Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes"

Transcrição

1 Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: Jeffrey F. Peipert, M.D.,M.P.H. As DST podem levar a 4 apresentações clínicas distintas: 1-Corrimento Vaginal-Por Vulvovaginite Infecciosa (Candida, Tricomonas e Vaginose Bacteriana) e por Cervicite (Clamídia e Gonococos). 2-Corrimento Uretral-Gonococos, Clamídia-Tricomonas, Micoplasma e Ureaplasma. 3-Úlcera Genital-Sífilis, Cancro Mole, Herpes Genital e Donovanose. 4-Dor Pélvica na Mulher-Gonococos, Clamídia e Anaeróbios. Clamydia trachomatis é a bactéria mais comumente relacionada às infecções sexualmente transmissíveis nos Estados Unidos, sendo responsável por uma estimativa de cerca de três milhões de novas infecções todos os anos. O custo para infecções por Clamídia não tratadas e suas complicações está estimado em 2 bilhões de dólares anualmente. Apresentação Clínica Mais de 85 a 90% das infecções por Clamídias em homens ou mulheres são assintomáticas. A infecção assintomática pode persistir por muitos meses. Apesar da ausência dos sintomas ser freqüente, pelo menos um terço (1/3) das mulheres têm sinais locais de infecção no exame físico. Os dois sinais mais comumente encontrados são corrimento mucopurulento da cérvice e ectopia cervicalhipertrófica. Os sinais e sintomas em homens incluem secreção uretral mucopurulenta ou material purulento, disúria ou prurido uretral. As manifestações clínicas da infecção por Clamydia trachomatis nas mulheres incluem síndrome uretral aguda, uretrite, bartolinite, cervicite, infecção do trato genital superior (endometrite,salpingo-ooforite ou doença inflamatória pélvica), perihepatite (síndrome de Fitz- Hugh-Curtis) e artrite reativa. Os sintomas dependem do sítio de infecção. Infecção da uretra e do trato genital inferior podem causar disúria, secreção vaginal anormal ou sangramento pós-coito, enquanto infecção do trato genital superior (endometrite ou salpingite) pode ser manifestada como um sangramento uterino irregular ou desconforto abdominal ou pélvico. Nas mulheres infecção por Clamídia não tratada pode levar a severas complicações na reprodução. Clamydia trachomatis é um importante agente causal da doença inflamatória pélvica, com seqüelas incluindo infertilidade, gestação ectópica e dor pélvica crônica. Mais de dois terços (2/3) dos casos de infertilidade por fatores tubários e um terço (1/3) dos casos de gestação ectópica podem ser atribuídos à infecção por Clamídia. A infecção por Clamídia durante a gestação está associada a um grande número de acontecimentos adversos como nascimentos de pré-termos, ruptura prematura das membranas, baixo peso ao nascimento, morte neonatal e endometrite pós-parto. A infecção por Clamídia durante a gestação pode ser transmitida para o feto durante o parto. O recém nascido de uma mulher com infecção ativa, apresenta um risco de adquirir essa infecção em qualquer local anatômico de 50% a 75%. Aproximadamente 30% a 50% dos recém-nascidos de mães com infecção por Clamídia terão conjuntivite e pelo menos metade desses recém-nascidos que tiveram conjuntivite também terão infecção naso-faríngea. Pneumonia por Clamídia se desenvolve em cerca de 30% das crianças com infecção nasofaríngea. Nos homens a manifestação clínica mais comum em infecção por Clamídia é a uretrite não gonocócica. De fato, Clamydia trachomatis causa aproximadamente 35% a 50% de uretrite não gonocócica em homens heterossexuais. Os sintomas da uretrite não gonocócica podem se desenvolver depois de um período de incubação de 7 a 21 dias incluindo disúria e secreção uretral moderada que pode estar clara ou pouco purulenta. Na maioria dos casos, não revela outras anormalidades além da secreção uretral. Outras síndromes clínicas podem ser encontradas nos homens infectados como epididimite aguda, prostatite aguda, proctocolite aguda, conjuntivite e 1

2 síndrome de Reiter (uretrite, conjuntivite, artrite e lesões mucocutâneas) e tenossinovite reativa ou artrite (sem os outros componentes da síndrome de Reiter). Acredita-se que a infecção por Clamídia seria um cofator para transmissão de HIV em homens e mulheres. Epidemiologia A prevalência de Clamídia depende das características da população estudada. As taxas de prevalência nos Estados Unidos têm aumentado de 2% para 7% entre os estudantes do sexo feminino cursando o nível médio, de 4% para 12% entre as mulheres que são atendidas na clínica de planejamento familiar e de 6% para 20% entre homens e mulheres atendidos por doenças sexualmente transmitidas ou doenças correlacionadas. Na Inglaterra, pesquisa recente sugere que a taxa de infecção tanto entre homens quanto entre mulheres excede 10%. A prevalência de infecção por Clamydia trachomatis é maior nos grupos de pessoas que nunca procuram atendimento médico. As taxas de prevalência têm declinado em áreas geográficas aonde foram implementados programas de rastreamento. Os fatores de risco para infecção por Clamídia em mulheres sexualmente ativas incluem mulheres jovens (menor que 25 anos, particularmente menor que 20 anos), relação sexual muito jovem, ter mais de um parceiro sexual, envolvimento com novo parceiro sexual, ser solteira, raça negra, ter história de DST ou apresentar DST, ectopia cervical e uso inconsistente de método contraceptivo de barreira. Ser jovem é o fator que está mais fortemente associado à infecção (risco relativo de 2,0 a 3,5, entre mulheres mais jovens, idade menor que 25 anos de idade, em comparação com mulheres mais velhas). Esta associação é amplamente atribuída ao alto nível de atividade sexual entre as mulheres jovens. Também nas mulheres jovens a junção escamocolunar da cérvix comumente aparece na ectocérvice formando região de cor vermelho brilhante que corresponde a zona central do epitélio ectópico colunar chamado de ectrópico ; essa ectopia promove uma grande região mais propensa à infecção por Clamídia em mulheres jovens do que nas mais velhas. Figura 1 -Ectropia cervical (seta branca) com cervicite mucopurulenta (seta preta) Rastreamento em mulheres Existe uma boa evidência de que rastreando mulheres que possuem risco de infecção por Clamídia pode-se prevenir seqüelas reprodutivas, reduzindo a taxa de doença inflamatória pélvica (DIP). A maior evidência que dá suporte para o rastreamento em mulheres vem de um estudo randomizado de rastreamento e tratamento da Organização de Manutenção da Saúde, em Seattle. As participantes eram mulheres assintomáticas (idade de 18 a 34 anos), solteiras, que eram consideradas como de alto risco para infecção por Clamydia trachomatis, baseado num score que incluía como fator de risco: mulher jovem (menor que 25 anos), raça negra, nuliparidade, uso de ducha vaginal, dois ou mais parceiros sexuais nos últimos doze meses. No final do período de acompanhamento, foram verificados nove casos de DIP no grupo estudado (8 por mulher/mês de acompanhamento) e 33 casos em grupos que tinham acompanhamento médico (18 em mulher/mês; risco relativo no grupo acompanhado, 0,44; intervalo de confiança de 95%, 0,20 a 0,90). Dois estudos foram conduzidos na Suécia, mostrando que as taxas tanto de gestação ectópica, quanto de doença inflamatória pélvica, foram reduzidas em comunidades aonde foi adotado o rastreamento para infecção por Clamídia. Entretanto, é possível que a baixa prevalência de repercussões nesses estudos pode ter sido devido a outros fatores como aumento do uso de contraceptivos de barreira e redução dos fatores de risco pela mudança de comportamento. Apesar das pesquisas de rastreamento para infecções por Clamídia durante a gestação serem escassos, existe uma evidência de que rastreando mulheres com alto risco de infecção por Clamídia durante a gestação pode-se reduzir o risco de repercussões adversas para o bebê. Dois estudos observacionais mostraram associação entre o tratamento da infecção por Clamídia durante a gestação e menores taxas de ruptura prematura das membranas, baixo peso ao nascimento, nascimento de recém-nascidos pequenos para a idade gestacional (PIG) e morte neonatal. 2

3 Rastreamento em Homens O órgão responsável por serviços preventivos dos EUA, não achou nenhuma evidência direta para determinar se a apresentação assintomática em homens é efetiva para redução da incidência de novas infecções em mulheres e isso não pode determinar o balanço entre os prejuízos e benefícios do rastreamento em homens. Diagnóstico O método ouro para diagnóstico de Clamydia trachomatis foi tradicionalmente a cultura do swab da endocérvice na mulher e da uretra nos homens. Entretanto, os desafios metodológicos da cultura desse microorganismo levaram ao desenvolvimento de testes que não são baseados em cultura. Inicialmente os testes não baseados em cultura, incluindo teste de detecção de antígenos e hibridização de ácido nucléico sem amplificação, foram limitados pelas suas falhas na detecção de proporções substanciais da infecção, assim, novos testes que amplificam e detectam sequências específicas de DNA ou RNA de Clamídia (incluindo cadeia de reação da polimerase, reação de ligação da ligase, amplificação de RNA mediadas por transcrição) são substancialmente mais sensíveis que a primeira geração de testes não baseados em culturas (80% a 91%, dependendo do sítio de onde a espécie é obtida, contra 62% a 75% sem amplificação), quando a cultura é usada como padrão ouro. A sensibilidade é levemente menor quando esses novos testes são realizados em espécies coletadas pela urina do que em material coletado em endocérvice, mas a especificidade é alta para todos os tipos de materiais (vai de 94% a quase 100%). A maioria dos testes de amplificação de ácido nucléico tem sido aprovada pelo FDA para detecção de Clamídia trachomatis (e Neisseria Gonorrhaoeae) na urina coletada tanto de homens quanto de mulheres, promovendo teste com método não invasivo. Limitações para os testes de amplificação de ácido nucléico incluem o custo relativamente alto e o requerimento de um laboratório adequado.a mais recente novidade em relação a métodos de testes é o uso de material coletado pelo paciente. Teste de amplificação do material de swab de vagina e de uretra, coletado pelos pacientes, possui semelhante sensibilidade e especificidade do material coletado pelos médicos e estudos indicam que o paciente prefere este método como o padrão ouro de coleta. Infecção durante a Gestação Uma revisão de 11 estudos randomizados para tratamento de Clamídia durante a gestação concluiu que a Amoxicilina foi tão efetiva quanto a Eritromicina oral. Vários estudos menores comparando o uso de Azitromicina oral com estas terapias têm mostrado taxas curativas semelhantes e aceitabilidade da Azitromicina. Doença Inflamatória Pélvica Sabe-se que apesar da doença inflamatória pélvica (DIP) ser uma reação polimicrobiana, Clamídia Trachomatis é um dos patógenos mais comumente envolvidos. O critério mínimo para diagnóstico de DIP inclui sensibilidade uterina-anexial ou sensibilidade à mobilização cervical. Alguns estudos sugerem que apresentações atípicas de DIP, incluindo desconforto sem presença de sensibilidade apreciável, sangramento uterino anormal, corrimento vaginal anormal, estão comumente associados com inflamação ou infecção do trato genital superior (endometrite, salpingite). DIP por Clamídia tem a tendência de evoluir mais insidiosamente do que DIP causada pela Neisseria Gonorrhoaeae ou outros organismos mais virulentos. Entretanto o dano à Trompa de Falópio pode ser tão grande ou maior com infecção por Clamídia, especialmente em infecções repetidas. Por causa dos riscos de infertilidade e outras seqüelas da DIP, deve-se proceder à pronta instrução do tratamento em mulheres que possuem risco para infecção para Clamídia. O atraso para antibiotico-terapia está associado com risco aumentado de efeitos adversos. Estudos em pacientes não internados demonstraram que a terapia com pacientes não hospitalizados para DIP não complicado (sem abcesso tubo ovariano ou doença severa) foi tão efetivo quanto a terapia intravenosa dos pacientes hospitalizados em termos de fertilidade e outros efeitos em longo prazo, incluindo a prevenção de gestação ectópica e dor inflamatória pélvica. 3

4 Tratamento O tratamento para infecção por Clamídia depende da síndrome clínica (tabela-1). Tratamentos efetivos e de baixo custo para infecção por Clamídia são disponíveis para as mais comuns síndromes clínicas (uretrite não gonocócica em homens e cervicite mucopurulenta nas mulheres). Num estudo randomizado, a eficácia do uso corrente de sete dias com Doxiciclina foi equivalente à dose única de Azitromicina; ambos resultados obtiveram taxas curativas de mais de 95% entre homens e mulheres não grávidas. Parceiros sexuais devem ser notificados, examinados e tratados para Clamídia e qualquer outra DST identificada ou suspeitada. Os pacientes e seus parceiros devem ser instruídos de abstinência sexual até que a terapia seja completada (especificamente até sete dias depois da dose única de medicação ou até se completar os sete dias de antibiótico). Tabela 1-Tratamento das síndromes clínicas mais comuns Síndrome Homens Uretrite não gonocócica Uretrite recorrente ou persistente Epididimite Mulheres Cervicite mucopurulenta Clamídia na gravidez Doença inflamatória pélvica Ambulatorial Hospitalizado Tratamento Recomendado Azitromicina 1g V.O. (dose única) ou Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia por 7 dias Metronidazol 2g V.O. (dose única) associado à Eritromicina 500 mg V.O. 4x/dia por 7 dias Ceftriaxona 250 mg I.M. (dose única) associado à Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia por 10 dias Azitromicina 1g V.O. (dose única) ou Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia por 7 dias Eritromicina 500 mg V.O. 4x/dia por 7 dias ou Amoxicilina 500 mg V.O. 4x/dia por 7 dias ou Azitromicina 1g V.O. (dose única) Ofloxacina 400 mg V.O. 2x/dia por 14 dias ou Levofloxacina 500 mg V.O. 1x/dia por 14 dias associado ou não à Metronidazol 500 mg V.O. 2x/dia por 14 dias ou Ceftriaxona 250 mg I.M. (dose única) ou Cefoxitina 2g I.M. (dose única) associado à Probenecida 1g V.O. associado à Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia por 14 dias associado ou não à Metronidazol 500 mg V.O. 2x/dia por 14 dias Cefoxitina 2g I.V. de 6/6h associado à Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia ou Clindamicina 900 mg I.V. de 8/8h associado à Gentamicilina 2 mg/kg I.V. (dose de ataque) e depois 1,5 mg/kg I.V. de 8/8h Obs: Terapia para DIP deve ser continuada por horas após ocorrer melhora clínica, devendo ser continuada com Doxiciclina 100 mg V.O. 2x/dia ou Clindamicina 300 mg V.O. 4x/dia por 14 dias. Áreas de incerteza Ainda existe a incerteza a respeito de quem se rastrear e com qual frequência de se fazer essa avaliação. Existe pouca evidência da eficácia de se rastrear mulheres assintomáticas que não fazem parte do grupo de risco para infecção por Clamídia. Apresentação baseada na idade (menos de 25 anos) parece ser efetiva até mesmo em áreas aonde a ocorrência de infecção por Clamídia é de baixa a moderada (3% a 6%). Num estudo longitudinal de coorte de 3202 mulheres de cidade pequena de alto risco, a infecção por Clamídia foi detectada em 24,1%, o tempo médio para aparecimento de nova infecção foi levemente superior a 7 meses e o tempo médio para se ter outro exame positivo foi de 6,3 meses. Com base nesses resultados foi recomendado que toda mulher jovem, sexualmente ativa seja avaliada a cada 6meses. Não está certo, entretanto, que esses achados possam ser generalizados para a população com baixa prevalência da infecção. 4

5 Além disso, o balanço dos benefícios e malefícios (incluindo resultados de falso positivo e uso inapropriado de antibióticos) não foi avaliado. Dado a alta prevalência de infecção assintomática na população, alguns especialistas defendem o rastreamento de rotina para homens jovens como um próximo importante passo no sentido de diminuir as taxas de infecção e de suas complicações. Apesar de existir uma grande evidência de que o tratamento pode erradicar a infecção por Clamídia trachomatis em homens, não existe nenhum estudo demonstrando que a avaliação de homens assintomáticos pode reduzir as taxas de infecção aguda e de complicações adversas, em homens e mulheres. A análise do custo efetivo sugere que existem benefícios econômicos para a sociedade na avaliação de mulheres com alto risco para infecção se comparados com a não avaliação. Entretanto o custo efetivo do rastreamento em homens com baixo risco é questionável, sendo dependente da prevalência da infecção, da facilidade e do custo de coleta do material, do custo do teste, das características do teste diagnóstico (sua sensibilidade e especificidade) e dos efeitos adversos a curto e longo prazo que são prevenidos. Pesquisas adicionais são necessárias para se determinar o intervalo ótimo entre o rastreamento da população e a comparação das avaliações universais de todas as mulheres jovens, com idade inferior a 25 anos, sexualmente ativas, com avaliação baseada na presença de fatores de risco adicionais na população com registro de taxas prevalentes. Ainda permanece incerto se a rotina do uso de material da urina ou material coletado pelos pacientes irá melhorar concordância com teste e tratamento. Também não está bem claro se o tratamento empírico dos parceiros sexuais com infecção por Clamídia é preferível à realização de uma avaliação desses pacientes. Alguns especialistas sugerem que provendo seus pacientes com prescrições para tratamento empírico para entregar para seus parceiros irá reduzir a taxa de reinfecção, mas essa hipótese ainda se mantém incomprovada. Num estudo recente aonde cada paciente foi randomizado em entregar o tratamento para seus parceiros sexuais (pacientes foram instruídos a entregar dose de azitromicina para seus parceiros sexuais) ou referenciar seus parceiros para o tratamento da infecção (pacientes foram instruídos a solicitar tratamento de seus parceiros sexuais), o risco de re-infecção foi insignificantemente baixo no grupo que se comprometeu a entregar a medicação para seus parceiros (taxa de re-infecção de 0,8, num intervalo de confiança de 95%, 0,6 a 1,1). Todas as mulheres sexualmente ativas, menores de 25 anos devem fazer análises rotineiras para detecção de infecção por Clamídia. As mulheres assintomáticas que possuem risco aumentado para adquirir a infecção também devem ser investigadas. Conclusões e Recomendações O rastreamento para infecção por Clamídia trachomatis está indicado em mulheres sexualmente ativas com fatores de risco para infecção, incluindo idade inferior a 25 anos, uso inconsistente de método contraceptivo de barreira, novo parceiro sexual, mais de um parceiro sexual, ectopia cervical, história ou coexistência de DST. A infecção por Clamídia poderá ser incluída no grupo de pacientes com risco de efeitos adversos, incluindo infecção ascendente (DIP) e infertilidade, dor pélvica crônica e gestação ectópica. Uma avaliação anual é satisfatória, apesar de testes mais freqüentes serem indicados em áreas de alta prevalência da infecção ou em mulheres que possuem vários fatores de risco. O uso de contraceptivo de barreira (camisinha) como método de prevenção deve ser discutido com todos os pacientes. Se o teste de rastreamento é positivo para Clamídia trachomatis, deve-se tratar o paciente com Azitromicina ou Doxiciclina. Realização de testes após tratamento adequado (teste de cura) não está indicado a menos que seja colocada em questão o seguimento do tratamento, que sintomas estejam ainda presentes ou re-infecção seja suspeitada. Reavaliação para Clamídia é recomendada quando pacientes apresentam manifestações dentro de 12 meses após teste positivo.o tratamento ao mesmo tempo do parceiro sexual é também essencial para reduzir o risco de re-infecção. O parceiro sexual deve ser avaliado, testado e tratado se ele tiver tido contado sexual com o paciente durante os sessenta dias antes do diagnóstico. O tratamento para os parceiros sexuais pode ser entregue aos próprios pacientes para prevenção de infecções repetidas e tem eficácia semelhante ao referenciar seus parceiros para o tratamento da infecção. 5

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Chlamydiceae Introdução As Clamídias são patógenos intracelulares obrigatórios

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP)

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) Juliana Furtado Francisco das Chagas Medeiros Descrição Síndrome clínica atribuída à ascensão de microorganismos do trato genital inferior, comprometendo endométrio,

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) Juliana Furtado Francisco das Chagas Medeiros. Descrição

CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) Juliana Furtado Francisco das Chagas Medeiros. Descrição CAPÍTULO 4 DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) Juliana Furtado Francisco das Chagas Medeiros Descrição Síndrome clínica atribuída à ascensão de microorganismos do trato genital inferior, comprometendo endométrio,

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes CASOS CLÍNICOS Caso clínico nº 1 M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes Trazida a consulta de Pediatria por - corrimento vaginal recorrente desde há 3 meses e prurido

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia.

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia. Pesquisa da Chlamydia Trachomatis através da reação em cadeia da polimerase após realização de sorologia (enzimaimunoensaio e imunofluorescência indireta) em pacientes inférteis Autores: Fabiana Carmo

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica

Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica N o 155 Outubro/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis,

Doenças Sexualmente Transmissíveis, CAPÍTULO 21 Doenças Sexualmente Transmissíveis, Pontos Básicos para Profissionais de Saúde e Clientes Pessoas portadoras de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), podem usar a maioria dos métodos de

Leia mais

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO 1 O que quer dizer sexo seguro? Sexo seguro quer dizer, práticas sexuais responsáveis sem riscos de engravidar, ou de contrair uma infecção transmitida sexualmente,

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR INFECÇÕES DO TRATO GENITAL OBSTETRÍCIA INFERIOR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro CONDILOMATOSE Manifestação clínica benigna associada principalmente

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda.

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda. Tudo dentro Produção: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) Av. Presidente Vargas 446 13º andar Centro RJ Tel.: (021) 2223-1040 Fax: (21) 2253-8495 www.abiaids.org.br abia@abiaids.org.br

Leia mais

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz INFECCAO URINARIA DR Fernando Vaz Complicada x não complicada Infecção urinária não complicada Leve Trato urinário normal Infecção urinária complicada Mais grave Trato urinário comprometido Infecção Urinária

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed.

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Capítulo 1 A afirmativa I está incorreta, pois o teste de Schiller é considerado positivo quando não se cora pelo lugol. A afirmativa III está incorreta,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE Filomena Aste Silveira Mestre ginecologia UFRJ Doutoranda UFRJ Medica do IG UFRJ Profª. Faculdade de Medicina de Valença Candidíase vulvo

Leia mais

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- Gonorréia Sífilis Principais DST s Doenças Ulcerativas *Sífilisfilis *Doença herpética HSV1 e HSV2 *Cancro mole ( (Haemophylus ducrey) *Linfogranuloma

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER?

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER? O QUE É O HPV? Sigla para Papilomavírus Humano, são vírus capazes de infectar a pele ou a mucosa. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 podem infectar o trato genital e, destes, 12

Leia mais

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST?

Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Ectopia cervical: relação com CA colo? predisposição para DST? Nilma Antas Neves PHD, MsC, MD Profa. Adjunta Ginecologia Universidade Federal Bahia Presidente Comissão Trato Genital Inferior FEBRASGO Razões

Leia mais

Palavras chave para indexação: 2014_10_07_Mem.Reun.Saúde _ Barracão_ Associação_Comunidade _Vila Isabel_Anapu

Palavras chave para indexação: 2014_10_07_Mem.Reun.Saúde _ Barracão_ Associação_Comunidade _Vila Isabel_Anapu Assunto: Reunião/Palestra sobre saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Bo Monte. Redator: Maurício

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais