Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG"

Transcrição

1 Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia (71)

2 CORRIMENTO URETRAL PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO URETRAL

3 Prevalência (%) de DST em industriários e intervalo de confiança de 95%. DST % N IC 95% Herpes genital 28, ,5 31,3 Hepatite B 0, ,52 1,42 Hepatite C 0, ,04 0,77 Gonorréia 0, ,12 0,63 Clamídia 3, ,5 3,9 Sífilis 2, ,6 2,7 Fonte: Estudo de Prevalência e Freqüências Relativas das Doenças Sexualmente Transmissíveis no Brasil.

4 CORRIMENTO URETRAL PACIENTE COM QUEIXA DE CORRIMENTO URETRAL ANAMNESE E EXAME FÍSICO BACTERIOSCOPIA DISPONÍVEL NA CONSULTA? NÃO Tratar GONORRÉIA E CLAMÍDIA

5 CORRIMENTO URETRAL ANAMNESE E EXAME FÍSICO BACTERIOSCOPIA DISPONÍVEL NA CONSULTA? SIM DIPLOCOCOS GRAM NEGATIVOS INTRACELULARES PRESENTES? SIM

6 FLUXOGRAMA PARA CORRIMENTO URETRAL ANAMNESE E EXAME FÍSICO BACTERIOSCOPIA DISPONÍVEL NA CONSULTA? SIM DIPLOCOCOS GRAM NEGATIVOS INTRACELULARES PRESENTES? SIM TRATAR GONORRÉIA E CLAMÍDIA ACONSELHAMENTO SOLICITAR VDRL, OFERECER ANTI- HIV, ANTI-HCV, HBSAg E ANTI-HBC AGENDAR RETORNO CONVOCAR PARCEIRO(S) NOTIFICAÇÃO

7 FLUXOGRAMA PARA CORRIMENTO URETRAL ANAMNESE E EXAME FÍSICO BACTERIOSCOPIA DISPONÍVEL NA CONSULTA? SIM DIPLOCOCOS GRAM NEGATIVOS INTRACELULARES PRESENTES? NÃO TRATAR CLAMÍDIA ACONSELHAMENTO VDRL E OFERECER ANTI-HIV AGENDAR RETORNO CONVOCAR PARCEIRO(S) NOTIFICAÇÃO

8 CORRIMENTO URETRAL Neisseriae gonorrhoeae Chlamydia trachomatis T.vaginalis, U.urealiticum, M.genitalium, herpes, outros

9 Sinonímia Gonorréia Blenorragia, doença a gonocócica, cica, pingadeira, gota militar, gota matinal, estrela da manhã, esquentamento, escorrimento, fogagem, torneira, gozo eterno, urinou contra o vento Transmissão Venérea, excepcional contaminação acidental Período de incubação 2 a 10 dias, em média m 5 dias

10 Neisseria gonorrhoeae, Neisser 1879 Cocos Gram negativos Reniformes Agrupados dois a dois e faces côncavas adjacentes Aeróbios e imóveis Bactéria fastidiosa Exige meio enriquecido, umidade e atmosfera rica em CO2 Risco de contágio 20% para o sexo masculino em único contato, no caso de reexposição 90% Risco de contágio - 90% para o sexo feminino Piogênica Eptopo imunogênico migração de PMN com mensagem específica de fagocitose

11

12 BIER, Otto. Bacteriologia e Imunologia. 19. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

13 - WJN SEMAE 06/05/09 Placa VCNT LACEN - 06/05/09 Colônias sugestivas na placa

14 Avaliação da susceptibilidade da Neisseria gonorrhoeae aos antimicrobianos, para implantação de rede de vigilância Projeto SenGono

15 Avaliação da susceptibilidade da Neisseria gonorrhoeae aos antimicrobianos, para implantação de rede de vigilância DIAGNÓSTICO LABORATORIAL Antibióticos ticos utilizados no estudo: Penicilina Ceftriaxona Tetraciclina Ciprofloxacina Azitromicina Cloranfenicol Ofloxacina Gentamicina

16 Gonorréia Quadro clínico Homem (quadro agudo) Disúria, formigamento ou prurido uretral Fluxo uretral mucoso purulento Edema do meato uretral e eritema da mucosa vizinha Diagnóstico fácilf

17 Complicações Gonorréia Balanopostites Tissonites Litrites Cowperites Prostatites Epididimites Estenoses da uretra Conjuntivite Anorretite Faringite gonocócica cica Septicemia (0,3 a 3,0%) Dermatite Artrite (tipo mais freqüente ente de artrite no adulto jovem sexualmente ativo) Meningite Endocardite

18

19 Sinonímia UNG Uretrites inespecíficas, gota matinal, estrela da manhã Epidemiologia Homens quase totalidade Incidência maior que a UNG viés s epidemiológico Alta incidência em urologia e serviços de IST Clientes assíduos freqüentadores entadores do serviço Uso desordenado de antibióticos ticos RN conjuntivite, nasofaringite e pneumonia Período de incubação 1 a 3 semanas, pode ultrapassar meses

20

21 Agente Etiológico: UNG Bacterianas: Chlamidia trachomatis (*) Ureaplasma urealyticum (*) Micoplasma hominis (*) Hemophilus vaginalis (gardnerella) Streptococcus Enterococos Parasitárias: rias: Trichomonas vaginalis (*) Virótica: Micótica: Químicas: Herpes vírusv Cândida albicans (*) Muito freqüêntes Introdução de substâncias irritantes na uretra com finalidade profiláticas ou curativas. Metabólicas: Traumáticas: Pós-gonocócica: cica: Diabetes Pelo hábito h comum de expressão de glande para evidenciar secreção ( ordenha( ordenha ). Surge após s o tratamento da gonorréia, sendo geralmente causada pela Chlamydia trachomatis. Indeterminadas PASSOS, Mauro Romero Leal. DST. 4. ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica, M 1995.

22 Chlamidia trachomatis A C. trachomatis é uma bactéria intracelular obrigatória ria que infecta o aparelho geniturinário, rio, naso faringe ou conjuntiva. No homem causam uretrites não gonocócicas, cicas, podendo vir a causar epidimite e prostatite. Em mulheres pode causar salpingite, doenças inflamatória Pélvica P (DPI) e gravidez ectópica. No inato, pneumonia e conjuntivite

23 Chlamidia tracomatis Ordem Família Chlamydiales Chlamdiaceae Gênero Chlamydia Espécie C. Trachomatis subgrupo A C. Psittaci subgrupo B Modo de transmissão Trachoma endêmico Cepas oculogenitais LGV Agente da Psittacose Ocular genital genital variável vel sorotipos A, B, Ba, C D, E, F, G, H, I, J, K L1, L2, L3 Indeterminado PASSOS, Mauro Romero Leal. DST. 4. ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica, M 1995.

24 Ciclo biológico

25

26 UNG Quadro clínico Uretrite discreta Raramente secreção purulenta Secreção uretral moderada ou escassa, clara ou leitosa, fina ou mucóide Secreção matutina, após s expressão do pênis ou longos períodos sem micção Disúria menos intensa que na gonorréia urgência miccional, polaciúria e irritação do meato e da uretra

27 30/09/2009- SEMAE 307 RFSN - UNG

28 UNG Complicações Infertilidade Estenoses inflamatórias Alterações dos movimentos e direção dos espermatozóides Proctite Artrite Síndrome de Reiter dermatite, artrite e conjuntivite

29

30 CORRIMENTO URETRAL Orientações azitromicina - absorção com o estômago vazio abstinência alcoólica lica (efeito antabuse do metronidazol) e sexual (cicatrizar a uretra) evitar a ordenha da uretra como hábitoh evitar condimentos aumentar a ingestão de líquidosl higiene íntima e cuidado com as mãos convocar parcerias No caso de doença a aguda repetir o VDRL após s 45 dias janela imunológica Uretrites complicadas orquites, epididimites e formas extra genitais não usar dose única

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Interação HIV / DST Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424 7424 Interação

Leia mais

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- Gonorréia Sífilis Principais DST s Doenças Ulcerativas *Sífilisfilis *Doença herpética HSV1 e HSV2 *Cancro mole ( (Haemophylus ducrey) *Linfogranuloma

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 08/01/2008. Tema da Aula: Uretrites Autor(es): Daniel Neto Equipa Correctora: Luís Rocha

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 08/01/2008. Tema da Aula: Uretrites Autor(es): Daniel Neto Equipa Correctora: Luís Rocha Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 08/01/2008 Disciplina: Dermatologia Prof. Dr. Marques Gomes Tema da Aula: Uretrites Autor(es): Daniel Neto Equipa Correctora: Luís Rocha Índice Uretrites 2 Blenorragia

Leia mais

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Chlamydiceae Introdução As Clamídias são patógenos intracelulares obrigatórios

Leia mais

Microbiologia do trato genital

Microbiologia do trato genital Microbiologia do trato genital feminino e masculino Estrutura do trato genital feminino O trato genital consiste na genitália externa e na genitália interna em ambos os sexos. Nas mulheres a genitália

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes CASOS CLÍNICOS Caso clínico nº 1 M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes Trazida a consulta de Pediatria por - corrimento vaginal recorrente desde há 3 meses e prurido

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner DST São infecções ou doenças endêmicas, de múltiplas causas, transmitidas pela relação sexual DST: possibilidade de infecção múltipla! PRINCIPAIS

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo SEXUALIDADE e DSTs Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 SEXUALIDADE Chama-se sexualidade a todas as formas, jeitos, maneiras como as pessoas expressam a busca do prazer. Quando se entende que a sexualidade está

Leia mais

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva POP: M 13 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Cultura de secreção vaginal, cultura de conteúdo vaginal, cultura de secreção uretral, cultura de endocervical, cultura de lesão genital, pesquisa de Haemophilus ducreyi,

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis

Doenças Sexualmente Transmissíveis Urologia Fundamental CAPÍTULO 32 Doenças Sexualmente Julio José Máximo de Carvalho Homero Gustavo de Campos Guidi UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) caracterizam-se

Leia mais

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico Versão: 01 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes Biomédico 01/10/2009 Gerente da Qualidade Biomédico 20/10/2009 Dr. Jose Carlos

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

ELABORADO: Vitor Almeida

ELABORADO: Vitor Almeida 1/6 1. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Cultura de secreção uretral, cultura de secreção vaginal, cultura de urina do 1ª jato, cultura de líquido seminal, cultura de esperma, cultura de secreção endocervical

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis em imagens 1999 - Ministério da Saúde É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte e dados os créditos das imagens.

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Mário Ronalsa

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Mário Ronalsa DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Mário Ronalsa O.M.S- Brasil - 12 milhões de casos/ano Notificação compulsória AIDS e Sífilis congênita Orientação à população Forma de transmissão Sequelas Sífilis 1530-

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DST definição. Segundo a OMS: Grupo de doenças endêmicas, de múltipla expressão, que incluem as doenças venéreas clássicas e um número crescente de síndromes e

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Métodos contracetivos

Métodos contracetivos Métodos contracetivos Os futuros pais podem e devem planear a sua família Assim, para evitar uma gravidez indesejada, devem recorrer a métodos contracetivos. podem ser Naturais Não Naturais Calculam o

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS

CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS 1 CAP. 1 - DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS Categorias 001-139 1. NOTAS DE INCLUSÃO 1.1. Para efeito da ICD-9 consideram-se INCLUÍDAS neste capítulo as doenças reconhecidas como transmissíveis ou contagiosas

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine Vulvovaginites Aline Estefanes Eras Yonamine Definição Manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital inferior (vulva, vagina ou ectocérvice) que se manifesta por meio de corrimento vaginal

Leia mais

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA?

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Inês Serras, Flora Candeias, Maria João Brito Unidade de Infeciologia Pediátrica, Assistente Hospitalar, Hospital Dona Estefânia, CHLC, Lisboa 12º Encontro de Infeciologia

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica

Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica Doxiciclina para tratamento da Doença Inflamatória Pélvica N o 155 Outubro/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja

Leia mais

COCOS GRAM NEGATIVOS DE INTERESSE CLÍNICO

COCOS GRAM NEGATIVOS DE INTERESSE CLÍNICO COCOS GRAM NEGATIVOS DE INTERESSE CLÍNICO Neisseria Haemophilus Bordetella Prof. Thiago C. Nascimento GÊNERO Neisseria O gênero possui 2 patógenos humanos importantes: N. meningitidis meningite e meningococcemia

Leia mais

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE Filomena Aste Silveira Mestre ginecologia UFRJ Doutoranda UFRJ Medica do IG UFRJ Profª. Faculdade de Medicina de Valença Candidíase vulvo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE

ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Organização Mundial de Saúde Dados

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens

Doenças Sexualmente Transmissíveis. em imagens Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis em imagens 1999 - Ministério da Saúde É permitida a reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte e dados os créditos das imagens.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

CONSULTA EM DERMATOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para o encaminhamento:

CONSULTA EM DERMATOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para o encaminhamento: CONSULTA EM DERMATOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Micoses 2. Prurido/Eczema 3. Dermatite de Contato 4. Neoplasias Cutâneas / Diagnóstico Diferencial de Lesões

Leia mais

Trichomonas vaginalis. Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto

Trichomonas vaginalis. Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto Trichomonas vaginalis Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA CARACTERIZADA POR APRESENTAR 3 A 6 FLAGELOS, AXÓSTILO A denominação dos gêneros são feitas pelo número de flagelos livres:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS

ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS (Texto actualizado em Março de 2009) M. Grabe (Presidente), M.C. Bishop, T.E. Bjerklund-Johansen, H. Botto, M. Çek, B. Lobel, K.G. Naber, J. Palou, P. Zenke, F. Wagenlehner

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR INFECÇÕES DO TRATO GENITAL OBSTETRÍCIA INFERIOR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro CONDILOMATOSE Manifestação clínica benigna associada principalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens.

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens. X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens Insetos do Amor Folheto informativo das doenças sexualmente

Leia mais

DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS

DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS (Texto atualizado em Abril de 2010) M. Grabe (presidente), T.E. Bjerklund-Johansen, H. Botto, M. Çek, K.G. Naber, R.S. Pickard, P. Tenke, F. Wagenlehner, B. Wullt Introdução

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ORIENTAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) - Biblioteca da OMS

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN MAGNÓLIA CARVALHO ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS ARTRITE CELULITE DIARRÉIA IMPETIGO ITU MENINGITE OTITE ONFALITE OSTEOMIELITE OFTALMIA PNEUMONIA

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 024/2014 CT PRCI n 100.079/2012 Ticket n 277.943, 279.989, 286.121, 286.311, 284.699, 285.175, 297.445, 334.931, 340.222, 346.883, 351.397, 355.971, 361.154 e 362.374. Ementa: Coleta de

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-MC-009 CULTURA PARA GONOCOCOS 23/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-MC-009 CULTURA PARA GONOCOCOS 23/10/2015 1/8 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A gonorréia ou blenorragia é uma doença sexualmente transmissível (DST), causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, ou gonococo. A gonorréia é causada por uma

Leia mais

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura.

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura. AIDS & DST s Prevenção e controle para uma vida sexual segura. aids A aids é uma doença causada pelo HIV, vírus da imu-nodeficiência humana que destrói o sistema imunológico responsável pela defesa do

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa

Universidade Nova de Lisboa Universidade Nova de Lisboa Infecções Sexualmente Transmissíveis em utentes que recorrem à consulta de DST no Centro de Saúde da Lapa: Relação entre Conhecimentos, Atitudes e Práticas de prevenção e a

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Infecção urinária ria na mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Epidemiologia Queixa freqüente ente em atendimentos de ginecologia

Leia mais

DST/HIV. ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com

DST/HIV. ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com DST/HIV ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com O QUE SÃO DSTS? As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) são doenças causadas por vários tipos de agentes. São transmitidas, principalmente,

Leia mais