INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS

2 Fundos de Investimento Alternativo Os investimentos alternativos proporcionam uma fonte alternativa de rendimentosaos investimentos tradicionais, tais como depósitos a prazo, investimento em acções e/ou obrigações. Nos últimos anos, um crescente conjunto de investidores particulares e institucionais tem encarado os fundos de investimento alternativos ou Hedge Funds como um meio de obter diversificação fora dos investimentos considerados tradicionais, melhorando também o perfil de retorno ajustado ao risco dos seus portfólios. Segundo dados da Hedge Fund Research esta indústria terá crescido desde os 100 mil milhões de dólares no início de 1994 até perto dos mil milhões dólares no final de 2008, correspondentes a sensivelmente fundos de investimento. 2

3 Indústria em grande crescimento Fonte: HFR Research 3

4 Hedge Fund- Definição A imagem de marca dos Hedge Funds é a busca do retorno absoluto - utilizando estratégias de investimento que procuram gerar um retorno positivo independentemente dos preços dos activos estarem em alta ou em queda- fazendo face à crescente volatilidade dos mercados. Esta é a principal característica que distingue um Hedge Fund de um Fundo de Investimento Tradicional, em que a estratégia a seguir é a simples aquisição de activos na esperança que o seu preço suba. 4

5 Fundo Tradicional vs. F. Inv. Alternativo Fundo Tradicional Fundo Investimento Alternativo Performance medida relativamente a um determinado índice. Performance dependente da apreciação dos activos. Os fundos tradicionais sofrem algumas restrições metodológicas e são extremamente regulados, sendo o uso de short-selling e produtos derivados restrito, podendo apenas recorrer à venda dos activos para proteger o portfólio. A performance futura deste tipo de fundos estará sempre dependente da direcção futura dos mercados. Procuram um retorno ajustado a um determinado nível de risco, logo não se medem relativamente a qualquer índice. Performance dependente das capacidades, conhecimentos e acções do gestor, que têm sempre presente a ideia de que existe mais que uma via para gerar crescimento de capital. Os gestores têm liberdade para investir num maior conjunto de activos e usar mais instrumentos, é permitido o short-selling, arbitragem e uso de produtos derivados, o que aumenta as possibilidades de gerar crescimento qualquer que seja a situação do mercado. Ou seja, maior variedade de estratégias de investimento. Na maioria destes fundos verifica-se uma baixa correlação entre a sua performance e o mercado, uma vez que as estratégias utilizadas não estão geralmente dependentes deste. 5

6 Estratégias de Investimento Podemos agrupar as estratégias em cinco categorias principais: 1. Fundo Investimento Alternativo Convencional de Posições Longas/ Curtas- Os gestores destes fundos são geralmente stock-pickers que utilizam análise técnica e fundamental para investir em posições longas e curtas, comprando títulos sub-avaliados e vendendo títulos sobre-avaliados. 2. Valor Relativo/ Arbitragem- Envolve várias estratégias, que no geral consistem na construção de portfólios que cubram ao máximo o risco de mercado: Estratégia de Neutralidade de Mercado: partilham algumas características com os F.I.A.C. Posições Longas/ Curtas, no entanto buscam a mínima correlação com os mercados de capitais através de um equilíbrio entre posições longas e curtas; Arbitragem com Obrigações Convertíveis: envolve a aquisição de um portfólio de obrigações e warrants convertíveis, para com esta posição longa realizar hedging e fazer short-selling com as acções subjacentes; Arbitragem de Rentabilidade Fixa: explorar o spread de taxa de juro existente entre instrumentos de Renda Fixa; 6

7 Estratégias de Investimento 3. Fundos Globais- Os gestores investem em todas as oportunidades numa variedade de mercados, podem investir em posições longas ou curtas e em diferentes níveis de alavancagem. Existem dois tipos principais de fundos: Fundos Macro: os gestores destes fundos estudam os desenvolvimentos macroeconómicos e formam uma opinião sobre que impactos irão ter sobre os mercados financeiros, investindo em conformidade caso surja uma oportunidade. Utilizam inúmeras estratégias, mas são sobretudo conhecidos por aproveitarem principalmente oportunidades que lhes permitam uma boa alavancagem; Fundos de Futuros: estes fundos negoceiam produtos derivados como Contratos de Futuros, Opções e Swap. Utilizam normalmente um sistema informático para identificar e seguir tendências de instrumentos de rentabilidade fixa, divisas, mercadorias e índices de mercados. 7

8 Estratégias de Investimento 4. Event Driven- este tipo de estratégias visa explorar situações que eventualmente surjam no processo de gestão de uma empresa, sendo as mais comuns: Arbitragens em Fusões e Aquisições: consiste em investir em ambas as empresas aquando o anúncio da fusão, investindo numa posição curta relativamente aos títulos do adquirente e longa relativamente à empresa adquirida, sendo o risco a não realização da fusão/ aquisição. Empresas em Dificuldades:os gestores de fundos adquirem os activos subavaliados ou a dívida de empresas em processos de reorganização de dívida ou mesmo de falência, desempenhando muitas vezes um papel activo na negociação,reorganização e recuperação dessa empresa. 5. Fundos de Fundos- podem investir em inúmeros Hedge Funds subjacentes, com o objectivo de encontrar os melhores fundos diversificando quer as estratégias, quer os gestores de fundos. 8

9 Estratégias de Investimento 9

10 Estratégias de Investimento 10

11 Estudos de Performance A análise de dados de HedgeFunds mostra que o investimento ao longo do espectro de categorias destes fundos teria alcançado resultados consistentes durante a última década. Sumariamente, as conclusões retiradas das análises e estudos realizados são as seguintes: Os Hedge Funds ofereceram uma performance ajustada ao risco superior quando comparados com os investimentos no mercado de capitais; Provou-se o seu potencial para aperfeiçoar o perfil de risco/ retorno de uma carteira de investimentos, o que se fica a dever à baixa correlação com os mercados tradicionais obtendo no entanto níveis de retorno percentual similares; A atractividade dos Hedge Funds é ainda maior quando as condições de mercado são adversas, sendo os seus efeitos sobre o risco/retorno ainda mais positivos sob condições extremas. Daqui se pode concluir que um Hedge Fund tem mérito, como instrumento de diversificação e como investimento em si. 11

12 Indicadores de Performance Fonte: HFR Research 12

13 Retornos a Longo Prazo 20 anos 13

14 Indicadores de Performance

15 INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS PRODUTOS ESTRUTURADOS

16 Produtos Estruturados - Definição Produto financeiro que apresenta uma matriz de retorno previamente definido, garantindo uma parte ou a totalidade do capital e dependente do comportamento de um activo subjacente. Composto por uma combinação de dois ou mais instrumentos financeiros, sendo um deles derivado, de forma a criar um único produto. 16

17 Vantagens para os Investidores Flexibilidade na criação de investimentos que se ajustem a cenários específicos; Produto com potencial de valorização e conhecido downside risk; Eliminação de riscos que não são desejados (risco cambial, crédito, taxas de juro, etc); Diversificação de activos; Possibilidade de alavancagem; Permite o investimento em activos de difícil acesso ou que incorram em riscos de difícil avaliação por parte do investidor comum (Ex. Hedge Funds). 17

18 Vantagens para os Emitentes Oferta de uma maior oferta de produtos e soluções de investimento de forma a ir de encontro ao perfil de risco e necessidades dos clientes; Instiga a lealdade e a retenção de clientes; Oferta de produtos que melhor se adaptam às ideias de investimento que emanam dos departamentos de research; Custos de financiamento mais baixos; Possibilidade de alavancagem. 18

19 Investidores: Principais desvantagens Problemas de liquidez associados aos Produtos Estruturados; Alguns Produtos podem incorporar riscos superiores ou mais imperceptíveis para os investidores do que investindo no activo subjacente per si. Emitentes: Maior dificuldade na medição dos riscos dada a complexidade de determinados produtos; Gestão de formas mais dinâmicas de hedging. 19

20 Principais estruturas de produtos Emissões Plain-vanilla São compostas por um obrigação de cupão zero que éo garante de capital no fim do período de investimento e um portfólio de derivados que permite a exposição ao activo subjacente. Emissões CPPI (Constant-Proportion Portfolio Insurance) Constituída pelo mix entre um activo com risco (que pode ser um portfólio de investimento subjacente) e um activo sem risco (Ex. fundo monetário), cuja alocação é gerida dinamicamente de forma a maximizar o retorno e garantir o capital na maturidade. 20

21 Emissões Plain-vanilla- Funcionamento Derivado Obrigação SP=B+f Em que: B = Obrigação Cupão Zero f = Derivado Investidor entrega inicialmente 100% de capital, do qual uma parte é aplicado numa obrigação de cupão zeroque cota abaixo do par (p ex. 70%), sendo o remanescente (30%) investido em opções de forma a ganhar exposição ao activo subjacente; Na maturidade o investidor recebe 100% referente ao investimento na obrigação de cupão zero + o retorno do investimento em opções. 21

22 Emissões Plain-vanilla Cupão Zero Obrigação Cupão Zero B = e^(-rt) Em que: B = Valor da Obrigação r = Taxa de Juro t = tempo atématuridade Não paga cupões durante o período de investimento; O valor da obrigação aumenta à medida que o tempo para a maturidade diminui; Quanto maior o yield da obrigação na data de emissão, maior é o desconto face ao preço de 100% do Valor Nominal. Preço extremamente sensível a alterações nas taxas de juro. Por exemplo, consideremos uma obrigação a 10 anos com YTM de 4,5% e testemos uma alteração de 0,5% nas taxas de juro de mercado. Taxa de Juro 4% 4.5% 5% Preço Obrigação 67.03% 63.76% 60.65% Variação +5.13% Base -4.88% 22

23 Emissões Plain-vanilla Opções Simples Opções Simples Contrato negociável num mercado organizado no qual o comprador adquire o direito de comprar ou vender numa determinada data ou durante um determinado período de tempo um activoa um preço pré-determinado(preço de exercício) em troca de uma compensação monetária (prémio). Tipos de opções quanto àdata de expiração: Americanas podem ser exercidas em qualquer momento até à expiração; Europeias sópodem ser exercidas na data de expiração; Mid-atlantic podem ser exercidas em determinadas datas de expiração. O resultado final (na data de maturidade) configura três tipos de situações que resultado do confronto entre o preço de exercício da opção e o preço á vista do activo Situação Call Put PE < PV In-theMoney Out-of-the-money PE = PV At-the-money At-the-money PE > PV Out-of-the-money In-theMoney 23

24 Emissões Plain-vanilla Opção Simples Determinantes do valor de uma opção simples Variável Call Put Preço do Activo + - Preço de Exercício - + Tempo até à expiração + + Taxa de juro + - Volatilidade + + Dividendos

25 Emissões Plain-vanilla Opções Exóticas Opções Exóticas - constituem o principal instrumento na construção de produtos estruturados. São por isso opções não padronizadas, negociadas, em geral, directamente entre bancos e clientes e tendo como elementos relevantes: a flexibilidade em termos de características dos contratos, adequando-se melhor às necessidades especificas dos agentes económicos; diversidade de perfis risco-retorno que permitem obter. Com frequência, preços mais atractivos 25

26 Emissões Plain-vanilla Opções Exóticas Tipos de Opções Exóticas Path dependent options o payoff na maturidade depende do padrão seguido pelo activo ao longo da vida da opção. Exemplos: Lookback options Preço de exercício determinado na data de maturidade (minímo, máximo, média dos preços do activo num dado período); Barrier options opções cuja activação ou desaparecimento dependem de o preço do activo atingir um dado valor; Asian options preço de exercício definido à partida e o exercício está dependente do seu confronto com o preço médio do activo no período 26

27 Emissões Plain-vanilla Opções Exóticas Tipos de Opções Exóticas (cont.) Path independent options não depende do padrão de evolução do preço do activo ao longo da vida da opção. Exemplos: Binary options confere ao seu detentor o direito de receber, na maturidade, um valor fixo se a opção estiver in-the-money, ou zero, caso contrário; Chooseroptions permitem ao comprador o direito de na data de maturidade escolher entre a aquisição de uma call ou put; Poisonputoptions opções de venda normais, mas que sópodem ser exercidas se ocorrer um determinado evento; Compound options opções sobre opções. 27

28 Emissões Plain-vanilla Exemplo Retorno Valor Total 180% 160% 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% Pressupostos: Maturidade = 8 anos Volatilidade Implícita = 35% Taxas de Juro de Mercado = 5% Preço de Exercício da Opção = 20 Bullish Case Tempo para a maturidade Obrigação Opção Valor Total 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% Bearish Case Tempo para a maturidade Obrigação Opção 28

29 Emissões Plain-vanilla- Considerações A avaliação do produto estruturado é o resultado da soma da componente da obrigação e do derivado no início depende principalmente da obrigação; O nível de participação do produto no activo subjacente depende directamente dos seguintes factores: Nível de taxas de juro ditam o custo da garantia e o montante que lhe é afectado, influenciando o total de investimento no derivado; O custo da opção depende dos factores já enumerados anteriormente, dos quais se salienta, a volatilidade. Neste capítulo, note-se que o preço das opções é baseado na volatilidade esperada e não na histórica, tornando-as mais caras. O resultado da estrutura na maturidade não depende da evolução do preço do activo subjacente, mas sim da situação final. 29

30 Emissões CPPI- Funcionamento 30

31 Emissões CPPI- Funcionamento A estratégia CPPI não assume qualquer custo com a componente da opção exposição ao activo subjacente; A estratégia CPPI permite uma exposição de 100% no início do período de investimento; O custo da garantia evolui ao longo do tempo como uma obrigação de cupão zero; Se a performance do activo subjacente é negativa, o capital vai sendo retirado e realocado no instrumento que garante o capital (instrumento sem risco) reduzindo o potencial de retorno associado; Se o investimento no activo subjacente desvalorizar mais do que custaria adquirir a garantia de capital na maturidade, todo o capital é realocado no sentido do investimento sem risco deixando de ter qualquer exposição ao activo subjacente. Num cenário de valorização do activo subjacente, a alavancagem pode ser utilizada para aumentar o retorno do produto. 31

32 Emissões CPPI- Funcionamento 32

33 Emissões CPPI- Funcionamento 33

34 Emissões CPPI- Considerações Na estrutura CPPI, o nível de participação inicial não depende dos factores enumerados na emissão plain-vanilla: A garantia de capital não é realizada através de uma obrigação de cupão zero, mas simplesmente através do acompanhamento da sua evolução risco taxa de juro; Não investe em opções para ganhar exposição ao subjacente, logo não está dependente das divergências existentes entre volatilidade histórica e esperada; Nível de participação pode ser alavancado; Reduz os riscos da emissão plain-vanilla, mas adiciona um outro o resultado da estrutura na maturidade passa a depender da evolução do preço do activo subjacente. 34

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Produto Financeiro Complexo Um investimento responsável exige que conheça as

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Obrigações

Conceitos básicos de negociação em Obrigações Conceitos básicos de negociação em Obrigações N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Obrigação: título representativo de uma fração da dívida/passivo

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO AF- 1 ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO 1. TIPOS DE FINANCIAMENTO AF- 2 Introdução: Capital alheio Capital Próprio Títulos Híbridos Diferenças CA/CP: Tipo

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado A gestão de activos Ramo Vida Objectivos Política de investimentos; Tipos de risco; A gestão dos riscos financeiros dos fundos de pensões; Estratégias de gestão; Definição da performance da carteira; Conceito

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

OS CONTRATOS DE OPÇÃO

OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 FINANCIAMENTO POR MEIO DE INSTRUMENTOS HÍBRIDOS 2 OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 3 OS CONTRATOS DE OPÇÃO CALL OPTIONS: contratos de opção de compra PUT OPTIONS: contratos de opção de venda O VALOR DA OPÇÃO

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO 1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO Finanças II Ano Lectivo 2005/06 Turma TP1 Ricardo Valente 1 Introdução Decisões de financiamento Captação de fundos para financiar actividade corrente, projectos

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Academia de Warrants 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte 2 2. Inline Warrants 3. Como investir 1/281 Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. OPÇÕES SOBRE FOREX Contraparte:

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios 1 - O Banco de Portugal, nas condições definidas no presente Anexo,

Leia mais

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros 1 Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros Abertura de Posição: Operação inicial de investimento que expõe o investidor às consequências da variação do preço de um activo financeiro. O

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla)

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla) Academia de Warrants 2. Warrants (Plain Vanilla) 1. Warrants (Plain Vanilla) Sumário Executivo 1. Definição 2. Motivos para investir em Warrants 3. Valorização de Warrants 4. Estratégias 1 1. Warrants

Leia mais

Índice. Introdução 15

Índice. Introdução 15 Índice Introdução 15 Capítulo 1 OPÇÕES FINANCEIRAS E A MODERNA TEORIA DAS FINANÇAS 1. A moderna teoria das finanças e os derivados financeiros 17 2. Teorias de base da moderna teoria das finanças 19 3.

Leia mais

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO 1 O posicionamento perante o mercado de acções exige a construção de uma FILOSOFIA DE INVESTIMENTO; É esta que garante os princípios da coerência, consistência e disciplina essencial à obtenção de resultados

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA PEREIRA - FATEC BP REGINALDO DIAS GRUNWALD NETO - FATEC BP GUILHERME CAMARGO DE ANDRADE - FATEC BP RESUMO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Academia de Warrants. 5. ETFs

Academia de Warrants. 5. ETFs Academia de Warrants 5. ETFs ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo Activo 3. ComStage 4. Como negociar 1 1/28 ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo activo

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

As Letras Gregas. Exemplo. Posição Coberta e Descoberta. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE

As Letras Gregas. Exemplo. Posição Coberta e Descoberta. Prf. José Fajardo FGV-EBAPE As Prf. José Fajardo FGV-EBAPE Exemplo Um Banco há vendido por $300,000 uma Call Européia em 100.000 unidades de um ativo que não paga dividendos S 0 = 49, X = 50, r = 5%, σ = 20%, T = 20 semanas, µ =

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais Objectivo Enquadramento Internacional O SMI, O SME e o EURO Os Mercados Cambiais As Taxas de Câmbio João Cantiga Esteves Senior Partner 1 INVESTIMENTO

Leia mais

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar Opções Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Opção É um contrato que da o direito, mais não a obrigação de comprar ou vender um determinado ativo subjacente a um determinado preço Tipos de Opções Uma opção de compra

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

5 Avaliando Fundos de Investimento através de DEA

5 Avaliando Fundos de Investimento através de DEA 5 Avaliando Fundos de Investimento através de DEA Na literatura acadêmica apesar de cada vez mais as medidas de eficiência para fundos de investimento estarem no centro de grandes discussões nas últimas

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

M N F G e s t ã o d e A c t i v o s - S G F I M, S A

M N F G e s t ã o d e A c t i v o s - S G F I M, S A Prospecto Simplificado (Actualizado a 8 de Fevereiro de 2012) Fundo Especial de Aberto Strategic Diversified USD Fundo Especial de Aberto (Fundo autorizado pela CMVM em 8 de Fevereiro de 2011, sob o número

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 5 de Agosto de 2003 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados Comissão dos Assuntos Económicos e

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Exame 1ª Época 12.07.04 ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Duração: 3 horas CASO 1 (3x1.0= 3 valores) Responda (sucinta e objectivamente) a somente três das quatro questões seguintes: a)

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais