VALIDAÇÃO DO CÓDIGO XLACS NO QUE TANGE À CONTRIBUIÇÃO DE RESSONÂNCIAS E SEÇÕES DE CHOQUE DE REFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALIDAÇÃO DO CÓDIGO XLACS NO QUE TANGE À CONTRIBUIÇÃO DE RESSONÂNCIAS E SEÇÕES DE CHOQUE DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 VALIDAÇÃO DO CÓDIGO XLACS NO QUE TANGE À CONTRIBUIÇÃO DE RESSONÂNCIAS E SEÇÕES DE CHOQUE DE REFERÊNCIA ( Jaime Anaf E. S. Chalhoub RELATÓRIO DE PESQUISA IEAv - 018/90 (Jun /90)

2 RELATÓRIO DE PESQUISA IEAv-RP-018/90 18 Jun 90 RESUMO Foram revistos os procedimentos de cálculo das contribuições de ressonâncias resolvidas, não resolvidas e seções de choque de referência ("background"), utilizados no código XLACS. Considerou-se função de ponderação constante e temperatura zero Kelvin. As discrepancias encontradas foram corrigidas e o código XLACS, agora validado, gera resultados corretos e condizentes com os procedimentos originalmente estabelecidos. ABSTRACT The procedures for calculating contributions of resolved and unresolved resonances and / -At ground cross sections, in the XLACS code, were revised. Constant weighting function c-, V zero Kelvin temperature were considered. Discrepancies found were corrected and now hr validated XLACS code generates results that are correct and in accordance with its nrigtnally established procedures.

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 1 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 3. CORREÇÕES E MODIFICAÇÕES GERAIS 2 4. CORREÇÕES E MODIFICAÇÕES RELATIVAS A RESSONÂNCIAS E SEÇÕES DE CHOQUE DE REFERÊNCIA 3 5. GERAÇÃO DE BIBLIOTECA PARA O PROGRAMA XSDRN CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES AGRADECIMENTOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 11 APÊNDICE A: Materiais Selecionados das Bibliotecas de Dados Nucleares Avaliados 13 APÊNDICE B: Estrutura de Grupos Utilizada 14 APÊNDICE C: Exemplo de Comandos para a Execução de XLACS 15 APÊNDICE D: Exemplo de Dados de Entrada para XLACS 16

4 1. INTRODUÇÃO A obtenção de bibliotecas de seções de choque multigrupo é de significativa importância para a análise de células de reatores. Os programas computacionais, que geram as referidas bibliotecas a partir das bibliotecas de dados nucleares avaliados (FRENDL /I/, ENDF/B-IV /2/, etc), devem ser validados para que as bibliotecas produzidas sejam coerentes e confiáveis. Este relatório refere-se à validação do código XLACS /3,4/ que gera biblioteca para o código XSDRN /5/. Foi analisada a contribuição de ressonâncias (resolvidas e não resolvidas) e seções de choque de referência ("background"), com função de ponderação constante e temperatura zero Kelvin. Na Seção 2 são apresentadas definições, explicações e instruções para a interpretação dos resultados. Na Seção 3 constam as correções e modificações gerais realizadas no código C na Seção 4 são relacionadas as modificações e correções efetuadas nos procedimentos de cálculo, de maneira que os resultados finais fossem condizentes com os procedimentos originalmente estabelecidos. Na comparação dos resultados produzidos por XLACS, antes e após as correções, utiliza-se como referência ET0G-3Q /6/, anteriormente validado. Na Seção 5 aborda-se a geração de uma nova "Master Library" para o programa XSDRN. Conclusões e recomendações compõem a Seção CONSIDERAÇÕES GERAIS Nesta Seção são apresentadas definições, explicações e instruções para a interpretação dos procedimentos e resultados obtidos. Os materiais relacionados no Apêndice A foram processados a zero Kelvin e com função de ponderação constante. Os cinco primeiros foram selecionados da biblioteca FRENDL e os restantes da ENDF/B-IV. Os materiais foram copiados para uma biblioteca compacta pelo programa MERGER/7/, que selecionou, para cada material, os arquivos 1 (Informações Gerais), 2 (Parâmetros de Ressonâncias) e, do arquivo 3 (Seções de Choque "Background"), as reações de espalhamento elástico, fissão e captura. Este procedimento contribuiu para reduzir o tempo de execução de XLACS. A estrutura energética adotada resultou da composição das estruturas /8/ epítérmica (MUFT) e térmica (THERMOS), onde os limites do grupo 54 da estrutura MUFT foram substituídos pelos do grupo 30 da estrutura THERMOS. A estrutura resultante, composta de 83 grupos, é apresentada no Apêndice B, tendo sido adotada em lugar da estrutura de 123 grupos utilizada na biblioteca gerada por XLACS para XSDRN, para manter a compatibilidade com a estrutura energética utilizada em trabalhos anteriores /6,9/. Em relação às tabelas apresentadas na Seção 4 esclarecemos que: - Foram obtidas com o auxílio de uma versão modificada do programa COMPAR /IO/, alterado para possibilitar a inclusão de três símbolos Rj, Rf e Uf, indicadores, respectivamente, dos limites inferior e superior da região de ressonâncias resolvidas e do limite superior da região de ressonâncias não resolvidas;

5 - São apresentadas nas Tabelas 1 a 5, como exemplo dos resultados obtidos, as seções de choque (espalhamento, captura ou fissão) de cinco dos materiais processados. A coluna de ETOGQ-32, utilizado como referência, corresponde aos resultados do programa ETOG-3Q com 32 pontos de quadrature; XLACS-A identifica os resultados do programa XLACS originalmente processado, no qual somente foram incluídos os comandos necessários para possibilitar a análise dos resultados por intermédio do sistema COMPAR; e XLACS-N corresponde a nova versão do programa que incorpora todas as modificações e correções realizadas no processo de validação; - Os números dos grupos são fornecidos tanto em ordem crescente como decrescente de energia (à estrutura do programa XLACS corresponde a ordem decrescente, ou seja, o grupo indicado na segunda coluna); e - São apresentados dados multigrupo, desvios percentuais em relação à referenda, desvio quadrático médio (RMS) e desvio quadrático médio ponderado pela seção de choque de referência (RMSP). No Apêndice C é apresentado um exemplo de comandos para a execução de XLACS e no Apêndice D um exemplo de dados de entrada CORREÇÕES E MODIFICAÇÕES GERAIS No processo de avaliação e validação do programa XLACS e geração de biblioteca para o programa XSDRN, realizado no sistema CDC CYBER 170/750 do IEAv, foi observado que: 1-0 programa só pode ser executado quando utilizado o compilador FTN5 com opção de otimização (OPT) igual a zero ou um. Opção de otimização igual a dois causa erro, durante a execução, que não nos foi possível corrigir; 2 - A opção de função de ponderação externa fornecida (IW = 4) não funcionava, o que foi constatado e contornado para um caso específico por S. Q. Bogado Leite e R. D. M. Garcia; 3 - Para o caso de Hidrogênio ligado na água, a seção de choque de espalhamento, na região térmica, estava incorreta, O fato devia-se à seção de choque não ter sido dividida pelo número de átomos de H na molécula de água, procedimento necessário quando se utiliza a Lei de Espalhamento ("Scattering Law") da ENDF/B-III /ll/. 0 algoritmo foi corrigido; 4 - No cálculo das matrizes de espalhamento elástico, a ocorrência de uma normalização fora de um determinado intervalo de tolerância na biblioteca de dados nucleares avaliados causava uma mensagem de erro e interrompia a execução. Este fato foi constatado ao processar o material Cd-113, MAT=1227 da ENDF/B-IV. Optou-se por continuar com a mensagem de erro mas dar prosseguimento à execução; 5 - Foram introduzidas modificações que permitem gerar sempre o "TAPE20", utilizado pelo sistema COMPAR. Um valor negativo de IOPT(l) somente é necessário, agora,

6 quando o processamento é realizado a zero Kelvin ou quando não se deseja determinar as matrizes de espalhamento (vide Referência 10, programa XLACOMP e explicações incluídas); e 6 - Para facilitar a localização de rotinas, elas foram alfabéticamente ordenadas no programa.. CORREÇÕES E MODIFICAÇÕES RELATIVAS A RESSONÂNCIAS E SE- ÇÕES DE CHOQUE DE REFERÊNCIA No decorrer do processo de validação foram efetuadas alterações necessárias para: a Aumentar e otimizar a memória disponível: 1 - Todos os "tapes" foram limitados, no tamanho do "buffer"que lhes é reservado, à quantidade mínima permitida (64 "bytes" para arquivos formatados e 512 "bytes" para os arquivos binarios); 2 - As funções que não eram utilizadas foram retiradas; 3 - Foi incluído o comando "PARAMETER" e comentários no programa principal para facilitar a variação da dimensão do vetor principal; e 4 - Foram efetuadas alterações nas sub-rotinas XLACS e RESN para possibilitar uma utilização mais otimizada da memória alocada para o vetor principal do programa; b Corrigir o algoritmo do programa: 1 - Parâmetros utilizados no cálculo na região de ressonâncias resolvidas, que determinam a região em torno de cada ressonância que seria tratada como "Nordheim Background" ou "Infinite Dilution", eram inicializados em local indevido quando se utilizava os valores "default"; 2 - A inicialização de variáveis não era completa. Este fato acarretava interrupção da execução ao se processar vários materiais de uma vez, devido à não inicialização de parâmetros de ressonâncias não resolvidas. O problema ocorreu com Ag-109, quando se tentou processar seqüencialmente todos os materiais relacionados no Apêndice A; 3 - O algoritmo não cobria corretamente a região de reconstrução de cada ressonância resolvida (Tabelas 1 a 5); 4 - Eram incorretamente zeradas as seções de choque de espalhamento elástico eventualmente reconstruídas como negativas, o que acarretava um erro que pode ser observado na Tabela 1, para o Sm-149, nos grupos (em ordem crescente) 36 a 39 e 43 a 45; 5 - A interpretação dos parâmetros na região de ressonâncias não resolvidas era incorreto para um dos casos de parâmetros com dependência energética; 6 - A contribuição das ressonâncias não resolvidas era incorretamente determinada no grupo que contém a energia correspondente ao limite superior da região de

7 ressonâncias não resolvidas; e 7 - Foi alterado o procedimento de cálculo na região de ressonâncias não resolvidas. Adotou-se interpolação nas seções de choque, procedimento semelhante ao utilizado por D. E. Cullen no programa RECENT (Versão 84.1) /12/. Entretanto, posterior nente, foi constatado segundo Cullen /13/ e per recomendação da ENDF/B, que a interpolação para a ENDF/B-IV deve ser nos parâmetros e não nas seções de choque. Conforme apresentado em trabalho anterior (Ref. 9, Seções 3 e 7), a diferença máxima entre os procedimentos chegou, para algvns materiais, à ordem de 3%, desvio notadamente inferior aos apresentados por XLACS-A e corrigidos em XLACS-N, conforme resultados da região de ressonâncias não resolvidas apresentados nas Tabelas 1, 2 e 5. A possibilidade de incluir uma de choque de referência (ao, para simular mistura de materiais) nesta região foi eliminada ao se adotar o novo procedimento que, atualmente, só considera diluição infinita; e c - Obter resultados com precisão de 0,1% uma vez corrigido o algoritmo: 1 - Foi ampliada a região denominada Diluição Infinita e aumentado o número de pontos de reconstrução; e 2 - Foi também aumentado o número de pontos na reconstrução das caudas das ressonâncias ("Nordheim Background"). Os dois itens acima relacionados possibilitaram obter resultados que consideramos satisfatórios, mas aumentaram significativamente o número de pontos de reconstrução e, conseqüentemente, a memória necessária e o tempo de processamento. Por exemplo, para os materiais apresentados nas Tabelas 1 a 5 (omitindo o cálculo das matrizes de transferência) o tempo de processamento aumentou por um fator de 5. Além dos itens relacionados também foram alteradas e/ou corrigidas outras sub-rotinas (Ex.: Sub-rotina GABE), incorporando alterações observadas e analisadas em uma listagem disponível do programa XLACS-2 /14/. Devemos lembrar que nem todas as seções de choque incorretas, exemplificadas nas Tabelas 1 a 5, eram transferidas para o programa XSDRN, via biblioteca ("Master Library") gerada por XLACS. As seções de choque incorretas, como apresentadas, eram transmitidas somente para os materiais da ENDF/B-IV que incorporam vários isótopos (Ex.: Cr e Fe, entre os incluídos nas tabelas), pois para eles XLACS não transfere parâmetros de ressonâncias (resolvidas ou não) e a reconstrução é totalmente incorporada nas seções de choque multigrupo. Entretanto, para os materiais com um único isótopo, a contribuição principal de cada ressonância é transmitida via parâmetros, reduzindo significativamente o erro nas seções de choque recebidas por XSDRN.

8 Tabela 1: Comparações para Sm-149 S1CA0 Dl CHOQUE: ELÁSTICA COOIGO-> ETOCQ-33 IUCS-A 61IWO REFEUSCIA VAL *02 1 *991* * * * * *31* * * *03 78 I * * *11* *11* * * «OE* * *02 1 «5411* E* * ; t.u34e*03 : * : t.4722e*02 :[.47331* ; 17121*02 3t7131* (.67631*02 2(.«7631*03 1* * * «.40161*03 1(.401*1* * * * «9111*03 >. «9121*02 30 « * *03 31 «3! 1*691*03 (». 096*1* ;(2331*03 : 13331*03 33 Cl *03 1L.«9031* ] 10871* * *19E* *01 2* * *1* : 2O2OE*O1 : 20301* : 2168E*01 '. 21«9E* L.3769E*01 1L.37*9E* I>.64S6E*00 1».64661* r.8304e*01 1r.83041* l.8399E* * íl.2561e*01 íl * ( >. 8288E*00 ( > * ( i440e* E*00 36*148 : í.4m2e*00 i>.66661* L.7136E*O * ( >.1884E*00 í> * íl.1414e* * íl.3838e* * : >.51O9E*OO : 1.494*1* E*O1 ' * i : Í178E-01 1r294E I.S920E+01 : t.6066e* L.6446E*01 1L.6067E* L *02 1L.426*1* l.7711e*02 í * : i.8338e*02 :».80321*02 49RT36 4l.6448E*02 4\.66961* ! >652E*01 4k.46l3E* í>.6893e*01 4l.6633E*0O ((,0248E*01 4l.6820E* E* * >.72681* * : I.1721E*O1 I> *00 6* 29 : *01 1(7011* : E*01 1(9691* L.8965E*01 1(9461* L.6886E*01 1(6061*00 60UT24 l.2036e*01 í16281* L.1823E* * L.1399E*01 il.13991* L326I+O1 1l3261* i>.1651e*00 im661e* I(.2676E+0O * ' r.44331*00 ' r.44331* (.71361*00 < (.71361* * ((6761*00 4(6761* i.60431*00 1V.6043E k930E*00 4L99301* *00 4\.69861* E+OO 4r * ,.2477E*OO * k.3S04E* * * E* *00 4L71961* l.6163E* * *00 4r.2886E* : i.*472e*00 ii.8472e* : J.2718E+00 J).2718E* í.7862e*00 ií,78621* :!.6968E*00 '.!.6966E*00 83 i : E*00 '. í.6873e»00 D" US XJI«SP SM-149 XDESTIO ' 1 i 4.C -,< -,i !l í ,87 AT «ILACS-I 1027 VALOt XDESTIO 1*9*1* * * * * * *11* * *01*03 1. «6411* * * * *03 3. «7*31* *03.401*1* *03 9.«9131* *03 6*6*1* *03 1. «9031*03 109*1*02 S.3*191*O *1* *01 31**E* * *1* * E* E*01 92**E* * * * * * * * E* E* E* * * * * * * * *11* *91* * )61* *1*01 19*61* *1* * * *01 132*1* * *1* *00 *.713*1*00 «67*1* * * * * E* * * ,*00 3.Í472I, 00 3,27181* E* E*00 2.6S73E*00,03 3

9 Tabela 2: Comparações para Am-241

10 SECAO M COOICO-> cv Ui« If 17! 1» » * * * 7» * «4» * * * 54 S3 52 SI SO 4» 4* » »tll t 79 to 1 2 war 7 I 4 ) 2 Tabela 3: Comparações para Cr CBOQO*: 11ÓH 33 ímracu ** ** **01 7.7*OOC*«O ** * *00 i.rr*o**o * **00 2.mit*oo **00 2.IMC « * 04 1.M3* «44 1.4M * * *4 « ** W2M M341-O ÍS0S E-O I-O E E E E E E ««2E O53E K E-02 6.M47E * E M S34E E E-03 « * CAFTMA O AT * ILACS--A XLACS-I 11*1 VALOt ' CKSVIO fauft XBCSflO 1.6»441«41-4Í **44** * «111**41-44.» 7.7*44 «44.* -44.» « * 1-44.» 4 & «44-44.» 3. 7*1 3.2*43C«+Q 2 3*f3«40 2!0*44*«40 1.B1O31*4«l.*473S«44 1.4*T4** ** t« * 40 l.offl l.osi 6744.tan urn T.T * ;-4n :-4tt -41 ;-4t -41 ;-4l *.4M7*-41 4^ 719* SS **2t * * * * * * !4* M1-O * * *01-02 * * * * l.»724i * * W *4* * * * M *7tt-0J * * * * *361t $ ^ ** ^ » i 1.444* -44.» » : t.ntt -44.» : -44.» : » ; 4A * ' t.wi ^2 1>-9F ^ * 1. w to -44.* i -44.* 1 ai %a -44-* i.44* í.nt » 11.34Í -44.» 11.14» -44» » i.mi «44 40 «40 Í4 *ff é* -44.MM * 1I430C * ''.2* * i(.6* * » 1» » » : » » 2* K L. « il.6040c í1.417»*-o í1.10* * *.7 1r * » * í» * * i1.4* :.7* : 1.2* ii.í : t.2* : 1.60* ;. 60* r. 9* >. 1* : 1.4* *.3 'i 1.120* ( 43*1-03 *4* *. 3 I Í1 ' i. 010* : J.1 ; I.H23Í : * ; I H331-O3 < (* :.6*31 i:-03 : 1-03! i ' < t.slm * *.*.4.4.*.*.*

11 stcao M ca»ic»-> 2* M fl M S SO 3$ 49 M 4* « M M M »1 33 S2 32 ( SUU29 M M M 69 2$ *T2l «4 20 «6 19 M It 7 17 M 1» 9 1» !VbeU4: Comparações par» Fe ci C E-01 CO24C-01 17S9C-01 9O29E SE C-01 92C4C-O1 7000C-01 M> C-O1 1M4K E CC W7E-02 2S39E E U E E S90C E-02 «6ltt C-02 3O30C-03 74C4C-O3 7771C-O2 49MC-03 M1M tt-03 OOOOC M«2t-03 4O9SI-O3 222SC-03 9M2I U-O3 9199C W-O3 9M2K-03 «Me-03 22S4K-03 MOll-03 3*27C-03 03ÍH UK-04 M23E-04 9«2»M.« W79C-01. 1M1I-O1 C02SC X C SC C-01.«2C4C K003E C-01 1M4C E CC C-02 OM7E-02.2S39C-07 K191E C C E E »90C I-02 1.M19C-O2 7.24* E-01 72»1 09*9E» C E C-03-2».( 90C * OOOOC E-O3 M«2C C M-03 lf42e-03 t OÍfS Í E-Õ5 992C-03 «ME E Í E E-03 0«34E C W-04 M23E * E-01 C026E K E C-01 92* C E C-01 l*94* E-01 09**E-O2 0303E-02 O9V7E-O E E-02 29«2t E E K1K * * * M E-02 0* « M2E * E i: Ü ÍMÍ-O3 49* **6«l E Ê-03 9W4Í * *2*1-04 AT 11*3 i ,0 2 1

12 OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO I I I I I I I t I I I I I I I I I I I I OOOOOOOOOOpOQOOOOOOOOOOOOOOOOOl-" NMMMM ST OOOOOOOOOOOOOOOOOPOOOOOOOOOPPPOOOOOPPPPOPPO 3OOOOOOO eeqoeóoóóóqòqòoqopóopopopp I I I I I I I I oooooooooo» NnNnnnnnn i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i i mr*t*mm**mmmmmmv*mmm*9mtmmmmmmmmtm oooôooooooooooooooooooooooo ÓPPP Wai ******** fito è S ooooooooooooooooooooooooooooofooooofhofoo^ooooooooooo^ooooooooooooooooooooooooooooooh»j O 5

13 10 5. GERAÇÃO DE BIBLIOTECA PARA O PROGRAMA XSDRN Em relação à geração de biblioteca para o programa XSDRN, motivo inicial do envolvimento com o programa XLACS, decidiu-se pela sua postergação até a oportunidade em que esteja concluída a avaliação completa (ainda falta estudar: função de ponderação, alargamento devido à temperatura e geração de matrizes de transferência nas faixas rápida e térmica) do programa XLACS ou de um novo programa que o substitua. A geração de uma "Master Library" dispendería, numa avaliação preliminar, em tomo de 50 horas de execução com a utilização de toda a memória disponível do CDC CYBER 170/750 do IEAv, processo que teria que ser repetido ao completar-se a validação do programa XLACS ou eventual substituto. A geração de uns poucos materiais, necessários para o processamento de uma célula-padrâo, comprovou que as alterações e correções realizada» não interferem no processamento do programa e que os resultados obtidos com o programa XSDRN se aproximam dos obtidos com a "Master Library" original. Para a obtenção de conclusões mais abrangentes deveriam ser processadas várias células-padrão e ser realizada uma análise mais detalhada dos resultados do programa XSDRN, o que foge ao objetivo atual do trabalho. 6. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES O programa XLACS validado no que tange à contribuição de ressonâncias e seções de choque de referência gera, agora, para função de ponderação constante e a zero Kelvin, resultados corretos. Falta ainda a validação de função de ponderação, alargamento devido à temperatura e giytição de matriz») de transferência (nas faixas rápida c térmica), para concluir o estudo deste programa. Considerando a experiência adquirida na avaliação e validação do programa XLACS e os programas relacionados nas Referências 6 e 9, recomendamos o desenvolvimento de um novo programa eficiente, em relação à utilização de memória e tempo de processamento, e com a possibilidade de também ser processado em computador do tipo PC. Desta maneira não mais estaríamos restritos pelas estruturas dos programas em estudo, possibilitando, uma vez desenvolvido o novo programa, gerar versões específicas para substituir, entre outros, o programa XLACS. Uma nova "Master Library 11 para o programa XSDRN só deve ser gerada após a conclusão da validação do programa XLACS ou de um novo programa que o substitua. 7. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a R. P. Kesavan Nair, Sergio Q. Bogado Leite, Roberto D. M. Garcia e Alexandre D. Caldeira pela colaboração durante o desenvolvimento deste trabalho.

14 11 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] RP. Comiera, E. Tanaka, "Catálogode Dados Nucleares", IEAv/ NT-007/80, Instituto de Estudos Avançados/CTA, São José dos Campos, SP, Brasil, Ago [2] D. Garber et al, "ENDF-102, Data Formats and Procedures for the Evaluated Nuclear Data File", BNL-NCS (ENDF-102) ENDF/B IV, Brookhaven National Laboratory, Upton, NY, USA, Out (3) N.M. Greene, J.L. Lucius, J.E. White, R.Q. Wright, C.W. Craven, Jr., M.L. Tobias, "XLACS: A Program to Produce Weighted Multigroup Neutron Cross Section from ENDF/B", ORNL-TM-3646, Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, TN, USA, Abr [4] A.F.V. Dias, J. Anaf, "Implantação do Grupo de Códigos XLACS/UPDATE /CON- VERT", IEAv/RI-011/88, Instituto de Estudos Avançados/CTA, São José dos Campos, SP, Brasil, Out [5] N.M. Greene, C.W. Craven, Jr., "XSDRN: A Discrete Ordinates Spectral Averaging Code", ORNL-TM-2500, Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, TN, USA, Jul [6] E.S. Chalhoub, J. Anaf, "Validação dos Códigos ETOG-3 e FLANGE-II no que Tange à Contribuição de Ressonâncias e Seções de Choque de Referência", IEAv/RP-008/88, Instituto de Estudos Avançados/CTA, São José dos Campos, SP, Brasil, Abr [7] D.E. Cullcn, "Program MERGER: Retrieve and/or Merge Data from the Evaluated Nuclear Data File Version B (ENDF/B) Format", UCRL-50400, Vol. 17, Lawrence Livermore Laboratory, Livermore, CA, USA, Jan [8] J. Barhen, W. Rothenstein, E. Taviv, The HAMMER Code System", NP-565, Research Project 709, Electric Power Research Institute, Palo Alto, CA, USA, Out [9] J. Anaf, E.S. Chalhoub, "Avaliação dos Códigos ETOG-3Q, ETOG-3, FLANGE-II, XLACS, NJOY e LINEAR/RECENT/GROUPIE no que Tange à Contribuição de Ressonâncias e Seções de Choque de Referência", IEAv/RP-065/88, Instituto de Estudos Avançados/CTA, São José dos Campos, SP, Brasil, Dez 1988, e traduzido pela IAEA, INDC(BZL)-031/GI, Fev [10] J. Anaf, E.S. Chalhoub, "COMPAR: Sistema para Comparar Seções de Choque Multigrupo Gerada» por NJOY, GROUPIE, FLANGE-II, ETOG-3 e XLACS", IEAv/NT-

15 014/87, Instituto de Estudos Avançados/CTA. 3ão José dos Campos, SP, Brasil, Nov 1987, e traduzido pela IAEA, INDC(BZL)-0?4/GV, Pev [11] J.U. Koppel, D.H. Houston, "Reference Manual for ENDF Thermal Neutron Scattering Data", National Nuclear Data Center, BNL, GA-8774, ENDF-269, Brookhaven National Laboratory, Upton, NY, USA, Jul [12] D.E. Cullen, "Program RECENT: Reconstruction of Energy Dependent Neutron Cross Sections from Resonance Parameters in the ENDF/B Format", UCRL-50400, Vol. 17, Part C, Lawrence Livermore Laboratory, CA, USA, Out (13) D.E. Cullen, comunicação privada. (14) N.M. Greene, et al.,"xlacs-2: A Program to Produce Weighted Multigroup Neutron Cross Sections from ENDF/B", ORNL-TM-3706 (Rev. 1) (to be published), Oak Ridge National Laboratory, Oak Ridge, TN, USA.

16 13 APÊNDICE A Materiais Selecionados das Bibliotecas de Dados Nucleares Avaliados Material Identificação 72-HÍ HÍ HÍ HÍ HÍ S» Gd-nat AB A» Ag Ag PU ü Ii-nat 24-Cr-nat 26-F*-nat 25-Mn ü Ü ü PU PU PU-241 Zirc-2 42-Mo-nat 90-Th Os cinco primeiros materiais foram obtidos da Biblioteca FRENDL /I/ e os restantes da ENDF/B-IV /2/. Além dos materiais relacionados acima foram processados outros dez que nâo possuem parâmetros de ressonâncias.

17 14 APÉNDICE B Estrutura de Grupos Utilizada GRUPO E E E E+O6.8650E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E+01 ESTRUTURA MULTIGRUPO (EV) LIMITES GRUPO LIMITES 1000E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E* E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E I E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E-01 1, C32E ; 7E E E E E E E E E E E E E E E E E-04 A estrutma de grupos fornecida ao programa XLACS é em ordem decrescente de energía, correspondendo na» tabela» de comparação ao grupo indicado na segunda coluna. Os grupo» de 54 a 83 (30 grupo») constituem a região térmica.

18 15 APÊNDICE C Exemplo de Comandos para a Execução de XLACS Arquivo u SUBMIT n para processamento no CDC CYBER 170/750 do IEAv. JAIME,T7200,SC«I1. USER,NAMI ( PA5SW)RD. CHARGE, CMTrl, PRO JITO. 0 nncril DA COVTA IlAEKtM IAIS OS COMANDOS BWIN.OOT,,DAT1./ HIT. / BEGIN,O0T,,DAY2. / POSSIBILITAI GUARDAR A SAÍDA DA EXECUÇÃO PAIA POSTItIO» IMPtESSAO, SI MECISSAtIO. orr, ptocril/oi>ieaiim. tfmtar A FITA DA BIBLIOTECA TERIICA. CASO SEJA IECSSSAKIA. LABEL, FITA, VSN-EA0703. SUFF.FITA.IO. COPTBF.FITA.TAPE12. UNLOAD,FITA. REWIND,TAPE12. TAPE 12 COVTn A BIBLIOTECA TEMICA. HOTTAR A FITA PARA COPIAR MDF/B-IV. UBEL.FITA,?SI«EA0716. SIIPF.FITA.l. COPYBF,FITA,TAPEI1. U1LOAD.FITA. REWIW.TAPEll. TAPE11 COrrEH A BIBLIOTECA (EW>r/B-IV) ACESSAR O PROGtAHA OBJETO PREVIAMENTE COMPILADO. NO PRESENTE CASO, O OBJETO DE XLACSI. ATTACH,LOOOBJXIJ. ACESSAR DADOS PARA XLACS. GET,TAPES«DXL. PARA XLACS AMTIGO BASTA GET.DXL. PtnU3E,TAPE23/BA. DETIK,TAPE2C»TAPE22. TAPE22 - TAPEI PARA XLACOHP, PARA COHPAR. PORGE.BIBSXL/IA. DEFINE,TAPE23«BIBSXL. BIBSXL - BIBLIOTECA PARA CONVERT, PARA XSDRN. KUDU CLASS PARA 12 DEVIDO A MEMORIA NECESSÁRIA. CLASS,12. INICIALIZAR AS VARIÁVEIS DO PROGRAM. LDSET.PRESET-O. LGO,*PL* PARA XUCS ANTIGO SERIA LCO,DXL,*PL« COMANDO ENQUIRE.F E ENQUIRE.R FORNECEM INFORMAÇÕES SOBRE OS ARQUIVOS GERADOS E A EXECUÇÃO. ENQUIRE,F. ENQUIRE,!. BEGIN,OUT,,DAT1. EXIT. ENQUIRE,F. ENQUIRE, R. BEGIN,OUT,,DAT2.

19 16 APÊNDICE D Exemplo de Dados de Entrada para XLACS Dados de entrada para XLACS utilizados para processar os cinco materiais apresentados nas Tabelas 1 a 5 da Seção 4. XLACS M l POft SM-148, AM-241, C», FE A» P0-24O. VtlGHTDK OPTICM: E(W)«1 DOPPL1» MOADQBD AT «t 1$$ $$ * *0 3$# T 70 (7E10) * *««. 0«6300** *«3. «78800*« * l.»63400*«l64000**8.20*600*6* * * * *51.42*400* *68 48«8O0* * *49.118»OO*35.630tOO* *37.4tS200* *22.763*00* *21 7.8*9300* * *13.72*700* * * * *04.47*000* * * * * * B SH-149 HAT « $$ R0 1 0 T 73»* 0 T AM-241 MT $$ T 73»» 0 T C* MAT $$ T 73»* 0 T Tt MAT « $$ *0 1 0 T 73 0 T PU-240 MAT $$ SUO 1 0 T 73»«0 T S*6000** *63 «1700*4* 364*00* *21 2*0300*11 EMDr/B ** * * * *2 7*0300* * * « « ror/i-4 oror/b-4 EMOF/1-4 ZMDF/B-4 0 valor negativo (-1) da linha 3$$ é indispensável para processar XLACS a zero Kelvin (73** 0 T) ou em casos em que a temperatura não é nula mas não se deseja dispender tempo no cálculo das matrizes de transferência.

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA

INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇA BIBGTR; UM CONJUNTO DE BIBLIOTECAS DE DADOS NUCLEARES PARA OS CÓDIGOS UNIMUG E ANISN Shizuca Ono Alexandre D. Caldeira NOTA TÉCNICA IEAv - 013 /89 (Nov /89) BIBGTR; UM CONJUNTO

Leia mais

Ministério da Aeronáutica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Centro Técnico Aeroespacial

Ministério da Aeronáutica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Centro Técnico Aeroespacial Ministério da Aeronáutica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Centro Técnico Aeroespacial ALEXSl E ALEXS2: DUAS INTERFACES ENTRE A BIBLIOTECA ENDF-6 E O PROGRAMA GROUPXS ' A. D. Caldeira NOTA TÉCNICA

Leia mais

Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial

Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial ICAROG: UM PROGRAMA QUE CONVERTE UMA BIBLIOTECA NO FORMATO WIMSD/4 DE CÓDIGO BCD PARA BINÁRIO E VICE-VERSA

Leia mais

MteMério da Aaranéutica cte P6 cpjtai 6 Desenvolvimento u6fiiro I ecnico A6ro6ipociai

MteMério da Aaranéutica cte P6 cpjtai 6 Desenvolvimento u6fiiro I ecnico A6ro6ipociai MteMério da Aaranéutica cte P6 cpjtai 6 Desenvolvimento u6fiiro I ecnico A6ro6ipociai - ft i -- ANTUN2?.. UMA NOVA VEliSÃO DA INTERFACE Jkj^QJN. ESTENDIDA AO PROGRAMA UNICIN Alexandre D. Caldeira e Maurício

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C Linguagem de Programação I Aula 05 Linguagem C Da Aula Anterior Algoritmos Portugol: aspectos básicos Estruturas repetição e controle Array: vetores e matrizes Nesta Aula Linguagens de Programação A Linguagem

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO COM FOCO EM INVESTIMENTO NO EXTERIOR FIM MORTGAGE

FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO COM FOCO EM INVESTIMENTO NO EXTERIOR FIM MORTGAGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO COM FOCO EM INVESTIMENTO NO EXTERIOR FIM MORTGAGE O estouro da bolha imobiliária nos EUA abriu uma janela de oportunidade inédita para investir no mercado imobiliário

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX

DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX DESENVOLVIMENTO DE ALGORITMO PARA FUNÇÃO MULTILÍNGUE DO SOFTWARE TROPLUX Pedro Vítor Sousa Ribeiro Universidade Federal de Alagoas pedrovsribeiro@gmail.com Ricardo Carvalho Cabús Universidade federal de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Parcerias Negociais. CSH300 Remessa CSH310 Retorno. Versão 1.2

Parcerias Negociais. CSH300 Remessa CSH310 Retorno. Versão 1.2 Parcerias Negociais CSH300 Remessa CSH310 Retorno Versão 1.2 12/03/2014 1 - Introdução Este manual apresenta o padrão para troca de arquivos entre Empresas e o Banco para confirmação de informações na

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Estrutura de Dados. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br. Parte 1

Estrutura de Dados. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br. Parte 1 Estrutura de Dados Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Parte 1 MODELO DE UM COMPUTADOR CPU Central Processing Unit MODELO DE UM COMPUTADOR O canal de comunicação (conhecido como BUS)

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

APÊNDICE D. D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit)

APÊNDICE D. D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit) APÊNDICE D Neste apêndice são comentados os arquivos de entrada e saída da terceira rotina do método de Green et al. (1993). D.1 - Arquivos de Entrada para o Processamento da Terceira Rotina (Vlsfit) Os

Leia mais

ARQUIVO EXTERNO: LEITURA, ESCRITA (sem formato e com formato)

ARQUIVO EXTERNO: LEITURA, ESCRITA (sem formato e com formato) ATUALIZADO: ago/2013 1 olenzi @ orlandolenzi. eng. br CONCEITO Os programas de computador, muitas vezes necessitam de dados externos que poderão ser obtidos a partir de arquivos ou pelo teclado. Esta operação

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

INTERFACE MS EXCEL PARA O CÓDIGO COBRA. Eduardo Maprelian e Benedito Dias Baptista Filho

INTERFACE MS EXCEL PARA O CÓDIGO COBRA. Eduardo Maprelian e Benedito Dias Baptista Filho INTERFACE MS EXCEL PARA O CÓDIGO COBRA Eduardo Maprelian e Benedito Dias Baptista Filho Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN-CNEN/SP Av. Lineu Prestes 2.242 05508-000 Butantã, São Paulo,

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ)

Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Programação Paralela e Distribuída (DCC/UFRJ) Aula 7: Programação com memória compartilhada usando OpenMP 1, 8, 10 e 15 de abril de 2015 OpenMP (Open MultiProcessing) Projetado para sistemas de memória

Leia mais

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE KlimaLogg Pro Ma n In s tr Soluç u çõ s em Me es ão d iç õe d l a u e SOFTWARE Software KlimaLogg Pro Registrador de umidade e temperatura Índice Visão geral...03 Guia Rápido...03 Configuração do dispositivo

Leia mais

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP.

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP. A ARQUITETURA DE UM COMPUTADOR A arquitetura básica de um computador moderno segue ainda de forma geral os conceitos estabelecidos pelo Professor da Universidade de Princeton, John Von Neumann (1903-1957),

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Experimentos com a memória cache do CPU

Experimentos com a memória cache do CPU Experimentos com a memória cache do CPU Alberto Bueno Júnior & Andre Henrique Serafim Casimiro Setembro de 2010 1 Contents 1 Introdução 3 2 Desvendando o cache 3 2.1 Para que serve o cache?.....................

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 MEMÓRIA CONCEITO Bit- 0 1 Essência de um sistema chamado BIESTÁVEL Ex: Lâmpada 0 apagada 1 acesa 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 A que se destina a memória: Armazenamento das instruções

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA WATIVO CONTROLE DO CIAP PARA O SPED FISCAL

MANUAL DO SISTEMA WATIVO CONTROLE DO CIAP PARA O SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA WATIVO CONTROLE DO CIAP PARA O SPED FISCAL SulProg Sistemas Página: 1 INTRODUÇÃO Este material traz as informações necessárias de como integrar seu controle de ativo imobilizado com os

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Vetores

Programação de Computadores I. Linguagem C Vetores Linguagem C Vetores Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 08 Vetores 1 Vetores Sintaxe: tipo_variável nome_vetor[tamanho]; Um vetor é uma variável que possui várias ocorrências de um mesmo

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc

Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc Claudio C. Conti www.ccconti.com/instnuc O que é Monte Carlo? O nome MONTE CARLO foi dado à um tipo de método matemático por cientistas que trabalhavam no desenvolvimento de armas nucleares em Los Alamos

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO UNIÃO DE TECNOLOGIA E ESCOLAS DE SANTA CATARINA Tecnologia em Processamento de Dados MÉTODOS DE ORDENAÇÃO Tecnologia em Processamento de Dados (Pascal) Jurandir Steffens Acadêmico Glauco Vinicius Scheffel

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/68 Roteiro Arquivos Organização de arquivos Diretórios Métodos de acesso Métodos de alocação em disco Fragmentação Tamanho de bloco Proteção de acesso 2/68 Introdução

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação 36 5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS 5.1 - Os Programas de Avaliação Programas de avaliação convencionais foram utilizados para análise de diversas configurações da arquitetura. Estes programas

Leia mais

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br

Capture Pro Software. Introdução. A-61640_pt-br Capture Pro Software Introdução A-61640_pt-br Introdução ao Kodak Capture Pro Software e Capture Pro Limited Edition Instalando o software: Kodak Capture Pro Software e Network Edition... 1 Instalando

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 8: 04 de maio de 2010 1 Formatos de instruções MIPS 2 Endereçamento de operandos imediatos de 32 bits Endereçamento em desvios Modos de endereçamento do MIPS 3

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2015/003 ICMS em Operações Interestaduais de Vendas a Consumidor Final Versão 1.30 Novembro 2015 Histórico de Alterações A. Alterações introduzidas na versão

Leia mais

Notas de Aplicação. Upload/Download de programas. nos controladores HI G3. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Upload/Download de programas. nos controladores HI G3. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Upload/Download de programas nos controladores HI G3 HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00078 Versão 1.00 outubro-2013 HI Tecnologia Upload/Download de programas nos controladores

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD

Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Discadora Via Modulo GSM HERA HR-QUAD Manual do Usuário [Ver.V4] Página 1 SUMARIO 1- Identificação e suas FUNCIONALIDADES:... 3 2- Características... 5 3- Cadastrando 1 ou mais números na discadora...

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

Release Notes Julho/2014

Release Notes Julho/2014 Julho/2014 Título do documento Saúde e Segurança do Trabalho (11.8.0.11) Copyright 2009 TOTVS. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida, traduzida ou transmitida

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário Shop Control 8 Pocket Guia do usuário Abril / 2007 1 Pocket O módulo Pocket permite fazer vendas dos produtos diretamente em handhelds Pocket PC, pelos vendedores externos da empresa. Os cadastros (clientes,

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Introdução à Programação em C++ (Continuação) Relembrando da Última Aula... Funções Classes de armazenamento

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais