Inclusão e exclusão: etnografia sobre as redes de sociabilidades lésbicas e gays na cidade de Teresina.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inclusão e exclusão: etnografia sobre as redes de sociabilidades lésbicas e gays na cidade de Teresina."

Transcrição

1 Inclusão e exclusão: etnografia sobre as redes de sociabilidades lésbicas e gays na cidade de Teresina. Ana Kelma Cunha Gallas 1 Faculdade Santo Agostinho PI Mestre em Antropologia e Arqueologia / UFPI Pâmela Laurentina Sampaio Reis 2 Universidade Federal do Piauí Mestranda em Antropologia / UFPI RESUMO Este trabalho explora, por meio de um recorte específico, situações vivenciadas por gays e lésbicas na relação com suas redes de sociabilidade. Utiliza-se aqui o conceito de rede como um recurso da metodologia etnográfica desenvolvida pela Escola de Manchester (FRY, 2011). Através dela, buscamos, assim como Facchini (2008), enfatizar as relações interpessoais num meio social não estruturado e em contextos sociais particulares. Com efeito, a análise de redes é oportuna, uma vez que proporciona observar e analisar, refinadamente, os arranjos de relações, as lógicas classificatórias das relações, das posições e dos padrões de interação (MITCHELL, 1969), que nos informam sobre as fronteiras, tensões e negociações na dinâmica das redes. Este trabalho constitui-se de dois relatos no formato de história de vida, fornecidos por uma interlocutora que se define como lésbica e um interlocutor que se define como gay, pertencentes às camadas médias urbanas na cidade de Teresina. A partir disso, procurase analisar como são produzidas as gramáticas morais e seu caráter micropolítico, que operam no sentido de controlar o comportamento dos indivíduos, bem como reforçarcertas normas sociais, e, também, questionar e reinventar convenções, (re)posicionando os lugares nas suas respectivas redes. Nesse sentido, consideram-se como as categorias "honra", ofensa, "distinção" e vergonha operam nas trajetórias particulares. Palavras-Chave: Redes de Sociabilidade. Lógicas Classificatórias. Negociações. 1 Mestre em Antropologia e Arqueologia pela Universidade Federal do Piauí ( ). Graduada em Comunicação Social Jornalismo, em 1993, pela Universidade Federal do Piauí; pós-graduada em Imagem e Publicidade (UFPI, 2006), em Docência do Ensino Superior (FSA, 2007) e em Gestão em Comunicação Corporativa (UFPI, 2008). Professora do curso de Jornalismo da Faculdade Santo Agostinho. Membro do grupo de pesquisa Sexualidades, Corpo e Gênero - SEXGEN / CNPQ. 2 Mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Piauí. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Piauí. Membro do grupo de pesquisa Sexualidades, Corpo e Gênero - SEXGEN / CNPQ.

2 Em 1943, William FooteWhyte publicou a Sociedade de Esquina (2005),com os resultados da sua pesquisa sobre Cornerville (North End), uma área pobre e degradada de Eastern City (Boston), habitada por imigrantes italianos. O autor se propõe a conhecer por dentro a complexa organização social daquela área pobre, tida como caótica e desorganizada. Acompanhando o cotidiano dos personagens, suas intrigas e alianças, Whyte dá relevo à pesquisa participante ao vivenciar (e não apenas observar) os diferentes padrões de interação que ocorriam naquela rede. A sua pesquisa revela quatro tipos de organizações: a gangue de esquina e o clube organizado por rapazes formados (considerados peixes miúdos ), a organização mafiosa e a política partidária ( peixes graúdos ). Este é o ponto que nos interessa destacar, pois demonstra os diversos tipos de interação, revestidos de códigos e obrigações recíprocas, que são estabelecidas, por exemplo, entre indivíduos desclassificados e os que ocupam posições mais destacadas nesse mesmo campo social. Whyteapresenta uma refinada chave teórico-metodológica nessa análise, ao incidir o foco analítico na seguinte observação: Nesta pesquisa sobre Cornerville, pouco iremos nos preocupar com as pessoas em geral. Encontraremos pessoas particulares e observaremos as coisas particulares que fazem. O padrão geral de vida é importante, mas só pode ser construído por meio da observação dos indivíduos cujos padrões configuram esse padrão (WHYTE, 2005, p.23). A proposta utilizada por Whytenos serve de ponto de partidapara entendermos as situações vivenciadas por dois interlocutores: Dara, que se define como lésbica, e Vinícius, que se define como gay. Ambos integram redes constituídas de vários integrantes que mantém relações de poder entre si e que, portanto, se hierarquizam ao longo dos fluxos que ocorrem dentro dessas redes.este paper nasce, em parte, da crença de que algumas pessoas, associadas a grupos específicos, organizam-se a partir de determinados afinidades: as músicas que ouvem, os livros que leem, os lugares que frequentam, as viagens que fazem, as escolhas que definem suas carreiras, etc.mas, a partir da lente etnográfica, essas afinidades revelam um ethos particular ou estilos de vida. Utilizamos aqui a perspectiva de Bourdieu (2007), para pensarmos estilos de vida como um conjunto de modos as práticas, formas de conduta, princípios -, e que são produtores de distinção, capazes, portanto, de engendrar posições sociais (BOURDIEU, 2007, p.22), numa outra abordagem, nada mais são do que piscadelas. Não uma simples piscadela, do tipo que se deve ignorar por se constituir uma banalidade biológica; mas, aquela outra, que se estabelecem, entre uns e outros,

3 permeados designificados peculiares, como as que um dia Clifford Geertz 3 analisou. Nesse estudo, as piscadelassão aquilo que, em última instância, constroem os sentidos de um indivíduo dentro da dinâmica das relações sociais e o significado é interpretado no momento das interações. Utilizamos a metáfora das piscadelas esboçada por Geertz com a intenção de demonstramos o significado dos códigos, práticas, normas e valores que regem as relações das redes e que chamaremos a partir daqui de moralidades(gontijo e REIS, 2014). A partir disso, faremos uma análise situacional de duas redes de sociabilidades na cidade de Teresina:uma,formada predominantemente por lésbicas, tendo Dara como centro, e outra formada predominantemente por gays, tendo em seu centro, Vinícius. O objetivo dessa investigação é entendermos as relações no interior da rede para, assim, explicarmos a organização e os significados produzidos na sua esfera micropolítica,que dramatizam, reforçam ou alteram as macrorelações. O conceito de rede (social network), utilizado neste trabalho, apoia-se numa longa tradição antropológica, desenvolvida por teóricos comomitchell (1969), Epstein (1969), Barnes (1969) e Both (1976). Porém, como escolha epistemológica, optou-se pela noção de rede desenvolvida pelos antropólogos britânicos da Escola de Manchester 4 (FRY, 2011). Essa escolha se dá, especialmente, pela perspectiva epistemológica dessa escola, que considera as relações de conflito e de poder elementos inerentes ao processo de manutenção e transformação das estruturas sociais (SCOTT, 2000). Seguindo os procedimentos sugeridos porlomnitz (2002), investiga-se a forma pela qual os relacionamentos são ordenados, como o comportamento das pessoas depende da sua localização no sistema e como elas influenciam próprios sistemas jurídicos dos indivíduos. Nesse sentido, torna-se pertinente lembrarmos a pesquisa da Carmem Dora Guimarães (2004), intitulada O homossexual visto por entendidos,que 3 GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, A Escola de Manchester surgiu em meados da década de 1950 tendo Max Gluckman como expoente, desenvolveu uma série de estudos que indicava a emergência de uma orientação processual, baseada na teoria da ação, um modelo teórico que propunha simultaneamente a observação do comportamento concreto dos indivíduos e a analise das representações sociais ancoradas em questionamentos verbais, reconstruindo também certa visão de mundo dos atores envolvidos. Entendia assim, que tal separação metodológica entre observação do comportamento e analise das representações era artificial. A teoria da ação propiciou a elaboração de um conjunto de instrumentais de pesquisa que contribuíram em última instância, para a apreensão de processos, ações e sequências de desenvolvimento que reunisse pessoa, tempo e lugar (FELDMAN-BIANCO, 1987).Para um aprofundamento da Antropologia Social da Escola Britânica ver Adam Kuper (2004). A respeito da Escola de Manchester e sua influência no Brasil ver Peter Fry (2011).

4 se inspira no conceito effective network, desenvolvido por Epstein (1961). Guimarães (2004), ao se propor a realizar uma etnografia sobre indivíduos que compõem uma rede de relações de natureza particular, objetiva descobrir os critérios de atribuição de status e prestígio dentro dessa rede. Para os membros deste effetive network, o significado é determinado por vínculos de amizade, gerados na descoberta de identidades sociossexuais semelhantes (GUIMARÃES, 2004, p. 24).É, portanto, na esteira desse solo teórico que podemos localizar Dara e Vinícius, situando-os como o ego de suas redes em posições de prestigio, (re)formulando o sistema simbólico de classificação e hierarquização. Se para Guimarães (2004), os membros da effetive networksão determinados pelos vínculos de amizade, podemos dizer que essa mesma lógica também opera nas redes em estudo. Conhecendo Dara e Vinicius Dara (43 anos) e Vinícius (33 anos)são interlocutores que possuem algumas similaridades pontuais: ambos são das camadas médias da sociedade, tiveram conflitos familiares desde a adolescência relativos à orientação sexual e vivenciaram a flexibilização dos guetos homossexuais no início do chamado mercado GLS 5,na década de noventa em Teresina, período que se iniciou, também, uma positivação da imagem homossexual após a epidemia da AIDS (GONTIJO, 2004). Ao juntarmos esses fatores, nos deparamos com a decisão tomada por nossos interlocutores, naquilo que se afigurava,à época, como um cenário de incertezas, marcado pelos dilemas existenciais e pela falta de recursos para bancar a própria autonomia e independência: cada um deles, em suas trajetórias particulares, viu no investimento educativo uma forma de alcançar a ascensão econômica e se contrapor à estigmatização sofrida em decorrência da assumida homossexualidade. Essa é a explicação que se extrai do percurso de Dara, que, proveniente de uma família tradicional de uma pequena cidade do interior do Piauí, enfrentou durante toda sua adolescência, reiterados discursos contra a vivência homossexual. Nesse sentido, é 5 A sigla GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes), desenvolvida pelo jornalista e empresário André Fischer, criador do portal Mix Brasil e idealizador do Festival MixBrasil de Diversidade Sexual. A sigla designa ambientes, produtos e serviços que seriam voltados o público homossexual, mas também serve de interpretação para um movimento típico dos anos de 1990, quando surge uma cultura hedonista, em que a apropriação dos bens de consumo por parte dessa população marginalizada se constituía em um dos mecanismos de inserção social.

5 possível traçar dois momentos distintos da trajetória de Dara. O primeiro é esse vivenciado no início da década de 1990, marcados pelos primeiros conflitos com a família, e, paralelamente,o deslocamento desta para a capital, Teresina, e o segundo momento, que começa na metade dos anos de 1990, é marcado por um grande investimento nos estudos em nível superior, como um campo de possibilidades (VELHO, 1981). É nesse segundo momento que Dara conclui dois cursos superiores, intercalados por viagens internacionais à Espanha. Foram essas viagens internacionais que mudaram seu status junto à família, conquistando respeito e até admiração. Viram que eu poderia dar certo, porque o medo da minha família era que eu ficasse quem nem os gays da minha cidade, sem perspectiva e sem emprego.também foram essas experiências fora do país que consolidaram a sua identidade cosmopolita, afeita à moda e à cultura, aos gostos mais refinados, e que, intimamente, resultaram em um rompimento com os estigmas que havia incorporado durante suas vivências junto à família. Conheci belas mulheres, tanto héteros como lésbicas, bem sucedidas. Conheci gente, seres humanos em todos os cantos. Eu queria aprender tudo. Foi ali que eu percebi que daria certo na vida (grifo nosso). Os capitais sociais e culturais são dispositivos usados frequentemente por Dara e demais integrantes de sua rede para conquistar a respeitabilidade familiar frente à sexualidade tida como desviante. Tornar-se uma pessoa respeitável configura-se como um valor importante estendendo-o para o sentido de prestígio social conquistado por meio da ascensão profissional. Percebe-se que, no lócus do qual Dara fala, um homossexual ou lésbica de respeito seriam aqueles que poderiam dar certo na vida ocupando posições importantes no meio social afastando-se das performances estigmatizadas do tipo butch ou bichapintosa 6.,uma ferramenta de socialização e signo de uma determinada ordem moral (SIMMEL, 1967; ELIAS, 2000). O mesmo sentido o de adquirir respeito por meio do sucesso profissional também é um dispositivo acionado por Vinícius. Além do mestrado, Vinícius acumula duas graduações (uma em Jornalismo e outra em Psicologia). Hoje, vivendo em uma situação de estabilidade econômica, Vinícius lembra com amargura de sua família pobre e pouco escolarizada, que o descriminava por apresentar uma performance de gênero divergente do sexo biológico. Sou efeminado, explica. E foi a percepção dessa 6 Categoria nativa.

6 performance por parte de seus irmãos biológicos que desencadeou os principais momentos de sofrimento psíquico e grande estresse emocional durante parte de sua vida em família: sempre sofri bullying, sofrendo algo por ser afeminado, por esse comportamento que me diferenciava das outras crianças, sabia que era diferente das outras crianças, mas não sabia por quê. A inserção no ambiente acadêmico, inicialmente no curso de Comunicação, abriu a possibilidade de conhecer outras pessoas e, embora não se assumisse como gay, naquele momento, identificou-se com algumas pessoas iguais a ele ou flexíveis o suficiente para conversar sobre o assunto. Entre 1999 e 2000, o pai de Vinícius descobriu que suas amizades fugiam do modelo heteronormativo. As saídas ocorriam com frequência, mas o destino não era informado em casa. Passou a escutar indiretas e insinuações na família, do tipo: me diga com quem você anda que direi quem você é.... O pai cortou a mesada. Sem recursos, começou a trabalhar como jornalista, foi promoter de uma conhecida boate de frequentação heterossexual na Zona Leste de Teresina, seguiu na carreira acadêmica. Em 2004, quando se formou em Psicologia, resolveu fazer a residência em uma pequena cidade do Ceará, onde dividiu uma casa com dois outros estudantes, fazendo um arranjo familiar que perdura até hoje. Eles são como irmãos: um irmão e uma irmã. Eles passaram a representar aquilo pra mim. Foi muito intenso. É evidenciado que Vinícius não tem uma boa relação familiar. Tem dois irmãos consanguíneos com os quais está rompido. A gente não se fala, porque me fazem buylling até hoje. Além dos apelidos pejorativos, eles se compraziam em fazer exposição pública de sua situação sexual. Tomei uma decisão de não falar mais com meu irmão porque em todo lugar ele me chamava de viado, mesmo quando eu não sabia o que era isso. Mas, durante a residência, quando morou na pequena cidade cearense, fez o coming out sem medo e culpa. Morei lá um ano e me assumi. Disse: quem quiser me aceitar desse jeito, que aceite, ou então se exploda!. A vergonha de Dara e o ressentimento de Vinícius com suas respectivas famílias suscitam acategoria Respeito, que se torna, nesse trabalho, uma importante chave analítica, uma vez que a conquista dessa condição de status e de prestígio se dá por meio da projeção de uma imagem de si mais positiva, amenizando o senso de vergonha e de ofensa, especialmente no contexto familiar. Espelhar o melhor de si torna-se uma

7 meta, razão pela qual, a figura do jogo de espelhos vem à tona. Não se trata de mostrar tudo, mas apenas o que convém. Nessa perspectiva, entende-se que, se essas "imagens podem servir para tudo" (AUGÉ, 1981, p.31), uma vez que operam no campo das representações, não são cópias fieis da realidade, e, sim, simulacros dela: resultam de um esforço para apresentar apenas o que os outros devem ver e não a própria realidade. O jogo de espelhos, porém, os obrigam a viver de acordo com a imagem projetada, evitando a todo custo as possíveis inconsistências desfavoráveis, que possam oferecer risco de constrangimento e de descrédito (GOFFMAN, 2011). Percebe-se tanto Dara como Vinícius uma necessidade de se contraporem ao discurso de homossexual fracassado, disseminado em seus respectivos contextos familiares, apresentando imagens de si de forma bastante planejada. É essa perspectiva que remete mais uma vez à Goffman, quando este discute os elementos rituais usados na interação social em busca da aprovação social. A fachada que sustenta um indivíduo é conceituada como"o valor positivo que uma pessoa efetivamente reivindica para si (GOFFMAN, 2011, p.13).mas, toda fachada, como todo simulacro, precisa ser mantido incólume: é necessário manter o controle expressivo do próprio corpo, das emoções e das coisas, para que tudo pareça expressar coerência com a sua fachada. Esse controle exaustivo e sistemático dos mínimos detalhes dessa fachada social centro de sua segurança e prazer torna-se necessário porque, por mais que ela pareça estável e segura, é apenas um empréstimo da sociedade e ela será retirada a não ser que a pessoa se comporte de forma digna" (GOFFMAN, 2011, p.18). Todo esse investimento tem um custo: faz do homem seu próprio carcereiro. E esta é uma coerção social fundamental, ainda que os homens possam gostar de suas celas" (GOFFMAN, 2011, p.18). A rede, um "corpo estendido e prolongado" A necessidade de manter uma imagem positiva sobre si e afastar as incoerências explica, de certa forma, porque tanto a rede de Dara como a de Vinícius se constituiu de maneira reservada, excessivamente preocupada com a entrada de novos integrantes, sempre avaliados minunciosamente pelos demais. Tais redes circulam pela cidade, são vistas, comentadas, mas são dificilmente penetradas.a rede de Vinícius, por exemplo, começou em 2004, período em queele e seus amigos íntimos, evitavamos espaços da cena gay local e promovia grandes encontros de amigos em suas próprias casas, as

8 chamadas festas privês. Eu morava com dois héteros 7 e nessas festas vinha gente de todo tipo. O grupo foi crescendo. As festas acabaram se tornando tão frequentadas, que os amigos decidiram alugar residências maiores (as chamadas mansões ) para sediar esses encontros, onde compareciam mais de cem pessoas. Vinícius relata que as festas eram para manter a coesão do grupo, para animar a rotina, para conhecer pessoas novas. Porém, tais festas mantinham o caráter de interdição: só se podia entrar caso fosse convidado, o que provocou uma série de críticas na cena gay local: tem uma coisa nesse grupo de amigo: é que o publico externo olha como se a gente fosse especial, como se fôssemos diferentes, o povo da Zona Leste, povo mais bonito, mais requintado. O interlocutor aqui se refere a uma zona da cidade, conhecida por abrigar a população economicamente mais estável, local em que se atribui a concentração dos bairros cujo metro quadrado é mais caro. Portanto, morar na Zona Leste é como possuir um dos atributos de prestígio que garante destaque social. Ao deixar de frequentar os bares gays locais e as festas promovidas para esse público na cidade, soava como uma provocação. Mas, para Vinícius, era uma forma de reafirmar o ethos do grupo: Isso ocorreu quando o vínculo de amizade estava formulando o vínculo afetivo. Quando a gente fazia coisas, iam os vinte. Agora nem é assim. Todo mundo era estudante, agora quase todo mundo é formado, tem outras estratégias, tem que estudar para concurso, não pode sair sempre. As privês causavam intrigas. Diziam que eu estava fazendo as privês para tirar o público das festas. Vinham trinta, cinquenta pessoas... era muita gente... Também éno período universitário,alinhado às descobertas de lugares nos quais poderiam expressar suas afetividades (andar de mãos dadas, trocar beijos e abraços com seus respectivos amores), que se constituem os primeiros núcleos de amizades de Dara, uma malha estreita onde há muitas relações entre os membros (BOTH, 1976).Dara iniciou parte de sua rede atual no período de formação acadêmica, entre as suas viagens internacionais. Assim, percebe-se que tanto na sua rede como na de Vinícius, o investimento educacional possibilitou uma melhor inserção em suas redes de sociabilidade, criando, a partir do período universitário,o sentido de uma família alternativa, formada por homossexuais e afins, onde tinham garantido o acolhimento e 7 Corruptela de Heterossexual. Termo nativo.

9 conforto (GREEN, 2005). Dara fala sobre essa família alternativa, formada por amigos íntimos, como um apoio moral que construímos, porque cada um tinha uma espécie de conflito. O meu (conflito), como o da maioria, era com a família. Então, conheceraquelas pessoas foi muito bom porque entendi que poderia dar certo na vida (grifo nosso). Vinicius, por sua vez, revela que o seu ingresso no âmbito acadêmico possibilitou que conhecesseoutras pessoas capazes o aceitaram em suas características identitárias. Não existiu o amigo de infância. Do meu bairro, só me lembro do bullying. Tanto é que não tenho amigos lá: saí de lá aos dezoito e nunca mais voltei. A ideia de superação pessoal é forte nas duas redes. A aproximação entre Dara e suas duas grandes amigas, Amora e Cristiana, por exemplo,se tornou mais intensa a partir do momento que elas passaram a investir mais nas carreiras profissionais através dos estudos, em oposição, por exemplo, às relações mais frouxas experimentadas em relação a Juliana e Geovana nesse mesmo período. Por meio dos estudos, as moças singularizavam-se de aspirantes-a-acadêmicas a profissionais (CARDOSO, 2012). Eis aqui, um ponto relevante: enquanto profissionais, elas passaram asuscitar respeito tanto na esfera familiar como na pública. Logo, percebe-se porque ser uma profissional tornou-se um fator agregador nessa rede de relações. As recordações de Dara dão pistas sobre como a rede, especialmente o núcleo de amizades estreitas, aquelas que apresentam relações mais próximas e intensas, é lentamente composta. Dara não faz uma reconstituição cronológica dessas amizades, mas sabe-se, por sua narrativa, que esse fio vai se desenrolar até a década de 1990, quando Dara, Juliana, Geovana, Amora e Cristiana começam a se conhecer dentro dos espaços de sociabilidade frequentados por elas. Nesse contexto, a sexualidade era uma questão-chave, pois, diante do imperativo do segredo, a vivência da homossexualidade ainda encontrava-se fora dos espaços públicos. Eram nos chamados guetos, assim denominados esses espaços situados em ambientes de acesso mais restrito, que se podiavislumbrar a possibilidade de segurar a mão da namorada, de trocar beijos e abraços, afastando-se, assim, das noções de crime, pecado ou doença (FRY E MACRAE, 1985). Porém, há outros elementos, além desse traço de confiança e de fidelidade umas com as outras: o compartilhar de experiências sexuais e de parceiras amorosas. Na rede de Dara, muitas já namoraram mulheres que, eventualmente já foram namoradas de outras integrantes do grupo. É o que elas chamam, dentro de uma categoria nativa, de

10 dança das cadeiras. Isso conduz ao início da rede de Dara, quando esta conhece uma de suas melhores amigas, Amora, em uma boate na década de 1990, o que acaba por desenrolar a teia de afetividades e de envolvimentos emocionais que vão unindo umas às outras: Tudo começou com minha amizade com a Amora, pois ela foi uma das primeiras pessoas que eu conheci aqui em Teresina. Eu a conheci exatamente quando eu estava entrando no mundo gay, que era no gueto, descobrindo o gueto. Eu namorava a Juliana. Era bem no começo, naquele momento que ficamos deslumbradas com tudo, conhecendo pessoas e, então, eu adorei de cara a Amora. Ela já teve uma atração física por mim, que não foi correspondida e logo foi transformada em amizade. E isso já tem uns 20 nos de amizade. Depois, conhecemos a Soraia, aliás, eu a conheci através de uma colega e senti de cara a energia boa dela. Tivemos uma forte ligação e ficamos logo próximas dela: ir lá pra casa na Semana Santa cuidar de mim porque eu estava doente... Nunca tivemos atração sexual uma pela outra. Depois ela começou a namorar com a Simone, que também foi inserida e que é uma pessoa maravilhosa supergenerosa. Eu conheci a Joana somente quando comecei meu namoro com a Fabrícia, porque a Joana namorava uma amiga da Fá. Elas terminaram, mas ficamos muito amigas. É honesta e, hoje, namora a Malena, que é nossa amiga bem antes porque, na realidade, ela é exnamorada da Maria e após o fim da relação ficaram muito amigas. Quando a conhecemos, passamos a gostar também. Joana ainda ficou com minha ex, a Cristiana. No tempo que eu namorei a Geovana, aliás, no final da nossa relação, ela conheceu e se envolveu com a Eduarda. Mas, foi quando a Eduarda começou a namorar a Lorena que ficamos mais próximas. Hoje, somos muito amigas e até vizinhas. Para Dara e Amora, tal pratica da dança das cadeiras é justificada pelo tamanho da cidade: Teresina é uma cidade pequena e termina que todo mundo fica com todo mundo. Esse é um dos tipos de explicações para a ocorrência da prática, mas não é o que a justifica, inteiramente. Para Catarina, por exemplo, isso não ocorre devido ao tamanho da cidade e, sim, pelo estilo de mulheres que estão inseridas na rede: porque geralmente andamos ou estamos perto das mulheres que considero mais interessantes. A categoria interessante apresenta-se carregada de significados. Não se trata, especificamente, ao atributo físico, apenas. Diz mais respeito ao conjunto de atributos sociais e culturais, portanto, mais articulado ao gosto de classe e ao estilo de vidaadotado (BOURDIEU, 1983). Destaca-se, daí, que nessa rede, ocorre uma sistemática regulação simbólica das características de seus membros por meio dessa dobra chamada estilo de vida, uma vez que ela é a própria fachada do grupo: quanto maior a correspondência que seobserva entre o espaço das posições sociais e o espaço dos estilos de vida, maior o prestígio (BOURDIEU, 1983).

11 Tensões e distensões nas redes Uma rede reservada, cujo acesso é mais difícil, produz um efeito inesperado, porém, nem sempre considerado indesejado: um complexo entrelaçamento amoroso. Tal característica da rede de Dara também é observada na rede de Vinícius. Enquanto que os integrantes mais velhos já foram amantes, e hoje estão na condição de amigos, seus novos parceiros(as) se constituem em novas aquisições à rede, embora, em muitos casos, em uma situação provisória. Manter-se na rede depende, em grande parte, da incorporação dos princípios e valores adotados pela rede.caso o membro crie conflitos, ou por sua postura, ou por incoerência com o estilo de vida adotado pelo grupo como fachada, poderá fazer a rede ser desacreditada. O resultado é a confusão" (GOFFMAN, 2011, p.19). Porém, estar numa rede em que as novas parceiras convivem com as que já estiveram naquele posto, também mantém a rede em perpétuo estado de tensão. Por outro lado, nem sempre é uma tensão desagradável, uma vez que, eventualmente, essa rede também se configura de maneira erótica. Isso leva à noção de coquetismo, adotada por Simmel (1993), empregada para qualificar o comportamento sedutor. Porém, observando a rede de Dara na perspectiva de Simmel, não se trata apenas de agradar umas às outras por meio dos atributos eróticos, da disseminação de gestos charmosos, mas de manter no grupo uma atmosfera platônica, um permanente estado de indefinição, uma etapa intermediária entre querer e não-ter, entre o não-ter e ter. Sem conflitos, pois, para remediar a privação, mistura-se a dor do ponto de partida à felicidade da paulatina aproximação do fim" (SIMMEL, 1993, p.95). As mulheres da rede de Dara experimentam essas ambiguidades do coquetismo, pois, esses laços, ao mesmo tempo fraternos e eróticos, estão em um contínuo movimento duplo: o de potencializar a amizade e amenizar o apelo erótico, informando continuamente quão tênue é a separação entre amizade e a parceria sexual e afetiva entre as mulheres do grupo estudado (MEINERZ, 2011, p.114). Como reflete a antropóloga, se, por um lado, toda amiga é uma potencial parceira, por outro, muitas vezes, a ex-parceira acaba se tornando uma grande amiga. É o que ocorre na rede de Dara.

12 Essa ambiguidade exposta por Meinerz (2011) também se faz presente como um elemento constituidor de relações, movimentando as dinâmicas de interação na rede de Vinícius. Na dinâmica dessa rede formada por rapazes, fazer sexo descompromissado uns com os outros é uma estratégia aquietar uma carência momentânea, e é visto como uma prática sem grandes consequências: De alguma forma, todo mundo já namorou uns com os outros. É o fica, não é namoro. É só coisa de festa, ficou, transou, é amigo no outro dia, foi só um momento, foi bom e pronto, sem namoro. Tem muito disso. Foi o que me aproximou bastante desse grupo. Por mim, teria amizades coloridas, seria mais legal uma poligamia aberta, sem esse compromisso de dizer que está compromissado. O sexo casual ou recreativo entre os amigos de Vinícius ocorre, habitualmente, em situações singulares, durante as viagens de férias, quando os rapazes dividem um mesmo alojamento, ou na atmosfera propícia de festas, em que há um consumo um pouco acima da média habitual de álcool ou de outras drogas. Por outro lado, o ficafica entre os membros do grupo não garante uma satisfação permanente. Em vários momentos, o grupo apresentou indícios de esgotamento interno, agravada pela ameaça de monotonia ou pela falta de novidades. Nesses momentos, o grupo adotava várias estratégias para possibilitar as interações dinâmicas com outros grupos. Dentre as alternativas mais usadas pelo grupo para escapar do esgotamento e atender à necessidade de conhecer outras pessoas foi a promoção de festas: Começamos a perceber que nos fechamos muito e precisávamos sair mais. Tinha uma ou outra festa que a gente abria para agregar, que podiam vir com duas ou mais pessoas... Claro que tinha aquela coisa da aceitação: a gente podia ter trazido uma pessoa e ela ter se dado bem com parte do grupo, mas se outra parte não aceitar, aos poucos ela vai sendo descartada. Porque o grupo construiu uma identidade. Além da identidade, tem os subgrupos que chegam a ser mais forte que o grupão. O subgrupo tem ligação afetiva maior... Nesses momentos, o compartilhamento do repertório cultural se tornou um mecanismo bastante utilizado para favorecer as novas adesões: as conversas acabam girando em torno das divas, das músicas prediletas, de livros de apelo popular como o das séries Harry Porter e Percy Jackson, ou temas do universo pop. Porém, o repertório compartilhado nesses momentos não diz respeito apenas às referências relacionadas ao gosto cultural, mas, sobretudo, a um conjunto de sinais de pertença, que vão desde os

13 estilos de roupas usadas e às performances de corpo (especialmente, nas coreografias arduamente ensaiadas e executadas com frequência quando o grupo está junto). As performances e jeitos de corpo são estratégias que materializam um sistema de chances objetivas de aceitabilidade (BOURDIEU, 1983, p.178). Por outro lado, o grupo não usa apenas as festas para conhecer novas pessoas. As buscas também são mediadas por tecnologias. Sites que favorecem essas relações em rede, como o Facebook e o Twitter, são integrados a inúmeros outros recursos disponibilizados nos dispositivos móveis, smartphones ou celulares multimídias, por meio de aplicativos como WhatsApp Messenger. Tais mecanismos possibilitam o envio, recepção e visualização de mensagens instantâneas e , além da produção, visualização e remessa de vídeos. Vinícius considera esses ambientes virtuais propícios à seleção e, portanto, também à exclusão: Acontece muito isso: cria-se um núcleo e excluo alguém porque não quero aquelas pessoas no grupo. As semelhanças aproximam, mas as diferenças excluem. Sou a velha chata. Falo mesmo. Eu falo tudo que quer. Por outro lado, é importante considerar as regras de conduta dentro dos grupos. A regra deve ser conhecida, deve ser mantida, ou provoca o desmoronamento daquilo que mantém a rede estável: "o efeito combinado da regra do respeito próprio e da regra da consideração (GOFFMAN, 2011, p.28). Conforme esse autor, em um grupo, esperase que cada um desempenhe o papel que ele pareça ter escolhido para si próprio, mas,não se trata de uma relação baseada na sinceridade extrema, em que se espera ouvir avaliações sinceras expressas candidamente. É uma relação baseada na delicada situação de oferecer juízos da boca para fora, com os quais os participantes não concordam realmente (GOFFMAN, 2011, p.19). Ou seja, no jogo de espelhos, em que as respostas dadas devem estar em coerência com a fachada, de forma a manter-se o discurso comprometido com a manutenção da estabilidade do grupo. Se, portanto, dentro das redes, o sentimento de lealdade e fidelidade aproximam os membros do sentido das confrarias marcadas por rituais e códigos morais, esses sentimentos são os que conduzem, também, os processos de seleção para ingresso e para a exclusão. Eles se mantêm juntos, num sentido ecológico, como um "corpo estendido e prolongado" (BOFF, 1999, p.136), obedecendo às dinâmicas impostas por cada rede. Dessa forma, observando a rede de Dara e de Vinícius, o conceito de confiança aparece como uma categoria fundamental. Entende-se, a partir das perspectivas desses interlocutores, que éno ambiente mais íntimo, portanto, protegido da curiosidade alheia,

14 que se potencializa o conceito de confiança em oposição às relações contemporâneas instáveis e frágeis (ZAMBONI, 2009). Se os laços são produzidos nas situações de interação e de confiança, é possível perceber, assim, o enlace dos elementos simbólicos da honra, na presença de categorias que se apresentam aos pares, como: lealdade e fidelidade; confiançae segredo. Na ótica de Pitt-Rivers (1973), esse é o nexo entre os ideais da sociedade e a sua reprodução nos indivíduos, acionando o movimento que vai do revelar-se ao reservar-se. Se, através dos códigos de honra são moldadas atitudes que regem as relações e se estas os contestam, as tensões e conflitos aparecem. Por isso, trair a confiança e revelar o segredo põe em cheque à reputação, a imagem de si destinada aos outro, podendo romper a relação de amizade e a de permanecia na rede de relações. É nesse sentido, que as redes de Dara e de Vinícius podem ser entendidas na sua micropolítica. REFERÊNCIAS AUGÉ, Marc. A guerra dos sonhos. Campinas: Papirus, BARNES, John A. Redes sociais e processo político. In: FELDMAN-BIANCO, Bela (org.). Antropologia das Sociedades Contemporâneas: Métodos. São Paulo: Editora Unesp, BIANCO, Bela Feldman (Org.). Antropologia das Sociedades Complexas. São Paulo, Ed. Global, BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: LASK, Tomke. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, BOFF, Leonardo. Saber Cuidar Ética do humano: compaixão pela terra. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, BOTH, Elizabeth. Família e Rede Social. Rio de Janeiro, Ed. Francisco Alves, BOURDIEU, Pierre "Gostos de classe e estilos de vida". In: ORTIZ, Renato (org.).pierre Bourdieu: sociologia São Paulo: Ática, A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, BUTLER, Judith. Corpos que pesam. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O Corpo Educado: Pedagogias da sexualidade. 2ª ED. Autêntica: Belo Horizonte, ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

15 FRY, Peter. Nas Redes Antropológicas da Escola de Manchester: Reminiscências de um Trajeto Intelectual. Revista Iluminuras.v. 12, n. 27. UFRGS, GREEN, James. Mais Amor e Mais Tesão : a construção de um movimento brasileiro de gays, lésbicas e travestis. Cadernos Pagu, v.15, 2000.p GLUCKMAN, Max. "Análise de uma Situação Social na Zululândia Moderna" In. GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Tradução Fábio Rodrigues Ribeiro da Silva. Petrópolis: Vozes, GONTIJO, Fabiano. Imagens identitárias homossexuais, carnaval e cidadania. In: RIOS,Luís Felipe Riosetall.Homossexualidade: Produção cultural, cidadania e saúde (pp ). Rio de Janeiro: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS, GONTIJO, Fabiano; REIS, Pâmela Laurentina. Mulheres em Rede: sociabilidade, moralidade e narrativas biográficas de lésbicas no Piauí e no Maranhão. Amazônica: Revista de Antropologia(Online), v. 6, p , LOMNITZ, Larissa Adler. Redes sociales y partidos políticos en Chile. In: Revista Redes. v.3, sept-nov, Disponível em: Acesso em 5 de agosto de MITCHELL, C. Social networks in urban situations. Manchester: Univ. Press, PITT-RIVERS, Julian [1965]. Honra e Posição Social. In J.G. Peristiany (org.).honra e Vergonha: valores das sociedades mediterrâneas. Lisboa: Fundação CalousteGulbenkian. SCOTT, John. Social Network Analysis.A Handbook. London/Newbury Park / New Delhi: Sage Publications, SIMMEL, George. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio Gilberto (Org.). O fenômeno urbano. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, Psicologia do Coquetismo. In: Filosofia do Amor. Tradução de Luís Eduardo de Lima Brandão. São Paulo: Martins Fontes Cuestionesfundamentales de sociologia. Barcelona: Editorial Gedisa S.A., VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura: Notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, WHYTE, William Foote. Sociedade de esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Tradução de Maria Lucia de Oliveira. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, ZAMBONI, Marcela. Quem acreditou no amor, no sorriso, na flor : a confiança nas relações amorosas. (Tese de doutorado) Programa de Pós Graduação em Sociologia, da Universidade Federal de Pernambuco, 2009.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Uma mudança de cultura Formação - um novo formato A construção de uma metodologia Um processo grupal A construção de um conteúdo pelo grupo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs Iris Maria de Moura Possas (Universidade Federal do Pará Instituto de Educação em Ciências e Matemática e Escola de Ensino Fundamental

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação.

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação. A PRESENÇA DO NEGRO NA ESCOLA ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA O RACISMO ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA LEI 10.639/03 NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRATO-CE Dayze Carla Vidal da Silva (Universidade Regional do Cariri)

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais