RELATÓRIO E CONTAS 1S14. 1 Relatório & Contas Sonaecom

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO E CONTAS 1S14. 1 Relatório & Contas Sonaecom"

Transcrição

1 \ 1 Relatório & Contas Sonaecom RELATÓRIO E CONTAS 1S14

2 A informação financeira consolidada contida neste reporte é baseada em Demonstrações Financeiras não auditadas, International Accounting Standards Board ( IASB ), tal como adotadas pela União Europeia. 2 Relatório & Contas Sonaecom

3 Índice 1. Resultados Consolidados Sonaecom NOS Indicadores Financeiros Desempenho bolsista Software e Sistemas de Informação (SSI) Indicadores Operacionais Indicadores Financeiros 8 2. Resultados individuais da Sonaecom SGPS Dados Operacionais Dados Financeiros Principais Desenvolvimentos Corporativos no 2T Eventos Subsequentes Outros Indicadores Demonstração de Resultados Consolidados da Sonaecom Balanço Consolidado da Sonaecom FCF Alavancado da Sonaecom Governo da Sociedade Artigo 447º, 448º e Participações Qualificadas Declaração para os efeitos do Artigo 245º do Código de Valores Mobiliários Informação Financeira Demonstrações Financeiras consolidadas da Sonaecom Anexo às demonstrações financeiras consolidadas Demonstrações Financeiras individuais da Sonaecom Anexo às demonstrações financeiras individuais 98 3 Relatório & Contas Sonaecom

4 1. Resultados Consolidados Sonaecom Notas Introdutórias Até 26 de agosto de 2013, a Optimus - SGPS, S.A. (Optimus) era integralmente detida pela Sonaecom, SGPS, S.A. (Sonaecom). Após a concretização da fusão entre a Optimus e a ZON - Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, S.A. (Zon), a Sonaecom detém, desde 27 de agosto de 2013, uma participação de 50% no capital da ZOPT, SGPS, S.A. (ZOPT) que, por sua vez, detém uma participação de 50,01% no capital da NOS, SGPS, S.A. (NOS, anterior ZON Optimus, SGPS, SA.). Adicionalmente, a Sonaecom deteve, até 25 de fevereiro de 2014, uma participação direta de 7,28% no capital da NOS. Após essa data, na sequência da oferta pública de aquisição geral e voluntária de ações próprias lançada pela Sonaecom, a participação direta no capital social da NOS foi reduzida para 2,14%. O portefólio da Sonaecom inclui, ainda, 100% das áreas de Software e Sistemas de Informação (SSI) e Público, cujos resultados são integralmente consolidados, e alguns negócios de Media, cujos resultados são consolidados através do Método de Equivalência Patrimonial. A Sonaecom ajustou as suas demonstrações de resultados de 2013 numa base pro-forma, assumindo que a fusão da Optimus e da Zon ocorreu em 1 de janeiro de 2013, com alguns efeitos de consolidação na empresa veículo co-controlada. Este critério, para além de assegurar uma comparação mais simples e rigorosa entre os resultados de 2013 e 2014, encontra-se em linha com o atual método de reporte pro-forma adotado pela NOS, assim como com as expectativas do mercado. Adicionalmente, a participação direta no capital da NOS encontra-se ao justo valor através de Volume de Negócios No 1S14, o Volume de Negócios consolidado alcançou 65,6 milhões de euros, aumentando 0,3% face ao 1S13. Este desempenho foi consequência do aumento de 17,6% das Vendas de Equipamento, que mais do que compensou a diminuição de 4,9% das Receitas de Serviço, que totalizaram 47,7 milhões de euros. Contudo, é importante salientar o aumento de 5,7% das Receitas de Serviço entre o 1T14 e o 2T14. Custos Operacionais Os Custos Operacionais ascenderam a 63,2 milhões de euros, 3,1% acima do valor registado no mesmo período de O nível de Custos com Pessoal aumentou 2,7% entre os dois períodos, principalmente devido ao aumento do número de colaboradores. Os Custos Comerciais aumentaram 23,4%, para 16,6 milhões de euros, impulsionados pelo aumento do Custo das Mercadorias Vendidas na SSI, em linha com a evolução das Vendas de Equipamento. Quanto aos Outros Custos Operacionais, o decréscimo é maioritariamente explicado pelo baixo nível de provisões e de custos Gerais e Administrativos. EBITDA O EBITDA atingiu 12,1 milhões de euros, 38,4% abaixo do totalizado no 1S13 em resultado, principalmente, da linha referente ao Método de Equivalência Patrimonial, particularmente afetada pelo contributo da ZOPT que, por sua vez, depende do Resultado Líquido da NOS. No que diz respeito à evolução do EBITDA do portefólio, este alcançou 3,1 milhões de euros, 36,1% abaixo do totalizado no 1S13. A margem EBITDA do portefólio registou 4,8%, um valor que compara com 7,5% no mesmo período de Esta evolução é sobretudo impulsionada pelo elevado peso das Vendas de Equipamento, as quais geram menores margens. Resultado Líquido O EBIT da Sonaecom diminuiu 47,8% quando comparado com o período homólogo do ano anterior, encerrando o semestre com 8,7 milhões de euros. Este decréscimo é maioritariamente explicado por um maior nível de Depreciações e Amortizações (D&A) e por um menor EBITDA. Os Resultados Financeiros atingiram um valor negativo de 6,3 milhões de euros no 1S14, com o ajustamento ao justo valor da NOS, tendo por base o preço de mercado, contribuindo com um valor negativo de 7,9 milhões de euros, apesar dos dividendos recebidos no montante de 1,3 milhões de euros através da participaç ão directa de 2,14% na NOS. O EBT da Sonaecom diminuiu 19,9 milhões de euros, para 2,3 milhões de euros. O Resultado Líquido atribuível ao Grupo fixou-se nos 2,6 milhões de euros, valor que compara com 20,3 milhões de euros obtidos no 1S13. 4 Relatório & Contas Sonaecom

5 CAPEX Operacional O CAPEX Operacional do portefólio diminuiu de 3,0 milhões de euros para 2,9 milhões de euros, em linha com a evolução do CAPEX Operacional da SSI. Estrutura de Capital A Dívida Bruta alcançou 17,6 milhões, face a 381,7 milhões de euros obtidos no 1S13. A Dívida Líquida totalizou um confortável valor negativo de 157,0 milhões de euros uma posição de cash positiva. No 1S13, a Dívida Líquida situou-se em 265,4 milhões de euros, um valor significativamente mais alto, maioritariamente devido ao facto de incorporar a subsidiária Optimus. 5 Relatório & Contas Sonaecom

6 NOS TOTAL RGUs RGUs CONVERGENTES % Clientes 3P & 4P Subscritores IRIS 7.295,6 milhares 1.007,7 milhares 69,2% 561,3 milhares Indicadores Financeiros Milhões de euros DESTAQUES NOS PRO-FORMA 2T13 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 1S14 Volume de Negócios 357,1 345,0-3,4% 337,3 2,3% 708,9 682,3-3,8% EBITDA 140,3 133,6-4,8% 129,9 2,9% 278,3 263,5-5,3% Margem EBITDA (%) 39,3% 38,7% -0.6pp 38,5% 0.2pp 39,3% 38,6% -0.6pp Resultado Líquido 30,6 18,4-39,8% 25,3-27,1% 58,1 43,7-24,8% CAPEX 66,7 88,6 33,0% 56,7 56,4% 127,2 145,3 14,2% EBITDA-CAPEX 73,7 45,0-38,9% 73,2-38,5% 151,1 118,2-21,8% CAPEX Recorrente 65,6 71,8 9,5% 52,7 36,2% 124,2 124,6 0,3% EBITDA-CAPEX Recorrente 74,7 61,8-17,3% 77,1-19,9% 154,2 138,9-9,9% As Receitas Operacionais da NOS registaram 682,3 milhões de euros no 1S14, uma diminuição de 3,8% face ao mesmo período do ano anterior. O EBITDA alcançou 263,5 milhões de euros, uma redução de 5,3% quando comparado com o 1S13. No 1S14, o CAPEX Recorrente manteve-se em linha com o ano anterior, atingindo 124,6 milhões de euros. Como consequência da evolução do EBITDA, o EBITDA-CAPEX Recorrente diminuiu 9,9%. O rácio da Dívida Financeira Líquida face ao EBITDA manteve-se em 1,9x no final do 1S14. A maturidade média da Dívida Financeira Líquida é de 2,1 anos. A NOS publicou os resultados do 1S14 em 30 de julho de 2014, disponíveis em Desempenho bolsista 140,00 130,00 D = + 14,1% 120,00 110,00 100,00 D = + 12,4% 90,00 80,00 NOS PSI20 No seguimento da fusão entre a Optimus e a ZON (actualmente NOS), e desde o primeiro dia de negociação em bolsa das novas ações emitidas, 9 de setembro, até 30 de junho de 2014, a capitalização bolsista da empresa valorizou 12,4%, o que corresponde a um a 0. No mesmo período, o PSI20, principal índice nacional, valorizou 14,1%. 6 Relatório & Contas Sonaecom

7 1.2. Software e Sistemas de Informação (SSI) Tendo alcançado um crescimento consistente desde o seu lançamento, no final de 2002, seguindo uma abordagem dinâmica na gestão do seu portefólio, a divisão da SSI incluía no final do 1S14 quatro empresas do setor de IT/IS, focadas na expansão internacional. A WeDo Technologies, líder mundial no mercado de enterprise business assurance, continuou a expandir a sua presença internacional. A Empresa, que colabora com algumas das principais empresas mundiais blue chip dos setores de retalho, energia e financeiro, assim como com mais de 180 operadores de telecomunicações de mais de 90 países, encerrou o 1S14 com as Receitas Internacionais a representar 75% do Volume de Negócios. Focada na melhoria contínua dos seus serviços e produtos de software, a WeDo Technologies anunciou, em fevereiro de 2014, o lançamento do RAID:FMS 7. Este software permite aos prestadores de serviço a gestão de ameaças de risco associados a novos produtos e serviços numa única plataforma. De salientar ainda que, durante 2014, a empresa adquiriu novos clientes no Paquistão, Marrocos, Bahrein, Omã, Suiça, Hungria, Alemanha, México (um dos principais retalhistas), Madagáscar, Bangladesh, Malásia e Portugal (uma empresa de energia) que refletem claramente o crescimento da empresa neste mercado, em Portugal e no estrangeiro. O 1S14 foi de igual modo marcado por mais uma edição bem-sucedida do evento que contou com mais de 240 participantes e 18 clientes oradores, especialistas da indústria e pares. A Saphety continua a consolidar a sua posição em soluções purchase-to-pay, otimização de processos de negócio e sincronização de dados de informação e multimédia para as organizações mundiais da GS1. A carteira de clientes da Saphety conta atualmente com mais de clientes e utilizadores em cerca de 20 países. No decorrer do 1S14, a Saphety conquistou quatro novos contratos, incluindo a Wal-Mart no México, o maior retalhista e organização pública do mundo; a GS1 Greece e a GS1 México, duas referências para as nossas soluções de sincronização, e a Yazaki no Brasil, com a implementação do SaphetyDoc em mais de 76 fornecedores no setor automóvel. Adicionalmente, de salientar que o mercado internacional representou, no 1S14, cerca de 35% do total de encomendas. A Mainroad possui um portefólio extenso, que inclui IT outsourcing, information security solutions, serviços de data center, cloud computing, soluções de gestão de serviços de IT e gestão de bases de dados e SAP. No 1S14, a Mainroad esteve focada na oferta de soluções de information security, criando uma nova unidade de negócio de serviços de segurança, a qual integra a unidade de negócio existente e a divisão de network security da Praesidium. A Praesidium, com mais de 130 clientes em 85 países, contribuiu para potenciar a dimensão internacional da Mainroad, assim como as suas encomendas, as quais cresceram 33% face ao período homólogo de Relativamente à infraestrutura da Mainroad, com data centers em Lisboa e Porto, verificou-se a continuação do investimento tecnológico, com vista à melhoria da eficiência energética das soluções e a expansão da infraestrutura como plataforma de serviços de suporte às soluções de cloud da organização. No 2T14, depois da Bizdirect ter lançado um centro de competências em Viseu (no 1T14), a empresa adquiriu os primeiros clientes. Este centro foi criado para dar resposta ao crescimento da procura de projetos em áreas de CRM (customer relationship management) e ECM (enterprise content management), investindo na formação de profissionais e focando-se no mercado internacional. O investimento em equipamento de IT e software registou também algumas melhorias, as quais permitiram à Bizdirect aumentar o seu Volume de Negócios em 24,4% no 1S14 face ao período homólogo de Indicadores Operacionais PRINCIPAIS INDICADORES OPERACIONAIS 2T13 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 1S14 Receitas Serviços IT/Colaborador (1) ('000 euros) 36,5 33,5-8,2% 33,5 0,1% 72,4 67,0-7,5% Vendas Equipamento em % Vol. Negócios 20,7% 24,6% 3,9pp 20,0% 4,6pp 18,6% 22,5% 3,9pp Vendas Equipamento/Colaborador (2) ('000 euros) 188,1 327,8 74,3% 151,7 116,1% 328,2 440,7 34,3% EBITDA/Colaborador ( '000 euros) 5,0 3,7-25,5% 4,5-18,5% 10,3 8,2-20,0% Colaboradores ,2% 687 3,6% ,2% (1) Excluindo colaboradores dedicados a Vendas de Equipamento; (2) Bizdirect. As Receitas de Serviço de IT por Colaborador atingiram 67,0 mil euros no 1S14, 7,5% abaixo do 1S13, devido ao efeito do crescimento de 7,2% no número de colaboradores. O rácio EBITDA por Colaborador atingiu 8,2 mil euros, 20,0% abaixo do período homólogo de 2013, fruto da evolução do EBITDA, associado ao crescimento do número de Colaboradores. 7 Relatório & Contas Sonaecom

8 As Vendas de Equipamento como percentagem do Volume de Negócios aumentaram de 18,6% para 22,5%, em virtude da evolução das Vendas de Equipamento na Bizdirect Indicadores Financeiros Milhões de euros SSI CONSOLIDADO - DEM. RESULTADOS 2T13 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 1S14 Volume de Negócios 29,1 30,6 5,3% 27,3 12,4% 55,6 57,9 4,1% Receitas de Serviço 23,1 23,1 0,1% 21,8 5,9% 45,3 44,9-0,8% Vendas de Equipamento 6,0 7,5 25,2% 5,5 38,1% 10,3 13,0 25,7% Outras Receitas 0,2 0,0-81,7% 0,2-78,0% 0,5 0,3-49,4% Custos Operacionais 26,0 28,0 7,7% 24,3 15,2% 49,4 52,4 6,1% Custos com Pessoal 8,6 8,8 2,6% 8,8 0,8% 17,6 17,6 0,3% Custos Comerciais (1) 6,2 8,3 34,6% 5,6 47,5% 10,7 14,0 30,2% Outros Custos Operacionais (2) 11,2 10,9-3,3% 9,9 9,5% 21,1 20,8-1,3% EBITDA 3,3 2,6-20,1% 3,1-15,6% 6,7 5,7-14,8% Margem EBITDA (%) 11,3% 8,6% -2,7pp 11,4% -2,8pp 12,1% 9,9% -2,2pp CAPEX Operacional (3) 1,8 1,2-31,5% 1,5-16,0% 2,8 2,7-4,0% CAPEX Operacional como % Vol. Negócios 6,1% 4,0% -2,1pp 5,3% -1,3pp 5,0% 4,6% -0,4pp EBITDA-CAPEX Operacional 1,5 1,4-6,7% 1,7-15,2% 4,0 3,1-22,3% CAPEX Total 1,8 1,2-31,6% 1,5-16,0% 3,2 2,7-16,5% (1) Custos Comerciais = Custo das Mercadorias Vendidas + Custos de Marketing e Vendas; (2) Outros Custos Operacionais = Serviços Subcontratados + Despesas Gerais e Administrativas + Provisões + Outros Custos; (3) CAPEX Operacional exclui Investimentos Financeiros. Volume de Negócios O Volume de Negócios continuou a beneficiar da expansão internacional das empresas da SSI, tendo crescido 4,1% entre o 1S13 e o 1S14, registando 57,9 milhões de euros, não obstante a diminuição de Receitas de Serviço, de 0,8%, atingindo os 44,9 milhões de euros. As Vendas de Equipamento aumentaram 25,7% entre o 1S13 e o 1S14, totalizando 13,0 milhões de euros. O mercado da Infraestrutura de IT, onde a Bizdirect se posiciona, tem manifestado sinais de recuperação em É importante referir que as Receitas de Serviço aumentaram 5,9% entre o 1T14 e o 2T14. Custos Operacionais Os Custos Operacionais aumentaram 6,1% entre o 1S13 e o 1S14, alcançando 52,4 milhões de euros, em virtude, principalmente, do maior nível de Custos Comerciais. No mesmo período, os Custos Comerciais aumentaram 30,2%, para 14,0 milhões de euros, devido ao maior Custo das Mercadorias Vendidas, alinhado com as maiores Vendas de Equipamento. Os Outros Custos Operacionais diminuiram 1,3% no 1S14, para 20,8 milhões de euros, consequência do menor nível de provisões e de custos Gerais e Administrativos. EBITDA No que respeita à rentabilidade operacional do negócio, como o Volume de Negócios mais elevado advém da Venda de Equipamentos, que gera margens menores, não foi suficiente para compensar o aumento dos Custos Operacionais, pelo que o EBITDA diminuiu 14,8%, para 5,7 milhões de euros. Consequentemente, a margem EBITDA situou-se nos 9,9% no 1S14, diminuindo 2,2 p.p. EBITDA-CAPEX Operacional Como consequência do menor nível do EBITDA, o EBITDA-CAPEX Operacional situou-se nos 3,1 milhões de euros, diminuindo 22,3% quando comparado com o 1S13. 8 Relatório & Contas Sonaecom

9 2. Resultados individuais da Sonaecom SGPS 2.1 Dados Operacionais Os Resultados individuais da Sonaecom SGPS para os semestres findos a 30 de junho de 2014 e 2013, podem ser resumidos como segue: Milhões de euros D % Receitas de Serviço 1,8 0,2 (1,6) -91% Custos Operacionais (1) (2,3) (1,4) 0,9-41% EBITDA (0,6) (1,1) (0,6) 93% EBIT (0,6) (1,2) (0,5) 84% Dividendos Recebidos 24,7 1,3 (23,4) - Atividade Financeira Líquida 6,3 1,2 (5,1) -81% Outros Resultados Financeiros (2,6) (7,3) (4,7) 182% EBT 27,6 (6,0) (33,5) -122% Resultado Líquido 27,0 (5,9) (33,0) -122% (1) Exclui Amortizações, Depreciações e Provisões A 30 de junho de 2014, a Sonaecom SGPS tinha 3 administradores executivos, o que compara com 4 em junho de Receitas de Serviço As Receitas de Serviço totalizaram 0,2 milhões de euros, que comparam com 1,8 milhões de euros no ano passado, e respeitam essencialmente a serviços de gestão prestados às suas subsidiárias. O decréscimo verificado justifica-se pela redução dos serviços de gestão cobrados à Optimus SGPS, SA após a fusão desta com a Zon (a 27 de agosto de 2013). Custos Operacionais O montante de custos operacionais (excluindo depreciações, amortizações e provisões) ascendeu a 1,4 milhões de euros, que comparam com os 2,3 milhões de euros do 1S13. EBITDA O EBITDA foi negativo de 1,1 milhões de euros (0,6 milhões de euros no 1S13) e a diminuição face ao ano anterior é maioritariamente justificado pela redução das receitas de serviço. Dividendos Durante o 1S14, a Sonaecom SGPS recebeu 1,3 milhões de dividendos da participação direta na NOS, quando no 1S13 recebeu 24,7 milhões de euros da Optimus, SGPS, S.A. Atividade Financeira Líquida A atividade financeira líquida (juros recebidos menos juros pagos) foi positiva de 1,2 milhões de euros, abaixo dos 6,3 milhões de euros do 1S13 devido ao menor nível de suprimentos efetuados às subsidiárias. Outros Resultados Financeiros Os outros resultados financeiros foram negativos de 7,3 milhões de euros, quase totalmente justificados pelas perdas decorrentes do justo valor das ações representativas da participação direta no capital social da NOS SGPS, SA Resultado Líquido Os resultados líquidos do exercício foram negativos de 5,9 milhões de euros, maioritariamente justificados pelos ajustamentos de justo valor das ações conforme referido acima. 9 Relatório & Contas Sonaecom

10 2.2 Dados Financeiros A tabela seguinte sumariza os movimentos de liquidez mais significativos que ocorreram durante o 1S14: Alterações na liquidez da Sonaecom SGPS Milhões de euros Liquidez a 31 de dezembro de ,9 Caixa e Depósitos Bancários 26,3 Aplicações de tesouraria 159,7 Bancária 156,5 Subsidiárias 3,2 Variação da Dívida Bruta Nominal (29,9) Dívida Externa (20,0) Aplicações de tesouraria de subsidiárias (9,9) Suprimentos concedidos (2,5) Free Cash Flow 15,6 Juros pagos (2,7) Juros recebidos 5,5 Alienação de partes de capital (líquida de aquisições) 10,9 Dividendos recebidos 1,3 Free cash flow operacional e outros 0,5 Liquidez a 30 de junho de ,1 Caixa e Depósitos Bancários 0,1 Aplicações de tesouraria 174,0 Bancária 169,9 Subsidiárias 4,1 Durante o 1S14, a liquidez da Sonaecom SGPS diminuiu 11,8 milhões de euros para os 174,1 milhões de euros devido aos seguintes movimentos: (i) O FCF foi positivo de 15,6 milhões de euros; (ii) Os empréstimos concedidos às subsidiárias diminuíram 2,5 milhões de euros; mas (iii) As aplicações de tesouraria efectuadas pelas subsidiárias na Sonaecom SGPS diminuíram 9,9 milhões de euros; e (iv) A Dívida Externa diminuiu 20,0 milhões de euros. No final do 1S14, a dívida líquida da Sonaecom SGPS era negativa de 162,3 milhões de euros, e era composta por: (i) (ii) Liquidez de 174,1 milhões de euros; e Aplicações de tesouraria das subsidiárias e da ZOPT no montante de 11,9 milhões de euros. 10 Relatório & Contas Sonaecom

11 3. Principais Desenvolvimentos Corporativos no 2T14 Assembleia Geral de Accionistas Em 24 de abril de 2014, no decorrer da Assembleia Geral Anual da empresa, os Senhores Acionistas aprovaram todas as propostas em agenda, conforme segue: 1. Aprovar a eleição dos membros para o preenchimento das vagas na mesa da Assembleia Geral disponíveis à data da Assembleia Geral Anual; 2. Discutir e aprovar o Relatório de Gestão, Balanço e Contas, Individuais e Consolidadas relativos ao exercício de 2013; 3. Aprovação da afetação do Resultado Líquido relativo ao exercício de 2013; 4. Avaliação dos órgãos de administração e fiscalização da Empresa; 5. Discussão e aprovação da declaração de política de remuneração dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da sociedade e dos seus Dirigentes, bem como o Plano de Atribuição de Ações e respetivo ; 6. Autorização da aquisição e alienação de ações próprias até ao limite legal de 10%; 7. Autorização da aquisição ou detenção de ações representativas do capital da sociedade por sociedades dela dependentes, nos termos do disposto no artigo 325.º B do Código das Sociedades Comerciais. Composição do Conselho de Administração da Sonaecom Na sequência da deliberação tomada na Assembleia Geral Anual, em 24 de abril de 2014, a composição do Conselho de Administração foi reduzida de 11 para 3 membros, mantendo -se em funções Ângelo Gabriel Ribeirinho dos Santos Paupério (Presidente do Conselho de Administração e Presidente da Comissão Executiva da Sonaecom), Maria Cláudia Teixeira de Azevedo e António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier. Transações de Dirigentes A Sonae-SGPS, S.A. informou a Sonaecom de diversas aquisições, ocorridas entre 24 de fevereiro e 5 de maio de 2014, de ações representativas do capital social e direitos de voto da Sonaecom. Após a concretização destas transações, a Sonae passou a deter diretamente ações da Sonaecom, sendo-lhe também atribuíveis os direitos de voto referentes às ações detidas pela sua subsidiária Sonae Investments, B.V. 11 Relatório & Contas Sonaecom

12 4. Eventos Subsequentes De 14 a 17 de julho de 2014, a Sonae-SGPS, S.A. adquiriu ações representativas do capital social e os direitos de voto da Sonaecom. Após a realização destas transações, a Sonae passou a deter, diretamente, ações da Sonaecom. No dia 18 de julho, a Sonaecom adquiriu 60% do capital social da S21Sec, fazendo mais uma aposta no mercado de IT Security, um mercado em grande expansão. A S21Sec é uma multinacional, sediada em Madrid, especializada em serviços e tecnologias de Cyber Security cuja finalidade é a protecção dos activos de maior valor e maior critic idade dentro das organizações: a informação, as operações e a imagem corporativa. A empresa tem produtos/plataformas próprias e trabalha com um foco especial no combate à fraude e ao e-crime com presença em diversos segmentos como Administrações Públicas, empresas de energia e infraestruturas críticas, entidades financeiras e empresas de telecomunicações. 12 Relatório & Contas Sonaecom

13 5. Outros Indicadores 5.1. Demonstração de Resultados Consolidados da Sonaecom Milhões de euros DEM. RESULTADOS CONSOLIDADOS 2T13 (R) 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 (R) 1S14 Volume de Negócios 34,4 34,5 0,2% 31,1 10,8% 65,4 65,6 0,3% Receitas de Serviço 25,7 24,5-4,5% 23,2 5,7% 50,2 47,7-4,9% Vendas de Equipamento 8,7 10,0 14,1% 7,9 26,0% 15,2 17,9 17,6% Outras Receitas 0,5 0,4-14,9% 0,3 15,2% 0,8 0,7-13,7% Custos Operacionais 32,1 33,5 4,3% 29,7 12,8% 61,3 63,2 3,1% Custos com Pessoal 11,1 11,5 2,8% 11,6-1,3% 22,5 23,1 2,7% Custos Comerciais (1) 7,8 9,7 24,5% 6,9 40,0% 13,4 16,6 23,4% Outros Custos Operacionais (2) 13,2 12,4-6,4% 11,2 10,6% 25,4 23,6-7,3% EBITDA 10,5 5,3-49,2% 6,8-21,8% 19,7 12,1-38,4% EBITDA do portefólio (3) 2,8 1,4-49,8% 1,7-20,8% 4,9 3,1-36,1% MEP (4) 7,7 3,9-49,0% 5,0-22,1% 14,8 9,0-39,2% Margem EBITDA do portefólio (%) 8,0% 4,0% -4,0pp 5,6% -1,6pp 7,5% 4,8% -2,7pp Depreciações e Amortizações 1,0 2,0 98,9% 1,4 43,1% 3,1 3,5 11,8% EBIT 9,4 3,3-65,2% 5,4-38,9% 16,6 8,7-47,8% Resultados Financeiros 2,6-8,5-2,2-5,6-6,3 - Proveitos Financeiros 6,1 0,3-95,5% 2,9-90,4% 12,7 3,2-74,9% Custos Financeiros 3,5 8,8 150,4% 0,7-7,1 9,5 33,9% EBT 12,1-5,3-7,6-22,2 2,3-89,5% Impostos -1,1 0,7 - -0,4 - -1,9 0,2 - Resultado Líquido 11,0-4,6-7,2-20,3 2,6-87,4% Atribuível ao Grupo 11,0-4,6-7,2-20,3 2,6-87,4% Atribuível a Interesses Sem Controlo 0,0 0,0-0,0-0,0 0,0 13,6% (1) Custos Comerciais = Custo das Mercadorias Vendidas + Custos de Marketing e Vendas; (2) Outros Custos Operacionais = Serviços Subcontratados + Despesas Gerais e Administrativas + Provisões + Outros Custos; (3) Inclui os negócios integralmente consolidados pela Sonaecom; (4)Inclui a participação de 50% na Unipress, a participação de 50% na Infosystems, a participação de 45%na SIRS e a participação de 50% na ZOPT; (R) Os dados foram reexpressos, de modo a refletir, desde 1 de janeiro de 2013, a estrutura da Sonaecom após a concretização da fusão entre a Optimus e a Zon. 13 Relatório & Contas Sonaecom

14 5.2. Balanço Consolidado da Sonaecom Milhões de euros BALANÇO CONSOLIDADO 2T13 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 1S14 Total Ativo Líquido 1.853, ,3-42,9% 1.077,8-1,9% 1.853, ,3-42,9% Ativo Não Corrente 1.556,5 759,9-51,2% 768,9-1,2% 1.556,5 759,9-51,2% Ativos Fixos Tangíveis e Intangíveis 939,5 21,7-97,7% 22,4-2,9% 939,5 21,7-97,7% Goodwill 518,4 28,6-94,5% 28,4 0,5% 518,4 28,6-94,5% Investimentos 1,3 703,6-713,0-1,3% 1,3 703,6 - Impostos Diferidos Ativos 95,2 5,9-93,8% 5,0 17,0% 95,2 5,9-93,8% Outros 2,1 0,0-97,9% 0,0 0,2% 2,1 0,0-97,9% Ativo Corrente 296,6 297,5 0,3% 308,9-3,7% 296,6 297,5 0,3% Clientes 150,8 42,3-72,0% 35,9 17,8% 150,8 42,3-72,0% Liquidez 18,2 174,6-184,5-5,4% 18,2 174,6 - Outros 127,6 80,6-36,8% 88,6-9,0% 127,6 80,6-36,8% Capital Próprio 1.079,1 978,7-9,3% 997,5-1,9% 1.079,1 978,7-9,3% Atribuível ao Grupo 1.078,7 978,5-9,3% 997,3-1,9% 1.078,7 978,5-9,3% Interesses Sem Controlo 0,4 0,2-39,1% 0,2 6,4% 0,4 0,2-39,1% Total Passivo 774,0 78,6-89,8% 80,3-2,1% 774,0 78,6-89,8% Passivo Não Corrente 337,0 8,9-97,4% 8,9 0,0% 337,0 8,9-97,4% Empréstimos Bancários 246,0 4,4-98,2% 4,9-10,1% 246,0 4,4-98,2% Provisões para Outros Riscos e Encargos 39,8 3,1-92,3% 2,9 5,5% 39,8 3,1-92,3% Outros 51,2 1,4-97,2% 1,1 29,2% 51,2 1,4-97,2% Passivo Corrente 437,0 69,7-84,0% 71,4-2,4% 437,0 69,7-84,0% Empréstimos Bancários 139,1 12,7-90,9% 21,3-40,4% 139,1 12,7-90,9% Fornecedores 146,2 24,8-83,0% 19,2 29,5% 146,2 24,8-83,0% Outros 151,7 32,2-78,8% 31,0 4,0% 151,7 32,2-78,8% CAPEX Operacional (1) 1,9 1,3-31,1% 1,6-16,9% 3,0 2,9-2,8% CAPEX Operacional como % Vol. Negócios 5,6% 3,8% -1,7pp 5,1% -1,3pp 4,6% 4,4% -0,1pp CAPEX Total 1,9 4,3 122,5% 4,2 2,3% 3,4 8,4 146,4% EBITDA-CAPEX Operacional 0,8 0,1-92,1% 0,2-58,6% 1,9 0,2-88,1% Dívida Bruta 381,7 17,6-95,4% 26,7-34,2% 381,7 17,6-95,4% Dívida Líquida 265,4-157, ,7 0,5% 265,4-157,0 - (1) CAPEX OperacionalexcluiInvestimentos Financeiros FCF Alavancado da Sonaecom Milhões de euros FREE CASH FLOW ALAVANCADO 2T13 (R) 2T14 1T14 q.o.q. 1S13 (R) 1S14 EBITDA-CAPEX Operacional pro-forma 0,8 0,1-92,1% 0,2-58,6% 1,9 0,2-88,1% Variação de Fundo de Maneio -0,2-3,3-0,3-2,0-3,1 - Items não Monetários e Outros 0,6 4,3-0,4-0,3 4,7 - Cash Flow Operacional 1,2 1,1-13,8% 0,8 32,5% 4,3 1,9-56,7% Investimentos -0,2-3,7 - -2,6-42,6% -1,2-6,3 - Ações Próprias -1,2 0,0 100,0% 0,0 - -2,5 0,0 100,0% Resultados Financeiros 3,4 0,1-95,8% -1,5-5,3-1,3 - Impostos -0,8 1,1 - -0,3 - -1,2 0,8 - FCF (1) 2,6-1,4 - -3,5 61,6% 4,6-4,9 - (1)FCF após Custos Financeiros e antes de Fluxos de Capitais e Custos de Emissão de Empréstimos; (R)Os dados foram reexpressos, de modo a refletir, desde 1 de janeiro de 2013, a estrutura da Sonaecom após a concretização da fusão entre a Optimus e a Zon. 14 Relatório & Contas Sonaecom

15 6. Governo da Sociedade O relatório anual detalhado sobre o Governo da Sociedade constitui parte integrante do Relatório e Contas de 2013 da Sonaecom e está disponível no website da sociedade (www.sonae.com). O website da sociedade contém, igualmente, uma secção dedicada ao Governo da Sociedade. 15 Relatório & Contas Sonaecom

16 7. Artigo 447º, 448º e Participações Qualificadas Artigo 447º Nos termos do artigo 447º do Código das Sociedades Comerciais e do Regulamento da CMVM nº 5/2008. Ações detidas pelos membros do Conselho de Administração e dirigentes e respetivas transações durante o primeiro semestre de 2014: Conselho de Administração Aquisições Alienações Saldo em 30 junho 2014 Ângelo Gabriel Ribeirinho dos Santos Paupério Data Quantidade Quantidade Quantidade Sonae- SGPS, S.A. (6) Ações entregues ao abrigo do plano de incentivo de médio prazo ,07 Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 Maria Cláudia Teixeira de Azevedo Efanor Investimentos, SGPS, S.A. (1) 1 Linhacom, SGPS, S.A. (4) Sonae- SGPS, S.A. (6) Ações entregues ao abrigo do plano de incentivo de médio prazo ,07 Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier Sonae- SGPS, S.A. (6) Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 Alienação ,58 16 Relatório & Contas Sonaecom

17 Dirigentes Aquisições Alienações Saldo em 30 junho 2014 David Graham Shenton Bain Data Quantidade Quantidade Quantidade Sonae- SGPS, S.A. (6) Sonaecom, SGPS, S.A. (9) Rui José Gonçalves Paiva Sonae- SGPS, S.A. (6) Ações entregues ao abrigo da política de remuneração da sociedade ,14 Sonaecom, SGPS, S.A. (9) ,60 - Carlos Alberto Rodrigues Silva Sonae- SGPS, S.A. (9) Fernando José Lobo Pimentel Macareno Videira Sonae- SGPS, S.A. (9) Ana Cristina Dinis da Silva Fanha Vicente Soares Sonae- SGPS, S.A. (6) Ações entregues ao abrigo do plano de ,33 incentivo de médio prazo Sonaecom, SGPS, S.A.(9) - 17 Relatório & Contas Sonaecom

18 Notas: Aquisições Alienações Saldo em 30 Junho 2014 (1) Efanor Investimentos, SGPS, S.A. Data Quantidade Quantidade Quantidade Sonae - SGPS, S.A. (6) Pareuro, BV (2) Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 (2) Pareuro, BV Sonae - SGPS, S.A. (6) (3) Migracom, SGPS, S.A. Imparfin, SGPS, S.A. (5) Sonae - SGPS, S.A. (6) Alienação jun/ ,27 Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 (4) Linhacom,SGPS, S.A. Imparfin, SGPS, S.A. (5) Sonae - SGPS, S.A. (6) Sonaecom, SGPS, S.A. (9) - Alienação ,58 (5) Imparfin, SGPS, S.A. Sonae - SGPS, S.A. (6) (6) Sonae - SGPS, S.A. Sonaecom, SGPS, S.A. (9) Aquisição jan/ ,58 fev/ ,07 mar/ ,16 abr/ ,21 mai/ ,30 Sonae Investments BV (7) Sontel BV (8) (7) Sonae Investments BV Sontel BV (8) (8) Sontel BV Sonaecom, SGPS, S.A. (9) (9) Sonaecom, SGPS, S.A Relatório & Contas Sonaecom

19 Artigo 448º Nos termos do artigo 448º do Código das Sociedades Comerciais: Efanor Investimentos, SGPS, S.A. (1) Número de ações em 30 junho 2014 Sonae- SGPS, S.A Pareuro, BV Sonaecom, SGPS, S.A. - Pareuro, BV Sonae- SGPS, S.A Sonae- SGPS, S.A. Sonaecom, SGPS, S.A Sonae Investments BV Sontel BV Sonae Investments BV Sontel BV Sontel BV Sonaecom, SGPS, S.A (1) Ações representativas de cerca de 99,99% do capital social e dos direitos de voto da Efanor Investimentos, SGPS, S.A. pertencem a Belmiro Mendes de Azevedo. Participações Qualificadas Dando cumprimento ao artigo 8º, nº1, alínea b) do Regulamento 05/2008 da CMVM, declaramos as seguintes participações qualificadas a 30 de junho de 2014: Acionista Número de ações % Participação no capital Com ações próprias % Direitos de voto Sem ações próprias Sontel BV ,33% 62,33% 63,47% Sonae- SGPS, S.A ,96% 25,96% 26,43% Total imputável (1) ,29% 88,29% 89,90% (1) A participação qualificada correspondente é imputada à Efanor cujas ações representativas de cerca de 99,99% do capital social e dos direitos de voto da Efanor Investimentos, SGPS, S.A. pertencem a Belmiro Mendes de Azevedo. 19 Relatório & Contas Sonaecom

20 8. Declaração para os efeitos do Artigo 245º do Código de Valores Mobiliários Os signatários individualmente declaram que, tanto quanto é do seu conhecimento, o Relatório de Gestão, as Demonstrações Financeiras Consolidadas e Individuais e demais documentos de prestação de contas exigidos por lei ou regulamento foram elaborados em conformidade com as Normas Internacionais de Relato Financeiro aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada, em todos os aspetos materialmente relevantes, do ativo e do passivo, da situação financeira e do resultado consolidado e individual do emitente e que o Relatório de Gestão intercalar expõe fielmente os acontecimentos importantes que tiveram lugar no primeiro semestre de 2014 e o impacto dos mesmos, quando existe, nas demonstrações financeiras, contendo uma descrição apropriada dos principais riscos e incertezas para os seis meses seguintes. O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 20 Relatório & Contas Sonaecom

21 9. Informação Financeira 9.1. Demonstrações financeiras consolidadas da Sonaecom Balanços consolidados Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1), e para o exercício findo em 31 de dezembro de 2013 (Montantes expressos em euros) Notas junho 2014 (não auditado) junho 2013 (não auditado e reexpresso) dezembro 2013 Ativo Ativos não correntes Ativos fixos tangíveis 1.c), 1.h) e Ativos intangíveis 1.d), 1.e) e Goodwill 1.f), 1.w) e Investimentos em empresas associadas e controladas conjuntamente 1.b) e Investimentos registados ao justo valor através de resultados 1.g), 4 e Investimentos disponíveis para venda 1.g), 4 e Outros ativos não correntes 1.g), 1.r), 1.x), 4 e Impostos diferidos ativos 1.p), 1.s) e Total de ativos não correntes Ativos correntes Investimentos registados ao justo valor através de resultados 1.g), 4 e Inventários 1.i) Clientes 1.g), 1.j), 4 e Outras dívidas de terceiros 1.g), 1.j), 4 e Outros ativos correntes 1.r), 1.x), 4 e Caixa e equivalentes de caixa 1.g), 1.k), 4, 12 e Total de ativos correntes Total do ativo Capital próprio e passivo Capital próprio Capital social Ações próprias 1.u) e 14 ( ) ( ) ( ) Reservas 1.t) Resultado líquido consolidado do período Interesses sem controlo Total do capital próprio Passivo Passivo não corrente Empréstimos de longo prazo líquidos da parcela de curto prazo 1.l), 1.m), 4 e 15.a) Outros passivos financeiros não correntes 1.h), 4 e Provisões para outros riscos e encargos 1.o), 1.s) e Impostos diferidos passivos 1.p), 1.s) e Outros passivos não correntes 1.r), 1.x), 4 e Total de passivos não correntes Passivo corrente Empréstimos de curto prazo e outros empréstimos 1.l), 1.m), 4 e 15.b) Fornecedores 4 e Outros passivos financeiros 1.h), 4 e Outras dívidas a terceiros 4 e Outros passivos correntes 1.r), 1.x), 4 e Total de passivos correntes Total do passivo e capital próprio O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 21 Relatório & Contas Sonaecom

22 Demonstrações consolidadas dos resultados por natureza Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1), e para o exercício findo em 31 de dezembro de 2013 (Montantes expressos em euros) Notas junho 2014 (não auditado) abril a junho 2014 (não auditado) junho 2013 (não auditado e reexpresso) abril a junho 2013 (não auditado e reexpresso) dezembro 2013 Vendas 1.r) e Prestações de serviços 1.r) e Outros proveitos operacionais 1.q) e Custo das vendas 1.i) e 17 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Fornecimentos e serviços externos 1.h), 19 e 22 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Custos com o pessoal 1.x) e 27 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Amortizações e depreciações 1.c), 1.d), 1.f), 5, 6 e 7 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Provisões e perdas de imparidade 1.j), 1.o), 1.w) e ( ) ( ) ( ) Outros custos operacionais ( ) ( ) ( ) (73.470) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Ganhos e perdas em empresas associadas e controladas conjuntamente 1.b), 8 e ( ) Ganhos e perdas em investimentos registados ao justo valor através de resultados 1.g), 9 e 20 ( ) ( ) Outros custos financeiros 1.h), 1.m), 1.v), 1.w), 20 e 22 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Outros proveitos financeiros 1.v), 20 e (66.310) Resultados correntes ( ) ( ) ( ) Imposto sobre o rendimento 1.p), 11 e ( ) ( ) ( ) Resultado líquido consolidado do período das operações continuadas ( ) ( ) ( ) Resultado líquido do período de operações descontinuadas Resultado líquido consolidado do período ( ) Atribuível a: Acionistas da empresa mãe ( ) Interesses sem controlo (4.378) (5.068) (12.658) (72.032) Resultados por ação 26 Incluindo operações em descontinuação: Básicos 0,01 (0,01) 0,11 0,06 0,29 Diluídos 0,01 (0,01) 0,11 0,06 0,29 Excluindo operações em descontinuação: Básicos 0,01 (0,01) (0,03) (0,01) 0,10 Diluídos 0,01 (0,01) (0,03) (0,01) 0,10 O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 22 Relatório & Contas Sonaecom

23 Demonstrações consolidadas dos resultados e de outro rendimento integral Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1), e para o exercício findo em 31 de dezembro de 2013 (Montantes expressos em euros) Notas junho 2014 (não auditado) abril a junho 2014 (não auditado) junho 2013 (não auditado e reexpresso) abril a junho 2013 (não auditado e reexpresso) dezembro 2013 Resultado líquido consolidado do período ( ) Componentes de outro rendimento integral consolidado do período, líquido de imposto, que podem subsequentemente ser reclassificados por ganhos ou perdas: Variações em reservas resultantes da aplicação do método de equivalência patrimonial 8 ( ) ( ) 229 (3.844) ( ) Variação de reservas de conversão cambial e outros 1.v) ( ) ( ) ( ) Rendimento integral consolidado do período ( ) ( ) Atribuível a: Acionistas da empresa mãe ( ) ( ) Interesses sem controlo (4.378) (5.068) (12.658) (72.032) O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 23 Relatório & Contas Sonaecom

24 Demonstrações consolidadas das alterações no capital próprio Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1) (Montantes expressos em euros) Capital social Ações próprias (Nota 14) Prémios de emissão de ações Reserva legal Reservas para planos de incentivo de médio prazo (Nota 27) Reservas Reservas de ações próprias Outras reservas Total de reservas Interesses sem controlo Resultado líquido Total 2014 Saldo em 31 de dezembro de ( ) ( ) Aplicação do resultado consolidado de 2013 Transferência para outras reservas ( ) - Rendimento integral consolidado do período findo em 30 de junho de ( ) ( ) ( ) Alterações no capital na sequência da conclusão da oferta pública de aquisição geral e voluntária de ações próprias (Nota 13) ( ) ( ) ( ) - - ( ) Efeito do reconhecimento dos planos de incentivos de médio prazo (Notas 1.x) e 27) Efeito da conversão dos planos de incentivos de médio prazo (Notas 1.x) e 27) ( ) - ( ) ( ) - - ( ) Saldo em 30 de junho de ( ) ( ) Interesses sem controlo Saldo em 31 de dezembro de Interesses sem controlo no rendimento integral (4.378) - (4.378) Distribuição de dividendos (19.920) - (19.920) Outras variações (26.982) - (26.982) Saldo em 30 de junho de Total ( ) ( ) O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 24 Relatório & Contas Sonaecom

25 Demonstrações consolidadas das alterações no capital próprio (continuação) Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1) (Montantes expressos em euros) Capital social Ações próprias (Nota 14) Prémios de emissão de ações Reserva legal Reservas para planos de incentivo de médio prazo (Nota 27) Reservas Reservas de ações próprias Outras reservas Total de reservas Interesses sem controlo Resultado líquido Total 2013 Saldo em 31 de dezembro de ( ) ( ) Aplicação do resultado consolidado de 2012 Transferência para outras reservas ( ) - Distribuição de dividendos ( ) ( ) - - ( ) Rendimento integral consolidado do período findo em 30 de junho de ( ) ( ) Aquisição de ações próprias - ( ) ( ) ( ) Entrega de ações próprias no âmbito dos planos de incentivos de médio prazo (Notas 1.x) e 27) ( ) ( ) ( ) Efeito do reconhecimento dos planos de incentivos de médio prazo (Notas 1.x) e 27) Saldo em 30 de junho de ( ) ( ) Interesses sem controlo Saldo em 31 de dezembro de Interesses sem controlo no rendimento integral (5.068) - (5.068) Distribuição de dividendos (29.880) - (29.880) Outras variações Saldo em 30 de junho de Total ( ) ( ) O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 25 Relatório & Contas Sonaecom

26 Demonstrações consolidadas dos fluxos de caixa Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1) (Montantes expressos em euros) Atividades operacionais junho 2014 (não auditado) junho 2013 (não auditado e reexpresso) Recebimentos de clientes Pagamentos a fornecedores ( ) ( ) Pagamentos ao pessoal ( ) ( ) Fluxo gerado pelas operações ( ) Pagamento/recebimento de imposto sobre o rendimento ( ) ( ) Outros recebimentos/pagamentos relativos a atividades operacionais Fluxos das atividades operacionais (1) ( ) Atividades de investimento Recebimentos provenientes de: Investimentos financeiros Ativos fixos tangíveis Ativos intangíveis Dividendos Juros e proveitos similares Pagamentos respeitantes a: Investimentos financeiros ( ) ( ) Ativos fixos tangíveis ( ) ( ) Ativos intangíveis ( ) ( ) Fluxos das atividades de investimento (2) ( ) ( ) Atividades de financiamento Recebimentos respeitantes a: Empréstimos obtidos Pagamentos respeitantes a: Amortizações de contratos de locação financeira (14.372) ( ) Juros e custos similares ( ) ( ) Dividendos (19.920) ( ) Aquisição de ações próprias - ( ) Empréstimos obtidos ( ) ( ) Fluxos das atividades de financiamento (3) ( ) ( ) Variação de caixa e seus equivalentes (4)=(1)+(2)+(3) ( ) ( ) Efeito das diferenças de câmbio (98.418) Caixa e seus equivalentes no início do periodo Caixa e seus equivalentes no final do periodo O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 26 Relatório & Contas Sonaecom

27 Anexo às Demonstrações consolidadas dos Fluxos de Caixa Para os períodos findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1) 1. Aquisição ou alienação de filiais e outras atividades empresariais junho 2014 junho 2013 (reexpresso) a) Recebimento de alienações Distrinews, S.A b) Pagamento de aquisições Compra de ações Sonae SGPS Connectiv Solutions, Inc Saphety Brasil Transações Eletrônicas Ltda Distrinews, S.A Descrição dos componentes de caixa e seus equivalentes Notas junho 2014 junho 2013 (reexpresso) Numerário Depósitos à ordem Aplicações de tesouraria Depósitos à ordem (saldos credores) 12 e 15 ( ) ( ) Caixa e seus equivalentes Depósitos à ordem (saldos credores) Disponibilidades constantes do balanço Informações respeitantes a atividades financeiras não monetárias Notas junho 2014 junho 2013 (reexpresso) a) Créditos bancários obtidos e não sacados b) Compra de empresas através da emissão de ações Não aplicável Não aplicável c) Conversão de dívidas em capital Não aplicável Não aplicável 27 Relatório & Contas Sonaecom

28 4. Repartição do fluxo de caixa por ramo de atividade Atividade Fluxo das atividades operacionais Fluxo das atividades de investimento Fluxo das atividades de financiamento Variação de caixa e seus equivalentes 2014 Multimédia ( ) ( ) (19.489) ( ) Sistemas de Informação ( ) ( ) ( ) ( ) Holding ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Atividade Fluxo das atividades operacionais Fluxo das atividades de investimento Fluxo das atividades de financiamento Variação de caixa e seus equivalentes 2013 (reexpresso) Telecomunicações ( ) ( ) Multimédia ( ) ( ) (14.929) ( ) Sistemas de Informação ( ) ( ) ( ) Holding ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) O anexo faz parte integrante das demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de 2014 e 2013 (reexpresso Nota 1). O Técnico Oficial de Contas Ricardo André Fraga Costa O Conselho de Administração Ângelo Gabriel Ribeirinho Paupério Maria Cláudia Teixeira de Azevedo António Bernardo Aranha da Gama Lobo Xavier 28 Relatório & Contas Sonaecom

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

14 RELATÓRIO & CONTAS

14 RELATÓRIO & CONTAS 14 RELATÓRIO & CONTAS RELATÓRIO & CONTAS 2014 1 O GRUPO SONAECOM 1.1. Identificação sumária do grupo 1.2. Principais desenvolvimentos corporativos em 2014 1.3. Proposta de aplicação de resultados 4 GOVERNO

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 1S15

RELATÓRIO E CONTAS 1S15 RELATÓRIO E CONTAS 1S15 A informação financeira consolidada contida neste reporte é baseada em Demonstrações Financeiras não auditadas, preparadas de acordo com as União Europeia. 2 Índice 1. Principais

Leia mais

SONAECOM_RESULTADOS CONSOLIDADOS RESULTADOS CONSOLIDADOS 2013

SONAECOM_RESULTADOS CONSOLIDADOS RESULTADOS CONSOLIDADOS 2013 RESULTADOS CONSOLIDADOS 2013 1 Notas Introdutórias Até 26 de agosto de 2013, a Optimus SGPS, S.A. era integralmente detida pela Sonaecom, SGPS, S.A.. No entanto, após a concretização da fusão entre a Optimus

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO Índice 1. Mensagem de Paulo Azevedo, CEO da Sonaecom...2 2. Principais indicadores...4 3. Resultados consolidados...5 3.1. Demonstração de resultados

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Relatório e Contas 02_O NEGÓCIO DA SONAECOM 1

Relatório e Contas 02_O NEGÓCIO DA SONAECOM 1 Relatório e Contas 2013 02_O NEGÓCIO DA SONAECOM 1 ÍNDICE 01 02 03 O Grupo Sonaecom _ 1.1 Mensagem do CEO 1.2 Identificação sumária do grupo 1.3 Principais desenvolvimentos corporativos em 2013 1.4 Eventos

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013 2009 Earnings Release Resultados anuais 2012 Press Release 28 de fevereiro de 2013 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 28 de fevereiro de 2013 A Portugal Telecom é um operador geograficamente diversificado,

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

1. Resultados do Exercício

1. Resultados do Exercício PARAREDE, SGPS, SA Sociedade Aberta Sede Social: Av. José Malhoa nº 21, 1070157 Lisboa Pessoa Colectiva nº 503.541.320 Capital Social de 125.087.500 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2012 Nota: A informação financeira consolidada contida neste reporte é baseada em Demonstrações Financeiras auditadas, preparadas de acordo com as Normas Internacionais de Relato

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Primeiro Semestre 2013. Relatório e Contas Consolidadas

Primeiro Semestre 2013. Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre 2013 Relatório e Contas Consolidadas Portugal Telecom 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Análise operacional 16 Portugal 16 Mercado internacional 25 03 Recursos humanos 31 04

Leia mais

Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008

Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008 Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008 Sociedade aberta - Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069-300 Lisboa - Capital social: 28.277.855,31 euros Matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

Resultado direto cresceu 20,3% nos 9M14, alcançando 92 milhões de euros

Resultado direto cresceu 20,3% nos 9M14, alcançando 92 milhões de euros Página 1 de 18 12.11.2014 1 DESTAQUES Reforço da liderança mantendo a rentabilidade operacional Sonae MC: Crescimento do volume de negócios nos 9M14 de 1,8%, com ganhos adicionais de quota de mercado Margem

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR G1 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO INTERCALAR 2 Destaques > Volume de negócios cresce cerca de 4%, ultrapassando 1.012 milhões de euros > Atividade internacional do Grupo representa aproximadamente 60%

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL

GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL (não auditado) GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos foi constituída em 1 de Junho de 2008, como resultado do processo de cisão, do negócio de aços e sistemas de armazenagem, da Altri,

Leia mais

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros; COMUNICADO Ílhavo, 13 de Março de 2015 Destaques Resultados de 2014»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;»» EBITDA de 2,3 milhões

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

SONAE INVESTIMENTOS, SGPS, SA. Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora. Capital Social 1.000.000.000 Euros

SONAE INVESTIMENTOS, SGPS, SA. Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora. Capital Social 1.000.000.000 Euros Sede: Rua João Mendonça, 529 4464-501 Senhora da Hora Capital Social 1.000.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação 501 532

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

0. MENSAGEM DO CEO. Cláudia Azevedo. Sonae Capital, SGPS, SA Comunicado de Resultados 1T14 Pag. 2

0. MENSAGEM DO CEO. Cláudia Azevedo. Sonae Capital, SGPS, SA Comunicado de Resultados 1T14 Pag. 2 COMUNICADO DEE RESULTADOS 31 MARÇO 2014 0. MENSAGEM DO CEO Durante o ano de 2013, o Grupo Sonae Capital procedeu a uma profunda reflexão estratégica no sentido de definir o seu posicionamento actual, as

Leia mais

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2014

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2014 2009 Earnings Release Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2014 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2014 01 Análise dos resultados consolidados

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2007

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2007 Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2007 ( IFRS/IAS ) Volume de Negócios: 151.1 (125.4 em ) EBITDA: 10.5 (10.0 em ) 26 de Julho de 2007 1. Indicadores Chave 1.1. Volume de Negócios Resultados Líquidos:

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

SONAECOM - S.G.P.S., S.A

SONAECOM - S.G.P.S., S.A SONAECOM - S.G.P.S., S.A Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Matrícula: Conservatória do Registo Comercial da Maia Número único de matrícula e de pessoa coletiva 502 028 351 Capital

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

SONAECOM - S.G.P.S., S.A.

SONAECOM - S.G.P.S., S.A. SONAECOM - S.G.P.S., S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede: Lugar do Espido - Via Norte - Maia sob o n.º único de matrícula e Pessoa Colectiva n.º 502 028 351 Capital Social:

Leia mais

First Quarter 2009. Primeiro Semestre 2009

First Quarter 2009. Primeiro Semestre 2009 First Quarter 2009 Earnings Release Primeiro Semestre 2009 Resultados 6 Agosto 2009 01 Comunicado 30 Junho 2009 Portugal Telecom, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006 Portugal Telecom Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre 18 Maio 2006 Safe Harbour A presente release contém objectivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities

Leia mais

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2013

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2013 2009 Earnings Release Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2013 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2013 01 Análise dos resultados consolidados

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS).

SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS). SONAECOM DIVULGA RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2003 (NÃO AUDITADOS). (Tradução de versão original em Inglês) Todas as contas apresentadas estão de acordo com as normas internacionais de contabilidade

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Resultados 1º Semestre _ 2006

Resultados 1º Semestre _ 2006 Resultados 1º Semestre _ 2006 Comunicado Portugal Telecom Índice 01 Destaques financeiros 4 02 Destaques operacionais 6 03 Demonstração de resultados consolidados 9 04 Capex 17 05 Cash flow 18 06 Balanço

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A.

ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. ZON MULTIMÉDIA SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES E MULTIMÉDIA, SGPS, S.A. Assembleia Geral de Obrigacionistas de 21 de fevereiro de 2013 Emissão de 3.150 Obrigações Escriturais, ao portador, com valor nominal

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 AGENDA Destaques do ano Desempenho dos negócios e consolidado Desenvolvimentos estratégicos Desafios e prioridades DESTAQUES VOLUME DE NEGÓCIOS: EBITDA RECORRENTE:

Leia mais

Primeiro Semestre 2011. Relatório Consolidado

Primeiro Semestre 2011. Relatório Consolidado Primeiro Semestre 2011 Relatório Consolidado Portugal Telecom 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Evolução dos negócios 19 Portugal 19 Mercado internacional 27 03 Recursos humanos 34 04 Principais

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado)

RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) RELATÓRIO E CONTAS (Não Auditado) 3º Trimestre de 2014 Índice I - RELATÓRIO CONSOLIDADO DE GESTÃO... 4 1. Principais Indicadores Financeiros do Grupo... 4 2. Resumo da Atividade... 4 3. Indicadores Consolidados...

Leia mais

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2015 RELATÓRIO E INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL EM 1 - Introdução 2 - Análise dos Documentos Previsionais 2.1 - Plano Plurianual de Investimentos 2.2 - Orçamento Anual de Exploração 2.3. Demonstração

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS RECEITA LÍQUIDA 300,1 361,1 20,3% EBITDA AJUSTADO 56,5 68,7 21,6% MARGEM EBITDA AJUSTADO 1 17,9% 18,4% 0,5 p.p. LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T11

Apresentação de Resultados 1T11 Apresentação de Resultados 1T11 Nota: A informação financeira consolidada contida neste reporte é não-auditada e está baseada em Demonstrações Financeiras preparadas de acordo com as Normas Internacionais

Leia mais