A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE - UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FHS CURSO DE PSICOLOGIA Daidani Maria Pimentel Danielle Torres Lima Ruth Léia Monnerat Fonseca A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA. Governador Valadares Junho 2009

2 DAIDANI MARIA PIMENTEL DANIELLE TORRES LIMA RUTH LÉIA MONNERAT FONSECA A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA. Monografia apresentada ao curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Vale do Rio Doce, como requisito parcial à obtenção do título de Graduação em Psicologia. Orientador: Omar de Azevedo Ferreira Governador Valadares Junho 2009

3 A Atuação do Psicólogo Hospitalar no Atendimento aos Portadores de Câncer de Próstata e de Mama. DAIDANI MARIA PIMENTEL DANIELLE TORRES LIMA RUTH LÉIA MONNERAT FONSECA Monografia apresentada ao curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Vale do Rio Doce, como requisito parcial à obtenção do título de Graduação em Psicologia. Governador Valadares, de de Banca Examinadora: Prof. Omar de Azevedo Ferreira - Orientador Universidade Vale do Rio Doce Prof. Mário Gomes de Figueiredo - Convidado Universidade Vale do Rio Doce Prof a. Solange Nunes Leite Batista Coelho - Convidada Universidade Vale do Rio Doce

4 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente o autor da vida, que permitiu que os nossos caminhos se cruzassem. Nesta oportunidade, alicerçamos uma amizade duradoura que nos rendeu conhecimento, aprendizagem e a realização deste trabalho; As nossas queridas famílias, pela compreensão nos momentos de ausência, pelo incentivo e amor incondicional; Aos colegas de sala, pela singularidade e pelas habilidades compartilhadas durante os cinco anos de curso; A todos os professores, que vivenciaram conosco suas experiências e saberes, contribuindo para a nossa formação intelectual, profissional e pessoal; E de forma muito especial aos nossos orientadores, Luiz Carlos Nebenzahl e Omar de Azevedo Ferreira pela dedicação, paciência e competência na orientação deste. Muito Obrigada!!!!

5 INSTANTES Se eu pudesse viver novamente a minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros. Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais. Seria mais tolo ainda do que tenho sido, na verdade bem poucas coisas levaria a sério. Seria mais higiênico. Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas, nadaria mais rios. Iria a mais lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e menos lentilha, teria mais problemas reais e menos problemas imaginários. Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto da sua vida; claro que tive momentos de alegria. Mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter somente bons momentos. Porque, se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos, não percas o agora. Eu era um desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, um guarda-chuvas e um pára-quedas: se voltasse a viver, viajaria mais leve. Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e continuaria assim até o fim do outono. Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças, se tivesse outra vez uma vida pela frente. Mas, já viram, tenho 85 anos e sei que estou morrendo. Jorge Luiz Borges

6 FONSECA, Ruth Léia Monnerat; LIMA, Danielle Torres; PIMENTEL, Daidani Maria (2009). A atuação do Psicólogo Hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. Trabalho de conclusão de curso da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Vale do Rio Doce. Curso de Graduação em Psicologia. Orientador: Prof.: Omar de Azevedo Ferreira. RESUMO No presente trabalho foi abordado o conceito de câncer, suas características, formação e desenvolvimento. Dentre os diversos tipos de câncer que existem, foi enfatizado os dois de maior incidência entre homens e mulheres da sociedade brasileira: o câncer de próstata e o câncer de mama. Foi feita a descrição do conceito de cada um deles, assim como o desenvolvimento, os principais sintomas, diagnóstico, fatores de risco, formas de prevenção e tratamento dos mesmos. Outro aspecto ressaltado, diz respeito ao breve histórico do hospital e da psicologia hospitalar e aos objetivos e contribuições da psico-oncologia no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama, como instrumento de apoio e auxílio no enfrentamento da doença. Foi acrescentado os aspectos emocionais dos portadores de câncer de próstata e de mama, decorrentes do processo de adoecer e da internação, assim como a importância da atuação do psicólogo hospitalar junto a este Ser Doente, que neste momento de sua vida se encontra fragilizado, desacreditado e com pouca perspectiva de vida. Nesse contexto, dentre as atribuições e o fazer do profissional em questão é fornecer ao paciente, seus familiares e cuidadores suporte psicológico, amparo, orientações e maneiras de como lidar com a dura realidade na qual se encontram, mostrando novas perspectivas e alternativas possíveis de conviver com a doença. Palavras-chave: Câncer. Próstata. Mama. Psicologia Hospitalar. Psico-oncologia.

7 SUMÁRIO APRESENTAÇÂO...09 INTRODUÇÃO...11 Problema de Pesquisa...14 Objetivos...14 Justificativa...15 Método CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA Conceituação de Câncer O Câncer de Próstata Desenvolvimento Sintomas Diagnóstico O Câncer de Mama Tipos Desenvolvimento Sintomas Diagnóstico Os Fatores de Risco do Câncer de Próstata e de Mama As Formas de Prevenção e Tratamento do Câncer de Próstata e de Mama Dados Epidemiológicos do Câncer de Próstata e de Mama...25

8 2 O HOSPITAL, A PSICOLOGIA HOSPITALAR E A PSICO- ONCOLOGIA O Surgimento do Hospital Breve Histórico A Psicologia Hospitalar Breve Histórico A Psico-oncologia, seus objetivos e contribuições A ATUAÇÃO DO PSICOLÓGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA Os Aspectos Emocionais Decorrentes do Adoecer e da Internação A Importância da Atuação do Psicólogo no Contexto Hospitalar Aos Portadores de Câncer de Próstata e de Mama...35 CONCLUSÃO...39 BIBLIOGRAFIA...41

9 APRESENTAÇÃO O presente trabalho resultou de uma pesquisa qualitativa, com revisão bibliográfica sendo utilizado o método descritivo. Pretendeu-se aqui, não somente, promover uma reflexão sobre os possíveis impactos psicológicos que o câncer de próstata e de mama pode provocar na vida emocional dos homens e mulheres quando se descobre ser portador de uma neoplasia maligna, mas teve como principal finalidade compreender a atuação do psicólogo hospitalar com estes pacientes. Falar de câncer torna-se um assunto temido para muitas pessoas. Dizer que é um portador de câncer pode gerar no indivíduo sentimentos negativos e constrangimentos. Apesar da grande incidência com que o câncer de próstata e de mama tem acometido homens e mulheres no Brasil e no mundo, trata-se de um tema que envolve medo, preconceitos, dúvidas, mitos e incertezas. Na introdução deste trabalho foi apresentado o problema de pesquisa que deu origem a investigação do tema do trabalho. Também foi comentado a diferença entre doença e doença crônica e ainda foram mencionados os objetivos e as justificativas que tornaram relevantes para o entendimento do assunto proposto. No primeiro capítulo, procurou-se explanar sobre a conceituação do câncer de próstata e de mama, o desenvolvimento, os sintomas, as formas de prevenção, diagnóstico e estadiamento e as formas de tratamento. Neste capítulo, ainda observou-se os dados epidemiológicos do câncer de próstata e de mama no Brasil e no mundo. No segundo capítulo, ressaltou-se sobre o surgimento, os objetivos, a importância da psico-oncologia e suas possíveis intervenções. Comentou-se sobre o surgimento do hospital e da psicologia hospitalar, e também relatou-se o conceito da psico-oncologia, seus objetivos e contribuições no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. No terceiro capítulo, abordou-se o tema do trabalho que é: A atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. Ressaltou-se os aspectos emocionais dos portadores de câncer de próstata e de mama, e ainda acrescentou-se a importância do acompanhamento psicológico à estes pacientes, seus familiares e cuidadores, constituindo-se como uma das partes cruciais do trabalho em questão.

10 10 Na conclusão, procurou-se evidenciar os elementos que foram descritos ao longo deste trabalho, que respondem às questões levantadas na parte consagrada à introdução.

11 INTRODUÇÃO Devido à globalização, aos avanços tecnológicos, aos incentivos à área de pesquisas e aos grandes problemas mundiais (saúde, poluição, etc.), a mídia tem divulgado muitas informações sobre a saúde e bem-estar do ser humano e como devem cuidar de si mesmo. Contudo, é necessário que as pessoas tenham as informações necessárias para que se conscientizem da importância da prevenção, assim como da sua participação no sucesso do tratamento se estiver doente, pois desta forma, pode-se evitar uma futura hospitalização e maiores complicações do seu estado físico e emocional decorrentes do processo de adoecer e da internação. Cabe no momento, falar de um assunto que tem amedrontado e gerado sentimentos negativos em algumas pessoas, pois quando descoberta e tratada tardiamente pode levar o paciente à morte. Esta doença é o câncer, que tem acometido homens, mulheres, jovens, crianças e idosos em todos os seus aspectos: cultural, social, profissional, racial, etc. Além desses aspectos apresentados, vale ressaltar àqueles de ordem emocional, tais como: medo, ansiedade, depressão, angústia, estresse, etc., o que influencia diretamente na forma de colaborar com o tratamento da doença. Foi no contexto dos aspectos emocionais do portador de câncer que surgiu o presente trabalho cujo tema é A atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama, com o propósito de compreender a dimensão do trabalho desse profissional com estes portadores, seus familiares e cuidadores. Saber que tem câncer e que este pode tirar a vida causa na pessoa um forte impacto o que gera vários receios. Para o homem portador de câncer de próstata, pode existir o preconceito e o temor de ser examinado pelo médico, causando-lhe sofrimento e angústia, por isso não é difícil encontrar com alguns deles que dizem que nunca irão fazer o exame ou que retardam o máximo possível de ir ao especialista. Quanto à mulher portadora de câncer de mama, pode haver o temor de perder uma parte do corpo, causando muitas vezes, diminuição da auto-estima e a fantasia de ser menos mulher.

12 12 Antes de adentrar às questões específicas ao tema proposto deste trabalho, serão abordados alguns conceitos e aspectos importantes referentes ao mesmo. O primeiro desses aspectos refere-se ao conceito dos termos doença e doença crônica. Entende-se por doença, a desarmonia orgânica ou psíquica, que em função de sua manifestação, desestrutura a dinâmica de desenvolvimento do indivíduo como um ser global, gerando uma desarmonização do sujeito; compreende-se essa alteração como um abalo estrutural na condição de ser dentro de sua sóciocultura. (SANTOS; SEBASTIANI, 1996). Sendo o câncer considerado como uma doença crônica que compromete o sistema vital de seu portador, para melhor compreender o significado do termo, faz-se necessário o esclarecimento do conceito do mesmo. Zozaya (1985), citado por Santos; Sebastiani (1996) define doença crônica como: qualquer estado patológico que apresente uma ou mais das seguintes características: que seja permanente, que deixe incapacidade residual, que produza alterações patológicas não reversíveis, que requeira reabilitação ou que necessite períodos longos de observação, controle e cuidados. (p.149). Ou seja, falar em doença crônica, implica dizer que é qualquer estado patológico em que seja observado pelo menos uma das características acima citadas; características estas que modificam todo o mecanismo de desenvolvimento do indivíduo e que exigem novas formas de adaptação diante de sua nova condição de vida frente à doença. Segundo Santos; Sebastiani (1996), muitas enfermidades não têm a perspectiva da recuperação, resta à pessoa que foi acometida por uma dessas enfermidades o esforço para se adaptar a vida com a doença, ou seja, se reestruturar quase que por completo para poder assim viver, na medida do possível, com qualidade apesar das limitações e perdas impostas pela enfermidade. (p.150). As enfermidades crônicas produzem uma série de conflitos emocionais, ansiedade, angústia, medo, que vão desencadear no paciente tipos de mecanismos defensivos múltiplos, dentre os mais freqüentes se destacam: Regressão: o paciente adota, diante da situação, uma conduta infantil e coloca em jogo mecanismos regressivos. Tal reação é freqüentemente observada em indivíduos muito dependentes e que em função de sua enfermidade se convertem em centro de atenções.

13 13 Negação: mecanismo em que o paciente não reconhece ou aceita sua enfermidade; adota uma atitude negativa, se recusa a receber ajuda e, portanto, pouco colabora com o tratamento. Intelectualização: ao contrário da negação, este é o mecanismo em que o paciente investiga e procura conhecer todos os aspectos de sua enfermidade, acreditando que ao conhecê-la melhor, esta deixe de existir. No que diz respeito ao diagnóstico do câncer de próstata e de mama, tais conflitos se fazem presente também. Cabe ao Psicólogo Hospitalar em seu atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama, investigar tais conflitos, contribuir na reabilitação, quando possível, do paciente e orientar seus familiares e cuidadores. Mesmo diante de todo o estresse e limitações impostas pela doença, o portador de câncer de próstata e de mama, geralmente, é encorajado pela equipe de saúde e pela família a levar uma vida normal na medida do possível. Com a constatação da doença, muitos pacientes enfrentam a perda de um corpo saudável e ativo. Para outros, o funcionamento corporal não adequado leva a uma perda da autonomia e da capacidade de agir com independência. Tornar-se isolado socialmente, a perda do emprego e da estabilidade econômica são fatores que podem ser considerados como conseqüências impostas pelo próprio tratamento e também pelas limitações do paciente. A doença impõe limites nas relações vinculares do indivíduo, uma vez que a sua dinâmica de vida foi alterada em função do processo de adoecimento. Em virtude das manifestações psicológicas e sentimentos vividos pelos portadores de câncer de próstata e de mama mencionados até o momento e outros tantos como, a depressão, a falta de esperança, a incerteza quanto ao futuro, sensação de desamparo, fragilidade, desespero, ameaça, etc, se explica a importância, a relevância e o interesse pelo tema do trabalho em questão, que é a atuação do Psicólogo Hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. O psicólogo hospitalar procurará estudar e compreender o indivíduo enquanto um ser que adoece, situação esta, permeada de sofrimento físico e psicológico que gera conflitos, angústia em nível existencial, tanto para o paciente como também para seus familiares e cuidadores. Levará em consideração sua fundamental importância no âmbito hospitalar, pois espera-se que o psicólogo seja um profissional habilitado, capacitado e apto a lidar e considerar o Ser

14 14 Doente dentro de suas limitações físicas, psíquicas e/ou sociais, visando uma reabilitação do paciente dentro desta nova condição de ser, buscando, na medida do possível, uma vida próxima do normal. PROBLEMA DE PESQUISA O câncer de próstata assim como o de mama é uma doença temida, e percebida como traumática e estigmatizadora, a ponto de afetar a estrutura física, emocional e social do indivíduo. Resta saber o que o psicólogo hospitalar pode fazer para amenizar e/ou eliminar esse sofrimento na vida de pessoas, causado pelo câncer de próstata e de mama. Esse é o contexto que fez surgir à questão central dessa investigação que se apresenta nos seguintes termos: Qual é a atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama? OBJETIVOS A investigação ao tema proposto, teve como objetivo geral conhecer a atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. Em termos específicos procurou-se ao longo dessa investigação: 1. Verificar a faixa etária em que há maior incidência do câncer de próstata e de mama. 2. Conhecer os objetivos e contribuições da psico-oncologia no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. 3. Descrever os aspectos emocionais dos portadores do câncer de próstata e de mama e também de seus familiares e cuidadores.

15 15 JUSTIFICATIVA A escolha pelo tema A atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama, ocorreu devido à observação da incidência e freqüência com que o câncer de próstata e de mama vem atingindo homens e mulheres da sociedade brasileira. Sendo essa doença causadora de medos, estigmas e preconceitos para algumas pessoas, procurou-se conhecer os aspectos emocionais que acompanham estes portadores, seus familiares e cuidadores. Mesmo com a divulgação na mídia das campanhas de prevenção contra o câncer de próstata e de mama, percebeu-se que permanece alto o índice de mortalidade em função da doença, o que vem preocupando as autoridades da área de saúde. Em função dessa observação, fez-se necessário uma investigação mais detalhada acerca da participação do psicólogo hospitalar neste contexto e ainda permitiu conhecer os objetivos e contribuições da psico-oncologia no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. Foi relevante, também, verificar a faixa etária em que há maior incidência e freqüência desses tipos de cânceres, descrever os aspectos emocionais desses pacientes, seus familiares e cuidadores decorrentes do processo de adoecimento. Um outro fator que justificou a escolha pelo tema foi conhecer a importante contribuição do psicólogo hospitalar na busca de alternativas de conduta psicoterápica que visem melhorar a qualidade de vida de todos os envolvidos nessa luta contra o câncer de próstata e de mama. Portanto, o psicólogo pode desempenhar suas atividades na prevenção do câncer, no diagnóstico, no tratamento, no processo de cura e até na terminalidade. Sendo assim, este trabalho teve como principal finalidade compreender a atuação desse profissional no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama, portanto, esperase obter o reconhecimento dos demais profissionais da área de saúde quanto à importância da atuação do psicólogo hospitalar e ainda criar demanda para o futuro profissional em psicologia oncológica.

16 16 MÉTODO Para a realização deste trabalho foi feita uma pesquisa qualitativa, com revisão bibliográfica onde se utilizou livros específicos ou interligados ao tema em questão. O método utilizado foi o descritivo. A pesquisa bibliográfica teve como objetivo principal pesquisar assuntos inerentes à atuação do psicólogo hospitalar no atendimento aos portadores de câncer de próstata e de mama. Assuntos estes que forneceram subsídios para enriquecer e compreender a problemática referida. A realização da pesquisa qualitativa teve como finalidade compreender os fenômenos sociais, a partir de uma visão que prioriza o aspecto subjetivo. A subjetividade, aqui referida, é uma postura que percebe o dado em seu aspecto mais amplo, levando-se em conta não apenas o dado em si, mas também outros aspectos que o circundam. (OLIVEIRA 1999). Para Cervo e Bervian (2002) apud Mattos, Rossetto Júnior e Blecher (2003), o método de pesquisa descritivo tem como características observar, registrar, analisar, descrever e correlacionar fatos ou fenômenos sem manipulá-los, procurando descobrir com precisão a freqüência em que um fenômeno ocorre e sua relação com outros fatores.

17 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA 1.1 CONCEITUAÇÃO DE CÂNCER De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2008), o câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Também denominado neoplasia maligna, o câncer é uma doença crônica que compromete o sistema vital de seu portador. Sua ocorrência se deve a um processo de divisões anormais de células, de forma exacerbada e incontrolável. Levando em consideração o significado do termo neoplasia novo crescimento, Willis apud Mcmanus (2003), o define em termos funcionais como uma perturbação do crescimento celular em que ocorre alteração permanente e hereditária nas células, resultando em proliferação patológica do tecido. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida. As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando ambas inter-relacionadas. As causas externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de várias formas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células normais.

18 O CÂNCER DE PRÓSTATA Conforme os autores Fagundes et al (2002), a próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, localizada na frente do reto e na base da bexiga. A próstata circunda parte da uretra, o tubo que transporta a urina da bexiga para fora através do pênis. (...) é constituída por tecido muscular, glândulas e tecido conjuntivo. (p.27 e 28) Ainda de acordo com os autores esta glândula apresenta quatro áreas principais. São elas: Zona Periférica: zona mais extensa da glândula; principal local de origem do câncer de próstata (75-80%); Zona de Transição: região onde existe um pequeno número de casos de câncer; Zona Central: região onde ocorre um número ainda menor de casos de câncer; Zona Periuretral: região onde não se origina nenhuma malignidade. De acordo com a Associação Brasileira do Câncer (ABCâncer, 2009), a próstata é o órgão responsável pela produção do fluido seminal que nutre os espermatozóides, produzidos nos testículos, e lubrifica a uretra, ajudando-os a sair, no momento da ejaculação. A função normal da próstata depende da testosterona, hormônio masculino produzido nos testículos a partir da puberdade. A próstata é um órgão peculiar porque é o único no organismo que cresce com o envelhecimento e isso ocorre em todos os homens a partir dos 40 anos. A este processo de desenvolvimento da glândula, dá-se o nome de hiperplasia benigna da próstata ou adenoma DESENVOLVIMENTO Conforme a ABCâncer (2009), assim como todos os outros tecidos e órgãos do corpo, a próstata é composta por células, que geralmente se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada. Quando este processo de divisão e reprodução é alterado em decorrência de uma disfunção celular, é produzido um excesso de tecido, que dá origem ao tumor, podendo ser este benigno ou maligno. O tumor maligno ou câncer, cresce não só comprimindo, mas também invadindo e destruindo tecidos sadios à sua volta. Quando o câncer de próstata se espalha, pode afetar nódulos linfáticos, bexiga e, especialmente, os ossos da bacia e da coluna lombar. Chama-se isto de metástases do câncer de próstata.

19 SINTOMAS Baseado em dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2008), o câncer de próstata em sua fase inicial tem uma evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma, ou, quando apresentam, são semelhantes ao crescimento benigno da próstata (dificuldade miccional, freqüência urinária aumentada durante o dia ou a noite). Uma fase avançada da doença pode ser caracterizada por um quadro de dor óssea, sintomas urinários ou quando mais grave como infecções generalizadas ou insuficiência renal. A partir disso, observa-se que a evolução do câncer de próstata constitui-se em três principais fases, compreendidas respectivamente em: fase inicial, caracterizada por uma evolução quase imperceptível, onde os sintomas podem ser confundidos com o crescimento benigno da próstata; fase avançada, que pode vir acompanhada de dor óssea e sintomas urinários e, por fim, a fase mais grave da doença, onde o quadro do paciente já se torna mais crônico, em função das infecções generalizadas ou insuficiência renal DIAGNÓSTICO Segundo a ABCâncer (2009), o toque retal é o primeiro passo para o diagnóstico. Usando uma luva e introduzindo o dedo através do ânus, o médico, geralmente, urologista, é capaz de sentir a presença de uma protuberância endurecida ou um aumento da próstata. Tal procedimento permite ao médico detectar o câncer bem antes de os sintomas ocorrerem. Recomenda-se que em homens acima dos 50 anos de idade, este exame seja realizado anualmente e aqueles em que há casos na família de um ou mais parentes de primeiro grau diagnosticados com a doença devem começar aos 40 anos. Há um outro exame, que determina o nível do Antígeno Prostático Específico (PSA). Trata-se de um teste feito no sangue, cuja principal função é verificar indícios de casos iniciais de câncer de próstata. Os dois exames precisam ser feitos conjuntamente, pois um complementa o outro. Feitos estes exames, caso o médico suspeite de qualquer irregularidade, poderá solicitar exames adicionais como radiografias, exames de sangue, além da ultrassonografia transretal, acompanhada de uma biópsia. O único método seguro para confirmar o diagnóstico de câncer de próstata é a biópsia. Para isto, uma amostra do tecido prostático é retirada, comumente por punção da próstata, através de uma agulha inserida diretamente na glândula. (ABCâncer, 2009).

20 20 Uma vez realizado estes exames, em caso do médico encontrar ou suspeitar de qualquer alteração na glândula, existem ainda outros tipos de exames adicionais como radiografias, exames de sangue, além da ultrassonografia transretal, acompanhada de uma biópsia, que poderão ser solicitados afim de confirmar a hipótese inicial. Contudo, a biópsia (exame que consiste numa pequena cirurgia destinada a retirar um pedaço do nódulo suspeito, ou mesmo o nódulo inteiro, para que este seja analisado), constitui-se como o único método eficaz e preciso para a confirmação ou não do diagnóstico do câncer de próstata. 1.3 O CÂNCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando há formação de tumor maligno no tecido da mama, sendo classificado como um tipo de carcinoma. O carcinoma de mama é uma doença complexa e heterogênea, com formas de evolução lenta ou rapidamente progressivas. Tal evolução depende do tempo de duplicação celular e outras características biológicas de progressão. (CAMARGO; MARX; 2000). Este tipo de câncer não é uma doença exclusiva e característica apenas do sexo feminino. È também encontrado no sexo masculino, embora o número de vítimas mulheres seja superior ao de homens. Segundo Ricci e Pinotti (2004), para cada homem com câncer de mama existem 100 mulheres portadoras TIPOS De acordo com a revista de Oncologia (ASTRAZENECA, 2007, p.08), o câncer de mama pode ser dividido em duas categorias principais: o câncer de mama não-invasivo e o câncer de mama invasivo. O câncer de mama não-invasivo é também denominado de carcinoma in situ. São assim denominados, pelo fato de não serem capazes de espalhar-se para outras partes do corpo. Constitui-se dois tipos de câncer que estão confinados aos ductos ou lóbulos e não se propagam para tecidos circunvizinhos. São eles: o carcinoma ductal in situ (conhecido como CDIS); e o carcinoma lobular in situ (conhecido como CLIS).

21 21 Um câncer de mama invasivo é aquele que se movimenta além dos lóbulos e ductos, para dentro do tecido mamário adjacente. Existem vários tipos de câncer de mama invasivo, o mais comum é o carcinoma ductal invasivo, que ocorre nos ductos e representa cerca de 80% de todos os casos de câncer DESENVOLVIMENTO Segundo a ABCâncer (2009), geralmente o câncer de mama está dividido em quatro estágios: do pequeno e localizado (estágio 1) até o que se espalhou para outras partes do corpo (estágio 4). Estágio 0: Quando as células do câncer de mama estão completamente contidas nos ductos da mama (canais na mama que levam o leite ao mamilo) e ainda não se espalharam para o tecido mamário em volta. Estágio 1: Tumor com menos de dois centímetros. As glândulas linfáticas na axila não são afetadas e não há sinais de que ele tenha se espalhado pelo corpo. Estágio 2: Tumor entre dois e cinco centímetros e/ou glândulas linfáticas na axila afetadas. Não há sinais de que o câncer se espalhou. Estágio 3: Tumores maiores de 5 centímetros e que podem ter afetado as estruturas vizinhas como o músculo ou a pele. As glândulas linfáticas geralmente foram afetadas, mas não há sinais de que o câncer se espalhou além das glândulas linfáticas na axila. Estágio 4: O câncer se espalhou para outras partes do corpo. Este é o câncer secundário (metastático) SINTOMAS Na maioria das vezes o primeiro sinal do câncer de mama é um pequeno nódulo no seio. Geralmente este nódulo é indolor e seu processo de desenvolvimento pode ocorrer lenta ou rapidamente. Vale enfatizar que este não á apenas o único sinal evidente que determina a detecção do tumor. È importante que a mulher, além deste sintoma, fique atenta a outros que incluem: mudança de cor, reentrâncias (curvas para dentro), enrugamentos, ou elevação da pele em uma área do seio; mudança do tamanho ou formato do seio; secreção no bico do seio; presença de um ou mais nódulos nas axilas. (ABCâncer, 2009).

22 DIAGNÓSTICO Quanto mais cedo for diagnosticado o câncer de mama, maiores serão as chances e possibilidades de se obter a cura para a doença. Existe a possibilidade de o resultado de tratamento quando realizado na fase inicial da doença, tornar-se mais eficaz e menos agressivo para a paciente. Dentre os objetivos do diagnóstico precoce, destaca-se: redução da mortalidade; facilitar o tratamento do câncer; diminuir a morbidade da doença e possibilitar cirurgias mais conservadoras e mais estéticas. É fundamental que o diagnóstico do câncer de mama seja feito mais precocemente possível, pois isto aumenta as chances de cura, evita que o câncer se espalhe para outras partes do corpo, favorecendo o prognóstico, a recuperação e a reabilitação. Para um diagnóstico precoce do câncer de mama, é necessário que toda mulher: Faça um auto-exame das mamas mensalmente; este é o método de diagnóstico onde a própria mulher faz um exame visual e de palpação na mama em frente a um espelho. O exame deve ser feito aproximadamente sete dias após cada menstruação ou, se a mulher não menstrua mais, pelo menos uma vez por mês em qualquer época. Ir ao mastologista uma vez por ano; o exame clínico da mama pode confirmar ou esclarecer o seu auto-exame, e o médico especialista em mamas (mastologista) é a pessoa mais indicada para isso. 1.4 OS FATORES DE RISCO DO CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA De acordo com as literaturas, existem alguns fatores de risco que são comuns na maioria dos tipos de cânceres. Fazendo referência aos dois tipos específicos do trabalho em questão, observa-se que fatores como a história familiar e a idade são comuns aos mesmos. Com base em dados da ABCâncer (2009), o câncer de próstata é um dos cânceres mais freqüentes em homens acima de 50 anos. É curável, na maioria dos casos, quando detectado precocemente e responde muito bem aos tratamentos.

23 23 A maior incidência de homens diagnosticados com o câncer de próstata encontra-se a partir dos 50 anos de idade. A probabilidade de homens jovens serem acometidos pela doença é rara. Assim como na maioria das doenças, nesta, há também grandes possibilidades de cura ao ser constatada logo no início de seu desenvolvimento e os resultados obtidos com o tratamento são consideráveis. Outros fatores se destacam como aspectos que contribuem para o surgimento e desenvolvimento da doença. Fatores hereditários, hábitos alimentares ou estilo de vida, nível de hormônio são alguns deles. Quanto ao câncer de mama, as causas ainda não estão completamente compreendidas, mas algumas mulheres parecem ter um risco ou uma predisposição maior de desenvolverem a doença. Além dos riscos em comum ao câncer de próstata, tal fato justifica-se pela ocorrência dos seguintes fatores: menarca precoce; menopausa tardia (após 50 anos); primeira gravidez (após 30 anos); nuliparidade (não ter tido filhos); ingestão regular de álcool; exposição a radiações ionizantes em idade inferior a 35 anos; ausência de exercícios físicos e alimentação rica em gordura alterada quimicamente. De acordo com o INCA (2008), é controvertida a associação do uso de contraceptivos orais com o aumento do risco para o câncer de mama. As mulheres que usam contracepção oral entre os 25 e 40 anos de idade não parecem estar sob maior risco de desenvolver câncer de mama. Entretanto, o uso prolongado de contraceptivo oral em dosagens elevadas de estrogênio, e/ou seu uso em idade precoce, antes da primeira gravidez, tendem a aumentar a probabilidade de ocorrência do câncer de mama antes da menopausa. A História familiar é um importante fator de risco para o câncer de mama, especialmente se um ou mais parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) foram acometidas antes dos 50 anos de idade. Entretanto, o câncer de mama de caráter familiar corresponde a aproximadamente 10% do total de casos registrados.

24 AS FORMAS DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA Pode-se enfatizar que não há um único fator determinante considerado como sendo a causa do surgimento da doença. Considera que existem diversos fatores que contribuem para o desenvolvimento e progresso da mesma. O conjunto de fatores referido pelo autor é composto por aspectos tais como, a predisposição genética, a exposição a fatores ambientais de risco, o contágio por determinados vírus, o uso do cigarro, a ingestão de substâncias alimentícias cancerígenas, dentre outros. Provavelmente, todos os diferentes tipos de câncer não têm uma única causa, mas sim uma etiologia multifatorial. (HUGUES, 1987 citado por CARVALHO, 2002, p.03). Para que a doença ocorra, parece ser necessária uma operação conjunta de vários fatores tais como, a predisposição genética, a exposição a fatores ambientais de risco, o contágio por determinados vírus, o uso do cigarro, a ingestão de substâncias alimentícias cancerígenas, e muitos outros. (TRICHOPOULOS, LI & HUNTER, 1996 apud CARVALHO, 2002, p.03). Acredita-se também na possibilidade de contribuições psicológicas no crescimento do câncer. Inúmeros pesquisadores vêm estudando possíveis efeitos de estados emocionais na modificação hormonal e desta na alteração do sistema imunológico. (BOVBJERG, 1990 citado por CARVALHO, 2002, p.03). Percebe-se assim, que as questões psicológicas ou aspectos emocionais do indivíduo, também são apontadas pelo autor como fatores que colaboram para a manifestação do câncer. Estima-se que até 70% dos casos de câncer podem ser evitados simplesmente impedindose a exposição aos fatores de risco ambientais. A eliminação do hábito de fumar, modificações na dieta, com maior consumo de frutas, verduras, legumes e cereais, a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis e do controle na exposição a agentes químicos, radiações ionizantes e raios ultravioleta são medidas práticas que contribuem para a redução máxima do risco de se desenvolver um câncer. Conforme o INCA (2008) e a ABCâncer (2009), dentre as formas de tratamento para o câncer, as principais são:

25 25 Cirurgia: É a mais antiga das formas de tratamento do câncer, ainda ocupa uma posição de destaque no controle desta doença. Uma cirurgia oncológica definitiva visa a remoção mecânica de todas as células malignas presentes junto ao câncer primário. Radioterapia: é um tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem visando a cura do paciente, ou para diminuir os sintomas da doença, evitando as possíveis complicações decorrentes da presença e crescimento do tumor. Quimioterapia: é a utilização de medicamentos específicos para o tratamento de tumores, com o objetivo de destruir células cancerosas. Ingeridas ou injetadas na veia, músculo ou sob a pele, os quimioterápicos distribuem-se para todas as partes do corpo. 1.6 DADOS EPIDEMIOLÓGICOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA Com base nas informações epidemiológicas sobre o câncer de próstata, (POLLOCK et al..; 2006), expõe que o câncer de próstata clínico é uma doença dos idosos, com pico de incidência e mortalidade por volta dos 70 anos de vida. A doença responde por 10-30% dos tumores clínicos registrados em homens e por 60% de todas as mortes masculinas por câncer. Embora a taxa de incidência varie muito entre continentes e dentro deles, entre as diversas populações étnicas, há evidência de que a taxa de mortalidade não se correlaciona com a taxa de incidência. A incidência de câncer de próstata clínico e sua mortalidade são baixas na Ásia e altas na Europa e na América do Norte; A América Latina e o Sul da Europa tem taxas intermediárias. (p. 586) Percebe-se que na faixa etária mencionada pelo autor, o câncer de próstata representa um percentual relativamente alto no que diz respeito à taxa de mortalidade em decorrência da doença, embora o percentual de casos registrados ou diagnosticados corresponde apenas cerca de 10 a 30% dos tumores clínicos. Segundo o INCA (2008), o câncer de próstata é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e o mais prevalente em homens (cerca de 10% do total de câncer). No Brasil, para cada 100 mil homens a partir dos 50 anos de idade, há 52 casos registrados. Apesar de um alto índice de homens com câncer de próstata no mundo todo, sabe-se que nos países desenvolvidos há uma maior probabilidade de ocorrência do câncer de próstata em relação aos demais países, isto porque nos países desenvolvidos há maior prevalência de alimentos

26 26 industrializados e gordurosos. Outro fator de risco é falta de atividade física regular. Para diminuir os riscos de desenvolver a doença ele recomenda uma dieta rica em ômega 3, frutas, verduras e alimentos poucos gordurosos. Quanto aos dados epidemiológicos do câncer de mama, (PARKIN, 2001; RIES et al., 2001, citado por PAULINELLI; MOREIRA; FREITAS JÚNIOR, 2004), afirma que há uma elevada incidência e mortalidade em todo o mundo, constituindo-se assim como um grave problema de saúde pública. O motivo pelo qual tem aumentado o índice dessa neoplasia é devido às mudanças dos hábitos de vida e no perfil epidemiológico da população. Na concepção dos autores acima citados, o câncer de mama é o tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais freqüente entre as mulheres sendo a causa mais comum de morte em quase todos os países do mundo. Para Maluf; Jo Mori; Barros (2005, p.150), o câncer de mama é a neoplasia maligna que mais atinge o sexo feminino e é a maior causa de mortes por este tipo de doença, sendo responsável por cerca de 20% dos óbitos por câncer entre as mulheres. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA, 2008), o Brasil deve registrar 49 mil casos de câncer de mama em O número se mantém estável em relação a 2008.

27 2 O HOSPITAL, A PSICOLOGIA HOSPITALAR E A PSICO- ONCOLOGIA 2.1 O SURGIMENTO DO HOSPITAL BREVE HISTÓRICO Segundo Foucault (1999), o surgimento do hospital como instrumento terapêutico é uma invenção relativamente nova, datada no final do séc. XVIII. Ou Seja, o hospital antes desta época e que funcionava na Europa, desde a Idade Média, não era concebido para curar. Antes do séc. XVIII, o hospital era visto como uma instituição de assistência aos pobres, de separação e exclusão. Como portadores de doença e de possível contágio, os pacientes eram considerados perigosos. Assim, o hospital os recolhia, protegendo a sociedade. Não era o doente que era preciso curar, mas o pobre que estava morrendo devia ser assistido, oferecendo os últimos cuidados e sacramento. Nesta época, dizia-se que o hospital era um morredouro, um lugar onde morrer. O pessoal hospitalar era curativo, religioso ou leigo, que estavam ali para fazer a caridade que lhe assegurasse a salvação eterna (FOUCAULT, 1999). Foucault (1999), afirma que a experiência hospitalar não incluía a formação do médico. Sua intervenção na doença era em torno da noção de crise. Na prática médica, nada permitia a organização de um saber hospitalar. Não havia intervenção da medicina, ou seja, hospital e medicina permaneceram independentes até meados do séc. XVIII. Pode-se questionar então como ocorreu essa transformação, isto é, como o hospital foi medicalizado e a medicina pôde tornar-se hospitalar? O ponto de partida da reforma hospitalar foi, não o hospital civil, mas o hospital marítimo (FOUCAULT, 1999, p. 103). Esse hospital marítimo era considerado um lugar de desordem econômica e tráfico de mercadorias trazido das colônias. O traficante se fazia doente e era levado para o hospital no momento do desembarque. Aproveitava a ocasião para esconder a mercadoria que escapava do controle da alfândega. Nesses hospitais havia ainda o problema da quarentena, isto é, da doença epidêmica que as pessoas traziam ao desembarcarem. A reorganização do hospital se deu a partir da introdução de mecanismo disciplinares frente ao espaço confuso que era o hospital.

28 28 Portanto, a formação de uma medicina hospitalar se deve, por um lado, a disciplinarização do espaço hospitalar e, por outro, a transformação do saber e da prática médica, isto é, da arte médica para a ciência médica. A partir do momento em que o hospital foi concebido como um instrumento de cura e a distribuição do espaço tornou-se terapêutico, o médico passou a ser o principal responsável pela organização do local. Aparece assim, o personagem do médico de hospital. O saber médico que até o início do séc. XVIII se localizava somente nos livros, começa a ter seu lugar no hospital, ou seja, a formação normativa de um médico deve passar pelo hospital. Além de ser um lugar de cura, define-se também, como um lugar de formação de médicos. O grande médico de hospital aquele que será mais sábio, quanto maior for a sua experiência hospitalar é uma invenção do final do séc. XVIII A PSICOLOGIA HOSPITALAR BREVE HISTÓRICO Fundado em 1818, em Massachusetts, o Hospital McLean possibilitou a inserção do psicólogo na área hospitalar através da formação de uma equipe multiprofissional composta por patologistas, fisiologistas, bioquímicos e psicólogos. O processo da Psicologia Hospitalar surgiu pela iniciativa de profissionais, demanda da população e pelas próprias instituições. (SALTO, 1999). No Brasil, a atuação dos psicólogos em hospitais teve início na década de 50 (LAMOSA, 1987 citado por ROMANO, 1999), nesta época, eram exercícios isolados e que se aproximava do que se pode chamar o transporte do consultório para dentro do hospital, ou seja, embora competente e sério, as atividades desenvolvidas dentro do hospital em quase tudo assemelhava-se ao do consultório: postura, teoria, local. O tempo passou, o hospital mudou, a clientela começou a ter novas necessidades, os médicos e a equipe tiveram novos interesses, o quadro de psicólogo aumentou. Enfim mudanças (ROMANO, 1999, p.83). Segundo Camon et al (1994), a psicologia hospitalar tem como objetivo principal a minimização do sofrimento provocado pela hospitalização. Esta minimização do sofrimento provocado pela hospitalização comentada pelo autor, implicará num leque bastante amplo de

29 29 opções de atuação do psicólogo, onde todas as variáveis, como prescrição medicamentosa numa determinada faixa horária e/ou processo de limpeza e assepsia hospitalar, que surgem desse processo de internação, deverão ser consideradas, pois desta forma, o atendimento ao portador do câncer de próstata e de mama poderá ser coroado de êxito. De acordo com Camon et al (1994), a psicologia hospitalar não pode se colocar dentro do hospital como força isolada solitária sem contar com outros determinantes para atingir seus preceitos básicos, pois o psicólogo reverte-se de um instrumental muito poderoso no processo de humanização do hospital na medida em que trás em seu bojo de atuação a condição de análise das relações interpessoais. A própria contribuição da psicologia para clarear determinadas manifestações de somatização é, igualmente, decisiva para fazer com que seu lugar na equipe de saúde da instituição hospitalar esteja assegurado A PSICO-ONCOLOGIA, SEUS OBJETIVOS E CONTRIBUIÇÕES Segundo Gimenes (1994), a Psico-oncologia surge como área de conhecimento a partir da década de 50, quando a comunidade científica passou a reconhecer que tanto o aparecimento quanto a manutenção e a remissão do câncer, poderiam ser intermediados por fatores cuja natureza extrapolavam condições biomédicas. Ou seja, esse profissional tornou-se indispensável para ajudar os pacientes oncológicos em suas possíveis limitações emocionais perante a doença, entre eles estão, os homens e mulheres portadores do câncer de próstata e de mama. De acordo com Gimenes (1994), a psico-oncologia é o nome da área de interface entre a Oncologia (a parte da Medicina que estuda o câncer) e a Psicologia e tem por objetivos: a) identificar o papel de fatores psicológicos e sociais, no aparecimento, desenvolvimento, tratamento e reabilitação do paciente com câncer e; b) sistematizar de um corpo de conhecimentos que possa antes da primeira gravidez permitir a assistência integral do paciente com câncer e de sua família, bem como a formação de profissionais de saúde especializados com o seu tratamento. Portanto, a oncologia oferece diversificações e um vasto campo para o trabalho do psicólogo e, como uma área especializada dentro da Psicologia Hospitalar, também possui especificações e técnicas próprias de atendimento (CANTONE, 2009).

30 30 Para Cantone (2009), nesta área de atuação, o psicólogo está presente juntamente com outros profissionais na convivência com o estigma câncer, elevando a importância dos aspectos psicossociais, integrando a doença e o doente na totalidade do ser, como uma unidade: mente, corpo e sentimento. Durante a intervenção psicológica, podem ser examinadas questões relativas a "maneira de viver", ou seja, atitudes e comportamentos de alguma forma prejudiciais à saúde da pessoa, ajudando-a a perceber a necessidade de uma reorganização que possibilite uma vida mais saudável e satisfatória. Outro aspecto seria ajudar a pessoa a lidar com o diagnóstico de câncer e participar ativamente de seu tratamento, mobilizando seus recursos internos para aumentar as possibilidades de melhora ou cura. Atualmente pode-se afirmar que o acompanhamento psicológico do portador do câncer de próstata e de mama, bem como de seus familiares em todas as etapas do tratamento, constitui elementos indispensáveis da assistência prestada. (BEARISON & MULHERN, 1994; CARVALHO, 1994; DAHLQUIST, CZYZEWSKI & JONES, 1996; GIMENES, 1996 citado por COSTA JR, 2001). Deve-se observar, entretanto, que por se tratar de uma área relativamente recente, são muitos os fatores psicossociais vinculados a um episódio de câncer ainda não suficientemente compreendido por pesquisadores e profissionais da área (COSTA JR, 2001). Temas relacionados à adaptação, comportamento e ajuste emocional do portador do câncer de próstata e de mama aos efeitos psicossociais do tratamento do câncer a longo prazo e modalidades de intervenção psicológica junto a estes pacientes, familiares e cuidadores, ainda serão por exemplo, alvos de estudos científicos e assunto de discussão pelos próximos anos. (COSTA JR, 2001). Segundo Penna (1997), a psicoterapia deve ter como objetivo melhorar, modificar e atenuar aquilo que é disfuncional e que cause sofrimento ao paciente que o impeça de utilizar formas adaptativas para lidar com a patologia, visando melhoras na qualidade de vida do indivíduo na vigência de uma doença. Por isso que o psico-oncologista deve ter uma postura ativa e com foco do adoecimento do portador do câncer de próstata e de mama e de suas preocupações no momento.

31 31 Para Davidson (2003, p 74.), as terapias psicológicas aumentam a sobrevida promovendo ajustamento à doença. Esse ajustamento podem ter correlatos imunológicos que medeiam influências aparentes na sobrevida, ou seja, pacientes que adotam o espírito do combate não vou deixar esta doença me abater e a negação não acredito que isto realmente seja câncer, como estilos de adaptação, vivem mais.

32 3 A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO HOSPITALAR NO ATENDIMENTO AOS PORTADORES DE CÂNCER DE PRÓSTATA E DE MAMA. 3.1 OS ASPECTOS EMOCIONAIS DECORRENTES DO ADOCER E DA INTERNAÇÃO. Apesar dos progressos da medicina em relação aos métodos de diagnóstico e tratamento, o câncer de próstata e de mama é ainda visto como uma sentença de morte pela maior parte dos homens e mulheres acometidos pelo mesmo. O medo da morte, da rejeição, de serem estigmatizados, da mutilação, da recidiva, dos efeitos do tratamento e das incertezas quanto ao futuro passam a fazer parte do cotidiano destes portadores. O câncer diferencia-se das demais doenças pela peculiaridade de estar constantemente associado a maus prognósticos e a idéia de morte iminente. A representação social do câncer não tem contribuído para uma visão menos pessimista da doença, embora muitos progressos estejam sendo feitos no que se refere aos resultados das terapias anticâncer e ampliação das expectativas de sobrevivência. (CARVALHO, 1999, p.75). De acordo com Parkes citado por Carvalho (1999), o medo está presente, sobretudo no caso de pacientes com câncer, devido à insegurança e a incerteza do que pode vir acontecer. Dentre os medos mais constantes observados nas pesquisas realizadas pelo autor estão: medo da dependência, que resulta em perder o controle e a autonomia sobre a própria vida, e ter de depender de outras pessoas até mesmo para as atividades mais íntimas; medo do que vai acontecer com os familiares após a sua morte, ou seja, o temor da sobrevivência deles, tanto do ponto de vista financeiro como do desenvolvimento pessoal; medo de não consegui realizar as metas pessoais, o medo de morrer cedo e não conseguir realizar as metas de vida, de trabalho, de não ver os filhos ou netos crescerem, ou quaisquer outras que sejam essenciais para essa pessoa; medo da dor ou da mutilação, que resulta em não conseguir suportar a dor, de não ser cuidado de forma adequada, da mutilação e da degeneração corporal, perda das funções físicas, psíquicas, intelectuais, sexuais e dos limites impostos por essas perdas; medo da morte, temor da aniquilação, da finitude, de não existir, de ser esquecido, da separação ou de quaisquer outros atributos ligados à morte. Para Sontag (1994), as representações do câncer remetem a uma doença cruel, corrosiva, contagiosa, estigmatizada e degradante que consome o indivíduo aos poucos, sendo muitas

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM NOVEMBRO AZUL NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM O movimento internacional, conhecido como Novembro Azul, é comemorado em todo o mundo, quando teve início

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM

MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM MEDICINA PREVENTIVA SAÚDE DO HOMEM SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de revenção do câncer

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama.

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Histórico O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Iniciado na década de 90 nos EUA, a campanha derrubou

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

é a vez dos homens câncer.

é a vez dos homens câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer. Agora é a vez dos homens falarem sobre câncer Uma publicação do SIEMACO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação

Leia mais

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação.

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Academia Snooker Clube Sorocaba - SP Paulo Dirceu Dias www.snookerclube.com.br paulodias@pdias.com.br

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA: NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO MASCULINA COM FAIXA ETÁRIA ACIMA DE 40 ANOS, DA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE BARREIRAS BA.

CÂNCER DE PRÓSTATA: NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO MASCULINA COM FAIXA ETÁRIA ACIMA DE 40 ANOS, DA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE BARREIRAS BA. CÂNCER DE PRÓSTATA: NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO MASCULINA COM FAIXA ETÁRIA ACIMA DE 40 ANOS, DA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE BARREIRAS BA. Caroline Carvalho Rodrigues, IFBA ¹ carolinerodrigues15@hotmail.com

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA Alícia Flores Jardim Dedicatórias Dedico este trabalho a meu pai que morreu em janeiro de 2013, após um câncer de próstata descoberto tardiamente. Ao meu marido

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA COMBATE E PREVENÇÃO AO ÍNDICE 03 04 07 12 19 24 Introdução Novembro Azul O câncer Você precisa se importar! Prevenção: Vencendo o preconceito Bons hábitos e Diagnóstico precoce são a melhor prevenção 27

Leia mais

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA C A R T I L H A OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA OOUTUBRO ROSA é um movimento mundial pela prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Com suas ações especialmente

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Jornal Acrítica Cidades Pág. C4 16 de Julho de 2015. Jornal Acrítica Política Pág. A7 16 de Julho de 2015. Av. Mário Ypiranga, 1695 Adrianópolis Jornal

Leia mais

Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes (IBRAG) Diretor: Jorge José de Carvalho

Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes (IBRAG) Diretor: Jorge José de Carvalho Universidade do Estado do Rio de Janeiro Reitor: Ricardo Vieiralves de Castro Centro Biomédico: Diretor: Mário Sérgio Alves Carneiro Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes (IBRAG) Diretor: Jorge

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil.

Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. Mitos e equívocos sobre sobreviventes de cancro infantil. 1 MITO Crianças com cancro e sobreviventes de cancro infantil, representam um risco de saúde para a saúde das outras crianças / adolescentes. Eles

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DE PRÓSTATA

PREVINA O CÂNCER DE PRÓSTATA SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DE PRÓSTATA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer de próstata apresentação O câncer de próstata tem sido um dos mais frequentes a ser diagnosticado no sexo masculino.

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas.

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. ENTENDENDO A ADOLESCÊNCIA A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. Ao mesmo tempo, aumentam as responsabilidades

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda.

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda. A próstata é uma glândula que só existe no homem. Tem como função produzir substâncias que vão ajudar a tornar o sêmen mais fluido, facilitando a viagem dos espermatozóides. Quando nos alimentamos, o que

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO. Ame a Vida. Previna-se. 2 QUEM PODE PARTICIPAR?

1 TÍTULO DO PROJETO. Ame a Vida. Previna-se. 2 QUEM PODE PARTICIPAR? 1 TÍTULO DO PROJETO Ame a Vida. Previna-se. 2 QUEM PODE PARTICIPAR? Podem participar deste programa (sem vínculo empregatício ou remuneração), os acadêmicos beneficiados pelas bolsas de Estudo do artigo

Leia mais