UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina as normas para os estágios do Curso de Graduação em Medicina da UNISC, em conformidade com a Lei nº , de 25 de setembro de 2008 e as Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Medicina aprovadas pela Resolução CNE/CES nº 4, de 7 de dezembro de 2001, e tem como o objetivo desenvolver e aperfeiçoar as competências e habilidades profissionais desejáveis ao perfil do médico a ser formado previsto no projeto pedagógico do Curso de Medicina. Art. 2º O estágio realiza-se através dos seguintes atos: I - assinatura de convênios com organizações públicas e/ou privadas, se necessário; II - formalização de termo de compromisso entre o estudante, a Universidade e o campo de estágio, através do Núcleo de Integração e Fomento às Atividades de Estágio - NIFAE/UNISC; III - uso de outros dispositivos formais que garantam a capacidade de realização do Estágio Supervisionado. Art. 3º O estágio, desenvolvido sob forma de internato do curso de Medicina, é parte integrante e obrigatório do Projeto Pedagógico do Curso/PPC, devendo ser desenvolvido nos últimos dois anos e constituído por atividades eletivas e de urgência, em serviço, que exigem acompanhamento presencial contínuo. Art. 4º O internato é o ápice da experiência prática em nível de graduação, onde ocorre a prática efetiva dos conhecimentos construídos pelo estudante, por meio do atendimento no Sistema de Saúde, sob supervisão de um profissional médico, denominado preceptor. Art. 5º O estagiário do curso de Medicina, doravante denominado interno, tem as mesmas obrigações de um médico perante o paciente, embora legalmente não responda por seus atos, nem possa atuar como profissional formado e, portanto, tem a obrigação, dentre outras tarefas: I- fazer a anamnese e as evoluções completas; II- realizar, sob supervisão, ou acompanhar a realização de todos os procedimentos nos pacientes sob seus cuidados; III- visitar os doentes internados, pelo menos, duas vezes por dia; IV- organizar os prontuários e exames complementares; V realizar atividades da área de Saúde Coletiva. Art. 6º O internato do curso de Medicina é constituído de áreas, distribuídas em dois anos (quatro semestres), com conteúdos determinados nos Programas de Ensino. 1º As áreas do primeiro e segundo anos do internato são: Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Urgência/Emergência, Ginecologia/Obstetrícia, Intensivismo e Saúde Coletiva. 2º Durante o período de internato, os acadêmicos dispõem de uma área optativa para a realização do estágio de sua preferência. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. 7º É objetivo geral do Internato oportunizar situações de atendimento médico que permitam ao futuro profissional resolver ou encaminhar adequadamente os problemas de saúde da população. Art. 8º São objetivos específicos do Internato em relação ao interno: I- habilitar a comprometer-se com o ser humano, inserido em seu contexto biopsicossocial, em todas as fases do ciclo biológico, realizando ações de promoção da saúde e tratamento da doença;

2 II- possibilitar o reconhecimento de suas limitações, capacitando-o a encaminhar, adequadamente, pacientes portadores de problemas que fujam ao alcance da sua formação geral; III- capacitar para a otimização do uso dos recursos propedêuticos, valorizando o método clínico em todos seus aspectos; IV- habilitar a exercer a Medicina, utilizando procedimentos diagnósticos e terapêuticos com base em evidências científicas; V- preparar para reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência, entendida em conjunto articulado e contínuo de ações e serviços individuais e coletivos, exigidos para cada caso, em qualquer nível de complexidade; VI- habilitar a realizar procedimentos clínicos e cirúrgicos indispensáveis para o atendimento ambulatorial e para o atendimento inicial das urgências e emergências em todas as fases do ciclo biológico; VII- capacitar para atuar, de forma interdisciplinar e multiprofissional, integrando equipes de saúde; VIII- oportunizar formas de ampliar, integrar e aplicar os conhecimentos teórico-práticos adquiridos ao longo do curso; IX- desenvolver o exercício do senso crítico em suas atitudes médicas, tendo como balizamento a ética profissional e o respeito à diversidade cultural; X- propiciar experiências de interação individual com a comunidade; XI- possibilitar, de maneira orientada e individual, a aquisição ou o refinamento de competências e habilidades relacionadas ao cuidado com os pacientes; XII- desenvolver a consciência de suas responsabilidades e formas de gerir eventuais frustrações de parte do paciente, seus familiares, a instituição e a comunidade; XIII- fortalecer a ideia da necessidade de aperfeiçoamento profissional contínuo e estimular a curiosidade científica. CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 9º A matrícula no estágio obrigatório em Medicina é permitida somente para aqueles estudantes que tiverem obtido aprovação em todos os módulos dos semestres anteriores, componentes do currículo do curso de Medicina da Universidade de Santa Cruz do Sul. Art. 10. Os estudantes matriculados do 9º ao 12º semestres do curso de Medicina da UNISC, têm como atividades curriculares obrigatórias, estágios hospitalares, ambulatoriais do próprio curso e outros, na rede básica de saúde do município sede, municípios conveniados e nas Unidades da Estratégia de Saúde da Família. Art. 11. O Internato do curso de Medicina é formado por conteúdos teóricos e, predominantemente, práticos de Clínica Médica, Clínica Cirúrgica /Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Intensivismo, Urgência/Emergência e Saúde Coletiva. 1º A organização do Internato deve proporcionar a aquisição de conhecimentos, habilidades e competências nos três níveis de assistência à saúde (primário, secundário e terciário). 2º Aos internos é oportunizado treinamento intensivo e contínuo, supervisionado por docentes nas atividades de formação geral em Medicina nas áreas de Clínica Médica, Clínica Cirúrgica/Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Intensivismo, Urgência/Emergência e Saúde Coletiva, visando um egresso com formação geral na área e alta capacidade resolutiva. Art. 12. A distribuição dos internos nas respectivas áreas é atribuição da Coordenação do Internato. Art. 13. O primeiro ano do Internato, correspondente ao 9 e ao 10º semestres do curso, tem início na 1ª semana de janeiro e término ao final de 44 semanas ininterruptas e carga horária de 1584 horas. Art. 14. O segundo ano do Internato, correspondente ao 11º e ao 12º semestres do curso, tem início na 1ª semana de janeiro e término ao final de 42 semanas, com carga horária de 1416 horas. Art. 15. A área de estágio optativo integra um dos rodízios do Internato. 1º No estágio, o interno escolhe uma área dentre as oferecidas regularmente ou em Instituição de Saúde conveniada, no Estado do Rio Grande do Sul.

3 2º Durante o período de estágio optativo, sob regime de Internato, em instituição de saúde conveniada, o interno deve submeter-se às normas e regulamentos da instituição concedente, comprometendo-se a atender às exigências que lhe forem feitas. Art. 16. As atividades exercidas pelos internos, sob supervisão docente ou por médico legalmente habilitado e contratado pelo curso de Medicina da UNISC, subordinam-se aos preceitos do Código de Ética Médica, do Código de Ética do Estudante de Medicina e aos dispositivos legais que regem o exercício da medicina. Parágrafo único. Entenda-se como médico legalmente habilitado e contratado pelo curso de Medicina da UNISC, aquele que exerça por força de seu cargo, atividades de orientação e preceptoria aos internos. CAPÍTULO IV DO INTERNO Art. 17. A jornada de atividade em estágio é definida de comum acordo entre a UNISC, a parte concedente e o estagiário ou seu representante legal, devendo constar do termo de compromisso e ser compatível com as atividades escolares. Parágrafo único. Como o estágio do Curso de Medicina alterna teoria e prática, nos períodos em que não estão programadas aulas presenciais o interno pode ter jornada de até 40 (quarenta) horas semanais, de acordo com o previsto no projeto pedagógico do curso. Art. 18. A duração do estágio, na mesma parte concedente, não poderá exceder 2(dois) anos, exceto quando se tratar de estagiário portador de deficiência. Art. 19. É assegurado ao estagiário, sempre que o estágio tenha duração igual ou superior a 1(um) ano, período de recesso de 30(trinta) dias, a ser gozado preferencialmente durante suas férias escolares. Parágrafo único. Os dias de recesso previstos neste artigo são concedidos de maneira proporcional, nos casos de o estágio ter duração inferior a 1(um) ano. Art. 20. Aplica-se ao estagiário a legislação relacionada à saúde e segurança no trabalho, sendo sua implementação de responsabilidade da parte concedente do estágio. Art. 21. O relatório ou instrumento de avaliação específico do estágio curricular obrigatório, a ser entregue pelo estudante ao professor orientador, deve estar acompanhado da avaliação do responsável no campo de estágio e comprovante da carga horária efetivamente cumprida. Parágrafo único. O relatório de atividades do estágio obrigatório segue as orientações do Curso, de acordo com o Plano de Ensino, entregue pelo Coordenador do Internato, no início do semestre letivo. Art. 22. São atribuições dos estagiários internos: I- assiduidade: o interno, obrigatoriamente, deve cumprir 100% da carga horária de cada área, devendo obedecer, rigorosamente, os horários estabelecidos para as atividades acadêmicas; II- vestuários: o interno deve se apresentar sempre em condições de higiene e estar adequadamente trajado, com o devido decoro, usando avental branco ¾ ou roupa branca completa e avental branco ¾, em todas as atividades assistenciais do Internato. III- postura adequada ao respeito humano: cabe aos internos, nas práticas diárias, manifestarem responsabilidades éticas com os pacientes e com os profissionais de saúde envolvidos no atendimento destes; IV- conhecimento da evolução clínica: no transcurso das atividades, o interno deve demonstrar ser conhecedor da evolução clínica dos pacientes sob a sua responsabilidade e deve acompanhar as equipes constituídas, em todas as suas ações, envolvendo-se com as mesmas de maneira propositiva e com competência profissional; V- atuação efetiva e consciente: a realização de procedimentos técnicos como a coleta de materiais para exames laboratoriais, punções, drenagens, o acompanhamento do paciente em exames subsidiários laboratoriais e imagenológicos, o seguimento da realização dos exames e a coleta dos resultados destes, é da inteira responsabilidade do interno, pois isto implica na atenção à evolução clínica dos pacientes sob seus cuidados; VI- aprimoramento da competência abrangente: as atividades de tutoria ocorrem nos diferentes momentos de Internato, objetivando a discussão científica de casos clínicos de interesse didático, que devem ser preparados pelos internos, com o auxílio de seus tutores, considerando a presença e a participação destes,

4 não só são obrigatórias, como também demonstrativas de seu interesse e envolvimento na efetiva realização das mesmas; VII- presença comprometida e responsável: o não-comparecimento ou o abandono de atividades práticas, desde que não justificada adequada e consistentemente, são considerados faltas gravíssimas e pesam como desabono à aprovação do interno. VIII- aceitação da preceptoria e dela utilizar-se; IX- manutenção atualizada da documentação exigida; X- execução das tarefas recebidas no estágio considerando não somente os interesses do aprendizado, mas, também, os da Instituição e do curso; XI- apresentação de relatórios de atividades dos estágios nos prazos fixados; XII- respeito aos estatutos, regimentos e normas que regem a instituição onde estagiar; Parágrafo único. Os plantões constantes da programação do internato são obrigatórios e o não comparecimento do interno ao plantão ou o abandono do mesmo é considerado falta gravíssima e vale como desabono à aprovação e graduação do futuro médico. Art. 23. Os internos, que formam os grupos de cada área, são destinados pelo Coordenador do Internato, sendo divididos em grupos (áreas) que devem obedecer aos rodízios pré-estabelecidos e a sua constituição deve permanecer inalterada até o final de cada etapa do Internato. 1º O interno não pode trocar de grupo/área após ter iniciado o estágio. 2º Os grupos/áreas formados devem obedecer aos rodízios, durante o semestre, conforme estabelecido pela Coordenação do Internato. Art. 24. Os internos têm supervisão do professor/preceptor em todas as atividades que desempenharem. Art. 25. Os internos podem elaborar as prescrições médicas, sob supervisão direta dos professores/ preceptores, sendo obrigatória a coassinatura do docente ou do médico que efetua a supervisão para que prescrição seja validada. Art. 26. O horário regular para o cumprimento das atividades previstas para o Internato, nos dias úteis, é das 8 horas às 11h30min, e das 14horas às 17h30min, a menos que estejam exercendo uma atividade excepcional, que impossibilite a interrupção e, nos feriados e finais de semana, obedece-se à escala de plantões. 1º O plantão no hospital ou unidade de urgência tem o objetivo de atender intercorrências clínicas, cirúrgicas, obstétricas, e de pediatria, neonatologia e trauma. 2º O plantão corresponde ao da área de estágio em que estiver sendo realizado. 3º Como essa forma de estágio é constituída de atividades predominantemente práticas, envolvendo assistência e cuidados médicos, os quais em muitas situações não podem ser descontinuados, podem ocorrer adaptações no horário pré-fixado pelos serviços, naqueles estados clínicos em que a gravidade do caso exigir a permanência do interno junto ao paciente assistido. Art. 27. Não é permitido o acúmulo de outras atividades, no horário compromissado com o Internato, ainda que acadêmicas, entendendo-se como cumulativas todas as atividades não contempladas no programa e que se sobreponham àquelas pré-definidas no Internato. Art. 28. O Internato, realizado no hospital próprio da instituição e unidades de saúde do município sede do curso, possibilita ao interno uma folga semanal de um turno, em escala estruturada pela Coordenação do Internato, correspondendo a uma área verde da matriz curricular. Art. 29. A concessão de folga, quando o Internato for realizado em unidade hospitalar conveniada, é atribuição da unidade concedente do Internato. Art. 30. Não é permitida a realização de plantões com carga horária superior a 12 horas ou de forma sequencial. Art. 31. As eventuais solicitações de trocas de plantões, somente podem ocorrer se feitas três dias antes do dia do plantão, dentro de uma mesma área, e houver a concordância do Coordenador do Internato. 1º As trocas devem ser solicitadas, por escrito, ao coordenador Internato assinadas pelos dois

5 internos interessados, da mesma área do internato em curso. 2º caso não seja atendido o parágrafo anterior, a responsabilidade de falta é atribuída ao interno escalado. Art. 32. O Internato, em parte, pode ser realizado fora da instituição, desde que seja autorizado pelo colegiado do curso. Parágrafo único. O treinamento deve ser supervisionado por preceptores da Instituição conveniada que mantenha programas de Residência Médica e/ou outros programas de qualidade equivalente, e orientado por um docente da UNISC. CAPÍTULO V ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR/PRECEPTOR DO INTERNATO Art. 33. As atribuições do Professor/Preceptor do Internato são: I- estar presente no local do estágio durante a permanência do interno em atuação; II- verificar a frequência e analisar a conduta ética e profissional do interno nas áreas de atuação; III- orientar o interno, quer em grupo ou individualmente; IV- acompanhar o desempenho do interno em todo o campo de estágio; V- proceder às avaliações; VI- informar ao coordenador sobre o andamento do Internato em relação ao seu programa e carga horária; VII- manter atualizados os documentos referentes ao estágio que lhe diz respeito; VIII- entregar, ao final de cada etapa do Internato, as frequências e notas dos internos; IX- participar das reuniões programadas pela coordenação de Internato e/ou curso, a fim de discutir o desempenho dos estudantes; X- participar das reuniões acadêmico-pedagógicas realizadas, periodicamente, pela UNISC; XI- participar das reuniões clínicas e sessões de estudo; XII- respeitar o regimento, estatuto e as resoluções da UNISC e dos locais de estágio. CAPÍTULO VI DA AVALIAÇÃO Art. 34. A avaliação do Internato é contínua e abrange diferentes aspectos que compõem a média final. Art. 35. Para julgar globalmente o resultado de um processo didático e de aquisição de habilidades e competências, é aplicada escala de pontuação contínua (avaliação contínua), com peso de 50%. Art. 36. Ao final de cada área, o interno deve realizar a auto-avaliação, uma avaliação do desempenho docente, das atividades desenvolvidas e da estrutura dos campos de estágio. Art. 37. Ao final de cada semestre do Internato é realizada uma avaliação escrita, com 50 questões, incluindo-se todo o conteúdo teórico ministrado no curso médico e as que os docentes de cada área, junto com o Coordenador do Internato, considerarem pertinentes, e tem um peso de 50% sobre a nota final do módulo correspondente ao estágio. 1º As questões devem ser elaboradas com rigor e coerência com as habilidades desenvolvidas no período do Internato e devem versar sobre síndromes de maior prevalência em nosso meio, dados sobre morbi-mortalidade, prevenção e medidas de controle, e devem ainda incluir questões sobre urgências e emergências nas áreas básicas de formação médica. 2º A prova escrita visa avaliar se os objetivos de cada semestre do Internato foram atingidos, e se os alunos manifestam um embasamento teórico adequado para a prática médica. 3º O retorno da pontuação ao interno é semanal, a fim de que ele possa melhorar os aspectos com desempenho insuficiente. Art. 38. O interno é avaliado continuamente por seus preceptores e professores em cada etapa do Internato, além de avaliações específicas ao término do semestre. 1º O interno é aprovado com média igual ou maior a 7 (sete) e frequência exigida, em cada um dos estágios do semestre correspondente.

6 2º O interno que obtiver média insuficiente (menor que 7) ou frequência menor que 100% é considerado reprovado no estágio. 3º Ao estudante que obtiver média insuficiente (menor que 7) e frequência exigida, é concedido prazo de trinta dias para sanar suas dificuldades, em atividades desenvolvidas no Hospital Santa Cruz, ou na Instituição em que estiver atuando, em período que não comprometa o rodízio nos demais estágios, submetendo-se a nova avaliação, no final desse período (Res. Nº. 101, de 13 de novembro de 2007). 4º A reprovação em qualquer uma das áreas do Internato Médico implica em cursar integralmente a área reprovada após o término do rodízio do seu grupo inicial do Internato Médico. 5º O discente deve efetuar a matrícula, nos períodos pré-estabelecidos, em cada área de Internato em que for reprovado. 6º O discente ingressa no período habitual da área de Internato reprovado. CAPÍTULO VII DA FREQUÊNCIA Art. 39. Do ponto de vista ético e moral, as faltas são inaceitáveis no Internato, de parte de alguém que o necessita para praticar no dia-a-dia, em curto espaço de tempo, um ofício que irá torná-lo responsável pela vida de pessoas. Art. 40. É obrigatória à frequência ao estágio assim como a reuniões e seminários decorrentes nos horários programados. Art. 41. No Internato Médico a frequência exigida corresponde a cem por cento (100%) de cada uma das áreas integrantes do semestre. 1º Todas as faltas devem ser justificadas e, independentemente do motivo, devem que ser repostas. 2º A compensação das ausências das atividades perdidas é realizada de acordo com critérios estabelecidos pelo docente responsável da área que o interno está cursando, com a anuência do Coordenador do Internato. 3º A não compensação das atividades perdidas, com comprometimento do estágio, resulta na reprovação do discente. 4º Podem ser justificadas, desde que comunicadas em tempo hábil e documentalmente comprovadas, a critério da Comissão de Internato as ausências nos seguintes casos: I - exercício de representação estudantil nos órgãos colegiados da instituição; II - convocação para cumprimento de serviços ou convocações obrigatórias por lei; III - doenças infecto-contagiosas, traumas ou gestação, conforme legislação federal; IV - dispensa para participação em eventos acadêmicos e científicos, desde que: a) haja autorização do docente responsável da área de internato médico envolvida no período do evento, com aprovação do Coordenador do Internato; b) a ausência seja de, no máximo, três dias, devidamente comprovada por certificado do evento; c) o número de discentes a serem liberados para o mesmo evento seja de um discente por área do internato; 5º As solicitações para as ausências do estágio devem ser encaminhadas, por escrito, pelo discente e protocoladas na Secretaria do Internato com, no mínimo, trinta dias de antecedência do evento. 6º Havendo faltas não justificadas nas atividades diurnas e plantões, ocorre a reprovação automática e o interno fica obrigado a repetir o Internato naquela área, sem o que não poderá colar grau. Art. 42. No período de avaliação não haverá qualquer forma de dispensa, excetuando-se os casos previstos da legislação vigente. Art. 43. Em se tratando de ausência, motivada por doença, o interno deve apresentar, obrigatoriamente, atestado médico para a justificação de sua ausência, porém não o seu abono, devendo repor sua carga horária na forma a ser definida pelo coordenador do internato. 1º As faltas não justificadas, ou com justificativas não contempladas em legislação específica da UNISC, devem ser contadas em dobro para efeito de reposição de carga horária. 2º A reposição de um número de faltas superior a quinze dias deve ocorrer no mês de repouso anual (férias) do interno, desde que esse número não ultrapasse o total do período de repouso.

7 3º A impossibilidade da recuperação de faltas superior a 30 dias, reprova automaticamente, não podendo tal quantitativo ser reposto em outro momento, ficando o interno obrigado a repetir o internato naquele semestre, sem o que não poderá colar grau. Art. 44. A listagem com a frequência de todos os plantões deve ser assinada pelos plantonistas e pelo coordenador da área e encaminhada no primeiro dia útil, após a realização do plantão, à Secretaria do Internato. CAPÍTULO VIII DAS NORMAS DISCIPLINARES Art. 45. As normas disciplinares visam garantir a convivência harmônica entre o corpo docente, discente e técnico-administrativo, preservando a ordem nos ambientes de trabalho, o respeito e o bom andamento dos cuidados que devem ser prestados aos pacientes. Art. 46. Os internos do Curso de Medicina da UNISC estão sujeitos às determinações da Resolução nº 79, de 14 de dezembro de 2002, que institui os procedimentos para apuração e responsabilização de infrações pedagógicas do corpo discente de cursos de graduação da UNISC, bem como da Resolução nº 31, de 03 de setembro de 1998, que institui procedimentos administrativos para apuração e responsabilização de infrações disciplinares do corpo docente, discente e técnico administrativo da UNISC. Parágrafo único. O Coordenador do Curso de Medicina e a Coordenação do Internato são os responsáveis pela ampla divulgação das resoluções citadas no caput deste artigo e do seu efetivo acompanhamento. CAPÍTULO XI DA COORDENAÇÃO DE INTERNATO Art. 47. A coordenação do internato está subordinada a Coordenação do Curso de Medicina. Art. 48. O coordenador do Internato é indicado pela Coordenação do Curso de Medicina, dentre o corpo docente do curso, que submete este nome à aprovação do Colegiado do Curso de Medicina. Art. 49. São atribuições do Coordenador do Internato: I- elaborar o calendário de atividades do internato; II- supervisionar as atividades docentes e discentes; III- promover a comunicação e o bom entendimento entre a administração dos serviços hospitalares e não hospitalares, diretores clínicos e demais instâncias com os corpos discente e docente do curso de Medicina; IV- auxiliar o Coordenador do curso de Medicina no atendimento e apoio pedagógico aos discentes; V- apoiar os docentes em suas atividades didático-pedagógicas; VI- propor alteração deste regulamento e das atividades de internato ao Coordenador do Curso, à comissão do internato e ao Colegiado do Curso; VII- auxiliar o Coordenador do Curso de Medicina nas reuniões de Colegiado de Curso; VIII- promover a eleição para os representantes discente e docente da comissão do internato; IX- organizar as reuniões administrativas do internato. CAPÍTULO XII DA COMISSÃO DE INTERNATO Art. 50. A comissão de internato é um órgão assessor do Coordenador do Internato, constituída com a finalidade de reger administrativamente e pedagogicamente o internato. Art. 51. A Comissão de Internato é composta por: I- coordenador do Curso de Medicina, seu presidente nato; II- coordenador de Internato; III- um supervisor de cada grande área como definido no Art. 6º; IV- dois representantes dos preceptores, eleitos por um mandato de dois anos, pelos seus pares;

8 V- dois representantes dos internos, que estão cursando o internato, eleitos por um mandato de um ano, pelos seus pares; VI- o(s) Diretor(es) Clínico(s) do(s) Hospital (is) onde ocorre o internato; VII- um representante das Unidades Básicas de Saúde e do Ambulatório de Consultas Médicas, onde ocorre o internato, indicado pelos seus pares, por um mandato de dois anos. Art. 52. São competências da Comissão de Internato: I- supervisionar as atividades acadêmicas; II- cumprir e fazer cumprir este regulamento; III- discutir e encaminhar as instâncias superiores as alterações no regulamento do internato; IV- promover as atividades científico-culturais que corroborem para o incremento na qualidade do internato e do curso. V- analisar os encaminhamentos para desligamento de acadêmicos, conforme normas disciplinares. CAPÍTULO XIII DA ORGANIZAÇÃO CONCEDENTE Art. 53. São organizações concedentes de estágio instituições públicas, privadas e não governamentais, bem como profissionais liberais de nível superior, devidamente registrados em seus respectivos conselhos de fiscalização profissional, e que devem: I apresentar condições necessárias para o desenvolvimento das atividades de estágio e proporcionar experiências práticas para que o estagiário possa vivenciar o processo de intervenção interdisciplinar e as experiências político-pedagógicas e tecnológicas na área de sua formação II reconhecer o estagiário como educando, considerando-o sujeito em processo de formação e qualificação; III - atentar para que se obedeça às normas prescritas na legislação geral e específica de cada curso. Parágrafo único. Deve ser dada prioridade aos campos de estágio que, pela abrangência, qualidade, complexidade e pluralidade de ação, permitam a vivência da interdisciplinaridade e de atividades multiprofissionais, bem como a proposição e fortalecimento de políticas públicas e projetos de interesse social. Art. 54. Antes de iniciar o estágio, deve ser formalizado o Termo de Compromisso para cada estagiário, assinado por este e pelo representante da organização concedente de estágio, com anuência do NIFAE. Parágrafo único. Os documentos de estágio são fornecidos ao estagiário pelo NIFAE e/ou Coordenação do Curso, cabendo a este devolvê-los ao setor responsável no prazo estabelecido, e devidamente assinados. CAPÍTULO XIV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 55. Em nenhum momento o interno pode esquecer-se de que: I- o seu comportamento deve ser responsável e ético; II- como estudante da UNISC, o interno deve zelar pelo nome da Universidade e repercussão do mesmo; III- não há prorrogação, nem condensação dos estágios, devendo sua programação ser concluída no prazo estabelecido; IV- a não-realização de uma área de estágio não implica em paralisação de outras áreas; V- atender aos comunicados publicizados pelo Coordenador do Curso, pelo Coordenador de Internato, pelos Preceptores ou pelos Tutores. Art. 56. A UNISC deve contratar seguro contra acidentes pessoais em favor do estagiário, cuja apólice seja compatível com valores de mercado. Art. 57. Os casos omissos neste regulamento são resolvidos pelo Colegiado do Curso de Medicina. Art. 58. Este Regulamento entra em vigor na data da sua aprovação. Aprovado, pelo Conselho de Graduação/CONGRAD, em reunião do dia 8 de dezembro de 2009.

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR - UnP

UNIVERSIDADE POTIGUAR - UnP 1 2 UNIVERSIDADE POTIGUAR - UnP REGULAMENTO DO INTERNATO PARA O CURSO DE MEDICINA (Aprovado pela Resolução Nº 035/2013-ConEPE-UnP,de 10/09/2013) NATAL/RN 2013 3 Sumário CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O presente Regulamento estabelece as políticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO INTERNATO

REGIMENTO DO INTERNATO REGIMENTO DO INTERNATO Petrolina Março 2012 Universidade Federal do Vale do São Francisco REGIMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 O Internato O internato é o estágio obrigatório em serviços

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 05/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FARMÁCIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CSA 02/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 02/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº. 124, DE 27 DE ABRIL DE 2009 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 Institui regulamento referente ao Trabalho de Conclusão de Curso para o curso de Medicina do Instituto Metropolitano de Ensino Superior. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 44, DE 20 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE FACULDADE DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando a Resolução

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA ARAGUARI MG 2012 REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Este Regulamento se aplica ao curso de Direito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés TÍTULO I DOS

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento regulamenta as atividades do Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO

REGULAMENTO DO INTERNATO REGULAMENTO DO INTERNATO Aprovado em CEPE e CAS Processo 043/2013 Parecer 043/2013 de 21/11/2013 Capítulo I Caracterização do Internato Art. 1º - O Internato caracteriza-se por estágio curricular obrigatório

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Odontologia da Faculdade ASCES constitui um momento de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 202, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. O CONSELHO DE FACULDADE DA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando a

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO SÃO PAULO 2010 Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais