MANUAL DO ALUNO. Apresentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO ALUNO. Apresentação"

Transcrição

1 MANUAL DO ALUNO Apresentação Há mais de 8 anos, visando o aperfeiçoamento do aluno e sua inserção no mercado de trabalho, o Instituto Educacional Máris Célis garante ensino de qualidade e oferece os seguintes cursos: Cursos Técnicos em Eletrônica, Mineração, Segurança do Trabalho, Administração e Informática. A evolução constante e o comprometimento da instituição com a formação do aluno têm o reconhecimento do mercado, que busca na instituição, estagiários e profissionais para ocupar posições que exijam alto nível de qualificação. O Manual do Aluno Este documento tem como objetivo facilitar a compreensão dos procedimentos escolares a serem adotados por nossos alunos. Procedimentos estes, previstos no Regimento Escolar, que em caso de dúvidas, deve ser considerado como documento legal oficial da instituição. Atendimento ao Aluno Caso o aluno ainda necessite algum esclarecimento, ele pode entrar em contato com a Central de Atendimento e Apoio Pedagógico. Este contato pode ser realizado presencialmente ou por , (vide abaixo horário de atendimento). Horário de Atendimento Atendimento Presencial: segunda a sexta-feira, das 08:00h às 23:00h. Atendimento virtual: Telefone: (35) SAE - Serviço de Atendimento Educacional O Serviço de Atendimento Educacional é desenvolvido em colaboração com a coordenação pedagógica, os apoios pedagógicos, professores e família, com o objetivo de promover condições de ajustamento do aluno ao ambiente escolar. Atendimento 08:00h às 12:00h / 17h00 às 23:00h 2012 Infra-estrutura Biblioteca A Instituição conta com uma biblioteca que tem como objetivo reunir, armazenar e disseminar informações, prestar serviços de auto-atendimento, acesso ao material digital, orientação de pesquisas bibliográficas. O acervo da biblioteca é atualizado e ampliado sempre que necessário, sendo composto de livros especializados nas áreas de atuação dos cursos oferecidos pela instituição e destina-se especialmente aos professores e alunos. 1

2 Para facilitar e agilizar a pesquisa, possui computadores para consultas, e oferece infraestrutura de apoio ao estudo, acesso à Internet e instalações adequadas para o estudo individualizado. A utilização da biblioteca está condicionada às regras estabelecidas por regulamento. (Anexo I página 08). Os empréstimos serão efetuados mediante a apresentação da carteira de identidade ou outro documento com foto, com prazo de 7 dias para devolução, sendo após esse prazo cobrado multa de R$1,50 por dia de atraso. Catraca de Acesso ao IEMC O controle de acesso refere-se às atividades de recepção, verificação de identidade, autorização, circulação e permanência de alunos/professores/colaboradores e visitantes nas instalações do IEMC. O acesso a escola deverá rigorosamente ser feito através da catraca. Na falta do funcionamento da catraca o portão lateral será liberado. Os horários permitidos aos acessos são: MATUTINO DAS 07:00 AS 07:30 Após intervalo DAS 9:40 AS 10:05 NOTURNO: DAS 18:30 AS 19:30 Após Intervalo DAS 21:15 AS 21:35 Obs.: Aos alunos que precisarem chegar fora do horário estabelecido, deverão encaminhar documento comprobatório e ser autorizado pela direção/coordenação pedagógica. Laboratórios O IEMC conta com laboratórios de: informática com equipamentos, computadores e softwares; eletrônica, segurança do trabalho e mineração. Sua utilização está condicionada às regras estabelecidas por regulamento. (Anexo II página 11). As atividades práticas dos Cursos Técnicos são desenvolvidas em laboratórios específicos para cada plataforma de estudos, permitindo a aplicação prática dos conceitos desenvolvidos. A utilização dos laboratórios e demais salas está condicionada às regras estabelecidas por regulamento, disponível no próprio laboratório, que deve ser do conhecimento prévio de todos aqueles que dele desejam fazer uso. Política de Acesso aos Recursos Computacionais Utilização O aluno é responsável pelo equipamento que esteja utilizando, e deve mantê-lo em perfeitas condições de uso, na forma como encontrou. Caso exista algum problema, o aluno deverá comunicar ao professor que tomará as devidas providências. É vetado ao aluno: Instalar ou remover periféricos do computador. Instalar ou remover softwares de qualquer gênero. Utilizar equipamento para jogos on-line ou jogos instalados na máquina. Mudar equipamentos ou periféricos de lugar. Alterar as tensões de energia dos equipamentos. Com o intuito de garantir o bom funcionamento da internet é proibido: Acessar sites de conteúdo erótico e pornográfico. Sites de Hacker s. Salas de bate-papos. Comunidades virtuais (Ex: Orkut). Utilizar programas de downloads de arquivos Utilização de serviços de streaming, tais como rádios on-line, sites de vídeos. Baixar filmes ou mp3. Acessar sites de Jogos. Acesso ao MSN, Skype ou softwares para comunicação on-line. Rede WiFi Rede sem fio Caso o aluno tenha um dispositivo móvel com tecnologia WiFi, não poderá ter acesso ao mesmo, por se tratar de uso exclusivo dos profissionais do IEMC. Internet (sala de pesquisa) A internet é uma ferramenta de apoio, por isso o aluno pode acessá-la no laboratório de pesquisas, durante 30 minutos, através de agendamento no SAE com antecedência mínima de 24h e que este horário seja diferente do período das aulas do curso. Todo acesso é monitorado e serão enviados relatórios para análise sobre a segurança de sites acessados regularmente, para a direção da escola. Sala de Estudo O acesso aos recursos da sala de estudo será feito mediante a apresentação de documento de identificação que comprove a situação do aluno no Instituto. É proibido o uso de jogos na sala de estudo. Manutenção Toda a manutenção ou alteração de equipamentos e periféricos deverá ser feita pelos técnicos do IEMC. As solicitações de novos softwares deverão ser encaminhadas para análise do departamento de Coordenação e/ou Diretoria Administrativa para avaliação. Caso algum equipamento precise de manutenção, comunique ao professor ou a coordenação pedagógica. Carteirinha de Estudante Todos os alunos inscritos nos cursos técnicos do Instituto Educacional Máris Célis poderão fazer o pedido junto ao SAE. A carteirinha de estudante terá um valor de R$10,00, que 2

3 deverá ser pago pelo respectivo aluno junto à tesouraria. Em caso de perda ou extravio será necessário solicitar uma nova carteirinha, via protocolo junto ao SAE, de acordo com os procedimentos internos do IEMC e será cobrada uma taxa de R$10,00 para emissão da 2ª via e deverá ser pago na tesouraria, logo após a solicitação do protocolo. Emissão de Declarações Cursos Cursos Técnicos Quem poderá matricular? Quem já concluiu o ensino médio ou quem estiver matriculado e freqüentando o 2ª ou o 3ª série do ensino médio. Cursos Técnicos Quando estagiar? A experiência prática está presente desde o primeiro modulo do curso, e o estágio tem como objetivo aplicar na prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula e desenvolver competências. Eletrônica Prepara o aluno para atuar: - em atividades referentes à instalação, operação e desenvolvimento de projetos de sistemas eletroeletrônicos com ênfase em Automação Industrial e Telecomunicações. Também pode executar ações de treinamento e suporte técnico e coordenar equipes de trabalho. Informática Preparar o aluno para atuar: - em atividades de desenvolvimento e aplicações de hardware e software em diversos tipos de linguagens de programação e banco de dados, atuando também na implantação, operação e manutenção de equipamentos de informática e serviços de redes de computadores. Administração O curso Técnico em Administração tem por objetivo formar profissionais capazes de transformar as teorias e práticas vistas nos componentes curriculares, em soluções que possam melhorar e aumentar a produtividade das organizações através dos conteúdos construídos no curso. É perfeito para quem está começando e para quem já está no mercado querendo crescer, desenvolvendo suas competências profissionais e conquistando cargos mais altos ou novos empreendimentos profissionais. Segurança do Trabalho O Técnico em Segurança do Trabalho é o profissional que atua colaborando para o gerenciamento preventivo de riscos existentes nos ambientes de trabalho, desenvolve ações para promover melhorias, garantindo a segurança e prevenindo acidentes. É o profissional responsável pelo processo de investigação e adequação de procedimentos para a execução de tarefas e atividades numa empresa. Mineração O Curso Técnico em Mineração habilita o aluno trabalhar em MINERAÇÕES, sendo um profissional capaz de desenvolver atividades de prospecção e avaliação de depósitos de jazidas e planejamento das etapas de sua preparação, extração, beneficiamento, operações de transporte e armazenamento, operações auxiliares, técnicas de segurança na mina e nas etapas de beneficiamentos, tratamento e disposição dos resíduos, controle e mitigação dos impactos ambientais, recuperação de áreas lavradas e degradadas e tendências de mercado (comércio e exportação). Procedimentos Acadêmicos Matrícula A matrícula inicial e as renovações serão efetuadas a cada período, no todo ou em parte dos Componentes Curriculares, em datas previamente estipuladas no Calendário Escolar. No ato da matrícula inicial, o candidato deverá apresentar os documentos exigidos. Documentos para a matrícula: Cópia simples acompanhada do documento original: - Histórico Escolar (Conclusão do Ensino Médio) ou declaração de freqüência, caso o aluno não tenha concluído o ensino médio. - Certidão de Nascimento - RG e CPF do aluno (não poderá ser CNH) - RG e CPF do Responsável financeiro - CPF dos pais (caso menor de idade) - Comprovante de residência - 01 foto 3/4 As renovações de matrículas deverão ser realizadas diretamente na secretaria do IEMC no caso dos alunos inscritos pelo Programa do PEP, os demais deverão se dirigir à tesouraria para os procedimentos internos. Para renovar a matrícula o aluno (particular) deverá estar em dia com as mensalidades. Se as mensalidades estiver em atraso, o aluno deverá efetuar o pagamento no banco emitente do boleto. Horários Período Manhã. As aulas têm início às 7h10 e término às 11:40. 3

4 1ª aula 07h10 às 08h00 2ª aula 08h00 às 08h50 3ª aula 08h50 às 09h40 INTERVALO 09h40 às 10h00 4ª aula 10h00 às 10h50 5ª aula 10h50 às 11h40 Período Noturno. As aulas têm início às 19h00 e término às 23h20. 1ª aula 19h00 às 19h50 2ª aula 19h50 às 20h40 3ª aula 20h40 às 21h30 INTERVALO 21h30 às 21h40 4ª aula 21h40 às 22h30 5ª aula 22h30 às 23h20 Critérios de Aproveitamento de Estudos Aproveitamento de Estudos O aproveitamento de estudos deverá ser requerido antes da matrícula somente se o aluno: Apresentar certificação de competências ou de estudos realizados com êxito; O aproveitamento de estudos será concedido pela Secretaria/Pedagoga da Escola no todo ou em parte; Obs.: Aos alunos inscritos no PEP (Programa de Educação Profissional) esse benefício não é permitido. Freqüência Independente dos resultados obtido, será considerado reprovado no módulo o aluno que não obtiver a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades programadas. Justificativas para faltas, somente com atestado médico do próprio aluno. Aproveitamento escolar da Educação Profissional Técnica de nível médio, regime bimestral e semestral. a) Deverão ser utilizados, no decorrer de cada bimestre, no mínimo três instrumentos diferentes de avaliação, elaborados pelo professor. b) As sínteses bimestrais dos resultados da avaliação do aproveitamento serão expressas em notas inteiras de zero a cem. c) Os resultados das avaliações de aproveitamento deverão ser sistematicamente registrados, sintetizados em uma nota bimestralmente enviada à Secretaria e comunicada aos alunos, pais e/ou responsáveis através de boletins.. d) Na educação profissional técnica de nível médio, cada módulo de ensino equivale a um semestre. E a pontuação de cada módulo é de 100 (cem) que corresponde à média aritmética dos dois bimestres: 1º Bimestre= 50 (cinquenta) pontos; Sendo distribuídos da seguinte forma: - PROVA = 25,0 Pontos - TRABALHO = 15,0 Pontos - NOTA LIVRE = 10,0 Pontos 2º Bimestre= 50 (cinquenta) pontos; - PROVA = 25,0 Pontos - TRABALHO= 15,0 Pontos - NOTA LIVRE = 10,0 Pontos 1º Bim. + 2º Bim.= 1 Módulo Prova e Simulado (substituição) O aluno que perder prova e/ou simulado por motivo justo e justificado, através de documentos comprobatórios, terá direito a segunda chance, em data a ser determinada pela coordenação pedagógica. Ao aluno que perder a prova será cobrada uma taxa no valor de R$15,00, com isenção apenas dos casos de doença do próprio aluno. O mesmo deverá apresentar atestado médico. Aprovação O aluno será considerado promovido para o smódulo subsequente quando a média final for igual ou superior a 50,0 (cinquenta) em cada componente curricular e a frequência de 75% por modulo. Observado alunos inscritos no PEP (Programa de Educação Profissional) que para aprovação têm que tirar media igual ou superior a 70,0 (setenta). Para alunos do PEP, o aproveitamento é de 70% para que não percam a bolsa concedida pelo Governo do Estado de Minas Gerais. Diploma e Certificado Ao aluno concluinte será conferido: Diploma/histórico de Técnico somente após cumprimento do Estágio Supervisionado, quando exigido sua obrigatoriedade. E o mesmo deverá ser aprovado pelo orientador de estágio. Tratamento Excepcional Aluno deverá apresentar à escola em 5 (cinco) dias úteis em conformidade com o Decreto Lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1969 e com a Deliberação CEE no 59/2006. São considerados merecedores de Tratamento Excepcional, portadores de afecções congênitas ou adquiridas, infecções, traumatismos ou outras condições mórbidas, comprovados por meio de Atestado Médico, caracterizados por: 4

5 1. Incapacidades físicas relativa, incompatíveis com a frequência aos trabalhos escolares, desde que se verifique a conservação das condições intelectuais e emocionais necessárias para o prosseguimento da atividade escolar em novos moldes: 2. Ocorrência isolada ou esporádica; 3. Duração que não ultrapasse o máximo admissível para continuidade do processo pedagógico de aprendizagem. Após solicitação de requerimento no SAE, anexado ao Atestado Médico, a Instituição atribuirá aos alunos em tal situação, exercícios domiciliares com acompanhamento da escola, sempre que compatível com o seu estado de saúde e as possibilidades do estabelecimento. O Atestado Médico não tem efeito retroativo, ele deverá ser entregue no SAE no prazo máximo de dois dias úteis após a emissão. Aluna Gestante Em conformidade com a Lei nº 6.202, de 17 de abril de 1975 e com a Deliberação CEE no 59/2006, a partir do 8º mês de gestação e durante três meses (90 dias), a estudante em estado de gravidez ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares, instituído pelo Decreto lei nº 1.044, de 21 de outubro de O início e o fim do período de afastamento serão determinados por atestado médico a ser apresentado em anexo ao requerimento, na Secretária da Escola, sendo assegurada o direito a prestação das avaliações finais. Apresentação Pessoal A maneira como um(a) aluno(a) se apresenta à escola, é entendida como um aspecto de sua conduta. Nesse sentido, espera-se que o aluno(a) tenha bom senso em relação a sua aparência e vestimenta e, portanto venha vestido(a) com trajes compatíveis com o ambiente escolar saudável pretendido. Sempre que se entender necessário, o aluno(a) poderá ser advertido(a) e orientado(a) quanto ao que o IEMC identifica como inadequado. Uniforme O INSTITUTO EDUCACIONAL MÁRIS CÉLIS, não obriga seus alunos ao uso de uniformes em suas dependências. Normas Disciplinares do Regimento Escolar Para a construção de um ambiente institucional harmonioso, integro e ético espera-se que a conduta do(a) aluno(a) esteja embasada na honestidade intelectual, no respeito aos diretores, professores, colegas, coordenadores e colaboradores e no seu comprometimento com o modelo de ensino aprendizagem adotada pela Instituição. Assim sendo, serão considerados: São direitos dos alunos: I - Organizar-se em associação de caráter técnico, científico, cívico, educativo, esportivo ou literário, que tenham como finalidade cooperar com a Escola, seu objetivo educacional e elevação de seu nome, formar e desenvolver o espírito de iniciativa e a sociabilidade, devendo os referidos estatutos serem aprovados pela Direção da Escola. II - Frequentar, obedecidas às normas estabelecidas, todas as atividades da Escola. III - Defender diretamente seus interesses individuais, sem necessidade de intermediários, ainda que estes sejam suas associações. IV - Solicitar, quando necessário, os serviços dos setores escolares, que o atenderão naquilo que for de suas atribuições. V - Ser considerado pessoa em formação, objeto de dedicação e compromisso por parte dos educadores da Escola. São deveres dos alunos: I - Acatar as autoridades da Escola. II - Obedecer às normas e ordens que emanarem das autoridades do Estabelecimento. III - Comparecer, com pontualidade, às atividades escolares. IV - Apresentar-se convenientemente trajado, mantendo condições de higiene aceitáveis, conforme as normas adotadas pela Escola. V Zelar pela conservação do prédio, do equipamento e do material didático de uso coletivo, como elemento integrado na comunidade escolar. VI - Manter durante as atividades escolares, atitudes de respeito, responsabilidade e participação. VII- Ter ótimo comportamento social, concorrendo sempre, onde quer que seja para a elevação do conceito da Escola. VIII - Respeitar a propriedade dos colegas e os bens da Escola. IX - Preservar e manter limpas as suas dependências. X - Efetuar a limpeza das máquinas e ferramentas que tenha utilizado, assim como dos locais onde tenha trabalhado. XI - Manter em dia os trabalhos escolares. XII - Indenizar a Escola pelos prejuízos que causar, quando assim determinar a Direção. XIII - Portar somente os materiais necessários às atividades escolares. XIV - Observar as normas de segurança. É VEDADO AO ALUNO I - Causar danos de qualquer natureza ao prédio, mobiliário ou material escolar. II - Praticar atos turbulentos ou perigosos na escola ou nas suas proximidades. III - Utilizar, durante as aulas, telefone celular, aparelhos eletroeletrônicos ou similares. IV - Promover coletas, subscrições ou outros tipos de campanhas, utilizando-se do nome da Escola, sem autorização da diretora. V - Utilizar-se de processos fraudulentos na realização de avaliações e trabalhos escolares. VI - Comparecer às atividades escolares, com atraso ou ausentar-se da sala de aula e laboratórios durante a aula ou neles permanecer, após o término dos trabalhos normais, sem a devida autorização. VII - Deixar de usar os equipamentos de proteção individual nas atividades que os exijam. VIII - Promover festas particulares: aniversários, confraternizações, etc. Comer e beber em salas de aula, laboratórios e corredores. 5

6 IX - Interromper as aulas sem autorização da Direção/Coordenação. X - Fazer uso de drogas ilegais, de bebidas alcoólicas, praticar jogos de azar, jogos de cartas e outros prejudiciais à formação do aluno e fumar nas dependências da escola e nas suas proximidades. XI - Permanecer na Escola sem comparecer às atividades que esteja sujeito, a não ser em casos especiais, com a devida autorização. XII - Ocupar-se durante as atividades escolares, com trabalhos alheios ao ensino. XIII - Portar ou introduzir na Escola, armas e materiais inflamáveis ou explosivos. XIV - Ausentar-se coletivamente das atividades escolares de qualquer natureza. XV - Praticar atos indecorosos e usar linguagem imprópria. XVI - Aplicar trote nos alunos, exceto o educativo e com o conhecimento prévio e autorização da Direção/Coordenação. DAS MEDIDAS DISCIPLINARES APLICÁVEIS AOS ALUNOS Aos alunos que cometerem faltas disciplinares, ou que não cumprirem o estabelecido neste documento, poderá ser aplicado, de acordo com a natureza e a gravidade da infração, as seguintes penalidades: I - Advertência oral. II - Advertência por escrito. III - Suspensão das atividades escolares. IV - Desligamento. 1o - Das penalidades previstas nos itens III e IV lavrar-se-á termo, que será arquivado no prontuário do aluno e assinado pelo mesmo. A retirada da sala de aula ou laboratório, será aplicada pelo professor, que comunicará imediatamente o Serviço de Atendimento ao Aluno Coordenação Pedagógica. Setor de Estágio - IEMC O Setor de Estágio do IEMC é um departamento que está ligado a Coordenação Pedagógica, que são os apoios pedagógicos responsáveis por todo processo, cujo objetivo é: oferecer apoio e orientação aos alunos que estão à procura de uma oportunidade de estágio. Para auxiliar o aluno, o mesmo deverá observar os anúncios internos. No canal downloads, o aluno irá encontrar todos os documentos para estágio (Termo de Compromisso, Ficha de Descrição das Atividades de Estágio, Ficha de Avaliação de Estágio e Relatório de Estágio). Disciplina Estágio no Curso Nos Cursos Técnicos em Mineração, Eletrônica e Segurança do Trabalho o estágio é obrigatório e para a conclusão do Curso Técnico o aluno deverá cumprir uma carga horária de no mínimo 300 horas; no curso de Administração a carga horária é de 200 horas. No Curso Técnico de Informática o estágio é opcional, não sendo obrigatório. O estágio poderá ser realizado a partir do 1º dia de aula. Mensalidades Valor Pela prestação dos serviços educacionais será cobrada uma mensalidade modular. Obs.: Dependendo do curso escolhido. Para ter acesso aos valores verifique seu contrato de matrícula ou informe-se na Tesouraria. Datas de Vencimento - Matrícula/Mensalidades O vencimento da mensalidade é todo dia 10. A cobrança da mensalidade é feita mediante boleto bancário, que o aluno deverá retirar na Tesouraria da escola. O boleto poderá ser pago em qualquer agência bancária até o vencimento e após essa data somente no banco emitente. Para pagamento da mensalidade após o vencimento será cobrado 2% de multa e juros de 0,088% ao dia. Em hipótese alguma haverá isenção de multa e juros decorrentes do atraso de pagamento e não será recebido na tesouraria do IEMC. Pela escola Para os pagamentos das mensalidades efetuados até o dia 5 (cinco) do mês, o IEMC concede desconto antecipação de 10% (dez por cento) sobre o valor da mensalidade. Pelo Convênio Empresa Para conhecer a relação de empresas conveniadas entre em contato com a Tesouraria através do telefone Quitação O IEMC oferece descontos para os alunos que desejarem quitar o modulo no ato da matrícula. Em caso de dúvidas, entre em contato com a Tesouraria através do telefone ANEXO I NORMAS E REGIMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AREA PARA ESTUDO E PESQUISA (ACERVO E VIA INTERNET) I. DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 01. O presente Regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pela biblioteca do Instituto Educacional Máris Célis. Art. 02. Ficam sujeitos a este regulamento todos os usuários da biblioteca, independente da sua condição de enquadramento. II. USUÁRIOS 6

7 Art. 03. São considerados usuários da biblioteca: professores, alunos e funcionários do Instituto Educacional Máris Célis e do Complexo Educacional Damásio de Jesus. Art. 04. O usuário utilizará documento com foto de identificação, como documento indispensável nas rotinas de empréstimo, devolução e reserva, ou sempre que solicitado pelos funcionários da biblioteca. Art. 05. O empréstimo será suspenso imediatamente ao professor, aluno, funcionário bem quando este apresentar alguma pendência junto à Secretaria Escolar. Art. 06. Para os alunos o empréstimo será válido durante o período que efetivamente freqüentarem o curso, ou seja, se houver o trancamento da matrícula ou a desistência do curso não haverá empréstimo. Para os funcionários, a partir do momento do cancelamento do contrato de trabalho o uso da biblioteca estará cancelado. Parágrafo único: O aluno que apresentar pendências junto à Secretaria Escolar terá seu acesso suspenso até que a situação seja regularizada. III. DO ACERVO O acervo é de livre acesso para professores, alunos, colaboradores, respeitando as regras do presente documento. Art. 07. Os acervos das Bibliotecas são formados por diversas coleções conforme abaixo. I. Enciclopédias, dicionários e demais obras de referência. II. Obras colocadas em circulação interna por indicação dos professores. Parágrafo Único: Só será permitido o empréstimo aos usuários devidamente inscritos na Biblioteca. Art. 08. No período de férias escolares o prazo para devolução para todos os tipos de usuário será antes das mesmas. Art. 09. Os periódicos estão disponíveis só para uso local. V. DA RESERVA DO MATERIAL EMPRESTADO Art.10. As reservas serão registradas e atendidas, rigorosamente, na ordem cronológica em que foram efetuadas. Art. 11. O material reservado ficará à disposição do solicitante por 48h. (quarenta e oito horas); caso não seja retirado nesse prazo, passará ao usuário seguinte ou retornará à estante. Parágrafo único: Ao usuário não será permitida a reserva de publicações que já se encontrem em seu poder. VI. DA RENOVAÇÃO DO EMPRÉSTIMO Art. 12. A renovação do empréstimo será permitida desde que o material não esteja reservado por outro usuário. Art. 13. A renovação deverá ser feita pessoalmente, devendo o usuário apresentar a obra ao atendente da biblioteca. Art. 14. A renovação não poderá ser feita por telefone, mesmo que sejam informados todos os dados da obra. Art. 15. Será renovado o empréstimo do material, desde que o usuário não esteja em atraso. Nestas condições poderão ser renovadas quantas vezes forem necessárias. VII. DA DEVOLUÇÃO Art. 16. O material retirado por empréstimo deverá ser devolvido única e exclusivamente ao bibliotecário, portanto, não serão considerados como devolvidos os materiais deixados nas mesas, balcões e estantes da biblioteca. Enquanto o sistema não processar a devolução do material, o usuário estará em débito com a biblioteca. Art. 17. O material emprestado poderá ser devolvido a qualquer momento dentro do prazo estabelecido, na biblioteca da Instituição, evitando problemas de atraso. VIII. DOS SERVIÇOS OFERECIDOS Art. 18. São oferecidos pela biblioteca do Instituto Educacional Máris Célis os seguintes serviços. Empréstimo Domiciliar Uso do espaço para estudo e pesquisa: pelo acervo bibliográfico ou via internet Parágrafo único: Desde que o usuário agende com pelo menos 2 horas antes o uso do espaço para estudo/pesquisa. IX. DOS DEVERES DOS USUÁRIOS Art. 19. Compete aos usuários: (a) agendar horário para pesquisa via internet com antecedência mínima de 24h e que este horário seja diferente do período das aulas do curso. (b) apresentar documento de identificação com foto para todo e qualquer serviço solicitado (empréstimo, devolução, reserva ou renovação de materiais), (c) quando efetuar uma reserva informar-se da data prevista para volta do material à biblioteca e procurar pelo mesmo na data prevista; (d) comunicar quando não houver mais interesse pelo material reservado; (e) atender ao pedido de devolução do material emprestado, quando solicitado pela biblioteca, mesmo antes de terminar o prazo regulamentar do empréstimo; (f) comunicar qualquer mudança de endereço; (g) pagar débitos referentes a multas, no caso de atraso na devolução de obras, no valor vigente na época; (h) repor ou pagar o valor, em caso de extravio ou danos ao material (rasura anotações, falta de páginas, etc.); (i) comunicar imediatamente à biblioteca a eventual perda do material sob sua responsabilidade ou estrago observado, tais como: riscos, recortes etc.; (i) não fumar na biblioteca, não fazer uso de telefone celular ou aparelhos eletro-eletrônicos: MP3, MP4, MP5, Smartphones s e outros, não comer ou beber; (j) utilizar os computadores somente para consultas à base de dados locais e Internet; (k) utilizar a Internet apenas para fins de pesquisa, não acessar sites pornográficos ou afins, não fazer uso de salas de bate-papo: conversação on-line (chats) e programas similares como MSN, ORKUT, FACEBOOK, MEEBO e outros. etc.; (l) não conectar pendrive, telefone celular, aparelhos eletro-eletrônicos: MP3, MP4, MP5, Smartphones s ou qualquer outro tipo de aparelho nos computadores. (m) não conectar/desconectar componentes externos e periféricos de E/S. Nos casos de diagnósticos de problemas de funcionamento, deve registrar a ocorrência em formulário próprio, junto a coordenação. (n) O concluinte do curso técnico em débito com a biblioteca, deverá regularizar sua situação, para evitar sofrer as sanções previstas em lei. X. DAS PENALIDADES Art. 20. Para o ano de 2011 estão previstas as seguintes penalidades: 7

8 (a) multa no valor de R$ $ 1,50 (um real e cinqüenta centavos) por dia de atraso, inclusive sábados, domingos e feriados, para cada volume emprestado, podendo este valor ser reajustado periodicamente se houver necessidade; (b) para os usuários em débito, a liberação do empréstimo ocorre imediatamente após a quitação dos débitos registrados; (c) materiais extraviados ou danificados deverão ser substituídos pelo usuário responsável pelo empréstimo, devendo ser idêntico ou em edição mais recente ao item perdido (título, autor, editora, edição). No caso do material extraviado a ser substituído não ser encontrado com as mesmas características, será indicado, pela coordenadora, outro de interesse e de igual valor. (d) o usuário que estiver em atraso na devolução de qualquer material ou possuir débitos referentes a multas ou a materiais extraviados, danificados, não poderá fazer um novo empréstimo ou reserva; (e) a não reposição do material extraviado ou danificado implica em bloqueio do usuário na biblioteca; (f) o usuário que, sem o empréstimo devidamente efetuado e sem autorização, sair do recinto com materiais que pertençam à biblioteca estará sujeito às penalidades regimentais da Instituição e o fato será encaminhado ao Diretor. XI. DAS COBRANÇAS Art. 21. Para cobrança do material bibliográfico a ser devolvido, a biblioteca tomará as seguintes providências junto ao usuário: Telefonema; ; Carta assinada pelo bibliotecário responsável; Carta assinada pela direção. XII. DO HORÁRIO Art. 22. Nos dias letivos, os horários de funcionamento são os seguintes: (a) Biblioteca das 08h00minh às 23h00minh; de segunda a sexta. (c) No período de férias escolares o Instituto Educacional Máris Célis informara ao usuário como funcionara de acordo com horários a serem divulgados no período que as antecede. Parágrafo Único: O horário estabelecido poderá ser justificadamente alterado, sob aprovação do diretor do Instituto Educacional Máris Célis. XIII. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 23. Nos casos de faltas graves ocorridas nas bibliotecas, o usuário poderá ser suspenso ou ter seu acesso bloqueado. Sugestões ou reclamações poderão ser feitas através do bibliotecário responsável ou, através do link fale conosco na página do Instituto Educacional Máris Célis. - ANEXO II NORMAS E REGIMENTO DO LABORÁTORIO DE INFORMÁTICA AULAS PRÁTICAS Instituto Educacional Máris Célis Passos Minas Gerais 2012 I. DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 01. O presente Regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelo laboratório de informática do Instituto Educacional Máris Célis. Art. 02. Ficam sujeitos a este regulamento todos os usuários do laboratório, independente da sua condição de enquadramento. II. USUÁRIOS Art. 03. São considerados usuários do laboratório: professores e alunos dos cursos técnicos ministrados pelo Instituto Educacional Máris Célis Art. 04. O uso do laboratório não será para fins de pesquisa, será somente para aulas práticas dos cursos técnicos existente nesta Instituição sob acompanhamento e orientação do professor responsável pela turma. Art. 05. Na falta de um professor responsável, o aluno terá direito ao uso dos computadores para atividades didáticas, sob a responsabilidade de um monitor, desde que o professor tenha solicitado à coordenação. Art. 06. Fica proibido o uso do laboratório sem a presença de um professor responsável ou monitor de alunos. Parágrafo único: O uso do laboratório de informática é exclusivo para atividades acadêmicas. Casos de mau uso serão registrados e servirão como documento para que a Administração Escolar tome medidas cabíveis. III. RESTRIÇÕES DE USO Art. 07. Os equipamentos devem ser usados exclusivamente para fins acadêmicos Art. 08. O aluno/usuário é responsável pela integridade dos equipamentos utilizados; Art. 09. Não será permitida a alteração ou instalação de softwares ou equipamentos sem prévia autorização do responsável pelo laboratório de informática. Art.10. Ao perceber irregularidades no funcionamento do sistema, ou alteração nos equipamentos, o aluno/usuário deve comunicar o fato imediatamente ao responsável pelo laboratório (Professor ou monitor de alunos). Art. 11. Será permitido o uso de notebook pessoal, no entanto, sob total responsabilidade do proprietário do equipamento. Parágrafo único: A Instituição possui roteador sem fio, proibindo o uso do mesmo aos alunos. IV. FICA EXPRESSAMENTE PROIBIDO Art. 12. Fumar dentro do laboratório, conforme a Lei Federal, assim como nas outras dependências do Instituto Máris Célis. Art. 13. A utilização de aparelhos eletro-eletrônicos (MP3, MP4, MP5 e outros), celulares e Smartphones s nas dependências do laboratório de informática. Art. 14. O acesso a sites de conteúdo erótico e/ou pornográfico Art. 15. Conversação on-line (chats) e programas similares como MSN, ORKUT, FACEBOOK, MEEBO e outros. Art. 16. Conectar/Desconectar componentes externos e periféricos de E/S. Nos casos de diagnósticos de problemas de funcionamento, deve registrar a ocorrência em formulário próprio, junto ao responsável pela aula. 8

9 Art. 17. A retirada de móveis ou equipamentos do laboratório, exceto para movimentação interna desde que devidamente informado a coordenação. V. INSTALAÇÃO DE NOVOS SOFTWARES Para inserção de novos softwares no sistema será necessário obedecer aos seguintes critérios Art. 18. Os procedimentos de instalação e configuração deverão ser passados ao monitor do laboratório. Parágrafo único: Prazo mínimo de 07 (sete) dias para a instalação do software após a solicitação por escrito. VI. PENALIDADES O aluno/usuário que não cumprir os presentes normas será considerado um usuário infrator e estará sujeito às seguintes penalidades: Art. 19. Advertência verbal, seguido de um registro por escrito o ocorrido em uma primeira ocorrência do descumprimento das normas; Suspensão do laboratório por 03 (três) dias, em uma segunda ocorrência; Em caso de reincidência as penalidades serão aplicadas seguindo definições da Administração Escolar, que vão desde suspensão parcial (no uso do laboratório) até total; Para danos materiais as penalidades serão aplicadas seguindo o regimento Escolar, e análise da Direção Escolar. Sugestões ou reclamações poderão ser feitas através do responsável pelo laboratório ou, através do link fale conosco na página do Instituto Educacional Máris Célis. - O INSTITUTO EDUCACIONAL MÁRIS CÉLIS AGRADECE PELA PREFERÊNCIA. DESEJANDO SUCESSO NESSA NOVA TRAJETÓRIA!!! Rua Deputado Lourenço de Andrade, 604 Passos/MG (35)

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo

BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO. São Paulo BIBLIOTECA FESPSP REGULAMENTO São Paulo 2015 REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA FESPSP I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 3 II USUÁRIOS 3 III DO ACERVO 4 IV DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES 5

Leia mais

Regulamento da Biblioteca

Regulamento da Biblioteca Regulamento da Biblioteca SANTA CRUZ DO RIO PARDO SP 2015 I. Do regulamento e sua aplicação Art. 01. O presente Regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pela

Leia mais

DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012.

DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012. DECRETO Nº 4.498, DE 26 DE SETEMBRO DE 2012. Estabelece o Regulamento Interno da Biblioteca Pública Municipal Santos Dumont, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto

Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Regulamento da Biblioteca João Maria Stevanatto Biblioteca Etec João Maria Stevanatto Regulamento Art.-1º USUÁRIOS BENEFICIADOS I - A biblioteca atende a todos os alunos matriculados, professores e funcionários.

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FAM Capítulo I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º As Bibliotecas da Faculdade das Américas, Campus Augusta e Campus Paulista, são de Acesso livre, tem por finalidade oferecer suporte aos programas de ensino, pesquisa

Leia mais

Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas da Faculdade FORTIUM.

Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas da Faculdade FORTIUM. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE FORTIUM I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA UNIESP Unidade de Marília

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA UNIESP Unidade de Marília REGULAMENTO DA BIBLIOTECA UNIESP Unidade de Marília I MISSÃO Disseminar a informação de forma a apoiar as atividades de ensino, pesquisa e extensão. II DA INSCRIÇÃO Art. 1º Todos os alunos, docentes e

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 80, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2013. A DIRETORA EM EXERCÍCIO DO CÂMPUS DE PARANAÍBA da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve:

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS Capítulo I Da Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normalizar o serviço de circulação de obras da Biblioteca UAB de Águas Lindas,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO... 3 3 - DAS INSCRIÇÕES... 3 4 - DO ACERVO... 3 5 - DO PRAZO DE EMPRÉSTIMO E QUANTIDADES DE VOLUMES... 4 6 - DA

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO DIRETORIA DE GESTÃO E APOIO AO ENSINO REGULAMENTO UNIFICADO DAS BIBLIOTECAS

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Direção da UNIESP estabelece normas disciplinando o funcionamento da Biblioteca, no ano de 2013/1. CAPÍTULO I DO USO DA BIBLIOTECA Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada

Leia mais

- Ensino Médio concomitante com um dos Cursos Técnicos oferecidos.

- Ensino Médio concomitante com um dos Cursos Técnicos oferecidos. Manual do Aluno Ensino Médio e Cursos Técnicos 2015 1 Apresentação Há mais de 59 anos, visando o aperfeiçoamento do aluno e sua inserção no mercado de trabalho, a ETEP Escola Técnica Prof. Everardo Passos

Leia mais

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível

Biblioteca Mercedes Silva Pinto. Manual da Biblioteca. Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível Biblioteca Mercedes Silva Pinto Manual da Biblioteca Aprenda a utilizar os recursos da Biblioteca Visite-a sempre e aproveite o acervo disponível REGULAMENTO COMPLETO DA BIBLIOTECA I. Regulamento do Uso

Leia mais

REGULAMENTO I. FINALIDADE

REGULAMENTO I. FINALIDADE REGULAMENTO I. FINALIDADE Art. 1º As Bibliotecas do Centro Universitário Assunção UNIFAI, dispõe de 2 unidades distribuídas no Ipiranga e na Vila Mariana. Para melhor atender a todos que delas usufruem,

Leia mais

Resolução CTC Nº 001/2013. O CONSELHO TÉCNICO CONSULTIVO, no uso de suas atribuições regimentais (artigo 07 do Regimento Interno),

Resolução CTC Nº 001/2013. O CONSELHO TÉCNICO CONSULTIVO, no uso de suas atribuições regimentais (artigo 07 do Regimento Interno), Resolução CTC Nº 001/2013. Aprova a atualização do Regulamento da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia Darcy Ribeiro. O CONSELHO TÉCNICO CONSULTIVO, no uso de suas atribuições regimentais (artigo 07 do

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE CRICIÚMA - ESUCRI

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE CRICIÚMA - ESUCRI REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE CRICIÚMA - ESUCRI Capítulo I DO REGULAMENTO Art. 1º - Institui o regulamento da Biblioteca, com o objetivo de definir normas para prestação

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA SERRA SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA... 2 DOS OBJETIVOS:... Erro! Indicador não definido. DO HORÁRIO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAICÓ-RN 1. DO OBJETIVO Art.1º - As NORMAS DE ATENDIMENTO regulam horário, consultas, empréstimo, renovação e cópias, compreendendo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA NOVA VENÉCIA 2013 SUMÁRIO 1 REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA... 2 CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013.

BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY REGIMENTO VALIDADO EM 07 DE JUNHO DE 2013. REGIMENTO DA BIBLIOTECA JORGE WANDERLEY 1. ESTRUTURA E ATRIBUIÇÕES A do Hospital Pelópidas Silveira IMIP/SES/SUS está sob a gerência

Leia mais

SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO

SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO SETOR DE BIBLIOTECA REGULAMENTO Capítulo I Dos Princípios Gerais Art. 1º O presente Regulamento visa disciplinar e normalizar o Serviço de Atendimento das Bibliotecas São Camilo Campus I e Campus II, no

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. Sumário

REGULAMENTO GERAL. SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. Sumário SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. REGULAMENTO GERAL Sumário I. Do Regulamento e sua aplicação... 2 II. Dos usuários da Biblioteca... 2 III. Do

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FAIP SUMÁRIO DESCRIÇÃO PÁGINA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 02 TÍTULO II DOS USUÁRIOS 02 TÍTULO III DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1. USO DA BIBLIOTECA...3 2. ACERVO...3 3. ATENDIMENTO AO PÚBLICO...3 4. USUÁRIOS...3 5. INSCRIÇÃO...3 5.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA...4 6. SERVIÇOS...4 6.1

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O êxito dos serviços da Biblioteca está condicionado ao bom uso que dela fizerem. Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão (FACEMA) Biblioteca Irmã Maria Gemma de Jesus

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA RESOLUÇÃO N.º 04 O Diretor Geral das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o regulamento da Biblioteca das FARESC. A

Leia mais

REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS

REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS REGULAMENTO DE BIBLIOTECAS Este regulamento visa estabelecer padrões e normas para o funcionamento das Bibliotecas das Unidades de Ensino mantidas pela PITÁGORAS, objetivando sempre o aperfeiçoamento dos

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO

Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO Regulamento Interno da Biblioteca da Estácio FAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços da Biblioteca da FAL - Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referente ao funcionamento da Biblioteca da Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, objetivando

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. Wladimir de Rezende Pinto Missão: Promover o desenvolvimento humano e social através da difusão de conhecimento, da formação ética, da competência

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE DOM BOSCO DE UBIRATÃ UBIRATÃ - PR 2013 REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA: DIRETRIZES GERAIS Art.1º- A Biblioteca apóia

Leia mais

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas

Sistema Integrado de Bibliotecas. Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Sistema Integrado de Bibliotecas Responsável: Cassiana Souza Coordenadora do Sistema Integrado de Bibliotecas FAEL CRB - 9/1501 Projeto Gráfico e Capa: Bruna Maria Cantador

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

BIBLIOTECA: REGULAMENTAÇÃO E NORMAS ELABORAÇÃO: GISÉLIA FERREIRA DA SILVA Bibliotecária CRB-5/469

BIBLIOTECA: REGULAMENTAÇÃO E NORMAS ELABORAÇÃO: GISÉLIA FERREIRA DA SILVA Bibliotecária CRB-5/469 Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães, 222 Ponto Central CEP 44.032-620 Endereço

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC

REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC . REGULAMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE INTEGRADA DE ENSINO SUPERIOR DE COLINAS DO TOCANTINS - FIESC CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1º. O Presente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO 2015 REGIMENTO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO Título I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA FAIT 0 SUMÁRIO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 02 TÍTULO II DOS USUÁRIOS... 02 TÍTULO III DO FUNCIONAMENTO... 02

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca das Faculdades MAGSUL, objetivando sempre o aperfeiçoamento

Leia mais

COLÉGIO LOGOS BIBLIOTECA

COLÉGIO LOGOS BIBLIOTECA 0 1 COLÉGIO LOGOS BIBLIOTECA 1- Histórico A Biblioteca Maria do Socorro foi criada com intuito de disseminar o conhecimento entre pares, proporcionar atendimento preferencial a docentes, discentes e colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGULAMENTO PARA ACESSO E USO DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA DO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO São Paulo 2014 CONSULTA E EMPRÉSTIMO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DAS FINALIDADES Art. 1º -

Leia mais

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV

RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG. Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV RESOLUÇÃO N 005/2012 - DG Altera a Resolução n 002/2007-DG,que Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV Considerando o disposto na Resolução n o 002/07-DG e Considerando o parecer

Leia mais

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PARCERIA TECNOLÓGICA COM O COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA (CERS) Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

Regulamento Biblioteca

Regulamento Biblioteca Regulamento Biblioteca 2012 A Diretora Geral do Colégio e, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o presente regulamento da Biblioteca da Instituição. A Biblioteca do Colégio e, denominada

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Dispõe sobre as normas para participação dos servidores públicos em Cursos de Capacitação promovidos

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DA BIBLIOTECA KOSHITY NARAHASHI São Paulo 2010 SEÇÃO I DA COMPETENCIA Artigo 1º - À Biblioteca compete planejar, coordenar,

Leia mais

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Faculdade PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DO ACESSO E DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO II DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS CAPÍTULO IV DO EMPRÉSTIMO CAPÍTULO V DAS PENALIDADES CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

SCIELO, BIREME, PERIODICOS CAPES, PUBMED, MEDLINE, DOAJ,

SCIELO, BIREME, PERIODICOS CAPES, PUBMED, MEDLINE, DOAJ, Apresentação: BIBLIOTECA DAS FIO A Biblioteca/FIO é um setor das Faculdades Integradas de Ourinhos (FIO) que possui no seu acervo obras de várias áreas do conhecimento, com a finalidade de dar suporte

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços

Leia mais

Regulamento da Biblioteca:

Regulamento da Biblioteca: Regulamento da Biblioteca: Professor Paulo Petrola CAPÍTULO I Do Regulamento Art. 1º O presente Regulamento normaliza o funcionamento da Biblioteca. CAPÍTULO II Do Funcionamento Art. 2º A Biblioteca funciona

Leia mais

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA

FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA FACULDADE MISSIONEIRA DO PARANÁ Biblioteca CINTEC REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Biblioteca CINTEC da Faculdade Missioneira do Paraná é um órgão suplementar subordinado à

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 03/2012 DO CONSELHO DIRETOR Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia. O CONSELHO DIRETOR DA, no uso da competência prevista nos arts. 14, do Estatuto,

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado, conforme anexo, o Regulamento do Sistema de Bibliotecas da Universidade São Francisco USF. RESOLUÇÃO CONSUN 8/2015 ALTERA O REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN, no uso das atribuições que lhe confere o art. 14,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º A biblioteca é uma unidade subordinada,

Leia mais

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa.

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CECÍLIA MEIRELES FACULDADE METROPOLITANA Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca Cecília Meireles da Faculdade Metropolitana,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE BIB001 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE Rua Mal. Floriano Peixoto, 185 8º andar Porto Alegre/RS e-mail: biblioteca@faccentro.com.br SUMÁRIO 1. DO REGULAMENTO

Leia mais

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h

Normas de Funcionamento da Biblioteca. Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Normas de Funcionamento da Biblioteca Horário de atendimento: segunda a sexta: 07:30h às 22:30h / sábado: de 8:00h às 12:00h das 14:00h às 18:00h Inscrição de Usuários: Para inscrever-se na Biblioteca

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

Regulamento do Setor das Bibliotecas

Regulamento do Setor das Bibliotecas Regulamento do Setor das Bibliotecas Título I Preâmbulo Art. 1º Este regulamento estabelece as regras e normas das bibliotecas dos Campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Leia mais

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO

REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO REGULAMENTO POLÍTICA DE FUNCIONAMENTO, ESTRUTURA E ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO SUDESTE GOIANO 1. Apresentação Na Faculdade do Sudeste Goiano a biblioteca tem sido alvo de constante atenção, seu

Leia mais

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO São Paulo, 26 de novembro de 2014. PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO O Colégio Santa Maria acredita que responsabilidade social e liberdade se aprendem e se exercitam na interação

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 29/06/2011 Nova redação para o Cap. I, art.

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 63/2015 Reedita, com alterações, o Edital do Processo Seletivo dos Cursos Superiores na modalidade a Distância Vestibular 1º Semestre de 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE METODISTA

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA UNIPAR

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA UNIPAR REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS DA UNIPAR 1 INTRODUÇÃO 1.1 Este regulamento estabelece condições de acesso e utilização de cada Biblioteca da UNIPAR, seja a Biblioteca Central, localizada no Campus Sede, sejam

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Estabelece procedimentos para o uso do espaço físico das Bibliotecas das Faculdades Ponta Grossa e dos serviços prestados pelas mesmas. CAPÍTULO I COMPOSIÇÃO E FINALIDADE Art.

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

GUIA DO ALUNO 2014 1

GUIA DO ALUNO 2014 1 GUIA DO ALUNO 2014 1 GUI A DO ALUNO 1. Matrícula Para efetuar sua matrícula em Cursos PECE o candidato deverá comparecer no prazo estipulado, portando todos os documentos que são exigidos para a matrícula

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1. Funcionamento 1.1 A Biblioteca funciona de acordo com o calendário institucional. 1.2 Horário de funcionamento: de segunda à sexta-feira, de 7h30 às 22h20. A partir das 22h,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 REGULAMENTO INTERNO BIBLIOTECA Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 29/06/2011 - Nova redação para o Cap. I,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO ANEXO ÚNICO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO AUTARQUIA MUNICIPAL 1. ACERVO DA BIBLIOTECA 1.1 A Biblioteca da Faculdade de Direito São Bernardo do Campo é dotada

Leia mais

BIBLIOTECA Pe CARLOS LEÔNCIO ALVES DA SILVA FACULDADE SALESIANA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

BIBLIOTECA Pe CARLOS LEÔNCIO ALVES DA SILVA FACULDADE SALESIANA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA Pe CARLOS LEÔNCIO ALVES DA SILVA FACULDADE SALESIANA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Recife, 2010 1. Objetivo A Biblioteca Pe Carlos Leôncio Alves da Silva, tem como objetivo atuar junto à comunidade

Leia mais

POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO

POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO POLÍTICA DE USO DA BIBLIOTECA MATILDE CARVALHO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A Biblioteca Matilde Carvalho - BMC tem por finalidade facilitar e estimular o estudo e a pesquisa bibliográfica científico-cultural

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DR. LUIZ FLÁVIO GOMES UNIDADE TATUAPÉ - TT DA BIBLIOTECA Art. 1 A missão da Biblioteca Dr. Luiz Flávio Gome s é disponibilizar a informação, apoiando as atividades de ensino,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA Aprovado pela Resolução Consuni nº. 15/08, de 21/05/08. CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DO FUNCIONAMENTO Art. 1º A Biblioteca Acadêmica, órgão de apoio às atividades do

Leia mais

BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO

BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO BIBLIOTECA FACULDADE LA SALLE CAXIAS DO SUL: NORMAS DE UTILIZAÇÃO CAXIAS DO SUL, 2015 SUMÁRIO 1 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA... 3 1.1 Horários... 3 1.2 Contatos... 3 1.3 Catálogo online... 3 1.4

Leia mais