Gestão Ambiental de Resíduos de Óleos Lubrificantes: o Processo de Rerrefino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Ambiental de Resíduos de Óleos Lubrificantes: o Processo de Rerrefino"

Transcrição

1 Gestão Ambiental de Resíduos de Óleos Lubrificantes: o Processo de Rerrefino Autoria: José Américo Martelli Tristão, Jadir Vilela de Sousa Junior, Virgínia Talaveira Valentini Tristão Resumo. A partir do referencial oferecido pela Teoria Econômica e utilizando o conceito de externalidade como fundamento para a aplicação do princípio do poluidor-pagador, este trabalho discute os instrumentos de política ambiental e examina a experiência brasileira na gestão de resíduos de óleos lubrificantes com base no processo de reciclagem conhecido como rerrefino. Essa técnica permite ao óleo usado recuperar suas características originais e retornar à cadeia produtiva por ilimitadas vezes, evitando a degradação ambiental decorrente do descarte indevido no meio ambiente ou da sua utilização como combustível. O argumento central refere-se à necessidade da ação governamental para corrigir falhas de mercado e garantir a existência de condições que incentivem a coleta e reciclagem do óleo residual, a partir dos instrumentos econômicos e de comando e controle. O processo de rerrefino é examinado em seus aspectos técnicos e jurídicos e os resultados são avaliados em função do potencial de redução da poluição ambiental. 1. Introdução O gerenciamento ambiental do resíduo de óleos lubrificantes usados tem sido considerado uma questão de grande relevância em muitos países devido ao elevado potencial de degradação ambiental quando descartado indevidamente ou utilizado como combustível em estabelecimentos industriais. Em contrapartida, quando coletado e reciclado, o óleo lubrificante usado recupera suas características originais e pode retornar à cadeia produtiva por ilimitadas vezes, sofrendo apenas as perdas inerentes ao novo processamento do produto. O processo de reciclagem de óleos lubrificantes, conhecido como rerrefino, representa uma interessante alternativa e vem sendo adotado por muitos países, inclusive o Brasil, com resultados positivos. Contudo, a experiência tem mostrado que os mecanismos de mercado não são suficientes para garantir a existência, em termos sustentáveis, do processo de rerrefino de óleos lubrificantes, ou seja, sua coleta, reciclagem e comercialização. É necessária a atuação do poder público desenvolvendo políticas públicas ambientais que induzam o comportamento empresarial em direção aos objetivos de preservação do meio ambiente Dois tipos de instrumentos de política ambiental têm sido utilizados pelas autoridades governamentais para induzir o comportamento dos agentes econômicos envolvidos na produção e consumo do óleo lubrificante: os instrumentos de comando e controle, baseados na regulamentação de emissões poluidoras e na regulação dos equipamentos, processos, insumos e produtos; e os instrumentos econômicos, baseados na aplicação de tributos e subsídios financeiros. 2. O conceito de externalidade econômica A externalidade econômica está presente quando o bem-estar de um indivíduo depende não somente dos bens e serviços que ele consome, mas também dos bens e serviços que são consumidos por outros indivíduos. Deste modo, a característica que distingue a externalidade é a existência de uma interdependência entre um indivíduo e outro e, mais importante ainda, é uma interdependência que ocorre fora do mecanismo de preço, caracterizando uma falha do mercado (Cullis e Jones, 1992). Embora possamos definir externalidade em termos da interdependência entre o consumo de um indivíduo e outro, não devemos supor que ela ocorra somente entre 1

2 consumidores. Externalidades podem existir na relação entre um consumidor e outro, um produtor e outro, um produtor e um empregado, e mesmo entre um produtor e um vizinho. Definições explícitas de externalidade econômica têm sido uma fonte de controvérsia. Uma forma de abordar o problema é a partir da definição genérica proposta por Meade (1973): "Uma economia externa é um evento que confere um apreciável benefício ou inflige um apreciável custo a uma ou mais pessoas, que não tomou ou tomaram parte no processo de decisão que levou direta ou indiretamente ao evento em questão". O consumo privado pode gerar tanto externalidades positivas quanto negativas. A externalidade positiva se dá quando, por exemplo, um indivíduo é beneficiado por se vacinar contra uma doença, mas, na medida em que se reduz o perigo de contágio, os demais elementos da sociedade também se beneficiam. O mesmo ocorre com o processo educacional. Quando um indivíduo é beneficiado por uma educação melhor, permitirá à sociedade como um todo conviver com um nível educacional mais alto ou mesmo desfrutar dos conhecimentos técnicos adquiridos pelo indivíduo diretamente beneficiado pelos gastos com a educação. Em sentido oposto temos a externalidade negativa. Trata-se de custos que, embora não sejam considerados pelo produtor, são bastante reais para a sociedade. São custos não internalizados, ou seja, o produtor não precisa pagar por eles como paga por trabalho ou matérias-primas. Como resultado, temos que os custos sociais - que incluem os custos internalizados (privados) e os custos externalizados (sociais) - excedem os custos privados. Como o sistema de mercado só leva em conta os custos privados, o preço é subestimado e, conseqüentemente, tende a ocorrer um excesso de oferta desses bens. A poluição é, sem dúvida, o principal caso de externalidade negativa. Musgrave e Musgrave (1980) observam que a poluição apresenta dois problemas. O primeiro refere-se à falha do mercado, gerando ineficiência na alocação dos recursos. O segundo refere-se ao aspecto distributivo ou de eqüidade. Em decorrência da deterioração do meio ambiente, consumidores de determinados bens como água e ar acabam por subsidiar os consumidores de produtos poluentes. 3. O princípio do poluidor-pagador O princípio do poluidor-pagador propõe que o poluidor arque com o custo das medidas antipoluição adotadas pelas autoridades públicas para assegurar que o meio ambiente seja mantido num estado aceitável. Este princípio deve ser considerado como uma forma específica de distribuir os custos da proteção ambiental entre os poluidores ou usuários dos recursos e aqueles que se beneficiam desses melhoramentos. Para Oliveira (1995) este princípio tem dois sentidos: o impositivo, que representa o dever do Estado de cobrar do poluidor, ou seja, tributar, face à sua atividade poluidora fazendo-o arcar com o custo dos serviços públicos referentes à preservação e recuperação do meio ambiente ou à fiscalização e monitoramento ambiental, se adequando sob este aspecto à tributação fiscal; e o seletivo, que indica prioritariamente ao Poder Público que a tributação deve ser graduada de forma que estimule atividades, processos produtivos ou consumos environmentally friendly, desestimulando a utilização de tecnologias ultrapassadas, assim como a produção e o consumo de bens not environmentally friendly. O princípio do poluidor-pagador foi adotado pela OCDE, em 1972, como orientação para políticas ambientais adequadas e amplamente aceito como uma diretriz para a formulação de políticas ambientais por parte de governos e agências de assistência, tendo sido incluído na Declaração do Rio de Janeiro sobre o meio Ambiente e Desenvolvimento de No Brasil, esse princípio é previsto no inciso VII do art. 40 da Lei nº 6938 de 1981, que impõe ao poluidor e ao predador a obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados e, ao usuário, a contribuição pela utilização de recursos ambientais. 2

3 4. Fundamentação teórica para a aplicação do princípio do poluidor-pagador A cobrança de tributos sobre a poluição é provavelmente o mais conhecido e utilizado dentre os instrumentos econômicos que visam a proteção dos recursos naturais. Constitui-se na aplicação do princípio do poluidor-pagador, cuja origem encontra-se na obra pioneira de Pigou sobre externalidades, The Economics of Welfare, publicada pela primeira vez em A proposição básica defendida pelo economista é de que quando o funcionamento do sistema econômico apresenta falhas é necessário que haja alguma ação governamental para corrigilas. Assim, no caso da poluição, externalidade negativa decorrente da falha do mecanismo de preços, a idéia defendida por Pigou (1946) é a utilização de um imposto como uma forma de transpor o abismo entre o custo privado e o social que está na raiz do dano ambiental. O tributo proposto por Pigou (1946), conhecido como Pigouvian Taxes, internalizaria as externalidades ambientais com a finalidade de corrigir a distorção entre os custos sociais e privados, com base no princípio do poluidor-pagador. Para ele há um nível "ótimo" de poluição, devendo o tributo se igualar ao custo da externalidade negativa. Como observa Marmon (1996) a dificuldade em se determinar a taxa "ótima" de poluição reside na mensuração dos custos ambientais fazendo com que, na prática, o nível socialmente aceitável de poluição seja definido com base em critérios outros que os econômicos. Ressalta Almeida (1998) que as dificuldades em se elaborar o cálculo da taxa "ótima" de poluição, seriam sanadas se fosse possível conhecermos a "função de dano" que expressaria quanto o dano ambiental (medido em termos monetários) provocado pela poluição varia com o nível de poluição emitido. Hoje, apesar de todas as técnicas desenvolvidas o problema se mantém. Essas dificuldades indicam que na prática não é possível aplicar-se o tributo ambiental tal qual prescrito pela teoria. Musgrave e Musgrave (1980) analisam os resultados da aplicação de um imposto para internalização dos custos da poluição a partir das condições tecnológicas. Com tecnologia fixa, a solução eficiente é a aplicação de um imposto que adicionará o custo marginal da poluição ao custo privado marginal, de modo que o custo marginal total seja igual ao preço. Nestas circunstâncias a poluição não será eliminada, mas o seu nível será reduzido. Para o caso em que a poluição possa ser reduzida por meio de alterações tecnológicas, o autor observa que o combate à poluição deve se restringir a um nível em que o seu custo marginal iguale o valor marginal da poluição evitada. O direito de propriedade como definido por Pindyk e Rubenfeld (1994) " é o conjunto de leis que descreve o que as pessoas e as empresas podem fazer com suas respectivas propriedades". Colocam Eskeland e Jimenez (1991) que os recursos naturais estariam bem resguardados se os direitos de propriedade fossem reavaliados, "se os consumidores tivessem direito a ar puro e água limpa e pudessem vender licenças para poluir na quantidade que quisessem, muitas ou poucas". Todavia, alguns problemas se apresentam. Primeiro se não houver fiscalização, é quase inexistente a possibilidade de que seja cumprido o exercício do direito a recursos como, por exemplo, a água e o ar despoluídos. Segundo, na medida em que todos poderão usufruir a qualidade do ar, cada indivíduo estará mais motivado a vender os direitos a quem causa a poluição. Por esta razão os direitos de poluir não devem ser vendidos individualmente e sim coletivamente. Em situações específicas, poluidores e vítimas podem "negociar os níveis socialmente ótimos de poluição, sem intervenção do governo" (Eskeland e Jimenez, 1991). Atribui-se ao economista Ronald Coase o argumento de que quando as partes podem negociar sem custo, e com possibilidade de obter benefícios mútuos, o resultado das transações deverá ser eficiente, independentemente de como estejam especificados os direitos de propriedade (Pindyk e Rubenfeld, 1994). Coase (1990) ilustrou a solução de barganha entre dois agentes imaginando uma situação na qual um agricultor que possuía um vizinho 3

4 que criava gado. Nesta situação a poluição era representada pela invasão da plantação pelo gado, e o seu controle pela construção de uma cerca separando as propriedades. Se as propriedades pertencessem a um único dono, os custos das invasões das plantações pelo gado estariam internalizados, e ao proprietário caberia decidir-se entre: cercar uma das propriedades, se os danos fossem maiores do que os custos da cerca; não tomar nenhuma providência caso os danos fossem menores do que os custos da cerca ou encontrar uma solução intermediária com a construção parcial de cercas, de forma a obter uma redução dos danos proporcionalmente vantajosa. Ou seja, o investimento máximo em cercas seria aquele no qual o custo marginal de sua construção (controle) seja igual ao custo marginal da produção agrícola perdida. Como aponta Bellia (1996) este é o limite da discussão entre dois agentes, já que o pecuarista dará preferência ao pagamento de uma indenização ao agricultor, desde que esta não ultrapasse o custo marginal de construção e manutenção da cerca; "Qualquer que seja o resultado de uma barganha deste tipo, considera-se que o ótimo social foi alcançado". Eskeland e Jimenez (1991) apresentam o exemplo de uma situação nas Filipinas, na qual a sedimentação do solo causado por um único trator ameaçava o turismo numa área costeira. Nesse caso, como indicam os autores, caberia a negociação direta entre poluidores e vítimas. Da mesma forma, argumentam os autores, questões de poluição nas quais estão envolvidos mais de dois países soberanos, como por exemplo a chuva ácida, costumam ser solucionadas sem a intervenção de entidades governamentais supranacionais. Todavia, esta solução pode não ser eficiente quando há muitos indivíduos envolvidos e poucas informações sobre o assunto. Na cidade do México, por exemplo, 30 mil empresas industriais e 2,6 milhões de veículos poluem o ar, afetando 20 milhões de pessoas. Fica impossibilitada assim a realização de negociações diretas. 5. Instrumentos de política ambiental No início dos anos 70, quando a intervenção governamental passou a se dar também no campo da proteção ambiental, as autoridades da maior parte dos países industrializados se voltaram para a utilização de instrumentos de comando e controle, criando novas leis e regulamentações ou adaptando a legislação já existente. Em alguns casos representavam apenas rótulos novos em soluções velhas para resolver problemas que começavam a surgir (Barde e Opschoor, 1994). Sem dúvida alguma, o instrumento de política ambiental que mais tem sido utilizado ao longo do tempo é o de comando e controle. Entretanto, no final dos anos 80 e durante os anos 90 o interesse das autoridades governamentais centrou-se muito mais em instrumentos de política ambiental de base mercadológica impostos ambientais, certificados ou licenças para poluir abrindo caminho para políticas ambientais mais eficientes tanto economicamente como na sua adequação às políticas setoriais..essa mudança foi estimulada por diversos fatores, como aponta o trabalho "Environmental Taxes. Implementation and Environmental Effectiveness" (1996) tais como: uma nova orientação política no sentido do mercado, reconhecimento das limitações das ações governamentais e da utilização dos instrumentos de comando e controle, o desejo de implementar o princípio do poluidor-pagador, e a necessidade de integrar as políticas ambientais com as demais áreas. Até o início dos anos 80 a aplicação de instrumentos econômicos em políticas ambientais era muito pequena e sua utilização experimental e limitada. Uma nítida mudança ocorreu depois da primeira metade dos anos 80. Entre 1987 e o início de 1993, o número de instrumentos econômicos aumentou cerca de 25 a 50% conforme o país analisado. O crescimento mais importante foi o da utilização de impostos sobre produtos, energia, emissões de dióxido de carbono e enxofre e sobre o petróleo com chumbo. Muito outros poluentes 4

5 como pesticidas, fertilizantes, embalagens, resíduos de óleo entre outros, também têm sido tributados. A utilização de sistemas de depósitos retornáveis também cresceu muito, atingindo uma faixa de 35 a 100 % conforme o país, especialmente como resposta ao sério problema causado pelo aumento do volume dos materiais para embalagem (cerca de 140 milhões de toneladas/ano nos países membros da OCDE). Um levantamento elaborado em 1989, pela OCDE, apontado por Barde e Opschoor (1994), identificaram cerca de 150 tipos de instrumentos em 14 países, revelando a existência de cinco categorias diferentes de instrumentos econômicos: impostos e taxas; subsídios; sistemas de devolução de depósitos; criação de mercados; e incentivos financeiros. Nos anos de 1994 e 1995 novos estudos da OCDE identificaram os tributos, nas suas diferentes formas, como sendo as maiores categorias de instrumentos econômicos em termos de impacto e freqüência de aplicação. Hoje a utilização de tributos como instrumentos de política ambiental continua crescendo, tendendo a haver uma integração dos tributos ambientais às reformas fiscais verdes, nas quais os tributos que recaem sobre "coisas ruins" como a poluição vem substituir a tributação de "coisas boas" como, por exemplo, o trabalho. 6. Tipologia dos instrumentos de política ambiental Os analistas vêm apontando basicamente duas formas de alterar o comportamento dos poluidores e daqueles que utilizam recursos ambientais: estabelecer padrões e regulamentos, os denominados instrumentos de políticas de comando e controle, ou fixar um preço para a poluição ou uso de recursos naturais (políticas de incentivos ou de mercado), os instrumentos econômicos. A taxonomia dos instrumentos de políticas ambientais elaborada por Eskeland e Jimenez (1991), como mostra a figura 1, subdivide os instrumentos em diretos, cuja finalidade é corrigir a poluição imposta por meio de instrumentos como cobrança de taxas, licenças para poluir e o estabelecimento de padrões para emissões. E, em indiretos, aqueles que não são diretamente ligados às emissões, mas que provocam efeitos ambientais sérios, embora nem sempre intencionais. Por sua vez, os autores Zeitler e Hermmans (1997) classificam os instrumentos de política ambiental, em fiscais e não fiscais. Dentre os instrumentos que não possuem caráter fiscal os autores apontam as proibições e os condicionamentos que refletem de forma mais forte a influência do Estado. Também são apontados como instrumentos não fiscais as mudanças que são operadas na legislação com o objetivo de privilegiar o meio ambiente. Quanto aos instrumentos de caráter não fiscal e cuja obediência não é obrigatória, os autores indicam as atividades destinadas a conscientizar a população a respeito dos problemas ambientais ou de proteção ao consumidor. No que se refere aos instrumentos classificados na categoria fiscal os autores propõem uma subdivisão conforme se realizem por meio das receitas ou das despesas públicas. Esclarecem que embora os instrumentos relacionados com a arrecadação sigam fundamentalmente o princípio do poluidor-pagador, os instrumentos ambientais que operam do lado dos gastos atuam de acordo com o princípio da repartição. 5

6 Figura 1. Instrumentos de política ambiental Instrumentos Diretos Indiretos Econômicos Encargos sobre efluentes, licenças negociáveis, sistemas de restituição de depósito. Impostos e subsídios insumo/ produção, subsídios a similares nacionais e a insumos menos poluentes. Comando e controle Regulamentação de emissões (cotas não-transferíveis de fontes específicas). Regulação de equipamento, processos, insumos e produtos Fonte: Eskeland e Jimenez (1991) 7. Instrumentos econômicos Os instrumentos econômicos são utilizados com o objetivo de induzir o comportamento dos indivíduos e das empresas no que se refere ao meio ambiente por meio de medidas que signifiquem benefícios ou custos adicionais para eles. Esses instrumentos têm por base o conceito de internalização das externalidades. Os instrumentos econômicos são medidas que tratam da criação de mercados para a proteção ambiental ou, ao menos, da internalização dos custos ambientais nos preços de mercado. Permitem às fontes emissoras fazer sua escolha individual sobre qual tecnologia utilizar para diminuir os níveis de poluição que causa. De acordo com a literatura da área um dos elementos que melhor caracteriza a diferença entre os instrumentos econômicos dos chamados instrumentos de comando e controle é a flexibilidade que se apresenta ao poluidor, este é livre para responder aos estímulos da maneira e no tempo que melhor lhe convier economicamente. (Almeida, 1998). Na realidade, nem sempre é muito clara a separação entre os instrumentos econômicos e as regulações diretas (Almeida, 1998). Um programa sob o qual o regulador especifica os procedimentos exatos de tratamento a serem seguidos pelos poluidores obviamente se inclui na categoria de comando e controle. Mas e quanto a uma política que estabeleça um limite fixo de emissões para uma fonte particular (sem possibilidade de negociação), mas que permita ao poluidor selecionar a forma para cumprir a meta? Tal flexibilidade certamente possibilita a operação de incentivos econômicos em termos da busca do método de controle de custo mínimo. Quando a implementação das políticas baseadas em instrumentos econômicos é feita com eficácia, em geral, acabam por alcançar metas ambientais com menor custo do que as medidas de regulamentação. Com as chamadas políticas de mercado, o preço é igual para todos os poluidores e usuários de recursos, e são eles que devem optar pelo grau de controle. As políticas de incentivos econômicos que estabelecem preços para os danos ambientais são sentidas por todos aqueles que poluem, enquanto que as regulamentações afetam somente os que não as cumprem. Assim, as políticas de incentivos dão aos usuários de recursos ambientais sinais válidos e de longo prazo. Aquele que polui e/ou usa os recursos ambientais é incentivado a buscar e utilizar tecnologias mais eficazes em termos de custos para reduzir os danos ambientais. O "Relatório Sobre o Desenvolvimento Mundial Desenvolvimento e Meio Ambiente" (1992) indica que as regulamentações "que impõe padrões não dão motivos para que os poluidores ultrapassem os padrões impostos". Na realidade, as regulamentações que especificam as tecnologias de controle - políticas de tecnologias obrigatórias - comuns nos EUA e na Europa Ocidental, limitam-se aos padrões vigentes e acabam por não incentivar as empresas a desenvolver novos modelos de produção menos poluentes ou controles mais eficazes. 6

7 Para Benjamin e Weiss (1997) os instrumentos econômicos representam uma atraente alternativa em relação aos instrumentos mais tradicionais de comando e controle. Observam os autores que seu maior atrativo advém de sua flexibilidade, que permite que se alcance objetivos ambientais ao menor custo possível. Observa o autor que os aspectos conceituais associados aos instrumentos econômicos são bastante avançados. Entendendo, todavia, que é preciso incrementar o desenvolvimento de exercícios empíricos que permitam quantificar a magnitude dos efeitos da aplicação de determinados instrumentos de maneira que seja possível uma avaliação ex-ante das conseqüências que a sua utilização acarretaria. 8. Instrumentos de comando e controle Os instrumentos de comando e controle podem ser definidos como um conjunto de regulamentos e normas impostos pelo governo com o objetivo de restringir as ações do poluidor. Dentre os mais tradicionais instrumentos de comando e controle estão os regulamentos que determinam padrões de emissão (que indicam os níveis aceitáveis de poluição) e os padrões de desempenho (que se relacionam à forma de regular e operar equipamentos visando a diminuição da emissão de determinados poluentes). Temos ainda dentre estes instrumentos as legislações que dispõem quanto ao licenciamento de atividades potencialmente poluidoras e a proibição da fabricação, comercialização e uso de produtos e insumos específicos (Almeida 1998). Os instrumentos de comando e controle demandam um sofisticado sistema de medição de poluição, do cálculo de sua dispersão e da sinergia entre poluentes, bem como das técnicas de depuração, que somados à necessidade de um eficiente esquema de fiscalização para sua manutenção os tornam uma opção dispendiosa. Estudos empíricos citados com freqüência na literatura procuram demonstrar que os custos de implementação de políticas baseadas em incentivos econômicos são menores do que aqueles gerados pela utilização de instrumentos de comando e controle. Na avaliação para a escolha deste tipo de instrumento, é preciso considerar-se especialmente, o grau de capacidade governamental para monitorar os danos ocasionados pela poluição e fazer com que sejam cumpridas as regulamentações (Eskeland e Jimenez, 1991). Para que estes instrumentos tenham eficácia, é necessário que quem os utilize possua capacidade tecnológica e responsabilidade para suportar pressões das partes interessadas, pois as políticas baseadas na monitoração ambiental têm implicações pecuniárias para quem poluir. De acordo com o Relatório Sobre o Desenvolvimento Mundial Desenvolvimento e Meio Ambiente (1992), há quatro aspectos que determinam a dificuldade de monitoramento ambiental: - elevado o número de fontes causadoras de danos ambientais e elevado grau de dispersão geográfica (exemplo: o caso do transporte); - fazer o acompanhamento das atividades de agentes difíceis de localizar (exemplo: pequenos garimpeiros da região amazônica); - as soluções tecnológicas disponíveis para monitoramento de agentes poluidores (a monitoração da eliminação gradual da gasolina com chumbo, nos EUA, tornou-se mais fácil a partir da utilização de conversores catalíticos para controlar as emissões dos automóveis, porque esses conversores podem ser checados durante as vistorias periódicas dos veículos); e - problemas ambientais que atravessam fronteiras nacionais (exemplo: a chuva ácida na Europa). Almeida (1998) nos coloca que os economistas são os principais adversários das políticas de comando e controle, apontando desvantagens com relação aos custos de aplicação 7

8 e à falta de incentivos à introdução de aprimoramentos técnicos, uma vez atingidos os padrões determinados pela legislação. Por sua vez, Osborne e Gaebler (1992) em seu interessante livro "Reinventando o Governo" comentam que nos EUA, desde que o Departamento de Proteção Ambiental (Environmental Protection Agency - EPA foi criado, o governo federal tem-se utilizado, essencialmente, para o controle ambiental, da estratégia de comando e controle. A despeito das dificuldades e custos que apresentam, as políticas de comando e controle têm sido muito utilizadas pelos países industrializados e em desenvolvimento. O Banco Mundial, cuja abordagem se inclina mais para a utilização de incentivos econômicos, enfatiza que há casos em que o instrumento mais adequado a regulação direta, ou seja, políticas regulatórias usadas amplamente tanto em países industrializados quanto em desenvolvimento, são mais apropriadas em situações que envolvem poucas empresas públicas e empresas privadas não competitivas. As políticas de comando e controle são também mais indicadas quando a preocupação é evitar a concentração espacial de atividades poluentes, ou seja, quando o crucial é não esgotar a capacidade de absorção do meio. Um exemplo é a política de zoneamento, que nas áreas rurais procura evitar desgaste precoce de solos agriculturáveis ou preservar áreas ecologicamente estratégicas, e nas áreas urbanas impede a ocorrência de locais densamente poluídos, com baixa capacidade de renovação da qualidade do ar. São raros os instrumentos econômicos que conseguem lidar diretamente com esse aspecto. 9. A escolha do instrumento de política ambiental A escolha de instrumentos de controle ambiental se converteu em um tema muito importante para os policymakers ambientais. A busca de instrumentos eficientes tem motivado um renovado interesse pelo uso de instrumentos econômicos na proteção ambiental. Um reflexo disto é o aumento da literatura na área nos últimos anos. A literatura de Economia Ambiental no que se refere à escolha dos instrumentos de política ambiental a serem utilizados tem proposto um enfoque de eficiência sem a preocupação de alcançar um "ótimo econômico". De maneira geral não se tem procurado atingir um "ótimo econômico" nem corrigir totalmente o problema da externalidade, adotando-se em contrapartida um processo em duas etapas. Na primeira, há a determinação de um objetivo ou uma meta ambiental a ser atingida que é estabelecida de acordo com critérios como saúde da população, proteção de ecossistemas e outros. Na segunda, procura-se o melhor instrumento para atingir os objetivos pré-definidos. Observa o autor que a opção por uma solução que busca o segundo melhor e não o primeiro melhor "ótimo econômico" é motivada por uma razão de ordem prática. Qualquer instrumento que se queira utilizar para se atingir o "ótimo econômico" se defronta com a dificuldade de se definir o valor dos bens ambientais, bem como das funções de danos ambientais marginais da poluição (o que representa uma barreira por causa da complexidade dos fenômenos e de suas inter-relações). Quase sempre os objetivos ambientais são representados por padrões de qualidade ambiental, tanto primários como secundários. É importante considerar-se que as regulamentações que são estabelecidas espelham um acordo social no que se refere aos níveis de poluição que a sociedade está disposta a aceitar. Devem, portanto, ser resultantes de considerações econômicas, sociais, morais, de eqüidade e de justiça. As normas primárias, que guardam relação com a saúde da população devem ser idênticas em todo o país. Isto parece razoável, argumenta se levarmos em conta que as normas de qualidade determinam os níveis máximos de concentração de poluentes. Se a intenção da autoridade for proteger a saúde da população, então os níveis de concentração da poluição e, portanto, o risco a que as pessoas estão expostas deve ser o mesmo em todo o território nacional em razão da adoção do 8

9 critério de eqüidade na definição do objetivo ambiental. É idêntica a situação das normas secundárias já que são específicas para a proteção de algum ecossistema em particular, que provavelmente não existe em outro local. Por isso as normas secundárias precisam ser específicas à região ou local no qual será aplicada. 10. O processo de rerrefino de óleos lubrificantes no cenário mundial Em todo o mundo são consumidos anualmente cerca de 45 bilhões de litros de lubrificantes, que dão origem a mais de 20 bilhões de litros de óleos usados. Se considerarmos, de modo otimista, que 50% desse volume é coletado e utilizado adequadamente, ainda restarão 10 bilhões de litros não coletados, sendo lançados nos rios, mares, subsolo e atmosfera (se queimados inadequadamente), poluindo o meio ambiente. Para enfrentar esse problema, a maior parte dos países desenvolvidos e, portanto, os maiores consumidores do produto, vêm adotando políticas de gestão ambiental no sentido de incentivar a reciclagem do produto. Portugal consome anualmente cerca de 100 milhões de litros de lubrificantes, dos quais cerca de 60%, após o uso, são recicláveis. Entretanto, apenas 30% são recolhidos por empresas licenciadas, com destinação adequada. Os restantes 30% são coletados no mercado paralelo e sua destinação pode ser a queima ilegal em fornos industriais ou padarias, embora seja proibido, sem qualquer tipo de tratamento. A principal deficiência do sistema português de reciclagem de óleos lubrificantes é a inexistência de uma rede de pontos de coleta em todo o país. Em Portugal não existem rerrefinarias. Os Estados Unidos geram cerca de 5 bilhões de litros de lubrificantes usados anualmente. Desse total, aproximadamente 60% são coletados e 40% descartados de forma imprópria, gerando forte poluição. No caso do óleo coletado, sua destinação prioritária é a queima controlada, sendo que apenas 8% é rerrefinado O restante é reciclado através de tratamentos simples de descontaminação e reutilizados. A Environmental Protection Agency - USEPA recomenda a todos os órgãos do governo que dêem preferência à compra de óleos lubrificantes que contenham um mínimo de 25% de óleos básicos rerrefinados, observadas as condições de preço e qualidade. Por solicitação governamental, as montadoras Ford, General Motors, Caterpillar, Chrysler e Detroit Diesel, aprovam e utilizam lubrificantes produzidos com óleo básico rerrefinado, desde que atendam as especificações da American Petroleum Institute -API. No estado da Pennsylvania foi criado um sistema voluntário de locais de coleta, denominados Used Oil Collection Sites - UOC s. A situação é especialmente grave na região da Grande Los Angeles, Califórnia, onde mais de 80 milhões de litros de óleo de motor usados são lançados anualmente no meio ambiente. Para coibir o descarte ilegal de óleo usado impõe-se uma multa que pode chegar a US$ 250 mil. A Alemanha pode ser apontada como o país mais avançado em termos de coleta e rerrefino de óleo usado. Lá são consumidos anualmente cerca de 1,4 bilhão de litros de lubrificantes, dos quais 60% são coletados após o uso, e desses, 65% são rerrefinados. Os pontos de comercialização são obrigados a ter um ponto de coleta de óleo usado e embalagens vazias. O país conta com uma das legislações mais rigorosas quanto ao controle ambiental e apresenta a maior taxa de rerrefino de óleo usado. Na Itália a coleta de óleo usado é administrada pelo Consortium, uma entidade mantida conjuntamente por órgãos governamentais e empresas de petróleo e rerrefino. Os produtores de lubrificantes pagam uma taxa aos responsáveis pela coleta, que encaminham os óleos para a reciclagem, combustão, rerrefino ou incineração. O Consortium vende o óleo usado para empresas de rerrefino. A França aplica uma taxa especial sobre os básicos virgens produzidos ou importados, com a finalidade de financiar a coleta dos óleos usados. Os detentores de óleo usado devem 9

10 entregá-lo aos coletores sem qualquer encargo, ficando os custos de remoção a cargo da Agência de Controle Ambiental que destina parte ao rerrefino, cerca de 45%, e o restante, cerca de 55%, para a queima, principalmente em indústrias cimenteiras e usinas termoelétricas. 11. O processo de rerrefino no Brasil Entre 1978 e 1988, o Brasil chegou a coletar 190 milhões de litros anuais de óleo lubrificante utilizado, volume superior ao que estava coletando no final da década de 90, 180 milhões de litros anuais. As várias mudanças na legislação fiscal introduzidas pelo governo nesse período agiram como fator ora de estímulo ora de desestímulo às atividades de coleta e rerrefino do óleo usado. Neste período estava em vigor o Imposto Único - IU para petróleo e derivados, sendo dada isenção para o rerrefino. Desse modo, o rerrefinador pagava pelo óleo usado um valor que inibia a sua utilização como combustível, estimulava a sua armazenagem pelos pontos geradores e proporcionava margem suficiente para sua comercialização a preços inferiores aos do óleo novo. Com a extinção do imposto único e, conseqüentemente, da vantagem fiscal que gozava o óleo rerrefinado, a coleta de óleo usado declinou 30% nos quatro anos subseqüentes, permanecendo na faixa dos 130 milhões de litros/ano. Outro complicador para a indústria do rerrefino foi a integração da Petrobrás na economia globalizada, com a internacionalização dos preços dos óleos básicos para o mercado interno, que era, para o neutro pesado, produto mais consumido, cerca de US$ 1000/m3 em 1988 e caiu para cerca de US$ 480/m3 em Dessa forma, os rerrefinadores perderam a capacidade de comprar o óleo usado que passou a concorrer com o óleo combustível BPF (baixo ponto de fluidez) e os geradores passaram a dar outras destinações ao produto, principalmente a queima descontrolada em fundições e outros fornos de pequenas indústrias. Quando, em 1992, a Agência Nacional de Petróleo - ANP criou o Frete de Uniformização de Preços - FUP, elevou artificialmente os preços dos óleos básicos virgens em cerca de 50%. Com esse diferencial de preço, o setor de rerrefino conseguiu sobreviver até setembro de 1997, quando o FUP foi extinto, em decorrência da desregulamentação do setor petrolífero. Esse procedimento tornou-se inevitável devido às necessidades de se adequar às regras do Mercosul, bem como, se tornar competitivo numa economia globalizada. Em novembro de 1997, pela Portaria Interministerial nº 4, foi criado um grupo de trabalho para analisar a situação do rerrefino e particularmente da coleta. Esse grupo sugeriu uma fase de transição, que se prolongou até setembro de 1999, sendo que todos os fabricantes de lubrificantes associados ao Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes - Sindicom se comprometeram a comprar o óleo rerrefinado a preços superiores aos do óleo novo, em volumes proporcionais preestabelecidos, até que se encontrasse uma solução definitiva para o problema. A partir de outubro de 1999, por determinação da Portaria n. 125 da ANP, foi estabelecido o princípio do poluidor pagador e os produtores e importadores de lubrificantes assumiram a responsabilidade pelo custo da coleta. No primeiro ano, até setembro de 2000, deveria ser coletado 20% do volume total de óleo comercializado, a partir de outubro de 2000, esse percentual passou para 25% e, desde outubro de 2001, foi fixado o limite mínimo de 30% do volume comercializado. A figura 2 mostra de forma esquemática o ciclo de rerrefino do óleo lubrificante, segundo o modelo adotado no país. 10

11 Figura 2. O ciclo de rerrefino do óleo lubrificante Petróleo cru Refino Óleo básico Óleo lubrificante Aditivos Consumo Resíduo descartado Rerrefino 12. Avaliação dos resultados da política de reciclagem do óleo lubrificante usado no Brasil Conforme dados do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes - Sindicom, o Brasil comercializa anualmente cerca de um bilhão de litros de lubrificante. Deste volume, 60% se destina à aplicação automotiva, incluindo desde motocicletas, automóveis e caminhões até equipamentos agrícolas e de construção, como tratores. Nesse segmento se utiliza não apenas como óleo de motor, mas também para transmissões mecânicas e automáticas, sistemas hidráulicos, freio úmido, etc. Os restantes 40% destinam-se à indústria. Do consumo total de um bilhão de litros, são gerados cerca de 450 milhões de litros de óleos usados. Embora a legislação vigente determine que seja coletado um mínimo de 30% do óleo produzido, apenas 25% ou cerca de 250 milhões de litros estão sendo coletados para rerrefino. Os 200 milhões restantes têm destinação desconhecida, sendo o fim mais provável a queima in natura ou o descarte direto no meio ambiente, como mostra a figura 3. O potencial poluidor do óleo descartado foi salientado no relatório apresentado pelo grupo de trabalho do Sindicom, em 1997 (ARAUJO, 1997). O relatório aponta os seguintes dados: Os lubrificantes usados são considerados responsáveis por 10% da poluição observada nos mares do mundo; Pesquisas realizadas em universidades, concluem que 1 litro de óleo usado é capaz de contaminar 1 milhão de litros de água potável; Ambientalistas afirmam que o descarte de uma tonelada de óleo usado, despejada em mares, rios e lagos causa dano equivalente aos esgotos domésticos de uma cidade com 40 mil habitantes; 11

12 Apenas 5 litros de óleo usado podem recobrir uma superfície de 5000 m2 de um lago, matando seus organismos por asfixia; A queima de óleo usado sem um pré-tratamento pode lançar na atmosfera compostos clorados e sulfurados, monóxido de carbono, dioxinas, metais pesados (chumbo, cromo, cádmio, zinco) e vários tipos de substâncias tóxicas e corrosivas, algumas com ação cancerígenas; e Apenas 10 kg de óleo usado, quando queimado de forma descontrolada e sem prétratamento, pode jogar no ar até 20 g de metais pesados, potencialmente cancerígenos. Por outro lado, o óleo usado é um recurso que, se reciclado adequadamente, pode retornar à cadeia produtiva por ilimitadas vezes, sofrendo apenas as perdas de cada processamento, gerando consideráveis vantagens econômicas e poupando divisas, no caso de países que, como o Brasil, são importadores de básicos para lubrificantes. Se coletado e rerrefinado, o óleo usado pode gerar até 70% de óleo básico de alta qualidade, pronto para reiniciar o ciclo que pode se repetir indefinidamente. Mais da metade de todo o lubrificante consumido no Brasil ocorre na região sudeste, liderada pelo Estado de São Paulo, que detém o maior parque industrial do país e mais da metade da frota nacional de veículos em circulação. As regiões norte, nordeste e centro-oeste juntas consomem 25% dos lubrificantes no Brasil, gerando mais de 100 milhões de litros de óleo usado por ano. As longas distâncias até uma rerrefinaria e a pulverização dos pontos de consumo dificultam a coleta e encaminhamento dos resíduos para o rerrefino. De acordo com o Diagnóstico Ambiental da Baia de Ilha Grande, publicado em dezembro de 1997 pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Rio de Janeiro, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, cerca de litros de óleo usado são despejados anualmente nas águas costeiras da Baía de Ilha Grande, por cerca de embarcações de pequeno porte mantidas em ancoradouros, cais e marinas. Quando o óleo lubrificante é trocado, o óleo usado é despejado no mar ou, quando levado para terra, é despejado no solo ou esgoto. Segundo esse diagnóstico, a situação é tão grave que em cerca de 100 quilômetros da orla da Baía de Ilha Grande existem indícios de exposição crônica a óleo flutuante, com manchas nas pedras e destruição quase total da fauna e da flora da zona entre-marés. Podemos observar também que o processo de rerrefino, em suas três etapas - coleta, processamento e comercialização - vem enfrentando problemas. A indústria de rerrefino, que já chegou a contar com mais de 30 empresas, hoje está reduzida a 10, com uma capacidade nominal total de 300 milhões de litros por ano, sendo que apenas uma dessas empresas, a Lwart situada em Lençóis Paulista no Estado de São Paulo, é responsável por cerca de 50% de toda a coleta e rerrefino no país. 12

13 Figura 3. Destino do resíduo do óleo lubrificante no Brasil 1 bilhão de litros por ano de óleos lubrificantes são produzidos 600 milhões de litros são destinados a aplicação automotiva 400 milhões de litros são destinados a outras aplicações industriais 450 milhões de litros anuais de resíduos são gerados pelos consumo de óleos lubrificantes 250 milhões de litros de óleo usado são coletados e enviados para rerrefinadoras 200 milhões de litros de óleo usado tem destinação desconhecida 170 milhões de litros de óleo rerrefinado é obtido e vendido aos fabricantes de lubrificantes Destino mais provável: queima "in natura" esgotos, rios, lagos, mar, solo e sub-solo 13. Aspectos técnicos do rerrefino Os óleos lubrificantes representam cerca de 2% do total de derivados de petróleo e são os únicos que podem ser mantidos com as características originais, exercendo suas funções durante períodos tão longos como 20 anos ou mais em unidades seladas. Os demais derivados de petróleo são utilizados como combustíveis ou matéria prima em indústrias químicas, sendo consumidos ou perdendo suas características originais na primeira utilização. Quando um óleo lubrificante produzido com básicos virgens, isto é, de primeiro refino, contém moléculas instáveis, principalmente aquelas contendo ligações duplas, que se oxidarão prioritariamente nas primeiras situações adversas. Por outro lado, o óleo básico proveniente de rerrefino, quando processado adequadamente, não contém essas moléculas, que já foram oxidadas na primeira utilização e eliminadas no processo de rerrefino. Pode-se afirmar, portanto, que o óleo básico rerrefinado pode ter qualidade superior à de um básico de primeiro refino, por ser constituído de moléculas remanescentes com maior resistência à oxidação. Os lubrificantes perdem a capacidade de exercer sua função devido à presença de contaminantes internos ou externos, bem como pela depleção dos aditivos. Entretanto, submetidos a tratamentos apropriados de regeneração, como o rerrefino, eles retornam à sua 13

14 condição inicial de óleo básico, podendo participar de um novo ciclo, e assim sucessivamente por um número indeterminado de vezes. Para se produzir óleo básico a partir de óleo usado, numa rerrefinaria, se consome apenas 33% da energia que se gastaria para produzir a mesma quantidade de óleo básico a partir de petróleo cru, numa refinaria. Aos cerca de 60% dos óleos usados que são coletados no mundo, são dadas diferentes destinações, em cada país, dependendo de uma série de variáveis, como: volume total coletado, concentração e distribuição dessa coleta, tecnologia de reciclagem disponível, etc. Em alguns países, como os EUA, parte do óleo usado coletado recebe um tratamento para desidratação e remoção de sólidos e é queimado, principalmente em fornos de cimento e usinas termoelétricas. Essa destinação tem como desvantagem a reutilização do óleo, que é um produto nobre, apenas uma vez, já que ele é queimado como combustível. Para atender aos requisitos técnico-ambientais para queima, de modo a não poluir a atmosfera, o óleo usado tem que estar com os contaminantes dentro dos limites estabelecidos pelas normas internacionais de segurança para queima controlada de óleos usados. Algumas empresas, principalmente indústrias grandes consumidoras de lubrificantes, regeneram em suas próprias instalações o óleo usado, através de processos físico-químicos que eliminam os contaminantes. Em seguida o óleo é readitivado e volta para seus equipamentos originais ou é utilizado em outras aplicações. Esse processo tem a vantagem de proporcionar perdas pequenas em cada processamento, mas não se aplica a óleo de motor, pela sua elevada degradação. O óleo lubrificante utilizado em motores deve, necessariamente, ser encaminhado para rerrefino. 14. Conclusões e recomendações Em diversos países examinados, o processo de rerrefino vem se revelando uma interessante opção na gestão de resíduos de óleos lubrificantes usados, tanto pelo aspecto técnico como pelos aspectos econômico e ambiental. O Brasil tem feito esforços para aprimorar e ampliar o rerrefino, todavia, fica claro que ainda há muito a se fazer, principalmente no que diz respeito à coleta, que passa por uma questão cultural e sofre pela falta de uma estrutura nacional para recolhimento do óleo usado. O maior óbice ao desenvolvimento do rerrefino no país tem sido a dificuldade encontrada na coleta do óleo usado. As legislações pertinentes, muitas vezes obsoletas, inadequadas ou insuficientes, não garantem nem estimulam essa atividade, gerando, como conseqüência, os problemas ambientais dos descartes incorretos. Após uma breve experiência, a utilização de instrumentos econômicos de política ambiental foi abandonada e a ação governamental se dá, na atualidade, exclusivamente por meio de instrumentos de comando e controle. Seria recomendada a utilização de incentivos econômicos para tornar atrativa a coleta do óleo residual. Outras medidas recomendadas são: a intensificação da fiscalização pelos órgãos competentes, a instalação de centrais de coleta, tratamento e reciclagem dos resíduos e a realização de campanhas de sensibilização e conscientização da sociedade e setores envolvidos, sobre a importância da participação e envolvimento no processo de preservação ambiental. 15. Bibliografia ALMEIDA, Luciana Togeiro. Política Ambiental: Uma Análise Econômica. Campinas, SP. Papirus. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, ARAÚJO, Maria Adelina Santos. Reciclagem de Óleos Lubrificantes (apostila). Rio de Janeiro: Cenpes,

15 BARDE, Jean-Philippe & OPSCHOOR, Johanes Baptist. From Stick to Carrot in the Environment. The OECD Observer nº 186. Frebruary/March P BELLIA, Vitor. Introdução à Economia do Meio Ambiente. Brasília. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, COASE, Ronald Harry. The Firm, the market, and the law. USA: The University of Chicago Press CULLIS, John e JONES, Philip. Public Finance and Pubic Choice - analytical perspectives. Inglaterra: McGraw-Hill Publishing Company ESKELAND, Gunnar S. e JIMENEZ, Emmanuel. Menos Poluição nos Países em Desenvolvimento. In: Finanças e Desenvolvimento. Rio de Janeiro. Vol. 11 nº 1. p março FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PARA O BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial Desenvolvimento e Meio Ambiente MARMON, Dalia. Passaporte Verde - Gestão Ambiental e Competitividade. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., MEADE, J. E. Theory of economic externalities. The control of environmental pollution and similar social costs. Geneva: Sijthoff-Leiden, MUSGRAVE, R. A e MUSGRAVE, P. B. Public Finance in Theory and Practice. Nova York: McGraw-Hill PINDYCK, Robert S. RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, OLIVEIRA, José Marcos Domingues. Direito e Meio Ambiente: Proporcionalidade, tipicidade aberta, afetação da receita. Rio de Janeiro: Renovar, OSBORNE, David e GAEBLER, Ted. Reinventando o Governo - Como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação, PIGOU, Arturo Cecilio. La Economia del Bienestar. Madrid: M.Aguilar Editor (4ª ed.). ZEITLER, Franziska & HERMANNS, Klaus. El Sistema de Tasas y Contribuciones como instrumiento de la política ambiental: clasificación. In: La Proteción del Medio Ambiente, Conceptos y Politicas. Buenos Aires: Konrad-Adenauer Stiftung,

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO.

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. Como se formam os Lubrificantes 90,0 % Óleo básico de Petróleo: Neutro Leve Médio ou Pesado. Especificados pela ANP (*) 10,0 % Aditivos Diversos

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Aspectos Ambientais e Sociais Nov/2006 Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados (OLUC's) são... Resíduo inevitável do indispensável uso de lubrificantes

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO.

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. Como se formam os Lubrificantes 90,0 % Óleo básico de Petróleo: Neutro Leve Médio ou Pesado. Especificados pela ANP (*) 10,0 % Aditivos Diversos

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental Subsídio Ambiental Acabamos de perceber que um tributo sobre emissões funciona como se estivéssemos estabelecendo um preço pelo uso do patrimônio ambiental que

Leia mais

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990.

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. São Paulo, 6 de fevereiro de 2014 Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. Considera-se a iniciativa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005)

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050 Dispõe sobre o Rerrefino de Óleo Lubrificante (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 2.074, DE 2007. (Apensos os PLs nº 2.075, de 2007, nº 2.076, de 2007, nº 2.115, de 2007, nº 2.116, de 2007 e nº 4.015, de

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Considerando que o descarte de óleo lubrificante usado ou contaminado para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de óleo lubrificante usado ou contaminado para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO CONAMA N 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA 450/12 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado e seus Riscos

Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado e seus Riscos Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado e seus Riscos Meio Ambiente, Saúde e Economia Dezembro/2008 Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados (OLUC) são: Resíduos perigosos reconhecidos expressamente pela

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005 Resoluções Publicado no DOU em 27/06/2005, Seção 01, páginas 128, 129 e 130, Edição Número 121 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima - Syndarma, como representante de uma significativa parcela das empresas de navegação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 362 de 2005

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 362 de 2005 RESOLUÇÃO CONAMA nº 362, de 23 de junho de 2005 Publicada no DOU n o 121, de 27 de junho de 2005, Seção 1, páginas 128-130 Correlações: Revoga a Resolução n o 9/93 Dispõe sobre o recolhimento, coleta e

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

01/01/2009 em quantidade e com adequação de distribuição que assegure sua disponibilização em pelo menos uma bomba de cada um dos postos revendedores

01/01/2009 em quantidade e com adequação de distribuição que assegure sua disponibilização em pelo menos uma bomba de cada um dos postos revendedores 19ª Vara Cível Federal Autos nº 2007.61.00.034636-2 e 2008.61.00.013278-0 AÇÕES CIVIS PÚBLICAS Autores: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, ESTADO DE SÃO PAULO, INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

Competitividade e Tecnologias Limpas

Competitividade e Tecnologias Limpas Competitividade e Tecnologias Limpas Carlos Eduardo Frickmann Young Instituto de Economia/UFRJ Email: young@ie.ufrj.br A grande vantagem das tecnologias limpas está na possibilidade de reverter um custo

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Lelo Coimbra) Institui o Programa Nacional de Geração de Energia Elétrica a partir do Lixo (Progel) e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental.

A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental. 18 Encontro da ANAMMA Interpretação da Res. CONAMA nº 362/05 A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental. 12 de Agosto de 2008 Eduardo Carmo Agência Nacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

4º CONGRESSO SIMEPETRO

4º CONGRESSO SIMEPETRO 4º CONGRESSO SIMEPETRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LOGÍSTICA REVERSA Walter Françolin SINDIRREFINO - Agosto 2011 LEI nº 12.305 de 02 de Agosto de 2.010. institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro

3º. Seminário Nacional de Segurança e Saúde no Setor Elétrico Brasileiro SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE OCUPACIONAL E MEIO AMBIENTE: A EXPERIÊNCIA DA Rio de Janeiro, 2002 ! A Light - Serviços de Eletricidade S.A. foi constituída em 9 de julho de 1904, no Canadá, e recebeu

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais