ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 4 Treliças simples

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 4 Treliças simples"

Transcrição

1 ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 4 Treliças simples Questão 1 Prova P Considere a treliça plana carregada como ilustra a figura (o apoio em A é um apoio do 2º gênero articulação - e o apoio em E é do 1º gênero - rolete): a) Identifique todos os membros com força nula. Liste estes membros claramente na sua resposta. b) Usando o Método das Seções, calcule as forças nos membros: MD, HC e LC. Indique se estas forças são de tração ou compressão. 90 kn 60 kn J K L M N 4 m A F B G H D I E 4 m 4 m C 90 kn 3 m 3 m 3 m 3 m 3 m 3 m 3 m 3 m Respostas: a) barras AJ, JF, LG, LC, LH, MN, NI b) F MD = 32,5kN (T) F HC = 36,3kN (T) F LC = 0 Questão 2 Prova P Determinar as forças nas barras 3, 5, 6, 10 e 14 da treliça abaixo, pelo MÉTODO DAS SEÇÕES. Indicar se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Respostas: F 3 = 10 kn (C) F 5 = 10 kn (T) F 6 = 42,426 kn (T) F 10 = 70 kn (T) F 14 = 40 kn (C)

2 Questão 3 Prova P Determinar pelo MÉTODO DAS SEÇÕES as forças nas barras 7,12 e 13 indicando se são de tração (T) ou de compressão (C). Respostas: F 7 = 20 kn (T) F 12 = 36,06 kn (T) F 13 = 0

3 Questão 4 Prova P Determinar pelo método das seções as forças nas barras 1, 6, 8, 10 e 19 indicando se são de tração (T) ou de compressão (C). Respostas: F 1 = 6 kn (T); F 6 = 20,1 kn (T); F 8 = 0; F 10 = 0; F 19 = 14,4 kn (C) Questão 5 Prova P Determinar as forças nas barras 8, 11, 12 e 24 da treliça plana abaixo, pelo método das seções, indicando se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Respostas: F 8 = 30 kn (C) F 11 = 0 F kn (T) F 24 = 90 kn (T)

4 Questão 6 Prova P Determinar as forças nas barras 2, 4, 6, e 12 da treliça plana abaixo, pelo método das seções, indicando se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Respostas: F 2 = 140 kn (C) F 4 = 0 F 6 = 0 F 12 = 200 kn (T) Questão 7 Prova P Determinar as forças nas barras 2, 5, 7, 11 e 17 da treliça plana abaixo, indicando se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Escolha o método de solução (método dos nós, método das seções ou uma combinação de ambos). Respostas: F 2 kn (C); F 5 kn (C); F 7 kn (T); F 11 0 ; F 17 kn (T) 3

5 Questão 8 Prova P Determinar as forças nas barras 14, 15, 17, 21 e 11 da treliça plana abaixo, indicando se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Escolha o método a empregar (método dos nós, método das seções ou uma combinação de ambos). Considerar a = 2m. Respostas: F 11 0 ; F 14 0 ; F 15 0 ; F 17 0 ; F 21 0 Questão 9 Prova P Determinar as forças nas barras 7, 9, 15 e 19 da treliça da figura abaixo, indicando se as forças são de tração (T) ou de compressão (C). Escolha o método a empregar (método dos nós, método das seções ou uma combinação de ambos). Respostas: F kn (T) ; F 9 3 kn (C) ; F 15 0 ; F 19 6 kn (T)

6 Questão 10 Prova P Determinar pelo método das seções as forças nas barras 1, 3, 6, 13 e 16 da treliça da figura abaixo, considerando P = 10 kn. Indicar se as forças são de tração (T) ou de compressão (C) Respostas: F 1 0 ; F 3 10 kn (C) ; F kn (C) ; F kn (T) ; F kn (C) Questão 11 Prova P A treliça da figura abaixo foi projetada para suportar o telhado de um mercado. Para o carregamento indicado calcular: a) o esforço na barra EJ, indicando se é de tração ou de compressão; b) as reações de apoio.

7 Respostas: F EJ 0 ; K x 7.37 kn ; K y 29kN ; L x 7.37 kn ; L y 53 kn Questão 12 Prova P Calcular os valores dos esforços nas barras FD, CD e FC da treliça abaixo, indicando se são de tração (T) ou compressão (C). Respostas: F 6kN (C); F 2 kn(c); F 2 2 kn (T) FD CD FC 2 kn 3 kn 2 kn 1 kn E F G H 2 m 2 m C D I 4 m A B 4 m 2 m 2 m Questão 13 Prova P Determine as forças nas barras CD e DJ da treliça abaixo, indicando se são de tração (T) ou de compressão (C). Considerar a força L = 10 kn. Respostas: F 3.75 kn (T); F 22.5 kn(t) CD DJ

8 Questão 14 Prova P Calcular as forças que atuam nas barras FC e FB devidas à carga de 100 kn que atua na treliça do guindaste. Indicar se estas forças são de tração (T) ou compressão (C). Respostas: F 0; F 100 kn(t) FB FC Questão 15 Prova P Um guindaste é construído com treliça simples, conforme mostrado na figura. Calcular as forças nas barras DE, DG e HG geradas pelo levantamento de um trator com 1631 kg de massa. Indicar se estas forças são de tração ou de compressão. Considerar g = 9.81 m/s 2 Respostas: F 16kN (T); F 33.94kN (T); F 40 kn(c) DE DG HG

9 Questão 16 Prova P Determine as forças que atuam nas barras IJ, CI e CG da treliça da figura abaixo, indicando se são de tração (T) ou de compressão (C). Para comprovar suas respostas, efetue os cálculos: a) pelo método dos nós; b) pelo método das seções. P 2 Respostas: FIJ 0; FCI 0; FCG kn(t) 2 Questão 17 Prova P Calcular os valores dos esforços normais na barra BE e BF da treliça abaixo, indicando se são de tração (T) ou de compressão (C). Unidade de comprimento = m. Respostas: F 2 2P (C); F P (T) BE BF Questão 18 Prova P Calcular os valores dos esforços normais nas barras DG e FG da treliça abaixo, indicando se são de tração (T) ou compressão (C). Observar que todos os triângulos formados pelas barras são eqüiláteros de lado.

10 F G P C D E A B Respostas: F P (T); F 0 DG FG Questão 19 Prova P Determinar a força na barra CF da treliça plana submetida à carga P aplicada 0 no nó A formando ângulo de 45 com a horizontal. Indicar se a força na barra CF é de tração (T) ou compressão (C). Resposta: F CF P (T)

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1 1) Calcular as reações de apoios da estrutura da figura para P1 = 15 kn, P2 = 10 kn; P3 = 2*P1 e q = 5kN/m H A = 30 kn; V A = 31,25 kn; V B = 3,5 kn 2) A prancha de Madeira apoiada entre dois prédios suporta

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula

ENG1200 Mecânica Geral Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula ENG1200 Mecânica Geral 2013.2 Lista de Exercícios 1 Equilíbrio da Partícula Questão 1 - Prova P1 2013.1 Determine o máximo valor da força P que pode ser aplicada na estrutura abaixo, sabendo que no tripé

Leia mais

Estruturas. Treliças planas. Treliça Simples O elemento básico de uma treliça plana é o triangulo. Três barras unidas por pinos em suas extremidades.

Estruturas. Treliças planas. Treliça Simples O elemento básico de uma treliça plana é o triangulo. Três barras unidas por pinos em suas extremidades. TRELIÇAS Estruturas Como já é sabido o equilíbrio de um único corpo rígido ou de um sistema de elementos conectados, tratado como um único corpo rígido. Inicialmente desenhamos um diagrama de corpo livre

Leia mais

Lista de Exercício 3 Elastoplasticidade e Análise Liimite 18/05/2017. A flexão na barra BC ocorre no plano de maior inércia da seção transversal.

Lista de Exercício 3 Elastoplasticidade e Análise Liimite 18/05/2017. A flexão na barra BC ocorre no plano de maior inércia da seção transversal. Exercício 1 Para o sistema estrutural da figura 1a, para o qual os diagramas de momento fletor em AB e força normal em BC da solução elástica são indicados na figura 1b, estudar pelo método passo-a-passo

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José -

Prof. MSc. David Roza José - 1/21 2/21 Análise de Estruturas Os problemas considerados nas aulas anteriores envolviam o equilíbrio de um corpo rígido e todas as forças envolvidas eram externas ao corpo. Agora consideraremos problemas

Leia mais

Estática. Prof. Willyan Machado Giufrida. Estática

Estática. Prof. Willyan Machado Giufrida. Estática Estática Sistemas Equivalentes Representa um sistema no qual a força e o momento resultantes produzam na estrutura o mesmo efeito que o carregamento original aplicado. Redução de um Sistema de Forças Coplanares

Leia mais

Exercícios de esforços solicitantes - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP

Exercícios de esforços solicitantes - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP São Paulo, deembro de 2015. Eercícios complementares de apoio aos alunos que cursam as disciplinas de Introdução a ecânica das Estruturas para os cursos da Engenharia Civil ou de Resistência dos ateriais

Leia mais

1.38. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em

1.38. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em 1.36. A luminária de 50 lb é suportada por duas hastes de aço acopladas por um anel em A. Determinar qual das hastes está sujeita à maior tensão normal média e calcular seu valor. Suponha que θ = 60º.

Leia mais

MAC de outubro de 2009

MAC de outubro de 2009 MECÂNICA MAC010 21 de outubro de 2009 1 2 3 4 5. Equiĺıbrio de Corpos Rígidos 6. Treliças Treliças - estabilidade e estaticidade Na aula passada, vimos que a relação entre o número de barras (m), nós (j)

Leia mais

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016.

Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. Resistência dos Materiais Eng. Mecânica, Produção UNIME 2016.2 Prof. Corey Lauro de Freitas, Fevereiro, 2016. 1 Introdução: O conceito de tensão Conteúdo Conceito de Tensão Revisão de Estática Diagrama

Leia mais

Lista de Exercícios - Aula 01

Lista de Exercícios - Aula 01 Lista de Exercícios - Aula 01 Lei dos Cossenos e Senos 5 (R. C Hibbeler Mecânica - Estática exemplo 2.1 p.16). O parafuso tipo gancho da figura está sujeito a duas forças F 1 e F 2. Determine a intensidade

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Mecânica dos Sólidos MECSOL34 Semestre: 2016/02 Prof: Diego R. Alba 1. O macaco AB é usado para corrigir a viga defletida DE conforme a figura. Se a força compressiva

Leia mais

ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL EXERCÍCIOS

ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL EXERCÍCIOS ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL EXERCÍCIOS 1. Quando um homem está deitado numa rede (de massa desprezível), as forças que esta aplica na parede formam um angulo de 30 com a horizontal, e a intensidade de cada

Leia mais

LISTA EXTRA DE EXERCÍCIOS MAT /I

LISTA EXTRA DE EXERCÍCIOS MAT /I LISTA EXTRA DE EXERCÍCIOS MAT 008/I. Dados os vetores v = (0,, 3), v = (-, 0, 4) e v 3 = (, -, 0), efetuar as operações indicadas: (a) v 3-4v R.: (4,-,-6) (b) v -3v +v 3 R.: (3,0,-6). Determine: (a) x,

Leia mais

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento.

Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. Aula 2 - Tensão Normal e de Cisalhamento. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a figura 1.17a. Se AB tiver diâmetro de 10 mm

Leia mais

EME 311 Mecânica dos Sólidos

EME 311 Mecânica dos Sólidos 3 ANÁLISE DAS TRELIÇAS EME 311 Mecânica dos Sólidos - CAPÍTULO 3 - Profa. Patricia Email: patty_lauer@unifei.edu.br IEM Instituto de Engenharia Mecânica UNIFEI Universidade Federal de Itajubá 3.2 Esforços

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 7 Atrito Estático

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 7 Atrito Estático ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 7 Atrito Estático 1 Prova 2012.2 (P4) - Cada cilindro tem massa de 50 kg. Se os coeficientes de atrito estático nos pontos de contato são A =

Leia mais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Decomposição de vetores em componentes 1 - Determine a intensidade da força resultante e sua direção, medida no sentido anti-horário a partir do eixo

Leia mais

Professor: José Junio Lopes. Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio

Professor: José Junio Lopes. Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio Lista de Exercícios - Aula 1a Revisão Equilíbrio de um Corpo Rígido Reação de Apoio A primeira condição para que um corpo rígido esteja em equilíbrio é que a somatória das forças que agem sobre o corpo

Leia mais

Professor: José Junio Lopes

Professor: José Junio Lopes Aula 2 - Tensão/Tensão Normal e de Cisalhamento Média; Tensões Admissíveis. A - TENSÃO NORMAL MÉDIA 1. Exemplo 1.17 - A luminária de 80 kg é sustentada por duas hastes, AB e BC, como mostra a Figura 1.17a.

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 6 Corpos Submersos 1 Prova P3 2013.1 - O corpo submerso da figura abaixo tem 1m de comprimento perpendicularmente ao plano do papel e é formado

Leia mais

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N

Resposta: F AB = 1738,7 N F AC = 1272,8 N Trabalho 1 (Cap. 1 a Cap. 4) Mecânica Aplicada - Estática Prof. André Luis Christoforo, e-mail: christoforoal@yahoo.com.br Departamento de Engenharia Civil - DECiv/UFSCar Cap. 1 Vetores de Força 1) A força

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/23

Prof. MSc. David Roza José 1/23 1/23 Introdução Vimos, na aula anterior, que forças aplicadas em um braço de alavanca em relação a um referencial geram um momento ou torque. Assim, para termos o equilíbrio estático de um corpo rígido

Leia mais

MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA

MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA Nona E 6 Análise CAPÍTULO MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA erdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Notas de Aula: J. Walt Oler Texas Tech University de Estruturas Conteúdo Introdução Definição

Leia mais

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/

Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Aula 09 Análise Estrutural - Treliça Capítulo 6 R. C. Hibbeler 10ª Edição Editora Pearson - http://www.pearson.com.br/ Estrutura Sistema qualquer de elementos ligados, construído para suportar ou transferir

Leia mais

Mecânica Vetorial Para Engenheiros: Estática

Mecânica Vetorial Para Engenheiros: Estática AULA 12 Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves ilho Introdução Para problemas que tratam do equilíbrio de estruturas feitas de várias partes unidas, as forças internas, assim como as forças externas devem ser

Leia mais

Exercícios Aulas Práticas 2004/2005

Exercícios Aulas Práticas 2004/2005 Exercícios Aulas Práticas 2004/2005 Manuel Teixeira Brás César Mário Nuno Moreira Matos Valente 1/17 2/17 Tema: Corpos Rígidos: Sistemas Equivalentes de Forças 7 - Uma força de 150 N é aplicada à alavanca

Leia mais

EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS

EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS EQUILÍBRIO DO CORPO RÍGIDO EXERCÍCIOS 1. O esquadro metálico BD tem um apoio fixo em C e liga-se a um cabo em B. Para o carregamento representado, determine (a) a força de tração no cabo, (b) a reação

Leia mais

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial

a-) o lado a da secção b-) a deformação (alongamento) total da barra c-) a deformação unitária axial TRAÇÃO / COMPRESSÃO 1-) A barra de aço SAE-1020 representada na figura abaixo, deverá der submetida a uma força de tração de 20000 N. Sabe-se que a tensão admissível do aço em questão é de 100 MPa. Calcular

Leia mais

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr.

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr. PUC - Goiás Curso: Engenharia Civil Disciplina: Mecânica Vetorial Corpo Docente: Geisa Pires Turma:----------- Plano de Aula Data: ------/--------/---------- Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para

Leia mais

P 2 M a P 1. b V a V a V b. Na grelha engastada, as reações serão o momento torçor, o momento fletor e a reação vertical no engaste.

P 2 M a P 1. b V a V a V b. Na grelha engastada, as reações serão o momento torçor, o momento fletor e a reação vertical no engaste. Diagramas de esforços em grelhas planas Professora Elaine Toscano Capítulo 5 Diagramas de esforços em grelhas planas 5.1 Introdução Este capítulo será dedicado ao estudo das grelhas planas Chama-se grelha

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I

LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I LISTA DE EXERCÍCIOS MECÂNICA DOS SÓLIDOS I A - Tensão Normal Média 1. Ex. 1.40. O bloco de concreto tem as dimensões mostradas na figura. Se o material falhar quando a tensão normal média atingir 0,840

Leia mais

1- Os dois cabos suportam uma luminária de 80 kg. Determinar seus diâmetros requeridos se o esforço de tração admissível para o alumínio for

1- Os dois cabos suportam uma luminária de 80 kg. Determinar seus diâmetros requeridos se o esforço de tração admissível para o alumínio for nhanguera-uniderp Engenharia Civil Resistência dos Materiais 1- Os dois cabos suportam uma luminária de 80 kg. Determinar seus diâmetros requeridos se o esforço de tração issível para o alumínio for =

Leia mais

I Unidade I Lista de Exercícios https://sites.google.com/site/professorcelsohenrique/home/mecanica-geral

I Unidade I Lista de Exercícios https://sites.google.com/site/professorcelsohenrique/home/mecanica-geral FAMEC Faculdade Metropolitana de Camaçari Engenharia Ambiental / Engenharia de Controle e Automação / Eng Produção enharia de Disciplina: Mecânica Geral I Unidade Docente: Celso Henrique I Lista de Exercícios

Leia mais

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO

TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO TENSÃO NORMAL e TENSÃO DE CISALHAMENTO 1) Determinar a tensão normal média de compressão da figura abaixo entre: a) o bloco de madeira de seção 100mm x 120mm e a base de concreto. b) a base de concreto

Leia mais

Lista11: Equilíbrio de Corpos Rígidos

Lista11: Equilíbrio de Corpos Rígidos Lista 11: Equilíbrio dos Corpos Rígidos NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção.

Leia mais

Trabalho e Energia. = g sen. 2 Para = 0, temos: a g 0. onde L é o comprimento do pêndulo, logo a afirmativa é CORRETA.

Trabalho e Energia. = g sen. 2 Para = 0, temos: a g 0. onde L é o comprimento do pêndulo, logo a afirmativa é CORRETA. Trabalho e Energia UFPB/98 1. Considere a oscilação de um pêndulo simples no ar e suponha desprezível a resistência do ar. É INCORRETO afirmar que, no ponto m ais baixo da trajetória, a) a energia potencial

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND

ENGENHARIA CIVIL. Prof. Msc. HELBER HOLLAND ENGENHARIA CIVIL REVISÃO TRELIÇAS Reações em Estruturas Prof. Msc. HELBER HOLLAND As treliças são um tipo de estrutura usado em engenharia normalmente em projetos de pontes e edifícios. Uma treliça é uma

Leia mais

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais.

ENG285 4ª Unidade 1. Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. ENG285 4ª Unidade 1 Fonte: Arquivo da resolução da lista 1 (Adriano Alberto), Slides do Prof. Alberto B. Vieira Jr., RILEY - Mecânica dos Materiais. Momento de Inércia (I) Para seção retangular: I =. Para

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José -

Prof. MSc. David Roza José - 1/15 2/15 Introdução Nas aulas anteriores consideramos sempre dois problemas básicos envolvendo estruturas: (1) determinação de forças externas que atuam numa estrutura e (2) determinação das forças que

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Elétrica Mecânica dos Sólidos Prof. MSc. Letícia R. Batista Rosas 1ª Lista de Exercícios 01) A coluna está sujeita a uma força axial de 8 kn aplicada no

Leia mais

plano da figura seguinte. A rótula r expressa que não háh

plano da figura seguinte. A rótula r expressa que não háh Método das Forças Sistema Principal Consideremos o pórtico p plano da figura seguinte. A rótula r em D expressa que não háh transmissão de momento fletor da barra CD para a extremidade D das barras BD

Leia mais

Turma/curso: 5º Período Engenharia Civil Professor: Elias Rodrigues Liah, Engº Civil, M.Sc.

Turma/curso: 5º Período Engenharia Civil Professor: Elias Rodrigues Liah, Engº Civil, M.Sc. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: TEORIA DAS ESTRUTURAS I Código: ENG2032 Tópico: ENERGIA DE DEFORMAÇÃO E PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Turma/curso:

Leia mais

Mecânica. CINEMÁTICA: posição, velocidade e aceleração ESTÁTICA: equilíbrio DINÂMICA: causas do movimento

Mecânica. CINEMÁTICA: posição, velocidade e aceleração ESTÁTICA: equilíbrio DINÂMICA: causas do movimento Mecânica A teoria do movimento é denominada MECÂNICA CINEMÁTICA: posição, velocidade e aceleração ESTÁTICA: equilíbrio DINÂMICA: causas do movimento Estática É a parte da MECÂNICA que estuda o EQUILÍBRIO

Leia mais

MECÂNICA GERAL 1. Marcel Merlin dos Santos

MECÂNICA GERAL 1. Marcel Merlin dos Santos MECÂNICA GERAL 1 Marcel Merlin dos Santos TÓPICOS DE HOJE Binários Sistemas Força-Binário Redução de um sistema de forças a um sistema força-binário Sistemas equivalentes de forças Equações de equilíbrio

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 3 1) Os suportes apóiam a vigota uniformemente; supõe-se que os quatro pregos em cada suporte transmitem uma intensidade igual de carga. Determine o menor diâmetro dos pregos em A e B se a tensão de cisalhamento

Leia mais

REVISAO GERAL. GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc.

REVISAO GERAL. GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc. MECÂNICA APLICADA 5º Período de Engenharia Civil REVISAO GERAL GRANDEZA ESCALAR É caracterizada por um número real. Como, por exemplo, o tempo, a massa, o volume, o comprimento, etc. GRANDEZA VETORIAL

Leia mais

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS

RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES MÓDULO 01 RELAÇÕES TRIGONOMÈTRICAS NOTAS DE AULA: - Prof. Borja 2016.2 MÓDULO 1 Relações Trigonométricas OBJETIVOS Ao final deste módulo o aluno deverá ser capaz de: resolver problemas

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos

ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos ENG1200 Mecânica Geral Semestre 2013.2 Lista de Exercícios 3 Equilíbrio de Corpos Rígidos Questão 1 Prova P2-2013.1 A estrutura ilustrada na figura é sustentada por três cabos (BD, CD e EF) e uma rótula

Leia mais

Lista de exercícios 3 Mecânica

Lista de exercícios 3 Mecânica Lista de exercícios 3 Mecânica Geral I 4.5 Se o homem em B exerce uma força P =150N sobre sua corda, determine a intensidade da força F que o homem em C precisa exercer para impedir que o poste gire; ou

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio. CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio CIV 1111 Sistemas Estruturais na Arquitetura I Profa. Elisa Sotelino Prof. Luiz Fernando Martha Estruturas Submetidas à Flexão e Cisalhamento

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Equilíbrio Estático Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As condições que devem ser atendidas para um corpo ou uma estrutura

Leia mais

Uniderp Engenharia Civil Resistência dos Materiais Exame Modelo

Uniderp Engenharia Civil Resistência dos Materiais Exame Modelo C=3,9 cm Uniderp Engenharia Civil Resistência dos Materiais Exame Modelo 1) treliça é feita de três elementos acoplados por pinos tendo as áreas das seções transversais: B = 9,7 cm, = 5, cm e C = 3,9 cm.

Leia mais

Assunto: Treliças Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 5.1 Treliças Simples: A Treliça é uma estrutura composta de elementos esbeltos unidos uns aos outros por meio de rótulas

Leia mais

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 8 Centróides, Momentos de Inércia, Círculo de Mohr

ENG1200 Mecânica Geral Semestre Lista de Exercícios 8 Centróides, Momentos de Inércia, Círculo de Mohr ENG00 Mecânica Geral Semestre 201.2 Lista de Eercícios 8 Centróides, Momentos de nércia, Círculo de Mohr 1 Prova P201.1 (P) - De determinada área (figura) são conhecidos os valores do momento de inércia

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 15 Reações de Apoio em Vigas e Estruturas Tópicos Abordados Nesta Aula Apoios Submetidos a Forças Bidimensionais. Cálculo de Reações de Apoio em Estruturas Isostáticas. Equações de Equilíbrio da Estática

Leia mais

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr.

Rígidos MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Nona E 4 Equilíbrio CAPÍTULO MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. Notas de Aula: J. Walt Oler Texas Tech University de Corpos Rígidos 2010 The McGraw-Hill

Leia mais

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I

Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I Lista de exercícios 4 Mecânica Geral I 5.9. Desenhe o diagrama de corpo livre da barra, que possui uma espessura desprezível e pontos de contato lisos em A, B e C. Explique o significado de cada força

Leia mais

I 't = 0,6 a 0,8 ai. 8.9 Exercícios Parafusos. 1 = 80 MPa Pinos

I 't = 0,6 a 0,8 ai. 8.9 Exercícios Parafusos. 1 = 80 MPa Pinos Pressão média de contato (cisalhamento duplo): 0d = 280MPa Pressão média de contato (cisalhamento simples): 0d = 105MPa 8.8.2 Parafusos Tração: 0=140MPa Corte: parafusos não ajustados 1 = 80 MPa parafusos

Leia mais

2. Determine as intensidades das forças nos cabos para os seguintes casos: 60 o

2. Determine as intensidades das forças nos cabos para os seguintes casos: 60 o urso de Tecnologia em utomação Industrial Disciplina de Mecânica plicada 1 prof. Lin Lista de eercícios nº 4 (Equilíbrio de um ponto material) 1. Um objeto de peso igual a 100 N é mantido em equilíbrio

Leia mais

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Introdução Para um corpo rígido em equilíbrio estático, as forças e momentos externos estão balenceadas e não impõem movimento de translação ou de rotação ao corpo.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01

LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1. Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 LISTA DE EXERCÍCIOS ÁREA 1 Disciplina: Elementos de Máquina Semestre: 2016/01 Prof: Diego R. Alba 1. Duas chapas de aço 1018 laminado à frio de 1 por 4 são unidas por meio de sobreposição de duas chapas

Leia mais

Lista de Exercícios de Equilíbrio de Partículas Estruturas 1/2014 Prof. Delma P. Caixeta

Lista de Exercícios de Equilíbrio de Partículas Estruturas 1/2014 Prof. Delma P. Caixeta Lista de Exercícios de Equilíbrio de Partículas Estruturas 1/2014 Prof. Delma P. Caixeta 1- Duas forças são aplicadas no olhal roscado com o objetivo de remover a estaca. Determine o ângulo e o módulo

Leia mais

MAT VETORES E GEOMETRIA - IF/IME 1 o SEMESTRE 2015

MAT VETORES E GEOMETRIA - IF/IME 1 o SEMESTRE 2015 MAT 112 - VETORES E GEOMETRIA - IF/IME 1 o SEMESTRE 2015 LISTA 1 1. Ache a soma dos vetores indicados na figura, nos casos: 2. Ache a soma dos vetores indicados em cada caso, sabendo-se que (a) ABCDEFGH

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS ivil Secção de Mecânica strutural e struturas MÂNI I NUNIOS PROLMS evereiro de 2008 PÍTULO 3 PROLM 3.1 onsidere a placa em forma de L, que faz parte da fundação em ensoleiramento geral de um edifício,

Leia mais

MAC de outubro de 2009

MAC de outubro de 2009 MECÂNICA MAC010 26 de outubro de 2009 1 2 3 4 5. Equiĺıbrio de Corpos Rígidos 6. Treliças 7. Esforços internos Esforços internos em vigas VIGA é um elemento estrutural longo e delgado que é apoiado em

Leia mais

Mecânica Vetorial Para Engenheiros: Estática

Mecânica Vetorial Para Engenheiros: Estática Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves ilho Definição de Uma Treliça Uma treliça consiste em elementos retos unidos por nós. Nenhum elemento é contínuo através de um nó. A maioria das estruturas reais é feita

Leia mais

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4

E = 70GPA σ e = 215MPa. A = 7500mm 2 I x = 61,3x10 6 mm 4 I y = 23,2x10 6 mm 4 Lista 1 1. A coluna de alumínio mostrada na figura é engastada em sua base e fixada em seu topo por meios de cabos de forma a impedir seu movimento ao longo do eixo x. Determinar a maior carga de compressão

Leia mais

UFJF - Professores Elson Toledo e Alexandre Cury MAC003 - Resistência dos Materiais II LISTA DE EXERCÍCIOS 03

UFJF - Professores Elson Toledo e Alexandre Cury MAC003 - Resistência dos Materiais II LISTA DE EXERCÍCIOS 03 UFJF - Professores Elson Toledo e Alexandre Cury MAC003 - Resistência dos Materiais II LISTA DE EXERCÍCIOS 03 1. Em um ponto crítico de uma peça de aço de uma máquina, as componentes de tensão encontradas

Leia mais

FORMULAÇÃO TRELIÇA PLANA

FORMULAÇÃO TRELIÇA PLANA CE ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II FORMULAÇÃO TRELIÇA PLANA MODELO 1 Para a treliça hiperestática, indicada na Figura 1a, determinar por Análise Matricial de Estruturas: a) o deslocamento vertical do ponto

Leia mais

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos

Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Unidade: Equilíbrio de Corpos Rígidos Mecânica Geral Caros alunos, neste arquivo de apresentação, você encontrará um resumo dos tópicos estudados na Unidade IV. Use-o como guia para complementar o estudo

Leia mais

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA).

Estática. Vista da estrutura da ponte Golden Gate, São Francisco, Califórnia (EUA). Estática Todo o nosso estudo até agora foi dedicado quase que exclusivamente ao movimento. Passamos da Cinemática - descrição matemática dos movimentos - à Dinâmica, em que essa descrição se aprofunda

Leia mais

Montagem das Estruturas Metálicas

Montagem das Estruturas Metálicas O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Montagem das Estruturas Metálicas Objetivo Apresentar métodos de montagem e a versatilidade que o aço permite ao ser utilizado na construção.9 Montagem

Leia mais

Disciplina: Mecânica Geral - Estática

Disciplina: Mecânica Geral - Estática Disciplina: Mecânica Geral - Estática II. Forças Distribuídas Prof. Dr. Eng. Fernando Porto A barragem Grand Coulee (EUA) suporta 3 tipos diferentes de forças distribuídas: o peso de seus elementos construtivos,

Leia mais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais

Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Lista de Exercícios-PRA - Estática R. C. Hibbeler I - Adição de forças vetoriais Forças são grandezas vetoriais, portanto são manipuladas através das regras da geometria analítica. Duas leis são válidas

Leia mais

SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS

SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS SISTEMAS EQUIVALENTES DE FORÇAS EXERCÍCIOS 1. Uma força P é aplicada ao pedal do freio em A. Sabendo que P = 450 N e = 30, determine o momento de P em relação a B. 2. Uma força P de 400 N é aplicada ao

Leia mais

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL Professor Alexandre Miranda Ferreira

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL Professor Alexandre Miranda Ferreira 1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO PONTO MATERIAL Professor Alexandre Miranda Ferreira www.proamfer.com.br amfer@uol.com.br 1 Um professor de física pendurou uma pequena esfera, pelo seu centro de gravidade,

Leia mais

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Bibliografia Básica: BEER, F. P.; JOHNSTON JUNIOR, E. R. Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica 5ª ed. 2v. São Paulo: Makron, 1994. HIBBELER, R. C. Dinâmica: Mecânica para Engenharia.

Leia mais

, Equação ESFORÇO NORMAL SIMPLES 3.1 BARRA CARREGADA AXIALMENTE

, Equação ESFORÇO NORMAL SIMPLES 3.1 BARRA CARREGADA AXIALMENTE 3 ESFORÇO NORMAL SIMPLES O esforço normal simples ocorre quando na seção transversal do prisma atua uma força normal a ela (resultante) e aplicada em seu centro de gravidade (CG). 3.1 BARRA CARREGADA AXIALMENTE

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC Unidade Araranguá RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Curso de Eletromecânica Prof. Fernando H. Milanese, Dr. Eng. milanese@cefetsc.edu.br Conteúdo

Leia mais

Mecânica 1. Prova 1 Resumo

Mecânica 1. Prova 1 Resumo Mecânica 1 Prova 1 Resumo Conceitos 1. Vetores 2. Estática 3. Hidrostática 1. Vetores a. Módulo A = (xı + yȷ + zk) = x, + y, + z, b. Produto Vetorial com Incógnita Vetorial x = u v u, + α u, α ε R c. Produto

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

Mecânica Geral. Prof. Evandro Bittencourt (Dr.) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC. 27 de fevereiro de 2008

Mecânica Geral. Prof. Evandro Bittencourt (Dr.) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC. 27 de fevereiro de 2008 Mecânica Geral Prof Evandro Bittencourt (Dr) Engenharia de Produção e Sistemas UDESC 7 de fevereiro de 008 Sumário 1 Prof Evandro Bittencourt - Mecânica Geral - 007 1 Introdução 11 Princípios Fundamentais

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEF Estruturas na Arquitetura II SEGUNDA AVALIAÇÃO P2-26/11/2012

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEF Estruturas na Arquitetura II SEGUNDA AVALIAÇÃO P2-26/11/2012 FCULDDE DE RQUITETUR E URBISMO D UIVERSIDDE DE SÃO PULO PEF - Estruturas na rquitetura II SEGUD VLIÇÃO P - // ome: GBRITO o USP: a Questão (5,): figura mostra um deck horizontal, de peso específico,5k/m,

Leia mais

teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos.

teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos. EME311 Mecânica dos Sólidos Objetivo do Curso: ornecer ao aluno os fundamentos teóricos necessários para se calcular as tensões e as deformações em elementos estruturais de projetos mecânicos. 1-1 EME311

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais 1ª Parte Capítulo 1: Introdução Conceito de Tensão Professor Fernando Porto Resistência dos Materiais 1.1. Introdução O principal objetivo do estudo da mecânica dos materiais é proporcionar ao engenheiro

Leia mais

Aço Exercício 2.1. Resolução : A = π D2 4 σ = E.ε. = π(2,54cm)2 4. = 5,067 cm 2. δ L o. ε = δ = NL o AE = 35 kn.350 cm

Aço Exercício 2.1. Resolução : A = π D2 4 σ = E.ε. = π(2,54cm)2 4. = 5,067 cm 2. δ L o. ε = δ = NL o AE = 35 kn.350 cm Aço Exercício.1 Uma barra de seção circular com diâmetro de 5, mm (1 ) está sujeita a uma tração axial de 35N. Calcular o alongamento da barra supondo seu comprimento inicial o = 3,50 m e que a mesma foi

Leia mais

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Mecânica Geral II otas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Forças em vigas e em cabos Introdução Analisaremos dois tipos de forças internas em dois tipos de estruturas em engenharia:. Vigas.

Leia mais

CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA PROVA A1

CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA PROVA A1 CE2 ESTABIIDADE DAS CONSTRUÇÕES II ISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA PROVA A1 1) Qual material atende ao Critério de Deslocamentos Excessivos e é o mais econômico para execução da viga abaixo? Determine

Leia mais

Capítulo1 Tensão Normal

Capítulo1 Tensão Normal - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Referências Bibliográficas:

Leia mais

Análise estrutural. Objetivos da aula. Mostrar como determinar as forças nos membros de treliças usando o método dos nós e o método das seções.

Análise estrutural. Objetivos da aula. Mostrar como determinar as forças nos membros de treliças usando o método dos nós e o método das seções. Análise estrutural Objetivos da aula Mostrar como determinar as forças nos membros de treliças usando o método dos nós e o método das seções. slide 1 Treliças simples Treliça é uma estrutura de vigas conectadas

Leia mais

Carga axial. Princípio de Saint-Venant

Carga axial. Princípio de Saint-Venant Carga axial Princípio de Saint-Venant O princípio Saint-Venant afirma que a tensão e deformação localizadas nas regiões de aplicação de carga ou nos apoios tendem a nivelar-se a uma distância suficientemente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO PLANALDO DO DISTRITO FEDERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO PLANALDO DO DISTRITO FEDERAL 7. Propriedades Mecânicas dos Materiais As propriedades mecânicas de um material devem ser conhecidas para que os engenheiros possam relacionar a deformação medida no material com a tensão associada a

Leia mais

Exemplo. T 1 2g = -2a T 2 g = a. τ = I.α. T 1 T 2 g = - 3a a g = - 3a 4a = g a = g/4. τ = (T 1 T 2 )R. T 1 T 2 = Ma/2 T 1 T 2 = a.

Exemplo. T 1 2g = -2a T 2 g = a. τ = I.α. T 1 T 2 g = - 3a a g = - 3a 4a = g a = g/4. τ = (T 1 T 2 )R. T 1 T 2 = Ma/2 T 1 T 2 = a. Exercícios Petrobras 2008 eng. de petróleo Dois corpos de massa m 1 = 2 kg e m 2 = 1 kg estão fixados às pontas de uma corda com massa e elasticidade desprezíveis, a qual passa por uma polia presa ao

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 01 INTRODUÇÃO

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL Aula 01 INTRODUÇÃO CONTROLE DE QUALIDADE INDUSTRIAL A resistência dos materiais é um assunto bastante antigo. Os cientistas da antiga Grécia já tinham o conhecimento do fundamento da estática, porém poucos sabiam do problema

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE. Experimento de ensino baseado em problemas. Módulo 01: Análise estrutural de vigas

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE. Experimento de ensino baseado em problemas. Módulo 01: Análise estrutural de vigas Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio NECE Experimento de ensino baseado em problemas Módulo 01: Análise estrutural de vigas Aula 03: Estruturas Submetidas à Flexão e Cisalhamento

Leia mais

TEORIA DAS ESTRUTURAS II PROF.: VICTOR MACHADO

TEORIA DAS ESTRUTURAS II PROF.: VICTOR MACHADO TEORIA DAS ESTRUTURAS II PROF.: VICTOR MACHADO APRESENTAÇÃO Contatos: victor.silva@progeto.com.br victormsilva.com PLANO DE AULA Apresentação do Plano de Aula Forma de Avaliação Faltas e Atrasos UNIDADE

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. PME3210 Mecânica dos Sólidos I Primeira Prova 07/04/2015. Resolução. 50 N(kN)

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. PME3210 Mecânica dos Sólidos I Primeira Prova 07/04/2015. Resolução. 50 N(kN) PME3210 Mecânica dos Sólidos I Primeira Prova 07/04/2015 Resolução 1ª Questão (4,0 pontos) barra prismática da figura tem comprimento L=2m. Ela está L/2 L/2 engastada em e livre em C. seção transversal

Leia mais

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição)

1ª Lista de exercícios Resistência dos Materiais IV Prof. Luciano Lima (Retirada do livro Resistência dos materiais, Beer & Russel, 3ª edição) 11.3 Duas barras rígidas AC e BC são conectadas a uma mola de constante k, como mostrado. Sabendo-se que a mola pode atuar tanto à tração quanto à compressão, determinar a carga crítica P cr para o sistema.

Leia mais