REDUÇÃO DE PERDAS EM UM SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE PROPENO QUÍMICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDUÇÃO DE PERDAS EM UM SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE PROPENO QUÍMICO"

Transcrição

1 REDUÇÃO DE PERDAS EM UM SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE PROPENO QUÍMICO

2 ROBSON MOREIRA DE SOUZA REDUÇÃO DE PERDAS EM UM SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE PROPENO QUÍMICO Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia Industrial, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para a obtenção do grau de Especialista em Engenharia Econômica, Estratégia e Redução de perdas na Indústria CEPI. Orientador: Júlio Cesar Moreno Pires Salvador, 2011

3 ROBSON MOREIRA DE SOUZA REDUÇÃO DE PERDAS EM UM SISTEMA DE ARMAZENAGEM DE PROPENO QUÍMICO Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para a obtenção do grau de Especialista em Engenharia Econômica, Estratégia e Redução de perdas na Indústria CEPI. Monografia aprovada em 25 de agosto de 2011 Orientador: Júlio Cesar Moreno Pires Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina Salvador, 2011

4 AGRADECIMENTOS A Deus, em primeiro lugar, por me guiar e colocar na minha vida essas pessoas que me ajudaram. À minha esposa D Arc de Angelis, minhas filhas, Bárbara Luiza e Júlia de Angelis, pela paciência que tiveram e pelo apoio que me deram nos momentos de elaboração desse trabalho. À minha mãe Bárbara e meus irmãos Roberto e Rodrigo, pelo apoio e incentivo únicos de um laço familiar; Ao orientador e colega de trabalho Júlio Moreno, pela disponibilidade e satisfação em me ajudar na conclusão dessa monografia. Aos meus companheiros de trabalho da Braskem S/A que contribuíram para o meu desenvolvimento profissional e me deram todo apoio necessário para o bom desempenho desta atividade; Aos professores, colegas e profissionais do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial - PEI por todo apoio durante todo o curso e pelos momentos de experiência compartilhada, sobretudo nos momentos de desafios e dificuldades.

5 "Algo só é impossível até que alguém duvida e acaba provando o contrário Albert Einstein

6 SOUZA, Robson Moreira de. Redução de Perdas em um Sistema de Armazenagem de Propeno Químico. 44 f. il Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador. RESUMO O objetivo desse trabalho é propor alternativas para reduzir, com pouco investimento, em pelo menos 50% as perdas de propeno químico para flare, através do recondicionamento das variáveis do processo aos valores de projeto ou da alteração do projeto para atendimento aos novos valores das variáveis do processo, evitando perda econômica, reduzindo emanação de CO 2 e minimizando ocorrências com órgão ambiental e comunidades. Para aplicação da metodologia é necessário conhecer o produto, o sistema de armazenamento, o sistema de refrigeração e suas vulnerabilidades para uma posterior definição da sistemática para a redução de perdas que consiste no projeto com as seguintes etapas: a) coleta de dados para confirmação da quantidade queimada b) cálculo do custo estimado do investimento para retornar com os valores das variáveis de processo as condições de projeto c) cálculo do custo estimado do investimento para alterar as condições do projeto para os valores atuais das variáveis do processo d) comparação do esforço e impacto das duas alternativas avaliando a mais adequada e) elaboração do acompanhamento e controle após a implantação da alternativa indicada. Palavras chaves: Redução. Perdas. CO 2. Propeno.

7 SOUZA, Robson Moreira de. Redução de Perdas em um Sistema de Armazenagem de Propeno Químico. 44 f. il Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador. ABSTRACT The aim of this paper is to propose alternatives to reduce, with little investment, by at least 50% of propylene chemical losses to flare through the reconditioning process variables to the values of design or design change to meet the new values of the variables the process to prevent economic loss by reducing emission of CO 2 and minimize occurrences with environmental agency and communities. For application of the methodology is necessary to know the product, the storage system, cooling system and its vulnerability to a further definition of the systematic reduction of losses that is the design with the following steps: a) data collection to confirm the amount burned b) calculating the estimated investment cost to return the values of variables of process design conditions c) calculating the estimated investment cost to change the conditions of the project to the current values of process variables d) comparison of the effort and impact of the two alternatives and evaluating the most appropriate) develop a monitoring and control after the implementation of the alternative indicated. Keywords: reduction, losses, CO 2, propylene.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Fluxograma do sistema de armazenamento Figura 2: Situação do Projeto Figura 3: Situação Real Figura 4: Perdas do Propeno antes do projeto Figura 5: Pesos para a matriz de esforços e impacto Figura 6: Esforço X Impacto Figura 7: Gráfico dos Ganhos... 38

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Equipe de Trabalho do Projeto Quadro 2: Plano de Ação Quadro 3: Ganhos Econômicos e ambientais do projeto... 37

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 11 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O PROPENO PERDAS E DESPERDÍCIOS NO PROCESSO PRODUTIVO CUSTO NA NÃO QUALIDADE POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA FONTES DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA AÇÕES SOBRE A QUALIDADE DO AR SUSTENTABILIDADE SUSTENTABILIDADE NA ORGANIZAÇÃO 24 3 DISCUSSÕES PRODUTO SISTEMA DE ARMAZENAMENTO UNIDADE DE REFRIGERAÇÃO AS PERDAS E O MÉTODO PARA A REDUÇÃO VERIFICAÇÃO DE EFICÁCIA 37 CONCLUSÃO 39 REFERÊNCIAS 41

11 11 1 INTRODUÇÃO O avanço da conscientização da população e as crescentes advertências ambientais no que se refere às emissões de gases poluentes na atmosfera tornam cada vez mais necessário o estudo de prevenção e redução de perdas e liberação de CO2 em processos industriais. A redução de custo de produção, atrelado ao ganho ambiental e ao progresso tecnológico tem sido cada vez mais internalizados pelas empresas como uma questão de competitividade e perpetuidade. É nessa tendência que o objetivo deste trabalho de propor alternativas para redução de perdas em um sistema de armazenagem de propeno químico como pouco investimento visa convergir. O sistema de armazenagem de propeno químico foi escolhido por apresentar uma situação atual onde a temperatura do produto que circula pelo sistema de refrigeração está fora das condições de projeto, gerando aumento na pressão do sistema e consequente alívio de produto para flare, gerando perdas financeiras e impactando ambientalmente. Estima-se que a queima atual de propeno químico no flare da unidade estudada esteja gerando uma perda econômica de R$ ,00/ano. Esta queima gera também uma elevação na emissão CO 2 equivalente para atmosfera e aumenta o consumo de vapor na atomização da chama no flare. Ainda que se use o vapor a queima não é totalmente atomizada de forma que se torna obrigatório o envio de uma comunicação ao INEMA informando o motivo e o tempo em que houve violação colorimétrica. A comunidade também questiona caso seja atingida por fuligem. Neste primeiro capítulo buscou-se justificar a importância do trabalho proposto. O segundo capítulo apresenta uma revisão bibliográfica sobre os seguintes temas: breve referência ao propeno; perdas e desperdícios no processo produtivo; poluição atmosférica e sustentabilidade.

12 12 No terceiro capítulo são apresentados os dados de processo com informações sobre o produto, o sistema de armazenamento, o sistema de refrigeração e suas vulnerabilidades. São discutidas também as etapas da sistemática e apresentada a coleta de dados, os cálculo do custo estimado dos investimentos, a comparação do esforço e impacto das duas alternativas avaliando a mais adequada e a elaboração do acompanhamento e controle após a implantação da alternativa indicada. Em seguida é apresenta a conclusão do estudo. E por fim, são demonstradas as referências bibliográficas utilizadas para o desenvolvimento deste trabalho.

13 13 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 O PROPENO O propeno é um derivado petroquímico que é aproveitado como matériaprima fundamental na química fina e na produção de produtos e embalagens plásticas. Ele é extraído do petróleo, um recurso não-renovável, caro e com preços instáveis. (WILKIPÉDIA, 2011). O nome Propeno registrado pela IUPAC, pode também ser denomiando de propileno, um hidrocarboneto insaturado (alceno) de fórmula C3H6, descrito usualmente como um gás incolor e altamente inflamável. Esse derivado é produzido durante o craqueamento do petróleo e na gaseificação do carvão. É reconhecido como uma das maiores matérias-primas da indústria petroquímica. Seu principal uso é para produção de polipropileno. É também utilizado como combustível em muitos processos industriais, por ter uma chama mais quente que a do propano (por produzir menor massa após combustão). O propeno é solúvel em álcool e éter. 2.2 PERDAS E DESPERDÍCIOS NO PROCESSO PRODUTIVO Todo processo produtivo possui inúmeros fluxos de trabalho, que se repetem diariamente. Esses fluxos de trabalho, repetitivos, configuram os processos da empresa, e a sua gestão geralmente é denominada de Gerenciamento de Rotina: um aglomerado de ações, verificações e decisões, dirigidas para que se consigam os resultados esperados. Quando o resultado alcançado é pior do que o resultado esperado, dizemos que temos um problema. Segundo Campos (1992, p. 54), problema é o resultado indesejável de um trabalho.

14 14 De acordo com JURAN (1992, 23), Problema é um desvio da característica de qualidade de seu nível ou estado pretendido, que ocorre com gravidade suficiente para fazer com que um produto associado não satisfaça às exigências de uso, normal ou razoavelmente previsível. Desse modo, o tamanho do problema (Juran, 1992), é a diferença entre o resultado atual e um valor desejado (meta). Neste sentido, quando não se consegue atingir uma determinada meta, deve-se identificar e solucionar o problema, para que se busque atingir a meta. Segundo Brinson (1996, p.80), Perdas e desperdícios são constituídos pelas atividades que não agregam valor e que resultam em gastos de tempo, dinheiro, e recursos sem lucro, além de adicionarem custos desnecessários aos produtos. As atividades que não acrescentam valor são as que podem ser suprimidas sem que ocorra degradação na performance da organização (custo, função, qualidade e valor agregado). Desse modo, para suprimir desperdícios, carece de considerar todas as atividades e tarefas executadas no contexto do processo e tentar abandonar aquelas que não adicionam valor para a produção, ao produto e ao cliente. Nesta mesma linha, Nakagawa (1993, p.19) atribui como desperdício, todas as formas de custos que não adicionam qualquer valor ao produto, sob a ótica do consumidor. Ele demonstra como exemplo o caso de fabricante de televisores que só agrega valor quando associa e prepara as partes necessárias para produzi-los. Qualquer coisa, além disso, configura-se como desperdício. Por esta definição, contar e estocar partes componentes, ou ainda alguma forma de inspeção, testes, transportes, preenchimento de controles internos, perdas no processo, atividades de reprocessamento e atendimento de garantias e outros seriam formas de desperdícios.

15 15 Bornia (1995, p. 65) afirma que, os desperdícios não só não adicionam valor aos produtos como também são desnecessários ao trabalho efetivo, sendo que ocasionalmente até reduzem o valor destes produtos. Enquadra-se nesta categoria à produção de itens defeituosos, a movimentação desnecessária, a inspeção de qualidade, capacidade ociosa, etc. Assim, poderiam englobar os custos e as despesas utilizados de forma não eficiente. Desperdício, no entender de Robles Júnior (1996, p.17), é a perda a que a sociedade é submetida devido ao uso de recursos escassos. Tais recursos precários vão desde material, mão-de-obra e energia perdidas, até a perda de horas de treinamento e aprendizado que a empresa e a sociedade perdem em consequência, por exemplo, de um acidente de trabalho. De acordo com Nakagawa (1993, p. 65), os desperdícios nas empresas industriais, em média, correspondem a 20% das vendas, enquanto nas prestadoras de serviços chegam a alcançar 40% dos gastos operacionais. A exclusão dos desperdícios está intimamente vinculada com a questão da Qualidade das empresas, que deve ser incentivada de forma total na organização, para que, por meio da redução dos desperdícios e dos custos decorrentes, a empresa possa gerar maiores recursos financeiros, que se transformarão em novos investimentos, garantindo a sua competitividade no mercado Custo na Não-Qualidade Para a compreensão do que são custos da qualidade, é faz-se necessários conhecer os conceitos das duas palavras que compõe a expressão: o de custos e o de qualidade. MARTINS (1992, p. 54) refere-se a custos como, Gasto relativo à bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços, ou seja, o valor dos insumos usados na fabricação dos produtos da empresa. Salienta que o custo é também um gasto, só que reconhecido como tal, isto é, como custo, no momento da utilização dos fatores de produção (bens e serviços) para fabricação de um produto ou execução de um serviço.

16 16 A qualidade por sua vez, foi progredindo ao longo do tempo. E na atualidade ela é compreendida como a preocupação com o processo. Não somente o processo fabril, mas também com todos os processos que a empresa lança mão para atender e satisfazer os consumidores. Essa preocupação com todos os processos industriais e administrativos é conhecida como Total Quality. Para Montgomery e Paladini (1997, p. 63) A sobrevivência das empresas no mercado competitivo atual está diretamente ligada à produção de itens de qualidade a um baixo custo. Em uma sociedade em que os consumidores cada vez mais exigem qualidade nos produtos e serviços, há uma crescente preocupação nas empresas não só em manter, mas em incrementar seu desempenho no que diz respeito à qualidade e à produtividade. Os conceitos de custos da qualidade passaram a ser disseminados com o controle da qualidade que serviam como sustentáculos para as ações de avanços, esses custos também buscavam medir a qualidade das empresas. 2.3 POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA A poluição atmosférica pode ser definida como, A introdução, direta ou indiretamente, pelo homem na atmosfera, de substâncias ou energias que ocasionem conseqüências prejudiciais, de natureza a colocar em perigo a saúde humana, a causar danos aos recursos biológicos e aos sistemas ecológicos, a ofender as convenções ou perturbar as outras utilizações legitimas do meio ambiente. (ANTUNES, 1998, p. 87). Este tipo de poluição está relacionada às condições topográficas, climáticas, meteorológicas, as quais podem determinar a vocação geoeconômica da região. Esta análise sistêmica é indispensável para se querer assegurar a qualidade ambiental do entorno, cuidando para não lhe embutir atividades produtivas em desacordo com suas características.

17 17 A poluição do ar é resultado da alteração das características físicas, químicas ou biológicas normais da atmosfera, que determinam danos para o ser humano, à fauna, à flora e aos materiais. Chegando a diminuir o uso da propriedade, afetando de forma negativa o bemestar da população. (FIORILLO, 1997, p. 54) Quando ocorrem alteração e degradação do ar, comprometendo-se os processos fotossintéticos, prejudica-se a vegetação terrestre e aquática, são agredidos os ciclos do nitrogênio (necessários para a existência da vida na terra, já que desses ciclos dependem inúmeros organismos e o crescimento e desenvolvimento de muitos vegetais), oxigênio e carbono, ocasionando mudanças climáticas, há uma diminuição de intensidade da luz; a água e o solo mostram-se afetados, prejudicando a saúde do homem e dos animais. Nos grandes centros, onde os efeitos se mostram sinistros, já se determinou que a poluição atmosférica contribui para o surgimento de rinite alérgica e deficiências visuais. Ela colabora também para o incremento da taxa de mortalidade pelo câncer e arteriosclerose. (MIRALE, 1997). Episódios agudos de poluição atmosférica variam constantemente, acarretando transtornos graves e provocando muitas mortes. A convivência humana tem que atentar para níveis suportáveis, obviamente com essa realidade do mundo moderno. Porém, determinadas medidas de ordenamento técnico e social devem ser incrementadas para minimizar os impactos negativos e suas seqüelas. Merecem destaque uma ampla tomada de consciência e o acesso a informação sobre o assunto. (ANTUNES, 1998). As alterações atmosféricas devem não apenas ser monitoradas, mas amplamente divulgadas no interesse da população Fontes da Poluição Atmosférica As fontes de poluição atmosférica podem ser estacionárias (fixas) ou móveis. Em relação as fontes fixas, as indústrias constituem as fontes de maior potencial poluidor deste tipo, ao lado das quais figuram as lavanderias, os hospitais e hotéis

18 18 entre outras. As fontes móveis de poluição são representadas pelos aviões, embarcações marinhas e veículos automotores, sendo que estes últimos correspondem a aproximadamente 90% da poluição atmosférica das grandes metrópoles. Alcançar uma qualidade do ar sadio pressupõe o controle das fontes de emissão de poluentes atmosféricos. (referência) A emissão de substâncias (gases e vapores) no estado sólido, líquido e gasoso, causando degeneração desfavorável do meio ambiente, decorrente de atividade humana, resulta em poluição atmosférica. Uma das principais causas da poluição atmosférica é proveneniente dos processos de obtenção de energia. O contrário da emissão é a imissão, que pode ser denominado como o resultado, o nível de contaminação das emissões produzidas pelos mais diferentes focos e agentes poluidores. Entretanto, há que se ter cuidado para não se considerar a soma das emissões, pois muitas vezes isso pode não retratar a realidade de contaminação, vez que em decorrência dos aspectos meteorológicos, pode haver uma maior ou menor concentração de poluentes na atmosfera. (ANTUNES, 1998). Os principais agentes poluidores são as indústrias e os transportes. As indústrias que mais contribuem para o processo de poluição atmosférica são as que envolvem processos de combustão. Também integram este grupo as refinarias de petróleo, que liberam sensíveis quantidades de óxido de enxofre e monóxidos de carbono, as indústrias de fundição, as fábricas de cimento, incineradoras, siderúrgicas, indústrias químicas, cerâmica e fertilizantes. No contexto urbano-industrial, a poluição atmosférica é causada pela ação antrópica mediante fontes estacionárias, entre as quais se encontram com elevado potencial poluidor as refinarias, as indústrias petroquímicas, siderúrgicas, de papel e celulose e de cimento. As fontes móveis são representadas pelos onipresentes veículos automotores.

19 19 Uma utilização legítima do meio ambiente pressupõe que o bem comum não seja degradado e que o poluidor assuma sua responsabilidade face ao dano que eventualmente causar. Ressalte-se que os poluentes lançados no ar provêm de múltiplas fontes que nem sempre são passíveis de identificação. Isto não significa que identificado um poluidor, este possa eximir-se de sua responsabilidade pelo simples fato de que as outras fontes poluentes não foram identificadas. A responsabilidade do poluidor é objetiva como dispõe o art. 14, 1º da Lei nº 6.938/ Ações sobre a qualidade do ar Uma intervenção sobre atividades poluidoras, com vistas a preservar ou recuperar a qualidade atmosférica enquanto para a qualidade ambiental, supõe um complexo de medidas. Cabem aqui alguns destaques para o monitoramento, os programas nacionais e a legislação pertinente. Monitoramento da qualidade do ar: o controle da poluição atmosférica, assim como o da qualidade do ar, não pode ser deixado para quando os problemas se avolumarem e agravarem. Medidas simples e eficazes podem ser adotadas com baixa demanda de tempo e recursos, como o monitoramento das áreas críticas de regiões metropolitanas e outros centros urbanos. Importa, igualmente, divulgar os índices e dados técnicos para esclarecer a sociedade sobre problemas de qualidade do ar e reforçar a consciência ecológica. Programas Nacionais: há dois programas nacionais específicos para a qualidade do ar, lançados por resoluções do Conama. Paralelamente há um programa energético alternativo, o Proálcool, que tem a ver com o problema. A localização das fontes industriais poluidoras é um fator preocupante, principalmente quando localizadas em grandes centros urbanos, ou próximos a eles, pois em tais locais costuma haver uma concentração elevada de poluentes.

20 20 O Decreto-Lei 1.413, de 14/08/1975, que dispõe sobre o controle da poluição do meio ambiente provocada por atividades industriais, determina em seu art.4º, ainda em vigor que nas áreas críticas de poluição, seja adotado esquema de zoneamento urbano. Posteriormente, a Lei 6.803, de 02/07/1980, estabeleceu as diretrizes básicas para o zoneamento industrial nas áreas críticas de poluição, de modo a compatibilizar as atividades industriais com a proteção ambiental, referindo-se expressamente, em seu art. 1º, ao art. 4º do referido Decreto-Lei. 2.4 SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade pode ser definida como um modelo de desenvolvimento global que congrega os aspectos de desenvolvimento e preservação ambiental no modelo de desenvolvimento sócio-econômico. Por meio de diversos fatos acontecidos recentemente, fica muito claro que entre as relações homem-meio ambiente, não existe apenas um limite mínimo para o bem-estar da sociedade, existe também um limite para a utilização dos recursos naturais, de forma que a preservação e manutenção dos mesmos tornam-se indispensáveis para garantir um futuro da humanidade. Pode-se identificar três principais campos de atuação em desenvolvimento sustentável: Sustentabilidade Ambiental: Consiste na manutenção das funções e componentes do ecossistema, de modo sustentável. Sustentabilidade Econômica: Sustentabilidade econômica é a capacidade de produção, distribuição e utilização equitativa das riquezas produzidas pelo homem. Sustentabilidade Sócio-política: vai além dos limites econômico-sociais para atingir os mecanismos institucionais que compõem a nossa sociedade, afetando a sua mudança e desenvolvimento, por via do processo político. (QUINTAS, 2000). Sustentabilidade indica algo que é sustentável, adequado para se manter, se auto-renovar, e garantir sua estabilidade no tempo. É um atributo, uma característica, de processos e políticas que fazem em si as condições para sua autoreprodução.

21 21 Castels e Borja (citado por 1996, p. 21) concordam que, As experiências bem-sucedidas de desenvolvimento local (endógeno) decorrem, quase sempre, de um ambiente político e social favorável, expresso por uma mobilização, e, principalmente, de convergência importante dos atores sociais do município ou comunidade em torno de determinadas prioridades e orientações básicas de desenvolvimento. Representa, neste sentido, o resultado de uma vontade conjunta da sociedade que dá sustentação e viabilidade política a iniciativas e ações capazes de organizar as energias e promover a dinamização e transformação da realidade. O termo desenvolvimento sustentável abriga um conjunto de padrões para o uso dos recursos que objetivam considerar as necessidades humanas. Este termo foi ressaltado em 1987 no Relatório Brundtland da Organização das Nações Unidas onde foi definido que desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades. O desenvolvimento sustentável deve abranger a sustentabilidade sobre os enfoques econômico, ambiental e sociopolítica. No núcleo da questão ambiental tudo que nos cerca precisa de cuidados especiais para que continue seu ciclo normal de existência. E os núcleos econômico e sóciopolítico só têm existência se for mantida a sustentabilidade ambiental. As duas últimas dependem da primeira (TORRESI, PARDINI e FERREIRA, 2009). O final do século XX foi marcado por intensa mobilização da humanidade na luta por direitos políticos, econômicos, éticos, ambientais e sociais. Essa mobilização crescente das pessoas e instituições na busca de caminhos alternativos para a construção de uma sociedade mais digna e mais justa trouxe, também, a consciência de que o direito à cidadania só será possível com a adoção de um novo padrão de comportamento que imponha o compromisso de todos. Nesse cenário, as organizações apresentam-se como atores sociais fundamentais para a concretização das mudanças exigidas. As empresas têm como desafio, transformar-se em empresas cidadãs, pró-ativas na busca de soluções para as demandas da sociedade, com ações sociais planejadas, vinculadas a projetos de médio e longo prazo, ultrapassando iniciativas eventuais e meramente assistencialistas.

22 22 Não depende apenas de uma única pessoa, empresa ou governo a conservação do meio ambiente. Esta deve estar inserida em uma política de desenvolvimento do país onde o meio ambiente seja um bem cuidado por todos os cidadãos que precisam estar permanentemente alertas para os perigos das ações por mais aparentemente inocentes que sejam, e que são realizadas no meio ambiente. São as ações sustentáveis simples como uso racional de água e energia elétrica, manipulação adequada do lixo, entre outras, que compõem os primeiros passos do cidadão para um processo de sustentabilidade eficaz que tende a ter resultados no todo. Os vários resultados explícitos pelo mundo onde se observam desequilíbrios ambientais ecológicos que incluem destruição de ecossistemas presentes no aquecimento global já atingem não só a saúde de todos, mas tem colocado em risco a própria possibilidade de manutenção da vida humana no planeta, onde a população experimenta um processo de crescimento de ampla gravidade, o que constitui em si mesmo um elemento de pressão por recursos econômicos e ambientais (TAMBELLINI, 2009). Neste conjunto de perdas coletivas, os custos sociais tem se elevado e exigido maior atenção nas questões de ordem política como: a falta de governabilidade, a instabilidade política, a mudança na natureza, a violência na cidade e no campo, enfim, a perda da capacidade para exercer as funções básicas de proteção dos cidadãos contra situações críticas de perda da vida e da dignidade humana (TAMBELLINI, 2009). Esta situação tem se agravado e se tornado visível dada as grandes desigualdades econômicas e sociais presentes, não só entre as diferentes classes sociais e seus estratos, mas também entre grupos étnicos, entre gêneros, entre regiões de um mesmo país e entre diferentes regiões geográficas e territoriais do mundo globalizado. Tais diferenças envolvem os direitos à saúde, ao trabalho, à habitação, à educação, a convivência saudável, à proteção e cuidados privilegiados a grupos de maior vulnerabilidade (como as crianças, os adolescentes e idosos), bem como também o direito à liberdade e a uma vida longa, digna e saudável (TAMBELLINI, 2009).

23 23 Os pesquisadores Loureiro e Cunha (2008) num estudo sobre Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação, citando Quintas (2000, p. 17) ressaltam que: Um processo de mediação de interesses e conflitos entre atores sociais que agem sobre os meios físico-natural e construído [...] define e redefine, continuamente, o modo como os diferentes atores sociais, através de suas práticas, alteram a qualidade do meio ambiente e também como se distribuem os custos e os benefícios decorrentes da ação destes agentes. O artigo 225 da Constituição Federal atribui ao poder público e à coletividade o dever de defender e preservar o ambiente mantendo-o ecologicamente equilibrado para as presentes e futuras gerações. Esse fato reafirma a certeza de que o modo de apropriação dos bens naturais pela sociedade pode tanto beneficiá-lo com os seus cuidados como alterar as suas propriedades, provocar danos ou produzir riscos (QUINTAS, 2004). A proposta de educação no processo de gestão ambiental deve atuar nesse tensionamento buscando a garantir a participação, no processo decisório, dos grupos historicamente excluídos e em vulnerabilidade socioambiental. Em 2000, com a publicação da lei 9985/2000 que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), os conselhos foram incorporados como espaços de consulta ou deliberação nas Unidades de Conservação (UCs), formalizando uma instância de gestão participativa para essas áreas protegidas. Especialmente após a regulamentação do SNUC, pelo decreto 4340/2002, iniciativas vêm sendo realizadas pelos órgãos públicos e demais instituições envolvidas com a gestão dessas áreas, em suas diferentes categorias, no sentido de dar materialidade ao disposto na lei. Nesse âmbito, também se relatam dificuldades na efetivação e no funcionamento dos conselhos, que vão desde a ambigüidade ou a omissão da lei, referente a algumas categorias de UCs, à falta de procedimentos claramente definidos, que impeçam a utilização desse instrumento como um espaço que apenas referende interesses de grupos específicos, sem representar um local de construção da cidadania, entendida como condição efetiva de participação, deliberação e apropriação do que é socialmente produzido (LOUREIRO e CUNHA, 2008).

24 24 Para que haja a verdadeira sustentabilidade a que se propõe um projeto de participação e desenvolvimento, torna-se necessário um trabalho de ressignificação da riqueza e do progresso no sentido de criar possibilidades para um viver coletivo mais solidário numa sociedade integrada e integrante de um meio ambiente saudável. Em outras palavras, de uma sociedade que se estruture e se organize produzindo e reproduzindo suas riquezas materiais e valores espirituais e sua população, de acordo com um novo paradigma a ser construído coletivamente, qual seja, aquele da sustentabilidade (TAMBELINI, 2009, p. 07). Assim, é necessário repensar e discutir sobre tal "sustentabilidade", voltando os olhares para a abrangência que compete aos projetos socialmente organizados, evitando que haja uma diversidade de entendimento e reinterpretação Sustentabilidade na Organização As ações de responsabilidade social alertam a sociedade para algumas atitudes de empresas que não condizem com o social. Por exemplo, o meio ambiente esquecido ou negligenciado reflete em baixa qualidade de vida para as pessoas, o que gera ônus para com a comunidade. Esta por sua vez pode e deve boicotar os produtos e serviços das empresas que prejudicam e destroem o meio ambiente. Então, a contribuição das organizações não está apenas em gerar empregos, pagar impostos, cuidar do patrimônio e obter lucros. As exigências, quanto à adoção de uma conduta ética por parte das empresas, estão se tornando cada vez mais freqüentes. É imprescindível que se tenha um comprometimento com o ser humano, com a sociedade e com o meio ambiente realizando ações que levem o bem-estar à comunidade, na qual elas estão presentes. No novo contexto mundial, além da qualidade e do preço dos produtos e serviços, que se tornaram condições básicas para a sustentabilidade das organizações, faz-se necessário vislumbrar um diferencial formado a partir de um conjunto de princípios e práticas administrativas baseadas na ética e responsabilidade social.

25 25 É visível que esses valores acabam por alterar, significativamente, as relações das empresas com seus funcionários, fornecedores, consumidores, comunidade, governos, meio ambiente, enfim, com toda a sociedade. O diferencial entre as empresas será avaliado por um processo natural imposto pelo consumidor. Exigente, a clientela não terá dificuldades para avaliar os produtos e serviços das empresas que estiverem preocupadas com as questões sociais. Essas preocupações é que motivam as organizações a implementarem mudanças verdadeiras e profundas, nas quais a participação daquelas possa oferecer propostas e soluções que busquem a promoção dos valores do ser humano na sociedade. Com a economia globalizada a empresa é forçada aprimorar continuamente o nível de qualidade de seus meios patrimoniais (capital) e ter cuidado com o meio ambiente natural, satisfazendo o consumidor cada vez mais exigente e consciente. O cliente moderno observa e prefere a célula social que adota cuidado com o entorno ecológico e social e adquire os produtos dessa organização. Ele prefere a empresa que respeita o meio ambiente e contribui para a qualidade de vida da comunidade. O aspecto ambiental natural é uma variável a ser considerada no planejamento estratégico competitivo. A sustentabilidade tornou-se uma preocupação não só dos estudiosos como também dos empresários a nível mundial. O grande desafio é compatibilizar o crescimento econômico com a preservação da natureza. A sustentabilidade referida gera, pois, concomitantemente, fenômeno patrimonial e do meio ambiente natural. Logo, sempre que houver fenômeno patrimonial haverá mutação patrimonial e sempre que houver fenômeno ambiental natural haverá mutação da natureza. A organização comunitária tem um custo, seja temporal ou econômica, para as pessoas envolvidas e, assim, não deve ser vista como algo que ocorra frequentemente ou de forma continuada. De acordo com Barth e Brose (2001) para que a mobilização social tenha efeitos prolongados é preciso que se passe da fase de simples reivindicação para a fase de construção de propostas pela comunidade,

26 26 que devem ser apresentadas e negociadas com os representantes do setor publico, da iniciativa privada e do terceiro setor. Construir propostas significa identificar os problemas, descrevê-los, apontar possíveis soluções e elaborar algum tipo de plano de ação e capacidade gerencial para a sua implementação. Essas habilidades e conhecimentos muitas vezes faltam em comunidades de baixa renda, mas podem ser aprendidas e exercitadas pela autogestão de organizações comunitárias. É necessário o fortalecimento da autogestão das organizações, sejam elas urbanas ou rurais, no intuito de aprender as regras da democracia e do exercício da cidadania para que isso possa fazer surgir as novas gerações de liderança. Para tanto são necessários instrumentos, técnicas e procedimentos que operacionalizem na prática do dia-a-dia (BARTH e BROSE, 2002).

27 27 3 DISCUSSÕES A metodologia utilizada nesse estudo para identificar e reduzir a perda e queima de propeno químico deve passar pelas seguintes etapas: 1) conhecimento do produto e sua relação de queima com geração de CO 2 ; 2) conhecimento do sistema de armazenamento; 3) entendimento do sistema de boil-off e suas vulnerabilidades; 4) definição da sistemática para a redução de perdas; 5) avaliação, controle e verificação da eficácia do projeto. 3.1 PRODUTO Para o caso estudado o produto é o Propeno Químico: gás inflamável utilizado para a fabricação do termoplástico Polipropileno e Acrilatos. O Propeno é dividido em duas graduações de acordo com o seu grau de pureza, onde o Propeno Polímero possui 99,5% e o Propeno Químico possui 93,0% de pureza, calculados pelo grau de impureza do produto. O Propeno é da família dos hidrocarbonetos e sua fórmula química é C 3 H 6, seu número ONU é UM 1077, classe de risco 2.1 e número de risco 23 Gás Inflamável. A massa específica a 21ºC e 1 ATM é 1,762 kg/m3 e a pressão de vapor a 21ºC é 915,69 kpa, motivo pelo qual deve ser armazenado em esfera ou vaso pressurizado e de preferência resfriado. Considerando o cálculo estequiométrico para a queima do propeno químico como sendo: C 3 H 6 + 4,5O 2 3CO 2 + 3H 2 O, Tem-se que a queima de uma tonelada de propeno químico libera para o meio ambiente aproximadamente 3,1 toneladas de CO 2.

28 SISTEMA DE ARMAZENAMENTO O sistema de armazenamento de propeno químico é composto por duas esferas isoladas com poliuretano e alumínio a fim de evitar ganho de energia do ambiente. A alimentação se dá pelo topo por uma tubulação também isolada de seis polegadas e comprimento da unidade produtora até a esfera de aproximadamente 2,0 km. A retirada do produto se dá pelo fundo da esfera e não impacta no resultado do estudo. Figura 1: Fluxograma do sistema de armazenamento e refrigeração de propeno químico

29 UNIDADE DE REFRIGERAÇÃO As variáveis descritas nessa etapa são pré-definidas conforme projeto e os fundamentos da termodinâmica que regem as trocas de calor e de estado citadas nessa instalação são supostos conhecidos. A função dessa unidade é permitir a estocagem de propeno líquido e seu vapor, na temperatura de saturação de -5ºC ou +6ºC nas pressões de 502 e 696 kpa abs. respectivamente. Esse processo ocorre por meio da aspiração contínua dos vapores formados nas esferas por penetração de calor através do isolamento térmico ou por causa do envio de propeno menos resfriado das unidades produtoras. Os vapores são comprimidos até uma pressão onde é possível a sua liquefação por meio de cessão de calor para água de resfriamento e a partir daí re-expandido e devolvido para as esferas de armazenamento. Antes de ser aspirado pelo compressor, o vapor passa pelo vaso separador de líquido a fim de separar eventuais gotículas de propeno que possam chegar à unidade e causar golpes de líquido no compressor. Os vapores secos são comprimidos pelo compressor em dois estágios com um vaso amortecedor entre eles, em seguida é condensado em um trocador de calor com água e drenado para um vaso de acumulação. Neste vaso, o nível é mantido constante por meio de uma válvula de controle. Essa válvula expande o propeno até a pressão de 780 kpa abs., essa pressão diminuirá ao longo da tubulação até chegar nas esferas com a pressão de 502 kpa abs. Na expansão que ocorre na válvula de controle ocorre um flashing que continua na tubulação, fazendo com que o propeno abandone a unidade de refrigeração com título de 20,5%, a +10ºC e chegue às esferas com título de 28,9% a -5ºC. 3.4 AS PERDAS E O MÉTODO PARA A REDUÇÃO As condições de projeto dos sistemas de armazenagem não vinham sendo mantidas e com isso o sistema de refrigeração não poderia atender com eficiência ao seu objetivo que era reliquefazer o propeno e consequentemente reduzir a temperatura e pressão das esferas.

30 30 As opções para a solução desse problema seriam trazer as condições atuais para as condições de projeto ou alterar a condição de operação da unidade de refrigeração ou substituí-la. Os custos e cálculos de retorno não serão mencionados nesse trabalho por se tratar de um assunto complexo e extenso, podendo servir mais tarde como escopo de uma dissertação de mestrado. Além do que o foco para esse trabalho foi no ganho ambiental, onde o ganho econômico serviu como motivador para o projeto. Mas para se ter a ordem de grandeza do comparativo de custos de voltar às condições de projeto versus uma nova unidade de refrigeração, a variação ficou em torno de seiscentos mil dólares contra sessenta mil dólares, ou seja, voltar às condições de projeto era mais ou menos dez vezes mais barato. Para diminuir os custos, a metodologia utilizou-se de mão de obra especializada dentro do quadro de funcionários da própria empresa que opera e faz manutenção no sistema de armazenagem e no sistema de refrigeração. A equipe foi montada da seguinte forma: Quadro 1: Equipe de Trabalho do Projeto 03 TÉCNICOS DE OPERAÇÃO 01 ENGENHEIRO DE PROCESSO 01 ENGENHEIRO MECÂNICO 01 ENGENHEIRO DE MANUTENÇÃO 01 TÉCNICO DE INSTRUMENTAÇÃO 01 OEPERADOR 01 ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO 01 ESPECIALISTA EM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE

31 31 O sistema foi modelado em software de simulação e confirmado a inadequação das variáveis de armazenagem. A equipe verificou que o maior impacto estava nas condições de isolamento da tubulação que alimentava as esferas com propeno oriundo da unidade e o condicionamento desse isolamento foi de fato o maior custo inerente as ações de tratativa do problema. Figura 2: Situação do Projeto

32 32 Figura 3: Situação Real As perdas verificadas antes das ações levantadas nesse projeto estavam em cerca de quatrocentos e trinta e cinco toneladas mensais de propeno, o equivalente à emissão de aproximadamente mil trezentos e cinqüenta toneladas de CO 2 por mês para atmosfera.

33 Figura 4: Perdas do Propeno antes do Projeto 33

34 0 34 A etapa seguinte foi de definição pela equipe com bases nos pesos dados por cada especialidade a partir de uma matriz de esforço e impacto para as ações a serem implantadas prioritariamente. Figura 5: Pesos para a matriz de esforço e impacto 10 Índice de Importância X's do Processo TOTAL Esforço de Eliminação da Variável de Entrada X1 Temperatura ambiente elevada 5,88 4,00 3,00 5,00 8,00 8,00 8,00 8,00 3,00 58,8 alto 8 X : Forte Correlação : Média Correlação : Baixa Correlação 0: Não há Correlação Sujeira nos compressores GB-1010X/SX (camisa de resfriamento) 7,67 8,00 7,00 8,00 10,00 7,00 6,00 76,7 X3 Baixa eficiência dos compressores GB-1010X/SX 7,33 8,00 4,00 8,00 10,00 9,00 5,00 73,3 X4 Indisponibilidade da GA ,57 8,00 7,00 7,00 9,00 8,00 8,00 6,00 75,7 alto 8 X5 Instrumentos descalibrados (PI e TI) 4,00 4,00 3,00 3,00 5,00 5,00 4,00 40,0 baixo 2 Válvulas descalibradas [PSV e PSV X6 (esferas)] 8,50 9,00 10,00 7,00 10,00 8,00 7,00 85,0 baixo 2 Válvula descalibrada (PCV de sucção do X7 compressor) 5,67 4,00 3,00 6,00 8,00 8,00 5,00 56,7 alto 8 X8 Válvula descalibrada (PCV do condensador) 8,83 10,00 7,00 8,00 10,00 8,00 10,00 88,3 moderado 5 Isolamento térmico das linhas do sistema X9 ineficiente 8,50 8,00 9,00 8,00 9,00 10,00 7,00 9,00 8,00 85,0 baixo 2 X10 Baixa eficiência do condensador EA-1029X 9,17 10,00 7,00 9,00 10,00 9,00 10,00 91,7 moderado 5 Baixa eficiência das torres de resfriamento EF- X A/B 8,71 10,00 5,00 9,00 10,00 10,00 9,00 8,00 87,1 baixo 2 X12 Instrumentos de controle descalibrados 7,50 8,00 5,00 9,00 8,00 9,00 6,00 75,0 baixo 2 Integridade física dos internos da válvula LCV- X X Envio de propeno químico com teor de X14 incondensáveis elevado Temperatura de envio do propeno químico maior X15 do que a temperatura de projeto Vazão mássica para os compressores GB- X X/SX acima das condições de projeto Circulação elevada através da GA-1014 devido à X17 parada de envio para cliente Tratamento químico nas torres de resfriamento X18 EF-1001A/B inadequado Temperatura de armazenagem do produto fora X19 das condições de projeto (-5 a +6 C) Bloqueio indevido da válvula de purga das torres X20 de resfriamento EF-1001A/B Taxas de deposição e corrosão nas torres de X21 resfriamento EF-1001A/B elevadas Válvula calibrada com set abaixo da de projeto X22 (PCV do condensador) Válvula calibrada com set abaixo da de projeto X23 (PSV FB-1022A e PSV FB-1022B) Operabilidade da válvula de expansão LCV- X X Isolamento térmico das esferas FB-1022A/B X25 ineficiente 8,50 9,00 7,00 10,00 9,00 10,00 6,00 85,0 8,71 8,00 8,00 9,00 10,00 8,00 9,00 9,00 87,1 9,50 10,00 8,00 9,00 10,00 10,00 10,00 9,00 10,00 95,0 7,83 8,00 7,00 9,00 9,00 7,00 7,00 78,3 7,50 7,00 7,00 7,00 9,00 7,00 8,00 75,0 7,67 8,00 8,00 7,00 9,00 7,00 7,00 76,7 9,14 9,00 8,00 8,00 10,00 10,00 10,00 9,00 91,4 6,17 7,00 5,00 6,00 8,00 7,00 4,00 61,7 6,67 7,00 5,00 8,00 8,00 7,00 5,00 66,7 8,67 10,00 7,00 9,00 10,00 9,00 7,00 86,7 9,50 10,00 10,00 9,00 10,00 9,00 9,00 95,0 9,00 9,00 8,00 9,00 10,00 10,00 8,00 90,0 9,00 8,00 9,00 9,00 9,00 10,00 9,00 9,00 9,00 90,0 baixo moderado baixo alto alto alto alto baixo alto baixo baixo baixo baixo baixo moderado*

35 Esforço 35 A partir da correlação da matriz de esforço e impacto foi levantado os quadrantes dos pontos que deveriam ser de ação prioritária. Figura 6: Esforço X Impacto ,0 50,0 100,0 Impacto Com a matriz plotada e comparada com os esforços foram levantados então o plano de ação para cada envolvido no projeto.

36 36 Quadro 2 : Plano de ação definido a partir da matriz esforço X impacto O QUE FAZER QUEM PORQUE CUSTO Retrolavagem nas camisas dos compressores Mecânica Garantir refrigeração nas camisas Custo fixo da área Retorno do compressor um para liberação do compressor dois para manutenção Mecânica Sanar pendências do compressor há tempo sem manutenção Custo fixo da área Recompor isolamento da linha do limite da área produtora até a chegada nas Operação/Caldeiraria Garantir a eficiência do isolamento térmico da linha R$88.000,00 esferas Limpeza da bacia das torres de resfriamento Operação/Caldeiraria Garantir qualidade da água de resfriamento Custo fixo da área Desobstrução das linhas de purga das torres Operação Garantir controle de corrosão no tratamento da água de resfriamento Custo fixo da área Substituição da válvula de alívio do vaso de propeno condensado para flare Instrumentação Garantir abertura da válvula dentro das condições de projeto Custo fixo da área Retornar com bomba do Garantir que o propeno sistema de circulação do trocador de calor de propeno Operação/Mecânica chegue com menor temperatura às esferas de Custo fixo da área da unidade produtora armazenamento. Aumentar a dosagem de dispersantes orgânicos e inorgânicos na água de Operação Garantir a qualidade da água de resfriamento Custo fixo da área resfriamento Cobrar andamento das notas e ordens de serviços dos equipamentos da unidade de reliquefação Operação/Manutenção Garantir operação dos equipamentos dentro das condições de projeto Custo fixo da área Verificar e retroalimentar o check-list de ações Todos Garantir continuidade das ações levantadas N/A

37 VERIFICAÇÃO DA EFICÁCIA A partir da implementação das ações definidas pela matriz esforço x impacto, foram verificados os retornos das variáveis às condições de projeto e foram computadas as perdas evitadas e a quantidade de CO 2 deixada de ser lançada à atmosfera. Quadro 3: Ganhos econômicos e ambientais do projeto Foi verificado um ganho médio mensal de oitocentos e vinte e um mil reais e uma quantidade média de CO2 que deixou de ser lançada da atmosfera em torno de mil cento e oitenta toneladas por mês.

38 t 38 Figura 7: Gráfico dos ganhos após a implantação das ações Início de implantação das ações Perda de propeno para flare dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 Meses Perdas (ton) CO2 RETIDO Perdas evitadas (R$)

39 39 CONCLUSÃO Esta monografia visa aplicar os conceitos de redução de perdas em processos industriais com ênfase às questões ambientais, tendo como elemento motivador o ganho econômico e de imagem da empresa junto à comunidade e aos órgãos governamentais. Uma vez identificados os principais pontos críticos do processo de produção e causas dos desperdícios de matéria-prima, é relevante para o melhoramento na produção distinguir o que é importante que seja melhorado, a fim de identificar quais questões devemos atacar com mais urgência e dedicar maiores esforços. Para tanto, é relevante focar nas questões que impactam com mais força o processo de perda de matérias-primas, uma vez que o objetivo de um sistema industrial de qualquer natureza é a melhoria de sua performance frente à concorrência, todo estudo que permita uma análise mais precisa dos processos de sua cadeia de suprimento, visa a eliminação de fatores que contribuam para o baixo desempenho da empresa. Foi mostrado no estudo como que as preocupações com o meio ambiente nas empresas podem resultar em ganhos econômicos. A queima de propeno químico é uma perda de valor agregado ao produto e por isso foi escolhido esse caso para demonstrar como que pequenos investimentos passam despercebidos dentro da organização deixando de evitar grandes perdas ambientais e econômicas. As práticas inovadoras crescem por um certo tempo e depois param de crescer. Talvez elas cessem de vez. Talvez a iniciativa persista timidamente, como a religião de um pequeno grupo de fanáticos (SENGE ET AL, 1994). As alternativas discutidas levaram a equipe a entender melhor o processo e o produto expandindo a visão que antes era meramente operacional para uma visão mais ampla e estratégica no que diz respeito ao controle de custos, indicador ambiental e imagem da empresa. Obtenha os dados se seu processo, transforme em dados estatísticos, resolva o problema estatisticamente, transforme os resultados em dados de seu processo (MARI,

40 ). Foram discutidas alternativas de trocas de tecnologias e fornecedores de equipamentos e comparado com as ações que poderiam ser tomadas dentro da própria unidade para que esse custo fosse evitado e ainda assim as perdas do processo deixassem de existir. Com isso foi possível reduzir significativamente a emissão de CO2 para a atmosfera transformando essa redução em captura rentável de produto com valor agregado no processo produtivo. O objetivo do trabalho de reduzir em cinqüenta por cento a perda com pequeno investimento foi atingido, mostrando o quão repensar os processos podem tornar as empresas mais competitivas protegendo a sua imagem, gerando ganhos ambientais e econômicos.

41 41 REFERÊNCIAS ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 2.ed. Rio de Janeiro:Lúmen Juris,1998. FIORILLO, Celso Antonio Pacheco, RODRIGUES, Marcelo Abelha. Manual de Direito Ambiental e Legislação Aplicável. São Paulo: Max Limonada, QUINTAS, J.S (org). Pensando e praticando educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, MARI, Luca. The role of determination and assignment in measurement. Measurement, v. 21, nº3, p , MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA INSTALAÇÃO FRIGORÍFICA PARA RELIQUEFAÇÃO DE PROPENO Sulzer 30 páginas MILARÉ, Edis. Direito do Ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, SENGE, P.M.; KLEINER, A.; ROBERTS, C.; ROSS, SMITH, B.J. The fifth discipline fieldbook. New York: Currency Doubleday, SITES CONSULTADOS: Internet: Internet: Internet: ( Solange Teles da Silva, Advogada, doutoranda em direito ambiental, na Universidade) dos/propeno_port.pdf

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e Resolução CONAMA nº XX, de XX de XXXX, de 20XX Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a resolução CONAMA nº 3/1990. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA,

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas MEDIA COVERAGE Low Carbon Technology Partnerships initiative Sao Paulo Roundtable, October 7, 2015 Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas Peter White, diretor do Conselho

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais