto Político Pedagógico do Curso das FARESC, traz como um dos princípios básicos de compromisso da Visão e Missão do curso, que: Em sentido contrário ao da massificação da sociedade contemporânea, a demanda específica da região é, além de formar prioritariamente professores e gestores educacionais, formar pedagogos com um perfil diferenciado, possibilitando novas trajetórias profissionais e valorizando o seu papel de educador frente às novas exigências da sociedade atual. Assim, faz-se imprescindível que os estudantes do curso de Pedagogia debatam e compreendam os conceitos e aspectos que rompam com a ideia da disciplinarização curricular clássica. A COLETA DE DADOS E SEUS RESULTADOS 2 Resolução CNE/CP 1/2006. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006, Seção 1, p

8 Por meio da proposição de uma questão foram coletadas ideias, a respeito do que entendem por interdisciplinaridade, junto aos alunos de uma turma de quarto período do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Santa Cruz. Nesse mesmo propósito também coletadas ideias sobre as concepções dos professores do referido curso. A. ALUNOS DO PED 4SA A coleta de dados com os alunos do quarto período do Curso de Pedagogia se deu pela solicitação do preenchimento, de modo espontâneo, de uma filipeta contendo a questão: Escreva o que entende por interdisciplinaridade. A turma é composta de 50 alunos e no dia em que a coleta foi feita estavam presentes 38 alunos e todos se dispuseram a responder a questão. Tal evento ocorreu no dia 31 de julho de 2013, tempo em que a disciplina estava em suas primeiras aulas, visto que as aulas iniciaram na terceira semana de julho. A intenção foi mesmo detectar o que essa palavra, tão em moda, desperta nos acadêmicos, sem ainda ter desenvolvido os estudos da disciplina, e a partir disso reunir elementos para que a disciplina possa se tornar mais significativa e assim contribuir para a formação de pedagogos mais atuantes. Para a primeira análise, visto que esse é um estudo inicial, foram escolhidas palavras que se repetiram nas diferentes respostas, as quais serviram para organizar as respostas e assim desenhar um possível mapa das ideias despertadas e expostas ao pensar a respeito da interdisciplinaridade. Em um primeiro grupo de 9 respostas, talvez por ser início da disciplina, a interdisciplinaridade foi confundida com proposta pedagógica; com disciplina que ajude a compreender as outras; disciplina que engloba as demais; ou ainda, para ter mais conhecimento. Para um grupo de duas respostas, a interdisciplinaridade está associada ao trabalho conjunto entre disciplinas e assim trabalhar um assunto em diferentes disciplinas. Muito próximo disso uma resposta indica com clareza a ideia de relação entre as disciplinas destacando que essa relação é de dependência de forma que as disciplinas não avançam se não tiverem as demais. Uma outra resposta apresenta a interdisciplinaridade como forma de trabalho com a característica de envolver diferentes temas em uma atividade de forma globalizadora. contextos. Um grupo de 3 respostas usou como palavra envolvimento seja de disciplinas, conhecimentos ou Para um grupo de 3 respostas a ideia fundamental é interligação expressando a necessidade de aproximação de assuntos, exemplos, evitando o monopólio de uma das disciplinas. Um grupo de 5 respostas teve como palavra forte a ligação, a qual pode se dar entre disciplinas, áreas do conhecimento e de modo especiais duas respostas trazem a ideia de que isso deve ocorrer para evitar a fragmentação. 8

9 Para um grupo de 6 respostas a palavra principal foi integração sendo que, como exemplos espontâneos apareceram: trabalho conjunto entre disciplinas; extração do que é comum entre as disciplinas; integrar conteúdos e currículos para reconstruir o conhecimento; conversa entre disciplinas; relação entre as disciplinas; trocas de conhecimentos não só na escola, mas na sociedade para que ocorram melhorias na mesma. Por fim num grupo de 4 respostas as palavras foram rede, emaranhado ( com relação de dependência), meio que liga, visão sistêmica, olhar critico sobre a realidade. Desse grupo vale destacar uma resposta a qual transcreve-se a seguir: Interdisciplinaridade é a ligação que podemos fazer entre as disciplinas de forma que os conteúdos se completem com nexo. É uma maneira de enxergar e compreender essas conexões, não isolar as disciplinas tratando-as em sua especificidade e por isso ensinando em forma de gavetas. Pode-se dizer que mesmo não tendo desenvolvido estudos específicos sobre a interdisciplinaridade os alunos demonstram que a palavra integração representa a ideia mais importante com relação à interdisciplinaridade. B. ALUNOS DO PED 2SA Os alunos do segundo período estão em fase de consolidação dos conceitos básicos necessários à formação do pedagogo. A disciplina observada é a de Paradigmas Educacionais que visa mostrar as mudanças na forma de abordar os processos educacionais por meio dos diferentes paradigmas que surgiram na história da humanidade e da educação. Tal disciplina tem muitas ligações com outras lecionadas no mesmo período, a saber: História da Educação, Didática e Filsosofia da Educação. O que foi muito interessante observar é que muitas vezes comentam: parece que estamos nas aulas de Didática ou mas isso a professora X está discutindo na disciplina de História da Educação, ou ainda: o professor Y estava falando desse teórico na aula de Filosofia. Um aspecto interessante é nessa disciplina é feita em comum, com a disciplina de Didática, a leitura do livro: Ensino: as abordagens do processo de Maria da Graça Mizukami. Tal leitura ocorre no primeiro bimestre e seus resultados vão sendo usados tanto no primeiro bimestre quanto no segundo. No entanto, de maneira informal, são lançadas questões para serem discutidas as quais são encaminhadas de tal forma que as concepções que os alunos trazem possam ser percebidas. E em vários momentos, a palavra interdisciplinaridade é mencionada. Sempre que isso ocorre, é lançada nova pergunta sobre o que se entende por interdisciplinaridade. De maneira bem informal, percebe-se que a ideia forte relaciona-se a uma forma 9

10 de trabalhar em que tudo se liga a tudo, mas nota-se também que ainda não possuem uma concepção clara e a maioria repete a palavra sem a compreender. C. PROFESSORES DO CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia conta com 26 professores, dos quais 13 receberam a solicitação para responder as questões propostas. O número de respostas ficou em 10. As respostas trouxeram pontos comuns e também divergentes, o que já se esperava, pois como Fazenda alerta, não há e nem poderia haver uma concepção única de interdisciplinaridade, conforme já mencionado na página 5 deste artigo. As respostas serão apresentadas por grupos de ideias expressos por palavras que se aproximem às palavras selecionadas a partir tanto da revisão teórica quanto das respostas dadas pelos alunos e pelos professores. A primeira questão se referiu a o que entende por interdisciplinaridade? A ideia de comunicação aparece explicitamente em três respostas. As palavras ligação (um deles usou a expressão lincar), diálogo e troca (sendo uma delas com o uso da palavra intercâmbio) entre disciplinas aparecem em 3 das respostas. Nas dez respostas apareceram ou a palavra ou a ideia de união de disciplinas sendo que em uma delas fica clara a oposição à fragmentação do conhecimento, ou seja, reconhecem que há necessidade de interligar (aparece em duas respostas) o que estava separado. É importante observar que em 4 respostas também aparecem de forma clara a intencionalidade de favorecer a formação de postura critica e reflexiva com uma visão da realidade em forma de teia capaz de abrir o mundo ao aluno. Na pergunta você considerada a interdisciplinaridade incluída em suas aulas? 8 respostas foram sim e sugeriram situações em que isso pode ser percebido. São atitudes como ligar as falas dos autores, desenvolver leitura conjunta de um livro em duas disciplinas, usar filmes e textos relacionando com outras disciplinas, buscar conceitos de outras áreas que ajudem a compreender o conteúdo trabalhado na sua disciplina. Dois professores responderam que não usam a interdisciplinaridade. Neste caso foi solicitado que dessem uma justificativa, as quais passaram pela falta de planejamento junto aos colegas do curso sugerindo maior tempo dedicado a isso, ou ainda, que o sistema deveria fazer essa opção e não o professor. De diferentes formas, os professores aproximam-se das ideias defendidas pelos autores acima expostos, pois demonstram acreditar a ideia de união, de troca, de interligação, diálogo entre disciplinas e com a finalidade de construir conhecimento e um pensar reflexivo, despertando a colaboração. É importante destacar que todos acreditam na não fragmentação do conhecimento e isso é principio básico para viver a interdisciplinaridade. No entanto, deve-se considerar que em nenhum dos casos se percebeu a interdisciplinaridade como modo de organizar o conhecimento. 10

11 Comparando os resultados das falas dos alunos e dos professores percebe-se que ligar, interligar, unir, estabelecer colaboração são as expressões mais usadas e refletem o resultado da ação dos professores em sala. Destaque-se que o Projeto Político Pedagógico do curso tem base interdisciplinar e os resultados mostram que a mesma está presente no cotidiano das salas de aula, mesmo que de forma ainda simples, elementar. CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa, como diz o titulo trata-se de um estudo inicial, então, se fez interessante para que se possa traçar um novo caminho tanto de pesquisa quanto de encaminhamento das atividades de formação dos professores. O momento se fez muito oportuno, visto que o curso passa pela reformulação de sua matriz curricular. Diante dos resultados das pesquisas, tanto na teoria quanto na realidade estudada, pode-se afirmar que há uma aproximação entre as concepções a respeito de interdisciplinaridade e os discursos dos diferentes teóricos. Isso mostra que o Projeto Político Pedagógico do curso é vivido por seus professores e alunos. No entanto, é visível certa timidez em relação às atividades interdisciplinares, no que se refere ao trabalho conjunto entre as disciplinas. A grande vantagem é que os professores trazem em sua formação não só uma concepção suficiente para um trabalho interdisciplinar, mas também a disposição de lançar-se a ele. Se assim não fosse, as falas dos alunos não estariam próximas do esperado. Assim sugere-se que a presente pesquisa tenha continuidade, de modo especial junto aos professores, buscando entender as dificuldades mais encontradas por eles e a partir disso propor o desafio de interdisciplinarizar com interações mais intensas, como indica Japiassu, a ação pedagógica em cada período do curso. Entende-se que tal sugestão se faz pertinente visto que a matriz curricular se encontra em momento de reformulação. Período em que os estudos e discussões atinentes a essa reformulação, pode contribuir para a continuidade de refletir junto ao corpo docente uma concepção de educação mais aberta, reflexiva; que coadune com a realidade complexa e plural da contemporaneidade. REFERENCIAS FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Papirus, JANTSCH, Ari P.; BIANCHETTI, Lucidio (orgs). Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. 5ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,

12 . Introdução ao Pensamento Complexo. 2ª ed. Lisboa: Instituto Piaget, MORIN, Edgar; LE MOIGNE, Jean L. A inteligência da complexidade. 2ª ed. Tradução: NUrimar Maria Falci. São Paulo: Peirópolis, NOGUEIRA, Nilbo R. Pedagogia dos Projetos: uma jornada interdisciplinar rumo ao desenvolvimento das inteligências múltiplas. 7ª ed. São Paulo: Erica, PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DAS FARESC. Documento revisado, 2009, Curitiba, PR. 12

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DE UM TRABALHO INTERDISCIPLINAR

LIMITES E POSSIBILIDADES DE UM TRABALHO INTERDISCIPLINAR LIMITES E POSSIBILIDADES DE UM TRABALHO INTERDISCIPLINAR Por Profa. Dra. Elizete Maria Possamai Ribeiro Ma. Margarete Farias Medeiros Ma. Marleide Coan Cardoso Apresentação 1. Introdução 2. Reflexões teóricas

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA INTERDISCIPLARIDADE PARA SUPERAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO ACADÊMICA

A CONTRIBUIÇÃO DA INTERDISCIPLARIDADE PARA SUPERAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO ACADÊMICA A CONTRIBUIÇÃO DA INTERDISCIPLARIDADE PARA SUPERAÇÃO DA FRAGMENTAÇÃO NA FORMAÇÃO ACADÊMICA Cleusa Inês Weber Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - cleusaines@utfpr.edu.br Luciano Lucchetta

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( X ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( X ) Presencial

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios Marcus Vinicius Barbosa SILVA; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás marvinifchf@yahoo.com.br; carmelaf@terra.com.br

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Manual do Estágio Supervisionado Curso de Graduação - Licenciatura em História MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme legislação em

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 Christian Dias Azambuja christian.dias.92@gmail.com Bianca Silveira silveirabianca41@gmail.com Geovânia dos Santos geovania_dos_santos@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Introdução. Referencial Teórico. PROJETO @SAS: A Interdisciplinaridade em todos os níveis

Introdução. Referencial Teórico. PROJETO @SAS: A Interdisciplinaridade em todos os níveis PROJETO @SAS: A Interdisciplinaridade em todos os níveis Autor(a): Taís Paranhos do Nascimento Email: tparanhos@hotmail.com Introdução Para se falar do Projeto @sas, não podemos deixar de citar a Butterfly

Leia mais

Ensinando por projetos transdisciplinares

Ensinando por projetos transdisciplinares Ensinando por projetos transdisciplinares Romildo Nogueira (UFRPE) ran.pe@terra.com.br Maria Cilene Freire de Menezes (UFRPE) pgensino@ufrpe.br Ana Maria dos Anjos Carneiro Leão (UFRPE) amanjos2001@yahoo.com.br

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais