COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine Gonçalves PROFESSORA ADJUNTO

2 DIFERENÇAS

3 AS MULHERES AMADURECEM MAIS CEDO

4 Estudo em 306 adolescentes de ambos os sexos, evidenciou maior prevalência de gonorréia, clamídia, tricomoníase, sífilis e HIV no sexo feminino, apesar do sexo masculino ter apresentado comportamento sexual de maior risco. Fatores como a ociosidade, baixa educação formal, normas culturais e sexuais relacionadas ao gênero, violência sexual, sangramento pós-coito, processos infecciosos, e alteração da microflora vaginal foram fortemente associados ao maior risco de infecção por HIV. Rassjo et al. Vulnerability and risk factors for sexually transmitted infecctions and HIV among adolescents in Kampala, Uganda. AIDS Care (7):

5 FATORES DE RISCO FEMININOS ASSOCIADOS DST/HIV Ociosidade Baixa educação formal Baixo nível sócio-econômico Normas culturais e sexuais relacionadas ao gênero Violência sexual Sangramento pós-coito Processos infecciosos Alteração da microflora vaginal Rassjo et al. Vulnerability and risk factors for sexually transmitted infecctions and HIV among adolescents in Kampala, Uganda. AIDS Care (7):

6 CORRIMENTO GENITAL FEMININO CERVICITES C trachomatis N. gonorrhoea Micoplasma hominis VULVOVAGINITES Vaginose Bacteriana Candidíase vaginal Trichomoníase

7 CERVICITES DIAGNÓSTICO Clínico? Assintomática Laboratorial - Custos

8 ECTOPIA CERVICITES - PORTA DE ENTRADA CLAMIDIA GONOCOCO-AIDS HPV- CÂNCER

9 CLAMYDIA TRACHOMATIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS AUSENTES DIP SILENCIOSA QUADRO CLÍNICO AUSENTE DEMORA PARA DIAGNÓSTICO SEQUELAS DOR PÉLVICA CRÔNICA GRAVIDEZ ECTÓPICA ESTERELIDADE

10 CLAMYDIA TRACHOMATIS SÍNDROME DE FITZ- HUGH-CURTIS GESTANTES Prematuridade Baixo Peso RPM, Óbito fetal Endometrite Puerperal INFECÇÕES NEONATAIS Transmissão vertical 60-70% Conjuntivite de inclusão 20-50% Pneumonia %

11 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DIP severa: Abscessos tubo-ovarianos bilaterais (Mandell and Rein, Atlas of Inf. Diseases, vol 5 Sex Trans Dis)

12 GRAVIDEZ ECTÓPICA GRAVIDEZ ECTÓPICA: TROMPA EDEMACIADA (Mandell and Rein, Atlas of Inf. Diseases, vol 5 Sex Trans Dis)

13

14 Chlamydia trachomatis INFECÇÕES GENITAIS INFECÇÕES NEONATAIS COMPLICAÇÕES E SEQÜELAS TRANSMISSÃO DO HIV FACILITAÇÃO DA CARCINOGÊNESE CERVICAL

15 VULVOVAGINITES E ALT. DA FLORA

16

17 Centers for Disease Control and Prevention CDC US - (2002) A presença de Vaginose Bacteriana aumenta o risco para infecção pelo HIV Existe uma clara associação entre Vaginose Bacteriana e complicações infecciosas ginecológicas e obstétricas

18 SEQUELAS DA VAGINOSE BACTERIANA PREMATRURIDADE INFECÇÃO NO PÓS-OPERATÓRIO DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DÔR PÉLVICA ENDOMETRITE ABSCESSO DE PAREDE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

19 Novas propostas que visem à identificação de fatores sócio-comportamentais e de vulnerabilidade biológica podem corroborar para uma abordagem clínico-epidemiológica mais ampla e eficaz de prevenção não somente do HIV como também das outras DSTs. (BLocker ME, Cohen MS, Biological approaches to the prevention of sexual transmission of humn immunodeficiency virus. Infect Dis Clin North Am )

20 CORRIMENTO GENITAL FEMININO ABORDAGEM SÍNDRÔMICA ETIOLÓGICA

21 ABORDAGEM SÍNDRÔMICA SEM MICROSCOPIA PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL -Parceiro c/ sintomas -Pac. c/ múltip. parc. s/ proteção -Paciente pensa ter sido exposta a uma DST -Paciente proveniente de região de prev. de NG e CT ANAMNESE, AV. RISCO E EX. GINECOLÓGICO Risco positivo ou mucopus ou teste do cotonete ou colo friável/sangrante SIM Tratar Clamídia e Gonococo Luisa Menezes - PN-DST/Aids, 2006 NÃO ph vaginal + Teste das aminas

22 ph vaginal + Teste das aminas ph vaginal > 4,5 ou Teste das aminas positivo ph vaginal < 4,5 ou Teste das aminas negativo TRATAR TRICOMONÍASE E VAGINOSE BACTERIANA ASPECTO DO CORRIMENTO GRUMOSO OU ERITEMA VULVAR SIM NÃO TRATAR CANDIDÍASE FISIOLÓGICO ACONSELHAR, OFERECER VDRL, ANTI-HIV, HEP. B e C,VACINAR HEP. B, ENFATIZAR ADESÃO AO TRATAMENTO, NOTIFICAR, CONVOCAR E TRATAR PARCEIROS (TRICOMONÍASE E CERVICITE) E AGENDAR RETORNO

23 ABORDAGEM ETIOLÓGICA COM MICROSCOPIA PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL -Parceiro c/ sintomas -Pac. c/ múltip. parc. s/ proteção -Paciente pensa ter sido exposta a uma DST -Paciente proveniente de região de prev. de NG e CT NÃO ANAMNESE, AV. RISCO E EX. GINECOLÓGICO Risco positivo ou mucopus ou teste do cotonete ou colo friável/sangrante SIM Coleta de Material para Microscopia Tratar Gonorréia e Clamídia Luisa Menezes - PN-DST/Aids, 2006

24 ABORDAGEM ETIOLÓGICA COM MICROSCOPIA PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO VAGINAL COLETA DE MATERIAL PARA MICROSCOPIA "clue cells" Hifas ou esporos Trichomonas

25

26 VALOR DO EXAME CLÍNICO ESPECULAR E DA ANAMNESE NO DIAGNÓSTICO DO CORRIMENTO VAGINAL SENSIBILIDADE, ESPECIFICIDADE, VALOR PREDITIVO POSITIVO E VALOR PREDITIVO NEGATIVO DAS HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS CLÍNICAS ESPECULARES DO CORRIMENTO VAGINAL DE 124 MULHERES, TENDO COMO PADRÃO OURO O DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Diagnóstico laboratorial Sensibilidade Especificidade VPP VPN Inflamatório 11,1 89,3 18,2 82,4 Candidíase 30,8 79,8 18,2 88,8 Fisiológico 39,5 67,8 45,9 61,5 Vaginose bacteriana 44,0 76,6 37,9 80,8 VB + Candidíase 0,0 62,6 0,0 95, % sensibilidade especificidade VPP VPN 0 Inflamatório Candidíase Fisiológico Vaginose bacteriana VB + Candidíase Gomes, 2002

27 CASO CLÍNICO UFRN SBC, 21 anos, G4P2A2, Procurou o atendimento com história de trabalho de parto pré-termo, infecção puerperal e corrimento vaginal abundante e com odor fétido

28 Relacionou-se com 20 parceiros, sendo que o parceiro atual está sintomático, com queixa de corrimento uretral e disúria. ANTECEDENTES PESSOAIS

29 PARCEIRO ATUAL

30 SINTOMATOLOGIA DA PACIENTE Secreção vaginal abundante e de odor fétido Colo hiperemiado e sangrante Dispareunia acentuada, disúria e hematúria

31 DIANTE DA SITUAÇÃO O QUE FAZER?

32 AS POSSIBILIDADES SÃO MUITAS! 1- Tratar o aparceiro para Ng e Ct e a paciente Candidíase e VB 2- Solicitar CO para fazer o diagnóstico do corrimento e convocar o parceiro 3- Solicitar bacterioscopia e cultura do corrimento vaginal 4- Tratar casal para Ng e Ct 5- Tratar casal para Mh, Uu, Tv e Candidíase

33 EXAMES LABORATORIAIS COLETA DA SECREÇÃO VAGINAL E ENDOCERVICAL EXAME A FRESCO GRAM CITOLOGIA ONCOLÓGICA CULTURA EM MEIO DE THAIER MARTIN IMUNOFLUORESCÊNCIA DIRETA CAPTURA HÍBRIDA

34 COLETA DE MATERIAL PARA MICROSCOPIA Á FRESCO GRAM

35 CITOLOGIA ONCOLÓGICA CANNON BALL

36 E afinal qual é a HD? 1- Cervicite herpética 2- Ca de colo com infecção secundária 3- Endocervicite por Ct ou Ng 4- TB genital 5- Vaginose citolítica

37 TRATAMENTO E COMENTÁRIOS FINAIS 1 - DROGA DE ELEIÇÃO? 2 - DOSE ÚNICA X 7 DIAS? 3 - VIA ORAL X VAGINAL? 4 - TRATAMENTO DE GESTANTES 5 - TRATAMENTO DO PARCEIRO

38

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética

Tratamento do parceiro. Regulamentação Ética CERVICOLP 2010-XXI CURSO DE PTGI E COLPOSCOPIA ABG-CAPITULO DE SÃO PAULO Tratamento do parceiro Regulamentação Ética Paula Maldonado IG-UFRJ ABG Consulta ao CRM Se um ginecologista detectar uma doença

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS)

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) Faculdade de Medicina de Santo Amaro Liga de Saúde da Mulher LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) André Augusto S. Dos Santos Juliana da S. Milhomem Renato César Monteiro Maio/2011 LEUCORRÉIA A leucorréia

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST?

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Nilma Antas Neves PHD, MsC, MD Profa. Adjunta Ginecologia Universidade Federal Bahia Presidente Comissão Trato Genital Inferior FEBRASGO Razões

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR INFECÇÕES DO TRATO GENITAL OBSTETRÍCIA INFERIOR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro CONDILOMATOSE Manifestação clínica benigna associada principalmente

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Exame de Papanicolaou. para Diagnóstico da Flora. Vaginal

Exame de Papanicolaou. para Diagnóstico da Flora. Vaginal Exame de Papanicolaou para Diagnóstico da Flora Vaginal Meio Vaginal Sistema ecológico em equilíbrio ( @ 10 5-10 7 bact/g secreção) VAGINA Incubadora natural Condições de umidade, temperatura e nutrientes

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia.

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia. Pesquisa da Chlamydia Trachomatis através da reação em cadeia da polimerase após realização de sorologia (enzimaimunoensaio e imunofluorescência indireta) em pacientes inférteis Autores: Fabiana Carmo

Leia mais

Caso Real: Vaginose Bacteriana

Caso Real: Vaginose Bacteriana Caso Real: Vaginose Bacteriana Isabel do Val Profª Adjunta Ginecologia UFF Chefe Amb. Patologia TGI e Colposcopia-UFF Fellow ISSVD Board Member IFCPC Identificação: 35 anos, branca. QP: corrimento com

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DST definição. Segundo a OMS: Grupo de doenças endêmicas, de múltipla expressão, que incluem as doenças venéreas clássicas e um número crescente de síndromes e

Leia mais

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA VULVOVAGINITES Todas as manifestações inflamatórias e/ou infecciosas do trato genital feminino inferior Causas: Agentes infecciosos Agentes alérgicos

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis em imagens 1999 - Ministério da Saúde É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte e dados os créditos das imagens.

Leia mais

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes CASOS CLÍNICOS Caso clínico nº 1 M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes Trazida a consulta de Pediatria por - corrimento vaginal recorrente desde há 3 meses e prurido

Leia mais

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine Vulvovaginites Aline Estefanes Eras Yonamine Definição Manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital inferior (vulva, vagina ou ectocérvice) que se manifesta por meio de corrimento vaginal

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424

Leia mais

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE Filomena Aste Silveira Mestre ginecologia UFRJ Doutoranda UFRJ Medica do IG UFRJ Profª. Faculdade de Medicina de Valença Candidíase vulvo

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis em imagens 1999 - Ministério da Saúde É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte e dados os créditos das imagens.

Leia mais

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo SEXUALIDADE e DSTs Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 SEXUALIDADE Chama-se sexualidade a todas as formas, jeitos, maneiras como as pessoas expressam a busca do prazer. Quando se entende que a sexualidade está

Leia mais

vida das pessoas atuando na prevenção da transmissão das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), prevenção Texto:

vida das pessoas atuando na prevenção da transmissão das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), prevenção Texto: PRÁTICAS EDUCATIVAS NA ÁREA DA SAÚDE: REALIZAÇÃO DE EXAMES BACTERIOSCÓPICOS PARA O CONTROLE DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Área Temática: Saúde Rosmari Hörner 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 024/2014 CT PRCI n 100.079/2012 Ticket n 277.943, 279.989, 286.121, 286.311, 284.699, 285.175, 297.445, 334.931, 340.222, 346.883, 351.397, 355.971, 361.154 e 362.374. Ementa: Coleta de

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012 Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis 18 de junho de 2012 LINHA DE CUIDADO TV DO HIV Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Serviço de Atenção Especializada (Pré-natal,

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

PAPANICOLAOU COMO MÉTODO AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS VAGINITES

PAPANICOLAOU COMO MÉTODO AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS VAGINITES 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Chlamydiceae Introdução As Clamídias são patógenos intracelulares obrigatórios

Leia mais

Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência

Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência Papel do enfermeiro na promoção e prevenção do Papiloma Vírus Humano na adolescência Aline Cipriano Rocha Costa Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Irene Cortina Docente do Curso de Graduação em

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis,

Doenças Sexualmente Transmissíveis, CAPÍTULO 21 Doenças Sexualmente Transmissíveis, Pontos Básicos para Profissionais de Saúde e Clientes Pessoas portadoras de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), podem usar a maioria dos métodos de

Leia mais

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Interação HIV / DST Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424 7424 Interação

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida Observações Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida APRESENTAÇÃO O módulo de Assistência Médica por Ciclos de Vida aborda o trabalho específico do Médico de Família,

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

TRICOMONÍASE: Aspectos Clínicos, Diagnóstico e Tratamento

TRICOMONÍASE: Aspectos Clínicos, Diagnóstico e Tratamento UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA CURSOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM PSF FERNANDA DA SILVA RIOS DE ALMEIDA TRICOMONÍASE: Aspectos Clínicos, Diagnóstico e Tratamento

Leia mais