ROUGH SETS THEORY: AN APPLICATION IN SELECTING STOCKS FOR INVESTMENT AT STOCK EXCHANGE FROM SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROUGH SETS THEORY: AN APPLICATION IN SELECTING STOCKS FOR INVESTMENT AT STOCK EXCHANGE FROM SÃO PAULO"

Transcrição

1 ROUGH SETS THEORY: AN APPLICATION IN SELECTING STOCKS FOR INVESTMENT AT STOCK EXCHANGE FROM SÃO PAULO Paulo Henrique Kaupa (Universidade Nove de Julho, São Paulo, Brazil) - Renato José Sassi (Universidade Nove de Julho, São Paulo, Brazil - Forming a stock portfolio that provides good yields with low risk is a challenging task for the investor. One tool that may indicate to investors that set of actions is more favorable becomes a great ally in a market of constant instability, as the stock market. This study applied the Rough Sets Theory or simply Rough Sets in the selection actions to assemble an investment portfolio on the Stock Exchange of São Paulo. Application of Rough Sets is favourable in solving problems like finding dependency between attributes and patterns among the data, characteristics of the stock market. Positive results point to the use of Rough Sets in the selection of actions for building a portfolio. Keywords: Investments, Stock Exchange, Stocks, Rough Sets Theory. ROUGH SETS THEORY: UMA APLICAÇÃO NA SELEÇÃO DE AÇÕES PARA INVESTIMENTOS NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO Formar uma carteira de ações que proporcione bons rendimentos com baixo risco é uma tarefa desafiadora para o investidor. Uma ferramenta que possa indicar ao investidor que conjunto de ações é mais favorável se torna uma grande aliada em um mercado de constante instabilidade, como o mercado de ações. Este trabalho aplicou a Rough Sets Theory ou simplesmente Rough Sets na seleção ações para montar uma carteira de investimentos na Bolsa de Valores de São Paulo. A aplicação dos Rough Sets se mostra favorável na resolução de problemas como descoberta de dependência entre atributos e padrões entre dados, características do mercado de ações. Os resultados positivos apontam para o uso dos Rough Sets na seleção de ações para montar uma carteira. Palavras chave: Investimentos, Bolsa de Valores, Ações, Rough Sets Theory. Agradecimentos Agradecimentos à Universidade Nove de Julho pela bolsa de estudos concedida. 0990

2 1. Introdução O Mercado Financeiro é voltado para a transferência de recursos entre os agentes econômicos de forma direta ou indireta, é um segmento da economia onde o dinheiro é negociado e está dividido em três grandes grupos de ativos financeiros: Renda Fixa, Derivativos e Ações (BODIE et al., 2009). Os investimentos em Renda fixa são popularmente conhecidos pela segurança (baixo risco) que traz ao investidor, pois a rentabilidade pode ser conhecida no momento de sua contratação. Os Derivativos têm seu preço derivado do preço de outro ativo, sendo assim é uma modalidade de investimento com alto grau de risco. Por fim encontra-se o mercado de ações representado pelas Bolsas de Valores, onde são realizadas as operações de compra e venda dos títulos das empresas de capital aberto (sociedades anônimas cujo capital social é formado por ações). Investir na compra de ações pode trazer ao investidor lucros superiores com relação às alternativas com maior segurança como exemplo as Letras do Tesouro, onde o investidor toma conhecimento do rendimento antes de realizar a aplicação (BODIE et al., 2009). Com a chegada do Home Broker (Serviço para investimentos prestado pelas corretoras que permite a seus clientes comprar e vender ações através da internet), o volume de negociações por parte de investidores individuais (pessoas físicas) cresceu exponencialmente, atraídos pela facilidade de operar (REVISTABOVESPA, 2012). Destacado por sua rentabilidade, o mercado de ações, que é intermediado no Brasil pela Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros do estado de São Paulo (BM&FBovespa), instituição de intermediação nas negociações envolvendo ações, estabelecendo regras para as negociações e fiscalizando o mercado e as operações realizadas por seus participantes (empresas de capital aberto, corretoras de valores e investidores) no cumprimento destas regras (BM&FBovespa, 2012). Por se tratar de um investimento de risco, já que podem ocorrer perdas no capital investido identificar as tendências dos preços das ações e gerenciar os riscos envolvidos na operação, se torna uma atividade fundamental para o investidor. Prever qual será a tendência das oscilações dos preços das ações, ou seja, se o preço da ação irá oscilar de forma positiva ou negativa ou até mesmo estagnar, é sem dúvida o maior desafio dos investidores. Uma ferramenta que possa auxiliar o investidor a identificar tais tendências se torna de extrema importância na hora de traçar uma estratégia de investimento e selecionar ações que tragam bons lucros com baixo risco. As aplicações das técnicas da Inteligência Artificial (IA) ao mercado financeiro para a identificação de tendências dos preços das ações gerou importantes resultados (ALMEIDA e DUMONTIER, 1996; ALMEIDA e ZANETI, 1998; FREITAS e SILVA, 1999; ARRAES, 2001; CHENG-YUAN e YEN-TING, 2002; FERNÁNDEZ e GÓMEZ, 2007; AZCARRAGA et al., 2008; KHAN et al., 2008; KUANG-YOW e CHIEN-CHI, 2010; INDIRA e RAMESH, 2011). Uma técnica da Inteligência Artificial que têm se mostrado muito eficaz quando aplicada em investimento em ações é o Rough Sets Theory (RS) ou simplesmente Rough Sets. Os trabalhos que usam RS apresentam bons resultados e apontam para a aplicação 0991

3 desta técnica no investimento em ações (GOLAN e ZIARKO, 1995; CHANG et al., 2006; HUANG et al., 2008). Obter uma composição de ações (carteira de ações) que possa proporcionar bons retornos considerando o risco envolvido do investimento é o objetivo de investidores (JINCHUAN e XINZHE, 2008; LI e NI, 2009; HANIF et al., 2011). Uma análise das oscilações nos preços das ações a fim de identificar suas tendências, deve ser realizada, já que implicam diretamente no retorno financeiro. Este trabalho está dividido em 5 seções, além da Introdução seção 1, discute-se o mercado financeiro de forma introdutória na seção 2, as seções 3 e 3.1 são dedicadas à explicação do RS, os materiais e métodos aplicados são apresentados na seção 4. Discutese também a realização dos experimentos e os resultados na seção 5 e conclusão apresentada na seção O Mercado Financeiro e de Ações O Mercado Financeiro abrange todas as transações envolvendo moedas e títulos, se encarrega de promover a transferência destes recursos entre os agentes econômicos (podem ser pessoas físicas, jurídicas ou governamentais), é composto por instituições que realização a captação financeira, distribuição de valores e regulamentação destas transações. Seu principal órgão normativo é o Conselho Monetário Nacional (CMN), abaixo da CMN de maneira hierárquica estão às entidades supervisoras seguidas dos órgãos operadores (BACEN, 2012). O Mercado de Ações é o mercado destinado à negociação de títulos representativos da menor fração capital social de uma empresa (Conhecidos como ações) e de valores mobiliários, sua regulamentação e fiscalização é feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). As negociações destas ações são feitas nas Bolsas de Valores, no Brasil a BM&FBovespa (SANDRONI, 1999). As ações negociadas na bolsa brasileira podem ser do tipo Ordinária Nominativa (ON) ou Preferencial Nominativa (PN), descritas na Tabela 1. Ações ON Ações PN Tipos de Ações Concedem direito ao seu acionista a votar nas assembleias da empresa. Cada ação concede um voto. Asseguram prioridade no pagamento de dividendos ou reembolso em casos de liquidação da empresa, mas sem conceder direito a voto nas assembleias. Tabela 1 Tipos de ações negociadas na BM&FBovespa As ações do tipo ON estão em sua maioria de posse dos grupos controladores da empresa, geralmente negociadas no mercado primário, onde o acionista compra as ações diretamente da empresa, sem o intermédio de um órgão como uma Bolsa ou Corretora de valores. Ações do tipo PN são as mais negociadas no mercado secundário e operações de 0992

4 compra e venda são realizadas por intermédio de um órgão regulamentado. Estas são as ações mais negociadas durante os pregões, portanto são ações com maior liquidez de mercado quando comparadas as ações ON. Operações no mercado de ações são consideradas de risco, pois a volatilidade dos preços é constante, diferente dos investimentos em renda fixa, não há garantias de um retorno pré-determinado definido no momento de investimento. De forma resumida pode-se concluir que o mercado financeiro funciona de forma organizada por órgãos direcionados a cada setor econômico, proporcionando um ambiente seguro para a troca de recursos entres seus agentes e tem como órgão principal a CMN. 3. Rough Sets Theory Rough Sets (RS) podem ser considerados conjuntos com fronteiras nebulosas, ou seja, conjuntos que não podem ser caracterizados precisamente, utilizando-se dos atributos disponíveis (PAWLAK, 1982). A incerteza pode se manifestar de diversas formas, como: imprecisão, incompletude, inconsistência, etc. RS trata de um tipo fundamental de incerteza, a indiscernibilidade. A indiscernibilidade surge quando não é possível distinguir elementos de um mesmo conjunto, e representa a situação em que esses elementos parecem um único elemento (UCHÔA, 1998). Os principais conceitos em RS são: Espaços Aproximados, Aproximação Inferior (AI), Aproximação Superior (AS), Sistema de Informação (S), Sistema de Decisão (SD) e Indiscernibilidade (IND). Neste trabalho serão apresentados resumidamente o Sistema de Informação (S), o Sistema de Decisão (SD) e a Indiscernibilidade. A forma mais comum para representação dos dados em RS é por meio de um sistema de informação (S) que contém um conjunto de elementos, sendo que cada elemento tem uma quantidade de atributos condicionais. Esses atributos são os mesmos para cada um dos elementos, mas os seus valores nominais podem diferir. Dessa forma, um sistema de informação é um par ordenado S = (U, C), onde U é um conjunto finito e não-vazio de elementos chamado de universo, e C é um conjunto finito e não-vazio formado pelos atributos. Cada atributo a C é uma função a: U Va, onde Va é o conjunto dos valores permitidos para o atributo a (sua faixa de valores). Em muitos casos é importante a classificação dos elementos considerando um atributo de decisão que informa a decisão a ser tomada. Assim, um SI que apresenta um atributo de decisão é denominado Sistema de Decisão (SD). Os valores dos atributos são chamados de valores nominais, ao utilizar todos os atributos condicionais do sistema de informação S obtêm-se conjuntos elementares. Existindo a Relação de Indiscernibilidade entre os elementos, significa que todos os valores nominais de seus atributos são idênticos com relação ao subconjunto de atributos B (B S) considerado, ou seja, não podem ser diferenciados entre si. 3.1 Redução de Atributos no RS A redução de atributos no RS é feita através dos chamados Redutos (RED), que são subconjuntos de atributos capazes de representar o conhecimento da base de dados com 0993

5 todos os seus atributos iniciais (PAWLAK, 1982). Um Reduto de B sobre um sistema de informação S é um conjunto de atributos B B tal que todos os atributos a (B B ) são dispensáveis. Com isso, U/INDs (B ) = U/INDs(B). O termo RED(B) é utilizado para denotar a família de redutos de B. O cálculo de reduções para gerar os redutos é um problema n-p completo, e seu processamento em grandes bases de dados exige grande esforço computacional. Essa redução é feita pela função de discernibilidade, a partir da Matriz de Discernibilidade. Considerando um conjunto de atributos B para o sistema de informação S, o conjunto de todas as classes de equivalência determinadas por B sobre S é dado por U/INDs(B) = {{e1}; {e2, e3}; {e4}; {e5}; {e...}}, onde e representa um elemento. A Matriz de Discernibilidade do sistema de informação S, denotada por MD(B), é uma matriz simétrica n x n com: md(i, j) = {a B a (Ei) a (Ej)} para i,j = 1, 2,...,n.., sendo 1 i, j n e n= U / INDs(B). Logo, os elementos da matriz de discernibilidade md(i, j) é o conjunto de atributos condicionais de B que diferenciam os elementos das classes com relação aos seus valores nominais. A função de discernibilidade Fs(B) é uma função booleana com m variáveis, que determina o conjunto mínimo de atributos necessários para diferenciar qualquer classe de equivalência das demais, definida como: * * * * FS ( 1, a 2, K, a m ) = { md ( i, j) i, j = 1,2, K, n, md ( i, j) 0} * * Sendo: m ( i, j) = { a a m ( i, j) } a. D D Utilizando o método de simplificação de expressões booleanas na função Fs(B), obtém-se o conjunto de todos os implicantes primos dessa função, o qual determina os redutos de S. À simplificação é um processo de manipulação algébrica das funções lógicas com a finalidade de reduzir o número de variáveis e de operações necessárias para a sua realização. A função de discernibilidade Fs(B) é obtida da seguinte forma: para os atributos contidos dentro de cada célula da Matriz de Discernibilidade MD(B), aplica-se o operador soma, or ou e, entre as células dessa matriz, utiliza-se o operador produto, and ou, resultando em uma expressão booleana de Produto da Soma. A Fs(B) é representada por: Fs(B) = (EV) (EV) (EV QP) (EV QP) (EV QP) (EV QP BL) (QP BL) (QP BL) (EV BL) (QP BL) (EV QP BL) (EV QP BL) (EV BL) (EV). Simplificando esta expressão, utilizando teoremas, propriedades e postulados da Álgebra Booleana, obtém-se a seguinte expressão minimizada: Fs(B) = (EV (QP BL) (EV QP BL)) Que ainda pode ser escrita na forma de Soma do Produto : Fss.(B) = (EV (QP BL)). 4. Materiais e Métodos Realizou-se uma extração de dados que contemplou dados para o processamento 0994

6 referente a um período e dados referentes a um período posterior para análise dos retornos. A seleção da base de dados já conhecida se dá da seguinte forma: os dados extraídos da BM&FBovespa forma separados em duas partes, possibilitando que uma parte fosse processada pela técnica e a outra referente ao período subsequente fosse usada para calcular os retornos financeiros obtidos com a carteira resultado do processamento da primeira parte dos dados. Optou-se pelo uso de uma planilha do Microsoft Excel, para realizar a análise das informações, calculando os retornos das carteiras formadas para o período seguinte. A seleção dos dados, sua separação e períodos são descritos a seguir. Nesta etapa dos experimentos, foram selecionadas da base de dados da BM&FBovespa todas as ações que pertenceram ao índice Ibovespa no dia 30/03/2012. Os dados para a realização dos experimentos foram extraídos da base da BM&FBovespa, esta extração foi feita em três etapas: Primeira etapa. Dados referentes às ações no período de 04/01/2011 à 30/03/2012. A extração foi realizada no dia 02/04/2012. Estes dados foram usados como base para o processamento do RS. Segunda etapa. Dados referentes às ações no período de 02/04/2012 a 30/04/2012. A extração foi realizada no dia 02/05/2012. Com estes dados apuraram-se os resultados da rentabilidade das ações selecionadas pelo RS. Terceira etapa. Nesta etapa foram extraídas informações sobre a variação do Índice Ibovespa com o objetivo de comparar o desempenho deste índice com a rentabilidade obtida das ações selecionadas pelo RS. O período de extração destes dados foi de 02/04/2012 a 30/04/2012. A Figura 1 ilustra as etapas de realização dos experimentos: Figura 1 Etapas de realização dos experimentos 0995

7 Após a extração na primeira etapa, processaram-se os dados com RS, em seguida analisou-se a frequência com que as ações aparecem nos redutos a fim de identificar quais se repetem por mais vezes nos redutos, ou seja, aquelas que segundo RS possuem maior relevância. Dos dados extraídos na primeira e segunda etapa, apenas as informações referentes ao valor de fechamento de cada ação que compôs a carteira teórica do índice Ibovespa em abril de 2012 (mês de realização dos testes) foram utilizadas para calcular a variação diária (dia atual subtraído do dia anterior). A diferença entre os períodos em que foram feitas as extrações dos dados das ações e realização dos experimentos, pode ser justificada pelo objetivo inicial de realizar os testes como se estes estivessem sendo realizados para um investimento real. Assim cada parte dos experimentos recebe os dados referentes ao período em que foram executadas. O objetivo inicial foi simular investimentos realizados que fossem embasados nos resultados das técnicas, então na primeira e na segunda etapa foi adotado o uso de um simulador de investimentos em tempo real. Assim, a performance das carteiras formadas pelos modelos puderam ser testadas como se estivem em um ambiente real de investimento. Porém a análise em tempo real, demanda de disponibilidade de tempo para ser realizada, além da necessidade de uma execução precisa com pouca tolerância a falhas no que se diz respeito a execução dos teste no período subsequente a extração dos dados, ou seja, exige que os testes e o investimento no simulador sejam feitos nos dias subsequentes a extração dos dados, o que poderia impactar o processo de testes com bases maiores, então na terceira fase optou-se pela simulação dos resultados com base em dados históricos das cotações, o que traz maior tempo para análise dos resultados obtidos. Assim a análise dos resultados foi dividida em duas partes: -a primeira análise foi feita com as cinco ações selecionadas por RS, pois as cinco ações com maior frequência nos redutos são de diferentes setores, o que segunda a teoria de diversificação de ativos minimiza o risco do investimento; -a segunda análise considera as ações com maior frequência nos redutos após a redução, são dez ações que se destacam por sua grande frequência. Considerando uma matriz composta por Datas, Ações e suas variações, onde as datas formam as linhas, as ações formam as colunas e o cruzamento entre linhas e colunas recebem a variação (variação diária), a Tabela 2 mostra um exemplo meramente ilustrativo, com valores hipotéticos para demonstrar o que foi descrito neste parágrafo. Data Ação A Ação B Ação C Ação D Ação E 01/01/1900 1,2 2,1 3 1,2 2 02/01/1900 1,2 3 2, /01/ ,1 1, /01/1900 1, ,2 Tabela 2 - Exemplo de matriz (carteira) para a redução de atributos (ações) 0996

8 Pode-se considerar que as ações são os atributos da carteira, assim aplica-se a redução de atributos do RS para selecionar quais devem compor a carteira, ou seja, as ações presentes com maior frequência nos redutos gerados por RS após a redução são as ações que farão parte da carteira. Para avaliar o desempenho das ações selecionadas, comparasse a rentabilidade (média dos retornos) com os dados reais de seu desempenho extraídos na segunda etapa dos experimentos e finalizando os experimentos com um comparativo de desempenho com os dados do Índice Ibovespa extraído na terceira etapa citada acima. Dos dados extraídos na primeira e segunda etapa, apenas as informações referentes ao valor de fechamento de cada ação que fez parte da carteira teórica do índice Ibovespa em abril de 2012 (mês de realização dos testes) foram utilizadas para calcular a variação diária (dia atual subtraído do dia anterior). A primeira análise foi feita com as cinco ações selecionadas por RS apresentadas na Tabela 3, estas ações pertencem a diferentes setores de atuação, assim podem formar uma carteira tomando como base a teoria proposta por Markowitz de diversificação de ativos para minimizar o risco do investimento (MARKOWITZ, 1952). Setor de Atuação Ação Descrição Frequência nos redutos dors Util. Públicos / Energia Elétrica. CESP6 CESP 35 Telecomunicação / Telefonia Fixa. *OIBR 4 OI 18 Mat. Básicos / Madeira e Papel. FIBR3 FIBRIA 17 Utilidade Pública / Água Saneamento. SBSP3 SABESP 13 Consumo Cíclico / Tecidos, Vestuário e Calçados. HGTX3 Tabela 3 As cinco ações selecionadas pelo RS CIA HERING 12 *Importante observar que as ações: TNLP3, TNLP4, BRTO4, TMAR5 presentes carteira teórica do índice Ibovespa no momento da extração e processamento (30/03/2012), sofreram alteração devido a uma incorporação de empresas que resultou na consolidação destas ações em uma só (OIBR4), esta nova ação passa a valer a partir do pregão do dia 09/04/2012. A Segunda análise é feita com as dez ações selecionadas por RS relacionadas na Tabela

9 Setor de Atuação Código de Negociação Descrição Frequência no RS Utilidade Públ. / Energ Elétrica CESP6 CESP 35 Telecomunicação / Telefonia Fixa OIBR4 Telemar 18 Mats Básicos / Madeira e Papel FIBR3 FIBRIA 17 Utilidade Públ / Água Saneamento SBSP3 SABESP 13 Consumo Cíclico / Tecid. Vest. Calç. HGTX3 CIA HERING 12 Mats Básicos / Sid Metalurgia GOAU4 GERDAU MET 11 Telecomunicação / Telefonia Fixa VIVT4 TELEF BRASIL 11 Const e Transp / Transporte LLXL3 LLX LOG 11 Cons N Cíclico/Diversos HYPE3 HYPERMARCAS 9 Financ e Outros / Interms Finanças SANB11 SANTANDER BR 9 Tabela 4 As dez ações selecionadas pelo RS Em ambas as análises, verifica-se o desempenho das ações selecionadas por RS com uma avaliação da rentabilidade com base nos dados destas ações no período de 02/04/2012 à 30/04/2012, também extraídos da base de dados da BM&FBovespa. Aqui se pode salientar que valores referentes a impostos, taxas e emolumentos não são considerados, apenas a variação da ação (diferença do valor no pregão de um dia menos o valor da ação no pregão anterior) em seu preço bruto, divulgado pela BM&FBovespa. 5. Realização de Experimentos e Discussão dos resultados Comparou-se o desempenho das cinco ações de maior relevância no índice Ibovespa (Top 5) com as dez ações selecionadas por RS. Considerando um investimento de um mês (de 02/04/2012 a 30/04/2012), têm-se os valores da Tabela 5, onde se pode observar um desempenho melhor para as ações selecionadas pelo RS. Desempenho RS -0,46% Índice Ibovespa -0,50% Tabela 5 - Comparativo entre RS e o índice Ibovespa (Cinco Ações) O desempenho das dez ações de maior relevância no índice Ibovespa foi comparado com as dez ações selecionadas por RS. Considerando um investimento de um mês (de 2/04/2012 à 30/04/2012), têm-se os valores da Tabela 6, onde se pode observar um desempenho melhor para as ações selecionadas pelo RS. 0998

10 Desempenho RS -0,30% Índice Ibovespa -0,49% Tabela 6 - Comparativo entre RS e o índice Ibovespa (Dez Ações) Pode-se observar na Tabela 7 que das dez ações selecionadas por RS, quatro fecharam em alta no primeiro dia da análise (03/04/2012), já as dez ações com maior participação do índice Ibovespa não houve um desempenho positivo para esta data. Ação Desempenho (Variação) no dia 03/04/2012 OIBR4 2,91% HGTX3 1,18% BTOW3 1,85% CRO3 1,18% Tabela 7 - Desempenho das Ações no primeiro dia de investimento. Ao final do período de testes (dia 30/04/2012), três das dez ações fecharam em alta (relacionadas na Tabela 8) e nenhuma das ações dez ações com maior participação no índice Ibovespa teve variação positiva ao final deste período. Ação Desempenho (Variação) SBSP3 0,10% GOAU4 0,02% BTOW3 0,04% Tabela 8 Ações com desempenho positivo na seleção proposta por RS A Figura 2 exibe um comparativo do desempenho diário entre a carteira de dez ações formada pelo RS e as a carteira teórica do índice Ibovespa até o final do período de testes (30/04/2012). 0999

11 Figura2 Comparativo entre o desempenho dos RS e do índice Ibovespa. Em ambos comparativos o desempenho das ações selecionadas por RS foi melhor, o que tornam interessantes a continuidade das pesquisas com o uso dos RS. 6. Conclusão O desenvolvimento deste trabalho possibilitou verificar que a seleção de ações feita por RS pode trazer resultados satisfatórios no apoio à tomada de decisão, pois pode indicar as tendências dos preços das ações, desta forma auxiliando o investidor a escolher ações com tendência de alta para efetuar sua aplicação. Pode-se observar que parte das ações selecionadas pelo RS teve uma rentabilidade positiva no primeiro dia de investimentos e também algumas delas mostraram rentabilidade positiva ao final do período, o que pode indicar que a técnica tem capacidade para identificar ações que estão em tendência de alta. Embora não houve retornos positivos para o investimento, seguindo o momento econômico negativo, pode-se observar que ocorreu uma perda menor no investimento feito com as ações selecionadas por RS quando comparada ao índice Ibovespa, o que se pode considerar bom do ponto de vista de risco. Acredita-se que o use de outra técnica como o Modelo de Markowitz, possa melhorar os resultados uma vez que RS conseguiu identificar ações em tendência de alta. O uso dos RS trouxe resultados positivos, podendo ser usado como apoio à tomada de decisão de investidores no momento de escolher ações para compor sua carteira, tornando assim a continuidade das pesquisas interessante. Como continuidade deste trabalho pode se analisar os resultados utilizando diferentes períodos e também uma análise de risco das ações selecionadas com o uso do Modelo de Markowitz. Referências ALMEIDA, F.C. L Evaluation des risques de défaillance des entreprises à partir des réseaux de neurones insérés dans les systémes d aide à la décision Grenoble: Universidade de Grenoble, Ecole Supérieure des Affaires, (Tese de doutorado em Ciências de Administração). ALMEIDA, F. C. & DUMONTIER, P. O uso de Redes Neurais em Avaliação de Riscos de Inadimplência. Revista de Administração da USP, volume 31, nº 1, Jan./Mar ALMEIDA, F. C.; ZANETI, L. A. Exploração do Uso de Redes Neurais na Previsão do Comportamento de Ativos Financeiros. III SEMEAD. Faculdade de Economia Administração e Contabilidade. USP , Out ARRAES, D. Arquiteturas de Redes Neurais Aplicadas a Data Mining no Mercado Financeiro. Uma aplicação para a geração de Credit Ratings. V Congresso Brasileiro de Redes Neurais. Rio de Janeiro: páginas: , Abril 2-5, AZCARRAGA, A. P.; HSIEH, M.; SETIONO R. Market research applications of artificial neuralnetworks Evolutionary Computation, CEC (IEEE World Congress on Computational Intelligence). IEEE Congress on Digital Object Identifier: /CEC Page(s): , BACEN - Site Banco Central do Brasil, disponível em acessado em dezembro, BM&FBOVESPA - Site da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo, disponível em - Acesso a partir de janeiro de

12 BM&FBOVESPA Site da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo, disponivel em - Acesso em 19 de maio de BODIE, Z.; KANE, A.; MARCUS, A., J. Investments, 8th Edition The MacGraw-Hill Companies Inc., New York, EUA, CABRAL, J. E.; GONTIJO, E. M. Fraud detection in electrical energy consumers using Rough Sets. Systems, Man and Cybernetics, 2004 IEEE International Conference on volume 4, Oct. 2004, pages: CHANG, T., C.; JANE, C.,J.; LEE, Y., P.A Forecasting Model ofdynamic Grey Rough Set and its Application on Stock Selection. Cybernetics and Intelligent Systems, 2006 IEEE Conference on, Conference Publications, Pages 1-6, CHENG-YUAN, L.; YEN-TING, K. Economic states on neuronic maps. Neural Information Processing, ICONIP 02. Proceedings of the 9th International Conference on, volume: 2, Nov. 2002, pages: CHUNNIAN, L.; CHUANGXIN, O.; YAO, Y. Y.; ZHONG, N. Attribute reduction of Rough Sets in Mining Market value functions. WI Proceedings. IEEE/WIC International Conference on Web Intelligence, Oct. 2003, pages: COUTO, A. B. G.; GOMES, L. F. A. M. A tomada de decisão em recursos humanos com dados replicados e inconsistentes: uma aplicação da teoria dos conjuntos aproximativos. Pesquisa Operacional, 30, n.3, , ELDER, A. To Trade or Not to Trade: A Beginner's Guide 2nd Expanded Edition, FERNÁNDEZ, A.; GÓMEZ, S.Portfolio selection using neural networks Volume 34, Issue 4, ELSEVIER-Computers & Operations Research, Pages , April FOX, E.; SUDDERTH, E.B.; JORDAN, M.I.; WILLSKY, A.S. Bayesian Nonparametric Inference of Switching Dynamic Linear Models. Signal Processing, IEEE Transactions, FREITAS, A. A.; SILVA, I. N. Análise Técnica de Títulos Financeiros através de Redes Neurais Artificiais. Proceedings of the IV Brazilian Conference on Neural Networks IV Congresso Brasileiro de Redes Neurais, pages: 67-71, july 20-22, 1999 ITA, São José dos Campos, SP, Brasil. GOLAN, R., H. A methodology for Stock Market Analysis utilizing Rough Set Theory IEEE Explorer, HANIF, T.; TAHERSIMA, M.; MORTEZA, F.; NAVID, H. Forecasting Stock Exchange Movements Using Neural Networks: A Case Study. International Conference on Future Computer Sciences and Application IEEE HUANG, K., Y.; JANE, C., J.; CHANG T., C.A RS Model for Stock Market Forecasting and Portfolio Selection Allied with Weight Clustering and Grey System Theories. Evolutionary Computation, CEC (IEEE WorldCongress on Computational Intelligence). IEEE, pages , June INDIRA, S. U. & RAMESH, A. C. (2011). Image segmentation using artificial neural network and genetic algorithm: a comparative analysis. International Conference on Process Automation, Control and Computing (PACC), 1-6. JINCHUAN, K.; XINZHE, L. Empirical Analysis of Optimal Hidde Neurons in Neural Network Modeling for Stock Prediction. Beijing Jiaotong University, Beijing , China, Riches Investment Management Co., Ltd., NJ07960, USA. Published in IEEE Pacific-Asia Workshop on Computational Intelligence and Industrial Application,

13 KAUPA, P. H.; RAMALHO, E., B.; SASSI, R. J. Application of Artificial Neural Networks in Select Portfolio Shares. 6th - International Conference on Information Systems and Technology Management. CONTECSI, KHAN, A. U., BANDOPADHYAYA, T. K.; SHARMA, S.Classification andidentification of Stocks using SOM and Genetic Algorithm based Backpropagation Neural Network. IEEE, KUANG-YOW, L.; CHIEN-CHI, L. A Fuzzy Decision Maker for Portfolio Problems IEEE, LI, Z.; NI W. Research on Optimizing Security Investment Combination Based On PSO Published in Second International Workshop on Knowledge Discovery and Data Mining IEEE DOI /WKDD, MARKOWITZ, H, M. Portfolio Selection. Journal of Finance, 7, pg. 77. (USA), March MARTINEZ, L. C., HORA, D. N., PALOTTI, J. R. DE M., MEIRA, W. J. AND PAPPA G. L. From an Artificial Neural Network to a Stock Market Day-Trading System: A Case Study on the BM&F BOVESPA. Proceedings of International Joint Conference on Neural Networks, Atlanta, Georgia, USA, IEEE, 2009 OLIVEIRA, E.M.J.; LUDERMIR, T.B. Forecasting the IBOVESPA using NARX networks and random walk mode. SBRN IEEE, PAWLAK, Z. In: Rough Sets, International Jornal of Computer and information Sciences, REVISTABOVESPA - Revista Eletronica da Bolsa de Valores e Mercadorias de São Paulo, disponível em Acessada em 12/12/2012. SANDRONI, P. Novíssimo Dicionário de Econômia. São Paulo: Editorara Best Seller, SANT ANNA, A. P. Rough sets analysis with antisymmetric and intransitive attributes: classification of brazilian soccer clubs. PesquisaOperacional, 28, n.2, , SASSI, R. J. An hybrid architecture for clusters analysis: rough setstheory and selforganizing map artificial neural network. PesquisaOperacional, Apr 2012, v. 32, n.1, p , STEINER, M. T. A.; NIEVOLA, J. C.; SOMA, N. Y.; SHIMIZU, T.; NETO, P. J. S. Extração de regras de classificação a partir de redes neurais para auxílio à tomada de decisão na concessão de crédito bancário. Pesquisa Operacional, 27, n.3, , 2007 UCHÔA, J. Q. Representação e Indução de Conhecimento usando Teoria de Conjuntos Aproximados. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, YONGQIN, L.; TAO, L. (2011). Enterprise financial prediction analysis based on rough set and neural network. International Conference on E-Business and E- Government (ICEE), 1-3. YU, L; SHOUYANG, W.; LAI, K. K. A Rough-Set-Refined Text Mining Approach for Crude Oil Market Tendency Forecasting. International Journal of Knowledge and Systems Sciences, volume 2, nº 1, March

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NA SELEÇÃO DE AÇÕES PARA INVESTIMENTO NA BOLSA DE VALORES DE SÃO

Leia mais

Fasci-Tech ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CARTEIRA DE INVESTIMENTO FORMADA PELA TEORIA DOS ROUGH SETS E O ÍNDICE IBOVESPA

Fasci-Tech ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CARTEIRA DE INVESTIMENTO FORMADA PELA TEORIA DOS ROUGH SETS E O ÍNDICE IBOVESPA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CARTEIRA DE INVESTIMENTO FORMADA PELA TEORIA DOS ROUGH SETS E O ÍNDICE IBOVESPA Paulo Henrique Kaupa 1 Renato José Sassi 2 Resumo: O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS CNPJ: 03.919.927/0001-18 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA II AÇÕES - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DA PETROBRAS Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Carlos Alberto Alves Quintino Economista e mestre em Administração de Empresas. Professor de Sistema

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADUAL IGB-30 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: Nº 18.048.590/0001-98 Informações referentes a setembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

APRENDA A INVESTIR NA BOLSA DE VALORES

APRENDA A INVESTIR NA BOLSA DE VALORES APRENDA A INVESTIR NA BOLSA DE VALORES Programa 2013 OBJETIVOS: O mercado financeiro sofreu grandes modificações nos últimos anos e temos a necessidade de conhecer profundamente as operações financeiras

Leia mais

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1

Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 Fatores de Impacto para alguns Periódicos Base JCR-2003 /ISI 1 O Journal Citation Reports (JCR) publica anualmente o índice conhecido por fator de impacto de um periódico para medir a freqüência com que

Leia mais

Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani

Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani Carteira de dividendos: retorno pode superar a poupança. 27/06/2012 08:14 Arena do Pavani Por Eduardo Tavares, em Arena do Pavani. Montar uma carteira de ações de empresas que são boas pagadoras de dividendos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ

MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ MODELOS DE PREVISÃO DE PREÇOS APLICADOS AOS CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ BRESSAN, A.A. 1 E LIMA, J.E. 2 - Tais informações podem ser obtidas junto ao endereço eletrônico da BM&F: - 1 Professor

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações CLUBE DE INVESTIMENTO Mais uma maneira de investir no mercado de ações Clube de Investimento Clube de Investimento É uma associação de pessoas físicas, mínimo de 3 e máximo de 150, com objetivo em comum

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

O Jovem Administrador e o Mercado de Capitais. Palestrante: José Augusto R. Miranda

O Jovem Administrador e o Mercado de Capitais. Palestrante: José Augusto R. Miranda O Jovem Administrador e o Mercado de Capitais Palestrante: José Augusto R. Miranda O AÇÃO JOVEM Quem Somos: Fundado em 2003, o Ação Jovem é uma associação sem fins lucrativos formada por jovens do mercado

Leia mais

Item 3.6 Ações continuação 3.6.1 Características e Direitos 3.6.2 Companhias Abertas e Companhias Fechadas

Item 3.6 Ações continuação 3.6.1 Características e Direitos 3.6.2 Companhias Abertas e Companhias Fechadas Conhecimentos Bancários Item 3.6 Ações continuação 3.6.1 Características e Direitos 3.6.2 Companhias Abertas e Companhias Fechadas Conhecimentos Bancários Item 3.6.3 Funcionamento do Mercado à Vista de

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à MAIO de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. As informações

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 04.787. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ZENITH FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Informações referentes à Julho de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.937/0001-91 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Autoridades S.F.N. Autoridades Monetárias. Autoridades Monetárias. Conselho Monetário. Nacional. Banco Central do Brasil. Nacional

Autoridades S.F.N. Autoridades Monetárias. Autoridades Monetárias. Conselho Monetário. Nacional. Banco Central do Brasil. Nacional Administração i Prof.: Flávio Crepardi Brustelo Instituições Financeiras e Mercado de Capitais I Fases bancárias Tradicional Fase intermedi ária Atual Sistema Financeiro Nacional Até 1964 o SFN carecia

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O K1 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS MULTIMERCADO Informações referentes a Outubro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. Dispõe sobre operações sujeitas a procedimentos especiais nas Bolsas de Valores.

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS

MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS MERCADOS INTERNACIONAIS DE CAPITAIS Fontes de recursos financeiros para o financiamento empresarial Fontes INTERNAS EXTERNAS Lucros retidos Ativos maior que passivos Proteção Fiscal Outros Recursos de

Leia mais

Iniciantes Home Broker

Iniciantes Home Broker Iniciantes Home Broker Para permitir que cada vez mais pessoas possam participar do mercado acionário e, ao mesmo tempo, tornar ainda mais ágil e simples a atividade de compra e venda de ações, foi criado

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS PROPOSTA DE TRABALHO DE

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CTM Estratégia FIA. As informações completas sobre esse

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LTN Letra do Tesouro Nacional A LTN é um título prefixado, o que significa que sua rentabilidade é definida no momento da compra.

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

FolhaInvest Manual Carteira

FolhaInvest Manual Carteira FolhaInvest Manual Carteira Carteira é onde estão consolidadas as informações sobre suas ações e seu capital. A partir de atalhos, você poderá comprar, clicando na letra C, ou vender, clicando na letra

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais