TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1378, DE14 JANEIRO DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1378, DE14 JANEIRO DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE"

Transcrição

1 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1378, DE14 JANEIRO DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

2 II Vida Económica entrevista em exclusivo Andrew Greenway, responsável pelo programa de Cloud Computing na Accenture Cloud Computing nivela grandes e pequenas empresas O Cloud Comptuing promete alterar as regras do jogo. E não só das próprias Tecnologias da Informação como das várias indústrias. O impacto dos serviços em nuvem, dizem os especialistas, em breve vai passar das TI para o próprio negócio, elevando a capacidade de lançar novas investidas em novos mercados, criar novos fluxos de receitas de forma rápida e, sobretudo, mais barata. Para a Accenture, é simples: o Cloud Computing atravessa todas as tecnologias, funções e indústrias e ajuda a reduzir os custos de infra-estrutura e aplicações, utilizando soluções que proporcionam elevados níveis de flexibilidade operacional, contratual e financeira. Andrew Greenway, responsável pelo programa de Cloud Computing na Accenture, em entrevista à Vida Económica, admite que daqui a dois anos já nem sequer falaremos de Cloud Computing simplesmente estará embrenhado em tudo o que fazemos., EM LONDRES Vida Económica Como pode um mercado como o português, baseado em PME, beneficiar com o Cloud Computing? Adrew Green Creio que o Cloud Computing vai ser um excelente nivelador entre as grandes e as pequenas empresas. Porque olhando para os produtos e serviços que têm vindo a ser disponibilizados ao mercado nos últimos dois anos, podemos facilmente ver que são muito bons. Do lado do SaaS [Software as a Service], têm aparecido excelentes funcionalidades que podem ser adquiridas consoante as necessidades. Ou seja, se uma empresa só tiver três vendedores pode apenas comprar três licenças, tendo acesso às mesmas funcionalidades que uma grande empresa. Pela primeira vez, esta é uma grande oportunidade para as PME terem acesso a boas tecnologias para suportarem o seu negócio. VE Mas o que mais cativa a indústria? O facto de poder haver uma maior flexibilização dos custos? AG Se estiverem a olhar para uma oportunidade de correr o software numa infra-estrutura de baixo custo esta é uma excelente altura. É claro que o Cloud Computing levanta algumas questões no que diz respeito a aspectos legais e de regulação. E por isso, dependendo da aplicação e do tipo de dados que estamos a falar, torna-se necessário escolher o correcto fornecedor. Um das coisas que nós, enquanto indústria, não estivemos muito bem foi em explicar correctamente estes aspectos. VE Qual é a visão da Accenture relativamente ao Cloud Computing? AG Acreditamos que o Cloud Computing veio alterar as regras de jogo para a indústria. Actualmente, as pessoas pensam em como fazer o que fazem mas mais barato. O que é normal que assim seja, acho que é a primeira fase. Mas agora começamos a ver que as pessoas admitem que determinada tecnologia, ligada a outras tecnologias, como mobilidade, cyber segurança, data analitics, vai abrir novos processos de negócio que podem ser resolvidos através da tecnologia, o que no passado não acontecia. Delineámos 18 pontos que preconizam o impacto que o Cloud Computing vai ter nos mais diversos sectores. capacidade de financiamento de alguém e que vão passar a ser oferecidos como um serviço, através de Cloud Computing, alimentado por uma série de informações, análise e dados. Esse serviço será prestado por terceiros aos quais os bancos irão recorrer ao invés de cada um ter a sua função de análise de risco. E assim, admitimos que muitos destes processos críticos ao negócio serão gerados por especialistas. VE Que transformação ocorreu na indústria para tornar o Cloud Computing possível? Já vimos abordagens semelhantes no passado AG Creio que o primeiro factor terá sido a entrada em jogo de novos players que fizeram grandes investimentos. Estamos a falar de uma amzon.com, Google, Microsoft Players que vieram do mundo do consumo, com tecnologias de consumo, e que investiram muito dinheiro em Cloud Computing. E, agora, dizem que podem rentabilizar esse investimento no mundo empresarial. E isso vem claramente alterar as regras do jogo. Depois, acredito que estão a chegar ao mercado produtos muito bons. Que, finalmente, começam a entregar o que prometiam. Neste momento, realmente paga-se o que se consome, a segurança está garantida, a capacidade de fazer executar algo rapidamente é muito atractiva. Penso que tudo isso são elementos-chave para que o Cloud Computing vingue. O terceiro factor é a nova geração que começa a sair das universidades e que cresceu com a Internet, cresceu no mundo do Facebook. Estão habituados a ter a informação que querem, onde querem, quando querem. E estão habituados a partilhar essa informação. Vão ser os grandes impulsionadores do Cloud Computing. Andrew Greenway, responsável pelo programa de Cloud Computing na Accenture, garante que o Cloud Computing atravessa todas as tecnologias, funções e indústrias e ajuda a reduzir os custos de infra-estrutura e aplicações. VE E hoje quais são os principais medos quando falamos em Cloud Computing? Continua a ser a segurança? AG Depende um pouco de quem seja o nosso interlocutor. Se estivermos a falar com o departamento de TI, estão preocupados com a perda de controlo, já que tra- VE Como se pretendem distinguir da concorrência? AG Sobretudo através do nosso conhecimento da indústria. Muitos dos nossos concorrentes vêm do sector tecnológico. Nós vimos do negócio. Estamos especializados por indústrias e já delineamos 18 pontos que preconizam o impacto que o Cloud Computing vai ter nesses sectores. O impacto será diferente em cada um deles. VE Por exemplo na banca, que impacto terá o Cloud Computing? AG Na banca acreditamos haver uma série de processos comuns que no passado não foram propriamente realizados da melhor forma, por exemplo aceder à A eterna fase de evangelização Quanto questionado sobre se a indústria ainda estava na fase de explicar às empresas o que é o Cloud Computing, Andrew Greenway prontamente responde: Acho que ainda estamos é a confundir as pessoas! Para mim, Cloud Computing não é mais do que a extensão natural do que temos vindo a fazer nos últimos 10 anos. É baseado na Internet, que já está mais do que madura; em virtualização, algo no qual as empresas têm vindo a apostar há cinco ou mais anos Logo, tudo isto é uma extensão natural. Para este responsável, o desafio é saber qual o correcto serviço para determinada aplicação. Por exemplo, se estivermos a falar de um departamento do Estado português, provavelmente vamos querer algo que esteja localizado dentro do território nacional. Vamos querer que os backups estejam assegurados, que haja plano de disaster recovery, alta segurança Por isso, defende que, provavelmente, escolher um fornecedor local de cloud seria mais indicado do que escolher, por exemplo, uma amazon. com onde os dados podem estar alojados em qualquer lado. Mas, por outro lado, se o preço é realmente um dos factores mais importantes e os dados não são tão sensíveis e não envolve questões legais ou regulatórias, talvez a amazon.com seja a melhor abordagem.

3 III dicionalmente geriam o seu próprio datacenter, empregavam pessoas De repente, ao isso ser feito por outros, não é confortável. Há aqui alguma resistência, o que é admissível. As questões que envolvem a segurança dos dados são chave. E penso que isso será resolvido pelos diferentes tipos de Cloud que entretanto vão surgir no mercado. VE Já há algum tempo que se fala em alinhar as estratégias de TI com o negócio. Também é verdade que muitas vezes este objectivo saiu gorado. Não deveria estar o tal director de TI sentado no conselho de administração? Já está a acontecer? AG Claro que deveria ser assim. Agora, se já está a acontecer? Depende. Há quem já tenha essa visão e esteja a fazê-lo mas na realidade ainda são poucas as empresas. É uma minoria. Mas vão mesmo ter de o fazer porque, de outra forma, os departamentos de TI vão começar a perder peso dentro das organizações à medida que os departamentos vão conseguindo contratar serviços directamente de terceiras A trajectória insustentável na despesa pública é a raíz do problema da trajectória insustentável do endividamento público partes. O departamento de TI tem de estar habilitado a aconselhar e resolver os seus problemas. VE Uma empresa tem de investir muito para entrar no Cloud? AG Acho que uma das grandes vantagens do Cloud Computing é que as empresas podem experimentar coisas sem ter de pagar muito por isso. Podemos arriscar comprar três licenças, digamos na salesforce.com, experimentar por três meses e se não funcionar não perdemos nada. E isso vem revolucionar a forma como se pensa as TI. Ou seja, vai requerer muito menos capital porque o capital já foi investido por terceiros. E isso é um enorme benefício. E sobretudo vai ser acessível experimentar coisas e ver se funcionam. VE As TI ainda são vistas como um custo? AG Varia de indústria para indústria. Mas a verdade é que as TI são absolutamente fundamentais para algumas indústrias. É um exemplo trivial, mas veja a forma como hoje a música é vendida, vende-se por internet. A tecnologia é o próprio negócio. VE No final, o que beneficiará o negócio do cliente com o Cloud Computing? AG Penso que basicamente os ajudará a melhorar o negócio. E isso virá de várias vertentes. Primeiro, através de uma redução de custos. Segundo, dotando o negócio de uma maior agilidade e habilidade em fazer as coisas mais rapidamente. Terceiro, haverá novos processos de negócio que vão ser automatizados e que não o eram no passado. E isso permitirá que se trabalhe mais perto e de forma mais colaborativa com os accionistas ou com os consumidores finais. VE Há algum país na Europa que esteja mais adiantado na adopção do Cloud Computing? AG Penso que a Europa está mais ou menos nivelada, mas toda atrasada quando comparada com os Estados Unidos, que estão à frente 18/20 meses dos europeus. VE De que forma se está a estruturar a Accenture no que diz respeito ao Cloud Compuntig? AG Basicamente estamo-nos a focar em sete aspectos que pensamos irem ser os mais interessantes para os clientes. A primeira é a estratégia em Cloud. Ou seja, ajudar os clientes a delinearem um plano de prioridades. Depois, temos o desenvolvimento de aplicações Cloud. Em terceiro lugar temos implementações SaaS, como salesfornece.com, Microsoft BPOS ou Netsuite. Excelentes produtos que estão no mercado, com especial enfoco no salesfornece.com. O quarto ponto será ajudar o cliente a transformar a sua antiga plataforma para cloud, garantindo que as suas aplicações não são descontinuadas. Depois, temos IaaS, onde iremos ajudar os clientes a estender a sua infra-estrutura legacy, virtualizando, criando cloud privada interna Depois temos ainda o desenvolvimento de aplicações próprias que vamos comercializar em SaaS. Algumas dessas aplicações já existem da forma tradicional e vão agora ser disponibilizadas no modelo de SaaS. Por últimos, temos Business Process Utility. Ou seja, não é apenas vender software mas vender processos de negócio. VE Quanto tempo para o Cloud estar no quotidiano das empresas? AG Daqui a dois anos já não falaremos de Cloud Computing. Será a forma como fazemos tudo. Perdidos na cloud Faltava uma semana para o Natal. A entrevista a Andrew Greenway, agendada para uma sexta-feira, em Londres, até parecia uma excelente ideia. Primeiro, porque estávamos a falar de um trabalho em exclusivo com o responsável pelo desenvolvimento do conceito de Cloud Computing na Accenture. Depois, porque Londres estava com neve e preparada para receber o Natal. Ou seja, juntar o útil ao agradável. Uma excelente ideia, portanto. Ou não e isto porque a hora do regresso acabou por se tornar numa infernal espera de cinco dias até pisar solo português. Em Gatwick, começaram a rolar notícias de que os voos estavam, digamos, substancialmente atrasados. A partida para o Porto, agendada para as 19 horas de sábado, estava a ser permanentemente adiada até que, à uma da manhã já de domingo, a palavra cancelado figurava no ecrã das informações. O cenário era Dantesco, com pessoas a dormirem por todo o lado no aeroporto agarradas aos seus pertences. Da TAP, nem uma palavra. Nem uma explicação. E, mais do que tudo, nem uma perspectiva de regresso. O domingo foi basicamente passado na fila do balcão da Swissport de Gatwick já que a transportadora nacional não tem representação directa naquele aeroporto. De Portugal, as informações eram que a TAP ia enviar um avião. Mas a verdade é que, no terreno, as simpáticas britânicas diziam-nos que o regresso estava garantido para dia 27. Dois dias após o Natal. Era altura de sair de Gatwick e tentar outro voo, agora para Lisboa, desde Heatrow. Mas o aeroporto de Heatrow estava ainda mais caótico do que o de Gatwick. E apesar de haver um balcão TAP o mesmo estava fechado. E nos breves instantes em que abria dez minutos contados pelo relógio os funcionários voltavam a apontar o tal dia 27 como regresso para os portugueses. Nova estratégia no panorama. Apanhar um comboio para Manchester bendito Charles Branson que tem em todos os comboios Virgin internet wireless gratuita, tentar fugir ao mau tempo e apanhar um avião, no dia seguinte, para Dublin, na Irlanda e daí para Lisboa. Mas a Irlanda ainda estava em pior estado do que Grã-Bretanha. E então... então, quando estávamos a fazer a abordagem ao aeroporto de Dublin... o aeroporto encerrou! E fomos parar a Cork, a 300 quilómetros de Dublin, onde a neve e o frio (-7º) continuavam a reinar. De Cork, arranjamos voo no dia seguinte para Málaga. Depois, carro alugado até Ayamonte. Táxi até Monte Gordo. Novamente carro alugado até Lisboa e comboio para o Porto. Cinco dias depois da data marcada, à uma da manhã, chegamos finalmente a casa. A tempo do Natal. Seria injusto não agradecer à Accenture, e pessoalmente ao director de marketing Rui Rodrigues, todo o apoio que nos deu nesta verdadeira aventura.

4 IV Segurança vai deixar de ser barreira à adopção de cloud computing Parece que é desta. Em 2011, as empresas vão dar-se conta das vantagens que o cloud computing promete. Pelo menos é o que advoga a CA nas suas previsões para o corrente ano. Mais. A empresa defende mesmo que a segurança actualmente ainda considerada uma barreira para a adopção deste conceito não só deixará de ser um entrave como se converterá num facilitador de cloud computing. Isto porque, diz a CA no seu relatório, apesar de as organizações não terem confiança suficiente para, elas próprias ou os seus fornecedores, assegurarem de forma adequada os seus dados e a utilização da nuvem, é provável que esta percepção mude em 2011, à medida que se implementem opções de segurança mais potentes e avançadas em formato de serviços cloud oferecidos por organizações especializadas em segurança. Aliás, Ajei Gopal, vice-presidente executivo do grupo de produtos e tecnologia da CA Technologies, diz que se 2010 constará como o ano em que se falou de cloud computing, 2011 será o ano em que se vai passar à acção. O cloud computing está a mudar a forma como funcionam os negócios e as TI. Já não é uma actividade de suporte na empresa, mas sim um importante facilitador de negócio que dá forma a cada um dos aspectos de funcionamento de uma organização. A CA defende que as principais tendências tecnológicas para 2011 Papel da tecnologia na empresa vai mudar à medida que o cloud computing se consolida vão combinar-se para criar uma nova era nas TI que apelidam de consumidorização das TI. A principal previsão é precisamente que o cloud computing irá reinar nos próximos 12 meses. Apesar de tudo, os especialistas dizem que não se trata propriamente de um novo avanço mas antes no facto de o cloud computing representar uma mudança de paradigma no sector das TI e na maneira como a tecnologia vai transformar os negócios. Ou seja, no relatório dizem mesmo que em 2010 se debateu muito o cloud computing, mas, em 2011, essas palavras vão tornar-se uma realidade, e o conceito transformar-se-á na forma predominante de operar das organizações seja através de clouds privadas, públicas ou híbridas. As organizações vão descobrir utilizações realistas e práticas que lhes oferecerão a flexibilidade e a velocidade para mais bem satisfazer as necessidades em rápida mudança do negócio. Por outro lado, os fornecedores de serviços serão um guia para as empresas, porque os profissionais de TI procurarão neles as lições aprendidas. Além disso, advogam que o papel que a tecnologia desempenha na empresa vai mudar à medida que o cloud computing se consolida. A CA explana que as TI vão converter-se num importante impulsionador de negócio, sendo vitais para o seu correcto funcionamento desde ao nível operacional e vendas ao reconhecimento da marca. O novo papel dos CIO será, portanto, o de gerir de forma estratégica uma supply chain de TI incorporando recursos de todo o tipo de acordo com as necessidades desde aplicações completas a volumes massivos de capacidade de processamento e armazenamento de dados baseados na nuvem. Por isso mesmo dizem que a função dos departamentos de TI será cada vez menos a gestão prática da tecnologia e mais o de conjugar o negócio e o governo das TI. Também se espera que um maior número de directores e executivos não-tecnológicos participem de forma mais activa na tecnologia. CONCEIÇÃO ZAGALO Directora de Marketing, Comunicações e Cidadania IBM Portugal Liderar fora da zona de conforto No mundo dos negócios muito se fala hoje de colaboração. Trate-se de colegas de trabalho, de governos, de parceiros de negócio ou de clientes, este é mesmo um factor crítico de sucesso na nova realidade do trabalho. Mas existe colaboração produtiva sem diversidade de pensamento? Na verdade, este é o espaço para os líderes promoverem um pensamento divergente e gerarem ideias diferentes nas suas equipas. O objectivo? Criar um diálogo dinâmico entre pessoas discordantes capazes de argumentarem e persuadirem. E este é seguramente o cenário para o líder que se preza de o ser agir enquanto mediador de decisões discrepantes entre os diversos membros da equipa, não raras vezes conducentes a verdadeiros conflitos. Esta é, não duvidemos, uma oportunidade para uma análise que, resultando do escrutínio das alegações e ideias, de contradições e inconsistências, pode conferir liderança sem igual, já que as fragilidades podem ser identificadas e eliminadas. É através desta tensão criativa onde argumentos, ideias e percepções são partilhadas que surgem as soluções mais dinâmicas, mais testadas e mais inteligentes. Inspirar este tipo de dinâmica significa que os líderes terão que ser mais ambiciosos na gestão da sua zona de conforto, bem como exercitar o incentivo a equipas capazes de novas ideias e novas visões. Como pode um líder promover este tipo de discussão saudável? Abraçando a diversidade das suas equipas que, numa realidade crescentemente global, será cada vez mais formado por pessoas de diferentes culturas, países ou fusos horários. Isto confere automaticamente a abrangência de visão tão necessária a uma colaboração robusta e permite, por seu turno, que as empresas tirem partido de conhecimento de outra forma inatingível. A saúde e a dinâmica de uma equipa, sabemo-lo, residem na coexistência de diferentes opiniões partilhadas de forma aberta e genuína. Desrespeitado este princípio, abre-se campo a discussões mais acesas tantas vezes resultantes em hostilidades. Ora bem, qual é aqui o papel do líder? Reunir equipas que possam colaborar produtivamente, e rodearem-se de pessoas com ideias diferentes de si próprio, criando uma massa crítica mais apurada. Dizem os entendidos que os líderes gostam de se fazer acompanhar precisamente dos que, por mais parecidos, os fazem sentir mais confortáveis. Mas a verdade é que a excessiva sintonia quebra a capacidade crítica e pode prejudicar a verdadeira inovação. Esta postura tende a uma visão insular num ambiente de pensadores onde todos raciocinam da mesma forma e onde raramente se desafiam. Cabe, pois, ao líder a responsabilidade de alimentar os resultados que de si são esperados com base nas suas próprias capacidades, mas também nas de colaboradores capazes de gerarem ideias inovadoras, criativas, desafiantes... consequentes. De resto, é aqui que pode residir o círculo virtuoso da colaboração. E como é que um líder pode promover colaboração que encoraje inovação? Ao abraçar a ideia de que é preciso começar por si próprio e que lhe cabe moldar normas comportamentais criando um estilo de equipa muito próprio. Ao saber filtrar e harmonizar, já que o velho sistema do dividir para reinar tem os dias contados num modelo de colaboração profícua. Ao saber converter discussões infindáveis em necessários consensos. Ao passar a mensagem à equipa de que a recompensa e a honestidade são um bom antídoto para passividades nefastas. Ao assegurar padrões rigorosos de excelência e estabelecer parâmetros ambiciosamente realistas para o sucesso. São estes alguns dos princípios preconizados na minha empresa. Na casa vem de longe uma cultura onde os líderes são incentivados a desenvolver debates saudáveis conducentes a verdadeira soluções. Aqui acreditamos que na economia global do século XXI é na colaboração frutífera que se promove criatividade e que essa é, definitivamente, a única maneira de se alcançar o sucesso... aquele que será tão mais conseguido quanto maior for a capacidade de liderar fora da zona de conforto.

5 V JOÃO LUÍS TRAÇA Sócio Responsável pelo Grupo de Prática de Tecnologias de Informação Miranda Correia Amendoeira & Associados Cloud vs. outsourcing Novos nomes para as mesmas soluções. Outsourcing com um novo embrulho. Estas são algumas das expressões utilizadas por aqueles que consideram que o cloud computing ( CC ) é apenas mais um forma de outsourcing. Sem prejuízo de outras considerações de ordem tecnológica ou organizacional sobre esta questão, do ponto de vista da negociação contratual existem várias diferenças entre o CC e o outsourcing. Estas diferenças vão marcar a forma como se negoceiam estes dois contratos de prestação de serviços. Embora o outsourcing e o CC sejam ambos serviços IT prestados de forma remota, as suas características exigem uma atitude diferente na negociação dos respectivos contratos. No outsourcing o prestador quase sempre tem um grupo dedicado de trabalhadores nas suas próprias instalações, e nas quais tem implementada uma infra-estrutura de hardware e software dedicada ao cliente. Na maioria destes casos o cliente controla, ou pelo menos conhece, as características dos serviços. O cliente consegue estar envolvido em todos os aspectos da prestação de serviços, desde a escolha do hardware e do software utilizados ao recrutamento dos trabalhadores do prestador ou à contratualização dos níveis de serviço (SLA), tendo em conta as necessidades do seu negócio. Escolhas estas que serão reflectidas no preço que o cliente paga. Ou seja, o outsourcing é uma A negociação de contratos em cloud computing pelo cliente corresponderá a uma ponderação dos riscos e à identificação dos elementos centrais do seu negócio e da regulamentação que lhe seja aplicável. forma de prestação de serviços que se aproxima mais do conceito de fato à medida, mesmo no preço. No CC o cenário muda. As infra-estruturas tecnológicas raramente são afectas em exclusivo a cada cliente. O cliente não escolhe o hardware em que os seus serviços vão funcionar, pois este é quase sempre o mesmo para todo o data center ou, caso não o seja, o cliente não consegue identificar em concreto qual o servidor que irá utilizar para o seu serviço. Acresce, ainda, que o nível do serviço (SLA) é comum a todo o data center, o qual foi instalado para servir vários clientes de diversas áreas de negócios e não um determinado cliente em concreto. Por este motivo, muitos dos serviços prestados em CC, como os de utilização de infra-estrutura (Iaas) ou de software (SaaS) são serviços estandardizados e padronizados. Obviamente que estamos perante um serviço mais próximo do prontoa-vestir. Todos sabemos que o pronto-avestir tem várias vantagens, como a rapidez com que se pode comprar e a redução do preço. Graças a esta redução dos preços, várias organizações de menor dimensão passam a poder beneficiar da prestação remota de serviços informáticos, enquanto o outsourcing estava orientado para organizações com determinada dimensão. Evidentemente que esta alteração de paradigma terá implicações no modo como se negoceiam contratos de prestação de serviços em CC por oposição aos contratos de outsourcing. Uma vez que os serviços em outsourcing são concebidos à medida, também os respectivos contratos o são. É normal a negociação de um contrato de outsourcing prolongar-se por vários meses. O processo negocial é complexo e longo: o cliente quer ter a certeza que controla todos os elementos do serviço que vai receber, enquanto o fornecedor quer dominar ao mais ínfimo detalhe os serviços a prestar para poder controlar os seus custos e responsabilidades. Assim, aqueles que pretendam celebrar contratos envolvendo a prestação de serviços em CC deverão ter presente a menor flexibilidade negocial por parte dos fornecedores. Na verdade, para muitos destes fornecedores, a realização de certas alterações ao nível contratual teria implicações em toda a sua infraestrutura. Os serviços em CC são concebidos para várias indústrias, numa lógica as is como se encontra. Sem espaço para negociação. Sem flexibilidade. A reduzida margem negocial do fornecedor limita o poder negocial do cliente. Quem necessitar de especificidades para além do standard apenas poderá utilizar serviços em CC acessoriamente. A negociação de contratos em CC pelo cliente corresponderá, assim, a uma ponderação dos riscos e à identificação dos elementos centrais do seu negócio e da regulamentação que lhe seja aplicável. Em muitas situações, o cliente não pode prescindir de elementos que são para si essenciais e que muitas vezes assumem natureza regulatória tais como, por exemplo, as questões de protecção de dados pessoais. Por este motivo, uma importante recomendação sobre a celebração de contratos de CC é a da identificação pelo cliente do núcleo de elementos de que não pode abdicar nem prescindir, por contrapartida das vantagens do CC. Para tudo o mais, quem pretender beneficiar da prestação de serviços de forma remota pode recorrer ao outsourcing. A relação entre o outsourcing e o CC é como a do fax e do correio electrónico: ambos vão coexistir até um deles dominar o outro e ser indispensável em todos os sectores da economia. PUB SELECÇÃO DA QUINZENA COM 20% DE DESCONTO NA LIVRARIA ONLINE, DE 14 A 27 DE JANEIRO Edição revista e actualizada em conformidade com o SNC. Um excelente auxiliar de informação e formação para orientar e auxiliar os profissionais a encontrarem o caminho, os métodos e os meios adequados e necessários à determinação da capacidade de libertação de meios financeiros, fornecendo-lhes por essa via importante e imprescindível informação para a tomada de decisão por parte dos empresários e gestores. António Domingues Azevedo (Bastonário da OTOC)

6 VI HARRIS INTERACTIVE ABORDA MAIS DE 200 RESPONSÁVEIS DE TI DE GRANDES ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Clouds privadas são o próximo passo após virtualização Enquanto as empresas clientes se vão inteirando da realidade do cloud computing e de como, de alguma forma, as pode ajudar a ultrapassar as suas dificuldades, diversos estudos vão sendo lançados para o mercado que insistem na adopção generalizada e acelerada deste conceito. Um documento produzido pela Harris Interactive para a Novell diz agora que as empresas líderes indicam as cloud privadas como o próximo passo lógico para quem já aderiu à virtualização. Isto após abordarem mais de 200 responsáveis de TI de grandes organizações empresariais. A Novell sugere que este relatório vem revelar uma adopção muito superior do cloud computing do que tem sido sugerido em estudos anteriores e, afiança, mostra um momento de clara aceleração na dinâmica de desenvolvimento de infra-estruturas de clouds privadas. A pesquisa sugere fortemente que o cloud computing - quer público quer privado - será uma parte crescente dos recursos utilizados pelas empresas de TI e que as empresas estão particularmente interessadas em simplificar a gestão dos seus ambientes integrados físicos, virtuais e cloud, lê-se no documento. No entanto, a Novell enfatiza que a questão de qual é a melhor forma de alavancar o poder do cloud computing, maximizando os ganhos de eficiência e a redução de custos e ao mesmo tempo minimizando os riscos, permanece. De acordo com o trabalho, 77% dos inquiridos referiram utilizar actualmente alguma forma de cloud computing e, de acordo com 89% as clouds privadas são o próximo passo lógico para as organizações que já implementaram a virtualização. Outros dados apontam para que 34% dos inquiridos estejam a utilizar uma abordagem mista do cloud computing privado e público, com 43% a planear aumentar a utilização da abordagem combinada. Já 87% acreditam que a adopção do cloud computing público vai ocorrer simultaneamente, e não substituir os centros de dados das empresas, com 92% a indicar um aumento na utilização do cloud público à medida que as plataformas de TI forem sendo substituídas. Por outro lado, 31% considera que um benefício chave do cloud privado é a capacidade de gerir uma infra-estrutura heterogénea. Por outro lado, e apesar de outros estudos salientarem que a questão da segurança ir ser ultrapassa, esta ainda continua a ser uma das principais preocupações dos decisores, tornando-se na principal barreira à adopção do cloud computing, com 83% dos inquiridos a revelarem que o cloud computing privado oferece a maioria das vantagens do cloud computing público (pouca manutenção de hardware, escalabilidade de recursos, menores custos iniciais), mas sem os problemas de segurança e conformidade do cloud público. No documento vem expresso que 91% estão preocupados com questões da segurança na cloud pública, com 50% a indicar a segurança como a principal barreira à implementação. Já 86% acreditam que os dados estão mais seguros numa cloud privada. Por outo lado, 76% sentem que os fornecedores externos não são tão cuidadosos com a segurança de dados como os departamentos internos de TI. A dificuldade em manter a conformidade na cloud pública versus na cloud privada é um problema para 81% dos inquiridos. 34% dos inquiridos neste estudo dizem estar a utilizar uma abordagem mista do cloud computing privado e público, com 43% a planear aumentar a utilização da abordagem combinada RICARDO HENRIQUES Manager da Hitachi Consulting IT Governance num contexto de crise s últimos tempos têm vindo a posicionar os CIO O(Chief Information Office) das organizações numa situação de cada vez maior complexidade. As organizações exigem, cada vez mais, um IT (Information Technology) gerido como um negócio autónomo, altamente optimizado e totalmente alinhado para potenciar crescimento. A crescente importância do CIO pode constatar-se a partir do momento em que este passou a ter uma função estratégica com assento na Comissão Executiva das organizações. É neste sentido que o CIO deixará gradualmente de gerir IT para Numa abordagem de projecto, tornou-se fundamental pensar em novos modelos de aquisição que optimizem gastos, mitiguem riscos e aumentem globalmente a qualidade do serviço prestado pelas Tecnologias de Informação a médio ou longo prazo. governar IT. Estes dois conceitos estão separados pelo tipo de desafio que o CIO tem agora pela frente e a forma como este se enquadra no contexto da organização. Governar implica estar envolvido estrategicamente e contribuir de forma directa para o crescimento da organização, garantindo que as Tecnologias de Informação estão alinhadas com esse crescimento, e que são geridas de forma racional em termos de recursos humanos e tecnológicos. Actualmente, o desafio do CIO não passa apenas pela selecção de tecnologia convertida por soluções ou produtos fornecidos. Numa abordagem de projecto tornou- -se fundamental pensar em novos modelos de aquisição que optimizem gastos, mitiguem riscos e aumentem globalmente a qualidade do serviço prestado pelas Tecnologias de Informação a médio ou longo prazo. O objectivo é que as empresas que prestam serviços de consultoria nestas áreas colaborem com organizações que, estando já atentas a esta inevitabilidade, comecem a desenvolver iniciativas de optimização de custos ou concepção e análise de novos modelos de aquisição de serviços. Detectar e monitorizar as inúmeras oportunidades existentes permitirá gerir melhor e ter um governo alinhado com o negócio o que potenciará a curto prazo, um incremento na competitividade global da organização.

7 VII Álvaro Faria, director-geral do SAS Portugal, garante que o grande desafio vai ser a capacidade de demonstrar aos gestores e decisores das organizações a importância estruturante da dimensão analítica para a tomada de decisão e a criação de valor. Álvaro Faria, director-geral do SAS Portugal Empresas já compreenderam impacto que BI pode ter no negócio Dada a conjuntura económica actual, as organizações desejam sobretudo soluções que viabilizem formas de gerir os processos da organização e a informação com maior rigor, com destaque para a gestão de risco, de custos e de recursos, e interacção com os clientes. E isto, diz Álvaro Faria, directorgeral do SAS Portugal, engloba áreas tão diversas como a automatização e optimização de processos, a análise dos mercados, o portfólio e valor dos clientes, marketing analítico, vendas, potencial para fraude, gestão de activos e sustentabilidade social, económica e ambiental, entre outros. O responsável garante que os decisores já entenderam o impacto que ao Business Intelligence pode ter no negócio. Vida Económica Como correu o ano de 2010 para o SAS? Vão atingir os objectivos ou a conjuntura não o permitiu? Álvaro Faria O SAS Portugal teve um crescimento nulo. O crescimento foi efectuado sobretudo no investimento no desenvolvimento organizacional e pessoal dos colaboradores. Em termos de mercado, a orientação estratégica foi para a retenção e consolidação da nossa base de clientes. Em larga medida as razões prendem-se com a conjuntura, que criou, em muitas organizações, uma barreira ao investimento ou um adiamento dos processos já em curso, aumentando o ciclo de venda. VE A actual crise financeira veio de alguma forma alterar as regras do jogo no mercado? AF Sem dúvida. A actual situação requer mais inovação, focagem, rigor e prova do retorno para o negócio. A essência do SAS analítica - possibilita às organizações gerirem e criarem conhecimento para responderem e decidirem de forma efectiva aos desafios do mercado actual, mas também, criarem novas abordagens inovadoras que levem à optimização e transformação das organizações. VE Actualmente, relativamente ao BI, em que fase se encontra Portugal? De que forma tem evoluído o mercado onde estão inseridos? AF Temos vindo a assistir a uma evolução significativa na maturidade de utilização das soluções de BI em Portugal, onde o mercado já procura o Business Analytics, que é a oferta SAS. Isto significa que as empresas procuram também a vertente analítica, a integração de dados, o reporting e as soluções voltadas para Temos vindo a assistir a uma evolução significativa na maturidade de utilização das soluções de BI em Portugal questões específicas de negócio, como por exemplo a detecção de fraude, a gestão de risco, a análise de desempenho a optimização de campanhas de marketing, gestão de desempenho e conhecimento de clientes. VE Neste último ano, quais os projectos que gostaria de salientar? AF A consolidação na área da gestão de risco. A gestão e optimizações de campanhas. O reforço e aumento da plataforma analítica De referir também projectos analíticos na área das ciências da vida. VE As empresas, ou, melhor, os decisores, já sabem o que é o BI? Ou ainda continuam na fase da evangelização? AF Os mercados estão cada vez mais globais e competitivos, o que exige às empresas novas capacidades de análise e gestão de negócio, e as empresas portuguesas têm perfeita consciência desta realidade. Uma maior vertente da gestão baseada em factos versus a gestão baseada em intuição. As organizações mais dinâmicas e com maior impacto no nosso tecido empresarial sabem o que é o BI. Mais, já ultrapassaram este patamar e já estão na área do Business Analytics, como muitos dos nossos clientes, ganhando vantagens operacionais e de negócio através da inovação, optimização e previsão. O restante tecido empresarial é heterogéneo no conhecimento do BI. Para alguns sectores, continuaremos a fazer a nossa evangelização porque acreditamos que o Business Analytics é a arma mais poderosa para fazer face aos desafios actuais e futuros, dando a capacidade de decidir com base em factos e ajudando as empresas a tomarem as melhores decisões para executarem a sua estratégia. VE E já entenderam o impacto que pode ter no negócio? AF Sim. Dada a conjuntura económica actual, as organizações desejam sobretudo soluções que viabilizem formas de gerir os processos da organização e a informação com maior rigor, com destaque para a gestão de risco, de custos e de recursos, e interacção com os clientes. Isto engloba áreas tão diversas como a automatização e optimização de processos, a análise dos mercados, o portfólio e valor dos clientes, marketing analítico, vendas, potencial para fraude, gestão de activos e sustentabilidade social, económica e ambiental, entre outros. VE Qual a melhor forma de cativar um empresário para o BI? Redução de custos? AF Redução de custos, aumento das receitas, pela detecção e previsão de novas oportunidades e optimização dos processos. A capacidade para tomar decisões baseadas em factos e não em suposições é um benefício muito procurado pelas empresas, ao qual as soluções analíticas e a plataforma integrada do SAS respondem ao viabilizarem a recolha, agregação, análise avançada e disponibilização de informação sobre o negócio. Outro argumento é a vantagem de dispor de capacidade de análise preditiva para antecipar o comportamento dos consumidores, as tendências do mercado e a evolução do próprio negócio dentro do contexto de mercado. VE De que forma se pretendem destacar da concorrência? AF Temos vindo a destacar-nos não só pelo conhecimento e experiência acumulada ao longo dos últimos 34 anos na área analítica, mas também pela nossa capacidade de integrar a informação e produzir conhecimento para a actividade das organizações que possibilita aos decisores olharem para a frente e não apenas avaliar o que ficou para trás. VE Qual o sector onde melhor estão implantados? AF Banca e Serviços Financeiros, Seguros e Telecomunicações. Nos restantes sectores, como o Retalho, Ciências da Vida e Administração Pública, estamos representados pontualmente mas com projectos de referência e de vanguarda. Três grandes objectivos para 2011 São três os grandes objectivos que o SAS tem para este ano. Primeiro, a dimensão interna, através do desenvolvimento das competências da organização e dos colaboradores do SAS. Segundo, a consolidação da base instalada de clientes. Terceiro, o desenvolvimento de novos projectos em novos sectores e em novos mercados, como o de Angola. O responsável admite que, actualmente, o cliente-tipo do SAS são todos aqueles que possuem uma estratégia e visão inovadora e transformadora não só da sua organização e das pessoas, mas também dos mercados e das comunidades onde actuam. PUB

8 VIII SEGUNDO O CENTRE FOR ECONOMICS AND BUSINESS RESEARCH Economias europeias podem lucrar até 177,3 mil milhões com cloud As grandes economias europeias podem tirar cerca de 177,3 mil milhões de euros de dividendos graças ao Cloud Computing, avança o Centre for Economics and Business Research (CEBR), que revela que os modelos privados e híbridos de computação em nuvem lideram a tendência na criação de negócios, no crescimento económico e na competitividade na zona euro. Na edição 2011 do relatório Cloud Dividend, encomendado pela EMC, o CEBR calcula que deverão ser gerados 177,3 mil milhões anualmente até 2015, caso todas as empresas de França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido continuem a adoptar a tecnologia de Cloud Computing, conforme o esperado. De forma significativa, a pesquisa constata que a maior parte deste valor será fornecido mediante a adopção de modelos de Cloud Computing privados e híbridos, lê-se no documento. Os benefícios económicos anuais são, segundo este centro de estudos, mais visíveis na Alemanha, com 49,6 mil milhões, seguido pela França, com 37,4 mil milhões. Itália pode vir a lucrar 35,1 mil milhões, seguido pelo Reino Unido, com 30 mil milhões. O estudo, que não abarca a economia portuguesa, diz ainda que à vizinha Espanha a computação em nuvem pode valer 25,2 mil milhões por ano. O estudo focou-se nos três modelos de cloud computing mais comuns actualmente: clouds públicas, que são controladas por um fornecedor de serviços de computação em nuvem; clouds privadas, controladas internamente pela própria equipa de TI das organizações; e cloud híbridas, uma combinação dos dois modelos anteriores. Em 2015, a instituição prevê que 133 mil milhões - ou 75% dos benefícios económicos totais dos 177,3 mil milhões de euros nesse ano - serão representados por modelos de cloud não-públicos. O CEBR apurou ainda que as clouds privadas vão gerar a criação de negócios em 23,8 mil milhões. SAP certifica serviços cloud da CSC NEC aproveita cloud para fornecer escalabilidade A SAP certificou os serviços cloud da CSC, empresa especializada em outsourcing de sistemas de informação e integração de sistemas. A empresa pode agora fornecer soluções SAP através do portfolio de serviços Trusted Cloud. mc. Para conseguir esta certificação e garantir os padrões de qualidade, a plataforma de fornecimento cloud de um distribuidor tem de ser submetida a um teste extensivo pela SAP, que valida a integração operacional da plataforma de cloud-computing com aplicações suportadas. Este processo inclui a avaliação da infra-estrutura, processos e pessoal técnico da empresa. A auditoria também inclui uma revisão técnica dos processos de segurança físicos e lógicos, bem como infra-estrutura subjacente e portal incluindo servidores, software e capacidades de armazenamento. A NEC anunciou o desenvolvimento de tecnologias de infra-estrutura de cloud computing através das quais é possível a escalabilidade de sistemas em simultâneo e o processamento de grandes volumes de dados. Estas tecnologias, avança o construtor em comunicado, destinam-se a servir sistemas empresariais de missão crítica, tais como os de grandes empresas, organismos governamentais e empresas tecnológicas. Os especialistas explicam que os sistemas de missão crítica assentam, normalmente, numa arquitectura extremamente fiável que dá prioridade à garantia na protecção dos dados mas, admitem, alguns dos desafios inerentes a este modelo incluem limitações de escalabilidade da arquitectura e a necessidade de reconfigurar completamente sistemas complexos, de modo a acomodar o processamento de grandes volumes de dados, resultantes do crescimento dos serviços existentes ou do lançamento de novos serviços. Estas condições levaram a uma procura crescente de arquitecturas de cloud computing que suportem o elevado crescimento que se antecipa ao nível das necessidades de processamento de dados. Procurando solucionar estas questões, a NEC optou pelo desenvolvimento de soluções tecnológicas ao nível da infra-estrutura de computação que almejam maximizar a utilização de recursos de hardware, através da utilização conjunta de tecnologias de armazenamento e de tratamento de dados. Computação em nuvem IBM, Sirrix, EDP, Efacec, Hospital italiano San Raffaele e outras organizações europeias académicas e de pesquisa corporativa anunciaram o denominado Trustworthy Clouds ou TCLOUDS, um projecto de infra-estrutura virtual que tem por criar um protótipo de uma infra-estrutura de cloud avançada que disponibilize um novo nível de computação e armazenamento mais seguro, privado e resiliente, que seja eficiente, simples e escalável. Para provar a viabilidade do TCLOUDS, os cientistas irão criar um protótipo de dois cenários que envolvam sistemas de TI críticos. O primeiro cenário será composto por uma rede eléctrica inteligente IBM lidera consórcio em projecto avançado com os fornecedores EDP e Eface: uma combinação de contadores inteligentes e um estado baseado na internet e em tempo real e sistemas de controlo de consumo energético que permita aos fornecedores públicos de utilities a monitorização e o controlo da rede pública de electricidade. O TCLOUDS comprovará como a preservação de energia nos sistemas pode migrar para uma infra-estrutura cloud enquanto aumenta a sua resiliência, protecção da privacidade e tolerância, tanto de hackers como de falhas no hardware. O segundo cenário será um serviço de telemedicina centrado no paciente com o Hospital de San Raffaele, em Milão, Itália, com monitorização remota, diagnóstico e assistência de pacientes fora do ambiente hospitalar. O ciclo de vida completo, desde a prescrição, passando pela entrega até ao reembolso, será armazenado num ambiente cloud, podendo ser acedido pelo paciente, pelos médicos e por todo o staff. O objectivo é demonstrar como a qualidade de um sistema de telemedicina pode melhorar os custos e as eficiências sem reduzir a privacidade. Este projecto tem um orçamento de 10,5 milhões de euros, com 7,5 milhões de euros financiados no âmbito do FP7 Framework da União Europeia. Será coordenado pela Technikon Research and Planning na Áustria.

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

Business analytics conquista terreno

Business analytics conquista terreno Business analytics conquista terreno Surge como uma evolução natural do business inteliigence e alimenta-se da necessidade de as empresas obterem respostas cada vez mais exactas. O business analytics acaba

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo.

Sem o recurso às tecnologias disponibilizadas pela Microsoft, a solução criada seria difícil de obter num tão curto espaço de tempo. Caso de Sucesso Microsoft Finsolutia cria solução completa de suporte ao negócio com.net Framework 3.5 Sumário País: Portugal Indústria: Banking&Finance Perfil do Cliente A Finsolutia é uma joint venture

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

Negócios à Sua dimensão

Negócios à Sua dimensão Negócios à Sua dimensão O seu Software de Gestão acompanha-o? O ArtSOFT pode ser a solução de gestão da sua empresa. O ArtSOFT Profissional permite o controlo total sobre a gestão da sua empresa, assegura

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010. Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010

Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010. Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010 Cloud Computing Visão PT Cisco Roadshow 2010 Bruno Berrones Funchal, 27 de Maio de 2010 Agenda Desafios para as Empresas Extrair valor do Cloud Computing O papel da PT 1 Inovação é a resposta para garantir

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária

A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária A economia em nuvem da AWS em comparação com o da infraestrutura de TI proprietária Publicação: 7 de dezembro de 2009 A Amazon Web Services (AWS) oferece a empresas de todos os tamanhos serviços de rede

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Encontrar sempre a melhor solução que potencie o retorno dos seus investimentos e que adicione real valor às suas equipas e estratégias.

Encontrar sempre a melhor solução que potencie o retorno dos seus investimentos e que adicione real valor às suas equipas e estratégias. Desde 2003, esta nossa atitude de estarmos sempre prontos a compreender e adaptarmonos às suas necessidades e partilhar os seus valores, é o que nos permite em conjunto atingir os objectivos propostos.

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4 METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4.1 Introdução Vimos atrás, no ponto 2.9.3, uma justificação e uma descrição resumidas dos pontos que devem ser tratados sob este tema metodologias e pressupostos a adoptar

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo

Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Franklin Xavier Klabin, São Paulo, SP/Brasil. Used with permission. Portnet: SAP Business One prepara empresa para crescimento contínuo Geral Executiva Nome da Portnet Informática Equipamentos Indústria

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem.

like a Boss mandic Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. BOX like a Boss Um GUIA para você escolher bem, e se tornar uma Autoridade em Serviços de Compartilhamento de Arquivos na Nuvem. mandic CLOUD SOLUTIONS Mais e mais empresas buscam soluções para dar suporte

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais