UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TICIANA MOSCARDINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TICIANA MOSCARDINI"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS TICIANA MOSCARDINI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II BARREIRAS E ALTERNATIVAS PARA O COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO E DAS INFORMAÇÕES, PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO NA EMPRESA META SERVIÇOS EM INFORMÁTICA São Leopoldo 2006

2 TICIANA MOSCARDINI BARREIRAS E ALTERNATIVAS PARA O COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO E DAS INFORMAÇÕES, PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO NA EMPRESA META SERVIÇOS EM INFORMÁTICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Unisinos como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas Orientador Prof Doutor Cláudio Reis Gonçalo SÃO LEOPOLDO 2006

3 AUITORIZAÇÃO PARA BANCA São Leopoldo, 06 de novembro de Considerando que o Trabalho de Conclusão de Curso da aluna Ticiana Nunes Moscardini encontra-se em condições de ser avaliado, recomendo sua apresentação oral e escrita para avaliação da Banca Examinadora, a ser constituída pela coordenação do Curso de Administração Habilitação Administração de Empresas. Professor Doutor Cláudio Reis Gonçalo

4 AGRADECIMENTOS Durante os três últimos semestres em que este trabalho vem sendo desenvolvido, pude contar com várias pessoas, que não só incentivaram, mas acreditaram que poderia ser um bom trabalho, devido ao tema, ao aproveitamento, a verdade que esta pesquisa apresenta, a minha dedicação e ao comprometimento que coloquei em cada página escrita. Uma das primeiras pessoas a agradecer é o professor Faggion, que na disciplina de TPA, incentivou muito o assunto que escolhi, valorizando o meu projeto. Agradeço a empresa Meta, principalmente aos diretores Claudio Carrara e Luciana Duque que não só permitiram que esta pesquisa fosse realizada na empresa, mas também contribuíram com muito apoio, e incentivo. Agradeço ao meu orientador Claudio Gonçalo, pelas inúmeras dicas e pelo aprendizado que tive durante nossas reuniões, e por acreditar que eu poderia fazer um bom trabalho de conclusão, porém através de muita dedicação. Acredito ter correspondido às expectativas. Agradeço ao meu namorado, pela grande compreensão com os muitos dias de ausência, em que estava me dedicando ao trabalho, e pelo apoio incondicional dispensado nestes dois últimos anos. Agradeço aos meus queridos pais, que construíram para mim alicerces muito fortes, com muito amor, zelo, comprometimento e ética, e é em cima destes alicerces, que hoje construo minha vida, e estou concluindo mais uma etapa, de várias que ainda virão. E por último agradeço a Deus, que permitiu que tantas pessoas dignas e especiais fizessem parte da minha vida, ajudassem a construir a minha história, e por sempre estar comigo, me dando força e coragem para enfrentar todos os obstáculos.

5 Podemos ser conhecedores com o conhecimento de outros, mas não podemos ser sábios com a sabedoria de outros. Michel de Montaigne

6 RESUMO Este trabalho busca identificar as alternativas e as barreiras para um projeto de compartilhamento do conhecimento e das informações na empresa Meta Serviços em Informática. Para o desenvolvimento desta pesquisa, buscou-se conceitos de gestão do conhecimento, que proporcionaram um maior entendimento das teorias, estudos e projetos já realizados sobre este assunto. O compartilhamento do conhecimento e das informações é um diferencial para as empresas de tecnologia da informação, como a Meta, que possui um mercado competitivo, sempre em busca de profissionais qualificados, que permaneçam e contribuam com a empresa de forma significativa e comprometida. A metodologia aplicada foi dividida em duas etapas, uma qualitativa envolvendo entrevistas, observações e análise de documentos na filial um da empresa, localizada na cidade de São Leopoldo - RS e outra quantitativa realizada através de questionários aplicados nas demais sedes da Meta e com os profissionais que estão alocados em clientes. Os resultados desta pesquisa apontam como barreiras para o compartilhamento do conhecimento e das informações: ferramentas de transferência do conhecimento, resistência dos colaboradores na busca de informações, alocação de profissionais em clientes e know-how. Como oportunidades, a pesquisa apresenta as seguintes alternativas: uso de softwares, auto-confiança, envolvimento das pessoas, motivação, reuniões e encontros informais, liderança e domínio dos conceitos de gestão do conhecimento. Palavras-chaves: Compartilhamento - Conhecimento - Barreiras - Alternativas

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Os Quatro Modos de Conversão do Conhecimento...29 Figura 2 Modelo do Capital Intelectual...32 Figura 3 Interações na espiral do conhecimento...35 Figura 4 Site Meta Serviços em Informática Ltda...59

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1Os Princípios da Organização do Conhecimento...26 Tabela 2 Dois Tipos de Conhecimento...28 Tabela3 Tabela Comparativa de Cases...50 Tabela4 Alternativas para o Compartilhamento do Conhecimento Tabela5 Barreiras para a Gestão do Conhecimento...54 Tabela6 Abrangência Geográfica...56 Tabela7 Principais áreas de atuação da empresa Meta Serviços em Informática Tabela8 Evolução do Faturamento Tabela9 Evolução da Lucratividade...58 Tabela10 Comparação entre as Ferramentas da empresa Meta...72 Tabela11 Dados das Entrevistas...74 Tabela12 Processo de Investigação das Entrevistas...75 Tabela13 Conceitos e Percepção de Gestão do Conhecimento...76 Tabela14 Alternativas Modelo Teórico de Pesquisa Proposto...97 Tabela15 Alternativas Modelo de Pesquisa Desenvolvido...97 Tabela16 Barreiras - Modelo Teórico de Pesquisa Proposto...98 Tabela17 Barreiras - Modelo de Pesquisa Desenvolvido...98 Tabela18 Análise dos Questionários...99 Tabela19 Participantes da Pesquisa por Área Tabela 20 Utilização de Ferramentas de Compartilhamento por Área Tabela 21 Administrativo Tabela 22Técnico Tabela 23Incentivo ao Registro de Informações Tabela24 Troca de Conhecimento em Reuniões...104

9 9 Tabela25 Envolvimento das Pessoas Tabela 26 Desempenho com a Troca de Pessoas na Equipe Tabela27 Identificar as Principais Áreas da Empresa Tabela28 Informações Institucionais Tabela29 Informações Sobre a Empresa Tabela 30 Conceitos de Gestão do Conhecimento Tabela31 Ações de Gestão do Conhecimento Tabela32 Alternativas e Barreiras Identificadas na Pesquisa...111

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13

11 Ferramentas de Compartilhamento das Informações disponíveis na empresa Meta New Age E-BUDGET RM HR-SMART Portal OI Call Room Baseline Comparativo entre as Ferramentas Etapa 1 - Pesquisa Exploratória Qualitativa Validação do Instrumento de Pesquisa Entrevistas em Profundidade Análise das entrevistas Alternativas Softwares Autoconfiança Motivar para compartilhar Reuniões e Encontros Informais Envolvimento das pessoas Liderança Barreiras Poder da informação Ferramentas de compartilhamento das informações Segurança das Informações Know How Resistência dos colaboradores Observação Administrativo: Gerentes Técnico Documentos Gestão de Contratos Tesouraria Controladoria Contabilidade Recrutamento e Seleção Fábrica de Software Modelo de Pesquisa Desenvolvido Etapa 2 - Pesquisa Exploratória Quantitativa Análise dos Softwares / Ferramentas de Compartilhamento Alternativa / Barreira Auto-confiança - Alternativa Motivar para compartilhar - Alternativa Reuniões e encontros Informais - Alternativa Envolvimento das Pessoas - Alternativa Liderança - Alternativa...106

12 Know How - Barreira Resistência dos colaboradores - Barreira Conceitos de Gestão do Conhecimento Nova Alternativa Alocação - Nova Barreira CONSIDERAÇÕES FINAIS Análise dos Resultados da Pesquisa Barreiras Gap da Gestão da Informação: Reprodução do Conhecimento Tácito Alternativas Gap da Gestão da Informação: Reprodução do Conhecimento Tácito Recomendações e sugestões Análise do Pesquisador Sugestão de Novos Projetos para a Empresa Projeto Integração Reestruturação do Portal OI Área de Integração Novos Estudos em Gestão do Conhecimento REFERÊNCIAS APÊNDICE 1 - Roteiro de Entrevista APÊNDICE 2 de Divulgação do Roteiro de Entrevista APÊNDICE 3 Quadro Perfil do Entrevistado APÊNDICE 4 Questionário APÊNDICE 5 de Apresentação do Questionário

13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização e Apresentação da Empresa A gestão do conhecimento, hoje, representa competitividade, e está diretamente ligada à capacidade da empresa em gerir seus ativos intangíveis suas competências internas e o compartilhamento do conhecimento organizacional. Falar em conhecimento, levantando pontos como o capital humano, competências, capital intelectual, tecnologia, entre outros, ainda não é compreensível, ou mesmo fácil diante da resistência de algumas empresas, que não sabem como abordar estes assuntos dentro da organização. As empresas hoje precisam ampliar sua visão em relação aos profissionais que possuem. Mas do que remuneração as pessoas buscam conhecimento, e este muitas vezes é intransferível, e cada vez mais as empresas precisam saber trabalhar esta dificuldade. As pessoas devem ser estimuladas a obter sempre mais conhecimento, e a empresa deve orientá-las como transferi-lo. A gestão do conhecimento já é uma realidade em empresas como a Siemens, Petrobrás e IBM, e todas trazem casos de sucesso com esta forma de gestão.

14 14 A Meta é uma empresa de consultoria em soluções em informática, responsável por vários projetos de Tecnologia da Informação (TI) em execução no País. Fundada em 1º de novembro de 1990, em uma época em que o mercado começava a se abrir para a economia mundial, e a mudança de paradigmas na área tecnológica já era uma necessidade, mas não uma realidade, a Meta surge para ocupar um espaço que ainda estava vago: desenvolvimento de software e consultoria em TI, com metodologia própria, de maneira competitiva, acompanhando as tendências do mercado. Já no seu primeiro ano, a Meta conquistou grandes clientes, afirmando sua competência no mercado de TI. No ano de 1993, a Meta tornou-se a primeira empresa brasileira a desenvolver em plataforma Windows. Em 1994, usou o banco de dados relacionais, aquisição do Progress e o ingresso no mercado de Outsourcing 1. Internamente alavancou o processo de informatização da empresa, através de sistemas de controle de operação. A Meta recebeu a certificação como Solution Provider e Partner da Microsoft 2 em Novamente destacou-se como pioneira, sendo a primeira empresa brasileira de TI a montar o conceito de fábrica de software em 1996, com metodologia de desenvolvimento próprio. Em 1997 a Meta entra no setor público fechando contratos com mais de horas de desenvolvimento, manutenção e controle dos sistemas da Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul (Procergs). Em 1999 veio à consolidação no mercado com a inauguração da Unidade São Paulo (SP). Durante o ano de 2000, a Meta direcionou seu foco na formação de equipes de coordenação, área comercial, informatização total da empresa, seleção de parceiros estratégicos e consolidação no mundo Web. Neste mesmo ano, no mês de julho, inaugurou a unidade Paraná em Curitiba. Seu primeiro projeto contava com 1 Outsourcing: Alocação de profissionais, acompanhamento de metodologia e responsabilidade pelo projeto que está sendo executado. 2 Solution Provider e Parth da Microsoft: Provedor de Soluções e parceiro da Microsoft

15 15 12 profissionais, sendo gerenciado remotamente pela sede de Porto alegre. Dentro da visão estratégica da empresa no final do ano de 2000, viu-se a necessidade de investir no mercado paranaense e começar o processo de estruturação da unidade. Desde a sua inauguração, a unidade Paraná triplicou o seu faturamento. A Meta entrou no projeto rumo ao Capability Maturity Model 3 (CMM)em 2001 e iniciou o desenvolvimento de sua metodologia aplicada ao serviço de consultoria em TI e consultoria em engenharia de software. Em dezembro de 2001 a Meta mudou-se para a sua sede no Pólo de Informática de São Leopoldo constituída numa área de m 2. Em 2002, a Meta estreitou ainda mais o relacionamento com a Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), participando de eventos que envolveram a comunidade acadêmica. Em março conquistou o prêmio de destaque tecnológico 2001, maior prêmio distribuído no Estado e em 2004 conquistou o Troféu da Associação das empresas brasileiras de tecnologia da informação software e internet, (Assespro) Contando com aproximadamente 500 colaboradores, e mais de 122 clientes, a Meta já efetuou cerca de horas em projetos, atuando em diversos estados como: Rio Grande do sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Bahia. Fora do Brasil a Meta atua em países como Estados Unidos, Bolívia, Portugal, França, Espanha, Inglaterra e Alemanha. Diante do seu rápido crescimento, a Meta precisa rever sua forma de gestão, levando em consideração, principalmente, seu capital humano, pois sendo uma empresa de TI, sua ferramenta fundamental é o conhecimento de seus colaboradores, e são estes que agregam valor no momento da venda de um serviço ao cliente. O mercado de TI é muito rotativo, onde os profissionais não permanecem muito tempo dentro de uma mesma organização, pois a grande maioria trabalha por projetos, e como consultores, dentro das grandes empresas de TI como a Meta. Esta 3 Capability Maturity Model: Avaliação dos processos, e da maturidade da metodologia aplicados no desenvolvimento de software. Equivalente a uma ISO de TI

16 16 forma de trabalho dificulta o vínculo entre profissional e empresa, e esta acaba perdendo parte de seu capital intelectual para o mercado. No mundo de TI, o conhecimento tem seu valor, e os profissionais cada vez mais se qualificam, e a cada certificação adquirida seu valor de mercado aumenta, de acordo com a tecnologia em que o mesmo está se especializando. As atenções na área administrativa, não são as mesmas da área técnica, por isso a necessidade de se estudar todos os setores da empresa. Grandes mudanças já foram realizadas, como a celetização de grande parte da equipe, onde estagiários são contratados apenas para apoio e aprendizado. A pesquisa identificará informações quanto a três pontos básicos da implementação da gestão do conhecimento na empresa Meta: o armazenamento, a aplicação e a distribuição do conhecimento em diferentes setores da empresa. A gestão do conhecimento poderá facilitar a empresa, fazendo com que esta conviva melhor com a substituição de pessoas em projetos fechados, pois estará aprendendo a gerir seus ativos intangíveis. A substituição de profissionais pode gerar prejuízos para a Meta. Sem a gestão do conhecimento, a empresa perde oportunidades de desenvolver novos negócios, e até mesmo de dar continuidade àqueles que já existem. 1.2 Definição do Problema As organizações devem estar mais atentas ao conhecimento que estas possuem dentro de casa, principalmente as empresas de TI, cujo maior ativo é o intangível, representado pelo conhecimento de seus colaboradores. A gestão do conhecimento já é uma realidade, e não um modismo, e deve ser encarada como um fator competitivo e de sucesso para a empresa. As informações que circulam dentro de uma empresa de TI, são numerosas e rápidas, sendo absorvidas por poucos dentro da organização. Com isto, surge a necessidade de se utilizar recursos que possibilitem o armazenamento e o compartilhamento do conhecimento e das

17 17 informações que estão dentro da empresa, muitas vezes, somente na mente de seus colaboradores. Uma empresa de TI tem por característica uma grande rotatividade de seus colaboradores, e isto se deve ao fato, de grande parte de seus contratos serem por projetos, com início, meio e fim. Ao final do projeto, os colaboradores se desligam da empresa em busca de novas oportunidades. Além do fator projeto, outro problema está na alta especialização dos profissionais de TI, em determinadas tecnologias, e quando saem da empresa, levam consigo este conhecimento, pois não existe incentivo para a transferência e registro, para que os demais membros da equipe possam ter acesso às mesmas informações, ou mesmo, compartilhem o mesmo conhecimento. Por outro lado existem aqueles especialistas que transferem seu conhecimento para outro profissional, passam dias treinando, mas este acaba se desligando da empresa por ter recebido uma proposta melhor, e isto é freqüente, pois ainda são poucos os profissionais de TI para a demanda existente em todo o Brasil, e este mercado é muito competitivo. Ainda devido a grande rotatividade que existe no mercado de TI, os profissionais não formam vínculo com a empresa, e este fato impede o compartilhamento das informações. Estes profissionais não costumam buscar mais informações sobre a empresa porque estão sempre analisando outras oportunidades que o mercado oferece diariamente. Diante disto, esta pesquisa será baseada na seguinte questão: Quais as barreiras e as alternativas existentes para a implementação de um projeto de compartilhamento do conhecimento e das informações, na empresa Meta Serviços e Informática?

18 Objetivos Objetivo Geral Identificar e analisar as barreiras existentes e propor alternativas para a implementação de um projeto de compartilhamento do conhecimento e das informações, na empresa Meta Serviços em Informática Objetivos Específicos Analisar como a informação é utilizada e compartilhada na empresa; Identificar as ferramentas existentes que possibilitem o compartilhamento do conhecimento; Propor as alternativas viáveis para o gerenciamento do conhecimento na Meta Serviços em Informática. 1.4 Justificativa Uma empresa de TI trabalha basicamente com o conhecimento de seus colaboradores, sendo estes os seus maiores ativos. A gestão do conhecimento possibilitará a administração destes ativos intangíveis, promovendo o compartilhamento dos conhecimentos adquiridos dentro da empresa, através de treinamentos, manuais, ferramentas, tecnologias, convívio interpessoal e registros de cada nova atividade, normas ou metodologia de trabalho que possa ser implantada.

19 19 A gestão do conhecimento também vai permitir que as informações estejam ao alcance de todos os profissionais em uma determinada área e não de poucos privilegiados que possuem acesso exclusivo e detém o "poder" da informação. Hoje as informações não são totalmente disseminadas e compartilhadas, a ponto de poucos conhecerem a importância de uma determinada área da empresa, por não saber exatamente sua função. A empresa possui sete ferramentas que possibilitam o compartilhamento do conhecimento, porém nem todos sabem utilizá-las, e quando utilizam, desconhecem grande parte de suas aplicações. A Meta está em constante crescimento, tanto de espaço físico, como de pessoas, porém a informação correta ainda não chega a todos os profissionais, principalmente os gerentes que têm grande responsabilidade na gestão de pessoas, de custos, dos orçamentos e das margens de cada projeto. Devido à falta de compartilhamento das informações, as áreas administrativas vêem seu trabalho triplicado, devido ao grande número de retrabalhos gerados pelos gerentes que desconhecem os processos internos da empresa. As informações precisam fluir desde o fechamento de contrato com funcionários, consultores ou clientes, passando pelos processos burocráticos de cada área responsável, pela manutenção das atividades técnicas, até chegar ao pagamento, faturamento e apuração dos resultados financeiros de cada projeto. A empresa necessita, e se interessa por este estudo, tanto, que já estão em andamento programas e projetos que visam à disseminação do conhecimento entre seus colaboradores, bem como, da administração dos seus ativos intangíveis, aprendendo como trabalhar com o conhecimento intrínseco de cada profissional, e também, daqueles adquiridos dentro da empresa. O conhecimento trazido pelos profissionais para a empresa, deverá ser analisado, pois muitos gerentes, principalmente, possuem grande experiência no mercado de TI, e podem contribuir com os processos já existentes, ou ainda, criar processos novos, que poderão facilitar o controle tanto de suas atividades como das demais áreas, e quando se desligam da empresa levam o conhecimento e informações em seu note book.

20 20 Na área técnica pode se destacar o conhecimento especializado de determinadas tecnologias, que os profissionais contribuem através dos seus certificados e experiências trazidas de outros projetos executados em outras organizações, e este em sua maioria trata-se de um conhecimento tácito, tornando difícil a transferência e a disseminação. A partir de uma análise, onde serão avaliadas as barreiras e as alternativas para um projeto de compartilhamento do conhecimento e das informações, a diretoria poderá avaliar a importância de sua implantação e quais os resultados que poderão ser alcançados, possibilitando um maior entendimento desta forma de gestão, e quais os benefícios gerados no final do processo. Após esta introdução o próximo capítulo apresenta a fundamentação teórica, estudando os principais conceitos de gestão do conhecimento. O capítulo três trata do método de pesquisa, o quatro traz a análise dos dados e, finalmente, o capítulo cinco apresenta as considerações finais desta pesquisa.

21 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo apresenta-se a fundamentação teórica, onde os conceitos de gestão do conhecimento serão desenvolvidos de modo a estruturar este projeto de pesquisa. 2.1 Gestão do Conhecimento A gestão do conhecimento começou a ser pauta nas empresas a partir da década de 1990, através de pesquisas de negócios que apontaram esta forma de gestão como fator competitivo, buscando entender melhor os trabalhadores pensativos e criativos. Bukowitz e Williams, (2002, p.17), definem gestão do conhecimento como:...processo pelo qual a organização gera riqueza, a partir do seu conhecimento ou capital intelectual. Deste modo, uma organização somente gera riqueza quando utiliza o conhecimento das pessoas para criar processos eficientes. (BUKOWITZ e WILLIAMS, 2002). A era do conhecimento vem juntamente com a tecnologia, e com a gestão da informação. No século passado vivia-se a era da Indústria, hoje se vive à era da informação, ou ainda, a era da integração digital e das redes, onde se permite que empresas multinacionais possam integrar seus milhares de colaboradores através da Internet, criando uma solução simples e barata. (TERRA, 2000). Por vezes a gestão do conhecimento é confundida com a gestão da informação, na verdade a primeira é conseqüência da segunda. O conhecimento tem validade quando é utilizado na tomada de decisões em ações, ou quando é aplicado na construção de um projeto. A informação existe em qualquer circunstância, já o conhecimento depende do ambiente cultural, seja de criação e vivência do indivíduo, seja o ambiente proporcionado pela empresa. A gestão da informação transforma os dados e os armazena nos sistemas de TI, e o conhecimento é a informação que ainda está dentro da mente do indivíduo. A gestão do conhecimento incorpora parte dos conceitos de gestão da informação, porém

22 22 gerir informação é diferente de gerir conhecimento, pois o primeiro preocupa-se com a tecnologia e a forma de disponibilizar as informações dentro do sistema, a gestão do conhecimento preocupa-se, além de registrar o conhecimento, com a criação e compartilhamento deste. (DAVENPORT, MACHAND e DICKSON, 2004). A tecnologia possui papel importante dentro da gestão do conhecimento, pois permite que as informações ganhem velocidade, estando ao alcance daqueles que necessitam acessá-las e facilitando a transferência de conhecimento. O conhecimento pode ser extraído por membros de um grupo, possibilitando que as informações sejam estruturadas e absorvidas por todos da organização. (DAVENPORT e PRUSAK, 1998). Segundo Terra (2000), existem sete dimensões gerenciais para a gestão do conhecimento; Alta administração - De onde partem as diretrizes e as definições para o aprendizado, deixando claras as estratégias dentro da organização. Cultura organizacional - Deve ter prioridade para alta administração, pois nela que estarão pontos importantes, como aprendizado contínuo, motivação e interação entre as áreas. Na cultura organizacional é onde o planejamento estratégico é desenvolvido, portanto, torna-se fundamental que todos os colaboradores tenham acesso e possam contribuir diretamente com sua execução. Novas estruturas organizacionais - Com a geração de novos conhecimentos tornam-se necessários novos métodos de aprendizagens dentro da organização. Política de administração de recursos humanos - Aqui está uma das partes mais importantes, que é a aquisição de conhecimento, e a administração deste, uma vez armazenado dentro da empresa. Responsabiliza-se pela administração das pessoas, mantendo suas habilidades, competências, a atraindo mais através de processos rígidos de seleção, buscando diferentes formas de conhecimento, de modo a agregar valor para a empresa.

23 23 Ampliação do conhecimento do indivíduo, através de treinamentos, planos de carreira e interações dentro e fora da empresa. Associar a aquisição de competências com a remuneração do indivíduo, motivando-o a buscar cada vez mais conhecimento e aperfeiçoamento na sua área. Sistemas de informação - São fundamentais para o armazenamento e acesso de informações, possibilitando que o conhecimento seja compartilhado. Mesmo com toda a tecnologia, todos os dados são imputados de forma individual, dependendo ainda do conhecimento tácito das pessoas. Mensuração de resultados - Aqui entra a preocupação com a avaliação do capital intelectual. Aprendizado com o ambiente - É o estreitamento de relacionamentos da empresa com outras empresas e com seus clientes. Já para Davenport e Prusak, (1998), a gestão do conhecimento possui os seguintes princípios; O conhecimento se origina da mente dos indivíduos; Para que o conhecimento seja compartilhado deve haver confiança; Novos comportamentos direcionados ao conhecimento, surgem com a tecnologia; A disseminação do conhecimento deve ser motivada e recompensada; Um projeto de gestão do conhecimento deve começar por um plano piloto; Pesquisas qualitativas e quantitativas devem ser utilizadas para avaliação de um programa de gestão do conhecimento; A criatividade está ligada ao conhecimento, e deve ser estimulada, como forma de desenvolvimento. A gestão do conhecimento proporciona benefícios significativos para as empresas que investem neste conceito. O primeiro benefício é a competitividade perante seus concorrentes, em segundo a lucrativida

24 24 por nichos de mercado, utilizando o know how de seus colaboradores para criar produtos e serviços específicos e lucrativos, alavancando ainda mais a criação e o compartilhamento do conhecimento dentro da organização. (DAVENPORT, MARCHAND e DICKSON, 2004) Gerenciando a Era do Conhecimento Com a gestão do conhecimento surgem novos cargos dentro na organização, como os chief knowledge officer (CKOs)

25 25 Explorar materiais úteis: o gestor deve estar sempre atento a informações úteis, sejam elas dentro ou fora da organização; Orientar membros da comunidade para outras fontes valiosas: o gestor deve direcionar os membros da comunidade para informações importantes que já estejam registradas no sistema; Estabelecer uma rede na comunidade: o gestor do conhecimento deve conhecer a comunidade, ele precisa desenvolver o relacionamento com outros profissionais especialistas, pois poderão ajudar nas dúvidas dos demais colaboradores. Para estreitar o relacionamento é importante haver encontros ou reuniões físicas. Sveiby, (1998), diz que os gerentes devem se preparar para a Era do conhecimento, pois na era industrial a forma de liderar resumia-se em mandar o operário cumprir as atividades sem questionar, porque para ele, o chefe sempre sabia mais e conhecia melhor o processo. Gerenciar o conhecimento é admitir que sua equipe possa conhecer melhor o processo, ter mais experiência em uma determinada atividade. O trabalhador do conhecimento tem um alto nível de escolaridade e não se preocupa com o seu gerente, ele se preocupa como seus colegas que estão analisando seu trabalho. O mundo do conhecimento representa um desafio para os gerentes, que terão que esquecer o que diz a teoria clássica, e embarcar na sociedade da informação, e do conhecimento. Os trabalhadores do conhecimento conhecem a empresa onde trabalham, conhecem seus clientes, fornecedores e participam de redes informais, e isto garante a eles o poder da informação, é neste ponto que os gerentes devem atuar de modo a incentivar o compartilhamento destas informações entre os demais membros da equipe. (SVEIBY, 1998). Para entender melhor as diferenças, abaixo, Sveiby, (1998), apresenta uma tabela comparando os paradigmas da Indústria e os paradigmas do conhecimento.

26 26 Tabela1 Os Princípios da Organização do Conhecimento Item Pessoas Base de poder dos gerentes Luta de Poder Principal tarefa da Gerência Visto pelo paradigma industrial, ou de uma perspectiva industrial Geradoras de custo ou recursos Nível relativo na hierarquia organizacional Trabalhadores físicos versos capitalistas Supervisão de subordinados Visto pelo paradigma do conhecimento, ou de uma perspectiva do conhecimento Geradores de receita Nível relativo de conhecimento Trabalhadores do Conhecimento versos gerentes Apoio aos colegas Informação Produção Fluxo de informações Forma básica de receita Estrangulamento na produção Manifestação da produção Fluxo de produção Efeito do porte Relacionamento com os clientes Conhecimento Instrumento de controle Trabalhadores físicos processando recursos físicos para criar produtos tangíveis Via hierarquia organizacional Tangível (dinheiro) Capital financeiro e habildiades humanas Produtos tangíveis (hardware) Regido pela máquina sequencial Economia de escala no processo de produção Unilateral pelos mercados Uma ferramenta ou um recursos entre outros Ferramenta para o recurso da comunicação Trabalhadores do conhecimento convertendo conhecimento e, estruturas intangíveis Via redes colegiadas Intangível (aprendizado, novas idéias, novos clientes, P&D) Tempo e conhecimento Estruturas intangíveis (conceitos e software) Regido pelas idéias, caótico Ecomomia de escopo nas redes Interativo pelas redes pessoais O foco empresarial Finalidade do aprendizado Aplicação de novas ferramentas Criação de novos ativos Valores do mercado acionário Regidos pelos ativos tangíveis Regidos pelos ativos intagíveis Economia De redução de custos De aumento e redução de lucros Fonte: adaptado de Sveiby, (1998,p.32) Bukowitz e Williams, (2002), também mencionam o coordenador do conhecimento, cujas atividades são diferentes do gestor do conhecimento, pois são de caráter administrativo e operacional: Catalogar o conteúdo: as informações devem ser registradas em um sistema on-line;

27 27 Manter a oportunidade: manter os registros atualizados, responsabilizando-se pela remoção dos mais antigos; Confirmar a precisão dos perfis dos membros: atualização dos dados pessoa dos membros da comunidade; Dar acesso: fornecer senhas para a participação de novos membros; Auxiliar os novos usuários: auxiliar os novos membros a utilizar a ferramenta de compartilhamento das informações; Responder às interrogações dos membros: o coordenador é o ponto de referência para as questões da comunidade Os Tipos de Conhecimentos A criação do conhecimento pode ser dividida em duas dimensões: ontológica e epistemológica. A ontológica diz que o indivíduo é quem cria o conhecimento, e que a organização apenas proporciona condições para este desenvolvimento. A dimensão epistemológica é divida em conhecimento tácito e explícito. O tácito é pessoal, dificilmente pode ser transferido, e o explícito pode ser disseminado e compartilhado. (NONAKA e TAKEUCHI,1997). O cientista, convertido a filósofo, Michel Polanyi, (apud TERRA, 2000) diz a seguinte frase: "We can know more than we can tell". O conhecimento tácito ou inconsciente significa que sabemos muito mais do que aquilo que podemos falar. Cada indivíduo desenvolve seu conhecimento de acordo com seus conceitos, e com suas experiências, não sendo algo absoluto, que possa ser explicado, mas sim, construído, adaptado de forma que se interprete conforme sua linguagem pessoal. O conhecimento tácito é uma base para outra dimensão do conhecimento; o conhecimento de foco, auxiliando na sua realização, ou seja, naquilo que está sendo focalizado. (SVEIBY, 1998) Já na visão de Nonaka e Takeuchi (1997), conhecimento tácito envolve duas dimensões: uma técnica - como know-how, e outra cognitiva, envolvendo modelos

28 28 mentais crenças e percepções. Referem-se aos insights, intuições e idéias, valores, emoções, imagens e símbolos. Estes autores também apresentam duas visões do conhecimento, onde os ocidentais afirmam que o conhecimento só é válido quando o mesmo puder ser registrado, formalizado e explícito a todos. Já para os orientais o conhecimento tácito possui grande importância na execução das atividades, pois se baseia, principalmente, na intuição e nas emoções, trazendo também experiências adquiridas ao longo da vida profissional do indivíduo, em outras organizações e com outras pessoas. Conforme diz Davenport e Prusak, (1998), o conhecimento tácito é desenvolvido e interiorizado, sendo quase impossível de reproduzi-lo em documentos, ou seja, não podem ser representados fora da mente humana. Quando o conhecimento tácito é amplamente utilizado, torna-se complicado a substituição de um profissional, seja por motivo de férias, ausência ou desligamento da empresa. O conhecimento explícito é aquele que pode ser transferido e reproduzido com facilidade, está ligado a acontecimentos e fatos que ocorreram e que são do conhecimento de todos. Este conhecimento pode ser transferido através de documentos, redes de comunicação, conversas, reuniões, representam à forma mais fácil de criação e compartilhamento do conhecimento. (NONAKA E TAKEUCHI 1997). Estas duas dimensões do conhecimento podem ser explicadas através da seguinte tabela: Tabela2 Dois Tipos de Conhecimento Conhecimento Tácito ( Subjetivo) Conhecimento da Experiência (corpo) Conhecimento Simultâneo (aqui e agora) Conhecimento Explícito ( Objetivo) Conhecimento da Racionalidade (mente) Conhecimento Seqüencial (lá e então) Conhecimento Análogo Conhecimento Digital (prática) (teoria) Fonte: Nonaka e Takeuchi, (1997, p.67). Na figura abaixo, Nonaka e Takeuchi (1997), também propõem um quadro de conversão do conhecimento:

29 29 Para Conhecimento Tácito Conhecimento Explícito Conhecimento Tácito Socialização Exteriorização DE Conhecimento Explícito Interiorização Combinação Figura 1 Os Quatro Modos de Conversão do Conhecimento Fonte: Nonaka e Takeuchi, (1997, p.69). A socialização está ligada à cultura organizacional do grupo é um compartilhamento de experiências, onde o conhecimento pode ser adquirido sem o uso da linguagem. A combinação é ligada ao processamento de informações e consiste na junção de diferentes tipos de conhecimento explícito. Esta troca de conhecimento pode ocorrer através de documentos, reuniões, conversas, telefonemas, ou redes de comunicação. A internalização trata do aprendizado organizacional, trata-se de agregar o conhecimento explícito ao conhecimento tácito e representa diretamente a expressão "aprender fazendo". A externalização é quando o conhecimento tácito torna-se explícito, e é expresso através da linguagem, ou seja, provocado por diálogos. Diante dos conceitos apontados pelos autores citados, pode-se afirmar que o conhecimento tácito é a base para o conhecimento do indivíduo, trazendo suas experiências de vida, e contribuindo para a absorção de novos conhecimentos, seja pela semelhança ou pelo contraste aos já adquiridos Ativo Intangível Fala-se hoje em ativo intangível como aquele valor que não aparece nos balanços contábeis, mas que tem um grande valor no mercado. O ativo intangível

30 30 também se refere ao conhecimento, agregando valor, pelo alto nível de especialização que este apresenta. Segundo Sveiby (1998), as ações da Microsoft, são exemplos do valor de um ativo intangível. Nos seus balanços suas ações estão a um valor, mas no mercado, estas mesmas ações valem 10 vezes mais. Isto se deve ao alto nível de tecnologia que a Microsoft apresenta, juntamente com todo o conhecimento que é incorporado a estas tecnologias. Os ativos intangíveis não são incorporados na contabilidade, pois seus valores não podem ser negociados nas transações comerciais, mas para o mercado de ações, cada certificado obtido entra no patrimônio. Sveiby (1998) apresenta os três tipos de ativos intangíveis: Competência do Funcionário: embora a competência do profissional seja algo particular, a empresa pode utilizá-la como um ativo intangível, devido à fidelidade do funcionário, que está voluntariamente na empresa, e pela recompensa que este recebe pelo trabalho executado. A competência é considerada por Sveiby, como o mais importante dos ativos intangíveis. Estrutura interna: chama-se de estrutura interna todas as patentes, sistemas administrativos e de computadores, criados pelos funcionários ou adquiridos pela empresa. Estrutura Externa; é o relacionamento entre clientes e fornecedores, assim como, as marca registradas e a imagem da empresa. Em relação ao ativo intangível, dentro de empresas do conhecimento, Sveiby (1998, p.23), diz o seguinte: A maioria dos funcionários das empresas são profissionais altamente qualificados e com alto nível de escolaridade - isto é, são trabalhadores do conhecimento. Seu trabalho consiste, em grande parte, em converter informação em conhecimento, na maioria das vezes utilizando suas próprias competências, às vezes com o auxílio de fornecedores de informações ou de conhecimento especializado. Essas empresas possuem poucos ativos tangíveis. Seus ativos intangíveis são muito mais valiosos do que seus ativos tangíveis.

31 31 Os investimentos em ativos intangíveis são vistos, muitas vezes, pelas empresas como custo, pois não aparece em seus balanços como um bem. Pesquisas, um novo segmento de mercado ou registro de patentes, podem gerar custos em curto prazo, tornando o fluxo de caixa negativo, mas podem trazer lucratividade em longo prazo. (SVEIBY, 1998). Sob a visão de Bukowitz e Williams, (2002), o conhecimento só será considerado um ativo, quando este for externalizado e compartilhado com a organização, mas enquanto estiver na mente das pessoas, não será considerado um ativo Capital Intelectual Bukowits e Willians, (2002), definem o capital intelectual através de três aspectos ligados ao valor de cada tipo de capital que possui a empresa: O Capital Humano proporciona a solução das necessidades do cliente através das capacidades de cada indivíduo dentro das equipes. O Capital do Cliente é o valor que o cliente percebe em relação à customização de suas necessidades, e representa o relacionamento com a empresa. O Capital Organizacional é composto pelo conhecimento codificado, refletindo nos processos de negócios, na cultura, nos valores e na infra-estrutura da empresa. Permanece na empresa, mesmo quando as pessoas não estão mais. O Capital Intelectual é a relação que existe entre o capital humano, o capital do cliente e o capital organizacional, maximizando a criação de valor da empresa tanto com o cliente como para a própria organização. Representa também uma forma de riqueza não material. A figura abaixo apresenta os tipos de capitais. O fluxo do conhecimento, representado pelas linhas pontilhadas, é a ligação entre os capitais, quanto mais alinhados forem, melhor será o gerenciamento deste fluxo, e a criação de valor. Por

32 32 vezes as empresas acabam destruindo a capacidade destes três capitais, justamente por não integrá-los através do fluxo do conhecimento. Os três tipos de capitais da empresa podem ser representados pela figura abaixo: Figura 2 Modelo do Capital Intelectual Fonte: Bukowitz e William, (2002, p.237). 2.2 Criação do Conhecimento Nas próximas subseções serão apresentados os principais conceitos de criação do conhecimento Aprendizado Organizacional A aprendizagem organizacional é considerada o ponto chave para tornar uma empresa competitiva, e é a sua fonte de renovação estratégica. Para existir uma renovação estratégica, o aprendizado não deve ser somente individual ou em grupo,

33 33 mas deve obedecer a um único objetivo interno de melhoria contínua dentro da empresa, buscando a melhoria dos processos. Dentro deste contexto, devem ser estabelecidas estruturas de trabalho, onde as ações e o aprendizado deverão ser descritas. (CROSSAN, LANE, WHITE, 1999). O aprendizado organizacional é um processo de mudança, onde empresa e funcionários precisam se adaptar, tendo como base as experiências anteriores. Nonaka e Takeuchi (1997), através de estudos sobre aprendizado organizacional, citam cinco formas de desenvolver uma organização que aprende: raciocínio sistêmico, domínio pessoal, modelos mentais, visão compartilhada e aprendizado em equipe. Estes cinco itens devem interagir entre si, pois somente assim haverá uma interpretação da informação, desenvolvendo, deste modo, o aprendizado organizacional. As cinco disciplinas citadas por Nonaka e Takeuchi (1997), foram elaboradas por Senge (1990), que as define como: Objetivo Comum: um esforço em equipe de longo prazo; Modelos Mentais: para mudar a visão atual em relação ao mundo; Aprendizado em Grupo: para uma visão ampla, além das perspectivas pessoais; Domínio Pessoal: Para que as pessoas tenham um objetivo, e como isto pode afetar o mundo; Raciocínio Sistêmico: quando os indivíduos conseguem enxergar não só a si mesmos, mas ao mundo. Quando conseguem unir as outras quatro disciplinas. Terra (2000), fala sobre as redes de aprendizado, onde o trabalho em equipe proporciona a criatividade, facilita a compreensão e promove líderes na empresa e / ou nos grupos. As redes de aprendizado não focam somente a estrutura interna, mas atravessam as fronteiras organizacionais, interagindo com membros de outras equipes, e estes indivíduos são unidos através de um mesmo objetivo: o aprendizado e desenvolvimento organizacional.

34 34 Terra (2000), também defende o uso de tecnologia da Informação como forma de aprendizado organizacional, pois é possível registrar, codificar, disseminar e armazenar o conhecimento, com agilidade e facilidade no acesso das informações. Apesar de o termo equipe ser muito mencionado pelas empresas, seu real objetivo não é compreendido. Terra (2000) estabelece a diferença nas atividades entre os chamados grupos de trabalhos, e as equipes. Grupos de Trabalho, participantes de projetos Os membros são selecionados por um nível hierárquico superior Equipes Os membros podem vir a participar da definição dos membros da equipe. A liderança está muito bem formalizada Os objetivos para sua existência como Unidade de trabalho são definidos por níveis superiores ou pela liderança formal. Os membros encontram-se em situação de conflito que não são capazes de resolver sem a intervenção da liderança formal. A comunicação é limitada às necessidades das tarefas e atividades O desenvolvimento de relações pessoais e de amizade entre os membros do grupo é irrelevante Quadro1 Comparação de Grupos de Trabalho e Equipes Fonte: adaptado de Terra (2000, p.124). A liderança pode oscilar baseada na competência específica. Os membros da equipe participam ativamente na definição de seus próprios objetivos. Os membros encaram conflitos como aspectos normais da interação e como oportunidades para novas idéias e expansão da criatividade. Eles trabalham para resolver conflitos rápida e construtivamente. A comunicação tende a ser ampla incluindo também assuntos que não estão diretamente relacionados à tarefa ou ao projeto de trabalho Os membros da equipe são unidos não apenas pelos objetivos profissionais, mas, em muitos casos, desenvolvem relações pessoais bem abertas e de amizade As cinco fases de criação do conhecimento Para Nonaka e Takeuchi, (1997), a criação do conhecimento ocorre por meio de cinco fases. O compartilhamento do conhecimento tácito: não é fácil compartilhar o conhecimento tácito, e diante desta dificuldade, esta se torna a fase mais crítica da criação do conhecimento. Para compartilhar o conhecimento tácito, é necessário

35 35 criar um campo de interação, onde os indivíduos de diferentes departamentos da mesma organização possam dialogar trocar experiências, idéias, e trabalhar juntos com um objetivo comum a todos. Esta fase representa a socialização. A criação do conhecimento: nesta fase ocorre a interação entre conhecimento tácito e explícito. O compartilhamento do conhecimento ocorre através de diálogos contínuos. Neste processo, a conversão do conhecimento tácito para explícito é facilitada por métodos de raciocínio, e a cooperação é estimulada por meio de diálogos. Na segunda fase existe a redundância de informações, o que permite aos indivíduos absorverem melhor o conhecimento expresso. A justificativa de conceitos: expressa e justifica a importância dos novos conhecimentos, avalia seu contexto, e verifica se está mantendo a cultura dentro da organização. Nesta fase podem ser utilizadas ferramentas que mensuram resultados e indicadores, sejam financeiros, econômicos ou de produtividade. A construção de um arquétipo: o conceito depois de justificado passa a ser concreto, ou um arquétipo. Considera-se arquétipo um protótipo, de um processo ou produto inovador na organização. A construção de um protótipo envolve reuniões de pessoas conhecedoras do assunto e de diferentes departamentos, que juntas compartilham idéias e conhecimentos para o mesmo objetivo. A difusão interativa do conhecimento; depois de justificado e construído o arquétipo, tratando-se de um novo conhecimento, precisa ser compartilhado com os demais membros da organização e iniciar um novo ciclo de criação, formando o chamado espiral do conhecimento. Interações Face a Face Interações Virtuais Interações Individuais CONCEPÇÃO Compartilhamento do conhecimento tácito entre os indivíduos INTERNALIZAÇÃO Reconversão do novo conhecimento explícito em conhecimento tácito Interações Coletivas INTERLOCUÇÃO Promoção de conversas em grupo para a formação de conceitos DOCUMENTAÇÃO Conversão do conhecimento em formas explícitas Figura 3 Interações na espiral do conhecimento Fonte: Krogh, Ichijo e Nonaka, (2001, p.220).

36 36 O objetivo da figura acima é mostrar a coesão entre as interações. As interações de concepção representam a forma como as pessoas compartilham seus sentimentos, mediante o relacionamento face a face. As interações de interlocução permitem o compartilhamento de modelos mentais e habilidades de cada indivíduo dentro do grupo. As interações de documentação podem ser coletivas e individuais, pois os documentos representam uma forma explícita de disseminação do conhecimento. E por fim, a internalização é individual e virtual, ou seja, ao consultar documentos, normas, vídeos, o indivíduo passa a absorver aquele conhecimento referente à empresa. (KROGH, ICHIJO e NONAKA, 2001). 2.3 O Compartilhamento do Conhecimento Antes de falar de conhecimento é importante diferenciá-lo de informação. Informação é um dado relacionado com outros e que produz uma explicação um contexto e que dá significado a alguma coisa. Conhecimento está ligado às crenças, valores e visões e é produzido espontaneamente. (KROG, ICHIJO e NONAKA, 2001). Sveiby, (1998) diz que a informação é comunicação, sendo deste modo, o melhor canal para transmissão do conhecimento, pois é um meio rápido e seguro. Para Davenport e Prusak, (1998), o sucesso ou o fracasso de uma empresa depende de saber utilizar no momento correto um dado, uma informação ou um conhecimento, e o que fazer com cada um deles, pois estes três elementos são fundamentais quando se trabalha com gestão do conhecimento. Estes autores definem dados como registros e fatos distintos, geralmente quantitativos, mas que não revelam uma interpretação ou probabilidade. A informação é uma comunicação, permitindo dar um significado ao dado, fazendo a diferença no momento da interpretação de um fato. O conhecimento está próximo da ação, e é utilizado para a tomada de decisões. Nonaka e Takeuchi (1997, p.33), falam que para os japoneses "conhecimento significa sabedoria adquirida a partir da perspectiva da personalidade como um

37 37 todo." Para eles o conhecimento também representa uma crença e um compromisso e está ligado á uma ação. E a informação contribui com a interpretação de um fato, permitindo uma nova visão para os acontecimentos e construindo o conhecimento. (NONAKA e TAKEUCHI, 1997). Para Nonaka e Takeuchi (1997), a informação pode ser vista sob duas perspectivas: a) informação Sintática: quando a informação é medida sem representar um significado específico; b) informação Semântica: esta contribui para a criação do conhecimento, atribuindo significado para as ações. O conhecimento pode assumir três aspectos distintos, segundo Krogh, Ichijo e Nonaka (2001): a) o primeiro refere-se a crença verdadeira e justificada, onde, através das observações e percepções do mundo, o indivíduo constrói seus valores e suas crenças, e a criação do conhecimento existe a partir da realidade vivida por cada pessoa; b) o conhecimento é explícito e tácito: explícito quando pode ser transferido facilmente, através de documentos ou desenhos, tácito quando existe maior dificuldade em compartilhar; c) a eficácia da criação do conhecimento depende de um contexto capacitante onde fomenta-se os novos relacionamentos O compartilhamento do conhecimento pode ocorrer pela simples interação das pessoas na organização como também através de sistemas de informação que exigem certo investimento em tecnologia. Empresas como a Microsoft, valorizam tanto o contato humano quanto o uso da tecnologia como forma de transferência do conhecimento. (TERRA, 2000).

Barreiras e Alternativas para o Compartilhamento do Conhecimento e das Informações: o caso de uma empresa do setor de T.I.

Barreiras e Alternativas para o Compartilhamento do Conhecimento e das Informações: o caso de uma empresa do setor de T.I. Moscardini, T. ; GONÇALO, C. ; ZANLUCH, João Batista. Barreiras e Alternativas para o Compartilhamento do Conhecimento e das Informações: o caso de uma empresa do setor de T.I.. In: XIV Simpósio de Engenharia

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Gestão do Conhecimento na prática The Stocker Group S.A. La Concepción 177, Of. 11A Providencia Santiago - Chile Tel: (56-2) 8920220 The Stocker Group Perú SAC Pasaje Mártir Olaya 129, Oficina 1203 Centro

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Anderson Yanzer Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Dimensões da GC Como pensar GC no processo de desenvolvimento de SW Conhecimento Tácito x Explícito Ágil x Tradicional

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES A EMPRESA LOUPE CONSULTORIA EM RH ESPECIALIZADA EM GESTÃO DE PESSOAS A Loupe Consultoria

Leia mais